SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 60
Baixar para ler offline
Prof. Ms. Araré de Carvalho Júnior
 Antecedentes ou o porque uma gestão ética?
 Montesquieu e o dilema da República.
 O imperativo Kantiano.
 Como estabelecer parâmetros comuns numa
sociedade de tanta diversidade?
 Cinco escritos Morais. Ou a ética do corpo.
 O Homem Cordial de Sérgio Buarque de
Holanda.
 A ocasião faz o ladrão?
 Altruísmo ou compromisso com uma nova
sociedade?
 Desconstruindo o discurso do pensamento
único.
 Qual o paradigma e valores a serem usados?
Um estudo dos Assentamento Rurais.
 A Democracia e a participação democrática
como mão única.
 A avaliação e o monitoramento tem como
objetivo principal o estabelecimento de
padrão de qualidade dos serviços
socioassistenciais que compõem as políticas
federais, estaduais e municipais de
assistência social.
 A Assistência Social como política de
proteção social configura-se como
mecanismo de garantia de um padrão básico
de inclusão social. Esta concepção de
proteção supõe conhecer os riscos, as
vulnerabilidades sociais das pessoas sujeitos
de sua ação, bem como os recursos
necessários para afiançar segurança social.
Isto supõe conhecer os riscos e as
possibilidades de enfrentá-los.
 De acordo com a Política Nacional de Assistência
Social, aprovada em setembro de 2004, parte-se
de “uma visão social capaz de entender que a
população tem necessidades, mas também
possibilidades ou capacidades que devem e
podem ser desenvolvidas”. Nesta concepção, a
Assistência Social ao invés de restringir-se ao
mero repasse de benefícios passa a atuar como
potencializadora das capacidades individuais e
coletivas, resgatando o acesso a bens e serviços
públicos aos invisíveis à sociedade.
 A sociedade contemporânea tem fragilizado
os vínculos sociais devido ao acirramento das
relações capitalistas. Isto posto, as relações
familiares e comunitárias acabam sofrendo os
reflexos desta nova ordem social e
econômica. Neste sentido o campo de ação
da política deve garantir as seguintes
seguranças:
 Segurança de rendimento implica na “garantia de
que todos tenham uma forma monetária de
garantir sua sobrevivência, independentemente
de suas limitações para o trabalho ou do
desemprego”; Segurança de acolhida, “opera
como a provisão e necessidades humanas que
começa com os direitos à alimentação, ao
vestuário e ao abrigo, próprios a vida humana em
sociedade”; Segurança de convívio que implica no
resgate dos vínculos sociais considerando as
dimensões
multicultural, intergeracional, interterritorial, inte
rsubjetivas, entre outras.
 Também é necessário levar em conta, a nova
configuração social. Os eixos estruturantes que
compõe a nova Política Nacional de Assistência
Social são: matricialidade sócio-familiar;
descentralização políticoadministrativa e
territorialização; novas bases para relação entre
Estado e sociedade civil; financiamento; controle
social; o desafio da participação
popular/cidadão/usuário; política de recursos
humanos; a informação, o monitoramento e a
avaliação”.
 Dessa forma, acreditamos Para a
consolidação da Política de Assistência Social
e implementação do SUAS faz-se urgente a
formulação e implantação de um sistema de
monitoramento e avaliação e um sistema de
informação, que permitam a mensuração da
eficiência e da eficácia das ações previstas
nos planos de Assistência Social; a
transparência; o acompanhamento; a
avaliação do sistema e a realização de
estudos, pesquisas e diagnósticos a fim de
contribuir para a formulação da política pelas
três esferas de governo.
 O monitoramento e a avaliação constituem-
se ainda como parte integrante de
planejamento institucional “como um
componente estrutural do sistema
descentralizado e participativo”, e que
precisam ser tratados como setores
estratégicos de gestão.
 Construir de forma participativa um sistema
de monitoramento e avaliação da política de
Assistência social, visando o aprimoramento
da gestão, a transparência e o controle social
da rede socioassistencial.
 Construir indicadores de avaliação de
processo e resultados dos serviços
socioassistenciais;
 Definir padrão de qualidade dos serviços
socioassistenciais;
 Contribuir para o aprimoramento da proteção
social;
 Definir serviços que afianciem um padrão de
segurança social;
 Envolver a rede socioassistencial na definição
dos parâmetros de qualidade;
 O monitoramento e avaliação compreendem
o conjunto de procedimentos de
acompanhamento e análise, com o propósito
de checar se as atividades e resultados
realizados correspondem ao que foi
planejado e se os objetivos previstos estão
sendo alcançados.
 São mecanismos gerenciais de
acompanhamento e controle de ações
planejadas, com base em indicadores.
Permitem a socialização de informações
sobre resultados alcançados e o impacto
dessas ações sobre a qualidade de vida da
população.
 Monitoramento diz respeito à observação
regular e sistemática do desenvolvimento das
atividades, do uso dos recursos e da
produção de resultados, comparando-os com
o planejamento. Ele deve produzir
informações e dados confiáveis para
subsidiar a análise da razão de eventuais
desvios, assim como das decisões de revisão
do plano.
 Avaliação tem o papel de analisar
criticamente o andamento do serviço
/projeto, segundo seus objetivos, tendo por
base as informações produzidas pelo
monitoramento. No processo de avaliação é
importante desenvolver meios e instrumentos
para responder às seguintes perguntas:
 a. Os resultados do projeto estão sendo
atingidos?
 b. O objetivo do projeto está sendo alcançado?
Para que as respostas a estas perguntas não
sejam apenas opiniões ou impressões, é
necessário utilizar indicadores, que devem ser
definidos logo na fase de planejamento, e não ao
final. Assim, viabilizam o
monitoramento, permitem reorientações de rumo
e possibilitam o aprendizado sobre a realidade
na qual intervém o projeto.
 A construção de INDICADORES QUANTITATIVOS E
QUALITATIVOS se torna necessário para
dimensionar os resultados e impactos
obtidos. Os indicadores se referem a
aspectos tangíveis e intangíveis da realidade.
 O problema dos dados estatísticos.
 Quando só o „objeto‟ fala.
 Avaliação não é momento de acerto de
contas.
 O problema da avaliação sazonal.
 Indicadores Tangíveis
 Os indicadores tangíveis são os facilmente
observáveis e aferíveis quantitativa ou
qualitativamente, como renda, escolaridade,
saúde, organização, gestão, conhecimentos,
habilidades, formas de participação,
legislação, direitos legais, divulgação, oferta
etc.
 Indicadores Tangíveis
 Já os intangíveis são aqueles sobre os quais só
podemos captar parcial e indiretamente algumas
manifestações: consciência social, auto-
estima, valores, atitudes, estilos de
comportamento, capacidade
empreendedora, liderança, poder, cidadania.
Como são dimensões complexas da
realidade, processos não lineares ou
progressivos demandam um conjunto de
indicadores que apreendam algumas de suas
manifestações indiretas, "cercando" a
complexidade do que pretendemos observar.
 A escolha dos indicadores em um projeto
também ocorre em função dos ângulos que
se quer avaliar: sua eficiência, eficácia,
efetividade ou impacto.
 · Eficiência diz respeito à boa utilização dos
recursos (financeiros, materiais e humanos)
em relação às atividades e resultados
atingidos.
 · Eficácia observa se as ações do projeto
permitiram alcançar os resultados previstos.
 · Efetividade examina em que medida os
resultados do projeto, em termos de
benefícios ou mudanças gerados, estão
incorporados de modo permanente à
realidade da população atingida.
 · Impacto diz respeito às mudanças em
outras áreas não diretamente trabalhadas
pelo projeto (temas, aspectos, públicos,
localidades, organizações etc.), em virtude de
seus resultados, demonstrando seu poder de
influência e irradiação.
Família
 Inserção e permanência em programas de alfabetização
para adultos.
 Inserção e permanência em cursos de qualificação
profissional;
 Melhoria nas condições de moradia;
 Fortalecimento dos vínculos familiares e comunitários;
 Inserção em programa de tratamento de
farmacodependência;
 Inserção em programa de tratamento psico-social;
 Acesso á recursos comunitários e rede de serviços;
 Acesso aos recursos comunitários de lazer;
 Garantia de renda; acesso a bens materiais;
 Fortalecimento pessoal/auto estima;
 Superação da condição de violência e/ou acolhimento em
lugar seguro quando necessário;
 Inserção em atividades que lhe possibilite o
desenvolvimento e o acesso a conhecimentos que
colaborem para o planejamento de seu futuro.
 Instalação em moradia fixa (residência, albergues).
 Resgate da identidade civil.
Criança e adolescente
 Acesso, permanência e sucesso escolar.
 Resgate de vínculos familiares;
 Não permanência nas ruas em estratégia de
sobrevivência;
 Inserção em programas complementares á Inserção
em programas de profissionalização e colocação
profissional, de acordo com os preceitos do ECA – Lei
n.º 8069-90;
 Após cumprimento de medida socio-educativa, resgate
dos vínculos escolares, sociais e comunitários;
 Inserção em programas de orientação em saúde, com
acompanhamento e avaliação sistemática da melhoria das
condições físicas;
 Inserção em programas de proteção á criança e ao
adolescente e políticas sociais setoriais;
 Inserção de crianças e ou adolescentes em situação de
abandono, em família acolhedora;
 Resgate da auto estima;
 Superação da desnutrição;
 Acesso a programas de saúde voltados a tratamento e
prevenção de verminoses e outras doenças infecto
contagiosas, decorrentes das condições sanitárias;
 Inserção em ações de outras políticas que oportunizem a
expressão cultural, lúdica e artística;
 Inserção em atividades que lhe possibilite o
desenvolvimento e o acesso a conhecimentos que
colaborem para o planejamento de seu futuro.
Pessoa com Deficiência
 Resgate da auto estima;
 Participação comunitária;
 Acesso às demais políticas públicas;
 Inserção em programas de qualificação profissional;
 Inserção em programas de alfabetização e ou
formação continuada;
 Acesso à renda, benefícios e recursos comunitários;
 Superação da condição de maus tratos;
Idoso
 Inserção em grupos de convivência;
 Acesso aos recursos comunitários;
 Acesso a cursos de alfabetização;
 Acesso à renda e benefícios sociais;
 Inserção em atividades que oportunizem as
expressões lúdicas, culturais, artísticas e de
lazer;
 Superação do preconceito,
 Superação da condição de abandono e/ou maus
tratos;
 Avaliação centrada em objetivos. Esta
perspectiva busca saber (basicamente) se o
que foi planejado foi atingido. Mas este tipo
de avaliação tem uma séria restrição: no
campo social muitas vezes o alcance do
trabalho realizado ultrapassa os limites dos
seus objetivos. Surgem outros resultados
(não esperados), ocorrem mudanças no
projeto que levam a diferentes resultados, a
lugares novos, não previstos inicialmente.
 E a abordagem centrada em objetivos não
permite olhar para estes novos contornos, ela
está presa no que foi formalizado no início do
processo. Os objetivos se tornam uma camisa
de força para esta avaliação. E com isso se
perde uma possibilidade enorme e muito rica
de explorar outros aspectos relevantes da
realidade social.
 Evidentemente que há algum espaço para a
medida. Há lugar para números em nossas
avaliações, há espaço para a quantificação.
Mas não se pode dizer que isso, só e
estritamente, é avaliação. Avaliar é muito
mais bonito que apenas medir.
 • Todos os projetos sociais devem ser
avaliados.
 Muito se fala sobre avaliação hoje no setor de
políticas sociais. É palavra presente em
congressos, debates, fóruns. A beleza disso está
em trazer o tema para a pauta e desenvolvê-lo
na prática.
 Instiga-nos a trabalhá-la de maneira mais
madura, a observar os campos onde ainda é
necessário avançar.
 O perverso desta história, que eu observo estar
ocorrendo, é que se afirma constantemente que
avaliar é fundamental, importante, precisa ser
incorporado a todo e qualquer projeto.
 Ou seja, que todos os projetos devem ser
avaliados. Entretanto, com isso há o risco de
tornar a avaliação uma norma ou um dogma.
E assim perde-se a noção do sentido que
realmente pode motivar a avaliação. E quando
se torna uma norma ou dogma, a avaliação
ganha um forte atributo moral. Quem avalia é
o bom cristão, quem não avalia é o herege.
Divide-se o mundo entre o bem e o mal.
Diaba é aquela que não avalia.
 Isso é um grande erro. Como eu
disse, avaliação não se impõe. Dogmas são
impositivos.
 Avaliação imposta é controle e o controle tem
outras atribuições. Controle está relacionado à
hierarquia, ao mando, à sanção.
 A avaliação só se torna dever quando por ela
fazemos uma opção. Só opta quem é livre.
Isso significa que avaliação não se impõe,
avaliação se exerce. A avaliação está
relacionada à liberdade, é tarefa de homens e
mulheres livres que pensam sua própria
prática e atuação no mundo. Só quem é livre
pode empreender um processo que lhe faça
sentido. E sentido é a mola motriz para uma
avaliação que se quer participativa e
transformadora.
 Frente a isso, cabe-nos perguntar: O que é,
então, avaliação?
 Proponho uma concepção que me parece
alinhada com novas formas de se pensar
avaliação. Eu ousaria dizer que avaliar é
conhecer. Avaliar é um ato em busca de
conhecimento. Simples assim, mas nem tão
simples quanto aparenta.
 O que significa conhecer?
 É importante um esclarecimento mínimo para
não mistificar também a nossa compreensão
sobre “conhecer”. Conhecer significa
compreender melhor e em maior
profundidade a realidade que nos cerca e
onde atuamos, significa nos apropriarmos
com mais consistência desta realidade, tendo
com isso maior poder para nela intervir.
 Assim, posso dizer que avaliar é aprender. Ou
seja, avaliar é uma ação educativa.
 Paulo Freire disse que homens e mulheres
são seres inacabados e conscientes de seu
inacabamento. Ou, como diria Guimarães
Rosa, as pessoas ainda não foram erminadas.
 A busca por nos fazermos terminados, para
sermos mais, é a busca da aprendizagem, da
educação. E a avaliação é parte desta busca,
sua travessia vai nesta direção.
 Por isso, por ser um ato de aprendizagem, por
ser uma ação educativa, a avaliação é um direito
de homens e mulheres. Aprender é um direito à
vida. Citando o brilhante filósofo argentino
Enrique Dussel para quem a possibilidade de
criação, reprodução e desenvolvimento de vida
humana é a possibilidade da ética. Creio que a
aprendizagem é uma mediação para esta criação,
reprodução e desenvolvimento. Por isso a
avaliação é um ato ético que permite a vida ao
ser humano.
 Propomos uma forma de avaliar que
seja, antes de mais nada, simples e possível.
Corremos o risco de ser tachado de banal
pelos formalistas, mas nos preocupamos com
a ação prática, com quem, como vocês, tem
as mangas arregaçadas no enfrentamento de
adversidades infinitas. Proponho um
processo que pode ser dividido em três fases.
Para cada fase há um conjunto de perguntas
orientadoras que apóiam a discussão a ser
feita.
 Nesta fase o Conselho busca:
(a) formar o grupo que participará da avaliação;
(b) definir o que este grupo entende por
avaliação;
(c) definir o foco da avaliação.
 As perguntas a serem respondidas neste
momento são:
[1] Quem participa?
[2] O que entendemos por avaliação?
[3] O que queremos avaliar?
 Busca-se, inicialmente e com certa
flexibilidade, definir o grupo que irá
participar da avaliação. Aqui entra a questão
da participação. Atores sociais para além do
conselho podem ser convidados a contribuir.
A liderança pode ser do conselho, que passa
a contar com o envolvimento de outras
pessoas. A forma de participação também
deve ser equacionada.
 Acreditar que todas participando de tudo é o
caminho me parece uma idéia um tanto
ingênua e que se mostra, na prática, de difícil
realização. É importante identificar que
contribuição cada um pode dar e receber e
em quais momentos isso pode ocorrer.
Define-se um grupo que lidera o processo e
outro que o apóia.
 Por que buscar a participação? Para que todas
aquelas que estão envolvidas, de alguma
maneira, com o trabalho do conselho possam
aportar suas perspectivas, trazer seus juízos
e critérios, o que aprofunda as possibilidades
de leituras do mundo, potencializa a
aprendizagem e permite o desenvolvimento
dos envolvidos como sujeitos de processo.
 Há muitas concepções a respeito de avaliação e
é um grande risco iniciar um processo desta
natureza sem alinhar o grupo a este respeito. É
importante que se converse sobre isso, sem a
intenção de um embate teórico, mas
simplesmente com o intuito de que o grupo
construa, a partir de seus referenciais próprios, a
sua compreensão sobre o significado do
processo que pretende detonar. Este debate
permite que o Conselho construa a sua própria
compreensão de avaliação. Isto, em si, já é um
aprendizado.
 Respondidas estas duas questões iniciais, pode-se
dar o próximo passo que trata de definir o foco da
avaliação.
 Isto significa: ter claro o que se quer avaliar.
Muitos aspectos do trabalho do Conselho podem
ser avaliados, mas não é possível fazer tudo ao
mesmo tempo, há que priorizar. Por exemplo: o
Conselho pode avaliar sua capacidade de
mobilização social, a participação das entidades, a
relação com outros atores do sistema de garantia
de direitos. Ou avaliar seu processo de
trabalho, como está atuando, como realiza suas
atividades.
 Ou avaliar os resultados de sua ação, o
impacto de sua atuação para o direito das
crianças, a contribuição para o
desenvolvimento das entidades, a sua
influência na formulação de programas e
políticas públicas focadas na criança. Isso são
alguns exemplos. O que define isso será o
que se fizer necessário para o grupo em
determinado momento, ou seja, o que de fato
contribuir para o fortalecimento do Conselho.
A questão a ser respondida neste momento é:
 Costumo sugerir que o foco da avaliação seja
traduzido ou expresso na forma de uma
pergunta. Elas são capazes de dizer o que
queremos ao mesmo tempo em que
estimulam nossa curiosidade, nos põem em
movimento. Estas perguntas são
fundamentais e a elas chamamos de
perguntas avaliatórias. Estas atuarão como
guia de todo o trabalho.
 Toda a investigação e a reflexão serão feitas
para se responder a estas questões. Cuidem
bem desta etapa. Perguntas de avaliação são
simples e poucas. Não são infinitas,
inumeráveis. São aquelas capazes de guardar
em si um conjunto expressivo de outras
questões.
Com as perguntas de avaliação definidas
parte-se para um outro passo, ainda dentro
da definição do foco da avaliação, que trata
de outro assunto muito discutido no setor, eu
diria até que é um assunto mitificado: os
indicadores.
 Para cada pergunta podem-se construir
indicadores, que são no fundo algo muito
simples. São as variáveis que nos dão pistas,
que nos apontam sinais para responder às
perguntas que formulamos. Os indicadores
irão nos orientar sobre informações que
devemos buscar, recolher, sobre as quais
devemos refletir. É a exploração do conjunto
de indicadores que nos dará a resposta à
pergunta de avaliação.
 Nesta fase o Conselho busca:
(d) Definir, estruturar e implementar os espaços de
escuta da avaliação.
 As perguntas a serem respondidas neste momento
são:
[4] Quais as formas de levantarmos informações sobre
as nossas perguntas?
[5] Como registrar as informações?
 Com isso em mãos: o que o Conselho entende por
avaliação, suas perguntas e os indicadores (que,
reforço, não são obrigatórios para uma boa
avaliação), entramos na segunda fase da avaliação
que chamamos da Construção dos Espaços de Escuta.
 É neste momento que o grupo elabora os
espaços e formas de diálogo para escutar o
que se tem a dizer sobre as perguntas que
formulamos. Ou, de outra maneira: é a coleta
de informações sobre as perguntas
formuladas. A questão aqui é:
 Há que se definir quem participa de cada
espaço criado para se levantar informações.
Isso depende de cada pergunta. Pode ser o
próprio Conselho, as entidades, as famílias, a
promotoria, a polícia, o juizado, a câmara
municipal, as próprias crianças e
adolescentes. Tudo depende do que
queremos responder. Quando digo criar
espaços de diálogo e escuta para estes
públicos procuro ser simples.
 Devem-se construir espaços viáveis,
possíveis, realizáveis pelo Conselho dentro
de suas possibilidades. Conversas, reuniões,
um questionário simples. O fundamental é
criar a possibilidade de ouvir o outro de fato.
 Prefiro o risco a alguma imprecisão técnica ao
imobilismo que o rigor cientificista pode nos
trazer.
 Manter uma sistemática de registro, que
sejam anotações, gravações ou
outros, sempre focada nos fatos, no que foi
dito, visto, escutado, é muito importante para
democratizar a informação com todas
aquelas que participam do processo, para
alimentar uma boa análise das
informações, que traz a próxima fase para a
boca de cena.
 Nesta fase o Conselho busca:
(e) Compreender as informações a aprender a
partir delas.
 A pergunta a ser respondida neste momento é:
[6] O que significam estas informações?
 Frente às informações levantadas, torna-se
necessário compreendê-las em profundidade,
refletir sobre o seu sentido. São dados que
precisam ganhar vida e isso só é possível com
a reflexão do grupo. Chamamos este o
momento de atribuição de sentido às
informações.
 Este é o outro momento da avaliação:
quando, de posse de muita escuta, de muita
conversa, ou seja, de muita informação, o
Conselho reflete sobre as informações.
 Atribui sentido ao dado. A informação per si
nada significa, precisa ser transformada em
saber pelo grupo, precisa ser compreendida,
o que ocorre frente a debates e reflexões.
 Este momento permite sistematizar a
compreensão do grupo da sua
realidade, construir alguns acordos, realizar
os julgamentos, atribuir os méritos
devidos, orientar a tomada de decisões.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Código de ética assistente social cfess
Código de ética assistente social   cfessCódigo de ética assistente social   cfess
Código de ética assistente social cfessRosane Domingues
 
OS INSTRUMENTAIS TÉCNICO-OPERATIVOS NA PRÁTICA PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL
OS INSTRUMENTAIS TÉCNICO-OPERATIVOS NA PRÁTICA PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIALOS INSTRUMENTAIS TÉCNICO-OPERATIVOS NA PRÁTICA PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL
OS INSTRUMENTAIS TÉCNICO-OPERATIVOS NA PRÁTICA PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIALConceição Amorim
 
08 plano de acompanhamento familiar - folha de acoes - exemplos
08   plano de acompanhamento familiar - folha de acoes - exemplos08   plano de acompanhamento familiar - folha de acoes - exemplos
08 plano de acompanhamento familiar - folha de acoes - exemplosJanaina Anjos
 
O trabalho do assistente social na educação
O trabalho do assistente social na educaçãoO trabalho do assistente social na educação
O trabalho do assistente social na educaçãoEmmanuelle Feitosa
 
Anexo 8-profissão-de-serviço-social
Anexo 8-profissão-de-serviço-socialAnexo 8-profissão-de-serviço-social
Anexo 8-profissão-de-serviço-socialRosane Domingues
 
Coletânea de 100 questões do CÓDIGO DE ÉTICA DO ASSISTENTE SOCIAL - Fonte: ap...
Coletânea de 100 questões do CÓDIGO DE ÉTICA DO ASSISTENTE SOCIAL - Fonte: ap...Coletânea de 100 questões do CÓDIGO DE ÉTICA DO ASSISTENTE SOCIAL - Fonte: ap...
Coletânea de 100 questões do CÓDIGO DE ÉTICA DO ASSISTENTE SOCIAL - Fonte: ap...Rosane Domingues
 
Orientacoes tecnicas sobre o paif trabalho social com familias vol 2
Orientacoes tecnicas sobre o paif   trabalho social com familias vol 2Orientacoes tecnicas sobre o paif   trabalho social com familias vol 2
Orientacoes tecnicas sobre o paif trabalho social com familias vol 2NandaTome
 
CRAS e CREAS- Quem faz o que.
CRAS e CREAS- Quem faz o que.CRAS e CREAS- Quem faz o que.
CRAS e CREAS- Quem faz o que.Rosane Domingues
 
Paif trabalho social com familias
Paif trabalho social com familiasPaif trabalho social com familias
Paif trabalho social com familiasDalila Renata
 
Cartilha paif 2016- articulação necessária na proteção social básica
Cartilha paif   2016- articulação necessária na proteção social básicaCartilha paif   2016- articulação necessária na proteção social básica
Cartilha paif 2016- articulação necessária na proteção social básicaRosane Domingues
 
Cartilha Perguntas e Resposta do CREAS
Cartilha Perguntas e Resposta do CREASCartilha Perguntas e Resposta do CREAS
Cartilha Perguntas e Resposta do CREASRosane Domingues
 
Suas 13 estudos de caso para debate
Suas  13 estudos de caso para debateSuas  13 estudos de caso para debate
Suas 13 estudos de caso para debateRosane Domingues
 
Serviço social no contexto educativo
Serviço social no  contexto educativoServiço social no  contexto educativo
Serviço social no contexto educativoLisandra Rego
 
CREAS- CENTRO DE REFERÊNCIA ESPECIALIZADO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL – CREAS GU...
CREAS- CENTRO DE REFERÊNCIA  ESPECIALIZADO DE ASSISTÊNCIA  SOCIAL – CREAS  GU...CREAS- CENTRO DE REFERÊNCIA  ESPECIALIZADO DE ASSISTÊNCIA  SOCIAL – CREAS  GU...
CREAS- CENTRO DE REFERÊNCIA ESPECIALIZADO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL – CREAS GU...Rosane Domingues
 

Mais procurados (20)

Código de ética assistente social cfess
Código de ética assistente social   cfessCódigo de ética assistente social   cfess
Código de ética assistente social cfess
 
OS INSTRUMENTAIS TÉCNICO-OPERATIVOS NA PRÁTICA PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL
OS INSTRUMENTAIS TÉCNICO-OPERATIVOS NA PRÁTICA PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIALOS INSTRUMENTAIS TÉCNICO-OPERATIVOS NA PRÁTICA PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL
OS INSTRUMENTAIS TÉCNICO-OPERATIVOS NA PRÁTICA PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL
 
99b.guia orientador social
99b.guia orientador social99b.guia orientador social
99b.guia orientador social
 
Paif e scfv
Paif e scfvPaif e scfv
Paif e scfv
 
Serviço Social e Educação
Serviço Social e EducaçãoServiço Social e Educação
Serviço Social e Educação
 
08 plano de acompanhamento familiar - folha de acoes - exemplos
08   plano de acompanhamento familiar - folha de acoes - exemplos08   plano de acompanhamento familiar - folha de acoes - exemplos
08 plano de acompanhamento familiar - folha de acoes - exemplos
 
O trabalho do assistente social na educação
O trabalho do assistente social na educaçãoO trabalho do assistente social na educação
O trabalho do assistente social na educação
 
Serviços do CRAS
Serviços do CRASServiços do CRAS
Serviços do CRAS
 
Anexo 8-profissão-de-serviço-social
Anexo 8-profissão-de-serviço-socialAnexo 8-profissão-de-serviço-social
Anexo 8-profissão-de-serviço-social
 
Suas, cras, creas
Suas, cras, creasSuas, cras, creas
Suas, cras, creas
 
Coletânea de 100 questões do CÓDIGO DE ÉTICA DO ASSISTENTE SOCIAL - Fonte: ap...
Coletânea de 100 questões do CÓDIGO DE ÉTICA DO ASSISTENTE SOCIAL - Fonte: ap...Coletânea de 100 questões do CÓDIGO DE ÉTICA DO ASSISTENTE SOCIAL - Fonte: ap...
Coletânea de 100 questões do CÓDIGO DE ÉTICA DO ASSISTENTE SOCIAL - Fonte: ap...
 
Orientacoes tecnicas sobre o paif trabalho social com familias vol 2
Orientacoes tecnicas sobre o paif   trabalho social com familias vol 2Orientacoes tecnicas sobre o paif   trabalho social com familias vol 2
Orientacoes tecnicas sobre o paif trabalho social com familias vol 2
 
CRAS e CREAS- Quem faz o que.
CRAS e CREAS- Quem faz o que.CRAS e CREAS- Quem faz o que.
CRAS e CREAS- Quem faz o que.
 
Paif trabalho social com familias
Paif trabalho social com familiasPaif trabalho social com familias
Paif trabalho social com familias
 
Cartilha paif 2016- articulação necessária na proteção social básica
Cartilha paif   2016- articulação necessária na proteção social básicaCartilha paif   2016- articulação necessária na proteção social básica
Cartilha paif 2016- articulação necessária na proteção social básica
 
Cartilha Perguntas e Resposta do CREAS
Cartilha Perguntas e Resposta do CREASCartilha Perguntas e Resposta do CREAS
Cartilha Perguntas e Resposta do CREAS
 
Suas 13 estudos de caso para debate
Suas  13 estudos de caso para debateSuas  13 estudos de caso para debate
Suas 13 estudos de caso para debate
 
Serviço social no contexto educativo
Serviço social no  contexto educativoServiço social no  contexto educativo
Serviço social no contexto educativo
 
CREAS- CENTRO DE REFERÊNCIA ESPECIALIZADO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL – CREAS GU...
CREAS- CENTRO DE REFERÊNCIA  ESPECIALIZADO DE ASSISTÊNCIA  SOCIAL – CREAS  GU...CREAS- CENTRO DE REFERÊNCIA  ESPECIALIZADO DE ASSISTÊNCIA  SOCIAL – CREAS  GU...
CREAS- CENTRO DE REFERÊNCIA ESPECIALIZADO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL – CREAS GU...
 
Modelo parecer social
Modelo  parecer socialModelo  parecer social
Modelo parecer social
 

Semelhante a Avaliação e monitoramento da política de assistência social

Plano Nacional de Segurança Pública
Plano Nacional de Segurança PúblicaPlano Nacional de Segurança Pública
Plano Nacional de Segurança PúblicaNael.Passos
 
Jannuzzi & arruda. sistema de indicadores para acompanhamento da agenda de di...
Jannuzzi & arruda. sistema de indicadores para acompanhamento da agenda de di...Jannuzzi & arruda. sistema de indicadores para acompanhamento da agenda de di...
Jannuzzi & arruda. sistema de indicadores para acompanhamento da agenda de di...Bruno Martins Soares
 
Discuntindo Indicadores
Discuntindo IndicadoresDiscuntindo Indicadores
Discuntindo IndicadoresGeorge Maia
 
Humaniza SUS marco teorico
Humaniza SUS marco teoricoHumaniza SUS marco teorico
Humaniza SUS marco teoricoferaps
 
CapacitaSUAS - caderno 3 - trechos
CapacitaSUAS -  caderno 3 - trechosCapacitaSUAS -  caderno 3 - trechos
CapacitaSUAS - caderno 3 - trechosVira e Mexe
 
Aula 01 - O que é gestão em saúde (1).pdf
Aula 01 - O que é gestão em saúde (1).pdfAula 01 - O que é gestão em saúde (1).pdf
Aula 01 - O que é gestão em saúde (1).pdfGustavoArouche1
 
Aula 01 - O que é gestão em saúde (1).pdf
Aula 01 - O que é gestão em saúde (1).pdfAula 01 - O que é gestão em saúde (1).pdf
Aula 01 - O que é gestão em saúde (1).pdfGustavoArouche1
 
SERVIÇO SOCIAL- ÉTICA E LEGISLAÇÃO PROFISSIONAL
SERVIÇO SOCIAL- ÉTICA E LEGISLAÇÃO PROFISSIONALSERVIÇO SOCIAL- ÉTICA E LEGISLAÇÃO PROFISSIONAL
SERVIÇO SOCIAL- ÉTICA E LEGISLAÇÃO PROFISSIONALRosane Domingues
 
Apresentação semana do serviço social maringá
Apresentação semana do serviço social maringáApresentação semana do serviço social maringá
Apresentação semana do serviço social maringáAllan Vieira
 
A importância da formação continuada dos assistentes sociais na atuação das p...
A importância da formação continuada dos assistentes sociais na atuação das p...A importância da formação continuada dos assistentes sociais na atuação das p...
A importância da formação continuada dos assistentes sociais na atuação das p...Rosane Domingues
 
gqrs_lar_estrutura_residencial_idosos_Processos-Chave.pdf
gqrs_lar_estrutura_residencial_idosos_Processos-Chave.pdfgqrs_lar_estrutura_residencial_idosos_Processos-Chave.pdf
gqrs_lar_estrutura_residencial_idosos_Processos-Chave.pdfestrelacadente5
 
Resumo: Um Estudo sobre o Empreendedorismo Incentivado por Políticas Públicas...
Resumo: Um Estudo sobre o Empreendedorismo Incentivado por Políticas Públicas...Resumo: Um Estudo sobre o Empreendedorismo Incentivado por Políticas Públicas...
Resumo: Um Estudo sobre o Empreendedorismo Incentivado por Políticas Públicas...Irene Ciccarino, MSc, PMP, MBA
 
Minidicionário de termos técnicos para Assistentes Sociais .pdf
Minidicionário de termos técnicos para Assistentes Sociais .pdfMinidicionário de termos técnicos para Assistentes Sociais .pdf
Minidicionário de termos técnicos para Assistentes Sociais .pdfJessykaSoares1
 
Avaliação para o investimento social privado: metodologias
Avaliação para   o investimento  social privado:  metodologiasAvaliação para   o investimento  social privado:  metodologias
Avaliação para o investimento social privado: metodologiasONGestão
 

Semelhante a Avaliação e monitoramento da política de assistência social (20)

N assistência social
N assistência socialN assistência social
N assistência social
 
Indicador Social
Indicador SocialIndicador Social
Indicador Social
 
ISD
ISDISD
ISD
 
Plano Nacional de Segurança Pública
Plano Nacional de Segurança PúblicaPlano Nacional de Segurança Pública
Plano Nacional de Segurança Pública
 
Indicadores na construção da responsabilidade social
Indicadores na construção da responsabilidade socialIndicadores na construção da responsabilidade social
Indicadores na construção da responsabilidade social
 
Prática atuarial na previdência social
Prática atuarial na previdência socialPrática atuarial na previdência social
Prática atuarial na previdência social
 
Jannuzzi & arruda. sistema de indicadores para acompanhamento da agenda de di...
Jannuzzi & arruda. sistema de indicadores para acompanhamento da agenda de di...Jannuzzi & arruda. sistema de indicadores para acompanhamento da agenda de di...
Jannuzzi & arruda. sistema de indicadores para acompanhamento da agenda de di...
 
Discuntindo Indicadores
Discuntindo IndicadoresDiscuntindo Indicadores
Discuntindo Indicadores
 
Humaniza SUS marco teorico
Humaniza SUS marco teoricoHumaniza SUS marco teorico
Humaniza SUS marco teorico
 
CapacitaSUAS - caderno 3 - trechos
CapacitaSUAS -  caderno 3 - trechosCapacitaSUAS -  caderno 3 - trechos
CapacitaSUAS - caderno 3 - trechos
 
Aula 01 - O que é gestão em saúde (1).pdf
Aula 01 - O que é gestão em saúde (1).pdfAula 01 - O que é gestão em saúde (1).pdf
Aula 01 - O que é gestão em saúde (1).pdf
 
Aula 01 - O que é gestão em saúde (1).pdf
Aula 01 - O que é gestão em saúde (1).pdfAula 01 - O que é gestão em saúde (1).pdf
Aula 01 - O que é gestão em saúde (1).pdf
 
Políticas Sociais
Políticas SociaisPolíticas Sociais
Políticas Sociais
 
SERVIÇO SOCIAL- ÉTICA E LEGISLAÇÃO PROFISSIONAL
SERVIÇO SOCIAL- ÉTICA E LEGISLAÇÃO PROFISSIONALSERVIÇO SOCIAL- ÉTICA E LEGISLAÇÃO PROFISSIONAL
SERVIÇO SOCIAL- ÉTICA E LEGISLAÇÃO PROFISSIONAL
 
Apresentação semana do serviço social maringá
Apresentação semana do serviço social maringáApresentação semana do serviço social maringá
Apresentação semana do serviço social maringá
 
A importância da formação continuada dos assistentes sociais na atuação das p...
A importância da formação continuada dos assistentes sociais na atuação das p...A importância da formação continuada dos assistentes sociais na atuação das p...
A importância da formação continuada dos assistentes sociais na atuação das p...
 
gqrs_lar_estrutura_residencial_idosos_Processos-Chave.pdf
gqrs_lar_estrutura_residencial_idosos_Processos-Chave.pdfgqrs_lar_estrutura_residencial_idosos_Processos-Chave.pdf
gqrs_lar_estrutura_residencial_idosos_Processos-Chave.pdf
 
Resumo: Um Estudo sobre o Empreendedorismo Incentivado por Políticas Públicas...
Resumo: Um Estudo sobre o Empreendedorismo Incentivado por Políticas Públicas...Resumo: Um Estudo sobre o Empreendedorismo Incentivado por Políticas Públicas...
Resumo: Um Estudo sobre o Empreendedorismo Incentivado por Políticas Públicas...
 
Minidicionário de termos técnicos para Assistentes Sociais .pdf
Minidicionário de termos técnicos para Assistentes Sociais .pdfMinidicionário de termos técnicos para Assistentes Sociais .pdf
Minidicionário de termos técnicos para Assistentes Sociais .pdf
 
Avaliação para o investimento social privado: metodologias
Avaliação para   o investimento  social privado:  metodologiasAvaliação para   o investimento  social privado:  metodologias
Avaliação para o investimento social privado: metodologias
 

Mais de Arare Carvalho Júnior

Escola sem partido ou escola do partido único?
Escola sem partido ou escola do partido único?Escola sem partido ou escola do partido único?
Escola sem partido ou escola do partido único?Arare Carvalho Júnior
 
Capítulo - A notícia Como Mercadoria - Araré de Carvalho Jr.
Capítulo - A notícia Como Mercadoria - Araré de Carvalho Jr. Capítulo - A notícia Como Mercadoria - Araré de Carvalho Jr.
Capítulo - A notícia Como Mercadoria - Araré de Carvalho Jr. Arare Carvalho Júnior
 
Formação da questão social no brasil
Formação da questão social no brasilFormação da questão social no brasil
Formação da questão social no brasilArare Carvalho Júnior
 
Avaliação e monitoramento de serviços de saúde
Avaliação e monitoramento de serviços de saúdeAvaliação e monitoramento de serviços de saúde
Avaliação e monitoramento de serviços de saúdeArare Carvalho Júnior
 
Violência simbólica e lutas políticas
Violência simbólica e lutas políticasViolência simbólica e lutas políticas
Violência simbólica e lutas políticasArare Carvalho Júnior
 
Construção de um Projeto de Pesquisa
Construção de um Projeto de PesquisaConstrução de um Projeto de Pesquisa
Construção de um Projeto de PesquisaArare Carvalho Júnior
 

Mais de Arare Carvalho Júnior (20)

Luta de classes no brasil
Luta de classes no brasilLuta de classes no brasil
Luta de classes no brasil
 
Escola sem partido ou escola do partido único?
Escola sem partido ou escola do partido único?Escola sem partido ou escola do partido único?
Escola sem partido ou escola do partido único?
 
Masculinidades
MasculinidadesMasculinidades
Masculinidades
 
Ética e Cidadania
Ética e Cidadania Ética e Cidadania
Ética e Cidadania
 
Cidadania
CidadaniaCidadania
Cidadania
 
Burocracia em Max Weber
Burocracia em Max WeberBurocracia em Max Weber
Burocracia em Max Weber
 
Capítulo - A notícia Como Mercadoria - Araré de Carvalho Jr.
Capítulo - A notícia Como Mercadoria - Araré de Carvalho Jr. Capítulo - A notícia Como Mercadoria - Araré de Carvalho Jr.
Capítulo - A notícia Como Mercadoria - Araré de Carvalho Jr.
 
Metodo em Marx
Metodo em MarxMetodo em Marx
Metodo em Marx
 
Conceito e origem da antropologia
Conceito e origem da antropologiaConceito e origem da antropologia
Conceito e origem da antropologia
 
Formação da questão social no brasil
Formação da questão social no brasilFormação da questão social no brasil
Formação da questão social no brasil
 
Avaliação e monitoramento de serviços de saúde
Avaliação e monitoramento de serviços de saúdeAvaliação e monitoramento de serviços de saúde
Avaliação e monitoramento de serviços de saúde
 
Violência simbólica e lutas políticas
Violência simbólica e lutas políticasViolência simbólica e lutas políticas
Violência simbólica e lutas políticas
 
Sociologia do poder
Sociologia do poder Sociologia do poder
Sociologia do poder
 
Elementos da teoria da estruturação
Elementos da teoria da estruturaçãoElementos da teoria da estruturação
Elementos da teoria da estruturação
 
O Problema de Pesquisa
O Problema de PesquisaO Problema de Pesquisa
O Problema de Pesquisa
 
Metodologia de Pesquisa
Metodologia de PesquisaMetodologia de Pesquisa
Metodologia de Pesquisa
 
Construção de um Projeto de Pesquisa
Construção de um Projeto de PesquisaConstrução de um Projeto de Pesquisa
Construção de um Projeto de Pesquisa
 
Ciência e experiência
Ciência e experiênciaCiência e experiência
Ciência e experiência
 
A metodologia nas ciências sociais
A metodologia nas ciências sociaisA metodologia nas ciências sociais
A metodologia nas ciências sociais
 
Como se faz uma tese
Como se faz uma teseComo se faz uma tese
Como se faz uma tese
 

Último

Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxAntonioVieira539017
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxkarinasantiago54
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAlexandreFrana33
 
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mim
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mimJunto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mim
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mimWashingtonSampaio5
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfmarialuciadasilva17
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...nexocan937
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira partecoletivoddois
 
A população Brasileira e diferença de populoso e povoado
A população Brasileira e diferença de populoso e povoadoA população Brasileira e diferença de populoso e povoado
A população Brasileira e diferença de populoso e povoadodanieligomes4
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdfDemetrio Ccesa Rayme
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxHlioMachado1
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxJMTCS
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAEdioFnaf
 
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?MrciaRocha48
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdfProfGleide
 

Último (20)

Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
 
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mim
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mimJunto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mim
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mim
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
 
A população Brasileira e diferença de populoso e povoado
A população Brasileira e diferença de populoso e povoadoA população Brasileira e diferença de populoso e povoado
A população Brasileira e diferença de populoso e povoado
 
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
 
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
 

Avaliação e monitoramento da política de assistência social

  • 1. Prof. Ms. Araré de Carvalho Júnior
  • 2.  Antecedentes ou o porque uma gestão ética?  Montesquieu e o dilema da República.  O imperativo Kantiano.  Como estabelecer parâmetros comuns numa sociedade de tanta diversidade?  Cinco escritos Morais. Ou a ética do corpo.
  • 3.  O Homem Cordial de Sérgio Buarque de Holanda.  A ocasião faz o ladrão?  Altruísmo ou compromisso com uma nova sociedade?  Desconstruindo o discurso do pensamento único.  Qual o paradigma e valores a serem usados? Um estudo dos Assentamento Rurais.  A Democracia e a participação democrática como mão única.
  • 4.  A avaliação e o monitoramento tem como objetivo principal o estabelecimento de padrão de qualidade dos serviços socioassistenciais que compõem as políticas federais, estaduais e municipais de assistência social.
  • 5.  A Assistência Social como política de proteção social configura-se como mecanismo de garantia de um padrão básico de inclusão social. Esta concepção de proteção supõe conhecer os riscos, as vulnerabilidades sociais das pessoas sujeitos de sua ação, bem como os recursos necessários para afiançar segurança social. Isto supõe conhecer os riscos e as possibilidades de enfrentá-los.
  • 6.  De acordo com a Política Nacional de Assistência Social, aprovada em setembro de 2004, parte-se de “uma visão social capaz de entender que a população tem necessidades, mas também possibilidades ou capacidades que devem e podem ser desenvolvidas”. Nesta concepção, a Assistência Social ao invés de restringir-se ao mero repasse de benefícios passa a atuar como potencializadora das capacidades individuais e coletivas, resgatando o acesso a bens e serviços públicos aos invisíveis à sociedade.
  • 7.  A sociedade contemporânea tem fragilizado os vínculos sociais devido ao acirramento das relações capitalistas. Isto posto, as relações familiares e comunitárias acabam sofrendo os reflexos desta nova ordem social e econômica. Neste sentido o campo de ação da política deve garantir as seguintes seguranças:
  • 8.  Segurança de rendimento implica na “garantia de que todos tenham uma forma monetária de garantir sua sobrevivência, independentemente de suas limitações para o trabalho ou do desemprego”; Segurança de acolhida, “opera como a provisão e necessidades humanas que começa com os direitos à alimentação, ao vestuário e ao abrigo, próprios a vida humana em sociedade”; Segurança de convívio que implica no resgate dos vínculos sociais considerando as dimensões multicultural, intergeracional, interterritorial, inte rsubjetivas, entre outras.
  • 9.  Também é necessário levar em conta, a nova configuração social. Os eixos estruturantes que compõe a nova Política Nacional de Assistência Social são: matricialidade sócio-familiar; descentralização políticoadministrativa e territorialização; novas bases para relação entre Estado e sociedade civil; financiamento; controle social; o desafio da participação popular/cidadão/usuário; política de recursos humanos; a informação, o monitoramento e a avaliação”.
  • 10.  Dessa forma, acreditamos Para a consolidação da Política de Assistência Social e implementação do SUAS faz-se urgente a formulação e implantação de um sistema de monitoramento e avaliação e um sistema de informação, que permitam a mensuração da eficiência e da eficácia das ações previstas nos planos de Assistência Social; a transparência; o acompanhamento; a avaliação do sistema e a realização de
  • 11. estudos, pesquisas e diagnósticos a fim de contribuir para a formulação da política pelas três esferas de governo.  O monitoramento e a avaliação constituem- se ainda como parte integrante de planejamento institucional “como um componente estrutural do sistema descentralizado e participativo”, e que precisam ser tratados como setores estratégicos de gestão.
  • 12.  Construir de forma participativa um sistema de monitoramento e avaliação da política de Assistência social, visando o aprimoramento da gestão, a transparência e o controle social da rede socioassistencial.
  • 13.  Construir indicadores de avaliação de processo e resultados dos serviços socioassistenciais;  Definir padrão de qualidade dos serviços socioassistenciais;  Contribuir para o aprimoramento da proteção social;  Definir serviços que afianciem um padrão de segurança social;  Envolver a rede socioassistencial na definição dos parâmetros de qualidade;
  • 14.  O monitoramento e avaliação compreendem o conjunto de procedimentos de acompanhamento e análise, com o propósito de checar se as atividades e resultados realizados correspondem ao que foi planejado e se os objetivos previstos estão sendo alcançados.
  • 15.  São mecanismos gerenciais de acompanhamento e controle de ações planejadas, com base em indicadores. Permitem a socialização de informações sobre resultados alcançados e o impacto dessas ações sobre a qualidade de vida da população.
  • 16.  Monitoramento diz respeito à observação regular e sistemática do desenvolvimento das atividades, do uso dos recursos e da produção de resultados, comparando-os com o planejamento. Ele deve produzir informações e dados confiáveis para subsidiar a análise da razão de eventuais desvios, assim como das decisões de revisão do plano.
  • 17.  Avaliação tem o papel de analisar criticamente o andamento do serviço /projeto, segundo seus objetivos, tendo por base as informações produzidas pelo monitoramento. No processo de avaliação é importante desenvolver meios e instrumentos para responder às seguintes perguntas:
  • 18.  a. Os resultados do projeto estão sendo atingidos?  b. O objetivo do projeto está sendo alcançado? Para que as respostas a estas perguntas não sejam apenas opiniões ou impressões, é necessário utilizar indicadores, que devem ser definidos logo na fase de planejamento, e não ao final. Assim, viabilizam o monitoramento, permitem reorientações de rumo e possibilitam o aprendizado sobre a realidade na qual intervém o projeto.
  • 19.  A construção de INDICADORES QUANTITATIVOS E QUALITATIVOS se torna necessário para dimensionar os resultados e impactos obtidos. Os indicadores se referem a aspectos tangíveis e intangíveis da realidade.  O problema dos dados estatísticos.  Quando só o „objeto‟ fala.  Avaliação não é momento de acerto de contas.  O problema da avaliação sazonal.
  • 20.  Indicadores Tangíveis  Os indicadores tangíveis são os facilmente observáveis e aferíveis quantitativa ou qualitativamente, como renda, escolaridade, saúde, organização, gestão, conhecimentos, habilidades, formas de participação, legislação, direitos legais, divulgação, oferta etc.
  • 21.  Indicadores Tangíveis  Já os intangíveis são aqueles sobre os quais só podemos captar parcial e indiretamente algumas manifestações: consciência social, auto- estima, valores, atitudes, estilos de comportamento, capacidade empreendedora, liderança, poder, cidadania. Como são dimensões complexas da realidade, processos não lineares ou progressivos demandam um conjunto de indicadores que apreendam algumas de suas manifestações indiretas, "cercando" a complexidade do que pretendemos observar.
  • 22.  A escolha dos indicadores em um projeto também ocorre em função dos ângulos que se quer avaliar: sua eficiência, eficácia, efetividade ou impacto.  · Eficiência diz respeito à boa utilização dos recursos (financeiros, materiais e humanos) em relação às atividades e resultados atingidos.  · Eficácia observa se as ações do projeto permitiram alcançar os resultados previstos.
  • 23.  · Efetividade examina em que medida os resultados do projeto, em termos de benefícios ou mudanças gerados, estão incorporados de modo permanente à realidade da população atingida.  · Impacto diz respeito às mudanças em outras áreas não diretamente trabalhadas pelo projeto (temas, aspectos, públicos, localidades, organizações etc.), em virtude de seus resultados, demonstrando seu poder de influência e irradiação.
  • 24. Família  Inserção e permanência em programas de alfabetização para adultos.  Inserção e permanência em cursos de qualificação profissional;  Melhoria nas condições de moradia;  Fortalecimento dos vínculos familiares e comunitários;  Inserção em programa de tratamento de farmacodependência;  Inserção em programa de tratamento psico-social;  Acesso á recursos comunitários e rede de serviços;  Acesso aos recursos comunitários de lazer;  Garantia de renda; acesso a bens materiais;  Fortalecimento pessoal/auto estima;  Superação da condição de violência e/ou acolhimento em lugar seguro quando necessário;
  • 25.  Inserção em atividades que lhe possibilite o desenvolvimento e o acesso a conhecimentos que colaborem para o planejamento de seu futuro.  Instalação em moradia fixa (residência, albergues).  Resgate da identidade civil. Criança e adolescente  Acesso, permanência e sucesso escolar.  Resgate de vínculos familiares;  Não permanência nas ruas em estratégia de sobrevivência;  Inserção em programas complementares á Inserção em programas de profissionalização e colocação profissional, de acordo com os preceitos do ECA – Lei n.º 8069-90;
  • 26.  Após cumprimento de medida socio-educativa, resgate dos vínculos escolares, sociais e comunitários;  Inserção em programas de orientação em saúde, com acompanhamento e avaliação sistemática da melhoria das condições físicas;  Inserção em programas de proteção á criança e ao adolescente e políticas sociais setoriais;  Inserção de crianças e ou adolescentes em situação de abandono, em família acolhedora;  Resgate da auto estima;  Superação da desnutrição;  Acesso a programas de saúde voltados a tratamento e prevenção de verminoses e outras doenças infecto contagiosas, decorrentes das condições sanitárias;  Inserção em ações de outras políticas que oportunizem a expressão cultural, lúdica e artística;
  • 27.  Inserção em atividades que lhe possibilite o desenvolvimento e o acesso a conhecimentos que colaborem para o planejamento de seu futuro. Pessoa com Deficiência  Resgate da auto estima;  Participação comunitária;  Acesso às demais políticas públicas;  Inserção em programas de qualificação profissional;  Inserção em programas de alfabetização e ou formação continuada;  Acesso à renda, benefícios e recursos comunitários;  Superação da condição de maus tratos;
  • 28. Idoso  Inserção em grupos de convivência;  Acesso aos recursos comunitários;  Acesso a cursos de alfabetização;  Acesso à renda e benefícios sociais;  Inserção em atividades que oportunizem as expressões lúdicas, culturais, artísticas e de lazer;  Superação do preconceito,  Superação da condição de abandono e/ou maus tratos;
  • 29.  Avaliação centrada em objetivos. Esta perspectiva busca saber (basicamente) se o que foi planejado foi atingido. Mas este tipo de avaliação tem uma séria restrição: no campo social muitas vezes o alcance do trabalho realizado ultrapassa os limites dos seus objetivos. Surgem outros resultados (não esperados), ocorrem mudanças no projeto que levam a diferentes resultados, a lugares novos, não previstos inicialmente.
  • 30.  E a abordagem centrada em objetivos não permite olhar para estes novos contornos, ela está presa no que foi formalizado no início do processo. Os objetivos se tornam uma camisa de força para esta avaliação. E com isso se perde uma possibilidade enorme e muito rica de explorar outros aspectos relevantes da realidade social.
  • 31.  Evidentemente que há algum espaço para a medida. Há lugar para números em nossas avaliações, há espaço para a quantificação. Mas não se pode dizer que isso, só e estritamente, é avaliação. Avaliar é muito mais bonito que apenas medir.  • Todos os projetos sociais devem ser avaliados.
  • 32.  Muito se fala sobre avaliação hoje no setor de políticas sociais. É palavra presente em congressos, debates, fóruns. A beleza disso está em trazer o tema para a pauta e desenvolvê-lo na prática.  Instiga-nos a trabalhá-la de maneira mais madura, a observar os campos onde ainda é necessário avançar.  O perverso desta história, que eu observo estar ocorrendo, é que se afirma constantemente que avaliar é fundamental, importante, precisa ser incorporado a todo e qualquer projeto.
  • 33.  Ou seja, que todos os projetos devem ser avaliados. Entretanto, com isso há o risco de tornar a avaliação uma norma ou um dogma. E assim perde-se a noção do sentido que realmente pode motivar a avaliação. E quando se torna uma norma ou dogma, a avaliação ganha um forte atributo moral. Quem avalia é o bom cristão, quem não avalia é o herege. Divide-se o mundo entre o bem e o mal. Diaba é aquela que não avalia.
  • 34.  Isso é um grande erro. Como eu disse, avaliação não se impõe. Dogmas são impositivos.  Avaliação imposta é controle e o controle tem outras atribuições. Controle está relacionado à hierarquia, ao mando, à sanção.
  • 35.  A avaliação só se torna dever quando por ela fazemos uma opção. Só opta quem é livre. Isso significa que avaliação não se impõe, avaliação se exerce. A avaliação está relacionada à liberdade, é tarefa de homens e mulheres livres que pensam sua própria prática e atuação no mundo. Só quem é livre pode empreender um processo que lhe faça sentido. E sentido é a mola motriz para uma avaliação que se quer participativa e transformadora.
  • 36.  Frente a isso, cabe-nos perguntar: O que é, então, avaliação?  Proponho uma concepção que me parece alinhada com novas formas de se pensar avaliação. Eu ousaria dizer que avaliar é conhecer. Avaliar é um ato em busca de conhecimento. Simples assim, mas nem tão simples quanto aparenta.
  • 37.  O que significa conhecer?  É importante um esclarecimento mínimo para não mistificar também a nossa compreensão sobre “conhecer”. Conhecer significa compreender melhor e em maior profundidade a realidade que nos cerca e onde atuamos, significa nos apropriarmos com mais consistência desta realidade, tendo com isso maior poder para nela intervir.
  • 38.  Assim, posso dizer que avaliar é aprender. Ou seja, avaliar é uma ação educativa.  Paulo Freire disse que homens e mulheres são seres inacabados e conscientes de seu inacabamento. Ou, como diria Guimarães Rosa, as pessoas ainda não foram erminadas.  A busca por nos fazermos terminados, para sermos mais, é a busca da aprendizagem, da educação. E a avaliação é parte desta busca, sua travessia vai nesta direção.
  • 39.  Por isso, por ser um ato de aprendizagem, por ser uma ação educativa, a avaliação é um direito de homens e mulheres. Aprender é um direito à vida. Citando o brilhante filósofo argentino Enrique Dussel para quem a possibilidade de criação, reprodução e desenvolvimento de vida humana é a possibilidade da ética. Creio que a aprendizagem é uma mediação para esta criação, reprodução e desenvolvimento. Por isso a avaliação é um ato ético que permite a vida ao ser humano.
  • 40.  Propomos uma forma de avaliar que seja, antes de mais nada, simples e possível. Corremos o risco de ser tachado de banal pelos formalistas, mas nos preocupamos com a ação prática, com quem, como vocês, tem as mangas arregaçadas no enfrentamento de adversidades infinitas. Proponho um processo que pode ser dividido em três fases. Para cada fase há um conjunto de perguntas orientadoras que apóiam a discussão a ser feita.
  • 41.  Nesta fase o Conselho busca: (a) formar o grupo que participará da avaliação; (b) definir o que este grupo entende por avaliação; (c) definir o foco da avaliação.
  • 42.  As perguntas a serem respondidas neste momento são: [1] Quem participa? [2] O que entendemos por avaliação? [3] O que queremos avaliar?
  • 43.  Busca-se, inicialmente e com certa flexibilidade, definir o grupo que irá participar da avaliação. Aqui entra a questão da participação. Atores sociais para além do conselho podem ser convidados a contribuir. A liderança pode ser do conselho, que passa a contar com o envolvimento de outras pessoas. A forma de participação também deve ser equacionada.
  • 44.  Acreditar que todas participando de tudo é o caminho me parece uma idéia um tanto ingênua e que se mostra, na prática, de difícil realização. É importante identificar que contribuição cada um pode dar e receber e em quais momentos isso pode ocorrer. Define-se um grupo que lidera o processo e outro que o apóia.
  • 45.  Por que buscar a participação? Para que todas aquelas que estão envolvidas, de alguma maneira, com o trabalho do conselho possam aportar suas perspectivas, trazer seus juízos e critérios, o que aprofunda as possibilidades de leituras do mundo, potencializa a aprendizagem e permite o desenvolvimento dos envolvidos como sujeitos de processo.
  • 46.  Há muitas concepções a respeito de avaliação e é um grande risco iniciar um processo desta natureza sem alinhar o grupo a este respeito. É importante que se converse sobre isso, sem a intenção de um embate teórico, mas simplesmente com o intuito de que o grupo construa, a partir de seus referenciais próprios, a sua compreensão sobre o significado do processo que pretende detonar. Este debate permite que o Conselho construa a sua própria compreensão de avaliação. Isto, em si, já é um aprendizado.
  • 47.  Respondidas estas duas questões iniciais, pode-se dar o próximo passo que trata de definir o foco da avaliação.  Isto significa: ter claro o que se quer avaliar. Muitos aspectos do trabalho do Conselho podem ser avaliados, mas não é possível fazer tudo ao mesmo tempo, há que priorizar. Por exemplo: o Conselho pode avaliar sua capacidade de mobilização social, a participação das entidades, a relação com outros atores do sistema de garantia de direitos. Ou avaliar seu processo de trabalho, como está atuando, como realiza suas atividades.
  • 48.  Ou avaliar os resultados de sua ação, o impacto de sua atuação para o direito das crianças, a contribuição para o desenvolvimento das entidades, a sua influência na formulação de programas e políticas públicas focadas na criança. Isso são alguns exemplos. O que define isso será o que se fizer necessário para o grupo em determinado momento, ou seja, o que de fato contribuir para o fortalecimento do Conselho. A questão a ser respondida neste momento é:
  • 49.  Costumo sugerir que o foco da avaliação seja traduzido ou expresso na forma de uma pergunta. Elas são capazes de dizer o que queremos ao mesmo tempo em que estimulam nossa curiosidade, nos põem em movimento. Estas perguntas são fundamentais e a elas chamamos de perguntas avaliatórias. Estas atuarão como guia de todo o trabalho.
  • 50.  Toda a investigação e a reflexão serão feitas para se responder a estas questões. Cuidem bem desta etapa. Perguntas de avaliação são simples e poucas. Não são infinitas, inumeráveis. São aquelas capazes de guardar em si um conjunto expressivo de outras questões.
  • 51. Com as perguntas de avaliação definidas parte-se para um outro passo, ainda dentro da definição do foco da avaliação, que trata de outro assunto muito discutido no setor, eu diria até que é um assunto mitificado: os indicadores.
  • 52.  Para cada pergunta podem-se construir indicadores, que são no fundo algo muito simples. São as variáveis que nos dão pistas, que nos apontam sinais para responder às perguntas que formulamos. Os indicadores irão nos orientar sobre informações que devemos buscar, recolher, sobre as quais devemos refletir. É a exploração do conjunto de indicadores que nos dará a resposta à pergunta de avaliação.
  • 53.  Nesta fase o Conselho busca: (d) Definir, estruturar e implementar os espaços de escuta da avaliação.  As perguntas a serem respondidas neste momento são: [4] Quais as formas de levantarmos informações sobre as nossas perguntas? [5] Como registrar as informações?  Com isso em mãos: o que o Conselho entende por avaliação, suas perguntas e os indicadores (que, reforço, não são obrigatórios para uma boa avaliação), entramos na segunda fase da avaliação que chamamos da Construção dos Espaços de Escuta.
  • 54.  É neste momento que o grupo elabora os espaços e formas de diálogo para escutar o que se tem a dizer sobre as perguntas que formulamos. Ou, de outra maneira: é a coleta de informações sobre as perguntas formuladas. A questão aqui é:
  • 55.  Há que se definir quem participa de cada espaço criado para se levantar informações. Isso depende de cada pergunta. Pode ser o próprio Conselho, as entidades, as famílias, a promotoria, a polícia, o juizado, a câmara municipal, as próprias crianças e adolescentes. Tudo depende do que queremos responder. Quando digo criar espaços de diálogo e escuta para estes públicos procuro ser simples.
  • 56.  Devem-se construir espaços viáveis, possíveis, realizáveis pelo Conselho dentro de suas possibilidades. Conversas, reuniões, um questionário simples. O fundamental é criar a possibilidade de ouvir o outro de fato.  Prefiro o risco a alguma imprecisão técnica ao imobilismo que o rigor cientificista pode nos trazer.
  • 57.  Manter uma sistemática de registro, que sejam anotações, gravações ou outros, sempre focada nos fatos, no que foi dito, visto, escutado, é muito importante para democratizar a informação com todas aquelas que participam do processo, para alimentar uma boa análise das informações, que traz a próxima fase para a boca de cena.
  • 58.  Nesta fase o Conselho busca: (e) Compreender as informações a aprender a partir delas.  A pergunta a ser respondida neste momento é: [6] O que significam estas informações?  Frente às informações levantadas, torna-se necessário compreendê-las em profundidade, refletir sobre o seu sentido. São dados que precisam ganhar vida e isso só é possível com a reflexão do grupo. Chamamos este o momento de atribuição de sentido às informações.
  • 59.  Este é o outro momento da avaliação: quando, de posse de muita escuta, de muita conversa, ou seja, de muita informação, o Conselho reflete sobre as informações.  Atribui sentido ao dado. A informação per si nada significa, precisa ser transformada em saber pelo grupo, precisa ser compreendida, o que ocorre frente a debates e reflexões.
  • 60.  Este momento permite sistematizar a compreensão do grupo da sua realidade, construir alguns acordos, realizar os julgamentos, atribuir os méritos devidos, orientar a tomada de decisões.