SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 17
20 de julho de 2012 - Fundação Liberato
Try English
Experimente o inglês - oficina
para professores da Rede
Raquel Salcedo Gomes
XII Fórum Municipal de Educação de NH
Justificativas
crescente demanda pela Língua Inglesa na
sociedade devido às mudanças causadas pela
globalização, à abertura dos mercados e
propagação das diversas culturas, facilitada pelo
ambiente tecnológico favorável, com o advento da
informática, Internet e dispositivos móveis;
o idioma carece de atenção na educação regular,
ocupando espaço bastante reduzido na grade
curricular do Ensino Fundamental, o que se deve a
diversos fatores;
Objetivo Geral
proporcionar aos professores da Rede Municipal
de Ensino um momento de imersão na Língua
Inglesa, a fim atentar para a presença do idioma
na sociedade e sua implicação para a educação, a
partir da concepção de que o inglês não é
somente a língua do outro, mas também é nossa
na medida em que dela nos apropriamos para
falarmos de nós mesmos, defendermos nossos
posicionamentos e demandas, agindo
discursivamente de modo que nossa voz seja
ouvida e nossos textos, lidos.
Objetivos Específicos
Proporcionar aos professores um momento de
interação na Língua Inglesa, a fim de vivenciarem a
formação enquanto estudantes;
Possibilitar que os docentes da Rede tenham maior
contato com o idioma;
Divulgar uma breve síntese do estado atual da
pesquisa sobre o ensino/aprendizagem de línguas;
Criar condições para o estabelecimento de pontes
entre o idioma em questão e a vida dos docentes;
Desconstruir mitos a respeito da Língua Inglesa e de
seu ensino e aprendizagem na escola;
Um pouquinho de
teoria...
A língua está em todos os níveis da sociedade
e é vista como o meio ideal de se chegar ao
fundo desta dominação, que forma a base das
relações sociais.
Mais do que um sistema auto-contido, a
língua é um instrumento político de lutas
pelo poder, um tipo de campo de batalha.
Weber
Marx Dicotomia dominante x dominado
Dimensão simbólica: o poder pode
ser administrado simbolicamente
Pierre
Bourdieu:
Estrutura estruturante
Estrutura estruturada
LÍNGUA
=
Como qualquer produto, a língua está
sujeita a transações.
No centro da teoria de Bourdieu, está o falante junto com as
condições de comunicação. A língua não é um sistema
fechado, mas constantemente influenciado pelo uso em
situações comunicativas, de modo que as condições de
produção e de recepção estão intrinsecamente inter-
relacionadas.
instrumento de dominação
A economia das trocas linguísticas
Dando nomes às pessoas e às coisas, admitimos
sua existência.
Para Bourdieu, a sociedade pode também ser
dividida em “campos”, que são pequenas esferas,
que têm seus próprios sistemas de valor. A fala de
um indivíduo vai ser mais ou menos valorizada de
acordo com o “campo” onde ocorre.
Então, através de nossa fala deixamos claro
quem somos e o que defendemos.
Ideologia e legitimação
Para a língua ser usada como poder simbólico,
essa precisa primeiro ser interiorizada.
Reconhecida como algo natural, que acontece sem
ser percebido pelos que são sujeitos ao seu poder.
Sistema
Educacional
línguas e variedades
com e sem prestígio
PODER SIMBÓLICO / VIOLÊNCIA SIMBÓLICA
Poder simbólico
Língua Estrangeira/Adicional
=
Capital Linguístico
PODER SIMBÓLICO
Língua ou línguas?
E prática...
Momento 1
INTERAÇÃO ORAL - BASIC
QUESTIONS AND ANSWERS
Momento 2
GUESS THE ANSWER
Musician
Photographer
Dentist
Teacher
Model
Postman
Lawyer
Firefighter
Nurse
Police Officer
Secretary
Veterinarian
Momento 3
BEATLES’ SONG
All my loving
Released:
February 7th 1964
Considerações finais
Mudança na nomenclatura da área: de Língua
Estrangeira para Língua Adicional;
Importância da compreensão do capital
linguístico como capital simbólico (Bourdieu), no
uso da língua e mediante a aprendizagem de
outra língua, uma língua adicional;
Thank you.
Obrigada.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Linguagem, língua e fala
Linguagem, língua e falaLinguagem, língua e fala
Linguagem, língua e falaSeduc/AM
 
Linguagem lingua e código
Linguagem lingua  e códigoLinguagem lingua  e código
Linguagem lingua e códigoPaulinha Iacks
 
Classificação
ClassificaçãoClassificação
Classificaçãodcomparini
 
O que é comunicação _ Os dois Gumes da Linguagem
O que é comunicação _ Os dois Gumes da Linguagem O que é comunicação _ Os dois Gumes da Linguagem
O que é comunicação _ Os dois Gumes da Linguagem Vinícius Alves de Sousa
 
Aula 24 abril concepção de língua e linguagem, signo e fala
Aula 24 abril concepção de língua e linguagem, signo e falaAula 24 abril concepção de língua e linguagem, signo e fala
Aula 24 abril concepção de língua e linguagem, signo e falaStela Cabral de Andrade
 
Resenha marcos
Resenha marcosResenha marcos
Resenha marcosemilenemd
 
CST EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS IFPB 6º PERÍODO LIBRAS
CST EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS IFPB 6º PERÍODO LIBRASCST EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS IFPB 6º PERÍODO LIBRAS
CST EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS IFPB 6º PERÍODO LIBRASOs Fantasmas !
 
Linguagem adequada ao contexto de comunicação
Linguagem    adequada   ao contexto  de comunicaçãoLinguagem    adequada   ao contexto  de comunicação
Linguagem adequada ao contexto de comunicaçãoHenrique Fonseca
 
Portunhol: língua, interlíngua ou dialeto
Portunhol: língua, interlíngua ou dialetoPortunhol: língua, interlíngua ou dialeto
Portunhol: língua, interlíngua ou dialetoElaine Teixeira
 
Níveis de Língua
Níveis de LínguaNíveis de Língua
Níveis de LínguaA. Simoes
 
Norma culta e variedade linguística
Norma culta e variedade linguísticaNorma culta e variedade linguística
Norma culta e variedade linguísticaGedalias .
 
O que é comunicação _ Os Dois Gumes da Linguagem
O que é comunicação _ Os Dois Gumes da LinguagemO que é comunicação _ Os Dois Gumes da Linguagem
O que é comunicação _ Os Dois Gumes da LinguagemThamiresDebortoli
 
Variação linguística
Variação linguísticaVariação linguística
Variação linguísticaIsabelli Lima
 

Mais procurados (20)

Linguagem, língua e fala
Linguagem, língua e falaLinguagem, língua e fala
Linguagem, língua e fala
 
Linguagem lingua e código
Linguagem lingua  e códigoLinguagem lingua  e código
Linguagem lingua e código
 
Classificação
ClassificaçãoClassificação
Classificação
 
1unidade ativ-3-objeto-hiper
1unidade ativ-3-objeto-hiper1unidade ativ-3-objeto-hiper
1unidade ativ-3-objeto-hiper
 
O que é comunicação _ Os dois Gumes da Linguagem
O que é comunicação _ Os dois Gumes da Linguagem O que é comunicação _ Os dois Gumes da Linguagem
O que é comunicação _ Os dois Gumes da Linguagem
 
Aula 24 abril concepção de língua e linguagem, signo e fala
Aula 24 abril concepção de língua e linguagem, signo e falaAula 24 abril concepção de língua e linguagem, signo e fala
Aula 24 abril concepção de língua e linguagem, signo e fala
 
História em quadrinho
História em quadrinhoHistória em quadrinho
História em quadrinho
 
Resenha marcos
Resenha marcosResenha marcos
Resenha marcos
 
Pojhd
PojhdPojhd
Pojhd
 
1712 Libras
1712 Libras1712 Libras
1712 Libras
 
CST EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS IFPB 6º PERÍODO LIBRAS
CST EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS IFPB 6º PERÍODO LIBRASCST EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS IFPB 6º PERÍODO LIBRAS
CST EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS IFPB 6º PERÍODO LIBRAS
 
Ng7 3
Ng7  3Ng7  3
Ng7 3
 
Linguagem adequada ao contexto de comunicação
Linguagem    adequada   ao contexto  de comunicaçãoLinguagem    adequada   ao contexto  de comunicação
Linguagem adequada ao contexto de comunicação
 
Portunhol: língua, interlíngua ou dialeto
Portunhol: língua, interlíngua ou dialetoPortunhol: língua, interlíngua ou dialeto
Portunhol: língua, interlíngua ou dialeto
 
Níveis de Língua
Níveis de LínguaNíveis de Língua
Níveis de Língua
 
Norma culta e variedade linguística
Norma culta e variedade linguísticaNorma culta e variedade linguística
Norma culta e variedade linguística
 
O que é comunicação _ Os Dois Gumes da Linguagem
O que é comunicação _ Os Dois Gumes da LinguagemO que é comunicação _ Os Dois Gumes da Linguagem
O que é comunicação _ Os Dois Gumes da Linguagem
 
O que é comunicação
O que é comunicaçãoO que é comunicação
O que é comunicação
 
Variação linguística
Variação linguísticaVariação linguística
Variação linguística
 
Variação linguística
Variação linguísticaVariação linguística
Variação linguística
 

Destaque

Mangas viii valida
Mangas viii validaMangas viii valida
Mangas viii validaHenry Duran
 
AS REDES SOCIAIS COMO FERRAMENTAS NA APRENDIZAGEM DA LÍNGUA INGLESA: UMA ANÁL...
AS REDES SOCIAIS COMO FERRAMENTAS NA APRENDIZAGEM DA LÍNGUA INGLESA: UMA ANÁL...AS REDES SOCIAIS COMO FERRAMENTAS NA APRENDIZAGEM DA LÍNGUA INGLESA: UMA ANÁL...
AS REDES SOCIAIS COMO FERRAMENTAS NA APRENDIZAGEM DA LÍNGUA INGLESA: UMA ANÁL...Joyce Fettermann
 
As redes sociais e o processo de ensino/aprendizagem da Língua Inglesa: uma ...
As redes sociais e o processo de ensino/aprendizagem da Língua Inglesa: uma  ...As redes sociais e o processo de ensino/aprendizagem da Língua Inglesa: uma  ...
As redes sociais e o processo de ensino/aprendizagem da Língua Inglesa: uma ...Joyce Fettermann
 
Redes sociais- Pontos positivos e negativos
Redes sociais- Pontos positivos e negativosRedes sociais- Pontos positivos e negativos
Redes sociais- Pontos positivos e negativosLuana Bastos
 

Destaque (6)

Mangas viii valida
Mangas viii validaMangas viii valida
Mangas viii valida
 
AS REDES SOCIAIS COMO FERRAMENTAS NA APRENDIZAGEM DA LÍNGUA INGLESA: UMA ANÁL...
AS REDES SOCIAIS COMO FERRAMENTAS NA APRENDIZAGEM DA LÍNGUA INGLESA: UMA ANÁL...AS REDES SOCIAIS COMO FERRAMENTAS NA APRENDIZAGEM DA LÍNGUA INGLESA: UMA ANÁL...
AS REDES SOCIAIS COMO FERRAMENTAS NA APRENDIZAGEM DA LÍNGUA INGLESA: UMA ANÁL...
 
As redes sociais e o processo de ensino/aprendizagem da Língua Inglesa: uma ...
As redes sociais e o processo de ensino/aprendizagem da Língua Inglesa: uma  ...As redes sociais e o processo de ensino/aprendizagem da Língua Inglesa: uma  ...
As redes sociais e o processo de ensino/aprendizagem da Língua Inglesa: uma ...
 
Redes sociais
Redes sociaisRedes sociais
Redes sociais
 
Redes sociais- Pontos positivos e negativos
Redes sociais- Pontos positivos e negativosRedes sociais- Pontos positivos e negativos
Redes sociais- Pontos positivos e negativos
 
Redes sociais
Redes sociais Redes sociais
Redes sociais
 

Semelhante a Oficina de inglês para professores

Introdução à didáctica do português recensão
Introdução à didáctica do português recensãoIntrodução à didáctica do português recensão
Introdução à didáctica do português recensãoascotas
 
DA FALA PARA A ESCRITA: A EXPRESSIVIDADE DOS USUÁRIOS DO INTERNETÊS NA ESFER...
DA FALA PARA A ESCRITA:  A EXPRESSIVIDADE DOS USUÁRIOS DO INTERNETÊS NA ESFER...DA FALA PARA A ESCRITA:  A EXPRESSIVIDADE DOS USUÁRIOS DO INTERNETÊS NA ESFER...
DA FALA PARA A ESCRITA: A EXPRESSIVIDADE DOS USUÁRIOS DO INTERNETÊS NA ESFER...christianceapcursos
 
Introdução à didáctica do português
Introdução à didáctica do portuguêsIntrodução à didáctica do português
Introdução à didáctica do portuguêsascotas
 
Introdução à didáctica do português
Introdução à didáctica do portuguêsIntrodução à didáctica do português
Introdução à didáctica do portuguêsascotas
 
Reflecon LP1
Reflecon LP1Reflecon LP1
Reflecon LP1Danone
 
DA FALA PARA A ESCRITA: A EXPRESSIVIDADE DOS USUÁRIOS DO INTERNETÊS NA ESFER...
DA FALA PARA A ESCRITA:  A EXPRESSIVIDADE DOS USUÁRIOS DO INTERNETÊS NA ESFER...DA FALA PARA A ESCRITA:  A EXPRESSIVIDADE DOS USUÁRIOS DO INTERNETÊS NA ESFER...
DA FALA PARA A ESCRITA: A EXPRESSIVIDADE DOS USUÁRIOS DO INTERNETÊS NA ESFER...christianceapcursos
 
Leitura e produção de texto - 1º Bimestre
Leitura e produção de texto - 1º BimestreLeitura e produção de texto - 1º Bimestre
Leitura e produção de texto - 1º Bimestredicasdubr
 
Material didático pronatec
Material didático   pronatecMaterial didático   pronatec
Material didático pronatectelecomsenai
 
CBC de Língua Portuguesa
CBC de Língua PortuguesaCBC de Língua Portuguesa
CBC de Língua PortuguesaNatan Campos
 
Língua e linguagem
Língua e linguagemLíngua e linguagem
Língua e linguagemjohnypakato
 
Resumo modulo1 ines e ana
Resumo  modulo1 ines e anaResumo  modulo1 ines e ana
Resumo modulo1 ines e anaanainesbg
 
Resumo modulo1 ines e ana
Resumo  modulo1 ines e anaResumo  modulo1 ines e ana
Resumo modulo1 ines e anaanainesbg
 
Ana claudia de assis thais pereira dos santos ferreira
Ana claudia de assis   thais pereira dos santos ferreiraAna claudia de assis   thais pereira dos santos ferreira
Ana claudia de assis thais pereira dos santos ferreiraAna Assis
 
TCC AS CONCEPÇÕES DE LÍNGUAGEM: Diagnóstico para proposta de intervenção no c...
TCC AS CONCEPÇÕES DE LÍNGUAGEM: Diagnóstico para proposta de intervenção no c...TCC AS CONCEPÇÕES DE LÍNGUAGEM: Diagnóstico para proposta de intervenção no c...
TCC AS CONCEPÇÕES DE LÍNGUAGEM: Diagnóstico para proposta de intervenção no c...Joyce Nascimento
 

Semelhante a Oficina de inglês para professores (20)

Introdução à didáctica do português recensão
Introdução à didáctica do português recensãoIntrodução à didáctica do português recensão
Introdução à didáctica do português recensão
 
DA FALA PARA A ESCRITA: A EXPRESSIVIDADE DOS USUÁRIOS DO INTERNETÊS NA ESFER...
DA FALA PARA A ESCRITA:  A EXPRESSIVIDADE DOS USUÁRIOS DO INTERNETÊS NA ESFER...DA FALA PARA A ESCRITA:  A EXPRESSIVIDADE DOS USUÁRIOS DO INTERNETÊS NA ESFER...
DA FALA PARA A ESCRITA: A EXPRESSIVIDADE DOS USUÁRIOS DO INTERNETÊS NA ESFER...
 
Introdução à didáctica do português
Introdução à didáctica do portuguêsIntrodução à didáctica do português
Introdução à didáctica do português
 
Introdução à didáctica do português
Introdução à didáctica do portuguêsIntrodução à didáctica do português
Introdução à didáctica do português
 
Reflecon LP1
Reflecon LP1Reflecon LP1
Reflecon LP1
 
DA FALA PARA A ESCRITA: A EXPRESSIVIDADE DOS USUÁRIOS DO INTERNETÊS NA ESFER...
DA FALA PARA A ESCRITA:  A EXPRESSIVIDADE DOS USUÁRIOS DO INTERNETÊS NA ESFER...DA FALA PARA A ESCRITA:  A EXPRESSIVIDADE DOS USUÁRIOS DO INTERNETÊS NA ESFER...
DA FALA PARA A ESCRITA: A EXPRESSIVIDADE DOS USUÁRIOS DO INTERNETÊS NA ESFER...
 
Leitura e produção de texto - 1º Bimestre
Leitura e produção de texto - 1º BimestreLeitura e produção de texto - 1º Bimestre
Leitura e produção de texto - 1º Bimestre
 
Pcc
PccPcc
Pcc
 
Material didático pronatec
Material didático   pronatecMaterial didático   pronatec
Material didático pronatec
 
CBC de Língua Portuguesa
CBC de Língua PortuguesaCBC de Língua Portuguesa
CBC de Língua Portuguesa
 
Língua e linguagem
Língua e linguagemLíngua e linguagem
Língua e linguagem
 
PORTUGUÊS EAD 1.pdf
PORTUGUÊS EAD 1.pdfPORTUGUÊS EAD 1.pdf
PORTUGUÊS EAD 1.pdf
 
artigo-carlos-1.pdf
artigo-carlos-1.pdfartigo-carlos-1.pdf
artigo-carlos-1.pdf
 
Seminário socio Texto 5
Seminário socio Texto 5Seminário socio Texto 5
Seminário socio Texto 5
 
Resumo modulo1 ines e ana
Resumo  modulo1 ines e anaResumo  modulo1 ines e ana
Resumo modulo1 ines e ana
 
Monografia Mª Clara Pedagogia 2012
Monografia Mª Clara Pedagogia 2012Monografia Mª Clara Pedagogia 2012
Monografia Mª Clara Pedagogia 2012
 
Portugues
PortuguesPortugues
Portugues
 
Resumo modulo1 ines e ana
Resumo  modulo1 ines e anaResumo  modulo1 ines e ana
Resumo modulo1 ines e ana
 
Ana claudia de assis thais pereira dos santos ferreira
Ana claudia de assis   thais pereira dos santos ferreiraAna claudia de assis   thais pereira dos santos ferreira
Ana claudia de assis thais pereira dos santos ferreira
 
TCC AS CONCEPÇÕES DE LÍNGUAGEM: Diagnóstico para proposta de intervenção no c...
TCC AS CONCEPÇÕES DE LÍNGUAGEM: Diagnóstico para proposta de intervenção no c...TCC AS CONCEPÇÕES DE LÍNGUAGEM: Diagnóstico para proposta de intervenção no c...
TCC AS CONCEPÇÕES DE LÍNGUAGEM: Diagnóstico para proposta de intervenção no c...
 

Mais de Raquel Salcedo Gomes

Trajetórias de aprendizagem para navegar o século XXI.pdf
Trajetórias de aprendizagem para navegar o século XXI.pdfTrajetórias de aprendizagem para navegar o século XXI.pdf
Trajetórias de aprendizagem para navegar o século XXI.pdfRaquel Salcedo Gomes
 
Trajetórias de Aprendizagem Visível em Ambiente Informatizado
Trajetórias de Aprendizagem Visível em Ambiente InformatizadoTrajetórias de Aprendizagem Visível em Ambiente Informatizado
Trajetórias de Aprendizagem Visível em Ambiente InformatizadoRaquel Salcedo Gomes
 
Cultura digital ou digitalização da cultura
Cultura digital ou digitalização da culturaCultura digital ou digitalização da cultura
Cultura digital ou digitalização da culturaRaquel Salcedo Gomes
 
Trajetórias de aprendizagem e os 20 princípios da APA sobre ensino e aprendiz...
Trajetórias de aprendizagem e os 20 princípios da APA sobre ensino e aprendiz...Trajetórias de aprendizagem e os 20 princípios da APA sobre ensino e aprendiz...
Trajetórias de aprendizagem e os 20 princípios da APA sobre ensino e aprendiz...Raquel Salcedo Gomes
 
História das tecnologias cognitivas e suas implicações educacionais
História das tecnologias cognitivas e suas implicações educacionaisHistória das tecnologias cognitivas e suas implicações educacionais
História das tecnologias cognitivas e suas implicações educacionaisRaquel Salcedo Gomes
 
Desafios da educação na pandemia
Desafios da educação na pandemiaDesafios da educação na pandemia
Desafios da educação na pandemiaRaquel Salcedo Gomes
 
What happened to cognitive science? O que aconteceu com a ciência cognitiva?
What happened to cognitive science? O que aconteceu com a ciência cognitiva?What happened to cognitive science? O que aconteceu com a ciência cognitiva?
What happened to cognitive science? O que aconteceu com a ciência cognitiva?Raquel Salcedo Gomes
 
Cognição 4E - Evolução da cognição
Cognição 4E - Evolução da cogniçãoCognição 4E - Evolução da cognição
Cognição 4E - Evolução da cogniçãoRaquel Salcedo Gomes
 
Benjamin Bloom, Mastery Learning, Objetivos Educacionais
Benjamin Bloom, Mastery Learning, Objetivos EducacionaisBenjamin Bloom, Mastery Learning, Objetivos Educacionais
Benjamin Bloom, Mastery Learning, Objetivos EducacionaisRaquel Salcedo Gomes
 
Pesquisa em informática na educação e ciências cognitivas
Pesquisa em informática na educação e ciências cognitivasPesquisa em informática na educação e ciências cognitivas
Pesquisa em informática na educação e ciências cognitivasRaquel Salcedo Gomes
 
Fechamento Pierre Lévy - O que é o virtual?
Fechamento Pierre Lévy - O que é o virtual?Fechamento Pierre Lévy - O que é o virtual?
Fechamento Pierre Lévy - O que é o virtual?Raquel Salcedo Gomes
 
Inteligência Coletiva - Pierre Lévy
Inteligência Coletiva - Pierre Lévy Inteligência Coletiva - Pierre Lévy
Inteligência Coletiva - Pierre Lévy Raquel Salcedo Gomes
 
Pierre Lévy e as humanidades digitais
Pierre Lévy e as humanidades digitaisPierre Lévy e as humanidades digitais
Pierre Lévy e as humanidades digitaisRaquel Salcedo Gomes
 
Informática na educação baseada em evidências
Informática na educação baseada em evidênciasInformática na educação baseada em evidências
Informática na educação baseada em evidênciasRaquel Salcedo Gomes
 
Pervasive Computing: Vision and Challenges
Pervasive Computing: Vision and ChallengesPervasive Computing: Vision and Challenges
Pervasive Computing: Vision and ChallengesRaquel Salcedo Gomes
 

Mais de Raquel Salcedo Gomes (20)

Trajetórias de aprendizagem para navegar o século XXI.pdf
Trajetórias de aprendizagem para navegar o século XXI.pdfTrajetórias de aprendizagem para navegar o século XXI.pdf
Trajetórias de aprendizagem para navegar o século XXI.pdf
 
Trajetórias de Aprendizagem Visível em Ambiente Informatizado
Trajetórias de Aprendizagem Visível em Ambiente InformatizadoTrajetórias de Aprendizagem Visível em Ambiente Informatizado
Trajetórias de Aprendizagem Visível em Ambiente Informatizado
 
Cultura digital ou digitalização da cultura
Cultura digital ou digitalização da culturaCultura digital ou digitalização da cultura
Cultura digital ou digitalização da cultura
 
Trajetórias de aprendizagem e os 20 princípios da APA sobre ensino e aprendiz...
Trajetórias de aprendizagem e os 20 princípios da APA sobre ensino e aprendiz...Trajetórias de aprendizagem e os 20 princípios da APA sobre ensino e aprendiz...
Trajetórias de aprendizagem e os 20 princípios da APA sobre ensino e aprendiz...
 
História das tecnologias cognitivas e suas implicações educacionais
História das tecnologias cognitivas e suas implicações educacionaisHistória das tecnologias cognitivas e suas implicações educacionais
História das tecnologias cognitivas e suas implicações educacionais
 
Desafios da educação na pandemia
Desafios da educação na pandemiaDesafios da educação na pandemia
Desafios da educação na pandemia
 
What happened to cognitive science? O que aconteceu com a ciência cognitiva?
What happened to cognitive science? O que aconteceu com a ciência cognitiva?What happened to cognitive science? O que aconteceu com a ciência cognitiva?
What happened to cognitive science? O que aconteceu com a ciência cognitiva?
 
Cognição 4E - Evolução da cognição
Cognição 4E - Evolução da cogniçãoCognição 4E - Evolução da cognição
Cognição 4E - Evolução da cognição
 
Cognição enativa e linguagem
Cognição enativa e linguagemCognição enativa e linguagem
Cognição enativa e linguagem
 
Benjamin Bloom, Mastery Learning, Objetivos Educacionais
Benjamin Bloom, Mastery Learning, Objetivos EducacionaisBenjamin Bloom, Mastery Learning, Objetivos Educacionais
Benjamin Bloom, Mastery Learning, Objetivos Educacionais
 
Educação na cultura digital
Educação na cultura digitalEducação na cultura digital
Educação na cultura digital
 
Pesquisa em informática na educação e ciências cognitivas
Pesquisa em informática na educação e ciências cognitivasPesquisa em informática na educação e ciências cognitivas
Pesquisa em informática na educação e ciências cognitivas
 
Fechamento Pierre Lévy - O que é o virtual?
Fechamento Pierre Lévy - O que é o virtual?Fechamento Pierre Lévy - O que é o virtual?
Fechamento Pierre Lévy - O que é o virtual?
 
O que é o virtual? Pierre Lévy
O que é o virtual? Pierre LévyO que é o virtual? Pierre Lévy
O que é o virtual? Pierre Lévy
 
Inteligência Coletiva - Pierre Lévy
Inteligência Coletiva - Pierre Lévy Inteligência Coletiva - Pierre Lévy
Inteligência Coletiva - Pierre Lévy
 
Pierre Lévy e as humanidades digitais
Pierre Lévy e as humanidades digitaisPierre Lévy e as humanidades digitais
Pierre Lévy e as humanidades digitais
 
Informática na educação baseada em evidências
Informática na educação baseada em evidênciasInformática na educação baseada em evidências
Informática na educação baseada em evidências
 
Pervasive Computing: Vision and Challenges
Pervasive Computing: Vision and ChallengesPervasive Computing: Vision and Challenges
Pervasive Computing: Vision and Challenges
 
Bergson e Maturana em minha tese
Bergson e Maturana em minha teseBergson e Maturana em minha tese
Bergson e Maturana em minha tese
 
Poesia - Modernistas (1945-1960)
Poesia - Modernistas (1945-1960)Poesia - Modernistas (1945-1960)
Poesia - Modernistas (1945-1960)
 

Último

Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxSlides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024GleyceMoreiraXWeslle
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxGislaineDuresCruz
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...Unidad de Espiritualidad Eudista
 
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMNOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMHenrique Pontes
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREIVONETETAVARESRAMOS
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsxGilbraz Aragão
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.azulassessoria9
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evoluçãoprofleticiasantosbio
 
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxHenriqueLuciano2
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoJayaneSales1
 
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfLivro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfRafaela Vieira
 
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...MANUELJESUSVENTURASA
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...azulassessoria9
 
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Mary Alvarenga
 

Último (20)

Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxSlides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
 
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMNOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
 
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
 
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
 
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfLivro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
 
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
 
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
 

Oficina de inglês para professores

  • 1. 20 de julho de 2012 - Fundação Liberato Try English Experimente o inglês - oficina para professores da Rede Raquel Salcedo Gomes XII Fórum Municipal de Educação de NH
  • 2. Justificativas crescente demanda pela Língua Inglesa na sociedade devido às mudanças causadas pela globalização, à abertura dos mercados e propagação das diversas culturas, facilitada pelo ambiente tecnológico favorável, com o advento da informática, Internet e dispositivos móveis; o idioma carece de atenção na educação regular, ocupando espaço bastante reduzido na grade curricular do Ensino Fundamental, o que se deve a diversos fatores;
  • 3.
  • 4. Objetivo Geral proporcionar aos professores da Rede Municipal de Ensino um momento de imersão na Língua Inglesa, a fim atentar para a presença do idioma na sociedade e sua implicação para a educação, a partir da concepção de que o inglês não é somente a língua do outro, mas também é nossa na medida em que dela nos apropriamos para falarmos de nós mesmos, defendermos nossos posicionamentos e demandas, agindo discursivamente de modo que nossa voz seja ouvida e nossos textos, lidos.
  • 5. Objetivos Específicos Proporcionar aos professores um momento de interação na Língua Inglesa, a fim de vivenciarem a formação enquanto estudantes; Possibilitar que os docentes da Rede tenham maior contato com o idioma; Divulgar uma breve síntese do estado atual da pesquisa sobre o ensino/aprendizagem de línguas; Criar condições para o estabelecimento de pontes entre o idioma em questão e a vida dos docentes; Desconstruir mitos a respeito da Língua Inglesa e de seu ensino e aprendizagem na escola;
  • 7. A língua está em todos os níveis da sociedade e é vista como o meio ideal de se chegar ao fundo desta dominação, que forma a base das relações sociais. Mais do que um sistema auto-contido, a língua é um instrumento político de lutas pelo poder, um tipo de campo de batalha. Weber Marx Dicotomia dominante x dominado Dimensão simbólica: o poder pode ser administrado simbolicamente Pierre Bourdieu:
  • 8. Estrutura estruturante Estrutura estruturada LÍNGUA = Como qualquer produto, a língua está sujeita a transações. No centro da teoria de Bourdieu, está o falante junto com as condições de comunicação. A língua não é um sistema fechado, mas constantemente influenciado pelo uso em situações comunicativas, de modo que as condições de produção e de recepção estão intrinsecamente inter- relacionadas. instrumento de dominação A economia das trocas linguísticas
  • 9. Dando nomes às pessoas e às coisas, admitimos sua existência. Para Bourdieu, a sociedade pode também ser dividida em “campos”, que são pequenas esferas, que têm seus próprios sistemas de valor. A fala de um indivíduo vai ser mais ou menos valorizada de acordo com o “campo” onde ocorre. Então, através de nossa fala deixamos claro quem somos e o que defendemos. Ideologia e legitimação
  • 10. Para a língua ser usada como poder simbólico, essa precisa primeiro ser interiorizada. Reconhecida como algo natural, que acontece sem ser percebido pelos que são sujeitos ao seu poder. Sistema Educacional línguas e variedades com e sem prestígio PODER SIMBÓLICO / VIOLÊNCIA SIMBÓLICA Poder simbólico
  • 13. Momento 1 INTERAÇÃO ORAL - BASIC QUESTIONS AND ANSWERS
  • 14. Momento 2 GUESS THE ANSWER Musician Photographer Dentist Teacher Model Postman Lawyer Firefighter Nurse Police Officer Secretary Veterinarian
  • 15. Momento 3 BEATLES’ SONG All my loving Released: February 7th 1964
  • 16. Considerações finais Mudança na nomenclatura da área: de Língua Estrangeira para Língua Adicional; Importância da compreensão do capital linguístico como capital simbólico (Bourdieu), no uso da língua e mediante a aprendizagem de outra língua, uma língua adicional;