DAVYSON SAMPAIO BRAGA
 Nome: M.F.S
 Idade: 13 anos
 Sexo: feminino
 Natural e Procedente de Juazeiro do Norte
 Estudante
 “Tosse, Dispnéia eTaquipnéia”
 Paciente com dispnéia, tosse produtiva com
expectoração amarelada associada a febre.
 R...
 EGR , Anictérica,Acianótica, Hipocorada
2+/4+
 Resp = MV +, com presença de sibilos em
ambas as bases. FR= 54irpm
 Acv...
 Hemograma (24/05/12):
 Ht = 38.9%
 Hb = 11.6g%
 Hem = 4.59 milhões/mm³
 Leucócitos = 8.900 /mm³
▪ B 0%; E 1%; Bastõe...
 PNEUMONIA
 CARDIOPATIA
 ICC
 Dieta Livre
 Venóclise por Holliday
 Sintomáticos
 Cuidados Gerais e SinaisVitais
 Dia 25/05/12 – 2º DIH
 HDA: Paciente evoluindo com tosse, dispnéia e
taquipnéia.
 ACV: Sopro Cardíaco PA: 140x60mmhg
...
 Radiografia de tórax
 VHS : 69mm
 UREIA: 25mg/dl
 CREATININA: 0.83mg/dl
 ASLO: 166 UI/ml
 Sumário de Urina: Normal
 Ecocardiograma:
 Dopplerfluxometria:
 Refluxo Mitral moderado
 Refluxo Aórtico importante
 Conclusões:
 Insuficiênc...
 Dia 26/05/12 – 3º DIH
Melhora do quadro clínico
Ex. Físico: Estável, acianótica, afebril, dispnéica e
taquicárdica.
AR: ...
 Dia 27/05/12 – 4º DIH
 Paciente com melhora clínica significativa.
PA: 130x80
 Conduta: MANTIDA
 Dia 28/05 a 30/05
 Paciente evolui com EGB referindo melhora da dispnéia, relatando
tosse cheia de aspecto amarelado, s...
 Hemograma (28/05/12):
 Ht = 38.9% - 47.5%
 Hb = 11.6g% - 14.7g%
 Hem = 4.59 milhões/mm³ - 5.4
 Leucócitos = 8.900 /m...
 Dia 31/05 e 01/06
 Paciente evolui bem, sem outras queixas
clínicas.
▪ ECT: EGB, A, A, A, Hidratado, Normocorado
▪ ACV:...
 1) Doença Reumática com Cardite e Lesão
Valvar. 2) Pneumonia
 Alta Hospitalar no dia 02/06/12, com Furosemida
40mg 01 c...
 Desde 2006 iniciou Penicilina Benzatina a
cada 3 semanas, tomou por 2 anos e passou
um ano inteiro sem tomar onde veio a...
 DEFINIÇÃO
 EPIDEMIOLOGIA
 ETIOPATOGÊNESE
 MANIFESTAÇÕESCLÍNICAS
 ALTERAÇÕES LABORATORIAIS
 DIAGNÓSTICO
 TRATAMENTO...
 INTRODUÇÃO:
 A febre reumática (FR) e a cardiopatia reumática
crônica (CRC) são complicações tardias não
supurativas da...
 INTRODUÇÃO:
 Comprometimento preferencial do coração, das
articulações, do tecido subcutâneo, da pele e do
sistema nerv...
 Idêntica a das infecções de vias respiratórias
superiores por estreptococos do grupo A:
 Surto 5 a 15 anos
 Adultos – ...
 Streptococcus pyogenes
 IVAS
 Mecanismo patogênico obscuro:
 3 HIPÓTESES:
▪ Infecção direta pelo estreptococo do grup...
 RESPOSTA IMUNE ANORMAL:
 Reação auto-imune capaz de desencadear uma
inflamação não-supurativa do tecido conjuntivo e
de...
IVAS  streptococo B-hemolítico do grupo A
5 – 15 anos 3:100  FR  1/3 CRC
IVAS
• Hipertermia súbita
• Adenopatia
• Dor d...
 POLIARTRITE
 CARDITE
 ERITEMA MARGINATUM
 NÓDULOS SUBCUTÂNEOS
 CORÉIA DE SYDENHAM
 POLIARTRITE (ATÉ 75%) DOR + EDEMA
 Grandes articulações
 Assimétrica e migratória
 Extremamente doloroso e incapacita...
 CARDITE (40 a 60%)
 Principal de terminante
do prognóstico da FR
 Única que deixa sequelas
 Acomete os 3 folhetos (pa...
 ERITEMA MARGINATUM (5%)
 Normalmente associado a cardite
 Trata-se de um rash eritematoso, de centro claro e
bordas av...
 COREIA DE SYDENHAM (20%)
 “Dança de SãoVito”
 Movimentos involuntários e bruscos das
extremidades e da face devido aco...
VÍDEO 1 VÍDEO 2
 Não existe exame específico para
diagnósticos de FR
 Reagentes de fase aguda
 Provas imunológicas
 Outros exames
 Proteína C Reativa (PCR):
 1º a se elevar (nas primeiras 24h)
 1º a normalizar (2 semanas)
 Velocidade de Hemossedime...
 A avaliação da infecção estreptocócica
recente via de regra é positiva, além de
fundamental para o diagnóstico. Deve ser...
 ASLO:
 Pincipal anticorpo
 Positivo em 80% dos casos
 Se eleva na 1º semana após IVAS e pode persistir
elevado por 1-...
 HEMOGRAMA = leucocitose neutrofílica,
anemia normocítica hipocrômica
 RADIOGRAFIA = cardiomegalia
 ELETROCARDIOGRAMA =...
 Pelo fato da FRA se manifestar com sinais e
sintomas inespecíficos e de não existir
nenhum exame diagnóstico, o diagnóst...
 2 CRITÉRIOS MAIORES OU 1 MAIOR E 2 MENORES + CO
 EXCEÇÃO: CORÉIA DE SYDENHAM
Critérios de Jones para diagnóstico de Feb...
 ERRADICAÇÃO DO ESTREPTOCOCO
 TRATAMENTO DE ARTRITE
 TRATAMENTO DE CARDITE
 TRATAMENTO DA COREIA
 PENICILINA G BENZATINA
 1.200.000U IM DOSE ÚNICA SE > 25 Kg
 600.000U IM DOSE ÚNICA SE < 25 Kg
 PRIMEIRA CONDUTA
 AAS
 100 mg/kg/dia
 Dose máxima 4g ao dia
 Doses divididas 6/6 horas por 2 semanas
 Redução gradual (1/6 da dose ini...
 PREDNISONA
 1 a 2 mg/kg/dia (dose máxima 60 mg)
 Doses divididas em 3-4 tomadas diárias por 2-3
semanas
 Iniciar desm...
 HALOPERIDOL:
 Dose inicial 1mg/dia de 12/12 horas
 Se não houver resposta aumentar 1mg a cada 3
dias, até haver respos...
 PRIMÁRIA:
 Consiste no tratamento adequado das faringites
streptocócicas. Quanto mais precoce o
tratamento (até 9 dias)...
 SECUNDÁRIA:
 Prevenção de novas infecções estreptocócicas,
para prevenir novos surtos de FR, iniciar após
diagnóstico f...
 PACIENTES QUE NÃO APRESENTAM
CARDITE:
 Até os 18 anos ou por 5 anos após último episódio (a
opção que durar mais)
 PAC...
Febre reumática (davyson sampaio braga)
Febre reumática (davyson sampaio braga)
Febre reumática (davyson sampaio braga)
Febre reumática (davyson sampaio braga)
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Febre reumática (davyson sampaio braga)

349 visualizações

Publicada em

CASO CLÍNICO DE FEBRE REUMÁTICA

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
349
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Febre reumática (davyson sampaio braga)

  1. 1. DAVYSON SAMPAIO BRAGA
  2. 2.  Nome: M.F.S  Idade: 13 anos  Sexo: feminino  Natural e Procedente de Juazeiro do Norte  Estudante
  3. 3.  “Tosse, Dispnéia eTaquipnéia”  Paciente com dispnéia, tosse produtiva com expectoração amarelada associada a febre.  Refere perda de peso de 4kg no último mês  Refere episódios de síncopes ao exercício físico  Paciente encaminhada por apresentar palidez intensa e taquicardia
  4. 4.  EGR , Anictérica,Acianótica, Hipocorada 2+/4+  Resp = MV +, com presença de sibilos em ambas as bases. FR= 54irpm  Acv = RCR, 3T, BNF, presença de sopro sistólico em FM 3+/6+, ritmo galope, protusão do mesocárdio, ictus cordis em LMA no 7° EICE; PA=130x60 FC=120  Abd = plano, indolor, depressível, s/ vmg ou massas palpáveis, RHA+
  5. 5.  Hemograma (24/05/12):  Ht = 38.9%  Hb = 11.6g%  Hem = 4.59 milhões/mm³  Leucócitos = 8.900 /mm³ ▪ B 0%; E 1%; Bastões 1%; Segmentados 75%; L 20%; M 3%  Plaquetas = 260.000 /mm³
  6. 6.  PNEUMONIA  CARDIOPATIA  ICC
  7. 7.  Dieta Livre  Venóclise por Holliday  Sintomáticos  Cuidados Gerais e SinaisVitais
  8. 8.  Dia 25/05/12 – 2º DIH  HDA: Paciente evoluindo com tosse, dispnéia e taquipnéia.  ACV: Sopro Cardíaco PA: 140x60mmhg  AR: Sibilos e Creptos difusos  Solicitado Rx deTórax, PCR,VHS e ASLO  Conduta:Venóclise por Holliday, Digoxina 0.25mg/d, Furosemida 40mg/d, Aldactone 50mg/d e Captopril 25mg 8/8h, Hidrocortisona 20mg/kg/d. Ceftriaxona 2g/d. CH 300ml.
  9. 9.  Radiografia de tórax
  10. 10.  VHS : 69mm  UREIA: 25mg/dl  CREATININA: 0.83mg/dl  ASLO: 166 UI/ml  Sumário de Urina: Normal
  11. 11.  Ecocardiograma:  Dopplerfluxometria:  Refluxo Mitral moderado  Refluxo Aórtico importante  Conclusões:  Insuficiência Mitral moderada  Insuficiência Aórtica Importante  Dilatação importante de AE eVE  Etiologia Reumática
  12. 12.  Dia 26/05/12 – 3º DIH Melhora do quadro clínico Ex. Físico: Estável, acianótica, afebril, dispnéica e taquicárdica. AR: Estertores difusos AC: RCR, 3T, (B3), SS em FM (+++/6+) PA: 120x80 Conduta: Dieta Hipossódica. Conduta Mantida
  13. 13.  Dia 27/05/12 – 4º DIH  Paciente com melhora clínica significativa. PA: 130x80  Conduta: MANTIDA
  14. 14.  Dia 28/05 a 30/05  Paciente evolui com EGB referindo melhora da dispnéia, relatando tosse cheia de aspecto amarelado, sem outras queixas clínicas. ▪ ECT: EGB, A,A,A, Hidratado, Normocorado ▪ ACV: RCR, 3T, B3, sopro sistólico em FM (+++/6+) FC: 82bpm PA= 130x80mmHg ▪ AR: MV +, com presença de creptos em Base de AHT, FR= 32irpm ▪ ABD: plano, indolor à palpação, semVCM, RHA+ ▪ MMII: Presença de eczema em ambos os pés  Conduta: Furosemida 2mg/kg/dia. Digoxina 0.25mg/d, Aldactone 50mg/d e Captopril 25mg 8/8h, Hidrocortisona 20mg/kg/d + Aerosol com B2. Ceftriaxona 2g/d. Cabeceira elevada.  Exames: Solicitado Hemograma para controle pós-tranfusional
  15. 15.  Hemograma (28/05/12):  Ht = 38.9% - 47.5%  Hb = 11.6g% - 14.7g%  Hem = 4.59 milhões/mm³ - 5.4  Leucócitos = 8.900 /mm³ - 20.900 ▪ B 0%; E 1%; Bastões 1%; Segmentados 75%- 80 ; L 20% - 11; M 3%  Plaquetas = 260.000 /mm³- 386.000
  16. 16.  Dia 31/05 e 01/06  Paciente evolui bem, sem outras queixas clínicas. ▪ ECT: EGB, A, A, A, Hidratado, Normocorado ▪ ACV: RCR, 3T, B3, sopro sistólico em FM (+++/6+) FC: 80bpm PA= 120x60mmHg ▪ AR: MV +, com presença de creptos em Base de AHT, FR= 30irpm. Melhora da ausculta ▪ ABD: plano, indolor à palpação, semVCM, RHA ▪ Conduta :Conduta: Furosemida 1mg/kg/dia. Digoxina 0.25mg/d, Aldactone 50mg ½ cp de 12/12 , Captopril 25mg ½ cp de 12/12, Hidrocortisona 20mg/kg/d + Aerosol com B2. Ceftriaxona 2g/d. Cabeceira elevada.
  17. 17.  1) Doença Reumática com Cardite e Lesão Valvar. 2) Pneumonia  Alta Hospitalar no dia 02/06/12, com Furosemida 40mg 01 cp dia. Digoxina 0.25mg 01 cp dia, Aldactone 25mg 01 cp de 12/12h, Captopril 25mg ½ cp de 12/12h. Penicilina Benzatina 1.200.000 UI a cada 15 d conforme orientado pela cardiologista.  Prescrito: Cefalexina de 6/6h para completar 14 d. Prednisona 40mg/dia para completar 7 d e Aerosol com B2.
  18. 18.  Desde 2006 iniciou Penicilina Benzatina a cada 3 semanas, tomou por 2 anos e passou um ano inteiro sem tomar onde veio a apresentar artralgia. Por conta desse tempo sem tomar a médica passou para ela tomar de 15 em 15 dias por 2 anos depois passar para 21 em 21 dias
  19. 19.  DEFINIÇÃO  EPIDEMIOLOGIA  ETIOPATOGÊNESE  MANIFESTAÇÕESCLÍNICAS  ALTERAÇÕES LABORATORIAIS  DIAGNÓSTICO  TRATAMENTO  PROFILAXIA
  20. 20.  INTRODUÇÃO:  A febre reumática (FR) e a cardiopatia reumática crônica (CRC) são complicações tardias não supurativas da faringoamigdalite causada pelo estreptococo beta-hemolítico do grupo A e decorrem de resposta imune tardia a esta infecção em populações geneticamente predispostas
  21. 21.  INTRODUÇÃO:  Comprometimento preferencial do coração, das articulações, do tecido subcutâneo, da pele e do sistema nervoso central (gânglios da base)  A valvopatia reumática crônica é a doença cardiovascular mais frequente entre adolescentes e adultos jovens  Principal causa de óbito por doença cardíaca em menores de 40 anos
  22. 22.  Idêntica a das infecções de vias respiratórias superiores por estreptococos do grupo A:  Surto 5 a 15 anos  Adultos – final da 2° e início da 3° década de vida  Fatores de risco epidemiológico:  Baixo padrão socioeconômico ▪ AGLOMERAÇÕES  Faringite por estreptococos do grupo A ▪ SOROTIPOS 1, 3, 5, 6 E 18 (MAIS ASSOCIADOS A FR)
  23. 23.  Streptococcus pyogenes  IVAS  Mecanismo patogênico obscuro:  3 HIPÓTESES: ▪ Infecção direta pelo estreptococo do grupo A ▪ Efeito tóxico de produtos extracelulares da bactéria ▪ Resposta imune anormal
  24. 24.  RESPOSTA IMUNE ANORMAL:  Reação auto-imune capaz de desencadear uma inflamação não-supurativa do tecido conjuntivo e de determinados órgãos e sistemas  “mimetismo molecular” – semelhança química e estrutural entre alguns componentes da bactéria e do tecido envolvido  SUSCEPTIBILIDADE GENÉTICA:  Membros da mesma família
  25. 25. IVAS  streptococo B-hemolítico do grupo A 5 – 15 anos 3:100  FR  1/3 CRC IVAS • Hipertermia súbita • Adenopatia • Dor de garganta • Hiperemia da faringe • Presença de exudato • Petéquias no pálato
  26. 26.  POLIARTRITE  CARDITE  ERITEMA MARGINATUM  NÓDULOS SUBCUTÂNEOS  CORÉIA DE SYDENHAM
  27. 27.  POLIARTRITE (ATÉ 75%) DOR + EDEMA  Grandes articulações  Assimétrica e migratória  Extremamente doloroso e incapacitante  Autolimitada  Não deixa sequelas  Boa resposta ao AINES  Anticorpos específicos estão em fase de pico  Líquido sinovial com leucócitos até 20.000, com predomínio de polimorfonucleares
  28. 28.  CARDITE (40 a 60%)  Principal de terminante do prognóstico da FR  Única que deixa sequelas  Acomete os 3 folhetos (pancardite)  A inflamação aguda dura até 8 semanas  Varia de leve a intensa  Causas de óbito: choque cardiogênico e EAP  Tratamento: corticóide
  29. 29.  ERITEMA MARGINATUM (5%)  Normalmente associado a cardite  Trata-se de um rash eritematoso, de centro claro e bordas avermelhadas de caráter migratório  Dura semanas/meses e não deixa sequelas  Não apresenta tratamento específico  NÓDULOS SUBCUTÂNEOS (5%)  Também se associam com frequência a cardite  São firmes indolores, solitários ou múltiplos  Duram apenas duas semanas e não deixa sequelas  Não apresente tratamento específico
  30. 30.  COREIA DE SYDENHAM (20%)  “Dança de SãoVito”  Movimentos involuntários e bruscos das extremidades e da face devido acometimento dos núcleos da base  Normalmente aparece após a regressão das outras manifestações da FR  Causa mais comum de coreia em crianças  Quadro autolimitado e não deixa sequelas  Melhora no repouso e no sono e piora no estresse  Síndrome autolimitada (3 a 4 meses)  Tratamento: Haloperidol
  31. 31. VÍDEO 1 VÍDEO 2
  32. 32.  Não existe exame específico para diagnósticos de FR  Reagentes de fase aguda  Provas imunológicas  Outros exames
  33. 33.  Proteína C Reativa (PCR):  1º a se elevar (nas primeiras 24h)  1º a normalizar (2 semanas)  Velocidade de Hemossedimentação (VHS)  2º a se elevar e normaliza antes do término da atividade reumática  Influenciado pelo usos de AINES  Mucoproteínas  Último a se alterar, mas permanece alterada enquanto houver inflamação
  34. 34.  A avaliação da infecção estreptocócica recente via de regra é positiva, além de fundamental para o diagnóstico. Deve ser feita pela dosagem dos anticorpos antienzimáticos abaixo:  Antiestreptolisina O (ASLO)  Anti-DNAse B  Anti-Hialuronidase  CULTURA DE OROFARINGE  FAN e FR = geralmente negativos
  35. 35.  ASLO:  Pincipal anticorpo  Positivo em 80% dos casos  Se eleva na 1º semana após IVAS e pode persistir elevado por 1-6 meses após a FRA  ASLO + anti-DNAse B = 90%  ASLO + anti-DNAse B + anti-hialuronidase = 95%
  36. 36.  HEMOGRAMA = leucocitose neutrofílica, anemia normocítica hipocrômica  RADIOGRAFIA = cardiomegalia  ELETROCARDIOGRAMA = alargamento do intervalo PR  ECOCARDIOGRAMA = dilatação de cavidades, valvulopatias e desempenho do coração  BIÓPSIA MIOCÁRDICA = “nódulos de Aschoff”
  37. 37.  Pelo fato da FRA se manifestar com sinais e sintomas inespecíficos e de não existir nenhum exame diagnóstico, o diagnóstico deve ser dado pela associação de critérios clínicos + critérios laboratoriais  CRITÉRIOS DE JONES
  38. 38.  2 CRITÉRIOS MAIORES OU 1 MAIOR E 2 MENORES + CO  EXCEÇÃO: CORÉIA DE SYDENHAM Critérios de Jones para diagnóstico de Febre Reumática Critérios maiores Critérios menores 1. Cardite(valvulite,miocardite ou pericardite 1. Febre 2. Poliatrite 2. Artralgia 3. Coréia de Sydenham 3. Alterações de provas de fase aguda 4. Nódulos subcutâneos 4. Alargamento de P-R no ECG 5. Eritema marginatum 5. História prévia de FR ou CRC CRITÉRIO OBRIGATÓRIO Evidência de infecção estreptocócica prévia 1. Cultura de orofaringe positiva para Streptococcus ß-hemolítico do grupo A 2. Aumento dos títulos de anticorpos anti-estreptocócicos (ASLO, antiestreptoquinase, etc.)
  39. 39.  ERRADICAÇÃO DO ESTREPTOCOCO  TRATAMENTO DE ARTRITE  TRATAMENTO DE CARDITE  TRATAMENTO DA COREIA
  40. 40.  PENICILINA G BENZATINA  1.200.000U IM DOSE ÚNICA SE > 25 Kg  600.000U IM DOSE ÚNICA SE < 25 Kg  PRIMEIRA CONDUTA
  41. 41.  AAS  100 mg/kg/dia  Dose máxima 4g ao dia  Doses divididas 6/6 horas por 2 semanas  Redução gradual (1/6 da dose inicial) a cada sete dias até completar 8 semanas  OBS: Paracetamol
  42. 42.  PREDNISONA  1 a 2 mg/kg/dia (dose máxima 60 mg)  Doses divididas em 3-4 tomadas diárias por 2-3 semanas  Iniciar desmame reduzindo 20-25% da dose por semana  Terapia mantida por 2-3 meses  OBS: ARTRITE + CARDITE
  43. 43.  HALOPERIDOL:  Dose inicial 1mg/dia de 12/12 horas  Se não houver resposta aumentar 1mg a cada 3 dias, até haver resposta  Dose máxima 4–6mg/dia  Dose terapêutica por 10 a 15 dias, iniciando então desmame até completar 8 a 12 semanas
  44. 44.  PRIMÁRIA:  Consiste no tratamento adequado das faringites streptocócicas. Quanto mais precoce o tratamento (até 9 dias) maior prevenção  1° ESCOLHA: PenicilinaG Benzatina  SE > 25 kg – 1.200.000U IM D.U.  SE < 25 kg – 600.000U IM D.U.  2° ESCOLHA: PenicilinaV oral, Azitromicina, Eritromicina ou Cefalexina
  45. 45.  SECUNDÁRIA:  Prevenção de novas infecções estreptocócicas, para prevenir novos surtos de FR, iniciar após diagnóstico firmado  PENICILINA G BENZATINA (1.200.000U IM OU 600.000U IM) A CADA 21 DIAS
  46. 46.  PACIENTES QUE NÃO APRESENTAM CARDITE:  Até os 18 anos ou por 5 anos após último episódio (a opção que durar mais)  PACIENTE COM CARDITE MAS SEM LESÃO VALVAR:  por 10 anos ou até os 25 anos (a opção que durar mais)  PACIENTES COM CARDITE E LESÃOVALVAR:  Até os 40 anos ou por toda vida

×