SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 21
Baixar para ler offline
Mamografia
Pedro Lunardi Poppi - 10753847
Adriel Araújo dos Santos - 111914299
SEL0397 - Princípios Físicos de
Formaçao de Imagens Médicas
Método especial de raios X para obtenção de imagens das mama com alta
resolução e contraste
Principal método para detecção precoce de câncer de mama
Histórico da mamografia
Em 1913 Albert Salomon, utilizou a radiografia convencional para o
diagnóstico de câncer de mama.
Em 1966 a General Electric (GE) desenvolveu o primeiro equipamento de
raios X dedicado à mamografia, o mamógrafo.
Em 1992 foram introduzidas máquinas que utilizam ródio no tubo de
raios X para melhor penetração no tecido mamário
Mamografia convencional
Na mamografia convencional, as imagens são gravadas em filmes
formados por uma base de acetato ou poliéster.
Após ser exposto à radiação, o filme passa por um processamento
onde é revelado e fixado por agentes químicos.
Mamografia digital
Possui um detector, o qual produz um sinal eletrônico que é digitalizado
e armazenado.
As imagens digitais podem ser processadas por um computador e
apresentadas em vários formatos.
A mamografia digital fornece uma gama
ampla e dinâmica de densidades e maior
resolução de contraste em mamas densas.
Etapas de aquisição, processamento e
armazenamento são separadas, e podem ser
aperfeiçoadas individualmente
CAD (Computer-Aided Detection)
Aumenta a sensibilidade de detecção dos tumores
Gera uma segunda leitura rápida para o especialista
Possui total reprodutibilidade com a mamografia digital
Mamógrafo
Consiste em ampola, ânodo, cátodo, foco real e filtros.
Ampola
Dimensões um pouco menores que dos aparelhos de raios X
convencionais.
Possui um ânodo rotatório com o cátodo de filamento aquecido.
Devido ao efeito anódico, o lado do cátodo deve ser posicionado
virado para a paciente.
Ânodo
Usualmente é feito de molibdênio, podendo ser usado também o
tungstênio e o ródio
O molibdênio, cujo número atômico é 42, possui uma radiação
característica da ordem de 20 keV, devido às transições de elétron
na camada K
O espectro fornecido por um alvo de ródio (45) também apresenta
uma radiação característica proeminente, a partir dos 23 keV.
Foco
O tamanho do foco também influi decisivamente na imagem porque,
na mamografia, se deseja alcançar um alto grau de resolução espacial,
devido à presença de microcalcificações que precisam ser identificadas.
Com relação à forma do ponto focal, é mais usual o formato circular ou
elíptico, pois essas formas permitem que a penumbra gerada seja igual
em todas as direções do plano.
Controle Automático de Exposição(CAE)
É uma célula fotoelétrica que utiliza um cronômetro eletrônico de
exposição, que interrompe o feixe assim que alcança uma densidade
óptica correta no receptor da imagem.
Ele tem como função suspender a geração de raios X quando recebe
uma determinada quantidade de exposição pré-definida. Isto mantém
a densidade óptica do filme dentro de uma faixa que permite alcançar
o contraste necessário na imagem.
Sistema Digital CR
Utiliza uma placa de fósforo que armazena os raios X
residuais – esta placa é denominada imaging plate
(IP). Após a exposição, o IP é introduzido em uma
leitora que faz a liberação da energia armazenada,
realizando a conversão do sinal analógico para sinal
digital.
A imagem obtida é armazenada temporariamente na
placa de fósforo
Classificação da mama
A mama é classificada como mama fibroglandular, fibrogordurosa ou
gordurosa.
Mama fibroglandular: é a mama jovem, densa, do pós-puberdade até
os 30 anos, ou presente em mulheres com mais idade que nunca
amamentaram, grávidas ou lactantes.
Mama fibrogordurosa: neste tipo, há mudança gradual para uma
distribuição igual dos tecidos gorduroso e fibroglandular. É mais
comum em mulheres de 30 a 50 anos de idade.
Mama gordurosa: tipo de ocorrência mais comum após a
menopausa, em mulheres com 50 anos ou mais. Ocorre atrofia do
tecido glandular, com sua conversão para tecido adiposo.
Procedimentos em mamografia
O mamógrafo utiliza tubo de molibdênio (Mo) ou ródio (Rh), ambos
elementos que possuem números atômicos baixos (ZMo=42 e ZRh=45) em
comparação ao do tungstênio (ZW=74).
Campo de radiação limitados pelos colimadores, que direcionam melhor o
feixe de raio X
Os filtros geralmente são de molibdênio, com cerca de 0,03 mm ou 0,025
mm de ródio, são os responsáveis por impedir que os fótons do feixe que
nada acrescentam para o diagnóstico atrapalhem na formação da imagem
e atinjam a paciente.
Procedimentos em mamografia
A distância foco-filme (DFF) gira em torno de 60 a 65 cm, dependendo do
fabricante, e a distância foco-objeto (DFO) é variável para que haja
magnificação da imagem quando necessário.
O ponto focal deve ser bem pequeno, pois é preciso visualizar estruturas
de até 0,3 mm de diâmetro, como as microcalcificações.
Procedimentos em mamografia
O cabeçote do aparelho, no qual se localiza o tubo de raios X, é acoplado a
um braço rotativo, que permite sua angulação e possibilita a variação das
técnicas de posicionamento realizadas na mamografia.
O mamógrafo deve ser operado com tensão constante. Geralmente a
tensão usada para mamografia varia de 25 a 50 kVp (entre 28 e 32 kVp,
para a maioria dos exames).
Efeito Anódico
Por causa do efeito anódico, o lado do cátodo deve ser posicionado virado
para a paciente, já que a mama na parte proximal é mais espessa e densa
devido à musculatura torácica. Assim, permite-se uma maior uniformidade
na imagem, já que a parte distal, mais fina, receberá menos radiação.
Incidência Craniocaudal (CC)
Vista lateral da incidência
craniocaudal.
Paciente posicionada em incidência
craniocaudal (CC).
Radiografia da incidência craniocaudal.
Incidência médio-lateral oblíqua (MLO)
Paciente posicionada em incidência
médio-lateral oblíqua (MLO).
Radiografia na incidência mediolateral
oblíqua.
Incidência localizada (spot), compressão seletiva
simples e magnificação
Posicionamento da mama.
Radiografia da mama com
compressão localizada.
MARCHIORI, Edson. Introdução à Radiologia. Grupo GEN, 2015. E-book.
ISBN 978-85-277-2702-0. Disponível em:
https://app.minhabiblioteca.com.br/#/books/978-85-277-2702-0/.
Referências bibliográficas
CAMARGO, Renato; CAMPOS, Alessandra Pacini de. Ultrassonografia,
Mamografia e Densitometria Óssea. Editora Saraiva, 2015. E-book. ISBN
9788536521473. Disponível em:
https://app.minhabiblioteca.com.br/#/books/9788536521473/.
MAMEDE, Marcelo. Tecnologia Radiológica. MedBook Editora, 2019. E-
book. ISBN 9786557830338. Disponível em:
https://app.minhabiblioteca.com.br/#/books/9786557830338/.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a mamo.pdf

Resenha critica sobre resonancia magnetica pronto para enviar
Resenha critica sobre resonancia magnetica pronto para enviarResenha critica sobre resonancia magnetica pronto para enviar
Resenha critica sobre resonancia magnetica pronto para enviarElanne Cristina
 
CONARAD-A-evolucao-tecnologica-e-o-estado-da-arte-em-Tomografia-Computadoriza...
CONARAD-A-evolucao-tecnologica-e-o-estado-da-arte-em-Tomografia-Computadoriza...CONARAD-A-evolucao-tecnologica-e-o-estado-da-arte-em-Tomografia-Computadoriza...
CONARAD-A-evolucao-tecnologica-e-o-estado-da-arte-em-Tomografia-Computadoriza...KarlosEduardo30
 
Protocolo de Mamas Ressonância Magnética
Protocolo de Mamas Ressonância MagnéticaProtocolo de Mamas Ressonância Magnética
Protocolo de Mamas Ressonância MagnéticaAlex Eduardo Ribeiro
 
Apresentação3.pptx fisica das radiaçaaooooo3
Apresentação3.pptx fisica das radiaçaaooooo3Apresentação3.pptx fisica das radiaçaaooooo3
Apresentação3.pptx fisica das radiaçaaooooo3marioaraujorosas1
 
Benefcios da-radiao-raios-x1848
Benefcios da-radiao-raios-x1848Benefcios da-radiao-raios-x1848
Benefcios da-radiao-raios-x1848rodrison
 
A8 Posicionamento - Manobras.ppt
A8 Posicionamento - Manobras.pptA8 Posicionamento - Manobras.ppt
A8 Posicionamento - Manobras.pptAnaPaulaAlves673943
 
apresentação mamo
apresentação mamoapresentação mamo
apresentação mamoLuanaNeves30
 
Benefícios da Radiação - Raios X
Benefícios da Radiação - Raios XBenefícios da Radiação - Raios X
Benefícios da Radiação - Raios XProfªThaiza Montine
 
RADIOLOGIA ODONTOLÓGICA UNIDADE I.pptx
RADIOLOGIA ODONTOLÓGICA UNIDADE I.pptxRADIOLOGIA ODONTOLÓGICA UNIDADE I.pptx
RADIOLOGIA ODONTOLÓGICA UNIDADE I.pptxVanessaMalvesteIto1
 
Papel da radioterapia no tratamento do cancro da mama
Papel da radioterapia no tratamento do cancro da mamaPapel da radioterapia no tratamento do cancro da mama
Papel da radioterapia no tratamento do cancro da mamaRui P Rodrigues
 
Mamografia adriana ii copia
Mamografia adriana ii   copiaMamografia adriana ii   copia
Mamografia adriana ii copiaLuanapqt
 

Semelhante a mamo.pdf (20)

Resenha critica sobre resonancia magnetica pronto para enviar
Resenha critica sobre resonancia magnetica pronto para enviarResenha critica sobre resonancia magnetica pronto para enviar
Resenha critica sobre resonancia magnetica pronto para enviar
 
CONARAD-A-evolucao-tecnologica-e-o-estado-da-arte-em-Tomografia-Computadoriza...
CONARAD-A-evolucao-tecnologica-e-o-estado-da-arte-em-Tomografia-Computadoriza...CONARAD-A-evolucao-tecnologica-e-o-estado-da-arte-em-Tomografia-Computadoriza...
CONARAD-A-evolucao-tecnologica-e-o-estado-da-arte-em-Tomografia-Computadoriza...
 
Protocolo de Mamas Ressonância Magnética
Protocolo de Mamas Ressonância MagnéticaProtocolo de Mamas Ressonância Magnética
Protocolo de Mamas Ressonância Magnética
 
Apresentação3.pptx fisica das radiaçaaooooo3
Apresentação3.pptx fisica das radiaçaaooooo3Apresentação3.pptx fisica das radiaçaaooooo3
Apresentação3.pptx fisica das radiaçaaooooo3
 
Apostila mamo tec
Apostila mamo  tecApostila mamo  tec
Apostila mamo tec
 
Benefcios da-radiao-raios-x1848
Benefcios da-radiao-raios-x1848Benefcios da-radiao-raios-x1848
Benefcios da-radiao-raios-x1848
 
A8 Posicionamento - Manobras.ppt
A8 Posicionamento - Manobras.pptA8 Posicionamento - Manobras.ppt
A8 Posicionamento - Manobras.ppt
 
Radioterapia
RadioterapiaRadioterapia
Radioterapia
 
Radioterapia
RadioterapiaRadioterapia
Radioterapia
 
Otimização dos métodos de imagem
Otimização dos métodos de imagemOtimização dos métodos de imagem
Otimização dos métodos de imagem
 
apresentação mamo
apresentação mamoapresentação mamo
apresentação mamo
 
Cirurgia oncoplástica da_mama
Cirurgia oncoplástica da_mamaCirurgia oncoplástica da_mama
Cirurgia oncoplástica da_mama
 
Radioterapia adjuvante no_câncer_de_mama
Radioterapia adjuvante no_câncer_de_mamaRadioterapia adjuvante no_câncer_de_mama
Radioterapia adjuvante no_câncer_de_mama
 
Benefícios da Radiação - Raios X
Benefícios da Radiação - Raios XBenefícios da Radiação - Raios X
Benefícios da Radiação - Raios X
 
RADIOLOGIA ODONTOLÓGICA UNIDADE I.pptx
RADIOLOGIA ODONTOLÓGICA UNIDADE I.pptxRADIOLOGIA ODONTOLÓGICA UNIDADE I.pptx
RADIOLOGIA ODONTOLÓGICA UNIDADE I.pptx
 
quarta aula.pptx
quarta aula.pptxquarta aula.pptx
quarta aula.pptx
 
Noçoes de mamografia
Noçoes de mamografiaNoçoes de mamografia
Noçoes de mamografia
 
Papel da radioterapia no tratamento do cancro da mama
Papel da radioterapia no tratamento do cancro da mamaPapel da radioterapia no tratamento do cancro da mama
Papel da radioterapia no tratamento do cancro da mama
 
Mamografia adriana ii copia
Mamografia adriana ii   copiaMamografia adriana ii   copia
Mamografia adriana ii copia
 
Mielografia
MielografiaMielografia
Mielografia
 

mamo.pdf

  • 1. Mamografia Pedro Lunardi Poppi - 10753847 Adriel Araújo dos Santos - 111914299 SEL0397 - Princípios Físicos de Formaçao de Imagens Médicas
  • 2. Método especial de raios X para obtenção de imagens das mama com alta resolução e contraste Principal método para detecção precoce de câncer de mama
  • 3. Histórico da mamografia Em 1913 Albert Salomon, utilizou a radiografia convencional para o diagnóstico de câncer de mama. Em 1966 a General Electric (GE) desenvolveu o primeiro equipamento de raios X dedicado à mamografia, o mamógrafo. Em 1992 foram introduzidas máquinas que utilizam ródio no tubo de raios X para melhor penetração no tecido mamário
  • 4. Mamografia convencional Na mamografia convencional, as imagens são gravadas em filmes formados por uma base de acetato ou poliéster. Após ser exposto à radiação, o filme passa por um processamento onde é revelado e fixado por agentes químicos.
  • 5. Mamografia digital Possui um detector, o qual produz um sinal eletrônico que é digitalizado e armazenado. As imagens digitais podem ser processadas por um computador e apresentadas em vários formatos. A mamografia digital fornece uma gama ampla e dinâmica de densidades e maior resolução de contraste em mamas densas. Etapas de aquisição, processamento e armazenamento são separadas, e podem ser aperfeiçoadas individualmente
  • 6. CAD (Computer-Aided Detection) Aumenta a sensibilidade de detecção dos tumores Gera uma segunda leitura rápida para o especialista Possui total reprodutibilidade com a mamografia digital
  • 7. Mamógrafo Consiste em ampola, ânodo, cátodo, foco real e filtros.
  • 8. Ampola Dimensões um pouco menores que dos aparelhos de raios X convencionais. Possui um ânodo rotatório com o cátodo de filamento aquecido. Devido ao efeito anódico, o lado do cátodo deve ser posicionado virado para a paciente.
  • 9. Ânodo Usualmente é feito de molibdênio, podendo ser usado também o tungstênio e o ródio O molibdênio, cujo número atômico é 42, possui uma radiação característica da ordem de 20 keV, devido às transições de elétron na camada K O espectro fornecido por um alvo de ródio (45) também apresenta uma radiação característica proeminente, a partir dos 23 keV.
  • 10. Foco O tamanho do foco também influi decisivamente na imagem porque, na mamografia, se deseja alcançar um alto grau de resolução espacial, devido à presença de microcalcificações que precisam ser identificadas. Com relação à forma do ponto focal, é mais usual o formato circular ou elíptico, pois essas formas permitem que a penumbra gerada seja igual em todas as direções do plano.
  • 11. Controle Automático de Exposição(CAE) É uma célula fotoelétrica que utiliza um cronômetro eletrônico de exposição, que interrompe o feixe assim que alcança uma densidade óptica correta no receptor da imagem. Ele tem como função suspender a geração de raios X quando recebe uma determinada quantidade de exposição pré-definida. Isto mantém a densidade óptica do filme dentro de uma faixa que permite alcançar o contraste necessário na imagem.
  • 12. Sistema Digital CR Utiliza uma placa de fósforo que armazena os raios X residuais – esta placa é denominada imaging plate (IP). Após a exposição, o IP é introduzido em uma leitora que faz a liberação da energia armazenada, realizando a conversão do sinal analógico para sinal digital. A imagem obtida é armazenada temporariamente na placa de fósforo
  • 13. Classificação da mama A mama é classificada como mama fibroglandular, fibrogordurosa ou gordurosa. Mama fibroglandular: é a mama jovem, densa, do pós-puberdade até os 30 anos, ou presente em mulheres com mais idade que nunca amamentaram, grávidas ou lactantes. Mama fibrogordurosa: neste tipo, há mudança gradual para uma distribuição igual dos tecidos gorduroso e fibroglandular. É mais comum em mulheres de 30 a 50 anos de idade. Mama gordurosa: tipo de ocorrência mais comum após a menopausa, em mulheres com 50 anos ou mais. Ocorre atrofia do tecido glandular, com sua conversão para tecido adiposo.
  • 14. Procedimentos em mamografia O mamógrafo utiliza tubo de molibdênio (Mo) ou ródio (Rh), ambos elementos que possuem números atômicos baixos (ZMo=42 e ZRh=45) em comparação ao do tungstênio (ZW=74). Campo de radiação limitados pelos colimadores, que direcionam melhor o feixe de raio X Os filtros geralmente são de molibdênio, com cerca de 0,03 mm ou 0,025 mm de ródio, são os responsáveis por impedir que os fótons do feixe que nada acrescentam para o diagnóstico atrapalhem na formação da imagem e atinjam a paciente.
  • 15. Procedimentos em mamografia A distância foco-filme (DFF) gira em torno de 60 a 65 cm, dependendo do fabricante, e a distância foco-objeto (DFO) é variável para que haja magnificação da imagem quando necessário. O ponto focal deve ser bem pequeno, pois é preciso visualizar estruturas de até 0,3 mm de diâmetro, como as microcalcificações.
  • 16. Procedimentos em mamografia O cabeçote do aparelho, no qual se localiza o tubo de raios X, é acoplado a um braço rotativo, que permite sua angulação e possibilita a variação das técnicas de posicionamento realizadas na mamografia. O mamógrafo deve ser operado com tensão constante. Geralmente a tensão usada para mamografia varia de 25 a 50 kVp (entre 28 e 32 kVp, para a maioria dos exames).
  • 17. Efeito Anódico Por causa do efeito anódico, o lado do cátodo deve ser posicionado virado para a paciente, já que a mama na parte proximal é mais espessa e densa devido à musculatura torácica. Assim, permite-se uma maior uniformidade na imagem, já que a parte distal, mais fina, receberá menos radiação.
  • 18. Incidência Craniocaudal (CC) Vista lateral da incidência craniocaudal. Paciente posicionada em incidência craniocaudal (CC). Radiografia da incidência craniocaudal.
  • 19. Incidência médio-lateral oblíqua (MLO) Paciente posicionada em incidência médio-lateral oblíqua (MLO). Radiografia na incidência mediolateral oblíqua.
  • 20. Incidência localizada (spot), compressão seletiva simples e magnificação Posicionamento da mama. Radiografia da mama com compressão localizada.
  • 21. MARCHIORI, Edson. Introdução à Radiologia. Grupo GEN, 2015. E-book. ISBN 978-85-277-2702-0. Disponível em: https://app.minhabiblioteca.com.br/#/books/978-85-277-2702-0/. Referências bibliográficas CAMARGO, Renato; CAMPOS, Alessandra Pacini de. Ultrassonografia, Mamografia e Densitometria Óssea. Editora Saraiva, 2015. E-book. ISBN 9788536521473. Disponível em: https://app.minhabiblioteca.com.br/#/books/9788536521473/. MAMEDE, Marcelo. Tecnologia Radiológica. MedBook Editora, 2019. E- book. ISBN 9786557830338. Disponível em: https://app.minhabiblioteca.com.br/#/books/9786557830338/.