SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 27
Transformação
Digital na gestão de
informações
Sobre a Feed Consultoria
Empresa de Consultoria com 9 anos de
mercado. A informação é a base do nosso
trabalho.
Nosso foco está no negócio do cliente e na
simplicidade das soluções criadas.
Conta com profissionais qualificados e
experientes em Consultoria e Planejamento
Digital, Arquitetura de Informação, UX,
Taxonomia, Arquivologia e Gestão do
Conhecimento.
www.feedconsultoria.com.br
Sobre a Feed Consultoria
Cases em www.feedconsultoria.com.br
Consultor e Founder Feed Consultoria
Charlley Luz
Fui publicitário, achei que o mundo da comunicação estava mudando e me
interessei pelo mundo da informação e dos documentos.
Tornei-me bacharel em Arquivologia pela UFRGS e Mestre em Ciência da
Informação pela ECA-USP.
Sou empreendedor, consultor, professor, palestrante e pesquisador.
Especialista em sistemas e serviços de informação, desenvolvo projetos em
arquivos, portais, colaboração, além de planejar ambientes e repositórios
digitais e de gestão documental junto à Feed Consultoria.
O comportamento do cliente mudou e continua em constante evolução.
Ser mais digital é uma necessidade da estratégia de sobrevivência de todos os mercados.
NO MUNDO NO BRASIL
Consumidor
Mais Digital
95% 67%
70%
das compras feitas
em lojas
das compras feitas usando mais
de um canal: online, mobile ou na
loja
34%
acredita que celular será
a principal forma de compra
diz que avaliações e comentários online
influenciam o comportamento de compra
deles
51%
comparam preços antes
de comprar
42%
compram online
54%
compra baseado
em preço
56%
confirmam serem influenciados
por informações de sites e
mídias sociais
Fonte: PWC Total Retail Research 2016, PSFK Future of Retail 2016
Cenário
O cliente necessariamente é usuário de algum meio digital que faz parte do seu dia a dia. A experiência que ele possui
com as marcas, produtos e serviços é mediada por esses meios. O COMPORTAMENTO do consumidor determina o meio
para a sua melhor EXPERIÊNCIA. Por isso definimos o padrão de suas soluções digitais.
Fonte: The Connected Consumer Survey 2016
ATIVIDADES EM AMBIENTE DIGITAL
Utilizam Mídias Sociais
Checam regularmente seus emails
Jogam online
Compram produtos e serviços online
48% 12%
28%
27%
26%
68%
40%
14%
Usam mecanismos de buscas
Procuram por informações antes da compra
Usam mapas e direcionadores online
Ouvem música online
Cenário
Pilares da Transformação digital: a união entre tecnologia, atividades e pessoas
Transformação Digital
A tecnologia digital aplicada nas soluções de problemas tradicionais.
Ocorre quando são
definidas
ferramentas, se
desenvolve projetos
de sistemas, de
portais, de sites e
aplicações de
negócio.
tecnologia
Busca a melhoria
efetiva de
resultados, os
ganhos de
competitividade e
melhoria de
desempenho.
atividades
A tecnologia passa
a ter um papel
estratégico
central, oferecendo
novas experiências,
deixa de ser
superficial ou
desestruturada.
pessoas
Transformação Digital
Finanças
Recursos
Humanos
Atendimento
ao cliente
Operações
Marketing
Tecnologia
da
Informação
Estratégia
Digital
Experiência e
Satisfação do Cliente
Retenção de
Conhecimento
Valor do Negócio
Eficiência Operacional
Valor da Marca
Inovação
A transformação digital só é
possível quando o fator humano
for priorizado.
Para isso a experiência do usuário
(e a uX - user eXperience,
também) deve ser empregada,
tanto na definição de requisitos,
quanto a interação do usuário
com um conjunto de ferramentas
digitais.
É necessário criar interfaces de
fato intuitivas e que atendam as
necessidades do usuário.
Experiência do Usuário
https://docmanagement.com.br/06/21/2018/transformacao-
digital-uniao-entre-tecnologia-atividades-e-pessoas/EXPERIÊNCIAÉTUDO
O que é jornada do consumidor?
Esta jornada é muito parecida com um
usuário que tem uma necessidade da
informação, ou o estado anômalo do
conhecimento, segundo
(CHOO, 2003)
Experiência do Usuário: jornadas
Experiência do Usuário: Inbond Marketing cria funis
Novas exigências para a curadoria de informação
• O que foi uma vez uma mensagem agora é uma
conversa. Os compradores hoje encontram e
compartilham suas próprias informações sobre
produtos de sua própria maneira, em seu próprio
tempo.
• O boca a boca está mais forte do que nunca. Pela
primeira vez na história da humanidade, o boca a boca
é um meio arquivado digitalmente.
• Nenhum MOT é pequeno demais. Se os
consumidores pesquisarão na internet desde casas até
assistência médica, eles também o farão com band-
aids e canetas esferográficas.
• Os MOTs estão se encontrando. Nossos dispositivos
móveis são máquinas de MOT. Conforme o uso de
celulares cresce, os momentos zero, primeiro e
segundo da verdade estão convergindo.
Experiência do Usuário: jornadas
MOT = Moment of Truth
Descubra qual é sua ambição
digital (com base em seu valor);
Programas de Design (planning)
que visam jornadas lucrativas de
experiência do cliente;
Entregue rapidamente a mudança
através de um ecossistema de
parceiros;
De-risk o processo por etapas de
sequenciamento, diminuindo
riscos. Concentrando-se em
ganhos rápidos que geram
impulso e economia de custos.
4Ds da Transformação Digital
Adaptado de TURBAN, Efrain por PINTO, 2017.
contexto
Sistemas de Negócios: transformações internas
Sistemas de Negócios: gênese documental e informacional
Entorno digital de um serviço de arquivo digital
Captura
LUZ, 2017 ISO 14721:2012
Entorno digital de um serviço de arquivo
Entorno digital de um serviço de informação
LUZ, 2017
Entorno digital de um serviço de informação
É necessário considerar a
amplitude dado, informação e
conhecimento e aplicar as
diferentes formas de gerenciar
estes diferentes registros.
Por exemplo, para gerenciar
informação o mais importante é a
estruturação dessa informação,
ou seja a sua taxonomia (e a
classificação por consequência).
Ao gerenciar os diferentes tipos de
conhecimento, devemos aplicar
determinadas técnicas. O
conhecimento explícito, por
exemplo, registrado em
documentos, precisam de um
tratamento arquivístico.
Amplitude da Transformação Digital
Memória Coletiva
(social)
PropósitoInstituição
Conjunto de
Acervos
Memória Individual
ou Corporativa
Organiza
ção
Função
Arquivo
Evidência
Unidades Atividade
Registro
Indício
Informacional
Pessoas Transação
Documento
Arquivístico
Dimensão 4:
Disseminar
Identidade
Transaçõe
s
Evidência
Repositórios de
gestão documental
Dimensão 2:
Capturar
Dimensão 1:
Criação
Dimensão 3:
Organizar
Frank Upward ™
record continuum
A transformação digital gera a possibilidade de se enxergar as
empresas e instituições como entidades informacionais.
A tecnologia é base de apoio à sua estratégia, consumindo
e gerando informações orgânicas.
E que cada tipo diferente de registro tenha seu tratamento
adequado, utilizando-se de métodos consagrados para a
gestão de dados, a gestão de informação e a gestão de
documentos de forma integrada e de alto impacto nos
resultados das organizações.
Transformação Digital na gestão da informação
NÍVEL DESCRIÇÃO INSTRUMENTOS
5. Gestão estável
e completa.
Foco no uso das
informações
arquivísticas
autênticas.
SIGAD funciona em conjunto com outras bases de dados (fotografias, audiovisuais) e
possibilita a geração de relatórios quantitativos e de conteúdo como suporte à tomada
de decisão. Há interação entre a gestão de documentos e conformidade legal e
normativa e TIC. Documento institucional é aquele declarado pela instituição, capturado
no SIGAD. Uso de tesauros, recursos de Data Mining e Data Warehouse.
4. Gestão em
processo de
estabilização
Foco na situação
da demanda
registrada no
documento,
trâmite.
Controle parcial dos documentos acumulados pela instituição. Monitoramento permite
analisar o nível de adesão à política e alcance da gestão dos documentos, realizar
correções de rumos, propor treinamentos. Documentos não estruturados (comumente
em suporte papel) como recursos para tomada de decisão. Existência de controle
sobre os documentos, embora não muito forte e nem na totalidade. Adoção de SIGAD e
de penalizações pela não observância das normas.
3. Instrumenta-
lização
Normalização
Desenvolvimento e formalização normativa de políticas e instrumentos básicos de
gestão: plano de classificação e tabela de temporalidade, regras de sigilo, manual de
redação etc. Definição clara dos papéis e responsabilidades das pessoas e unidades.
Treinamento.
2. Início
Auto-análise e
conscientização.
Os processos e políticas são mapeados, modelados e definidos, bem envidados
esforços de conscientização e preparação para mudanças.
1. Situação
estratégica
Reconhecimento
Clareza quando à necessidade de gestão de documentos, principalmente quanto às
questões legais envolvidas (não observância da legislação, possibilidade de litígios).
Iniciativas pontuais (organização física, protocolo), não corporativas.
0. Inexistência Ausência e caos
Inexistência de qualquer instrumento de gestão de documentos e do reconhecimento
de sua necessidade. Pragmatismo.
SANTOS, V. B. A gestão do conhecimento no escopo da atuação do arquivista. IV Simpósio Baiano de Arquivologia. 2013.
E por falar em gestão de documentos: qual sua maturidade?
Repositório Digital Confiável
PRODUTOR(Instituição)
Informação
Descritiva
Formatos
Gestão dos Dados
AIP
Arquivo
Permanente
Consumidor
Respostas
Pedidos
DIP
Queries
Acesso
Administração / Custódia
Gestão Arquivística
Informação
Arquivística
AIP
AdmissãoSIP
Política de Preservação
O Arquivo transformadoE por falar em gestão de documentos: qual sua maturidade?
Como alcançar os objetivos
• Sistema confiável de armazenamento digital (RDC-ARQ);
• Gerenciar a proteção de dados de acordo com boas práticas
de TI para segurança de dados, backups, verificação de erros
• Atualizar (mover arquivos para uma versão mais recente da
mesma mídia de armazenamento ou para uma mídia de
armazenamento diferente, sem alterações no fluxo de bits),
verificar a precisão dos resultados (por exemplo, somas de
verificação checksum), documentar o processo;
• Manter várias cópias do fluxo de bits (política de backup);
• Assegure-se de ter o direito de copiar e aplicar a
preservação, o que pode exigir negociação com proprietários
de direitos.
HARVEY, Douglas Ross; OLIVER, Gillian. Digital curation. ALA Neal-Schuman, 2016.
Ações de um
Profissional da
Informação e
Arquivista
Ações de um gestor de informação na Transformação Digital
Registros digitais autênticos
- Ser o que pretende ser, completude, autor, destinatário,
redator, metadados especializados, etc.
Registros digitais confiáveis
- O conteúdo deve ser confiável como uma representação
completa e precisa das transações, atividades ou fatos.
Integridade
- Completo e inalterado
Registros digitais utilizáveis
- Pode ser localizado, recuperado, apresentado e
interpretado
HARVEY, Douglas Ross; OLIVER, Gillian. Digital curation. ALA Neal-Schuman, 2016.
Garantias do
gestor de
informação
Ações de um gestor de informação na Transformação Digital
1 - Critério para seleção do patrimônio digital;
2 - Depósito de documentos amparado pela 8.159/91 e lei de acesso à informação;
3 - Uso de padrões e protocolos abertos;
4 - Padronização de estratégias de preservação;
5 - Padronização de metadados de preservação de acordo com padrões pré-estabelecidos;
6 - Adoção de padrões na criação, armazenamento e transmissão de documentos digitais;
7 - Aplicação de técnicas de preservação digital respeitando as especificidades de cada problema;
8 - Uso de instrumentos oriundos de TI e que garantem integridade, confiabilidade e
autenticidade dos documentos digitais;
9 - Legislação que garantem a proteção do patrimônio digital e o seu reconhecimento pleno com
o valor de prova;
10 - Gerenciamento de um planejamento a longo prazo;
11 - Alinhamento a agenda nacional de pesquisa em relação aos problemas de preservação e
acesso e longevidade digital; monitoramento do surgimento de novos padrões; pesquisa e
desenvolvimento de soluções abertas em cooperação com TI (Tecnologia da Informação).
Drivers de análise do diagnóstico para montagem de Política de Preservação Digital
Diagnóstico de Preservação
LUZ, 2010.
Competências de um gestor de informação na Transformação Digital
obrigado
Organizamos informações
a
UX WRITING PLANEJAMENTO TAXONOMIA SEARCH DOCUMENTAÇÃO CAPACITAÇÃOUX INTERFACE
Charlley Luz
charlley@feedconsultoria.com.br
PENNOCK, Maureen. Digital Curation: A life-cycle approach to managing and preserving usable digital information. Library & Archives, January, 2007.
HIGGINS, Sarah. The DCC curation lifecycle model. International Journal of Digital Curation, v. 3, n. 1, 2008.
CUNNINGHAM, Adrian. Digital curation/digital archiving: A view from the National Archives of Australia. The American Archivist, v. 71, n. 2, p. 530-543, 2008.
LEE, Christopher A.; TIBBO, Helen. Where’s the archivist in digital curation? Exploring the possibilities through a matrix of knowledge and skills. Archivaria, v. 72, p. 123-168, 2011.
LUZ, C. Arquivologia 2.0: a informação digital humana. Excertos de um Arquivista 2.0 no mundo digital. Florianópolis: Bookess, 2010.
HARVEY, Douglas Ross; OLIVER, Gillian. Digital curation. ALA Neal-Schuman, 2016.
UPWARD, F. (1997). Structuring the record continuum part one: Post custodialprinciples and properties. Archives and Manuscripts, vol 24, no 2, pp 268-285.
PRYOR, Graham; DONNELLY, Martin. Skilling up to do data: whose role, whose responsibility, whose career?. International Journal of Digital Curation, v. 4, n. 2, p. 158-170, 2009.
CONSULTATIVE COMMITTEE FOR SPACE DATA SYSTEM (CCSDS). Reference Model for an Open Archival Information System (OAIS). Magenta Book. Washington, Jun. 2012.
LUZ, C. Como a experiência do Usuário “uX” impacta na Arquitetura da Informação das Bibliotecas Digitais. III TOI, 2017.
www.fespsp.academia.edu/CharlleyLuz/

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

KPIs - Indicadores Chave de Performance
KPIs - Indicadores Chave de PerformanceKPIs - Indicadores Chave de Performance
KPIs - Indicadores Chave de PerformanceFábio Póvoa
 
Transformação Digital - Rafael Clemente - BTGroup - Curitiba
Transformação Digital - Rafael Clemente - BTGroup - CuritibaTransformação Digital - Rafael Clemente - BTGroup - Curitiba
Transformação Digital - Rafael Clemente - BTGroup - CuritibaRafael Clemente
 
Aula 01 - Inovação e Criaitividade
Aula 01 - Inovação e CriaitividadeAula 01 - Inovação e Criaitividade
Aula 01 - Inovação e CriaitividadeGustavo Zanotto
 
Apresentação de Design Thinking
Apresentação de Design ThinkingApresentação de Design Thinking
Apresentação de Design Thinkingbaufaker
 
Gestão de Projetos de TI em Empresas
Gestão de Projetos de TI em EmpresasGestão de Projetos de TI em Empresas
Gestão de Projetos de TI em EmpresasCamilo Almendra
 
Transformação Digital (DX) das Organizações
Transformação Digital (DX) das OrganizaçõesTransformação Digital (DX) das Organizações
Transformação Digital (DX) das OrganizaçõesAndre Zeferino
 
Ciência de Dados: a revolução na tomada de decisões
Ciência de Dados: a revolução na tomada de decisõesCiência de Dados: a revolução na tomada de decisões
Ciência de Dados: a revolução na tomada de decisõesMarlesson Santana
 
Aula 01 introdução marketing digital
Aula 01   introdução marketing digitalAula 01   introdução marketing digital
Aula 01 introdução marketing digitalMaria Alice Jovinski
 
Como demonstrar ROI das entregas de valor com Business Case
Como demonstrar ROI das entregas de valor com Business Case Como demonstrar ROI das entregas de valor com Business Case
Como demonstrar ROI das entregas de valor com Business Case Rildo (@rildosan) Santos
 
Palestra Gestão da Inovação.
Palestra Gestão da Inovação.Palestra Gestão da Inovação.
Palestra Gestão da Inovação.innoscience_
 
Inovação & Criatividade
Inovação & CriatividadeInovação & Criatividade
Inovação & CriatividadeAugusto Pinto
 
Apresentação brainstorming rodrigo
Apresentação brainstorming rodrigoApresentação brainstorming rodrigo
Apresentação brainstorming rodrigoRodrigo Vasconcelos
 

Mais procurados (20)

KPIs - Indicadores Chave de Performance
KPIs - Indicadores Chave de PerformanceKPIs - Indicadores Chave de Performance
KPIs - Indicadores Chave de Performance
 
Process Design Thinking
Process Design ThinkingProcess Design Thinking
Process Design Thinking
 
Transformação Digital - Rafael Clemente - BTGroup - Curitiba
Transformação Digital - Rafael Clemente - BTGroup - CuritibaTransformação Digital - Rafael Clemente - BTGroup - Curitiba
Transformação Digital - Rafael Clemente - BTGroup - Curitiba
 
Gestão da Inovação
Gestão da InovaçãoGestão da Inovação
Gestão da Inovação
 
Aula 01 - Inovação e Criaitividade
Aula 01 - Inovação e CriaitividadeAula 01 - Inovação e Criaitividade
Aula 01 - Inovação e Criaitividade
 
Apresentação de Design Thinking
Apresentação de Design ThinkingApresentação de Design Thinking
Apresentação de Design Thinking
 
Gestão de Projetos de TI em Empresas
Gestão de Projetos de TI em EmpresasGestão de Projetos de TI em Empresas
Gestão de Projetos de TI em Empresas
 
Conceito de Inovação
Conceito de InovaçãoConceito de Inovação
Conceito de Inovação
 
Balanced Scorecard
Balanced ScorecardBalanced Scorecard
Balanced Scorecard
 
Transformação Ágil
Transformação ÁgilTransformação Ágil
Transformação Ágil
 
Plano de Marketing
Plano de MarketingPlano de Marketing
Plano de Marketing
 
Transformação Digital (DX) das Organizações
Transformação Digital (DX) das OrganizaçõesTransformação Digital (DX) das Organizações
Transformação Digital (DX) das Organizações
 
Ciência de Dados: a revolução na tomada de decisões
Ciência de Dados: a revolução na tomada de decisõesCiência de Dados: a revolução na tomada de decisões
Ciência de Dados: a revolução na tomada de decisões
 
Aula 01 introdução marketing digital
Aula 01   introdução marketing digitalAula 01   introdução marketing digital
Aula 01 introdução marketing digital
 
Como demonstrar ROI das entregas de valor com Business Case
Como demonstrar ROI das entregas de valor com Business Case Como demonstrar ROI das entregas de valor com Business Case
Como demonstrar ROI das entregas de valor com Business Case
 
Palestra Gestão da Inovação.
Palestra Gestão da Inovação.Palestra Gestão da Inovação.
Palestra Gestão da Inovação.
 
Inovação & Criatividade
Inovação & CriatividadeInovação & Criatividade
Inovação & Criatividade
 
Aula de ERP
Aula de ERPAula de ERP
Aula de ERP
 
Aula - Metodologias Ágeis
Aula - Metodologias ÁgeisAula - Metodologias Ágeis
Aula - Metodologias Ágeis
 
Apresentação brainstorming rodrigo
Apresentação brainstorming rodrigoApresentação brainstorming rodrigo
Apresentação brainstorming rodrigo
 

Semelhante a Transformacao digital

1a Web Aula - Gestão de Tecnologia da Informação.pdf
1a Web Aula - Gestão de Tecnologia da Informação.pdf1a Web Aula - Gestão de Tecnologia da Informação.pdf
1a Web Aula - Gestão de Tecnologia da Informação.pdfDimas Francisco
 
Trabalho de fluxo grupo 8 (sheila
Trabalho de fluxo grupo 8 (sheilaTrabalho de fluxo grupo 8 (sheila
Trabalho de fluxo grupo 8 (sheilasheila Machado
 
Gestão do Conhecimento e Redes Sociais na Cultura Digital
Gestão do Conhecimento e Redes Sociais na Cultura DigitalGestão do Conhecimento e Redes Sociais na Cultura Digital
Gestão do Conhecimento e Redes Sociais na Cultura DigitalMariana Tavernari
 
Gestão do Conhecimento e Redes Sociais na cultura digital: como os mundos da ...
Gestão do Conhecimento e Redes Sociais na cultura digital: como os mundos da ...Gestão do Conhecimento e Redes Sociais na cultura digital: como os mundos da ...
Gestão do Conhecimento e Redes Sociais na cultura digital: como os mundos da ...Daniela Senador
 
Dados, informação e conhecimento
Dados, informação e conhecimentoDados, informação e conhecimento
Dados, informação e conhecimentoFrancisco Restivo
 
Conceitos emergentes em gestão empresarial
Conceitos emergentes em gestão empresarialConceitos emergentes em gestão empresarial
Conceitos emergentes em gestão empresarialFernando Fragoso
 
Diagnósticos de Maturidade e plano de ação de Gestão do Conhecimento.
Diagnósticos de Maturidade e plano de ação de Gestão do Conhecimento.Diagnósticos de Maturidade e plano de ação de Gestão do Conhecimento.
Diagnósticos de Maturidade e plano de ação de Gestão do Conhecimento.Patrícia de Sá Freire, PhD. Eng.
 
Perfil do planejador digital
Perfil do planejador digitalPerfil do planejador digital
Perfil do planejador digitalprofjucavalcante
 
Qual a importância de estruturar uma boa gestão de informação
Qual a importância de estruturar uma boa gestão de informaçãoQual a importância de estruturar uma boa gestão de informação
Qual a importância de estruturar uma boa gestão de informaçãoZipCode
 
Publicação: A GESTÃO DOCUMENTAL NA GOVERNANÇA DA INFORMAÇÃO
Publicação: A GESTÃO DOCUMENTAL NA GOVERNANÇA DA INFORMAÇÃOPublicação: A GESTÃO DOCUMENTAL NA GOVERNANÇA DA INFORMAÇÃO
Publicação: A GESTÃO DOCUMENTAL NA GOVERNANÇA DA INFORMAÇÃOFernanda Ledesma
 
Apresentação árvore do conhecimento - final 2
Apresentação   árvore do conhecimento - final 2Apresentação   árvore do conhecimento - final 2
Apresentação árvore do conhecimento - final 2Sabrina Mariana
 
Gestão do conhecimento empresarial
Gestão do conhecimento empresarialGestão do conhecimento empresarial
Gestão do conhecimento empresarialRapport Assessoria
 
Conferência anual inteligênca competitiva.
Conferência anual inteligênca competitiva.Conferência anual inteligênca competitiva.
Conferência anual inteligênca competitiva.Paulo de Jesus
 
Findability: elementos essenciais para a recuperação da informação em ambient...
Findability: elementos essenciais para a recuperação da informação em ambient...Findability: elementos essenciais para a recuperação da informação em ambient...
Findability: elementos essenciais para a recuperação da informação em ambient...Index3i
 

Semelhante a Transformacao digital (20)

1a Web Aula - Gestão de Tecnologia da Informação.pdf
1a Web Aula - Gestão de Tecnologia da Informação.pdf1a Web Aula - Gestão de Tecnologia da Informação.pdf
1a Web Aula - Gestão de Tecnologia da Informação.pdf
 
Web 2.0 e Gestão do Conhecimento
Web 2.0  e Gestão do ConhecimentoWeb 2.0  e Gestão do Conhecimento
Web 2.0 e Gestão do Conhecimento
 
Trabalho de fluxo grupo 8 (sheila
Trabalho de fluxo grupo 8 (sheilaTrabalho de fluxo grupo 8 (sheila
Trabalho de fluxo grupo 8 (sheila
 
Gestão do Conhecimento e Redes Sociais na Cultura Digital
Gestão do Conhecimento e Redes Sociais na Cultura DigitalGestão do Conhecimento e Redes Sociais na Cultura Digital
Gestão do Conhecimento e Redes Sociais na Cultura Digital
 
Gestão do Conhecimento e Redes Sociais na cultura digital: como os mundos da ...
Gestão do Conhecimento e Redes Sociais na cultura digital: como os mundos da ...Gestão do Conhecimento e Redes Sociais na cultura digital: como os mundos da ...
Gestão do Conhecimento e Redes Sociais na cultura digital: como os mundos da ...
 
Dados, informação e conhecimento
Dados, informação e conhecimentoDados, informação e conhecimento
Dados, informação e conhecimento
 
Conceitos emergentes em gestão empresarial
Conceitos emergentes em gestão empresarialConceitos emergentes em gestão empresarial
Conceitos emergentes em gestão empresarial
 
Diagnósticos de Maturidade e plano de ação de Gestão do Conhecimento.
Diagnósticos de Maturidade e plano de ação de Gestão do Conhecimento.Diagnósticos de Maturidade e plano de ação de Gestão do Conhecimento.
Diagnósticos de Maturidade e plano de ação de Gestão do Conhecimento.
 
Perfil do planejador digital
Perfil do planejador digitalPerfil do planejador digital
Perfil do planejador digital
 
Qual a importância de estruturar uma boa gestão de informação
Qual a importância de estruturar uma boa gestão de informaçãoQual a importância de estruturar uma boa gestão de informação
Qual a importância de estruturar uma boa gestão de informação
 
Publicação: A GESTÃO DOCUMENTAL NA GOVERNANÇA DA INFORMAÇÃO
Publicação: A GESTÃO DOCUMENTAL NA GOVERNANÇA DA INFORMAÇÃOPublicação: A GESTÃO DOCUMENTAL NA GOVERNANÇA DA INFORMAÇÃO
Publicação: A GESTÃO DOCUMENTAL NA GOVERNANÇA DA INFORMAÇÃO
 
Big Data Analytics
Big Data AnalyticsBig Data Analytics
Big Data Analytics
 
Apresentação árvore do conhecimento - final 2
Apresentação   árvore do conhecimento - final 2Apresentação   árvore do conhecimento - final 2
Apresentação árvore do conhecimento - final 2
 
Gestão do conhecimento empresarial
Gestão do conhecimento empresarialGestão do conhecimento empresarial
Gestão do conhecimento empresarial
 
Esentia
EsentiaEsentia
Esentia
 
Conferência anual inteligênca competitiva.
Conferência anual inteligênca competitiva.Conferência anual inteligênca competitiva.
Conferência anual inteligênca competitiva.
 
Gestao conhecimento
Gestao conhecimentoGestao conhecimento
Gestao conhecimento
 
Findability: elementos essenciais para a recuperação da informação em ambient...
Findability: elementos essenciais para a recuperação da informação em ambient...Findability: elementos essenciais para a recuperação da informação em ambient...
Findability: elementos essenciais para a recuperação da informação em ambient...
 
Pps
PpsPps
Pps
 
Isa redux 2018
Isa redux 2018Isa redux 2018
Isa redux 2018
 

Mais de Charlley Luz

Transformação Digital e gestão de documentos
Transformação Digital e gestão de documentosTransformação Digital e gestão de documentos
Transformação Digital e gestão de documentosCharlley Luz
 
Pos verdade: e a informação?
Pos verdade: e a informação?Pos verdade: e a informação?
Pos verdade: e a informação?Charlley Luz
 
"Simpósio Arquivistas: tecnologias e legislação"
"Simpósio Arquivistas: tecnologias e legislação""Simpósio Arquivistas: tecnologias e legislação"
"Simpósio Arquivistas: tecnologias e legislação"Charlley Luz
 
Blockchain: oportunidades além das criptomoedas
Blockchain: oportunidades além das criptomoedasBlockchain: oportunidades além das criptomoedas
Blockchain: oportunidades além das criptomoedasCharlley Luz
 
Repositórios Digitais Arquivísticos Confiáveis e Preservação Digital
Repositórios Digitais Arquivísticos Confiáveis e Preservação DigitalRepositórios Digitais Arquivísticos Confiáveis e Preservação Digital
Repositórios Digitais Arquivísticos Confiáveis e Preservação DigitalCharlley Luz
 
Repositórios Digitais Confiáveis - RDC-Arq e Preservação Digital
Repositórios Digitais Confiáveis - RDC-Arq e Preservação DigitalRepositórios Digitais Confiáveis - RDC-Arq e Preservação Digital
Repositórios Digitais Confiáveis - RDC-Arq e Preservação DigitalCharlley Luz
 
Apresentacao enearq 17
Apresentacao enearq 17Apresentacao enearq 17
Apresentacao enearq 17Charlley Luz
 
Apresentação III TOI - Seminario de Softwares Livres
Apresentação III TOI - Seminario de Softwares LivresApresentação III TOI - Seminario de Softwares Livres
Apresentação III TOI - Seminario de Softwares LivresCharlley Luz
 
USUÁRIOS, CONTEXTOS E USOS DA INFORMAÇÃO DIGITAL
USUÁRIOS, CONTEXTOS E USOS DA INFORMAÇÃO DIGITAL USUÁRIOS, CONTEXTOS E USOS DA INFORMAÇÃO DIGITAL
USUÁRIOS, CONTEXTOS E USOS DA INFORMAÇÃO DIGITAL Charlley Luz
 
Bibliotecas de Pesquisa e a Internet; Acessibilidade
Bibliotecas de Pesquisa e a Internet; AcessibilidadeBibliotecas de Pesquisa e a Internet; Acessibilidade
Bibliotecas de Pesquisa e a Internet; AcessibilidadeCharlley Luz
 
Preservação digital - abordagem 2.0
Preservação digital - abordagem 2.0Preservação digital - abordagem 2.0
Preservação digital - abordagem 2.0Charlley Luz
 
Apresentaçao #ABRAINFO TIC
Apresentaçao #ABRAINFO TIC Apresentaçao #ABRAINFO TIC
Apresentaçao #ABRAINFO TIC Charlley Luz
 
The Origins of Information Science and the International Institute of Bibliog...
The Origins of Information Science and the International Institute of Bibliog...The Origins of Information Science and the International Institute of Bibliog...
The Origins of Information Science and the International Institute of Bibliog...Charlley Luz
 
Aula 6 NOBRADE 2013
Aula 6 NOBRADE 2013Aula 6 NOBRADE 2013
Aula 6 NOBRADE 2013Charlley Luz
 
Aula 5 2013 Descrição Arquivistíca
Aula 5 2013 Descrição ArquivistícaAula 5 2013 Descrição Arquivistíca
Aula 5 2013 Descrição ArquivistícaCharlley Luz
 
Aula 4 Descrição Arquivística - Principios de Classificação e Quadro de Arranjo
Aula 4 Descrição Arquivística - Principios de Classificação e Quadro de ArranjoAula 4 Descrição Arquivística - Principios de Classificação e Quadro de Arranjo
Aula 4 Descrição Arquivística - Principios de Classificação e Quadro de ArranjoCharlley Luz
 
Aula 3 2013 - DESCRIÇÃO ARQUIVÍSTICA 0 GESTÃO ARQUIVÍSTICA FESP-SP
Aula 3 2013 - DESCRIÇÃO ARQUIVÍSTICA 0 GESTÃO ARQUIVÍSTICA FESP-SPAula 3 2013 - DESCRIÇÃO ARQUIVÍSTICA 0 GESTÃO ARQUIVÍSTICA FESP-SP
Aula 3 2013 - DESCRIÇÃO ARQUIVÍSTICA 0 GESTÃO ARQUIVÍSTICA FESP-SPCharlley Luz
 
Descrição Arquivística: os princípios da descrição de acervos. Aula 2 2013 II...
Descrição Arquivística: os princípios da descrição de acervos. Aula 2 2013 II...Descrição Arquivística: os princípios da descrição de acervos. Aula 2 2013 II...
Descrição Arquivística: os princípios da descrição de acervos. Aula 2 2013 II...Charlley Luz
 
Aula 1 arquivologia 2013 - 2o semestre
Aula 1 arquivologia 2013 - 2o semestreAula 1 arquivologia 2013 - 2o semestre
Aula 1 arquivologia 2013 - 2o semestreCharlley Luz
 

Mais de Charlley Luz (20)

Transformação Digital e gestão de documentos
Transformação Digital e gestão de documentosTransformação Digital e gestão de documentos
Transformação Digital e gestão de documentos
 
Bibliotecaviva
BibliotecavivaBibliotecaviva
Bibliotecaviva
 
Pos verdade: e a informação?
Pos verdade: e a informação?Pos verdade: e a informação?
Pos verdade: e a informação?
 
"Simpósio Arquivistas: tecnologias e legislação"
"Simpósio Arquivistas: tecnologias e legislação""Simpósio Arquivistas: tecnologias e legislação"
"Simpósio Arquivistas: tecnologias e legislação"
 
Blockchain: oportunidades além das criptomoedas
Blockchain: oportunidades além das criptomoedasBlockchain: oportunidades além das criptomoedas
Blockchain: oportunidades além das criptomoedas
 
Repositórios Digitais Arquivísticos Confiáveis e Preservação Digital
Repositórios Digitais Arquivísticos Confiáveis e Preservação DigitalRepositórios Digitais Arquivísticos Confiáveis e Preservação Digital
Repositórios Digitais Arquivísticos Confiáveis e Preservação Digital
 
Repositórios Digitais Confiáveis - RDC-Arq e Preservação Digital
Repositórios Digitais Confiáveis - RDC-Arq e Preservação DigitalRepositórios Digitais Confiáveis - RDC-Arq e Preservação Digital
Repositórios Digitais Confiáveis - RDC-Arq e Preservação Digital
 
Apresentacao enearq 17
Apresentacao enearq 17Apresentacao enearq 17
Apresentacao enearq 17
 
Apresentação III TOI - Seminario de Softwares Livres
Apresentação III TOI - Seminario de Softwares LivresApresentação III TOI - Seminario de Softwares Livres
Apresentação III TOI - Seminario de Softwares Livres
 
USUÁRIOS, CONTEXTOS E USOS DA INFORMAÇÃO DIGITAL
USUÁRIOS, CONTEXTOS E USOS DA INFORMAÇÃO DIGITAL USUÁRIOS, CONTEXTOS E USOS DA INFORMAÇÃO DIGITAL
USUÁRIOS, CONTEXTOS E USOS DA INFORMAÇÃO DIGITAL
 
Bibliotecas de Pesquisa e a Internet; Acessibilidade
Bibliotecas de Pesquisa e a Internet; AcessibilidadeBibliotecas de Pesquisa e a Internet; Acessibilidade
Bibliotecas de Pesquisa e a Internet; Acessibilidade
 
Preservação digital - abordagem 2.0
Preservação digital - abordagem 2.0Preservação digital - abordagem 2.0
Preservação digital - abordagem 2.0
 
Apresentaçao #ABRAINFO TIC
Apresentaçao #ABRAINFO TIC Apresentaçao #ABRAINFO TIC
Apresentaçao #ABRAINFO TIC
 
The Origins of Information Science and the International Institute of Bibliog...
The Origins of Information Science and the International Institute of Bibliog...The Origins of Information Science and the International Institute of Bibliog...
The Origins of Information Science and the International Institute of Bibliog...
 
Aula 6 NOBRADE 2013
Aula 6 NOBRADE 2013Aula 6 NOBRADE 2013
Aula 6 NOBRADE 2013
 
Aula 5 2013 Descrição Arquivistíca
Aula 5 2013 Descrição ArquivistícaAula 5 2013 Descrição Arquivistíca
Aula 5 2013 Descrição Arquivistíca
 
Aula 4 Descrição Arquivística - Principios de Classificação e Quadro de Arranjo
Aula 4 Descrição Arquivística - Principios de Classificação e Quadro de ArranjoAula 4 Descrição Arquivística - Principios de Classificação e Quadro de Arranjo
Aula 4 Descrição Arquivística - Principios de Classificação e Quadro de Arranjo
 
Aula 3 2013 - DESCRIÇÃO ARQUIVÍSTICA 0 GESTÃO ARQUIVÍSTICA FESP-SP
Aula 3 2013 - DESCRIÇÃO ARQUIVÍSTICA 0 GESTÃO ARQUIVÍSTICA FESP-SPAula 3 2013 - DESCRIÇÃO ARQUIVÍSTICA 0 GESTÃO ARQUIVÍSTICA FESP-SP
Aula 3 2013 - DESCRIÇÃO ARQUIVÍSTICA 0 GESTÃO ARQUIVÍSTICA FESP-SP
 
Descrição Arquivística: os princípios da descrição de acervos. Aula 2 2013 II...
Descrição Arquivística: os princípios da descrição de acervos. Aula 2 2013 II...Descrição Arquivística: os princípios da descrição de acervos. Aula 2 2013 II...
Descrição Arquivística: os princípios da descrição de acervos. Aula 2 2013 II...
 
Aula 1 arquivologia 2013 - 2o semestre
Aula 1 arquivologia 2013 - 2o semestreAula 1 arquivologia 2013 - 2o semestre
Aula 1 arquivologia 2013 - 2o semestre
 

Último

ATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docxATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docx2m Assessoria
 
Entrevistas, artigos, livros & citações de Paulo Pagliusi
Entrevistas, artigos, livros & citações de Paulo PagliusiEntrevistas, artigos, livros & citações de Paulo Pagliusi
Entrevistas, artigos, livros & citações de Paulo PagliusiPaulo Pagliusi, PhD, CISM
 
Aula 01 - Introducao a Processamento de Frutos e Hortalicas.pdf
Aula 01 - Introducao a Processamento de Frutos e Hortalicas.pdfAula 01 - Introducao a Processamento de Frutos e Hortalicas.pdf
Aula 01 - Introducao a Processamento de Frutos e Hortalicas.pdfInocencioHoracio3
 
Palestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo Pagliusi
Palestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo PagliusiPalestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo Pagliusi
Palestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo PagliusiPaulo Pagliusi, PhD, CISM
 
ATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docxATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docx2m Assessoria
 
Convergência TO e TI nas Usinas - Setor Sucroenergético
Convergência TO e TI nas Usinas - Setor SucroenergéticoConvergência TO e TI nas Usinas - Setor Sucroenergético
Convergência TO e TI nas Usinas - Setor SucroenergéticoMarcio Venturelli
 
COI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINAS
COI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINASCOI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINAS
COI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINASMarcio Venturelli
 
ATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docxATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docx2m Assessoria
 

Último (8)

ATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docxATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CUSTOS DE PRODUÇÃO - 52_2024.docx
 
Entrevistas, artigos, livros & citações de Paulo Pagliusi
Entrevistas, artigos, livros & citações de Paulo PagliusiEntrevistas, artigos, livros & citações de Paulo Pagliusi
Entrevistas, artigos, livros & citações de Paulo Pagliusi
 
Aula 01 - Introducao a Processamento de Frutos e Hortalicas.pdf
Aula 01 - Introducao a Processamento de Frutos e Hortalicas.pdfAula 01 - Introducao a Processamento de Frutos e Hortalicas.pdf
Aula 01 - Introducao a Processamento de Frutos e Hortalicas.pdf
 
Palestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo Pagliusi
Palestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo PagliusiPalestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo Pagliusi
Palestras sobre Cibersegurança em Eventos - Paulo Pagliusi
 
ATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docxATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 52_2024.docx
 
Convergência TO e TI nas Usinas - Setor Sucroenergético
Convergência TO e TI nas Usinas - Setor SucroenergéticoConvergência TO e TI nas Usinas - Setor Sucroenergético
Convergência TO e TI nas Usinas - Setor Sucroenergético
 
COI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINAS
COI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINASCOI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINAS
COI CENTRO DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS NAS USINAS
 
ATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docxATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docx
ATIVIDADE 1 - GESTÃO DE PESSOAS E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES - 52_2024.docx
 

Transformacao digital

  • 2. Sobre a Feed Consultoria Empresa de Consultoria com 9 anos de mercado. A informação é a base do nosso trabalho. Nosso foco está no negócio do cliente e na simplicidade das soluções criadas. Conta com profissionais qualificados e experientes em Consultoria e Planejamento Digital, Arquitetura de Informação, UX, Taxonomia, Arquivologia e Gestão do Conhecimento. www.feedconsultoria.com.br
  • 3. Sobre a Feed Consultoria Cases em www.feedconsultoria.com.br
  • 4. Consultor e Founder Feed Consultoria Charlley Luz Fui publicitário, achei que o mundo da comunicação estava mudando e me interessei pelo mundo da informação e dos documentos. Tornei-me bacharel em Arquivologia pela UFRGS e Mestre em Ciência da Informação pela ECA-USP. Sou empreendedor, consultor, professor, palestrante e pesquisador. Especialista em sistemas e serviços de informação, desenvolvo projetos em arquivos, portais, colaboração, além de planejar ambientes e repositórios digitais e de gestão documental junto à Feed Consultoria.
  • 5. O comportamento do cliente mudou e continua em constante evolução. Ser mais digital é uma necessidade da estratégia de sobrevivência de todos os mercados. NO MUNDO NO BRASIL Consumidor Mais Digital 95% 67% 70% das compras feitas em lojas das compras feitas usando mais de um canal: online, mobile ou na loja 34% acredita que celular será a principal forma de compra diz que avaliações e comentários online influenciam o comportamento de compra deles 51% comparam preços antes de comprar 42% compram online 54% compra baseado em preço 56% confirmam serem influenciados por informações de sites e mídias sociais Fonte: PWC Total Retail Research 2016, PSFK Future of Retail 2016 Cenário
  • 6. O cliente necessariamente é usuário de algum meio digital que faz parte do seu dia a dia. A experiência que ele possui com as marcas, produtos e serviços é mediada por esses meios. O COMPORTAMENTO do consumidor determina o meio para a sua melhor EXPERIÊNCIA. Por isso definimos o padrão de suas soluções digitais. Fonte: The Connected Consumer Survey 2016 ATIVIDADES EM AMBIENTE DIGITAL Utilizam Mídias Sociais Checam regularmente seus emails Jogam online Compram produtos e serviços online 48% 12% 28% 27% 26% 68% 40% 14% Usam mecanismos de buscas Procuram por informações antes da compra Usam mapas e direcionadores online Ouvem música online Cenário
  • 7. Pilares da Transformação digital: a união entre tecnologia, atividades e pessoas Transformação Digital A tecnologia digital aplicada nas soluções de problemas tradicionais. Ocorre quando são definidas ferramentas, se desenvolve projetos de sistemas, de portais, de sites e aplicações de negócio. tecnologia Busca a melhoria efetiva de resultados, os ganhos de competitividade e melhoria de desempenho. atividades A tecnologia passa a ter um papel estratégico central, oferecendo novas experiências, deixa de ser superficial ou desestruturada. pessoas
  • 8. Transformação Digital Finanças Recursos Humanos Atendimento ao cliente Operações Marketing Tecnologia da Informação Estratégia Digital Experiência e Satisfação do Cliente Retenção de Conhecimento Valor do Negócio Eficiência Operacional Valor da Marca Inovação
  • 9. A transformação digital só é possível quando o fator humano for priorizado. Para isso a experiência do usuário (e a uX - user eXperience, também) deve ser empregada, tanto na definição de requisitos, quanto a interação do usuário com um conjunto de ferramentas digitais. É necessário criar interfaces de fato intuitivas e que atendam as necessidades do usuário. Experiência do Usuário https://docmanagement.com.br/06/21/2018/transformacao- digital-uniao-entre-tecnologia-atividades-e-pessoas/EXPERIÊNCIAÉTUDO
  • 10. O que é jornada do consumidor? Esta jornada é muito parecida com um usuário que tem uma necessidade da informação, ou o estado anômalo do conhecimento, segundo (CHOO, 2003) Experiência do Usuário: jornadas
  • 11. Experiência do Usuário: Inbond Marketing cria funis
  • 12. Novas exigências para a curadoria de informação • O que foi uma vez uma mensagem agora é uma conversa. Os compradores hoje encontram e compartilham suas próprias informações sobre produtos de sua própria maneira, em seu próprio tempo. • O boca a boca está mais forte do que nunca. Pela primeira vez na história da humanidade, o boca a boca é um meio arquivado digitalmente. • Nenhum MOT é pequeno demais. Se os consumidores pesquisarão na internet desde casas até assistência médica, eles também o farão com band- aids e canetas esferográficas. • Os MOTs estão se encontrando. Nossos dispositivos móveis são máquinas de MOT. Conforme o uso de celulares cresce, os momentos zero, primeiro e segundo da verdade estão convergindo. Experiência do Usuário: jornadas MOT = Moment of Truth
  • 13. Descubra qual é sua ambição digital (com base em seu valor); Programas de Design (planning) que visam jornadas lucrativas de experiência do cliente; Entregue rapidamente a mudança através de um ecossistema de parceiros; De-risk o processo por etapas de sequenciamento, diminuindo riscos. Concentrando-se em ganhos rápidos que geram impulso e economia de custos. 4Ds da Transformação Digital
  • 14. Adaptado de TURBAN, Efrain por PINTO, 2017. contexto Sistemas de Negócios: transformações internas
  • 15. Sistemas de Negócios: gênese documental e informacional
  • 16. Entorno digital de um serviço de arquivo digital Captura LUZ, 2017 ISO 14721:2012 Entorno digital de um serviço de arquivo
  • 17. Entorno digital de um serviço de informação LUZ, 2017 Entorno digital de um serviço de informação
  • 18. É necessário considerar a amplitude dado, informação e conhecimento e aplicar as diferentes formas de gerenciar estes diferentes registros. Por exemplo, para gerenciar informação o mais importante é a estruturação dessa informação, ou seja a sua taxonomia (e a classificação por consequência). Ao gerenciar os diferentes tipos de conhecimento, devemos aplicar determinadas técnicas. O conhecimento explícito, por exemplo, registrado em documentos, precisam de um tratamento arquivístico. Amplitude da Transformação Digital
  • 19. Memória Coletiva (social) PropósitoInstituição Conjunto de Acervos Memória Individual ou Corporativa Organiza ção Função Arquivo Evidência Unidades Atividade Registro Indício Informacional Pessoas Transação Documento Arquivístico Dimensão 4: Disseminar Identidade Transaçõe s Evidência Repositórios de gestão documental Dimensão 2: Capturar Dimensão 1: Criação Dimensão 3: Organizar Frank Upward ™ record continuum A transformação digital gera a possibilidade de se enxergar as empresas e instituições como entidades informacionais. A tecnologia é base de apoio à sua estratégia, consumindo e gerando informações orgânicas. E que cada tipo diferente de registro tenha seu tratamento adequado, utilizando-se de métodos consagrados para a gestão de dados, a gestão de informação e a gestão de documentos de forma integrada e de alto impacto nos resultados das organizações. Transformação Digital na gestão da informação
  • 20. NÍVEL DESCRIÇÃO INSTRUMENTOS 5. Gestão estável e completa. Foco no uso das informações arquivísticas autênticas. SIGAD funciona em conjunto com outras bases de dados (fotografias, audiovisuais) e possibilita a geração de relatórios quantitativos e de conteúdo como suporte à tomada de decisão. Há interação entre a gestão de documentos e conformidade legal e normativa e TIC. Documento institucional é aquele declarado pela instituição, capturado no SIGAD. Uso de tesauros, recursos de Data Mining e Data Warehouse. 4. Gestão em processo de estabilização Foco na situação da demanda registrada no documento, trâmite. Controle parcial dos documentos acumulados pela instituição. Monitoramento permite analisar o nível de adesão à política e alcance da gestão dos documentos, realizar correções de rumos, propor treinamentos. Documentos não estruturados (comumente em suporte papel) como recursos para tomada de decisão. Existência de controle sobre os documentos, embora não muito forte e nem na totalidade. Adoção de SIGAD e de penalizações pela não observância das normas. 3. Instrumenta- lização Normalização Desenvolvimento e formalização normativa de políticas e instrumentos básicos de gestão: plano de classificação e tabela de temporalidade, regras de sigilo, manual de redação etc. Definição clara dos papéis e responsabilidades das pessoas e unidades. Treinamento. 2. Início Auto-análise e conscientização. Os processos e políticas são mapeados, modelados e definidos, bem envidados esforços de conscientização e preparação para mudanças. 1. Situação estratégica Reconhecimento Clareza quando à necessidade de gestão de documentos, principalmente quanto às questões legais envolvidas (não observância da legislação, possibilidade de litígios). Iniciativas pontuais (organização física, protocolo), não corporativas. 0. Inexistência Ausência e caos Inexistência de qualquer instrumento de gestão de documentos e do reconhecimento de sua necessidade. Pragmatismo. SANTOS, V. B. A gestão do conhecimento no escopo da atuação do arquivista. IV Simpósio Baiano de Arquivologia. 2013. E por falar em gestão de documentos: qual sua maturidade?
  • 21. Repositório Digital Confiável PRODUTOR(Instituição) Informação Descritiva Formatos Gestão dos Dados AIP Arquivo Permanente Consumidor Respostas Pedidos DIP Queries Acesso Administração / Custódia Gestão Arquivística Informação Arquivística AIP AdmissãoSIP Política de Preservação O Arquivo transformadoE por falar em gestão de documentos: qual sua maturidade?
  • 22. Como alcançar os objetivos • Sistema confiável de armazenamento digital (RDC-ARQ); • Gerenciar a proteção de dados de acordo com boas práticas de TI para segurança de dados, backups, verificação de erros • Atualizar (mover arquivos para uma versão mais recente da mesma mídia de armazenamento ou para uma mídia de armazenamento diferente, sem alterações no fluxo de bits), verificar a precisão dos resultados (por exemplo, somas de verificação checksum), documentar o processo; • Manter várias cópias do fluxo de bits (política de backup); • Assegure-se de ter o direito de copiar e aplicar a preservação, o que pode exigir negociação com proprietários de direitos. HARVEY, Douglas Ross; OLIVER, Gillian. Digital curation. ALA Neal-Schuman, 2016. Ações de um Profissional da Informação e Arquivista Ações de um gestor de informação na Transformação Digital
  • 23. Registros digitais autênticos - Ser o que pretende ser, completude, autor, destinatário, redator, metadados especializados, etc. Registros digitais confiáveis - O conteúdo deve ser confiável como uma representação completa e precisa das transações, atividades ou fatos. Integridade - Completo e inalterado Registros digitais utilizáveis - Pode ser localizado, recuperado, apresentado e interpretado HARVEY, Douglas Ross; OLIVER, Gillian. Digital curation. ALA Neal-Schuman, 2016. Garantias do gestor de informação Ações de um gestor de informação na Transformação Digital
  • 24. 1 - Critério para seleção do patrimônio digital; 2 - Depósito de documentos amparado pela 8.159/91 e lei de acesso à informação; 3 - Uso de padrões e protocolos abertos; 4 - Padronização de estratégias de preservação; 5 - Padronização de metadados de preservação de acordo com padrões pré-estabelecidos; 6 - Adoção de padrões na criação, armazenamento e transmissão de documentos digitais; 7 - Aplicação de técnicas de preservação digital respeitando as especificidades de cada problema; 8 - Uso de instrumentos oriundos de TI e que garantem integridade, confiabilidade e autenticidade dos documentos digitais; 9 - Legislação que garantem a proteção do patrimônio digital e o seu reconhecimento pleno com o valor de prova; 10 - Gerenciamento de um planejamento a longo prazo; 11 - Alinhamento a agenda nacional de pesquisa em relação aos problemas de preservação e acesso e longevidade digital; monitoramento do surgimento de novos padrões; pesquisa e desenvolvimento de soluções abertas em cooperação com TI (Tecnologia da Informação). Drivers de análise do diagnóstico para montagem de Política de Preservação Digital Diagnóstico de Preservação
  • 25. LUZ, 2010. Competências de um gestor de informação na Transformação Digital
  • 26. obrigado Organizamos informações a UX WRITING PLANEJAMENTO TAXONOMIA SEARCH DOCUMENTAÇÃO CAPACITAÇÃOUX INTERFACE
  • 27. Charlley Luz charlley@feedconsultoria.com.br PENNOCK, Maureen. Digital Curation: A life-cycle approach to managing and preserving usable digital information. Library & Archives, January, 2007. HIGGINS, Sarah. The DCC curation lifecycle model. International Journal of Digital Curation, v. 3, n. 1, 2008. CUNNINGHAM, Adrian. Digital curation/digital archiving: A view from the National Archives of Australia. The American Archivist, v. 71, n. 2, p. 530-543, 2008. LEE, Christopher A.; TIBBO, Helen. Where’s the archivist in digital curation? Exploring the possibilities through a matrix of knowledge and skills. Archivaria, v. 72, p. 123-168, 2011. LUZ, C. Arquivologia 2.0: a informação digital humana. Excertos de um Arquivista 2.0 no mundo digital. Florianópolis: Bookess, 2010. HARVEY, Douglas Ross; OLIVER, Gillian. Digital curation. ALA Neal-Schuman, 2016. UPWARD, F. (1997). Structuring the record continuum part one: Post custodialprinciples and properties. Archives and Manuscripts, vol 24, no 2, pp 268-285. PRYOR, Graham; DONNELLY, Martin. Skilling up to do data: whose role, whose responsibility, whose career?. International Journal of Digital Curation, v. 4, n. 2, p. 158-170, 2009. CONSULTATIVE COMMITTEE FOR SPACE DATA SYSTEM (CCSDS). Reference Model for an Open Archival Information System (OAIS). Magenta Book. Washington, Jun. 2012. LUZ, C. Como a experiência do Usuário “uX” impacta na Arquitetura da Informação das Bibliotecas Digitais. III TOI, 2017. www.fespsp.academia.edu/CharlleyLuz/