SlideShare uma empresa Scribd logo
Gestão de Projetos Sociais
             Manual para Organizações Sem Fins Lucrativos
                                    Instituto Voluntários em Ação
                                                      Maio 2011




                Módulo 3 – Controle e
                  Monitoramento


Realização                                                 Apoio
Controle e Monitoramento

Você já viu as funções gerenciais que auxiliam o gestor no gerenciamento dos projetos
e de que forma essas funções podem trazer melhores resultados. Porém, vamos
retornar ao tema de Controle e Monitoramento do projeto, pois é nessa etapa que,
muitas vezes, os gestores do projeto descobrem que as coisas não estão ocorrendo de
acordo com o que foi planejado.


Como você viu, o Controle é o processo desenvolvido para reduzir ao máximo as
diferenças entre o que foi planejado e o que efetivamente é realizado no desenrolar
das atividades do projeto.

                                  Monitoramento/Acompanhamento

O monitoramento é o acompanhamento do projeto por meio da coleta e análise constante
de informação sobre como o projeto se desenvolve. Quando você estrutura um sistema de
monitoramento, você está criando um sistema de coleta de informação útil para melhorar o
que fazer e como deve ser feito.




4.1 Por que Monitorar/Acompanhar?


É por meio do monitoramento que conseguimos identificar problemas e pensar em
soluções. Só assim o Projeto terá continuidade. Veja abaixo alguns pontos importantes
possibilitados por essa função:


     Identificar quando as coisas não estão andando corretamente.
     Saber se os recursos estão sendo bem utilizados e se serão suficientes para o
        que está sendo feito.
     Conhecer se sua capacidade de trabalho é suficiente e apropriada.
     Saber se você está realizando aquilo que planejou fazer.
Uma das grandes vantagens é a possibilidade da identificação de problemas enquanto
estes ainda são pequenos e contornáveis, fato que facilita a tomada de decisões certas
no momento necessário, evitando o fracasso do projeto.


Veja agora os principais motivos do fracasso de projetos:


   a) Erros no planejamento: objetivos que não existem ou não foram devidamente
       identificados; atividades que não foram devidamente organizadas; pouca
       harmonia entre as pessoas envolvidas e o desenrolar das atividades.

       Exemplo: uma das professoras foi denominada para ministrar os cursos em
       duas comunidades diferentes no mesmo horário ao longo do projeto. Na hora
       da execução é necessária uma professora adicional, incrementando o custo do
       projeto. Por causa da falta de recursos extraordinários, uma comunidade não é
       atendida pelo projeto.

   b) Erros de execução: os responsáveis do projeto não cumpriram as atividades ou
       não desenvolveram processos segundo ao que foi planejado.

       Exemplo: a professora não cobrou freqüência nas oficinas (mesmo que estava
       planejado nas suas tarefas) porque o nível de assistência estava sendo baixo. O
       coordenador do projeto não sabe da pouca participação e no final das contas o
       projeto parece um fracasso.

   c) Fatores Externos: eventos adversos novos e imprevisíveis que modificam o
       cenário no qual o projeto está acontecendo.

       Exemplo: duas das empresas parceiras que tinham se comprometido a
       comercializar os artesanatos tiveram problemas de liquidez e terminaram não
       assinando os contratos. O coordenador do Projeto consegue negociar 1
       contrato com uma nova empresa parceira antes da finalização do projeto,
       porém uma quantidade grande de artesanatos permanecem armazenados.
4.2. Como desenhar o Plano de Monitoramento para o Projeto?

Utilizando um Plano de Monitoramento você poderá acompanhar de forma mais
eficiente o andamento e desenvolvimento do Projeto. Agora você irá aprender como
elaborar esse documento. Para isso, siga o nosso passo-a-passo:


1º Passo: O que queremos saber?                  Selecionando Indicadores


“O que não é medido não pode ser gerenciado”: você só pode saber, com certeza, se
atingiu determinado resultado, a partir do momento que possui um indicador para
medir esse resultado.

Os INDICADORES são medidas numéricas para conhecer em que medida os objetivos do
seu projeto estão ou não sendo alcançados, dentro de um prazo delimitado e numa
localidade específica.


A dificuldade e preocupação por “medir resultados” geralmente acontecem porque a
organização não sabe exatamente o que medir.


Por isso, a importância do planejamento inicial do projeto onde foram definidos:


Objetivo geral: Foco do projeto, no problema ou na situação
identificada que deve ser resolvida.
                                                                          Lembrando

Objetivos específicos: Visão de como você gostaria que esta
situação fosse e de como você vai conseguir mudá-la. Dito de outra
maneira, os objetivos específicos são as estratégias ou ações para
atingir o objetivo geral.


Para monitorar o projeto, devem ser estabelecidos um ou mais indicadores para cada
objetivo especifico, uma medida que indique se o objetivo foi total ou parcialmente
        alcançado.
Para compreender melhor, veja esse exemplo:




Deve ficar claro que esses indicadores estão intimamente relacionados aos objetivos
propostos por cada Projeto e, portanto, são determinados individualmente para cada
projeto.

A seleção de indicadores será a parte principal do monitoramento. Lembre-se que
quanto mais impreciso for um objetivo, mais difícil será achar seus indicadores e as
formas de trabalho.


É importante que os Indicadores apresentem as seguintes características:


    Entendimento Simples
    Facilidade de Construção
    Relação direta com as ações efetuadas
    Consistência com os Dados Disponíveis



 TAREFA: Antes de começar o projeto, pegue cada objetivo específico, um a um, e
2º Passo: Como obter a informação?
 estabeleça indicadores para medir os resultados. Será fundamental decidir os indicadores
com anterioridade à execução do Projeto, para poder coletar os dados.
Não adianta criar indicadores que não vamos conseguir mensurar. Para simplificar o
trabalho dos gestores/coordenadores do projeto, vamos esclarecer os tipos de
informação que deve ser utilizada para o monitoramento do seu projeto:


          Informação                                   Informação
         QUANTITATIVA                                 QUALITATIVA

  É aquela que oferece dados                  Indicam como as pessoas se
  numéricos indicando “quanto ou              sentem a respeito de alguma
  quantos?”                                   situação ou como as coisas são
                                              feitas, ou como as pessoas se
  Exemplo:                                    comportam.
  Qual o número de jovens da
  Comunidade que participaram                 Você    irá   conseguir essas
  das aulas?                                  informações        perguntando,
                                              observando e interpretando.
  Pode ser expressa de várias
  maneiras:
                                              Exemplo:
                                              Nível de auto-estima das
  Em números absolutos: por
                                              meninas que participaram das
  exemplo,       45      meninas
                                              oficinas de artesanato.
  freqüentaram os cursos de
  capacitação entre os meses de               A informação qualitativa pode
  março e julho de 2010.                      ser transformada em informação
                                              quantitativa. Basta criar uma
  De forma percentual: por
                                              escala numérica para medir o
  exemplo, 50% das meninas
                                              grau de satisfação, da seguinte
  previstas    freqüentaram    as
                                              maneira:
  oficinas de artesanato entre os
  meses de março e julho de 2010.
                                              Muito satisfeito: 5
  Como realizar o cálculo? Neste              Satisfeito:4
  exemplo, trabalhando com listas             Indiferente:3
  de presença ao longo dos cursos.            Insatisfeito:2
                                              Muito Insatisfeito:1



Por um lado, a transformação de uma resposta qualitativa aberta e que expresse
valores em uma resposta quantitativa pode perder informações que são relevantes
para a avaliação do projeto. Mas, por outro lado, permite que usemos para examinar,
por exemplo, se existe uma relação entre a nota obtida pelo aluno (quantitativo) e a
sua satisfação com a escola (qualitativo).


Mesmo quando a informação qualitativa é transformada em dados quantitativos, isso
não significa que não vão ser valiosas para a avaliação. A combinação de ambas as
respostas irá enriquecer a análise dos projetos.

Dados quantitativos podem mostrar o que está acontecendo, enquanto os dados
qualitativos podem fornecer uma indicação das razões pelas quais o programa está tendo
aqueles resultados.



Exemplo: Consideremos o programa de oficinas de artesanato para mulheres, meninas
e adolescentes. Após sua implementação, os indicadores quantitativos (nível de
freqüência nas oficinas, número de mulheres capacitadas, número de empresas
parceiras do projeto, número de contratos assinados, etc.) podem mostrar que o
projeto foi um sucesso. Porém, indicadores qualitativos (entrevistas com as mulheres e
professoras, nível de satisfação das empresas, etc.) poderiam mostrar que as oficinas
não foram adequadas, pois não atenderam as expectativas das empresas parceiras ou
não melhoraram a auto-estima das adolescentes.


Como decidir entre informação qualitativa ou quantitativa?


Como você acabou de ver, você vai medir com indicadores quantitativos o seguinte:
     Resultados numéricos sobre os objetivos do projeto.
     Desempenho financeiro.


Com indicadores qualitativos – por meio de entrevistas, reuniões de grupo,
observações, pesquisas de opinião, etc. – você medirá:


     Os efeitos do projeto sobre os envolvidos: motivação, satisfação, etc.
     Sentimentos e percepções: opiniões, stress, compreensão do público,
empenho, etc.


TAREFA: Antes de começar o projeto, pegue cada indicador, um a um, e esclareça onde,
como e com que freqüência você vai obter a informação sobre a evolução de cada
indicador. Será fundamental esclarecer as fontes de informação com anterioridade à
execução do Projeto, para poder definir as formas e os responsáveis pela coleta de dados.



  3º Passo: Que diferença o Projeto vai fazer?                 Padrões de Desempenho

  Chegados neste ponto, você pode se perguntar “Fiquei horas trabalhando para definir
  indicadores segundo os objetivos específicos, pensando como e quem obterá as
  informações. E agora? Como isso vai me ajudar a resolver os problemas do projeto
  enquanto estiver em andamento?”


  Sem registrar o cenário anterior à conclusão do Projeto, não podemos realizar o
  monitoramento. Sendo assim, é de extrema importância que a Organização analise a
  situação anterior, delimite os Objetivos e Indicadores, registre essas informações, para
  que possam comparar os dados posteriores à conclusão do Projeto.


  Veja esses conceitos:


      Marco Zero: valor dos indicadores antes de iniciar o projeto, os números
         iniciais do projeto. É como uma fotografia tirada no momento em que se
         começa um projeto, para depois ver o que mudou ou não mudou.


      Padrões de desempenho: o valor que confiamos que esses indicadores terão
         graças às atividades de nosso projeto, o “padrão” que queremos alcançar.

  Os dados coletados ao longo do monitoramento/acompanhamento não fazem sentido
  nenhum se não forem comparados com a situação inicial, e não ajudarão a identificar
  os problemas sem ser comparados de forma contínua aos padrões definidos.
Os principais tipos de padrões de desempenho existentes são:


       Padrões de Quantidade: número de colaboradores no projeto, de atividades, de
          serviços, de beneficiários, etc;
       Padrões de Qualidade: qualidade das atividades, materiais, etc;
       Padrões de Tempo: segundo o cronograma, o tempo para cada atividade;
         Padrões de Custo: custo dos materiais, equipamentos, etc;




TAREFA:
Antes de começar o projeto:
Pegue cada indicador, um a um, e estabeleça com cuidado o valor que considera que espera
alcançar com o Projeto.
Faça uma lista de possíveis ações corretoras no caso que os indicadores não evolucionem
segundo o que foi planejado.

Durante o projeto:
Registre o valor de cada indicador segundo a freqüência que foi definida.
Compare esses valores com os padrões de desempenho que foram estabelecidos.
Caso os indicadores estejam por debaixo dos padrões estabelecidos, atue segundo as ações
corretoras para melhorar esse valor.
4º Passo: A Planilha de Monitoramento e Desempenho

                          OBJETIVO GERAL: Empoderamento das mulheres (mulheres, jovens e crianças) da Comunidade da Graça e da Comunidade do Estreito.

                                                                                                               Padrão de                          Ações Corretoras
         Objetivos Específicos           Tipo de Indicador         Fontes de Informação         Freqüência
                                                                                                              Desempenho              (Estudar sempre possíveis fatores externos)
                                          QUANTITATIVO
                                     Freqüência das mulheres          Listas de Presença                                         1. Reunião extraordinária com alunas e professoras
                                                                                                   Cada
                                      nas oficinas. (por faixa   assinadas por professoras e                       65%           2. Procurar apoio de líderes comunitários
                                                                                                  oficina
                                              etária)                        alunas                                              3. Entrevistas com as famílias das desistentes

                                        Número de peças de                                                                       1. Revisão dos recursos materiais
                                                                     Cotação das Peças                        entre 70 e 100
                                       artesanato produzidas                                     Mensal                          2. Revisão da didática
                                                                        Produzidas                              unidades
                                       (por tipo de produto)                                                                     3. Possível da troca de professora
                  (1)                     QUALITATIVO
     Capacitar mulheres, jovens e
                                                                 Entrevista com o grupo de
     crianças para a elaboração de    Qualidade dos materiais                                    Mensal      4 (escala de 1-5)   1. Estudar troca de fornecedor
                                                                          trabalho
              artesanato.
                                                                    Entrevista individual
                                     Motivação das professoras                                  Bimestral    4 (escala de 1-5)   1. Melhorar acompanhamento psicológico
                                                                        professoras

                                      Auto-estima das alunas     Entrevista individual com as                    Atingir 4       1. Reformulação da carga horária
                                                                                                 Mensal
                                         (por faixa etária)        alunas (por faixa etária)                  (escala de 1-5)    2. Estudo de troca de didática
                                         Empenho Escolar         Entrevista com professores                      Atingir 4       3. Possível troca de professora
                                                                                                Bimestral                        4. Melhorar acompanhamento psicológico
                                          (por faixa etária)              da escola                           (escala de 1-5)
                                          QUANTITATIVO
                                       Número de empresas                                                                        1. Renegociação dos contratos
                                                                    Contratos assinados         Trimestral     4 empresas
                   (2)                     parceiras                                                                             2. Contatar novas empresas
     Articulação de Parcerias com         QUALITATIVO
           empresas para a
     comercialização e venda dos
                                      Satisfação das empresas          Entrevista com                                            Identificar o motivo da insatisfação (design,material,
              artesanatos.
                                          com as peças de            Representantes das          Mensal      4 (escala de 1-5)   resistencia, etc.) e estudar ação corretora
                                             artesanato              empresas parceiras                                          correspondente (fornecedor, oficina, professora, etc.)
Módulo 3 - Controle e Monitoramento

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

SLIDES DE MACROECONOMIA (AULA 2)
SLIDES DE MACROECONOMIA (AULA 2) SLIDES DE MACROECONOMIA (AULA 2)
SLIDES DE MACROECONOMIA (AULA 2)
Kelly Ariane Buás Bráz
 
Aula 01 introdução a estatística
Aula 01   introdução a estatísticaAula 01   introdução a estatística
Slide de Estatística Aplicada à Educação
Slide de Estatística Aplicada à EducaçãoSlide de Estatística Aplicada à Educação
Slide de Estatística Aplicada à Educação
Eduardo Alves dos Reis
 
Aula 4 - PDCA
Aula 4 - PDCAAula 4 - PDCA
Apresentação da Dissertação de Mestrado
Apresentação da Dissertação de MestradoApresentação da Dissertação de Mestrado
Apresentação da Dissertação de Mestrado
giselle_trajano
 
Indicadores Sociais[1]
Indicadores Sociais[1]Indicadores Sociais[1]
Indicadores Sociais[1]
Saulo Campos Oliveira
 
Árvore de Problemas
Árvore de ProblemasÁrvore de Problemas
Árvore de Problemas
Freelancer - Projetos
 
Estatística Para Engenharia - Correlação e Regressão Linear - Exercícios.
Estatística Para Engenharia - Correlação e Regressão Linear - Exercícios.Estatística Para Engenharia - Correlação e Regressão Linear - Exercícios.
Estatística Para Engenharia - Correlação e Regressão Linear - Exercícios.
Jean Paulo Mendes Alves
 
Aula inferencia
Aula inferenciaAula inferencia
Aula inferencia
Fernando Bortolozo
 
Custos de produção - microeconomia
Custos de produção - microeconomiaCustos de produção - microeconomia
Custos de produção - microeconomia
Camila Carvalho
 
Projeto de vida
Projeto de vidaProjeto de vida
Projeto de vida
rosyapmeire
 
Jovens e o mundo do trabalho
Jovens e o mundo do trabalhoJovens e o mundo do trabalho
Jovens e o mundo do trabalho
Acrópole - História & Educação
 
Resenha de artigo científico
Resenha de artigo científicoResenha de artigo científico
Resenha de artigo científico
Marcelo Souza
 
ConsideraçõEs Finais
ConsideraçõEs FinaisConsideraçõEs Finais
ConsideraçõEs Finais
grupo_sigma
 
Economia – introdução às teorias da inflação
Economia – introdução às teorias da inflaçãoEconomia – introdução às teorias da inflação
Economia – introdução às teorias da inflação
Felipe Leo
 
Estatística
EstatísticaEstatística
Estatística
giselesilvaramos
 
Orçamento
OrçamentoOrçamento
O que é qualidade
O que é qualidadeO que é qualidade
O que é qualidade
ELAINESILVEIRA
 
Aula 1 Projeto de Vida (conceito, metas, roda da vida)
Aula 1 Projeto de Vida (conceito, metas, roda da vida)Aula 1 Projeto de Vida (conceito, metas, roda da vida)
Aula 1 Projeto de Vida (conceito, metas, roda da vida)
Aline Grazianne Cordeiro Batista
 
Projeto - Metodologias de intervenção comunitária
Projeto - Metodologias de intervenção comunitáriaProjeto - Metodologias de intervenção comunitária
Projeto - Metodologias de intervenção comunitária
Ricardo da Palma
 

Mais procurados (20)

SLIDES DE MACROECONOMIA (AULA 2)
SLIDES DE MACROECONOMIA (AULA 2) SLIDES DE MACROECONOMIA (AULA 2)
SLIDES DE MACROECONOMIA (AULA 2)
 
Aula 01 introdução a estatística
Aula 01   introdução a estatísticaAula 01   introdução a estatística
Aula 01 introdução a estatística
 
Slide de Estatística Aplicada à Educação
Slide de Estatística Aplicada à EducaçãoSlide de Estatística Aplicada à Educação
Slide de Estatística Aplicada à Educação
 
Aula 4 - PDCA
Aula 4 - PDCAAula 4 - PDCA
Aula 4 - PDCA
 
Apresentação da Dissertação de Mestrado
Apresentação da Dissertação de MestradoApresentação da Dissertação de Mestrado
Apresentação da Dissertação de Mestrado
 
Indicadores Sociais[1]
Indicadores Sociais[1]Indicadores Sociais[1]
Indicadores Sociais[1]
 
Árvore de Problemas
Árvore de ProblemasÁrvore de Problemas
Árvore de Problemas
 
Estatística Para Engenharia - Correlação e Regressão Linear - Exercícios.
Estatística Para Engenharia - Correlação e Regressão Linear - Exercícios.Estatística Para Engenharia - Correlação e Regressão Linear - Exercícios.
Estatística Para Engenharia - Correlação e Regressão Linear - Exercícios.
 
Aula inferencia
Aula inferenciaAula inferencia
Aula inferencia
 
Custos de produção - microeconomia
Custos de produção - microeconomiaCustos de produção - microeconomia
Custos de produção - microeconomia
 
Projeto de vida
Projeto de vidaProjeto de vida
Projeto de vida
 
Jovens e o mundo do trabalho
Jovens e o mundo do trabalhoJovens e o mundo do trabalho
Jovens e o mundo do trabalho
 
Resenha de artigo científico
Resenha de artigo científicoResenha de artigo científico
Resenha de artigo científico
 
ConsideraçõEs Finais
ConsideraçõEs FinaisConsideraçõEs Finais
ConsideraçõEs Finais
 
Economia – introdução às teorias da inflação
Economia – introdução às teorias da inflaçãoEconomia – introdução às teorias da inflação
Economia – introdução às teorias da inflação
 
Estatística
EstatísticaEstatística
Estatística
 
Orçamento
OrçamentoOrçamento
Orçamento
 
O que é qualidade
O que é qualidadeO que é qualidade
O que é qualidade
 
Aula 1 Projeto de Vida (conceito, metas, roda da vida)
Aula 1 Projeto de Vida (conceito, metas, roda da vida)Aula 1 Projeto de Vida (conceito, metas, roda da vida)
Aula 1 Projeto de Vida (conceito, metas, roda da vida)
 
Projeto - Metodologias de intervenção comunitária
Projeto - Metodologias de intervenção comunitáriaProjeto - Metodologias de intervenção comunitária
Projeto - Metodologias de intervenção comunitária
 

Destaque

Controle e Monitoramento 2012
Controle e Monitoramento 2012Controle e Monitoramento 2012
Controle e Monitoramento 2012
Portal Voluntários Online
 
Avaliação e monitoramento da política de assistência social
Avaliação e monitoramento da política de assistência socialAvaliação e monitoramento da política de assistência social
Avaliação e monitoramento da política de assistência social
Arare Carvalho Júnior
 
Como iniciar o seu projeto de monitoramento
Como iniciar o seu projeto de monitoramentoComo iniciar o seu projeto de monitoramento
Como iniciar o seu projeto de monitoramento
E.LIFE
 
HETANOIS - Entrega de bebidas 24 horas por dia.
HETANOIS - Entrega de bebidas 24 horas por dia.HETANOIS - Entrega de bebidas 24 horas por dia.
HETANOIS - Entrega de bebidas 24 horas por dia.
Marco Coghi
 
Módulo 4 avaliação e relatórios 2012
Módulo 4   avaliação e relatórios 2012Módulo 4   avaliação e relatórios 2012
Módulo 4 avaliação e relatórios 2012
Portal Voluntários Online
 
Módulo 5 - Elaboração de Projetos 2012
Módulo 5 - Elaboração de Projetos 2012Módulo 5 - Elaboração de Projetos 2012
Módulo 5 - Elaboração de Projetos 2012
Portal Voluntários Online
 
Modulo 3 - Apresentação do Módulo 3
Modulo 3 - Apresentação do Módulo 3Modulo 3 - Apresentação do Módulo 3
Modulo 3 - Apresentação do Módulo 3
Portal Voluntários Online
 
Elaboração de projetos
Elaboração de projetosElaboração de projetos
Elaboração de projetos
albelio
 
Planejamento, Ação e Monitoramento em Mídias Sociais
Planejamento, Ação e Monitoramento em Mídias SociaisPlanejamento, Ação e Monitoramento em Mídias Sociais
Planejamento, Ação e Monitoramento em Mídias Sociais
Lucas VGR
 
Módulo 2 - 2012
Módulo 2 - 2012Módulo 2 - 2012
Módulo 2 - 2012
Portal Voluntários Online
 
Apresentação do Curso de Gestão de Projetos Sociais
Apresentação do Curso de Gestão de Projetos Sociais Apresentação do Curso de Gestão de Projetos Sociais
Apresentação do Curso de Gestão de Projetos Sociais
Portal Voluntários Online
 
Gestão de Projetos 2012 - Módulo 1: O Terceiro Setor
Gestão de Projetos 2012 - Módulo 1: O Terceiro SetorGestão de Projetos 2012 - Módulo 1: O Terceiro Setor
Gestão de Projetos 2012 - Módulo 1: O Terceiro Setor
Portal Voluntários Online
 
BUVINICH, Manuel Rojas. Ferramentas para avaliacao monitoramento de programas...
BUVINICH, Manuel Rojas. Ferramentas para avaliacao monitoramento de programas...BUVINICH, Manuel Rojas. Ferramentas para avaliacao monitoramento de programas...
BUVINICH, Manuel Rojas. Ferramentas para avaliacao monitoramento de programas...
Bruno Martins Soares
 
Planejamento, Execução e Controle de Projetos (07/04/2015)
Planejamento, Execução e Controle de Projetos (07/04/2015)Planejamento, Execução e Controle de Projetos (07/04/2015)
Planejamento, Execução e Controle de Projetos (07/04/2015)
Alessandro Almeida
 
Planejamento em Marketing de Busca, por Martha Gabriel
Planejamento em Marketing de Busca, por Martha GabrielPlanejamento em Marketing de Busca, por Martha Gabriel
Planejamento em Marketing de Busca, por Martha Gabriel
Martha Gabriel
 
Indicadores e monitoramento de resultados de projetos
Indicadores e monitoramento de resultados de projetosIndicadores e monitoramento de resultados de projetos
Indicadores e monitoramento de resultados de projetos
FIFE2014
 
Indicadores de projeto
Indicadores de projetoIndicadores de projeto
Indicadores de projeto
Sandra Helena Pedroso
 
Ppra
PpraPpra
Monitoramento de Processos Educacionais e Avaliação Institucional
Monitoramento de Processos Educacionais e Avaliação InstitucionalMonitoramento de Processos Educacionais e Avaliação Institucional
Monitoramento de Processos Educacionais e Avaliação Institucional
O Blog do Pedagogo
 
Manual Gestão de Projetos Sociais 2012
Manual Gestão de Projetos Sociais 2012Manual Gestão de Projetos Sociais 2012
Manual Gestão de Projetos Sociais 2012
Portal Voluntários Online
 

Destaque (20)

Controle e Monitoramento 2012
Controle e Monitoramento 2012Controle e Monitoramento 2012
Controle e Monitoramento 2012
 
Avaliação e monitoramento da política de assistência social
Avaliação e monitoramento da política de assistência socialAvaliação e monitoramento da política de assistência social
Avaliação e monitoramento da política de assistência social
 
Como iniciar o seu projeto de monitoramento
Como iniciar o seu projeto de monitoramentoComo iniciar o seu projeto de monitoramento
Como iniciar o seu projeto de monitoramento
 
HETANOIS - Entrega de bebidas 24 horas por dia.
HETANOIS - Entrega de bebidas 24 horas por dia.HETANOIS - Entrega de bebidas 24 horas por dia.
HETANOIS - Entrega de bebidas 24 horas por dia.
 
Módulo 4 avaliação e relatórios 2012
Módulo 4   avaliação e relatórios 2012Módulo 4   avaliação e relatórios 2012
Módulo 4 avaliação e relatórios 2012
 
Módulo 5 - Elaboração de Projetos 2012
Módulo 5 - Elaboração de Projetos 2012Módulo 5 - Elaboração de Projetos 2012
Módulo 5 - Elaboração de Projetos 2012
 
Modulo 3 - Apresentação do Módulo 3
Modulo 3 - Apresentação do Módulo 3Modulo 3 - Apresentação do Módulo 3
Modulo 3 - Apresentação do Módulo 3
 
Elaboração de projetos
Elaboração de projetosElaboração de projetos
Elaboração de projetos
 
Planejamento, Ação e Monitoramento em Mídias Sociais
Planejamento, Ação e Monitoramento em Mídias SociaisPlanejamento, Ação e Monitoramento em Mídias Sociais
Planejamento, Ação e Monitoramento em Mídias Sociais
 
Módulo 2 - 2012
Módulo 2 - 2012Módulo 2 - 2012
Módulo 2 - 2012
 
Apresentação do Curso de Gestão de Projetos Sociais
Apresentação do Curso de Gestão de Projetos Sociais Apresentação do Curso de Gestão de Projetos Sociais
Apresentação do Curso de Gestão de Projetos Sociais
 
Gestão de Projetos 2012 - Módulo 1: O Terceiro Setor
Gestão de Projetos 2012 - Módulo 1: O Terceiro SetorGestão de Projetos 2012 - Módulo 1: O Terceiro Setor
Gestão de Projetos 2012 - Módulo 1: O Terceiro Setor
 
BUVINICH, Manuel Rojas. Ferramentas para avaliacao monitoramento de programas...
BUVINICH, Manuel Rojas. Ferramentas para avaliacao monitoramento de programas...BUVINICH, Manuel Rojas. Ferramentas para avaliacao monitoramento de programas...
BUVINICH, Manuel Rojas. Ferramentas para avaliacao monitoramento de programas...
 
Planejamento, Execução e Controle de Projetos (07/04/2015)
Planejamento, Execução e Controle de Projetos (07/04/2015)Planejamento, Execução e Controle de Projetos (07/04/2015)
Planejamento, Execução e Controle de Projetos (07/04/2015)
 
Planejamento em Marketing de Busca, por Martha Gabriel
Planejamento em Marketing de Busca, por Martha GabrielPlanejamento em Marketing de Busca, por Martha Gabriel
Planejamento em Marketing de Busca, por Martha Gabriel
 
Indicadores e monitoramento de resultados de projetos
Indicadores e monitoramento de resultados de projetosIndicadores e monitoramento de resultados de projetos
Indicadores e monitoramento de resultados de projetos
 
Indicadores de projeto
Indicadores de projetoIndicadores de projeto
Indicadores de projeto
 
Ppra
PpraPpra
Ppra
 
Monitoramento de Processos Educacionais e Avaliação Institucional
Monitoramento de Processos Educacionais e Avaliação InstitucionalMonitoramento de Processos Educacionais e Avaliação Institucional
Monitoramento de Processos Educacionais e Avaliação Institucional
 
Manual Gestão de Projetos Sociais 2012
Manual Gestão de Projetos Sociais 2012Manual Gestão de Projetos Sociais 2012
Manual Gestão de Projetos Sociais 2012
 

Semelhante a Módulo 3 - Controle e Monitoramento

Módulo 3 - 2012
Módulo 3 - 2012Módulo 3 - 2012
Módulo 3 - 2012
Portal Voluntários Online
 
Módulo 3 - Metodologia e Avaliação
Módulo 3 - Metodologia e AvaliaçãoMódulo 3 - Metodologia e Avaliação
Módulo 3 - Metodologia e Avaliação
Portal Voluntários Online
 
Módulo 3 - Controle e Monitoramento
Módulo 3 - Controle e MonitoramentoMódulo 3 - Controle e Monitoramento
Módulo 3 - Controle e Monitoramento
Portal Voluntários Online
 
Panorama de Coordenação Pedagógica - Prêmio Victor Civita 2011
Panorama de Coordenação Pedagógica - Prêmio Victor Civita 2011Panorama de Coordenação Pedagógica - Prêmio Victor Civita 2011
Panorama de Coordenação Pedagógica - Prêmio Victor Civita 2011
Fundação Victor Civita
 
Módulo 4 - Avaliação e Relatórios
Módulo 4 - Avaliação e RelatóriosMódulo 4 - Avaliação e Relatórios
Módulo 4 - Avaliação e Relatórios
Portal Voluntários Online
 
Módulo 3 - Elaboração de Projetos 2012
Módulo 3  - Elaboração de Projetos 2012Módulo 3  - Elaboração de Projetos 2012
Módulo 3 - Elaboração de Projetos 2012
Portal Voluntários Online
 
Elaboração de projeto
Elaboração de projetoElaboração de projeto
529939.pptx
529939.pptx529939.pptx
529939.pptx
juliocesar910231
 
Elaboração de projeto 2013 2
Elaboração de projeto 2013 2Elaboração de projeto 2013 2
Métricas para monitoramento em redes sociais
Métricas para monitoramento em redes sociaisMétricas para monitoramento em redes sociais
Métricas para monitoramento em redes sociais
Mônica Wanderley
 
Oficina Femama - Valinhos
Oficina Femama - Valinhos Oficina Femama - Valinhos
Oficina Femama - Valinhos
contatofemama
 
Atps a2 2015_2_sso8_monitoramento_avaliacao_servico_social
Atps a2 2015_2_sso8_monitoramento_avaliacao_servico_socialAtps a2 2015_2_sso8_monitoramento_avaliacao_servico_social
Atps a2 2015_2_sso8_monitoramento_avaliacao_servico_social
ivlux
 
Aluno Monitor Final 2008
Aluno Monitor Final 2008Aluno Monitor Final 2008
Aluno Monitor Final 2008
Adriana Vieira
 
Canvas para planejamento e execução de ações de cidadania
Canvas para planejamento e execução de ações de cidadaniaCanvas para planejamento e execução de ações de cidadania
Canvas para planejamento e execução de ações de cidadania
Rogerio Terra
 
Aula 7 - Módulo III
Aula 7 - Módulo IIIAula 7 - Módulo III
Aula 7 - Módulo III
CETUR
 
Planejamento 2014 dia 3
Planejamento 2014   dia 3Planejamento 2014   dia 3
Planejamento 2014 dia 3
Ingrid Duran
 
Planejamento e Gestão Em Mídias Digitais - Aula 02
Planejamento e Gestão Em Mídias Digitais - Aula 02Planejamento e Gestão Em Mídias Digitais - Aula 02
Planejamento e Gestão Em Mídias Digitais - Aula 02
Caio Oliveira
 
Fala Sodexofinal Carla2009
Fala Sodexofinal Carla2009Fala Sodexofinal Carla2009
Fala Sodexofinal Carla2009
flaviapulino
 
2 o que-é_um_trabalho_de_projecto
2 o que-é_um_trabalho_de_projecto2 o que-é_um_trabalho_de_projecto
2 o que-é_um_trabalho_de_projecto
Mayjö .
 
Modelo para projeto
Modelo para projetoModelo para projeto
Modelo para projeto
contatofemama
 

Semelhante a Módulo 3 - Controle e Monitoramento (20)

Módulo 3 - 2012
Módulo 3 - 2012Módulo 3 - 2012
Módulo 3 - 2012
 
Módulo 3 - Metodologia e Avaliação
Módulo 3 - Metodologia e AvaliaçãoMódulo 3 - Metodologia e Avaliação
Módulo 3 - Metodologia e Avaliação
 
Módulo 3 - Controle e Monitoramento
Módulo 3 - Controle e MonitoramentoMódulo 3 - Controle e Monitoramento
Módulo 3 - Controle e Monitoramento
 
Panorama de Coordenação Pedagógica - Prêmio Victor Civita 2011
Panorama de Coordenação Pedagógica - Prêmio Victor Civita 2011Panorama de Coordenação Pedagógica - Prêmio Victor Civita 2011
Panorama de Coordenação Pedagógica - Prêmio Victor Civita 2011
 
Módulo 4 - Avaliação e Relatórios
Módulo 4 - Avaliação e RelatóriosMódulo 4 - Avaliação e Relatórios
Módulo 4 - Avaliação e Relatórios
 
Módulo 3 - Elaboração de Projetos 2012
Módulo 3  - Elaboração de Projetos 2012Módulo 3  - Elaboração de Projetos 2012
Módulo 3 - Elaboração de Projetos 2012
 
Elaboração de projeto
Elaboração de projetoElaboração de projeto
Elaboração de projeto
 
529939.pptx
529939.pptx529939.pptx
529939.pptx
 
Elaboração de projeto 2013 2
Elaboração de projeto 2013 2Elaboração de projeto 2013 2
Elaboração de projeto 2013 2
 
Métricas para monitoramento em redes sociais
Métricas para monitoramento em redes sociaisMétricas para monitoramento em redes sociais
Métricas para monitoramento em redes sociais
 
Oficina Femama - Valinhos
Oficina Femama - Valinhos Oficina Femama - Valinhos
Oficina Femama - Valinhos
 
Atps a2 2015_2_sso8_monitoramento_avaliacao_servico_social
Atps a2 2015_2_sso8_monitoramento_avaliacao_servico_socialAtps a2 2015_2_sso8_monitoramento_avaliacao_servico_social
Atps a2 2015_2_sso8_monitoramento_avaliacao_servico_social
 
Aluno Monitor Final 2008
Aluno Monitor Final 2008Aluno Monitor Final 2008
Aluno Monitor Final 2008
 
Canvas para planejamento e execução de ações de cidadania
Canvas para planejamento e execução de ações de cidadaniaCanvas para planejamento e execução de ações de cidadania
Canvas para planejamento e execução de ações de cidadania
 
Aula 7 - Módulo III
Aula 7 - Módulo IIIAula 7 - Módulo III
Aula 7 - Módulo III
 
Planejamento 2014 dia 3
Planejamento 2014   dia 3Planejamento 2014   dia 3
Planejamento 2014 dia 3
 
Planejamento e Gestão Em Mídias Digitais - Aula 02
Planejamento e Gestão Em Mídias Digitais - Aula 02Planejamento e Gestão Em Mídias Digitais - Aula 02
Planejamento e Gestão Em Mídias Digitais - Aula 02
 
Fala Sodexofinal Carla2009
Fala Sodexofinal Carla2009Fala Sodexofinal Carla2009
Fala Sodexofinal Carla2009
 
2 o que-é_um_trabalho_de_projecto
2 o que-é_um_trabalho_de_projecto2 o que-é_um_trabalho_de_projecto
2 o que-é_um_trabalho_de_projecto
 
Modelo para projeto
Modelo para projetoModelo para projeto
Modelo para projeto
 

Mais de Portal Voluntários Online

Relatório Portal Voluntários Online 2015
Relatório Portal Voluntários Online 2015Relatório Portal Voluntários Online 2015
Relatório Portal Voluntários Online 2015
Portal Voluntários Online
 
Campanha de transição Portal Voluntários Online - Social Good Brasil
Campanha de transição Portal Voluntários Online - Social Good BrasilCampanha de transição Portal Voluntários Online - Social Good Brasil
Campanha de transição Portal Voluntários Online - Social Good Brasil
Portal Voluntários Online
 
Capacitação VOLDigital FT 2014
Capacitação VOLDigital FT 2014Capacitação VOLDigital FT 2014
Capacitação VOLDigital FT 2014
Portal Voluntários Online
 
Relatório VOL 6 anos
Relatório VOL 6 anosRelatório VOL 6 anos
Relatório VOL 6 anos
Portal Voluntários Online
 
Capacitação - Voluntariado Digital FT 2014
Capacitação - Voluntariado Digital FT 2014Capacitação - Voluntariado Digital FT 2014
Capacitação - Voluntariado Digital FT 2014
Portal Voluntários Online
 
Fontes de Recursos I Março - Terceiro Setor
Fontes de Recursos I Março - Terceiro SetorFontes de Recursos I Março - Terceiro Setor
Fontes de Recursos I Março - Terceiro Setor
Portal Voluntários Online
 
Programação 2ª conferência intermunicipal de proteção e defesa civil
Programação 2ª conferência intermunicipal de proteção e defesa civilProgramação 2ª conferência intermunicipal de proteção e defesa civil
Programação 2ª conferência intermunicipal de proteção e defesa civilPortal Voluntários Online
 
Programação 2ª conferência intermunicipal de proteção e defesa civil
Programação 2ª conferência intermunicipal de proteção e defesa civilProgramação 2ª conferência intermunicipal de proteção e defesa civil
Programação 2ª conferência intermunicipal de proteção e defesa civilPortal Voluntários Online
 
Fontes de Recursos Terceiro Setor - Dezembro
Fontes de Recursos Terceiro Setor - DezembroFontes de Recursos Terceiro Setor - Dezembro
Fontes de Recursos Terceiro Setor - Dezembro
Portal Voluntários Online
 
Fontes de Recursos de Novembro - Terceiro Setor
Fontes de Recursos de Novembro - Terceiro SetorFontes de Recursos de Novembro - Terceiro Setor
Fontes de Recursos de Novembro - Terceiro Setor
Portal Voluntários Online
 
Resultado de uma pesquisa sobre voluntariado feita pelo IBOPE
Resultado de uma pesquisa sobre voluntariado feita pelo IBOPEResultado de uma pesquisa sobre voluntariado feita pelo IBOPE
Resultado de uma pesquisa sobre voluntariado feita pelo IBOPE
Portal Voluntários Online
 
001 ibope painel 1 palestraseminário redes e parcerias 29nov2013
001   ibope  painel 1 palestraseminário redes e parcerias 29nov2013001   ibope  painel 1 palestraseminário redes e parcerias 29nov2013
001 ibope painel 1 palestraseminário redes e parcerias 29nov2013
Portal Voluntários Online
 
Fontes de Recurso do Terceiro Setor - Novembro
Fontes de Recurso do Terceiro Setor - NovembroFontes de Recurso do Terceiro Setor - Novembro
Fontes de Recurso do Terceiro Setor - Novembro
Portal Voluntários Online
 
Fontes de Recurso do Terceiro Setor
Fontes de Recurso do Terceiro SetorFontes de Recurso do Terceiro Setor
Fontes de Recurso do Terceiro Setor
Portal Voluntários Online
 
Fontes de Recursos II
Fontes de Recursos IIFontes de Recursos II
Fontes de Recursos II
Portal Voluntários Online
 
Relatório VOL 5 Anos
Relatório VOL 5 AnosRelatório VOL 5 Anos
Relatório VOL 5 Anos
Portal Voluntários Online
 
Fontes de Recursos em Aberto PMO ESAG
Fontes de Recursos em Aberto PMO ESAGFontes de Recursos em Aberto PMO ESAG
Fontes de Recursos em Aberto PMO ESAG
Portal Voluntários Online
 
Chamada Pública para Famílias Anfitriãs - Global Citizen Year 2013
Chamada Pública para Famílias Anfitriãs - Global Citizen Year 2013 Chamada Pública para Famílias Anfitriãs - Global Citizen Year 2013
Chamada Pública para Famílias Anfitriãs - Global Citizen Year 2013
Portal Voluntários Online
 
Relatório Portal Voluntários Online - 5 anos
Relatório Portal Voluntários Online - 5 anosRelatório Portal Voluntários Online - 5 anos
Relatório Portal Voluntários Online - 5 anos
Portal Voluntários Online
 
Capacitação Voluntariado Digital Fundação Telefônica 2013
Capacitação Voluntariado Digital Fundação Telefônica 2013Capacitação Voluntariado Digital Fundação Telefônica 2013
Capacitação Voluntariado Digital Fundação Telefônica 2013
Portal Voluntários Online
 

Mais de Portal Voluntários Online (20)

Relatório Portal Voluntários Online 2015
Relatório Portal Voluntários Online 2015Relatório Portal Voluntários Online 2015
Relatório Portal Voluntários Online 2015
 
Campanha de transição Portal Voluntários Online - Social Good Brasil
Campanha de transição Portal Voluntários Online - Social Good BrasilCampanha de transição Portal Voluntários Online - Social Good Brasil
Campanha de transição Portal Voluntários Online - Social Good Brasil
 
Capacitação VOLDigital FT 2014
Capacitação VOLDigital FT 2014Capacitação VOLDigital FT 2014
Capacitação VOLDigital FT 2014
 
Relatório VOL 6 anos
Relatório VOL 6 anosRelatório VOL 6 anos
Relatório VOL 6 anos
 
Capacitação - Voluntariado Digital FT 2014
Capacitação - Voluntariado Digital FT 2014Capacitação - Voluntariado Digital FT 2014
Capacitação - Voluntariado Digital FT 2014
 
Fontes de Recursos I Março - Terceiro Setor
Fontes de Recursos I Março - Terceiro SetorFontes de Recursos I Março - Terceiro Setor
Fontes de Recursos I Março - Terceiro Setor
 
Programação 2ª conferência intermunicipal de proteção e defesa civil
Programação 2ª conferência intermunicipal de proteção e defesa civilProgramação 2ª conferência intermunicipal de proteção e defesa civil
Programação 2ª conferência intermunicipal de proteção e defesa civil
 
Programação 2ª conferência intermunicipal de proteção e defesa civil
Programação 2ª conferência intermunicipal de proteção e defesa civilProgramação 2ª conferência intermunicipal de proteção e defesa civil
Programação 2ª conferência intermunicipal de proteção e defesa civil
 
Fontes de Recursos Terceiro Setor - Dezembro
Fontes de Recursos Terceiro Setor - DezembroFontes de Recursos Terceiro Setor - Dezembro
Fontes de Recursos Terceiro Setor - Dezembro
 
Fontes de Recursos de Novembro - Terceiro Setor
Fontes de Recursos de Novembro - Terceiro SetorFontes de Recursos de Novembro - Terceiro Setor
Fontes de Recursos de Novembro - Terceiro Setor
 
Resultado de uma pesquisa sobre voluntariado feita pelo IBOPE
Resultado de uma pesquisa sobre voluntariado feita pelo IBOPEResultado de uma pesquisa sobre voluntariado feita pelo IBOPE
Resultado de uma pesquisa sobre voluntariado feita pelo IBOPE
 
001 ibope painel 1 palestraseminário redes e parcerias 29nov2013
001   ibope  painel 1 palestraseminário redes e parcerias 29nov2013001   ibope  painel 1 palestraseminário redes e parcerias 29nov2013
001 ibope painel 1 palestraseminário redes e parcerias 29nov2013
 
Fontes de Recurso do Terceiro Setor - Novembro
Fontes de Recurso do Terceiro Setor - NovembroFontes de Recurso do Terceiro Setor - Novembro
Fontes de Recurso do Terceiro Setor - Novembro
 
Fontes de Recurso do Terceiro Setor
Fontes de Recurso do Terceiro SetorFontes de Recurso do Terceiro Setor
Fontes de Recurso do Terceiro Setor
 
Fontes de Recursos II
Fontes de Recursos IIFontes de Recursos II
Fontes de Recursos II
 
Relatório VOL 5 Anos
Relatório VOL 5 AnosRelatório VOL 5 Anos
Relatório VOL 5 Anos
 
Fontes de Recursos em Aberto PMO ESAG
Fontes de Recursos em Aberto PMO ESAGFontes de Recursos em Aberto PMO ESAG
Fontes de Recursos em Aberto PMO ESAG
 
Chamada Pública para Famílias Anfitriãs - Global Citizen Year 2013
Chamada Pública para Famílias Anfitriãs - Global Citizen Year 2013 Chamada Pública para Famílias Anfitriãs - Global Citizen Year 2013
Chamada Pública para Famílias Anfitriãs - Global Citizen Year 2013
 
Relatório Portal Voluntários Online - 5 anos
Relatório Portal Voluntários Online - 5 anosRelatório Portal Voluntários Online - 5 anos
Relatório Portal Voluntários Online - 5 anos
 
Capacitação Voluntariado Digital Fundação Telefônica 2013
Capacitação Voluntariado Digital Fundação Telefônica 2013Capacitação Voluntariado Digital Fundação Telefônica 2013
Capacitação Voluntariado Digital Fundação Telefônica 2013
 

Último

Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Nertan Dias
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
HelenStefany
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
AlineOliveira625820
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Demetrio Ccesa Rayme
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
ElinarioCosta
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
MARCELARUBIAGAVA
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
vitorreissouzasilva
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Centro Jacques Delors
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
geiseortiz1
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
TiagoLouro8
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdfConcurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
TathyLopes1
 

Último (20)

Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
 
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdfConcurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
 

Módulo 3 - Controle e Monitoramento

  • 1. Gestão de Projetos Sociais Manual para Organizações Sem Fins Lucrativos Instituto Voluntários em Ação Maio 2011 Módulo 3 – Controle e Monitoramento Realização Apoio
  • 2. Controle e Monitoramento Você já viu as funções gerenciais que auxiliam o gestor no gerenciamento dos projetos e de que forma essas funções podem trazer melhores resultados. Porém, vamos retornar ao tema de Controle e Monitoramento do projeto, pois é nessa etapa que, muitas vezes, os gestores do projeto descobrem que as coisas não estão ocorrendo de acordo com o que foi planejado. Como você viu, o Controle é o processo desenvolvido para reduzir ao máximo as diferenças entre o que foi planejado e o que efetivamente é realizado no desenrolar das atividades do projeto. Monitoramento/Acompanhamento O monitoramento é o acompanhamento do projeto por meio da coleta e análise constante de informação sobre como o projeto se desenvolve. Quando você estrutura um sistema de monitoramento, você está criando um sistema de coleta de informação útil para melhorar o que fazer e como deve ser feito. 4.1 Por que Monitorar/Acompanhar? É por meio do monitoramento que conseguimos identificar problemas e pensar em soluções. Só assim o Projeto terá continuidade. Veja abaixo alguns pontos importantes possibilitados por essa função:  Identificar quando as coisas não estão andando corretamente.  Saber se os recursos estão sendo bem utilizados e se serão suficientes para o que está sendo feito.  Conhecer se sua capacidade de trabalho é suficiente e apropriada.  Saber se você está realizando aquilo que planejou fazer.
  • 3. Uma das grandes vantagens é a possibilidade da identificação de problemas enquanto estes ainda são pequenos e contornáveis, fato que facilita a tomada de decisões certas no momento necessário, evitando o fracasso do projeto. Veja agora os principais motivos do fracasso de projetos: a) Erros no planejamento: objetivos que não existem ou não foram devidamente identificados; atividades que não foram devidamente organizadas; pouca harmonia entre as pessoas envolvidas e o desenrolar das atividades. Exemplo: uma das professoras foi denominada para ministrar os cursos em duas comunidades diferentes no mesmo horário ao longo do projeto. Na hora da execução é necessária uma professora adicional, incrementando o custo do projeto. Por causa da falta de recursos extraordinários, uma comunidade não é atendida pelo projeto. b) Erros de execução: os responsáveis do projeto não cumpriram as atividades ou não desenvolveram processos segundo ao que foi planejado. Exemplo: a professora não cobrou freqüência nas oficinas (mesmo que estava planejado nas suas tarefas) porque o nível de assistência estava sendo baixo. O coordenador do projeto não sabe da pouca participação e no final das contas o projeto parece um fracasso. c) Fatores Externos: eventos adversos novos e imprevisíveis que modificam o cenário no qual o projeto está acontecendo. Exemplo: duas das empresas parceiras que tinham se comprometido a comercializar os artesanatos tiveram problemas de liquidez e terminaram não assinando os contratos. O coordenador do Projeto consegue negociar 1 contrato com uma nova empresa parceira antes da finalização do projeto, porém uma quantidade grande de artesanatos permanecem armazenados.
  • 4. 4.2. Como desenhar o Plano de Monitoramento para o Projeto? Utilizando um Plano de Monitoramento você poderá acompanhar de forma mais eficiente o andamento e desenvolvimento do Projeto. Agora você irá aprender como elaborar esse documento. Para isso, siga o nosso passo-a-passo: 1º Passo: O que queremos saber? Selecionando Indicadores “O que não é medido não pode ser gerenciado”: você só pode saber, com certeza, se atingiu determinado resultado, a partir do momento que possui um indicador para medir esse resultado. Os INDICADORES são medidas numéricas para conhecer em que medida os objetivos do seu projeto estão ou não sendo alcançados, dentro de um prazo delimitado e numa localidade específica. A dificuldade e preocupação por “medir resultados” geralmente acontecem porque a organização não sabe exatamente o que medir. Por isso, a importância do planejamento inicial do projeto onde foram definidos: Objetivo geral: Foco do projeto, no problema ou na situação identificada que deve ser resolvida. Lembrando Objetivos específicos: Visão de como você gostaria que esta situação fosse e de como você vai conseguir mudá-la. Dito de outra maneira, os objetivos específicos são as estratégias ou ações para atingir o objetivo geral. Para monitorar o projeto, devem ser estabelecidos um ou mais indicadores para cada objetivo especifico, uma medida que indique se o objetivo foi total ou parcialmente alcançado.
  • 5. Para compreender melhor, veja esse exemplo: Deve ficar claro que esses indicadores estão intimamente relacionados aos objetivos propostos por cada Projeto e, portanto, são determinados individualmente para cada projeto. A seleção de indicadores será a parte principal do monitoramento. Lembre-se que quanto mais impreciso for um objetivo, mais difícil será achar seus indicadores e as formas de trabalho. É importante que os Indicadores apresentem as seguintes características:  Entendimento Simples  Facilidade de Construção  Relação direta com as ações efetuadas  Consistência com os Dados Disponíveis TAREFA: Antes de começar o projeto, pegue cada objetivo específico, um a um, e 2º Passo: Como obter a informação? estabeleça indicadores para medir os resultados. Será fundamental decidir os indicadores com anterioridade à execução do Projeto, para poder coletar os dados.
  • 6. Não adianta criar indicadores que não vamos conseguir mensurar. Para simplificar o trabalho dos gestores/coordenadores do projeto, vamos esclarecer os tipos de informação que deve ser utilizada para o monitoramento do seu projeto: Informação Informação QUANTITATIVA QUALITATIVA É aquela que oferece dados Indicam como as pessoas se numéricos indicando “quanto ou sentem a respeito de alguma quantos?” situação ou como as coisas são feitas, ou como as pessoas se Exemplo: comportam. Qual o número de jovens da Comunidade que participaram Você irá conseguir essas das aulas? informações perguntando, observando e interpretando. Pode ser expressa de várias maneiras: Exemplo: Nível de auto-estima das Em números absolutos: por meninas que participaram das exemplo, 45 meninas oficinas de artesanato. freqüentaram os cursos de capacitação entre os meses de A informação qualitativa pode março e julho de 2010. ser transformada em informação quantitativa. Basta criar uma De forma percentual: por escala numérica para medir o exemplo, 50% das meninas grau de satisfação, da seguinte previstas freqüentaram as maneira: oficinas de artesanato entre os meses de março e julho de 2010. Muito satisfeito: 5 Como realizar o cálculo? Neste Satisfeito:4 exemplo, trabalhando com listas Indiferente:3 de presença ao longo dos cursos. Insatisfeito:2 Muito Insatisfeito:1 Por um lado, a transformação de uma resposta qualitativa aberta e que expresse valores em uma resposta quantitativa pode perder informações que são relevantes para a avaliação do projeto. Mas, por outro lado, permite que usemos para examinar,
  • 7. por exemplo, se existe uma relação entre a nota obtida pelo aluno (quantitativo) e a sua satisfação com a escola (qualitativo). Mesmo quando a informação qualitativa é transformada em dados quantitativos, isso não significa que não vão ser valiosas para a avaliação. A combinação de ambas as respostas irá enriquecer a análise dos projetos. Dados quantitativos podem mostrar o que está acontecendo, enquanto os dados qualitativos podem fornecer uma indicação das razões pelas quais o programa está tendo aqueles resultados. Exemplo: Consideremos o programa de oficinas de artesanato para mulheres, meninas e adolescentes. Após sua implementação, os indicadores quantitativos (nível de freqüência nas oficinas, número de mulheres capacitadas, número de empresas parceiras do projeto, número de contratos assinados, etc.) podem mostrar que o projeto foi um sucesso. Porém, indicadores qualitativos (entrevistas com as mulheres e professoras, nível de satisfação das empresas, etc.) poderiam mostrar que as oficinas não foram adequadas, pois não atenderam as expectativas das empresas parceiras ou não melhoraram a auto-estima das adolescentes. Como decidir entre informação qualitativa ou quantitativa? Como você acabou de ver, você vai medir com indicadores quantitativos o seguinte:  Resultados numéricos sobre os objetivos do projeto.  Desempenho financeiro. Com indicadores qualitativos – por meio de entrevistas, reuniões de grupo, observações, pesquisas de opinião, etc. – você medirá:  Os efeitos do projeto sobre os envolvidos: motivação, satisfação, etc.  Sentimentos e percepções: opiniões, stress, compreensão do público,
  • 8. empenho, etc. TAREFA: Antes de começar o projeto, pegue cada indicador, um a um, e esclareça onde, como e com que freqüência você vai obter a informação sobre a evolução de cada indicador. Será fundamental esclarecer as fontes de informação com anterioridade à execução do Projeto, para poder definir as formas e os responsáveis pela coleta de dados. 3º Passo: Que diferença o Projeto vai fazer? Padrões de Desempenho Chegados neste ponto, você pode se perguntar “Fiquei horas trabalhando para definir indicadores segundo os objetivos específicos, pensando como e quem obterá as informações. E agora? Como isso vai me ajudar a resolver os problemas do projeto enquanto estiver em andamento?” Sem registrar o cenário anterior à conclusão do Projeto, não podemos realizar o monitoramento. Sendo assim, é de extrema importância que a Organização analise a situação anterior, delimite os Objetivos e Indicadores, registre essas informações, para que possam comparar os dados posteriores à conclusão do Projeto. Veja esses conceitos:  Marco Zero: valor dos indicadores antes de iniciar o projeto, os números iniciais do projeto. É como uma fotografia tirada no momento em que se começa um projeto, para depois ver o que mudou ou não mudou.  Padrões de desempenho: o valor que confiamos que esses indicadores terão graças às atividades de nosso projeto, o “padrão” que queremos alcançar. Os dados coletados ao longo do monitoramento/acompanhamento não fazem sentido nenhum se não forem comparados com a situação inicial, e não ajudarão a identificar os problemas sem ser comparados de forma contínua aos padrões definidos.
  • 9. Os principais tipos de padrões de desempenho existentes são:  Padrões de Quantidade: número de colaboradores no projeto, de atividades, de serviços, de beneficiários, etc;  Padrões de Qualidade: qualidade das atividades, materiais, etc;  Padrões de Tempo: segundo o cronograma, o tempo para cada atividade;  Padrões de Custo: custo dos materiais, equipamentos, etc; TAREFA: Antes de começar o projeto: Pegue cada indicador, um a um, e estabeleça com cuidado o valor que considera que espera alcançar com o Projeto. Faça uma lista de possíveis ações corretoras no caso que os indicadores não evolucionem segundo o que foi planejado. Durante o projeto: Registre o valor de cada indicador segundo a freqüência que foi definida. Compare esses valores com os padrões de desempenho que foram estabelecidos. Caso os indicadores estejam por debaixo dos padrões estabelecidos, atue segundo as ações corretoras para melhorar esse valor.
  • 10. 4º Passo: A Planilha de Monitoramento e Desempenho OBJETIVO GERAL: Empoderamento das mulheres (mulheres, jovens e crianças) da Comunidade da Graça e da Comunidade do Estreito. Padrão de Ações Corretoras Objetivos Específicos Tipo de Indicador Fontes de Informação Freqüência Desempenho (Estudar sempre possíveis fatores externos) QUANTITATIVO Freqüência das mulheres Listas de Presença 1. Reunião extraordinária com alunas e professoras Cada nas oficinas. (por faixa assinadas por professoras e 65% 2. Procurar apoio de líderes comunitários oficina etária) alunas 3. Entrevistas com as famílias das desistentes Número de peças de 1. Revisão dos recursos materiais Cotação das Peças entre 70 e 100 artesanato produzidas Mensal 2. Revisão da didática Produzidas unidades (por tipo de produto) 3. Possível da troca de professora (1) QUALITATIVO Capacitar mulheres, jovens e Entrevista com o grupo de crianças para a elaboração de Qualidade dos materiais Mensal 4 (escala de 1-5) 1. Estudar troca de fornecedor trabalho artesanato. Entrevista individual Motivação das professoras Bimestral 4 (escala de 1-5) 1. Melhorar acompanhamento psicológico professoras Auto-estima das alunas Entrevista individual com as Atingir 4 1. Reformulação da carga horária Mensal (por faixa etária) alunas (por faixa etária) (escala de 1-5) 2. Estudo de troca de didática Empenho Escolar Entrevista com professores Atingir 4 3. Possível troca de professora Bimestral 4. Melhorar acompanhamento psicológico (por faixa etária) da escola (escala de 1-5) QUANTITATIVO Número de empresas 1. Renegociação dos contratos Contratos assinados Trimestral 4 empresas (2) parceiras 2. Contatar novas empresas Articulação de Parcerias com QUALITATIVO empresas para a comercialização e venda dos Satisfação das empresas Entrevista com Identificar o motivo da insatisfação (design,material, artesanatos. com as peças de Representantes das Mensal 4 (escala de 1-5) resistencia, etc.) e estudar ação corretora artesanato empresas parceiras correspondente (fornecedor, oficina, professora, etc.)