SlideShare uma empresa Scribd logo
Um século de mudanças
século XVIII
http://divulgacaohistoria.wordpress.com/
8º ano - Unidade 4
Um século de mudanças - século XVIII 2
15 – Conhecer e compreender os vetores fundamentais do Iluminismo
1. Relacionar as ideias iluministas com a crença na razão potenciada pelo
pensamento científico do século XVII.
2. Identificar os princípios norteadores do Iluminismo e os seus principais
representantes.
3. Identificar os meios de difusão das ideias iluministas e os estratos sociais
que mais cedo a elas aderiram.
4. Analisar as propostas do Iluminismo para um novo regime político e social
baseado na separação dos poderes, na soberania da nação e no contrato
social, na tolerância religiosa, na liberdade de pensamento, na igualdade à
nascença e perante a lei.
5. Reconhecer a aceitação por parte de alguns dos iluministas da existência
de monarcas absolutos, mas cuja governação seria feita em nome da razão
e apoiada pelos filósofos (despotismo esclarecido).
6. Reconhecer a influência das propostas iluministas nas democracias
atuais.
Um século de mudanças - século XVIII 3
16 – Conhecer e compreender a realidade portuguesa na
segunda metade do século XVIII.
1. Caracterizar os aspetos fundamentais da governação do
Marquês de Pombal, no âmbito económico.
2. Relacionar essas medidas com a situação económica
vivida em Portugal na segunda metade do século XVIII.
3. Analisar a influência das ideias iluministas na governação
do Marquês de Pombal, salientando a submissão de certos
grupos privilegiados, o reforço do aparelho de Estado e a
laicização e modernização do ensino.
4. Integrar o projeto urbanístico de Lisboa, após o terramoto
de 1755, no contexto da governação pombalina.
Um século de mudanças - século XVIII 4
A Filosofia das Luzes. O Iluminismo
No século XVIII desenvolve-se a crença no valor da razão
humana como motor do progresso, primeiro aplicada às
ciências e logo nas reflexões sobre o desenvolvimento das
sociedades humanas;
Um século de mudanças - século XVIII 5
O uso da Razão conduziria ao aperfeiçoamento moral do
Homem, das relações sociais e das formas do poder político,
promovendo a igualdade e a justiça;
A Razão seria a luz que guiaria a Humanidade;
Era a saídas das trevas, o século XVIII, por isso ficou
conhecido por século das Luzes;
Luzes ou Humanismo designa o conjunto das novas ideias
que marcaram a época;
Um século de mudanças - século XVIII 6
Iluminismo – corrente filosófica
que se desenvolveu na Europa
durante o século XVIII e que se
caracterizou pela crítica à
autoridade política e religiosa,
pela afirmação da liberdade e
pela confiança na Razão e na
ciência como meios de atingir a
felicidade humana;
Um século de mudanças - século XVIII 7
Emanuel Kant exalta o poder da razão;
Voltaire defendeu a tolerância religiosa;
D’Alambert e Diderot publicam a primeira enciclopédia;
Um século de mudanças - século XVIII 8
D’Alembert e Diderot
publicaram a primeira
Enciclopédia (1751);
A Enciclopédia pretendia ser
um sumário de todo o
conhecimento humano;
Apesar de vários percalços e
perseguições o último volume
da Enciclopédia foi publicado
em 1780;
Contribuiu para os avanços da
ciência e da técnica e para a
difusão das ideias iluministas.
Um século de mudanças - século XVIII 9
Na segunda metade do século XVIII, alguns monarcas
absolutos europeus levaram a cabo reformas para aplicar
estas ideias iluministas, para promoverem o desenvolvimento
económico e cultural dos seus países. São os déspotas
iluminados ou déspotas esclarecidos;
É o caso de D. José I, em Portugal;
No entanto, os déspotas iluminados, não satisfazem
totalmente os ideais iluministas;
Um século de mudanças - século XVIII 10
O movimento iluminista era dinamizado pela burguesia;
A burguesia queria mudanças, tinha dinheiro e cultura mas
não tinham o poder político;
Muitos burgueses ambicionavam governar os seus países;
Montesquieu (1689-1755) formula a teoria da divisão dos
poderes: poder legislativo (formular leis); poder executivo
(executar essas leis) e poder judicial (julgar quem desrespeita
as leis);
Segundo Montesquieu só a separação destes poderes
garantia a liberdade dos cidadãos;
Esta ideia foi adotada em quase todas as constituições saídas
das revoluções liberais;
Um século de mudanças - século XVIII 11
Jean-Jacques Rousseau (1712-1778), defende a liberdade e
a igualdade de direitos de todos os cidadãos;
No seu livro “O Contrato Social” defende a ideia que a
soberania (o poder de dirigir a sociedade) está no povo que
delega esse poder nos governantes;
São estas as bases do liberalismo político;
Um século de mudanças - século XVIII 12
A difusão do pensamento das luzes
Os iluministas defendiam ideais que eram opostos à
sociedade em que viviam, as suas críticas à sociedade, ao
absolutismo, à Igreja suscitaram, nos setores mais
retrógradas da sociedade críticas e perseguições;
Muitos iluministas foram perseguidos, exilados e presos;
As ideias iluministas tornaram o centro da discussão
intelectual da época, eram discutidas em salões
aristocráticos, cafés, clubes privados, etc.;
Influenciaram as Academias e tiveram eco na imprensa;
Um século de mudanças - século XVIII 13
Portugal, na segunda metade do século XVIII, era um país
onde as ideias iluministas ainda não tinham chegado;
A Inquisição perseguia todos aqueles que defendiam as
novas ideias;
O ensino continuava dominado pela Companhia de Jesus que
recusava integrar as novas ideias, o ensino experimental e
descobertas cientificas nas escolas;
Um século de mudanças - século XVIII 14
Os estrangeirados
A filosofia iluminista colocava o ensino no centro da política
pois considerava a ignorância como o grande travão da
evolução dos povos;
Os estrangeirados foram os grandes divulgadores das ideias
iluministas em Portugal;
Estas, conscientes do atraso do país, publicam vários livros e
outras publicações que influenciaram as decisões políticas;
Os estrangeirados eram portugueses que tendo vivido no
estrangeiro tomaram contacto com o progresso e pretendiam
implementá-lo em Portugal;
Um século de mudanças - século XVIII 15
Principais estrangeirados e a sua obra:
Martinho Mendonça, “Apontamentos para a Educação de um
Menino Nobre” (1734);
Ribeiro Sanches, “Cartas sobre a Educação da Mocidade”
(1759);
Luís António Verney, “O Verdadeiro Método de Estudar”
(1746);
Um século de mudanças - século XVIII 16
O Marquês de Pombal iniciou um vasto programa de
reestruturação do ensino;
A expulsão da Ordem de Jesus, que se dedicava ao ensino,
tinha criado um vazio em muitas escolas do país;
Foram criados quase 500 postos para “mestres de escrever e
ler”, para promover o ensino das primeiras letras, aquilo que
hoje chamamos o ensino básico;
Foram fomentados os estudos para alunos que queriam
ingressar na Universidade para as disciplinas de Latim,
Grego, Retórica, Filosofia, etc., cerca de 360, o equivalente
ao atual ensino secundário;
Um século de mudanças - século XVIII 17
A Universidade de Évora, dirigida pelos jesuítas foi
encerrada;
A Universidade de Coimbra estava dominada por um ensino
muito antiquado e tradicional;
Em 1768 é criada a Junta da Previdência Literária para
estudar a reforma da Universidade;
Em 1772, a Universidade de Coimbra passa a ter novos
estatutos;
Estes vão no sentido de criar uma universidade moderna e
com métodos de ensino baseados no experiencialismo e
racionalismo;
Um século de mudanças - século XVIII 18
São criadas novas
faculdades e os cursos
tradicionais são reformados;
Pombal criou um imposto,
Subsídio Literário, para
subsidiar as reformas no
ensino (1772);
Pombal fundou a Aula do
Comércio (1759) para
preparar os comerciantes
para a sua atividade;
Um século de mudanças - século XVIII 19
A reforma pombalina do ensino insere-se na ideia, do estado
absoluto, de submeter, através da educação, os grupos
privilegiados e instruir a nova burguesia, sem qualquer
atenção à educação do povo;
Abolida a Inquisição foram criados outros órgãos incumbidos
da repressão e da censura de todos aqueles que se
opunham ao estado absoluto;
Um século de mudanças - século XVIII 20
O Marquês de Pombal
O rei D. José I (1714-1777, rei desde 1750), nomeou ministro
Sebastião José de Carvalho e Melo (1699-1782) que mais
tarde será nomeado Marquês de Pombal;
Um século de mudanças - século XVIII 21
Em 1755, Lisboa foi quase completamente destruída por um
terramoto, nessa altura destacou-se a personalidade do
Marquês de Pombal que tomou medidas para socorrer as
vítimas e iniciar a reconstrução da cidade;
Depois desse episódio, o rei deu-lhe plenos poderes;
Um século de mudanças - século XVIII 22
O Marquês de Pombal era um defensor do despotismo
iluminado;
O despotismo iluminado era uma teoria política que
afirmava que o monarca poderia exercer o poder absoluto
mas orientado (esclarecido) pela razão e tendo em conta o
bem e os interesses do povo;
Baixa pombalina
Um século de mudanças - século XVIII 23
Os principais objetivos do Marquês eram a modernização do
país e o fortalecimento dos poderes do Estado;
Esta política teve a oposição da Alta Nobreza e de alguns
setores de Igreja, nomeadamente a Companhia de Jesus;
Em 1758, após um atentado contra D. José I, o Marquês de
Pombal perseguiu várias famílias nobres, nomeadamente os
Távoras, que foram executados;
A Companhia de Jesus foi expulsa de Portugal;
Um século de mudanças - século XVIII 24
O Marquês procurou garantir a subordinação de todos os
súbditos ao poder do rei;
Protegeu a burguesia e a nobreza que permaneceu fiel ao
rei;
Criou organismos para auxiliarem a governação do país:
Erário Régio (finanças públicas), Junta do Comércio
(atividades económicas), Real Mesa Censória (censurar as
publicações);
Fundou o Colégio dos Nobres (formar os jovens da nobreza
para servir o Estado);
Limitou o poder da Inquisição;
Um século de mudanças - século XVIII 25
No plano económico, o
Marquês, aplicou medidas
mercantilistas;
Criou grandes companhias
monopolistas:
Para o comércio com o
Brasil: (Companhia do Grão-
Pará e Maranhão e
Companhia de Pernambuco e
Paraíba);
Para controlar o comércio do
vinho do Porto: Companhia
das Vinhas do Alto Douro;
Um século de mudanças - século XVIII 26
A quebra da produção do ouro, após 1763, levou o Marquês
a iniciar um programa de industrialização do país;
Concedeu monopólios, privilégios (isenção de impostos) e
subsídios;
Foram criadas várias indústrias: Real Fábrica das Sedas,
Real Fábrica de Vidros, na Marinha Grande, favoreceu a
criação de manufaturas de têxteis, porcelana, papel, etc.;
Um século de mudanças - século XVIII 27
Esta política económica conduziu à promoção social e
económica da burguesia;
Limitou o poder da Inquisição;
Acabou com a perseguição aos cristãos-novos;
Fomentou o desenvolvimento de uma classe burguesa ativa e
próspera;
Cristão-novo ou converso era a designação
dada aos judeus e muçulmanos convertidos ao catolicismo,
em contraposição aos cristãos-velhos.
Um século de mudanças - século XVIII 28
A cidade de Lisboa foi reedificada segundo um projeto
arquitetónico moderno, criando aquilo que hoje se chama a
baixa pombalina;
Um século de mudanças - século XVIII 29
Foram criadas ruas largas e retilíneas, uma praça
monumental, Praça do Comércio;
Um século de mudanças - século XVIII 30
Os blocos de prédios
eram idênticos, de
linhas simples e de
construção robusta;
Esta construção
urbanística é uma
afirmação do
despotismo iluminado.
Um século de mudanças - século XVIII 31
Um século de mudanças - século XVIII 32
Bibliografia:
Apresentação construída com base nos livros
Diniz, Maria Emília, Tavares, Adérito, Caldeira, Arlindo M.,
História 8, Raiz Editora, 2012
Neto, Helena e outros, História 8, Santillana,2014

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Vintismo
VintismoVintismo
Vintismo
Carla Teixeira
 
O Antigo Regime
O Antigo RegimeO Antigo Regime
O Antigo Regime
Luisa Jesus
 
A revolução americana
A revolução americanaA revolução americana
A revolução americana
cattonia
 
6 01 as transformacoes economicas na europa e no mundo
6 01 as transformacoes economicas na europa e no mundo6 01 as transformacoes economicas na europa e no mundo
6 01 as transformacoes economicas na europa e no mundo
Vítor Santos
 
5 04 a implantação do liberalismo em portugal
5 04 a implantação do liberalismo em portugal5 04 a implantação do liberalismo em portugal
5 04 a implantação do liberalismo em portugal
Vítor Santos
 
Geografia A 11 ano - Transportes
Geografia A 11 ano - TransportesGeografia A 11 ano - Transportes
Geografia A 11 ano - Transportes
Raffaella Ergün
 
02 história a_revisões_módulo_2
02 história a_revisões_módulo_202 história a_revisões_módulo_2
02 história a_revisões_módulo_2
Vítor Santos
 
O Antigo Regime
O Antigo RegimeO Antigo Regime
O Antigo Regime
cattonia
 
Política económica - século XVIII
Política económica - século XVIIIPolítica económica - século XVIII
Política económica - século XVIII
Maria Gomes
 
04 história a_revisões_módulo_4
04 história a_revisões_módulo_404 história a_revisões_módulo_4
04 história a_revisões_módulo_4
Vítor Santos
 
Portugal na Europa do Antigo Regime
Portugal na Europa do Antigo RegimePortugal na Europa do Antigo Regime
Portugal na Europa do Antigo Regime
Carlos Pinheiro
 
A Europa dos Parlamentos: sociedade e poder político
A Europa dos Parlamentos: sociedade e poder políticoA Europa dos Parlamentos: sociedade e poder político
A Europa dos Parlamentos: sociedade e poder político
Susana Simões
 
O Antigo Regime
O Antigo RegimeO Antigo Regime
O Antigo Regime
Nelson Faustino
 
A sociedade no Antigo Regime
A sociedade no Antigo RegimeA sociedade no Antigo Regime
A sociedade no Antigo Regime
Susana Simões
 
Revolução Liberal em Portugal
Revolução Liberal em PortugalRevolução Liberal em Portugal
Revolução Liberal em Portugal
Susana Simões
 
Revolução liberal portuguesa de 1820
Revolução liberal portuguesa de 1820Revolução liberal portuguesa de 1820
Revolução liberal portuguesa de 1820
Joana Filipa Rodrigues
 
Revolução liberal portuguesa de1820
Revolução liberal portuguesa de1820Revolução liberal portuguesa de1820
Revolução liberal portuguesa de1820
Maria Gomes
 
A ExpansãO Urbana
A ExpansãO UrbanaA ExpansãO Urbana
A ExpansãO Urbana
Maria Adelaide
 
Politica pombalina
Politica pombalinaPolitica pombalina
Politica pombalina
JoanaRitaSilva
 
11 ha m4 u3 3
11 ha m4 u3 311 ha m4 u3 3
11 ha m4 u3 3
Carla Freitas
 

Mais procurados (20)

Vintismo
VintismoVintismo
Vintismo
 
O Antigo Regime
O Antigo RegimeO Antigo Regime
O Antigo Regime
 
A revolução americana
A revolução americanaA revolução americana
A revolução americana
 
6 01 as transformacoes economicas na europa e no mundo
6 01 as transformacoes economicas na europa e no mundo6 01 as transformacoes economicas na europa e no mundo
6 01 as transformacoes economicas na europa e no mundo
 
5 04 a implantação do liberalismo em portugal
5 04 a implantação do liberalismo em portugal5 04 a implantação do liberalismo em portugal
5 04 a implantação do liberalismo em portugal
 
Geografia A 11 ano - Transportes
Geografia A 11 ano - TransportesGeografia A 11 ano - Transportes
Geografia A 11 ano - Transportes
 
02 história a_revisões_módulo_2
02 história a_revisões_módulo_202 história a_revisões_módulo_2
02 história a_revisões_módulo_2
 
O Antigo Regime
O Antigo RegimeO Antigo Regime
O Antigo Regime
 
Política económica - século XVIII
Política económica - século XVIIIPolítica económica - século XVIII
Política económica - século XVIII
 
04 história a_revisões_módulo_4
04 história a_revisões_módulo_404 história a_revisões_módulo_4
04 história a_revisões_módulo_4
 
Portugal na Europa do Antigo Regime
Portugal na Europa do Antigo RegimePortugal na Europa do Antigo Regime
Portugal na Europa do Antigo Regime
 
A Europa dos Parlamentos: sociedade e poder político
A Europa dos Parlamentos: sociedade e poder políticoA Europa dos Parlamentos: sociedade e poder político
A Europa dos Parlamentos: sociedade e poder político
 
O Antigo Regime
O Antigo RegimeO Antigo Regime
O Antigo Regime
 
A sociedade no Antigo Regime
A sociedade no Antigo RegimeA sociedade no Antigo Regime
A sociedade no Antigo Regime
 
Revolução Liberal em Portugal
Revolução Liberal em PortugalRevolução Liberal em Portugal
Revolução Liberal em Portugal
 
Revolução liberal portuguesa de 1820
Revolução liberal portuguesa de 1820Revolução liberal portuguesa de 1820
Revolução liberal portuguesa de 1820
 
Revolução liberal portuguesa de1820
Revolução liberal portuguesa de1820Revolução liberal portuguesa de1820
Revolução liberal portuguesa de1820
 
A ExpansãO Urbana
A ExpansãO UrbanaA ExpansãO Urbana
A ExpansãO Urbana
 
Politica pombalina
Politica pombalinaPolitica pombalina
Politica pombalina
 
11 ha m4 u3 3
11 ha m4 u3 311 ha m4 u3 3
11 ha m4 u3 3
 

Destaque

Unidade 6 revoluções e estados_liberais_e_conservadores
Unidade 6 revoluções e estados_liberais_e_conservadoresUnidade 6 revoluções e estados_liberais_e_conservadores
Unidade 6 revoluções e estados_liberais_e_conservadores
Vítor Santos
 
Unidade 8 burgueses proletários classes medias e camponeses
Unidade 8 burgueses proletários classes medias e camponesesUnidade 8 burgueses proletários classes medias e camponeses
Unidade 8 burgueses proletários classes medias e camponeses
Vítor Santos
 
Unidade 7 mundo industrializado e países de dificil industrialização
Unidade 7 mundo industrializado e países de dificil industrializaçãoUnidade 7 mundo industrializado e países de dificil industrialização
Unidade 7 mundo industrializado e países de dificil industrialização
Vítor Santos
 
Unidade 1 o expansionismo europeu
Unidade 1 o expansionismo europeuUnidade 1 o expansionismo europeu
Unidade 1 o expansionismo europeu
Vítor Santos
 
Unidade 5 da_revolução_agrivcola_à_revolução_industrial
Unidade 5 da_revolução_agrivcola_à_revolução_industrialUnidade 5 da_revolução_agrivcola_à_revolução_industrial
Unidade 5 da_revolução_agrivcola_à_revolução_industrial
Vítor Santos
 
Unidade 2 renascimento e reforma alunos
Unidade 2 renascimento e reforma alunosUnidade 2 renascimento e reforma alunos
Unidade 2 renascimento e reforma alunos
Vítor Santos
 
H3 os novos modelos culturais
H3 os novos modelos culturaisH3 os novos modelos culturais
H3 os novos modelos culturais
Vítor Santos
 
H2 o caso português
H2 o caso portuguêsH2 o caso português
H2 o caso português
Vítor Santos
 
11 a guerra_fria
11 a guerra_fria11 a guerra_fria
11 a guerra_fria
Vítor Santos
 
Luz
LuzLuz
Types of media
Types of mediaTypes of media
Types of media
sevianj
 
12 o após_guerra_fria_e_a_globlização
12 o após_guerra_fria_e_a_globlização12 o após_guerra_fria_e_a_globlização
12 o após_guerra_fria_e_a_globlização
Vítor Santos
 
E2 renascimento e reforma blogue
E2 renascimento e reforma blogueE2 renascimento e reforma blogue
E2 renascimento e reforma blogue
Vítor Santos
 
9 03 portugal no novo quadro internacional
9 03 portugal no novo quadro internacional9 03 portugal no novo quadro internacional
9 03 portugal no novo quadro internacional
Vítor Santos
 
7 01 parte_2_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx
7 01 parte_2_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx7 01 parte_2_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx
7 01 parte_2_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx
Vítor Santos
 
7 01 parte_1_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx
7 01 parte_1_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx7 01 parte_1_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx
7 01 parte_1_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx
Vítor Santos
 
00 01 preparação_exame_nacional_história_a_2018_módulo_1
00 01 preparação_exame_nacional_história_a_2018_módulo_100 01 preparação_exame_nacional_história_a_2018_módulo_1
00 01 preparação_exame_nacional_história_a_2018_módulo_1
Vítor Santos
 
05 a cultura do palácio 2
05 a cultura do palácio 205 a cultura do palácio 2
05 a cultura do palácio 2
Vítor Santos
 
05 a cultura do palácio 1
05 a cultura do palácio 105 a cultura do palácio 1
05 a cultura do palácio 1
Vítor Santos
 

Destaque (19)

Unidade 6 revoluções e estados_liberais_e_conservadores
Unidade 6 revoluções e estados_liberais_e_conservadoresUnidade 6 revoluções e estados_liberais_e_conservadores
Unidade 6 revoluções e estados_liberais_e_conservadores
 
Unidade 8 burgueses proletários classes medias e camponeses
Unidade 8 burgueses proletários classes medias e camponesesUnidade 8 burgueses proletários classes medias e camponeses
Unidade 8 burgueses proletários classes medias e camponeses
 
Unidade 7 mundo industrializado e países de dificil industrialização
Unidade 7 mundo industrializado e países de dificil industrializaçãoUnidade 7 mundo industrializado e países de dificil industrialização
Unidade 7 mundo industrializado e países de dificil industrialização
 
Unidade 1 o expansionismo europeu
Unidade 1 o expansionismo europeuUnidade 1 o expansionismo europeu
Unidade 1 o expansionismo europeu
 
Unidade 5 da_revolução_agrivcola_à_revolução_industrial
Unidade 5 da_revolução_agrivcola_à_revolução_industrialUnidade 5 da_revolução_agrivcola_à_revolução_industrial
Unidade 5 da_revolução_agrivcola_à_revolução_industrial
 
Unidade 2 renascimento e reforma alunos
Unidade 2 renascimento e reforma alunosUnidade 2 renascimento e reforma alunos
Unidade 2 renascimento e reforma alunos
 
H3 os novos modelos culturais
H3 os novos modelos culturaisH3 os novos modelos culturais
H3 os novos modelos culturais
 
H2 o caso português
H2 o caso portuguêsH2 o caso português
H2 o caso português
 
11 a guerra_fria
11 a guerra_fria11 a guerra_fria
11 a guerra_fria
 
Luz
LuzLuz
Luz
 
Types of media
Types of mediaTypes of media
Types of media
 
12 o após_guerra_fria_e_a_globlização
12 o após_guerra_fria_e_a_globlização12 o após_guerra_fria_e_a_globlização
12 o após_guerra_fria_e_a_globlização
 
E2 renascimento e reforma blogue
E2 renascimento e reforma blogueE2 renascimento e reforma blogue
E2 renascimento e reforma blogue
 
9 03 portugal no novo quadro internacional
9 03 portugal no novo quadro internacional9 03 portugal no novo quadro internacional
9 03 portugal no novo quadro internacional
 
7 01 parte_2_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx
7 01 parte_2_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx7 01 parte_2_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx
7 01 parte_2_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx
 
7 01 parte_1_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx
7 01 parte_1_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx7 01 parte_1_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx
7 01 parte_1_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx
 
00 01 preparação_exame_nacional_história_a_2018_módulo_1
00 01 preparação_exame_nacional_história_a_2018_módulo_100 01 preparação_exame_nacional_história_a_2018_módulo_1
00 01 preparação_exame_nacional_história_a_2018_módulo_1
 
05 a cultura do palácio 2
05 a cultura do palácio 205 a cultura do palácio 2
05 a cultura do palácio 2
 
05 a cultura do palácio 1
05 a cultura do palácio 105 a cultura do palácio 1
05 a cultura do palácio 1
 

Semelhante a Unidade 4 um século de mudanças século xviii

Propostas iluministas, despotismo esclarecido e ação de Marquês de Pombal his...
Propostas iluministas, despotismo esclarecido e ação de Marquês de Pombal his...Propostas iluministas, despotismo esclarecido e ação de Marquês de Pombal his...
Propostas iluministas, despotismo esclarecido e ação de Marquês de Pombal his...
200166754
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
shivbhudia
 
F3 a cultura e o iluminismo em portugal
F3 a cultura e o iluminismo em portugalF3 a cultura e o iluminismo em portugal
F3 a cultura e o iluminismo em portugal
Vítor Santos
 
A cultura e o iluminismo em portugal face á Europa
A cultura e o iluminismo em portugal face á EuropaA cultura e o iluminismo em portugal face á Europa
A cultura e o iluminismo em portugal face á Europa
fabiopombo
 
O iluminismo e despotismo esclarecido
O iluminismo e despotismo esclarecidoO iluminismo e despotismo esclarecido
O iluminismo e despotismo esclarecido
Tarciso Heli Ferreira Júnior
 
O Iluminismo
O IluminismoO Iluminismo
O Iluminismo
Marília Pimentel
 
2 iluminismo e despotismo
2   iluminismo e despotismo2   iluminismo e despotismo
2 iluminismo e despotismo
Marilia Pimentel
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
maida marciano
 
O ILUMINISMO
O ILUMINISMOO ILUMINISMO
Iluminismo e despotismo esclarecido
Iluminismo e despotismo esclarecidoIluminismo e despotismo esclarecido
Iluminismo e despotismo esclarecido
Mozão Fraga
 
Iluminismo, Revolução Francesa e Período Napoleônico
Iluminismo, Revolução Francesa e Período NapoleônicoIluminismo, Revolução Francesa e Período Napoleônico
Iluminismo, Revolução Francesa e Período Napoleônico
Paulo Alexandre
 
O Iluminismo
O Iluminismo  O Iluminismo
O Iluminismo
Thamires Liima
 
O Iluminismo
O IluminismoO Iluminismo
O Iluminismo
Thamires Liima
 
O Iluminismo
O IluminismoO Iluminismo
O Iluminismo
João Medeiros
 
O iluminismo
O iluminismoO iluminismo
O iluminismo
Foz
 
Iluminismo e Revolução Francesa
Iluminismo e Revolução FrancesaIluminismo e Revolução Francesa
Iluminismo e Revolução Francesa
Paulo Alexandre
 
Filosofia da ilustração ou iluminismo
Filosofia da ilustração ou iluminismoFilosofia da ilustração ou iluminismo
Filosofia da ilustração ou iluminismo
Paula de Jesus
 
Ideias revolucionárias ilumismo
Ideias revolucionárias   ilumismoIdeias revolucionárias   ilumismo
Ideias revolucionárias ilumismo
Luise Moura
 
O iluminismo
O iluminismoO iluminismo
O iluminismo
Julivan Estevam
 
Iluminismo 2ª ano a
Iluminismo 2ª ano a Iluminismo 2ª ano a
Iluminismo 2ª ano a
Valmir Gomes
 

Semelhante a Unidade 4 um século de mudanças século xviii (20)

Propostas iluministas, despotismo esclarecido e ação de Marquês de Pombal his...
Propostas iluministas, despotismo esclarecido e ação de Marquês de Pombal his...Propostas iluministas, despotismo esclarecido e ação de Marquês de Pombal his...
Propostas iluministas, despotismo esclarecido e ação de Marquês de Pombal his...
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
 
F3 a cultura e o iluminismo em portugal
F3 a cultura e o iluminismo em portugalF3 a cultura e o iluminismo em portugal
F3 a cultura e o iluminismo em portugal
 
A cultura e o iluminismo em portugal face á Europa
A cultura e o iluminismo em portugal face á EuropaA cultura e o iluminismo em portugal face á Europa
A cultura e o iluminismo em portugal face á Europa
 
O iluminismo e despotismo esclarecido
O iluminismo e despotismo esclarecidoO iluminismo e despotismo esclarecido
O iluminismo e despotismo esclarecido
 
O Iluminismo
O IluminismoO Iluminismo
O Iluminismo
 
2 iluminismo e despotismo
2   iluminismo e despotismo2   iluminismo e despotismo
2 iluminismo e despotismo
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
 
O ILUMINISMO
O ILUMINISMOO ILUMINISMO
O ILUMINISMO
 
Iluminismo e despotismo esclarecido
Iluminismo e despotismo esclarecidoIluminismo e despotismo esclarecido
Iluminismo e despotismo esclarecido
 
Iluminismo, Revolução Francesa e Período Napoleônico
Iluminismo, Revolução Francesa e Período NapoleônicoIluminismo, Revolução Francesa e Período Napoleônico
Iluminismo, Revolução Francesa e Período Napoleônico
 
O Iluminismo
O Iluminismo  O Iluminismo
O Iluminismo
 
O Iluminismo
O IluminismoO Iluminismo
O Iluminismo
 
O Iluminismo
O IluminismoO Iluminismo
O Iluminismo
 
O iluminismo
O iluminismoO iluminismo
O iluminismo
 
Iluminismo e Revolução Francesa
Iluminismo e Revolução FrancesaIluminismo e Revolução Francesa
Iluminismo e Revolução Francesa
 
Filosofia da ilustração ou iluminismo
Filosofia da ilustração ou iluminismoFilosofia da ilustração ou iluminismo
Filosofia da ilustração ou iluminismo
 
Ideias revolucionárias ilumismo
Ideias revolucionárias   ilumismoIdeias revolucionárias   ilumismo
Ideias revolucionárias ilumismo
 
O iluminismo
O iluminismoO iluminismo
O iluminismo
 
Iluminismo 2ª ano a
Iluminismo 2ª ano a Iluminismo 2ª ano a
Iluminismo 2ª ano a
 

Mais de Vítor Santos

5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf
5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf
5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf
Vítor Santos
 
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
Vítor Santos
 
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
Vítor Santos
 
10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf
10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf
10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf
Vítor Santos
 
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
Vítor Santos
 
9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf
9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf
9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf
Vítor Santos
 
9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf
9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf
9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf
Vítor Santos
 
9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf
9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf
9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf
Vítor Santos
 
03_05 As novas representações da humanidade.pdf
03_05 As novas representações da humanidade.pdf03_05 As novas representações da humanidade.pdf
03_05 As novas representações da humanidade.pdf
Vítor Santos
 
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
Vítor Santos
 
03_03 A produção cultural.pdf
03_03 A produção cultural.pdf03_03 A produção cultural.pdf
03_03 A produção cultural.pdf
Vítor Santos
 
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
Vítor Santos
 
03_01 a geografia cultural europeia.pdf
03_01 a geografia cultural europeia.pdf03_01 a geografia cultural europeia.pdf
03_01 a geografia cultural europeia.pdf
Vítor Santos
 
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
Vítor Santos
 
02_02_o espaço português.pdf
02_02_o espaço português.pdf02_02_o espaço português.pdf
02_02_o espaço português.pdf
Vítor Santos
 
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
Vítor Santos
 
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf
Vítor Santos
 
01_02_o_modelo_romano.pdf
01_02_o_modelo_romano.pdf01_02_o_modelo_romano.pdf
01_02_o_modelo_romano.pdf
Vítor Santos
 
01_01_o_modelo_ateniense.pdf
01_01_o_modelo_ateniense.pdf01_01_o_modelo_ateniense.pdf
01_01_o_modelo_ateniense.pdf
Vítor Santos
 
0_história_A.pdf
0_história_A.pdf0_história_A.pdf
0_história_A.pdf
Vítor Santos
 

Mais de Vítor Santos (20)

5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf
5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf
5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf
 
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
 
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
 
10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf
10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf
10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf
 
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
 
9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf
9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf
9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf
 
9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf
9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf
9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf
 
9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf
9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf
9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf
 
03_05 As novas representações da humanidade.pdf
03_05 As novas representações da humanidade.pdf03_05 As novas representações da humanidade.pdf
03_05 As novas representações da humanidade.pdf
 
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
 
03_03 A produção cultural.pdf
03_03 A produção cultural.pdf03_03 A produção cultural.pdf
03_03 A produção cultural.pdf
 
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
 
03_01 a geografia cultural europeia.pdf
03_01 a geografia cultural europeia.pdf03_01 a geografia cultural europeia.pdf
03_01 a geografia cultural europeia.pdf
 
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
 
02_02_o espaço português.pdf
02_02_o espaço português.pdf02_02_o espaço português.pdf
02_02_o espaço português.pdf
 
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
 
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf
 
01_02_o_modelo_romano.pdf
01_02_o_modelo_romano.pdf01_02_o_modelo_romano.pdf
01_02_o_modelo_romano.pdf
 
01_01_o_modelo_ateniense.pdf
01_01_o_modelo_ateniense.pdf01_01_o_modelo_ateniense.pdf
01_01_o_modelo_ateniense.pdf
 
0_história_A.pdf
0_história_A.pdf0_história_A.pdf
0_história_A.pdf
 

Último

347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
apresentação sobre Clarice Lispector .pptx
apresentação sobre Clarice Lispector .pptxapresentação sobre Clarice Lispector .pptx
apresentação sobre Clarice Lispector .pptx
JuliaMachado73
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
1000a
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
Mary Alvarenga
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
Giovana Gomes da Silva
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
ReinaldoSouza57
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
AdrianoMontagna1
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
edivirgesribeiro1
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
DanielCastro80471
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 

Último (20)

347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
apresentação sobre Clarice Lispector .pptx
apresentação sobre Clarice Lispector .pptxapresentação sobre Clarice Lispector .pptx
apresentação sobre Clarice Lispector .pptx
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 

Unidade 4 um século de mudanças século xviii

  • 1. Um século de mudanças século XVIII http://divulgacaohistoria.wordpress.com/ 8º ano - Unidade 4
  • 2. Um século de mudanças - século XVIII 2 15 – Conhecer e compreender os vetores fundamentais do Iluminismo 1. Relacionar as ideias iluministas com a crença na razão potenciada pelo pensamento científico do século XVII. 2. Identificar os princípios norteadores do Iluminismo e os seus principais representantes. 3. Identificar os meios de difusão das ideias iluministas e os estratos sociais que mais cedo a elas aderiram. 4. Analisar as propostas do Iluminismo para um novo regime político e social baseado na separação dos poderes, na soberania da nação e no contrato social, na tolerância religiosa, na liberdade de pensamento, na igualdade à nascença e perante a lei. 5. Reconhecer a aceitação por parte de alguns dos iluministas da existência de monarcas absolutos, mas cuja governação seria feita em nome da razão e apoiada pelos filósofos (despotismo esclarecido). 6. Reconhecer a influência das propostas iluministas nas democracias atuais.
  • 3. Um século de mudanças - século XVIII 3 16 – Conhecer e compreender a realidade portuguesa na segunda metade do século XVIII. 1. Caracterizar os aspetos fundamentais da governação do Marquês de Pombal, no âmbito económico. 2. Relacionar essas medidas com a situação económica vivida em Portugal na segunda metade do século XVIII. 3. Analisar a influência das ideias iluministas na governação do Marquês de Pombal, salientando a submissão de certos grupos privilegiados, o reforço do aparelho de Estado e a laicização e modernização do ensino. 4. Integrar o projeto urbanístico de Lisboa, após o terramoto de 1755, no contexto da governação pombalina.
  • 4. Um século de mudanças - século XVIII 4 A Filosofia das Luzes. O Iluminismo No século XVIII desenvolve-se a crença no valor da razão humana como motor do progresso, primeiro aplicada às ciências e logo nas reflexões sobre o desenvolvimento das sociedades humanas;
  • 5. Um século de mudanças - século XVIII 5 O uso da Razão conduziria ao aperfeiçoamento moral do Homem, das relações sociais e das formas do poder político, promovendo a igualdade e a justiça; A Razão seria a luz que guiaria a Humanidade; Era a saídas das trevas, o século XVIII, por isso ficou conhecido por século das Luzes; Luzes ou Humanismo designa o conjunto das novas ideias que marcaram a época;
  • 6. Um século de mudanças - século XVIII 6 Iluminismo – corrente filosófica que se desenvolveu na Europa durante o século XVIII e que se caracterizou pela crítica à autoridade política e religiosa, pela afirmação da liberdade e pela confiança na Razão e na ciência como meios de atingir a felicidade humana;
  • 7. Um século de mudanças - século XVIII 7 Emanuel Kant exalta o poder da razão; Voltaire defendeu a tolerância religiosa; D’Alambert e Diderot publicam a primeira enciclopédia;
  • 8. Um século de mudanças - século XVIII 8 D’Alembert e Diderot publicaram a primeira Enciclopédia (1751); A Enciclopédia pretendia ser um sumário de todo o conhecimento humano; Apesar de vários percalços e perseguições o último volume da Enciclopédia foi publicado em 1780; Contribuiu para os avanços da ciência e da técnica e para a difusão das ideias iluministas.
  • 9. Um século de mudanças - século XVIII 9 Na segunda metade do século XVIII, alguns monarcas absolutos europeus levaram a cabo reformas para aplicar estas ideias iluministas, para promoverem o desenvolvimento económico e cultural dos seus países. São os déspotas iluminados ou déspotas esclarecidos; É o caso de D. José I, em Portugal; No entanto, os déspotas iluminados, não satisfazem totalmente os ideais iluministas;
  • 10. Um século de mudanças - século XVIII 10 O movimento iluminista era dinamizado pela burguesia; A burguesia queria mudanças, tinha dinheiro e cultura mas não tinham o poder político; Muitos burgueses ambicionavam governar os seus países; Montesquieu (1689-1755) formula a teoria da divisão dos poderes: poder legislativo (formular leis); poder executivo (executar essas leis) e poder judicial (julgar quem desrespeita as leis); Segundo Montesquieu só a separação destes poderes garantia a liberdade dos cidadãos; Esta ideia foi adotada em quase todas as constituições saídas das revoluções liberais;
  • 11. Um século de mudanças - século XVIII 11 Jean-Jacques Rousseau (1712-1778), defende a liberdade e a igualdade de direitos de todos os cidadãos; No seu livro “O Contrato Social” defende a ideia que a soberania (o poder de dirigir a sociedade) está no povo que delega esse poder nos governantes; São estas as bases do liberalismo político;
  • 12. Um século de mudanças - século XVIII 12 A difusão do pensamento das luzes Os iluministas defendiam ideais que eram opostos à sociedade em que viviam, as suas críticas à sociedade, ao absolutismo, à Igreja suscitaram, nos setores mais retrógradas da sociedade críticas e perseguições; Muitos iluministas foram perseguidos, exilados e presos; As ideias iluministas tornaram o centro da discussão intelectual da época, eram discutidas em salões aristocráticos, cafés, clubes privados, etc.; Influenciaram as Academias e tiveram eco na imprensa;
  • 13. Um século de mudanças - século XVIII 13 Portugal, na segunda metade do século XVIII, era um país onde as ideias iluministas ainda não tinham chegado; A Inquisição perseguia todos aqueles que defendiam as novas ideias; O ensino continuava dominado pela Companhia de Jesus que recusava integrar as novas ideias, o ensino experimental e descobertas cientificas nas escolas;
  • 14. Um século de mudanças - século XVIII 14 Os estrangeirados A filosofia iluminista colocava o ensino no centro da política pois considerava a ignorância como o grande travão da evolução dos povos; Os estrangeirados foram os grandes divulgadores das ideias iluministas em Portugal; Estas, conscientes do atraso do país, publicam vários livros e outras publicações que influenciaram as decisões políticas; Os estrangeirados eram portugueses que tendo vivido no estrangeiro tomaram contacto com o progresso e pretendiam implementá-lo em Portugal;
  • 15. Um século de mudanças - século XVIII 15 Principais estrangeirados e a sua obra: Martinho Mendonça, “Apontamentos para a Educação de um Menino Nobre” (1734); Ribeiro Sanches, “Cartas sobre a Educação da Mocidade” (1759); Luís António Verney, “O Verdadeiro Método de Estudar” (1746);
  • 16. Um século de mudanças - século XVIII 16 O Marquês de Pombal iniciou um vasto programa de reestruturação do ensino; A expulsão da Ordem de Jesus, que se dedicava ao ensino, tinha criado um vazio em muitas escolas do país; Foram criados quase 500 postos para “mestres de escrever e ler”, para promover o ensino das primeiras letras, aquilo que hoje chamamos o ensino básico; Foram fomentados os estudos para alunos que queriam ingressar na Universidade para as disciplinas de Latim, Grego, Retórica, Filosofia, etc., cerca de 360, o equivalente ao atual ensino secundário;
  • 17. Um século de mudanças - século XVIII 17 A Universidade de Évora, dirigida pelos jesuítas foi encerrada; A Universidade de Coimbra estava dominada por um ensino muito antiquado e tradicional; Em 1768 é criada a Junta da Previdência Literária para estudar a reforma da Universidade; Em 1772, a Universidade de Coimbra passa a ter novos estatutos; Estes vão no sentido de criar uma universidade moderna e com métodos de ensino baseados no experiencialismo e racionalismo;
  • 18. Um século de mudanças - século XVIII 18 São criadas novas faculdades e os cursos tradicionais são reformados; Pombal criou um imposto, Subsídio Literário, para subsidiar as reformas no ensino (1772); Pombal fundou a Aula do Comércio (1759) para preparar os comerciantes para a sua atividade;
  • 19. Um século de mudanças - século XVIII 19 A reforma pombalina do ensino insere-se na ideia, do estado absoluto, de submeter, através da educação, os grupos privilegiados e instruir a nova burguesia, sem qualquer atenção à educação do povo; Abolida a Inquisição foram criados outros órgãos incumbidos da repressão e da censura de todos aqueles que se opunham ao estado absoluto;
  • 20. Um século de mudanças - século XVIII 20 O Marquês de Pombal O rei D. José I (1714-1777, rei desde 1750), nomeou ministro Sebastião José de Carvalho e Melo (1699-1782) que mais tarde será nomeado Marquês de Pombal;
  • 21. Um século de mudanças - século XVIII 21 Em 1755, Lisboa foi quase completamente destruída por um terramoto, nessa altura destacou-se a personalidade do Marquês de Pombal que tomou medidas para socorrer as vítimas e iniciar a reconstrução da cidade; Depois desse episódio, o rei deu-lhe plenos poderes;
  • 22. Um século de mudanças - século XVIII 22 O Marquês de Pombal era um defensor do despotismo iluminado; O despotismo iluminado era uma teoria política que afirmava que o monarca poderia exercer o poder absoluto mas orientado (esclarecido) pela razão e tendo em conta o bem e os interesses do povo; Baixa pombalina
  • 23. Um século de mudanças - século XVIII 23 Os principais objetivos do Marquês eram a modernização do país e o fortalecimento dos poderes do Estado; Esta política teve a oposição da Alta Nobreza e de alguns setores de Igreja, nomeadamente a Companhia de Jesus; Em 1758, após um atentado contra D. José I, o Marquês de Pombal perseguiu várias famílias nobres, nomeadamente os Távoras, que foram executados; A Companhia de Jesus foi expulsa de Portugal;
  • 24. Um século de mudanças - século XVIII 24 O Marquês procurou garantir a subordinação de todos os súbditos ao poder do rei; Protegeu a burguesia e a nobreza que permaneceu fiel ao rei; Criou organismos para auxiliarem a governação do país: Erário Régio (finanças públicas), Junta do Comércio (atividades económicas), Real Mesa Censória (censurar as publicações); Fundou o Colégio dos Nobres (formar os jovens da nobreza para servir o Estado); Limitou o poder da Inquisição;
  • 25. Um século de mudanças - século XVIII 25 No plano económico, o Marquês, aplicou medidas mercantilistas; Criou grandes companhias monopolistas: Para o comércio com o Brasil: (Companhia do Grão- Pará e Maranhão e Companhia de Pernambuco e Paraíba); Para controlar o comércio do vinho do Porto: Companhia das Vinhas do Alto Douro;
  • 26. Um século de mudanças - século XVIII 26 A quebra da produção do ouro, após 1763, levou o Marquês a iniciar um programa de industrialização do país; Concedeu monopólios, privilégios (isenção de impostos) e subsídios; Foram criadas várias indústrias: Real Fábrica das Sedas, Real Fábrica de Vidros, na Marinha Grande, favoreceu a criação de manufaturas de têxteis, porcelana, papel, etc.;
  • 27. Um século de mudanças - século XVIII 27 Esta política económica conduziu à promoção social e económica da burguesia; Limitou o poder da Inquisição; Acabou com a perseguição aos cristãos-novos; Fomentou o desenvolvimento de uma classe burguesa ativa e próspera; Cristão-novo ou converso era a designação dada aos judeus e muçulmanos convertidos ao catolicismo, em contraposição aos cristãos-velhos.
  • 28. Um século de mudanças - século XVIII 28 A cidade de Lisboa foi reedificada segundo um projeto arquitetónico moderno, criando aquilo que hoje se chama a baixa pombalina;
  • 29. Um século de mudanças - século XVIII 29 Foram criadas ruas largas e retilíneas, uma praça monumental, Praça do Comércio;
  • 30. Um século de mudanças - século XVIII 30 Os blocos de prédios eram idênticos, de linhas simples e de construção robusta; Esta construção urbanística é uma afirmação do despotismo iluminado.
  • 31. Um século de mudanças - século XVIII 31
  • 32. Um século de mudanças - século XVIII 32 Bibliografia: Apresentação construída com base nos livros Diniz, Maria Emília, Tavares, Adérito, Caldeira, Arlindo M., História 8, Raiz Editora, 2012 Neto, Helena e outros, História 8, Santillana,2014