SlideShare uma empresa Scribd logo
Deisiane Cazaroto Nathalia Bortoletto Sandra Batistella Sanmia Marques
A Unidade de Terapia Intensiva é um recurso hospitalar
destinado ao tratamento de graves enfermidades. O paciente que
está na UTI recebe um tratamento especial pelas suas condições, e
por toda a demanda de cuidados que lhe são propostos pela terapia
intensiva.
ψ Não está internado somente por um comprometimento
específico;
ψ Mas um comprometimento sistêmico, em todo o seu
organismo.
Psicólogo na Unidade de Terapia Intensiva - Neonatal e Adulto
Nas unidades de tratamento intensivo neonatal, em seus
primórdios, existiu a ideia de que a separação do bebê e sua mãe
não deveria ocorrer.
Pierre Budin, em 1907, observou que um certo número de
mães abandonava os bebês que haviam permanecido isolados para
os cuidados neonatais, pois não lhes era permitido estarem
próximas e acompanharem o desenvolvimento ou a recuperação de
seus filhos.
Budin dizia que a vida do pequenino fora salva, mas às
custas de acabar perdendo a mãe. Recomendou, então, que elas
fossem encorajadas a amamentar os próprios bebês e até outros
que tivessem nascido a termo, a fim de aumentar sua produção de
leite.
Idealizou e promoveu o uso de incubadoras com paredes
de vidro, que permitiam que seus filhos pudessem ser observados.
Em razão dessas mudanças, as mães passaram a ficar mais atentas
às necessidades de seus recém-nascidos, mesmo quando estes
permaneciam no hospital por um período de tempo prolongado.
“Em todos os sentidos, dizia ele, é melhor colocar o
pequenino em uma incubadora ao lado da cama de sua
mãe; a supervisão que esta exerce não deve, jamais, ser
subestimada” (Klaus & Kennell, 1993).
Em sua maioria, as internações são feitas imediatamente
após o parto, sendo menor o número de internações de pacientes
que passaram um pequeno período em casa.
Portanto, a separação física bebê/família é imediata à saída
do útero materno, configurando uma experiência de
descontinuidade muito precoce para todos, seja bebê, seja família.
As rotinas das UTI-N tradicionais impedem, de certa
forma, que o bebê receba os cuidados que o bebê a termo e
saudável tem, determinando super estimulação sensorial, dor,
estresse e principalmente alteração dos ritmos comportamentais:
estados de sonolência interrompidos, choro não consolado,
posição supina, manuseio rotineiro e excessivo, ruído ambiental
inadequado, pouca oportunidade de sucção e absoluta falta de
interação com o olhar, do toque contingente e da linguagem
articulada que nomeia o mundo. Esta vivência poderá influenciar
nos desenvolvimento do bebê. Porém, por meio de mudanças nos
cuidados na UTI-N, pode ser possível a obtenção de melhorias de
diversos aspectos do desenvolvimento do bebê internado (Cunha,
2002; Silva, 2002, Cunha 2012).
Segundo Winnicott (2013) uma relação de dependência,
em que os bebês precisam de uma mãe que esteja identificada
com eles e que seja capaz de atender suas necessidades.
Zimerman (2010) complementa que não é somente o bebê
quem depende maciçamente da estrutura de maternagem da mãe,
visto que a mãe também depende fortemente de ser reconhecida
pelo bebê: de que ela seja amada pelo seu filho, de que seu leite
materno seja de boa qualidade nutritiva, que exista um vínculo
harmônico corporal e afetivo entre ambos.
ψ Deparar com o bebê real, que é diferente do bebê imaginário;
ψ O contato com um ambiente estranho;
ψ O medo da perda do filho;
ψ A insegurança de lidar com um “bebê problema”;
ψ O sentimento de culpa e fracasso;
ψ O relacionamento com outros profissionais;
ψ A falta de informação sobre o estado de saúde do filho e
tratamento, dentre outros.
Segundo Winnicott (1969/1999), não chegar ao
final de uma gestação e acabar vivenciando um
parto que não é o esperado pode significar
modificações nas experiências psicoafetivas,
sobretudo para a mulher.
A importância da equipe de saúde
A equipe de saúde tem um papel importante na formação
dos laços afetivos, facilitando o contato da mãe com o bebê,
adequando o horário da mamada com o da visita, tornando o
ambiente da UTI mais acolhedor aos pais, apresentando o RN aos
pais, deixando a mãe participar da vida do bebê sempre que
possível e principalmente tornando possível o contato pele-a-pele
assim que o quadro clínico permitir.
Relação psicólogo com os Pais
O psicólogo deverá então ajudá-los a fazer esta integração,
possibilitando-os falar sobre essa vivencia, a falarem sobre este
nascimento e internação, que provavelmente não era esperado,
ajudá-los a abrir espaço para o bebê real e fazer o luto do bebê
imaginário.
Para isso é de fundamental importância à presença dos pais no
ambiente da UTIN, a presença deles neste ambiente é tão
importante para o bebê quanto para eles próprios.
Trabalho com a Família
O psicólogo deverá ajudar os irmãos dos bebês de UTIN a
lidarem com esta nova situação. A chegada de um bebê saudável já
provoca mudanças que podem trazer sofrimento para os filhos mais
velhos do casal, a internação do bebê poderá agravar este sofrimento,
pois certamente irá levar a uma separação maior com os pais.
incentivando na participação dessa experiência junto com a família;
ajudar na compreensão do que ocorre com o bebê; auxiliar para
reforçar seu lugar na família (Valansi & Morsch, 2004). ).
A principal função desse trabalho com a família na UTIN é
proporcionar a psicoprofilaxia ao desenvolvimento das relações desse
grupo familiar, além de minimizar o sofrimento daqueles que têm um
bebê internado (Brasil, 2002), incluindo seus irmãos.
Atendimento ao Óbito Perinatal
É papel dos psicólogos hospitalares favorecer para que o
luto possa ser elaborado. Primeiramente abrindo espaço para que
se fale deste filho que as pessoas tendem a desconsiderar;
verificar se há um desejo dos pais de realizarem algum
procedimento ritualístico e favorecer para que o mesmo possa ser
realizado; explicando-lhes que este luto pode levar tempo ao
contrário do que as pessoas costumam considerar. Estes
procedimentos devem levar em consideração as diferenças entre
os pais, não devendo ser algo padronizado.
Atendimento ao Óbito Perinatal
Cabe a psicologia ajudar com que os pais e familiares se
apropriem da situação que estão vivendo, para posteriormente
conseguirem falar e aos poucos assimilar, e bem posteriormente
aceitar. Arrais; Muza; Sousa e Iaconelli (2012), trazem que os
rituais fúnebres ajudam no processo de luto, pois a recuperação é
centrada na aceitação, e o velório permite que as pessoas se
despeçam e que o enlutado seja considerado como tal.
Carvalho (2010) e Chatelard e Freire (2012), o processo de luto
envolve um trabalho pessoal de adaptação à perda. É através do luto que
aprendemos a lidar com a morte, com as perdas e com o sofrimento
causado por estas.
Este período de adaptação caracterizado pela dor e sofrimento
deve ser encarado como normal e necessário, sendo fundamental sua
elaboração, para que a perda seja enfrentada de forma saudável, não
evoluindo de maneira patológica (Bortoletti, 2007) Para Arrais Muza;
Souza e Iaconelli (2012), o papel do psicólogo nesse contexto é então o
de “prevenir” possíveis psicopatologias relacionadas à vida ou morte do
bebê, além do esclarecimento e atenção às fantasias dos pacientes.
Atendimento ao Óbito Perinatal
Psicólogo na Unidade de Terapia Intensiva - Neonatal e Adulto
Área Física
A área física da UTI-A é composta por um salão que concentra leitos
dispostos um ao lado do outro, serarados por divisórias. O objetivo desta
disposição é a necessidade de observação, controle e pronto atendimento
constantes aos pacientes pelos profissionais da saúde.
Além do grande salão existem leitos especializados para isolamento,
separado por uma porta, onde o tempo torna-se uma incerteza, e, às vezes,
nesses locais, não existe nem mesmo relógio para orientar os pacientes.
Nestes últimos anos, com avanço tecnológico, medicamentosos e
novas técnicas de intervenção, os objetivos vem se modificando. Atualmente,
uma das maiores preocupações dos profissionais de saúde com o paciente,
refere-se aos aspectos da humanização, bem como a melhoria das relações
humanas em ambientes de saúde, atendimento personalizado, inclusive ao
indivíduo inconsciente. (PREGNOLATTO e AGOSTINHO, 2006).
Pacientes
O paciente ao adentrar no hospital, perde muitas de suas
referências do meio externo onde ele vive. Ao adoecer, o ser humano
deixa de ocupar sua posição frente a sociedade, impedindo-o muitas
vezes de realizar suas funções.
O psicólogo deve considerar que o paciente enfrenta a
gravidade da doença, um ambiente físico desconhecido, muitos
equipamentos, sons e ruídos específicos, além disso, o paciente
enfrenta a ideia errada de não se recuperar e a possibilidade de morte
iminente. (Bedran, 1985).
Considerar também os principais fatores estressantes para
paciente: sentir dor, estar intubado no nariz ou na boca, estar contido e
não conseguir dormir; além das reações psicológicas apresentadas pelo
paciente que podem variar de choro, medo, apatia, desorientações e
euforia.
Pacientes
A ansiedade apresentada pelo paciente está relacionada às
limitações das atividades físicas e sociais, afastamento físico e
prolongado de pessoas significativas afetivamente, medo e
insegurança diante dos procedimentos hospitalares.
O paciente necessita adaptar-se ao novo momento e o
psicólogo pode auxiliar neste processo. Pode intervir em relação às
mudanças concretas e objetivas quanto à rotina e os hábitos no
ambiente da UTI-A, a nível cognitivo, na avaliação dos estímulos
a sua volta: seus limites pessoais, sua imagem corporal, sua
impotência, seu sentimento de solidão e falta de privacidade.
Familiares
Para o paciente e seus familiares, esses procedimentos são
assustadores e invasivos, considerando a UTI um lugar frio, impessoal
e mecanizado, visto por muitas pessoas até mesmo como sinônimo de
morte.
Takahashi (1986), sita que é necessária uma maior assistência e
atenção ao familiar que tem um membro da família internado na UTI-
A. Entende-se que a ansiedade deste familiar é esperada, uma vez que a
internação nessa unidade esta associada no risco de vida. Então, parte-
se do principio de que todo trabalho que possa minimizar essa
ansiedade deve ser proposto à unidade de terapia intensiva.
Familiares
Verifica-se que em muitas unidades de terapia intensiva as
visitas são proibidas ou acontece num curto espaço de tempo.
A respeito desta afirmação, observa –se que, geralmente,
o familiar representa uma segurança favorecendo o paciente uma
compreensão do processo de internação, doença e suas
consequências.
Essa representação aproxima o paciente de seu meio e de
sua história, servindo de ponte entre a situação de doença e vida
externa.
O Psicólogo
"Poucas experiências na vida nos forçam tanto a conhecer nossa vulnerabilidade e
nossos limites, nos tiram tanto do controle de nossas próprias vidas ou da vida de
quem nós amamos, como uma internação na UTI." (A Prática da Psicologia Hospitalar
na Santa Casa de São Paulo: novas páginas em uma antiga história, Wilze Laura
Bruscato et al).
Objetivamente, essa atuação terapêutica visa favorecer o alívio
das angústias e a melhora da qualidade da permanência na UTI,
amenizar e dar sentido aos sentimentos, fantasias e dificuldades geradas
na situação estressante em que se encontra.
Considerando as transformações profundas na vida do
indivíduo, que a doença pode trazer, faz-se necessário possibilitar a
elaboração das mesmas para uma otimização da adaptação psicossocial.
O Psicólogo
O Psicólogo deve estar atento, portanto à grande mobilização de
conteúdos internos e sensíveis para o atendimento nesse lugar a despeito
das limitações do paciente, da batalha concreta entre a vida e a morte, da
resistência da própria equipe.
Novas formas de falar emergem nesse contexto e o paciente fala
no seu silêncio, reações físicas, gemidos... Avaliar e intervir junto ao
paciente também aos familiares é tarefa do psicólogo que vão facilitar,
criar e garantir a comunicação entre paciente, família e equipe. Aqui,
esse profissional dá sentido e significado à palavra dita e não dita.
Segundo Ford (1994, apud Romano, 1999), os aspectos
emocionais podem alterar as reações e habilidades do paciente,
modificando a adesão ao tratamento e possibilitando a tomada de
decisões que influenciarão suas chances de sobreviver. Além de avaliar e
intervir junto ao paciente, é preciso atuar com os familiares.
No Óbito
Percebe-se que essa modalidade de acompanhamento
ocasiona maior acolhimento dos aspectos psicoemocionais
presentes diante da morte, buscando auxiliar no começo de um
processo saudável de luto, tanto por parte dos familiares das
crianças, quanto da equipe.
Acompanhar estes familiares permite ao psicólogo
observar o momento e a maneira mais adequada para intervir, de
acordo com as características emocionais de cada familiar
enlutado, bem como ajudar na realização do enfrentamento desse
processo, vivenciando as fases peculiares do luto.
No Óbito
É comum a observação de que a vivência assemelha-se a uma
ferida física que precisa de atenção e cuidados. Neste momento, é possível
acolher e auxiliar aos familiares que se defrontam com a dor da perda de
um filho a manifestarem suas dores, entenderem a perda e
a “tranquilizarem-se”. Além disso, cabe ao psicólogo apontar a importância
de seus papéis de pais, investimentos realizados e limitações inerentes do
ser humano, aliviando possíveis sentimentos de culpa que já são naturais
pela patologia, em muitos casos.
Nos casos em que, tanto a família como o paciente, vinham sendo
assistidos ao longo da internação existe um vínculo estabelecido através
das sessões psicoterapêuticas realizadas. No caso dos familiares, as
observações auxiliam no trabalho pela maior proximidade e conhecimento
das características do caso e dos perfis de personalidade. Nestas situações
é comum que o profissional também seja exigido afetivamente por
enfrentar um processo de luto por seu paciente falecido.
Psicólogo na Unidade de Terapia Intensiva - Neonatal e Adulto
Psicólogo na Unidade de Terapia Intensiva - Neonatal e Adulto
Paciente com 56 anos, casada, três filhos, encontrava-se há cinco dias na
UTI, após uma cirurgia para transplante de fígado. A equipe médica solicitou a
presença da psicologia, pois a paciente apresentava-se ansiosa, queixosa em relação
a dores e sem perspectiva de sair da UTI nas 24 horas seguintes. Em entrevista com
a paciente, esta relatou suas dificuldades em permanecer em ambiente de UTI por
muitas horas: estar em um leito sem poder mudar de posição (dores da cirurgia e
posição da própria cama); a rotina dos cuidados da UTI interrompendo o sono e
impedindo o descanso; os outros pacientes agitados principalmente no período
noturno; o barulho da equipe e dos aparelhos ligados ao próprio corpo.
A paciente compreendia as necessidades que justificavam sua
permanência na UTI e mostrava-se tolerante. Contudo, referia muitas dores e estava
assustada, sentindo-se sozinha, com medo e vulnerável a tudo. Contou que recebeu
o fígado de uma sobrinha e temia por ela ou pela perda do fígado que havia
recebido. Referiu que os filhos estavam também assustados e que, no horário da
visita, permaneciam por pouco tempo, por não saberem como lidar com essa
situação. A paciente e seus familiares encontravam-se paralisados frente ao seu
adoecimento e ao seu sofrimento.
Associado às dificuldades descritas, a paciente apresentava problemas para
controle da dor e a equipe via sua resposta à analgesia como inadequada. Essa situação
aguda, a tensão, as dores no corpo e a privação do sono estavam gerando um estado de
enorme desconforto que, por sua vez, dificultava a aproximação da família e da equipe
das reais necessidades da paciente.
O medo e a ansiedade são sentimentos habitualmente presentes em um
ambiente de UTI; a impossibilidade de comunicá-los pode gerar maior estresse e
respostas pouco adaptativas. Diante tal quadro, a conduta da psicóloga foi realizar o
exercício de relaxamento, técnica autógena de J.H. Schultz, com objetivo de promover a
diminuição da ansiedade e o alívio desse desconforto, para que a paciente pudesse
sentir-se melhor e investir afetivamente nas relações com os cuidadores e com a família.
Após a aplicação do exercício, a paciente dormiu por um período de duas
horas, acordando muito agradecida e menos tensa. Essa experiência pôde propiciar à
paciente contato com sua real condição clínica e emocional, assim como o
fortalecimento de sua defesa psíquica e melhoria para enfrentar a situação. A
experiência emocional, propiciada pelo exercício, favoreceu a retomada de controle
sobre as emoções e as sensações do corpo, auxiliando a paciente a detectar e a expressar
suas reais necessidades. Em decorrência da melhoria do estado emocional, pôde
permanecer com os familiares, pois estar diante deles significava ver-se como uma
pessoa que necessitava de cuidados de outros, fato esse que, até aquele momento, não
tinha concebido.
Os familiares, por sua vez, também puderam contribuir para a
adaptação da paciente ao seu tempo de permanência na UTI, após algumas
orientações de manejo fornecidas pela psicóloga, como, por exemplo,
ajudarem-na detectar o que traria a ela melhor conforto, realizando, junto à
paciente, cuidados com o cabelo, com a pele, propiciando a aproximação.
Assim, a técnica de relaxamento serviu como um instrumento valioso na
aproximação da paciente com seu mundo interno.
À psicóloga transferiram-se conteúdos bons que possibilitaram o
sentimento de segurança, o que fortaleceu o vínculo com a equipe,
potencializando a tolerância ao ambiente e às exigências de sua internação.
SERVIÇO DE PSICOLOGIA HOSPITALAR - AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA
( SEBASTIANI, R.W. & FONGARO, M.L - in ANGERAMI, V. A . [org] -"E a Psicologia
Entrou no Hospital", SP, Ed. Pioneira, 1996 )
IDENTIFICAÇÃO:
Nome: Pamela (fictício)
nº...........
Idade: 56 sexo: feminino est.civil: casada
religião.............................................. Data internação ....../....../......
Psicólogo................................................
Médico..................................................... Serviço/depto........................................
Diag.médico......................................... Data (atendimento) ...../...../......
1- ESTADO EMOCIONAL GERAL
BOM REG. RUIM S/DADOS
Auto conceito (X) ( ) ( ) ( )
Auto estima ( ) ( ) (x) ( )
Ansiedade ( ) ( ) (x) ( )
Depressão ( ) (x) ( ) ( )
Inform. Sobre a doença (x) ( ) ( ) ( )
Inform. Sobre tratamento (x) ( ) ( ) ( )
Relação com a doença ( ) ( ) (x) ( )
Estrutura emocional básica ( ) (x) ( ) ( )
Defesas predominantes (X) positivas ( ) negativas
Ruptura psicótica ( ) sim (x) não
2. SEQUELAS EMOCIONAIS DO PACIENTE
PRESENTE AUSENTE
forte leve
Com internação anterior ( ) ( ) (x)
Com tratamento anterior ( ) ( ) (x)
Com cirurgia anterior ( ) ( ) (x)
Com separações ( ) ( ) (x)
Com perdas / óbitos ( ) ( ) (x)
3. TEMPERAMENTO EMOCIONAL OBSERVADO
Introvertido (x) acentuado ( )
Extrovertido ( ) compensado ( )
4. POSTURA FRENTE À DOENÇA E A VIDA
Tendência biófila (x) tendência necrófila ( )
Obs.: pois sua falta de perspectiva estava relacionada com a dificuldade de
permanência no hospital por muitas horas, porém compreendia a necessidade da
mesma.
5. ESTADO ATUAL FRENTE À DOENÇA/ HOSPITALIZAÇÃO E A VIDA
( ) negação
( ) revolta
( ) barganha
( ) depressão
(x) aceitação
( ) ganho secundário
6. QUESTIONÁRIO ESPECÍFICO (HISTÓRIA DA PESSOA)
1. Como era o paciente antes de adoecer?
.....................................................................................................................................
2. Relate um dia na vida do paciente antes dele adoecer:
.....................................................................................................................................
3. Como foi descoberto o diagnóstico?
.....................................................................................................................................
4. 0 paciente sabe de seu diagnóstico? Se não sabe, porque?
Sim.
5- houve algum fato marcante na vida do paciente e/ou família,antes ou depois do
aparecimento da doença? Data.
ANTES DEPOIS
Doença do paciente ( ) (x)
Doença na família ( ) ( )
Separação na família ( ) ( )
Morte na família ( ) ( )
Desemprego ( ) ( )
Mudança de casa ( ) ( )
Mudança de escola ( ) ( )
Nascimento de irmão ( ) ( )
Hospitalizações na família ( ) ( )
Acidentes domésticos ( ) ( )
Acidentes de trânsito ( ) ( )
Viagens ( ) ( )
Mudanças de emprego ( ) ( )
Brigas familiares ( ) ( )
Dificuldades econômicas ( ) ( )
Outros............................................. ( ) ( )
6- houve mudança no comportamento do paciente ou na dinâmica familiar após o
aparecimento da doença?
Obs.: após o transplante de fígado houveram dificuldades na aproximação da família e
a paciente ao se depararem com a falta de conhecimento sobre qual comportamento
tinham que ter frente a situação, ou seja, se encontravam paralisados diante do
sofrimento.
7. AVALIAÇÃO PSICOSSOCIAL (HISTÓRIA DA PESSOA)
A. Infância - (composição familiar, relação com os pais, vivências, acontecimentos
relevantes )
B. Adolescência - hábitos, sexualidade, grupos, vivências, acontecimentos relevantes
C. Vida adulta - ( rotina diária, situação conjugal, relações com parceiros, contato com
filhos, vivências, organização do lar, expectativas de vida )
Obs.: transplante de fígado.
D. Contatos sociais - (empregos, amigos, participação na comunidade, lazer,
atividades )
8- EXAME PSÍQUICO
Identificação:
Nome: Pamela Leito......
Idade: 56 sexo: Feminino est.civil: Casada religião...............
Data int..../..../.....
Psicólogo.............................................médico.........................................
Diagnóstico médico..................................................................................
Data....../....../.....
1. Consciência ( clínica - quantitativa )
( x ) normal ( ) torpor ( ) turvação
( ) obnubilação ( ) coma I (vigil) ( ) coma II
( ) coma III ( ) coma IV (decerebração)
Índice glasgow : ....................
2. Senso percepção
( x ) normal ( ) alucinação olfativa
( ) ilusão ( ) alucinação gustativa
( ) alucinação visual ( ) alucinação táctil
( ) alucinação auditiva ( ) alucinação Cenestopático
3. Pensamento
( x ) normal
( ) alteração do curso qual:................................
( ) alteração da forma qual:.................................
( ) alteração do conteúdo ( ) confusão mental
( ) delírio persecutório
( ) delírio religioso
( ) delírio de referência
( )delírio de interpretação
( )delírio hipocondríaco
4- linguagem
( x ) normal ( ) afasia
( ) dislalia ( ) ecolalia
( ) disartria ( ) outras : ......................................
5. Memória :
( x ) normal
( ) alteração de fixação ( ) amnésia anterógrada
( ) dificuldades de fixação
( ) alteração de evocação ( ) amnésia retrógrada total
( ) amnésia lacunar
( ) amnésia pós-traumática
( ) hipomnésia
( ) hipermnésia
6. Inteligência/ cognição:
( x ) normal
( ) alteração na inteligência verbal
( ) alteração na inteligência não verbal
( ) alterações cognitivas específicas : quais:........................
7- consciência do eu (qualitativa) :
( ) normal
(X ) alteração no eu físico
( ) alteração no eu psíquico
( ) ruptura psicótica
( ) alteração na orientação auto-psíquica:
( ) estranheza de si mesmo
( ) desor. Tempo psicológico
( ) desor. Espaço psicológico
( ) alteração na orientação alo-psíquica:
( ) estranheza do outro
( ) desor. Tempo físico
( ) desor. Espaço físico
( ) despersonalização
Obs.: houve alteração do eu físico em decorrência do transplante por temer a perda do
fígado que havia recebido.
8. Afetividade ( humor )
( X ) normal
( )depressão ( )maior ( )reativa
( ) labilidade afetiva
( ) mania ( ) leve ( ) moderada ( ) aumentada
( ) ambivalência afetiva
( ) amorfismo afetivo
( X ) angústia ( ) de morte (X) existencial
( X ) ansiedade (X) reativa ( ) neurótica
9- motivação e volição
(x) deseja e operacionaliza ( normal )
( ) deseja e não operacionaliza
( ) não deseja
9. MANIFESTAÇÕES PSÍQUICAS E COMPORTAMENTAIS:
LEVE MODERADA ACENTUADA
CULPA do pai ( ) ( ) ( )
NEGAÇÃO ( ) ( ) ( )
RAIVA ( ) ( ) ( )
HOSTILIDADE ( ) ( ) ( )
FANTASIAS ( ) ( ) ( )
FANTASIAS MÓRBIDAS ( ) ( ) ( )
FRUSTRAÇÃO ( ) ( ) ( )
IMPOTÊNCIA ( ) ( ) ( )
INSEGURANÇA (X) ( ) ( )
FRACASSO ( ) ( ) ( )
REGRESSÃO ( ) ( ) ( )
DEPENDÊNCIA ( ) ( ) ( )
CONFORMISMO ( ) ( ) ( )
PROJEÇÃO ( ) ( ) ( )
ISOLAMENTO ( ) ( ) ( )
DESAMPARO ( ) ( ) ( )
PÂNICO ( ) ( ) ( )
DESCONFIANÇA ( ) ( ) ( )
DESPESSOALIZAÇÃO ( ) ( ) ( )
ESPERANÇA ( ) ( ) ( )
AMBIGUIDADE ( ) ( ) ( )
HOSPITALISMO + ( ) ( ) ( )
HOSPITALISMO - ( ) ( ) ( )
STRESS PSICORGÂNICO ( X ) ( ) ( )
AGITAÇÃO PSICOMOTORA ( ) ( ) ( )
AGRESSIVIDADE AUTO DIRIGIDA ( ) ( ) ( )
AGRESSIVIDADE ALODIRIGIDA ( ) ( ) ( )
MEDO REAL ( ) (X) ( )
MEDO FANTASMÁTICO ( ) ( ) ( )
SENSAÇÃO DE ABANDONO ( ) ( ) ( )
LIMITAÇÃO DE ATIVIDADES (X) ( ) ( )
CONFLITOS QTO A PRIVACIDADE (X) ( ) ( )
PRIVAÇÃO DA LIBERDADE ( ) (X) ( )
PERDA DA AUTONOMIA ( ) ( ) ( )
ESQUEMA CORPORAL MODIFICADO ( ) (X) ( )
CONFLITOS C/ SEXUALIDADE ( ) ( ) ( )
OUTRAS
......................................................................................................................................
10. DIAGNÓSTICO PSICOLÓGICO :
Hipóteses Diagnósticas :
O paciente apresentou uma ansiedade reativa em decorrente à cirurgia de transplante
de fígado.
11. FOCOS PRINCIPAIS :
Ansiedade reativa de Pamela
Fortalecimento dos mecanismos de enfrentamento diante da hospitalização possibilitando
aproximação entre família, paciente e da equipe hospitalar.
12. CONDUTA
Realizar exercício de relaxamento com o objetivo de promover a diminuição da ansiedade e o
alivio do desconforto, informação terapêutica.
13. SÍNTESE
Após uma cirurgia de transplante de fígado, a paciente de 56 anos, encontrava-se a 5 dias na UTI-
A. Apresentava-se ansiosa e sem perspectivas de sair da mesma, pois tinha dificuldade de
permanecer em ambientes hospitalares por muitas horas, sentia-se sozinha com medo e
vulnerável a tudo. Tanto a paciente quanto os familiares encontravam-se paralisados por não
saberem lidar com a situação; a paciente com situação aguda de tensão, com estado de enorme
desconforto, dificultava a aproximação da família e da equipe.
A psicóloga realizava então, exercícios de relacionamento, técnica autógena, promovendo a
diminuição da ansiedade e o alívio desse desconforto, para a paciente investir afetivamente nas
relações com os cuidadores e com a família, o fortalecimento de sua defesa psíquica para o
enfrentamento da situação e aproximação da paciente com seu mundo interno.
Arrais, A.R; Muza, J. C.; Sousa, E. M. & Iaconelli, V. (2012). Quando a morte
visita a maternidade: papel do Psicólogo Hospitalar no atendimento ao luto
perinatal. Revista Psicologia Teoria e Prática. No prelo.
Baltazar, D. V. S.; Gomes, R. F. S.; Cardoso, T. B. D. (2010). Atuação do psicólogo
em unidade neonatal: rotinas e protocolos para uma prática humanizada1.
Rev. SBPH, 13(1): 02-18.
Bartilotti, M. R. M. B. (2007). Intervenção Psicológica em Luto perinatal. In
Bortoletti, F. F (Org.). Psicologia na prática obstétrica – abordagem
interdisciplinar. São Paulo: Manole.
Bedran, J.N. (1985). O centro de tratamento intensivo como fonte de stresse
psicologico. An.fac.Méd.Univ.Fed.Minas Gerais, 34(1): 43-58.
Bortoletti, F. F. (2007). Psicoprofilaxia no Ciclo Gravídico Puerperal. In:
Bortoletti, F. F. et al., Psicologia na prática obstétrica: abordagem
interdisciplinar. Barueri: Manole, p. 37-46.
BRASIL. Ministerio da Saúde. Manual do Programa de Anteção Humanizada ao Recém-
nascido de baixo peso – Método Canguru. Brasilia : Ministério da Saúde, 2002
Budin P. The Nursling. The fuding and hygiene of premature e full-term infantis.
Translated by WJ Maloney. London : Caxton, 1997
Camarotti, Maria do Carmo. De braços vazios: uma separação precoce. In: Rohenkohl,
Cláudia Mascarenhas Fernandes. A clínica com o bebê. São Paulo: Casa do Psicólogo,
2000.
Carvalho, C. et al. (2010). Luto por morte perinatal emoções em saúde contributos.
Corrente Dinâmica. Pág 170 < http: //www. correntedinamica.com/pubfatout.pdf>
Acesso 1 Junho 2012.
Carvalho, F. T. & Meyer, L. (2007). Perda gestacional tardia: aspectos a serem
enfrentados por mulheres e conduta profissional frente a essas situações. Boletim de
Psicologia, 57 (126), 33- 48.
Centa, M. L., Moreira, E. C., & Pinto, M. N. G. H. R. (2004). A experiência vivida pelas
familias de crianças hospitalizadas em uma Unidade de Terapia Intensiva Neonatal.
Texto Contexto – Enfermagem. 13(3), 444-451. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-
07072004000300015.
Cunha, I. Neurobiologia do Vínculo (2002). In: Correia Filho, L.; et al (orgs). Novos
Olhares Sobre a Gestação e a Criança até os 3 anos: Saúde Perinatal, Educação e
Desenvolvimento do Bebê. p. 353-387 Brasília: L.G.E.
Druon, Catherine. Ajuda ao bebê e aos seus pais em terapia intensiva neonatal. In:
Wanderley, Daniele de Brito (org.). Agora eu era o rei: os entraves da prematuridade.
Salvador: Ágalma, 1999.
Guedeney, A. e Lebovici, S. Intervenções psicoterápicas pais/bebê. Porto Alegre:
Artmed, 1999.
Iaconelli, V. (2007). Luto Insólito, desmentido e trauma: clínica psicanalítica com mães
de bebês. Revista Latino Americana de Psicopatologia Fundamental, São Paulo, 10(4),
614- 623.
Klaus, M. H., & Kennel, J. H. (1993). Pais/bebê: A formação do apego. Porto Alegre, PA:
Artes Médicas.
KLOCK, P., ERDMANN, A. L. Cuidando do recém-nascido em UTIN: convivendo com a
fragilidade do viver/sobreviver à luz da complexidade. Rev. Esc. Enferm. USP, São Paulo:
EEUSP, v. 46, n. 1, p. 45-51, 2012.
KNOBEL, E. Condutas no Paciente Grave. São Paulo: Ed. Atheneu, 2ª edição, 1998.
Morsch, D. S. & Delamonica, J. (2005). Análise das repercussões do Programa de
Acolhimento aos Irmãos de Bebês Internados em UTI Neonatal: “Lembraram-se de
Mim!”. Ciência & Saúde Coletiva, 10(3), 677-687.
Mourão, M. A. (2006). O Sentido Subjetivo das Mães de UTIN. Monografia (Graduação
em Psicologia) – Universidade Católica de Brasília, DF.
PREGNOLATTO, Ana P. F.; AGOSTINHO, Valéria B. M. O psicólogo na unidade de terapia
intensiva – adulto. In: BAPTISTA, Makilim N. Psicologia hospitalar: teoria, aplicações e
casos clínicos. 2ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2006.
RODRIGUES, K.R.B. “Atuação do Psicólogo Hospitalar na Unidade de Terapia Intensiva.
Rio Verde – GO, p 3. 2006.
RODRIGUEZ, A. S. Abordagem Psicológica em uma Unidade de Terapia Intensiva. In
Revista do Hospital de São Francisco da Penitência. RJ: julho/dezembro-1998.
Scochi, C. G. S., Kokuday, M. L. P., Riul, M. J. S., Rossanez, L. S. S., Fonseca, L. M. M., &
Leite, A. M. (2005). Incentivando o vínculo mãe-filho em situação de prematuridade: As
intervenções de enfermagem no hospital das clínicas de Ribeirão Preto. Revista Latino-
Americana de Enfermagem, 11 (4), 539-543.
Silva, R. N. M. (2002). Aspectos Comportamentais Pré-termo na UTIN. In: Correia Filho,
L.; et al (orgs). Novos Olhares Sobre a Gestação e a Criança até os 3 anos: Saúde
Perinatal, Educação e Desenvolvimento do Bebê. (1ª ed., pp. 407-421). Brasília: L.G.E
SOUZA, Aniele Lima de et al . O acompanhamento psicológico a óbitos em unidade
pediátrica. Rev. SBPH, Rio de Janeiro , v. 10, n. 1, p. 151-160, jun. 2007 . Disponível
em <http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-
08582007000100011&lng=pt&nrm=iso>. acessos em 24 mar. 2016.
TAKAHASHI, E.I.U. Visitas em unidade de terapia intensiva. Rev. Paul. Enf., São Paulo, v.6,
n.3, p.113-115, 1986.
Winnicott D.W. (1999). De la pédiatrie à la psychanalyse. Paris: Payot.
Publicado originalmente em 1969.
ZIMERMAN, David E. Os quatro vínculos: amor, ódio, conhecimento,
reconhecimento na psicanálise e em nossas vidas. Porto Alegre: Artmed,
2010.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Apresentação sobre acolhimento
Apresentação sobre acolhimentoApresentação sobre acolhimento
Apresentação sobre acolhimento
Felipe Cavalcanti
 
MORTE E MORRER
MORTE E MORRERMORTE E MORRER
MORTE E MORRER
Rafael Almeida
 
Rede de atenção em saude mental
Rede de atenção em saude mentalRede de atenção em saude mental
Rede de atenção em saude mental
Aroldo Gavioli
 
5093 palestra saude_mental_(3)
5093 palestra saude_mental_(3)5093 palestra saude_mental_(3)
5093 palestra saude_mental_(3)
Ana Ferraz
 
Linhas de Cuidado nas Redes de Atenção à Saúde
Linhas de Cuidado nas Redes de Atenção à SaúdeLinhas de Cuidado nas Redes de Atenção à Saúde
Linhas de Cuidado nas Redes de Atenção à Saúde
Centro de Desenvolvimento, Ensino e Pesquisa em Saúde - CEDEPS
 
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mental
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mentalO Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mental
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mental
Aroldo Gavioli
 
História da psiquiatria aula 1
História da psiquiatria   aula 1História da psiquiatria   aula 1
História da psiquiatria aula 1
Shirley Kellen Ferreira
 
Saúde Mental
Saúde Mental Saúde Mental
Saúde Mental
Marco Aurélio Leão
 
Aula III A psicologia hospitalar e a
Aula III    A psicologia hospitalar e aAula III    A psicologia hospitalar e a
Aula III A psicologia hospitalar e a
Artur Mamed
 
Saude mental aula 3
Saude mental aula 3Saude mental aula 3
Saude mental aula 3
Aroldo Gavioli
 
Transtornos mentais comuns e somatização
Transtornos mentais comuns e somatização Transtornos mentais comuns e somatização
Transtornos mentais comuns e somatização
Inaiara Bragante
 
Psicologia aula 5 a enfermagem e o outro
Psicologia aula 5 a enfermagem e o outroPsicologia aula 5 a enfermagem e o outro
Psicologia aula 5 a enfermagem e o outro
Cintia Colotoni
 
Grupos Terapêuticos
Grupos TerapêuticosGrupos Terapêuticos
Grupos Terapêuticos
ANA BELA DOS SANTOS
 
Psicologia aula 4 resumo aulas 1 2-3
Psicologia aula 4 resumo aulas 1 2-3Psicologia aula 4 resumo aulas 1 2-3
Psicologia aula 4 resumo aulas 1 2-3
Cintia Colotoni
 
Psicologia hospitalar
Psicologia hospitalarPsicologia hospitalar
Psicologia hospitalar
Luiz Vicente
 
História e reforma psiquiátrica parte 1
História e reforma psiquiátrica parte 1História e reforma psiquiátrica parte 1
História e reforma psiquiátrica parte 1
Eduardo Gomes da Silva
 
O papel do enfermeiro em Saúde Mental e Psiquiatria
O papel do enfermeiro em Saúde Mental e PsiquiatriaO papel do enfermeiro em Saúde Mental e Psiquiatria
O papel do enfermeiro em Saúde Mental e Psiquiatria
Aliny Lima
 
Psicologia da Saude
Psicologia da Saude Psicologia da Saude
Psicologia da Saude
Paulo Pedro P. R. Costa
 
01 Aula Psicologia Aplicada a Saúde.pptx
01 Aula Psicologia Aplicada a Saúde.pptx01 Aula Psicologia Aplicada a Saúde.pptx
01 Aula Psicologia Aplicada a Saúde.pptx
MarianaPerson
 
A entrevista psicológica no hospital
A entrevista psicológica no hospitalA entrevista psicológica no hospital
A entrevista psicológica no hospital
profissional autônomo
 

Mais procurados (20)

Apresentação sobre acolhimento
Apresentação sobre acolhimentoApresentação sobre acolhimento
Apresentação sobre acolhimento
 
MORTE E MORRER
MORTE E MORRERMORTE E MORRER
MORTE E MORRER
 
Rede de atenção em saude mental
Rede de atenção em saude mentalRede de atenção em saude mental
Rede de atenção em saude mental
 
5093 palestra saude_mental_(3)
5093 palestra saude_mental_(3)5093 palestra saude_mental_(3)
5093 palestra saude_mental_(3)
 
Linhas de Cuidado nas Redes de Atenção à Saúde
Linhas de Cuidado nas Redes de Atenção à SaúdeLinhas de Cuidado nas Redes de Atenção à Saúde
Linhas de Cuidado nas Redes de Atenção à Saúde
 
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mental
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mentalO Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mental
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mental
 
História da psiquiatria aula 1
História da psiquiatria   aula 1História da psiquiatria   aula 1
História da psiquiatria aula 1
 
Saúde Mental
Saúde Mental Saúde Mental
Saúde Mental
 
Aula III A psicologia hospitalar e a
Aula III    A psicologia hospitalar e aAula III    A psicologia hospitalar e a
Aula III A psicologia hospitalar e a
 
Saude mental aula 3
Saude mental aula 3Saude mental aula 3
Saude mental aula 3
 
Transtornos mentais comuns e somatização
Transtornos mentais comuns e somatização Transtornos mentais comuns e somatização
Transtornos mentais comuns e somatização
 
Psicologia aula 5 a enfermagem e o outro
Psicologia aula 5 a enfermagem e o outroPsicologia aula 5 a enfermagem e o outro
Psicologia aula 5 a enfermagem e o outro
 
Grupos Terapêuticos
Grupos TerapêuticosGrupos Terapêuticos
Grupos Terapêuticos
 
Psicologia aula 4 resumo aulas 1 2-3
Psicologia aula 4 resumo aulas 1 2-3Psicologia aula 4 resumo aulas 1 2-3
Psicologia aula 4 resumo aulas 1 2-3
 
Psicologia hospitalar
Psicologia hospitalarPsicologia hospitalar
Psicologia hospitalar
 
História e reforma psiquiátrica parte 1
História e reforma psiquiátrica parte 1História e reforma psiquiátrica parte 1
História e reforma psiquiátrica parte 1
 
O papel do enfermeiro em Saúde Mental e Psiquiatria
O papel do enfermeiro em Saúde Mental e PsiquiatriaO papel do enfermeiro em Saúde Mental e Psiquiatria
O papel do enfermeiro em Saúde Mental e Psiquiatria
 
Psicologia da Saude
Psicologia da Saude Psicologia da Saude
Psicologia da Saude
 
01 Aula Psicologia Aplicada a Saúde.pptx
01 Aula Psicologia Aplicada a Saúde.pptx01 Aula Psicologia Aplicada a Saúde.pptx
01 Aula Psicologia Aplicada a Saúde.pptx
 
A entrevista psicológica no hospital
A entrevista psicológica no hospitalA entrevista psicológica no hospital
A entrevista psicológica no hospital
 

Semelhante a Psicólogo na Unidade de Terapia Intensiva - Neonatal e Adulto

Luto Perinatal
Luto PerinatalLuto Perinatal
Cartilha-de-Suporte-ao-Luto - estratégias para profissionais
Cartilha-de-Suporte-ao-Luto - estratégias para profissionaisCartilha-de-Suporte-ao-Luto - estratégias para profissionais
Cartilha-de-Suporte-ao-Luto - estratégias para profissionais
LucasSilva385433
 
As reações das crianças hospitalizadas e as intervenções de enfermagem
As reações das crianças hospitalizadas e as intervenções de enfermagemAs reações das crianças hospitalizadas e as intervenções de enfermagem
As reações das crianças hospitalizadas e as intervenções de enfermagem
universitária
 
Síndrome do Jaleco Branco - Projeto de TCC
Síndrome do Jaleco Branco - Projeto de TCC Síndrome do Jaleco Branco - Projeto de TCC
Síndrome do Jaleco Branco - Projeto de TCC
Ivanilson Gomes
 
Manual da criança hospitalizada
Manual da criança hospitalizadaManual da criança hospitalizada
Manual da criança hospitalizada
gisa_legal
 
Luto Perinatal: repercussões na Família e nos Profissionais de Saúde
Luto Perinatal: repercussões na Família e nos Profissionais de SaúdeLuto Perinatal: repercussões na Família e nos Profissionais de Saúde
Luto Perinatal: repercussões na Família e nos Profissionais de Saúde
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Tanatologia clinica e cuidados paliativos-luto oncológico pediátrico.pdf
Tanatologia clinica e cuidados paliativos-luto oncológico pediátrico.pdfTanatologia clinica e cuidados paliativos-luto oncológico pediátrico.pdf
Tanatologia clinica e cuidados paliativos-luto oncológico pediátrico.pdf
AndressaMolina3
 
Tanatologia clinica e cuidados paliativos-luto oncológico pediátrico.pdf
Tanatologia clinica e cuidados paliativos-luto oncológico pediátrico.pdfTanatologia clinica e cuidados paliativos-luto oncológico pediátrico.pdf
Tanatologia clinica e cuidados paliativos-luto oncológico pediátrico.pdf
AndressaMolina3
 
Psicologia uti neo
Psicologia uti neoPsicologia uti neo
Psicologia uti neo
Psicologia_2015
 
IMPACTO DAS PRATICAS HOSPITALARES NA AMAMENTAÇÃO .pptx
IMPACTO DAS PRATICAS HOSPITALARES NA AMAMENTAÇÃO .pptxIMPACTO DAS PRATICAS HOSPITALARES NA AMAMENTAÇÃO .pptx
IMPACTO DAS PRATICAS HOSPITALARES NA AMAMENTAÇÃO .pptx
lorranerbrasileiro
 
Seminaria de pisicologia ( metodo mae canguru)
Seminaria de pisicologia ( metodo mae canguru)Seminaria de pisicologia ( metodo mae canguru)
Seminaria de pisicologia ( metodo mae canguru)
flaviobrendon
 
Hospitalização infantil de 0 a 17 anos
Hospitalização infantil de  0 a 17 anosHospitalização infantil de  0 a 17 anos
Hospitalização infantil de 0 a 17 anos
Michelle Santos
 
PSICOMOTRICIDADE NA UTI NEONATAL: RELATO DE UMA PRÁTICA EM UMA MATERNIDADE PÚ...
PSICOMOTRICIDADE NA UTI NEONATAL: RELATO DE UMA PRÁTICA EM UMA MATERNIDADE PÚ...PSICOMOTRICIDADE NA UTI NEONATAL: RELATO DE UMA PRÁTICA EM UMA MATERNIDADE PÚ...
PSICOMOTRICIDADE NA UTI NEONATAL: RELATO DE UMA PRÁTICA EM UMA MATERNIDADE PÚ...
Raphaela Marques
 
Aspectos psíquicos no processo de amamentação
Aspectos psíquicos no processo de amamentaçãoAspectos psíquicos no processo de amamentação
Aspectos psíquicos no processo de amamentação
Núcleo Pró-Creare - Psicologia - Assistência & Ensino
 
A importância do aleitamento materno para o desenvolvimento do vínculo
A importância do aleitamento materno para o desenvolvimento do vínculoA importância do aleitamento materno para o desenvolvimento do vínculo
A importância do aleitamento materno para o desenvolvimento do vínculo
Silvia Marina Anaruma
 
A importância do aleitamento materno para o desenvolvimento do vínculo
A importância do aleitamento materno para o desenvolvimento do vínculoA importância do aleitamento materno para o desenvolvimento do vínculo
A importância do aleitamento materno para o desenvolvimento do vínculo
Silvia Marina Anaruma
 
Parto aborto puerperio
Parto aborto puerperioParto aborto puerperio
Parto aborto puerperio
karol_ribeiro
 
Aborto
AbortoAborto
Manual de parto
Manual de partoManual de parto
Manual de parto
almeidasalvi
 
SAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptx
SAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptxSAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptx
SAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptx
WellingtonTeixeira24
 

Semelhante a Psicólogo na Unidade de Terapia Intensiva - Neonatal e Adulto (20)

Luto Perinatal
Luto PerinatalLuto Perinatal
Luto Perinatal
 
Cartilha-de-Suporte-ao-Luto - estratégias para profissionais
Cartilha-de-Suporte-ao-Luto - estratégias para profissionaisCartilha-de-Suporte-ao-Luto - estratégias para profissionais
Cartilha-de-Suporte-ao-Luto - estratégias para profissionais
 
As reações das crianças hospitalizadas e as intervenções de enfermagem
As reações das crianças hospitalizadas e as intervenções de enfermagemAs reações das crianças hospitalizadas e as intervenções de enfermagem
As reações das crianças hospitalizadas e as intervenções de enfermagem
 
Síndrome do Jaleco Branco - Projeto de TCC
Síndrome do Jaleco Branco - Projeto de TCC Síndrome do Jaleco Branco - Projeto de TCC
Síndrome do Jaleco Branco - Projeto de TCC
 
Manual da criança hospitalizada
Manual da criança hospitalizadaManual da criança hospitalizada
Manual da criança hospitalizada
 
Luto Perinatal: repercussões na Família e nos Profissionais de Saúde
Luto Perinatal: repercussões na Família e nos Profissionais de SaúdeLuto Perinatal: repercussões na Família e nos Profissionais de Saúde
Luto Perinatal: repercussões na Família e nos Profissionais de Saúde
 
Tanatologia clinica e cuidados paliativos-luto oncológico pediátrico.pdf
Tanatologia clinica e cuidados paliativos-luto oncológico pediátrico.pdfTanatologia clinica e cuidados paliativos-luto oncológico pediátrico.pdf
Tanatologia clinica e cuidados paliativos-luto oncológico pediátrico.pdf
 
Tanatologia clinica e cuidados paliativos-luto oncológico pediátrico.pdf
Tanatologia clinica e cuidados paliativos-luto oncológico pediátrico.pdfTanatologia clinica e cuidados paliativos-luto oncológico pediátrico.pdf
Tanatologia clinica e cuidados paliativos-luto oncológico pediátrico.pdf
 
Psicologia uti neo
Psicologia uti neoPsicologia uti neo
Psicologia uti neo
 
IMPACTO DAS PRATICAS HOSPITALARES NA AMAMENTAÇÃO .pptx
IMPACTO DAS PRATICAS HOSPITALARES NA AMAMENTAÇÃO .pptxIMPACTO DAS PRATICAS HOSPITALARES NA AMAMENTAÇÃO .pptx
IMPACTO DAS PRATICAS HOSPITALARES NA AMAMENTAÇÃO .pptx
 
Seminaria de pisicologia ( metodo mae canguru)
Seminaria de pisicologia ( metodo mae canguru)Seminaria de pisicologia ( metodo mae canguru)
Seminaria de pisicologia ( metodo mae canguru)
 
Hospitalização infantil de 0 a 17 anos
Hospitalização infantil de  0 a 17 anosHospitalização infantil de  0 a 17 anos
Hospitalização infantil de 0 a 17 anos
 
PSICOMOTRICIDADE NA UTI NEONATAL: RELATO DE UMA PRÁTICA EM UMA MATERNIDADE PÚ...
PSICOMOTRICIDADE NA UTI NEONATAL: RELATO DE UMA PRÁTICA EM UMA MATERNIDADE PÚ...PSICOMOTRICIDADE NA UTI NEONATAL: RELATO DE UMA PRÁTICA EM UMA MATERNIDADE PÚ...
PSICOMOTRICIDADE NA UTI NEONATAL: RELATO DE UMA PRÁTICA EM UMA MATERNIDADE PÚ...
 
Aspectos psíquicos no processo de amamentação
Aspectos psíquicos no processo de amamentaçãoAspectos psíquicos no processo de amamentação
Aspectos psíquicos no processo de amamentação
 
A importância do aleitamento materno para o desenvolvimento do vínculo
A importância do aleitamento materno para o desenvolvimento do vínculoA importância do aleitamento materno para o desenvolvimento do vínculo
A importância do aleitamento materno para o desenvolvimento do vínculo
 
A importância do aleitamento materno para o desenvolvimento do vínculo
A importância do aleitamento materno para o desenvolvimento do vínculoA importância do aleitamento materno para o desenvolvimento do vínculo
A importância do aleitamento materno para o desenvolvimento do vínculo
 
Parto aborto puerperio
Parto aborto puerperioParto aborto puerperio
Parto aborto puerperio
 
Aborto
AbortoAborto
Aborto
 
Manual de parto
Manual de partoManual de parto
Manual de parto
 
SAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptx
SAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptxSAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptx
SAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptx
 

Mais de Deisiane Cazaroto

Teoria e Pratica - Abordagem Psicanalitica
Teoria e Pratica - Abordagem PsicanaliticaTeoria e Pratica - Abordagem Psicanalitica
Teoria e Pratica - Abordagem Psicanalitica
Deisiane Cazaroto
 
A clínica psicológica do trabalho
A clínica psicológica do trabalhoA clínica psicológica do trabalho
A clínica psicológica do trabalho
Deisiane Cazaroto
 
Alfred Adler
Alfred AdlerAlfred Adler
Alfred Adler
Deisiane Cazaroto
 
Caso - O operador Descontente / Psicologia Organizacional do Trabalho
Caso - O operador Descontente / Psicologia Organizacional do TrabalhoCaso - O operador Descontente / Psicologia Organizacional do Trabalho
Caso - O operador Descontente / Psicologia Organizacional do Trabalho
Deisiane Cazaroto
 
Acompanhante - Acompanhado , história a dois* / Psicologia da Saúde.
Acompanhante - Acompanhado , história a dois* / Psicologia da Saúde.Acompanhante - Acompanhado , história a dois* / Psicologia da Saúde.
Acompanhante - Acompanhado , história a dois* / Psicologia da Saúde.
Deisiane Cazaroto
 
Motivação - Processos Psicológicos Básicos
Motivação - Processos Psicológicos BásicosMotivação - Processos Psicológicos Básicos
Motivação - Processos Psicológicos Básicos
Deisiane Cazaroto
 
Epilepsia - Neuropsicologia
Epilepsia - NeuropsicologiaEpilepsia - Neuropsicologia
Epilepsia - Neuropsicologia
Deisiane Cazaroto
 
Sexualidade na velhice - Abordagem sócio-histórica
Sexualidade na velhice - Abordagem sócio-histórica Sexualidade na velhice - Abordagem sócio-histórica
Sexualidade na velhice - Abordagem sócio-histórica
Deisiane Cazaroto
 
Dificuldades de aprendizagem
Dificuldades de aprendizagemDificuldades de aprendizagem
Dificuldades de aprendizagem
Deisiane Cazaroto
 

Mais de Deisiane Cazaroto (9)

Teoria e Pratica - Abordagem Psicanalitica
Teoria e Pratica - Abordagem PsicanaliticaTeoria e Pratica - Abordagem Psicanalitica
Teoria e Pratica - Abordagem Psicanalitica
 
A clínica psicológica do trabalho
A clínica psicológica do trabalhoA clínica psicológica do trabalho
A clínica psicológica do trabalho
 
Alfred Adler
Alfred AdlerAlfred Adler
Alfred Adler
 
Caso - O operador Descontente / Psicologia Organizacional do Trabalho
Caso - O operador Descontente / Psicologia Organizacional do TrabalhoCaso - O operador Descontente / Psicologia Organizacional do Trabalho
Caso - O operador Descontente / Psicologia Organizacional do Trabalho
 
Acompanhante - Acompanhado , história a dois* / Psicologia da Saúde.
Acompanhante - Acompanhado , história a dois* / Psicologia da Saúde.Acompanhante - Acompanhado , história a dois* / Psicologia da Saúde.
Acompanhante - Acompanhado , história a dois* / Psicologia da Saúde.
 
Motivação - Processos Psicológicos Básicos
Motivação - Processos Psicológicos BásicosMotivação - Processos Psicológicos Básicos
Motivação - Processos Psicológicos Básicos
 
Epilepsia - Neuropsicologia
Epilepsia - NeuropsicologiaEpilepsia - Neuropsicologia
Epilepsia - Neuropsicologia
 
Sexualidade na velhice - Abordagem sócio-histórica
Sexualidade na velhice - Abordagem sócio-histórica Sexualidade na velhice - Abordagem sócio-histórica
Sexualidade na velhice - Abordagem sócio-histórica
 
Dificuldades de aprendizagem
Dificuldades de aprendizagemDificuldades de aprendizagem
Dificuldades de aprendizagem
 

Último

Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
Falcão Brasil
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
ArapiracaNoticiasFat
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
Marcelo Botura
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Falcão Brasil
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
ProfessoraSilmaraArg
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Bibliotecas Escolares AEIDH
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Falcão Brasil
 
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptxAdministração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
helenawaya9
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Luzia Gabriele
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
Falcão Brasil
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 

Último (20)

Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Festa dos Finalistas .
Festa dos Finalistas                    .Festa dos Finalistas                    .
Festa dos Finalistas .
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
 
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptxAdministração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 

Psicólogo na Unidade de Terapia Intensiva - Neonatal e Adulto

  • 1. Deisiane Cazaroto Nathalia Bortoletto Sandra Batistella Sanmia Marques
  • 2. A Unidade de Terapia Intensiva é um recurso hospitalar destinado ao tratamento de graves enfermidades. O paciente que está na UTI recebe um tratamento especial pelas suas condições, e por toda a demanda de cuidados que lhe são propostos pela terapia intensiva. ψ Não está internado somente por um comprometimento específico; ψ Mas um comprometimento sistêmico, em todo o seu organismo.
  • 4. Nas unidades de tratamento intensivo neonatal, em seus primórdios, existiu a ideia de que a separação do bebê e sua mãe não deveria ocorrer. Pierre Budin, em 1907, observou que um certo número de mães abandonava os bebês que haviam permanecido isolados para os cuidados neonatais, pois não lhes era permitido estarem próximas e acompanharem o desenvolvimento ou a recuperação de seus filhos. Budin dizia que a vida do pequenino fora salva, mas às custas de acabar perdendo a mãe. Recomendou, então, que elas fossem encorajadas a amamentar os próprios bebês e até outros que tivessem nascido a termo, a fim de aumentar sua produção de leite.
  • 5. Idealizou e promoveu o uso de incubadoras com paredes de vidro, que permitiam que seus filhos pudessem ser observados. Em razão dessas mudanças, as mães passaram a ficar mais atentas às necessidades de seus recém-nascidos, mesmo quando estes permaneciam no hospital por um período de tempo prolongado. “Em todos os sentidos, dizia ele, é melhor colocar o pequenino em uma incubadora ao lado da cama de sua mãe; a supervisão que esta exerce não deve, jamais, ser subestimada” (Klaus & Kennell, 1993).
  • 6. Em sua maioria, as internações são feitas imediatamente após o parto, sendo menor o número de internações de pacientes que passaram um pequeno período em casa. Portanto, a separação física bebê/família é imediata à saída do útero materno, configurando uma experiência de descontinuidade muito precoce para todos, seja bebê, seja família.
  • 7. As rotinas das UTI-N tradicionais impedem, de certa forma, que o bebê receba os cuidados que o bebê a termo e saudável tem, determinando super estimulação sensorial, dor, estresse e principalmente alteração dos ritmos comportamentais: estados de sonolência interrompidos, choro não consolado, posição supina, manuseio rotineiro e excessivo, ruído ambiental inadequado, pouca oportunidade de sucção e absoluta falta de interação com o olhar, do toque contingente e da linguagem articulada que nomeia o mundo. Esta vivência poderá influenciar nos desenvolvimento do bebê. Porém, por meio de mudanças nos cuidados na UTI-N, pode ser possível a obtenção de melhorias de diversos aspectos do desenvolvimento do bebê internado (Cunha, 2002; Silva, 2002, Cunha 2012).
  • 8. Segundo Winnicott (2013) uma relação de dependência, em que os bebês precisam de uma mãe que esteja identificada com eles e que seja capaz de atender suas necessidades. Zimerman (2010) complementa que não é somente o bebê quem depende maciçamente da estrutura de maternagem da mãe, visto que a mãe também depende fortemente de ser reconhecida pelo bebê: de que ela seja amada pelo seu filho, de que seu leite materno seja de boa qualidade nutritiva, que exista um vínculo harmônico corporal e afetivo entre ambos.
  • 9. ψ Deparar com o bebê real, que é diferente do bebê imaginário; ψ O contato com um ambiente estranho; ψ O medo da perda do filho; ψ A insegurança de lidar com um “bebê problema”; ψ O sentimento de culpa e fracasso; ψ O relacionamento com outros profissionais; ψ A falta de informação sobre o estado de saúde do filho e tratamento, dentre outros. Segundo Winnicott (1969/1999), não chegar ao final de uma gestação e acabar vivenciando um parto que não é o esperado pode significar modificações nas experiências psicoafetivas, sobretudo para a mulher.
  • 10. A importância da equipe de saúde A equipe de saúde tem um papel importante na formação dos laços afetivos, facilitando o contato da mãe com o bebê, adequando o horário da mamada com o da visita, tornando o ambiente da UTI mais acolhedor aos pais, apresentando o RN aos pais, deixando a mãe participar da vida do bebê sempre que possível e principalmente tornando possível o contato pele-a-pele assim que o quadro clínico permitir.
  • 11. Relação psicólogo com os Pais O psicólogo deverá então ajudá-los a fazer esta integração, possibilitando-os falar sobre essa vivencia, a falarem sobre este nascimento e internação, que provavelmente não era esperado, ajudá-los a abrir espaço para o bebê real e fazer o luto do bebê imaginário. Para isso é de fundamental importância à presença dos pais no ambiente da UTIN, a presença deles neste ambiente é tão importante para o bebê quanto para eles próprios.
  • 12. Trabalho com a Família O psicólogo deverá ajudar os irmãos dos bebês de UTIN a lidarem com esta nova situação. A chegada de um bebê saudável já provoca mudanças que podem trazer sofrimento para os filhos mais velhos do casal, a internação do bebê poderá agravar este sofrimento, pois certamente irá levar a uma separação maior com os pais. incentivando na participação dessa experiência junto com a família; ajudar na compreensão do que ocorre com o bebê; auxiliar para reforçar seu lugar na família (Valansi & Morsch, 2004). ). A principal função desse trabalho com a família na UTIN é proporcionar a psicoprofilaxia ao desenvolvimento das relações desse grupo familiar, além de minimizar o sofrimento daqueles que têm um bebê internado (Brasil, 2002), incluindo seus irmãos.
  • 13. Atendimento ao Óbito Perinatal É papel dos psicólogos hospitalares favorecer para que o luto possa ser elaborado. Primeiramente abrindo espaço para que se fale deste filho que as pessoas tendem a desconsiderar; verificar se há um desejo dos pais de realizarem algum procedimento ritualístico e favorecer para que o mesmo possa ser realizado; explicando-lhes que este luto pode levar tempo ao contrário do que as pessoas costumam considerar. Estes procedimentos devem levar em consideração as diferenças entre os pais, não devendo ser algo padronizado.
  • 14. Atendimento ao Óbito Perinatal Cabe a psicologia ajudar com que os pais e familiares se apropriem da situação que estão vivendo, para posteriormente conseguirem falar e aos poucos assimilar, e bem posteriormente aceitar. Arrais; Muza; Sousa e Iaconelli (2012), trazem que os rituais fúnebres ajudam no processo de luto, pois a recuperação é centrada na aceitação, e o velório permite que as pessoas se despeçam e que o enlutado seja considerado como tal.
  • 15. Carvalho (2010) e Chatelard e Freire (2012), o processo de luto envolve um trabalho pessoal de adaptação à perda. É através do luto que aprendemos a lidar com a morte, com as perdas e com o sofrimento causado por estas. Este período de adaptação caracterizado pela dor e sofrimento deve ser encarado como normal e necessário, sendo fundamental sua elaboração, para que a perda seja enfrentada de forma saudável, não evoluindo de maneira patológica (Bortoletti, 2007) Para Arrais Muza; Souza e Iaconelli (2012), o papel do psicólogo nesse contexto é então o de “prevenir” possíveis psicopatologias relacionadas à vida ou morte do bebê, além do esclarecimento e atenção às fantasias dos pacientes. Atendimento ao Óbito Perinatal
  • 17. Área Física A área física da UTI-A é composta por um salão que concentra leitos dispostos um ao lado do outro, serarados por divisórias. O objetivo desta disposição é a necessidade de observação, controle e pronto atendimento constantes aos pacientes pelos profissionais da saúde. Além do grande salão existem leitos especializados para isolamento, separado por uma porta, onde o tempo torna-se uma incerteza, e, às vezes, nesses locais, não existe nem mesmo relógio para orientar os pacientes. Nestes últimos anos, com avanço tecnológico, medicamentosos e novas técnicas de intervenção, os objetivos vem se modificando. Atualmente, uma das maiores preocupações dos profissionais de saúde com o paciente, refere-se aos aspectos da humanização, bem como a melhoria das relações humanas em ambientes de saúde, atendimento personalizado, inclusive ao indivíduo inconsciente. (PREGNOLATTO e AGOSTINHO, 2006).
  • 18. Pacientes O paciente ao adentrar no hospital, perde muitas de suas referências do meio externo onde ele vive. Ao adoecer, o ser humano deixa de ocupar sua posição frente a sociedade, impedindo-o muitas vezes de realizar suas funções. O psicólogo deve considerar que o paciente enfrenta a gravidade da doença, um ambiente físico desconhecido, muitos equipamentos, sons e ruídos específicos, além disso, o paciente enfrenta a ideia errada de não se recuperar e a possibilidade de morte iminente. (Bedran, 1985). Considerar também os principais fatores estressantes para paciente: sentir dor, estar intubado no nariz ou na boca, estar contido e não conseguir dormir; além das reações psicológicas apresentadas pelo paciente que podem variar de choro, medo, apatia, desorientações e euforia.
  • 19. Pacientes A ansiedade apresentada pelo paciente está relacionada às limitações das atividades físicas e sociais, afastamento físico e prolongado de pessoas significativas afetivamente, medo e insegurança diante dos procedimentos hospitalares. O paciente necessita adaptar-se ao novo momento e o psicólogo pode auxiliar neste processo. Pode intervir em relação às mudanças concretas e objetivas quanto à rotina e os hábitos no ambiente da UTI-A, a nível cognitivo, na avaliação dos estímulos a sua volta: seus limites pessoais, sua imagem corporal, sua impotência, seu sentimento de solidão e falta de privacidade.
  • 20. Familiares Para o paciente e seus familiares, esses procedimentos são assustadores e invasivos, considerando a UTI um lugar frio, impessoal e mecanizado, visto por muitas pessoas até mesmo como sinônimo de morte. Takahashi (1986), sita que é necessária uma maior assistência e atenção ao familiar que tem um membro da família internado na UTI- A. Entende-se que a ansiedade deste familiar é esperada, uma vez que a internação nessa unidade esta associada no risco de vida. Então, parte- se do principio de que todo trabalho que possa minimizar essa ansiedade deve ser proposto à unidade de terapia intensiva.
  • 21. Familiares Verifica-se que em muitas unidades de terapia intensiva as visitas são proibidas ou acontece num curto espaço de tempo. A respeito desta afirmação, observa –se que, geralmente, o familiar representa uma segurança favorecendo o paciente uma compreensão do processo de internação, doença e suas consequências. Essa representação aproxima o paciente de seu meio e de sua história, servindo de ponte entre a situação de doença e vida externa.
  • 22. O Psicólogo "Poucas experiências na vida nos forçam tanto a conhecer nossa vulnerabilidade e nossos limites, nos tiram tanto do controle de nossas próprias vidas ou da vida de quem nós amamos, como uma internação na UTI." (A Prática da Psicologia Hospitalar na Santa Casa de São Paulo: novas páginas em uma antiga história, Wilze Laura Bruscato et al). Objetivamente, essa atuação terapêutica visa favorecer o alívio das angústias e a melhora da qualidade da permanência na UTI, amenizar e dar sentido aos sentimentos, fantasias e dificuldades geradas na situação estressante em que se encontra. Considerando as transformações profundas na vida do indivíduo, que a doença pode trazer, faz-se necessário possibilitar a elaboração das mesmas para uma otimização da adaptação psicossocial.
  • 23. O Psicólogo O Psicólogo deve estar atento, portanto à grande mobilização de conteúdos internos e sensíveis para o atendimento nesse lugar a despeito das limitações do paciente, da batalha concreta entre a vida e a morte, da resistência da própria equipe. Novas formas de falar emergem nesse contexto e o paciente fala no seu silêncio, reações físicas, gemidos... Avaliar e intervir junto ao paciente também aos familiares é tarefa do psicólogo que vão facilitar, criar e garantir a comunicação entre paciente, família e equipe. Aqui, esse profissional dá sentido e significado à palavra dita e não dita. Segundo Ford (1994, apud Romano, 1999), os aspectos emocionais podem alterar as reações e habilidades do paciente, modificando a adesão ao tratamento e possibilitando a tomada de decisões que influenciarão suas chances de sobreviver. Além de avaliar e intervir junto ao paciente, é preciso atuar com os familiares.
  • 24. No Óbito Percebe-se que essa modalidade de acompanhamento ocasiona maior acolhimento dos aspectos psicoemocionais presentes diante da morte, buscando auxiliar no começo de um processo saudável de luto, tanto por parte dos familiares das crianças, quanto da equipe. Acompanhar estes familiares permite ao psicólogo observar o momento e a maneira mais adequada para intervir, de acordo com as características emocionais de cada familiar enlutado, bem como ajudar na realização do enfrentamento desse processo, vivenciando as fases peculiares do luto.
  • 25. No Óbito É comum a observação de que a vivência assemelha-se a uma ferida física que precisa de atenção e cuidados. Neste momento, é possível acolher e auxiliar aos familiares que se defrontam com a dor da perda de um filho a manifestarem suas dores, entenderem a perda e a “tranquilizarem-se”. Além disso, cabe ao psicólogo apontar a importância de seus papéis de pais, investimentos realizados e limitações inerentes do ser humano, aliviando possíveis sentimentos de culpa que já são naturais pela patologia, em muitos casos. Nos casos em que, tanto a família como o paciente, vinham sendo assistidos ao longo da internação existe um vínculo estabelecido através das sessões psicoterapêuticas realizadas. No caso dos familiares, as observações auxiliam no trabalho pela maior proximidade e conhecimento das características do caso e dos perfis de personalidade. Nestas situações é comum que o profissional também seja exigido afetivamente por enfrentar um processo de luto por seu paciente falecido.
  • 28. Paciente com 56 anos, casada, três filhos, encontrava-se há cinco dias na UTI, após uma cirurgia para transplante de fígado. A equipe médica solicitou a presença da psicologia, pois a paciente apresentava-se ansiosa, queixosa em relação a dores e sem perspectiva de sair da UTI nas 24 horas seguintes. Em entrevista com a paciente, esta relatou suas dificuldades em permanecer em ambiente de UTI por muitas horas: estar em um leito sem poder mudar de posição (dores da cirurgia e posição da própria cama); a rotina dos cuidados da UTI interrompendo o sono e impedindo o descanso; os outros pacientes agitados principalmente no período noturno; o barulho da equipe e dos aparelhos ligados ao próprio corpo. A paciente compreendia as necessidades que justificavam sua permanência na UTI e mostrava-se tolerante. Contudo, referia muitas dores e estava assustada, sentindo-se sozinha, com medo e vulnerável a tudo. Contou que recebeu o fígado de uma sobrinha e temia por ela ou pela perda do fígado que havia recebido. Referiu que os filhos estavam também assustados e que, no horário da visita, permaneciam por pouco tempo, por não saberem como lidar com essa situação. A paciente e seus familiares encontravam-se paralisados frente ao seu adoecimento e ao seu sofrimento.
  • 29. Associado às dificuldades descritas, a paciente apresentava problemas para controle da dor e a equipe via sua resposta à analgesia como inadequada. Essa situação aguda, a tensão, as dores no corpo e a privação do sono estavam gerando um estado de enorme desconforto que, por sua vez, dificultava a aproximação da família e da equipe das reais necessidades da paciente. O medo e a ansiedade são sentimentos habitualmente presentes em um ambiente de UTI; a impossibilidade de comunicá-los pode gerar maior estresse e respostas pouco adaptativas. Diante tal quadro, a conduta da psicóloga foi realizar o exercício de relaxamento, técnica autógena de J.H. Schultz, com objetivo de promover a diminuição da ansiedade e o alívio desse desconforto, para que a paciente pudesse sentir-se melhor e investir afetivamente nas relações com os cuidadores e com a família. Após a aplicação do exercício, a paciente dormiu por um período de duas horas, acordando muito agradecida e menos tensa. Essa experiência pôde propiciar à paciente contato com sua real condição clínica e emocional, assim como o fortalecimento de sua defesa psíquica e melhoria para enfrentar a situação. A experiência emocional, propiciada pelo exercício, favoreceu a retomada de controle sobre as emoções e as sensações do corpo, auxiliando a paciente a detectar e a expressar suas reais necessidades. Em decorrência da melhoria do estado emocional, pôde permanecer com os familiares, pois estar diante deles significava ver-se como uma pessoa que necessitava de cuidados de outros, fato esse que, até aquele momento, não tinha concebido.
  • 30. Os familiares, por sua vez, também puderam contribuir para a adaptação da paciente ao seu tempo de permanência na UTI, após algumas orientações de manejo fornecidas pela psicóloga, como, por exemplo, ajudarem-na detectar o que traria a ela melhor conforto, realizando, junto à paciente, cuidados com o cabelo, com a pele, propiciando a aproximação. Assim, a técnica de relaxamento serviu como um instrumento valioso na aproximação da paciente com seu mundo interno. À psicóloga transferiram-se conteúdos bons que possibilitaram o sentimento de segurança, o que fortaleceu o vínculo com a equipe, potencializando a tolerância ao ambiente e às exigências de sua internação.
  • 31. SERVIÇO DE PSICOLOGIA HOSPITALAR - AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA ( SEBASTIANI, R.W. & FONGARO, M.L - in ANGERAMI, V. A . [org] -"E a Psicologia Entrou no Hospital", SP, Ed. Pioneira, 1996 ) IDENTIFICAÇÃO: Nome: Pamela (fictício) nº........... Idade: 56 sexo: feminino est.civil: casada religião.............................................. Data internação ....../....../...... Psicólogo................................................ Médico..................................................... Serviço/depto........................................ Diag.médico......................................... Data (atendimento) ...../...../......
  • 32. 1- ESTADO EMOCIONAL GERAL BOM REG. RUIM S/DADOS Auto conceito (X) ( ) ( ) ( ) Auto estima ( ) ( ) (x) ( ) Ansiedade ( ) ( ) (x) ( ) Depressão ( ) (x) ( ) ( ) Inform. Sobre a doença (x) ( ) ( ) ( ) Inform. Sobre tratamento (x) ( ) ( ) ( ) Relação com a doença ( ) ( ) (x) ( ) Estrutura emocional básica ( ) (x) ( ) ( ) Defesas predominantes (X) positivas ( ) negativas Ruptura psicótica ( ) sim (x) não
  • 33. 2. SEQUELAS EMOCIONAIS DO PACIENTE PRESENTE AUSENTE forte leve Com internação anterior ( ) ( ) (x) Com tratamento anterior ( ) ( ) (x) Com cirurgia anterior ( ) ( ) (x) Com separações ( ) ( ) (x) Com perdas / óbitos ( ) ( ) (x) 3. TEMPERAMENTO EMOCIONAL OBSERVADO Introvertido (x) acentuado ( ) Extrovertido ( ) compensado ( )
  • 34. 4. POSTURA FRENTE À DOENÇA E A VIDA Tendência biófila (x) tendência necrófila ( ) Obs.: pois sua falta de perspectiva estava relacionada com a dificuldade de permanência no hospital por muitas horas, porém compreendia a necessidade da mesma. 5. ESTADO ATUAL FRENTE À DOENÇA/ HOSPITALIZAÇÃO E A VIDA ( ) negação ( ) revolta ( ) barganha ( ) depressão (x) aceitação ( ) ganho secundário
  • 35. 6. QUESTIONÁRIO ESPECÍFICO (HISTÓRIA DA PESSOA) 1. Como era o paciente antes de adoecer? ..................................................................................................................................... 2. Relate um dia na vida do paciente antes dele adoecer: ..................................................................................................................................... 3. Como foi descoberto o diagnóstico? ..................................................................................................................................... 4. 0 paciente sabe de seu diagnóstico? Se não sabe, porque? Sim.
  • 36. 5- houve algum fato marcante na vida do paciente e/ou família,antes ou depois do aparecimento da doença? Data. ANTES DEPOIS Doença do paciente ( ) (x) Doença na família ( ) ( ) Separação na família ( ) ( ) Morte na família ( ) ( ) Desemprego ( ) ( ) Mudança de casa ( ) ( ) Mudança de escola ( ) ( ) Nascimento de irmão ( ) ( ) Hospitalizações na família ( ) ( ) Acidentes domésticos ( ) ( ) Acidentes de trânsito ( ) ( ) Viagens ( ) ( ) Mudanças de emprego ( ) ( ) Brigas familiares ( ) ( ) Dificuldades econômicas ( ) ( ) Outros............................................. ( ) ( )
  • 37. 6- houve mudança no comportamento do paciente ou na dinâmica familiar após o aparecimento da doença? Obs.: após o transplante de fígado houveram dificuldades na aproximação da família e a paciente ao se depararem com a falta de conhecimento sobre qual comportamento tinham que ter frente a situação, ou seja, se encontravam paralisados diante do sofrimento. 7. AVALIAÇÃO PSICOSSOCIAL (HISTÓRIA DA PESSOA) A. Infância - (composição familiar, relação com os pais, vivências, acontecimentos relevantes ) B. Adolescência - hábitos, sexualidade, grupos, vivências, acontecimentos relevantes C. Vida adulta - ( rotina diária, situação conjugal, relações com parceiros, contato com filhos, vivências, organização do lar, expectativas de vida ) Obs.: transplante de fígado. D. Contatos sociais - (empregos, amigos, participação na comunidade, lazer, atividades )
  • 38. 8- EXAME PSÍQUICO Identificação: Nome: Pamela Leito...... Idade: 56 sexo: Feminino est.civil: Casada religião............... Data int..../..../..... Psicólogo.............................................médico......................................... Diagnóstico médico.................................................................................. Data....../....../..... 1. Consciência ( clínica - quantitativa ) ( x ) normal ( ) torpor ( ) turvação ( ) obnubilação ( ) coma I (vigil) ( ) coma II ( ) coma III ( ) coma IV (decerebração) Índice glasgow : ....................
  • 39. 2. Senso percepção ( x ) normal ( ) alucinação olfativa ( ) ilusão ( ) alucinação gustativa ( ) alucinação visual ( ) alucinação táctil ( ) alucinação auditiva ( ) alucinação Cenestopático 3. Pensamento ( x ) normal ( ) alteração do curso qual:................................ ( ) alteração da forma qual:................................. ( ) alteração do conteúdo ( ) confusão mental ( ) delírio persecutório ( ) delírio religioso ( ) delírio de referência ( )delírio de interpretação ( )delírio hipocondríaco
  • 40. 4- linguagem ( x ) normal ( ) afasia ( ) dislalia ( ) ecolalia ( ) disartria ( ) outras : ...................................... 5. Memória : ( x ) normal ( ) alteração de fixação ( ) amnésia anterógrada ( ) dificuldades de fixação ( ) alteração de evocação ( ) amnésia retrógrada total ( ) amnésia lacunar ( ) amnésia pós-traumática ( ) hipomnésia ( ) hipermnésia
  • 41. 6. Inteligência/ cognição: ( x ) normal ( ) alteração na inteligência verbal ( ) alteração na inteligência não verbal ( ) alterações cognitivas específicas : quais:........................ 7- consciência do eu (qualitativa) : ( ) normal (X ) alteração no eu físico ( ) alteração no eu psíquico ( ) ruptura psicótica ( ) alteração na orientação auto-psíquica: ( ) estranheza de si mesmo ( ) desor. Tempo psicológico ( ) desor. Espaço psicológico
  • 42. ( ) alteração na orientação alo-psíquica: ( ) estranheza do outro ( ) desor. Tempo físico ( ) desor. Espaço físico ( ) despersonalização Obs.: houve alteração do eu físico em decorrência do transplante por temer a perda do fígado que havia recebido. 8. Afetividade ( humor ) ( X ) normal ( )depressão ( )maior ( )reativa ( ) labilidade afetiva ( ) mania ( ) leve ( ) moderada ( ) aumentada ( ) ambivalência afetiva ( ) amorfismo afetivo ( X ) angústia ( ) de morte (X) existencial ( X ) ansiedade (X) reativa ( ) neurótica
  • 43. 9- motivação e volição (x) deseja e operacionaliza ( normal ) ( ) deseja e não operacionaliza ( ) não deseja 9. MANIFESTAÇÕES PSÍQUICAS E COMPORTAMENTAIS: LEVE MODERADA ACENTUADA CULPA do pai ( ) ( ) ( ) NEGAÇÃO ( ) ( ) ( ) RAIVA ( ) ( ) ( ) HOSTILIDADE ( ) ( ) ( ) FANTASIAS ( ) ( ) ( ) FANTASIAS MÓRBIDAS ( ) ( ) ( ) FRUSTRAÇÃO ( ) ( ) ( ) IMPOTÊNCIA ( ) ( ) ( )
  • 44. INSEGURANÇA (X) ( ) ( ) FRACASSO ( ) ( ) ( ) REGRESSÃO ( ) ( ) ( ) DEPENDÊNCIA ( ) ( ) ( ) CONFORMISMO ( ) ( ) ( ) PROJEÇÃO ( ) ( ) ( ) ISOLAMENTO ( ) ( ) ( ) DESAMPARO ( ) ( ) ( ) PÂNICO ( ) ( ) ( ) DESCONFIANÇA ( ) ( ) ( ) DESPESSOALIZAÇÃO ( ) ( ) ( ) ESPERANÇA ( ) ( ) ( ) AMBIGUIDADE ( ) ( ) ( ) HOSPITALISMO + ( ) ( ) ( ) HOSPITALISMO - ( ) ( ) ( ) STRESS PSICORGÂNICO ( X ) ( ) ( ) AGITAÇÃO PSICOMOTORA ( ) ( ) ( ) AGRESSIVIDADE AUTO DIRIGIDA ( ) ( ) ( ) AGRESSIVIDADE ALODIRIGIDA ( ) ( ) ( ) MEDO REAL ( ) (X) ( ) MEDO FANTASMÁTICO ( ) ( ) ( )
  • 45. SENSAÇÃO DE ABANDONO ( ) ( ) ( ) LIMITAÇÃO DE ATIVIDADES (X) ( ) ( ) CONFLITOS QTO A PRIVACIDADE (X) ( ) ( ) PRIVAÇÃO DA LIBERDADE ( ) (X) ( ) PERDA DA AUTONOMIA ( ) ( ) ( ) ESQUEMA CORPORAL MODIFICADO ( ) (X) ( ) CONFLITOS C/ SEXUALIDADE ( ) ( ) ( ) OUTRAS ...................................................................................................................................... 10. DIAGNÓSTICO PSICOLÓGICO : Hipóteses Diagnósticas : O paciente apresentou uma ansiedade reativa em decorrente à cirurgia de transplante de fígado.
  • 46. 11. FOCOS PRINCIPAIS : Ansiedade reativa de Pamela Fortalecimento dos mecanismos de enfrentamento diante da hospitalização possibilitando aproximação entre família, paciente e da equipe hospitalar. 12. CONDUTA Realizar exercício de relaxamento com o objetivo de promover a diminuição da ansiedade e o alivio do desconforto, informação terapêutica. 13. SÍNTESE Após uma cirurgia de transplante de fígado, a paciente de 56 anos, encontrava-se a 5 dias na UTI- A. Apresentava-se ansiosa e sem perspectivas de sair da mesma, pois tinha dificuldade de permanecer em ambientes hospitalares por muitas horas, sentia-se sozinha com medo e vulnerável a tudo. Tanto a paciente quanto os familiares encontravam-se paralisados por não saberem lidar com a situação; a paciente com situação aguda de tensão, com estado de enorme desconforto, dificultava a aproximação da família e da equipe. A psicóloga realizava então, exercícios de relacionamento, técnica autógena, promovendo a diminuição da ansiedade e o alívio desse desconforto, para a paciente investir afetivamente nas relações com os cuidadores e com a família, o fortalecimento de sua defesa psíquica para o enfrentamento da situação e aproximação da paciente com seu mundo interno.
  • 47. Arrais, A.R; Muza, J. C.; Sousa, E. M. & Iaconelli, V. (2012). Quando a morte visita a maternidade: papel do Psicólogo Hospitalar no atendimento ao luto perinatal. Revista Psicologia Teoria e Prática. No prelo. Baltazar, D. V. S.; Gomes, R. F. S.; Cardoso, T. B. D. (2010). Atuação do psicólogo em unidade neonatal: rotinas e protocolos para uma prática humanizada1. Rev. SBPH, 13(1): 02-18. Bartilotti, M. R. M. B. (2007). Intervenção Psicológica em Luto perinatal. In Bortoletti, F. F (Org.). Psicologia na prática obstétrica – abordagem interdisciplinar. São Paulo: Manole. Bedran, J.N. (1985). O centro de tratamento intensivo como fonte de stresse psicologico. An.fac.Méd.Univ.Fed.Minas Gerais, 34(1): 43-58. Bortoletti, F. F. (2007). Psicoprofilaxia no Ciclo Gravídico Puerperal. In: Bortoletti, F. F. et al., Psicologia na prática obstétrica: abordagem interdisciplinar. Barueri: Manole, p. 37-46.
  • 48. BRASIL. Ministerio da Saúde. Manual do Programa de Anteção Humanizada ao Recém- nascido de baixo peso – Método Canguru. Brasilia : Ministério da Saúde, 2002 Budin P. The Nursling. The fuding and hygiene of premature e full-term infantis. Translated by WJ Maloney. London : Caxton, 1997 Camarotti, Maria do Carmo. De braços vazios: uma separação precoce. In: Rohenkohl, Cláudia Mascarenhas Fernandes. A clínica com o bebê. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2000. Carvalho, C. et al. (2010). Luto por morte perinatal emoções em saúde contributos. Corrente Dinâmica. Pág 170 < http: //www. correntedinamica.com/pubfatout.pdf> Acesso 1 Junho 2012. Carvalho, F. T. & Meyer, L. (2007). Perda gestacional tardia: aspectos a serem enfrentados por mulheres e conduta profissional frente a essas situações. Boletim de Psicologia, 57 (126), 33- 48. Centa, M. L., Moreira, E. C., & Pinto, M. N. G. H. R. (2004). A experiência vivida pelas familias de crianças hospitalizadas em uma Unidade de Terapia Intensiva Neonatal. Texto Contexto – Enfermagem. 13(3), 444-451. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0104- 07072004000300015.
  • 49. Cunha, I. Neurobiologia do Vínculo (2002). In: Correia Filho, L.; et al (orgs). Novos Olhares Sobre a Gestação e a Criança até os 3 anos: Saúde Perinatal, Educação e Desenvolvimento do Bebê. p. 353-387 Brasília: L.G.E. Druon, Catherine. Ajuda ao bebê e aos seus pais em terapia intensiva neonatal. In: Wanderley, Daniele de Brito (org.). Agora eu era o rei: os entraves da prematuridade. Salvador: Ágalma, 1999. Guedeney, A. e Lebovici, S. Intervenções psicoterápicas pais/bebê. Porto Alegre: Artmed, 1999. Iaconelli, V. (2007). Luto Insólito, desmentido e trauma: clínica psicanalítica com mães de bebês. Revista Latino Americana de Psicopatologia Fundamental, São Paulo, 10(4), 614- 623. Klaus, M. H., & Kennel, J. H. (1993). Pais/bebê: A formação do apego. Porto Alegre, PA: Artes Médicas. KLOCK, P., ERDMANN, A. L. Cuidando do recém-nascido em UTIN: convivendo com a fragilidade do viver/sobreviver à luz da complexidade. Rev. Esc. Enferm. USP, São Paulo: EEUSP, v. 46, n. 1, p. 45-51, 2012.
  • 50. KNOBEL, E. Condutas no Paciente Grave. São Paulo: Ed. Atheneu, 2ª edição, 1998. Morsch, D. S. & Delamonica, J. (2005). Análise das repercussões do Programa de Acolhimento aos Irmãos de Bebês Internados em UTI Neonatal: “Lembraram-se de Mim!”. Ciência & Saúde Coletiva, 10(3), 677-687. Mourão, M. A. (2006). O Sentido Subjetivo das Mães de UTIN. Monografia (Graduação em Psicologia) – Universidade Católica de Brasília, DF. PREGNOLATTO, Ana P. F.; AGOSTINHO, Valéria B. M. O psicólogo na unidade de terapia intensiva – adulto. In: BAPTISTA, Makilim N. Psicologia hospitalar: teoria, aplicações e casos clínicos. 2ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2006. RODRIGUES, K.R.B. “Atuação do Psicólogo Hospitalar na Unidade de Terapia Intensiva. Rio Verde – GO, p 3. 2006. RODRIGUEZ, A. S. Abordagem Psicológica em uma Unidade de Terapia Intensiva. In Revista do Hospital de São Francisco da Penitência. RJ: julho/dezembro-1998.
  • 51. Scochi, C. G. S., Kokuday, M. L. P., Riul, M. J. S., Rossanez, L. S. S., Fonseca, L. M. M., & Leite, A. M. (2005). Incentivando o vínculo mãe-filho em situação de prematuridade: As intervenções de enfermagem no hospital das clínicas de Ribeirão Preto. Revista Latino- Americana de Enfermagem, 11 (4), 539-543. Silva, R. N. M. (2002). Aspectos Comportamentais Pré-termo na UTIN. In: Correia Filho, L.; et al (orgs). Novos Olhares Sobre a Gestação e a Criança até os 3 anos: Saúde Perinatal, Educação e Desenvolvimento do Bebê. (1ª ed., pp. 407-421). Brasília: L.G.E SOUZA, Aniele Lima de et al . O acompanhamento psicológico a óbitos em unidade pediátrica. Rev. SBPH, Rio de Janeiro , v. 10, n. 1, p. 151-160, jun. 2007 . Disponível em <http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516- 08582007000100011&lng=pt&nrm=iso>. acessos em 24 mar. 2016. TAKAHASHI, E.I.U. Visitas em unidade de terapia intensiva. Rev. Paul. Enf., São Paulo, v.6, n.3, p.113-115, 1986.
  • 52. Winnicott D.W. (1999). De la pédiatrie à la psychanalyse. Paris: Payot. Publicado originalmente em 1969. ZIMERMAN, David E. Os quatro vínculos: amor, ódio, conhecimento, reconhecimento na psicanálise e em nossas vidas. Porto Alegre: Artmed, 2010.