Hipertensão pulmonar

3.984 visualizações

Publicada em

0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.984
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
65
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
99
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Hipertensão pulmonar

  1. 1. Hipertensão Pulmonar 12/04/2012MR3 ROBERTO CORRÊA
  2. 2. Hipertensão pulmonarDefinição: aumento da PMAP > ou = 25 mmHg e PCP < 15 mmHg por CAT; Divisão: 1.Leve: 26-35 mmHg; 2.Moderada: 36-45 mmHg; 3.Grave: > 45 mmHg.
  3. 3. Hipertensão pulmonar Classificações: Causas pré-capilares:1. Doença hipertensiva arterial pulmonar idiopática (HAPI); 2. 2. Doença trombótica e não trombótica; 3. Obstrução vascular proximal(tumor ou vasculites); 4. Doenças cardíacas congênitas; 5. Doenças pleuroparenquimatosas.
  4. 4. Hipertensão pulmonar Classificações: Causas pós-capilares:1. Doenças que aumentam a pressão venosa, como aquelas que comprometem as câmaras cardíacas esquerdas, mixoma atrial, doença venoclusiva e a hemangiomatose capilar pulmonar.
  5. 5. http://www.medcenter.com/Medscape/content.aspx?id=25036
  6. 6. Classificação de Veneza 2003
  7. 7. Hipertensão primária
  8. 8. FisiopatologiaA HAP, independente da etiologia, acarreta um grau de dilatação pulmonar e consequente aterosclerose; Outros achados: fibrose intimal e espessamento da camada muscular das artérias e arteríolas:Hiperplasia e hipertrofia muscular, caracterizando o achado patológico de arteriopatia plexogênica.Também incluem-se: necrose fibrinoide e vasculites.
  9. 9. Fisiopatologia http://publicacoes.cardiol.br/consenso/2005/039.pdf
  10. 10. http://arochapat.blogspot.com.br/
  11. 11. Classificação fisiopatológica
  12. 12. Achados clínicos e laboratorias Sintomas são inespecíficos. Dispnéia progressiva; Outros sintomas: ver quadro;Associação de síncope e hemoptise: péssimo prognóstico!!
  13. 13. Exame físicoVaria desde normal até presença marcante de sinais de insuficiência cardíaca direita; Alguns achados orientam para a causa: 1.Alterações cutâneas, teleangiectasias e esclerodactilia colagenose;2.Obesos ou com deformidades da caixa torácica investigar hipoventilação; 3.Todas formas de hipertensão ocorrem sem predomínio de sexo e idade, exceto HAPI.
  14. 14. http://www.medcenter.com/Medscape/content.aspx?id=25036
  15. 15. Exames de imagem: Rx Tórax Primeiro passo na investigação radiológica da suspeita de HAP; Achados típicos: aumento do calibre das artériascentrais, com rápido afilamento dos vasos à medida que progridem para a periferia; A área cardíaca pode estar aumentada ou normal; Calcificação vascular: associado a alta RVP; Sensibilidade baixa; Útil para afastar ou sugerir causas de HAP;
  16. 16. Radiografia de tórax normal
  17. 17. Tomografia computadorizadaAngiotomografia dos vasos pulmonares com TCMD e reconstruções com filtro de alta resolução; Mede-se o tronco da pulmonar próximo à sua bifurcação e lateralmente à aorta ascendente; Em adultos: até 29 mm; Sensibilidade: 69-87%; Especificidade: 89-100%.
  18. 18. TC normal de tórax
  19. 19. http://bjr.birjournals.org/content/71/850/1018.full.pdf
  20. 20. http://radiographics.rsna.org/content/30/7/1753.full.pdf+html
  21. 21. Arq. Bras. Cardiol. vol.87 no.5 São Paulo Nov. 2006
  22. 22. http://radiographics.rsna.org/content/30/7/1753.full.pdf+html
  23. 23. Tomografia computadorizada Um diâmetro da artéria pulmonar > aortaascendente: sensibilidade de 70% e especificidade de 92% no diagnóstico de HAP;Achados parenquimatosos: dependem da etiologia e mecanismo da hipertensão: Perfusão em mosaico, vidro fosco, espessamento septal e nódulos centrolobulares.Derrame ou espessamento pleural, e, em pacientes com HAP grave, pequeno derrame pericárdico.
  24. 24. Ressonância magnéticaAlém de medir o diâmetro da artéria pulmonar:Pode visualizar a direção e a velocidade do fluxosanguíneo nas câmaras cardíacas e nos grandesvasos, obtendo imagens precisas das estruturas cardiovasculares; Técnica de escolha em longos seguimentos;Diagnóstico de hipertrofia do VD e dilatação das artérias pulmonares;
  25. 25. RM normal de tórax
  26. 26. http://emedicine.medscape.com/article/421904-overview
  27. 27. Ecocardiografia Método não invasivo mais preciso para avaliar a presença de HAP;Possibilidade de medições durante esforço cardíaco, resposta a um exercício ou agente inotrópico; Medidas pressóricas invasivas obtidas sob esforçosão só realizadas em poucos centros de referências.
  28. 28. Cintilografia de inalação-perfusão Papel: diferenciação entre HAPI e hipertensão pulmonar do tromboembolismo crônico: Sensibilidade de 90-100%; Especificidade de 94-100%. Usada em pacientes com contraindicações àangiotomografia ou, então, para complementar as informações radiológicas;
  29. 29. ArteriografiaExame definitivo para o estadiamento vascular da hipertensão pulmonar do tromboembolismo crônico;De grande importância nos pacientes candidatos a tromboendarterectomia;Pode quantificar a pressão da artéria pulmonar e as medidas da RVP, débitos cardíaco e da PCP.
  30. 30. Hipertensão pulmonar pré-capilar
  31. 31. Hipertensão arterial pulmonar idiopática (HAPI) Doença pulmonar rara; Incidência: 1-2 por milhão; Idade: diagnóstico por volta dos 36 anos; Predominância em mulheres: 1,7M:1,0H; Maior parte idiopática; Cerca de 10% familiar;Cerca de 2 anos em média do início da doença até o diagnóstico; Sobrevisa média de 3 anos sem tratamento.
  32. 32. HAPI: imagem: Rx e TC Aumento do calibre dos vasos pulmonares; Afilamento dos vasos e oligoemia; Sinais de cardiomegalia direita; Tortuosidade dos vasos pulmonares periféricos;Em alguns pacientes: nódulos centrolobulares em vidro fosco(hemorragia, congestão vascular ou depósitos de colesterol); Padrão em mosaico: em alguns pacientes;
  33. 33. http://radiographics.rsna.org/content/30/7/1753.full.pdf+html
  34. 34. Hipertensão portopulmonar Complicação da doença hepática crônica;Prevalência de HAP em pacientes com cirrose é baixa: 0,61% a 0,73%; Associação com esquistossomose Fisiopatologia: Obstrução dos vasos pelos ovos, disfunçãoendotelial, lesão de cisalhamento causada pelohiperfluxo sanguíneo e reações inflamatórias na íntima.
  35. 35. Achados de imagem: Rx e TCAumento do calibre dos vasos pulmonares; Afilamento dos vasos e oligoemia; Sinais de cardiomegalia direita; Esplenomegalia
  36. 36. Esquistossomose
  37. 37. http://radiographics.rsna.org/content/30/7/1753.full.pdf+html
  38. 38. HAP associada a doença imunológica sistêmicaHAP não acompanhada de doença parenquimatosapulmonar e manifesta na histologia por arteriopatiaplexogênica pode ocorrer nas doenças autoimunes do tecido conjuntivo como: Esclerose sistêmica; DMTC; LES. Vasculites pulmonar raramente cursa com HAP: Takayasu e Behçet
  39. 39. Achados de imagem: Rx e TC Aumento do calibre dos vasos pulmonares; Afilamento dos vasos e oligoemia; Sinais de cardiomegalia direita;Presença ou não de doença parenquimatosa pulmonar
  40. 40. HAP: tromboembolismo crônicoHistória natural: 96% dos pacientes que sobrevivemao quadro agudo de obstrução vascular evolui com resolução espontânea ou por meio de tratamento clínico; Cerca de 4%: trombo se desenvolve no interior do vaso, obstruindo sua luz e causando HAP; Patogênese: não está bem estabelecida. Clínica: assintomáticos até cor pulmonale.
  41. 41. Achados de imagem: Rx e TC Artérias pulmonares centrais dilatadas;Trombo ocluindo e reduzindo o diâmetro da artéria ocluída; Localização excêntrica dos êmbolos pulmonares com ou sem calcificações; Estreitamento abrupto do diâmetro arterial; Recanalização das falhas de enchimento intraluminal; Dilatação das artérias brônquicas.
  42. 42. http://radiographics.rsna.org/content/30/7/1753.full.pdf+html
  43. 43. HAP pós-capilar
  44. 44. Doença pulmonar venoclusivaDefinição: trombose venosa pulmonar com sinais e sintomas de HAP; Associação com medicamentos(bleomicina e mitomicina), HIV, TMO e sarcoidose;Na adolescência a incidência é igual entre os sexos,mas na fase adulta/velhice há discreto predomínio de homens;Patologia: estenose ou obliteração parcial das veias e vênulas pulmonares por tecido fibroso proveniente da íntima.
  45. 45. http://radiographics.rsna.org/content/30/7/1753.full.pdf+html
  46. 46. http://www.ajronline.org/content/183/1/65.full.pdf+html
  47. 47. http://publicacoes.cardiol.br/consenso/2005/039.pdf
  48. 48. Sarcoidosehttp://radiographics.rsna.org/content/30/7/1753.full.pdf+html
  49. 49. Alveolite extrínseca + enfisema http://radiographics.rsna.org/content/30/7/1753.full.pdf+html

×