SlideShare uma empresa Scribd logo
Mundo industrializado e países
de difícil industrialização
http://divulgacaohistoria.wordpress.com/
8º ano – Unidade 7
As revoluções liberais 2
22 – Conhecer e compreender a consolidação dos processos de industrialização.
1. Identificar as principais características da segunda fase da industrialização (“Idade do
caminho-de-ferro”), salientando a hegemonia inglesa e o crucial desenvolvimento dos
transportes.
2. Relacionar a revolução dos transportes (terrestres e marítimos) com o crescimento dos
mercados nacionais e a aceleração das trocas.
3. Identificar as principais características da terceira fase da industrialização (“Idade da
eletricidade e petróleo”).
4. Identificar a expansão de processos de industrialização no espaços europeus e
extraeuropeus, salientando e emergência de potências como a Alemanha, os E.U.A ou o
Japão.
5. Sublinhar a dependência das empresas em relação ao capital financeiro, relacionando a
com o desenvolvimento deste sector (capitalismo financeiro).
6. Caracterizar os princípios fundamentais do liberalismo económico relacionando-o com o
crescimento económico verificado no século XIX.
7. Reconhecer a existência de crises cíclicas de superprodução no seio da economia
capitalista, especialmente na segunda metade do século XIX.
8. Reconhecer como o aumento das diferenças nos níveis de desenvolvimento entre países
ou regiões facilitou e potenciou o reforço das situações de dominação económica, cultural
e/ou político-militar.
9. Sublinhar que as colónias e os protetorados dos países industrializados se foram
transformando em fornecedores de matérias-primas e consumidores de bens e serviços de
elevado valor acrescentado oriundos das metrópoles.
As revoluções liberais 3
23 – Conhecer e compreender os principais aspetos da
cultura do século XIX
1. Relacionar a industrialização com o reforço do prestígio e
da capacidade de intervenção da ciência e da tecnologia e do
seu impacto no quotidiano das populações.
2. Demonstrar o triunfo do “cientismo” no século XIX.
3. Caracterizar a “arquitetura do ferro” como expressão
estética funcional de sociedades industrializadas e
urbanizadas.
4. Indicar as principais características do impressionismo.
5. Indicar as principais características do romantismo.
6. Apontar as principais características do realismo,
relacionando este movimento estético com a afirmação das
classes médias, com a crítica das condições de trabalho e de
vida das classes populares.
As revoluções liberais 4
24 – Conhecer e compreender os sucessos e bloqueios
do processo português de industrialização.
1. Enumerar os momentos mais marcantes da conflitualidade
político-militar, no seio do liberalismo português, verificada
de 1834 a 1850/1851.
2. Referir os obstáculos à modernização portuguesa na
primeira metade do século XIX.
3. Relacionar a estabilidade política obtida em meados do
século XIX com as tentativas de modernização económica
durante a Regeneração.
4. Relacionar as prioridades do Fontismo com o aumento da
dívida pública e com a dependência financeira face ao
estrangeiro.
5. Avaliar os resultados da Regeneração ao nível económico,
demográfico e social.
H1 A industrialização da Europa 5
A Revolução dos transportes
Em 1814, Stephenson construiu uma locomotiva a vapor, em
1821 foi inaugurada a primeira linha férrea (Liverpool-
Manchester);
H1 A industrialização da Europa 6
Em pouco tempo tanto na Europa como nos EUA iniciou-se
uma fase de construção de vias férreas
H1 A industrialização da Europa 7
Os transportes marítimos desenvolvem-se: melhores e
maiores veleiro e aperfeiçoam-se os vapores;
Abrem-se os canais do Panamá e do Suez;
H1 A industrialização da Europa 8
Em consequência desta revolução dos transportes o “Mundo
torna-se mais pequeno”;
O Mundo claro não encolheu mas agora as viagens são mais
rápidas, baratas e confortáveis;
Pessoas e produtos viajam por todo o globo;
H1 A industrialização da Europa 9
A emigração aumenta bem como o comércio;
As regiões deixam de estar isoladas e desenvolvem-se os
mercados nacionais e internacionais;
O desenvolvimento dos mercados é um incentivo para o
desenvolvimento da produção industrial e agrícola;
H1 A industrialização da Europa 10
Desenvolvem-se as trocas intercontinentais, mundializa-
se a economia;
Os países industrializados vendem os seus produtos à
escala global;
Os mercados coloniais (africanos e asiáticos) são
intensamente explorados;
A Grã-Bretanha domina o comércio mundial;
H1 A industrialização da Europa 11
Na segunda metade do século XIX desencadeou-se uma
vaga de inventos;
Na química surgem novos produtos como os adubos, a fibras
sintéticas, os corantes, a aspirina, etc.;
H1 A industrialização da Europa 12
No campos das novas energias surgem o telégrafo (Morse), o
telefone (Bell), a telefonia sem fios (Marconi e Hertz);
Edison inventou a lâmpada elétrica;
Inventou-se o gerador e o dínamo, constroem-se centrais
elétricas;
As cidades iluminam-se;
H1 A industrialização da Europa 13
Em 1859, na Pensilvânia (EUA) perfurou-se o primeiro
poço de petróleo;
Em 1886, Daimler inventa o motor de explosão que
funciona a gasolina;
Em 1897, Diesel, inventa um motor que funciona com óleo
pesado (diesel);
H1 A industrialização da Europa 14
Os irmãos Wright, em 1903, criam o primeiro avião, que
rapidamente vai desenvolver a indústria da aeronáutica e
revolucionar os transportes de longa distância;
H1 A industrialização da Europa 15
Novas fontes de energia: eletricidade e petróleo;
Novas máquinas: motor elétrico e motor de explosão;
Desencadeiam um vertiginoso aumento da produção: a
produção em massa;
Surgem novos produtos e novas máquinas;
Na segunda metade do século XIX dá-se a segunda
revolução industrial;
O século XIX foi de expansão da Revolução Industrial;
Esta revolução começou em ;
Ao longo do século foi estendendo-se a vários países da
Europa e do Mundo;
Inglaterra
H1 A industrialização da Europa 16
Devido ao seu avanço tecnológico a Inglaterra manteve o
primeiro lugar dos países industrializados,
Durante o século XIX, a indústria têxtil foi ultrapassada pela
metalurgia (produção de ferro);
A Grã-Bretanha desenvolveu a construção de vias férreas;
A Inglaterra fabricava e exportava para todo o Mundo
H1 A industrialização da Europa 17
H1 A industrialização da Europa 18
O arranque industrial noutros países europeus só se iniciou
depois de 1830;
A Bélgica (rica em minérios) foi um dos primeiros países a
industrializar-se;
A França iniciou a industrialização após 1840;
A Alemanha arrancou em 1860, em apenas 20 anos tornou-
se na grande rival da Inglaterra graças ao desenvolvimento
da indústria química e metalúrgica;
A Suécia iniciou por volta de 1870;
Os restantes países europeus só se industrializaram mais
tarde;
H1 A industrialização da Europa 19
Os países de fora da Europa, com exceção dos Estados
Unidos e do Japão não se industrializaram, apesar de muitos
serem ricos em matérias-primas;
A partir de 1840, os Estados Unidos entraram numa fase de
grande crescimento económico;
H1 A industrialização da Europa 20
Milhões de europeus emigraram para os EUA e as 13
colónias iniciais foram-se estendendo para Oeste;
O aumento da população e a abundância de matérias-primas
vão criar as condições para uma rápida industrialização;
Após a Guerra Civil (Guerra de Secessão) (1861-1865), em
1869, é inaugurada a primeira linha férrea transcontinental;
H1 A industrialização da Europa 21
No início do século XX, os Estados Unidos, tornaram na
primeira potência industrial, ultrapassando a Inglaterra;
H1 A industrialização da Europa 22
O Japão: do feudalismo à era industrial
O Japão era um país feudal e fechado ao estrangeiro;
Em 1854, os EUA, obrigaram pela força, o Japão a abrir os
seus portos ao comércio estrangeiro;
H1 A industrialização da Europa 23
Em 1967, inicia-se a “Era Meiji”, lançada pelo próprio
imperador Mutsu-Hito para modernizar o Japão;
H1 A industrialização da Europa 24
O regime feudal foi abolido;
Os daimios (samurais)perderam poder;
Foi promulgada uma Constituição e eleito um parlamento;
O governo japonês promoveu e ajudou a contratação de
técnicos estrangeiros e a construção de fábricas;
H1 A industrialização da Europa 25
Apesar da falta de matérias-primas no seu território o Japão
industrializou-se rapidamente graças à sua disciplina;
A nobreza (samurais) passou a investir na indústria;
No início dos século XX, o Japão já era um dos países mais
industrializados do Mundo;
H1 A industrialização da Europa 26
A vida quotidiana alterou-se profundamente;
Surgem o automóvel, o elevador, o frigorífico, a máquina de
escrever, a máquina de costura, o gramofone, o
cinematógrafo, etc.;
As máquinas e os aparelhos elétricos invadiram o dia a dia
das pessoas revolucionando a vida das pessoas em casa, no
trabalho e nas viagens;
No início do século XX surgem novos hábitos;
H1 A industrialização da Europa 27
O liberalismo económico foi uma teoria proposta por Adam
Smith (1723-1790);
Defende que a riqueza dos países depende da liberdade
individual (iniciativa privada);
A economia deve privilegiar a livre concorrência e livre
produção e circulação de produtos;
O Estado (governo) não deve intervir na economia;
Estas ideias permitiram um grande desenvolvimento
económico embora tivessem provocado profundos
desequilíbrios sociais;
H1 A industrialização da Europa 28
Desenvolvem-se grandes empresas industriais e
económicas;
Muitas delas são sociedades por ações, as sociedades
anónimas;
H1 A industrialização da Europa 29
Desenvolve-se o capital financeiro (Bancos e Bolsa de
Valores);
Os bancos acumulam dinheiro depositado pelas pessoas;
Os industriais e até os próprios estados pedem dinheiro
emprestado;
O capitalismo financeiro controla a economia e o próprio
estado;
H1 A industrialização da Europa 30
O desenvolvimento do capitalismo provocou crises
económicas de uma novo tipo: crises de superprodução;
A perspetival de lucro provocava a vontade de produzir cada
vez mais;
Num determinado momento já não existe pessoas suficientes
para comprarem tantos produtos;
As empresas não vendem, têm prejuízos e despedem
trabalhadores e muitas vezes abrem falência;
O aumento do número de desempregados provocava uma
baixa ainda maior no consumo;
No entanto após algum tempo a economia voltava a crescer;
Os novos modelos culturais 31
No século XIX a ciência conheceu um grande avanço;
A indústria apoia a investigação procurando desenvolver
novos produtos e meios de produção mais eficazes;
Os novos modelos culturais 32
Principais inventos e inventores do
século XIX:
Edison – lâmpada elétrica e gramofone;
Pierre e Marie Curie – radioatividade;
Pasteur – vacina contra a raiva;
Charles Darwin – publica “A origem das
espécies”;
A química foi a ciência do século;
Os novos modelos culturais 33
Para além das Ciências da Natureza desenvolvem-se as
ciências humanas que estudam o comportamento humano,
como a História, Filosofia, Sociologia, Psicologia, etc.;
Os novos modelos culturais 34
A aliança entre a ciência e a técnica produziu um progresso
notável;
Desenvolve-se o cientismo que considera que a ciência é o
único conhecimento válido que acabaria por descobrir todas
as leis da natureza e resolver todos os problemas da
Humanidade;
O Estado passa a considerar a educação como um dever;
O ensino primário torna-se obrigatório;
Era necessário preparar a juventude para o trabalho e para
exercer o direito de voto;
Os novos modelos culturais 35
O século XIX foi uma época de grandes inovações culturais e
artísticas;
O primeiro movimento foi o Romantismo que exaltou as
emoções e a luta pela liberdade;
Os novos modelos culturais 36
Em meados do século surgiu o Realismo que tinha como
objetivo criticar a sociedade;
Em Portugal, Eça de Queirós foi um dos grandes expoentes
desse movimento;
Os novos modelos culturais 37
A partir de 1860 surge uma nova
técnica de pintura, o Impressionismo,
que rejeita as regras tradicionais de
pintura;
A linha de contorno é eliminada e
pintam com pequenas pinceladas de
cores puras, justapostas;
Os novos modelos culturais 38
Principais pintores do impressionismo:
Monet, Renoir, Degas.
Os novos modelos culturais 39
No final do século surgiram pintores como Van Gogh, Cézanne
e Gauguin que vão abrir novos caminhos para a pintura;
Os novos modelos culturais 40
Ao nível da arquitetura desenvolve-se a arquitetura do ferro e
do vidro;
Os novos modelos culturais 41
Os países do sul e do leste da
Europa tiveram uma
industrialização difícil.
As estruturas económicas e
sociais do Antigo Regime
mantinham-se;
Ainda contribuiu para o atraso
português as invasões francesas,
a independência do Brasil e a
guerra civil entre liberais e
absolutistas;
H2 O caso português 42
H2 O caso português 43
Em meados do século XIX, Portugal era um país atrasado
com uma agricultura típica do Antigo Regime, pouco
produtiva;
Com exceção de alguns investimentos na produção vinícola
os progressos;
Não existia um mercado interno para estimular a produção;
H2 O caso português 44
Um dos fatores que impedia a evolução económica foi a
instabilidade política:
Guerra civil entre absolutistas e liberais (1832-1834);
Revolução vintista em setembro de 1836 (setembrismo).
Governo liderado por Passos Manuel tenta realizar algumas
reformas económicas;
Instauração de um governo autoritário em 1842 por Costa
Cabral (cabralismo);
H2 O caso português 45
Em 1846 desencadeia-se a
revolta popular da Maria da
Fonte;
Nova revolta popular em
1846, a Patuleia;
Em 1851, um movimento
liderado pelo marechal
duque de Saldanha,
propõe-se recuperar o
atraso português, ficou
conhecido pelo nome de
Regeneração;
H2 O caso português 46
A Regeneração instaurou a estabilidade política;
Na segunda metade do século XIX instalou-se um rotativismo
partidário entre os partidos Regenerador e Histórica, que iam
ocupando o poder através de eleições;
Fontes Pereira de Melo deu início a uma política de
desenvolvimento dos transportes (fontismo);
H2 O caso português 47
Iniciou-se a construção de vias férreas;
Em 1856 foi inaugurada a primeira linha e em 1890 já
existiam cerca de 2000 km de linhas férreas;
Construíram-se estradas e pontes;
Surge o selo postal (1853), o telégrafo (1857) e o telefone
(1882);
Esta política melhorou a circulação de pessoas e produtos;
Muitos destes investimentos eram estrangeiros;
H2 O caso português 48
Esta política de desenvolvimento levou à dependência
económica face ao estrangeiro;
As obras públicas foram realizadas com recurso a
empréstimos contraídos no estrangeiro;
Esta dívida externa foi aumentando;
Para agar os juros foram contraindo novos empréstimos;
Criou-se um ciclo vicioso que irá endividar cada vez mais o
estado português;
H2 O caso português 49
Apesar deste investimento nos transportes a industrialização
do país prosseguia muito lentamente;
Faltava mão-de-obra qualificada e mercado interno;
Nos finais do século XIX desenvolveram-se algumas
unidades industriais, sobretudo em Lisboa e no Porto;
H2 O caso português 50
A vitória dos liberais em 1834 levou ao poder a burguesia
liberal;
Muitos burgueses adquiriram grandes propriedades agrícolas
que tinham sido confiscadas pelo estado em 1834;
Outros ocupavam cargos políticos e administrativos;
Durante a Regeneração a alta burguesia investiu em bancos
e nas companhias que financiavam as obras públicas;
H2 O caso português 51
Poucos investiram na industrialização do país;
A classe média portuguesa era pouco significativa;
Só no final do século XIX começou a surgir uma pequena e
média burguesia urbana (comerciantes, professores, médicos,
funcionários públicos)
H2 O caso português 52
A população rural beneficiou pouco com o liberalismo;
Muitos pequenos proprietários foram à falência e tiveram de
vender as suas terras;
Muitos, sobretudo no Norte do país, viram-se forçados a
emigrar;
Durante a segunda metade do século XIX emigraram
centenas de milhares de portugueses;
O Brasil é o destino da maioria;
Alguns, enriqueciam e regressavam a Portugal, eram
chamados “os brasileiros”;
H2 O caso português 53
Nas cidades industrializadas, sobretudo em Lisboa e no porto,
surge uma nova classe social, os operários ou proletários;
Para estes a vida era difícil, horários de trabalho de mais de
12 horas diárias, trabalho infantil, direitos quase inexistentes;
H2 O caso português 54
Os operários começaram a lutar pelos seus direitos;
Associaram-se em sindicatos;
Em 1872 deu-se o primeiro surto de greves, pelo aumento do
salário e a diminuição do horário de trabalho;
Difundem-se as ideias socialistas;
As revoluções liberais 55
Bibliografia:
Apresentação construída com base nos livros
Diniz, Maria Emília, Tavares, Adérito, Caldeira, Arlindo M.,
História 8, Raiz Editora, 2012
Neto, Helena e outros, História 8, Santillana,2014

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

6 01 as transformações economicas na europa e no mundo_alunos
6 01 as transformações economicas na europa e no mundo_alunos6 01 as transformações economicas na europa e no mundo_alunos
6 01 as transformações economicas na europa e no mundo_alunos
Vítor Santos
 
6 04 portugal uma sociedade capitalista dependente
6 04 portugal uma sociedade capitalista dependente6 04 portugal uma sociedade capitalista dependente
6 04 portugal uma sociedade capitalista dependente
Vítor Santos
 
Portugal na Europa do Antigo Regime
Portugal na Europa do Antigo RegimePortugal na Europa do Antigo Regime
Portugal na Europa do Antigo Regime
Carlos Pinheiro
 
25_de_abril.pptx
25_de_abril.pptx25_de_abril.pptx
25_de_abril.pptx
Pedro Silva
 
11. revolução francesa
11. revolução francesa11. revolução francesa
11. revolução francesa
José Augusto Fiorin
 
áSia pacifico
áSia   pacificoáSia   pacifico
áSia pacifico
Ana Cristina F
 
11 ha m6 u1
11 ha m6 u111 ha m6 u1
11 ha m6 u1
Carla Freitas
 
China de Mao Tsé-Tung
China de Mao Tsé-TungChina de Mao Tsé-Tung
China de Mao Tsé-Tung
home
 
11 ha m5 u4
11 ha m5 u411 ha m5 u4
11 ha m5 u4
Carla Freitas
 
Ascensão da europa de noroeste: os Países Baixos e a Inglaterra no século XVII
Ascensão da europa de noroeste: os Países Baixos e a Inglaterra no século XVIIAscensão da europa de noroeste: os Países Baixos e a Inglaterra no século XVII
Ascensão da europa de noroeste: os Países Baixos e a Inglaterra no século XVII
Rainha Maga
 
7.1.3 a regressão do demoliberalismo
7.1.3 a regressão do demoliberalismo7.1.3 a regressão do demoliberalismo
7.1.3 a regressão do demoliberalismo
Maria Cristina Ribeiro
 
Colonialismo e imperialismo
Colonialismo e imperialismoColonialismo e imperialismo
Colonialismo e imperialismo
Maria Gomes
 
Segunda revolução industrial
Segunda revolução industrialSegunda revolução industrial
Segunda revolução industrial
Maria Gomes
 
6 01 as transformacoes economicas na europa e no mundo
6 01 as transformacoes economicas na europa e no mundo6 01 as transformacoes economicas na europa e no mundo
6 01 as transformacoes economicas na europa e no mundo
Vítor Santos
 
Absolutismo
AbsolutismoAbsolutismo
Absolutismo
Carlos Vieira
 
As consequências da 1ª guerra mundial
As consequências da 1ª guerra mundialAs consequências da 1ª guerra mundial
As consequências da 1ª guerra mundial
Susana Simões
 
O mundo comunista desenvolvimento e ruturas
O mundo comunista   desenvolvimento e ruturasO mundo comunista   desenvolvimento e ruturas
O mundo comunista desenvolvimento e ruturas
Ana Barreiros
 
Política económica - século XVIII
Política económica - século XVIIIPolítica económica - século XVIII
Política económica - século XVIII
Maria Gomes
 
11 ha m4 u3 2
11 ha m4 u3 211 ha m4 u3 2
11 ha m4 u3 2
Carla Freitas
 
Descolonização
DescolonizaçãoDescolonização
Descolonização
Maria Gomes
 

Mais procurados (20)

6 01 as transformações economicas na europa e no mundo_alunos
6 01 as transformações economicas na europa e no mundo_alunos6 01 as transformações economicas na europa e no mundo_alunos
6 01 as transformações economicas na europa e no mundo_alunos
 
6 04 portugal uma sociedade capitalista dependente
6 04 portugal uma sociedade capitalista dependente6 04 portugal uma sociedade capitalista dependente
6 04 portugal uma sociedade capitalista dependente
 
Portugal na Europa do Antigo Regime
Portugal na Europa do Antigo RegimePortugal na Europa do Antigo Regime
Portugal na Europa do Antigo Regime
 
25_de_abril.pptx
25_de_abril.pptx25_de_abril.pptx
25_de_abril.pptx
 
11. revolução francesa
11. revolução francesa11. revolução francesa
11. revolução francesa
 
áSia pacifico
áSia   pacificoáSia   pacifico
áSia pacifico
 
11 ha m6 u1
11 ha m6 u111 ha m6 u1
11 ha m6 u1
 
China de Mao Tsé-Tung
China de Mao Tsé-TungChina de Mao Tsé-Tung
China de Mao Tsé-Tung
 
11 ha m5 u4
11 ha m5 u411 ha m5 u4
11 ha m5 u4
 
Ascensão da europa de noroeste: os Países Baixos e a Inglaterra no século XVII
Ascensão da europa de noroeste: os Países Baixos e a Inglaterra no século XVIIAscensão da europa de noroeste: os Países Baixos e a Inglaterra no século XVII
Ascensão da europa de noroeste: os Países Baixos e a Inglaterra no século XVII
 
7.1.3 a regressão do demoliberalismo
7.1.3 a regressão do demoliberalismo7.1.3 a regressão do demoliberalismo
7.1.3 a regressão do demoliberalismo
 
Colonialismo e imperialismo
Colonialismo e imperialismoColonialismo e imperialismo
Colonialismo e imperialismo
 
Segunda revolução industrial
Segunda revolução industrialSegunda revolução industrial
Segunda revolução industrial
 
6 01 as transformacoes economicas na europa e no mundo
6 01 as transformacoes economicas na europa e no mundo6 01 as transformacoes economicas na europa e no mundo
6 01 as transformacoes economicas na europa e no mundo
 
Absolutismo
AbsolutismoAbsolutismo
Absolutismo
 
As consequências da 1ª guerra mundial
As consequências da 1ª guerra mundialAs consequências da 1ª guerra mundial
As consequências da 1ª guerra mundial
 
O mundo comunista desenvolvimento e ruturas
O mundo comunista   desenvolvimento e ruturasO mundo comunista   desenvolvimento e ruturas
O mundo comunista desenvolvimento e ruturas
 
Política económica - século XVIII
Política económica - século XVIIIPolítica económica - século XVIII
Política económica - século XVIII
 
11 ha m4 u3 2
11 ha m4 u3 211 ha m4 u3 2
11 ha m4 u3 2
 
Descolonização
DescolonizaçãoDescolonização
Descolonização
 

Destaque

Unidade 1 o expansionismo europeu
Unidade 1 o expansionismo europeuUnidade 1 o expansionismo europeu
Unidade 1 o expansionismo europeu
Vítor Santos
 
Unidade 4 um século de mudanças século xviii
Unidade 4 um século de mudanças século xviiiUnidade 4 um século de mudanças século xviii
Unidade 4 um século de mudanças século xviii
Vítor Santos
 
Unidade 8 burgueses proletários classes medias e camponeses
Unidade 8 burgueses proletários classes medias e camponesesUnidade 8 burgueses proletários classes medias e camponeses
Unidade 8 burgueses proletários classes medias e camponeses
Vítor Santos
 
Unidade 5 da_revolução_agrivcola_à_revolução_industrial
Unidade 5 da_revolução_agrivcola_à_revolução_industrialUnidade 5 da_revolução_agrivcola_à_revolução_industrial
Unidade 5 da_revolução_agrivcola_à_revolução_industrial
Vítor Santos
 
Unidade 6 revoluções e estados_liberais_e_conservadores
Unidade 6 revoluções e estados_liberais_e_conservadoresUnidade 6 revoluções e estados_liberais_e_conservadores
Unidade 6 revoluções e estados_liberais_e_conservadores
Vítor Santos
 
Unidade 3 o_antigo_regime_europeu
Unidade 3 o_antigo_regime_europeuUnidade 3 o_antigo_regime_europeu
Unidade 3 o_antigo_regime_europeu
Vítor Santos
 
E2 renascimento e reforma blogue
E2 renascimento e reforma blogueE2 renascimento e reforma blogue
E2 renascimento e reforma blogue
Vítor Santos
 
O triunfo do cientismo
O triunfo do cientismoO triunfo do cientismo
O triunfo do cientismo
maria40
 
Industrialização e Imperialismo
Industrialização e ImperialismoIndustrialização e Imperialismo
Industrialização e Imperialismo
eduardodemiranda
 
Imperialismo e industrialização - 9º Ano
Imperialismo e industrialização - 9º AnoImperialismo e industrialização - 9º Ano
Imperialismo e industrialização - 9º Ano
Italo Colares
 
D3 crises e revoluções no século xiv
D3 crises e revoluções no século xivD3 crises e revoluções no século xiv
D3 crises e revoluções no século xiv
Vítor Santos
 
Imperialismo e colonialismos
Imperialismo e colonialismosImperialismo e colonialismos
Imperialismo e colonialismos
danizinhaw
 
H3 os novos modelos culturais
H3 os novos modelos culturaisH3 os novos modelos culturais
H3 os novos modelos culturais
Vítor Santos
 
Unidade 2 renascimento e reforma alunos
Unidade 2 renascimento e reforma alunosUnidade 2 renascimento e reforma alunos
Unidade 2 renascimento e reforma alunos
Vítor Santos
 
C3 cristãos e muçulmanos na península
C3 cristãos e muçulmanos na penínsulaC3 cristãos e muçulmanos na península
C3 cristãos e muçulmanos na península
Vítor Santos
 
H2 o caso português
H2 o caso portuguêsH2 o caso português
H2 o caso português
Vítor Santos
 
C2 a sociedade europeia nos séculos ix a xii
C2 a sociedade europeia nos séculos ix a xiiC2 a sociedade europeia nos séculos ix a xii
C2 a sociedade europeia nos séculos ix a xii
Vítor Santos
 
História o expansionismo europeu
História o expansionismo europeuHistória o expansionismo europeu
História o expansionismo europeu
Gabriela Vasconcelos
 
Europa crista secs_VI_a_IX
Europa crista secs_VI_a_IXEuropa crista secs_VI_a_IX
Europa crista secs_VI_a_IX
Teresa Maia
 
Luz
LuzLuz

Destaque (20)

Unidade 1 o expansionismo europeu
Unidade 1 o expansionismo europeuUnidade 1 o expansionismo europeu
Unidade 1 o expansionismo europeu
 
Unidade 4 um século de mudanças século xviii
Unidade 4 um século de mudanças século xviiiUnidade 4 um século de mudanças século xviii
Unidade 4 um século de mudanças século xviii
 
Unidade 8 burgueses proletários classes medias e camponeses
Unidade 8 burgueses proletários classes medias e camponesesUnidade 8 burgueses proletários classes medias e camponeses
Unidade 8 burgueses proletários classes medias e camponeses
 
Unidade 5 da_revolução_agrivcola_à_revolução_industrial
Unidade 5 da_revolução_agrivcola_à_revolução_industrialUnidade 5 da_revolução_agrivcola_à_revolução_industrial
Unidade 5 da_revolução_agrivcola_à_revolução_industrial
 
Unidade 6 revoluções e estados_liberais_e_conservadores
Unidade 6 revoluções e estados_liberais_e_conservadoresUnidade 6 revoluções e estados_liberais_e_conservadores
Unidade 6 revoluções e estados_liberais_e_conservadores
 
Unidade 3 o_antigo_regime_europeu
Unidade 3 o_antigo_regime_europeuUnidade 3 o_antigo_regime_europeu
Unidade 3 o_antigo_regime_europeu
 
E2 renascimento e reforma blogue
E2 renascimento e reforma blogueE2 renascimento e reforma blogue
E2 renascimento e reforma blogue
 
O triunfo do cientismo
O triunfo do cientismoO triunfo do cientismo
O triunfo do cientismo
 
Industrialização e Imperialismo
Industrialização e ImperialismoIndustrialização e Imperialismo
Industrialização e Imperialismo
 
Imperialismo e industrialização - 9º Ano
Imperialismo e industrialização - 9º AnoImperialismo e industrialização - 9º Ano
Imperialismo e industrialização - 9º Ano
 
D3 crises e revoluções no século xiv
D3 crises e revoluções no século xivD3 crises e revoluções no século xiv
D3 crises e revoluções no século xiv
 
Imperialismo e colonialismos
Imperialismo e colonialismosImperialismo e colonialismos
Imperialismo e colonialismos
 
H3 os novos modelos culturais
H3 os novos modelos culturaisH3 os novos modelos culturais
H3 os novos modelos culturais
 
Unidade 2 renascimento e reforma alunos
Unidade 2 renascimento e reforma alunosUnidade 2 renascimento e reforma alunos
Unidade 2 renascimento e reforma alunos
 
C3 cristãos e muçulmanos na península
C3 cristãos e muçulmanos na penínsulaC3 cristãos e muçulmanos na península
C3 cristãos e muçulmanos na península
 
H2 o caso português
H2 o caso portuguêsH2 o caso português
H2 o caso português
 
C2 a sociedade europeia nos séculos ix a xii
C2 a sociedade europeia nos séculos ix a xiiC2 a sociedade europeia nos séculos ix a xii
C2 a sociedade europeia nos séculos ix a xii
 
História o expansionismo europeu
História o expansionismo europeuHistória o expansionismo europeu
História o expansionismo europeu
 
Europa crista secs_VI_a_IX
Europa crista secs_VI_a_IXEuropa crista secs_VI_a_IX
Europa crista secs_VI_a_IX
 
Luz
LuzLuz
Luz
 

Semelhante a Unidade 7 mundo industrializado e países de dificil industrialização

revolução industrial
revolução industrialrevolução industrial
revolução industrial
Ana Batista
 
Tema h1 1ª parte
Tema h1   1ª parteTema h1   1ª parte
Tema h1 1ª parte
Maria Flora Sousa Douteiro
 
Indústria
IndústriaIndústria
Indústria
Beach
 
A Civilização Industrial no século XIX
A Civilização Industrial no século XIXA Civilização Industrial no século XIX
A Civilização Industrial no século XIX
Nuno Eusébio
 
Md ind
Md indMd ind
Md ind
cattonia
 
revolução agrícola
revolução agrícolarevolução agrícola
revolução agrícola
Ana Batista
 
RevoluçAo Industrial
RevoluçAo IndustrialRevoluçAo Industrial
RevoluçAo Industrial
Ana Batista
 
História 9ºano
História 9ºanoHistória 9ºano
História 9ºano
Fabiana Severiano
 
Revolução industrial 2016
Revolução industrial 2016Revolução industrial 2016
Seminário de historia 2ª Revolução industrial
Seminário de historia  2ª Revolução industrial Seminário de historia  2ª Revolução industrial
Seminário de historia 2ª Revolução industrial
Wendell Junior
 
A industrialização da europa, estados unidos e
A industrialização da europa, estados unidos eA industrialização da europa, estados unidos e
A industrialização da europa, estados unidos e
helenasoares
 
C30 slides
C30 slidesC30 slides
C30 slides
Walter Lippold
 
Revolução industrial e fazes do capitalismo
Revolução industrial e fazes do capitalismoRevolução industrial e fazes do capitalismo
Revolução industrial e fazes do capitalismo
Kamila Joyce
 
A civilização industrial
A civilização industrialA civilização industrial
A civilização industrial
cattonia
 
Transformações de um mundo industrial – desiguldades,
Transformações de um mundo industrial – desiguldades,Transformações de um mundo industrial – desiguldades,
Transformações de um mundo industrial – desiguldades,
Rodrigo Teixeira
 
2 industrialização dos eua e do japão
2   industrialização dos eua e do japão2   industrialização dos eua e do japão
2 industrialização dos eua e do japão
sofiasimao
 
Revisão de história 2º ano
Revisão de história 2º anoRevisão de história 2º ano
Revisão de história 2º ano
eunamahcado
 
Industrialização Reino unido, frança, itália e alemanha
Industrialização Reino unido, frança, itália e alemanha Industrialização Reino unido, frança, itália e alemanha
Industrialização Reino unido, frança, itália e alemanha
Gabriel Santos
 
Revolução Industrial 2020
Revolução Industrial 2020Revolução Industrial 2020
O capitalismo e a dit
O capitalismo e a ditO capitalismo e a dit
O capitalismo e a dit
Ivo Marcelo Felchak
 

Semelhante a Unidade 7 mundo industrializado e países de dificil industrialização (20)

revolução industrial
revolução industrialrevolução industrial
revolução industrial
 
Tema h1 1ª parte
Tema h1   1ª parteTema h1   1ª parte
Tema h1 1ª parte
 
Indústria
IndústriaIndústria
Indústria
 
A Civilização Industrial no século XIX
A Civilização Industrial no século XIXA Civilização Industrial no século XIX
A Civilização Industrial no século XIX
 
Md ind
Md indMd ind
Md ind
 
revolução agrícola
revolução agrícolarevolução agrícola
revolução agrícola
 
RevoluçAo Industrial
RevoluçAo IndustrialRevoluçAo Industrial
RevoluçAo Industrial
 
História 9ºano
História 9ºanoHistória 9ºano
História 9ºano
 
Revolução industrial 2016
Revolução industrial 2016Revolução industrial 2016
Revolução industrial 2016
 
Seminário de historia 2ª Revolução industrial
Seminário de historia  2ª Revolução industrial Seminário de historia  2ª Revolução industrial
Seminário de historia 2ª Revolução industrial
 
A industrialização da europa, estados unidos e
A industrialização da europa, estados unidos eA industrialização da europa, estados unidos e
A industrialização da europa, estados unidos e
 
C30 slides
C30 slidesC30 slides
C30 slides
 
Revolução industrial e fazes do capitalismo
Revolução industrial e fazes do capitalismoRevolução industrial e fazes do capitalismo
Revolução industrial e fazes do capitalismo
 
A civilização industrial
A civilização industrialA civilização industrial
A civilização industrial
 
Transformações de um mundo industrial – desiguldades,
Transformações de um mundo industrial – desiguldades,Transformações de um mundo industrial – desiguldades,
Transformações de um mundo industrial – desiguldades,
 
2 industrialização dos eua e do japão
2   industrialização dos eua e do japão2   industrialização dos eua e do japão
2 industrialização dos eua e do japão
 
Revisão de história 2º ano
Revisão de história 2º anoRevisão de história 2º ano
Revisão de história 2º ano
 
Industrialização Reino unido, frança, itália e alemanha
Industrialização Reino unido, frança, itália e alemanha Industrialização Reino unido, frança, itália e alemanha
Industrialização Reino unido, frança, itália e alemanha
 
Revolução Industrial 2020
Revolução Industrial 2020Revolução Industrial 2020
Revolução Industrial 2020
 
O capitalismo e a dit
O capitalismo e a ditO capitalismo e a dit
O capitalismo e a dit
 

Mais de Vítor Santos

5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf
5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf
5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf
Vítor Santos
 
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
Vítor Santos
 
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
Vítor Santos
 
10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf
10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf
10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf
Vítor Santos
 
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
Vítor Santos
 
9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf
9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf
9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf
Vítor Santos
 
9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf
9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf
9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf
Vítor Santos
 
9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf
9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf
9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf
Vítor Santos
 
03_05 As novas representações da humanidade.pdf
03_05 As novas representações da humanidade.pdf03_05 As novas representações da humanidade.pdf
03_05 As novas representações da humanidade.pdf
Vítor Santos
 
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
Vítor Santos
 
03_03 A produção cultural.pdf
03_03 A produção cultural.pdf03_03 A produção cultural.pdf
03_03 A produção cultural.pdf
Vítor Santos
 
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
Vítor Santos
 
03_01 a geografia cultural europeia.pdf
03_01 a geografia cultural europeia.pdf03_01 a geografia cultural europeia.pdf
03_01 a geografia cultural europeia.pdf
Vítor Santos
 
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
Vítor Santos
 
02_02_o espaço português.pdf
02_02_o espaço português.pdf02_02_o espaço português.pdf
02_02_o espaço português.pdf
Vítor Santos
 
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
Vítor Santos
 
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf
Vítor Santos
 
01_02_o_modelo_romano.pdf
01_02_o_modelo_romano.pdf01_02_o_modelo_romano.pdf
01_02_o_modelo_romano.pdf
Vítor Santos
 
01_01_o_modelo_ateniense.pdf
01_01_o_modelo_ateniense.pdf01_01_o_modelo_ateniense.pdf
01_01_o_modelo_ateniense.pdf
Vítor Santos
 
0_história_A.pdf
0_história_A.pdf0_história_A.pdf
0_história_A.pdf
Vítor Santos
 

Mais de Vítor Santos (20)

5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf
5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf
5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf
 
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
 
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
 
10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf
10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf
10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf
 
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
 
9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf
9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf
9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf
 
9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf
9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf
9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf
 
9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf
9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf
9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf
 
03_05 As novas representações da humanidade.pdf
03_05 As novas representações da humanidade.pdf03_05 As novas representações da humanidade.pdf
03_05 As novas representações da humanidade.pdf
 
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
 
03_03 A produção cultural.pdf
03_03 A produção cultural.pdf03_03 A produção cultural.pdf
03_03 A produção cultural.pdf
 
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
 
03_01 a geografia cultural europeia.pdf
03_01 a geografia cultural europeia.pdf03_01 a geografia cultural europeia.pdf
03_01 a geografia cultural europeia.pdf
 
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
 
02_02_o espaço português.pdf
02_02_o espaço português.pdf02_02_o espaço português.pdf
02_02_o espaço português.pdf
 
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
 
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf
 
01_02_o_modelo_romano.pdf
01_02_o_modelo_romano.pdf01_02_o_modelo_romano.pdf
01_02_o_modelo_romano.pdf
 
01_01_o_modelo_ateniense.pdf
01_01_o_modelo_ateniense.pdf01_01_o_modelo_ateniense.pdf
01_01_o_modelo_ateniense.pdf
 
0_história_A.pdf
0_história_A.pdf0_história_A.pdf
0_história_A.pdf
 

Último

Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
DirceuSilva26
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
antonio carlos
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Falcão Brasil
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
marcos oliveira
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
beathrizalves131
 
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
AngelicaCostaMeirele2
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Anesio2
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
Mary Alvarenga
 

Último (20)

Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
 
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
 

Unidade 7 mundo industrializado e países de dificil industrialização

  • 1. Mundo industrializado e países de difícil industrialização http://divulgacaohistoria.wordpress.com/ 8º ano – Unidade 7
  • 2. As revoluções liberais 2 22 – Conhecer e compreender a consolidação dos processos de industrialização. 1. Identificar as principais características da segunda fase da industrialização (“Idade do caminho-de-ferro”), salientando a hegemonia inglesa e o crucial desenvolvimento dos transportes. 2. Relacionar a revolução dos transportes (terrestres e marítimos) com o crescimento dos mercados nacionais e a aceleração das trocas. 3. Identificar as principais características da terceira fase da industrialização (“Idade da eletricidade e petróleo”). 4. Identificar a expansão de processos de industrialização no espaços europeus e extraeuropeus, salientando e emergência de potências como a Alemanha, os E.U.A ou o Japão. 5. Sublinhar a dependência das empresas em relação ao capital financeiro, relacionando a com o desenvolvimento deste sector (capitalismo financeiro). 6. Caracterizar os princípios fundamentais do liberalismo económico relacionando-o com o crescimento económico verificado no século XIX. 7. Reconhecer a existência de crises cíclicas de superprodução no seio da economia capitalista, especialmente na segunda metade do século XIX. 8. Reconhecer como o aumento das diferenças nos níveis de desenvolvimento entre países ou regiões facilitou e potenciou o reforço das situações de dominação económica, cultural e/ou político-militar. 9. Sublinhar que as colónias e os protetorados dos países industrializados se foram transformando em fornecedores de matérias-primas e consumidores de bens e serviços de elevado valor acrescentado oriundos das metrópoles.
  • 3. As revoluções liberais 3 23 – Conhecer e compreender os principais aspetos da cultura do século XIX 1. Relacionar a industrialização com o reforço do prestígio e da capacidade de intervenção da ciência e da tecnologia e do seu impacto no quotidiano das populações. 2. Demonstrar o triunfo do “cientismo” no século XIX. 3. Caracterizar a “arquitetura do ferro” como expressão estética funcional de sociedades industrializadas e urbanizadas. 4. Indicar as principais características do impressionismo. 5. Indicar as principais características do romantismo. 6. Apontar as principais características do realismo, relacionando este movimento estético com a afirmação das classes médias, com a crítica das condições de trabalho e de vida das classes populares.
  • 4. As revoluções liberais 4 24 – Conhecer e compreender os sucessos e bloqueios do processo português de industrialização. 1. Enumerar os momentos mais marcantes da conflitualidade político-militar, no seio do liberalismo português, verificada de 1834 a 1850/1851. 2. Referir os obstáculos à modernização portuguesa na primeira metade do século XIX. 3. Relacionar a estabilidade política obtida em meados do século XIX com as tentativas de modernização económica durante a Regeneração. 4. Relacionar as prioridades do Fontismo com o aumento da dívida pública e com a dependência financeira face ao estrangeiro. 5. Avaliar os resultados da Regeneração ao nível económico, demográfico e social.
  • 5. H1 A industrialização da Europa 5 A Revolução dos transportes Em 1814, Stephenson construiu uma locomotiva a vapor, em 1821 foi inaugurada a primeira linha férrea (Liverpool- Manchester);
  • 6. H1 A industrialização da Europa 6 Em pouco tempo tanto na Europa como nos EUA iniciou-se uma fase de construção de vias férreas
  • 7. H1 A industrialização da Europa 7 Os transportes marítimos desenvolvem-se: melhores e maiores veleiro e aperfeiçoam-se os vapores; Abrem-se os canais do Panamá e do Suez;
  • 8. H1 A industrialização da Europa 8 Em consequência desta revolução dos transportes o “Mundo torna-se mais pequeno”; O Mundo claro não encolheu mas agora as viagens são mais rápidas, baratas e confortáveis; Pessoas e produtos viajam por todo o globo;
  • 9. H1 A industrialização da Europa 9 A emigração aumenta bem como o comércio; As regiões deixam de estar isoladas e desenvolvem-se os mercados nacionais e internacionais; O desenvolvimento dos mercados é um incentivo para o desenvolvimento da produção industrial e agrícola;
  • 10. H1 A industrialização da Europa 10 Desenvolvem-se as trocas intercontinentais, mundializa- se a economia; Os países industrializados vendem os seus produtos à escala global; Os mercados coloniais (africanos e asiáticos) são intensamente explorados; A Grã-Bretanha domina o comércio mundial;
  • 11. H1 A industrialização da Europa 11 Na segunda metade do século XIX desencadeou-se uma vaga de inventos; Na química surgem novos produtos como os adubos, a fibras sintéticas, os corantes, a aspirina, etc.;
  • 12. H1 A industrialização da Europa 12 No campos das novas energias surgem o telégrafo (Morse), o telefone (Bell), a telefonia sem fios (Marconi e Hertz); Edison inventou a lâmpada elétrica; Inventou-se o gerador e o dínamo, constroem-se centrais elétricas; As cidades iluminam-se;
  • 13. H1 A industrialização da Europa 13 Em 1859, na Pensilvânia (EUA) perfurou-se o primeiro poço de petróleo; Em 1886, Daimler inventa o motor de explosão que funciona a gasolina; Em 1897, Diesel, inventa um motor que funciona com óleo pesado (diesel);
  • 14. H1 A industrialização da Europa 14 Os irmãos Wright, em 1903, criam o primeiro avião, que rapidamente vai desenvolver a indústria da aeronáutica e revolucionar os transportes de longa distância;
  • 15. H1 A industrialização da Europa 15 Novas fontes de energia: eletricidade e petróleo; Novas máquinas: motor elétrico e motor de explosão; Desencadeiam um vertiginoso aumento da produção: a produção em massa; Surgem novos produtos e novas máquinas; Na segunda metade do século XIX dá-se a segunda revolução industrial;
  • 16. O século XIX foi de expansão da Revolução Industrial; Esta revolução começou em ; Ao longo do século foi estendendo-se a vários países da Europa e do Mundo; Inglaterra H1 A industrialização da Europa 16
  • 17. Devido ao seu avanço tecnológico a Inglaterra manteve o primeiro lugar dos países industrializados, Durante o século XIX, a indústria têxtil foi ultrapassada pela metalurgia (produção de ferro); A Grã-Bretanha desenvolveu a construção de vias férreas; A Inglaterra fabricava e exportava para todo o Mundo H1 A industrialização da Europa 17
  • 18. H1 A industrialização da Europa 18 O arranque industrial noutros países europeus só se iniciou depois de 1830; A Bélgica (rica em minérios) foi um dos primeiros países a industrializar-se; A França iniciou a industrialização após 1840; A Alemanha arrancou em 1860, em apenas 20 anos tornou- se na grande rival da Inglaterra graças ao desenvolvimento da indústria química e metalúrgica; A Suécia iniciou por volta de 1870; Os restantes países europeus só se industrializaram mais tarde;
  • 19. H1 A industrialização da Europa 19 Os países de fora da Europa, com exceção dos Estados Unidos e do Japão não se industrializaram, apesar de muitos serem ricos em matérias-primas; A partir de 1840, os Estados Unidos entraram numa fase de grande crescimento económico;
  • 20. H1 A industrialização da Europa 20 Milhões de europeus emigraram para os EUA e as 13 colónias iniciais foram-se estendendo para Oeste; O aumento da população e a abundância de matérias-primas vão criar as condições para uma rápida industrialização; Após a Guerra Civil (Guerra de Secessão) (1861-1865), em 1869, é inaugurada a primeira linha férrea transcontinental;
  • 21. H1 A industrialização da Europa 21 No início do século XX, os Estados Unidos, tornaram na primeira potência industrial, ultrapassando a Inglaterra;
  • 22. H1 A industrialização da Europa 22 O Japão: do feudalismo à era industrial O Japão era um país feudal e fechado ao estrangeiro; Em 1854, os EUA, obrigaram pela força, o Japão a abrir os seus portos ao comércio estrangeiro;
  • 23. H1 A industrialização da Europa 23 Em 1967, inicia-se a “Era Meiji”, lançada pelo próprio imperador Mutsu-Hito para modernizar o Japão;
  • 24. H1 A industrialização da Europa 24 O regime feudal foi abolido; Os daimios (samurais)perderam poder; Foi promulgada uma Constituição e eleito um parlamento; O governo japonês promoveu e ajudou a contratação de técnicos estrangeiros e a construção de fábricas;
  • 25. H1 A industrialização da Europa 25 Apesar da falta de matérias-primas no seu território o Japão industrializou-se rapidamente graças à sua disciplina; A nobreza (samurais) passou a investir na indústria; No início dos século XX, o Japão já era um dos países mais industrializados do Mundo;
  • 26. H1 A industrialização da Europa 26 A vida quotidiana alterou-se profundamente; Surgem o automóvel, o elevador, o frigorífico, a máquina de escrever, a máquina de costura, o gramofone, o cinematógrafo, etc.; As máquinas e os aparelhos elétricos invadiram o dia a dia das pessoas revolucionando a vida das pessoas em casa, no trabalho e nas viagens; No início do século XX surgem novos hábitos;
  • 27. H1 A industrialização da Europa 27 O liberalismo económico foi uma teoria proposta por Adam Smith (1723-1790); Defende que a riqueza dos países depende da liberdade individual (iniciativa privada); A economia deve privilegiar a livre concorrência e livre produção e circulação de produtos; O Estado (governo) não deve intervir na economia; Estas ideias permitiram um grande desenvolvimento económico embora tivessem provocado profundos desequilíbrios sociais;
  • 28. H1 A industrialização da Europa 28 Desenvolvem-se grandes empresas industriais e económicas; Muitas delas são sociedades por ações, as sociedades anónimas;
  • 29. H1 A industrialização da Europa 29 Desenvolve-se o capital financeiro (Bancos e Bolsa de Valores); Os bancos acumulam dinheiro depositado pelas pessoas; Os industriais e até os próprios estados pedem dinheiro emprestado; O capitalismo financeiro controla a economia e o próprio estado;
  • 30. H1 A industrialização da Europa 30 O desenvolvimento do capitalismo provocou crises económicas de uma novo tipo: crises de superprodução; A perspetival de lucro provocava a vontade de produzir cada vez mais; Num determinado momento já não existe pessoas suficientes para comprarem tantos produtos; As empresas não vendem, têm prejuízos e despedem trabalhadores e muitas vezes abrem falência; O aumento do número de desempregados provocava uma baixa ainda maior no consumo; No entanto após algum tempo a economia voltava a crescer;
  • 31. Os novos modelos culturais 31 No século XIX a ciência conheceu um grande avanço; A indústria apoia a investigação procurando desenvolver novos produtos e meios de produção mais eficazes;
  • 32. Os novos modelos culturais 32 Principais inventos e inventores do século XIX: Edison – lâmpada elétrica e gramofone; Pierre e Marie Curie – radioatividade; Pasteur – vacina contra a raiva; Charles Darwin – publica “A origem das espécies”; A química foi a ciência do século;
  • 33. Os novos modelos culturais 33 Para além das Ciências da Natureza desenvolvem-se as ciências humanas que estudam o comportamento humano, como a História, Filosofia, Sociologia, Psicologia, etc.;
  • 34. Os novos modelos culturais 34 A aliança entre a ciência e a técnica produziu um progresso notável; Desenvolve-se o cientismo que considera que a ciência é o único conhecimento válido que acabaria por descobrir todas as leis da natureza e resolver todos os problemas da Humanidade; O Estado passa a considerar a educação como um dever; O ensino primário torna-se obrigatório; Era necessário preparar a juventude para o trabalho e para exercer o direito de voto;
  • 35. Os novos modelos culturais 35 O século XIX foi uma época de grandes inovações culturais e artísticas; O primeiro movimento foi o Romantismo que exaltou as emoções e a luta pela liberdade;
  • 36. Os novos modelos culturais 36 Em meados do século surgiu o Realismo que tinha como objetivo criticar a sociedade; Em Portugal, Eça de Queirós foi um dos grandes expoentes desse movimento;
  • 37. Os novos modelos culturais 37 A partir de 1860 surge uma nova técnica de pintura, o Impressionismo, que rejeita as regras tradicionais de pintura; A linha de contorno é eliminada e pintam com pequenas pinceladas de cores puras, justapostas;
  • 38. Os novos modelos culturais 38 Principais pintores do impressionismo: Monet, Renoir, Degas.
  • 39. Os novos modelos culturais 39 No final do século surgiram pintores como Van Gogh, Cézanne e Gauguin que vão abrir novos caminhos para a pintura;
  • 40. Os novos modelos culturais 40 Ao nível da arquitetura desenvolve-se a arquitetura do ferro e do vidro;
  • 41. Os novos modelos culturais 41
  • 42. Os países do sul e do leste da Europa tiveram uma industrialização difícil. As estruturas económicas e sociais do Antigo Regime mantinham-se; Ainda contribuiu para o atraso português as invasões francesas, a independência do Brasil e a guerra civil entre liberais e absolutistas; H2 O caso português 42
  • 43. H2 O caso português 43 Em meados do século XIX, Portugal era um país atrasado com uma agricultura típica do Antigo Regime, pouco produtiva; Com exceção de alguns investimentos na produção vinícola os progressos; Não existia um mercado interno para estimular a produção;
  • 44. H2 O caso português 44 Um dos fatores que impedia a evolução económica foi a instabilidade política: Guerra civil entre absolutistas e liberais (1832-1834); Revolução vintista em setembro de 1836 (setembrismo). Governo liderado por Passos Manuel tenta realizar algumas reformas económicas; Instauração de um governo autoritário em 1842 por Costa Cabral (cabralismo);
  • 45. H2 O caso português 45 Em 1846 desencadeia-se a revolta popular da Maria da Fonte; Nova revolta popular em 1846, a Patuleia; Em 1851, um movimento liderado pelo marechal duque de Saldanha, propõe-se recuperar o atraso português, ficou conhecido pelo nome de Regeneração;
  • 46. H2 O caso português 46 A Regeneração instaurou a estabilidade política; Na segunda metade do século XIX instalou-se um rotativismo partidário entre os partidos Regenerador e Histórica, que iam ocupando o poder através de eleições; Fontes Pereira de Melo deu início a uma política de desenvolvimento dos transportes (fontismo);
  • 47. H2 O caso português 47 Iniciou-se a construção de vias férreas; Em 1856 foi inaugurada a primeira linha e em 1890 já existiam cerca de 2000 km de linhas férreas; Construíram-se estradas e pontes; Surge o selo postal (1853), o telégrafo (1857) e o telefone (1882); Esta política melhorou a circulação de pessoas e produtos; Muitos destes investimentos eram estrangeiros;
  • 48. H2 O caso português 48 Esta política de desenvolvimento levou à dependência económica face ao estrangeiro; As obras públicas foram realizadas com recurso a empréstimos contraídos no estrangeiro; Esta dívida externa foi aumentando; Para agar os juros foram contraindo novos empréstimos; Criou-se um ciclo vicioso que irá endividar cada vez mais o estado português;
  • 49. H2 O caso português 49 Apesar deste investimento nos transportes a industrialização do país prosseguia muito lentamente; Faltava mão-de-obra qualificada e mercado interno; Nos finais do século XIX desenvolveram-se algumas unidades industriais, sobretudo em Lisboa e no Porto;
  • 50. H2 O caso português 50 A vitória dos liberais em 1834 levou ao poder a burguesia liberal; Muitos burgueses adquiriram grandes propriedades agrícolas que tinham sido confiscadas pelo estado em 1834; Outros ocupavam cargos políticos e administrativos; Durante a Regeneração a alta burguesia investiu em bancos e nas companhias que financiavam as obras públicas;
  • 51. H2 O caso português 51 Poucos investiram na industrialização do país; A classe média portuguesa era pouco significativa; Só no final do século XIX começou a surgir uma pequena e média burguesia urbana (comerciantes, professores, médicos, funcionários públicos)
  • 52. H2 O caso português 52 A população rural beneficiou pouco com o liberalismo; Muitos pequenos proprietários foram à falência e tiveram de vender as suas terras; Muitos, sobretudo no Norte do país, viram-se forçados a emigrar; Durante a segunda metade do século XIX emigraram centenas de milhares de portugueses; O Brasil é o destino da maioria; Alguns, enriqueciam e regressavam a Portugal, eram chamados “os brasileiros”;
  • 53. H2 O caso português 53 Nas cidades industrializadas, sobretudo em Lisboa e no porto, surge uma nova classe social, os operários ou proletários; Para estes a vida era difícil, horários de trabalho de mais de 12 horas diárias, trabalho infantil, direitos quase inexistentes;
  • 54. H2 O caso português 54 Os operários começaram a lutar pelos seus direitos; Associaram-se em sindicatos; Em 1872 deu-se o primeiro surto de greves, pelo aumento do salário e a diminuição do horário de trabalho; Difundem-se as ideias socialistas;
  • 55. As revoluções liberais 55 Bibliografia: Apresentação construída com base nos livros Diniz, Maria Emília, Tavares, Adérito, Caldeira, Arlindo M., História 8, Raiz Editora, 2012 Neto, Helena e outros, História 8, Santillana,2014