03 aula armazenagem

1.741 visualizações

Publicada em

.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.741
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
81
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

03 aula armazenagem

  1. 1. AULA 28 ARMAZENAGEM
  2. 2. ARMAZENAGEM Qual a diferença entre armazenagem e estocagem? Há algum tempo, o conceito de ocupação física se concentrava mais na área do que na altura. Com o passar do tempo, o mau aproveitamento do espaço tornou-se um desperdício. Não era mais suficiente apenas guardar a mercadoria com o maior possível. Racionalizar a altura foi a solução encontrada para cuidado ocupada reduzir o espaço e guardar maior quantidade de material. ARMAZENAGEM ESTOCAGEM Guarda de produtos acabados Guarda de matéria prima AULA 28 – ARMAZENAGEM
  3. 3. ARMAZENAGEM A armazenagem dos materiais assumiu, então, uma grande importância na obtenção de maiores lucros. Independente de como foi embalado o material, ou de como foi movimentado. A armazenagem aparece como uma das funções que se agrega ao sistema logístico, pois na área de suprimento é necessário adotar um sistema de armazenagem racional de matérias primas e insumos. No processo de produção, são gerados estoques de produtos em processo, e na distribuição, a necessidade de armazenagem de produto acabado é, talvez, a mais complexa em termos logísticos, por exigir grande velocidade na operação e flexibilidade para atender às exigências e flutuações do mercado. AULA 28 – ARMAZENAGEM
  4. 4. SISTEMA DE ARMAZENAGEM É a perfeita disposição das partes de um todo, coordenadas entre si e que devem funcionar como estrutura organizada. Para caracterizarmos um "Sistema de Armazenagem" é necessária uma perfeita integração entre estrutura metálica, equipamento de movimentação, prédio/armazém, produtos a serem estocados, etc. Tudo isso para que se satisfaça as necessidades de cada organização. AULA 28 – ARMAZENAGEM
  5. 5. NECESSIDADE DE ESPAÇO FÍSICO Quais motivos que levam as empresas a terem enormes armazéns? Esses são pontos importantes a serem respondidos antes de ser feito qualquer ato concreto. Se as demandas forem todas conhecidas com exatidão, e as mercadorias puderem ser fornecidas instantaneamente não havendo necessidade de se manter espaço físico para armazenagem. Porém isso não costuma ocorrer com frequência por diversos motivos: Demanda variável, atraso nos fornecimentos, marketing, etc Se a armazenagem é necessária, como podemos reduzir os custos de armazenagem? AULA 28 – ARMAZENAGEM
  6. 6. CUSTOS NAARMAZENAGEM AULA 28 – ARMAZENAGEM
  7. 7. CUSTOS NA ARMAZENAGEM AULA 28 – ARMAZENAGEM A grande maioria dos custos de armazenagem – aluguel, mão de obra, depreciação de instalações e equipamentos de movimentação - são fixos e indiretos. Essas duas características dificultam respectivamente o gerenciamento da operação e a alocação de custos. A elevada parcela de custos fixos na atividade de armazenagem faz com que os custos sejam proporcionais à capacidade instalada. Desta maneira, pouco importa se o armazém está quase vazio ou se está movimentando menos produtos do que o planejado. Ainda assim, a maior parte dos custos de armazenagem continuarão ocorrendo, pois, na sua grande maioria, estão associados ao espaço físico, aos equipamentos de movimentação, ao pessoal, e aos investimentos em tecnologia. Para tornar a situação ainda mais complexa, é importante lembrar que a demanda pela atividade de armazenagem não é constante, nem ao longo dos meses, nem ao longo dos dias do mês ou da semana. Um exemplo claro disso é a concentração da expedição nos últimos dias do mês.
  8. 8. ETAPAS DO CUSTEIO DA ARMAZENAGEM Identificar os itens de custo Calcular os itens de custo Agrupar itens de custo relativos a cada função ou atividade Alocar custos a cada produto ou cliente AULA 28 – ARMAZENAGEM
  9. 9. IDENTIFICAR OS ITENS DE CUSTO Nessa etapa, deve-se selecionar os considerados. Por exemplo: operadores empilhadeiras, aluguel itens de custos que serão de empilhadeira, supervisores, do armazém, depreciação dosdepreciação das racks. É importante que as contas não sejam agrupadas somente de acordo com a sua natureza (como depreciação, pessoal, etc), pois neste caso se condicionaria a alocação de todas as contas a um único critério. Dessa forma, em vez utilizar uma única conta de depreciação, deve-se a ativo considerar separadamente depreciação de cada (empilhadeira, rack, palete, etc). AULA 28 – ARMAZENAGEM
  10. 10. CALCULAR OS ITENS DE CUSTO AULA 28 – ARMAZENAGEM Alguns itens, como salários, benefícios, manutenção, aluguel e outros, são obtidos com facilidade através da contabilidade. Outros itens, como a depreciação e o custo de oportunidade, precisam ser calculados de fato, conforme é exposto abaixo: Depreciação Segundo a visão gerencial, o tempo utilizado para depreciação não deve ser o tempo contábil legal, mas sim o de operação do ativo – quanto tempo a empresa utiliza um determinado ativo antes de substituí-lo. Assim, para calcular o valor mensal de depreciação, deve-se dividir a diferença entre o valor de aquisição e o residual pelo tempo (n meses) que a companhia irá utilizar o ativo (antes de trocá-lo). Custo de oportunidade Uma empresa que tenha um armazém próprio não tem uma conta de aluguel. No entanto, deve ter um item de custo associado ao custo de oportunidade do imóvel, que representa o quanto a empresa ganharia se o vendesse e investisse o capital em outros projetos, ou caso resolvesse alugá-lo.
  11. 11. AGRUPAR ITENS DE CUSTO RELATIVOS A CADA FUNÇÃO AULA 28 – ARMAZENAGEM Qual o objetivo? O objetivo de agrupar os custos em funções ou atividades é facilitar a alocação desses custos. Quando a operação for relativamente simples, o sistema de custeio pode ser desenvolvido considerando as funções básicas da atividade de armazenagem. Já no caso de uma operação mais complexa, que movimenta produtos com características de acondicionamento ou movimentação muito distintas, pode ser necessário subdividir as funções em atividades
  12. 12. ALOCAR CUSTOS A CADA PRODUTO OU CLIENTE Uma vez agrupados segundo as funções (ou atividades) é necessário alocar esses custos aos produtos. Os custos dos clientes, podem ser obtidos a partir do “MIX” de consumo de cada cliente, estando sempre atento, é claro, para alguma condição especial que o cliente possa exigir. AULA 28 – ARMAZENAGEM
  13. 13. Quando devemos armazenar um produto? Reduzir Custos de Transporte e Produção A estocagem de produtos, tende a reduzir custos de transporte pela compensação nos custos de produção e estocagem Coordenação de Suprimentos e Demanda Quando se trabalha com produto sazonal, deve se estocar esses produtos para venda fora de época Auxiliar Processo de Produção A manufatura de certos produtos que precisam de um período para maturação. Ex: Queijos e bebidas Auxiliar Marketing Necessitamos garantir a disponibilidade do produto em função de ações de Marketing. Ex: Televendas, compras na internet AULA 28 – ARMAZENAGEM NECESSIDADE DE ARMAZENAGEM
  14. 14. LOCALIZAÇÃO DOS ARMAZÉNS WAREHOUSE DEPÓSITOS OU ARMAZÉNS Após definido a necessidade de um “WAREHOUSE” devemos definir a localização desse espaço. Localização geográfica Mercados Consumidores Fornecedores Potencial para expansão Mão de obra Manutenção de equipamentos Sistema de escoamento Alguns pontos são primordiais e devem ser levados em consideração AULA 28 – ARMAZENAGEM
  15. 15. IMPORTÂNCIA DA ARMAZANAGEM De forma ir ao encontro das necessidades das empresas, e uma vez que os materiais tem tempos mortos ao longo do processo, estes necessitam de uma armazenagem racional e devem obedecer a algumas exigências Quantidade Suficiente conforme demanda Qualidade Pré definida como conveniente na utilização Oportunidade Disponível no local e momento desejado Custo O mais econômico possível AULA 28 – ARMAZENAGEM
  16. 16. VANTAGENS E DESVANTAGENS DA ARMAZENAGEM AULA 28 – ARMAZENAGEM
  17. 17. VANTAGENS E DESVANTAGENS DA ARMAZENAGEM VANTAGENS Disponibilidade Controle do processo DESVANTAGENS Dinheiro parado Ocupação de um recinto Serviços administrativos Mercadoria com prazos de validade Custos de movimentação AULA 28 – ARMAZENAGEM
  18. 18. DESAFIOS DA ARMAZENAGEM AULA 28 – ARMAZENAGEM
  19. 19. DESAFIOS DA ARMAZENAGEM SEGURANÇA Redução do risco de acidentes no manuseio TECNOLOGIA Sempre visando o incremento da produção COMPROMETIMENTO Aumentar a motivação dos trabalhadores ESPAÇO Melhorar o aproveitamento do espaço MOVIMENTAÇÃO Reduzir os custos de movimentação CONTROLE Fiscalização no processo – redução de erros DESPERDÍCIOS Eliminar o que não agrega valor AULA 28 – ARMAZENAGEM
  20. 20. FATORES QUE AFETAM A ARMAZENAGEM AULA 28 – ARMAZENAGEM
  21. 21. FATORES QUE AFETAM A ARMAZENAGEM AULA 28 – ARMAZENAGEM Na armazenagem pode se considerar uma série de fatores que possuem influência específica e tem um papel preponderante na realização de uma boa armazenagem O Material Destacado como o principal item da armazenagem . Pode ser diferenciado pela sua utilização, consumo e apresentação A espera Traduz se na antecipação com que os materiais devem ser colocados na empresa a espera de serem utilizados no processo A existência Acúmulo ou reunião de materiais em situação de espera. Este conceito pode estender a quantidade de cada material em espera num armazém O tráfego O tráfego está embutido no processo de armazenagem pois envolve a reunião de homens, máquinas e principalmente de materiais
  22. 22. ARMAZENAGEM EM FUNÇÃO DAS PRIORIDADES AULA 28 – ARMAZENAGEM ARMAZENAGEM POR AGRUPAMENTO ARMAZENAGEM POR TAMANHO, PESO E SIMILARIDADE ARMAZENAGEM POR FREQUÊNCIA ARMAZENAGEM COM SEPARAÇÃO ENTRE LOTES ARMAZENAGEM POR SETORES DE MONTAGEM
  23. 23. TIPOS DE ARMAZENAGEM AULA 28 – ARMAZENAGEM
  24. 24. TIPOS DE ARMAZENAGEM ARMAZENAGEM TEMPORÁRIA ARMAZENAGEM PERMANENTE ARMAZENAGEM AO AR LIVRE AULA 28 – ARMAZENAGEM
  25. 25. MOVIMENTAÇÃO NA ARMAZENAGEM É um fator de extrema importância na armazenagem e se destaca em: Ponte móvel ou rolante Guindastes Empilhadeiras AULA 28 – ARMAZENAGEM
  26. 26. ARMAZENAGEM EM FUNCÃO DOS MATERIAIS AULA 28 – ARMAZENAGEM Podem ser classificados em: Materiais diversos Material a granel Líquidos Gases
  27. 27. QUESTIONÁRIO 1) Qual a diferença entre armazenagem e estocagem? 2) O que é necessário para caracterizar um sistema de armazenagem? 3) Quais as etapas do custeio da armazenagem? 4) O que é depreciação? 5) Quando devemos armazenar um produto? 6) Quais os pontos a serem observados na escolha da localização de um armazém? 7) Quais as vantagens e desvantagens da armazenagem? 8) Quais os fatores que afetam a armazenagem? 9) Quais os tipos de armazenagem? 10) Como pode ser classificado a armazenagem em função dos materiais?
  28. 28. ESTOCAGEM Qual a diferença entre armazenagem e estocagem? É a designação usada para definir quantidades armazenadas ou em processo de produção de quaisquer recursos necessários para dar origem a um bem com a função principal de criar uma independência entre os vários estágios da cadeia produtiva. ARMAZENAGEM ESTOCAGEM Guarda de produtos acabados Guarda de matéria prima AULA 28 – ESTOCAGEM
  29. 29. Os estoques podem ser constituídos por diversos tipos de materiais, nos quais podemos dividir em classes: Materiais a serem empregados visando a obtenção de um produto final Produtos em processo Produtos acabados Componentes Matéria prima Subconjuntos que irão constituir o conjunto final do produto AULA 28 – ESTOCAGEM Componentes ou materiais que estão em espera no processo produtivo Produtos finais que se encontram para venda, distribuição ou armazenagem ESTOCAGEM
  30. 30. CLASSIFICAÇÃO DOS ESTOQUES AULA 28 – ESTOCAGEM
  31. 31. VANTAGENS DA ESTOCAGEM AULA 28 – ESTOCAGEM
  32. 32. VANTAGENS DO ESTOQUE AULA 28 – ESTOCAGEM de incerteza nas demandas e no tempo de• Protege a empresa ressuprimento •Possibilidade de adquirir por preços baixos e vender com preços mais elevados (Especulação) provocados por avarias durante • Melhoram o nível de serviço • Prevenir atrasos nas entregas, produção, transporte, etc. • Redução de preço unitário, mediante compra de lotes maiores • Segurança contra contingências
  33. 33. DESVANTAGENS DA ESTOCAGEM AULA 28 – ESTOCAGEM
  34. 34. DESVANTAGENS DO ESTOQUE AULA 28 – ESTOCAGEM •Custam Dinheiro - Dinheiro Parado • Ocultam problemas e ineficiência do processo • Fornecedor investem menos em novos processos •Perigo de encalhar materiais em estoque, levando em consideração a troca de modelo/ano
  35. 35. GESTÃO DE MATERIAIS AULA 28 – ESTOCAGEM
  36. 36. GESTÃO DE MATERIAIS A administração de materiais na empresa é um conjunto de atividades com a finalidade de assegurar o suprimento de materiais necessários ao funcionamento da organização, no tempo correto, na quantidade necessária, na qualidade requerida e pelo melhor preço. Em relação a suas atribuições podem ser classificadas como: Administração de estoques Administração de compras Administração física AULA 28 – ESTOCAGEM
  37. 37. GESTÃO DE ESTOQUES AULA 28 – ESTOCAGEM
  38. 38. GESTÃO DE ESTOQUES A GESTÃO DE ESTOQUES NA CADEIA DE SUPRIMENTOS é um assunto que absorve parte substancial do orçamento operacional de uma organização. Como eles não agregam valores aos produtos, quanto menor o nível de estoques com que um sistema produtivo conseguir trabalhar, mais eficiente será. A eficiência na sua administração poderá criar a diferença com os concorrentes, melhorando a qualidade, reduzindo os tempos, diminuindo os custos entre outros fatores, oferecendo, assim, uma vantagem competitiva para a própria empresa. É fundamental que as empresas diminuam, ao mínimo, a quantidade de estoques na cadeia de suprimentos, a fim de obter uma racionalização nos custos de armazenagem e respectiva manutenção. AULA 28 – ESTOCAGEM
  39. 39. CUSTOS ASSOCIADOS A GESTÃO DE ESTOQUES AULA 28 – ESTOCAGEM
  40. 40. CUSTOS ASSOCIADOS A GESTÃO DE ESTOQUE AULA 28 – ESTOCAGEM CUSTO DE MANUTENÇÃO DE ESTOQUE São custos proporcionais a quantidade armazenada e ao tempo que esta fica em estoque CUSTO DE PEDIDO São custos referentes a uma nova encomenda, podendo esses custos ser tanto variáveis (preço unitário de compra de artigo encomendado) como fixos (envio / recebimento da encomenda, inspeção) CUSTO DE FALTA São custos derivados de quando não existe estoque suficiente para satisfazer a procura dos clientes em um dado período de tempo.
  41. 41. SISTEMAS DE GERENCIAMENTO DE ESTOQUES AULA 28 – ESTOCAGEM
  42. 42. SISTEMAS DE GERENCIAMENTO DE ESTOQUE AULA 28 – ESTOCAGEM FMS – FLEXIBLE MANUFACTURING SYSTEM MRP – MATERIAL REQUIREMENT PLANING SISTEMA PERIÓDICO OPT – OPTIMIZED PRODUCTION TECHNOLOGY KANBAN
  43. 43. FMS – FLEXIBLE MANUFACTURING SYSTEM AULA 28 – ESTOCAGEM Nesse sistema, os computadores comandam as operações das máquinas de produção e, inclusive, comandam a troca de ferramentas das operações de manuseio de materiais, ferramentas, acessórios e estoques. Pode-se incluir no software módulos de monitoração do controle estatístico da qualidade. Normalmente, é aplicado em fábricas com grande diversidade de peças de produtos finais montados em lotes. Podemos destacar, entre as vantagens do FMS, as seguintes: •Permite maior produtividade das máquinas, que passam a ter utilização de 80% a 90% do tempo disponível; •Possibilita maior atenção aos consumidores em função da flexibilidade proporcionada; • Diminui os tempos de fabricação; •Em função do aumento da flexibilidade, permite aumentar a variedade dos produtos ofertados.
  44. 44. MRP – MATERIAL REQUIREMENT PLANING O MRP é um sistema completo para emitir ordens de fabricação, de compras, controlar estoques e administrar a carteira de pedidos dos clientes. Opera em base semanal, impondo, com isso, uma previsão de vendas no mesmo prazo, de modo a permitir a geração de novas ordens de produção para a fábrica. O sistema pode operar com diversas fórmulas para cálculo dos lotes de compras, fabricação e montagem, operando ainda com diversos estoques de material em processo, como estoque de matérias-primas, partes, submontagens e produtos acabados. A maior vantagem do MRP consiste em utilizar programas de computadores complexos, levando-se em consideração todos os conseguir o fatores melhor relevantes para cumprimento de prazos de entrega, com estoques baixos, mesmo que a fábrica tenha muitos produtos em quantidade, de uma semana para outra. AULA 28 – ESTOCAGEM
  45. 45. SISTEMA PERIÓDICO AULA 28 – ESTOCAGEM A característica básica desse sistema é a divisão da fábrica em vários setores de processamento sucessivo de vários produtos similares. Cada setor recebe um conjunto de ordens de fabricação para ser iniciado e terminado no período. Com isso, no fim de cada período, se todos os setores cumprirem sua carga de trabalho, não haverá qualquer material em aberto. Isso facilita o controle de cada setor da fábrica, atribuindo responsabilidades bem definidas. Esse sistema com período fixo é antigo, mas, devido às suas características, não se tornou obsoleto face aos sistemas modernos, nos quais é possível a adoção de períodos curtos, menores que uma semana.
  46. 46. OPT – OPTIMIZED PRODUCTION TECHNOLOGY AULA 28 – ESTOCAGEM O sistema OPT foi desenvolvido com uma abordagem diferente dos sistemas anteriores, enfatizando a racionalidade do fluxo de materiais pelos diversos postos de trabalho de uma fábrica; os pressupostos básicos do OPT foram originados por formulações matemáticas. Nesse sistema, as ordens de fabricação são vistas como tendo de passar por filas de espera de atendimento nos diversos postos de trabalho na fábrica. O conjunto de postos de trabalho forma então, uma rede de filas de espera. O sistema OPT usa um conjunto de coeficientes gerenciais para ajudar a determinar o lote ótimo para cada componente ou submontagem a ser processado em cada posto de trabalho. Muita ênfase é dedicada aos pontos de gargalo da produção.
  47. 47. KANBAN O sistema Kanban foi desenvolvido para ser utilizado onde os empregados possuem motivação e mobilização, com grande liberdade de ação. Nessas fábricas, na certeza de que os empregados trabalham com dedicação e responsabilidade, é legítimo um trabalhador parar a linha de montagem ou produção porque achou algo errado. Os empregados mutuamente oumantêm-se ocupados todo o tempo, ajudando-se trocando de tarefas conforme as necessidades. É um sistema que "puxa" a produção da fábrica, inclusive até o nível de compras, pelas necessidades montagem final. As geradas peças feitas especialmente para cada na ou submontagens são colocadas em caixa uma dessas partes, que, ao serem esvaziadas na montagem, são remetidas ao posto de trabalho que faz a última operação a essa remessa, funcionando como uma ordem de produção. AULA 28 – ESTOCAGEM
  48. 48. SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE ESTOQUES AULA 28 – ESTOCAGEM O gerenciamento dos estoques nas empresas é fundamental para a diminuição dos custos. Estoques elevados e com falhas na administração são fatores que oneram o preço final dos produtos, bem como uma aplicação indevida do capital de giro das empresas. A competitividade das empresas no mundo globalizado exige uma correta manutenção desse ativo, sendo fundamental manter apenas as quantidades necessárias para a produção. A correta gestão de todo o estoque na cadeia de suprimentos não pode ser efetuada isoladamente, algumas das medidas de controle de produção podem ser implementadas pela empresa. Porém, é fundamental que a cadeia de suprimentos esteja no mesmo nível de evolução e a relação cliente - fornecedor tenha um sincronismo total.
  49. 49. QUESTIONÁRIO 1) O que é estocagem? 2) Como os estoques podem ser constituídos? 3) Como os estoques podem ser classificados? 4) Quais as vantagens da estocagem? 5) Quais as desvantagens da estocagem? 6) O que é gestão de materiais? 7) O que é gestão de estoque? 8) Quais os custos associados a gestão de estoque? 9) Cite 3 sistemas de gerenciamento de estoque. 10) O que é MRP e o que ele faz? AULA 28 – ESTOCAGEM
  50. 50. FIM AULA 28 – ESTOCAGEM

×