SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 18
Autarquia Educacional do Belo Jardim
Faculdade de Ciências da Saúde do Belo Jardim
Curso de Bacharelado em Enfermagem
Docentes: Marilene Nascimento e Vanessa Torres
Discentes: Débora Emanuelly, Fernanda Marinho, Jéssica Lane, Josielma
Marinho, Natalia Marques, Nyedja Luana, Marno Galvão.
SÍNDROME
CORONARIANA
AGUDA
INTRODUÇÃO
• O termo SCA é empregado aos pacientes com evidências clínicas ou
laboratoriais de isquemia aguda, produzida por desequilíbrio entre
suprimento e demanda de oxigênio para o miocárdio, sendo, na
maioria das vezes, causada por instabilização de uma placa
aterosclerótica.
• São duas as formas de apresentação da SCA:
aquela com supradesnivelamento do segmento
ST (SCACSSST), ou infarto agudo do miocárdio
com supra de ST (IAMCSST), e aquela sem
supradesnivelamento do segmento ST
(SCASSST). A SCASSST se subdivide em angina
instável (AI) e infarto agudo do miocárdio sem
supradesnivelamento do segmento ST
(IAMSSST).
EPIDEMIOLOGIA
• As doenças cardiovasculares (DCV) são a principal causa
de morbidade, incapacidade e morte no mundo e no
Brasil;
• Entre as causas de morte e hospitalização por DCV,
destacam-se as síndromes coronarianas aguda (SCA),
incluindo o infarto agudo do miocárdio (IAM) e a angina
instável (AI).
GRUPO DE RISCO
• Diabéticos;
• Hipertensos;
• História familiar positiva;
• Tabagismo;
• Sedentarismo;
• Obesidade;
• Dislipidemia.
ETIOLOGIA
FISIOPATOLOGIA
LESÃO
ENDOTELIAL
RESPOSTA
INFLAMATÓRIA
OBSTRUÇÃO
DA LUZ DO
VASO
TOTAL
ISQUEMIA
AI IAM
QUADRO CLÍNICO
ANAMNESE
▫ Dor torácica difusa em repouso;
▫ Sudorese;
▫ Náuseas e vômitos;
▫ Dispnéia;
▫ Mal estar, indigestão, dor epigástrica;
▫ Sexo e idade;
▫ Presença de fatores de risco para DCV/SC;
▫ História prévia de Doença Arterial Coronariana;.
QUADRO CLÍNICO
EXAME FÍSICO
• PA nos dois braços;
• Palpar pulso nos MMSS e MMII:
▫ Contribuem no diagnóstico diferencial de doenças
como estenose aórtica e dissecção de aorta (assimetria
de pulsos).
• Lentificação do enchimento capilar:
▫ Palidez (lábios e extremidades);
• Sinais de gravidade:
▫ Crepitações pulmonares;
▫ Hipotensão arterial (PAS < 85mmHg);
▫ Taquicardia (FC > 100 bpm).
QUADRO CLÍNICO
ELETROCARDIOGRAMA
▫ Variação do segmento ST
MARCADORES DE NECROSE MIOCÁRDICA (MNM)
▫ CKMB, Troponina, CK Total.
DIAGNÓSTICO
• Anamnese;
• Exame Físico;
• Exames: hemograma, HGT, glicemia em jejum, função
renal, teste de coagulação, perfil lipídico, ECG, MNM.
COMPLICAÇÕES
• EAP;
• Arritmias;
• FV/TV;
• Bradicardia sinusal;
• Bloqueio av;
• Choque cardiogênico;
• Etc.
TRATAMENTO
• Terapia de reperfusão;
▫ Intervenção coronária percutânea (ICP) primária
TRATAMENTO
• Terapia de reperfusão:
▫ Terapia trombolítica:
 RTPA, estreptoquinase;
 Trombólise pré-hospitalar;
▫ Terapia antiplaquetária:
 AAS, Clopidogrel.
▫ Terapia anticoagulante:
 heparina, nitrato.
▫ Medidas gerais de monitorização:
 O2, AVP, medicação, repouso, ECG, etc...
ESTUDO DE CASO
Mulher de 55 anos chega ao PS com história de epigastralgia
intensa, vômito, náusea há cerca de 4 horas. Medicada com
buscopan e plasil endovenoso. Porém não refere melhora da queixa
álgica, é diabética em tratamento com metformina 850mg duas
vezes ao dia. Ao exame físico PA – 90 x 60 mmHg, pulso 60 bpm.
Solicitado ECG e marcadores de necrose miocárdica. Apresenta
elevação do segmento ST e aumento de CKMB. Considerando o
relato quais os cuidados de enfermagem.
Relata ter “perdido a saúde” (sic), desde o falecimento do filho.
Sempre se achou nervosa e a equipe percebe tremores, falhas no
couro cabeludo e ao falar sobre suas emoções a paciente mexe e
arranca os cabelos, como se não percebesse. Apresente a hipótese
diagnóstica com grupo, subgrupo (se tiver), no caso e os
encaminhamentos.
ASSISTÊNCIA
• Repouso no leito;
• Acesso venoso de grosso calibre;
• Ofertar O2;
• Monitorização eletrocardiográfica;
• Dieta laxativa;
• Administrar medicação prescrita;
• Providenciar realização/coleta de
exames;
• Providenciar transferência do
paciente para hospital de
referência.
REFERÊNCIAS
• PROTOCOLO CLÍNICO - SÍNDROMES CORONARIANAS
AGUDAS, Ministério da Saúde, 2011;
• MAFRA, A.A.; LODI-JUNQUEIRA, L.; RIBEIRO, A.L.P. et al /
Secretaria Municipal de Saúde de Belo Horizonte, Minas Gerais.
Protocolo Clínico sobre Síndrome Coronariana Aguda. –Belo
Horizonte 2012.
OBRIGADO!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Insuficiência cardíaca 2017
Insuficiência cardíaca 2017Insuficiência cardíaca 2017
Insuficiência cardíaca 2017pauloalambert
 
HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA - 2016
HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA - 2016HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA - 2016
HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA - 2016Maycon Silva
 
SINDROME CORONARIANA AGUDA atualizada
SINDROME CORONARIANA AGUDA atualizadaSINDROME CORONARIANA AGUDA atualizada
SINDROME CORONARIANA AGUDA atualizadaFabio Nunes NUNES
 
Hipertensão Arterial
Hipertensão ArterialHipertensão Arterial
Hipertensão Arterialivanaferraz
 
Síndrome Coronariana Aguda
Síndrome Coronariana AgudaSíndrome Coronariana Aguda
Síndrome Coronariana AgudaNader Fares
 
Infarto agudo do miocárdio (IAM)
Infarto agudo do miocárdio   (IAM)Infarto agudo do miocárdio   (IAM)
Infarto agudo do miocárdio (IAM)Shirley Rodrigues
 
Gasometria Arterial
Gasometria ArterialGasometria Arterial
Gasometria Arterialresenfe2013
 
Infarto agudo do miocárdio
Infarto agudo do miocárdioInfarto agudo do miocárdio
Infarto agudo do miocárdiojaquerpereira
 
Semiologia para Enfermagem No Caminho da Enfermagem Lucas Fontes
Semiologia para Enfermagem No Caminho da Enfermagem Lucas FontesSemiologia para Enfermagem No Caminho da Enfermagem Lucas Fontes
Semiologia para Enfermagem No Caminho da Enfermagem Lucas FontesLucas Fontes
 
Caso clinico - Infarto agudo do miocárdio
Caso clinico - Infarto agudo do miocárdio Caso clinico - Infarto agudo do miocárdio
Caso clinico - Infarto agudo do miocárdio MAIQUELE SANTANA
 
15118905 monitorizacao-invasiva-e-nao-invasiva
15118905 monitorizacao-invasiva-e-nao-invasiva15118905 monitorizacao-invasiva-e-nao-invasiva
15118905 monitorizacao-invasiva-e-nao-invasivaMateus Camargo
 
Hipertensão arterial sistêmica
Hipertensão arterial sistêmicaHipertensão arterial sistêmica
Hipertensão arterial sistêmicaj2012p
 

Mais procurados (20)

Insuficiência cardíaca 2017
Insuficiência cardíaca 2017Insuficiência cardíaca 2017
Insuficiência cardíaca 2017
 
HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA - 2016
HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA - 2016HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA - 2016
HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA - 2016
 
SINDROME CORONARIANA AGUDA atualizada
SINDROME CORONARIANA AGUDA atualizadaSINDROME CORONARIANA AGUDA atualizada
SINDROME CORONARIANA AGUDA atualizada
 
Hipertensão Arterial
Hipertensão ArterialHipertensão Arterial
Hipertensão Arterial
 
Síndrome Coronariana Aguda
Síndrome Coronariana AgudaSíndrome Coronariana Aguda
Síndrome Coronariana Aguda
 
Arritmias..
Arritmias..Arritmias..
Arritmias..
 
Choque
Choque Choque
Choque
 
Infarto Agudo do Miocárdio
Infarto Agudo do MiocárdioInfarto Agudo do Miocárdio
Infarto Agudo do Miocárdio
 
Infarto agudo do miocárdio (IAM)
Infarto agudo do miocárdio   (IAM)Infarto agudo do miocárdio   (IAM)
Infarto agudo do miocárdio (IAM)
 
Gasometria Arterial
Gasometria ArterialGasometria Arterial
Gasometria Arterial
 
Infarto agudo do miocárdio
Infarto agudo do miocárdioInfarto agudo do miocárdio
Infarto agudo do miocárdio
 
Semiologia para Enfermagem No Caminho da Enfermagem Lucas Fontes
Semiologia para Enfermagem No Caminho da Enfermagem Lucas FontesSemiologia para Enfermagem No Caminho da Enfermagem Lucas Fontes
Semiologia para Enfermagem No Caminho da Enfermagem Lucas Fontes
 
Ascite
Ascite Ascite
Ascite
 
Iam
IamIam
Iam
 
Caso clinico - Infarto agudo do miocárdio
Caso clinico - Infarto agudo do miocárdio Caso clinico - Infarto agudo do miocárdio
Caso clinico - Infarto agudo do miocárdio
 
Aula residência ave avc
Aula residência ave avcAula residência ave avc
Aula residência ave avc
 
15118905 monitorizacao-invasiva-e-nao-invasiva
15118905 monitorizacao-invasiva-e-nao-invasiva15118905 monitorizacao-invasiva-e-nao-invasiva
15118905 monitorizacao-invasiva-e-nao-invasiva
 
Hipertensão arterial sistêmica
Hipertensão arterial sistêmicaHipertensão arterial sistêmica
Hipertensão arterial sistêmica
 
Choque hipovolemico aula1_2
Choque hipovolemico aula1_2Choque hipovolemico aula1_2
Choque hipovolemico aula1_2
 
Exames Laboratoriais
Exames LaboratoriaisExames Laboratoriais
Exames Laboratoriais
 

Semelhante a SINDROME CORONARIANA AGUDA

Dor torácica na emergência
Dor torácica na emergênciaDor torácica na emergência
Dor torácica na emergênciaPaulo Sérgio
 
Insuficiência cardíaca
Insuficiência cardíaca Insuficiência cardíaca
Insuficiência cardíaca Leonardo Bax
 
Infartoagudodomiocrdio 120204054416-phpapp01
Infartoagudodomiocrdio 120204054416-phpapp01Infartoagudodomiocrdio 120204054416-phpapp01
Infartoagudodomiocrdio 120204054416-phpapp01Vlc_val
 
Doença Arterial Coronariana
Doença Arterial CoronarianaDoença Arterial Coronariana
Doença Arterial Coronarianaresenfe2013
 
Infarto agudo do miocárdio
Infarto agudo do miocárdioInfarto agudo do miocárdio
Infarto agudo do miocárdioJumooca
 
Tratamento avc agudo
Tratamento avc agudoTratamento avc agudo
Tratamento avc agudoKate Antunes
 
Insuficiência cardíaca aguda
Insuficiência cardíaca aguda Insuficiência cardíaca aguda
Insuficiência cardíaca aguda betoivomedeiros
 
CASOS CLÍNICOS HM (1) ultimo.pptx
CASOS CLÍNICOS HM (1) ultimo.pptxCASOS CLÍNICOS HM (1) ultimo.pptx
CASOS CLÍNICOS HM (1) ultimo.pptxLuisDaviDiniz2
 
Hemorragia intraventricular e Hemorragia Subependimal
Hemorragia intraventricular e Hemorragia SubependimalHemorragia intraventricular e Hemorragia Subependimal
Hemorragia intraventricular e Hemorragia SubependimalErion Junior de Andrade
 
trauma_craenioencefalico_e_raquimedular_cervical.pdf
trauma_craenioencefalico_e_raquimedular_cervical.pdftrauma_craenioencefalico_e_raquimedular_cervical.pdf
trauma_craenioencefalico_e_raquimedular_cervical.pdfssuser41f216
 

Semelhante a SINDROME CORONARIANA AGUDA (20)

Caso clínico
Caso clínicoCaso clínico
Caso clínico
 
Sca SINDROME CORONARIO AGUDO
Sca SINDROME CORONARIO AGUDOSca SINDROME CORONARIO AGUDO
Sca SINDROME CORONARIO AGUDO
 
Síndrome Coronariana Aguda
Síndrome Coronariana AgudaSíndrome Coronariana Aguda
Síndrome Coronariana Aguda
 
Síndrome Coronariana Aguda
Síndrome Coronariana AgudaSíndrome Coronariana Aguda
Síndrome Coronariana Aguda
 
Aula SCA OUT 2020.pptx
Aula SCA OUT 2020.pptxAula SCA OUT 2020.pptx
Aula SCA OUT 2020.pptx
 
Dor torácica na emergência
Dor torácica na emergênciaDor torácica na emergência
Dor torácica na emergência
 
Insuficiência cardíaca
Insuficiência cardíaca Insuficiência cardíaca
Insuficiência cardíaca
 
Cardiologia
CardiologiaCardiologia
Cardiologia
 
Infartoagudodomiocrdio 120204054416-phpapp01
Infartoagudodomiocrdio 120204054416-phpapp01Infartoagudodomiocrdio 120204054416-phpapp01
Infartoagudodomiocrdio 120204054416-phpapp01
 
Doença Arterial Coronariana
Doença Arterial CoronarianaDoença Arterial Coronariana
Doença Arterial Coronariana
 
Infarto agudo do miocárdio
Infarto agudo do miocárdioInfarto agudo do miocárdio
Infarto agudo do miocárdio
 
Lacm Bia e Maurício
Lacm Bia e MaurícioLacm Bia e Maurício
Lacm Bia e Maurício
 
Tratamento avc agudo
Tratamento avc agudoTratamento avc agudo
Tratamento avc agudo
 
IAMSSST
IAMSSSTIAMSSST
IAMSSST
 
Insuficiência cardíaca aguda
Insuficiência cardíaca aguda Insuficiência cardíaca aguda
Insuficiência cardíaca aguda
 
CASOS CLÍNICOS HM (1) ultimo.pptx
CASOS CLÍNICOS HM (1) ultimo.pptxCASOS CLÍNICOS HM (1) ultimo.pptx
CASOS CLÍNICOS HM (1) ultimo.pptx
 
Acidente vascular encefálico
Acidente vascular encefálicoAcidente vascular encefálico
Acidente vascular encefálico
 
Hemorragia intraventricular e Hemorragia Subependimal
Hemorragia intraventricular e Hemorragia SubependimalHemorragia intraventricular e Hemorragia Subependimal
Hemorragia intraventricular e Hemorragia Subependimal
 
trauma_craenioencefalico_e_raquimedular_cervical.pdf
trauma_craenioencefalico_e_raquimedular_cervical.pdftrauma_craenioencefalico_e_raquimedular_cervical.pdf
trauma_craenioencefalico_e_raquimedular_cervical.pdf
 
DOR TORÁCICA
DOR TORÁCICADOR TORÁCICA
DOR TORÁCICA
 

Mais de Fernanda Marinho

PESQUISA SOBRE SAÚDE DO HOMEM
PESQUISA SOBRE SAÚDE DO HOMEMPESQUISA SOBRE SAÚDE DO HOMEM
PESQUISA SOBRE SAÚDE DO HOMEMFernanda Marinho
 
ASPECTOS BIOÉTICOS NOS CUIDADOS PALIATIVOS (EUTANÁSIA E DISTANÁSIA).
ASPECTOS BIOÉTICOS NOS CUIDADOS PALIATIVOS (EUTANÁSIA E DISTANÁSIA).ASPECTOS BIOÉTICOS NOS CUIDADOS PALIATIVOS (EUTANÁSIA E DISTANÁSIA).
ASPECTOS BIOÉTICOS NOS CUIDADOS PALIATIVOS (EUTANÁSIA E DISTANÁSIA). Fernanda Marinho
 
DROGAS NA INFÂNCIA E NA ADOLESCÊNCIA
DROGAS NA INFÂNCIA E NA ADOLESCÊNCIADROGAS NA INFÂNCIA E NA ADOLESCÊNCIA
DROGAS NA INFÂNCIA E NA ADOLESCÊNCIAFernanda Marinho
 
LEVANTAMENTO DE DADOS DO MUNICÍPIO DE CALÇADO-PE
LEVANTAMENTO DE DADOS DO MUNICÍPIO DE CALÇADO-PELEVANTAMENTO DE DADOS DO MUNICÍPIO DE CALÇADO-PE
LEVANTAMENTO DE DADOS DO MUNICÍPIO DE CALÇADO-PEFernanda Marinho
 
Administração de Conflito e tomada de decisão
Administração de Conflito e tomada de decisãoAdministração de Conflito e tomada de decisão
Administração de Conflito e tomada de decisãoFernanda Marinho
 
A saúde do trabalhador, seus riscos ocupacionais, aspectos psicossociais, cul...
A saúde do trabalhador, seus riscos ocupacionais, aspectos psicossociais, cul...A saúde do trabalhador, seus riscos ocupacionais, aspectos psicossociais, cul...
A saúde do trabalhador, seus riscos ocupacionais, aspectos psicossociais, cul...Fernanda Marinho
 
Anatomia, fisiologia, embriologia e biofísica do sistema reprodutor feminino.
Anatomia, fisiologia, embriologia e biofísica do sistema reprodutor feminino.Anatomia, fisiologia, embriologia e biofísica do sistema reprodutor feminino.
Anatomia, fisiologia, embriologia e biofísica do sistema reprodutor feminino.Fernanda Marinho
 
Apresentacao eritroblastose fetal
Apresentacao eritroblastose fetalApresentacao eritroblastose fetal
Apresentacao eritroblastose fetalFernanda Marinho
 
Podemos definir hipotireoidismo como um estado clínico resultante de quantida...
Podemos definir hipotireoidismo como um estado clínico resultante de quantida...Podemos definir hipotireoidismo como um estado clínico resultante de quantida...
Podemos definir hipotireoidismo como um estado clínico resultante de quantida...Fernanda Marinho
 

Mais de Fernanda Marinho (20)

PESQUISA SOBRE SAÚDE DO HOMEM
PESQUISA SOBRE SAÚDE DO HOMEMPESQUISA SOBRE SAÚDE DO HOMEM
PESQUISA SOBRE SAÚDE DO HOMEM
 
ASPECTOS BIOÉTICOS NOS CUIDADOS PALIATIVOS (EUTANÁSIA E DISTANÁSIA).
ASPECTOS BIOÉTICOS NOS CUIDADOS PALIATIVOS (EUTANÁSIA E DISTANÁSIA).ASPECTOS BIOÉTICOS NOS CUIDADOS PALIATIVOS (EUTANÁSIA E DISTANÁSIA).
ASPECTOS BIOÉTICOS NOS CUIDADOS PALIATIVOS (EUTANÁSIA E DISTANÁSIA).
 
DST/AIDS NAS MULHERES
DST/AIDS NAS MULHERESDST/AIDS NAS MULHERES
DST/AIDS NAS MULHERES
 
DROGAS NA INFÂNCIA E NA ADOLESCÊNCIA
DROGAS NA INFÂNCIA E NA ADOLESCÊNCIADROGAS NA INFÂNCIA E NA ADOLESCÊNCIA
DROGAS NA INFÂNCIA E NA ADOLESCÊNCIA
 
Diabetes mellitus
Diabetes mellitusDiabetes mellitus
Diabetes mellitus
 
Transtorno de ansiedade
Transtorno de ansiedadeTranstorno de ansiedade
Transtorno de ansiedade
 
LEVANTAMENTO DE DADOS DO MUNICÍPIO DE CALÇADO-PE
LEVANTAMENTO DE DADOS DO MUNICÍPIO DE CALÇADO-PELEVANTAMENTO DE DADOS DO MUNICÍPIO DE CALÇADO-PE
LEVANTAMENTO DE DADOS DO MUNICÍPIO DE CALÇADO-PE
 
Administração de Conflito e tomada de decisão
Administração de Conflito e tomada de decisãoAdministração de Conflito e tomada de decisão
Administração de Conflito e tomada de decisão
 
Acreditação Hospitalar
Acreditação HospitalarAcreditação Hospitalar
Acreditação Hospitalar
 
Sinasc
SinascSinasc
Sinasc
 
Transplantes
Transplantes Transplantes
Transplantes
 
A saúde do trabalhador, seus riscos ocupacionais, aspectos psicossociais, cul...
A saúde do trabalhador, seus riscos ocupacionais, aspectos psicossociais, cul...A saúde do trabalhador, seus riscos ocupacionais, aspectos psicossociais, cul...
A saúde do trabalhador, seus riscos ocupacionais, aspectos psicossociais, cul...
 
História da enfermagem
História da enfermagemHistória da enfermagem
História da enfermagem
 
Anatomia, fisiologia, embriologia e biofísica do sistema reprodutor feminino.
Anatomia, fisiologia, embriologia e biofísica do sistema reprodutor feminino.Anatomia, fisiologia, embriologia e biofísica do sistema reprodutor feminino.
Anatomia, fisiologia, embriologia e biofísica do sistema reprodutor feminino.
 
Cobertura vacinal
Cobertura vacinalCobertura vacinal
Cobertura vacinal
 
Dst/aids
Dst/aidsDst/aids
Dst/aids
 
Apresentacao eritroblastose fetal
Apresentacao eritroblastose fetalApresentacao eritroblastose fetal
Apresentacao eritroblastose fetal
 
Podemos definir hipotireoidismo como um estado clínico resultante de quantida...
Podemos definir hipotireoidismo como um estado clínico resultante de quantida...Podemos definir hipotireoidismo como um estado clínico resultante de quantida...
Podemos definir hipotireoidismo como um estado clínico resultante de quantida...
 
HIPERÊMESE GRAVÍDICA
  HIPERÊMESE GRAVÍDICA  HIPERÊMESE GRAVÍDICA
HIPERÊMESE GRAVÍDICA
 
Apresentacão meningite
Apresentacão meningiteApresentacão meningite
Apresentacão meningite
 

Último

Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfSistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfGustavoWallaceAlvesd
 
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdfO mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdfNelmo Pinto
 
FUNDAMENTOS E TEORAS DA ENFERMAGEM PARA ALUNOS DE CURSO TÉCNICO
FUNDAMENTOS E TEORAS DA ENFERMAGEM PARA ALUNOS DE CURSO TÉCNICOFUNDAMENTOS E TEORAS DA ENFERMAGEM PARA ALUNOS DE CURSO TÉCNICO
FUNDAMENTOS E TEORAS DA ENFERMAGEM PARA ALUNOS DE CURSO TÉCNICOJessicaAngelo5
 
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASAULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASArtthurPereira2
 
INTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptx
INTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptxINTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptx
INTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptxssuser4ba5b7
 
TRABALHO SOBRE A ERISIPELA BOLHOSA.pptx.
TRABALHO SOBRE A ERISIPELA BOLHOSA.pptx.TRABALHO SOBRE A ERISIPELA BOLHOSA.pptx.
TRABALHO SOBRE A ERISIPELA BOLHOSA.pptx.ColorNet
 

Último (7)

Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfSistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
 
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdfO mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
 
FUNDAMENTOS E TEORAS DA ENFERMAGEM PARA ALUNOS DE CURSO TÉCNICO
FUNDAMENTOS E TEORAS DA ENFERMAGEM PARA ALUNOS DE CURSO TÉCNICOFUNDAMENTOS E TEORAS DA ENFERMAGEM PARA ALUNOS DE CURSO TÉCNICO
FUNDAMENTOS E TEORAS DA ENFERMAGEM PARA ALUNOS DE CURSO TÉCNICO
 
Aplicativo aleitamento: apoio na palma das mãos
Aplicativo aleitamento: apoio na palma das mãosAplicativo aleitamento: apoio na palma das mãos
Aplicativo aleitamento: apoio na palma das mãos
 
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASAULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
 
INTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptx
INTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptxINTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptx
INTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptx
 
TRABALHO SOBRE A ERISIPELA BOLHOSA.pptx.
TRABALHO SOBRE A ERISIPELA BOLHOSA.pptx.TRABALHO SOBRE A ERISIPELA BOLHOSA.pptx.
TRABALHO SOBRE A ERISIPELA BOLHOSA.pptx.
 

SINDROME CORONARIANA AGUDA

  • 1. Autarquia Educacional do Belo Jardim Faculdade de Ciências da Saúde do Belo Jardim Curso de Bacharelado em Enfermagem Docentes: Marilene Nascimento e Vanessa Torres Discentes: Débora Emanuelly, Fernanda Marinho, Jéssica Lane, Josielma Marinho, Natalia Marques, Nyedja Luana, Marno Galvão. SÍNDROME CORONARIANA AGUDA
  • 2. INTRODUÇÃO • O termo SCA é empregado aos pacientes com evidências clínicas ou laboratoriais de isquemia aguda, produzida por desequilíbrio entre suprimento e demanda de oxigênio para o miocárdio, sendo, na maioria das vezes, causada por instabilização de uma placa aterosclerótica.
  • 3. • São duas as formas de apresentação da SCA: aquela com supradesnivelamento do segmento ST (SCACSSST), ou infarto agudo do miocárdio com supra de ST (IAMCSST), e aquela sem supradesnivelamento do segmento ST (SCASSST). A SCASSST se subdivide em angina instável (AI) e infarto agudo do miocárdio sem supradesnivelamento do segmento ST (IAMSSST).
  • 4. EPIDEMIOLOGIA • As doenças cardiovasculares (DCV) são a principal causa de morbidade, incapacidade e morte no mundo e no Brasil; • Entre as causas de morte e hospitalização por DCV, destacam-se as síndromes coronarianas aguda (SCA), incluindo o infarto agudo do miocárdio (IAM) e a angina instável (AI).
  • 5. GRUPO DE RISCO • Diabéticos; • Hipertensos; • História familiar positiva; • Tabagismo; • Sedentarismo; • Obesidade; • Dislipidemia.
  • 8. QUADRO CLÍNICO ANAMNESE ▫ Dor torácica difusa em repouso; ▫ Sudorese; ▫ Náuseas e vômitos; ▫ Dispnéia; ▫ Mal estar, indigestão, dor epigástrica; ▫ Sexo e idade; ▫ Presença de fatores de risco para DCV/SC; ▫ História prévia de Doença Arterial Coronariana;.
  • 9. QUADRO CLÍNICO EXAME FÍSICO • PA nos dois braços; • Palpar pulso nos MMSS e MMII: ▫ Contribuem no diagnóstico diferencial de doenças como estenose aórtica e dissecção de aorta (assimetria de pulsos). • Lentificação do enchimento capilar: ▫ Palidez (lábios e extremidades); • Sinais de gravidade: ▫ Crepitações pulmonares; ▫ Hipotensão arterial (PAS < 85mmHg); ▫ Taquicardia (FC > 100 bpm).
  • 10. QUADRO CLÍNICO ELETROCARDIOGRAMA ▫ Variação do segmento ST MARCADORES DE NECROSE MIOCÁRDICA (MNM) ▫ CKMB, Troponina, CK Total.
  • 11. DIAGNÓSTICO • Anamnese; • Exame Físico; • Exames: hemograma, HGT, glicemia em jejum, função renal, teste de coagulação, perfil lipídico, ECG, MNM.
  • 12. COMPLICAÇÕES • EAP; • Arritmias; • FV/TV; • Bradicardia sinusal; • Bloqueio av; • Choque cardiogênico; • Etc.
  • 13. TRATAMENTO • Terapia de reperfusão; ▫ Intervenção coronária percutânea (ICP) primária
  • 14. TRATAMENTO • Terapia de reperfusão: ▫ Terapia trombolítica:  RTPA, estreptoquinase;  Trombólise pré-hospitalar; ▫ Terapia antiplaquetária:  AAS, Clopidogrel. ▫ Terapia anticoagulante:  heparina, nitrato. ▫ Medidas gerais de monitorização:  O2, AVP, medicação, repouso, ECG, etc...
  • 15. ESTUDO DE CASO Mulher de 55 anos chega ao PS com história de epigastralgia intensa, vômito, náusea há cerca de 4 horas. Medicada com buscopan e plasil endovenoso. Porém não refere melhora da queixa álgica, é diabética em tratamento com metformina 850mg duas vezes ao dia. Ao exame físico PA – 90 x 60 mmHg, pulso 60 bpm. Solicitado ECG e marcadores de necrose miocárdica. Apresenta elevação do segmento ST e aumento de CKMB. Considerando o relato quais os cuidados de enfermagem. Relata ter “perdido a saúde” (sic), desde o falecimento do filho. Sempre se achou nervosa e a equipe percebe tremores, falhas no couro cabeludo e ao falar sobre suas emoções a paciente mexe e arranca os cabelos, como se não percebesse. Apresente a hipótese diagnóstica com grupo, subgrupo (se tiver), no caso e os encaminhamentos.
  • 16. ASSISTÊNCIA • Repouso no leito; • Acesso venoso de grosso calibre; • Ofertar O2; • Monitorização eletrocardiográfica; • Dieta laxativa; • Administrar medicação prescrita; • Providenciar realização/coleta de exames; • Providenciar transferência do paciente para hospital de referência.
  • 17. REFERÊNCIAS • PROTOCOLO CLÍNICO - SÍNDROMES CORONARIANAS AGUDAS, Ministério da Saúde, 2011; • MAFRA, A.A.; LODI-JUNQUEIRA, L.; RIBEIRO, A.L.P. et al / Secretaria Municipal de Saúde de Belo Horizonte, Minas Gerais. Protocolo Clínico sobre Síndrome Coronariana Aguda. –Belo Horizonte 2012.