SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 49
Baixar para ler offline
Paciente
Oncológico
ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM
O que é um câncer
 Câncer é o nome dado a um conjunto de mais de 100 doenças que
têm em comum o crescimento desordenado de células que invadem
os tecidos e órgãos, podendo gerar metástase.
“O câncer é acompanhado por atitudes que revelam a angústia do indivíduo perante
sua situação, expressos por revolta e por diversos questionamentos, fazendo-os
experimentar sentimentos contraditórios. Sensações de solidão, insegurança, incerteza e
angústia do paciente gerado pelo impacto da doença que interfere na sua relação com
a enfermagem e no diálogo estabelecido entre eles.” (SALES et al., 2001; LOPES, 2003).
Como acontece
 O processo de carcinogênese, ou seja, de formação de câncer, em
geral se dá lentamente, podendo levar vários anos para que uma
célula cancerosa prolifere e dê origem a um tumor visível. Esse
processo passa por vários estágios antes de chegar ao tumor. São
eles:
 Estágio de iniciação
 Estágio de promoção
 Estágio de progressão
Seus tipos mais comuns
 Câncer de mama
 Pulmão
 Estômago
 Colorretal
 Fígado
 Pele
 Próstata
 Câncer de colo de útero
Câncer de Mama
Fisiologia da Mama
 O parênquima mamário é a estrutura funcional da glândula - 18 a
20 lobos.
 Cada lobo é formado por um conjunto de alvéolos, canalículos,
ductos lactóforos e ampolas lactóforas.
 Os alvéolos mamários, formados por um conjunto de células
(lactóforas e mioepiteliais), podem ser considerados as unidades
mais importantes da estrutura mamária, pois são responsáveis pela
síntese do leite.
 Um conjunto de 10 a 100 alvéolos denomina-se lóbulos. Os
canalículos são finos canais que transportam o leite dos alvéolos
para os ductos.
Ou ducto
lactífero
Câncer de Mama
 Não existe nenhuma etiologia específica.
 Pode contribuir para o seu desenvolvimento: eventos hormonais,
genéticos e possivelmente ambientais.
 Os hormônios produzidos pelos ovários possuem uma importante
função no câncer de mama. Dois hormônios ovarianos principais :
estradiol e progesterona. Estes são alterados por diversos fatores e
podem afetar os fatores de crescimento
 Podem surgir alterações na pele que recobre a mama, como
abaulamentos ou retrações, inclusive no mamilo, ou aspecto
semelhante a casca de laranja. Secreção no mamilo também é um
sinal de alerta. O sintoma do câncer palpável é o nódulo (caroço) no
seio, acompanhado ou não de dor mamária. Podem também surgir
nódulos palpáveis na axila.
Tipos de Câncer de Mama
 Carcinoma in situ
 Carcinoma Lobular in situ
 Carcinoma Ductal Infiltrante
 Carcinoma Lobular infiltrante
 Carcinoma Medular
 Câncer Mucinoso
 Câncer Ductal tubular
 Carcinoma inflamatório
Câncer de Mama
Câncer de Pulmão -
Fisiologia
 O aparelho respiratório é formado pelos pulmões e as vias de condução:
fossas nasais, nasofaringe, laringe, traqueia, brônquios, bronquíolos e
alvéolos. É na porção condutora que o ar inspirado é limpo, aquecido e
umedecido, a fim de proteger o delicado revestimento dos alvéolos
pulmonares.
 Mecânica respiratória
 Controle da respiração
 Ventilação e perfusão pulmonar
 Difusão e transporte de gases
Câncer de pulmão
 Com 1,2 milhão de novos casos a cada ano;
 é o tipo de câncer mais comum e o que mais mata no mundo;
 Surge acompanhado de outras doenças associadas ao cigarro;
 Diminui a capacidade pulmonar e pode tornar inviável uma cirurgia;
 Os principais sintomas são tosse, escarro com sangue, dor no tórax,
falta de ar e inflamação nos brônquios.
Fisiopatologia
 O câncer de pulmão é um tumor caracterizado pela quebra dos
mecanismos de defesa naturais do pulmão, a partir de estímulos
carcinogênicos ao longo dos anos, levando ao crescimento
desorganizado de células malignas. O câncer de pulmão é um tumor
maligno que pode pegar desde a traqueia até a periferia do pulmão.
 Um tumor torácico maligno pode ser primário. Originando-se dentro
do pulmão, parede torácica ou mediastino, ou pode ser secundário a
uma metástase a partir de outro sítio tumoral de outra parte do corpo.
Câncer de Estômago
 FISIOLOGIA DO ESTÔMAGO
 Reservatório e transferência controlada de quimo para o intestino
delgado. Trituração do bolo alimentar, com redução do tamanho
das partículas.Função digestiva pela hidrólise de proteínas pela
pepsina, de lipídios pela lipase. A secreção deHCl acidifica o
quimo, ajustando o pH ao ótimo para a ação da protease. O pH
ácido tem efeitoanti-séptico, hidrolisa os pepsinogênios e é o meio
adequado para a ação da pepsinaProdução do fator intrínseco,
uma glico-proteína de 55kDa, indispensável para a absorção
davitamina B12.
Câncer de Estômago
 Em termos de incidência, é o quarto tipo mais comum no mundo,
com 870 mil casos por ano. Mas é o segundo que mais mata.
 Seus sintomas não são específicos: perda de peso, fadiga, falta de
fome, vômitos, náuseas e desconforto abdominal.
 Dieta é o maior fator de risco.
 Fatores genéticos
 O Helicobacter pylorii provoca alterações na mucosa do estômago
que lenta e progressivamente podem gerar a transformação
carcinomatosa.
Classificação da Sociedade
Japonesa de Endoscopia Digestiva
Câncer Gástrico Precoce
 Refere-se àquele que não penetra além da mucosa ou
submucosa , na presença ou não de metástase linfonodal
 Classificado em três tipos :
I – Polipóide
IIa – Superficial elevado
IIb – Superficial plano
IIc – Superficial deprimido
III - Ulcerado
Classificação do câncer
gástrico avançado
Classificação de Borrmann:
 Tipo I – polipóide
 Tipo II – ulcerado com bor-
das bem delimitada
 Tipo III – ulcerado infiltrativa
 Tipo IV – infiltrativo difuso
 Tipo V – câncer gástrico que
não se encaixa em nenhuma
Câncer colorretal
 A principal função do intestino grosso é extrair água e sais minerais dos
alimentos previamente digeridos, após passarem pelo estômago e
pelo intestino delgado. O conteúdo fecal torna-se mais pastoso e
sólido à medida que é conduzido ao longo do cólon, sendo
finalmente armazenado no reto, antes da evacuação.
 O câncer colorretal tem origem na camada interna do intestino
grosso.
 O processo pode levar vários anos.
 se origina a partir de pólipos adenomatosos
 Sinais e Sintomas: alteração do ritmo intestinal, dores abdominais,
presença de sangue nas fezes, dor ao evacuar.
 Colonoscopia (principal exame)
Fisiologia da Pele
 Maior órgão do corpo humano, a pele representa 16% do nosso peso
e é a primeira barreira do organismo com o meio externo. Exerce
funções essenciais, como controle do fluxo sanguíneo, regulação
térmica e proteção contra ameaças externas. A superfície cutânea
mede cerca de 2 m2 e em cada polegada quadrada de pele existem
19 milhões de células, 625 glândulas sudoríparas e 19 mil células
nervosas.
Câncer de Pele
 O melanoma cutâneo é um tipo de câncer de pele que tem origem
nos melanócitos (células produtoras de melanina, substância que
determina a cor da pele) e tem predominância em adultos brancos.
 Embora o câncer de pele seja o mais frequente no Brasil e
corresponda a 25% de todos os tumores malignos registrados no País,
o melanoma representa apenas 4% das neoplasias malignas do
órgão, apesar de ser o mais grave devido à sua alta possibilidade de
metástase.
 O prognóstico desse tipo de câncer pode ser considerado bom, se
detectado nos estádios iniciais. Nos últimos anos, houve uma grande
melhora na sobrevida dos pacientes com melanoma, principalmente
devido à detecção precoce do tumor.
Fisiologia do fígado
 Metabolismo dos carboidratos
 Metabolismo de lipídeos
 Metabolismo de proteínas
 Ajuda á digestão do alimento
 Produz proteínas que evitam a formação de coágulos no sangue
 Armazena o alimento e usa para produzir energia
 Ajuda a usar e armazenar vitaminas
 Muitas funções ainda não totalmente compreendidas
Câncer de Fígado
 Quinto colocado em incidência (com 560 mil novos casos anuais), é o
terceiro que mais mata.
 Geralmente está associado ao alcoolismo e à hepatite B e C, mas a
doença também pode ser provocada pelo consumo de grãos mal
armazenados, nos quais crescem fungos que produzem toxinas
cancerígenas.
 Os principais sintomas são dores e inchaço no abdômen, náusea, falta
de apetite e icterícia.
 Esse tipo de câncer se desenvolve muito rápido, podendo duplicar de
tamanho em apenas quatro meses. O fígado também é alvo comum
de outros cânceres, que entram em metástase e se espalham pelo
corpo.
Câncer de fígado - Tipos
 Hepatocarcinoma
 Colangiocarcinoma
 Angiosarcoma
Câncer de Colo de útero
 O canal do colo do útero, promove a comunicação da cavidade endometrial
com a vaginal.
 Tem como função proteger a entrada de agentes patogênicos.
 Secreta muco e anticorpos que ocupa a cavidade cervical e impedem a
progressão de agentes patogênicos para o interior da cavidade uterina.
 Além disso, possui papel importante na ativação dos espermatozóides.
 É o local em que ocorre a implantação, nutrição e proteção do embrião, com
função bem definida e essencial para o sucesso da gravidez.
Câncer de colo do útero
 O carcinoma do colo de útero é predominantemente o câncer de
células escamosas.
 O câncer cervical ocorre mais em mulheres entre 30 e 45 anos de
idade.
 Fatores de risco: múltiplos parceiros, fumo e infecção cervical crônica.
 Exposição ao papilomavírus humano (HPV)
 Raramente produz sintomas. Quando surge um avanço aparece tais
sintomas: sangramento irregular, sangramento após relação sexual,
secreção.
 Com progressão maior: dor nas costas e pernas. Edemaciação e
anemias extremas acompanhadas de febre.
Prevenção
 PREVENÇÃO
 Exame papanicolau/preventivo;
 Educação em saúde;
 Parar de fumar;
 Usar preservativo.
Câncer de próstata
 A próstata é uma glândula que produz uma secreção química
fisiologicamente adequada às necessidades dos espermatozoides.
 O câncer de próstata é mais comum em homens afro-americanos.
 Cerca de 1 a cada 5 homens nos EUA.
 Em estágios iniciais raramente produz sintomas.
 Quando avanço: Disfunção sexual, retenção urinária, dificuldade e
frequência da micção, tamanho e força diminuído do jato urinário.
Fisiopatologia
 Para Corrêa e colaboradores (2003) e Dini e Koff (2006), como todos
os outros tecidos e órgãos do corpo, a próstata é composta por
células, que normalmente se dividem e se reproduzem de forma
ordenada e controlada, no entanto, quando ocorre uma disfunção
celular que altere este processo de divisão e reprodução, produz-se
um excesso de tecido, que dá origem ao tumor, podendo este ser
classificado como benigno ou maligno.
 Gera metástases para ossos e linfonodos.
 Sintomas ligados a metástases: Dor nas costas e quadril ,desconforto
perineal e retal, anemia, perda de peso, fraqueza, náuseas, oligúria
e hematúria.
Tratamento
 Remoção parcial ou total do órgão com o tumor
 Radioterapia
 Quimioterapia
 Transplante de medula óssea
 Cuidados Paliativos
Quimioterapia
 Quimioterapia é o método que utiliza compostos
químicos, chamados quimioterápicos, no
tratamento de doenças causadas por agentes
biológicos. Quando aplicada ao câncer, a
quimioterapia é chamada de quimioterapia
antineoplásica ou quimioterapia antiblástica.
 Os agentes utilizados no tratamento do câncer
afetam tanto as células normais como as
neoplásicas, porém eles acarretam maior dano às
células malignas, devido às diferenças
quantitativas entre os processos metabólicos
dessas duas populações celulares. Os citotóxicos
não são letais às células neoplásicas de modo
seletivo
 Ciclo-inespecíficos - Aqueles que atuam nas
células que estão ou não no ciclo proliferativo,
como, por exemplo, a mostarda nitrogenada.
Ciclo-específicos - Os quimioterápicos que atuam
somente nas células que se encontram em
proliferação, como é o caso da ciclofosfamida.
Fase-específicos - Aqueles que atuam em
determinadas fases do ciclo celular, como, por
exemplo, o metotrexato (fase S), o etoposídeo
(fase G2) e a vincristina (fase M).
Radioterapia
 A radioterapia é um método capaz de destruir
células tumorais, empregando feixe de
radiações ionizantes. Uma dose pré-calculada
de radiação é aplicada, em um determinado
tempo, a um volume de tecido que engloba o
tumor, buscando erradicar todas as células
tumorais, com o menor dano possível às
células normais circunvizinhas, à custa das
quais se fará a regeneração da área
irradiada.
 A maioria dos tumores radiossensíveis são
radiocuráveis. Entretanto, alguns se
disseminam independentemente do controle
local; outros apresentam sensibilidade tão
próxima à dos tecidos normais, que esta
impede a aplicação da dose de erradicação.
A curabilidade local só é atingida quando a
dose de radiação aplicada é letal para todas
as células tumorais, mas não ultrapassa a
tolerância dos tecidos normais.
Transplante
de Medula
óssea
 É um procedimento médico
da área da hematologia e
oncologia que envolve
o transplante de células
tronco hematopoiéticas
provenientes da medula
óssea do doador.
 A principal característica desse
procedimento e o que a difere
da maioria dos transplantes de
órgãos é que no TMO o
receptor recebe por via
endovenosa um aspirado de
células de medula óssea do
doador, e essas células migram
pelo sangue até se fixarem na
medula óssea do receptor e
voltarem a se multiplicar e
cumprir suas funções
fisiológicas no hospedeiro.
Tratamento pelo SUS
 A Política Nacional de Prevenção e Controle do Câncer
garante o atendimento integral a qualquer doente com
câncer, por meio das Unidades de Assistência de Alta
Complexidade em Oncologia (Unacon) e dos Centros de
Assistência de Alta Complexidade em Oncologia (Cacon).
Este é o nível da atenção capacitado para determinar a
extensão da neoplasia (estadiamento), tratar, cuidar e
assegurar a qualidade dos serviços de assistência oncológica,
conforme a Portaria nº 874/GM de 16 de maio de 2013. Esta
portaria substitui a nº 2.439/GM, de 8 de dezembro de 2005.
Hospitais que possuem
tratamento oncológico na
Região
 Ilhéus
Hospital São José Maternidade Santa Helena/Santa
Casa de Misericórdia (Unacon)
 Itabuna
Hospital Calixto Midlej Filho (Unacon com serviço de
Radioterapia)
Hospital Manoel Novaes (Unacon com serviço de
Radioterapia)
Unidades de Tratamento
 UNACON
Unidades hospitalares que possuem condições técnicas, instalações
físicas, equipamentos e recursos humanos adequados à prestação
de assistência especializada de alta complexidade para o
diagnóstico definitivo e tratamento dos cânceres mais prevalentes .
Estas unidades hospitalares podem ter em sua estrutura física a
assistência radioterápica ou então, referenciar formalmente os
pacientes que necessitarem desta modalidade terapêutica
Unidades de Tratamento
 CACON
 Unidades hospitalares que possuem condições técnicas, instalações
físicas, equipamentos e recursos humanos adequados à prestação de
assistência especializada de Alta Complexidade para o diagnóstico
definitivo e tratamento de todos os tipos de câncer . Estes hospitais
devem, obrigatoriamente, contar com assistência radioterápica em
sua estrutura física.
 Centros de Referência de Alta Complexidade em Oncologia
São aqueles CACON designados para exercer o papel auxiliar, de
caráter técnico, ao gestor do SUS nas políticas de atenção
oncológica.
 Serviços Isolados de Radioterapia e/ou Quimioterapia
Unidades de Tratamento
Unidade de
Quimioterapia HCMF Oncosul
Cuidados de enfermagem
 Deste modo o paciente oncológico necessita de cuidados específicos não
apenas na clínica, mas, sobretudo no apoio emocional. É de fundamental
importância que o paciente tenha um cuidado holístico durante todo o
tratamento clínico oncológico. A assistência ao paciente oncológico da
provas de sua complexidade, pois, é necessário levar em considerações
múltiplos aspectos, como: físico, psicológico, social, econômico, cultural e
espirituais, além de preconceitos e tabus concernentes ao câncer. A
enfermagem tem um papel fundamental nos cuidados a esses pacientes,
requer conhecimento científico e habilidades técnicas, em todas as etapas e
serviços de atendimento a estes pacientes
 (SKEEL, 1993; BONASSA; SANTANA, 2005; BRIDA, 2012).
Cuidados de Enfermagem
 Fornecer alívio para dor e outros sintomas estressantes como astenia,
anorexia, dispnéia e outras emergências oncológicas.
 Integrar os aspectos psicológicos, sociais e espirituais ao aspecto clínico de
cuidado do paciente.
 Não apressar ou adiar a morte.
 Oferecer um sistema de apoio para ajudar a família a lidar com a doença
do paciente, em seu próprio ambiente.
 Oferecer um sistema de suporte para ajudar os pacientes a viverem o mais
ativamente possível até sua morte.
 Usar uma abordagem interdisciplinar para acessar necessidades clínicas e
psicossociais dos pacientes e suas famílias, incluindo aconselhamento e
suporte ao luto.
Cuidados de Enfermagem
 Aceite o comportamento dos pacientes não importando qual seja;
 Oportunize aos pacientes momentos para a expressão livre de seus
sentimentos;
 Trabalhe para compreender os sentimentos dos pacientes;
 Use afirmações de ampla abertura, como "Deve ser difícil para você",
e "Gostaria de conversar a respeito?"
 Hidratação, alimentação, eliminação fisiológica, higiene, posição,
conforto, administração de medicamentos CPM.
Cuidados de Enfermagem
 A unidade de tratamento compreende o paciente e sua família.
 Os sintomas do paciente devem ser avaliados rotineiramente e
gerenciados de forma eficaz através de consultas frequentes e
intervenções ativas.
 As decisões relacionadas à assistência e tratamentos médicos devem
ser feitos com base em princípios éticos.
 A comunicação adequada entre o enfermeiro e familiares e
pacientes é a base para o esclarecimento e favorecimento da
adesão ao tratamento ou aceitação da proximidade da morte.
Referências
 Mundo Esranho - Editora Abril. Disponível em:
http://mundoestranho.abril.com.br/materia/quais-sao-
os-principais-tipos-de-cancer-e-os-mais-letais
 Instituto Nacional de Câncer. Disponível em:
http://www2.inca.gov.br/
 BRUNNER & SUDDART. Tratado de Enfermagem
Médico- Cirúrgica
Componentes
 Ana Cláudia
 Bruna Guimarães
 Daniel Rodrigues
 Irenilda Guimarães
 Jamile Lopes
 Joana Menezes
 Katielle
 Tamiles Café
 Rita Sampaio
 Sueli Freitas

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Slide Centro Cirúrgico
Slide Centro CirúrgicoSlide Centro Cirúrgico
Slide Centro CirúrgicoLuana Santos
 
PAISM - PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER
PAISM - PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER PAISM - PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER
PAISM - PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER Karen Lira
 
Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2
Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2
Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2Aline Bandeira
 
Clínica Cirúrgica AULA 1
Clínica Cirúrgica AULA 1Clínica Cirúrgica AULA 1
Clínica Cirúrgica AULA 1Aline Bandeira
 
Gerenciamento de enfermagem: supervisão de enfermagem
Gerenciamento de enfermagem: supervisão de enfermagemGerenciamento de enfermagem: supervisão de enfermagem
Gerenciamento de enfermagem: supervisão de enfermagemAroldo Gavioli
 
Central de Material e esterelização
 Central de Material e esterelização Central de Material e esterelização
Central de Material e esterelizaçãoGilson Betta Sevilha
 
Programa nacional de imunizacao pni-aula-nadja
Programa nacional de imunizacao pni-aula-nadjaPrograma nacional de imunizacao pni-aula-nadja
Programa nacional de imunizacao pni-aula-nadjaNadja Salgueiro
 
Avaliação e tratamento de feridas - CBCENF
Avaliação e tratamento de feridas - CBCENFAvaliação e tratamento de feridas - CBCENF
Avaliação e tratamento de feridas - CBCENFJanaína Lassala
 
Acidente Vascular Encefálico
Acidente Vascular EncefálicoAcidente Vascular Encefálico
Acidente Vascular EncefálicoBrenda Lahlou
 
Aula 7 posições cirúrgicas
Aula 7 posições cirúrgicasAula 7 posições cirúrgicas
Aula 7 posições cirúrgicasMarci Oliveira
 
Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem Rafaela Amanso
 
Humanização Na Assistencia de Enfermagem
Humanização Na Assistencia de  EnfermagemHumanização Na Assistencia de  Enfermagem
Humanização Na Assistencia de EnfermagemCharles Lima
 
Paciente em fase terminal
Paciente em fase terminalPaciente em fase terminal
Paciente em fase terminalRodrigo Abreu
 
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)Amanda Moura
 
Câncer de Colo do Útero
Câncer de Colo do ÚteroCâncer de Colo do Útero
Câncer de Colo do ÚteroOncoguia
 

Mais procurados (20)

Aula sinais vitais
Aula sinais vitaisAula sinais vitais
Aula sinais vitais
 
Slide Centro Cirúrgico
Slide Centro CirúrgicoSlide Centro Cirúrgico
Slide Centro Cirúrgico
 
PAISM - PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER
PAISM - PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER PAISM - PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER
PAISM - PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER
 
Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2
Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2
Protocolo de Cirurgia Segura AULA 2
 
Clínica Cirúrgica AULA 1
Clínica Cirúrgica AULA 1Clínica Cirúrgica AULA 1
Clínica Cirúrgica AULA 1
 
Gerenciamento de enfermagem: supervisão de enfermagem
Gerenciamento de enfermagem: supervisão de enfermagemGerenciamento de enfermagem: supervisão de enfermagem
Gerenciamento de enfermagem: supervisão de enfermagem
 
Central de Material e esterelização
 Central de Material e esterelização Central de Material e esterelização
Central de Material e esterelização
 
Programa nacional de imunizacao pni-aula-nadja
Programa nacional de imunizacao pni-aula-nadjaPrograma nacional de imunizacao pni-aula-nadja
Programa nacional de imunizacao pni-aula-nadja
 
Avaliação e tratamento de feridas - CBCENF
Avaliação e tratamento de feridas - CBCENFAvaliação e tratamento de feridas - CBCENF
Avaliação e tratamento de feridas - CBCENF
 
Acidente Vascular Encefálico
Acidente Vascular EncefálicoAcidente Vascular Encefálico
Acidente Vascular Encefálico
 
Aula 7 posições cirúrgicas
Aula 7 posições cirúrgicasAula 7 posições cirúrgicas
Aula 7 posições cirúrgicas
 
SAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEM
SAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEMSAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEM
SAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEM
 
Sae
SaeSae
Sae
 
Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem
 
Humanização Na Assistencia de Enfermagem
Humanização Na Assistencia de  EnfermagemHumanização Na Assistencia de  Enfermagem
Humanização Na Assistencia de Enfermagem
 
Paciente em fase terminal
Paciente em fase terminalPaciente em fase terminal
Paciente em fase terminal
 
Curativos
CurativosCurativos
Curativos
 
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
 
Câncer de Colo do Útero
Câncer de Colo do ÚteroCâncer de Colo do Útero
Câncer de Colo do Útero
 
Queimaduras
QueimadurasQueimaduras
Queimaduras
 

Semelhante a Paciente Oncológico: Cuidados de Enfermagem para os Principais Cânceres

Semelhante a Paciente Oncológico: Cuidados de Enfermagem para os Principais Cânceres (20)

O que é câncer de mama
O que é câncer de mamaO que é câncer de mama
O que é câncer de mama
 
Cancer estomago, coloretal
Cancer estomago, coloretalCancer estomago, coloretal
Cancer estomago, coloretal
 
Cancer
CancerCancer
Cancer
 
Câncer de mama - Patologia
Câncer de mama - PatologiaCâncer de mama - Patologia
Câncer de mama - Patologia
 
Slide cancer 2.0
Slide cancer 2.0Slide cancer 2.0
Slide cancer 2.0
 
Câncer de mama
Câncer de mamaCâncer de mama
Câncer de mama
 
Cancro da mama
Cancro da mamaCancro da mama
Cancro da mama
 
Palestra sobre Cânce do cólo do Útero e Câncer de Mama
Palestra sobre Cânce do cólo do Útero e Câncer de MamaPalestra sobre Cânce do cólo do Útero e Câncer de Mama
Palestra sobre Cânce do cólo do Útero e Câncer de Mama
 
Tcc remédios (texto) 20.01.10
Tcc   remédios (texto) 20.01.10Tcc   remédios (texto) 20.01.10
Tcc remédios (texto) 20.01.10
 
CâNcer
CâNcerCâNcer
CâNcer
 
SLIDE CÂNCER COLO DO ÚTERO.pptx
SLIDE CÂNCER COLO DO ÚTERO.pptxSLIDE CÂNCER COLO DO ÚTERO.pptx
SLIDE CÂNCER COLO DO ÚTERO.pptx
 
Neoplasias do Sistema Reprodutor Feminino
Neoplasias do Sistema Reprodutor Feminino Neoplasias do Sistema Reprodutor Feminino
Neoplasias do Sistema Reprodutor Feminino
 
Câncer de Ovário
Câncer de OvárioCâncer de Ovário
Câncer de Ovário
 
Câncer de colo
Câncer de coloCâncer de colo
Câncer de colo
 
Tudo sobre Câncer do Colo do Útero
Tudo sobre Câncer do Colo do ÚteroTudo sobre Câncer do Colo do Útero
Tudo sobre Câncer do Colo do Útero
 
Cancer.ppt
Cancer.pptCancer.ppt
Cancer.ppt
 
Cancer.ppt
Cancer.pptCancer.ppt
Cancer.ppt
 
Cancer
CancerCancer
Cancer
 
CÂNCER DE MAMA PALESTRA.pptx
CÂNCER DE MAMA PALESTRA.pptxCÂNCER DE MAMA PALESTRA.pptx
CÂNCER DE MAMA PALESTRA.pptx
 
AULA 08 - CÂNCER DE COLO DE ÚTERO E MAMA.pptx
AULA 08 - CÂNCER DE COLO DE ÚTERO E MAMA.pptxAULA 08 - CÂNCER DE COLO DE ÚTERO E MAMA.pptx
AULA 08 - CÂNCER DE COLO DE ÚTERO E MAMA.pptx
 

Paciente Oncológico: Cuidados de Enfermagem para os Principais Cânceres

  • 2. O que é um câncer  Câncer é o nome dado a um conjunto de mais de 100 doenças que têm em comum o crescimento desordenado de células que invadem os tecidos e órgãos, podendo gerar metástase. “O câncer é acompanhado por atitudes que revelam a angústia do indivíduo perante sua situação, expressos por revolta e por diversos questionamentos, fazendo-os experimentar sentimentos contraditórios. Sensações de solidão, insegurança, incerteza e angústia do paciente gerado pelo impacto da doença que interfere na sua relação com a enfermagem e no diálogo estabelecido entre eles.” (SALES et al., 2001; LOPES, 2003).
  • 3. Como acontece  O processo de carcinogênese, ou seja, de formação de câncer, em geral se dá lentamente, podendo levar vários anos para que uma célula cancerosa prolifere e dê origem a um tumor visível. Esse processo passa por vários estágios antes de chegar ao tumor. São eles:  Estágio de iniciação  Estágio de promoção  Estágio de progressão
  • 4. Seus tipos mais comuns  Câncer de mama  Pulmão  Estômago  Colorretal  Fígado  Pele  Próstata  Câncer de colo de útero
  • 6. Fisiologia da Mama  O parênquima mamário é a estrutura funcional da glândula - 18 a 20 lobos.  Cada lobo é formado por um conjunto de alvéolos, canalículos, ductos lactóforos e ampolas lactóforas.  Os alvéolos mamários, formados por um conjunto de células (lactóforas e mioepiteliais), podem ser considerados as unidades mais importantes da estrutura mamária, pois são responsáveis pela síntese do leite.  Um conjunto de 10 a 100 alvéolos denomina-se lóbulos. Os canalículos são finos canais que transportam o leite dos alvéolos para os ductos.
  • 8. Câncer de Mama  Não existe nenhuma etiologia específica.  Pode contribuir para o seu desenvolvimento: eventos hormonais, genéticos e possivelmente ambientais.  Os hormônios produzidos pelos ovários possuem uma importante função no câncer de mama. Dois hormônios ovarianos principais : estradiol e progesterona. Estes são alterados por diversos fatores e podem afetar os fatores de crescimento  Podem surgir alterações na pele que recobre a mama, como abaulamentos ou retrações, inclusive no mamilo, ou aspecto semelhante a casca de laranja. Secreção no mamilo também é um sinal de alerta. O sintoma do câncer palpável é o nódulo (caroço) no seio, acompanhado ou não de dor mamária. Podem também surgir nódulos palpáveis na axila.
  • 9. Tipos de Câncer de Mama  Carcinoma in situ  Carcinoma Lobular in situ  Carcinoma Ductal Infiltrante  Carcinoma Lobular infiltrante  Carcinoma Medular  Câncer Mucinoso  Câncer Ductal tubular  Carcinoma inflamatório
  • 11. Câncer de Pulmão - Fisiologia  O aparelho respiratório é formado pelos pulmões e as vias de condução: fossas nasais, nasofaringe, laringe, traqueia, brônquios, bronquíolos e alvéolos. É na porção condutora que o ar inspirado é limpo, aquecido e umedecido, a fim de proteger o delicado revestimento dos alvéolos pulmonares.  Mecânica respiratória  Controle da respiração  Ventilação e perfusão pulmonar  Difusão e transporte de gases
  • 12. Câncer de pulmão  Com 1,2 milhão de novos casos a cada ano;  é o tipo de câncer mais comum e o que mais mata no mundo;  Surge acompanhado de outras doenças associadas ao cigarro;  Diminui a capacidade pulmonar e pode tornar inviável uma cirurgia;  Os principais sintomas são tosse, escarro com sangue, dor no tórax, falta de ar e inflamação nos brônquios.
  • 13. Fisiopatologia  O câncer de pulmão é um tumor caracterizado pela quebra dos mecanismos de defesa naturais do pulmão, a partir de estímulos carcinogênicos ao longo dos anos, levando ao crescimento desorganizado de células malignas. O câncer de pulmão é um tumor maligno que pode pegar desde a traqueia até a periferia do pulmão.  Um tumor torácico maligno pode ser primário. Originando-se dentro do pulmão, parede torácica ou mediastino, ou pode ser secundário a uma metástase a partir de outro sítio tumoral de outra parte do corpo.
  • 14.
  • 15. Câncer de Estômago  FISIOLOGIA DO ESTÔMAGO  Reservatório e transferência controlada de quimo para o intestino delgado. Trituração do bolo alimentar, com redução do tamanho das partículas.Função digestiva pela hidrólise de proteínas pela pepsina, de lipídios pela lipase. A secreção deHCl acidifica o quimo, ajustando o pH ao ótimo para a ação da protease. O pH ácido tem efeitoanti-séptico, hidrolisa os pepsinogênios e é o meio adequado para a ação da pepsinaProdução do fator intrínseco, uma glico-proteína de 55kDa, indispensável para a absorção davitamina B12.
  • 16. Câncer de Estômago  Em termos de incidência, é o quarto tipo mais comum no mundo, com 870 mil casos por ano. Mas é o segundo que mais mata.  Seus sintomas não são específicos: perda de peso, fadiga, falta de fome, vômitos, náuseas e desconforto abdominal.  Dieta é o maior fator de risco.  Fatores genéticos  O Helicobacter pylorii provoca alterações na mucosa do estômago que lenta e progressivamente podem gerar a transformação carcinomatosa.
  • 17.
  • 18. Classificação da Sociedade Japonesa de Endoscopia Digestiva Câncer Gástrico Precoce  Refere-se àquele que não penetra além da mucosa ou submucosa , na presença ou não de metástase linfonodal  Classificado em três tipos : I – Polipóide IIa – Superficial elevado IIb – Superficial plano IIc – Superficial deprimido III - Ulcerado
  • 19. Classificação do câncer gástrico avançado Classificação de Borrmann:  Tipo I – polipóide  Tipo II – ulcerado com bor- das bem delimitada  Tipo III – ulcerado infiltrativa  Tipo IV – infiltrativo difuso  Tipo V – câncer gástrico que não se encaixa em nenhuma
  • 20.
  • 21. Câncer colorretal  A principal função do intestino grosso é extrair água e sais minerais dos alimentos previamente digeridos, após passarem pelo estômago e pelo intestino delgado. O conteúdo fecal torna-se mais pastoso e sólido à medida que é conduzido ao longo do cólon, sendo finalmente armazenado no reto, antes da evacuação.  O câncer colorretal tem origem na camada interna do intestino grosso.  O processo pode levar vários anos.  se origina a partir de pólipos adenomatosos  Sinais e Sintomas: alteração do ritmo intestinal, dores abdominais, presença de sangue nas fezes, dor ao evacuar.  Colonoscopia (principal exame)
  • 22.
  • 23. Fisiologia da Pele  Maior órgão do corpo humano, a pele representa 16% do nosso peso e é a primeira barreira do organismo com o meio externo. Exerce funções essenciais, como controle do fluxo sanguíneo, regulação térmica e proteção contra ameaças externas. A superfície cutânea mede cerca de 2 m2 e em cada polegada quadrada de pele existem 19 milhões de células, 625 glândulas sudoríparas e 19 mil células nervosas.
  • 24. Câncer de Pele  O melanoma cutâneo é um tipo de câncer de pele que tem origem nos melanócitos (células produtoras de melanina, substância que determina a cor da pele) e tem predominância em adultos brancos.  Embora o câncer de pele seja o mais frequente no Brasil e corresponda a 25% de todos os tumores malignos registrados no País, o melanoma representa apenas 4% das neoplasias malignas do órgão, apesar de ser o mais grave devido à sua alta possibilidade de metástase.  O prognóstico desse tipo de câncer pode ser considerado bom, se detectado nos estádios iniciais. Nos últimos anos, houve uma grande melhora na sobrevida dos pacientes com melanoma, principalmente devido à detecção precoce do tumor.
  • 25.
  • 26. Fisiologia do fígado  Metabolismo dos carboidratos  Metabolismo de lipídeos  Metabolismo de proteínas  Ajuda á digestão do alimento  Produz proteínas que evitam a formação de coágulos no sangue  Armazena o alimento e usa para produzir energia  Ajuda a usar e armazenar vitaminas  Muitas funções ainda não totalmente compreendidas
  • 27. Câncer de Fígado  Quinto colocado em incidência (com 560 mil novos casos anuais), é o terceiro que mais mata.  Geralmente está associado ao alcoolismo e à hepatite B e C, mas a doença também pode ser provocada pelo consumo de grãos mal armazenados, nos quais crescem fungos que produzem toxinas cancerígenas.  Os principais sintomas são dores e inchaço no abdômen, náusea, falta de apetite e icterícia.  Esse tipo de câncer se desenvolve muito rápido, podendo duplicar de tamanho em apenas quatro meses. O fígado também é alvo comum de outros cânceres, que entram em metástase e se espalham pelo corpo.
  • 28. Câncer de fígado - Tipos  Hepatocarcinoma  Colangiocarcinoma  Angiosarcoma
  • 29. Câncer de Colo de útero  O canal do colo do útero, promove a comunicação da cavidade endometrial com a vaginal.  Tem como função proteger a entrada de agentes patogênicos.  Secreta muco e anticorpos que ocupa a cavidade cervical e impedem a progressão de agentes patogênicos para o interior da cavidade uterina.  Além disso, possui papel importante na ativação dos espermatozóides.  É o local em que ocorre a implantação, nutrição e proteção do embrião, com função bem definida e essencial para o sucesso da gravidez.
  • 30. Câncer de colo do útero  O carcinoma do colo de útero é predominantemente o câncer de células escamosas.  O câncer cervical ocorre mais em mulheres entre 30 e 45 anos de idade.  Fatores de risco: múltiplos parceiros, fumo e infecção cervical crônica.  Exposição ao papilomavírus humano (HPV)  Raramente produz sintomas. Quando surge um avanço aparece tais sintomas: sangramento irregular, sangramento após relação sexual, secreção.  Com progressão maior: dor nas costas e pernas. Edemaciação e anemias extremas acompanhadas de febre.
  • 31. Prevenção  PREVENÇÃO  Exame papanicolau/preventivo;  Educação em saúde;  Parar de fumar;  Usar preservativo.
  • 32. Câncer de próstata  A próstata é uma glândula que produz uma secreção química fisiologicamente adequada às necessidades dos espermatozoides.  O câncer de próstata é mais comum em homens afro-americanos.  Cerca de 1 a cada 5 homens nos EUA.  Em estágios iniciais raramente produz sintomas.  Quando avanço: Disfunção sexual, retenção urinária, dificuldade e frequência da micção, tamanho e força diminuído do jato urinário.
  • 33. Fisiopatologia  Para Corrêa e colaboradores (2003) e Dini e Koff (2006), como todos os outros tecidos e órgãos do corpo, a próstata é composta por células, que normalmente se dividem e se reproduzem de forma ordenada e controlada, no entanto, quando ocorre uma disfunção celular que altere este processo de divisão e reprodução, produz-se um excesso de tecido, que dá origem ao tumor, podendo este ser classificado como benigno ou maligno.  Gera metástases para ossos e linfonodos.  Sintomas ligados a metástases: Dor nas costas e quadril ,desconforto perineal e retal, anemia, perda de peso, fraqueza, náuseas, oligúria e hematúria.
  • 34. Tratamento  Remoção parcial ou total do órgão com o tumor  Radioterapia  Quimioterapia  Transplante de medula óssea  Cuidados Paliativos
  • 35. Quimioterapia  Quimioterapia é o método que utiliza compostos químicos, chamados quimioterápicos, no tratamento de doenças causadas por agentes biológicos. Quando aplicada ao câncer, a quimioterapia é chamada de quimioterapia antineoplásica ou quimioterapia antiblástica.  Os agentes utilizados no tratamento do câncer afetam tanto as células normais como as neoplásicas, porém eles acarretam maior dano às células malignas, devido às diferenças quantitativas entre os processos metabólicos dessas duas populações celulares. Os citotóxicos não são letais às células neoplásicas de modo seletivo  Ciclo-inespecíficos - Aqueles que atuam nas células que estão ou não no ciclo proliferativo, como, por exemplo, a mostarda nitrogenada. Ciclo-específicos - Os quimioterápicos que atuam somente nas células que se encontram em proliferação, como é o caso da ciclofosfamida. Fase-específicos - Aqueles que atuam em determinadas fases do ciclo celular, como, por exemplo, o metotrexato (fase S), o etoposídeo (fase G2) e a vincristina (fase M).
  • 36. Radioterapia  A radioterapia é um método capaz de destruir células tumorais, empregando feixe de radiações ionizantes. Uma dose pré-calculada de radiação é aplicada, em um determinado tempo, a um volume de tecido que engloba o tumor, buscando erradicar todas as células tumorais, com o menor dano possível às células normais circunvizinhas, à custa das quais se fará a regeneração da área irradiada.  A maioria dos tumores radiossensíveis são radiocuráveis. Entretanto, alguns se disseminam independentemente do controle local; outros apresentam sensibilidade tão próxima à dos tecidos normais, que esta impede a aplicação da dose de erradicação. A curabilidade local só é atingida quando a dose de radiação aplicada é letal para todas as células tumorais, mas não ultrapassa a tolerância dos tecidos normais.
  • 37. Transplante de Medula óssea  É um procedimento médico da área da hematologia e oncologia que envolve o transplante de células tronco hematopoiéticas provenientes da medula óssea do doador.  A principal característica desse procedimento e o que a difere da maioria dos transplantes de órgãos é que no TMO o receptor recebe por via endovenosa um aspirado de células de medula óssea do doador, e essas células migram pelo sangue até se fixarem na medula óssea do receptor e voltarem a se multiplicar e cumprir suas funções fisiológicas no hospedeiro.
  • 38. Tratamento pelo SUS  A Política Nacional de Prevenção e Controle do Câncer garante o atendimento integral a qualquer doente com câncer, por meio das Unidades de Assistência de Alta Complexidade em Oncologia (Unacon) e dos Centros de Assistência de Alta Complexidade em Oncologia (Cacon). Este é o nível da atenção capacitado para determinar a extensão da neoplasia (estadiamento), tratar, cuidar e assegurar a qualidade dos serviços de assistência oncológica, conforme a Portaria nº 874/GM de 16 de maio de 2013. Esta portaria substitui a nº 2.439/GM, de 8 de dezembro de 2005.
  • 39. Hospitais que possuem tratamento oncológico na Região  Ilhéus Hospital São José Maternidade Santa Helena/Santa Casa de Misericórdia (Unacon)  Itabuna Hospital Calixto Midlej Filho (Unacon com serviço de Radioterapia) Hospital Manoel Novaes (Unacon com serviço de Radioterapia)
  • 40. Unidades de Tratamento  UNACON Unidades hospitalares que possuem condições técnicas, instalações físicas, equipamentos e recursos humanos adequados à prestação de assistência especializada de alta complexidade para o diagnóstico definitivo e tratamento dos cânceres mais prevalentes . Estas unidades hospitalares podem ter em sua estrutura física a assistência radioterápica ou então, referenciar formalmente os pacientes que necessitarem desta modalidade terapêutica
  • 41. Unidades de Tratamento  CACON  Unidades hospitalares que possuem condições técnicas, instalações físicas, equipamentos e recursos humanos adequados à prestação de assistência especializada de Alta Complexidade para o diagnóstico definitivo e tratamento de todos os tipos de câncer . Estes hospitais devem, obrigatoriamente, contar com assistência radioterápica em sua estrutura física.  Centros de Referência de Alta Complexidade em Oncologia São aqueles CACON designados para exercer o papel auxiliar, de caráter técnico, ao gestor do SUS nas políticas de atenção oncológica.  Serviços Isolados de Radioterapia e/ou Quimioterapia
  • 42. Unidades de Tratamento Unidade de Quimioterapia HCMF Oncosul
  • 43.
  • 44. Cuidados de enfermagem  Deste modo o paciente oncológico necessita de cuidados específicos não apenas na clínica, mas, sobretudo no apoio emocional. É de fundamental importância que o paciente tenha um cuidado holístico durante todo o tratamento clínico oncológico. A assistência ao paciente oncológico da provas de sua complexidade, pois, é necessário levar em considerações múltiplos aspectos, como: físico, psicológico, social, econômico, cultural e espirituais, além de preconceitos e tabus concernentes ao câncer. A enfermagem tem um papel fundamental nos cuidados a esses pacientes, requer conhecimento científico e habilidades técnicas, em todas as etapas e serviços de atendimento a estes pacientes  (SKEEL, 1993; BONASSA; SANTANA, 2005; BRIDA, 2012).
  • 45. Cuidados de Enfermagem  Fornecer alívio para dor e outros sintomas estressantes como astenia, anorexia, dispnéia e outras emergências oncológicas.  Integrar os aspectos psicológicos, sociais e espirituais ao aspecto clínico de cuidado do paciente.  Não apressar ou adiar a morte.  Oferecer um sistema de apoio para ajudar a família a lidar com a doença do paciente, em seu próprio ambiente.  Oferecer um sistema de suporte para ajudar os pacientes a viverem o mais ativamente possível até sua morte.  Usar uma abordagem interdisciplinar para acessar necessidades clínicas e psicossociais dos pacientes e suas famílias, incluindo aconselhamento e suporte ao luto.
  • 46. Cuidados de Enfermagem  Aceite o comportamento dos pacientes não importando qual seja;  Oportunize aos pacientes momentos para a expressão livre de seus sentimentos;  Trabalhe para compreender os sentimentos dos pacientes;  Use afirmações de ampla abertura, como "Deve ser difícil para você", e "Gostaria de conversar a respeito?"  Hidratação, alimentação, eliminação fisiológica, higiene, posição, conforto, administração de medicamentos CPM.
  • 47. Cuidados de Enfermagem  A unidade de tratamento compreende o paciente e sua família.  Os sintomas do paciente devem ser avaliados rotineiramente e gerenciados de forma eficaz através de consultas frequentes e intervenções ativas.  As decisões relacionadas à assistência e tratamentos médicos devem ser feitos com base em princípios éticos.  A comunicação adequada entre o enfermeiro e familiares e pacientes é a base para o esclarecimento e favorecimento da adesão ao tratamento ou aceitação da proximidade da morte.
  • 48. Referências  Mundo Esranho - Editora Abril. Disponível em: http://mundoestranho.abril.com.br/materia/quais-sao- os-principais-tipos-de-cancer-e-os-mais-letais  Instituto Nacional de Câncer. Disponível em: http://www2.inca.gov.br/  BRUNNER & SUDDART. Tratado de Enfermagem Médico- Cirúrgica
  • 49. Componentes  Ana Cláudia  Bruna Guimarães  Daniel Rodrigues  Irenilda Guimarães  Jamile Lopes  Joana Menezes  Katielle  Tamiles Café  Rita Sampaio  Sueli Freitas