SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 40
Baixar para ler offline
CURSO DE MAMOGRAFIA

  Profº.: Edmilson Lessa
   Tecnólogo em Radiologia Médica
Incidências Complementares
Compressão Seletiva:

       A compressão seletiva é usada com ou sem ampliação. É
  feita usando-se um compressor pequeno, que pode ser
  quadrado ou redondo. Esse compressor tem por finalidade
  dissociar estruturas que possam estar causando dúvidas, como,
  por exemplo, uma densidade assimétrica. Cabe lembra que a
  compressão pode ser realizada em qualquer projeção: CC,
  MLO, etc.
       O método mais fácil é primeiro localizar a área na imagem.
  Em seguida, usando os próprios dedos, medir o tamanho da
  área tendo referencial o mamilo. Após ter a referência, assinalar
  a área com caneta esferográfica. Finalmente comprimir com
  compressor pequeno, a área assinalada.
Incidências Complementares
Incidências Complementares
Magnificação com Compressão
           Seletiva
   Quando em alguma das incidências
da rotina básica aparecer imagem
suspeita (microcalcificação, densidade
assimétrica, ou imagem nodular), é
necessário fazer uma radiografia com
magnificação (ampliação) e compressão
seletiva.
Magnificação com Compressão
           Seletiva
Vantagens e Desvantagens da
       Magnificação
 Reduz   a radiação espalhada e
 melhora o contraste devido a redução
 do véu de base.
 Produz perda de resolução que deve
 ser compensada com a diminuição do
 tamanho do ponto focal.
 Aumenta a dose de radiação na
 superfície da pele em cerca de 4
 vezes.
Radiografias com Marcadores
          Metálicos
     Os marcadores metálicos são usados para
marcar áreas que possam apresentar alguma
dúvida para o resultado final do exame. Na
lista de situações em que usamos marcadores
metálicos podemos citar: mamas com cirurgia
de retirada de nódulo, para descartar imagens
causadas pelos pontos cirúrgicos; mamas
com alteração de pele ( p. ex.: nevus cutâneo,
verrugas, etc.) pois algumas alterações de
pele, por serem uma densidade maior do que
a pele, podem se apresentar como falsos
nódulos.
Radiografias com Marcadores
          Metálicos
CRANIOCAUDAL FORÇADA -
         XCC
CRANIOCAUDAL FORÇADA –
         XCC
Posicionamento:
• Rotação do tubo de 5º a 10º, feixe de cima para baixo (os
    quadrantes externos ficam um pouco mais altos).
• Paciente posicionada como na craniocaudal, com ligeira rotação
    para centralizar os quadrantes externos no bucky.
• Elevar o sulco inframamário.
• Centralizar os quadrantes externos no bucky, incluir o mamilo, que
    deve ficar paralelo ao filme.
• Filme mais próximo dos quadrantes inferiores.
• "Cleópatra" - representa variação da craniocaudal forçada, sendo
    realizada com o tubo vertical, feixe perpendicular à mama e a
    paciente bem inclinada sobre o bucky.
• Escolher entre realizar XCC ou "Cleópatra" depende apenas da
    facilidade de posicionamento para cada paciente, pois as duas
    incidências têm o mesmo resultado radiográfico.
CRANIOCAUDAL FORÇADA -
         XCC
CRANIOCAUDAL FORÇADA -
         XCC
CLEAVAGE – CV ou CRÂNIO –
CAUDAL EXAGERADA MEDIAL
CLEAVAGE – CV ou CRÂNIO –
CAUDAL EXAGERADA MEDIAL
CLEAVAGE – CV ou CRÂNIO –
CAUDAL EXAGERADA MEDIAL
Posicionamento:
• Tubo vertical, feixe perpendicular à mama.
• Posição da paciente como na craniocaudal,
   com ligeira rotação para centralizar os
   quadrantes internos no bucky.
• Elevar o sulco inframamário.
• Centralizar os quadrantes internos da mama
   examinada no bucky (a mama oposta também
   fica sobre o bucky), mamilo paralelo ao filme.
• Filme mais próximo dos quadrantes inferiores.
CLEAVAGE – CV ou CRÂNIO –
CAUDAL EXAGERADA MEDIAL
MÉDIO-LATERAL OU PERFIL
   EXTERNO - ML OU P
• Esta incidência deve incluir, obrigatoriamente,
  parte do prolongamento axilar e é também
  chamada de perfil absoluto (Figura 19).
• Indicação: mamas tratadas com cirurgia
  conservadora     e     esvaziamento      axilar,
  verificação do posicionamento do fio metálico,
  após marcação pré-cirúrgica de lesões não-
  palpáveis e manobra angular.
MÉDIO-LATERAL OU PERFIL
   EXTERNO - ML OU P
Posicionamento:
• Rotação do tubo 90º, feixe perpendicular à
   mama.
• Paciente de frente para o bucky, braço do lado
   do exame relaxado e o cotovelo dobrado;
   levantar e colocar a mama para frente; o
   ângulo superior do receptor atrás da margem
   lateral do grande peitoral.
• Centralizar a mama, mamilo paralelo ao filme.
• Filme mais próximo dos quadrantes externos.
MÉDIO-LATERAL OU PERFIL
   EXTERNO - ML OU P
MANOBRA ROTACIONAL - ROLL
       - RL OU RM
MANOBRA ROTACIONAL - ROLL
       - RL OU RM
 Posicionamento:

 • Realizar "rotação" da mama, deslocando a porção
   superior, que não está em contato com o filme, para
   produzir deslocamento das estruturas da mama.
 • Geralmente é feita na incidência CC, utilizando, no
   filme, a indicação "RL", se o deslocamento for para o
   lado externo (lateral) e "RM“ se o deslocamento for
   para o lado interno (medial).
 • A rotação é realizada após posicionar a paciente e
   pouco antes de aplicar a compressão.
MANOBRA ROTACIONAL - ROLL
       - RL OU RM
MANOBRA ROTACIONAL - ROLL
       - RL OU RM
INCIDÊNCIA EM PERFIL E
      AMPLIAÇÃO
INCIDÊNCIA AXILAR
INCIDÊNCIA DE CLEOPATRA
CAUDOCRANIAL - RCC
• É uma incidência craniocaudal "ao contrário" (RCC =
   reverse craniocaudal). • O aspecto é o mesmo da
   craniocaudal, porém com imagem "em espelho".
• Indicação: mama masculina ou feminina muito
   pequena (se houver dificuldade de realizar a
   craniocaudal, face ao pequeno volume da mama);
   paciente com marca-passo; paciente com cifose
   acentuada e paciente grávida (nos raros casos em
   que há indicação de mamografia em gestantes, o
   exame deve ser realizado com avental de chumbo no
   abdome e as incidências básicas também são CC e
   MLO, podendo a CC ser substituída pela RCC se o
   volume do útero gravídico permitir).
MAMA MASCULINA
CAUDOCRANIAL - RCC
Posicionamento:
• Rotação do tubo 180º, feixe perpendicular à
   mama.
• Paciente de frente para o bucky, ligeiramente
   inclinada sobre o tubo.
• Elevar o sulco inframamário além do limite
   normal.
• Centralizar a mama, comprimir de baixo para
   cima.
• Filme mais próximo dos quadrantes superiores.
MAMA MASCULINA
INCIDÊNCIA DE EKLUND – MAMA
       COM PRÓTESE
INCIDÊNCIA DE EKLUND – MAMA
       COM PRÓTESE
Mamo. 06
Mamo. 06

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Controle de qualidade e artefato em mamografia
Controle de qualidade e artefato em mamografiaControle de qualidade e artefato em mamografia
Controle de qualidade e artefato em mamografiaRoberto Mesquita
 
A qualidade do ponto de vista médico mamografia
A qualidade do ponto de vista médico    mamografiaA qualidade do ponto de vista médico    mamografia
A qualidade do ponto de vista médico mamografiaGerciane Neves
 
Mamografia adriana ii copia
Mamografia adriana ii   copiaMamografia adriana ii   copia
Mamografia adriana ii copiaLuanapqt
 
A8 Posicionamento - Manobras.ppt
A8 Posicionamento - Manobras.pptA8 Posicionamento - Manobras.ppt
A8 Posicionamento - Manobras.pptAnaPaulaAlves673943
 
Apostila mamografia final
Apostila mamografia finalApostila mamografia final
Apostila mamografia finalGerciane Neves
 
Técnicas de Tratamento em Radioterapia
Técnicas de Tratamento em RadioterapiaTécnicas de Tratamento em Radioterapia
Técnicas de Tratamento em RadioterapiaRui P Rodrigues
 
Apostila de esofagografia
Apostila de esofagografiaApostila de esofagografia
Apostila de esofagografiaIsabel Canova
 
Mamografia aula
Mamografia aulaMamografia aula
Mamografia aularadiomed
 
Medicina nuclear e Radiologia Digital
Medicina nuclear e Radiologia DigitalMedicina nuclear e Radiologia Digital
Medicina nuclear e Radiologia DigitalNoara Thomaz
 
Aula filmes écrans_(elementos_da_radiologia) (3)
Aula filmes écrans_(elementos_da_radiologia) (3)Aula filmes écrans_(elementos_da_radiologia) (3)
Aula filmes écrans_(elementos_da_radiologia) (3)Manu Medeiros
 
01 posicionamento de esterno e costelas
01 posicionamento de esterno e costelas01 posicionamento de esterno e costelas
01 posicionamento de esterno e costelasErica Inacio
 
Conceitos basicos de qualidade da imagem
Conceitos basicos de qualidade da imagemConceitos basicos de qualidade da imagem
Conceitos basicos de qualidade da imagemPollyanna Medeiros
 
Medicina nuclear aula 01
Medicina nuclear aula 01Medicina nuclear aula 01
Medicina nuclear aula 01Walmor Godoi
 
Radiology formação e qualidade da imagem em filme - écran
Radiology formação e qualidade da imagem em filme - écranRadiology formação e qualidade da imagem em filme - écran
Radiology formação e qualidade da imagem em filme - écranCristiane Dias
 
Filmes e processamento aula 2
Filmes e processamento   aula 2Filmes e processamento   aula 2
Filmes e processamento aula 2Magno Cavalheiro
 

Mais procurados (20)

HISTÓRIA DA MAMOGRAFIA
HISTÓRIA DA MAMOGRAFIAHISTÓRIA DA MAMOGRAFIA
HISTÓRIA DA MAMOGRAFIA
 
Controle de qualidade e artefato em mamografia
Controle de qualidade e artefato em mamografiaControle de qualidade e artefato em mamografia
Controle de qualidade e artefato em mamografia
 
A qualidade do ponto de vista médico mamografia
A qualidade do ponto de vista médico    mamografiaA qualidade do ponto de vista médico    mamografia
A qualidade do ponto de vista médico mamografia
 
Mamografia adriana ii copia
Mamografia adriana ii   copiaMamografia adriana ii   copia
Mamografia adriana ii copia
 
A8 Posicionamento - Manobras.ppt
A8 Posicionamento - Manobras.pptA8 Posicionamento - Manobras.ppt
A8 Posicionamento - Manobras.ppt
 
Mamografia
MamografiaMamografia
Mamografia
 
Apostila mamografia final
Apostila mamografia finalApostila mamografia final
Apostila mamografia final
 
Técnicas de Tratamento em Radioterapia
Técnicas de Tratamento em RadioterapiaTécnicas de Tratamento em Radioterapia
Técnicas de Tratamento em Radioterapia
 
Apostila de esofagografia
Apostila de esofagografiaApostila de esofagografia
Apostila de esofagografia
 
Mamografia aula
Mamografia aulaMamografia aula
Mamografia aula
 
Radiologianota10 Elementos
Radiologianota10 ElementosRadiologianota10 Elementos
Radiologianota10 Elementos
 
Medicina nuclear e Radiologia Digital
Medicina nuclear e Radiologia DigitalMedicina nuclear e Radiologia Digital
Medicina nuclear e Radiologia Digital
 
Aula filmes écrans_(elementos_da_radiologia) (3)
Aula filmes écrans_(elementos_da_radiologia) (3)Aula filmes écrans_(elementos_da_radiologia) (3)
Aula filmes écrans_(elementos_da_radiologia) (3)
 
01 posicionamento de esterno e costelas
01 posicionamento de esterno e costelas01 posicionamento de esterno e costelas
01 posicionamento de esterno e costelas
 
Conceitos basicos de qualidade da imagem
Conceitos basicos de qualidade da imagemConceitos basicos de qualidade da imagem
Conceitos basicos de qualidade da imagem
 
Medicina nuclear aula 01
Medicina nuclear aula 01Medicina nuclear aula 01
Medicina nuclear aula 01
 
Rad conv6
Rad conv6Rad conv6
Rad conv6
 
Mamografia figuras
Mamografia figurasMamografia figuras
Mamografia figuras
 
Radiology formação e qualidade da imagem em filme - écran
Radiology formação e qualidade da imagem em filme - écranRadiology formação e qualidade da imagem em filme - écran
Radiology formação e qualidade da imagem em filme - écran
 
Filmes e processamento aula 2
Filmes e processamento   aula 2Filmes e processamento   aula 2
Filmes e processamento aula 2
 

Destaque

Luiz anatomia
Luiz anatomiaLuiz anatomia
Luiz anatomiaLuanapqt
 
Código de ética do servidor público 1
Código de ética do servidor público 1Código de ética do servidor público 1
Código de ética do servidor público 1Luanapqt
 
Tomografia para tecnicos
Tomografia   para tecnicosTomografia   para tecnicos
Tomografia para tecnicosLuanapqt
 
Manual de tecnicas radiologicas de bolso
Manual de tecnicas radiologicas de bolsoManual de tecnicas radiologicas de bolso
Manual de tecnicas radiologicas de bolsoLuanapqt
 
Humanizasus 2004
Humanizasus 2004Humanizasus 2004
Humanizasus 2004Luanapqt
 

Destaque (20)

Mamo. 05
Mamo. 05Mamo. 05
Mamo. 05
 
Luiz anatomia
Luiz anatomiaLuiz anatomia
Luiz anatomia
 
Mn06
Mn06Mn06
Mn06
 
Mn9
Mn9Mn9
Mn9
 
1 mamo1
1 mamo11 mamo1
1 mamo1
 
Filme1
Filme1Filme1
Filme1
 
Mn04 05
Mn04 05Mn04 05
Mn04 05
 
Código de ética do servidor público 1
Código de ética do servidor público 1Código de ética do servidor público 1
Código de ética do servidor público 1
 
Mn08
Mn08Mn08
Mn08
 
1 mamo1
1 mamo11 mamo1
1 mamo1
 
Mamo.08
Mamo.08Mamo.08
Mamo.08
 
Tomografia para tecnicos
Tomografia   para tecnicosTomografia   para tecnicos
Tomografia para tecnicos
 
Mamo. 05
Mamo. 05Mamo. 05
Mamo. 05
 
Mn10
Mn10Mn10
Mn10
 
Lei
LeiLei
Lei
 
Lei
LeiLei
Lei
 
Manual de tecnicas radiologicas de bolso
Manual de tecnicas radiologicas de bolsoManual de tecnicas radiologicas de bolso
Manual de tecnicas radiologicas de bolso
 
Filme2
Filme2Filme2
Filme2
 
Humanizasus 2004
Humanizasus 2004Humanizasus 2004
Humanizasus 2004
 
Mn07
Mn07Mn07
Mn07
 

Semelhante a Mamo. 06

apresentação mamo
apresentação mamoapresentação mamo
apresentação mamoLuanaNeves30
 
Protocolo de Mamas Ressonância Magnética
Protocolo de Mamas Ressonância MagnéticaProtocolo de Mamas Ressonância Magnética
Protocolo de Mamas Ressonância MagnéticaAlex Eduardo Ribeiro
 
Aula 2-protocolos-de-cranio-e-face-prof-claudio-souza1-130303115635-phpapp01 (1)
Aula 2-protocolos-de-cranio-e-face-prof-claudio-souza1-130303115635-phpapp01 (1)Aula 2-protocolos-de-cranio-e-face-prof-claudio-souza1-130303115635-phpapp01 (1)
Aula 2-protocolos-de-cranio-e-face-prof-claudio-souza1-130303115635-phpapp01 (1)Carolina Baione
 
Incidências e achados básicos em Mamografia - Gabi.pptx
Incidências e achados básicos em Mamografia - Gabi.pptxIncidências e achados básicos em Mamografia - Gabi.pptx
Incidências e achados básicos em Mamografia - Gabi.pptxGabrielaAmaral56
 
Aula 2-protocolos-de-cranio-e-face-prof-claudio-souza (1)
Aula 2-protocolos-de-cranio-e-face-prof-claudio-souza (1)Aula 2-protocolos-de-cranio-e-face-prof-claudio-souza (1)
Aula 2-protocolos-de-cranio-e-face-prof-claudio-souza (1)Jean Carlos
 
SLIDE - Assistência de Enfermagem no Atendimento Pré-Hospitalar no Trauma.pdf
SLIDE - Assistência de Enfermagem no Atendimento Pré-Hospitalar no Trauma.pdfSLIDE - Assistência de Enfermagem no Atendimento Pré-Hospitalar no Trauma.pdf
SLIDE - Assistência de Enfermagem no Atendimento Pré-Hospitalar no Trauma.pdfYuriMoraes9
 
Importancia da radiologia na ortodontia 1
Importancia da radiologia na ortodontia 1Importancia da radiologia na ortodontia 1
Importancia da radiologia na ortodontia 1AlessandraParreiraMe
 
Outubro Rosa – Prevenção do CA de mama.pptx
Outubro Rosa – Prevenção do CA de mama.pptxOutubro Rosa – Prevenção do CA de mama.pptx
Outubro Rosa – Prevenção do CA de mama.pptxRaianePereira17
 
Aspectos técnicos em radioterapia de tórax e mama (2011)
Aspectos técnicos em radioterapia de tórax e mama (2011)Aspectos técnicos em radioterapia de tórax e mama (2011)
Aspectos técnicos em radioterapia de tórax e mama (2011)Lucas Radicchi
 

Semelhante a Mamo. 06 (20)

apresentação mamo
apresentação mamoapresentação mamo
apresentação mamo
 
mamo.pdf
mamo.pdfmamo.pdf
mamo.pdf
 
Protocolo de Mamas Ressonância Magnética
Protocolo de Mamas Ressonância MagnéticaProtocolo de Mamas Ressonância Magnética
Protocolo de Mamas Ressonância Magnética
 
Apostila mamo tec
Apostila mamo  tecApostila mamo  tec
Apostila mamo tec
 
Aula 2-protocolos-de-cranio-e-face-prof-claudio-souza1-130303115635-phpapp01 (1)
Aula 2-protocolos-de-cranio-e-face-prof-claudio-souza1-130303115635-phpapp01 (1)Aula 2-protocolos-de-cranio-e-face-prof-claudio-souza1-130303115635-phpapp01 (1)
Aula 2-protocolos-de-cranio-e-face-prof-claudio-souza1-130303115635-phpapp01 (1)
 
Incidências e achados básicos em Mamografia - Gabi.pptx
Incidências e achados básicos em Mamografia - Gabi.pptxIncidências e achados básicos em Mamografia - Gabi.pptx
Incidências e achados básicos em Mamografia - Gabi.pptx
 
Mamo. 07
Mamo. 07Mamo. 07
Mamo. 07
 
Mamo. 07
Mamo. 07Mamo. 07
Mamo. 07
 
Mamografia.pdf
Mamografia.pdfMamografia.pdf
Mamografia.pdf
 
Aula 2-protocolos-de-cranio-e-face-prof-claudio-souza (1)
Aula 2-protocolos-de-cranio-e-face-prof-claudio-souza (1)Aula 2-protocolos-de-cranio-e-face-prof-claudio-souza (1)
Aula 2-protocolos-de-cranio-e-face-prof-claudio-souza (1)
 
SLIDE - Assistência de Enfermagem no Atendimento Pré-Hospitalar no Trauma.pdf
SLIDE - Assistência de Enfermagem no Atendimento Pré-Hospitalar no Trauma.pdfSLIDE - Assistência de Enfermagem no Atendimento Pré-Hospitalar no Trauma.pdf
SLIDE - Assistência de Enfermagem no Atendimento Pré-Hospitalar no Trauma.pdf
 
MAMOGRAFIA.pptx
MAMOGRAFIA.pptxMAMOGRAFIA.pptx
MAMOGRAFIA.pptx
 
Mamografia
Mamografia Mamografia
Mamografia
 
Estudo cranio
Estudo cranioEstudo cranio
Estudo cranio
 
Otimização dos métodos de imagem
Otimização dos métodos de imagemOtimização dos métodos de imagem
Otimização dos métodos de imagem
 
Importancia da radiologia na ortodontia 1
Importancia da radiologia na ortodontia 1Importancia da radiologia na ortodontia 1
Importancia da radiologia na ortodontia 1
 
Outubro Rosa – Prevenção do CA de mama.pptx
Outubro Rosa – Prevenção do CA de mama.pptxOutubro Rosa – Prevenção do CA de mama.pptx
Outubro Rosa – Prevenção do CA de mama.pptx
 
Aspectos técnicos em radioterapia de tórax e mama (2011)
Aspectos técnicos em radioterapia de tórax e mama (2011)Aspectos técnicos em radioterapia de tórax e mama (2011)
Aspectos técnicos em radioterapia de tórax e mama (2011)
 
TC (2).ppt
TC (2).pptTC (2).ppt
TC (2).ppt
 
Tomografia do Abdome
Tomografia do Abdome Tomografia do Abdome
Tomografia do Abdome
 

Mais de Luanapqt

4 tomo-linear
4 tomo-linear4 tomo-linear
4 tomo-linearLuanapqt
 
Reforma sanitaria e a consolidação
Reforma sanitaria e a consolidaçãoReforma sanitaria e a consolidação
Reforma sanitaria e a consolidaçãoLuanapqt
 
Politica nacional atencao_basica_2006
Politica nacional atencao_basica_2006Politica nacional atencao_basica_2006
Politica nacional atencao_basica_2006Luanapqt
 
Normas operacional da assistencia a saude
Normas operacional da assistencia a saudeNormas operacional da assistencia a saude
Normas operacional da assistencia a saudeLuanapqt
 
Manifesto final
Manifesto finalManifesto final
Manifesto finalLuanapqt
 
Leis do sus na integra
Leis do sus na integraLeis do sus na integra
Leis do sus na integraLuanapqt
 
Lei 8080 1990 8pg
Lei 8080 1990 8pgLei 8080 1990 8pg
Lei 8080 1990 8pgLuanapqt
 
Estatuto do idoso comentado
Estatuto do idoso comentadoEstatuto do idoso comentado
Estatuto do idoso comentadoLuanapqt
 
Consolidação do sus e suas diretrizes
Consolidação do sus e suas diretrizesConsolidação do sus e suas diretrizes
Consolidação do sus e suas diretrizesLuanapqt
 
Marcus bortolotto
Marcus bortolottoMarcus bortolotto
Marcus bortolottoLuanapqt
 
Politica nacional atencao_basica_2006
Politica nacional atencao_basica_2006Politica nacional atencao_basica_2006
Politica nacional atencao_basica_2006Luanapqt
 
Normas operacional da assistencia a saude
Normas operacional da assistencia a saudeNormas operacional da assistencia a saude
Normas operacional da assistencia a saudeLuanapqt
 

Mais de Luanapqt (15)

4 tomo-linear
4 tomo-linear4 tomo-linear
4 tomo-linear
 
Reforma sanitaria e a consolidação
Reforma sanitaria e a consolidaçãoReforma sanitaria e a consolidação
Reforma sanitaria e a consolidação
 
Politica nacional atencao_basica_2006
Politica nacional atencao_basica_2006Politica nacional atencao_basica_2006
Politica nacional atencao_basica_2006
 
Normas operacional da assistencia a saude
Normas operacional da assistencia a saudeNormas operacional da assistencia a saude
Normas operacional da assistencia a saude
 
Noas
NoasNoas
Noas
 
Manifesto final
Manifesto finalManifesto final
Manifesto final
 
Leis do sus na integra
Leis do sus na integraLeis do sus na integra
Leis do sus na integra
 
Lei 8080 1990 8pg
Lei 8080 1990 8pgLei 8080 1990 8pg
Lei 8080 1990 8pg
 
Estatuto do idoso comentado
Estatuto do idoso comentadoEstatuto do idoso comentado
Estatuto do idoso comentado
 
Consolidação do sus e suas diretrizes
Consolidação do sus e suas diretrizesConsolidação do sus e suas diretrizes
Consolidação do sus e suas diretrizes
 
Mn02 03
Mn02 03Mn02 03
Mn02 03
 
Mn01
Mn01Mn01
Mn01
 
Marcus bortolotto
Marcus bortolottoMarcus bortolotto
Marcus bortolotto
 
Politica nacional atencao_basica_2006
Politica nacional atencao_basica_2006Politica nacional atencao_basica_2006
Politica nacional atencao_basica_2006
 
Normas operacional da assistencia a saude
Normas operacional da assistencia a saudeNormas operacional da assistencia a saude
Normas operacional da assistencia a saude
 

Mamo. 06

  • 1. CURSO DE MAMOGRAFIA Profº.: Edmilson Lessa Tecnólogo em Radiologia Médica
  • 2. Incidências Complementares Compressão Seletiva: A compressão seletiva é usada com ou sem ampliação. É feita usando-se um compressor pequeno, que pode ser quadrado ou redondo. Esse compressor tem por finalidade dissociar estruturas que possam estar causando dúvidas, como, por exemplo, uma densidade assimétrica. Cabe lembra que a compressão pode ser realizada em qualquer projeção: CC, MLO, etc. O método mais fácil é primeiro localizar a área na imagem. Em seguida, usando os próprios dedos, medir o tamanho da área tendo referencial o mamilo. Após ter a referência, assinalar a área com caneta esferográfica. Finalmente comprimir com compressor pequeno, a área assinalada.
  • 5. Magnificação com Compressão Seletiva Quando em alguma das incidências da rotina básica aparecer imagem suspeita (microcalcificação, densidade assimétrica, ou imagem nodular), é necessário fazer uma radiografia com magnificação (ampliação) e compressão seletiva.
  • 7. Vantagens e Desvantagens da Magnificação  Reduz a radiação espalhada e melhora o contraste devido a redução do véu de base.  Produz perda de resolução que deve ser compensada com a diminuição do tamanho do ponto focal.  Aumenta a dose de radiação na superfície da pele em cerca de 4 vezes.
  • 8. Radiografias com Marcadores Metálicos Os marcadores metálicos são usados para marcar áreas que possam apresentar alguma dúvida para o resultado final do exame. Na lista de situações em que usamos marcadores metálicos podemos citar: mamas com cirurgia de retirada de nódulo, para descartar imagens causadas pelos pontos cirúrgicos; mamas com alteração de pele ( p. ex.: nevus cutâneo, verrugas, etc.) pois algumas alterações de pele, por serem uma densidade maior do que a pele, podem se apresentar como falsos nódulos.
  • 11. CRANIOCAUDAL FORÇADA – XCC Posicionamento: • Rotação do tubo de 5º a 10º, feixe de cima para baixo (os quadrantes externos ficam um pouco mais altos). • Paciente posicionada como na craniocaudal, com ligeira rotação para centralizar os quadrantes externos no bucky. • Elevar o sulco inframamário. • Centralizar os quadrantes externos no bucky, incluir o mamilo, que deve ficar paralelo ao filme. • Filme mais próximo dos quadrantes inferiores. • "Cleópatra" - representa variação da craniocaudal forçada, sendo realizada com o tubo vertical, feixe perpendicular à mama e a paciente bem inclinada sobre o bucky. • Escolher entre realizar XCC ou "Cleópatra" depende apenas da facilidade de posicionamento para cada paciente, pois as duas incidências têm o mesmo resultado radiográfico.
  • 14. CLEAVAGE – CV ou CRÂNIO – CAUDAL EXAGERADA MEDIAL
  • 15.
  • 16. CLEAVAGE – CV ou CRÂNIO – CAUDAL EXAGERADA MEDIAL
  • 17. CLEAVAGE – CV ou CRÂNIO – CAUDAL EXAGERADA MEDIAL Posicionamento: • Tubo vertical, feixe perpendicular à mama. • Posição da paciente como na craniocaudal, com ligeira rotação para centralizar os quadrantes internos no bucky. • Elevar o sulco inframamário. • Centralizar os quadrantes internos da mama examinada no bucky (a mama oposta também fica sobre o bucky), mamilo paralelo ao filme. • Filme mais próximo dos quadrantes inferiores.
  • 18. CLEAVAGE – CV ou CRÂNIO – CAUDAL EXAGERADA MEDIAL
  • 19. MÉDIO-LATERAL OU PERFIL EXTERNO - ML OU P • Esta incidência deve incluir, obrigatoriamente, parte do prolongamento axilar e é também chamada de perfil absoluto (Figura 19). • Indicação: mamas tratadas com cirurgia conservadora e esvaziamento axilar, verificação do posicionamento do fio metálico, após marcação pré-cirúrgica de lesões não- palpáveis e manobra angular.
  • 20. MÉDIO-LATERAL OU PERFIL EXTERNO - ML OU P Posicionamento: • Rotação do tubo 90º, feixe perpendicular à mama. • Paciente de frente para o bucky, braço do lado do exame relaxado e o cotovelo dobrado; levantar e colocar a mama para frente; o ângulo superior do receptor atrás da margem lateral do grande peitoral. • Centralizar a mama, mamilo paralelo ao filme. • Filme mais próximo dos quadrantes externos.
  • 21.
  • 22. MÉDIO-LATERAL OU PERFIL EXTERNO - ML OU P
  • 23. MANOBRA ROTACIONAL - ROLL - RL OU RM
  • 24.
  • 25. MANOBRA ROTACIONAL - ROLL - RL OU RM Posicionamento: • Realizar "rotação" da mama, deslocando a porção superior, que não está em contato com o filme, para produzir deslocamento das estruturas da mama. • Geralmente é feita na incidência CC, utilizando, no filme, a indicação "RL", se o deslocamento for para o lado externo (lateral) e "RM“ se o deslocamento for para o lado interno (medial). • A rotação é realizada após posicionar a paciente e pouco antes de aplicar a compressão.
  • 26. MANOBRA ROTACIONAL - ROLL - RL OU RM
  • 27. MANOBRA ROTACIONAL - ROLL - RL OU RM
  • 28. INCIDÊNCIA EM PERFIL E AMPLIAÇÃO
  • 31.
  • 32.
  • 33. CAUDOCRANIAL - RCC • É uma incidência craniocaudal "ao contrário" (RCC = reverse craniocaudal). • O aspecto é o mesmo da craniocaudal, porém com imagem "em espelho". • Indicação: mama masculina ou feminina muito pequena (se houver dificuldade de realizar a craniocaudal, face ao pequeno volume da mama); paciente com marca-passo; paciente com cifose acentuada e paciente grávida (nos raros casos em que há indicação de mamografia em gestantes, o exame deve ser realizado com avental de chumbo no abdome e as incidências básicas também são CC e MLO, podendo a CC ser substituída pela RCC se o volume do útero gravídico permitir).
  • 35. CAUDOCRANIAL - RCC Posicionamento: • Rotação do tubo 180º, feixe perpendicular à mama. • Paciente de frente para o bucky, ligeiramente inclinada sobre o tubo. • Elevar o sulco inframamário além do limite normal. • Centralizar a mama, comprimir de baixo para cima. • Filme mais próximo dos quadrantes superiores.
  • 37. INCIDÊNCIA DE EKLUND – MAMA COM PRÓTESE
  • 38. INCIDÊNCIA DE EKLUND – MAMA COM PRÓTESE