SlideShare uma empresa Scribd logo
TRAJETÓRIASDEAPRENDIZAGEM
VISÍVELEMAMBIENTEINFORMATIZADO
RAQUEL SALCEDO GOMES
PGIE/UFRGS
20/08/2021
-A Informática na Educação e o
CINTED/PGIE/UFRGS
-Trajetórias de aprendizagem
-Trajetórias de aprendizagem
visível em ambientes
informatizados
Objetivo: conhecer o construto trajetórias de aprendizagem e refletir
sobre ele considerando a relação entre objetivos de aprendizagem e
critérios de sucesso na interseção entre educação e informática.
Art. 5o - A UFRGS, comunidade de professores,
alunos e pessoal técnico- administrativo, tem por
finalidade precípua a educação superior e a
produção de conhecimento filosófico, científico,
artístico e tecnológico, integradas no ensino, na
pesquisa e na extensão.
http://www.ufrgs.br/ufrgs/arquivos/estatuto
UFRGS
Art. 2º – O CINTED tem por objetivos realizar estudos e pesquisas
interdisciplinares que darão suporte às atividades de implementação de
tecnologias alternativas em programas e projetos educativos, presenciais e/ou
à distância, bem como sediar cursos de pós-graduação e desenvolver
atividades de extensão.
Art. 3º – O CINTED desenvolverá atividades de natureza acadêmica, tais como
cursos, estudos, pesquisa e eventos, relevantes:
a) à Educação a Distância;
b) à Informática na Educação;
c) ao uso de tecnologias de comunicação e informação na Educação;
d) a outras formas que se revelem de interesse na mesma área.
https://www.ufrgs.br/cinted/institucional/regimento/
CINTED
Art. 1° - A UFRGS, sob responsabilidade do Centro Interdisciplinar de
Novas Tecnologias na Educação (CINTED), mantém o Programa de Pós-
Graduação em Informática na Educação, (doravante denominado
Programa ou PPGIE), em nível de Doutorado, que tem caráter
interdisciplinar, com o objetivo de formar pessoal qualificado para o
exercício das atividades de ensino, pesquisa e desenvolvimento, com
produção de conhecimento filosófico, científico, artístico e/ou tecnológico,
constituindo-se em instância necessária da consciência crítica, em áreas
que envolvam tecnologia e educação.
Parágrafo único - A inscrição aos cursos de Pós-Graduação está aberta a
candidatos que tenham concluído o curso de Mestrado em qualquer área
de conhecimento.
http://www.ufrgs.br/ppgie/institucional/
RegimentoPPGIEaprovadoCAMPG.pdf
PGIE
Ambientes Informatizados e Ensino a Distância
Esta linha de pesquisa tem por objetivo a construção de materiais de ensino-aprendizagem no contexto
educacional nos diferentes níveis de educação: pré-escolar, primeiro grau, segundo grau, terceiro grau e pós-
graduação, bem como na educação continuada (educação formal e informal). Os materiais podem incluir tanto
software como hardware utilizados na educação geral e especial. Aplicações de tecnologia tais como multimídia,
robótica, realidade virtual e reconhecimento e síntese de voz, entre outros também serão investigadas à luz da
construção de conhecimento.
Paradigmas para a Pesquisa sobre o Ensino Científico e Tecnológico
Esta linha de pesquisa pretende estudar o fenômeno da educação das áreas de ciência e tecnologia, entre as
quais, prioritariamente, a Engenharia, nos seus aspectos históricos, neurocientíficos, cognitivos, filosóficos,
didáticos, pedagógicos, tecnológicos e de gestão, incluídos nesse último item questões de planejamento e
inserção nos paradigmas da economia globalizada. Deve atender a uma demanda crescente na área de formação
de professores para o ensino científico e tecnológico, de forma a capacitá-los a responder aos desafios
relacionados à gestão do ensino destas áreas, presencial e a distância; bem como no planejamento e utilização
nos recursos tecnológicos informatizados na produção de acervo em múltiplas mídias, canal de comunicação e
interatividade, e espaço virtual por excelência da cultura educacional relacionada às transformações sociais,
econômicas e antropológicas, ocorridas através da mediação de alta tecnologia ocorrida no final do Século XX.
Atendendo à própria natureza do PGIE e, em especial, à natureza da complexidade do fenômeno do ensino
científico e tecnológico, a linha será estruturada com base em uma abordagem multi e interdisciplinar.
Interfaces Digitais em Educação, Arte, Linguagem e Cognição
Investigar os efeitos das interfaces digitais em diferentes campos empíricos. Inscreve-se no plano da cognição, da
subjetivação, da criação estética, da produção de sentido de autoria, das metodologias e das aprendizagens.
http://www.ufrgs.br/ppgie/pesquisa/linhas-de-pesquisa-e-docentes
LINHASDEPESQUISA VOCÊ ESTÁ AQUI
TRAJETÓRIASDEAPRENDIZAGEM
Trajetória de Aprendizagem é a sequência de trajetos, onde
trajeto é a apropriação de competências através do
processo de  ensino-aprendizagem tendo como ponto de
partida competências ou conceitos previamente
conhecidos. 
Trajetória de Aprendizagem planejada (ou Trajetória 
Pedagógica) é um conjunto de atividades planejadas com o 
objetivo de alcançar um determinado objetivo educacional.  
Trajetória de Aprendizagem Realizada é o conjunto de 
atividades realizadas por um indivíduo com o objetivo de 
alcançar um determinado objetivo educacional. (CANTO
FILHO et al., 2016)
A researcher-conjectured, empirically supported 
description of the ordered network of constructs a
student encounters through instruction (i.e.
activities, tasks, tools, forms of interaction and
methods of evaluation), in order to  move from
informal ideas, through successive refinements of 
representation, articulation, and reflection, towards 
increasingly complex concepts over time (CONFREY
et al.,  2009)
Simon (1995) first used the expression hypothetical LT to
represent the “paths by which learning might proceed” (p.
135) when students progress from their own starting points
toward an intended learning goal. (SZTAJN et al., 2012)
Simon (1995) apresenta o conceito de trajetória de 
aprendizagem hipotética, referindo-se a trajetória
planejada. Para ele, uma trajetória hipotética de
aprendizagem é uma  construção de ensino - algo que
professores pressupõem como  uma forma de dar sentido
para onde os alunos e professor  podem ir. É hipotética
porque uma trajetória de aprendizagem  real não é
conhecida com antecedência. (CANTO FILHO et al., 2016)
Para Clements e Sarama (2013), as trajetórias de 
aprendizado possuem três partes:  
a) Um objetivo;
b) Um caminho desenvolvimental ao longo do qual as
crianças se desenvolvem para atingir esse
objetivo; 
c) Um conjunto de atividades ou de tarefas
pedagógicas,  correspondendo a cada um dos
níveis de raciocínio  nesse caminho, e que ajudam
as crianças a desenvolver  níveis mais altos de
raciocínio.  (CANTO FILHO et al., 2016)
APRENDIZAGEMVISÍVEL(HATTIE,2017)
-O que mais faz diferença é o professor
-O professor preocupado com seu impacto
na aprendizagem
-O professor que se reúne com outros
professores para discutir formas de melhorar
seus impactos na aprendizagem
-Com objetivos de aprendizagem claros e
critérios de sucesso explícitos
-Usando bem bons instrumentos e
ambientes (tempo, espaço, meios e métodos)
TRAJETÓRIADEAPRENDIZAGEMVISÍVEL
A
B
PONTOS DE PARTIDA,
PASSAGEM E
CHEGADA
OBJETIVOS DE
APRENDIZAGEM E
CRITÉRIOS DE SUCESSO
TRAJETÓRIASDEAPRENDIZAGEMVISÍVELEM
AMBIENTESINFORMATIZADOS
-Recursos educacionais digitais
-Ambientes Virtuais de Aprendizagem
-Ambientes de webconferência
-Plataformas de interação
-?
COMO USAR TICS EM FAVOR DE TRAJETÓRIAS DE APRENDIZAGEM
VISÍVEL EM AMBIENTES INFORMATIZADOS?
MODELOTPACK
HTTP://TPACK.ORG
PROFESSOR
CONHECIMENTO
ALUNO
TECNOLOGIAS
INFORMÁTICANAEDUCAÇÃO?
EDUCAÇÃO (ontologia, mesologia, teleologia)
Educação formal, não-formal, informal
Modalidades
Faixa etária
Art. 205. A educação, direito de todos e dever do Estado e da família,
será promovida e incentivada com a colaboração da sociedade, visando
ao pleno desenvolvimento da pessoa, seu preparo para o exercício da
cidadania e sua qualificação para o trabalho. (CF, 1988)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Apresentação Final do TCC
Apresentação Final do TCCApresentação Final do TCC
Apresentação Final do TCC
Cristiane Coimbra
 
Planejamento
PlanejamentoPlanejamento
Planejamento
projovemcampoufc
 
Blog Nayara
Blog NayaraBlog Nayara
Blog Nayara
NayaraGnoato
 
A teoria racional tecnológica e a cibercultura
A teoria racional tecnológica e a ciberculturaA teoria racional tecnológica e a cibercultura
A teoria racional tecnológica e a cibercultura
Roseli Rocha
 
Oc 1 tic_1
Oc 1 tic_1Oc 1 tic_1
Oc 1 tic_1
Risoleta Montez
 
O ensino por competências by giba cardoso v2
O ensino por competências by giba cardoso v2O ensino por competências by giba cardoso v2
O ensino por competências by giba cardoso v2
Giba Cardoso
 
Beth Almeida
Beth AlmeidaBeth Almeida
Beth Almeida
Rodrigo Junqueira
 
Planejamento integrado
Planejamento integradoPlanejamento integrado
Planejamento integrado
Leidiana Oliveira
 
Apresentação TCC
Apresentação TCCApresentação TCC
Apresentação TCC
Dorgival Netto
 
C:\Fakepath\Ceep E Cefp 2001
C:\Fakepath\Ceep E Cefp 2001C:\Fakepath\Ceep E Cefp 2001
C:\Fakepath\Ceep E Cefp 2001
Solange Soares
 
Novos Paradigmas na Educação
Novos Paradigmas na EducaçãoNovos Paradigmas na Educação
Novos Paradigmas na Educação
Marilena Jardim
 
Currículo do desenvolvimento humano
Currículo do desenvolvimento humanoCurrículo do desenvolvimento humano
Currículo do desenvolvimento humano
Thaís SantAna
 
Atividade de planejamento pa cleide
Atividade de planejamento pa cleideAtividade de planejamento pa cleide
Atividade de planejamento pa cleide
Cleideteofilo Paulino
 
Aprendizagem Integrada
Aprendizagem IntegradaAprendizagem Integrada
Aprendizagem Integrada
Adriana Bruno
 
ApresentaçãO Tcc Rosangelamenta
ApresentaçãO Tcc RosangelamentaApresentaçãO Tcc Rosangelamenta
ApresentaçãO Tcc Rosangelamenta
rosangelamenta
 
Ciberculturaeconstrutivismo 140826232547-phpapp01
Ciberculturaeconstrutivismo 140826232547-phpapp01Ciberculturaeconstrutivismo 140826232547-phpapp01
Ciberculturaeconstrutivismo 140826232547-phpapp01
Andrea Azevedo
 
Pós-graduação em Educação e Formação de Adultos
Pós-graduação em Educação e Formação de AdultosPós-graduação em Educação e Formação de Adultos
Pós-graduação em Educação e Formação de Adultos
António Soares
 
Projeto, Currículo e o uso das Tecnologias
Projeto, Currículo e o uso das TecnologiasProjeto, Currículo e o uso das Tecnologias
Projeto, Currículo e o uso das Tecnologias
Adriana Sousa
 

Mais procurados (18)

Apresentação Final do TCC
Apresentação Final do TCCApresentação Final do TCC
Apresentação Final do TCC
 
Planejamento
PlanejamentoPlanejamento
Planejamento
 
Blog Nayara
Blog NayaraBlog Nayara
Blog Nayara
 
A teoria racional tecnológica e a cibercultura
A teoria racional tecnológica e a ciberculturaA teoria racional tecnológica e a cibercultura
A teoria racional tecnológica e a cibercultura
 
Oc 1 tic_1
Oc 1 tic_1Oc 1 tic_1
Oc 1 tic_1
 
O ensino por competências by giba cardoso v2
O ensino por competências by giba cardoso v2O ensino por competências by giba cardoso v2
O ensino por competências by giba cardoso v2
 
Beth Almeida
Beth AlmeidaBeth Almeida
Beth Almeida
 
Planejamento integrado
Planejamento integradoPlanejamento integrado
Planejamento integrado
 
Apresentação TCC
Apresentação TCCApresentação TCC
Apresentação TCC
 
C:\Fakepath\Ceep E Cefp 2001
C:\Fakepath\Ceep E Cefp 2001C:\Fakepath\Ceep E Cefp 2001
C:\Fakepath\Ceep E Cefp 2001
 
Novos Paradigmas na Educação
Novos Paradigmas na EducaçãoNovos Paradigmas na Educação
Novos Paradigmas na Educação
 
Currículo do desenvolvimento humano
Currículo do desenvolvimento humanoCurrículo do desenvolvimento humano
Currículo do desenvolvimento humano
 
Atividade de planejamento pa cleide
Atividade de planejamento pa cleideAtividade de planejamento pa cleide
Atividade de planejamento pa cleide
 
Aprendizagem Integrada
Aprendizagem IntegradaAprendizagem Integrada
Aprendizagem Integrada
 
ApresentaçãO Tcc Rosangelamenta
ApresentaçãO Tcc RosangelamentaApresentaçãO Tcc Rosangelamenta
ApresentaçãO Tcc Rosangelamenta
 
Ciberculturaeconstrutivismo 140826232547-phpapp01
Ciberculturaeconstrutivismo 140826232547-phpapp01Ciberculturaeconstrutivismo 140826232547-phpapp01
Ciberculturaeconstrutivismo 140826232547-phpapp01
 
Pós-graduação em Educação e Formação de Adultos
Pós-graduação em Educação e Formação de AdultosPós-graduação em Educação e Formação de Adultos
Pós-graduação em Educação e Formação de Adultos
 
Projeto, Currículo e o uso das Tecnologias
Projeto, Currículo e o uso das TecnologiasProjeto, Currículo e o uso das Tecnologias
Projeto, Currículo e o uso das Tecnologias
 

Semelhante a Trajetórias de Aprendizagem Visível em Ambiente Informatizado

Guia do cursista Elaboração de Projetos
Guia do cursista Elaboração de ProjetosGuia do cursista Elaboração de Projetos
Guia do cursista Elaboração de Projetos
proinfoundimeparaiba
 
Curso Elaboração de Projetos
Curso Elaboração de ProjetosCurso Elaboração de Projetos
Curso Elaboração de Projetos
anilzabrasil
 
Curso Elaboração de Projetos
Curso Elaboração de ProjetosCurso Elaboração de Projetos
Curso Elaboração de Projetos
anilzabrasil
 
Manual do cursista elaboração de projetos
Manual do cursista elaboração de projetosManual do cursista elaboração de projetos
Manual do cursista elaboração de projetos
Secretaria Municipal de Educação de Dona Inês/PB
 
Apresentação do Curso Elaboração de Projetos
Apresentação do Curso Elaboração de ProjetosApresentação do Curso Elaboração de Projetos
Apresentação do Curso Elaboração de Projetos
anilzabrasil
 
ELABORAÇÃO DE PROJETOS
ELABORAÇÃO DE PROJETOSELABORAÇÃO DE PROJETOS
ELABORAÇÃO DE PROJETOS
proinfoundimeparaiba
 
Manual do cursista
Manual do cursistaManual do cursista
Manual do cursista
Marcia Cosme da Silva
 
Agudo - Geraldo Fruet
Agudo - Geraldo FruetAgudo - Geraldo Fruet
Agudo - Geraldo Fruet
CursoTICs
 
Apresentação do Curso 'Aprendendo e ensinando com as TIC.
Apresentação do Curso 'Aprendendo e ensinando com as TIC.Apresentação do Curso 'Aprendendo e ensinando com as TIC.
Apresentação do Curso 'Aprendendo e ensinando com as TIC.
anilzabrasil
 
Doutoramento TIC na Educação 2012
Doutoramento TIC na Educação 2012Doutoramento TIC na Educação 2012
Doutoramento TIC na Educação 2012
Guilhermina Miranda
 
ARTIGO 2 A TECNOLOGIA EDUCACIONAL UM CONCEITO QUE DIZ RESPEITO À UTILIZAÇÃO D...
ARTIGO 2 A TECNOLOGIA EDUCACIONAL UM CONCEITO QUE DIZ RESPEITO À UTILIZAÇÃO D...ARTIGO 2 A TECNOLOGIA EDUCACIONAL UM CONCEITO QUE DIZ RESPEITO À UTILIZAÇÃO D...
ARTIGO 2 A TECNOLOGIA EDUCACIONAL UM CONCEITO QUE DIZ RESPEITO À UTILIZAÇÃO D...
SimoneHelenDrumond
 
4 ARTIGO A TECNOLOGIA EDUCACIONAL UM CONCEITO QUE DIZ RESPEITO À UTILIZAÇÃO ...
4 ARTIGO  A TECNOLOGIA EDUCACIONAL UM CONCEITO QUE DIZ RESPEITO À UTILIZAÇÃO ...4 ARTIGO  A TECNOLOGIA EDUCACIONAL UM CONCEITO QUE DIZ RESPEITO À UTILIZAÇÃO ...
4 ARTIGO A TECNOLOGIA EDUCACIONAL UM CONCEITO QUE DIZ RESPEITO À UTILIZAÇÃO ...
SimoneHelenDrumond
 
TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS UM CONCEITO QUE DIZ RESPEITO À UTILIZAÇÃO DE RECURSO...
TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS UM CONCEITO QUE DIZ RESPEITO À UTILIZAÇÃO DE RECURSO...TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS UM CONCEITO QUE DIZ RESPEITO À UTILIZAÇÃO DE RECURSO...
TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS UM CONCEITO QUE DIZ RESPEITO À UTILIZAÇÃO DE RECURSO...
Cassia Duque
 
São João do Polêsine - Diana Cervo Cassol
São João do Polêsine - Diana Cervo CassolSão João do Polêsine - Diana Cervo Cassol
São João do Polêsine - Diana Cervo Cassol
CursoTICs
 
Mesa 4 c
Mesa 4 cMesa 4 c
Mesa 4 c
Paulo Hospodar
 
Ativ10 apresentacao maria-georgina
Ativ10 apresentacao maria-georginaAtiv10 apresentacao maria-georgina
Ativ10 apresentacao maria-georgina
georginamacedo
 
Tecnologia e curriculo ATUAL.pdf
Tecnologia e curriculo ATUAL.pdfTecnologia e curriculo ATUAL.pdf
Tecnologia e curriculo ATUAL.pdf
JulioHenriqueNunesdo
 
Palestra Bette Prado Puc Gestores
Palestra Bette Prado Puc GestoresPalestra Bette Prado Puc Gestores
Palestra Bette Prado Puc Gestores
Renata Aquino
 
Ot 02 03_12
Ot 02 03_12Ot 02 03_12
Ot 02 03_12
sitedcoeste
 
Informática na Educação
Informática na EducaçãoInformática na Educação
Informática na Educação
cesar.2f
 

Semelhante a Trajetórias de Aprendizagem Visível em Ambiente Informatizado (20)

Guia do cursista Elaboração de Projetos
Guia do cursista Elaboração de ProjetosGuia do cursista Elaboração de Projetos
Guia do cursista Elaboração de Projetos
 
Curso Elaboração de Projetos
Curso Elaboração de ProjetosCurso Elaboração de Projetos
Curso Elaboração de Projetos
 
Curso Elaboração de Projetos
Curso Elaboração de ProjetosCurso Elaboração de Projetos
Curso Elaboração de Projetos
 
Manual do cursista elaboração de projetos
Manual do cursista elaboração de projetosManual do cursista elaboração de projetos
Manual do cursista elaboração de projetos
 
Apresentação do Curso Elaboração de Projetos
Apresentação do Curso Elaboração de ProjetosApresentação do Curso Elaboração de Projetos
Apresentação do Curso Elaboração de Projetos
 
ELABORAÇÃO DE PROJETOS
ELABORAÇÃO DE PROJETOSELABORAÇÃO DE PROJETOS
ELABORAÇÃO DE PROJETOS
 
Manual do cursista
Manual do cursistaManual do cursista
Manual do cursista
 
Agudo - Geraldo Fruet
Agudo - Geraldo FruetAgudo - Geraldo Fruet
Agudo - Geraldo Fruet
 
Apresentação do Curso 'Aprendendo e ensinando com as TIC.
Apresentação do Curso 'Aprendendo e ensinando com as TIC.Apresentação do Curso 'Aprendendo e ensinando com as TIC.
Apresentação do Curso 'Aprendendo e ensinando com as TIC.
 
Doutoramento TIC na Educação 2012
Doutoramento TIC na Educação 2012Doutoramento TIC na Educação 2012
Doutoramento TIC na Educação 2012
 
ARTIGO 2 A TECNOLOGIA EDUCACIONAL UM CONCEITO QUE DIZ RESPEITO À UTILIZAÇÃO D...
ARTIGO 2 A TECNOLOGIA EDUCACIONAL UM CONCEITO QUE DIZ RESPEITO À UTILIZAÇÃO D...ARTIGO 2 A TECNOLOGIA EDUCACIONAL UM CONCEITO QUE DIZ RESPEITO À UTILIZAÇÃO D...
ARTIGO 2 A TECNOLOGIA EDUCACIONAL UM CONCEITO QUE DIZ RESPEITO À UTILIZAÇÃO D...
 
4 ARTIGO A TECNOLOGIA EDUCACIONAL UM CONCEITO QUE DIZ RESPEITO À UTILIZAÇÃO ...
4 ARTIGO  A TECNOLOGIA EDUCACIONAL UM CONCEITO QUE DIZ RESPEITO À UTILIZAÇÃO ...4 ARTIGO  A TECNOLOGIA EDUCACIONAL UM CONCEITO QUE DIZ RESPEITO À UTILIZAÇÃO ...
4 ARTIGO A TECNOLOGIA EDUCACIONAL UM CONCEITO QUE DIZ RESPEITO À UTILIZAÇÃO ...
 
TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS UM CONCEITO QUE DIZ RESPEITO À UTILIZAÇÃO DE RECURSO...
TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS UM CONCEITO QUE DIZ RESPEITO À UTILIZAÇÃO DE RECURSO...TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS UM CONCEITO QUE DIZ RESPEITO À UTILIZAÇÃO DE RECURSO...
TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS UM CONCEITO QUE DIZ RESPEITO À UTILIZAÇÃO DE RECURSO...
 
São João do Polêsine - Diana Cervo Cassol
São João do Polêsine - Diana Cervo CassolSão João do Polêsine - Diana Cervo Cassol
São João do Polêsine - Diana Cervo Cassol
 
Mesa 4 c
Mesa 4 cMesa 4 c
Mesa 4 c
 
Ativ10 apresentacao maria-georgina
Ativ10 apresentacao maria-georginaAtiv10 apresentacao maria-georgina
Ativ10 apresentacao maria-georgina
 
Tecnologia e curriculo ATUAL.pdf
Tecnologia e curriculo ATUAL.pdfTecnologia e curriculo ATUAL.pdf
Tecnologia e curriculo ATUAL.pdf
 
Palestra Bette Prado Puc Gestores
Palestra Bette Prado Puc GestoresPalestra Bette Prado Puc Gestores
Palestra Bette Prado Puc Gestores
 
Ot 02 03_12
Ot 02 03_12Ot 02 03_12
Ot 02 03_12
 
Informática na Educação
Informática na EducaçãoInformática na Educação
Informática na Educação
 

Mais de Raquel Salcedo Gomes

Trajetórias de aprendizagem para navegar o século XXI.pdf
Trajetórias de aprendizagem para navegar o século XXI.pdfTrajetórias de aprendizagem para navegar o século XXI.pdf
Trajetórias de aprendizagem para navegar o século XXI.pdf
Raquel Salcedo Gomes
 
Cultura digital ou digitalização da cultura
Cultura digital ou digitalização da culturaCultura digital ou digitalização da cultura
Cultura digital ou digitalização da cultura
Raquel Salcedo Gomes
 
História das tecnologias cognitivas e suas implicações educacionais
História das tecnologias cognitivas e suas implicações educacionaisHistória das tecnologias cognitivas e suas implicações educacionais
História das tecnologias cognitivas e suas implicações educacionais
Raquel Salcedo Gomes
 
Desafios da educação na pandemia
Desafios da educação na pandemiaDesafios da educação na pandemia
Desafios da educação na pandemia
Raquel Salcedo Gomes
 
What happened to cognitive science? O que aconteceu com a ciência cognitiva?
What happened to cognitive science? O que aconteceu com a ciência cognitiva?What happened to cognitive science? O que aconteceu com a ciência cognitiva?
What happened to cognitive science? O que aconteceu com a ciência cognitiva?
Raquel Salcedo Gomes
 
Cognição 4E - Evolução da cognição
Cognição 4E - Evolução da cogniçãoCognição 4E - Evolução da cognição
Cognição 4E - Evolução da cognição
Raquel Salcedo Gomes
 
Cognição enativa e linguagem
Cognição enativa e linguagemCognição enativa e linguagem
Cognição enativa e linguagem
Raquel Salcedo Gomes
 
Benjamin Bloom, Mastery Learning, Objetivos Educacionais
Benjamin Bloom, Mastery Learning, Objetivos EducacionaisBenjamin Bloom, Mastery Learning, Objetivos Educacionais
Benjamin Bloom, Mastery Learning, Objetivos Educacionais
Raquel Salcedo Gomes
 
Educação na cultura digital
Educação na cultura digitalEducação na cultura digital
Educação na cultura digital
Raquel Salcedo Gomes
 
Pesquisa em informática na educação e ciências cognitivas
Pesquisa em informática na educação e ciências cognitivasPesquisa em informática na educação e ciências cognitivas
Pesquisa em informática na educação e ciências cognitivas
Raquel Salcedo Gomes
 
Fechamento Pierre Lévy - O que é o virtual?
Fechamento Pierre Lévy - O que é o virtual?Fechamento Pierre Lévy - O que é o virtual?
Fechamento Pierre Lévy - O que é o virtual?
Raquel Salcedo Gomes
 
O que é o virtual? Pierre Lévy
O que é o virtual? Pierre LévyO que é o virtual? Pierre Lévy
O que é o virtual? Pierre Lévy
Raquel Salcedo Gomes
 
Inteligência Coletiva - Pierre Lévy
Inteligência Coletiva - Pierre Lévy Inteligência Coletiva - Pierre Lévy
Inteligência Coletiva - Pierre Lévy
Raquel Salcedo Gomes
 
Pierre Lévy e as humanidades digitais
Pierre Lévy e as humanidades digitaisPierre Lévy e as humanidades digitais
Pierre Lévy e as humanidades digitais
Raquel Salcedo Gomes
 
Informática na educação baseada em evidências
Informática na educação baseada em evidênciasInformática na educação baseada em evidências
Informática na educação baseada em evidências
Raquel Salcedo Gomes
 
Pervasive Computing: Vision and Challenges
Pervasive Computing: Vision and ChallengesPervasive Computing: Vision and Challenges
Pervasive Computing: Vision and Challenges
Raquel Salcedo Gomes
 
Bergson e Maturana em minha tese
Bergson e Maturana em minha teseBergson e Maturana em minha tese
Bergson e Maturana em minha tese
Raquel Salcedo Gomes
 
Poesia - Modernistas (1945-1960)
Poesia - Modernistas (1945-1960)Poesia - Modernistas (1945-1960)
Poesia - Modernistas (1945-1960)
Raquel Salcedo Gomes
 
Mobilidade e tecnocultura: q linguajar é esse?
Mobilidade e tecnocultura: q linguajar é esse?Mobilidade e tecnocultura: q linguajar é esse?
Mobilidade e tecnocultura: q linguajar é esse?
Raquel Salcedo Gomes
 
Uma perspectiva sociocultural à educação linguística em LE
Uma perspectiva sociocultural à educação linguística em LEUma perspectiva sociocultural à educação linguística em LE
Uma perspectiva sociocultural à educação linguística em LE
Raquel Salcedo Gomes
 

Mais de Raquel Salcedo Gomes (20)

Trajetórias de aprendizagem para navegar o século XXI.pdf
Trajetórias de aprendizagem para navegar o século XXI.pdfTrajetórias de aprendizagem para navegar o século XXI.pdf
Trajetórias de aprendizagem para navegar o século XXI.pdf
 
Cultura digital ou digitalização da cultura
Cultura digital ou digitalização da culturaCultura digital ou digitalização da cultura
Cultura digital ou digitalização da cultura
 
História das tecnologias cognitivas e suas implicações educacionais
História das tecnologias cognitivas e suas implicações educacionaisHistória das tecnologias cognitivas e suas implicações educacionais
História das tecnologias cognitivas e suas implicações educacionais
 
Desafios da educação na pandemia
Desafios da educação na pandemiaDesafios da educação na pandemia
Desafios da educação na pandemia
 
What happened to cognitive science? O que aconteceu com a ciência cognitiva?
What happened to cognitive science? O que aconteceu com a ciência cognitiva?What happened to cognitive science? O que aconteceu com a ciência cognitiva?
What happened to cognitive science? O que aconteceu com a ciência cognitiva?
 
Cognição 4E - Evolução da cognição
Cognição 4E - Evolução da cogniçãoCognição 4E - Evolução da cognição
Cognição 4E - Evolução da cognição
 
Cognição enativa e linguagem
Cognição enativa e linguagemCognição enativa e linguagem
Cognição enativa e linguagem
 
Benjamin Bloom, Mastery Learning, Objetivos Educacionais
Benjamin Bloom, Mastery Learning, Objetivos EducacionaisBenjamin Bloom, Mastery Learning, Objetivos Educacionais
Benjamin Bloom, Mastery Learning, Objetivos Educacionais
 
Educação na cultura digital
Educação na cultura digitalEducação na cultura digital
Educação na cultura digital
 
Pesquisa em informática na educação e ciências cognitivas
Pesquisa em informática na educação e ciências cognitivasPesquisa em informática na educação e ciências cognitivas
Pesquisa em informática na educação e ciências cognitivas
 
Fechamento Pierre Lévy - O que é o virtual?
Fechamento Pierre Lévy - O que é o virtual?Fechamento Pierre Lévy - O que é o virtual?
Fechamento Pierre Lévy - O que é o virtual?
 
O que é o virtual? Pierre Lévy
O que é o virtual? Pierre LévyO que é o virtual? Pierre Lévy
O que é o virtual? Pierre Lévy
 
Inteligência Coletiva - Pierre Lévy
Inteligência Coletiva - Pierre Lévy Inteligência Coletiva - Pierre Lévy
Inteligência Coletiva - Pierre Lévy
 
Pierre Lévy e as humanidades digitais
Pierre Lévy e as humanidades digitaisPierre Lévy e as humanidades digitais
Pierre Lévy e as humanidades digitais
 
Informática na educação baseada em evidências
Informática na educação baseada em evidênciasInformática na educação baseada em evidências
Informática na educação baseada em evidências
 
Pervasive Computing: Vision and Challenges
Pervasive Computing: Vision and ChallengesPervasive Computing: Vision and Challenges
Pervasive Computing: Vision and Challenges
 
Bergson e Maturana em minha tese
Bergson e Maturana em minha teseBergson e Maturana em minha tese
Bergson e Maturana em minha tese
 
Poesia - Modernistas (1945-1960)
Poesia - Modernistas (1945-1960)Poesia - Modernistas (1945-1960)
Poesia - Modernistas (1945-1960)
 
Mobilidade e tecnocultura: q linguajar é esse?
Mobilidade e tecnocultura: q linguajar é esse?Mobilidade e tecnocultura: q linguajar é esse?
Mobilidade e tecnocultura: q linguajar é esse?
 
Uma perspectiva sociocultural à educação linguística em LE
Uma perspectiva sociocultural à educação linguística em LEUma perspectiva sociocultural à educação linguística em LE
Uma perspectiva sociocultural à educação linguística em LE
 

Último

UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
YeniferGarcia36
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 

Último (20)

UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 

Trajetórias de Aprendizagem Visível em Ambiente Informatizado

  • 2. -A Informática na Educação e o CINTED/PGIE/UFRGS -Trajetórias de aprendizagem -Trajetórias de aprendizagem visível em ambientes informatizados Objetivo: conhecer o construto trajetórias de aprendizagem e refletir sobre ele considerando a relação entre objetivos de aprendizagem e critérios de sucesso na interseção entre educação e informática.
  • 3. Art. 5o - A UFRGS, comunidade de professores, alunos e pessoal técnico- administrativo, tem por finalidade precípua a educação superior e a produção de conhecimento filosófico, científico, artístico e tecnológico, integradas no ensino, na pesquisa e na extensão. http://www.ufrgs.br/ufrgs/arquivos/estatuto UFRGS
  • 4. Art. 2º – O CINTED tem por objetivos realizar estudos e pesquisas interdisciplinares que darão suporte às atividades de implementação de tecnologias alternativas em programas e projetos educativos, presenciais e/ou à distância, bem como sediar cursos de pós-graduação e desenvolver atividades de extensão. Art. 3º – O CINTED desenvolverá atividades de natureza acadêmica, tais como cursos, estudos, pesquisa e eventos, relevantes: a) à Educação a Distância; b) à Informática na Educação; c) ao uso de tecnologias de comunicação e informação na Educação; d) a outras formas que se revelem de interesse na mesma área. https://www.ufrgs.br/cinted/institucional/regimento/ CINTED
  • 5. Art. 1° - A UFRGS, sob responsabilidade do Centro Interdisciplinar de Novas Tecnologias na Educação (CINTED), mantém o Programa de Pós- Graduação em Informática na Educação, (doravante denominado Programa ou PPGIE), em nível de Doutorado, que tem caráter interdisciplinar, com o objetivo de formar pessoal qualificado para o exercício das atividades de ensino, pesquisa e desenvolvimento, com produção de conhecimento filosófico, científico, artístico e/ou tecnológico, constituindo-se em instância necessária da consciência crítica, em áreas que envolvam tecnologia e educação. Parágrafo único - A inscrição aos cursos de Pós-Graduação está aberta a candidatos que tenham concluído o curso de Mestrado em qualquer área de conhecimento. http://www.ufrgs.br/ppgie/institucional/ RegimentoPPGIEaprovadoCAMPG.pdf PGIE
  • 6. Ambientes Informatizados e Ensino a Distância Esta linha de pesquisa tem por objetivo a construção de materiais de ensino-aprendizagem no contexto educacional nos diferentes níveis de educação: pré-escolar, primeiro grau, segundo grau, terceiro grau e pós- graduação, bem como na educação continuada (educação formal e informal). Os materiais podem incluir tanto software como hardware utilizados na educação geral e especial. Aplicações de tecnologia tais como multimídia, robótica, realidade virtual e reconhecimento e síntese de voz, entre outros também serão investigadas à luz da construção de conhecimento. Paradigmas para a Pesquisa sobre o Ensino Científico e Tecnológico Esta linha de pesquisa pretende estudar o fenômeno da educação das áreas de ciência e tecnologia, entre as quais, prioritariamente, a Engenharia, nos seus aspectos históricos, neurocientíficos, cognitivos, filosóficos, didáticos, pedagógicos, tecnológicos e de gestão, incluídos nesse último item questões de planejamento e inserção nos paradigmas da economia globalizada. Deve atender a uma demanda crescente na área de formação de professores para o ensino científico e tecnológico, de forma a capacitá-los a responder aos desafios relacionados à gestão do ensino destas áreas, presencial e a distância; bem como no planejamento e utilização nos recursos tecnológicos informatizados na produção de acervo em múltiplas mídias, canal de comunicação e interatividade, e espaço virtual por excelência da cultura educacional relacionada às transformações sociais, econômicas e antropológicas, ocorridas através da mediação de alta tecnologia ocorrida no final do Século XX. Atendendo à própria natureza do PGIE e, em especial, à natureza da complexidade do fenômeno do ensino científico e tecnológico, a linha será estruturada com base em uma abordagem multi e interdisciplinar. Interfaces Digitais em Educação, Arte, Linguagem e Cognição Investigar os efeitos das interfaces digitais em diferentes campos empíricos. Inscreve-se no plano da cognição, da subjetivação, da criação estética, da produção de sentido de autoria, das metodologias e das aprendizagens. http://www.ufrgs.br/ppgie/pesquisa/linhas-de-pesquisa-e-docentes LINHASDEPESQUISA VOCÊ ESTÁ AQUI
  • 8. Trajetória de Aprendizagem é a sequência de trajetos, onde trajeto é a apropriação de competências através do processo de  ensino-aprendizagem tendo como ponto de partida competências ou conceitos previamente conhecidos.  Trajetória de Aprendizagem planejada (ou Trajetória  Pedagógica) é um conjunto de atividades planejadas com o  objetivo de alcançar um determinado objetivo educacional.   Trajetória de Aprendizagem Realizada é o conjunto de  atividades realizadas por um indivíduo com o objetivo de  alcançar um determinado objetivo educacional. (CANTO FILHO et al., 2016)
  • 9. A researcher-conjectured, empirically supported  description of the ordered network of constructs a student encounters through instruction (i.e. activities, tasks, tools, forms of interaction and methods of evaluation), in order to  move from informal ideas, through successive refinements of  representation, articulation, and reflection, towards  increasingly complex concepts over time (CONFREY et al.,  2009)
  • 10. Simon (1995) first used the expression hypothetical LT to represent the “paths by which learning might proceed” (p. 135) when students progress from their own starting points toward an intended learning goal. (SZTAJN et al., 2012) Simon (1995) apresenta o conceito de trajetória de  aprendizagem hipotética, referindo-se a trajetória planejada. Para ele, uma trajetória hipotética de aprendizagem é uma  construção de ensino - algo que professores pressupõem como  uma forma de dar sentido para onde os alunos e professor  podem ir. É hipotética porque uma trajetória de aprendizagem  real não é conhecida com antecedência. (CANTO FILHO et al., 2016)
  • 11. Para Clements e Sarama (2013), as trajetórias de  aprendizado possuem três partes:   a) Um objetivo; b) Um caminho desenvolvimental ao longo do qual as crianças se desenvolvem para atingir esse objetivo;  c) Um conjunto de atividades ou de tarefas pedagógicas,  correspondendo a cada um dos níveis de raciocínio  nesse caminho, e que ajudam as crianças a desenvolver  níveis mais altos de raciocínio.  (CANTO FILHO et al., 2016)
  • 12. APRENDIZAGEMVISÍVEL(HATTIE,2017) -O que mais faz diferença é o professor -O professor preocupado com seu impacto na aprendizagem -O professor que se reúne com outros professores para discutir formas de melhorar seus impactos na aprendizagem -Com objetivos de aprendizagem claros e critérios de sucesso explícitos -Usando bem bons instrumentos e ambientes (tempo, espaço, meios e métodos)
  • 13. TRAJETÓRIADEAPRENDIZAGEMVISÍVEL A B PONTOS DE PARTIDA, PASSAGEM E CHEGADA OBJETIVOS DE APRENDIZAGEM E CRITÉRIOS DE SUCESSO
  • 14. TRAJETÓRIASDEAPRENDIZAGEMVISÍVELEM AMBIENTESINFORMATIZADOS -Recursos educacionais digitais -Ambientes Virtuais de Aprendizagem -Ambientes de webconferência -Plataformas de interação -? COMO USAR TICS EM FAVOR DE TRAJETÓRIAS DE APRENDIZAGEM VISÍVEL EM AMBIENTES INFORMATIZADOS?
  • 16. INFORMÁTICANAEDUCAÇÃO? EDUCAÇÃO (ontologia, mesologia, teleologia) Educação formal, não-formal, informal Modalidades Faixa etária Art. 205. A educação, direito de todos e dever do Estado e da família, será promovida e incentivada com a colaboração da sociedade, visando ao pleno desenvolvimento da pessoa, seu preparo para o exercício da cidadania e sua qualificação para o trabalho. (CF, 1988)