FEBRE REUMÁTICA
Marcela Rangel Mariz
UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE
DEPARTAMENTO DE PEDIATRIA
INTERNATO EM PE...
1-Introdução
 “Complicação não supurativa da
faringoamigdalite causada pelo estreptococo
beta-hemolítico do grupo A (EBHG...
2-Fatores de risco
Pobreza
Más condições de moradia, ambientes
com aglomerações de pessoas (casas,
escolas, creches, etc...
3-Sinais e sintomas
3-Sinais e sintomas
3-Sinais e sintomas
4- Diagnóstico
4-Diagnóstico
5- Tratamento
* Erradicação do S. pyogenes:
 Penicilina G benzatina, IM, dose única
 1.200.000 UI em adultos ou crianças...
5-Tratamento
 Poliartrite
 AAS 80-100 mg/kg/dia dividido em 4 tomadas
(máx 6 – 8 g/dia)
 Naproxeno 10-20 mg/kd/dia em 2...
5-Tratamento
 Coreia
 Manter o paciente em ambiente calmo
 Haloperidol 1mg/dia, aumentando 0,5 mg a cada
3 dias, até at...
5-Tratamento
 Cardite moderada e grave:
 Prednisona 1-2 mg/kg/dia, vo ou equivalente ev,
na impossibilidade por vo sendo...
6- Profilaxias
 Primária:
 Tratamento da faringoamigdalite estreptocócica
antes do primeiro episódio de FR
 Penicilina ...
6- Profilaxias
 Secundária:
 Penicilina G benzatina IM 1.200.000 unidades
(600.000 em < 20kg) 21/21 dias
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Febre Reumática

3.113 visualizações

Publicada em

Febre Reumática - "Flash" pediátrico apresentado no Internato de Pediatria I (PED I) da Universidade Federal do Rio Grande do Norte - UFRN - Natal - Brasil.

  • Seja o primeiro a comentar

Febre Reumática

  1. 1. FEBRE REUMÁTICA Marcela Rangel Mariz UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE DEPARTAMENTO DE PEDIATRIA INTERNATO EM PEDIATRIA I – PED I
  2. 2. 1-Introdução  “Complicação não supurativa da faringoamigdalite causada pelo estreptococo beta-hemolítico do grupo A (EBHGA) e decorrem da resposta imune tardia a esta infeccão em populações geneticamente predispostas “  É mais freqüente na faixa etária entre 5 a 15 anos  Pode reaparecer após infecções subseqüentes não tratadas por EBHGA
  3. 3. 2-Fatores de risco Pobreza Más condições de moradia, ambientes com aglomerações de pessoas (casas, escolas, creches, etc) Acesso limitado à assistência médica
  4. 4. 3-Sinais e sintomas
  5. 5. 3-Sinais e sintomas
  6. 6. 3-Sinais e sintomas
  7. 7. 4- Diagnóstico
  8. 8. 4-Diagnóstico
  9. 9. 5- Tratamento * Erradicação do S. pyogenes:  Penicilina G benzatina, IM, dose única  1.200.000 UI em adultos ou crianças > 20 kg  600.000 UI em < 20kg Outras opções: Penicilina V oral ou eritromicina
  10. 10. 5-Tratamento  Poliartrite  AAS 80-100 mg/kg/dia dividido em 4 tomadas (máx 6 – 8 g/dia)  Naproxeno 10-20 mg/kd/dia em 2 tomadas/dia
  11. 11. 5-Tratamento  Coreia  Manter o paciente em ambiente calmo  Haloperidol 1mg/dia, aumentando 0,5 mg a cada 3 dias, até atingir 5mg ao dia (I-B);  Ácido valproico 10mg/kg/dia, aumentando 10mg/kg a cada semana até 30mg/Kg/dia (I-B);  Carbamazepina 7 a 20mg/kg/dia (I-B)  Prednisona
  12. 12. 5-Tratamento  Cardite moderada e grave:  Prednisona 1-2 mg/kg/dia, vo ou equivalente ev, na impossibilidade por vo sendo a dose máxima de 80 mg/dia.  Dose plena por 2 a 3 semanas, dependendo do controle clínico e laboratorial (PCR e VHS), reduzindo a dose progressivamente a cada semana (20-25% da dose).
  13. 13. 6- Profilaxias  Primária:  Tratamento da faringoamigdalite estreptocócica antes do primeiro episódio de FR  Penicilina G benzatina
  14. 14. 6- Profilaxias  Secundária:  Penicilina G benzatina IM 1.200.000 unidades (600.000 em < 20kg) 21/21 dias

×