SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 21
PGLM - XVIII Modulo 4 – LEAN SCM
Armando Mainsel
Pedro Santos
Pág.1de21
‘«
LEAN SCM
BORDO DE LINHA
Trabalho realizado por:
- Armando Mainsel
- Pedro Santos
PGLM - XVIII Modulo 4 – LEAN SCM
Armando Mainsel
Pedro Santos
Pág.2de21
PGLM - XVIII Modulo 4 – LEAN SCM
Armando Mainsel
Pedro Santos
Pág.3de21
ÍNDICE
1 – OBJECTIVOS ................................................................................................................ 4
2 – INTRODUÇÃO ............................................................................................................... 4
3 – IDENTIFICAÇÃO DOS CUIDADOS A TER NO DIMENSIONAMENTO......................... 7
4 – EXEMPLO PRÁTICO DE DIMENSIONAMENTO......................................................... 17
5 – CONCLUSÕES............................................................................................................ 20
6 – BIBLIOGRAFIA ........................................................................................................... 21
PGLM - XVIII Modulo 4 – LEAN SCM
Armando Mainsel
Pedro Santos
Pág.4de21
1 – OBJECTIVOS
Na elaboração do presente trabalho foi abordado o tema “BORDOS DE LINHA”.
Foram estabelecidos os seguintes objetivos:
- Breve definição de bordo de linha, e seu enquadramento em todo o processo da cadeia de
abastecimento interno;
- Variáveis a considerar no dimensionamento de bordos de linha;
- Dimensionamento de caso prático de linha de bordo;
2 – INTRODUÇÃO
Bordo de linha
É o espaço reservado para as peças que vão ser consumidas na linha de produção. Mas é
muito mais do que isso! Este é utilizado para maximizar as tarefas de valor acrescentado
através da colocação do material que o operador necessita junto à linha de montagem, e deve
ser desenhado e dimensionado de forma a minimizar o muda de movimento de pessoas e a
ser o mais ergonómico possível. “O melhor layout para um posto de trabalho é aquele em que
o operador retira as peças sempre do mesmo local com o movimento mais curto”.
O bordo de linha atua como a interface entre a produção e a logística, no entanto serve como
forma de tornar o trabalho entre estas duas áreas independente. Preferencialmente, o bordo
de linha deve apresentar-se de frente para o operador quando este está a realizar as suas
tarefas. Isto de forma a que a logística possa abastecer as peças, em contentores pequenos,
o mais próximo possível da área de valor acrescentado dos operadores.
PGLM - XVIII Modulo 4 – LEAN SCM
Armando Mainsel
Pedro Santos
Pág.5de21
Logística tradicional e LEAN
Na logística tradicional, não é garantida a quantidade de material certo na hora certa e no
local certo, e por isso aumentam-se o volume solicitado de materiais e acumula-se stocks no
bordo de linha como forma de proteção para não faltar material para produção. Este tipo de
logística é caracterizada por:
1) Muda de stocks: capital imobilizado nos diferentes armazéns, stocks em bordo de
linha, baixa rotação de stocks;
2) Espaço excessivo ocupado em bordo de linha por stocks que cria mudas de espera
e deslocamento;
3) Muda de transporte: custo elevado do empilhador e respectiva manutenção;
A melhoria de produtividade do bordo de linha pode ser alcançada através da implantação da
logística LEAN, que está a serviço do posto de trabalho.
As vantagens são as seguintes:
1) Substituição do modo paletes + grandes embalagens por um modelo
supermercados /caixas pequenas: implementação de supermercados JIT modulares
junto à linha.
2) A alimentação da linha faz-se por comboios com grande frequência de entrega para
a linha.
PGLM - XVIII Modulo 4 – LEAN SCM
Armando Mainsel
Pedro Santos
Pág.6de21
Na logística LEAN não devem existir paletes no bordo de linha mas sim caixas e/ou outros
tipos de embalagem de acondicionamento, de preferência pequenas e de fácil acesso
melhorando assim a ergonomia dos postos e facilitando uma possível mudança de série.
Abastecimento do Bordo de Linha
No abastecimento deve utilizar-se preferencialmente o abastecimento por trás com
contentores pequenos através de comboios logísticos (Mizusumashi - veículo de locomoção
elétrica ou manual, capaz de acoplar vários reboques conforme a necessidade de
abastecimento, e que segue no timing estabelecido para que não haja rutura de matéria-prima
para produzir, e cujo o objetivo é o de executar todas as movimentações necessárias
entre supermercado e bordo de linha.
PGLM - XVIII Modulo 4 – LEAN SCM
Armando Mainsel
Pedro Santos
Pág.7de21
Com um abastecimento mais frequente e em pequenas quantidades, a área de ocupação
torna-se menor e facilita o trabalho dos operadores no levantamento das peças necessárias,
devido a caixas mais ergonómicas. O controlo de qualidade é também maior quando se tratam
de pequenos lotes, uma vez que se torna mais fácil a deteção de defeitos. As estantes devem
ser o mais dinâmicas possível e permitirem trocar a caixa vazia por cheia.
Com o correto dimensionamento dos vagões do comboio logístico (Mizusumashi) e do bordo
de linha, não é necessário a preocupação em relação a falta de peças, o trabalho
padronizado executado permite uma alta produtividade das células de trabalho,
disponibilizando o material certo, no local certo à hora certa.
3 – IDENTIFICAÇÃO DOS CUIDADOS A TER NO DIMENSIONAMENTO
Para projetar os bordos de linha de uma secção ou posto de trabalho, é necessário ter em
conta os seguintes aspetos chave:
-Logística – diz respeito à disponibilidade de material (quer em referências de produto,
quer em quantidades) no bordo de linha. ;
-Ergonomia – o dimensionamento do bordo de linha deve atender a requisitos
ergonómicos, tais como largura e altura máximas do bordo de linha e local para
colocação dos vários tipos de caixa, iluminação do posto de trabalho, etc;
-Espaço disponível – todo o dimensionamento do bordo de linha deve ser ajustado /
adaptado ao espaço físico;
Sistemas anti erro (POKE YOKE) – dotar o posto de trabalho e bordo de linha de
dispositivos ou processos que evitem o aparecimento de erros.
Ambiente de trabalho – o ambiente em torno do bordo de linha pode condicionar o seu
dimensionamento ou materiais a utilizar.
PGLM - XVIII Modulo 4 – LEAN SCM
Armando Mainsel
Pedro Santos
Pág.8de21
Identificamos os seguinte cuidados a ter no dimensionamento para cada um dos pontos
apresentados anteriormente:
- Para que o operador do Mizusumashi desempenhe com maior eficiência, o seu trabalho o
local de carga deve estar bem identificado e dimensionado para as movimentações
planeadas. A carga e recolha de caixas deve ter em conta questões ergonómicas quanto á
altura, e o peso das caixas.
- Posicionamento de saída deve ter em conta a inclinação para ser facilmente visualizado,
aproveitar a gravidade para evitar esforços do operador e ter em conta questões de
iluminação, não criando sombras.
PGLM - XVIII Modulo 4 – LEAN SCM
Armando Mainsel
Pedro Santos
Pág.9de21
- Um sistema de cores pode ser adotado de modo a facilitar o trabalho do operador na
diferenciação rápida do produto a recolher.
A Gestão Visual facilita muito o trabalho do operador.
- A saída de peças do bordo de linha deve ser estudada de modo a que o operador gaste o
mínimo de tempo a pegar numa peça. O formato de saída da caixa ou contentor deve ser
apropriada para reduzir ao máximo esse tempo que não acrescenta valor ás operações.
PGLM - XVIII Modulo 4 – LEAN SCM
Armando Mainsel
Pedro Santos
Pág.10de21
- A distância do bordo de linha ao operador deve respeitar questões antropométricas. A área
sobre o tampo da mesa que o homem pode atingir para pegar sem se esforçar é
individualmente limitada pelo comprimento dos braços. O melhor para pegar peças e
ferramentas é quando estas estão dentro do alcance da extensão dos braços sob a palma da
mão ou próximas do tórax.
A área a verde assinalada na figura seguinte é neste domínio excelente, não só porque nela
dois ou mais objetos de trabalho podem ser identificados sem mudança de visão, mas também
porque implica pouco esforço e movimentos por parte do operador.
Devem estar disponíveis a quantidade de peças necessária para cada operação, as peças
muito utilizadas devem ficar mais próximas, e dentro da zona verde ou laranja.
- A altura do posto de trabalho, e consequentemente do bordo de linha, deve corresponder
sobretudo à altura dos olhos acima da superfície do assento, do ângulo visual e da distância
dos olhos ao plano observado. No trabalho de montagem deve haver um compromisso entre
PGLM - XVIII Modulo 4 – LEAN SCM
Armando Mainsel
Pedro Santos
Pág.11de21
boas condições de visão e comodidade para a posição dos braços (o braço deve
preferencialmente mantido na vertical).
A altura do bordo de linha deve, portanto, ajustar-se às condições mais favoráveis de trabalho
do operador, atendendo a medidas padronizadas pelo estudo do trabalho.
- A área de pegar, considerando a movimentação do braço no trabalho em pé, não é diferente
daquela no trabalho sentado. Em pé ainda é possível estende-la através de passos laterais.
PGLM - XVIII Modulo 4 – LEAN SCM
Armando Mainsel
Pedro Santos
Pág.12de21
- Ter em conta o primeiro nível inferior, esta cota é influenciada pela posição de trabalho
(sentado ou em pé). Perante esta definição pode ser determinado o numero máximo de níveis
e suas alturas. Por vezes também o posicionamento do operador determina a localização do
retorno de caixas.
- Devemos determinar quais os sistemas de armazenamento a considerar caixas plásticas,
tubos, cartões, bem como, que retornos vão originar e o seu destino. As caixas em plástico
podem voltar ao supermercado, um cartão pode ter de voltar a uma zona de reciclagem.
PGLM - XVIII Modulo 4 – LEAN SCM
Armando Mainsel
Pedro Santos
Pág.13de21
- Quando existir o retorno de caixas deve existir um local especifico de retorno e devidamente
identificado. Outra opção pode ser considerar sistemas automáticos de retorno de baixo custo
tipo Karakuri´s, de modo a diminuir o tempo e esforço do operador.
- No caso de utilização de caixas plásticas, deve ser tido em conta o formato, dimensões e o
design inferior, porque estes dados vão contribuir para uma otimização do deslizar das
mesmas quer seja na carga ou no retorno. Deve-se conhecer bem o produto a movimentar,
de modo a prever possíveis danos. (Ex: Produtos sensíveis temos de utilizar roletes duplos
alternado de modo a diminuir a vibração).
- Deve-se dimensionar a inclinação adequada para que na movimentação de caixas seja,
sempre que possível, utilizar a gravidade para deslocar as caixas. As caixas devem permitir
ter o produto sempre bem visível e facilmente extraível. Também a caixa depois de vazia deve
ser facilmente extraível.
PGLM - XVIII Modulo 4 – LEAN SCM
Armando Mainsel
Pedro Santos
Pág.14de21
A Segurança é outro ponto fundamental a ter em conta nestas operações. Deve ser tido em
conta questões como entalamento de dedos ou mãos na extração da caixa ou dos produtos.
- Sempre que possível, cada fila de caixas deve ter guardas laterais para evitar que se
posicionem em outras filas e induzam em erro os operadores. Cada produto deve sempre que
possível estar no mesmo sitio em cada produto fabricado.
PGLM - XVIII Modulo 4 – LEAN SCM
Armando Mainsel
Pedro Santos
Pág.15de21
- Opcionalmente nos bordos de linha pode ser utilizado um sistema de cores de modo a
sinalizar a necessidade de produto, ou limites de produto.
- Quando queremos otimizar algumas operações e diminuir o erro de sequência ou de picking
podemos inserir nos bordos de linha auxiliares luminosos tipo “Pick to Light”.
- Como muitas vezes o espaço disponível é limitado, é necessário sabermos o espaço
disponível de modo a podermos otimizar o espaço de acordo com o disponível. Podemos
colocar tudo em um nível ou vários, otimizar as caixas, utilizar tubos de picking ou braços
auxiliares ao operador.
PGLM - XVIII Modulo 4 – LEAN SCM
Armando Mainsel
Pedro Santos
Pág.16de21
- Ambiente de trabalho – Por vezes existem condicionalismos no ambiente de trabalho. Como
exemplo podemos ter ambientes ESD, EX, Clean Room, e outros.
Nestas situações devemos ter em conta a legislação e cuidados próprios destes tipos de
ambiente.
Estes são alguns dos pontos considerar no dimensionamento estrutural de um bordo de linha.
No ponto seguinte deste trabalho vamos abordar o dimensionamento quanto á quantidade de
cada produto ou caixas.
PGLM - XVIII Modulo 4 – LEAN SCM
Armando Mainsel
Pedro Santos
Pág.17de21
4 – EXEMPLO PRÁTICO DE DIMENSIONAMENTO
Como exercício de dimensionamento de Bordo de Linha, apresentamos um exemplo didáctico
utilizado ao nível pedagógico, e que consiste na montagem de um bloco (o qual designamos
por Bloco X) com vários componentes conforme ilustrações seguintes.
Apresentamos o dimensionamento do número de caixas de cada componente a utilizar no
bordo de linha (função do tempo de ciclo do Mizusumashi e da autonomia de cada caixa),
bem como uma disposição possível das caixas na vertical e na horizontal).
Esta peça tem as seguintes características:
Biil of
materials
Sequência
de
montagem
Tempo de
montagem/unid
Peso/uni
1 Base do corpo 1 1 seg 100 gr
1 Rolamento 2 3 seg 50 gr
1 Eixo branco 3 1 seg 20 gr
1 Eixo preto 5 1 seg 20 gr
1
Peça Rotação Preta
1 6
1 seg 40 gr
1
Peça Rotação
Branca 2 4
1 seg 40 gr
1 Tampa 7 2 seg 10 gr
4 Parafusos 8 5 seg 2 gr
Total: 20
Tempo de
ciclo
23 seg
Para transportar todos os componentes foram selecionadas caixas normalizadas e
habitualmente existentes na empresa. O seu dimensionamento foi tido em conta as
quantidades a transportar no ciclo anterior a esta estação.
Os componentes do Bloco X são alimentadas nas seguintes dimensões:
PGLM - XVIII Modulo 4 – LEAN SCM
Armando Mainsel
Pedro Santos
Pág.18de21
Biil of
material
s
Qt por
caixa
Dimensões
da caixa
Peso da
caixa
cheia
Tipo de
material da
caixa
1 Base do corpo 60 600x400x120 6 kgs Plástica
1 Rolamento 50 300x200x120 2,5 Kgs Plástica
1 Eixo branco 100 300x200x120 2 kgs Plástica
1 Eixo preto 100 300x200x120 2 kgs Plástica
1
Peça Rotação Preta
1
200
300x200x120 8 kgs Plástica
1
Peça Rotação
Branca 2
200
300x200x120 8 kgs Plástica
1 Tampa 200 300x200x120 2 kgs Plástica
4 Parafusos 1000 300x200x120 2 kgs Cartão
Com os dados das tabelas anteriores podemos calcular:
- Autonomia da caixa= (Nº de peças por caixa *Tempo de ciclo)/Nº de peças necessárias
Bloco X
- Caixas no bordo de linha=Inteiro(Tempo de ciclo do Mizusumashi/Autonomia de cada caixa)
- A posição de cada caixa no BL vai ser influenciada pelo peso da peça, quantidade utilizada
e sequencia de operações.
Com os dados anteriores podemos elaborar a seguinte tabela:
Biil of
materials
Autonomia
da caixa
Caixas no bordo de
linha para um ciclo do
Mizusumashi de 30
minutos
Posição da
caixa no
BL
1 Base do corpo 1380 seg 3 1ºnivel
1 Rolamento 1150 seg 4 2º nivel
1 Eixo branco 2300 seg 2 2º nivel
1 Eixo preto 2300 seg 2 3º nivel
1
Peça Rotação Preta
1
4600 seg 1
3º nivel
1
Peça Rotação
Branca 2
4600 seg 1
2ºnivel
1 Tampa 4600 seg 1 3º nivel
4 Parafusos 5750 seg 1 1ºnivel
Foi considerado que após esta submontagem este conjunto era colocado num tapete
transportador e seguia para o posto de montagem seguinte.
PGLM - XVIII Modulo 4 – LEAN SCM
Armando Mainsel
Pedro Santos
Pág.19de21
Como exemplo real podemos obter o seguinte bordo de linha a incorporar numa bancada de
montagem:
PGLM - XVIII Modulo 4 – LEAN SCM
Armando Mainsel
Pedro Santos
Pág.20de21
5 – CONCLUSÕES
A dinâmica atual do mercado é cada vez mais exigente ao nível da capacidade e rapidez de
resposta por parte de toda a cadeia produtiva, sendo necessário que as organizações estejam
preparadas para responder às expectativas dos clientes (Sistema PULL) e não lhe tentar
impor o produto (Sistema PUSH).
Nesse sentido, ficou demonstrado neste trabalho que o correto dimensionamento do Bordo
de Linha, permitirá a redução dos tempos de produção, a melhoria das condições de trabalho
para os operadores, redução do espaço necessário para armazenamento dos componentes
necessários junto do posto de trabalho (custos), e também a eliminação de MUDAS em todo
o processo produtivo.
PGLM - XVIII Modulo 4 – LEAN SCM
Armando Mainsel
Pedro Santos
Pág.21de21
6 – BIBLIOGRAFIA
- Dissertação de Mestrado FEUP “Implementação de sistemas kanban de abastecimento nas
linhas de produção” – Julho 2014;
- Dissertação de Mestrado FEUP “Implementação do sistema pull na secção de preparação
de acessórios” – Junho de 2008;
- Dissertação de Mestrado FEUP “Pull Flow na Indústria Automóvel Kaizen Institute Consultant
Group” – Junho de 2012;
- Dissertação de Mestrado UNIVERSIDADE DO MINHO “Implementação de um sistema de
abastecimento unidade a unidade a linhas de montagem na produção automóvel” – Junho de
2014;
- Trabalho de Graduação apresentado à Universidade do Estado de Santa Catarina “Aplicação
de Ferramentas LEAN para melhorar a produtividade na montagem de eletrodomésticos” –
2011;
- Manuais de estudo da PGLM Edição XVIII lecionada pela CLT.
-White paper de Lean e catálogos da item Potugal(by Europneumaq).
Vila Nova de Gaia, 30 de Janeiro de 2016

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

AULA 4MOVIMENTAÇÃO E EXPEDIÇÃO (1) CONCEITO DE EXPEDIÇÃO.pptx
AULA 4MOVIMENTAÇÃO E EXPEDIÇÃO (1) CONCEITO DE EXPEDIÇÃO.pptxAULA 4MOVIMENTAÇÃO E EXPEDIÇÃO (1) CONCEITO DE EXPEDIÇÃO.pptx
AULA 4MOVIMENTAÇÃO E EXPEDIÇÃO (1) CONCEITO DE EXPEDIÇÃO.pptxPalomaOliveira338538
 
Curso Gestão de Centro de Distribuição
Curso Gestão de Centro de DistribuiçãoCurso Gestão de Centro de Distribuição
Curso Gestão de Centro de DistribuiçãoPSC Log
 
Logística e distribuição
Logística e distribuiçãoLogística e distribuição
Logística e distribuiçãoGilberto Freitas
 
Aula21082020 ferramentas de estoque
Aula21082020 ferramentas de estoqueAula21082020 ferramentas de estoque
Aula21082020 ferramentas de estoqueRicardoSilva562385
 
Movimentação de Materiais
Movimentação de MateriaisMovimentação de Materiais
Movimentação de MateriaisÉrica Rangel
 
Como anda o processo de recebimento de mercadorias no varejo?
Como anda o processo de recebimento de mercadorias no varejo?Como anda o processo de recebimento de mercadorias no varejo?
Como anda o processo de recebimento de mercadorias no varejo?Gunnebo Brasil
 
Sistema de estoque
Sistema de estoqueSistema de estoque
Sistema de estoqueElvis Bruno
 
NR 17 - Ergonomia
NR 17 - ErgonomiaNR 17 - Ergonomia
NR 17 - ErgonomiaAmanda Dias
 
Aula 02 arranjo físico - parte I
Aula 02   arranjo físico - parte IAula 02   arranjo físico - parte I
Aula 02 arranjo físico - parte IAdilson Paradella
 
Aula de adm de materiais alunos
Aula de adm de materiais alunosAula de adm de materiais alunos
Aula de adm de materiais alunosMarcus Leal
 
Operações e rotinas de trabalho do almoxarifado
Operações e rotinas de trabalho do almoxarifadoOperações e rotinas de trabalho do almoxarifado
Operações e rotinas de trabalho do almoxarifadoBenjamim Garcia Netto
 
Tst ergonomia aula 2
Tst   ergonomia aula 2Tst   ergonomia aula 2
Tst ergonomia aula 2Bolivar Motta
 

Mais procurados (20)

Aula 03 5S alterada
Aula 03 5S alteradaAula 03 5S alterada
Aula 03 5S alterada
 
AULA 4MOVIMENTAÇÃO E EXPEDIÇÃO (1) CONCEITO DE EXPEDIÇÃO.pptx
AULA 4MOVIMENTAÇÃO E EXPEDIÇÃO (1) CONCEITO DE EXPEDIÇÃO.pptxAULA 4MOVIMENTAÇÃO E EXPEDIÇÃO (1) CONCEITO DE EXPEDIÇÃO.pptx
AULA 4MOVIMENTAÇÃO E EXPEDIÇÃO (1) CONCEITO DE EXPEDIÇÃO.pptx
 
Curso Gestão de Centro de Distribuição
Curso Gestão de Centro de DistribuiçãoCurso Gestão de Centro de Distribuição
Curso Gestão de Centro de Distribuição
 
Logística e distribuição
Logística e distribuiçãoLogística e distribuição
Logística e distribuição
 
Aula21082020 ferramentas de estoque
Aula21082020 ferramentas de estoqueAula21082020 ferramentas de estoque
Aula21082020 ferramentas de estoque
 
Layout de estoque
Layout de estoqueLayout de estoque
Layout de estoque
 
Movimentação de Materiais
Movimentação de MateriaisMovimentação de Materiais
Movimentação de Materiais
 
Como anda o processo de recebimento de mercadorias no varejo?
Como anda o processo de recebimento de mercadorias no varejo?Como anda o processo de recebimento de mercadorias no varejo?
Como anda o processo de recebimento de mercadorias no varejo?
 
Equipamentos de Movimentação de Materiais
Equipamentos de Movimentação de Materiais Equipamentos de Movimentação de Materiais
Equipamentos de Movimentação de Materiais
 
3ª aula de Logística (Atividades de Apoio)
3ª aula de Logística (Atividades de Apoio)3ª aula de Logística (Atividades de Apoio)
3ª aula de Logística (Atividades de Apoio)
 
Sistema de estoque
Sistema de estoqueSistema de estoque
Sistema de estoque
 
Aula ergonomia
Aula ergonomiaAula ergonomia
Aula ergonomia
 
Aula 1 conceitos básicos
Aula 1   conceitos básicosAula 1   conceitos básicos
Aula 1 conceitos básicos
 
NR 17 - Ergonomia
NR 17 - ErgonomiaNR 17 - Ergonomia
NR 17 - Ergonomia
 
Apresentação Armazenagem e Controle de Estoque
Apresentação Armazenagem e Controle de EstoqueApresentação Armazenagem e Controle de Estoque
Apresentação Armazenagem e Controle de Estoque
 
Aula 02 arranjo físico - parte I
Aula 02   arranjo físico - parte IAula 02   arranjo físico - parte I
Aula 02 arranjo físico - parte I
 
Aula de adm de materiais alunos
Aula de adm de materiais alunosAula de adm de materiais alunos
Aula de adm de materiais alunos
 
Operações e rotinas de trabalho do almoxarifado
Operações e rotinas de trabalho do almoxarifadoOperações e rotinas de trabalho do almoxarifado
Operações e rotinas de trabalho do almoxarifado
 
Tst ergonomia aula 2
Tst   ergonomia aula 2Tst   ergonomia aula 2
Tst ergonomia aula 2
 
03 aula armazenagem
03 aula armazenagem03 aula armazenagem
03 aula armazenagem
 

Destaque

Morales-Capstone-IDS.IPS Deployment_revision1
Morales-Capstone-IDS.IPS Deployment_revision1Morales-Capstone-IDS.IPS Deployment_revision1
Morales-Capstone-IDS.IPS Deployment_revision1Jeremy Morales
 
1.8 Информация о компании DKS
1.8 Информация о компании DKS 1.8 Информация о компании DKS
1.8 Информация о компании DKS Igor Golovin
 
Kernel Recipes 2015: The stable Linux Kernel Tree - 10 years of insanity
Kernel Recipes 2015: The stable Linux Kernel Tree - 10 years of insanityKernel Recipes 2015: The stable Linux Kernel Tree - 10 years of insanity
Kernel Recipes 2015: The stable Linux Kernel Tree - 10 years of insanityAnne Nicolas
 
2008_BeyondBorders_FINAL4
2008_BeyondBorders_FINAL42008_BeyondBorders_FINAL4
2008_BeyondBorders_FINAL4Gautam Jaggi
 
Kernel Recipes 2016 - Video and Colorspaces
Kernel Recipes 2016 - Video and ColorspacesKernel Recipes 2016 - Video and Colorspaces
Kernel Recipes 2016 - Video and ColorspacesAnne Nicolas
 
Kernel Recipes 2015: Kernel packet capture technologies
Kernel Recipes 2015: Kernel packet capture technologiesKernel Recipes 2015: Kernel packet capture technologies
Kernel Recipes 2015: Kernel packet capture technologiesAnne Nicolas
 
Lucila imoto freitas-o_se_na_implantação_do_lean_thinking_em_gestão_pública_v...
Lucila imoto freitas-o_se_na_implantação_do_lean_thinking_em_gestão_pública_v...Lucila imoto freitas-o_se_na_implantação_do_lean_thinking_em_gestão_pública_v...
Lucila imoto freitas-o_se_na_implantação_do_lean_thinking_em_gestão_pública_v...Lucila Imoto Freitas
 
Артем Маринов "Сегментируем 600 млн. пользователей в режиме реального времени...
Артем Маринов "Сегментируем 600 млн. пользователей в режиме реального времени...Артем Маринов "Сегментируем 600 млн. пользователей в режиме реального времени...
Артем Маринов "Сегментируем 600 млн. пользователей в режиме реального времени...Tanya Denisyuk
 
Алексей Лесовский "Тюнинг Linux для баз данных. "
Алексей Лесовский "Тюнинг Linux для баз данных. "Алексей Лесовский "Тюнинг Linux для баз данных. "
Алексей Лесовский "Тюнинг Linux для баз данных. "Tanya Denisyuk
 

Destaque (20)

Lean SCM, o caso Ikea
Lean SCM, o caso IkeaLean SCM, o caso Ikea
Lean SCM, o caso Ikea
 
CV 2017 _2
CV 2017 _2CV 2017 _2
CV 2017 _2
 
Morales-Capstone-IDS.IPS Deployment_revision1
Morales-Capstone-IDS.IPS Deployment_revision1Morales-Capstone-IDS.IPS Deployment_revision1
Morales-Capstone-IDS.IPS Deployment_revision1
 
Ditado com z 1.1
Ditado com z 1.1Ditado com z 1.1
Ditado com z 1.1
 
1.8 Информация о компании DKS
1.8 Информация о компании DKS 1.8 Информация о компании DKS
1.8 Информация о компании DKS
 
Kernel Recipes 2015: The stable Linux Kernel Tree - 10 years of insanity
Kernel Recipes 2015: The stable Linux Kernel Tree - 10 years of insanityKernel Recipes 2015: The stable Linux Kernel Tree - 10 years of insanity
Kernel Recipes 2015: The stable Linux Kernel Tree - 10 years of insanity
 
2008_BeyondBorders_FINAL4
2008_BeyondBorders_FINAL42008_BeyondBorders_FINAL4
2008_BeyondBorders_FINAL4
 
Jet sequencia 3
Jet sequencia 3Jet sequencia 3
Jet sequencia 3
 
Loiasis Disease
 Loiasis Disease Loiasis Disease
Loiasis Disease
 
Lean Escola
Lean EscolaLean Escola
Lean Escola
 
Kernel Recipes 2016 - Video and Colorspaces
Kernel Recipes 2016 - Video and ColorspacesKernel Recipes 2016 - Video and Colorspaces
Kernel Recipes 2016 - Video and Colorspaces
 
Kernel Recipes 2015: Kernel packet capture technologies
Kernel Recipes 2015: Kernel packet capture technologiesKernel Recipes 2015: Kernel packet capture technologies
Kernel Recipes 2015: Kernel packet capture technologies
 
Lucila imoto freitas-o_se_na_implantação_do_lean_thinking_em_gestão_pública_v...
Lucila imoto freitas-o_se_na_implantação_do_lean_thinking_em_gestão_pública_v...Lucila imoto freitas-o_se_na_implantação_do_lean_thinking_em_gestão_pública_v...
Lucila imoto freitas-o_se_na_implantação_do_lean_thinking_em_gestão_pública_v...
 
Theory of learning
Theory of learningTheory of learning
Theory of learning
 
Case study IKEA Lean SCM
Case study IKEA Lean SCMCase study IKEA Lean SCM
Case study IKEA Lean SCM
 
niladri biodata-2016
niladri biodata-2016niladri biodata-2016
niladri biodata-2016
 
O modelo SCOR
O modelo SCORO modelo SCOR
O modelo SCOR
 
Артем Маринов "Сегментируем 600 млн. пользователей в режиме реального времени...
Артем Маринов "Сегментируем 600 млн. пользователей в режиме реального времени...Артем Маринов "Сегментируем 600 млн. пользователей в режиме реального времени...
Артем Маринов "Сегментируем 600 млн. пользователей в режиме реального времени...
 
Алексей Лесовский "Тюнинг Linux для баз данных. "
Алексей Лесовский "Тюнинг Linux для баз данных. "Алексей Лесовский "Тюнинг Linux для баз данных. "
Алексей Лесовский "Тюнинг Linux для баз данных. "
 
Case study Tesco Lean SCM
Case study Tesco Lean SCMCase study Tesco Lean SCM
Case study Tesco Lean SCM
 

Semelhante a BORDO DE LINHA Lean SCM

Manuseio e acondicionamento de produtos
Manuseio e acondicionamento de produtosManuseio e acondicionamento de produtos
Manuseio e acondicionamento de produtospedroelj
 
3. npc armaz. movim.entacao e_localizacao
3. npc armaz. movim.entacao e_localizacao3. npc armaz. movim.entacao e_localizacao
3. npc armaz. movim.entacao e_localizacaolourinha321
 
Manual cross docking implementação
Manual cross docking implementaçãoManual cross docking implementação
Manual cross docking implementaçãoAlberto Cardoso
 
Consultoria Logística
Consultoria LogísticaConsultoria Logística
Consultoria LogísticaMarcos Liranco
 
Gestão da Cadeia de Suprimentos - Logística Empresarial
Gestão da Cadeia de Suprimentos - Logística EmpresarialGestão da Cadeia de Suprimentos - Logística Empresarial
Gestão da Cadeia de Suprimentos - Logística EmpresarialFrancisco Simas
 
A influência dos layouts industriais e a organização da produção
A influência dos layouts industriais e a organização da produçãoA influência dos layouts industriais e a organização da produção
A influência dos layouts industriais e a organização da produçãoUniversidade Federal Fluminense
 
A influência dos layouts industriais e a organização da produção
A influência dos layouts industriais e a organização da produçãoA influência dos layouts industriais e a organização da produção
A influência dos layouts industriais e a organização da produçãoUniversidade Federal Fluminense
 
Aula 02 - Atividades logisiticas e Modais de Transporte de P&G
Aula 02 - Atividades logisiticas e Modais de Transporte de P&GAula 02 - Atividades logisiticas e Modais de Transporte de P&G
Aula 02 - Atividades logisiticas e Modais de Transporte de P&GAnderson Pontes
 

Semelhante a BORDO DE LINHA Lean SCM (20)

Gestão de Armazéns
Gestão de ArmazénsGestão de Armazéns
Gestão de Armazéns
 
Armazenagem
ArmazenagemArmazenagem
Armazenagem
 
Manuseio e acondicionamento de produtos
Manuseio e acondicionamento de produtosManuseio e acondicionamento de produtos
Manuseio e acondicionamento de produtos
 
3. npc armaz. movim.entacao e_localizacao
3. npc armaz. movim.entacao e_localizacao3. npc armaz. movim.entacao e_localizacao
3. npc armaz. movim.entacao e_localizacao
 
3º trabalho de SM - Gestão de Stocksw
3º trabalho de SM - Gestão de Stocksw3º trabalho de SM - Gestão de Stocksw
3º trabalho de SM - Gestão de Stocksw
 
Manual cross docking implementação
Manual cross docking implementaçãoManual cross docking implementação
Manual cross docking implementação
 
Consultoria Logística
Consultoria LogísticaConsultoria Logística
Consultoria Logística
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
 
Mizusumashi
MizusumashiMizusumashi
Mizusumashi
 
Lean Supply Chain Management
Lean Supply Chain ManagementLean Supply Chain Management
Lean Supply Chain Management
 
Gestão da Cadeia de Suprimentos - Logística Empresarial
Gestão da Cadeia de Suprimentos - Logística EmpresarialGestão da Cadeia de Suprimentos - Logística Empresarial
Gestão da Cadeia de Suprimentos - Logística Empresarial
 
Enegep1999 a0457
Enegep1999 a0457Enegep1999 a0457
Enegep1999 a0457
 
Microsiga Protheus WMS
Microsiga Protheus WMSMicrosiga Protheus WMS
Microsiga Protheus WMS
 
A influência dos layouts industriais e a organização da produção
A influência dos layouts industriais e a organização da produçãoA influência dos layouts industriais e a organização da produção
A influência dos layouts industriais e a organização da produção
 
A influência dos layouts industriais e a organização da produção
A influência dos layouts industriais e a organização da produçãoA influência dos layouts industriais e a organização da produção
A influência dos layouts industriais e a organização da produção
 
Trabalho wms
Trabalho wmsTrabalho wms
Trabalho wms
 
Aula 02 - Atividades logisiticas e Modais de Transporte de P&G
Aula 02 - Atividades logisiticas e Modais de Transporte de P&GAula 02 - Atividades logisiticas e Modais de Transporte de P&G
Aula 02 - Atividades logisiticas e Modais de Transporte de P&G
 
Armazenagem de mercadorias
Armazenagem de mercadoriasArmazenagem de mercadorias
Armazenagem de mercadorias
 
Estudo de postos de trabalho
Estudo de postos de trabalhoEstudo de postos de trabalho
Estudo de postos de trabalho
 
Gestão de Armazéns
Gestão de ArmazénsGestão de Armazéns
Gestão de Armazéns
 

Mais de CLT Valuebased Services (20)

Estudo de um Caso
Estudo de um CasoEstudo de um Caso
Estudo de um Caso
 
Caso testo lean
Caso testo leanCaso testo lean
Caso testo lean
 
Indicadores para a manutencao lean
Indicadores para a manutencao leanIndicadores para a manutencao lean
Indicadores para a manutencao lean
 
CPFR lean SCM
CPFR lean SCMCPFR lean SCM
CPFR lean SCM
 
Case study Parfois
Case study  ParfoisCase study  Parfois
Case study Parfois
 
Ikea case study
Ikea  case studyIkea  case study
Ikea case study
 
Case study Walmart
Case study WalmartCase study Walmart
Case study Walmart
 
Logistica Milk Run e Mizu
Logistica Milk Run e MizuLogistica Milk Run e Mizu
Logistica Milk Run e Mizu
 
Last Mile Logistics
Last Mile LogisticsLast Mile Logistics
Last Mile Logistics
 
Industry 4.0
Industry 4.0Industry 4.0
Industry 4.0
 
Lean 6Sigma Agile 2019
Lean 6Sigma Agile 2019Lean 6Sigma Agile 2019
Lean 6Sigma Agile 2019
 
Tabelas MTM ln IPC
Tabelas MTM ln IPCTabelas MTM ln IPC
Tabelas MTM ln IPC
 
Scrum Book
Scrum BookScrum Book
Scrum Book
 
Booklet Estudo do Trabalho final
Booklet Estudo do Trabalho finalBooklet Estudo do Trabalho final
Booklet Estudo do Trabalho final
 
Domotica
DomoticaDomotica
Domotica
 
Projeto Implementação Lean
Projeto Implementação Lean Projeto Implementação Lean
Projeto Implementação Lean
 
Retrato de Poortugal 2019
Retrato de Poortugal 2019Retrato de Poortugal 2019
Retrato de Poortugal 2019
 
Fut global-edition
Fut  global-editionFut  global-edition
Fut global-edition
 
Tabelas MTM LM IPC
Tabelas MTM LM IPCTabelas MTM LM IPC
Tabelas MTM LM IPC
 
Exercicio de Dimensionamento do Mizu
Exercicio de Dimensionamento do MizuExercicio de Dimensionamento do Mizu
Exercicio de Dimensionamento do Mizu
 

BORDO DE LINHA Lean SCM

  • 1. PGLM - XVIII Modulo 4 – LEAN SCM Armando Mainsel Pedro Santos Pág.1de21 ‘« LEAN SCM BORDO DE LINHA Trabalho realizado por: - Armando Mainsel - Pedro Santos
  • 2. PGLM - XVIII Modulo 4 – LEAN SCM Armando Mainsel Pedro Santos Pág.2de21
  • 3. PGLM - XVIII Modulo 4 – LEAN SCM Armando Mainsel Pedro Santos Pág.3de21 ÍNDICE 1 – OBJECTIVOS ................................................................................................................ 4 2 – INTRODUÇÃO ............................................................................................................... 4 3 – IDENTIFICAÇÃO DOS CUIDADOS A TER NO DIMENSIONAMENTO......................... 7 4 – EXEMPLO PRÁTICO DE DIMENSIONAMENTO......................................................... 17 5 – CONCLUSÕES............................................................................................................ 20 6 – BIBLIOGRAFIA ........................................................................................................... 21
  • 4. PGLM - XVIII Modulo 4 – LEAN SCM Armando Mainsel Pedro Santos Pág.4de21 1 – OBJECTIVOS Na elaboração do presente trabalho foi abordado o tema “BORDOS DE LINHA”. Foram estabelecidos os seguintes objetivos: - Breve definição de bordo de linha, e seu enquadramento em todo o processo da cadeia de abastecimento interno; - Variáveis a considerar no dimensionamento de bordos de linha; - Dimensionamento de caso prático de linha de bordo; 2 – INTRODUÇÃO Bordo de linha É o espaço reservado para as peças que vão ser consumidas na linha de produção. Mas é muito mais do que isso! Este é utilizado para maximizar as tarefas de valor acrescentado através da colocação do material que o operador necessita junto à linha de montagem, e deve ser desenhado e dimensionado de forma a minimizar o muda de movimento de pessoas e a ser o mais ergonómico possível. “O melhor layout para um posto de trabalho é aquele em que o operador retira as peças sempre do mesmo local com o movimento mais curto”. O bordo de linha atua como a interface entre a produção e a logística, no entanto serve como forma de tornar o trabalho entre estas duas áreas independente. Preferencialmente, o bordo de linha deve apresentar-se de frente para o operador quando este está a realizar as suas tarefas. Isto de forma a que a logística possa abastecer as peças, em contentores pequenos, o mais próximo possível da área de valor acrescentado dos operadores.
  • 5. PGLM - XVIII Modulo 4 – LEAN SCM Armando Mainsel Pedro Santos Pág.5de21 Logística tradicional e LEAN Na logística tradicional, não é garantida a quantidade de material certo na hora certa e no local certo, e por isso aumentam-se o volume solicitado de materiais e acumula-se stocks no bordo de linha como forma de proteção para não faltar material para produção. Este tipo de logística é caracterizada por: 1) Muda de stocks: capital imobilizado nos diferentes armazéns, stocks em bordo de linha, baixa rotação de stocks; 2) Espaço excessivo ocupado em bordo de linha por stocks que cria mudas de espera e deslocamento; 3) Muda de transporte: custo elevado do empilhador e respectiva manutenção; A melhoria de produtividade do bordo de linha pode ser alcançada através da implantação da logística LEAN, que está a serviço do posto de trabalho. As vantagens são as seguintes: 1) Substituição do modo paletes + grandes embalagens por um modelo supermercados /caixas pequenas: implementação de supermercados JIT modulares junto à linha. 2) A alimentação da linha faz-se por comboios com grande frequência de entrega para a linha.
  • 6. PGLM - XVIII Modulo 4 – LEAN SCM Armando Mainsel Pedro Santos Pág.6de21 Na logística LEAN não devem existir paletes no bordo de linha mas sim caixas e/ou outros tipos de embalagem de acondicionamento, de preferência pequenas e de fácil acesso melhorando assim a ergonomia dos postos e facilitando uma possível mudança de série. Abastecimento do Bordo de Linha No abastecimento deve utilizar-se preferencialmente o abastecimento por trás com contentores pequenos através de comboios logísticos (Mizusumashi - veículo de locomoção elétrica ou manual, capaz de acoplar vários reboques conforme a necessidade de abastecimento, e que segue no timing estabelecido para que não haja rutura de matéria-prima para produzir, e cujo o objetivo é o de executar todas as movimentações necessárias entre supermercado e bordo de linha.
  • 7. PGLM - XVIII Modulo 4 – LEAN SCM Armando Mainsel Pedro Santos Pág.7de21 Com um abastecimento mais frequente e em pequenas quantidades, a área de ocupação torna-se menor e facilita o trabalho dos operadores no levantamento das peças necessárias, devido a caixas mais ergonómicas. O controlo de qualidade é também maior quando se tratam de pequenos lotes, uma vez que se torna mais fácil a deteção de defeitos. As estantes devem ser o mais dinâmicas possível e permitirem trocar a caixa vazia por cheia. Com o correto dimensionamento dos vagões do comboio logístico (Mizusumashi) e do bordo de linha, não é necessário a preocupação em relação a falta de peças, o trabalho padronizado executado permite uma alta produtividade das células de trabalho, disponibilizando o material certo, no local certo à hora certa. 3 – IDENTIFICAÇÃO DOS CUIDADOS A TER NO DIMENSIONAMENTO Para projetar os bordos de linha de uma secção ou posto de trabalho, é necessário ter em conta os seguintes aspetos chave: -Logística – diz respeito à disponibilidade de material (quer em referências de produto, quer em quantidades) no bordo de linha. ; -Ergonomia – o dimensionamento do bordo de linha deve atender a requisitos ergonómicos, tais como largura e altura máximas do bordo de linha e local para colocação dos vários tipos de caixa, iluminação do posto de trabalho, etc; -Espaço disponível – todo o dimensionamento do bordo de linha deve ser ajustado / adaptado ao espaço físico; Sistemas anti erro (POKE YOKE) – dotar o posto de trabalho e bordo de linha de dispositivos ou processos que evitem o aparecimento de erros. Ambiente de trabalho – o ambiente em torno do bordo de linha pode condicionar o seu dimensionamento ou materiais a utilizar.
  • 8. PGLM - XVIII Modulo 4 – LEAN SCM Armando Mainsel Pedro Santos Pág.8de21 Identificamos os seguinte cuidados a ter no dimensionamento para cada um dos pontos apresentados anteriormente: - Para que o operador do Mizusumashi desempenhe com maior eficiência, o seu trabalho o local de carga deve estar bem identificado e dimensionado para as movimentações planeadas. A carga e recolha de caixas deve ter em conta questões ergonómicas quanto á altura, e o peso das caixas. - Posicionamento de saída deve ter em conta a inclinação para ser facilmente visualizado, aproveitar a gravidade para evitar esforços do operador e ter em conta questões de iluminação, não criando sombras.
  • 9. PGLM - XVIII Modulo 4 – LEAN SCM Armando Mainsel Pedro Santos Pág.9de21 - Um sistema de cores pode ser adotado de modo a facilitar o trabalho do operador na diferenciação rápida do produto a recolher. A Gestão Visual facilita muito o trabalho do operador. - A saída de peças do bordo de linha deve ser estudada de modo a que o operador gaste o mínimo de tempo a pegar numa peça. O formato de saída da caixa ou contentor deve ser apropriada para reduzir ao máximo esse tempo que não acrescenta valor ás operações.
  • 10. PGLM - XVIII Modulo 4 – LEAN SCM Armando Mainsel Pedro Santos Pág.10de21 - A distância do bordo de linha ao operador deve respeitar questões antropométricas. A área sobre o tampo da mesa que o homem pode atingir para pegar sem se esforçar é individualmente limitada pelo comprimento dos braços. O melhor para pegar peças e ferramentas é quando estas estão dentro do alcance da extensão dos braços sob a palma da mão ou próximas do tórax. A área a verde assinalada na figura seguinte é neste domínio excelente, não só porque nela dois ou mais objetos de trabalho podem ser identificados sem mudança de visão, mas também porque implica pouco esforço e movimentos por parte do operador. Devem estar disponíveis a quantidade de peças necessária para cada operação, as peças muito utilizadas devem ficar mais próximas, e dentro da zona verde ou laranja. - A altura do posto de trabalho, e consequentemente do bordo de linha, deve corresponder sobretudo à altura dos olhos acima da superfície do assento, do ângulo visual e da distância dos olhos ao plano observado. No trabalho de montagem deve haver um compromisso entre
  • 11. PGLM - XVIII Modulo 4 – LEAN SCM Armando Mainsel Pedro Santos Pág.11de21 boas condições de visão e comodidade para a posição dos braços (o braço deve preferencialmente mantido na vertical). A altura do bordo de linha deve, portanto, ajustar-se às condições mais favoráveis de trabalho do operador, atendendo a medidas padronizadas pelo estudo do trabalho. - A área de pegar, considerando a movimentação do braço no trabalho em pé, não é diferente daquela no trabalho sentado. Em pé ainda é possível estende-la através de passos laterais.
  • 12. PGLM - XVIII Modulo 4 – LEAN SCM Armando Mainsel Pedro Santos Pág.12de21 - Ter em conta o primeiro nível inferior, esta cota é influenciada pela posição de trabalho (sentado ou em pé). Perante esta definição pode ser determinado o numero máximo de níveis e suas alturas. Por vezes também o posicionamento do operador determina a localização do retorno de caixas. - Devemos determinar quais os sistemas de armazenamento a considerar caixas plásticas, tubos, cartões, bem como, que retornos vão originar e o seu destino. As caixas em plástico podem voltar ao supermercado, um cartão pode ter de voltar a uma zona de reciclagem.
  • 13. PGLM - XVIII Modulo 4 – LEAN SCM Armando Mainsel Pedro Santos Pág.13de21 - Quando existir o retorno de caixas deve existir um local especifico de retorno e devidamente identificado. Outra opção pode ser considerar sistemas automáticos de retorno de baixo custo tipo Karakuri´s, de modo a diminuir o tempo e esforço do operador. - No caso de utilização de caixas plásticas, deve ser tido em conta o formato, dimensões e o design inferior, porque estes dados vão contribuir para uma otimização do deslizar das mesmas quer seja na carga ou no retorno. Deve-se conhecer bem o produto a movimentar, de modo a prever possíveis danos. (Ex: Produtos sensíveis temos de utilizar roletes duplos alternado de modo a diminuir a vibração). - Deve-se dimensionar a inclinação adequada para que na movimentação de caixas seja, sempre que possível, utilizar a gravidade para deslocar as caixas. As caixas devem permitir ter o produto sempre bem visível e facilmente extraível. Também a caixa depois de vazia deve ser facilmente extraível.
  • 14. PGLM - XVIII Modulo 4 – LEAN SCM Armando Mainsel Pedro Santos Pág.14de21 A Segurança é outro ponto fundamental a ter em conta nestas operações. Deve ser tido em conta questões como entalamento de dedos ou mãos na extração da caixa ou dos produtos. - Sempre que possível, cada fila de caixas deve ter guardas laterais para evitar que se posicionem em outras filas e induzam em erro os operadores. Cada produto deve sempre que possível estar no mesmo sitio em cada produto fabricado.
  • 15. PGLM - XVIII Modulo 4 – LEAN SCM Armando Mainsel Pedro Santos Pág.15de21 - Opcionalmente nos bordos de linha pode ser utilizado um sistema de cores de modo a sinalizar a necessidade de produto, ou limites de produto. - Quando queremos otimizar algumas operações e diminuir o erro de sequência ou de picking podemos inserir nos bordos de linha auxiliares luminosos tipo “Pick to Light”. - Como muitas vezes o espaço disponível é limitado, é necessário sabermos o espaço disponível de modo a podermos otimizar o espaço de acordo com o disponível. Podemos colocar tudo em um nível ou vários, otimizar as caixas, utilizar tubos de picking ou braços auxiliares ao operador.
  • 16. PGLM - XVIII Modulo 4 – LEAN SCM Armando Mainsel Pedro Santos Pág.16de21 - Ambiente de trabalho – Por vezes existem condicionalismos no ambiente de trabalho. Como exemplo podemos ter ambientes ESD, EX, Clean Room, e outros. Nestas situações devemos ter em conta a legislação e cuidados próprios destes tipos de ambiente. Estes são alguns dos pontos considerar no dimensionamento estrutural de um bordo de linha. No ponto seguinte deste trabalho vamos abordar o dimensionamento quanto á quantidade de cada produto ou caixas.
  • 17. PGLM - XVIII Modulo 4 – LEAN SCM Armando Mainsel Pedro Santos Pág.17de21 4 – EXEMPLO PRÁTICO DE DIMENSIONAMENTO Como exercício de dimensionamento de Bordo de Linha, apresentamos um exemplo didáctico utilizado ao nível pedagógico, e que consiste na montagem de um bloco (o qual designamos por Bloco X) com vários componentes conforme ilustrações seguintes. Apresentamos o dimensionamento do número de caixas de cada componente a utilizar no bordo de linha (função do tempo de ciclo do Mizusumashi e da autonomia de cada caixa), bem como uma disposição possível das caixas na vertical e na horizontal). Esta peça tem as seguintes características: Biil of materials Sequência de montagem Tempo de montagem/unid Peso/uni 1 Base do corpo 1 1 seg 100 gr 1 Rolamento 2 3 seg 50 gr 1 Eixo branco 3 1 seg 20 gr 1 Eixo preto 5 1 seg 20 gr 1 Peça Rotação Preta 1 6 1 seg 40 gr 1 Peça Rotação Branca 2 4 1 seg 40 gr 1 Tampa 7 2 seg 10 gr 4 Parafusos 8 5 seg 2 gr Total: 20 Tempo de ciclo 23 seg Para transportar todos os componentes foram selecionadas caixas normalizadas e habitualmente existentes na empresa. O seu dimensionamento foi tido em conta as quantidades a transportar no ciclo anterior a esta estação. Os componentes do Bloco X são alimentadas nas seguintes dimensões:
  • 18. PGLM - XVIII Modulo 4 – LEAN SCM Armando Mainsel Pedro Santos Pág.18de21 Biil of material s Qt por caixa Dimensões da caixa Peso da caixa cheia Tipo de material da caixa 1 Base do corpo 60 600x400x120 6 kgs Plástica 1 Rolamento 50 300x200x120 2,5 Kgs Plástica 1 Eixo branco 100 300x200x120 2 kgs Plástica 1 Eixo preto 100 300x200x120 2 kgs Plástica 1 Peça Rotação Preta 1 200 300x200x120 8 kgs Plástica 1 Peça Rotação Branca 2 200 300x200x120 8 kgs Plástica 1 Tampa 200 300x200x120 2 kgs Plástica 4 Parafusos 1000 300x200x120 2 kgs Cartão Com os dados das tabelas anteriores podemos calcular: - Autonomia da caixa= (Nº de peças por caixa *Tempo de ciclo)/Nº de peças necessárias Bloco X - Caixas no bordo de linha=Inteiro(Tempo de ciclo do Mizusumashi/Autonomia de cada caixa) - A posição de cada caixa no BL vai ser influenciada pelo peso da peça, quantidade utilizada e sequencia de operações. Com os dados anteriores podemos elaborar a seguinte tabela: Biil of materials Autonomia da caixa Caixas no bordo de linha para um ciclo do Mizusumashi de 30 minutos Posição da caixa no BL 1 Base do corpo 1380 seg 3 1ºnivel 1 Rolamento 1150 seg 4 2º nivel 1 Eixo branco 2300 seg 2 2º nivel 1 Eixo preto 2300 seg 2 3º nivel 1 Peça Rotação Preta 1 4600 seg 1 3º nivel 1 Peça Rotação Branca 2 4600 seg 1 2ºnivel 1 Tampa 4600 seg 1 3º nivel 4 Parafusos 5750 seg 1 1ºnivel Foi considerado que após esta submontagem este conjunto era colocado num tapete transportador e seguia para o posto de montagem seguinte.
  • 19. PGLM - XVIII Modulo 4 – LEAN SCM Armando Mainsel Pedro Santos Pág.19de21 Como exemplo real podemos obter o seguinte bordo de linha a incorporar numa bancada de montagem:
  • 20. PGLM - XVIII Modulo 4 – LEAN SCM Armando Mainsel Pedro Santos Pág.20de21 5 – CONCLUSÕES A dinâmica atual do mercado é cada vez mais exigente ao nível da capacidade e rapidez de resposta por parte de toda a cadeia produtiva, sendo necessário que as organizações estejam preparadas para responder às expectativas dos clientes (Sistema PULL) e não lhe tentar impor o produto (Sistema PUSH). Nesse sentido, ficou demonstrado neste trabalho que o correto dimensionamento do Bordo de Linha, permitirá a redução dos tempos de produção, a melhoria das condições de trabalho para os operadores, redução do espaço necessário para armazenamento dos componentes necessários junto do posto de trabalho (custos), e também a eliminação de MUDAS em todo o processo produtivo.
  • 21. PGLM - XVIII Modulo 4 – LEAN SCM Armando Mainsel Pedro Santos Pág.21de21 6 – BIBLIOGRAFIA - Dissertação de Mestrado FEUP “Implementação de sistemas kanban de abastecimento nas linhas de produção” – Julho 2014; - Dissertação de Mestrado FEUP “Implementação do sistema pull na secção de preparação de acessórios” – Junho de 2008; - Dissertação de Mestrado FEUP “Pull Flow na Indústria Automóvel Kaizen Institute Consultant Group” – Junho de 2012; - Dissertação de Mestrado UNIVERSIDADE DO MINHO “Implementação de um sistema de abastecimento unidade a unidade a linhas de montagem na produção automóvel” – Junho de 2014; - Trabalho de Graduação apresentado à Universidade do Estado de Santa Catarina “Aplicação de Ferramentas LEAN para melhorar a produtividade na montagem de eletrodomésticos” – 2011; - Manuais de estudo da PGLM Edição XVIII lecionada pela CLT. -White paper de Lean e catálogos da item Potugal(by Europneumaq). Vila Nova de Gaia, 30 de Janeiro de 2016