SlideShare uma empresa Scribd logo
ABORDAGEM PSICANALÍTICA
PARTICIPANTES: BRUNA , CAMILA, CLEONICE, DANIELA, DEISIANE,
ISABELA, LUIZ HENRIQUE, LETÍCIA, JÉSSICA, NOEMY E SANMIA.
ASSUNTOS A SEREM DISCORRIDOS:
1. Fundamentos Teóricos - Freud e Melaine Klein
2. Relação Terapeuta X Paciente
3. Formas de atendimento – grupo e casal
4. Atendimento com Crianças e Adolescentes
5. Psicanálise e Psicoterapia
6. Sessão
CONCEITOS BÁSICOS
• Freud Iniciou seus estudos pela utilização da hipnose como método de tratamento para pacientes com
histeria. Ao observar a melhoria de pacientes de Charcot, elaborou a hipótese de que a causa da
doença era psicológica, não orgânica. Essa hipótese serviu de base para seus outros conceitos, como o
do inconsciente.
• Foi pela introdução do método de associação livre que Freud pôde cunhar o conceito de inconsciente.
• Esse método veio em função também de um trabalho teórico sobre a função do fantasma, ou seja, de
um questionamento da hipótese de que a etiologia da neurose devesse ser buscada em um trauma
ocorrido na infância.
1ª TEORIA: MODELO TOPOLÓGICO
• CONSCIENTE - CS Instância do aparelho psíquico que recebe, ao mesmo tempo, as informações do
mundo exterior e as do mundo interior. Na consciência destaca-se o fenômeno da percepção e,
principalmente, a percepção do mundo exterior.
• PRÉ-CONSCIENTE - PCS Instância que pode tornar-se consciente com uma relativa facilidade.
Recipiente de lembranças de que a consciência precisa para desempenhar suas funções.
• INCONSCIENTE - INCS Exprime o “conjunto dos conteúdos não presentes no campo atual da
consciência”. É constituído por conteúdos reprimidos, que não têm acesso aos outros dois sistemas,
pela ação de censuras internas. É regido por leis próprias de funcionamento, por ex., não existem as
noções de passado e futuro. É a maior parte do sistema psíquico, constituído de processos capazes de
influenciar o comportamento sem que o indivíduo perceba. Funciona pelo princípio da satisfação
imediata do prazer (Id).
2ª TEORIA: MODELO DINÂMICO
ID:
• constitui o reservatório de energia psíquica
• funciona pelo princípio do prazer: satisfação imediata das necessidades
• onde se localizam as PV e PM (ausência de desejo)
• é atemporal: a única dimensão é o presente
• é amoral
• é a sede do desejo
• componente “biológico” da personalidade.
2ª TEORIA: MODELO DINÂMICO
EGO (Eu):
• instância psíquica intermediária entre as exigências do ID, as exigências da realidade e as ordens do
SuperEgo
• funciona dentro do princípio da realidade: construir caminhos que possibilitem a satisfação do desejo.
• funções básicas: percepção, memória, sentimentos e pensamento
• sede da angústia (perigos reais e psicológicos que ameaçam a integridade do Δ) e, consequentemente,
é responsável pelos mec. de defesa
• componente “psicológico” da personalidade
2ª TEORIA: MODELO DINÂMICO
SUPEREGO (Supereu):
• é o responsável pela estruturação interna dos valores morais
• conteúdo com base nas exigências sociais e culturais (honestidade, coragem, caridade, etc)
• funções básicas: a moral, os ideais
• componente “social” da personalidade
ID, EGO E SUPEREGO
• Os três sistemas não devem ser considerados como manequins independentes que governam a
personalidade.
• Cada um deles tem suas funções próprias, seus princípios, seus dinamismos, mas atual um sobre o outro de
forma tão estreita que é impossível separar os seus efeitos.
MECANISMOS DE DEFESAS
• Chamamos de mecanismos de defesa os diversos tipos de processos psíquicos cuja finalidade consiste
em afastar um evento gerador de angústia da percepção consciente.
• Como sede da angústia, ele é mobilizado diante de um sinal de perigo e desencadeia uma série de
mecanismos repressores que impedirão a vivência de fatos dolorosos, os quais o organismo não está
pronto para suportar.
• Repressão / Deslocamento / Negação / Racionalização / Projeção / Regressão/ Sublimação.
ETAPAS DO DESENVOLVIMENTO PSICOSSEXUAL
• A teoria psicanalítica defende que o desenvolvimento psicossocial do indivíduo inicia desde os
primeiros anos de vida, em fases ou estágios psicossexuais definidas por regiões do corpo, nos quais
surgem necessidades que exigem ser satisfeita
1. Fase oral (0 a 2 anos)
• 1ª Etapa: até aproximadamente 06 meses: incorporação → experimentação passiva.
• BOCA: 1ª fonte de estimulação e excitação sensorial.
• Amor, satisfação ⇔ ódio, frustração.
• 2ª Etapa : aparecimento dos dentes: canibalística → experiência da dor (dentição) junto à satisfação de
triturar os alimentos e incorporá-los.
• Relação mais ativa, podendo exteriorizar o ódio pela não satisfação.
ETAPAS DO DESENVOLVIMENTO PSICOSSEXUAL
Fase Anal (2/3 a 4 anos)
• Nessa fase a satisfação das pulsões se dirige ao ânus, ao controle da tensão intestinal. A criança tem de
aprender a controlar sua defecação e, dessa forma, deve aprender a lidar com a frustração do desejo de
satisfazer suas necessidades imediatamente.
Fase fálica (4 a 6 anos)
• a atenção da criança volta-se para a região genital. Inicialmente a criança imagina que tanto os meninos
quanto as meninas possuem um pênis e defrontadas com as diferenças anatômicas entre os sexos, as crianças
criam as chamadas teorias sexuais infantis, imaginando que as meninas não tem pênis porque este órgão lhe
foi arrancado (complexo de castração). É neste momento que a menina tem medo de perder o seu pênis.
Surge aí o complexo de Édipo, em que o menino apresenta atração pela mãe e se rivaliza com o pai, e na
menina ocorre o inverso.
ETAPAS DO DESENVOLVIMENTO PSICOSSEXUAL
Fase de latência (6 a 11 anos)
• Este período caracteriza-se pelo deslocamento da libido da sexualidade para atividades socialmente
aceitas, ou seja, a criança passa a gastar sua energia em atividades sociais e escolares.
Fase genital (a partir de 11 anos)
• Início da adolescência, há uma retomada dos impulsos sexuais, o adolescente passa a buscar, em
pessoas fora de seu grupo familiar, um objeto de amor. Adolescência é um período de mudanças no
qual o jovem tem que elaborar a perda da identidade infantil e dos pais da infância para que pouco a
pouco possa assumir uma identidade adulta.
OS QUATRO CONCEITOS FUNDAMENTAIS DA
PSICANALISE
• Inconsciente
• Repetição
• Transferência
• Pulsão
MELAINE KLEIN
• “Como disse uma amiga, quando Klein em 1935
insistia que era uma freudiana: "agora já é tarde
- você é uma Kleiniana".” (ESCLAPES, 2016)
O INÍCIO
• Influenciada por Karl Abraham (psicanalista seguidor de Freud)
• 2ª Geração Psicanálitica
• Se afasta de Freud com suas ideias sobre Análise da crianças:
FREUD
KLEIN psicológico
fisiológico sexualidade
agressividade
AS BASES DE SUA NOVA PSICANÁLISE
• Estudo minucioso e integrado de todos os fenômenos: do nascimento a morte.
• Fantasias inconscientes associadas as relações objetais.
• As fantasias como formas do funcionamento mental
• Brincar é fundamental
AS PRIMEIRAS RELAÇÕES OBJETAIS
X
O SEIO BOM E O SEIO MAU
POSIÇÃO ESQUIZO PARANÓIDE
POSIÇÃO DEPRESSIVA
DIVISÃO DO SEIO:
BOM X MAU
ATAQUE AO SEIO MAU
MEDO E CULPA
INTROJEÇÃO E PROJEÇÃO
• As instâncias psíquicas: ego e superego.
• Formação da personalidade
• “[...]esta formação ocorre através das fantasias introjetivas e projetivas, as quais determinam a relação
do sujeito para com seu mundo externo. Durante toda a vida, a introjeção e projeção continuam
presentes nos processos de adaptação do sujeito, em seus progressos e derrotas.” (OLIVEIRA, 2007)
PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO
• FASE ORAL
• FASE ANAL
• LATÊNCIA
• PUBERDADE
• VIDA ADULTA
NORMAL X PATOLÓGICO
• “[...]nas mentes livres de qualquer tipo de perturbação psíquica — o que é extremamente raro — há
um equilíbrio melhor entre a fantasia e a realidade. Elas não deixam de fantasiar, porém sua atividade
de fantasia é mais bem elaborada, livre de repressões e está em conformidade com a realidade.”
(OLIVEIRA, 2007)
• NEUROSE
• PSICOSE
FANTASIA PARA O PROCESSO ANALÍTICO
• “De acordo com Isaacs (1986) a relação do paciente com o seu
analista é praticamente inteira de fantasias inconscientes. As
manifestações da vida fantasmática estão presentes em todas as
vocalizações do paciente, em seu estilo verbal: a cadência da fala,
as repetições, a forma de mudança do relato, suas negações, a
maneira como narra os acontecimentos passados e as pessoas
envolvidas nestes[...]” (OLIVEIRA, 2007)
RELAÇÃO TERAPEUTA VS PACIENTE
• Denominado de Fabrício, um menino de cinco anos de idade, imperativo, genioso e sedutor. Filho único
e de pais jovens, mora com a mãe e os avós maternos. Chega ao consultório, apresentando constipação
intestinal funcional diagnosticada pelo médico. Não consegue evacuar durante 4 a 5 dias, resultando
em fortes dores abdominais, suja a roupa involuntariamente, devido à retenção das fezes, além de, por
diversas vezes, a mãe precisar extrair as fezes manualmente. Fabrício já havia sido submetido à várias
hospitalizações por conta deste sintoma. Associado ao sintoma da constipação, Fabrício apresenta
traços obsessivos que remontam à fixação da pulsão anal: toca nos objetos com a ponta dos dedos,
detesta sujar-se, demonstra baixa tolerância às frustrações, fazendo birra ou explodindo com seus
familiares e amigos, o que remete à dificuldade em lidar com sua agressividade. Ansioso e irritadiço,
encontra-se demasiadamente identificado à mãe: baixa autoestima exigências e confusões psicoafetivas
refletem como um espelho as questões da mãe.
Caso Clínico
• Ela possui traços anais marcados pelo alto nível de exigência e rigidez consigo e com a educação do
filho, além de ser ordeira e parcimoniosa. Tem dificuldades em colocar limites para o filho, pois não
consegue ocupar uma posição de autoridade em relação a ele, ao mesmo tempo em que não permite o
pai exercê-la. Ele, por sua vez, abstém-se de qualquer implicação no exercício da função paterna e
permite que a separação do casal interfira no vínculo com seu filho. Os pais divorciaram-se
aproximadamente dois anos após o nascimento de Fabrício. Extremamente colado à mãe, Fabrício
expressa, no sintoma da constipação, a dialética entre permanecer submetido psiquicamente ao Outro
materno ou separar se dele. O pai é ausente e distante do filho desde então, recusando-se, na maioria
das vezes, a comparecer nas entrevistas, quando convidado pela analista.
O QUE PODE OCORRER NESSA RELAÇÃO
• A Transferência .
• Transferências são reedições, reduções das reações e fantasias que, durante o avanço da análise,
costumam despertar-se e tornar-se conscientes, mas com a característica de substituir uma pessoa
anterior pela pessoa do médico. Dito de outra maneira: toda uma série de experiências psíquicas
prévias é revivida, não como algo do passado, mas como um vínculo atual com a pessoa do médico.
Algumas são simples reimpressões, reedições inalteradas. Outras se fazem com mais arte: passam por
uma moderação do seu conteúdo, uma sublimação. São, por tanto, edições revistas, e não mais
reimpressões. (FREUD, 1969. v. 7, p. 109-19)
• Contratransferência.
• Um conjunto de imagens, sentimentos e impulsos do terapeuta durante a sessão e poderia ocorrer de
três formas: a) como um obstáculo; b) como instrumento terapêutico; e c) como um "campo" em que o
paciente pode realmente adquirir uma experiência viva e diferente da que teve originalmente. Ele
também descreveu dois tipos de reações contratransferenciais: a contratransferência complementar,
que seria quando o ego do terapeuta fica identificado com os objetos internos do paciente; e a
contratransferência concordante, que é quando a identificação se faz entre aspectos da personalidade
(ego, id e superego) do terapeuta com os respectivos aspectos da personalidade do paciente. (RACKER,
1982),
• A Resistência.
• A resistência aparece na clínica como força contrária a qualquer tentativa de rompimento do
isolamento estabelecido pelo recalque a um conjunto de representações. Ou seja, sempre que o
trabalho de análise se aproxima de uma representação recalcada, a resistência se manifesta, tentando
impedir esse trabalho, como obstáculo à rememoração. Nesse contexto, Freud reconhece que qualquer
mudança no estado de seus pacientes exigiria um percurso muito mais laborioso do tratamento, haja
vista o tempo e o esforço empregados no processo de superação do obstáculo imposto pela resistência
ao trabalho de associação livre (VENTURA, 2009)
ATENDIMENTO GRUPO X CASAL
• Atendimento com casais:
• Normalmente o que leva um casal à terapia é quando seu convívio comum esta em crise, em pleno
processo de separação, com a tentativa de salvar o casamento ou de aceitar que a separação já esteja
irreversível, desejando que esta seja o menos traumática possível, especialmente para os filhos. Pode
ocorrer também que apenas um deseja o divorcio, enquanto o outro não aceita de forma alguma e luta
pela manutenção da união.
ATENDIMENTO CASAL
• Precisa ser verificado o que esta favorecendo ou não o casal, as principais causas que estão os
desgastando a ponto de conduzi-los ao desejo de separação, que em linhas gerais são:
1. Uma profunda desilusão de expectativas e idealização extrema produzida na fase da paixão;
2. Personalidade imatura e dependente.
3. Infidelidade conjugal.
4. Agressões recíprocas, como: cobranças excessivas, controle tirânico, mútuas responsabilizações
indevidas, desqualificações, humilhações, deboches, acusações, críticas e ameaças, tendo como
principal instrumento o uso sistemático e exagerado de identificações projetivas daquilo que cada um
não suporta reconhecer em si e projeta no outro. Dentre outras...
ATENDIMENTO CASAL
• Existe alguns tipos de colusões que devem ser identificadas no vinculo do casal:
1. Amor paixão - devem-se levar em conta as duas faces da paixão: uma é o seu lado sadio e lindo, já a
outra face da paixão é aquela que se torna “obcecante, escravizadora, cega e burra”.
2. Amor simbiótico - um apego amoroso exageradamente intenso que no fundo corresponde a um
intenso medo de desamparo.
3. Amor distante – este é um tipo defensivo dos sentimentos amorosos. É comum que mantenham breves
relações sexuais, sempre com o freio puxado contra um maior envolvimento, de assumir um
compromisso mais sério, sobretudo pelo medo de uma futura desilusão.
4. Amor sadomasoquista - A grande característica consiste em recíprocas agressões.
5. Amor narcisista - Neste caso, mais importante do que “amar” é ter provas de que se “é amado pelo
outro” de uma forma incondicional, o que costuma gerar incontáveis protestos em um deles (ou nos
dois) de que esteja “faltando mais amor”.
6. Amor com controle obsessivo - um deles (às vezes os dois) assume o papel de exercer um controle
rígido e tirânico sobre o outro.
ATENDIMENTO CASAL – NA PRÁTICA CLINICA
• Devemos reconhecer o tipo de colusão que preside o vínculo do casal. As colusões formam-se a partir
de um jogo, uma forma de “brincar”, conjunta, que não é reconhecido conscientemente pelos
integrantes do casal.
• Cada um do casal faz tentativas de satisfazer a duas necessidades básicas: uma, buscar no outro uma
complementação daquilo que falta em si próprio; a segunda consiste em depositar no outro tudo aquilo
que não tolera em si.
• O terapeuta deve contribuir para que se restabeleça o processo de comunicação que, habitualmente, já
está muito comprometido, de modo a possibilitar uma nova forma na transmissão do discurso e uma
melhor capacidade de escuta daquilo que o outro está tentando comunicar. O terapeuta deve enfatizar
o quanto a palavra deixou de ser um vínculo de comunicação e se tornou um instrumento a serviço de
projeções agressivas.
ATENDIMENTO CASAL – NA PRÁTICA CLINICA
• Uma recomendação útil é a de que o terapeuta possa assinalar o fato bastante comum de que o casal
pensa que está dialogando, no entanto, é evidente que se trata de uma pseudo comunicação, que não
passa de dois monólogos em paralelo, no qual cada um quer provar e impor a sua tese ao outro.
• Tanto quanto possível, deve ficar bem claro no contrato analítico que o paciente é o casal, de sorte que
não haverá atendimento individual sistemático se o outro não estiver presente.
• A transferência da dupla, em relação ao terapeuta do casal, pode recriar uma “cena
• primária triangular”, na qual alguém se sinta excluído, o analista deve ficar atento para que isso não
aconteça.
• Cabe ao terapeuta de casal desenvolver neles a capacidade de reconhecimento e de respeito pelas
inevitáveis diferenças de pontos de vista, valores, posições, sem que isso signifique que um esteja certo
e o outro errado.
• Se o caso for separação, cabe ao terapeuta trabalhar com eles o quanto é fundamental a forma de
comunicar aos filhos que essa decisão deles, de separação, já está consumada, sem um clima de
tragédia, transmitir aos filhos que o respeito persistirá entre o casal.
ATENDIMENTO DE GRUPO - GRUPOTERAPIA
• Seleção - É bom que seja feita uma ou mais entrevistas prévia individual, para avaliar o nível e o grau da
psico patogenia, tendo em vista a composição do grupo, a motivação que o pretendente demonstra em
relação à seriedade de como encara o tratamento e a disposição para fazer mudanças verdadeiras.
• Setting Grupal - É necessário desde o inicio uma série de combinações de regras que devem ser
obrigatoriamente cumpridas, comportamento dentro e fora da situação grupal, a principal se denomina
“regra de ouro” – a do sigilo.
GRUPOTERAPIA
• O enquadre grupal promove a criação de um novo espaço, no qual os pacientes irão reexperimentar
velhas experiências emocionais e inter-relacionamentos complicados, que foram mal resolvidos, na
família e nos demais grupos de convívio, os quais estão à espera de uma ressignificação que possibilite a
reconstrução daquilo que está interiorizado de forma patogênica dentro de cada um; no próprio
enquadre quando se adquire a condição da mútua confiabilidade geral, por si só funciona como um
continente de uns para os outros.
• Resistência-Contra-Resistência – É importante enfatizar que devemos estar suficientemente alertas para
a alta probabilidade da contração de conluios resistências - contra-resistencias, de natureza
inconsciente. Tais conluios adquirem distintas configurações vinculares entre os pacientes do grupo e o
terapeuta, podem surgir situações como:
GRUPOTERAPIA
1. Negação coletiva (ex: por temas ou sentimentos relativos a sexo, agressão, morte ...).
2. Uma recíproca fascinação narcisista (grupo fascinado pelo saber do terapeuta e este fascinado pela
fascinação do grupo por ele).
3. Predominância do suposto básico – dependência.
4. Acomodação (o grupo e o terapeuta entram em um estado de desistência a adquirir mudanças mais
profundas).
GRUPOTERAPIA
• Interpretação - Partindo das vivências relatadas por cada um, se descobre um denominador comum nas
diferentes narrativas e, só então, formula-se uma interpretação, mais como sendo uma hipótese do que
uma verdade acabada, então se espera novas associações.
• É útil também ao final da sessão, como um recurso de integrar os aspectos que muitas vezes aparecem
de forma muito dissociada e, às vezes, até caótica, fazer uma síntese, que unifique aquilo que
aconteceu na sessão, de forma a nomear, integrar e tornar compreensível para todos aquilo que se
passou no curso da sessão, com as respectivas correlações e interações entre todos os participantes.
ATENDIMENTO CRIANÇAS E ADOLESCENTES
Na Psicanálise podemos encontrar importantes autores que trouxeram importantes contribuições para o
atendimento infantil, dentre eles:
- Ana Freud : que dedicou uma atenção especial ao tratamento de crianças , propondo um trabalho mais
pedagógico.
-Melanie Klein : introduziu de forma mais sistemática e consciente, o uso dos brinquedos, desenhos e
jogos na sua técnica. A criança vai expressar sus conflitos nas brincadeiras. O uso dos jogos com os
brinquedos, equivaliam Para Kleim como uma forma de da livre associação de ideias, assim ela
interpretava a criancinha com a maior neutralidade possível, sempre dentro do marco transferencial,
mirando as fantasias inconscientes, que promoviam as angustias , inibições e sintomas.
-Winnicott : dedicou-se a estudar a fundo os meios de utilizar o espaço terapêutico de forma mais
produtiva, a fim de obter melhores resultados. Desenvolveu o Jogo dos Rabiscos. Concebeu a fundamental
importância da presença de uma mãe suficientemente boa, a importância das crianças brincarem com
outros no sentido de despertarem a criatividade, a formação de um falso self quando as crianças querem
garantir o amor da mãe a qualquer custo
ASPECTOS NA PRATICA NA ANALISE COM CRIANÇAS
1) Características
As crianças apresentam algumas particularidades próprias no seu atendimento, diferentes das dos
adolescentes e dos adultos como:
- Instabilidade, transformações e vínculo transferencial
2) Setting
O clima reinante no setting deve ser o de liberdade para que a criança possa brincar, jogar, falar,
movimentar-se, rolar pelo chão, cantar, pitar, gritar, desenhar, escrever, rasgar, fazer coisas e expressar-se a
sua moda. A sala de atendimento deve ser clara e suficientemente espaçosa, um mínimo de moveis
simples, resistentes e confortáveis, uma pia com agua.
3) Transferência – Contratransferência
Costuma haver uma dupla transferência, com distintas e, as vezes, complexas configurações
transferências que se formam entre a criança, a mãe e o pai, tendo o terapeuta com o figura central,
não sendo nada rara a possibilidade de a criança forcar um jogo de intrigas entre os pais e o analista.
ADOLESCENTES
• Nos primeiros tempos eram os pais espontaneamente ou influenciados por educadores educacionais,
médicos, professores, parentes, etc.. que induziam o filho a se tratar psicanaliticamente. Na atualidade,
cada vez mais, a iniciativa está partindo do próprio adolescente, por alguns aspectos típicos:
• Confusão em relação ao seu sentimento de identidade.
• Ambiguidade na passagem da identidade de criança para a de adulto
• Luto pelas perdas inevitáveis
• Conflito com os pais
PSICANÁLISE E PSICOTERAPIA
• As psicoterapias psicanalíticas nasceram do esforço de analista e outros terapeutas para superar os limites da
cura-tipo. Quando comparadas entre si, estas experiência pioneiras podem ser dividas em três grandes grupos.
O primeiro de Melaine Klein com crianças; de Federn, Rosen, Frieda Fromm Reichman e outros, com os
psicóticos adultos, Reich com os neuroricos caracteriais. O segundo é formado pelos ensaios de aplicação de
conceitos psicanalíticos a pedagogia e psiquiatria institucional. O terceiro constitui-se a partir do tratamento
psicanalítico de grupo, cujo, protótipo clinico- teóricos são os trabalhos de Bion.
• As psicoterapias breves surgiram essencialmente como uma resposta ao problema assistencial colocado pela
massa cada vez maior de população consultante; onde se buscavam por atendimentos psicoterápicos menos
longos.
• As terapias de curto prazo individuais e grupais, permitem ampliar a assistência psiquiátrica, proposito esse, que
por outro lado não era compatível com o emprego de tratamentos longos; os objetivos terapêuticos deviam
então centrar-se na superação de sintomas e incidentes agudos, ou situações perturbadoras atuais, se
apresentam como prioritárias por sua urgência e/ou importância.
• Amorim (2005) afirma que a psicoterapia de orientação psicanalítica baseia-se nos mesmos princípios teóricos
que a psicanálise, porém com diferenças significativas, menor uso da associação livre, sessões menos frequentes
e fatores que minimizam os efeitos regressivos (que são estimulados na psicanálise).
ALGUNS CONCEITOS
• Existem alguns conceitos de especial aplicação em PBps (situação-problema, foco, ponto de urgência,
experiência emocional corretiva, aliança terapêutica e planejamento) que tem gerado uma certa
confusão no terreno teórico da PBps, e que merecem atenção especial. (Braier, 2000)
• São elas : situação-problema, foco e ponto de urgência.
• Situação problema-situações: são as desencadeadoras de dificuldades, que agem como obstáculos para
o manejo psíquico do paciente, ocorrendo normalmente em situações cotidianas, como viagens, perda
de um ente querido, entre outras ocasiões.
• Experiência emocional corretiva : é uma experiência global, completa, que envolve aspectos cognitivos,
emocionais, volitivos e motores. A EEC visa possibilitar que o conflitos antigos, não resolvidos, surjam
na relação transferencial que se estabelece no tratamento, permitindo que a diferença entre as reações
atuais do terapeuta e as reações das figuras parentais na relação primitiva seja o fatos preponderante
para produzir mudanças .
ALGUNS CONCEITOS
• Foco : contribui para uma ação mais precisa do terapeuta, possibilitando- o desenvolver metas, desta
forma, o enfoque contribui para a operabilidade dentro dos métodos terapêuticos. O foco delimita-se
em torno do motivo que o levou a consulta, logo, o mesmo seria o conjunto de determinações sofridas
pelo paciente. O foco propriamente dito, seria resultado do dialogo que o mesmo efetua com sua
realidade. Os recursos técnicos utilizados pelo terapeuta para manter o trabalho terapêutico
direcionado para o foco são a interpretação, a atenção e a negligência seletiva .
• Ponto de urgência: pode ser inerente ao foco, ou mesmo, estranho a ele (sendo chamado de extra
focal) este pode ser encarado como situações inesperadas; estas podem aparecer durante sessão,
fazendo com que, o paciente saia do foco determinado. Nestes casos, é imprescindível atender o ponto
de urgência, auxiliando o paciente para depois voltar à conflitiva focal da PBps. (Braier, 2000).
• Planejamento: deve ser flexível permitindo-se adequá-lo a dinâmica do tratamento
ESTABELECIMENTO DA CRISE
• Durante as primeira sessões, é importante estabelecer se o cliente esta ou não em crise. Algumas
etapas da vida são geradores de crises como: adolescencia, casamento, meia idade, desemprego,
separação, promoção e etc; porem não levam necessariamente a pessoa a crise.
• Estar a angustiado ou deprimido não é sinônimo de crise, pois a crise esta aqui entendida, como a
ruptura de sentido de vida, produz um corte na subjetividade do sujeito, um contato privilegiado com
seus conteúdos ICS.
• O sujeito em crise questiona seus valores, relações afetivas e seus hábitos. Para saber se há crise é
preciso saber o estilo de vida do paciente, para isso, é necessária perguntas sobre como é seu cotidiano,
seu trabalho, seus interesses, amigos , etc.
.
PSICANÁLISE X PSICOTERAPIA
• PSICANALISE: tem por meta fundamental tornar CS o ICS, trabalhando em uma perspectiva de
reconstrução da estrutura da personalidade, logo, a reconstrução envolve a resolução de conflitos
através da elaboração do ganho de maior bem estar, pretendendo por sua vez, aliviar ou mesmo
eliminar os sintomas.
• PSICOTERAPIA: aparece em função das necessidades mais imediatas. Os objetivos estão em termos de
superação, onde o sujeito poderá encarar e enfrentar determinadas situações conflitivas e recuperar
sua capacidade de autodesenvolvimento. Em um sentido psicodinâmico corresponde a obtenção de um
principio de insight a respeito dos conflitos subjacentes, ou seja, nos propomos a tonar CS aspectos ICS
mesmo não sendo a meta central. Malan diz sobre as vantagens de incluir expectativas de resultados
terapêuticos maiores do que as circunscritas nas metas e a remissão de sintoma
FUNÇÃO DO TERAPEUTA NAS PBPS
• São aspectos desejáveis : 1 - a “destreza pessoal” que deve incluir qualidades pessoais como,
flexibilidade, segurança e calor humano, bem como uma atitude deliberadamente ativa e um
sentimento de satisfação em relação ao atendimento. 2 – a “condições especiais” que permitem ao
terapeuta uma adaptação as peculiaridades e dificuldades do paciente na realização da tarefa de ajuda .
• Ou seja, o terapeuta tem lugar dinâmico, como propósito de clarificar e resolver ainda que parcialmente
a patologia. Malan discorre sobre a elaboração prévia de um dado aspecto da patologia, o paciente se
conscientiza parcialmente do conflito básico relacionado.
CONSIDERAÇÕES SOBRE O PACIENTE
• As características desejáveis do paciente para ´melhor aproveitamento terapeutico são :
• 1- motivação para mudanças
• 2- capacidade para responder as interpretações
• 3- capacidade de estabelecer vinculo terapêuticos
• 4- relações interpessoais significativas no passado
• 5- forca egóica suficiente ao trabalho terapêutico
• 6- possibilidade de estabelecer tema central
CONSIDERAÇÕES SOBRE VÍNCULO E OBJETIVOS
TERAPÊUTICO
• É necessário a junção do potencial criativo do paciente com o potencial de ajuda do terapeuta.
• É importante estabelecer um sentimento de confiança, pois a mesmo estabelece uma experiência
criativa que possibilita um estado de relaxamento .
• Seu objetivo principal é a “cura superficial das populações “ e não a “ cura profunda dos indivíduos”.
Entretanto, a conjugação deste objetivo com as premissas psicanalíticas não se faz de maneira facil
PSICOTERAPIA
• TEMPORALIDADE: É comum fixar uma duração mais curta em geral de alguns meses. Stekel, aponta a
incidência favorável deste processo breve e que a limitação determinada antemão, estimularia o
progresso da terapia. Ao fixar prazo para o encerramento, cria-se uma situação diferente da situação
psicanalítica. Influenciando o vinculo terapêutico e a finalização do tratamento e temporalidade confere
na terapia o começo, meio e fim; introduzindo na terapia o elemento de realidade, o que enfraquece no
paciente a produção de fantasias regressivas.
• TÉCNICA: É uma eleição dos conflitos a serem tratados ( estes prevalecem por sua importância, ou
seja,foco). O terapeuta deve-se centrar nos fatores determinantes desses conflitos, isso bastara para um
bom resultado. Não deve aprofundar-se nos conflitos infantis, evitando a produção excessiva da
mobilização afetiva e a regressão.
• Em alguns tratamentos é possível confrontar o paciente com o conflito original, pois o mesmo, tem a
capacidade de insight relacionando-o com a situação conflitiva.
PSICOTERAPIA
• Na PB deve-se evitar interpretações prematuras
• Transferência, neurose de transferencial e dependência são aspectos favorecidos na terapia
psicanalítica e não recomendados para PB. Na PB de insight estes aspectos não são convenientes, já
que, está voltada a situações conflitivas atuais.
• SPILKA, KNOBEL, WOLBERQ dizem sobre evitar a neurose de transferência, pois ela pode desencadear a
regressão, logo o paciente estaria num estado regressivo-dependente com reações nocivas em virtude
da dificuldade de separação com a relação do terapeuta.
PSICOTERAPIA
• RESISTÊNCIA: Freud mencionou a resistência pela primeira vez em 1895, referindo-se à dificuldade de
rememoração de conteúdos recalcados de suas pacientes histéricas, e ao longo do desenvolvimento
dos conceitos psicanalíticos. A resistência ocorre pois, o analisando opõe-se ao acesso de seu próprio
inconsciente, isto é, ao trabalho terapêutico e a cura. Na psicanálise, a análise exaustiva das resistências
constitui uma parte imprescindível de todo tratamento psicanalítico e o prolongamento deste processo,
deve-se em grande parte, à necessidade de elaboração dessas resistências. Na PBps, esta análise não
apresenta o mesmo caráter intensivo. Uma das limitações é a temporal, embora esta não seja a única,
mas a própria proposta de tratamento em PBps não contempla este tipo de análise. (Braier, 2000).
• Na terapia breve as resistências são conhecidas como obstáculos do avanço psicoterapêuticos .
COMPARAÇÕES ENTRE PSICANÁLISE E PSICOTERAPIA BREVE
PSICANÁLISE PSICOTERAPIA
Fins Terapêuticos A exploração do inconsciente.
Resolução de conflitos básicos.
Reestruturação da personalidade
Limitados. Superação de sintomas e
problemas atuais.
Temporalidade Prolongada.
Indeterminada
Limitada.
Habitualmente a conflitos
derivados.
CONTINUACAO TABELA
PSICANÁLISE PSICOTERAPIA
TECNICA Trabalhos com os conflitos Refere-se a conflitos
básicos
Limita-se a derivados
Regressão. Dependência São favorecidas Não são favorecidas
Desenvolvimento e análise
da neurose de
transferência
Sim Não
Insight Sim Sim, porém limitado
Fortalecimento e ativação
de funções egóicas
Não ( ou muito pouco) Sim
Focalização Não Sim
Multiplicidade de recursos
terapêuticos
Não Sim
Planejamento Não Sim
Análise de resistência Intensa Limitada
SESSÕES NA PB
• O numero de sessões varia de acordo com o paciente e sera decidido em conjunto, após as primeiras
sessões. O mais comum é a frequência de 1 vez por semana, com duração de cerca de 45 a 50 min; de
modo que todos o tratamento em geral, pode durar cerca de 20 sessões, dependendo do caso ; em
geral totalizando 5 a 6 meses.
• Entretanto ,vale lembrar, que há a possibilidade do encerramento antes do número marcado de
atendimento .
EM QUE CASOS HÁ INDICAÇÃO PARA PB
• As pessoas que melhor podem ter resultados com a PB são:
• 1- alto grau de motivação para terapia;
• 2 – capacidade de expressar sentimentos;
• 3 – participa ativamente da avaliação do seu problemas
• 4- capacidade de reconhecer seus sintomas
• 5 – curiosidade a respeito de si
• 6 – ser aberto a novas ideias
• 7 – saber lidar com situações desagradáveis
• Em termos de enfermidades:
• 1 – transtorno depressivo leve
• 2- distimia
• 3- fobia social
• 4- transtorno de ansiedade
generalizada
• 5- síndrome do pânico
• 6- distúrbios de ajustamento
• 7- reação a estresse grave
• 8- alguns transtornos de personalidade
Com prognósticos menos favorável, mas com
possibilidade de melhoria são :
1- transtorno depressivo moderados
2-fobias especificas
3- transtornos alimentares
4- outros transtornos de personalidade
São contraindicados os casos de :
1- síndrome orgânicas
2-esquizofrenia
3-transtorno bipolar
4- transtorno de personalidade anti-social
5- retardado mental
6- autismo
SESSÃO
FORMAÇÃO
• A formação de um psicanalista é um processo lento, longo e difícil. É feita em Institutos, sociedades
escolas e afins relacionados a Psicanálise. Entretanto é comum confundirem psicólogos com
psicanalistas.
• Em primeiro lugar, é preciso fazer uma distinção. Não existe, no Brasil, um curso de graduação
em psicanálise. Portanto, você nunca vai encontrar alguém graduado em psicanálise. A formação
ligada aos Institutos Internacionais de Psicanálise (IPA) ou os Institutos de linhas como a lacaniana
irão formar psicanalistas, tendo em vista alguns critérios.
• Para ser psicanalista, em geral, o profissional tem que ser formado em medicina ou psicologia.
(Algumas formações aceitam formandos de outras áreas). Porém, apesar de não ser uma
graduação, normalmente, uma formação decente durará uns bons anos.
• A formação se assenta sob o tripé: estudo aprofundado das teorias, análise didática – o analista
faz análise – e supervisão, os seja, o analista é auxiliado por um profissional mais capacitado nos
primeiros atendimentos.
• O principal método da psicanálise é a interpretação da transferência e da resistência com
análise da livre associação. O analisado em uma postura relaxada passa a contar tudo o que vem
em sua mente, incluindo sonhos, desejos, fantasias etc, bem como as lembranças dos primeiros
anos da sua vida. O psicanalista somente escuta fazendo breves comentários que leva o
paciente a se auto-conhecer. O papel do psicanalista é de neutralidade, um mero "espelho“
• É obvio que a formação do psicanalista evoluiu e se aliou aos novos conceitos existentes nos
dias atuais. Mas sua formação continua LIVRE e seu exercício profissional é destinado a todos
aqueles que fizeram um curso LIVRE de FORMAÇÃO EM PSICANÁLISE.
VALORES DA SESSÃO
• Antigamente as consultas de psicanálise eram excessivamente caras e somente possíveis para
pessoas de alto poder aquisitivo. Porém, nos dias atuais com a popularização da psicanálise e a
possibilidade das formações de mais profissionais, cada dia mais os preços das consultas
psicanalíticas estão se adaptando a realidade da população brasileira. Além da percepção cada vez
maior que a sociedade tem tido da importância do trabalho profissional do psicanalista.
• Utilizando-se da Tabela de Honorários sugerido pela Ordem Nacional dos Psicanalistas, pode-se
ter uma noção de valores a cobrar.
• Lembrando que a Tabela não estabelece um piso nem de teto de preços para honorários, ficando
a critério de cada profissional psicanalista, definir conscientemente e em comum acordo com a
pessoa que solicita seus serviços, os valores a serem cobrados.
FREQUÊNCIA E TÉRMINO DA SESSÃO
• Freud recomenda em um de seus textos “Recomendações aos médicos que exercem a psicanálise” que é necessário 5
sessões na semana, com 45 minutos casa sessão, para se obter resultados, porém isso onera os pacientes.
• Essa prática de 5 atendimentos na semana não funciona em lugar nenhum, e não há uma regra que diz que é
necessário atendimento mais de 1 vez na semana, porém os psicanalistas fazem . As sessões com uma duração e
frequência de duas a três vezes por semana, cada sessão tem a duração de 45 minutos.
• Em “Análise terminável e interminável”, Freud aponta que o “término de uma análise acontece quando o paciente deixa
de sofrer seus sintomas, superando suas ansiedades e inibições; também quando o analista julga que foi tornado
consciente tanto material reprimido, que foi explicitada tanta coisa inteligível, que foram vencidas tantas resistências
internas que não há necessidade de temer uma repetição do processo patológico em apreço” . Por que só uma terapia
sem prazo definido será capaz de evitar a repetição de um processo patológico?
DIVÃ
• Na Psicanálise, o paciente, ao invés de ficar num face a face como acontece na Psicoterapia,
deita-se num divã e é solicitado a dizer tudo aquilo que lhe vem á mente, sem qualquer
constrangimento ou censura. Nesta posição, facilita o trabalho com a transferência, no entanto
os neopsicanalistas já não fazem mais uso.
• Freud sofreu duras críticas quanto ao uso do divã.
• Os neopsicanalistas aboliram o uso, porém os ortodoxos defendem seu uso, dizendo que
facilita a neurose de transferência.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Psicanálise II - Aula 1: O Início do Tratamento
Psicanálise II - Aula 1: O Início do TratamentoPsicanálise II - Aula 1: O Início do Tratamento
Psicanálise II - Aula 1: O Início do Tratamento
Alexandre Simoes
 
Diferentes abordagens da psicologia
Diferentes abordagens da psicologiaDiferentes abordagens da psicologia
Diferentes abordagens da psicologia
Rita Cristiane Pavan
 
Modelo cognitivo de beck
Modelo cognitivo de beckModelo cognitivo de beck
Modelo cognitivo de beck
Matheus Cheibub
 
FREUD E O DESENVOLVIMENTO DA PSICANÁLISE
FREUD E O DESENVOLVIMENTO DA PSICANÁLISEFREUD E O DESENVOLVIMENTO DA PSICANÁLISE
FREUD E O DESENVOLVIMENTO DA PSICANÁLISE
09108303
 
História da psicologia
História da psicologiaHistória da psicologia
História da psicologia
Celso Stumpo de Oliveira
 
Introdução psicopatologia
Introdução psicopatologiaIntrodução psicopatologia
Introdução psicopatologia
lucasvazdelima
 
Psicanálise
PsicanálisePsicanálise
Psicanálise
IsmaelOQueiroz
 
Aula II Os grandes sistemas teóricos em psicologia
Aula II   Os grandes sistemas teóricos em psicologiaAula II   Os grandes sistemas teóricos em psicologia
Aula II Os grandes sistemas teóricos em psicologia
Artur Mamed
 
Teorias do desenvolvimento
Teorias do desenvolvimentoTeorias do desenvolvimento
Teorias do desenvolvimento
Felipe Saraiva Nunes de Pinho
 
Freud e a Psicanálise
Freud e a PsicanáliseFreud e a Psicanálise
Freud e a Psicanálise
Bruno Carrasco
 
Introdução à psicopatologia
Introdução à psicopatologiaIntrodução à psicopatologia
Introdução à psicopatologia
Caio Maximino
 
Psicologia: Ciência e Profissão
Psicologia: Ciência e ProfissãoPsicologia: Ciência e Profissão
Psicologia: Ciência e Profissão
Milena Loures
 
slides da história da psicologia
slides da história da psicologiaslides da história da psicologia
slides da história da psicologia
joaovitorinopolacimatos
 
Psicologia Geral - Introdução ao Estudo da Psicologia
Psicologia Geral - Introdução ao Estudo da PsicologiaPsicologia Geral - Introdução ao Estudo da Psicologia
Psicologia Geral - Introdução ao Estudo da Psicologia
Rafael Wanderley
 
Psicologia hospitalar
Psicologia hospitalarPsicologia hospitalar
Psicologia hospitalar
GEDRBRASIL_ESTUDANDORARAS
 
Linha do Tempo - História da Psicologia
Linha do Tempo - História da PsicologiaLinha do Tempo - História da Psicologia
Linha do Tempo - História da Psicologia
Universidade Católica Dom Bosco
 
Psicopatologia I- Aula 2: Introdução ao campo da saúde mental
Psicopatologia I- Aula 2: Introdução ao campo da saúde mentalPsicopatologia I- Aula 2: Introdução ao campo da saúde mental
Psicopatologia I- Aula 2: Introdução ao campo da saúde mental
Alexandre Simoes
 
Aula 2 psicologia apostila
Aula 2   psicologia apostilaAula 2   psicologia apostila
Aula 2 psicologia apostila
José Vitor Alves
 
Gestalt-Terapia
Gestalt-TerapiaGestalt-Terapia
Psicologia aplicada a enfermagem
Psicologia aplicada a enfermagem Psicologia aplicada a enfermagem
Psicologia aplicada a enfermagem
Maria Gabriela Gomes Cavalcante
 

Mais procurados (20)

Psicanálise II - Aula 1: O Início do Tratamento
Psicanálise II - Aula 1: O Início do TratamentoPsicanálise II - Aula 1: O Início do Tratamento
Psicanálise II - Aula 1: O Início do Tratamento
 
Diferentes abordagens da psicologia
Diferentes abordagens da psicologiaDiferentes abordagens da psicologia
Diferentes abordagens da psicologia
 
Modelo cognitivo de beck
Modelo cognitivo de beckModelo cognitivo de beck
Modelo cognitivo de beck
 
FREUD E O DESENVOLVIMENTO DA PSICANÁLISE
FREUD E O DESENVOLVIMENTO DA PSICANÁLISEFREUD E O DESENVOLVIMENTO DA PSICANÁLISE
FREUD E O DESENVOLVIMENTO DA PSICANÁLISE
 
História da psicologia
História da psicologiaHistória da psicologia
História da psicologia
 
Introdução psicopatologia
Introdução psicopatologiaIntrodução psicopatologia
Introdução psicopatologia
 
Psicanálise
PsicanálisePsicanálise
Psicanálise
 
Aula II Os grandes sistemas teóricos em psicologia
Aula II   Os grandes sistemas teóricos em psicologiaAula II   Os grandes sistemas teóricos em psicologia
Aula II Os grandes sistemas teóricos em psicologia
 
Teorias do desenvolvimento
Teorias do desenvolvimentoTeorias do desenvolvimento
Teorias do desenvolvimento
 
Freud e a Psicanálise
Freud e a PsicanáliseFreud e a Psicanálise
Freud e a Psicanálise
 
Introdução à psicopatologia
Introdução à psicopatologiaIntrodução à psicopatologia
Introdução à psicopatologia
 
Psicologia: Ciência e Profissão
Psicologia: Ciência e ProfissãoPsicologia: Ciência e Profissão
Psicologia: Ciência e Profissão
 
slides da história da psicologia
slides da história da psicologiaslides da história da psicologia
slides da história da psicologia
 
Psicologia Geral - Introdução ao Estudo da Psicologia
Psicologia Geral - Introdução ao Estudo da PsicologiaPsicologia Geral - Introdução ao Estudo da Psicologia
Psicologia Geral - Introdução ao Estudo da Psicologia
 
Psicologia hospitalar
Psicologia hospitalarPsicologia hospitalar
Psicologia hospitalar
 
Linha do Tempo - História da Psicologia
Linha do Tempo - História da PsicologiaLinha do Tempo - História da Psicologia
Linha do Tempo - História da Psicologia
 
Psicopatologia I- Aula 2: Introdução ao campo da saúde mental
Psicopatologia I- Aula 2: Introdução ao campo da saúde mentalPsicopatologia I- Aula 2: Introdução ao campo da saúde mental
Psicopatologia I- Aula 2: Introdução ao campo da saúde mental
 
Aula 2 psicologia apostila
Aula 2   psicologia apostilaAula 2   psicologia apostila
Aula 2 psicologia apostila
 
Gestalt-Terapia
Gestalt-TerapiaGestalt-Terapia
Gestalt-Terapia
 
Psicologia aplicada a enfermagem
Psicologia aplicada a enfermagem Psicologia aplicada a enfermagem
Psicologia aplicada a enfermagem
 

Semelhante a Teoria e Pratica - Abordagem Psicanalitica

Freud e o inconsciente
Freud e o inconscienteFreud e o inconsciente
Freud e o inconsciente
psicologiaazambuja
 
Desenvolvimento psicosocial
Desenvolvimento psicosocialDesenvolvimento psicosocial
Desenvolvimento psicosocial
Lu1zFern4nando
 
JUNG E A FORMAÇÃO DA IDENTIDADE personalidade.ppt
JUNG E A FORMAÇÃO DA IDENTIDADE personalidade.pptJUNG E A FORMAÇÃO DA IDENTIDADE personalidade.ppt
JUNG E A FORMAÇÃO DA IDENTIDADE personalidade.ppt
alinerabelo31
 
Personalidade
PersonalidadePersonalidade
Personalidade
Liliane Ennes
 
Freud 1
Freud 1Freud 1
Freud 1
Kauê Martins
 
A TEORIA PSICANÁLITICA DE SIGMUND FREUD
A TEORIA PSICANÁLITICA DE SIGMUND FREUDA TEORIA PSICANÁLITICA DE SIGMUND FREUD
A TEORIA PSICANÁLITICA DE SIGMUND FREUD
Dandara Cunha
 
A CONSTRUÇÃO DA TEORIA DA PSICANALISE / Psico
A CONSTRUÇÃO DA TEORIA DA PSICANALISE / PsicoA CONSTRUÇÃO DA TEORIA DA PSICANALISE / Psico
A CONSTRUÇÃO DA TEORIA DA PSICANALISE / Psico
GeovanaRL
 
Psicologia aplicada à saúde u4
Psicologia aplicada à saúde u4Psicologia aplicada à saúde u4
Psicologia aplicada à saúde u4
Marlon Urban Flores
 
5 slides psicanalise_desejo_desencadeador_+processo_humano_todos
5 slides psicanalise_desejo_desencadeador_+processo_humano_todos5 slides psicanalise_desejo_desencadeador_+processo_humano_todos
5 slides psicanalise_desejo_desencadeador_+processo_humano_todos
Natália Martins
 
Desenvolvimento Cognitivo e da Personalidade na Adolescência
Desenvolvimento Cognitivo e da Personalidade na AdolescênciaDesenvolvimento Cognitivo e da Personalidade na Adolescência
Desenvolvimento Cognitivo e da Personalidade na Adolescência
Psicologia_2015
 
Aula03 contribuição da-psicanálise_à_educação-01-09-2014
Aula03 contribuição da-psicanálise_à_educação-01-09-2014Aula03 contribuição da-psicanálise_à_educação-01-09-2014
Aula03 contribuição da-psicanálise_à_educação-01-09-2014
Elisa Maria Gomide
 
Psicanalise- psicologia social2
Psicanalise- psicologia social2Psicanalise- psicologia social2
Psicanalise- psicologia social2
Daniele Rubim
 
Saúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidade
Saúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidadeSaúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidade
Saúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidade
Aroldo Gavioli
 
sadementaledesenvolvimentodapersonalidade-140813214028-phpapp01.pdf
sadementaledesenvolvimentodapersonalidade-140813214028-phpapp01.pdfsadementaledesenvolvimentodapersonalidade-140813214028-phpapp01.pdf
sadementaledesenvolvimentodapersonalidade-140813214028-phpapp01.pdf
Karlaejobson
 
Freud aprendizagem desenvolvimento e fases
Freud aprendizagem desenvolvimento e fasesFreud aprendizagem desenvolvimento e fases
Freud aprendizagem desenvolvimento e fases
Universidade Federal do Ceará
 
CARTA DE UM ADOLESCENTE: A QUESTÃO DO SUJEITO
CARTA DE UM ADOLESCENTE: A QUESTÃO DO SUJEITOCARTA DE UM ADOLESCENTE: A QUESTÃO DO SUJEITO
CARTA DE UM ADOLESCENTE: A QUESTÃO DO SUJEITO
silbartilotti
 
Minha Apresentação psicanálise slide.ppt
Minha Apresentação psicanálise slide.pptMinha Apresentação psicanálise slide.ppt
Minha Apresentação psicanálise slide.ppt
MariaEduardaGonalves70
 
Psicanálise
PsicanálisePsicanálise
Freud - O Método Psicanalítico
Freud - O Método PsicanalíticoFreud - O Método Psicanalítico
Freud - O Método Psicanalítico
John Wainwright
 
Personalidade
PersonalidadePersonalidade

Semelhante a Teoria e Pratica - Abordagem Psicanalitica (20)

Freud e o inconsciente
Freud e o inconscienteFreud e o inconsciente
Freud e o inconsciente
 
Desenvolvimento psicosocial
Desenvolvimento psicosocialDesenvolvimento psicosocial
Desenvolvimento psicosocial
 
JUNG E A FORMAÇÃO DA IDENTIDADE personalidade.ppt
JUNG E A FORMAÇÃO DA IDENTIDADE personalidade.pptJUNG E A FORMAÇÃO DA IDENTIDADE personalidade.ppt
JUNG E A FORMAÇÃO DA IDENTIDADE personalidade.ppt
 
Personalidade
PersonalidadePersonalidade
Personalidade
 
Freud 1
Freud 1Freud 1
Freud 1
 
A TEORIA PSICANÁLITICA DE SIGMUND FREUD
A TEORIA PSICANÁLITICA DE SIGMUND FREUDA TEORIA PSICANÁLITICA DE SIGMUND FREUD
A TEORIA PSICANÁLITICA DE SIGMUND FREUD
 
A CONSTRUÇÃO DA TEORIA DA PSICANALISE / Psico
A CONSTRUÇÃO DA TEORIA DA PSICANALISE / PsicoA CONSTRUÇÃO DA TEORIA DA PSICANALISE / Psico
A CONSTRUÇÃO DA TEORIA DA PSICANALISE / Psico
 
Psicologia aplicada à saúde u4
Psicologia aplicada à saúde u4Psicologia aplicada à saúde u4
Psicologia aplicada à saúde u4
 
5 slides psicanalise_desejo_desencadeador_+processo_humano_todos
5 slides psicanalise_desejo_desencadeador_+processo_humano_todos5 slides psicanalise_desejo_desencadeador_+processo_humano_todos
5 slides psicanalise_desejo_desencadeador_+processo_humano_todos
 
Desenvolvimento Cognitivo e da Personalidade na Adolescência
Desenvolvimento Cognitivo e da Personalidade na AdolescênciaDesenvolvimento Cognitivo e da Personalidade na Adolescência
Desenvolvimento Cognitivo e da Personalidade na Adolescência
 
Aula03 contribuição da-psicanálise_à_educação-01-09-2014
Aula03 contribuição da-psicanálise_à_educação-01-09-2014Aula03 contribuição da-psicanálise_à_educação-01-09-2014
Aula03 contribuição da-psicanálise_à_educação-01-09-2014
 
Psicanalise- psicologia social2
Psicanalise- psicologia social2Psicanalise- psicologia social2
Psicanalise- psicologia social2
 
Saúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidade
Saúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidadeSaúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidade
Saúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidade
 
sadementaledesenvolvimentodapersonalidade-140813214028-phpapp01.pdf
sadementaledesenvolvimentodapersonalidade-140813214028-phpapp01.pdfsadementaledesenvolvimentodapersonalidade-140813214028-phpapp01.pdf
sadementaledesenvolvimentodapersonalidade-140813214028-phpapp01.pdf
 
Freud aprendizagem desenvolvimento e fases
Freud aprendizagem desenvolvimento e fasesFreud aprendizagem desenvolvimento e fases
Freud aprendizagem desenvolvimento e fases
 
CARTA DE UM ADOLESCENTE: A QUESTÃO DO SUJEITO
CARTA DE UM ADOLESCENTE: A QUESTÃO DO SUJEITOCARTA DE UM ADOLESCENTE: A QUESTÃO DO SUJEITO
CARTA DE UM ADOLESCENTE: A QUESTÃO DO SUJEITO
 
Minha Apresentação psicanálise slide.ppt
Minha Apresentação psicanálise slide.pptMinha Apresentação psicanálise slide.ppt
Minha Apresentação psicanálise slide.ppt
 
Psicanálise
PsicanálisePsicanálise
Psicanálise
 
Freud - O Método Psicanalítico
Freud - O Método PsicanalíticoFreud - O Método Psicanalítico
Freud - O Método Psicanalítico
 
Personalidade
PersonalidadePersonalidade
Personalidade
 

Mais de Deisiane Cazaroto

Psicólogo na Unidade de Terapia Intensiva - Neonatal e Adulto
Psicólogo na Unidade de Terapia Intensiva - Neonatal e AdultoPsicólogo na Unidade de Terapia Intensiva - Neonatal e Adulto
Psicólogo na Unidade de Terapia Intensiva - Neonatal e Adulto
Deisiane Cazaroto
 
A clínica psicológica do trabalho
A clínica psicológica do trabalhoA clínica psicológica do trabalho
A clínica psicológica do trabalho
Deisiane Cazaroto
 
Alfred Adler
Alfred AdlerAlfred Adler
Alfred Adler
Deisiane Cazaroto
 
Caso - O operador Descontente / Psicologia Organizacional do Trabalho
Caso - O operador Descontente / Psicologia Organizacional do TrabalhoCaso - O operador Descontente / Psicologia Organizacional do Trabalho
Caso - O operador Descontente / Psicologia Organizacional do Trabalho
Deisiane Cazaroto
 
Acompanhante - Acompanhado , história a dois* / Psicologia da Saúde.
Acompanhante - Acompanhado , história a dois* / Psicologia da Saúde.Acompanhante - Acompanhado , história a dois* / Psicologia da Saúde.
Acompanhante - Acompanhado , história a dois* / Psicologia da Saúde.
Deisiane Cazaroto
 
Motivação - Processos Psicológicos Básicos
Motivação - Processos Psicológicos BásicosMotivação - Processos Psicológicos Básicos
Motivação - Processos Psicológicos Básicos
Deisiane Cazaroto
 
Epilepsia - Neuropsicologia
Epilepsia - NeuropsicologiaEpilepsia - Neuropsicologia
Epilepsia - Neuropsicologia
Deisiane Cazaroto
 
Sexualidade na velhice - Abordagem sócio-histórica
Sexualidade na velhice - Abordagem sócio-histórica Sexualidade na velhice - Abordagem sócio-histórica
Sexualidade na velhice - Abordagem sócio-histórica
Deisiane Cazaroto
 
Dificuldades de aprendizagem
Dificuldades de aprendizagemDificuldades de aprendizagem
Dificuldades de aprendizagem
Deisiane Cazaroto
 

Mais de Deisiane Cazaroto (9)

Psicólogo na Unidade de Terapia Intensiva - Neonatal e Adulto
Psicólogo na Unidade de Terapia Intensiva - Neonatal e AdultoPsicólogo na Unidade de Terapia Intensiva - Neonatal e Adulto
Psicólogo na Unidade de Terapia Intensiva - Neonatal e Adulto
 
A clínica psicológica do trabalho
A clínica psicológica do trabalhoA clínica psicológica do trabalho
A clínica psicológica do trabalho
 
Alfred Adler
Alfred AdlerAlfred Adler
Alfred Adler
 
Caso - O operador Descontente / Psicologia Organizacional do Trabalho
Caso - O operador Descontente / Psicologia Organizacional do TrabalhoCaso - O operador Descontente / Psicologia Organizacional do Trabalho
Caso - O operador Descontente / Psicologia Organizacional do Trabalho
 
Acompanhante - Acompanhado , história a dois* / Psicologia da Saúde.
Acompanhante - Acompanhado , história a dois* / Psicologia da Saúde.Acompanhante - Acompanhado , história a dois* / Psicologia da Saúde.
Acompanhante - Acompanhado , história a dois* / Psicologia da Saúde.
 
Motivação - Processos Psicológicos Básicos
Motivação - Processos Psicológicos BásicosMotivação - Processos Psicológicos Básicos
Motivação - Processos Psicológicos Básicos
 
Epilepsia - Neuropsicologia
Epilepsia - NeuropsicologiaEpilepsia - Neuropsicologia
Epilepsia - Neuropsicologia
 
Sexualidade na velhice - Abordagem sócio-histórica
Sexualidade na velhice - Abordagem sócio-histórica Sexualidade na velhice - Abordagem sócio-histórica
Sexualidade na velhice - Abordagem sócio-histórica
 
Dificuldades de aprendizagem
Dificuldades de aprendizagemDificuldades de aprendizagem
Dificuldades de aprendizagem
 

Último

MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
GracinhaSantos6
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
Manuais Formação
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
HelenStefany
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
samucajaime015
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
MatheusSousa716350
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
AdrianoMontagna1
 
A importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino MédioA importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino Médio
nunesly
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
pamellaaraujo10
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Nertan Dias
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
TiagoLouro8
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃOAUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
FernandaOliveira758273
 

Último (20)

MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
 
A importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino MédioA importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino Médio
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃOAUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
 

Teoria e Pratica - Abordagem Psicanalitica

  • 1. ABORDAGEM PSICANALÍTICA PARTICIPANTES: BRUNA , CAMILA, CLEONICE, DANIELA, DEISIANE, ISABELA, LUIZ HENRIQUE, LETÍCIA, JÉSSICA, NOEMY E SANMIA.
  • 2. ASSUNTOS A SEREM DISCORRIDOS: 1. Fundamentos Teóricos - Freud e Melaine Klein 2. Relação Terapeuta X Paciente 3. Formas de atendimento – grupo e casal 4. Atendimento com Crianças e Adolescentes 5. Psicanálise e Psicoterapia 6. Sessão
  • 3. CONCEITOS BÁSICOS • Freud Iniciou seus estudos pela utilização da hipnose como método de tratamento para pacientes com histeria. Ao observar a melhoria de pacientes de Charcot, elaborou a hipótese de que a causa da doença era psicológica, não orgânica. Essa hipótese serviu de base para seus outros conceitos, como o do inconsciente. • Foi pela introdução do método de associação livre que Freud pôde cunhar o conceito de inconsciente. • Esse método veio em função também de um trabalho teórico sobre a função do fantasma, ou seja, de um questionamento da hipótese de que a etiologia da neurose devesse ser buscada em um trauma ocorrido na infância.
  • 4. 1ª TEORIA: MODELO TOPOLÓGICO • CONSCIENTE - CS Instância do aparelho psíquico que recebe, ao mesmo tempo, as informações do mundo exterior e as do mundo interior. Na consciência destaca-se o fenômeno da percepção e, principalmente, a percepção do mundo exterior. • PRÉ-CONSCIENTE - PCS Instância que pode tornar-se consciente com uma relativa facilidade. Recipiente de lembranças de que a consciência precisa para desempenhar suas funções. • INCONSCIENTE - INCS Exprime o “conjunto dos conteúdos não presentes no campo atual da consciência”. É constituído por conteúdos reprimidos, que não têm acesso aos outros dois sistemas, pela ação de censuras internas. É regido por leis próprias de funcionamento, por ex., não existem as noções de passado e futuro. É a maior parte do sistema psíquico, constituído de processos capazes de influenciar o comportamento sem que o indivíduo perceba. Funciona pelo princípio da satisfação imediata do prazer (Id).
  • 5. 2ª TEORIA: MODELO DINÂMICO ID: • constitui o reservatório de energia psíquica • funciona pelo princípio do prazer: satisfação imediata das necessidades • onde se localizam as PV e PM (ausência de desejo) • é atemporal: a única dimensão é o presente • é amoral • é a sede do desejo • componente “biológico” da personalidade.
  • 6. 2ª TEORIA: MODELO DINÂMICO EGO (Eu): • instância psíquica intermediária entre as exigências do ID, as exigências da realidade e as ordens do SuperEgo • funciona dentro do princípio da realidade: construir caminhos que possibilitem a satisfação do desejo. • funções básicas: percepção, memória, sentimentos e pensamento • sede da angústia (perigos reais e psicológicos que ameaçam a integridade do Δ) e, consequentemente, é responsável pelos mec. de defesa • componente “psicológico” da personalidade
  • 7. 2ª TEORIA: MODELO DINÂMICO SUPEREGO (Supereu): • é o responsável pela estruturação interna dos valores morais • conteúdo com base nas exigências sociais e culturais (honestidade, coragem, caridade, etc) • funções básicas: a moral, os ideais • componente “social” da personalidade ID, EGO E SUPEREGO • Os três sistemas não devem ser considerados como manequins independentes que governam a personalidade. • Cada um deles tem suas funções próprias, seus princípios, seus dinamismos, mas atual um sobre o outro de forma tão estreita que é impossível separar os seus efeitos.
  • 8.
  • 9. MECANISMOS DE DEFESAS • Chamamos de mecanismos de defesa os diversos tipos de processos psíquicos cuja finalidade consiste em afastar um evento gerador de angústia da percepção consciente. • Como sede da angústia, ele é mobilizado diante de um sinal de perigo e desencadeia uma série de mecanismos repressores que impedirão a vivência de fatos dolorosos, os quais o organismo não está pronto para suportar. • Repressão / Deslocamento / Negação / Racionalização / Projeção / Regressão/ Sublimação.
  • 10. ETAPAS DO DESENVOLVIMENTO PSICOSSEXUAL • A teoria psicanalítica defende que o desenvolvimento psicossocial do indivíduo inicia desde os primeiros anos de vida, em fases ou estágios psicossexuais definidas por regiões do corpo, nos quais surgem necessidades que exigem ser satisfeita 1. Fase oral (0 a 2 anos) • 1ª Etapa: até aproximadamente 06 meses: incorporação → experimentação passiva. • BOCA: 1ª fonte de estimulação e excitação sensorial. • Amor, satisfação ⇔ ódio, frustração. • 2ª Etapa : aparecimento dos dentes: canibalística → experiência da dor (dentição) junto à satisfação de triturar os alimentos e incorporá-los. • Relação mais ativa, podendo exteriorizar o ódio pela não satisfação.
  • 11. ETAPAS DO DESENVOLVIMENTO PSICOSSEXUAL Fase Anal (2/3 a 4 anos) • Nessa fase a satisfação das pulsões se dirige ao ânus, ao controle da tensão intestinal. A criança tem de aprender a controlar sua defecação e, dessa forma, deve aprender a lidar com a frustração do desejo de satisfazer suas necessidades imediatamente. Fase fálica (4 a 6 anos) • a atenção da criança volta-se para a região genital. Inicialmente a criança imagina que tanto os meninos quanto as meninas possuem um pênis e defrontadas com as diferenças anatômicas entre os sexos, as crianças criam as chamadas teorias sexuais infantis, imaginando que as meninas não tem pênis porque este órgão lhe foi arrancado (complexo de castração). É neste momento que a menina tem medo de perder o seu pênis. Surge aí o complexo de Édipo, em que o menino apresenta atração pela mãe e se rivaliza com o pai, e na menina ocorre o inverso.
  • 12. ETAPAS DO DESENVOLVIMENTO PSICOSSEXUAL Fase de latência (6 a 11 anos) • Este período caracteriza-se pelo deslocamento da libido da sexualidade para atividades socialmente aceitas, ou seja, a criança passa a gastar sua energia em atividades sociais e escolares. Fase genital (a partir de 11 anos) • Início da adolescência, há uma retomada dos impulsos sexuais, o adolescente passa a buscar, em pessoas fora de seu grupo familiar, um objeto de amor. Adolescência é um período de mudanças no qual o jovem tem que elaborar a perda da identidade infantil e dos pais da infância para que pouco a pouco possa assumir uma identidade adulta.
  • 13. OS QUATRO CONCEITOS FUNDAMENTAIS DA PSICANALISE • Inconsciente • Repetição • Transferência • Pulsão
  • 14. MELAINE KLEIN • “Como disse uma amiga, quando Klein em 1935 insistia que era uma freudiana: "agora já é tarde - você é uma Kleiniana".” (ESCLAPES, 2016)
  • 15. O INÍCIO • Influenciada por Karl Abraham (psicanalista seguidor de Freud) • 2ª Geração Psicanálitica • Se afasta de Freud com suas ideias sobre Análise da crianças: FREUD KLEIN psicológico fisiológico sexualidade agressividade
  • 16. AS BASES DE SUA NOVA PSICANÁLISE • Estudo minucioso e integrado de todos os fenômenos: do nascimento a morte. • Fantasias inconscientes associadas as relações objetais. • As fantasias como formas do funcionamento mental • Brincar é fundamental
  • 18. O SEIO BOM E O SEIO MAU POSIÇÃO ESQUIZO PARANÓIDE POSIÇÃO DEPRESSIVA DIVISÃO DO SEIO: BOM X MAU ATAQUE AO SEIO MAU MEDO E CULPA
  • 19. INTROJEÇÃO E PROJEÇÃO • As instâncias psíquicas: ego e superego. • Formação da personalidade • “[...]esta formação ocorre através das fantasias introjetivas e projetivas, as quais determinam a relação do sujeito para com seu mundo externo. Durante toda a vida, a introjeção e projeção continuam presentes nos processos de adaptação do sujeito, em seus progressos e derrotas.” (OLIVEIRA, 2007)
  • 20. PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO • FASE ORAL • FASE ANAL • LATÊNCIA • PUBERDADE • VIDA ADULTA
  • 21. NORMAL X PATOLÓGICO • “[...]nas mentes livres de qualquer tipo de perturbação psíquica — o que é extremamente raro — há um equilíbrio melhor entre a fantasia e a realidade. Elas não deixam de fantasiar, porém sua atividade de fantasia é mais bem elaborada, livre de repressões e está em conformidade com a realidade.” (OLIVEIRA, 2007) • NEUROSE • PSICOSE
  • 22. FANTASIA PARA O PROCESSO ANALÍTICO
  • 23. • “De acordo com Isaacs (1986) a relação do paciente com o seu analista é praticamente inteira de fantasias inconscientes. As manifestações da vida fantasmática estão presentes em todas as vocalizações do paciente, em seu estilo verbal: a cadência da fala, as repetições, a forma de mudança do relato, suas negações, a maneira como narra os acontecimentos passados e as pessoas envolvidas nestes[...]” (OLIVEIRA, 2007)
  • 24. RELAÇÃO TERAPEUTA VS PACIENTE • Denominado de Fabrício, um menino de cinco anos de idade, imperativo, genioso e sedutor. Filho único e de pais jovens, mora com a mãe e os avós maternos. Chega ao consultório, apresentando constipação intestinal funcional diagnosticada pelo médico. Não consegue evacuar durante 4 a 5 dias, resultando em fortes dores abdominais, suja a roupa involuntariamente, devido à retenção das fezes, além de, por diversas vezes, a mãe precisar extrair as fezes manualmente. Fabrício já havia sido submetido à várias hospitalizações por conta deste sintoma. Associado ao sintoma da constipação, Fabrício apresenta traços obsessivos que remontam à fixação da pulsão anal: toca nos objetos com a ponta dos dedos, detesta sujar-se, demonstra baixa tolerância às frustrações, fazendo birra ou explodindo com seus familiares e amigos, o que remete à dificuldade em lidar com sua agressividade. Ansioso e irritadiço, encontra-se demasiadamente identificado à mãe: baixa autoestima exigências e confusões psicoafetivas refletem como um espelho as questões da mãe. Caso Clínico
  • 25. • Ela possui traços anais marcados pelo alto nível de exigência e rigidez consigo e com a educação do filho, além de ser ordeira e parcimoniosa. Tem dificuldades em colocar limites para o filho, pois não consegue ocupar uma posição de autoridade em relação a ele, ao mesmo tempo em que não permite o pai exercê-la. Ele, por sua vez, abstém-se de qualquer implicação no exercício da função paterna e permite que a separação do casal interfira no vínculo com seu filho. Os pais divorciaram-se aproximadamente dois anos após o nascimento de Fabrício. Extremamente colado à mãe, Fabrício expressa, no sintoma da constipação, a dialética entre permanecer submetido psiquicamente ao Outro materno ou separar se dele. O pai é ausente e distante do filho desde então, recusando-se, na maioria das vezes, a comparecer nas entrevistas, quando convidado pela analista.
  • 26. O QUE PODE OCORRER NESSA RELAÇÃO • A Transferência . • Transferências são reedições, reduções das reações e fantasias que, durante o avanço da análise, costumam despertar-se e tornar-se conscientes, mas com a característica de substituir uma pessoa anterior pela pessoa do médico. Dito de outra maneira: toda uma série de experiências psíquicas prévias é revivida, não como algo do passado, mas como um vínculo atual com a pessoa do médico. Algumas são simples reimpressões, reedições inalteradas. Outras se fazem com mais arte: passam por uma moderação do seu conteúdo, uma sublimação. São, por tanto, edições revistas, e não mais reimpressões. (FREUD, 1969. v. 7, p. 109-19)
  • 27. • Contratransferência. • Um conjunto de imagens, sentimentos e impulsos do terapeuta durante a sessão e poderia ocorrer de três formas: a) como um obstáculo; b) como instrumento terapêutico; e c) como um "campo" em que o paciente pode realmente adquirir uma experiência viva e diferente da que teve originalmente. Ele também descreveu dois tipos de reações contratransferenciais: a contratransferência complementar, que seria quando o ego do terapeuta fica identificado com os objetos internos do paciente; e a contratransferência concordante, que é quando a identificação se faz entre aspectos da personalidade (ego, id e superego) do terapeuta com os respectivos aspectos da personalidade do paciente. (RACKER, 1982), • A Resistência. • A resistência aparece na clínica como força contrária a qualquer tentativa de rompimento do isolamento estabelecido pelo recalque a um conjunto de representações. Ou seja, sempre que o trabalho de análise se aproxima de uma representação recalcada, a resistência se manifesta, tentando impedir esse trabalho, como obstáculo à rememoração. Nesse contexto, Freud reconhece que qualquer mudança no estado de seus pacientes exigiria um percurso muito mais laborioso do tratamento, haja vista o tempo e o esforço empregados no processo de superação do obstáculo imposto pela resistência ao trabalho de associação livre (VENTURA, 2009)
  • 28. ATENDIMENTO GRUPO X CASAL • Atendimento com casais: • Normalmente o que leva um casal à terapia é quando seu convívio comum esta em crise, em pleno processo de separação, com a tentativa de salvar o casamento ou de aceitar que a separação já esteja irreversível, desejando que esta seja o menos traumática possível, especialmente para os filhos. Pode ocorrer também que apenas um deseja o divorcio, enquanto o outro não aceita de forma alguma e luta pela manutenção da união.
  • 29. ATENDIMENTO CASAL • Precisa ser verificado o que esta favorecendo ou não o casal, as principais causas que estão os desgastando a ponto de conduzi-los ao desejo de separação, que em linhas gerais são: 1. Uma profunda desilusão de expectativas e idealização extrema produzida na fase da paixão; 2. Personalidade imatura e dependente. 3. Infidelidade conjugal. 4. Agressões recíprocas, como: cobranças excessivas, controle tirânico, mútuas responsabilizações indevidas, desqualificações, humilhações, deboches, acusações, críticas e ameaças, tendo como principal instrumento o uso sistemático e exagerado de identificações projetivas daquilo que cada um não suporta reconhecer em si e projeta no outro. Dentre outras...
  • 30. ATENDIMENTO CASAL • Existe alguns tipos de colusões que devem ser identificadas no vinculo do casal: 1. Amor paixão - devem-se levar em conta as duas faces da paixão: uma é o seu lado sadio e lindo, já a outra face da paixão é aquela que se torna “obcecante, escravizadora, cega e burra”. 2. Amor simbiótico - um apego amoroso exageradamente intenso que no fundo corresponde a um intenso medo de desamparo. 3. Amor distante – este é um tipo defensivo dos sentimentos amorosos. É comum que mantenham breves relações sexuais, sempre com o freio puxado contra um maior envolvimento, de assumir um compromisso mais sério, sobretudo pelo medo de uma futura desilusão. 4. Amor sadomasoquista - A grande característica consiste em recíprocas agressões. 5. Amor narcisista - Neste caso, mais importante do que “amar” é ter provas de que se “é amado pelo outro” de uma forma incondicional, o que costuma gerar incontáveis protestos em um deles (ou nos dois) de que esteja “faltando mais amor”. 6. Amor com controle obsessivo - um deles (às vezes os dois) assume o papel de exercer um controle rígido e tirânico sobre o outro.
  • 31. ATENDIMENTO CASAL – NA PRÁTICA CLINICA • Devemos reconhecer o tipo de colusão que preside o vínculo do casal. As colusões formam-se a partir de um jogo, uma forma de “brincar”, conjunta, que não é reconhecido conscientemente pelos integrantes do casal. • Cada um do casal faz tentativas de satisfazer a duas necessidades básicas: uma, buscar no outro uma complementação daquilo que falta em si próprio; a segunda consiste em depositar no outro tudo aquilo que não tolera em si. • O terapeuta deve contribuir para que se restabeleça o processo de comunicação que, habitualmente, já está muito comprometido, de modo a possibilitar uma nova forma na transmissão do discurso e uma melhor capacidade de escuta daquilo que o outro está tentando comunicar. O terapeuta deve enfatizar o quanto a palavra deixou de ser um vínculo de comunicação e se tornou um instrumento a serviço de projeções agressivas.
  • 32. ATENDIMENTO CASAL – NA PRÁTICA CLINICA • Uma recomendação útil é a de que o terapeuta possa assinalar o fato bastante comum de que o casal pensa que está dialogando, no entanto, é evidente que se trata de uma pseudo comunicação, que não passa de dois monólogos em paralelo, no qual cada um quer provar e impor a sua tese ao outro. • Tanto quanto possível, deve ficar bem claro no contrato analítico que o paciente é o casal, de sorte que não haverá atendimento individual sistemático se o outro não estiver presente. • A transferência da dupla, em relação ao terapeuta do casal, pode recriar uma “cena • primária triangular”, na qual alguém se sinta excluído, o analista deve ficar atento para que isso não aconteça. • Cabe ao terapeuta de casal desenvolver neles a capacidade de reconhecimento e de respeito pelas inevitáveis diferenças de pontos de vista, valores, posições, sem que isso signifique que um esteja certo e o outro errado. • Se o caso for separação, cabe ao terapeuta trabalhar com eles o quanto é fundamental a forma de comunicar aos filhos que essa decisão deles, de separação, já está consumada, sem um clima de tragédia, transmitir aos filhos que o respeito persistirá entre o casal.
  • 33. ATENDIMENTO DE GRUPO - GRUPOTERAPIA • Seleção - É bom que seja feita uma ou mais entrevistas prévia individual, para avaliar o nível e o grau da psico patogenia, tendo em vista a composição do grupo, a motivação que o pretendente demonstra em relação à seriedade de como encara o tratamento e a disposição para fazer mudanças verdadeiras. • Setting Grupal - É necessário desde o inicio uma série de combinações de regras que devem ser obrigatoriamente cumpridas, comportamento dentro e fora da situação grupal, a principal se denomina “regra de ouro” – a do sigilo.
  • 34. GRUPOTERAPIA • O enquadre grupal promove a criação de um novo espaço, no qual os pacientes irão reexperimentar velhas experiências emocionais e inter-relacionamentos complicados, que foram mal resolvidos, na família e nos demais grupos de convívio, os quais estão à espera de uma ressignificação que possibilite a reconstrução daquilo que está interiorizado de forma patogênica dentro de cada um; no próprio enquadre quando se adquire a condição da mútua confiabilidade geral, por si só funciona como um continente de uns para os outros. • Resistência-Contra-Resistência – É importante enfatizar que devemos estar suficientemente alertas para a alta probabilidade da contração de conluios resistências - contra-resistencias, de natureza inconsciente. Tais conluios adquirem distintas configurações vinculares entre os pacientes do grupo e o terapeuta, podem surgir situações como:
  • 35. GRUPOTERAPIA 1. Negação coletiva (ex: por temas ou sentimentos relativos a sexo, agressão, morte ...). 2. Uma recíproca fascinação narcisista (grupo fascinado pelo saber do terapeuta e este fascinado pela fascinação do grupo por ele). 3. Predominância do suposto básico – dependência. 4. Acomodação (o grupo e o terapeuta entram em um estado de desistência a adquirir mudanças mais profundas).
  • 36. GRUPOTERAPIA • Interpretação - Partindo das vivências relatadas por cada um, se descobre um denominador comum nas diferentes narrativas e, só então, formula-se uma interpretação, mais como sendo uma hipótese do que uma verdade acabada, então se espera novas associações. • É útil também ao final da sessão, como um recurso de integrar os aspectos que muitas vezes aparecem de forma muito dissociada e, às vezes, até caótica, fazer uma síntese, que unifique aquilo que aconteceu na sessão, de forma a nomear, integrar e tornar compreensível para todos aquilo que se passou no curso da sessão, com as respectivas correlações e interações entre todos os participantes.
  • 37. ATENDIMENTO CRIANÇAS E ADOLESCENTES Na Psicanálise podemos encontrar importantes autores que trouxeram importantes contribuições para o atendimento infantil, dentre eles: - Ana Freud : que dedicou uma atenção especial ao tratamento de crianças , propondo um trabalho mais pedagógico. -Melanie Klein : introduziu de forma mais sistemática e consciente, o uso dos brinquedos, desenhos e jogos na sua técnica. A criança vai expressar sus conflitos nas brincadeiras. O uso dos jogos com os brinquedos, equivaliam Para Kleim como uma forma de da livre associação de ideias, assim ela interpretava a criancinha com a maior neutralidade possível, sempre dentro do marco transferencial, mirando as fantasias inconscientes, que promoviam as angustias , inibições e sintomas. -Winnicott : dedicou-se a estudar a fundo os meios de utilizar o espaço terapêutico de forma mais produtiva, a fim de obter melhores resultados. Desenvolveu o Jogo dos Rabiscos. Concebeu a fundamental importância da presença de uma mãe suficientemente boa, a importância das crianças brincarem com outros no sentido de despertarem a criatividade, a formação de um falso self quando as crianças querem garantir o amor da mãe a qualquer custo
  • 38. ASPECTOS NA PRATICA NA ANALISE COM CRIANÇAS 1) Características As crianças apresentam algumas particularidades próprias no seu atendimento, diferentes das dos adolescentes e dos adultos como: - Instabilidade, transformações e vínculo transferencial 2) Setting O clima reinante no setting deve ser o de liberdade para que a criança possa brincar, jogar, falar, movimentar-se, rolar pelo chão, cantar, pitar, gritar, desenhar, escrever, rasgar, fazer coisas e expressar-se a sua moda. A sala de atendimento deve ser clara e suficientemente espaçosa, um mínimo de moveis simples, resistentes e confortáveis, uma pia com agua. 3) Transferência – Contratransferência Costuma haver uma dupla transferência, com distintas e, as vezes, complexas configurações transferências que se formam entre a criança, a mãe e o pai, tendo o terapeuta com o figura central, não sendo nada rara a possibilidade de a criança forcar um jogo de intrigas entre os pais e o analista.
  • 39. ADOLESCENTES • Nos primeiros tempos eram os pais espontaneamente ou influenciados por educadores educacionais, médicos, professores, parentes, etc.. que induziam o filho a se tratar psicanaliticamente. Na atualidade, cada vez mais, a iniciativa está partindo do próprio adolescente, por alguns aspectos típicos: • Confusão em relação ao seu sentimento de identidade. • Ambiguidade na passagem da identidade de criança para a de adulto • Luto pelas perdas inevitáveis • Conflito com os pais
  • 40. PSICANÁLISE E PSICOTERAPIA • As psicoterapias psicanalíticas nasceram do esforço de analista e outros terapeutas para superar os limites da cura-tipo. Quando comparadas entre si, estas experiência pioneiras podem ser dividas em três grandes grupos. O primeiro de Melaine Klein com crianças; de Federn, Rosen, Frieda Fromm Reichman e outros, com os psicóticos adultos, Reich com os neuroricos caracteriais. O segundo é formado pelos ensaios de aplicação de conceitos psicanalíticos a pedagogia e psiquiatria institucional. O terceiro constitui-se a partir do tratamento psicanalítico de grupo, cujo, protótipo clinico- teóricos são os trabalhos de Bion. • As psicoterapias breves surgiram essencialmente como uma resposta ao problema assistencial colocado pela massa cada vez maior de população consultante; onde se buscavam por atendimentos psicoterápicos menos longos. • As terapias de curto prazo individuais e grupais, permitem ampliar a assistência psiquiátrica, proposito esse, que por outro lado não era compatível com o emprego de tratamentos longos; os objetivos terapêuticos deviam então centrar-se na superação de sintomas e incidentes agudos, ou situações perturbadoras atuais, se apresentam como prioritárias por sua urgência e/ou importância. • Amorim (2005) afirma que a psicoterapia de orientação psicanalítica baseia-se nos mesmos princípios teóricos que a psicanálise, porém com diferenças significativas, menor uso da associação livre, sessões menos frequentes e fatores que minimizam os efeitos regressivos (que são estimulados na psicanálise).
  • 41. ALGUNS CONCEITOS • Existem alguns conceitos de especial aplicação em PBps (situação-problema, foco, ponto de urgência, experiência emocional corretiva, aliança terapêutica e planejamento) que tem gerado uma certa confusão no terreno teórico da PBps, e que merecem atenção especial. (Braier, 2000) • São elas : situação-problema, foco e ponto de urgência. • Situação problema-situações: são as desencadeadoras de dificuldades, que agem como obstáculos para o manejo psíquico do paciente, ocorrendo normalmente em situações cotidianas, como viagens, perda de um ente querido, entre outras ocasiões. • Experiência emocional corretiva : é uma experiência global, completa, que envolve aspectos cognitivos, emocionais, volitivos e motores. A EEC visa possibilitar que o conflitos antigos, não resolvidos, surjam na relação transferencial que se estabelece no tratamento, permitindo que a diferença entre as reações atuais do terapeuta e as reações das figuras parentais na relação primitiva seja o fatos preponderante para produzir mudanças .
  • 42. ALGUNS CONCEITOS • Foco : contribui para uma ação mais precisa do terapeuta, possibilitando- o desenvolver metas, desta forma, o enfoque contribui para a operabilidade dentro dos métodos terapêuticos. O foco delimita-se em torno do motivo que o levou a consulta, logo, o mesmo seria o conjunto de determinações sofridas pelo paciente. O foco propriamente dito, seria resultado do dialogo que o mesmo efetua com sua realidade. Os recursos técnicos utilizados pelo terapeuta para manter o trabalho terapêutico direcionado para o foco são a interpretação, a atenção e a negligência seletiva . • Ponto de urgência: pode ser inerente ao foco, ou mesmo, estranho a ele (sendo chamado de extra focal) este pode ser encarado como situações inesperadas; estas podem aparecer durante sessão, fazendo com que, o paciente saia do foco determinado. Nestes casos, é imprescindível atender o ponto de urgência, auxiliando o paciente para depois voltar à conflitiva focal da PBps. (Braier, 2000). • Planejamento: deve ser flexível permitindo-se adequá-lo a dinâmica do tratamento
  • 43. ESTABELECIMENTO DA CRISE • Durante as primeira sessões, é importante estabelecer se o cliente esta ou não em crise. Algumas etapas da vida são geradores de crises como: adolescencia, casamento, meia idade, desemprego, separação, promoção e etc; porem não levam necessariamente a pessoa a crise. • Estar a angustiado ou deprimido não é sinônimo de crise, pois a crise esta aqui entendida, como a ruptura de sentido de vida, produz um corte na subjetividade do sujeito, um contato privilegiado com seus conteúdos ICS. • O sujeito em crise questiona seus valores, relações afetivas e seus hábitos. Para saber se há crise é preciso saber o estilo de vida do paciente, para isso, é necessária perguntas sobre como é seu cotidiano, seu trabalho, seus interesses, amigos , etc. .
  • 44. PSICANÁLISE X PSICOTERAPIA • PSICANALISE: tem por meta fundamental tornar CS o ICS, trabalhando em uma perspectiva de reconstrução da estrutura da personalidade, logo, a reconstrução envolve a resolução de conflitos através da elaboração do ganho de maior bem estar, pretendendo por sua vez, aliviar ou mesmo eliminar os sintomas. • PSICOTERAPIA: aparece em função das necessidades mais imediatas. Os objetivos estão em termos de superação, onde o sujeito poderá encarar e enfrentar determinadas situações conflitivas e recuperar sua capacidade de autodesenvolvimento. Em um sentido psicodinâmico corresponde a obtenção de um principio de insight a respeito dos conflitos subjacentes, ou seja, nos propomos a tonar CS aspectos ICS mesmo não sendo a meta central. Malan diz sobre as vantagens de incluir expectativas de resultados terapêuticos maiores do que as circunscritas nas metas e a remissão de sintoma
  • 45. FUNÇÃO DO TERAPEUTA NAS PBPS • São aspectos desejáveis : 1 - a “destreza pessoal” que deve incluir qualidades pessoais como, flexibilidade, segurança e calor humano, bem como uma atitude deliberadamente ativa e um sentimento de satisfação em relação ao atendimento. 2 – a “condições especiais” que permitem ao terapeuta uma adaptação as peculiaridades e dificuldades do paciente na realização da tarefa de ajuda . • Ou seja, o terapeuta tem lugar dinâmico, como propósito de clarificar e resolver ainda que parcialmente a patologia. Malan discorre sobre a elaboração prévia de um dado aspecto da patologia, o paciente se conscientiza parcialmente do conflito básico relacionado.
  • 46. CONSIDERAÇÕES SOBRE O PACIENTE • As características desejáveis do paciente para ´melhor aproveitamento terapeutico são : • 1- motivação para mudanças • 2- capacidade para responder as interpretações • 3- capacidade de estabelecer vinculo terapêuticos • 4- relações interpessoais significativas no passado • 5- forca egóica suficiente ao trabalho terapêutico • 6- possibilidade de estabelecer tema central
  • 47. CONSIDERAÇÕES SOBRE VÍNCULO E OBJETIVOS TERAPÊUTICO • É necessário a junção do potencial criativo do paciente com o potencial de ajuda do terapeuta. • É importante estabelecer um sentimento de confiança, pois a mesmo estabelece uma experiência criativa que possibilita um estado de relaxamento . • Seu objetivo principal é a “cura superficial das populações “ e não a “ cura profunda dos indivíduos”. Entretanto, a conjugação deste objetivo com as premissas psicanalíticas não se faz de maneira facil
  • 48. PSICOTERAPIA • TEMPORALIDADE: É comum fixar uma duração mais curta em geral de alguns meses. Stekel, aponta a incidência favorável deste processo breve e que a limitação determinada antemão, estimularia o progresso da terapia. Ao fixar prazo para o encerramento, cria-se uma situação diferente da situação psicanalítica. Influenciando o vinculo terapêutico e a finalização do tratamento e temporalidade confere na terapia o começo, meio e fim; introduzindo na terapia o elemento de realidade, o que enfraquece no paciente a produção de fantasias regressivas. • TÉCNICA: É uma eleição dos conflitos a serem tratados ( estes prevalecem por sua importância, ou seja,foco). O terapeuta deve-se centrar nos fatores determinantes desses conflitos, isso bastara para um bom resultado. Não deve aprofundar-se nos conflitos infantis, evitando a produção excessiva da mobilização afetiva e a regressão. • Em alguns tratamentos é possível confrontar o paciente com o conflito original, pois o mesmo, tem a capacidade de insight relacionando-o com a situação conflitiva.
  • 49. PSICOTERAPIA • Na PB deve-se evitar interpretações prematuras • Transferência, neurose de transferencial e dependência são aspectos favorecidos na terapia psicanalítica e não recomendados para PB. Na PB de insight estes aspectos não são convenientes, já que, está voltada a situações conflitivas atuais. • SPILKA, KNOBEL, WOLBERQ dizem sobre evitar a neurose de transferência, pois ela pode desencadear a regressão, logo o paciente estaria num estado regressivo-dependente com reações nocivas em virtude da dificuldade de separação com a relação do terapeuta.
  • 50. PSICOTERAPIA • RESISTÊNCIA: Freud mencionou a resistência pela primeira vez em 1895, referindo-se à dificuldade de rememoração de conteúdos recalcados de suas pacientes histéricas, e ao longo do desenvolvimento dos conceitos psicanalíticos. A resistência ocorre pois, o analisando opõe-se ao acesso de seu próprio inconsciente, isto é, ao trabalho terapêutico e a cura. Na psicanálise, a análise exaustiva das resistências constitui uma parte imprescindível de todo tratamento psicanalítico e o prolongamento deste processo, deve-se em grande parte, à necessidade de elaboração dessas resistências. Na PBps, esta análise não apresenta o mesmo caráter intensivo. Uma das limitações é a temporal, embora esta não seja a única, mas a própria proposta de tratamento em PBps não contempla este tipo de análise. (Braier, 2000). • Na terapia breve as resistências são conhecidas como obstáculos do avanço psicoterapêuticos .
  • 51. COMPARAÇÕES ENTRE PSICANÁLISE E PSICOTERAPIA BREVE PSICANÁLISE PSICOTERAPIA Fins Terapêuticos A exploração do inconsciente. Resolução de conflitos básicos. Reestruturação da personalidade Limitados. Superação de sintomas e problemas atuais. Temporalidade Prolongada. Indeterminada Limitada. Habitualmente a conflitos derivados.
  • 52. CONTINUACAO TABELA PSICANÁLISE PSICOTERAPIA TECNICA Trabalhos com os conflitos Refere-se a conflitos básicos Limita-se a derivados Regressão. Dependência São favorecidas Não são favorecidas Desenvolvimento e análise da neurose de transferência Sim Não Insight Sim Sim, porém limitado Fortalecimento e ativação de funções egóicas Não ( ou muito pouco) Sim Focalização Não Sim Multiplicidade de recursos terapêuticos Não Sim Planejamento Não Sim Análise de resistência Intensa Limitada
  • 53. SESSÕES NA PB • O numero de sessões varia de acordo com o paciente e sera decidido em conjunto, após as primeiras sessões. O mais comum é a frequência de 1 vez por semana, com duração de cerca de 45 a 50 min; de modo que todos o tratamento em geral, pode durar cerca de 20 sessões, dependendo do caso ; em geral totalizando 5 a 6 meses. • Entretanto ,vale lembrar, que há a possibilidade do encerramento antes do número marcado de atendimento .
  • 54. EM QUE CASOS HÁ INDICAÇÃO PARA PB • As pessoas que melhor podem ter resultados com a PB são: • 1- alto grau de motivação para terapia; • 2 – capacidade de expressar sentimentos; • 3 – participa ativamente da avaliação do seu problemas • 4- capacidade de reconhecer seus sintomas • 5 – curiosidade a respeito de si • 6 – ser aberto a novas ideias • 7 – saber lidar com situações desagradáveis
  • 55. • Em termos de enfermidades: • 1 – transtorno depressivo leve • 2- distimia • 3- fobia social • 4- transtorno de ansiedade generalizada • 5- síndrome do pânico • 6- distúrbios de ajustamento • 7- reação a estresse grave • 8- alguns transtornos de personalidade Com prognósticos menos favorável, mas com possibilidade de melhoria são : 1- transtorno depressivo moderados 2-fobias especificas 3- transtornos alimentares 4- outros transtornos de personalidade São contraindicados os casos de : 1- síndrome orgânicas 2-esquizofrenia 3-transtorno bipolar 4- transtorno de personalidade anti-social 5- retardado mental 6- autismo
  • 57. FORMAÇÃO • A formação de um psicanalista é um processo lento, longo e difícil. É feita em Institutos, sociedades escolas e afins relacionados a Psicanálise. Entretanto é comum confundirem psicólogos com psicanalistas. • Em primeiro lugar, é preciso fazer uma distinção. Não existe, no Brasil, um curso de graduação em psicanálise. Portanto, você nunca vai encontrar alguém graduado em psicanálise. A formação ligada aos Institutos Internacionais de Psicanálise (IPA) ou os Institutos de linhas como a lacaniana irão formar psicanalistas, tendo em vista alguns critérios. • Para ser psicanalista, em geral, o profissional tem que ser formado em medicina ou psicologia. (Algumas formações aceitam formandos de outras áreas). Porém, apesar de não ser uma graduação, normalmente, uma formação decente durará uns bons anos.
  • 58. • A formação se assenta sob o tripé: estudo aprofundado das teorias, análise didática – o analista faz análise – e supervisão, os seja, o analista é auxiliado por um profissional mais capacitado nos primeiros atendimentos. • O principal método da psicanálise é a interpretação da transferência e da resistência com análise da livre associação. O analisado em uma postura relaxada passa a contar tudo o que vem em sua mente, incluindo sonhos, desejos, fantasias etc, bem como as lembranças dos primeiros anos da sua vida. O psicanalista somente escuta fazendo breves comentários que leva o paciente a se auto-conhecer. O papel do psicanalista é de neutralidade, um mero "espelho“ • É obvio que a formação do psicanalista evoluiu e se aliou aos novos conceitos existentes nos dias atuais. Mas sua formação continua LIVRE e seu exercício profissional é destinado a todos aqueles que fizeram um curso LIVRE de FORMAÇÃO EM PSICANÁLISE.
  • 59. VALORES DA SESSÃO • Antigamente as consultas de psicanálise eram excessivamente caras e somente possíveis para pessoas de alto poder aquisitivo. Porém, nos dias atuais com a popularização da psicanálise e a possibilidade das formações de mais profissionais, cada dia mais os preços das consultas psicanalíticas estão se adaptando a realidade da população brasileira. Além da percepção cada vez maior que a sociedade tem tido da importância do trabalho profissional do psicanalista. • Utilizando-se da Tabela de Honorários sugerido pela Ordem Nacional dos Psicanalistas, pode-se ter uma noção de valores a cobrar. • Lembrando que a Tabela não estabelece um piso nem de teto de preços para honorários, ficando a critério de cada profissional psicanalista, definir conscientemente e em comum acordo com a pessoa que solicita seus serviços, os valores a serem cobrados.
  • 60.
  • 61. FREQUÊNCIA E TÉRMINO DA SESSÃO • Freud recomenda em um de seus textos “Recomendações aos médicos que exercem a psicanálise” que é necessário 5 sessões na semana, com 45 minutos casa sessão, para se obter resultados, porém isso onera os pacientes. • Essa prática de 5 atendimentos na semana não funciona em lugar nenhum, e não há uma regra que diz que é necessário atendimento mais de 1 vez na semana, porém os psicanalistas fazem . As sessões com uma duração e frequência de duas a três vezes por semana, cada sessão tem a duração de 45 minutos. • Em “Análise terminável e interminável”, Freud aponta que o “término de uma análise acontece quando o paciente deixa de sofrer seus sintomas, superando suas ansiedades e inibições; também quando o analista julga que foi tornado consciente tanto material reprimido, que foi explicitada tanta coisa inteligível, que foram vencidas tantas resistências internas que não há necessidade de temer uma repetição do processo patológico em apreço” . Por que só uma terapia sem prazo definido será capaz de evitar a repetição de um processo patológico?
  • 62. DIVÃ • Na Psicanálise, o paciente, ao invés de ficar num face a face como acontece na Psicoterapia, deita-se num divã e é solicitado a dizer tudo aquilo que lhe vem á mente, sem qualquer constrangimento ou censura. Nesta posição, facilita o trabalho com a transferência, no entanto os neopsicanalistas já não fazem mais uso. • Freud sofreu duras críticas quanto ao uso do divã. • Os neopsicanalistas aboliram o uso, porém os ortodoxos defendem seu uso, dizendo que facilita a neurose de transferência.