SlideShare uma empresa Scribd logo
História A


           Módulo 7
A construção do modelo soviético

       Carlos Jorge Canto Vieira
                                    Versão 1.0
                                   Outubro 2012
ANTECEDENTES


               2
3
Nicolau II e sua família (da esquerda para a direita):
                                                                4
Olga, Maria, Nicolau, Alexandra, Anastácia, Alexei e Tatiana.
5
6
A construção do modelo Soviético
• Antecedentes da Revolução de Fevereiro de 1917:
  – O regime político
     • O império russo era chefiado pelo czar Nicolau II sob a forma de
       uma autocracia;
     • Defendia-se uma liberalização do regime.


  – Problemas durante o reinado
     •   Tragédia de Khodynka;
     •   Guerra Russo-Japonesa;
     •   A Revolução de 1905;
     •   I Guerra Mundial.

                                                                          7
Khodynka

           8
9
a área (A) é o território em disputa entre russos e japoneses. As forças japonesas
 desembarcaram na Coreia e dirigiram-se para Porto Artur por terra, sem que os
                                                                                     10
               russos tenham conseguido impedir a sua progressão.
11
A construção do modelo Soviético
• Sociedade russa
  – Camponeses (maioria da população);
  – Burgueses (queriam modernizar o país e um regime
    parlamentar);
  – Operariado (grupo minoritário).




                                                       12
Construção do Modelo Soviético
• Surgem três partidos
   – Socialistas-revolucionários;
   – Sociais Democratas (POSDR);
   – Constitucionais-democratas.




                                    13
Construção do Modelo Soviético
                      Sociais Democratas (POSDR)
                                          1903

            Mencheviques                                         Bolcheviques
          (Menshe = menos).                                    (Bolshe = mais).
São minoritários no congresso da social          São a maioria no congresso de trabalhadores.
 democracia dos trabalhadores russos.                 Defendem a revolução socialista, a
São Marxistas ortodoxos que pregam o                instalação da ditadura do proletariado
desenvolvimento do sistema capitalista,           com a aliança de operários e camponeses.
  para só então alcançar o socialismo.




Plekhanov              Julius Martov                               Lenine               14
15
REVOLUÇÃO DE FEVEREIRO


                         16
Forças revolucionárias em protesto – Fevereiro de 1917
                                                         17
A construção do modelo Soviético
• Revolução de Fevereiro
  –   A Burguesia ascende ao poder (Revolução Burguesa);
  –   Fim ao czarismo;
  –   Abdicação de Nicolau II;
  –   Instauração de um regime republicano na Rússia;
  –   Formação do Governo Provisório:
       • Liderado por Kerensky e Lvov;
       • Regime tipo liberal.




                                                           18
REVOLUÇÃO DE OUTUBRO


                       19
A construção do modelo Soviético
• Revolução de Outubro - Revolução Soviética
   – Período entre Fevereiro e Outubro:
      •   Mantém-se a agitação social;
      •   A Rússia continua na guerra;
      •   Manutenção dos problemas económicos;
      •   Existia uma dualidade de poderes
           – os governos liberais;
           – os sovietes - contra o Governo Provisório.




                                                          20
Comité do Governo provisório 1917
                                    21
Lenine a discursar na praça Sverdlov , em Moscovo.
É possível ver Trotsky e Kamenev à direita do palanque.
                                                          22
A construção do modelo Soviético
• Outubro de 1917
  – os bolcheviques, com o apoio dos sovietes, conduziram a uma nova
    Revolução.


• Medidas
  – O governo provisório foi substituído pelo Conselho dos Comissários do
    Povo;
  – Era presidido por Lenine.




                                                                        23
Forças bolcheviques na Praça Vermelha, Moscovo
                                                 24
A construção do modelo Soviético
• Transformações internas
  – A Rússia transformou-se numa Republica não parlamentar;
  – Início da guerra civil:
     • “Exercito Vermelho” – comunistas;
     • “Exercito Branco” – liberais.




                                                          25
A construção do modelo Soviético
• Medidas do novo governo
  – Saída da Rússia da guerra;
  – Implementação dos princípios marxistas, através de
    Lenine:
     • Dão origem ao marxismo-leninismo;
         – Defendia que o proletariado conquistava o poder (ditadura do
           proletariado);
         – Poder do Estado submetido ao Partido Comunista (Partido
           único).




                                                                      26
A construção do modelo Soviético
• Democracia dos sovietes
  – Aprovação dos decretos revolucionários (II Congresso dos
    Sovietes)
     • decreto sobre a paz
         – convidava aos povos em guerra, à paz.
     • decreto sobre a terra
         – abolição da propriedade privada, entregando-a aos sovietes;




                                                                         27
A construção do modelo Soviético
• Consequências
   – A legislação revolucionária
      • Instrumento para a criação de uma democracia dos
        sovietes:
         – um sistema político que atendia às necessidades do
           proletariado.




                                                                28
COMUNISMO DE GUERRA


                      29
A construção do modelo Soviético
• Ditadura do proletariado (teoria Marxista)
   – etapa de transição entre a sociedade capitalista e a edificação
     do comunismo (sociedade sem classes);
   – No decurso dessa etapa, o proletariado (classe dominante),
     deveria “abater os opressores”, retirando todo o capital à
     burguesia, centralizando os meios de produção nas mãos do
     Estado;
   – Fim da desigualdade social;
   – O Estado (sendo um instrumento de domínio), deixaria de
     fazer sentido e cessaria de existir, e aí tornar-se-ia possível
     falar de liberdade;
   – A etapa final -> comunismo.

                                                                30
A construção do modelo Soviético
• Comunismo
  – Etapa final da revolução proletária
      • extinção do Estado;
      • desaparecimento das classes sociais.


  – O conjunto de medidas que conduziram á instauração da ditadura do
    proletariado denomina-se de comunismo de guerra
  – O comunismo de guerra sucedeu à democracia dos
    sovietes, substituindo os decretos revolucionários por novas
    medidas, mais radicais:
      • toda a economia foi nacionalizada (fazendo parte do Estado);
      • institui-se um regime de partido único, o Partido Comunista;
      • O Terror institucionalizou-se com o estabelecimento da censura e a criação da
        Tcheca, policia politica.

                                                                                        31
A construção do modelo Soviético
• O centralismo democrático
   – Em 1922 foi criada a URSS;
   – A organização do Estado denominou-se de centralismo democrático;
   – Assentava nos seguintes princípios:
      • o poder partia da base das sociedade, os sovietes:
           – Os sovietes eram eleitos pela população por sufrágio universal, e a partir
             deles elegiam-se os poderes superiores;
       • a organização do Partido Comunista seguia a mesma estrutura, as
         bases do partido elegiam os organismos superiores;
           – não existia separação clara dos poderes legislativo, executivo, judicial;
           – Existia apenas o Partido Comunista, pois considerava-se que era o único
             capaz de representar o proletariado, ou seja, proibiam-se todos os
             outros;
           – o Estado era controlado pelo Partido Comunista.



                                                                                         32
NEP


      33
A construção do modelo Soviético
• A NEP (Nova Politica Económica) – 1921-1927
  – viragem na política económica;
  – objectivo
     • superar a crise económica herdada da guerra civil;
     • Introdução de novas medidas.




                                                            34
A construção do modelo Soviético
• Progresso económico
  – Lenine
     • passa a defender medidas do tipo capitalista para
       estimular a produção:
         – Estabeleceu um imposto a pagar, em vez dos camponeses
           entregaram todos os seus excedentes;
         – permitiu a venda directa dos produtos dos camponeses;
         – aceitou a ajuda do estrangeiro;
         – eliminou o trabalho obrigatório.


     • Consequência
         – melhoria assinalável dos níveis de produção.
                                                                   35

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

7 01 parte_1_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx
7 01 parte_1_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx7 01 parte_1_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx
7 01 parte_1_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx
Vítor Santos
 
Teste modulo 7
Teste modulo 7Teste modulo 7
Teste modulo 7
Sérgio Machado
 
Mundo capitalista
Mundo capitalistaMundo capitalista
Mundo capitalista
home
 
O estalinismo
O estalinismoO estalinismo
O estalinismo
Douglas Valdo
 
O Estado Novo
O Estado NovoO Estado Novo
O Estado Novo
Rainha Maga
 
Portugal Estado Novo
Portugal   Estado NovoPortugal   Estado Novo
Portugal Estado Novo
Carlos Vieira
 
A Era Estalinista
A Era EstalinistaA Era Estalinista
A Era Estalinista
Rainha Maga
 
O Estado Novo
O Estado NovoO Estado Novo
O Estado Novo
Susana Simões
 
Portugal. Da Revolução de 25 de Abril à estabilização da Democracia
Portugal. Da Revolução de 25 de Abril à estabilização da DemocraciaPortugal. Da Revolução de 25 de Abril à estabilização da Democracia
Portugal. Da Revolução de 25 de Abril à estabilização da Democracia
home
 
Portugal. naturalismo e vanguardas
Portugal. naturalismo e vanguardasPortugal. naturalismo e vanguardas
Portugal. naturalismo e vanguardas
home
 
Portugal do autoritarismo à democracia
Portugal do autoritarismo à democraciaPortugal do autoritarismo à democracia
Portugal do autoritarismo à democracia
Teresa Maia
 
8 01 nascimento e afirmação de um novo quadro geopolítico
8 01 nascimento e afirmação de um novo quadro geopolítico8 01 nascimento e afirmação de um novo quadro geopolítico
8 01 nascimento e afirmação de um novo quadro geopolítico
Vítor Santos
 
2 Um novo equilíbrio global
2   Um novo equilíbrio global2   Um novo equilíbrio global
2 Um novo equilíbrio global
Núria Inácio
 
A questão colonial e o 25 de abril
A questão colonial e o 25 de abrilA questão colonial e o 25 de abril
A questão colonial e o 25 de abril
Carlos Vieira
 
As transformações provocadas pela I Guerra Mundial
As transformações provocadas pela I Guerra MundialAs transformações provocadas pela I Guerra Mundial
As transformações provocadas pela I Guerra Mundial
Teresa Maia
 
Resumos de Português: Cesário verde
Resumos de Português: Cesário verdeResumos de Português: Cesário verde
Resumos de Português: Cesário verde
Raffaella Ergün
 
I vaga de descolonização
I vaga de descolonizaçãoI vaga de descolonização
I vaga de descolonização
Carlos Vieira
 
O imobilismo político e crescimento económico português do pós II Guerra Mund...
O imobilismo político e crescimento económico português do pós II Guerra Mund...O imobilismo político e crescimento económico português do pós II Guerra Mund...
O imobilismo político e crescimento económico português do pós II Guerra Mund...
Susana Cardoso Simões
 
9 02 a viragem para uma nova era
9 02 a viragem para uma nova era9 02 a viragem para uma nova era
9 02 a viragem para uma nova era
Vítor Santos
 
Regeneração
RegeneraçãoRegeneração
Regeneração
helenaimendes
 

Mais procurados (20)

7 01 parte_1_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx
7 01 parte_1_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx7 01 parte_1_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx
7 01 parte_1_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx
 
Teste modulo 7
Teste modulo 7Teste modulo 7
Teste modulo 7
 
Mundo capitalista
Mundo capitalistaMundo capitalista
Mundo capitalista
 
O estalinismo
O estalinismoO estalinismo
O estalinismo
 
O Estado Novo
O Estado NovoO Estado Novo
O Estado Novo
 
Portugal Estado Novo
Portugal   Estado NovoPortugal   Estado Novo
Portugal Estado Novo
 
A Era Estalinista
A Era EstalinistaA Era Estalinista
A Era Estalinista
 
O Estado Novo
O Estado NovoO Estado Novo
O Estado Novo
 
Portugal. Da Revolução de 25 de Abril à estabilização da Democracia
Portugal. Da Revolução de 25 de Abril à estabilização da DemocraciaPortugal. Da Revolução de 25 de Abril à estabilização da Democracia
Portugal. Da Revolução de 25 de Abril à estabilização da Democracia
 
Portugal. naturalismo e vanguardas
Portugal. naturalismo e vanguardasPortugal. naturalismo e vanguardas
Portugal. naturalismo e vanguardas
 
Portugal do autoritarismo à democracia
Portugal do autoritarismo à democraciaPortugal do autoritarismo à democracia
Portugal do autoritarismo à democracia
 
8 01 nascimento e afirmação de um novo quadro geopolítico
8 01 nascimento e afirmação de um novo quadro geopolítico8 01 nascimento e afirmação de um novo quadro geopolítico
8 01 nascimento e afirmação de um novo quadro geopolítico
 
2 Um novo equilíbrio global
2   Um novo equilíbrio global2   Um novo equilíbrio global
2 Um novo equilíbrio global
 
A questão colonial e o 25 de abril
A questão colonial e o 25 de abrilA questão colonial e o 25 de abril
A questão colonial e o 25 de abril
 
As transformações provocadas pela I Guerra Mundial
As transformações provocadas pela I Guerra MundialAs transformações provocadas pela I Guerra Mundial
As transformações provocadas pela I Guerra Mundial
 
Resumos de Português: Cesário verde
Resumos de Português: Cesário verdeResumos de Português: Cesário verde
Resumos de Português: Cesário verde
 
I vaga de descolonização
I vaga de descolonizaçãoI vaga de descolonização
I vaga de descolonização
 
O imobilismo político e crescimento económico português do pós II Guerra Mund...
O imobilismo político e crescimento económico português do pós II Guerra Mund...O imobilismo político e crescimento económico português do pós II Guerra Mund...
O imobilismo político e crescimento económico português do pós II Guerra Mund...
 
9 02 a viragem para uma nova era
9 02 a viragem para uma nova era9 02 a viragem para uma nova era
9 02 a viragem para uma nova era
 
Regeneração
RegeneraçãoRegeneração
Regeneração
 

Destaque

Os 14 Pontos de Willson
Os 14 Pontos de WillsonOs 14 Pontos de Willson
Os 14 Pontos de Willson
josafaslima
 
Sociedade de ordens
Sociedade de ordensSociedade de ordens
Sociedade de ordens
Maria Gomes
 
Sociedade Antigo Regime
Sociedade Antigo RegimeSociedade Antigo Regime
Sociedade Antigo Regime
Isabel Ribeiro
 
A CONSTRUÇÃO DO MODELO SOVIÉTICO
A CONSTRUÇÃO DO MODELO SOVIÉTICOA CONSTRUÇÃO DO MODELO SOVIÉTICO
A CONSTRUÇÃO DO MODELO SOVIÉTICO
gofontoura
 
Revolução Russa
Revolução RussaRevolução Russa
Revolução Russa
Valéria Shoujofan
 
A revolução russa slides
A revolução russa slidesA revolução russa slides
A revolução russa slides
Eduardo Gomes
 
A RevoluçãO Russa Esquema
A RevoluçãO Russa EsquemaA RevoluçãO Russa Esquema
A RevoluçãO Russa Esquema
guest782599
 
PPT - Revolução Russa de 1917
PPT - Revolução Russa de 1917PPT - Revolução Russa de 1917
PPT - Revolução Russa de 1917
josafaslima
 
Revolução Russa de 1917
Revolução Russa de 1917Revolução Russa de 1917
Revolução Russa de 1917
Valéria Shoujofan
 
Revolução russa slide
Revolução russa slideRevolução russa slide
Revolução russa slide
Isabel Aguiar
 
A RevoluçãO Russa De 1917
A  RevoluçãO  Russa De 1917A  RevoluçãO  Russa De 1917
A RevoluçãO Russa De 1917
guestd47650
 

Destaque (11)

Os 14 Pontos de Willson
Os 14 Pontos de WillsonOs 14 Pontos de Willson
Os 14 Pontos de Willson
 
Sociedade de ordens
Sociedade de ordensSociedade de ordens
Sociedade de ordens
 
Sociedade Antigo Regime
Sociedade Antigo RegimeSociedade Antigo Regime
Sociedade Antigo Regime
 
A CONSTRUÇÃO DO MODELO SOVIÉTICO
A CONSTRUÇÃO DO MODELO SOVIÉTICOA CONSTRUÇÃO DO MODELO SOVIÉTICO
A CONSTRUÇÃO DO MODELO SOVIÉTICO
 
Revolução Russa
Revolução RussaRevolução Russa
Revolução Russa
 
A revolução russa slides
A revolução russa slidesA revolução russa slides
A revolução russa slides
 
A RevoluçãO Russa Esquema
A RevoluçãO Russa EsquemaA RevoluçãO Russa Esquema
A RevoluçãO Russa Esquema
 
PPT - Revolução Russa de 1917
PPT - Revolução Russa de 1917PPT - Revolução Russa de 1917
PPT - Revolução Russa de 1917
 
Revolução Russa de 1917
Revolução Russa de 1917Revolução Russa de 1917
Revolução Russa de 1917
 
Revolução russa slide
Revolução russa slideRevolução russa slide
Revolução russa slide
 
A RevoluçãO Russa De 1917
A  RevoluçãO  Russa De 1917A  RevoluçãO  Russa De 1917
A RevoluçãO Russa De 1917
 

Semelhante a A construção do modelo soviético

Aimplantacaodomarxismoleninismo
AimplantacaodomarxismoleninismoAimplantacaodomarxismoleninismo
Aimplantacaodomarxismoleninismo
carneiro62
 
Revolucao russa
Revolucao russaRevolucao russa
Revolucao russa
Simone P Baldissera
 
a REVOLUÇÃO RUSSA e a formação da União das Repúblicas Socialistas Soviéticas
a REVOLUÇÃO RUSSA e a formação da União das Repúblicas Socialistas Soviéticasa REVOLUÇÃO RUSSA e a formação da União das Repúblicas Socialistas Soviéticas
a REVOLUÇÃO RUSSA e a formação da União das Repúblicas Socialistas Soviéticas
MarceloDosSantosSoar3
 
Revolução russa
Revolução russaRevolução russa
Revolução russa
eduardodemiranda
 
Revolução russa
Revolução russaRevolução russa
Revolução russa
eduardodemiranda
 
Revolução russa
Revolução russaRevolução russa
Revolução russa
eduardodemiranda
 
Revolução Russa_Prof. Eduardo Miranda
Revolução Russa_Prof. Eduardo MirandaRevolução Russa_Prof. Eduardo Miranda
Revolução Russa_Prof. Eduardo Miranda
eduardodemiranda
 
Revolução Socialista Russa_Prof. Eduardo Miranda
Revolução Socialista Russa_Prof. Eduardo MirandaRevolução Socialista Russa_Prof. Eduardo Miranda
Revolução Socialista Russa_Prof. Eduardo Miranda
eduardodemiranda
 
Revolução Russa
Revolução RussaRevolução Russa
Revolução Russa
Thiago Souza
 
Revolução soviética
Revolução soviéticaRevolução soviética
Revolução soviética
Carlos Vieira
 
A implantação do marxismo-leninismo na Rússia estudo.pdf
A implantação do  marxismo-leninismo na Rússia  estudo.pdfA implantação do  marxismo-leninismo na Rússia  estudo.pdf
A implantação do marxismo-leninismo na Rússia estudo.pdf
BeatrizAfonso22
 
História da Revolução Russa,,,,,,,,,,,,,,,,,,,
História da Revolução Russa,,,,,,,,,,,,,,,,,,,História da Revolução Russa,,,,,,,,,,,,,,,,,,,
História da Revolução Russa,,,,,,,,,,,,,,,,,,,
RENANMACHADODEOLIVEI
 
História Geral: revolução russa
História Geral: revolução russaHistória Geral: revolução russa
História Geral: revolução russa
Rafael Lucas da Silva
 
Caderno diário marxismo leninismo
Caderno diário marxismo leninismoCaderno diário marxismo leninismo
Caderno diário marxismo leninismo
Laboratório de História
 
Caderno diário marxismo leninismo
Caderno diário marxismo leninismoCaderno diário marxismo leninismo
Caderno diário marxismo leninismo
Laboratório de História
 
Revolução russa 9 ano
Revolução russa 9 anoRevolução russa 9 ano
Revolução russa 9 ano
Frederico Marques Sodré
 
Historiando sob diversos olhares
Historiando sob diversos olharesHistoriando sob diversos olhares
Historiando sob diversos olhares
Janayna Lira
 
Revolução Russa - Prof. Altair Aguilar
Revolução Russa - Prof. Altair AguilarRevolução Russa - Prof. Altair Aguilar
Revolução Russa - Prof. Altair Aguilar
Altair Moisés Aguilar
 
Socialismo
SocialismoSocialismo
Socialismo
Isabel Aguiar
 
Historiando sob diversos olhares
Historiando sob diversos olharesHistoriando sob diversos olhares
Historiando sob diversos olhares
Janayna Lira
 

Semelhante a A construção do modelo soviético (20)

Aimplantacaodomarxismoleninismo
AimplantacaodomarxismoleninismoAimplantacaodomarxismoleninismo
Aimplantacaodomarxismoleninismo
 
Revolucao russa
Revolucao russaRevolucao russa
Revolucao russa
 
a REVOLUÇÃO RUSSA e a formação da União das Repúblicas Socialistas Soviéticas
a REVOLUÇÃO RUSSA e a formação da União das Repúblicas Socialistas Soviéticasa REVOLUÇÃO RUSSA e a formação da União das Repúblicas Socialistas Soviéticas
a REVOLUÇÃO RUSSA e a formação da União das Repúblicas Socialistas Soviéticas
 
Revolução russa
Revolução russaRevolução russa
Revolução russa
 
Revolução russa
Revolução russaRevolução russa
Revolução russa
 
Revolução russa
Revolução russaRevolução russa
Revolução russa
 
Revolução Russa_Prof. Eduardo Miranda
Revolução Russa_Prof. Eduardo MirandaRevolução Russa_Prof. Eduardo Miranda
Revolução Russa_Prof. Eduardo Miranda
 
Revolução Socialista Russa_Prof. Eduardo Miranda
Revolução Socialista Russa_Prof. Eduardo MirandaRevolução Socialista Russa_Prof. Eduardo Miranda
Revolução Socialista Russa_Prof. Eduardo Miranda
 
Revolução Russa
Revolução RussaRevolução Russa
Revolução Russa
 
Revolução soviética
Revolução soviéticaRevolução soviética
Revolução soviética
 
A implantação do marxismo-leninismo na Rússia estudo.pdf
A implantação do  marxismo-leninismo na Rússia  estudo.pdfA implantação do  marxismo-leninismo na Rússia  estudo.pdf
A implantação do marxismo-leninismo na Rússia estudo.pdf
 
História da Revolução Russa,,,,,,,,,,,,,,,,,,,
História da Revolução Russa,,,,,,,,,,,,,,,,,,,História da Revolução Russa,,,,,,,,,,,,,,,,,,,
História da Revolução Russa,,,,,,,,,,,,,,,,,,,
 
História Geral: revolução russa
História Geral: revolução russaHistória Geral: revolução russa
História Geral: revolução russa
 
Caderno diário marxismo leninismo
Caderno diário marxismo leninismoCaderno diário marxismo leninismo
Caderno diário marxismo leninismo
 
Caderno diário marxismo leninismo
Caderno diário marxismo leninismoCaderno diário marxismo leninismo
Caderno diário marxismo leninismo
 
Revolução russa 9 ano
Revolução russa 9 anoRevolução russa 9 ano
Revolução russa 9 ano
 
Historiando sob diversos olhares
Historiando sob diversos olharesHistoriando sob diversos olhares
Historiando sob diversos olhares
 
Revolução Russa - Prof. Altair Aguilar
Revolução Russa - Prof. Altair AguilarRevolução Russa - Prof. Altair Aguilar
Revolução Russa - Prof. Altair Aguilar
 
Socialismo
SocialismoSocialismo
Socialismo
 
Historiando sob diversos olhares
Historiando sob diversos olharesHistoriando sob diversos olhares
Historiando sob diversos olhares
 

Mais de Carlos Vieira

Cubismo
CubismoCubismo
Cubismo
Carlos Vieira
 
Abstracionismo
AbstracionismoAbstracionismo
Abstracionismo
Carlos Vieira
 
O Patriota
O PatriotaO Patriota
O Patriota
Carlos Vieira
 
As sufragistas
As sufragistasAs sufragistas
As sufragistas
Carlos Vieira
 
Madame bovary
Madame bovaryMadame bovary
Madame bovary
Carlos Vieira
 
Cavalo de guerra
Cavalo de guerraCavalo de guerra
Cavalo de guerra
Carlos Vieira
 
Danton
DantonDanton
Cultura do Salão – Lisboa pombalina
Cultura do Salão – Lisboa pombalinaCultura do Salão – Lisboa pombalina
Cultura do Salão – Lisboa pombalina
Carlos Vieira
 
Cultura do Salão – Introdução ao Neoclassico
Cultura do Salão – Introdução ao NeoclassicoCultura do Salão – Introdução ao Neoclassico
Cultura do Salão – Introdução ao Neoclassico
Carlos Vieira
 
Cultura do Salão – Pintura do rococó
Cultura do Salão – Pintura do rococóCultura do Salão – Pintura do rococó
Cultura do Salão – Pintura do rococó
Carlos Vieira
 
Cultura do Salão – Rococo internacional
Cultura do Salão – Rococo internacionalCultura do Salão – Rococo internacional
Cultura do Salão – Rococo internacional
Carlos Vieira
 
Cultura do Salão – Escultura do rococo
Cultura do Salão – Escultura do rococoCultura do Salão – Escultura do rococo
Cultura do Salão – Escultura do rococo
Carlos Vieira
 
Cultura do Salão - Origens do rococo
Cultura do Salão - Origens do rococoCultura do Salão - Origens do rococo
Cultura do Salão - Origens do rococo
Carlos Vieira
 
Cultura do Palco - Barroco em Portugal
Cultura do Palco - Barroco em Portugal Cultura do Palco - Barroco em Portugal
Cultura do Palco - Barroco em Portugal
Carlos Vieira
 
Cultura do Palco - Pintura barroca internacional
Cultura do Palco - Pintura barroca internacional Cultura do Palco - Pintura barroca internacional
Cultura do Palco - Pintura barroca internacional
Carlos Vieira
 
Cultura do Palco - Pintura Barroca
Cultura do Palco - Pintura BarrocaCultura do Palco - Pintura Barroca
Cultura do Palco - Pintura Barroca
Carlos Vieira
 
Cultura do Palco - Escultura Barroca
Cultura do Palco - Escultura BarrocaCultura do Palco - Escultura Barroca
Cultura do Palco - Escultura Barroca
Carlos Vieira
 
Cultura do Palco - Arquitectura Barroca
Cultura do Palco - Arquitectura BarrocaCultura do Palco - Arquitectura Barroca
Cultura do Palco - Arquitectura Barroca
Carlos Vieira
 
Cultura do Barroco - Palácio de Versalhes
Cultura do Barroco - Palácio de VersalhesCultura do Barroco - Palácio de Versalhes
Cultura do Barroco - Palácio de Versalhes
Carlos Vieira
 
Cultura do Palácio - Renascimento e Maneirismo em Portugal
Cultura do Palácio - Renascimento e Maneirismo em PortugalCultura do Palácio - Renascimento e Maneirismo em Portugal
Cultura do Palácio - Renascimento e Maneirismo em Portugal
Carlos Vieira
 

Mais de Carlos Vieira (20)

Cubismo
CubismoCubismo
Cubismo
 
Abstracionismo
AbstracionismoAbstracionismo
Abstracionismo
 
O Patriota
O PatriotaO Patriota
O Patriota
 
As sufragistas
As sufragistasAs sufragistas
As sufragistas
 
Madame bovary
Madame bovaryMadame bovary
Madame bovary
 
Cavalo de guerra
Cavalo de guerraCavalo de guerra
Cavalo de guerra
 
Danton
DantonDanton
Danton
 
Cultura do Salão – Lisboa pombalina
Cultura do Salão – Lisboa pombalinaCultura do Salão – Lisboa pombalina
Cultura do Salão – Lisboa pombalina
 
Cultura do Salão – Introdução ao Neoclassico
Cultura do Salão – Introdução ao NeoclassicoCultura do Salão – Introdução ao Neoclassico
Cultura do Salão – Introdução ao Neoclassico
 
Cultura do Salão – Pintura do rococó
Cultura do Salão – Pintura do rococóCultura do Salão – Pintura do rococó
Cultura do Salão – Pintura do rococó
 
Cultura do Salão – Rococo internacional
Cultura do Salão – Rococo internacionalCultura do Salão – Rococo internacional
Cultura do Salão – Rococo internacional
 
Cultura do Salão – Escultura do rococo
Cultura do Salão – Escultura do rococoCultura do Salão – Escultura do rococo
Cultura do Salão – Escultura do rococo
 
Cultura do Salão - Origens do rococo
Cultura do Salão - Origens do rococoCultura do Salão - Origens do rococo
Cultura do Salão - Origens do rococo
 
Cultura do Palco - Barroco em Portugal
Cultura do Palco - Barroco em Portugal Cultura do Palco - Barroco em Portugal
Cultura do Palco - Barroco em Portugal
 
Cultura do Palco - Pintura barroca internacional
Cultura do Palco - Pintura barroca internacional Cultura do Palco - Pintura barroca internacional
Cultura do Palco - Pintura barroca internacional
 
Cultura do Palco - Pintura Barroca
Cultura do Palco - Pintura BarrocaCultura do Palco - Pintura Barroca
Cultura do Palco - Pintura Barroca
 
Cultura do Palco - Escultura Barroca
Cultura do Palco - Escultura BarrocaCultura do Palco - Escultura Barroca
Cultura do Palco - Escultura Barroca
 
Cultura do Palco - Arquitectura Barroca
Cultura do Palco - Arquitectura BarrocaCultura do Palco - Arquitectura Barroca
Cultura do Palco - Arquitectura Barroca
 
Cultura do Barroco - Palácio de Versalhes
Cultura do Barroco - Palácio de VersalhesCultura do Barroco - Palácio de Versalhes
Cultura do Barroco - Palácio de Versalhes
 
Cultura do Palácio - Renascimento e Maneirismo em Portugal
Cultura do Palácio - Renascimento e Maneirismo em PortugalCultura do Palácio - Renascimento e Maneirismo em Portugal
Cultura do Palácio - Renascimento e Maneirismo em Portugal
 

Último

(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
Pr Davi Passos - Estudos Bíblicos
 
formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...
JakiraCosta
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
jonny615148
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
SidneySilva523387
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
ElinarioCosta
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
GracinhaSantos6
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogiaAVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
KarollayneRodriguesV1
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
Copia de cartilla de portugués 1 2024.pdf
Copia de cartilla de portugués 1 2024.pdfCopia de cartilla de portugués 1 2024.pdf
Copia de cartilla de portugués 1 2024.pdf
davidreyes364666
 
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdfsaid edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
ThiagoRORISDASILVA1
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
MatheusSousa716350
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
AdrianoMontagna1
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
pamellaaraujo10
 

Último (20)

(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
 
formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogiaAVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
Copia de cartilla de portugués 1 2024.pdf
Copia de cartilla de portugués 1 2024.pdfCopia de cartilla de portugués 1 2024.pdf
Copia de cartilla de portugués 1 2024.pdf
 
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdfsaid edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
 

A construção do modelo soviético

  • 1. História A Módulo 7 A construção do modelo soviético Carlos Jorge Canto Vieira Versão 1.0 Outubro 2012
  • 3. 3
  • 4. Nicolau II e sua família (da esquerda para a direita): 4 Olga, Maria, Nicolau, Alexandra, Anastácia, Alexei e Tatiana.
  • 5. 5
  • 6. 6
  • 7. A construção do modelo Soviético • Antecedentes da Revolução de Fevereiro de 1917: – O regime político • O império russo era chefiado pelo czar Nicolau II sob a forma de uma autocracia; • Defendia-se uma liberalização do regime. – Problemas durante o reinado • Tragédia de Khodynka; • Guerra Russo-Japonesa; • A Revolução de 1905; • I Guerra Mundial. 7
  • 9. 9
  • 10. a área (A) é o território em disputa entre russos e japoneses. As forças japonesas desembarcaram na Coreia e dirigiram-se para Porto Artur por terra, sem que os 10 russos tenham conseguido impedir a sua progressão.
  • 11. 11
  • 12. A construção do modelo Soviético • Sociedade russa – Camponeses (maioria da população); – Burgueses (queriam modernizar o país e um regime parlamentar); – Operariado (grupo minoritário). 12
  • 13. Construção do Modelo Soviético • Surgem três partidos – Socialistas-revolucionários; – Sociais Democratas (POSDR); – Constitucionais-democratas. 13
  • 14. Construção do Modelo Soviético Sociais Democratas (POSDR) 1903 Mencheviques Bolcheviques (Menshe = menos). (Bolshe = mais). São minoritários no congresso da social São a maioria no congresso de trabalhadores. democracia dos trabalhadores russos. Defendem a revolução socialista, a São Marxistas ortodoxos que pregam o instalação da ditadura do proletariado desenvolvimento do sistema capitalista, com a aliança de operários e camponeses. para só então alcançar o socialismo. Plekhanov Julius Martov Lenine 14
  • 15. 15
  • 17. Forças revolucionárias em protesto – Fevereiro de 1917 17
  • 18. A construção do modelo Soviético • Revolução de Fevereiro – A Burguesia ascende ao poder (Revolução Burguesa); – Fim ao czarismo; – Abdicação de Nicolau II; – Instauração de um regime republicano na Rússia; – Formação do Governo Provisório: • Liderado por Kerensky e Lvov; • Regime tipo liberal. 18
  • 20. A construção do modelo Soviético • Revolução de Outubro - Revolução Soviética – Período entre Fevereiro e Outubro: • Mantém-se a agitação social; • A Rússia continua na guerra; • Manutenção dos problemas económicos; • Existia uma dualidade de poderes – os governos liberais; – os sovietes - contra o Governo Provisório. 20
  • 21. Comité do Governo provisório 1917 21
  • 22. Lenine a discursar na praça Sverdlov , em Moscovo. É possível ver Trotsky e Kamenev à direita do palanque. 22
  • 23. A construção do modelo Soviético • Outubro de 1917 – os bolcheviques, com o apoio dos sovietes, conduziram a uma nova Revolução. • Medidas – O governo provisório foi substituído pelo Conselho dos Comissários do Povo; – Era presidido por Lenine. 23
  • 24. Forças bolcheviques na Praça Vermelha, Moscovo 24
  • 25. A construção do modelo Soviético • Transformações internas – A Rússia transformou-se numa Republica não parlamentar; – Início da guerra civil: • “Exercito Vermelho” – comunistas; • “Exercito Branco” – liberais. 25
  • 26. A construção do modelo Soviético • Medidas do novo governo – Saída da Rússia da guerra; – Implementação dos princípios marxistas, através de Lenine: • Dão origem ao marxismo-leninismo; – Defendia que o proletariado conquistava o poder (ditadura do proletariado); – Poder do Estado submetido ao Partido Comunista (Partido único). 26
  • 27. A construção do modelo Soviético • Democracia dos sovietes – Aprovação dos decretos revolucionários (II Congresso dos Sovietes) • decreto sobre a paz – convidava aos povos em guerra, à paz. • decreto sobre a terra – abolição da propriedade privada, entregando-a aos sovietes; 27
  • 28. A construção do modelo Soviético • Consequências – A legislação revolucionária • Instrumento para a criação de uma democracia dos sovietes: – um sistema político que atendia às necessidades do proletariado. 28
  • 30. A construção do modelo Soviético • Ditadura do proletariado (teoria Marxista) – etapa de transição entre a sociedade capitalista e a edificação do comunismo (sociedade sem classes); – No decurso dessa etapa, o proletariado (classe dominante), deveria “abater os opressores”, retirando todo o capital à burguesia, centralizando os meios de produção nas mãos do Estado; – Fim da desigualdade social; – O Estado (sendo um instrumento de domínio), deixaria de fazer sentido e cessaria de existir, e aí tornar-se-ia possível falar de liberdade; – A etapa final -> comunismo. 30
  • 31. A construção do modelo Soviético • Comunismo – Etapa final da revolução proletária • extinção do Estado; • desaparecimento das classes sociais. – O conjunto de medidas que conduziram á instauração da ditadura do proletariado denomina-se de comunismo de guerra – O comunismo de guerra sucedeu à democracia dos sovietes, substituindo os decretos revolucionários por novas medidas, mais radicais: • toda a economia foi nacionalizada (fazendo parte do Estado); • institui-se um regime de partido único, o Partido Comunista; • O Terror institucionalizou-se com o estabelecimento da censura e a criação da Tcheca, policia politica. 31
  • 32. A construção do modelo Soviético • O centralismo democrático – Em 1922 foi criada a URSS; – A organização do Estado denominou-se de centralismo democrático; – Assentava nos seguintes princípios: • o poder partia da base das sociedade, os sovietes: – Os sovietes eram eleitos pela população por sufrágio universal, e a partir deles elegiam-se os poderes superiores; • a organização do Partido Comunista seguia a mesma estrutura, as bases do partido elegiam os organismos superiores; – não existia separação clara dos poderes legislativo, executivo, judicial; – Existia apenas o Partido Comunista, pois considerava-se que era o único capaz de representar o proletariado, ou seja, proibiam-se todos os outros; – o Estado era controlado pelo Partido Comunista. 32
  • 33. NEP 33
  • 34. A construção do modelo Soviético • A NEP (Nova Politica Económica) – 1921-1927 – viragem na política económica; – objectivo • superar a crise económica herdada da guerra civil; • Introdução de novas medidas. 34
  • 35. A construção do modelo Soviético • Progresso económico – Lenine • passa a defender medidas do tipo capitalista para estimular a produção: – Estabeleceu um imposto a pagar, em vez dos camponeses entregaram todos os seus excedentes; – permitiu a venda directa dos produtos dos camponeses; – aceitou a ajuda do estrangeiro; – eliminou o trabalho obrigatório. • Consequência – melhoria assinalável dos níveis de produção. 35