SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 20
Baixar para ler offline
EQUIPAMENTO DE MAMOGRAFIA – MAMOMMAT 1000 SIEMENS
ANATOMIA DA MAMA
Na mulher adulta, a glândula mamária ou mama, é uma saliência cônica ou
hemisférica localizada na parede torácica anterior e lateral. Há grande variação no
seu tamanho de um indivíduo para outro e até na mesma mulher, dependendo de
sua idade e da influência de vários hormônios. Entretanto, a mama normalmente
estende-se da porção anterior da segunda costela até a sexta ou sétima costela, e
da borda lateral do esterno até a axila.
ANATOMIA DE SUPERFÍCIE
A anatomia de superfície incluí o mamilo, uma pequena projeção que contém
uma coleção de abertura de ductos proveniente das glândulas secretoras no interior
do tecido mamário. A área pigmentada que circunda o mamilo é denominada de
aréola, definida como uma área circular de cor diferente que circunda um ponto
central. A junção da parte inferior da mama com a parte anterior do tórax é chamada
prega inframamária. O prolongamento axilar é uma faixa de tecido que envolve o
músculo peitoral lateralmente.
ASPECTOS PRÁTICOS: COMPRESSÃO E CÉLULA FOTOELÉTRICA
A compressão da mama pode interferir drasticamente na qualidade do exame.
A compressão tem a finalidade de fixar a mama e mantê-la em uma posição
desejada diminuindo-se assim o risco de radiografias tremidas. Com a Compressão
obtém-se uma redução na espessura da mama. Nesses casos minimiza-se a dose
de exposição, reduz-se o borramento indesejável, permitindo que toda a mama
passe a Ter a mesma espessura. Outra vantagem da compressão é a possibilidade
de que as estruturas fiquem esparramadas facilitando a análise do exame e
diminuindo o risco de falsas imagens criadas por superposição de estruturas.
A compressão não pode em hipótese alguma, se tornar uma agressão à
paciente, pois se traumatizada, ela poderá nunca mais voltar a fazer uma
mamografia. Existe um limite muito tênue entre a compressão ideal e a tolerada pela
paciente, cabendo a técnica considerar o estado emocional em que a mulher se
encontra descobrir esse limite individual para fazer uma boa compressão sem
traumatizá-la.
CRÂNIO-CAUDAL (CC)
A mama é projetada com o feixe de raios-x indo da cabeça em direção aos
pés. Toma-se
o cuidado de tracioná-la para que não seja excluída nenhuma região. Como a mama
possui certa mobilidade em relação à caixa torácica, devemos lançar mão desse
recurso para um melhor posicionamento em c.c. A radiografia com a mama na
posição relaxada não possibilita um bom posicionamento. deve-se suspender a
mama até o seu ponto de mobilidade máxima, levando o chassis até o vértice da
mama com a parede do abdômen (sulco-inframamário)e, dai, tracioná-la. A figura
abaixo ilustra a mobilidade máxima da mama, e a linha pontilhada representa a
mama em sua posição relaxada. Após suspender a mama deve-se tracioná-la e sem
soltá-la, efetuar a compressão.
Na figura 10 vê-se a mama radiografada na incidência crânio-caudal, que deve
mostrar toda a área do parênquima, atrás a área de gordura e mais posteriormente o
músculo peitoral. Nem sempre é ver possível o músculo peitoral em c.c., mas se não
aparecer à área de gordura atrás da área do parênquima, isso indica que a mama
não foi bem posicionada.
A figura acima representa o esquema de mobilidade máxima da mama; a
linha pontilhada representa a mama em sua posição relaxada e, após a sua
suspensão, é possível tracionar com mais eficiência a mama.
MÉDIO-LATERAL-OBLÍQUA (MLO)
A mama é projetada com o feixe de raios x indo da região medial para a
lateral oblíqua. A angulação do tubo de raios x pode variar de 45 à 60 graus de
acordo com o eixo da mama da paciente na sua caixa torácica, ou seja, de acordo
com o biótipo de cada paciente. A técnica em radiologia encontrará dificuldades para
executar o posicionamento no caso de angulações incorretas, pois surgirão
problemas como dobras de pele ou exclusão de áreas importantes ao exame. Após
a escolha da angulação do equipamento, deve-se escolher o ponto onde devera ser
colocado o canto do bucky. Para isso, mentalmente, deve-se dividir a axila da
paciente em três partes, colocando-se o canto do bucky no seu terço posterior. Essa
escolha é importante para que se possa incluir boa parte da região axilar e do
músculo peitoral na radiografia. Em seguida a técnica, ainda posicionada por trás,
deve elevar o braço da paciente e depositá-lo sobre a lateral do bucky, tomando o
cuidado de posicionar o terço posterior da axila no canto do bucky, orientando-a para
apoiar a mão na lateral do aparelho e manter a musculatura do braço e do ombro
relaxada. Deve-se atentar para que o ombro e o cotovelo da paciente não estejam
erguidos, pois implicará na contração da musculatura e um aumento na dificuldade
de se executar esse posicionamento. Após esse procedimento, a técnica se dirigi
para a frente da paciente e começa a tracionar a mama, desde a sua porção mais
lateral.
Figuras 26 e 27 -Escolha da angulação do aparelho. O bucky deve ser angulado
seguindo o eixo da caixa torácica. Em cada exemplo o bucky está posicionado com
angulações diferentes, devido ao diferente biótipo de cada paciente.
Durante o posicionamento da incidência MLO, a técnica deve continuar
mantendo a atenção no corpo da paciente para que esta não recue ou contraia a sua
musculatura. Em seguida, ainda mantendo a atenção sobre a musculatura da
paciente, a técnica deve, com uma das mãos, tracionar para frente e suspender a
mama. Com a outra mão sobre o ombro da paciente, abraçando-a, atentar para que
a mesma mantenha o ombro relaxado sobre o bucky, efetuando, ai, a compressão.
Enquanto a mama não estiver totalmente comprimida a técnica não deve soltá-la,
pois ela penderá e deixará de ficar bem posicionada.
Fig. 28 – Como a mama será comprimida Fig. 29 – Escolha do ponto onde será
na incidência MLO colocado o canto do bucky.
Figuras 30 e 31 - Colocando o braço da paciente sobre a lateral do bucky.
Figuras 33 e 34- Seqüência de movimentos da técnica que, durante a compressão,
mantém a mama tracionada e vai deslocando a sua mão para frente até que a
compressão esteja completa. Observe que o sulco inframamário (seta) deve estar
incluído na imagem, mas sem pregas de pele.
Figura 35 - Imagem em incidência médio-lateral-oblíqua bem posicionada. Note a
boa porção do músculo peitoral e o vértice entre a mama e o abdômen (sulco
inframamário). Alguns sinais podem indicar que a mama foi bem posicionada:
aparecer o sulco inframamário e, se for traçada uma linha imaginaria do vértice do
peitoral até o mamilo, esta linha deve estar paralela (ou quase) à borda inferior do
filme.
Fig. 35
OS ARTEFATOS
Conforme um programa de acreditação do American College of Radiology (ACR), em
que foram analisados 2.341 exames de mamografia, os artefatos foram reportados
como o sexto problema em ordem de importância, sendo responsáveis por 11% das
falhas no exame. Os tipos mais encontrados foram determinados por pó ou poeira,
linhas da grade e marcas dos rolos do processador .
Artefatos são defeitos no processamento do filme ou qualquer variação na densidade
mamográfica não causada por atenuação real da mama (incluindo corpos estranhos
e dispositivos médicos implantados). Eles comprometem a qualidade final da
imagem e podem resultar em informações perdidas ou mascaradas, incluindo
resultados falso-positivos e falso-negativos. Há numerosos tipos de artefatos
derivados de diversas fontes na aquisição da imagem, todos resultando na
degradação da imagem obtida. Os artefatos podem ser relacionados ao
processador, ao desempenho do técnico de radiologia, à unidade mamográfica ou ao
paciente. Quando se examina um filme com relação aos possíveis artefatos, é
importante tentar isolar o artefato, identificar sua fonte e fazer qualquer correção
necessária para eliminar sua causa. Neste sentido, vários fatores devem ser
considerados, incluindo a posição do artefato e suas características, como
densidade, forma e distribuição na imagem.
Radiologistas e técnicos de mamografia devem estar familiarizados com os
numerosos artefatos que podem criar falsas lesões ou mascarar verdadeiras
anormalidades. Neste sentido, este artigo tem como objetivo apresentar os artefatos
mais encontrados na prática diária, acompanhados de suas ilustrações
imaginológicas, apontando suas diversas fontes, meios de identificação e como de
evitá-los.
ARTEFATO: MARCA DE UNHA ANTES DA EXPOSIÇÃO ARTEFATO: MARCA DE UNHA APÓS A EXPOSIÇÃO
CARREGAMENTO INCORRETO DO FILME NO CHASSI CHASSI COLOCADO AO CONTRÁRIO NO BUCHY
EMULSÃO LADO OPOSTO AO ECRAN
ARTEFATO DE ELETRICIDADE ESTÁTICA
DISCUSSÃO
Os artefatos podem representar empecilhos a um diagnóstico mamográfico fiel.
Radiologistas e técnicos devem estar familiarizados com a gama de artefatos
existentes e devem também ser aptos ao rápido reconhecimento de sua fonte,
minimizando, assim, custos e exposição do paciente à radiação.
A implementação de um programa de controle de qualidade demonstrou eficácia na
redução do índice de rejeição de filmes de 21% para 7,7%. Isso foi atribuído
principalmente a iniciativas como treinamento de técnicos, manutenção de
parâmetros sensitométricos do processamento, manutenção periódica do
mamógrafo, limpeza periódica da processadora e abertura da tampa superior
durante a noite, e preparo e manutenção correta dos produtos químicos. Constatou-
se ainda a redução do aparecimento de artefatos, otimizando a qualidade final da
radiografia mamária e redução de gastos.
CONCLUSÃO
Uma rotina de prevenção e detecção de artefatos e um efetivo controle de qualidade
no processo de aquisição de imagem radiográfica da mama podem ser facilmente
incorporados pelo serviço de mamografia, resultando em exames mais fiéis,
diagnósticos mais acurados e redução dos custos.
CONTROLE DE QUALIDADEDE IMAGEM
MASTECTOMIA TOTAL
CIRURGIAS DA MAMA
(QUADRANTES)
CIRURGIAS DA MAMA
CASO DE METÁSTASE CEREBRAL
Fem. 45 a. Ca. mama em tratamento desde 3/98. Massa em toda a mama D, ulcerada, com
comprometimento linfonodal. T4N2M0. Mastectomia radical. Carcinoma ductal invasivo grau
3 histológico e grau 3 nuclear. Padrão apócrino com comprometimento de mamilo. Em 11/98
redução do nível de consciência para Glasgow 3. Punção da lesão cística parietal com saída de
líquido hipertenso de cor acastanhada. Citologia – adenocarcinoma pouco diferenciado.
Metástase cística parietal posterior E. Em 8/12/98 : linfonodos axilares comprometidos, com
extensão extranodal. Receptores hormonais negativos. Óbito.
Tomografia computadorizada
TUMOR
Ressonância Magnética
T1 sem contraste T1 com contraste T2
Tumor tumor tumor
ULTRASSONAGRAFIA DE MAMAS
CISTO MAMÁRIO
galactocele –
No interior do cisto encontram-se material róseo, amorfo,
macrófagos e cristais de colesterol.
Fibroadenoma juvenil
NEOPLASIA MALÍGNAS DA MAMA
DEFORMIDADE DA PELE
CARCINOMA IN SITU
MICROCALCIFICAÇÕES
COMEDO
CARCINOMA IN SITU
CARCINOMA DUCTAL
INVASIVO

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

01 intercorrências em mamoplastia de aumento para enviar por e mail
01 intercorrências em mamoplastia de aumento para enviar por e mail01 intercorrências em mamoplastia de aumento para enviar por e mail
01 intercorrências em mamoplastia de aumento para enviar por e mailleorinx1
 
1 mastoplastia e mastopexia
1 mastoplastia e mastopexia1 mastoplastia e mastopexia
1 mastoplastia e mastopexiaconexaocefai
 
A qualidade do ponto de vista médico mamografia
A qualidade do ponto de vista médico    mamografiaA qualidade do ponto de vista médico    mamografia
A qualidade do ponto de vista médico mamografiaGerciane Neves
 
Tudo sobre mamoplastia de aumento
Tudo sobre mamoplastia de aumentoTudo sobre mamoplastia de aumento
Tudo sobre mamoplastia de aumentoClinica CMP
 
Cefai mastoplastia e mastopexia
Cefai mastoplastia e mastopexiaCefai mastoplastia e mastopexia
Cefai mastoplastia e mastopexiaconexaocefai
 
Aula cirurgia plástica
Aula cirurgia plásticaAula cirurgia plástica
Aula cirurgia plásticaLiliane Ennes
 
Cefai tratamento pré e pós mastoplastia redutora e mastopexia
Cefai tratamento pré e pós mastoplastia redutora e mastopexiaCefai tratamento pré e pós mastoplastia redutora e mastopexia
Cefai tratamento pré e pós mastoplastia redutora e mastopexiaconexaocefai
 
Cirurgias Plásticas - Riscos e Benefícios
Cirurgias Plásticas - Riscos e Benefícios Cirurgias Plásticas - Riscos e Benefícios
Cirurgias Plásticas - Riscos e Benefícios Made Marketing
 
Tudo sobre abdominoplastia
Tudo sobre abdominoplastiaTudo sobre abdominoplastia
Tudo sobre abdominoplastiaClinica CMP
 
Tipos de complicações em cirurgia plástica e anestesias
Tipos de complicações em cirurgia plástica e anestesiasTipos de complicações em cirurgia plástica e anestesias
Tipos de complicações em cirurgia plástica e anestesiasconexaocefai
 

Mais procurados (20)

01 intercorrências em mamoplastia de aumento para enviar por e mail
01 intercorrências em mamoplastia de aumento para enviar por e mail01 intercorrências em mamoplastia de aumento para enviar por e mail
01 intercorrências em mamoplastia de aumento para enviar por e mail
 
Mamoplastias 2ª parte
Mamoplastias   2ª parteMamoplastias   2ª parte
Mamoplastias 2ª parte
 
1 mastoplastia e mastopexia
1 mastoplastia e mastopexia1 mastoplastia e mastopexia
1 mastoplastia e mastopexia
 
Cirurgia oncoplástica da_mama
Cirurgia oncoplástica da_mamaCirurgia oncoplástica da_mama
Cirurgia oncoplástica da_mama
 
1 mamo1
1 mamo11 mamo1
1 mamo1
 
A qualidade do ponto de vista médico mamografia
A qualidade do ponto de vista médico    mamografiaA qualidade do ponto de vista médico    mamografia
A qualidade do ponto de vista médico mamografia
 
Tudo sobre mamoplastia de aumento
Tudo sobre mamoplastia de aumentoTudo sobre mamoplastia de aumento
Tudo sobre mamoplastia de aumento
 
Tipos de Mamoplastia
 Tipos de Mamoplastia  Tipos de Mamoplastia
Tipos de Mamoplastia
 
Mamografia
MamografiaMamografia
Mamografia
 
Cefai mastoplastia e mastopexia
Cefai mastoplastia e mastopexiaCefai mastoplastia e mastopexia
Cefai mastoplastia e mastopexia
 
Noçoes de mamografia
Noçoes de mamografiaNoçoes de mamografia
Noçoes de mamografia
 
Mamo. 07
Mamo. 07Mamo. 07
Mamo. 07
 
Aula cirurgia plástica
Aula cirurgia plásticaAula cirurgia plástica
Aula cirurgia plástica
 
Cefai tratamento pré e pós mastoplastia redutora e mastopexia
Cefai tratamento pré e pós mastoplastia redutora e mastopexiaCefai tratamento pré e pós mastoplastia redutora e mastopexia
Cefai tratamento pré e pós mastoplastia redutora e mastopexia
 
Rm mamas
Rm mamasRm mamas
Rm mamas
 
Cirurgias Plásticas - Riscos e Benefícios
Cirurgias Plásticas - Riscos e Benefícios Cirurgias Plásticas - Riscos e Benefícios
Cirurgias Plásticas - Riscos e Benefícios
 
Tudo sobre abdominoplastia
Tudo sobre abdominoplastiaTudo sobre abdominoplastia
Tudo sobre abdominoplastia
 
Métodos de biópsia no cancer de mama
Métodos de biópsia no cancer de mamaMétodos de biópsia no cancer de mama
Métodos de biópsia no cancer de mama
 
Tipos de complicações em cirurgia plástica e anestesias
Tipos de complicações em cirurgia plástica e anestesiasTipos de complicações em cirurgia plástica e anestesias
Tipos de complicações em cirurgia plástica e anestesias
 
Exame Clínico das Mamas
Exame Clínico das MamasExame Clínico das Mamas
Exame Clínico das Mamas
 

Semelhante a Apostila mamo tec

Mamografia aula
Mamografia aulaMamografia aula
Mamografia aularadiomed
 
Apostila mamografia final
Apostila mamografia finalApostila mamografia final
Apostila mamografia finalGerciane Neves
 
Incidências e achados básicos em Mamografia - Gabi.pptx
Incidências e achados básicos em Mamografia - Gabi.pptxIncidências e achados básicos em Mamografia - Gabi.pptx
Incidências e achados básicos em Mamografia - Gabi.pptxGabrielaAmaral56
 
Resenha critica sobre resonancia magnetica pronto para enviar
Resenha critica sobre resonancia magnetica pronto para enviarResenha critica sobre resonancia magnetica pronto para enviar
Resenha critica sobre resonancia magnetica pronto para enviarElanne Cristina
 
Outubro Rosa – Prevenção do CA de mama.pptx
Outubro Rosa – Prevenção do CA de mama.pptxOutubro Rosa – Prevenção do CA de mama.pptx
Outubro Rosa – Prevenção do CA de mama.pptxRaianePereira17
 
Termo de Consentimento de Prótese Mamária.doc
Termo de Consentimento de Prótese Mamária.docTermo de Consentimento de Prótese Mamária.doc
Termo de Consentimento de Prótese Mamária.docBrunno Rosique
 
apresentação mamo
apresentação mamoapresentação mamo
apresentação mamoLuanaNeves30
 
Seminário Ap e Perfil de Escápula
Seminário Ap e Perfil de EscápulaSeminário Ap e Perfil de Escápula
Seminário Ap e Perfil de EscápulaCristiane Dias
 
Protocolo de Mamas Ressonância Magnética
Protocolo de Mamas Ressonância MagnéticaProtocolo de Mamas Ressonância Magnética
Protocolo de Mamas Ressonância MagnéticaAlex Eduardo Ribeiro
 
Trabalho da sueli anatomia das mamas
Trabalho da sueli anatomia das mamasTrabalho da sueli anatomia das mamas
Trabalho da sueli anatomia das mamasNalvinha Marques
 
Trabalho Mastectomia.pptx
Trabalho Mastectomia.pptxTrabalho Mastectomia.pptx
Trabalho Mastectomia.pptxIsaqueLS
 

Semelhante a Apostila mamo tec (20)

Mamografia.pdf
Mamografia.pdfMamografia.pdf
Mamografia.pdf
 
quarta aula.pptx
quarta aula.pptxquarta aula.pptx
quarta aula.pptx
 
Mamografia aula
Mamografia aulaMamografia aula
Mamografia aula
 
Mamografia
MamografiaMamografia
Mamografia
 
Apostila mamografia final
Apostila mamografia finalApostila mamografia final
Apostila mamografia final
 
MAMOGRAFIA
MAMOGRAFIA MAMOGRAFIA
MAMOGRAFIA
 
Incidências e achados básicos em Mamografia - Gabi.pptx
Incidências e achados básicos em Mamografia - Gabi.pptxIncidências e achados básicos em Mamografia - Gabi.pptx
Incidências e achados básicos em Mamografia - Gabi.pptx
 
Resenha critica sobre resonancia magnetica pronto para enviar
Resenha critica sobre resonancia magnetica pronto para enviarResenha critica sobre resonancia magnetica pronto para enviar
Resenha critica sobre resonancia magnetica pronto para enviar
 
Mamo. 06
Mamo. 06Mamo. 06
Mamo. 06
 
Outubro Rosa – Prevenção do CA de mama.pptx
Outubro Rosa – Prevenção do CA de mama.pptxOutubro Rosa – Prevenção do CA de mama.pptx
Outubro Rosa – Prevenção do CA de mama.pptx
 
Termo de Consentimento de Prótese Mamária.doc
Termo de Consentimento de Prótese Mamária.docTermo de Consentimento de Prótese Mamária.doc
Termo de Consentimento de Prótese Mamária.doc
 
MAMOGRAFIA.pptx
MAMOGRAFIA.pptxMAMOGRAFIA.pptx
MAMOGRAFIA.pptx
 
apresentação mamo
apresentação mamoapresentação mamo
apresentação mamo
 
Mamo. 05
Mamo. 05Mamo. 05
Mamo. 05
 
Seminário Ap e Perfil de Escápula
Seminário Ap e Perfil de EscápulaSeminário Ap e Perfil de Escápula
Seminário Ap e Perfil de Escápula
 
Protocolo de Mamas Ressonância Magnética
Protocolo de Mamas Ressonância MagnéticaProtocolo de Mamas Ressonância Magnética
Protocolo de Mamas Ressonância Magnética
 
mamo.pdf
mamo.pdfmamo.pdf
mamo.pdf
 
Trabalho da sueli anatomia das mamas
Trabalho da sueli anatomia das mamasTrabalho da sueli anatomia das mamas
Trabalho da sueli anatomia das mamas
 
Trabalho Mastectomia.pptx
Trabalho Mastectomia.pptxTrabalho Mastectomia.pptx
Trabalho Mastectomia.pptx
 
1401
14011401
1401
 

Mais de Isabel Canova

ARTEFATOS EM TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA CAUSADA POR DESCALIBRAÇÃO
ARTEFATOS EM TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA CAUSADA POR DESCALIBRAÇÃOARTEFATOS EM TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA CAUSADA POR DESCALIBRAÇÃO
ARTEFATOS EM TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA CAUSADA POR DESCALIBRAÇÃOIsabel Canova
 
PROTEÇÃO RADIOLOGICA INTERVENCIONISTA.pptx
PROTEÇÃO RADIOLOGICA INTERVENCIONISTA.pptxPROTEÇÃO RADIOLOGICA INTERVENCIONISTA.pptx
PROTEÇÃO RADIOLOGICA INTERVENCIONISTA.pptxIsabel Canova
 
E-book_de_Tomografia.pdf - mini curso para iniciantes da área de radiologia.
E-book_de_Tomografia.pdf - mini curso para iniciantes da área de radiologia.E-book_de_Tomografia.pdf - mini curso para iniciantes da área de radiologia.
E-book_de_Tomografia.pdf - mini curso para iniciantes da área de radiologia.Isabel Canova
 
IRRADIAÇÃO PEDRAS PRECIOSAS-compactado.pdf
IRRADIAÇÃO PEDRAS PRECIOSAS-compactado.pdfIRRADIAÇÃO PEDRAS PRECIOSAS-compactado.pdf
IRRADIAÇÃO PEDRAS PRECIOSAS-compactado.pdfIsabel Canova
 
SCANERS - Radiologia Industrial Segurança
SCANERS - Radiologia Industrial SegurançaSCANERS - Radiologia Industrial Segurança
SCANERS - Radiologia Industrial SegurançaIsabel Canova
 
Acidente radiologico de_goiania
Acidente radiologico de_goianiaAcidente radiologico de_goiania
Acidente radiologico de_goianiaIsabel Canova
 
Sistema cardiovascular
Sistema cardiovascularSistema cardiovascular
Sistema cardiovascularIsabel Canova
 
Meios de contraste na tomografia
Meios de contraste na tomografiaMeios de contraste na tomografia
Meios de contraste na tomografiaIsabel Canova
 
Apostila de esofagografia
Apostila de esofagografiaApostila de esofagografia
Apostila de esofagografiaIsabel Canova
 

Mais de Isabel Canova (12)

ARTEFATOS EM TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA CAUSADA POR DESCALIBRAÇÃO
ARTEFATOS EM TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA CAUSADA POR DESCALIBRAÇÃOARTEFATOS EM TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA CAUSADA POR DESCALIBRAÇÃO
ARTEFATOS EM TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA CAUSADA POR DESCALIBRAÇÃO
 
PROTEÇÃO RADIOLOGICA INTERVENCIONISTA.pptx
PROTEÇÃO RADIOLOGICA INTERVENCIONISTA.pptxPROTEÇÃO RADIOLOGICA INTERVENCIONISTA.pptx
PROTEÇÃO RADIOLOGICA INTERVENCIONISTA.pptx
 
E-book_de_Tomografia.pdf - mini curso para iniciantes da área de radiologia.
E-book_de_Tomografia.pdf - mini curso para iniciantes da área de radiologia.E-book_de_Tomografia.pdf - mini curso para iniciantes da área de radiologia.
E-book_de_Tomografia.pdf - mini curso para iniciantes da área de radiologia.
 
IRRADIAÇÃO PEDRAS PRECIOSAS-compactado.pdf
IRRADIAÇÃO PEDRAS PRECIOSAS-compactado.pdfIRRADIAÇÃO PEDRAS PRECIOSAS-compactado.pdf
IRRADIAÇÃO PEDRAS PRECIOSAS-compactado.pdf
 
SCANERS - Radiologia Industrial Segurança
SCANERS - Radiologia Industrial SegurançaSCANERS - Radiologia Industrial Segurança
SCANERS - Radiologia Industrial Segurança
 
Acidente radiologico de_goiania
Acidente radiologico de_goianiaAcidente radiologico de_goiania
Acidente radiologico de_goiania
 
Sistema cardiovascular
Sistema cardiovascularSistema cardiovascular
Sistema cardiovascular
 
Escaladehounsfild
EscaladehounsfildEscaladehounsfild
Escaladehounsfild
 
Meios de contraste na tomografia
Meios de contraste na tomografiaMeios de contraste na tomografia
Meios de contraste na tomografia
 
Esofagografia
EsofagografiaEsofagografia
Esofagografia
 
Apostila de esofagografia
Apostila de esofagografiaApostila de esofagografia
Apostila de esofagografia
 
1 neonatal modulo1
1 neonatal modulo11 neonatal modulo1
1 neonatal modulo1
 

Último

os-principios-das-leis-da-genetica-ou-mendelianas.ppt
os-principios-das-leis-da-genetica-ou-mendelianas.pptos-principios-das-leis-da-genetica-ou-mendelianas.ppt
os-principios-das-leis-da-genetica-ou-mendelianas.pptfernandoalvescosta3
 
63mmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm7769.pdf
63mmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm7769.pdf63mmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm7769.pdf
63mmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm7769.pdfLEANDROSPANHOL1
 
Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções.pdf
Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções.pdfAromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções.pdf
Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções.pdfanalucia839701
 
aula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteina
aula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteinaaula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteina
aula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteinajarlianezootecnista
 
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdfDengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdfEduardoSilva185439
 
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTAL
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTALDEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTAL
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTALCarlosLinsJr
 
MICROBIOLOGIA aula curso tecnico em enfermagem.pdf
MICROBIOLOGIA  aula  curso tecnico em enfermagem.pdfMICROBIOLOGIA  aula  curso tecnico em enfermagem.pdf
MICROBIOLOGIA aula curso tecnico em enfermagem.pdfkathleenrichardanton
 
avaliação pratica. pdf
avaliação pratica.                           pdfavaliação pratica.                           pdf
avaliação pratica. pdfHELLEN CRISTINA
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfPastor Robson Colaço
 
AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999
AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999
AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999vanessa270433
 
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I GESTaO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I  GESTaO.pdfPLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I  GESTaO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I GESTaO.pdfHELLEN CRISTINA
 
Técnica Shantala para bebês: relaxamento
Técnica Shantala para bebês: relaxamentoTécnica Shantala para bebês: relaxamento
Técnica Shantala para bebês: relaxamentoPamelaMariaMoreiraFo
 
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdfA HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdfMarceloMonteiro213738
 
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obrasosnikobus1
 

Último (14)

os-principios-das-leis-da-genetica-ou-mendelianas.ppt
os-principios-das-leis-da-genetica-ou-mendelianas.pptos-principios-das-leis-da-genetica-ou-mendelianas.ppt
os-principios-das-leis-da-genetica-ou-mendelianas.ppt
 
63mmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm7769.pdf
63mmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm7769.pdf63mmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm7769.pdf
63mmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm7769.pdf
 
Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções.pdf
Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções.pdfAromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções.pdf
Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções.pdf
 
aula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteina
aula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteinaaula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteina
aula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteina
 
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdfDengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
 
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTAL
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTALDEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTAL
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTAL
 
MICROBIOLOGIA aula curso tecnico em enfermagem.pdf
MICROBIOLOGIA  aula  curso tecnico em enfermagem.pdfMICROBIOLOGIA  aula  curso tecnico em enfermagem.pdf
MICROBIOLOGIA aula curso tecnico em enfermagem.pdf
 
avaliação pratica. pdf
avaliação pratica.                           pdfavaliação pratica.                           pdf
avaliação pratica. pdf
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
 
AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999
AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999
AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999
 
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I GESTaO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I  GESTaO.pdfPLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I  GESTaO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I GESTaO.pdf
 
Técnica Shantala para bebês: relaxamento
Técnica Shantala para bebês: relaxamentoTécnica Shantala para bebês: relaxamento
Técnica Shantala para bebês: relaxamento
 
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdfA HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
 
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
 

Apostila mamo tec

  • 1. EQUIPAMENTO DE MAMOGRAFIA – MAMOMMAT 1000 SIEMENS
  • 2. ANATOMIA DA MAMA Na mulher adulta, a glândula mamária ou mama, é uma saliência cônica ou hemisférica localizada na parede torácica anterior e lateral. Há grande variação no seu tamanho de um indivíduo para outro e até na mesma mulher, dependendo de sua idade e da influência de vários hormônios. Entretanto, a mama normalmente estende-se da porção anterior da segunda costela até a sexta ou sétima costela, e da borda lateral do esterno até a axila. ANATOMIA DE SUPERFÍCIE A anatomia de superfície incluí o mamilo, uma pequena projeção que contém uma coleção de abertura de ductos proveniente das glândulas secretoras no interior do tecido mamário. A área pigmentada que circunda o mamilo é denominada de aréola, definida como uma área circular de cor diferente que circunda um ponto central. A junção da parte inferior da mama com a parte anterior do tórax é chamada prega inframamária. O prolongamento axilar é uma faixa de tecido que envolve o músculo peitoral lateralmente.
  • 3. ASPECTOS PRÁTICOS: COMPRESSÃO E CÉLULA FOTOELÉTRICA A compressão da mama pode interferir drasticamente na qualidade do exame. A compressão tem a finalidade de fixar a mama e mantê-la em uma posição desejada diminuindo-se assim o risco de radiografias tremidas. Com a Compressão obtém-se uma redução na espessura da mama. Nesses casos minimiza-se a dose de exposição, reduz-se o borramento indesejável, permitindo que toda a mama passe a Ter a mesma espessura. Outra vantagem da compressão é a possibilidade de que as estruturas fiquem esparramadas facilitando a análise do exame e diminuindo o risco de falsas imagens criadas por superposição de estruturas. A compressão não pode em hipótese alguma, se tornar uma agressão à paciente, pois se traumatizada, ela poderá nunca mais voltar a fazer uma mamografia. Existe um limite muito tênue entre a compressão ideal e a tolerada pela paciente, cabendo a técnica considerar o estado emocional em que a mulher se encontra descobrir esse limite individual para fazer uma boa compressão sem traumatizá-la.
  • 4. CRÂNIO-CAUDAL (CC) A mama é projetada com o feixe de raios-x indo da cabeça em direção aos pés. Toma-se o cuidado de tracioná-la para que não seja excluída nenhuma região. Como a mama possui certa mobilidade em relação à caixa torácica, devemos lançar mão desse recurso para um melhor posicionamento em c.c. A radiografia com a mama na posição relaxada não possibilita um bom posicionamento. deve-se suspender a mama até o seu ponto de mobilidade máxima, levando o chassis até o vértice da mama com a parede do abdômen (sulco-inframamário)e, dai, tracioná-la. A figura abaixo ilustra a mobilidade máxima da mama, e a linha pontilhada representa a mama em sua posição relaxada. Após suspender a mama deve-se tracioná-la e sem soltá-la, efetuar a compressão.
  • 5. Na figura 10 vê-se a mama radiografada na incidência crânio-caudal, que deve mostrar toda a área do parênquima, atrás a área de gordura e mais posteriormente o músculo peitoral. Nem sempre é ver possível o músculo peitoral em c.c., mas se não aparecer à área de gordura atrás da área do parênquima, isso indica que a mama não foi bem posicionada. A figura acima representa o esquema de mobilidade máxima da mama; a linha pontilhada representa a mama em sua posição relaxada e, após a sua suspensão, é possível tracionar com mais eficiência a mama.
  • 6. MÉDIO-LATERAL-OBLÍQUA (MLO) A mama é projetada com o feixe de raios x indo da região medial para a lateral oblíqua. A angulação do tubo de raios x pode variar de 45 à 60 graus de acordo com o eixo da mama da paciente na sua caixa torácica, ou seja, de acordo com o biótipo de cada paciente. A técnica em radiologia encontrará dificuldades para executar o posicionamento no caso de angulações incorretas, pois surgirão problemas como dobras de pele ou exclusão de áreas importantes ao exame. Após a escolha da angulação do equipamento, deve-se escolher o ponto onde devera ser colocado o canto do bucky. Para isso, mentalmente, deve-se dividir a axila da paciente em três partes, colocando-se o canto do bucky no seu terço posterior. Essa escolha é importante para que se possa incluir boa parte da região axilar e do músculo peitoral na radiografia. Em seguida a técnica, ainda posicionada por trás, deve elevar o braço da paciente e depositá-lo sobre a lateral do bucky, tomando o cuidado de posicionar o terço posterior da axila no canto do bucky, orientando-a para apoiar a mão na lateral do aparelho e manter a musculatura do braço e do ombro relaxada. Deve-se atentar para que o ombro e o cotovelo da paciente não estejam erguidos, pois implicará na contração da musculatura e um aumento na dificuldade de se executar esse posicionamento. Após esse procedimento, a técnica se dirigi para a frente da paciente e começa a tracionar a mama, desde a sua porção mais lateral. Figuras 26 e 27 -Escolha da angulação do aparelho. O bucky deve ser angulado seguindo o eixo da caixa torácica. Em cada exemplo o bucky está posicionado com angulações diferentes, devido ao diferente biótipo de cada paciente. Durante o posicionamento da incidência MLO, a técnica deve continuar mantendo a atenção no corpo da paciente para que esta não recue ou contraia a sua musculatura. Em seguida, ainda mantendo a atenção sobre a musculatura da paciente, a técnica deve, com uma das mãos, tracionar para frente e suspender a mama. Com a outra mão sobre o ombro da paciente, abraçando-a, atentar para que a mesma mantenha o ombro relaxado sobre o bucky, efetuando, ai, a compressão. Enquanto a mama não estiver totalmente comprimida a técnica não deve soltá-la, pois ela penderá e deixará de ficar bem posicionada.
  • 7. Fig. 28 – Como a mama será comprimida Fig. 29 – Escolha do ponto onde será na incidência MLO colocado o canto do bucky. Figuras 30 e 31 - Colocando o braço da paciente sobre a lateral do bucky. Figuras 33 e 34- Seqüência de movimentos da técnica que, durante a compressão, mantém a mama tracionada e vai deslocando a sua mão para frente até que a compressão esteja completa. Observe que o sulco inframamário (seta) deve estar incluído na imagem, mas sem pregas de pele.
  • 8. Figura 35 - Imagem em incidência médio-lateral-oblíqua bem posicionada. Note a boa porção do músculo peitoral e o vértice entre a mama e o abdômen (sulco inframamário). Alguns sinais podem indicar que a mama foi bem posicionada: aparecer o sulco inframamário e, se for traçada uma linha imaginaria do vértice do peitoral até o mamilo, esta linha deve estar paralela (ou quase) à borda inferior do filme. Fig. 35
  • 9. OS ARTEFATOS Conforme um programa de acreditação do American College of Radiology (ACR), em que foram analisados 2.341 exames de mamografia, os artefatos foram reportados como o sexto problema em ordem de importância, sendo responsáveis por 11% das falhas no exame. Os tipos mais encontrados foram determinados por pó ou poeira, linhas da grade e marcas dos rolos do processador . Artefatos são defeitos no processamento do filme ou qualquer variação na densidade mamográfica não causada por atenuação real da mama (incluindo corpos estranhos e dispositivos médicos implantados). Eles comprometem a qualidade final da imagem e podem resultar em informações perdidas ou mascaradas, incluindo resultados falso-positivos e falso-negativos. Há numerosos tipos de artefatos derivados de diversas fontes na aquisição da imagem, todos resultando na degradação da imagem obtida. Os artefatos podem ser relacionados ao processador, ao desempenho do técnico de radiologia, à unidade mamográfica ou ao paciente. Quando se examina um filme com relação aos possíveis artefatos, é importante tentar isolar o artefato, identificar sua fonte e fazer qualquer correção necessária para eliminar sua causa. Neste sentido, vários fatores devem ser considerados, incluindo a posição do artefato e suas características, como densidade, forma e distribuição na imagem. Radiologistas e técnicos de mamografia devem estar familiarizados com os numerosos artefatos que podem criar falsas lesões ou mascarar verdadeiras anormalidades. Neste sentido, este artigo tem como objetivo apresentar os artefatos mais encontrados na prática diária, acompanhados de suas ilustrações imaginológicas, apontando suas diversas fontes, meios de identificação e como de evitá-los.
  • 10.
  • 11. ARTEFATO: MARCA DE UNHA ANTES DA EXPOSIÇÃO ARTEFATO: MARCA DE UNHA APÓS A EXPOSIÇÃO CARREGAMENTO INCORRETO DO FILME NO CHASSI CHASSI COLOCADO AO CONTRÁRIO NO BUCHY EMULSÃO LADO OPOSTO AO ECRAN ARTEFATO DE ELETRICIDADE ESTÁTICA
  • 12. DISCUSSÃO Os artefatos podem representar empecilhos a um diagnóstico mamográfico fiel. Radiologistas e técnicos devem estar familiarizados com a gama de artefatos existentes e devem também ser aptos ao rápido reconhecimento de sua fonte, minimizando, assim, custos e exposição do paciente à radiação. A implementação de um programa de controle de qualidade demonstrou eficácia na redução do índice de rejeição de filmes de 21% para 7,7%. Isso foi atribuído principalmente a iniciativas como treinamento de técnicos, manutenção de parâmetros sensitométricos do processamento, manutenção periódica do mamógrafo, limpeza periódica da processadora e abertura da tampa superior durante a noite, e preparo e manutenção correta dos produtos químicos. Constatou- se ainda a redução do aparecimento de artefatos, otimizando a qualidade final da radiografia mamária e redução de gastos. CONCLUSÃO Uma rotina de prevenção e detecção de artefatos e um efetivo controle de qualidade no processo de aquisição de imagem radiográfica da mama podem ser facilmente incorporados pelo serviço de mamografia, resultando em exames mais fiéis, diagnósticos mais acurados e redução dos custos. CONTROLE DE QUALIDADEDE IMAGEM
  • 13. MASTECTOMIA TOTAL CIRURGIAS DA MAMA (QUADRANTES)
  • 15. CASO DE METÁSTASE CEREBRAL Fem. 45 a. Ca. mama em tratamento desde 3/98. Massa em toda a mama D, ulcerada, com comprometimento linfonodal. T4N2M0. Mastectomia radical. Carcinoma ductal invasivo grau 3 histológico e grau 3 nuclear. Padrão apócrino com comprometimento de mamilo. Em 11/98 redução do nível de consciência para Glasgow 3. Punção da lesão cística parietal com saída de líquido hipertenso de cor acastanhada. Citologia – adenocarcinoma pouco diferenciado. Metástase cística parietal posterior E. Em 8/12/98 : linfonodos axilares comprometidos, com extensão extranodal. Receptores hormonais negativos. Óbito. Tomografia computadorizada TUMOR
  • 16. Ressonância Magnética T1 sem contraste T1 com contraste T2 Tumor tumor tumor ULTRASSONAGRAFIA DE MAMAS
  • 17. CISTO MAMÁRIO galactocele – No interior do cisto encontram-se material róseo, amorfo, macrófagos e cristais de colesterol.
  • 19. NEOPLASIA MALÍGNAS DA MAMA DEFORMIDADE DA PELE
  • 20. CARCINOMA IN SITU MICROCALCIFICAÇÕES COMEDO CARCINOMA IN SITU CARCINOMA DUCTAL INVASIVO