Tumores hepáticos

7.915 visualizações

Publicada em

  • Seja o primeiro a comentar

Tumores hepáticos

  1. 1. Clínica Cirúrgica ICurso de Medicina - UFOP Tumores Hepáticos Prof. Iure Kalinine
  2. 2. Hepatocarcinoma
  3. 3. INTRODUÇÃO• 90% das neoplasias malignas primárias• 500 mil mortes/ano - mundo• 3 a 5/1000 habitantes EUA• 100/1000 habitantes África e Ásia• um milhão de caso novos/ano - mundo
  4. 4. EPIDEMIOLOGIA 5º tipo mais freqüente de câncer 2º causa mais comum de morte no mundo (OMS) Taxa de mortalidade por 100 mil hab./ano  0,25 Sul  0,27 Sudeste  0,12 Nordeste  0,08 Norte
  5. 5. Hepatocarcinoma Tu mais comum na infância depois do hepatoblastoma Mais prevalente na 2 década 2 picos de incidência 0-4 ano e 10-14 anos A incidência acompanha a distribuição geográfica da hepatite B Relacionado a cirrose, hepatite C e aflotoxinas Transmissão perinatal da hepatite B pode levar a integração do genoma viral ao DNA celular
  6. 6. FATORES DE RISCO Cirrose hepática  Alcoolismo  hepatite crônica Hepatite B e C Esquistossomose Aflatoxinas Medicações Sexo Hemocromatose Deficiência de alfa-1-antitripsina Doença do Wilson
  7. 7. CARCINOGÊNESE Estado quiescente Fatores de crescimento Citocinas Fatores de supressão tumoral Indução à diferenciação Eliminação programada - células mortas Genética Angiogênese
  8. 8. QUADRO CLÍNICO• Assintomático• Massas ou nódulos palpáveis• Sopro arterial na área do tumor• Dores incaracterísticas no hipocôndrio direito• Emagrecimento• Ascite• Icterícia• Anorexia• Atrofia testicular• Ginecomastia• Aranhas vasculares
  9. 9. Hepatocarcinoma 3 classificações morfológicas  Massa unifocal  Nódulos multifocais amplamente distribuídos  Tumor infiltrativo Tratamento: cirurgia/quimioterapia  70% são irressecáveis no diagnóstico  Responde mal a quimioterapia Prognóstico ruim  Sobrevida de aproximadamente 10 m após o diagnóstico.
  10. 10. Hepatocarcinoma Função hepática, geralmente, alterada Alfafetoproteina elevada em 50% dos casos TC de abdome TC de tórax - metástases Cintilografia óssea - metástases
  11. 11. Metástases Hepáticas Muito mais comuns que tumores primários 2 local mais prevalente As células tumorais podem chegar  Veia porta  Artéria hepática  Via linfática  Infiltração direta Principais responsáveis  Neuroblastoma  Tumor de Wilms  Rabdomiossarcoma  Linfoma não-Hodgkin  Carcinoma adrenal
  12. 12. Metástases Hepáticas Invasão variável e raramente solitária Histologia: Tu primário Sintomatologia: Tu primário! Emagrecimento, fraqueza, dor em hipocôndrio direito, hepatomegalia Icterícia não é frequente, ascite pode ocorrer e pode ser hemorrágica
  13. 13. Metástases Hepáticas Anemia discreta e leucocitose Elevacão da FAL, GGT, DHL Alterações discretas das enzimas hepáticas Antígeno carcinoembrionário pode estar presente em carcinomas metastáticos generalizado Cintilografia, TC e RM Mau prognóstico
  14. 14. Tumores Hepáticos 0,5 a 2% dos tumores pediátricos <1/3 benignos  Tu vasculares  Hamartoma mesenquial  Hiperplasia Nodular focal 70% malignos  Hepatocarcinomas  Hepatoblastoma Podem derivar:  Hepatócitos  Ductos biliares intrahepáticos  Células endoteliais
  15. 15. Hemangioendotelioma Mais comum tu benigno da infância 6 primeiros meses de vida Associação com hemangiomas cutâneos Geralmente assintomáticos Raramente apresentam fístulas arteriovenosa do fígado, causando IC de alto débito
  16. 16. Hemangioendotelioma Infantil TC: tumor sólido multinodular e hipervascularizado Acompanhamento: involução até 1º ano de idade Sintomáticos: corticóide ou interferon Ligadura de artéria hepática, embolização arterial e cirurgia: casos refratários sintomáticos
  17. 17. Hamartoma Mesenquimal Restos mesenquimais (mal-formações?) Raros Assintomáticos Lesões císticas ou vasculares Antes dos 2 anos de idade Alfafetoproteina: ligeiramente elevada O tratamento: ressecção
  18. 18. Hiperplasia Nodular Focal Natureza desconhecida (uso de ACO?) Raros na infância Meninas adolescentes Hipervascular Biópsia Não há indicação de ressecção cirúrgica
  19. 19. Hepatoblastoma 2/3 dos tu malignos primários de fígado O mais comum na infância Discreto predomínio sexo masculino (3:2) <3 anos Síndromes genéticas Prematuridade, relacionado ao peso de nascimento
  20. 20. Hepatoblastoma Geralmente crianças assintomáticas, achados ocasionais em exame de rotina Icterícia 5% e puberdade precoce em 3% Hepatomegalia tumoral, emagrecimento, febre, irritabilidade, anorexia, náuseas e vômitos Quadro agudo: ruptura tumoral
  21. 21. Hepatoblastoma Trombocitose em 60% dos casos, anemia Sorologias para hepatite B e C, geralmente negativas Alfafetoproteina sérica aumentada em 97% dos casos ß-HCG elevado em alguns casos com puberdade precoce
  22. 22. Hepatoblastoma US abdominal TC abdominal TC de tórax – metástases Cintilografia hepática – metástases Tipo epitelial com células embrionárias ou fetais malignas Tipo misto contendo elementos mesenquimatosos e epiteliais
  23. 23. Hepatoblastoma A ressecção cirúrgica Quimioterapia adjuvante e neoadjuvante O prognóstico depende da ressecção do tumor
  24. 24. TRATAMENTOCirurgias • Hepatectomia parcial. • Transplante hepáticoTerapias ablativas locais • Criocirurgia • Ablação por radio freqüência.Terapias regionais: • Quimioterapia. • Embolização • Radioterapia:Terapias sistêmicas • Quimioterapia. • Imunoterapia.
  25. 25. CIRURGIAAntes Depois
  26. 26. TRATAMENTOCrioterapia Radioablação

×