SlideShare uma empresa Scribd logo
Portugal no primeiro pós-guerra
Tendências culturais: entre o naturalismo e as
vanguardas.
Permanência do naturalismo, nas primeiras
décadas do século XX
 Nos primeiros anos do século XX, enquanto a Europa assistia ao
surgimento das vanguardas na pintura, em Portugal verificava-se a
permanência de padrões estéticos utilizados desde a segunda metade
do século XIX.
 O público e os governantes viam com agrado a subsistência do naturalismo,
difundido por Malhoa; Columbano; Carlos Reis e Alberto de Sousa. A pintura
de ar livre e as descrições da vida popular eram os temas mais comuns.

 Na literatura, a corrente naturalista mantinha-se forte e dedicava-se ao
louvor das qualidades ditas nacionais, nomeadamente as vivências da
sociedade rural. Por exemplo, Teixeira de Pascoaes cultivava o
“saudosismo”.
Permanência do naturalismo, nas primeiras
décadas do século XX – (causas)
 O regime republicano procurou afirmar-se adotando uma postura
patriótica que se refletiu no apoio ao naturalismo.
 A mudança da Monarquia (com 800 anos) para a República parecia
suscitar a necessidade do novo regime criar uma fundamentação
teórica e uma justificação a todos os níveis, entre eles a arte.

 A descrição do mundo rural pode ainda encontrar justificação na
fraca industrialização e no fraco desenvolvimento urbano do país,
em comparação com o desenvolvimento dos países
industrializados (Inglaterra, Alemanha e França). O mundo rural
era uma realidade.
O Modernismo – caraterísticas gerais
 Cosmopolitismo
 Substituição da visão rústica, melancólica e saudosista
pela vida mundana e boémia.
 Abandono do pormenor em favor da esquematização.
 Abandono da volumetria pela estilização.
 Procura da originalidade sob influência das correntes
impressionista, expressionista, cubista, futurista,
abstracionista e surrealista.
A sua inovação recebeu o desagrado do público e do
poder político, que o marginalizou.
O primeiro Modernismo (1911-1918) - 1
 As primeiras formas de modernismo aparecem em
exposições de caricaturas e de desenhos de humor, onde
os artistas podiam utilizar técnicas mais livres, do que na
pintura.
 Focam a sátira política, social e anticlerical.
 Reportam-se a ambientes urbanos e boémios.
 Refletem quer cenas de café, quer cenas populares.
 Em termos de técnica verifica-se a estilização dos motivos, o
recurso a cores claras e contrastantes e a desvalorização da
perspetiva.
O primeiro Modernismo (1911-1918) - 2
 As propostas reais do primeiro modernismo surgem na
revista Orpheu e na revista Portugal Futurista
 A revista Orpheu, dirigida por Fernando Pessoa e Mário de SáCarneiro, deu a conhecer um novo estilo literário diferente do
que se fizera até então.
 Os textos criticavam o homem contemplativo e enalteciam o
homem de ação. Propunham o corte com o passado
(criticando o saudosismo) e exaltavam o orgulho, a ação, a
aventura e a glória.
 Os textos e as pinturas divulgadas na revista escandalizaram o
país. (Júlio Dantas indignou-se e criticou o Orpheu e a resposta
foi o “Manifesto Anti-Dantas”, de Almada Negreiros)
O primeiro Modernismo (1911-1918) - 3
 A revista Portugal Futurista teve apenas uma edição sem
nunca ter chegado ao público, pois foi apreendida pela
polícia logo que saiu da tipografia – aos republicanos não
agradava a vanguarda artística.
 Nessa publicação colaboraram Santa-Rita Pintor, Fernando
Pessoa, Apollinaire, Mário de sá-Carneiro, Álvaro de Campos e
Almada Negreiros com o polémico “Ultimatum futurista às
gerações portuguesas do século XX”, que termina com a
seguinte frase:
“O povo completo será aquele que tiver reunido no seu
máximo todas as qualidades e todos os defeitos. Coragem,
portugueses, só vos faltam as qualidades.”
O segundo Modernismo (anos 20 e 30)
 Foi menos arrojado que o movimento que o antecedeu, devido à
ditadura vigente em Portugal desde1926.
 Na pintura destacaram-se: Almada Negreiros; Sarah Afonso; Eduardo
Viana e o casal Sonia e Robert Delaunay, entre outros.
 É nesta fase que surgem as representações do Expressionismo; do Cubismo;
do Abstracionismo e do Surrealismo (que se desenvolve, em Portugal,
durante a Segunda Guerra Mundial).
 A divulgação artística fez-se através de exposições independentes, da
decoração de cafés e clubes e da ilustração de periódicos.

 Na literatura, o movimento surge, sobre tudo, por via das revistas
Contemporânea (1922/26) e Presença (1927/40), esta dirigida por José
Régio (responsável pela publicação da obra de Fernando Pessoa).
 O movimento perde impacto quando começa a ser utilizado como
veículo ideológico do Estado Novo.
Amadeo de Souza-Cardoso
 Embora com
formação em
arquitetura, voltou-se
para a pintura e, sob
influência das
vanguardas
europeias, realizou
pinturas abstratas,
expressionistas,
cubistas e dadaístas.
 Sofreu influência de
Modigliani, patente
no gosto pelas figuras
longilíneas

Menina dos Cravos (de cunho cubista).


A Máscara do Olho Verde

Figurativa, com influência
expressionista e pincelada espessa



Canção Popular a Russa e o Fígaro

Inovação pessoal onde são integrados
temas de cariz popular
Almada Negreiros
Autorretrato num grupo (Brasileira do Chiado)

 Colaborou nas revistas
Orpheu e Portugal
Futurista.
 O seu modernismo
ficou patente no
“Manifesto AntiDantas” pela reação
ao conservadorismo
artístico.
 No campo da pintura
sobressai a decoração
do café A Brasileira do
Chiado e os painéis
das Gares Marítimas
de Lisboa.
Eduardo Viana


Sofre influência de
Cézanne e das técnicas
cubistas, realizando
incursões na
decomposição das
formas e da cor.



Manteve um cunho
naturalista e uma forte
atração pela figuração
volumétrica.



O seu modernismo reside
na criação de telas de
cor fulgurante (com
contraste vibrantes e
luminosos ) e perspetiva
esbatida.



Nu (decoração do Bristol Club)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Modernismo em Portugal
Modernismo em PortugalModernismo em Portugal
Modernismo em Portugal
Carlos Vieira
 
7 01 parte_1_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx
7 01 parte_1_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx7 01 parte_1_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx
7 01 parte_1_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx
Vítor Santos
 
7 01 as transformações das primeiras décadas do século xx blogue
7 01 as transformações das primeiras décadas do século xx blogue7 01 as transformações das primeiras décadas do século xx blogue
7 01 as transformações das primeiras décadas do século xx blogue
Vítor Santos
 
Crise 1929
Crise 1929Crise 1929
Crise 1929
Margarida Moreira
 
A questão colonial e o 25 de abril
A questão colonial e o 25 de abrilA questão colonial e o 25 de abril
A questão colonial e o 25 de abril
Carlos Vieira
 
A construção do modelo soviético
A construção do modelo soviéticoA construção do modelo soviético
A construção do modelo soviético
Carlos Vieira
 
Implantação do Marxismo-Leninismo na Rússia
Implantação do Marxismo-Leninismo na RússiaImplantação do Marxismo-Leninismo na Rússia
Implantação do Marxismo-Leninismo na Rússia
home
 
Teste modulo 7
Teste modulo 7Teste modulo 7
Teste modulo 7
Sérgio Machado
 
O heteronimo Alberto Caeiro
O heteronimo Alberto CaeiroO heteronimo Alberto Caeiro
O heteronimo Alberto Caeiro
guest155834
 
As transformações provocadas pela I Guerra Mundial
As transformações provocadas pela I Guerra MundialAs transformações provocadas pela I Guerra Mundial
As transformações provocadas pela I Guerra Mundial
Teresa Maia
 
8 01 nascimento e afirmação de um novo quadro geopolítico
8 01 nascimento e afirmação de um novo quadro geopolítico8 01 nascimento e afirmação de um novo quadro geopolítico
8 01 nascimento e afirmação de um novo quadro geopolítico
Vítor Santos
 
Transformações socioculturais dos inícios do século XX
Transformações socioculturais dos inícios do século XXTransformações socioculturais dos inícios do século XX
Transformações socioculturais dos inícios do século XX
Teresa Maia
 
Loucos Anos 20
Loucos Anos 20Loucos Anos 20
Loucos Anos 20
Jorge Almeida
 
O Estado Novo
O Estado NovoO Estado Novo
O Estado Novo
Susana Simões
 
5 04 a implantação do liberalismo em portugal
5 04 a implantação do liberalismo em portugal5 04 a implantação do liberalismo em portugal
5 04 a implantação do liberalismo em portugal
Vítor Santos
 
7 02 o_agudizar_anos 30
7 02 o_agudizar_anos 307 02 o_agudizar_anos 30
7 02 o_agudizar_anos 30
Vítor Santos
 
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/PoéticoFernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
Alexandra Canané
 
Pós 25 de abril
Pós 25 de abrilPós 25 de abril
Pós 25 de abril
Carlos Vieira
 
RevoluçãO Russa
RevoluçãO RussaRevoluçãO Russa
RevoluçãO Russa
Maria Flora Sousa Douteiro
 
Ricardo Reis
Ricardo ReisRicardo Reis
Ricardo Reis
guestde10d2
 

Mais procurados (20)

Modernismo em Portugal
Modernismo em PortugalModernismo em Portugal
Modernismo em Portugal
 
7 01 parte_1_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx
7 01 parte_1_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx7 01 parte_1_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx
7 01 parte_1_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx
 
7 01 as transformações das primeiras décadas do século xx blogue
7 01 as transformações das primeiras décadas do século xx blogue7 01 as transformações das primeiras décadas do século xx blogue
7 01 as transformações das primeiras décadas do século xx blogue
 
Crise 1929
Crise 1929Crise 1929
Crise 1929
 
A questão colonial e o 25 de abril
A questão colonial e o 25 de abrilA questão colonial e o 25 de abril
A questão colonial e o 25 de abril
 
A construção do modelo soviético
A construção do modelo soviéticoA construção do modelo soviético
A construção do modelo soviético
 
Implantação do Marxismo-Leninismo na Rússia
Implantação do Marxismo-Leninismo na RússiaImplantação do Marxismo-Leninismo na Rússia
Implantação do Marxismo-Leninismo na Rússia
 
Teste modulo 7
Teste modulo 7Teste modulo 7
Teste modulo 7
 
O heteronimo Alberto Caeiro
O heteronimo Alberto CaeiroO heteronimo Alberto Caeiro
O heteronimo Alberto Caeiro
 
As transformações provocadas pela I Guerra Mundial
As transformações provocadas pela I Guerra MundialAs transformações provocadas pela I Guerra Mundial
As transformações provocadas pela I Guerra Mundial
 
8 01 nascimento e afirmação de um novo quadro geopolítico
8 01 nascimento e afirmação de um novo quadro geopolítico8 01 nascimento e afirmação de um novo quadro geopolítico
8 01 nascimento e afirmação de um novo quadro geopolítico
 
Transformações socioculturais dos inícios do século XX
Transformações socioculturais dos inícios do século XXTransformações socioculturais dos inícios do século XX
Transformações socioculturais dos inícios do século XX
 
Loucos Anos 20
Loucos Anos 20Loucos Anos 20
Loucos Anos 20
 
O Estado Novo
O Estado NovoO Estado Novo
O Estado Novo
 
5 04 a implantação do liberalismo em portugal
5 04 a implantação do liberalismo em portugal5 04 a implantação do liberalismo em portugal
5 04 a implantação do liberalismo em portugal
 
7 02 o_agudizar_anos 30
7 02 o_agudizar_anos 307 02 o_agudizar_anos 30
7 02 o_agudizar_anos 30
 
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/PoéticoFernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
 
Pós 25 de abril
Pós 25 de abrilPós 25 de abril
Pós 25 de abril
 
RevoluçãO Russa
RevoluçãO RussaRevoluçãO Russa
RevoluçãO Russa
 
Ricardo Reis
Ricardo ReisRicardo Reis
Ricardo Reis
 

Semelhante a Portugal. naturalismo e vanguardas

Vanguardas europeias
Vanguardas europeiasVanguardas europeias
Vanguardas europeias
Sheila Cristina Carlos
 
Módulo 9 em portugal
Módulo 9  em portugalMódulo 9  em portugal
Módulo 9 em portugal
cattonia
 
O Modernismo na Arte
O Modernismo na ArteO Modernismo na Arte
O Modernismo na Arte
Michele Wilbert
 
Vanguardas europeias
Vanguardas europeiasVanguardas europeias
Vanguardas europeias
Adventus Net
 
A Arte
A ArteA Arte
O modernismo em portugal
O modernismo em portugalO modernismo em portugal
Aula 2
Aula 2 Aula 2
Aula 2 Novo Colégio
Aula 2 Novo ColégioAula 2 Novo Colégio
Aula 2 Novo Colégio
CLEBER LUIS DAMACENO
 
História da Arte Aula 4 , Modernismo Brasileiro, abstrato e Pop Art
 História da Arte Aula 4 , Modernismo Brasileiro, abstrato e Pop Art História da Arte Aula 4 , Modernismo Brasileiro, abstrato e Pop Art
História da Arte Aula 4 , Modernismo Brasileiro, abstrato e Pop Art
CLEBER LUIS DAMACENO
 
Apresentação (4).pptx
Apresentação (4).pptxApresentação (4).pptx
Apresentação (4).pptx
EndelCosta1
 
Pré-modernismo e mordenismo 1°geração.pptx
Pré-modernismo e mordenismo 1°geração.pptxPré-modernismo e mordenismo 1°geração.pptx
Pré-modernismo e mordenismo 1°geração.pptx
EndelCosta1
 
Modernismo - VANGUARDAS EUROPEIAS.pptx
Modernismo    -  VANGUARDAS EUROPEIAS.pptxModernismo    -  VANGUARDAS EUROPEIAS.pptx
Modernismo - VANGUARDAS EUROPEIAS.pptx
MarlenePastor2
 
Arte_sec_xx.pptx
Arte_sec_xx.pptxArte_sec_xx.pptx
Arte_sec_xx.pptx
Pedro Silva
 
Modernismo no Brasil - 1ª fase
Modernismo no Brasil - 1ª faseModernismo no Brasil - 1ª fase
Modernismo no Brasil - 1ª fase
Miriam Zelmikaitis
 
Vanguardas Européias
Vanguardas EuropéiasVanguardas Européias
Vanguardas Européias
Arcelino Barbosa
 
Vanguardas europeias
Vanguardas europeiasVanguardas europeias
Vanguardas europeias
Elaine DA Silva
 
Modernismo em Portugal
Modernismo em PortugalModernismo em Portugal
Modernismo em Portugal
gofontoura
 
8ºano
8ºano8ºano
Modernismo2018
Modernismo2018Modernismo2018
Modernismo2018
CLEBER LUIS DAMACENO
 
Vanguardas europeias
Vanguardas europeiasVanguardas europeias
Vanguardas europeias
whybells
 

Semelhante a Portugal. naturalismo e vanguardas (20)

Vanguardas europeias
Vanguardas europeiasVanguardas europeias
Vanguardas europeias
 
Módulo 9 em portugal
Módulo 9  em portugalMódulo 9  em portugal
Módulo 9 em portugal
 
O Modernismo na Arte
O Modernismo na ArteO Modernismo na Arte
O Modernismo na Arte
 
Vanguardas europeias
Vanguardas europeiasVanguardas europeias
Vanguardas europeias
 
A Arte
A ArteA Arte
A Arte
 
O modernismo em portugal
O modernismo em portugalO modernismo em portugal
O modernismo em portugal
 
Aula 2
Aula 2 Aula 2
Aula 2
 
Aula 2 Novo Colégio
Aula 2 Novo ColégioAula 2 Novo Colégio
Aula 2 Novo Colégio
 
História da Arte Aula 4 , Modernismo Brasileiro, abstrato e Pop Art
 História da Arte Aula 4 , Modernismo Brasileiro, abstrato e Pop Art História da Arte Aula 4 , Modernismo Brasileiro, abstrato e Pop Art
História da Arte Aula 4 , Modernismo Brasileiro, abstrato e Pop Art
 
Apresentação (4).pptx
Apresentação (4).pptxApresentação (4).pptx
Apresentação (4).pptx
 
Pré-modernismo e mordenismo 1°geração.pptx
Pré-modernismo e mordenismo 1°geração.pptxPré-modernismo e mordenismo 1°geração.pptx
Pré-modernismo e mordenismo 1°geração.pptx
 
Modernismo - VANGUARDAS EUROPEIAS.pptx
Modernismo    -  VANGUARDAS EUROPEIAS.pptxModernismo    -  VANGUARDAS EUROPEIAS.pptx
Modernismo - VANGUARDAS EUROPEIAS.pptx
 
Arte_sec_xx.pptx
Arte_sec_xx.pptxArte_sec_xx.pptx
Arte_sec_xx.pptx
 
Modernismo no Brasil - 1ª fase
Modernismo no Brasil - 1ª faseModernismo no Brasil - 1ª fase
Modernismo no Brasil - 1ª fase
 
Vanguardas Européias
Vanguardas EuropéiasVanguardas Européias
Vanguardas Européias
 
Vanguardas europeias
Vanguardas europeiasVanguardas europeias
Vanguardas europeias
 
Modernismo em Portugal
Modernismo em PortugalModernismo em Portugal
Modernismo em Portugal
 
8ºano
8ºano8ºano
8ºano
 
Modernismo2018
Modernismo2018Modernismo2018
Modernismo2018
 
Vanguardas europeias
Vanguardas europeiasVanguardas europeias
Vanguardas europeias
 

Mais de home

Democracia em Atenas
Democracia em AtenasDemocracia em Atenas
Democracia em Atenas
home
 
Ascensao da europa
Ascensao da europaAscensao da europa
Ascensao da europa
home
 
China de Mao Tsé-Tung
China de Mao Tsé-TungChina de Mao Tsé-Tung
China de Mao Tsé-Tung
home
 
O modelo ateniense uma cultura aberta à cidade
O modelo ateniense   uma cultura aberta à cidadeO modelo ateniense   uma cultura aberta à cidade
O modelo ateniense uma cultura aberta à cidade
home
 
Pistas para um comentário de texto a História
Pistas para um comentário de texto a HistóriaPistas para um comentário de texto a História
Pistas para um comentário de texto a História
home
 
Portugal. Da Revolução de 25 de Abril à estabilização da Democracia
Portugal. Da Revolução de 25 de Abril à estabilização da DemocraciaPortugal. Da Revolução de 25 de Abril à estabilização da Democracia
Portugal. Da Revolução de 25 de Abril à estabilização da Democracia
home
 
Crescimento do Japão
Crescimento do JapãoCrescimento do Japão
Crescimento do Japão
home
 
Mundo comunista
Mundo comunistaMundo comunista
Mundo comunista
home
 
Mutações nos comportamentos e na cultura. As vanguardas, rutura na arte (part...
Mutações nos comportamentos e na cultura. As vanguardas, rutura na arte (part...Mutações nos comportamentos e na cultura. As vanguardas, rutura na arte (part...
Mutações nos comportamentos e na cultura. As vanguardas, rutura na arte (part...
home
 
Mutações nos comportamentos e na cultura. As vanguardas, rutura na arte. (par...
Mutações nos comportamentos e na cultura. As vanguardas, rutura na arte. (par...Mutações nos comportamentos e na cultura. As vanguardas, rutura na arte. (par...
Mutações nos comportamentos e na cultura. As vanguardas, rutura na arte. (par...
home
 
Absolutismo e mercantilismo numa sociedade de ordens
Absolutismo e mercantilismo numa sociedade de ordensAbsolutismo e mercantilismo numa sociedade de ordens
Absolutismo e mercantilismo numa sociedade de ordens
home
 

Mais de home (11)

Democracia em Atenas
Democracia em AtenasDemocracia em Atenas
Democracia em Atenas
 
Ascensao da europa
Ascensao da europaAscensao da europa
Ascensao da europa
 
China de Mao Tsé-Tung
China de Mao Tsé-TungChina de Mao Tsé-Tung
China de Mao Tsé-Tung
 
O modelo ateniense uma cultura aberta à cidade
O modelo ateniense   uma cultura aberta à cidadeO modelo ateniense   uma cultura aberta à cidade
O modelo ateniense uma cultura aberta à cidade
 
Pistas para um comentário de texto a História
Pistas para um comentário de texto a HistóriaPistas para um comentário de texto a História
Pistas para um comentário de texto a História
 
Portugal. Da Revolução de 25 de Abril à estabilização da Democracia
Portugal. Da Revolução de 25 de Abril à estabilização da DemocraciaPortugal. Da Revolução de 25 de Abril à estabilização da Democracia
Portugal. Da Revolução de 25 de Abril à estabilização da Democracia
 
Crescimento do Japão
Crescimento do JapãoCrescimento do Japão
Crescimento do Japão
 
Mundo comunista
Mundo comunistaMundo comunista
Mundo comunista
 
Mutações nos comportamentos e na cultura. As vanguardas, rutura na arte (part...
Mutações nos comportamentos e na cultura. As vanguardas, rutura na arte (part...Mutações nos comportamentos e na cultura. As vanguardas, rutura na arte (part...
Mutações nos comportamentos e na cultura. As vanguardas, rutura na arte (part...
 
Mutações nos comportamentos e na cultura. As vanguardas, rutura na arte. (par...
Mutações nos comportamentos e na cultura. As vanguardas, rutura na arte. (par...Mutações nos comportamentos e na cultura. As vanguardas, rutura na arte. (par...
Mutações nos comportamentos e na cultura. As vanguardas, rutura na arte. (par...
 
Absolutismo e mercantilismo numa sociedade de ordens
Absolutismo e mercantilismo numa sociedade de ordensAbsolutismo e mercantilismo numa sociedade de ordens
Absolutismo e mercantilismo numa sociedade de ordens
 

Último

O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert EinsteinA Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
WelberMerlinCardoso
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
KleginaldoPaz2
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 

Último (20)

O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert EinsteinA Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 

Portugal. naturalismo e vanguardas

  • 1. Portugal no primeiro pós-guerra Tendências culturais: entre o naturalismo e as vanguardas.
  • 2. Permanência do naturalismo, nas primeiras décadas do século XX  Nos primeiros anos do século XX, enquanto a Europa assistia ao surgimento das vanguardas na pintura, em Portugal verificava-se a permanência de padrões estéticos utilizados desde a segunda metade do século XIX.  O público e os governantes viam com agrado a subsistência do naturalismo, difundido por Malhoa; Columbano; Carlos Reis e Alberto de Sousa. A pintura de ar livre e as descrições da vida popular eram os temas mais comuns.  Na literatura, a corrente naturalista mantinha-se forte e dedicava-se ao louvor das qualidades ditas nacionais, nomeadamente as vivências da sociedade rural. Por exemplo, Teixeira de Pascoaes cultivava o “saudosismo”.
  • 3. Permanência do naturalismo, nas primeiras décadas do século XX – (causas)  O regime republicano procurou afirmar-se adotando uma postura patriótica que se refletiu no apoio ao naturalismo.  A mudança da Monarquia (com 800 anos) para a República parecia suscitar a necessidade do novo regime criar uma fundamentação teórica e uma justificação a todos os níveis, entre eles a arte.  A descrição do mundo rural pode ainda encontrar justificação na fraca industrialização e no fraco desenvolvimento urbano do país, em comparação com o desenvolvimento dos países industrializados (Inglaterra, Alemanha e França). O mundo rural era uma realidade.
  • 4. O Modernismo – caraterísticas gerais  Cosmopolitismo  Substituição da visão rústica, melancólica e saudosista pela vida mundana e boémia.  Abandono do pormenor em favor da esquematização.  Abandono da volumetria pela estilização.  Procura da originalidade sob influência das correntes impressionista, expressionista, cubista, futurista, abstracionista e surrealista. A sua inovação recebeu o desagrado do público e do poder político, que o marginalizou.
  • 5. O primeiro Modernismo (1911-1918) - 1  As primeiras formas de modernismo aparecem em exposições de caricaturas e de desenhos de humor, onde os artistas podiam utilizar técnicas mais livres, do que na pintura.  Focam a sátira política, social e anticlerical.  Reportam-se a ambientes urbanos e boémios.  Refletem quer cenas de café, quer cenas populares.  Em termos de técnica verifica-se a estilização dos motivos, o recurso a cores claras e contrastantes e a desvalorização da perspetiva.
  • 6. O primeiro Modernismo (1911-1918) - 2  As propostas reais do primeiro modernismo surgem na revista Orpheu e na revista Portugal Futurista  A revista Orpheu, dirigida por Fernando Pessoa e Mário de SáCarneiro, deu a conhecer um novo estilo literário diferente do que se fizera até então.  Os textos criticavam o homem contemplativo e enalteciam o homem de ação. Propunham o corte com o passado (criticando o saudosismo) e exaltavam o orgulho, a ação, a aventura e a glória.  Os textos e as pinturas divulgadas na revista escandalizaram o país. (Júlio Dantas indignou-se e criticou o Orpheu e a resposta foi o “Manifesto Anti-Dantas”, de Almada Negreiros)
  • 7. O primeiro Modernismo (1911-1918) - 3  A revista Portugal Futurista teve apenas uma edição sem nunca ter chegado ao público, pois foi apreendida pela polícia logo que saiu da tipografia – aos republicanos não agradava a vanguarda artística.  Nessa publicação colaboraram Santa-Rita Pintor, Fernando Pessoa, Apollinaire, Mário de sá-Carneiro, Álvaro de Campos e Almada Negreiros com o polémico “Ultimatum futurista às gerações portuguesas do século XX”, que termina com a seguinte frase: “O povo completo será aquele que tiver reunido no seu máximo todas as qualidades e todos os defeitos. Coragem, portugueses, só vos faltam as qualidades.”
  • 8. O segundo Modernismo (anos 20 e 30)  Foi menos arrojado que o movimento que o antecedeu, devido à ditadura vigente em Portugal desde1926.  Na pintura destacaram-se: Almada Negreiros; Sarah Afonso; Eduardo Viana e o casal Sonia e Robert Delaunay, entre outros.  É nesta fase que surgem as representações do Expressionismo; do Cubismo; do Abstracionismo e do Surrealismo (que se desenvolve, em Portugal, durante a Segunda Guerra Mundial).  A divulgação artística fez-se através de exposições independentes, da decoração de cafés e clubes e da ilustração de periódicos.  Na literatura, o movimento surge, sobre tudo, por via das revistas Contemporânea (1922/26) e Presença (1927/40), esta dirigida por José Régio (responsável pela publicação da obra de Fernando Pessoa).  O movimento perde impacto quando começa a ser utilizado como veículo ideológico do Estado Novo.
  • 9. Amadeo de Souza-Cardoso  Embora com formação em arquitetura, voltou-se para a pintura e, sob influência das vanguardas europeias, realizou pinturas abstratas, expressionistas, cubistas e dadaístas.  Sofreu influência de Modigliani, patente no gosto pelas figuras longilíneas Menina dos Cravos (de cunho cubista).
  • 10.  A Máscara do Olho Verde Figurativa, com influência expressionista e pincelada espessa  Canção Popular a Russa e o Fígaro Inovação pessoal onde são integrados temas de cariz popular
  • 11. Almada Negreiros Autorretrato num grupo (Brasileira do Chiado)  Colaborou nas revistas Orpheu e Portugal Futurista.  O seu modernismo ficou patente no “Manifesto AntiDantas” pela reação ao conservadorismo artístico.  No campo da pintura sobressai a decoração do café A Brasileira do Chiado e os painéis das Gares Marítimas de Lisboa.
  • 12. Eduardo Viana  Sofre influência de Cézanne e das técnicas cubistas, realizando incursões na decomposição das formas e da cor.  Manteve um cunho naturalista e uma forte atração pela figuração volumétrica.  O seu modernismo reside na criação de telas de cor fulgurante (com contraste vibrantes e luminosos ) e perspetiva esbatida.  Nu (decoração do Bristol Club)