Aspiração 12.07.12

1.057 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.057
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
65
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
12
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aspiração 12.07.12

  1. 1. Seminário 12.07.2012Aspiração de líquidos ou partículas MR3 Roberto Corrêa
  2. 2. Aspiração A aspiração pode resultar em: * Pneumonite aspirativa; * Pneumonia aspirativa; Aspiração: secreções orofaríngeas e gástricas, óleo mineral, animal ou vegetal e corpos estranhos.
  3. 3. Pneumonite aspirativa Lesão pulmonar aguda causada pela inalação de conteúdo gástrico estéril; Depende: quantidade e pH; PH < 2,5 e volume > 25ml; Material particulado alimentar pode causar lesão independente do pH; Ocorre mais comumente em idosos, pós AVC, hospitalizados, com disfunção esofágica.
  4. 4. Pneumonite aspirativa Achados clínicos e laboratoriais: Conscientes: tosse e dispneia; Pacientes com nível de consciência reduzido: pode passar despercebido ou manifestar-se com cianose e hipoxemia; Pode cursar com pneumonias de repetição.
  5. 5. Pneumonite aspirativa Achados histológicos: A reação inicial é um exsudato inflamatório agudo; A aspiração de grandes quantidades de secreção(síndrome de Mendelson) resulta em dano alveolar difuso e edema pulmonar por aumento da permeabilidade; Após: reação inflamatória granulomatosa com proliferação de células multinucleadas; Padrão de pneumonia em organização(anormalidade predominante na maioria dos casos).
  6. 6. Achados de imagem Radiografia de tórax: Consolidação esparsa ou confluente uni ou bilateral; Afeta regiões pendentes dos pulmões; Atelectasia(s); Mendelson: consolidação bilateral difusa ou com predomínio peri-hilar.
  7. 7. Achados de imagem Tomografia de tórax: Opacidades em vidro fosco e consolidações esparsas ou confluentes uni ou bilaterais; Nódulos centrolobulares ou nódulos acinares com 2 a 10 mm de diâmetro; Predomínio nas regiões pendentes dos pulmões; Atelectasia(s); Pode ser visto fluido no interior dos brônquios.
  8. 8. Pneumonite aspirativa Diagnóstico diferencial: Pneumonia aspirativa: as manifestações radiológicas são idênticas. Broncopneumonia.
  9. 9. Pneumonia aspirativa Introdução: Ocorre depois de aspiração de material orofaríngeo contaminado; Mecanismo comum à maioria das pneumonias; Desenvolvimento de pneumonia em pacientes com risco aumentado de aspiração orofaríngea: depressão da consciência, disfagia neurológica ou anormalidades do esôfago.
  10. 10. Pneumonia aspirativa Complicações: Abscesso pulmonar; Pneumonia necrotizante; Empiema; Derrame pleural.
  11. 11. Achados clínicos e laboratoriais Sintomas são de pneumonia, com tosse produtiva, febre e calafrios. PA adquirida na comunidade: S. Pneumoniae, S. Aureus, H. Influenzae e Enterobacterias; PA nosocomial: germes gram negativos, principalmente Pseudomonas aeruginosa; Culturas tardias demonstram anaeróbios.
  12. 12. Achados de imagem Radiografia de tórax: Consolidação esparsa ou confluente uni ou bilateral; Afeta regiões pendentes dos pulmões; Atelectasia(s);
  13. 13. Achados de imagem Tomografia de tórax: Opacidades em vidro fosco e consolidações esparsas ou confluentes uni ou bilaterais; Opacidades centrolobulares mal definidas ou nódulos acinares com 5 a 10 mm de diâmetro; Predomínio nas regiões pendentes dos pulmões; Atelectasia(s); Ocasionalmente pneumonia de aspiração pode estar associada à aspiração de corpos estranhos.
  14. 14. Pneumonia aspirativa Diagnóstico diferencial: Pneumonite aspirativa: as manifestações radiológicas são idênticas.
  15. 15. Bronquiolite de aspiração Generalidades: A reação às secreções e aos alimentos aspirados geralmente afeta principalmente o parênquima pulmonar. Ocasionalmente a inflamação tende a ser localizada nos bronquíolos membranosos ou respiratórios, uma situação que foi designada bronquiolite de aspiração.
  16. 16. Achados clínicos e laboratoriais Pacientes podem ser assintomáticos ou ter sintomas inespecíficos, principalmente tosse e, ocasionalmente, febre ou dispneia. Pode haver história de pneumonias de repetição.
  17. 17. Bronquiolite de aspiração Achados histológicos: Achado predominante: Inflamação bronquiolocêntrica multifocal com formações polipoides compostas por fibroblastos e células inflamatórias, principalmente nos bronquíolos e ductos alveolares; Também há reação do tipo corpo estranho com proliferação
  18. 18. Achados de imagemRadiografia de tórax: Opacidades nodulares com 1 a 5 mm de diâmetro mal definidas ou padrão reticulonodular; Predomínio nos lobos inferiores;Tomografia de tórax: Opacidades centrolobulares com 1 a 5 mm de diâmetro; Padrão de árvore em brotamento; Predomínio nas regiões pendentes dos
  19. 19. Bronquiolite aspirativa Diagnóstico diferencial: Bronquiolite infecciosa; Panbronquiolite difusa.
  20. 20. Aspiração de lipídios Pneumonia lipoídica Aspiração de óleo mineral, animal ou vegetal resulta em pneumonia lipoídica exógena; Causas comuns: óleo mineral para tratamento de constipação e preparações nasais oleosas; Ocorrem: lactentes, idosos, pacientes com disfagia e alterações estruturais da faringe e/ou esôfago.
  21. 21. Achados clínicos e laboratoriais Maioria é assintomática; Tosse crônica, em geral improdutiva e, ocasionalmente, dor pleurítica ou dispneia. Fere e dispneia ocorrem mais frequentemente na pneumonia lipoídica aguda, mas são incomuns na forma crônica; Diagnóstico: história clínica, exames radiológicos compatíveis e na presença de macrófagos com corpos de gordura no escarro, LBA ou material de biópsia transbrônquica ou cirúrgica.
  22. 22. Achados de imagemRadiografia de tórax: 1 Pneumonia lipoídica aguda: Áreas de consolidação relativamente homogênea em um ou mais segmentos pulmonares. Podem ser localizadas ou confluentes. Nódulos acinares podem estar presentes.
  23. 23. Achados de imagemRadiografia de tórax: 2 Pneumonia lipoídica crônica: Áreas de consolidação ou opacidades únicas ou múltiplas, algumas vezes com margens bem circunscritas, simulando carcinoma; Pode haver opacidades lineares na periferia desta massa devido a fibrose ou espessamento septal interlobar causado por infiltração de macrófagos repletos de lipídios, associada à inflamação crônica secundária; Predomínio nos lobos inferiores.
  24. 24. Achados de imagemTomografia de tórax: 1 Pneumonia lipoídica aguda: Opacidades em vidro fosco associadas ou não a espessamento liso dos septos interlobulares e linhas intralobulares (pavimentação em mosaico); Áreas de consolidação; As opacidades pulmonares podem ser difusas, mas geralmente predominam nas regiões decúbito-pendentes.
  25. 25. Achados de imagemTomografia de tórax: 2 Pneumonia lipoídica crônica: Áreas de consolidação ou lesões pseudotumorais únicas ou múltiplas com margens bem circunscritas e irregulares associadas à distorção de arquitetura pulmonar; Predomínio nas regiões decúbito-pendentes, embora algumas vezes ocorra no lobo médio ou na língula;
  26. 26. Achados de imagemTomografia de tórax: 2 Pneumonia lipoídica crônica: O sinal mais característico é a presença de atenuação de gordura (-30 a -90 HU) dentro das áreas de consolidação ou opacidades com margens irregulares com aparência de massas pulmonares, visto em cerca de 80% dos casos.
  27. 27. Pneumonia lipoídica Recomendações Os achados na radiografia e TC convencional geralmente são inespecíficos. A detecção de presença de focos de gordura na pneumonia lipoídica requer uso de cortes finos. Os focos de gordura raramente são detectáveis na TC convencional.
  28. 28. Pneumonia lipoídica Diagnóstico diferencial:* Pneumonite ou pneumonia de aspiração;* Carcinoma: o achado característico é a presença de áreas de densidade de gordura dentro de um foco de consolidação ou massa pulmonar irregular;* Hamartoma: densidade de gordura em um nódulo pulmonar com margens lisas ou lobuladas.
  29. 29. Aspiração de corpos estranhos Corpos estranhos sólidos: crianças de 1 a 7 anos; Adultos: distúrbios neurológicos; uso de álcool, drogas ou trauma. Grande variedade de materiais: grãos (amendoim, milho, pipoca), fragmentos de osso ou vegetais ingeridos, comprimidos, moedas,alfinetes, objetos e brinquedos de plástico e fragmentos de dentes ou amálgamas.
  30. 30. Achados clínicos e laboratoriais Tosse e asfixia de início súbito; Sintomas crônicos são relacionados com obstrução parcial ou completa do brônquio pelo corpo estranho ou pneumonia, e incluem tosse, dispneia, sibilos, febre e pneumonias recorrentes;
  31. 31. Achados de imagemRadiografia de tórax: Corpos estranhos radio-opacos como moedas e dentes são de fácil visualização; Em caso de obstrução parcial do brônquio, pode ser identificada radiotransparência distal na radiografia inspiratória e aprisionamento aéreo na radiografia obtida em expiração; Se obstrução completa: atelectasia, pneumonite obstrutiva e, ocasionalmente, abscesso pulmonar.
  32. 32. Achados de imagemTomografia de tórax Geralmente mostra o CE em sua precisa localização na árvore brônquica, mesmo quando é radiotransparente; Obstrução parcial: diminuição da atenuação e vascularização distal na TC inspiratória e aprisionamento aéreo na TC obtida em expiração; Corpos estranhos cortantes podem resultar em laceração e hemorragia.
  33. 33. Aspiração de corpo estranho Diagnóstico diferencial:* Neoplasia endobrônquica;* Pneumonia segmentar ou lobar;* Síndrome de Swyer-James-Mcleod

×