Exame Físico:
ECTOSCOPIA
DAVYSON SAMPAIO BRAGA
Exame Físico Geral
• ESTADO GERAL
• ESTADO NUTRICIONAL
• FÁCIES
• MARCHA
• ATITUDE EM LEITO
• NÍVEL DE CONCIÊNCIA
• GRAU D...
ESTADO GERAL
• MUITO SUBJETIVO, É INDICADO COMO
SENDO.
BOM
REGULAR
COMPROMETIDO (ruim)
ESTADO NUTRICIONAL
• NUTRIDO
• SUBNUTRIDO
• DESNUTRIDO
P.S: OBSERVAR HIPOTROFIA MUSCULAR,
PROEMINÊNCIAS ÓSSEAS,
EMAGRECIME...
FÁCIES
• Alteração fisionômica ou anatômicas que lembra
alguma patologia.
 Normal ou atípica: não lembra nenhuma
patologi...
Fácies acromegálica
Fácies cushingóide
Fácies hipocrática
Fácies Leonina/Hansênica
FÁCIES
 Síndrome de Down: olhos oblíquos, distantes
um do outro (hipertelorismo), rosto arredondado
e boca quase sempre a...
SÍNDROME DE DOWN
Fácies Basedowiana
LÚPICA
Fácies mixedematosa
MARCHA
• Pede para o paciente caminhar sozinho,
ver: Se ele caminha sozinho, se ele não
consegue caminhar ou se ele caminh...
ATITUDE EM LEITO
• Passiva: tem que descrever a posição do
paciente (ex: passiva em decúbito lateral)
• Ativa: posição que...
Opistótono
NÍVEL DE CONCIÊNCIA
• Consciente: responsivo
• Sonolento:
• Obnubilado: (sonolento + desorientado)
• Torporoso ou estupor:...
ESCALA DE GLASGOW
Abertura Ocular Espontânea 4
Ao comando verbal 3
À dor 2
Ausente 1
Resposta Motora Obedece comandos 6
Lo...
PELE E MUCOSAS
• Hidratação: olhos e cavidade oral brilhantes e
turgor de pele
• Coloração: (1 a 4 +). Olhar a palma da mã...
EDEMA
• Se aparecer em mais de um local ou
membro (ex: inferior e superior) identificar
o paciente como estado de ANASARCA...
Edema inflamatório
Edema não inflamatório
PERFUSÃO PERIFÉRICA
• Apertar o dedo e avaliar perfusão tissular
periférica (2 seg). > do que 2 seg (má
perfusão tissular ...
PROCEDIMENTOS INVASIVOS
Se prender ao procedimento e descrevê-lo.
 PARA NUTRIÇÃO:
• Sonda naso-gástrica (fechada ou abert...
PROCEDIMENTOS INVASIVOS
• Monitorização cardíaca contínua:
• Monitorização contínua da pressão arterial:
Não acreditar na ...
PROCEDIMENTOS INVASIVOS
Sonda vesical de demora: (identificar a
quantidade de urina, a coloração,
transparência e se há pr...
SINAIS VITAIS
• FREQUÊNCIA CARDÍACA (bpm) – Através do pulso
radial, bradicardia < 60 bpm, taquicardia > 100 bpm e
normal ...
Temperatura
Normal:
Temperatura axilar: 35,5°C a 37°C
Temperatura bucal: 36 a 37,4°C
Temperatura retal: 36 a 37,5°C
Febre:...
MEDIDAS ANTROPOMÉTRICAS
• PESO
• ALTURA
• IMC = PESO/ALTURA²
• CINTURA: tendo como base a cicatriz
umbilical
• QUADRIL: Te...
Dados Antropométricos
Peso
Estatura
Índice de massa corporal
(IMC = Peso / Altura²)
18,5 – 25 normal
25 – 30 sobrepeso
30 ...
LINFONODOS SUPERFICIAIS
• IDENTIFICAR: tamanho, rigidez (se duro
ou mole), sensibilidade, mobilidade e se
apresenta ou não...
LINFONODOS SUPERFICIAIS
(cabeça e pescoço)
• OCCIPITAL
• RETRO E PRÉ-AURICULAR
• SUBMANDIBULAR E SUBMENTUAL
• AMIGDALIANO ...
LINFONODOS SUPERFICIAIS
(outros)
• AXILAR
• EPITROCLEAR (sífilis)
• INGUINAL
• POPLÍTEO
LINFONODOS SUPERFICIAIS
• IDENTIFICAR: tamanho, rigidez (se duro
ou mole), sensibilidade, mobilidade e se
apresenta ou não...
FIM!
Exame Físico Ectoscopia (Davyson Sampaio Braga)
Exame Físico Ectoscopia (Davyson Sampaio Braga)
Exame Físico Ectoscopia (Davyson Sampaio Braga)
Exame Físico Ectoscopia (Davyson Sampaio Braga)
Exame Físico Ectoscopia (Davyson Sampaio Braga)
Exame Físico Ectoscopia (Davyson Sampaio Braga)
Exame Físico Ectoscopia (Davyson Sampaio Braga)
Exame Físico Ectoscopia (Davyson Sampaio Braga)
Exame Físico Ectoscopia (Davyson Sampaio Braga)
Exame Físico Ectoscopia (Davyson Sampaio Braga)
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Exame Físico Ectoscopia (Davyson Sampaio Braga)

1.994 visualizações

Publicada em

Exame Físico Ectoscopia (Semiologia)

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.994
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
45
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Exame Físico Ectoscopia (Davyson Sampaio Braga)

  1. 1. Exame Físico: ECTOSCOPIA DAVYSON SAMPAIO BRAGA
  2. 2. Exame Físico Geral • ESTADO GERAL • ESTADO NUTRICIONAL • FÁCIES • MARCHA • ATITUDE EM LEITO • NÍVEL DE CONCIÊNCIA • GRAU DE ORIENTAÇÃO • PELE E MUCOSAS • PERFUSÃO PERIFÉRICA • RITMO RESPIRATÓRIO • PROCEDIMENTOS INVASIVOS • SINAIS VITAIS • MEDIDAS ANTROPOMÉTRICAS • LINFONODOS
  3. 3. ESTADO GERAL • MUITO SUBJETIVO, É INDICADO COMO SENDO. BOM REGULAR COMPROMETIDO (ruim)
  4. 4. ESTADO NUTRICIONAL • NUTRIDO • SUBNUTRIDO • DESNUTRIDO P.S: OBSERVAR HIPOTROFIA MUSCULAR, PROEMINÊNCIAS ÓSSEAS, EMAGRECIMENTO ACENTUADO, ALTERAÇÕES DE PELE E CABELO E FACE COM PERDA DE GORDURA
  5. 5. FÁCIES • Alteração fisionômica ou anatômicas que lembra alguma patologia.  Normal ou atípica: não lembra nenhuma patologia  Acromegálica: aumento de extremidades como ouvido, nariz e lábios além de maior desenvolvimento da mandíbula  Cushing: meia lua, terço inferior redondo  Hipocrática: fáscie que traduz sofrimento, emagrecida e olhos fundos e inexpressivos  Hansênica: acentuação dos sucos, com madarose  Renal: rosto todo edemaciado, edema bilateral
  6. 6. Fácies acromegálica
  7. 7. Fácies cushingóide
  8. 8. Fácies hipocrática
  9. 9. Fácies Leonina/Hansênica
  10. 10. FÁCIES  Síndrome de Down: olhos oblíquos, distantes um do outro (hipertelorismo), rosto arredondado e boca quase sempre aberta  Hipertireóidea: Exoftalmia, aspecto de espanto e ansiedade, rosto emagracido e presença de bócio  Lúpica: rash malar em forma de borboleta  Mixedematosa: nariz e lábios volumosos, pele seca e pálida e expressão de desânimo e apatia (hipotireoidismo)
  11. 11. SÍNDROME DE DOWN
  12. 12. Fácies Basedowiana
  13. 13. LÚPICA
  14. 14. Fácies mixedematosa
  15. 15. MARCHA • Pede para o paciente caminhar sozinho, ver: Se ele caminha sozinho, se ele não consegue caminhar ou se ele caminha com apoio ou ajuda de terceiros
  16. 16. ATITUDE EM LEITO • Passiva: tem que descrever a posição do paciente (ex: passiva em decúbito lateral) • Ativa: posição que o paciente assume sem que exista desconforto • Opistótono: Em caso de meningite ou tétano, musculatura paravertebral contraída, postura reta curvada para trás • Antálgica: assume uma postura para não sentir dor
  17. 17. Opistótono
  18. 18. NÍVEL DE CONCIÊNCIA • Consciente: responsivo • Sonolento: • Obnubilado: (sonolento + desorientado) • Torporoso ou estupor: somente abre os olhos com estímulo doloroso • Comatoso: GRAU DE CONCIÊNCIA • Se orientado ou não (em tempo e espaço)
  19. 19. ESCALA DE GLASGOW Abertura Ocular Espontânea 4 Ao comando verbal 3 À dor 2 Ausente 1 Resposta Motora Obedece comandos 6 Localização à dor 5 Flexão inespecífica (retirada) 4 Flexão hipertônica 3 Extensão hipertônica 2 Sem resposta 1 Resposta Verbal Orientado e conversando 5 Desorientado e conversando 4 Palavras inapropriadas 3 Sons incompreensíveis 2 Sem resposta 1 ESCALA DE GLASGOW
  20. 20. PELE E MUCOSAS • Hidratação: olhos e cavidade oral brilhantes e turgor de pele • Coloração: (1 a 4 +). Olhar a palma da mão e a conjuntiva palpebral • Icterícia: esclera(+) e Língua(++) e pele(+++ ou ++++) • Cianose: extremidades azuladas, ou central (ao redor da boca, relacionado a doenças crônicas) • Descrever cicatriz, rash cutâneo e alopérsia
  21. 21. EDEMA • Se aparecer em mais de um local ou membro (ex: inferior e superior) identificar o paciente como estado de ANASARCA • IDENTIFICAR: LOCALIZAÇÃO, CARACTERÍSTICA E SINAIS FLOGÍSTICOS
  22. 22. Edema inflamatório
  23. 23. Edema não inflamatório
  24. 24. PERFUSÃO PERIFÉRICA • Apertar o dedo e avaliar perfusão tissular periférica (2 seg). > do que 2 seg (má perfusão tissular periférica RITMO RESPIRATÓRIO EUPNÊICO OU DISPNÊICO
  25. 25. PROCEDIMENTOS INVASIVOS Se prender ao procedimento e descrevê-lo.  PARA NUTRIÇÃO: • Sonda naso-gástrica (fechada ou aberta)  PARA RESPIRAÇÃO: • Máscara de venturi (Ver a % de O2 e ver se a máquina está de acordo, com a especificidade da máscara) • Tubo orotraqueal: Ventilação mecânica bem/mal adaptada com ou sem condensado (forma líquida que tem que ser retirado, pois é um meio de cultura para bactéria). Ver se o cuff está com uma pressão adequada, nem muito cheio pq pode dar necrose de traquéia e nem muito seco pq pode o ar voltar ou entrar alguma coisa nos pulmões. • Traqueostomisado: Ventilação mecânica • Catéter nasal: não é ventilação mecânica (auxiliar respiratório)
  26. 26. PROCEDIMENTOS INVASIVOS • Monitorização cardíaca contínua: • Monitorização contínua da pressão arterial: Não acreditar na máquina e aferir a pressão no paciente. • Oxímetro de pulso: Saturação do oxigênio (92 a 94 – normal). • Acesso venoso: especificar o local - Central (normalmente na veia jugular direita) - Periférico (especificar se é em MMSS ou MMII)
  27. 27. PROCEDIMENTOS INVASIVOS Sonda vesical de demora: (identificar a quantidade de urina, a coloração, transparência e se há presença de coleção de sangue e grumos)
  28. 28. SINAIS VITAIS • FREQUÊNCIA CARDÍACA (bpm) – Através do pulso radial, bradicardia < 60 bpm, taquicardia > 100 bpm e normal entre 60 e 100 bpm • FREQUÊNCIA RÉSPIRATÓRIA (ipm) - RITMO RESPIRATÓRIO: bradipnêico <12 ipm, taquipnêico >20 ipm e normal entre 12 e 20 ipm • PRESSÃO ARTERIAL: aferir nos dois membros superiores e em mais de uma posição (se cair mais de 20sit. ou mais de 10diast. com a mudança de posição = hipotensão postural que se for em jovem ele deve está desidratado, e paciente com fístula arteriovenosa não pode medir no lado da fístula.) • TEMPERATURA: mínimo 3 minutos. Febre >37°C
  29. 29. Temperatura Normal: Temperatura axilar: 35,5°C a 37°C Temperatura bucal: 36 a 37,4°C Temperatura retal: 36 a 37,5°C Febre: Febre leve ou febrícula: 37°C a 37,5°C Febre moderada: 37,5°C a 38,5°C Febre elevada: acima de 38,5°C
  30. 30. MEDIDAS ANTROPOMÉTRICAS • PESO • ALTURA • IMC = PESO/ALTURA² • CINTURA: tendo como base a cicatriz umbilical • QUADRIL: Tendo como base a linha inter- trocantérica • RELAÇÃO CINTURA/QUADRIL: quanto maior essa relação maior o risco de doença cardiovascular
  31. 31. Dados Antropométricos Peso Estatura Índice de massa corporal (IMC = Peso / Altura²) 18,5 – 25 normal 25 – 30 sobrepeso 30 – 40 obeso > 40 obesidade mórbida
  32. 32. LINFONODOS SUPERFICIAIS • IDENTIFICAR: tamanho, rigidez (se duro ou mole), sensibilidade, mobilidade e se apresenta ou não coalescência e sinais flogísticos. Quando maior pode refletir em infecção local, sistêmica ou sub clínica, neoplásica, inflamação ou doença auto- imune. P.S: se endurecido, coalescente e imóvel pode identificar neoplasia.
  33. 33. LINFONODOS SUPERFICIAIS (cabeça e pescoço) • OCCIPITAL • RETRO E PRÉ-AURICULAR • SUBMANDIBULAR E SUBMENTUAL • AMIGDALIANO (geralmente encontrado) • CERVICAL ANT. E POST. • SUPRA E INFRA CLAVICULAR (deve-se a problemas torácico ou abdominais)
  34. 34. LINFONODOS SUPERFICIAIS (outros) • AXILAR • EPITROCLEAR (sífilis) • INGUINAL • POPLÍTEO
  35. 35. LINFONODOS SUPERFICIAIS • IDENTIFICAR: tamanho, rigidez (se duro ou mole), sensibilidade, mobilidade e se apresenta ou não coalescência e sinais flogísticos. Quando maior pode refletir em infecção local, sistêmica ou sub clínica, neoplásica, inflamação ou doença auto- imune. P.S: se endurecido, coalescente e imóvel pode identificar neoplasia.
  36. 36. FIM!

×