SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 28
LSCME
BORDO DE LINHA
Caso de estudo
Lean Management XXVII
LSCMe
Trabalho de Grupo - Bordo de Linha
Objetivos
◦ Bordo de Linha – Apresentação de Conceitos
◦ Apresentação do Caso de Estudo da empresa XPTO – Realidade Atual
◦ Proposta de ações que visem a implementação do Bordo de Linha na empresa XPTO
Carmen Lourenço, Guilherme Amaral e Hugo Costa 2
Na elaboração deste trabalho pretende-se apresentar o conceito de Bordo de Linha, o seu enquadramento no
processo da cadeia de abastecimento interno, retratar a situação atual no caso em estudo da empresa XPTO e
fazer uma proposta de implementação de Bordo de Linha na mesma.
Pretende-se assim reduzir desperdícios durante o processo de montagem e produção, otimizando o local onde
o valor é realizado, criando um Bordo de Linha eficiente que minimize o movimento, o transporte e o stock.
Carmen Lourenço, Guilherme Amaral e Hugo Costa 3
Introdução
Bordo de Linha – Apresentação
de Conceitos
Carmen Lourenço, Guilherme Amaral e Hugo Costa 4
Bordo de Linha - Conceitos
◦ Termo utilizado para representar o que está junto à
linha de montagem, como as estantes e os materiais.
◦ Desenho da localização e contentorização de todos os
materiais e componentes necessários ao fabrico do
produto.
◦ Ponto de interface entre processos de produção e
processos logísticos, tendo como principal objetivo
minimizar a movimentação dos trabalhadores.
Carmen Lourenço, Guilherme Amaral e Hugo Costa 5
Bordo de Linha - Objetivos
Providenciar aos operadores de abastecimento as melhores condições para:
◦ Eliminar os deslocamentos em vazio;
◦ Eliminar os deslocamentos difíceis e penosos;
◦ Normalizar o trabalho do abastecedor;
◦ Reduzir o tempo de mudança de série.
Providenciar aos colaboradores da produção as melhores
condições para:
• Reduzir os tempos de abastecimento de novas peças;
• Eliminar as operações penosas;
• Eliminar paragens por falta de abastecimento;
• Eliminar as operações inúteis;
• Criar uma boa gestão visual;
• Criar trabalho normalizado;
• Reduzir o tempo de mudança de série.
Carmen Lourenço, Guilherme Amaral e Hugo Costa 6
Bordo de Linha – Critérios de Desenho
◦ A localização dos componentes e contentores deve minimizar o movimento de operadores logísticos de
abastecimento.
◦ O tempo necessário para alterar componentes de um produto para outro deve ser próximo de zero.
◦ A decisão de reabastecer deve ser intuitiva e instantânea.
◦ Todas as peças necessárias para a montagem do material devem estar no Bordo de Linha, dispostas por
referências únicas e fixas.
◦ Devem ser tidos em conta requisitos ergonómicos, tais como largura e altura máximas do Bordo de Linha e
local para colocação dos vários tipos de caixa, iluminação do posto de trabalho, etc.
◦ Garantir disponibilidade do material, quer em referências de produto, quer em quantidades, no Bordo de
Linha.
◦ O dimensionamento deve ser ajustado ao espaço físico existente.
◦ Dotar o posto de trabalho e Bordo de Linha de dispositivos ou processos que evitem o aparecimento de
erros (Poke Yoke).
◦ Considerar o ambiente de trabalho em torno do Bordo de Linha, pois o mesmo pode condicionar o seu
dimensionamento ou materiais a utilizar.
◦ A localização dos componentes deve minimizar a movimentação dos operadores.
Carmen Lourenço, Guilherme Amaral e Hugo Costa 7
Bordo de Linha – Localização
Localização Frontal – Os contentores
localizam-se imediatamente à frente do posto de
trabalho do operador. Como todos os
componentes se encontram próximos do posto de
trabalho, o operador apenas tem que realizar
movimentos curtos. Deste modo, a localização
frontal torna-se o método preferível.
Localização na Retaguarda – Quando o tamanho
do produto e dos componentes for demasiado
grande e impedir que a localização frontal seja
utilizada, a localização na retaguarda, terá que ser
usada. Com esta localização, o trabalhador terá que
se movimentar da frente para trás sempre que
necessitar de componentes.Carmen Lourenço, Guilherme Amaral e Hugo Costa 8
Bordo de Linha - Dimensionamento
◦ Os tempos de abastecimento devem ser curtos, garantindo uma rápida mudança de série, em pequenas
quantidades (as paletes devem ser eliminadas do Bordo de Linha, melhorando assim a ergonomia dos postos)
e de modo a não existirem paragens resultantes da falta de abastecimento.
◦ O abastecimento através de pequenas quantidades garante a diminuição da percentagem de defeitos pois só
existe um nível de componentes, arrumados individualmente cada um no seu lugar.
◦ A produção através de lotes pequenos, diminui o tempo de não‐processo e facilita o controlo de qualidade.
◦ O trabalho dos operadores é facilitado pois é mais fácil retirar‐se as peças de pequenos contentores, muito
mais ergonómicos e leves.
◦ Há ainda ganho em espaço pois pequenos contentores significam pouca área de passagem e ocupação.
Carmen Lourenço, Guilherme Amaral e Hugo Costa 9
Bordo de Linha – Dimensionamento (Cont.)
◦ Disponibilidade do material, quer em referências de produto, quer em
quantidades, no Bordo de Linha.
◦ Caixas de plástico, caixas de cartão, tubos, etc.
◦ Deve considerar-se o formato e as dimensões da caixa, bem como o design
da superfície inferior.
Os mais usados são a caixas de
plástico, devido, sobretudo, à sua
resistência e ao facto de serem
reutilizáveis.
Pode adotar-se um sistema de cores de modo a
facilitar o trabalho do operador na
diferenciação rápida do produto a recolher.
A gestão visual facilita o trabalho do
operador/operações.
Carmen Lourenço, Guilherme Amaral e Hugo Costa 10
Bordo de Linha – Dimensionamento (Cont.)
◦ O mobiliário de linha deve estar adaptado à mudança de caixas, de
modo a permitir trocar vazias por cheias.
Móvel de bordo de linha
com prateleira de retorno
O formato de saída da caixa ou contentor deve ser
apropriada para reduzir ao máximo o tempo de troca.
Carmen Lourenço, Guilherme Amaral e Hugo Costa 11
Bordo de Linha – Dimensionamento (Cont.)
◦ O “Mizusumashi”, ou comboio logístico, permite disponibilizar o material certo, na quantidade certa, no local
destinado ao mesmo e na hora exata, sem recurso a empilhadores e evitando paletes no local de produção.
◦ É necessário conhecer bem o produto a movimentar, de modo a prever e evitar possíveis danos.
◦ Escolher o tipo de roletes a usar em função do tipo de peças a transportar e de caixas.
◦ Dimensionar a inclinação que as calhas de roletes devem ter para que movimentação de caixas seja, sempre
que possível, feita por efeito da gravidade.
◦ Devem ser contemplados dispositivos de segurança que evitem entalamento das mãos.
◦ Sempre que possível a alimentação e o retorno de caixas deve ser feita sem recorrer
à elevação da carga por parte dos operadores.
◦ Podem ser usados, por exemplo, sistemas “Karakuri”.
◦ Os limites entre caixas que contém peças diferentes devem estar bem delimitados.
◦ A extração da caixa vazia deve ser fácil.
Carmen Lourenço, Guilherme Amaral e Hugo Costa 12
Apresentação do
Caso de Estudo
Empresa XPTO
Realidade Atual
Carmen Lourenço, Guilherme Amaral e Hugo Costa 13
Empresa XPTO - Apresentação
◦ Apresentação da Empresa
A empresa XPTO dedica-se à produção de componentes plásticos de alta precisão e elevado rigor dimensional, de
acordo com as necessidades dos seus clientes, de diferentes indústrias. Tem como áreas de negócio principais a
automóvel, eléctrica e consumer.
◦ Processo de Fabrico
Tradicionalmente a transformação dos produtos é feita em 2 processos distintos, Injeção e Montagem. A secção de
Injeção recebe matéria-prima plástica e insertos metálicos, e entrega peças em plástico com os insertos sobre-
moldados. A Montagem, por sua vez, liga as diversas peças e componentes, normalmente por meios de soldadura
ou encastramento.
◦ Objetivos a alcançar
Há 1 ano atrás a XPTO instalou o seu primeiro circuito Mizusumashi e atualmente está totalmente implantado na sua
secção de Montagem. O desafio agora é alargar o conceito também à secção de Injeção. O objetivo deste trabalho é
dimensionar o bordo de linha para as células da Injeção.
Carmen Lourenço, Guilherme Amaral e Hugo Costa
14
Exemplo de peça plástica com
insertos sobre-moldados
Empresa XPTO – Layout Atual
Carmen Lourenço, Guilherme Amaral e Hugo Costa 15
Atualmente o abastecimento à secção de
injeção é feita por 2 corredores de 4m de
largura, que corresponde à largura mínima
de trabalho do empilhador.
No corredor A é abastecida a matéria-
prima plástica em sacos de 25kg e são
devolvidos os resíduos de embalagem
No corredor B são abastecidos os insertos
e a embalagem, e são entregues as peças,
resíduos de plástico e resíduos de
embalagem
CorredorA
CorredorB
Empresa XPTO - Realidade Atual na Injeção
Atualmente cada máquina têm à sua frente (junto ao corredor B)
3 espaços de palete, sendo estes preenchidos sem clara distinção
entre as entradas e saídas.
Neste caso, a foto mostra produto acabado à esquerda,
embalagem ao meio, e mais uma palete de embalagem que acabou
de chegar.
Há ainda outras entradas e saídas feitas pelo corredor B que não
estão visíveis nesta foto, como os insertos, os resíduos da
embalagem dos insertos e resíduos plásticos. Estes estão
acondicionados na lateral da máquina.
Toda esta movimentação de produtos e matérias-primas é feita
pelos operadores de forma arrítmica e sem método. Provocando
um enorme desperdício de tempo nas movimentações e perda de
produtividade.
Carmen Lourenço, Guilherme Amaral e Hugo Costa 16
Empresa XPTO - Realidade Atual na Injeção
Principais Problemas
◦ Enorme desperdício de tempo nas movimentações;
◦ Consequente perda de produtividade;
◦ Exige corredor com 4 metros de largura;
◦ Propícia o erro de enviar caixa vazia no meio de caixas cheias;
◦ Ocupa muito espaço na área produtiva ;
◦ Obriga a que o lote mínimo de produção seja de 1 palete (neste caso 16 caixas).
Carmen Lourenço, Guilherme Amaral e Hugo Costa 17
Implementação do
Bordo de Linha na
empresa XPTO
Proposta de ações que visem a
implementação do Bordo de
Linha na secção de Injeção na
empresa XPTO
Carmen Lourenço, Guilherme Amaral e Hugo Costa 18
Caso de estudo – Empresa XPTO
◦ Objetivos a alcançar
1. Reduzir tempos de movimentação;
2. Aumentar a produtividade disponibilizando o material certo, no local e na hora certa;
3. Reduzir o espaço ocupado pelos materiais nas áreas produtivas;
4. Reduzir a largura dos corredores para 1,5 metros;
5. Reduzir o lote;
6. Reduzir as tarefas externas associadas ao changeover;
7. Reduzir a percentagem de defeitos de fabrico com referências trocadas.
Proposta de plano de ações
Tendo por base que o Mizusumashi tem disponibilidade para passar na injeção 1x/hora, a equipa de
implementação deverá seguir os seguintes passos:
◦ Determinar o pitch-time para cada referência (tanto de produtos, como de matérias-primas);
◦ Determinar a quantidades de caixas que é necessário abastecer/recolher por hora, arredondado para cima;
◦ Em cada célula de injeção, verificar todas as referências que são nela produzidas/consumidas e dimensionar
a estrutura do bordo de linha de acordo com o volume ocupado pelas embalagens.
Carmen Lourenço, Guilherme Amaral e Hugo Costa 20
Dimensionamento do Bordo de Linha –
Exemplo de uma Célula de Injeção
Carmen Lourenço, Guilherme Amaral e Hugo Costa 21
Ref. Descrição Sentido do
fluxo
TC
(s)
Quantidade por
caixa [un]
Pitch-time
[min]
12930 REACTION PLATE ASSY
B02E recolhido
20
50 16,67
00023 Embalagem TRW
600/400/300 abastecido 50 16,67
12933 CONTACT PLATE
34231546 abastecido 250 83,33
89138 Resíduos de plástico recolhido 500 166,67
00001 Resíduos de cartão
CONTACT PLATE recolhido 500 166,67
Neste exemplo é descrito o método para dimensionar o bordo de linha do corredor B, numa determinada
célula, que produz apenas uma referência.
Passo 1 – Determinar o pitch-time de cada referência:
Dimensionamento do Bordo de Linha –
Exemplo de uma Célula de Injeção
Carmen Lourenço, Guilherme Amaral e Hugo Costa 22
Ref. Descrição Sentido do
fluxo
Pitch-time
[min]
Caixas por hora
(arredondado para cima)
12930 REACTION PLATE ASSY
B02E recolhido 16,67 4
00023 Embalagem TRW
600/400/300 abastecido 16,67 4
12933 CONTACT PLATE
34231546 abastecido 83,33 1
89138 Resíduos de plástico recolhido 166,67 1
00001 Resíduos de cartão
CONTACT PLATE recolhido 166,67 1
Passo 2 – Determinar a quantidades de caixas que é necessário abastecer/recolher por hora, arredondado para cima,
tendo por base que o Mizu passa 1x/hora:
Dimensionamento do Bordo de Linha –
Exemplo de uma Célula de Injeção
Carmen Lourenço, Guilherme Amaral e Hugo Costa 23
Ref. Descrição Sentido do
fluxo
Caixas por hora
(arredondado para
cima)
Volume da
embalagem [mm3]
12930 REACTION PLATE ASSY
B02E recolhido 4 600 x 400 x 300
00023 Embalagem TRW
600/400/300 abastecido 4 600 x 400 x 300
12933 CONTACT PLATE
34231546 abastecido 1 200 x 200 x 100
89138 Resíduos de plástico recolhido 1 (peso excede 10 kg) 600 x 400 x 400
00001 Resíduos de cartão
CONTACT PLATE recolhido 1 200 x 200 x 40
Passo 3 – Determinar a estrutura do bordo de linha:
Dimensionamento do Bordo de Linha –
Exemplo de uma Célula de Injeção
Carmen Lourenço, Guilherme Amaral e Hugo Costa 24
Proposta para estrutura do bordo de linha:
Vista Lateral
Corredor BCélula de Injeção
Plano de Ações
Carmen Lourenço, Guilherme Amaral e Hugo Costa 25
Objetivo Ação Recursos Respons. Prazo
1, 2, 3, 4,
5 e 7
Encomendar estrutura para o armário de bordo
de linha de acordo com o preconizado no passo
3.
Externos Dep. Compras 31/08/2019
3, 4 Redimensionar corredor B para 1,5 mts,
suficientes para passagem do Mizusumashi.
Internos Dep. Logística /
Manutenção
31/08/19
De modo a dar cumprimento aos objetivos definidos e implementar o bordo de linha sugere-se então a
implementação do seguinte plano de ações:
Plano de Ações (Cont.)
Carmen Lourenço, Guilherme Amaral e Hugo Costa 26
Objetivo Ação Recursos Respons. Prazo
1, 2, 3, 4,
5 e 7
Programar passagem do Mizusumashi para
reposição de matéria prima e recolha de peças
acabadas resíduos de acordo com o Passo 2.
Internos Dep.
Logística /
Manutenção
31/08/19
1, 2, 6 e
7
Formação dos operadores para correcta
utilização da estrutura do Bordo de Linha.
Internos Dep. RH 31/08/19
Bordo de Linha
Bibliografia
Carmen Lourenço, Guilherme Amaral e Hugo Costa 27
Bibliografia
◦ Lourenço, J. (2017), Aplicação de Ferramentas Lean: Melhoria do Processo de Montagem de uma Linha.
Dissertação apresentada para a obtenção do grau de Mestre em Engenharia e gestão industrial. Faculdade de
ciências e Tecnologia – Universidade de Coimbra. Acedido em 06/07/2019 Em:
https://estudogeral.sib.uc.pt/bitstream/10316/82936/1/disserta%C3%A7%C3%A3o%202017-
%20jacinto%20Loure%C3%A7o.pdf
◦ Fevereiro, R. (2012), Definição de Layout, Fluxos de Produção e Capacidades de uma fábrica de produção de
carroçarias na CaetanoBus,S.A. Dissertação de Mestrado- Faculdade de Engenharia da Universidade do
Porto, 2012. Acedido em 06/07/2019 Em: https://repositorio-
aberto.up.pt/bitstream/10216/68348/1/000154689.pdf
◦ Cruz, N. (2013) Implementação de ferramentas Lean Manufacturing no processo de injeção de plásticos.
Tese de Mestrado- Ciclo de Estudos Integrados Conducentes ao Grau de Mestre em Engenharia e Gestão
Industrial – Universidade do Minho Acedido em 06/07/2019 Em:
https://repositorium.sdum.uminho.pt/bitstream/1822/26677/1/Dissertacao_MIEGI_Nuno%20Cruz_201
3.pdf
Carmen Lourenço, Guilherme Amaral e Hugo Costa 28

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Armazenagem de Materiais
Armazenagem de MateriaisArmazenagem de Materiais
Armazenagem de MateriaisRobson Costa
 
AULA 4MOVIMENTAÇÃO E EXPEDIÇÃO (1) CONCEITO DE EXPEDIÇÃO.pptx
AULA 4MOVIMENTAÇÃO E EXPEDIÇÃO (1) CONCEITO DE EXPEDIÇÃO.pptxAULA 4MOVIMENTAÇÃO E EXPEDIÇÃO (1) CONCEITO DE EXPEDIÇÃO.pptx
AULA 4MOVIMENTAÇÃO E EXPEDIÇÃO (1) CONCEITO DE EXPEDIÇÃO.pptxPalomaOliveira338538
 
Apresentação sobre Logística
Apresentação sobre LogísticaApresentação sobre Logística
Apresentação sobre LogísticaIsabella Menezes
 
Logística Empresarial Armazenagem E Embalagem
Logística Empresarial Armazenagem E EmbalagemLogística Empresarial Armazenagem E Embalagem
Logística Empresarial Armazenagem E EmbalagemWeNova Consulting
 
Aula 7 To Abordagem Comportamental da Administração
Aula 7   To Abordagem Comportamental da AdministraçãoAula 7   To Abordagem Comportamental da Administração
Aula 7 To Abordagem Comportamental da AdministraçãoAngelo Peres
 
Armazenagem
ArmazenagemArmazenagem
ArmazenagemUEMA
 
AULA 05 GESTÃO DE DISTRIBUIÇÃO.pptx
AULA 05 GESTÃO DE DISTRIBUIÇÃO.pptxAULA 05 GESTÃO DE DISTRIBUIÇÃO.pptx
AULA 05 GESTÃO DE DISTRIBUIÇÃO.pptxLuciaCosta75
 
Aula 01 introdução, endereçamento e wms
Aula 01  introdução, endereçamento e wmsAula 01  introdução, endereçamento e wms
Aula 01 introdução, endereçamento e wmsAdilson Paradella
 
Scm Gerenciamento cadeia de suprimentos
Scm Gerenciamento cadeia de suprimentos Scm Gerenciamento cadeia de suprimentos
Scm Gerenciamento cadeia de suprimentos Alejandra Flechas
 

Mais procurados (20)

BORDO DE LINHA Lean SCM
BORDO DE LINHA Lean SCMBORDO DE LINHA Lean SCM
BORDO DE LINHA Lean SCM
 
Cadeia de Suprimentos
Cadeia de SuprimentosCadeia de Suprimentos
Cadeia de Suprimentos
 
Armazenagem de Materiais
Armazenagem de MateriaisArmazenagem de Materiais
Armazenagem de Materiais
 
AULA 4MOVIMENTAÇÃO E EXPEDIÇÃO (1) CONCEITO DE EXPEDIÇÃO.pptx
AULA 4MOVIMENTAÇÃO E EXPEDIÇÃO (1) CONCEITO DE EXPEDIÇÃO.pptxAULA 4MOVIMENTAÇÃO E EXPEDIÇÃO (1) CONCEITO DE EXPEDIÇÃO.pptx
AULA 4MOVIMENTAÇÃO E EXPEDIÇÃO (1) CONCEITO DE EXPEDIÇÃO.pptx
 
Planejamento de Estoque
Planejamento de EstoquePlanejamento de Estoque
Planejamento de Estoque
 
Apresentação sobre Logística
Apresentação sobre LogísticaApresentação sobre Logística
Apresentação sobre Logística
 
Logística Empresarial Armazenagem E Embalagem
Logística Empresarial Armazenagem E EmbalagemLogística Empresarial Armazenagem E Embalagem
Logística Empresarial Armazenagem E Embalagem
 
Aula 7 To Abordagem Comportamental da Administração
Aula 7   To Abordagem Comportamental da AdministraçãoAula 7   To Abordagem Comportamental da Administração
Aula 7 To Abordagem Comportamental da Administração
 
Armazenagem
ArmazenagemArmazenagem
Armazenagem
 
Estocagem
EstocagemEstocagem
Estocagem
 
Teoria neoclássica 2012_01
Teoria neoclássica 2012_01Teoria neoclássica 2012_01
Teoria neoclássica 2012_01
 
AULA 05 GESTÃO DE DISTRIBUIÇÃO.pptx
AULA 05 GESTÃO DE DISTRIBUIÇÃO.pptxAULA 05 GESTÃO DE DISTRIBUIÇÃO.pptx
AULA 05 GESTÃO DE DISTRIBUIÇÃO.pptx
 
Gestão de estoque
Gestão de estoqueGestão de estoque
Gestão de estoque
 
Atividades Básicas (Primárias), de Apoio (intermediárias) e Sofisticadas da L...
Atividades Básicas (Primárias), de Apoio (intermediárias) e Sofisticadas da L...Atividades Básicas (Primárias), de Apoio (intermediárias) e Sofisticadas da L...
Atividades Básicas (Primárias), de Apoio (intermediárias) e Sofisticadas da L...
 
Aula 01 introdução, endereçamento e wms
Aula 01  introdução, endereçamento e wmsAula 01  introdução, endereçamento e wms
Aula 01 introdução, endereçamento e wms
 
Valeur ajoutée et 7 gaspillages
Valeur ajoutée et 7 gaspillagesValeur ajoutée et 7 gaspillages
Valeur ajoutée et 7 gaspillages
 
Scm Gerenciamento cadeia de suprimentos
Scm Gerenciamento cadeia de suprimentos Scm Gerenciamento cadeia de suprimentos
Scm Gerenciamento cadeia de suprimentos
 
08 aula armazenagem ii
08 aula armazenagem ii08 aula armazenagem ii
08 aula armazenagem ii
 
Logistica Milk Run e Mizu
Logistica Milk Run e MizuLogistica Milk Run e Mizu
Logistica Milk Run e Mizu
 
Métodos de custeio
Métodos de custeioMétodos de custeio
Métodos de custeio
 

Semelhante a Otimização da cadeia de suprimentos na empresa XPTO através da implementação de Bordo de Linha

Consultoria Logística
Consultoria LogísticaConsultoria Logística
Consultoria LogísticaMarcos Liranco
 
3. npc armaz. movim.entacao e_localizacao
3. npc armaz. movim.entacao e_localizacao3. npc armaz. movim.entacao e_localizacao
3. npc armaz. movim.entacao e_localizacaolourinha321
 
TCC - Esteira Transportadora
TCC - Esteira TransportadoraTCC - Esteira Transportadora
TCC - Esteira TransportadoraDara Signoreti
 
A influência dos layouts industriais e a organização da produção
A influência dos layouts industriais e a organização da produçãoA influência dos layouts industriais e a organização da produção
A influência dos layouts industriais e a organização da produçãoUniversidade Federal Fluminense
 
A influência dos layouts industriais e a organização da produção
A influência dos layouts industriais e a organização da produçãoA influência dos layouts industriais e a organização da produção
A influência dos layouts industriais e a organização da produçãoUniversidade Federal Fluminense
 
Ship to Line_final
Ship to Line_finalShip to Line_final
Ship to Line_finalJoão Miguel
 
Manual cross docking implementação
Manual cross docking implementaçãoManual cross docking implementação
Manual cross docking implementaçãoAlberto Cardoso
 
Logempresarial armazenagem e embalagem rev2010
Logempresarial armazenagem e embalagem rev2010Logempresarial armazenagem e embalagem rev2010
Logempresarial armazenagem e embalagem rev2010WeNova Consulting
 
Manuseio e acondicionamento de produtos
Manuseio e acondicionamento de produtosManuseio e acondicionamento de produtos
Manuseio e acondicionamento de produtospedroelj
 
I SDTA - Otimização Utilizando Modelo MIP com o Software GAMS e o Solver IBM-...
I SDTA - Otimização Utilizando Modelo MIP com o Software GAMS e o Solver IBM-...I SDTA - Otimização Utilizando Modelo MIP com o Software GAMS e o Solver IBM-...
I SDTA - Otimização Utilizando Modelo MIP com o Software GAMS e o Solver IBM-...Atech S.A. | Embraer Group
 
Lavanderia Industrial
Lavanderia IndustrialLavanderia Industrial
Lavanderia IndustrialCentrobor
 
Galpão Verticalizado Automatico para Produtos Acabados
Galpão Verticalizado Automatico para Produtos AcabadosGalpão Verticalizado Automatico para Produtos Acabados
Galpão Verticalizado Automatico para Produtos AcabadosMarco Coghi
 
Os 7 Desperdicios
Os 7 DesperdiciosOs 7 Desperdicios
Os 7 DesperdiciosJay Cruz
 
Conceito e principios do sistema de movimentação de materiais
Conceito e principios do sistema de movimentação de materiaisConceito e principios do sistema de movimentação de materiais
Conceito e principios do sistema de movimentação de materiaisDiegoIsraelSantos
 
Aula 08 operaçoes
Aula 08   operaçoesAula 08   operaçoes
Aula 08 operaçoesKatia Gomide
 
Bordos de linha - Europneumaq
Bordos de linha - EuropneumaqBordos de linha - Europneumaq
Bordos de linha - EuropneumaqEuropneumaq, Lda.
 
Gestão da Cadeia de Suprimentos - Logística Empresarial
Gestão da Cadeia de Suprimentos - Logística EmpresarialGestão da Cadeia de Suprimentos - Logística Empresarial
Gestão da Cadeia de Suprimentos - Logística EmpresarialFrancisco Simas
 

Semelhante a Otimização da cadeia de suprimentos na empresa XPTO através da implementação de Bordo de Linha (20)

Desenho bordo de linha
Desenho bordo de linhaDesenho bordo de linha
Desenho bordo de linha
 
Consultoria Logística
Consultoria LogísticaConsultoria Logística
Consultoria Logística
 
3. npc armaz. movim.entacao e_localizacao
3. npc armaz. movim.entacao e_localizacao3. npc armaz. movim.entacao e_localizacao
3. npc armaz. movim.entacao e_localizacao
 
TCC - Esteira Transportadora
TCC - Esteira TransportadoraTCC - Esteira Transportadora
TCC - Esteira Transportadora
 
A influência dos layouts industriais e a organização da produção
A influência dos layouts industriais e a organização da produçãoA influência dos layouts industriais e a organização da produção
A influência dos layouts industriais e a organização da produção
 
A influência dos layouts industriais e a organização da produção
A influência dos layouts industriais e a organização da produçãoA influência dos layouts industriais e a organização da produção
A influência dos layouts industriais e a organização da produção
 
Ship to Line_final
Ship to Line_finalShip to Line_final
Ship to Line_final
 
Manual cross docking implementação
Manual cross docking implementaçãoManual cross docking implementação
Manual cross docking implementação
 
Organizacao das Operacoes
Organizacao das OperacoesOrganizacao das Operacoes
Organizacao das Operacoes
 
Logempresarial armazenagem e embalagem rev2010
Logempresarial armazenagem e embalagem rev2010Logempresarial armazenagem e embalagem rev2010
Logempresarial armazenagem e embalagem rev2010
 
Manuseio e acondicionamento de produtos
Manuseio e acondicionamento de produtosManuseio e acondicionamento de produtos
Manuseio e acondicionamento de produtos
 
I SDTA - Otimização Utilizando Modelo MIP com o Software GAMS e o Solver IBM-...
I SDTA - Otimização Utilizando Modelo MIP com o Software GAMS e o Solver IBM-...I SDTA - Otimização Utilizando Modelo MIP com o Software GAMS e o Solver IBM-...
I SDTA - Otimização Utilizando Modelo MIP com o Software GAMS e o Solver IBM-...
 
Lavanderia Industrial
Lavanderia IndustrialLavanderia Industrial
Lavanderia Industrial
 
Galpão Verticalizado Automatico para Produtos Acabados
Galpão Verticalizado Automatico para Produtos AcabadosGalpão Verticalizado Automatico para Produtos Acabados
Galpão Verticalizado Automatico para Produtos Acabados
 
Armazenagem
ArmazenagemArmazenagem
Armazenagem
 
Os 7 Desperdicios
Os 7 DesperdiciosOs 7 Desperdicios
Os 7 Desperdicios
 
Conceito e principios do sistema de movimentação de materiais
Conceito e principios do sistema de movimentação de materiaisConceito e principios do sistema de movimentação de materiais
Conceito e principios do sistema de movimentação de materiais
 
Aula 08 operaçoes
Aula 08   operaçoesAula 08   operaçoes
Aula 08 operaçoes
 
Bordos de linha - Europneumaq
Bordos de linha - EuropneumaqBordos de linha - Europneumaq
Bordos de linha - Europneumaq
 
Gestão da Cadeia de Suprimentos - Logística Empresarial
Gestão da Cadeia de Suprimentos - Logística EmpresarialGestão da Cadeia de Suprimentos - Logística Empresarial
Gestão da Cadeia de Suprimentos - Logística Empresarial
 

Mais de CLT Valuebased Services (20)

Estudo de um Caso
Estudo de um CasoEstudo de um Caso
Estudo de um Caso
 
Caso testo lean
Caso testo leanCaso testo lean
Caso testo lean
 
Indicadores para a manutencao lean
Indicadores para a manutencao leanIndicadores para a manutencao lean
Indicadores para a manutencao lean
 
CPFR lean SCM
CPFR lean SCMCPFR lean SCM
CPFR lean SCM
 
Case study Parfois
Case study  ParfoisCase study  Parfois
Case study Parfois
 
Ikea case study
Ikea  case studyIkea  case study
Ikea case study
 
Case study Walmart
Case study WalmartCase study Walmart
Case study Walmart
 
Last Mile Logistics
Last Mile LogisticsLast Mile Logistics
Last Mile Logistics
 
Industry 4.0
Industry 4.0Industry 4.0
Industry 4.0
 
Lean 6Sigma Agile 2019
Lean 6Sigma Agile 2019Lean 6Sigma Agile 2019
Lean 6Sigma Agile 2019
 
Tabelas MTM ln IPC
Tabelas MTM ln IPCTabelas MTM ln IPC
Tabelas MTM ln IPC
 
Scrum Book
Scrum BookScrum Book
Scrum Book
 
Booklet Estudo do Trabalho final
Booklet Estudo do Trabalho finalBooklet Estudo do Trabalho final
Booklet Estudo do Trabalho final
 
Domotica
DomoticaDomotica
Domotica
 
Projeto Implementação Lean
Projeto Implementação Lean Projeto Implementação Lean
Projeto Implementação Lean
 
Retrato de Poortugal 2019
Retrato de Poortugal 2019Retrato de Poortugal 2019
Retrato de Poortugal 2019
 
Fut global-edition
Fut  global-editionFut  global-edition
Fut global-edition
 
Tabelas MTM LM IPC
Tabelas MTM LM IPCTabelas MTM LM IPC
Tabelas MTM LM IPC
 
Exercicio de Dimensionamento do Mizu
Exercicio de Dimensionamento do MizuExercicio de Dimensionamento do Mizu
Exercicio de Dimensionamento do Mizu
 
TWI JI
TWI JITWI JI
TWI JI
 

Último

Eletricista instalador - Senai Almirante Tamandaré
Eletricista instalador - Senai Almirante TamandaréEletricista instalador - Senai Almirante Tamandaré
Eletricista instalador - Senai Almirante TamandaréGuilhermeLucio9
 
PLANO DE EMERGÊNCIA E COMBATE A INCENDIO.pdf
PLANO DE EMERGÊNCIA E COMBATE A INCENDIO.pdfPLANO DE EMERGÊNCIA E COMBATE A INCENDIO.pdf
PLANO DE EMERGÊNCIA E COMBATE A INCENDIO.pdfAroldoMenezes1
 
FISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO. matéria de fisiologia animal
FISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO. matéria de fisiologia animalFISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO. matéria de fisiologia animal
FISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO. matéria de fisiologia animalPauloHenrique154965
 
Aulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdf
Aulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdfAulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdf
Aulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdfMateusSerraRodrigues1
 
Resistencias dos materiais I - Tensao.pptx
Resistencias dos materiais I - Tensao.pptxResistencias dos materiais I - Tensao.pptx
Resistencias dos materiais I - Tensao.pptxjuliocameloUFC
 
Estatística aplicada à experimentação animal
Estatística aplicada à experimentação animalEstatística aplicada à experimentação animal
Estatística aplicada à experimentação animalleandroladesenvolvim
 
MODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS EQUIPAM
MODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS  EQUIPAMMODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS  EQUIPAM
MODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS EQUIPAMCassio Rodrigo
 
LEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurança
LEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurançaLEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurança
LEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurançaGuilhermeLucio9
 
Tecnólogo em Mecatrônica - Universidade Anhanguera
Tecnólogo em Mecatrônica - Universidade AnhangueraTecnólogo em Mecatrônica - Universidade Anhanguera
Tecnólogo em Mecatrônica - Universidade AnhangueraGuilhermeLucio9
 

Último (9)

Eletricista instalador - Senai Almirante Tamandaré
Eletricista instalador - Senai Almirante TamandaréEletricista instalador - Senai Almirante Tamandaré
Eletricista instalador - Senai Almirante Tamandaré
 
PLANO DE EMERGÊNCIA E COMBATE A INCENDIO.pdf
PLANO DE EMERGÊNCIA E COMBATE A INCENDIO.pdfPLANO DE EMERGÊNCIA E COMBATE A INCENDIO.pdf
PLANO DE EMERGÊNCIA E COMBATE A INCENDIO.pdf
 
FISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO. matéria de fisiologia animal
FISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO. matéria de fisiologia animalFISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO. matéria de fisiologia animal
FISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO. matéria de fisiologia animal
 
Aulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdf
Aulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdfAulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdf
Aulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdf
 
Resistencias dos materiais I - Tensao.pptx
Resistencias dos materiais I - Tensao.pptxResistencias dos materiais I - Tensao.pptx
Resistencias dos materiais I - Tensao.pptx
 
Estatística aplicada à experimentação animal
Estatística aplicada à experimentação animalEstatística aplicada à experimentação animal
Estatística aplicada à experimentação animal
 
MODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS EQUIPAM
MODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS  EQUIPAMMODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS  EQUIPAM
MODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS EQUIPAM
 
LEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurança
LEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurançaLEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurança
LEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurança
 
Tecnólogo em Mecatrônica - Universidade Anhanguera
Tecnólogo em Mecatrônica - Universidade AnhangueraTecnólogo em Mecatrônica - Universidade Anhanguera
Tecnólogo em Mecatrônica - Universidade Anhanguera
 

Otimização da cadeia de suprimentos na empresa XPTO através da implementação de Bordo de Linha

  • 2. Lean Management XXVII LSCMe Trabalho de Grupo - Bordo de Linha Objetivos ◦ Bordo de Linha – Apresentação de Conceitos ◦ Apresentação do Caso de Estudo da empresa XPTO – Realidade Atual ◦ Proposta de ações que visem a implementação do Bordo de Linha na empresa XPTO Carmen Lourenço, Guilherme Amaral e Hugo Costa 2
  • 3. Na elaboração deste trabalho pretende-se apresentar o conceito de Bordo de Linha, o seu enquadramento no processo da cadeia de abastecimento interno, retratar a situação atual no caso em estudo da empresa XPTO e fazer uma proposta de implementação de Bordo de Linha na mesma. Pretende-se assim reduzir desperdícios durante o processo de montagem e produção, otimizando o local onde o valor é realizado, criando um Bordo de Linha eficiente que minimize o movimento, o transporte e o stock. Carmen Lourenço, Guilherme Amaral e Hugo Costa 3 Introdução
  • 4. Bordo de Linha – Apresentação de Conceitos Carmen Lourenço, Guilherme Amaral e Hugo Costa 4
  • 5. Bordo de Linha - Conceitos ◦ Termo utilizado para representar o que está junto à linha de montagem, como as estantes e os materiais. ◦ Desenho da localização e contentorização de todos os materiais e componentes necessários ao fabrico do produto. ◦ Ponto de interface entre processos de produção e processos logísticos, tendo como principal objetivo minimizar a movimentação dos trabalhadores. Carmen Lourenço, Guilherme Amaral e Hugo Costa 5
  • 6. Bordo de Linha - Objetivos Providenciar aos operadores de abastecimento as melhores condições para: ◦ Eliminar os deslocamentos em vazio; ◦ Eliminar os deslocamentos difíceis e penosos; ◦ Normalizar o trabalho do abastecedor; ◦ Reduzir o tempo de mudança de série. Providenciar aos colaboradores da produção as melhores condições para: • Reduzir os tempos de abastecimento de novas peças; • Eliminar as operações penosas; • Eliminar paragens por falta de abastecimento; • Eliminar as operações inúteis; • Criar uma boa gestão visual; • Criar trabalho normalizado; • Reduzir o tempo de mudança de série. Carmen Lourenço, Guilherme Amaral e Hugo Costa 6
  • 7. Bordo de Linha – Critérios de Desenho ◦ A localização dos componentes e contentores deve minimizar o movimento de operadores logísticos de abastecimento. ◦ O tempo necessário para alterar componentes de um produto para outro deve ser próximo de zero. ◦ A decisão de reabastecer deve ser intuitiva e instantânea. ◦ Todas as peças necessárias para a montagem do material devem estar no Bordo de Linha, dispostas por referências únicas e fixas. ◦ Devem ser tidos em conta requisitos ergonómicos, tais como largura e altura máximas do Bordo de Linha e local para colocação dos vários tipos de caixa, iluminação do posto de trabalho, etc. ◦ Garantir disponibilidade do material, quer em referências de produto, quer em quantidades, no Bordo de Linha. ◦ O dimensionamento deve ser ajustado ao espaço físico existente. ◦ Dotar o posto de trabalho e Bordo de Linha de dispositivos ou processos que evitem o aparecimento de erros (Poke Yoke). ◦ Considerar o ambiente de trabalho em torno do Bordo de Linha, pois o mesmo pode condicionar o seu dimensionamento ou materiais a utilizar. ◦ A localização dos componentes deve minimizar a movimentação dos operadores. Carmen Lourenço, Guilherme Amaral e Hugo Costa 7
  • 8. Bordo de Linha – Localização Localização Frontal – Os contentores localizam-se imediatamente à frente do posto de trabalho do operador. Como todos os componentes se encontram próximos do posto de trabalho, o operador apenas tem que realizar movimentos curtos. Deste modo, a localização frontal torna-se o método preferível. Localização na Retaguarda – Quando o tamanho do produto e dos componentes for demasiado grande e impedir que a localização frontal seja utilizada, a localização na retaguarda, terá que ser usada. Com esta localização, o trabalhador terá que se movimentar da frente para trás sempre que necessitar de componentes.Carmen Lourenço, Guilherme Amaral e Hugo Costa 8
  • 9. Bordo de Linha - Dimensionamento ◦ Os tempos de abastecimento devem ser curtos, garantindo uma rápida mudança de série, em pequenas quantidades (as paletes devem ser eliminadas do Bordo de Linha, melhorando assim a ergonomia dos postos) e de modo a não existirem paragens resultantes da falta de abastecimento. ◦ O abastecimento através de pequenas quantidades garante a diminuição da percentagem de defeitos pois só existe um nível de componentes, arrumados individualmente cada um no seu lugar. ◦ A produção através de lotes pequenos, diminui o tempo de não‐processo e facilita o controlo de qualidade. ◦ O trabalho dos operadores é facilitado pois é mais fácil retirar‐se as peças de pequenos contentores, muito mais ergonómicos e leves. ◦ Há ainda ganho em espaço pois pequenos contentores significam pouca área de passagem e ocupação. Carmen Lourenço, Guilherme Amaral e Hugo Costa 9
  • 10. Bordo de Linha – Dimensionamento (Cont.) ◦ Disponibilidade do material, quer em referências de produto, quer em quantidades, no Bordo de Linha. ◦ Caixas de plástico, caixas de cartão, tubos, etc. ◦ Deve considerar-se o formato e as dimensões da caixa, bem como o design da superfície inferior. Os mais usados são a caixas de plástico, devido, sobretudo, à sua resistência e ao facto de serem reutilizáveis. Pode adotar-se um sistema de cores de modo a facilitar o trabalho do operador na diferenciação rápida do produto a recolher. A gestão visual facilita o trabalho do operador/operações. Carmen Lourenço, Guilherme Amaral e Hugo Costa 10
  • 11. Bordo de Linha – Dimensionamento (Cont.) ◦ O mobiliário de linha deve estar adaptado à mudança de caixas, de modo a permitir trocar vazias por cheias. Móvel de bordo de linha com prateleira de retorno O formato de saída da caixa ou contentor deve ser apropriada para reduzir ao máximo o tempo de troca. Carmen Lourenço, Guilherme Amaral e Hugo Costa 11
  • 12. Bordo de Linha – Dimensionamento (Cont.) ◦ O “Mizusumashi”, ou comboio logístico, permite disponibilizar o material certo, na quantidade certa, no local destinado ao mesmo e na hora exata, sem recurso a empilhadores e evitando paletes no local de produção. ◦ É necessário conhecer bem o produto a movimentar, de modo a prever e evitar possíveis danos. ◦ Escolher o tipo de roletes a usar em função do tipo de peças a transportar e de caixas. ◦ Dimensionar a inclinação que as calhas de roletes devem ter para que movimentação de caixas seja, sempre que possível, feita por efeito da gravidade. ◦ Devem ser contemplados dispositivos de segurança que evitem entalamento das mãos. ◦ Sempre que possível a alimentação e o retorno de caixas deve ser feita sem recorrer à elevação da carga por parte dos operadores. ◦ Podem ser usados, por exemplo, sistemas “Karakuri”. ◦ Os limites entre caixas que contém peças diferentes devem estar bem delimitados. ◦ A extração da caixa vazia deve ser fácil. Carmen Lourenço, Guilherme Amaral e Hugo Costa 12
  • 13. Apresentação do Caso de Estudo Empresa XPTO Realidade Atual Carmen Lourenço, Guilherme Amaral e Hugo Costa 13
  • 14. Empresa XPTO - Apresentação ◦ Apresentação da Empresa A empresa XPTO dedica-se à produção de componentes plásticos de alta precisão e elevado rigor dimensional, de acordo com as necessidades dos seus clientes, de diferentes indústrias. Tem como áreas de negócio principais a automóvel, eléctrica e consumer. ◦ Processo de Fabrico Tradicionalmente a transformação dos produtos é feita em 2 processos distintos, Injeção e Montagem. A secção de Injeção recebe matéria-prima plástica e insertos metálicos, e entrega peças em plástico com os insertos sobre- moldados. A Montagem, por sua vez, liga as diversas peças e componentes, normalmente por meios de soldadura ou encastramento. ◦ Objetivos a alcançar Há 1 ano atrás a XPTO instalou o seu primeiro circuito Mizusumashi e atualmente está totalmente implantado na sua secção de Montagem. O desafio agora é alargar o conceito também à secção de Injeção. O objetivo deste trabalho é dimensionar o bordo de linha para as células da Injeção. Carmen Lourenço, Guilherme Amaral e Hugo Costa 14 Exemplo de peça plástica com insertos sobre-moldados
  • 15. Empresa XPTO – Layout Atual Carmen Lourenço, Guilherme Amaral e Hugo Costa 15 Atualmente o abastecimento à secção de injeção é feita por 2 corredores de 4m de largura, que corresponde à largura mínima de trabalho do empilhador. No corredor A é abastecida a matéria- prima plástica em sacos de 25kg e são devolvidos os resíduos de embalagem No corredor B são abastecidos os insertos e a embalagem, e são entregues as peças, resíduos de plástico e resíduos de embalagem CorredorA CorredorB
  • 16. Empresa XPTO - Realidade Atual na Injeção Atualmente cada máquina têm à sua frente (junto ao corredor B) 3 espaços de palete, sendo estes preenchidos sem clara distinção entre as entradas e saídas. Neste caso, a foto mostra produto acabado à esquerda, embalagem ao meio, e mais uma palete de embalagem que acabou de chegar. Há ainda outras entradas e saídas feitas pelo corredor B que não estão visíveis nesta foto, como os insertos, os resíduos da embalagem dos insertos e resíduos plásticos. Estes estão acondicionados na lateral da máquina. Toda esta movimentação de produtos e matérias-primas é feita pelos operadores de forma arrítmica e sem método. Provocando um enorme desperdício de tempo nas movimentações e perda de produtividade. Carmen Lourenço, Guilherme Amaral e Hugo Costa 16
  • 17. Empresa XPTO - Realidade Atual na Injeção Principais Problemas ◦ Enorme desperdício de tempo nas movimentações; ◦ Consequente perda de produtividade; ◦ Exige corredor com 4 metros de largura; ◦ Propícia o erro de enviar caixa vazia no meio de caixas cheias; ◦ Ocupa muito espaço na área produtiva ; ◦ Obriga a que o lote mínimo de produção seja de 1 palete (neste caso 16 caixas). Carmen Lourenço, Guilherme Amaral e Hugo Costa 17
  • 18. Implementação do Bordo de Linha na empresa XPTO Proposta de ações que visem a implementação do Bordo de Linha na secção de Injeção na empresa XPTO Carmen Lourenço, Guilherme Amaral e Hugo Costa 18
  • 19. Caso de estudo – Empresa XPTO ◦ Objetivos a alcançar 1. Reduzir tempos de movimentação; 2. Aumentar a produtividade disponibilizando o material certo, no local e na hora certa; 3. Reduzir o espaço ocupado pelos materiais nas áreas produtivas; 4. Reduzir a largura dos corredores para 1,5 metros; 5. Reduzir o lote; 6. Reduzir as tarefas externas associadas ao changeover; 7. Reduzir a percentagem de defeitos de fabrico com referências trocadas.
  • 20. Proposta de plano de ações Tendo por base que o Mizusumashi tem disponibilidade para passar na injeção 1x/hora, a equipa de implementação deverá seguir os seguintes passos: ◦ Determinar o pitch-time para cada referência (tanto de produtos, como de matérias-primas); ◦ Determinar a quantidades de caixas que é necessário abastecer/recolher por hora, arredondado para cima; ◦ Em cada célula de injeção, verificar todas as referências que são nela produzidas/consumidas e dimensionar a estrutura do bordo de linha de acordo com o volume ocupado pelas embalagens. Carmen Lourenço, Guilherme Amaral e Hugo Costa 20
  • 21. Dimensionamento do Bordo de Linha – Exemplo de uma Célula de Injeção Carmen Lourenço, Guilherme Amaral e Hugo Costa 21 Ref. Descrição Sentido do fluxo TC (s) Quantidade por caixa [un] Pitch-time [min] 12930 REACTION PLATE ASSY B02E recolhido 20 50 16,67 00023 Embalagem TRW 600/400/300 abastecido 50 16,67 12933 CONTACT PLATE 34231546 abastecido 250 83,33 89138 Resíduos de plástico recolhido 500 166,67 00001 Resíduos de cartão CONTACT PLATE recolhido 500 166,67 Neste exemplo é descrito o método para dimensionar o bordo de linha do corredor B, numa determinada célula, que produz apenas uma referência. Passo 1 – Determinar o pitch-time de cada referência:
  • 22. Dimensionamento do Bordo de Linha – Exemplo de uma Célula de Injeção Carmen Lourenço, Guilherme Amaral e Hugo Costa 22 Ref. Descrição Sentido do fluxo Pitch-time [min] Caixas por hora (arredondado para cima) 12930 REACTION PLATE ASSY B02E recolhido 16,67 4 00023 Embalagem TRW 600/400/300 abastecido 16,67 4 12933 CONTACT PLATE 34231546 abastecido 83,33 1 89138 Resíduos de plástico recolhido 166,67 1 00001 Resíduos de cartão CONTACT PLATE recolhido 166,67 1 Passo 2 – Determinar a quantidades de caixas que é necessário abastecer/recolher por hora, arredondado para cima, tendo por base que o Mizu passa 1x/hora:
  • 23. Dimensionamento do Bordo de Linha – Exemplo de uma Célula de Injeção Carmen Lourenço, Guilherme Amaral e Hugo Costa 23 Ref. Descrição Sentido do fluxo Caixas por hora (arredondado para cima) Volume da embalagem [mm3] 12930 REACTION PLATE ASSY B02E recolhido 4 600 x 400 x 300 00023 Embalagem TRW 600/400/300 abastecido 4 600 x 400 x 300 12933 CONTACT PLATE 34231546 abastecido 1 200 x 200 x 100 89138 Resíduos de plástico recolhido 1 (peso excede 10 kg) 600 x 400 x 400 00001 Resíduos de cartão CONTACT PLATE recolhido 1 200 x 200 x 40 Passo 3 – Determinar a estrutura do bordo de linha:
  • 24. Dimensionamento do Bordo de Linha – Exemplo de uma Célula de Injeção Carmen Lourenço, Guilherme Amaral e Hugo Costa 24 Proposta para estrutura do bordo de linha: Vista Lateral Corredor BCélula de Injeção
  • 25. Plano de Ações Carmen Lourenço, Guilherme Amaral e Hugo Costa 25 Objetivo Ação Recursos Respons. Prazo 1, 2, 3, 4, 5 e 7 Encomendar estrutura para o armário de bordo de linha de acordo com o preconizado no passo 3. Externos Dep. Compras 31/08/2019 3, 4 Redimensionar corredor B para 1,5 mts, suficientes para passagem do Mizusumashi. Internos Dep. Logística / Manutenção 31/08/19 De modo a dar cumprimento aos objetivos definidos e implementar o bordo de linha sugere-se então a implementação do seguinte plano de ações:
  • 26. Plano de Ações (Cont.) Carmen Lourenço, Guilherme Amaral e Hugo Costa 26 Objetivo Ação Recursos Respons. Prazo 1, 2, 3, 4, 5 e 7 Programar passagem do Mizusumashi para reposição de matéria prima e recolha de peças acabadas resíduos de acordo com o Passo 2. Internos Dep. Logística / Manutenção 31/08/19 1, 2, 6 e 7 Formação dos operadores para correcta utilização da estrutura do Bordo de Linha. Internos Dep. RH 31/08/19
  • 27. Bordo de Linha Bibliografia Carmen Lourenço, Guilherme Amaral e Hugo Costa 27
  • 28. Bibliografia ◦ Lourenço, J. (2017), Aplicação de Ferramentas Lean: Melhoria do Processo de Montagem de uma Linha. Dissertação apresentada para a obtenção do grau de Mestre em Engenharia e gestão industrial. Faculdade de ciências e Tecnologia – Universidade de Coimbra. Acedido em 06/07/2019 Em: https://estudogeral.sib.uc.pt/bitstream/10316/82936/1/disserta%C3%A7%C3%A3o%202017- %20jacinto%20Loure%C3%A7o.pdf ◦ Fevereiro, R. (2012), Definição de Layout, Fluxos de Produção e Capacidades de uma fábrica de produção de carroçarias na CaetanoBus,S.A. Dissertação de Mestrado- Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto, 2012. Acedido em 06/07/2019 Em: https://repositorio- aberto.up.pt/bitstream/10216/68348/1/000154689.pdf ◦ Cruz, N. (2013) Implementação de ferramentas Lean Manufacturing no processo de injeção de plásticos. Tese de Mestrado- Ciclo de Estudos Integrados Conducentes ao Grau de Mestre em Engenharia e Gestão Industrial – Universidade do Minho Acedido em 06/07/2019 Em: https://repositorium.sdum.uminho.pt/bitstream/1822/26677/1/Dissertacao_MIEGI_Nuno%20Cruz_201 3.pdf Carmen Lourenço, Guilherme Amaral e Hugo Costa 28