SlideShare uma empresa Scribd logo
JUNG E A FORMAÇÃO DA
IDENTIDADE
CARL JUNG
• Formação
• Relação com Freud 1906 - 1913 ( 7anos)
• Nasceu na Suíça 26/07/1875
• Influência da Arqueologia,
Filosofia, artes,
cultura oriental, etc.
• Principais diferenças com Freud:
• Freud: repetição de comportamentos para
satisfação do ID.
• Jung: Existe um desenvolvimento constante e
freqüentemente criativo, busca da totalidade e
completude e o anseio do renascimento.
– Ênfase nas fundações raciais e filogenéticas;
– A personalidade individual é o produto e o
continente de sua história ancestral.
– A personalidade resulta de forças internas agindo
sobre e sendo influenciadas por forças externas.
– Os seres humanos nascem com muitas
predisposições legadas por seus ancestrais; essas
predisposições orientam sua conduta e determinam
em parte aquilo de que se tornarão conscientes e à
que responderão em seu mundo experiencial.
A ESTRUTURA DA PERSONALIDADE
• A personalidade é formada por sistemas
interdependes.
• Ego: constituído por percepções, memórias e
sentimentos conscientes. É o centro da
consciência.
• Inconsciente pessoal: Adjacente ao ego, onde
se encontra as experiências reprimidas ou que
foram muito superficiais. (pré-consciente
psicanalítico).
• Complexos: grupo organizado ou uma constelação de
sentimentos, pensamentos, percepções e memórias que
existem no inconsciente pessoal. Possui um núcleo que
atrai experiências. Ex. Complexo materno.
• Podem adquirir controle da personalidade e ser uma
personalidade autônoma.
• A palavra complexo, com sua significação psicológica
peculiar, foi introduzida por Jung. E fez fortuna, estando
hoje incorporada ao vocabulário cotidiano de todos nós,
Ouve-se correntemente dizer: eu tenho um complexo
mãe, ele tem um complexo de superioridade, ela tem
um complexo de inferioridade, e assim por diante.
• Há algo de incorreto nessas expressões. A verdade é que
não somos nós que temos o complexo, o complexo é
que nos tem, que nos possui. Com efeito, o complexo
interfere na vida consciente, leva-nos a cometer lapsos e
gafes, perturba a memória, envolve-nos em situações
contraditórias, arquiteta sonhos e sintomas neuróticos.
0 complexo obriga-nos a perder a ilusão de que somos
senhores absolutos em nossa própria casa.
• Os complexos são agrupamentos de conteúdos
psíquicos carregados de afetividade.
• Exemplo: trata-se de uma mulher de 30 anos, casada.
católica. 0 marido é protestante. Ambos afirmam que a
diferença de religião em nada influía sobre o bom
entendimento entre o casal. Mas a paz doméstica era
perturbada por constantes e violentas cenas de ciúmes
por parte da esposa que fazia descabidas acusações de
infidelidade ao marido. A prova das associações, por
intermédio das palavras induzidas - rezar, separar, casar,
disputar, família, felicidade, falso, beijar, escolher,
contente, que se mostraram críticas em meio a
numerosas outras palavras indutoras, revelou que a
situação daquele lar caminhava para a decomposição. A
diferença de religião criava um clima extremamente
tenso. E, sobretudo, ela vivia aguilhoada por desejos
eróticos em relação a outros homens, enquanto o
marido era um modelo de fidelidade.
• Inconsciente coletivo: Trata-se do resíduo
psíquico do desenvolvimento evolutivo humano,
que se acumula em função de repetidas
experiências ao longo de muitas gerações. Todos
os seres humanos possuem inconsciente coletivo
parecido.
• Assim como os humanos nascem com a
capacidade de enxergar em três dimensões, eles
tbém nascem com muitas predisposições para
pensar, sentir e perceber segundo os padrões
definidos que se realizam por meio de
experiências individualizadas.
• Sobre o inconsciente coletivo são erigidos o ego,
o inconsciente pessoal e todas as outras
aquisições das pessoas.
• A possibilidade de ter acesso a essas informações
raciais implica que podemos encontrar soluções
para problemas do dia a dia. No entanto, se este
saber for ignorado pelo ego pode resultar em
grandes perturbações.
• Arquétipos: Um dos nomes dados à estrutura do
inconsciente coletivo. Trata-se de uma forma
universal de pensamento (idéia) que contém um
grande elemento de emoção. Cria imagem que
corresponde á vida normal.
• O núcleo do Inconsciente coletivo pode ser um
arquétipo. Os mitos, sonhos, visões, rituais,
sintomas neuróticos e psicóticos, produção
artística contém uma grande quantidade de
material arquetípico e são fontes para conhecer
os arquétipos.
• Principais arquétipos estudados por Jung:
• Persona: é uma máscara adotada pela pessoa em
resposta às demandas das convenções e das
tradições sociais e às suas próprias necessidades
arquetípicas internas.
• Se o ego se identifica com a persona, ele se
preocupará mais em demonstrar ser alguém que
em seus sentimentos genuínos.
• A Persona é semelhante ao Superego.
• Anima e Animus: Corresponde ao lado feminino
do homem e ao lado masculino da mulher.
Fazem com que cada sexo manifeste
características do outro sexo mas, também agem
como imagens coletivas que motivam cada sexo
a responder aos membros do outro sexo e a
compreendê-los.
• É necessário haver um compromisso entre as
demandas do inconsciente coletivo e as
realidades do mundo externo para que a pessoa
seja ajustada.
• Sombra: Instintos animais que os humanos
herdaram em sua evolução a partir de formas
inferiores de vida. Quando projetada se torna o
diabo ou o inimigo.
• Este arquétipo é responsável pelo aparecimento,
na consciência, de pensamentos e ações
desagradáveis e socialmente repreensíveis.
Reprimidos no inconsciente ou escondidos pela
persona.
• Self: Representa o anseio humano pela unidade.
É o ponto central da personalidade em torno do
qual os outros sistemas estão constelados.
• O self é a meta de vida, inalcançável que motiva
o comportamento humano na busca da
integralidade. O caminho mais eficaz é através da
religião. Jesus e Buda são as representações
modernas deste arquétipo.
As Atitudes
• O que controla o funcionamento do ego?
• Existem duas orientações básicas da
personalidade: extroversão e introversão
• A atitude extrovertida orienta a pessoa para o
mundo externo, objetivo; a atitude introvertida
orienta a pessoa para o mundo interior,
subjetivo. Uma delas é predominante e
consciente. Se o ego é predominantemente
extrovertido em sua relação com o mundo, o
inconsciente pessoal será introvertido.
As funções
• Formas de adquirir e processar as informações
através de quatro funções: pensamento
(tentativa de compreender a natureza, o mundo
e si próprio), sentimento (é o valor das coisas),
sensação (percepção dos traços do mundo) e
intuição (percepção por meio de processos
inconscientes e subliminares).
• Para o indivíduo, uma combinação das quatro funções
resulta em uma abordagem equilibrada do mundo: uma
função que nos assegure de que algo está aqui
(sensação); uma segunda função que estabeleça o que é
(pensamento); uma terceira função que declare se isto
nos é ou não apropriado, se queremos aceitá-lo ou não
(sentimento); e uma quarta função que indique de onde
isto veio e para onde vai (intuição). Entretanto, ninguém
desenvolve igualmente bem todas as quatro funções.
Cada pessoa tem uma função fortemente dominante, e
uma função auxiliar parcialmente desenvolvida. As
outras duas funções são em geral inconscientes e a
eficácia de sua ação é bem menor. Quanto mais
desenvolvidas e conscientes forem as funções
dominante e auxiliar, mais profundamente inconscientes
serão seus opostos.
• Leitura da página 94 e 95.
• Teste de personalidade – Quati
• Interações entre os sistemas da personalidade:
• Os vários sistemas e as atitudes e funções se
interagem de três maneiras diferentes: um
sistema pode compensar a fraqueza de outro
sistema, pode se opor a outro ou mais sistemas
podem se unir para formar uma síntese.
• Função extroversão e introversão; ego consciente
e inconsciente pessoal.
• Em geral, todos os conteúdos da mente
consciente são compensados pelos conteúdos da
mente inconsciente.
• Jung dizia que a personalidade precisa basear-se
no princípio da oposição ou do conflito, porque
as tensões criadas por elementos conflitantes
são a própria essência da vida. Sem tensão não
haveria energia e conseqüentemente nenhuma
personalidade.
• Além dos elementos se oporem uns aos outros
eles também se atraem o que Jung chamou de
Função transcendente. A operação dessa função
resulta na síntese de sistemas contrários
formando uma personalidade equilibrada cujo
centro é o Self
A DINÂMICA DA PERSONALIDADE
• A personalidade é um sistema de energia parcialmente
fechado pois, está sujeito a influências e modificações
de fontes externas. Isso significa que a personalidade
não pode atingir um estado de perfeita estabilização, o
que aconteceria se fosse fechado.
• Energia Psíquica: Origina-se dos processos metabólicos
do corpo. A energia psíquica encontra sua expressão
concreta na forma de forças reais ou potenciais. Desejar,
querer, sentir, prestar atenção e buscar são exemplos de
forças reais na personalidade; disposições, aptidões,
tendências, inclinações e atitudes são exemplos de
forças potenciais.
• Quantidade de energia = valor
• Quando falamos que atribuímos um grande valor
a uma determinada idéia ou sentimento,
queremos dizer que a idéia ou sentimento exerce
uma considerável força instigadora e orientadora
do comportamento. Uma pessoa que valoriza a
verdade gastará muita energia na busca da
verdade.
• O poder constelador de um Complexo: Três
métodos: 1- observação direta mais deduções
analíticas; 2- os indicadores de complexo e 3- a
intensidade da expressão emocional.
• Um indicador de complexo é qualquer
perturbação de comportamento, indicando a
presença de um complexo. Ex. Lapso, bloqueios
de memórias, etc.
• O teste de associações de palavras.
• Psicodinâmica: princípio da equivalência: se for
gasta energia para provocar uma determinada
condição, a quantidade gasta aparecerá em
outro lugar do sistema.
• O rebaixamento de um valor necessariamente
significa a elevação de outro.
• Desta forma, a desenergização de ego consciente
é acompanhada pela energização do
inconsciente.
• A energia está continuamente fluindo de um
sistema da personalidade para outro. Essas
redistribuições de energia constituem a dinâmica
da personalidade.
• Como a personalidade não é um sistema
totalmente fechado, existe a elevação e
subtração de energia de fontes externas. Como
alimentação e prática de exercícios.
• Princípio da Entropia: Busca de um equilíbrio de
forças. A dinâmica da personalidade busca um
perfeito equilíbrio de forças (Self). Isto não é
possível porque existe a entrada e saída de
energia para o meio externo.
• O desenvolvimento unilateral da personalidade
gera conflitos, pressão e tensão e um
desenvolvimento equilibrado gera harmonia.
• A entropia completa seria o fim de tensões e
conseqüentemente o fim da energia e o fim da
personalidade.
• A energia é utilizada para a manutenção da vida
e propagação da espécie e o restante para
atividades culturais e espirituais.
• Para Jung, os humanos estão buscando sempre a
progressão, tendo como meta a auto-realização,
ou seja, a diferenciação e a fusão harmoniosa
mais plenas e completas de todos os aspectos de
uma personalidade humana total. Para isso
desenvolvemos o Self que substituiu o Ego como
centro da personalidade.
• Causalidade: Os eventos presentes são os efeitos
ou conseqüências de condições ou causas
antecedentes.
• Teleologia: Existência de uma meta que orienta o
destino humano.
• Modos arbitrários de pensamento, não existe na
natureza.
• O processo de Individuação:
• A meta suprema é a realização da condição de
ser si mesmo. Para isso, faz-se necessário que os
vários sistemas da personalidade se tornem
completamente diferenciados e inteiramente
desenvolvidos. Se alguma parte for negligenciada
e menos desenvolvidos agirão como centros de
resistências que tentarão capturar energia de
sistemas mais desenvolvidos. Atingir a
diferenciação, desenvolvimento e expressão dos
sistemas é o processo de Individuação.
• A Função transcendente:Qdo a diversidade for
atingida (Individuação) os sistemas são
integrados pela função transcedente que buscar
unir as tendências opostas dos vários sistemas e
de buscar a meta ideal de integralidade perfeita.
• Sublimação e Repressão: A sublimação é
progressiva; a repressão é regressiva. A
sublimação faz a psique avançar; a repressão a
faz retroceder. A sublimação é interativa; a
repressão é desintegrativa. Mas já que as
repressão é regressiva, ela pode permitir que os
indivíduos encontrem as respostas para seus
problemas em seus inconscientes e assim
avançar novamente.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a JUNG E A FORMAÇÃO DA IDENTIDADE personalidade.ppt

Slides a teoria psicanalítica de Freud.pptx
Slides a teoria psicanalítica de Freud.pptxSlides a teoria psicanalítica de Freud.pptx
Slides a teoria psicanalítica de Freud.pptx
AndreLuizJunior2
 
Saúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidade
Saúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidadeSaúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidade
Saúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidade
Aroldo Gavioli
 
sadementaledesenvolvimentodapersonalidade-140813214028-phpapp01.pdf
sadementaledesenvolvimentodapersonalidade-140813214028-phpapp01.pdfsadementaledesenvolvimentodapersonalidade-140813214028-phpapp01.pdf
sadementaledesenvolvimentodapersonalidade-140813214028-phpapp01.pdf
Karlaejobson
 
Psicanálise - Estudo da Teoria de Sigmund Freud
Psicanálise - Estudo da Teoria de Sigmund FreudPsicanálise - Estudo da Teoria de Sigmund Freud
Psicanálise - Estudo da Teoria de Sigmund Freud
Isabella Ruas
 
Personalidade
PersonalidadePersonalidade
Tecendo o amanhã
Tecendo o amanhãTecendo o amanhã
Faceli - Direito - 2° Período - Curso de Psicologia Jurídica - 03
Faceli - Direito - 2° Período - Curso de Psicologia Jurídica - 03Faceli - Direito - 2° Período - Curso de Psicologia Jurídica - 03
Faceli - Direito - 2° Período - Curso de Psicologia Jurídica - 03
Jordano Santos Cerqueira
 
Teorias do desenvolvimento
Teorias do desenvolvimentoTeorias do desenvolvimento
Teorias do desenvolvimento
Felipe Saraiva Nunes de Pinho
 
Obsessão
ObsessãoObsessão
Obsessão
coordenacaogeal
 
Aula 2 psicologia apostila
Aula 2   psicologia apostilaAula 2   psicologia apostila
Aula 2 psicologia apostila
José Vitor Alves
 
Psicologia aplicada a enfermagem
Psicologia aplicada a enfermagemPsicologia aplicada a enfermagem
Psicologia aplicada a enfermagem
Luiz Maciel
 
Psicologia aplicada a enfermagem
Psicologia aplicada a enfermagemPsicologia aplicada a enfermagem
Psicologia aplicada a enfermagem
Luiz Maciel
 
Psicanálise
PsicanálisePsicanálise
Psicanálise
PsicanálisePsicanálise
Psicanálise
Micaella Gomes
 
Personalidade
PersonalidadePersonalidade
Personalidade
Liliane Ennes
 
Emoções, Sentimentos e Afectos
Emoções, Sentimentos e AfectosEmoções, Sentimentos e Afectos
Emoções, Sentimentos e Afectos
guested634f
 
jung psicologia e espiritualidade Apresentacao FInal.pptx
jung psicologia e espiritualidade Apresentacao FInal.pptxjung psicologia e espiritualidade Apresentacao FInal.pptx
jung psicologia e espiritualidade Apresentacao FInal.pptx
FabioBahia2
 
Obsessao
ObsessaoObsessao
Obsessao
Daniela Azevedo
 
Resumo Psicologia Aplicada ao Direito
Resumo Psicologia Aplicada ao DireitoResumo Psicologia Aplicada ao Direito
Resumo Psicologia Aplicada ao Direito
Thaisremo
 
Psicologia da personalidade AULA 2.pdf
Psicologia da personalidade  AULA 2.pdfPsicologia da personalidade  AULA 2.pdf
Psicologia da personalidade AULA 2.pdf
ElionayFigueiredo1
 

Semelhante a JUNG E A FORMAÇÃO DA IDENTIDADE personalidade.ppt (20)

Slides a teoria psicanalítica de Freud.pptx
Slides a teoria psicanalítica de Freud.pptxSlides a teoria psicanalítica de Freud.pptx
Slides a teoria psicanalítica de Freud.pptx
 
Saúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidade
Saúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidadeSaúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidade
Saúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidade
 
sadementaledesenvolvimentodapersonalidade-140813214028-phpapp01.pdf
sadementaledesenvolvimentodapersonalidade-140813214028-phpapp01.pdfsadementaledesenvolvimentodapersonalidade-140813214028-phpapp01.pdf
sadementaledesenvolvimentodapersonalidade-140813214028-phpapp01.pdf
 
Psicanálise - Estudo da Teoria de Sigmund Freud
Psicanálise - Estudo da Teoria de Sigmund FreudPsicanálise - Estudo da Teoria de Sigmund Freud
Psicanálise - Estudo da Teoria de Sigmund Freud
 
Personalidade
PersonalidadePersonalidade
Personalidade
 
Tecendo o amanhã
Tecendo o amanhãTecendo o amanhã
Tecendo o amanhã
 
Faceli - Direito - 2° Período - Curso de Psicologia Jurídica - 03
Faceli - Direito - 2° Período - Curso de Psicologia Jurídica - 03Faceli - Direito - 2° Período - Curso de Psicologia Jurídica - 03
Faceli - Direito - 2° Período - Curso de Psicologia Jurídica - 03
 
Teorias do desenvolvimento
Teorias do desenvolvimentoTeorias do desenvolvimento
Teorias do desenvolvimento
 
Obsessão
ObsessãoObsessão
Obsessão
 
Aula 2 psicologia apostila
Aula 2   psicologia apostilaAula 2   psicologia apostila
Aula 2 psicologia apostila
 
Psicologia aplicada a enfermagem
Psicologia aplicada a enfermagemPsicologia aplicada a enfermagem
Psicologia aplicada a enfermagem
 
Psicologia aplicada a enfermagem
Psicologia aplicada a enfermagemPsicologia aplicada a enfermagem
Psicologia aplicada a enfermagem
 
Psicanálise
PsicanálisePsicanálise
Psicanálise
 
Psicanálise
PsicanálisePsicanálise
Psicanálise
 
Personalidade
PersonalidadePersonalidade
Personalidade
 
Emoções, Sentimentos e Afectos
Emoções, Sentimentos e AfectosEmoções, Sentimentos e Afectos
Emoções, Sentimentos e Afectos
 
jung psicologia e espiritualidade Apresentacao FInal.pptx
jung psicologia e espiritualidade Apresentacao FInal.pptxjung psicologia e espiritualidade Apresentacao FInal.pptx
jung psicologia e espiritualidade Apresentacao FInal.pptx
 
Obsessao
ObsessaoObsessao
Obsessao
 
Resumo Psicologia Aplicada ao Direito
Resumo Psicologia Aplicada ao DireitoResumo Psicologia Aplicada ao Direito
Resumo Psicologia Aplicada ao Direito
 
Psicologia da personalidade AULA 2.pdf
Psicologia da personalidade  AULA 2.pdfPsicologia da personalidade  AULA 2.pdf
Psicologia da personalidade AULA 2.pdf
 

Último

Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Pedro Luis Moraes
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
JoanaFigueira11
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
ANDRÉA FERREIRA
 
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdfJOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
ClaudiaMainoth
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
vinibolado86
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
CarinaSantos916505
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
 
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdfJOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 

JUNG E A FORMAÇÃO DA IDENTIDADE personalidade.ppt

  • 1. JUNG E A FORMAÇÃO DA IDENTIDADE
  • 2. CARL JUNG • Formação • Relação com Freud 1906 - 1913 ( 7anos) • Nasceu na Suíça 26/07/1875 • Influência da Arqueologia, Filosofia, artes, cultura oriental, etc.
  • 3. • Principais diferenças com Freud: • Freud: repetição de comportamentos para satisfação do ID. • Jung: Existe um desenvolvimento constante e freqüentemente criativo, busca da totalidade e completude e o anseio do renascimento. – Ênfase nas fundações raciais e filogenéticas; – A personalidade individual é o produto e o continente de sua história ancestral. – A personalidade resulta de forças internas agindo sobre e sendo influenciadas por forças externas.
  • 4. – Os seres humanos nascem com muitas predisposições legadas por seus ancestrais; essas predisposições orientam sua conduta e determinam em parte aquilo de que se tornarão conscientes e à que responderão em seu mundo experiencial.
  • 5. A ESTRUTURA DA PERSONALIDADE • A personalidade é formada por sistemas interdependes. • Ego: constituído por percepções, memórias e sentimentos conscientes. É o centro da consciência. • Inconsciente pessoal: Adjacente ao ego, onde se encontra as experiências reprimidas ou que foram muito superficiais. (pré-consciente psicanalítico).
  • 6. • Complexos: grupo organizado ou uma constelação de sentimentos, pensamentos, percepções e memórias que existem no inconsciente pessoal. Possui um núcleo que atrai experiências. Ex. Complexo materno. • Podem adquirir controle da personalidade e ser uma personalidade autônoma. • A palavra complexo, com sua significação psicológica peculiar, foi introduzida por Jung. E fez fortuna, estando hoje incorporada ao vocabulário cotidiano de todos nós, Ouve-se correntemente dizer: eu tenho um complexo mãe, ele tem um complexo de superioridade, ela tem um complexo de inferioridade, e assim por diante.
  • 7. • Há algo de incorreto nessas expressões. A verdade é que não somos nós que temos o complexo, o complexo é que nos tem, que nos possui. Com efeito, o complexo interfere na vida consciente, leva-nos a cometer lapsos e gafes, perturba a memória, envolve-nos em situações contraditórias, arquiteta sonhos e sintomas neuróticos. 0 complexo obriga-nos a perder a ilusão de que somos senhores absolutos em nossa própria casa. • Os complexos são agrupamentos de conteúdos psíquicos carregados de afetividade.
  • 8. • Exemplo: trata-se de uma mulher de 30 anos, casada. católica. 0 marido é protestante. Ambos afirmam que a diferença de religião em nada influía sobre o bom entendimento entre o casal. Mas a paz doméstica era perturbada por constantes e violentas cenas de ciúmes por parte da esposa que fazia descabidas acusações de infidelidade ao marido. A prova das associações, por intermédio das palavras induzidas - rezar, separar, casar, disputar, família, felicidade, falso, beijar, escolher, contente, que se mostraram críticas em meio a numerosas outras palavras indutoras, revelou que a situação daquele lar caminhava para a decomposição. A diferença de religião criava um clima extremamente tenso. E, sobretudo, ela vivia aguilhoada por desejos eróticos em relação a outros homens, enquanto o marido era um modelo de fidelidade.
  • 9. • Inconsciente coletivo: Trata-se do resíduo psíquico do desenvolvimento evolutivo humano, que se acumula em função de repetidas experiências ao longo de muitas gerações. Todos os seres humanos possuem inconsciente coletivo parecido. • Assim como os humanos nascem com a capacidade de enxergar em três dimensões, eles tbém nascem com muitas predisposições para pensar, sentir e perceber segundo os padrões definidos que se realizam por meio de experiências individualizadas.
  • 10. • Sobre o inconsciente coletivo são erigidos o ego, o inconsciente pessoal e todas as outras aquisições das pessoas. • A possibilidade de ter acesso a essas informações raciais implica que podemos encontrar soluções para problemas do dia a dia. No entanto, se este saber for ignorado pelo ego pode resultar em grandes perturbações.
  • 11. • Arquétipos: Um dos nomes dados à estrutura do inconsciente coletivo. Trata-se de uma forma universal de pensamento (idéia) que contém um grande elemento de emoção. Cria imagem que corresponde á vida normal. • O núcleo do Inconsciente coletivo pode ser um arquétipo. Os mitos, sonhos, visões, rituais, sintomas neuróticos e psicóticos, produção artística contém uma grande quantidade de material arquetípico e são fontes para conhecer os arquétipos.
  • 12. • Principais arquétipos estudados por Jung: • Persona: é uma máscara adotada pela pessoa em resposta às demandas das convenções e das tradições sociais e às suas próprias necessidades arquetípicas internas. • Se o ego se identifica com a persona, ele se preocupará mais em demonstrar ser alguém que em seus sentimentos genuínos. • A Persona é semelhante ao Superego.
  • 13. • Anima e Animus: Corresponde ao lado feminino do homem e ao lado masculino da mulher. Fazem com que cada sexo manifeste características do outro sexo mas, também agem como imagens coletivas que motivam cada sexo a responder aos membros do outro sexo e a compreendê-los. • É necessário haver um compromisso entre as demandas do inconsciente coletivo e as realidades do mundo externo para que a pessoa seja ajustada.
  • 14.
  • 15. • Sombra: Instintos animais que os humanos herdaram em sua evolução a partir de formas inferiores de vida. Quando projetada se torna o diabo ou o inimigo. • Este arquétipo é responsável pelo aparecimento, na consciência, de pensamentos e ações desagradáveis e socialmente repreensíveis. Reprimidos no inconsciente ou escondidos pela persona.
  • 16. • Self: Representa o anseio humano pela unidade. É o ponto central da personalidade em torno do qual os outros sistemas estão constelados. • O self é a meta de vida, inalcançável que motiva o comportamento humano na busca da integralidade. O caminho mais eficaz é através da religião. Jesus e Buda são as representações modernas deste arquétipo.
  • 17. As Atitudes • O que controla o funcionamento do ego? • Existem duas orientações básicas da personalidade: extroversão e introversão • A atitude extrovertida orienta a pessoa para o mundo externo, objetivo; a atitude introvertida orienta a pessoa para o mundo interior, subjetivo. Uma delas é predominante e consciente. Se o ego é predominantemente extrovertido em sua relação com o mundo, o inconsciente pessoal será introvertido.
  • 18. As funções • Formas de adquirir e processar as informações através de quatro funções: pensamento (tentativa de compreender a natureza, o mundo e si próprio), sentimento (é o valor das coisas), sensação (percepção dos traços do mundo) e intuição (percepção por meio de processos inconscientes e subliminares).
  • 19. • Para o indivíduo, uma combinação das quatro funções resulta em uma abordagem equilibrada do mundo: uma função que nos assegure de que algo está aqui (sensação); uma segunda função que estabeleça o que é (pensamento); uma terceira função que declare se isto nos é ou não apropriado, se queremos aceitá-lo ou não (sentimento); e uma quarta função que indique de onde isto veio e para onde vai (intuição). Entretanto, ninguém desenvolve igualmente bem todas as quatro funções. Cada pessoa tem uma função fortemente dominante, e uma função auxiliar parcialmente desenvolvida. As outras duas funções são em geral inconscientes e a eficácia de sua ação é bem menor. Quanto mais desenvolvidas e conscientes forem as funções dominante e auxiliar, mais profundamente inconscientes serão seus opostos.
  • 20. • Leitura da página 94 e 95. • Teste de personalidade – Quati
  • 21. • Interações entre os sistemas da personalidade: • Os vários sistemas e as atitudes e funções se interagem de três maneiras diferentes: um sistema pode compensar a fraqueza de outro sistema, pode se opor a outro ou mais sistemas podem se unir para formar uma síntese. • Função extroversão e introversão; ego consciente e inconsciente pessoal. • Em geral, todos os conteúdos da mente consciente são compensados pelos conteúdos da mente inconsciente.
  • 22. • Jung dizia que a personalidade precisa basear-se no princípio da oposição ou do conflito, porque as tensões criadas por elementos conflitantes são a própria essência da vida. Sem tensão não haveria energia e conseqüentemente nenhuma personalidade. • Além dos elementos se oporem uns aos outros eles também se atraem o que Jung chamou de Função transcendente. A operação dessa função resulta na síntese de sistemas contrários formando uma personalidade equilibrada cujo centro é o Self
  • 23. A DINÂMICA DA PERSONALIDADE • A personalidade é um sistema de energia parcialmente fechado pois, está sujeito a influências e modificações de fontes externas. Isso significa que a personalidade não pode atingir um estado de perfeita estabilização, o que aconteceria se fosse fechado. • Energia Psíquica: Origina-se dos processos metabólicos do corpo. A energia psíquica encontra sua expressão concreta na forma de forças reais ou potenciais. Desejar, querer, sentir, prestar atenção e buscar são exemplos de forças reais na personalidade; disposições, aptidões, tendências, inclinações e atitudes são exemplos de forças potenciais.
  • 24. • Quantidade de energia = valor • Quando falamos que atribuímos um grande valor a uma determinada idéia ou sentimento, queremos dizer que a idéia ou sentimento exerce uma considerável força instigadora e orientadora do comportamento. Uma pessoa que valoriza a verdade gastará muita energia na busca da verdade. • O poder constelador de um Complexo: Três métodos: 1- observação direta mais deduções analíticas; 2- os indicadores de complexo e 3- a intensidade da expressão emocional.
  • 25. • Um indicador de complexo é qualquer perturbação de comportamento, indicando a presença de um complexo. Ex. Lapso, bloqueios de memórias, etc. • O teste de associações de palavras. • Psicodinâmica: princípio da equivalência: se for gasta energia para provocar uma determinada condição, a quantidade gasta aparecerá em outro lugar do sistema. • O rebaixamento de um valor necessariamente significa a elevação de outro.
  • 26. • Desta forma, a desenergização de ego consciente é acompanhada pela energização do inconsciente. • A energia está continuamente fluindo de um sistema da personalidade para outro. Essas redistribuições de energia constituem a dinâmica da personalidade. • Como a personalidade não é um sistema totalmente fechado, existe a elevação e subtração de energia de fontes externas. Como alimentação e prática de exercícios.
  • 27. • Princípio da Entropia: Busca de um equilíbrio de forças. A dinâmica da personalidade busca um perfeito equilíbrio de forças (Self). Isto não é possível porque existe a entrada e saída de energia para o meio externo. • O desenvolvimento unilateral da personalidade gera conflitos, pressão e tensão e um desenvolvimento equilibrado gera harmonia. • A entropia completa seria o fim de tensões e conseqüentemente o fim da energia e o fim da personalidade.
  • 28. • A energia é utilizada para a manutenção da vida e propagação da espécie e o restante para atividades culturais e espirituais. • Para Jung, os humanos estão buscando sempre a progressão, tendo como meta a auto-realização, ou seja, a diferenciação e a fusão harmoniosa mais plenas e completas de todos os aspectos de uma personalidade humana total. Para isso desenvolvemos o Self que substituiu o Ego como centro da personalidade.
  • 29. • Causalidade: Os eventos presentes são os efeitos ou conseqüências de condições ou causas antecedentes. • Teleologia: Existência de uma meta que orienta o destino humano. • Modos arbitrários de pensamento, não existe na natureza.
  • 30. • O processo de Individuação: • A meta suprema é a realização da condição de ser si mesmo. Para isso, faz-se necessário que os vários sistemas da personalidade se tornem completamente diferenciados e inteiramente desenvolvidos. Se alguma parte for negligenciada e menos desenvolvidos agirão como centros de resistências que tentarão capturar energia de sistemas mais desenvolvidos. Atingir a diferenciação, desenvolvimento e expressão dos sistemas é o processo de Individuação.
  • 31. • A Função transcendente:Qdo a diversidade for atingida (Individuação) os sistemas são integrados pela função transcedente que buscar unir as tendências opostas dos vários sistemas e de buscar a meta ideal de integralidade perfeita.
  • 32. • Sublimação e Repressão: A sublimação é progressiva; a repressão é regressiva. A sublimação faz a psique avançar; a repressão a faz retroceder. A sublimação é interativa; a repressão é desintegrativa. Mas já que as repressão é regressiva, ela pode permitir que os indivíduos encontrem as respostas para seus problemas em seus inconscientes e assim avançar novamente.