Câncer de pulmão novembro 2011

3.933 visualizações

Publicada em

0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.933
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
63
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
79
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Câncer de pulmão novembro 2011

  1. 1. Seminário: Neoplasia de pulmão 24/05/2012 MR2 ROBERTO CORRÊA
  2. 2. Câncer de Pulmão • Principal causa de morte nos EUA; • Taxa de sobrevida em 5 anos: 15%;• Em 2010: 222.500 novos casos e 157.300 mortes; Brasil(INCA) Estimativas de novos casos: 27.630, sendo 17.800 homens e 9.830, mulheres (2011);Número de mortes: 20.622, sendo 13.141 homens e 7.480, mulheres (2008)
  3. 3. Câncer de Pulmão • Principal fator de risco: tabagismo • Outros fatores de risco: Exposição ao gás radônio; Asbesto; Arsênico; Éter clorometil; Vinil Clorídrico; Cromo; Chumbo; CobreGás mostarda, Níquel, Berílio; Cloroprene
  4. 4. Classificação Histológica
  5. 5. Classificação Histológica
  6. 6. Classificação HistológicaDivide-se em duas grandes categorias histológicas:1. Carcinoma de pulmão de células não pequenas; 2. Carcinoma de pulmão de células pequenas;
  7. 7. Carcinoma de células escamosas Tem incidência decrescente; Cerca de 30% de todos cânceres pulmonares; Tipicamente acometem brônquios centrais efrequentemente se manifestam como pneumonia pós- obstrutiva ou atelectasia; Impactação mucoide, bronquiectasias e hiperinsulflação: manifestações incomuns; Maior tendência à escavação(10-30); Escavação tipicamente excêntrica e com paredes espessas e irregulares; Crescimento lento e metástases tardias.
  8. 8. Adenocarcinoma Incidência crescente; Forma histológica mais comum: 50%;Nódulos pulmonares periféricos e solitários é a apresentação mais comum;Atenuação de partes moles ou em vidro fosco; A linfangite carcinomatosa ocorre mais frequentemente com o adenocarcinoma; Metástases hilares: 18 a 40%; Metástases mediastinais: 2-27%; Carcinoma bronquíolo-alveolar: variante.
  9. 9. Carcinoma de Grandes Células Responsável por 10-20% de todos os casos; A maioria se apresenta como massas emlocalização periférica, com margens mal definidas e dimensões acima de 7cm de diâmetro; Crescimento rápido; escavação incomum; Linfadenopatia hilar e mediastinal: mais de um terço dos pacientes na apresentação e as metástases extratorácicas precoces são comuns.
  10. 10. Carcinoma de células pequenas Responsável por 15-20% de todos os casos; Tumor primário é tipicamente pequeno, de localização central e está associado àlinfadenopatia hilar e mediastinal marcada e ainda com metástases à distância´. Metástases: fígado, medula óssea, adrenais e cérebro; Derrame pleural: 5-40% dos pacientes;Nódulo periférico solitário: 5% dos casos de CBPC.
  11. 11. Manifestações Clínicas • Dor torácica; • Rouquidão; • Dispnéia; • Síndrome de Horner: ptose, miose e anidrose; • Síndrome da Veia Cava Superior; • Disfagia; • Síndromes paraneoplásicas(10-20%):SIADH, Osteoartropatia, Cushing, Lambert-Eaton, Degeneração Cerebelar, Encefalomielite, etc.
  12. 12. CBPC: paralisia diafragmática
  13. 13. Avaliação Radiológica • As técnicas de imagem apresentam um papel definido no diagnóstico, estadiamento e na monitorização dos pacientes com câncer de pulmão;• Entretanto: qual o papel dos exames de imagem no rastreamento??
  14. 14. Diagnóstico• 20-30% dos pacientes se apresentam com nódulo pulmonar solitário; • Algumas características morfológicas e fisiológicas sugerem o diagnóstico: • Tamanho: quanto maior o nódulo, maior achance. Entretanto um nódulo pequeno não excluio risco de carcinoma: 42% dos cânceres ressecados tinham menos de 2cm de diâmetro; • Margens: margens irregulares ou espiculadas; margens lisas: 20% eram carcinomas.
  15. 15. Diagnóstico • Morfologia Interna: excluindo a presença de gordura ou de calcificações, a morfologia interna não diferencia carcinoma de lesão benigna; • Calcificações são tipicamente amorfas em aparência, ao contrário das calcificações difusas, sólidas, puntiformes centrais, laminadas ou em formato de pipoca que são diagnósticas de nódulos benignos;• Crescimento: os cânceres de pulmão dobram de volume(um aumento de 26% no diâmetro) entre 30-400 dias.
  16. 16. Diagnóstico • Suprimento sanguíneo: diferenças quanti e qualitativas entre nódulos malignos e benignos;Nódulos malignos: realçam mais do que 20HU, enquanto os benignos realçam menos de 15HU; •Metabolismo: o metabolismo da glicose apresenta-se tipicamente aumentado nas células do câncer de pulmão.• Resultados falso negativos com lesões menores de 1,0cm; • Um SUV(valor padronizado de captação) maior que 2,5 é geralmente indicativo de malignidade, mas não é usado como ponto de corte rígido; PET: sensibilidade de 96,8% e especificidade de 78%; Falso negativo também no tumor carcinoide e no CBA.
  17. 17. CBNPC: massa calcificada com invasão do mediastino.
  18. 18. Aumento de 70HU: neoplasia
  19. 19. Estadiamento • Sistema TNM; • Sétima edição do sistema TNM(2009);• Houve mudanças em relação ao estadiamento do câncer de pulmão; • Tumor primário; • Disseminação linfonodal; • Metástases à distância;
  20. 20. Invasão da Artéria Pulmonar
  21. 21. Invasão da Parede Torácica
  22. 22. Invasão da Parede Torácica
  23. 23. Invasão da Parede Torácica
  24. 24. Pancoast: tumor do sulco superior
  25. 25. Pancoast: tumor do sulco superior
  26. 26. Invasão Mediastinal
  27. 27. Metástases pleurais
  28. 28. Metástase Adrenal
  29. 29. Metástase SNC
  30. 30. Metástases intratorácicas: M1a
  31. 31. Metástases extratorácicas: M1b
  32. 32. “Skip” Metástases
  33. 33. Derrame Pleural
  34. 34. Metástases linfonodais e vertebral
  35. 35. Linfangite Carcinomatosa
  36. 36. Carcinoma Bronquíolo-alveolar
  37. 37. Metástase Hilar: N1
  38. 38. Metástase Mediastinal
  39. 39. Bibliografia

×