SlideShare uma empresa Scribd logo
A TERAPIA COGNITIVO-
  COMPORTAMENTAL
              Prof.ª Ana Larissa Marques Perissini.
Psicóloga – Especialista em Terapia Cognitivo-Comportamental,
      Psicologia da Saúde e Sexualidade. Mestre Pela USP.
As bases teóricas da terapia cognitiva têm sido
         desenvolvidas e moldadas por várias
                      abordagens:

   Abordagem fenomenológica: afirma que as visões do
    indivíduo a respeito do self e do mundo pessoal são
    fundamentais para a determinação do comportamento.

                                                (DATTILIO; FREEMAN, 1998)


Séculos XIX e XX               filósofos europeus

Incluindo Kant, Heidegger, Jaspers e Frankl.

Continuaram a desenvolver a ideia de que os processos cognitivos
conscientes têm um papel fundamental na existência humana.

                                               (WRIGHT; BASCO; THASE, 2008)
   Teoria estrutural: promove o conceito da
    estruturação    hierárquica  dos     processos
    cognitivos, com uma ênfase na divisão em
    processo de pensamento primário e secundário.

   Psicologia Cognitiva: integra características de
    ambas as teorias. Enfatiza a importância da
    cognição no processamento das informações e
    na mudança comportamental.




                                  (DATTILIO; FREEMAN, 1998)
A terapia cognitiva combina
 aspectos dos sistemas mais
tradicionais de terapia dentro
   de sua própria estrutura
          conceitual.




          (DATTILIO; FREEMAN, 1998)
VÍDEOAULA TERAPIA COGNITIVO-COMPORTAMENTAL
MODELO COGNITIVO COMPORTAMENTAL


           Surgiu no final dos anos 50.
           Trabalhos de Albert Ellis.




• Terapia Cognitiva.
• Início dos anos 60.
• Aaron T. Beck.


                                           (KNAPP, 2008)
Aaron T. Beck

   Psiquiatra.
   Formação Psicanalítica.
   Pesquisa com pacientes deprimidos           modelo
    psicanalítico da depressão.
   Depressão         visão distorcida e negativa de:


                      Si mesmo
                 Do mundo ao seu redor         Tríade
                                              cognitiva
                     De seu futuro            negativa


                                              (KNAPP, 2008)
   Tríade negativa

    Decorrente de esquemas cognitivos:
   Disfuncionais negativos.
   Rígidos.
   Não realísticos.

               Formados durante a
                    infância.

                Interações com o ambiente, que
                seriam os elementos críticos para o
                surgimento, a manutenção e a
                recorrência da depressão.

                                         (KNAPP, 2008)
Conjunto de técnicas:
   Corrigir crenças distorcidas.
   Aliviar os sintomas depressivos.

    Terapia Cognitiva:

           Novo modelo explicativo para o
    desencadeamento e a manutenção dos sintomas
            depressivos e seu tratamento.

• TC apresentava uma eficácia semelhante à
observada com o uso de antidepressivos no
tratamento da depressão.

                                       (KNAPP, 2008)
VIDEOAULA JUDITH BECK
Terapia Cognitiva:


 Psicoterapia Breve.
 Estruturada.
 Orientada ao presente.
 Direcionada a resolver problemas atuais.
 Modificar pensamentos e os comportamentos
  disfuncionais.




                                   (BECK, J, 1997)
   A Terapia Cognitiva difere dos modos tradicionais
    da psicoterapia:

    “É um processo cooperativo de investigação
    empírica, testagem da realidade e resolução de
    problemas entre o terapeuta e o paciente”.
                           (BECK; WEISHAAR, 1986, apud DATTILIO E FREEMAN, 1998)




     Pode ser claramente diferenciado como um sistema de
       psicoterapia, em oposição a um mero aglomerado de
                            técnicas.



                                                   (DATTILIO; FREEMAN, 1998)
MODELO COGNITIVO:

       Pensamento Distorcido ou disfuncional


                        Humor


                   Comportamento



Pensamento Distorcido      comum a todos os distúrbios
psicológicos.

                                            (BECK, J, 1997)
A TCC é uma abordagem de senso
        comum que se baseia em dois princípios
        centrais:


   Nossas cognições têm uma influência controladora
    sobre nossas emoções e comportamento;



   O modo como agimos ou nos comportamos pode
    afetar profundamente nossos padrões de pensamento
    e nossas emoções.



                                     (WRIGHT; BASCO; THASE, 2008)
(http://o-quarteto-
inseparavel.blogspot.com.br/2008/04/terapia-cognitivo-
               comportamental_02.html)
Os elementos cognitivos dessa
       perspectiva foram
  reconhecidos pelos filósofos
    estóicos Epíteto, Cícero,
  Sêneca, entre outros, 2 mil
 anos antes da introdução da
              TCC.



                    (BECK et al., 1979, apud WRIGHT; BASCO; THASE , 2008)
Segundo Epíteto:




“os homens não se perturbam pelas coisas que acontecem,
         mas sim pelas opiniões sobre as coisas”




                                     (WRIGHT; BASCO; THASE, 2008)
Tradições filosóficas orientais


              taoísmo e o budismo




Cognição é considerada como uma força primária
  na determinação do comportamento humano.



               (BECK et al., 1979; CAMPOS, 2002, apud WRIGHT, BASCO, THASE, 2008)
Segundo Dalai Lama (1999):




    “se pudermos reorientar nossos
        pensamentos e emoções e
   reorganizar nosso comportamento,
  então poderemos não só aprender a
       lidar com o sofrimento mais
    facilmente, mas, sobretudo e em
  primeiro lugar, evitar que muito dele
                  surja”
A avaliação realista e a modificação no
pensamento produzem uma melhora no humor e
              no comportamento.




A melhora duradoura resulta da modificação das
   crenças disfuncionais básicas do paciente.

                                       (BECK, J, 1997)
Nas últimas décadas, a terapia cognitiva teve um
enorme impacto sobre o campo da saúde mental,
 como resultado de sua demonstrada eficácia na
  compreensão e no tratamento de uma ampla
        extensão de distúrbios emocionais e
                comportamentais.




                                 (DATTILIO; FREEMAN, 1998)
HIPÓTESES  EXPLICATIVAS BASEADAS NO
    MODELO COGNITIVO MAIS GERAL FORAM
    SUGERIDAS:

   Transtorno Obsessivo-compulsivo.
   Ansiedade generalizada.
   Transtorno de Pânico.
   Ansiedade Social.
   Dependência Química.
   Transtornos Alimentares.
   Transtornos de Personalidade.
   Transtorno Bipolar.
   Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade.



                                                    (KNAPP, 2008)
   Componentes comportamentais do modelo de
    terapia cognitivo-comportamental:

   Início nos anos de 1950 e 1960.

   Pesquisadores clínicos começaram a aplicar as ideias de
    Pavlov, Skinner e outros behavioristas experimentais.




       Ivan Pavlov
                                       (WRIGHT, BASCO, THASE, 2008)
Skinner




Joseph Wolpe (1958) e Hans Eysenck (1966)
Pioneiros na     exploração   do   potencial       das      intervenções
comportamentais.

• Dessensibilização       contato gradual com objetos ou situações
temidos.


                                               (WRIGHT, BASCO, THASE, 2008)
Técnica de Dessensibilização
   Treinamento de relaxamento:   relaxamento   muscular
    progressivo – Biofeedback.
À medida que a terapia comportamental se expandia, vários
  investigadores proeminentes – como Meichenbaum (1977)
     e Lewinsohn e colaboradores (1985) – começaram a
     incorporar as teorias e estratégias cognitivas a seus
                         tratamentos.




   Observaram que a perspectiva cognitiva acrescentava
   contexto, profundidade e entendimento às intervenções
                     comportamentais.
A designação mais abrangente de terapia
cognitivo-comportamental (TCC) é a mais usual
   na atualidade, pois utiliza ao mesmo tempo
 intervenções típicas do modelo cognitivo, como
  as técnicas destinadas à correção de crenças e
 pensamentos disfuncionais e incorpora técnicas
  comportamentais da terapia comportamental,
como a exposição e o uso de reforçadores, entre
                      outras.



                                       (KNAPP, 2008)
A prática clínica da terapia
cognitivo-comportamental (TCC)
  baseia-se em um conjunto de
 teorias bem-desenvolvidas que
são usadas para formular planos
   de tratamento e orientar as
       ações do terapeuta.




                (WRIGHT; BASCO; THASE, 2008).
MODELO COGNITIVO-COMPORTAMENTAL
Processamento cognitivo                Recebe um papel central
                                           nesse modelo



Paciente:

• Avalia a relevância dos acontecimentos internamente e no ambiente
que o circunda (p. ex., eventos estressantes, comentários ou
ausência de comentários dos outros, memórias de eventos do
passado, tarefas a serem feitas, sensações corporais).

•Cognições    estão   frequentemente    associadas        às      reações
emocionais.




                                           (WRIGHT; BASCO; THASE, 2008).
   Evento = preparando-se para ir a uma festa.

   Avaliação Cognitiva = “Não vou saber o que dizer....”
                           “Vou parecer um desajustado...”
                           “Vou travar e querer ir embora
                                     imediatamente”.



   Emoção = ansiedade, tensão.




   Comportamento = deu uma desculpa e evitou a festa.




                                            (WRIGHT; BASCO; THASE, 2008).
TERAPIA COGNITIVO-COMPORTAMENTAL
NÍVEIS DE PROCESSAMENTO COGNITIVO

    Beck identificou 03 níveis básicos de processamento
    cognitivo:

   Nível mais alto da cognição       consciência.

    Estado de atenção no qual decisões podem ser tomadas
    racionalmente.

    Atenção Consciente nos permite:

   Monitorar e avaliar as interações com o meio ambiente.
   Ligar memória passadas às experiências presentes.
   Controlar e planejar ações futuras.

                                       (WRIGHT; BASCO; THASE, 2008).
Na TCC os terapeutas incentivam:

   O desenvolvimento de pensamento racional e a soluções de
    problemas.

   Reconhecer e mudar pensamento patológico em dois níveis
    de processamento de informações relativamente autônomo
    (pensamentos automáticos e esquemas).

A TCC:

   Enfatiza técnicas destinadas a ajudar os pacientes a
    detectar e modificar seus pensamentos profundos.
   Ensina os pacientes a “pensar sobre o pensamento” para
    atingir a meta de trazer as cognições autônomas à atenção
    e ao controle consciente”.
   PENSAMENTOS AUTOMÁTICOS:

    São cognições que passam rapidamente por nossas mentes
      quando estamos em meio a situações (ou relembrando
                        acontecimentos).

   P.A.        Normalmente são privativos ou não-declarados,
    e ocorrem de forma rápida à medida que avaliamos o
    significado de acontecimentos em nossas vidas.

     Transtorno Psiquiátricos          vivenciam inundações de
      pensamentos automáticos     que   são desadaptativos ou
      distorcidos.

      Podem gerar reações emocionais dolorosas e
      comportamento disfuncional.


                                        (WRIGHT; BASCO; THASE, 2008).
   Um dos indícios mais importantes de que os pensamentos
    automáticos podem estar ocorrendo é a presença de
    emoções fortes.


      Situação          Pensamento                Emoções
                        Automático
 Minha mãe telefona     “Fiz besteira de       Tristeza, raiva.
 e pergunta por que novo. Não tem jeito,
    eu esqueci o     nunca vou conseguir
aniversário de minha    agradá-la. Não
        irmã.         consigo fazer nada
                         direito. O que
                           adianta?”


       Todas as pessoas têm pensamentos automáticos.



                                     (WRIGHT; BASCO; THASE, 2008).
   Pensamentos Automáticos podem ser:
   Logicamente verdadeiros.
   Uma percepção adequada da realidade da situação.



                        ESQUEMAS

   São   matrizes     ou   regras   fundamentais para  o
    processamento de informações que estão abaixo da cada
    mais superficial dos pensamentos automáticos.

   São princípios duradouros de pensamento.
   Começam a tomar forma no início da infância.
   São influenciados por uma                infinidade   de
    experiências de vida, incluindo:

   Os ensinamentos e os modelos dos pais.
   As atividades educativas formais e informais.
   As experiências de seus pares.
   Os traumas.
   Os sucessos.



         Todas as pessoas têm uma mistura de esquemas
           adaptativos (saudáveis) e crenças nucleares
                         desadaptativas.
Pensamentos Automáticos


 Crenças Intermediárias


    Crenças centrais
FLUXOGRAMA DE CONCEITUALIZAÇÃO
                                                 DE CASO
 Diagnóstico/sintomas


Influência do desenvolvimento

Questões situacionais/interpessoais


 Fatores biológicos, genéticos e          Hipótese de                Plano de
 médicos                                    trabalho                tratamento

 Pontos fortes/ recursos



 Pensamentos automáticos,
 emoções e comportamentos típicos


       Esquemas subjacentes

                                               (WRIGHT; BASCO; TASE, 2008, p. 49).
REFERÊNCIA:

 BECK, J. S. Terapia Cognitiva: teoria e prática. Tradução Sandra Costa. Porto Alegre:
 Artes Médicas, 1997.

 Blog     Quarteto      Inseparável:     Disponível     em:     http://o-quarteto-
 inseparavel.blogspot.com.br/2008/04/terapia-cognitivo-comportamental_02.html.
 Acesso em: 21 abr. 2012.

 FREEMAN, A; DATILIO, F. Compreendendo a terapia cognitiva. Campinas: Editorial
 Psy, 1998.

 KNAPP, P. A terapia cognitivo-comportamental no tratamento dos transtornos
 mentais. Rev. Bras. Psiquiatr. v. 30. (Supl II). p. 51-53. 2008.

 WRIGHT, J. H.; BASCO, M. R.; THASE, M. E. Aprendendo a terapia cognitivo-
 comportamental: um guia ilustrado. Tradução Mônica Giglio Armando. Porto Alegre:
 Artmed, 2008.
Contato:

Prof.ª Ana Larissa M. Perissini.
Telefone: (17) 3305-4778
E-mail:             psiperissini@yahoo.com.br               ou
  cognitivatdah@terra.com.br

Página:    http://www.facebook.com/#!/pages/COGNTIVA-TDAH

Face Book: Cognitivatdah Ciências comportamentais.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Psicopatologia I - Aula 1: Introdução aos Conceitos da Psicopatologia.
Psicopatologia I - Aula 1: Introdução aos Conceitos da Psicopatologia.Psicopatologia I - Aula 1: Introdução aos Conceitos da Psicopatologia.
Psicopatologia I - Aula 1: Introdução aos Conceitos da Psicopatologia.
Alexandre Simoes
 
Ansiedade estratégias de tratamento em TCC
Ansiedade estratégias de tratamento em TCCAnsiedade estratégias de tratamento em TCC
Ansiedade estratégias de tratamento em TCC
Marcelo da Rocha Carvalho
 
Terapia Comportamental e Cognitiva, uma introdução.
Terapia Comportamental e Cognitiva, uma introdução.Terapia Comportamental e Cognitiva, uma introdução.
Terapia Comportamental e Cognitiva, uma introdução.
Marcelo da Rocha Carvalho
 
Introdução psicopatologia
Introdução psicopatologiaIntrodução psicopatologia
Introdução psicopatologia
lucasvazdelima
 
I Curso de Psicopatologia da Lampsi - Aula 1
I Curso de Psicopatologia da Lampsi - Aula 1I Curso de Psicopatologia da Lampsi - Aula 1
I Curso de Psicopatologia da Lampsi - Aula 1
Lampsi
 
Conceituação cognitiva
Conceituação cognitivaConceituação cognitiva
Conceituação cognitiva
Sarah Karenina
 
Trabalhando com os pensamentos automáticos
Trabalhando com os pensamentos automáticosTrabalhando com os pensamentos automáticos
Trabalhando com os pensamentos automáticos
Sarah Karenina
 
Introdução à psicopatologia
Introdução à psicopatologiaIntrodução à psicopatologia
Introdução à psicopatologia
Caio Maximino
 
Introdução à Terapia cognitivo comportamental
Introdução à Terapia cognitivo comportamentalIntrodução à Terapia cognitivo comportamental
Introdução à Terapia cognitivo comportamental
Victor Nóbrega
 
Diferentes abordagens da psicologia
Diferentes abordagens da psicologiaDiferentes abordagens da psicologia
Diferentes abordagens da psicologia
Rita Cristiane Pavan
 
Psicologia introdução
Psicologia introduçãoPsicologia introdução
Psicologia introdução
Chrys Souza
 
Psicanálise
PsicanálisePsicanálise
Psicanálise
Micaella Gomes
 
Fundamentos de psicopatologia
Fundamentos de psicopatologiaFundamentos de psicopatologia
Fundamentos de psicopatologia
UNICEP
 
Aula - Introdução à Psicologia 1
Aula - Introdução à Psicologia 1Aula - Introdução à Psicologia 1
Aula - Introdução à Psicologia 1
Felipe Saraiva Nunes de Pinho
 
Conceituação cognitiva
Conceituação cognitivaConceituação cognitiva
Conceituação cognitiva
Paulopereiraunirb
 
Aula II Os grandes sistemas teóricos em psicologia
Aula II   Os grandes sistemas teóricos em psicologiaAula II   Os grandes sistemas teóricos em psicologia
Aula II Os grandes sistemas teóricos em psicologia
Artur Mamed
 
Psicologia Clínica
Psicologia ClínicaPsicologia Clínica
Psicologia Clínica
Anna C
 
Resumo b1 terapia cognitiva comportamental
Resumo b1 terapia cognitiva comportamentalResumo b1 terapia cognitiva comportamental
Resumo b1 terapia cognitiva comportamental
Carina Fonseca
 
Psicopatologia geral
Psicopatologia geralPsicopatologia geral
Psicopatologia geral
Silvana Eloisa
 
Como cuidar da minha saúde mental?
Como cuidar da minha saúde mental?Como cuidar da minha saúde mental?
Como cuidar da minha saúde mental?
Vida Mental Consultoria de Saúde Mental e Nutricional
 

Mais procurados (20)

Psicopatologia I - Aula 1: Introdução aos Conceitos da Psicopatologia.
Psicopatologia I - Aula 1: Introdução aos Conceitos da Psicopatologia.Psicopatologia I - Aula 1: Introdução aos Conceitos da Psicopatologia.
Psicopatologia I - Aula 1: Introdução aos Conceitos da Psicopatologia.
 
Ansiedade estratégias de tratamento em TCC
Ansiedade estratégias de tratamento em TCCAnsiedade estratégias de tratamento em TCC
Ansiedade estratégias de tratamento em TCC
 
Terapia Comportamental e Cognitiva, uma introdução.
Terapia Comportamental e Cognitiva, uma introdução.Terapia Comportamental e Cognitiva, uma introdução.
Terapia Comportamental e Cognitiva, uma introdução.
 
Introdução psicopatologia
Introdução psicopatologiaIntrodução psicopatologia
Introdução psicopatologia
 
I Curso de Psicopatologia da Lampsi - Aula 1
I Curso de Psicopatologia da Lampsi - Aula 1I Curso de Psicopatologia da Lampsi - Aula 1
I Curso de Psicopatologia da Lampsi - Aula 1
 
Conceituação cognitiva
Conceituação cognitivaConceituação cognitiva
Conceituação cognitiva
 
Trabalhando com os pensamentos automáticos
Trabalhando com os pensamentos automáticosTrabalhando com os pensamentos automáticos
Trabalhando com os pensamentos automáticos
 
Introdução à psicopatologia
Introdução à psicopatologiaIntrodução à psicopatologia
Introdução à psicopatologia
 
Introdução à Terapia cognitivo comportamental
Introdução à Terapia cognitivo comportamentalIntrodução à Terapia cognitivo comportamental
Introdução à Terapia cognitivo comportamental
 
Diferentes abordagens da psicologia
Diferentes abordagens da psicologiaDiferentes abordagens da psicologia
Diferentes abordagens da psicologia
 
Psicologia introdução
Psicologia introduçãoPsicologia introdução
Psicologia introdução
 
Psicanálise
PsicanálisePsicanálise
Psicanálise
 
Fundamentos de psicopatologia
Fundamentos de psicopatologiaFundamentos de psicopatologia
Fundamentos de psicopatologia
 
Aula - Introdução à Psicologia 1
Aula - Introdução à Psicologia 1Aula - Introdução à Psicologia 1
Aula - Introdução à Psicologia 1
 
Conceituação cognitiva
Conceituação cognitivaConceituação cognitiva
Conceituação cognitiva
 
Aula II Os grandes sistemas teóricos em psicologia
Aula II   Os grandes sistemas teóricos em psicologiaAula II   Os grandes sistemas teóricos em psicologia
Aula II Os grandes sistemas teóricos em psicologia
 
Psicologia Clínica
Psicologia ClínicaPsicologia Clínica
Psicologia Clínica
 
Resumo b1 terapia cognitiva comportamental
Resumo b1 terapia cognitiva comportamentalResumo b1 terapia cognitiva comportamental
Resumo b1 terapia cognitiva comportamental
 
Psicopatologia geral
Psicopatologia geralPsicopatologia geral
Psicopatologia geral
 
Como cuidar da minha saúde mental?
Como cuidar da minha saúde mental?Como cuidar da minha saúde mental?
Como cuidar da minha saúde mental?
 

Semelhante a A terapia cognitivo comportamental

1-História da Terapia Cognitiva.pptx
1-História da Terapia Cognitiva.pptx1-História da Terapia Cognitiva.pptx
1-História da Terapia Cognitiva.pptx
Julianamarciafonseca
 
Aula Pós - APLICAÇÃO DOS CONCEITOS DA TERAPIA COGNITIVA NO CONTEXTO CLÍNICO.pptx
Aula Pós - APLICAÇÃO DOS CONCEITOS DA TERAPIA COGNITIVA NO CONTEXTO CLÍNICO.pptxAula Pós - APLICAÇÃO DOS CONCEITOS DA TERAPIA COGNITIVA NO CONTEXTO CLÍNICO.pptx
Aula Pós - APLICAÇÃO DOS CONCEITOS DA TERAPIA COGNITIVA NO CONTEXTO CLÍNICO.pptx
Reverendo Celiomar Tiago Freitas
 
Terapia Cognitivo-Comportamental - Teoria e Prática - Judith Beck.pptx
Terapia Cognitivo-Comportamental - Teoria e Prática - Judith Beck.pptxTerapia Cognitivo-Comportamental - Teoria e Prática - Judith Beck.pptx
Terapia Cognitivo-Comportamental - Teoria e Prática - Judith Beck.pptx
AndersonAlmeida184
 
Terapia cognitiva
Terapia cognitivaTerapia cognitiva
Terapia cognitiva
Terapia cognitivaTerapia cognitiva
11 Benefícios que Terapia Cognitivo Comportamental (TCC) pode trazer para a s...
11 Benefícios que Terapia Cognitivo Comportamental (TCC) pode trazer para a s...11 Benefícios que Terapia Cognitivo Comportamental (TCC) pode trazer para a s...
11 Benefícios que Terapia Cognitivo Comportamental (TCC) pode trazer para a s...
clinicamob
 
As principais influências orientais utilizadas nas abordagens da terapia cogn...
As principais influências orientais utilizadas nas abordagens da terapia cogn...As principais influências orientais utilizadas nas abordagens da terapia cogn...
As principais influências orientais utilizadas nas abordagens da terapia cogn...
Marcus Deminco
 
Tcc módulo 1
 Tcc   módulo 1 Tcc   módulo 1
Tcc módulo 1
Val Rafaeli
 
Terapiacognitiva mod 01 ao 08
Terapiacognitiva mod 01 ao 08Terapiacognitiva mod 01 ao 08
Terapiacognitiva mod 01 ao 08
Nucleo Nacional
 
Terapia cognitiva completo
Terapia cognitiva completoTerapia cognitiva completo
Terapia cognitiva completo
Abrahao Rocha Brandao
 
Terapia cognitiva completo desconhecido
Terapia cognitiva completo   desconhecidoTerapia cognitiva completo   desconhecido
Terapia cognitiva completo desconhecido
Abrahao Rocha Brandao
 
Apresentação-capitulo 1.pptx
Apresentação-capitulo 1.pptxApresentação-capitulo 1.pptx
Apresentação-capitulo 1.pptx
psiarletesouza
 
Palestra na Residência em Psicologia UNIFESP 2016
Palestra na Residência em Psicologia UNIFESP 2016Palestra na Residência em Psicologia UNIFESP 2016
Palestra na Residência em Psicologia UNIFESP 2016
Marcelo da Rocha Carvalho
 
psicologia clínica07 psicologia clínica trabalho
psicologia clínica07 psicologia clínica trabalhopsicologia clínica07 psicologia clínica trabalho
psicologia clínica07 psicologia clínica trabalho
Graça Martins
 
07 psicologia clínica trabalho
07 psicologia clínica trabalho07 psicologia clínica trabalho
07 psicologia clínica trabalho
Graça Martins
 
07psicologiaclnica trabalho-150102210503-conversion-gate02
07psicologiaclnica trabalho-150102210503-conversion-gate0207psicologiaclnica trabalho-150102210503-conversion-gate02
07psicologiaclnica trabalho-150102210503-conversion-gate02
Ana Rodrigues
 
Psicologia Aplicada
Psicologia AplicadaPsicologia Aplicada
Psicologia Aplicada
Ângelo Rafael
 
Psicologia contemporanea-articulacoes-teoricopraticas-psicanalise-psicoterapi...
Psicologia contemporanea-articulacoes-teoricopraticas-psicanalise-psicoterapi...Psicologia contemporanea-articulacoes-teoricopraticas-psicanalise-psicoterapi...
Psicologia contemporanea-articulacoes-teoricopraticas-psicanalise-psicoterapi...
Lucas Coutinho
 
O Potencial Terapêutico da Regressão e Vivências passadas
O Potencial Terapêutico da Regressão e Vivências passadasO Potencial Terapêutico da Regressão e Vivências passadas
O Potencial Terapêutico da Regressão e Vivências passadas
GSArt Web Solutions
 
MINDFULNESS.pptx
MINDFULNESS.pptxMINDFULNESS.pptx
MINDFULNESS.pptx
Thiago397505
 

Semelhante a A terapia cognitivo comportamental (20)

1-História da Terapia Cognitiva.pptx
1-História da Terapia Cognitiva.pptx1-História da Terapia Cognitiva.pptx
1-História da Terapia Cognitiva.pptx
 
Aula Pós - APLICAÇÃO DOS CONCEITOS DA TERAPIA COGNITIVA NO CONTEXTO CLÍNICO.pptx
Aula Pós - APLICAÇÃO DOS CONCEITOS DA TERAPIA COGNITIVA NO CONTEXTO CLÍNICO.pptxAula Pós - APLICAÇÃO DOS CONCEITOS DA TERAPIA COGNITIVA NO CONTEXTO CLÍNICO.pptx
Aula Pós - APLICAÇÃO DOS CONCEITOS DA TERAPIA COGNITIVA NO CONTEXTO CLÍNICO.pptx
 
Terapia Cognitivo-Comportamental - Teoria e Prática - Judith Beck.pptx
Terapia Cognitivo-Comportamental - Teoria e Prática - Judith Beck.pptxTerapia Cognitivo-Comportamental - Teoria e Prática - Judith Beck.pptx
Terapia Cognitivo-Comportamental - Teoria e Prática - Judith Beck.pptx
 
Terapia cognitiva
Terapia cognitivaTerapia cognitiva
Terapia cognitiva
 
Terapia cognitiva
Terapia cognitivaTerapia cognitiva
Terapia cognitiva
 
11 Benefícios que Terapia Cognitivo Comportamental (TCC) pode trazer para a s...
11 Benefícios que Terapia Cognitivo Comportamental (TCC) pode trazer para a s...11 Benefícios que Terapia Cognitivo Comportamental (TCC) pode trazer para a s...
11 Benefícios que Terapia Cognitivo Comportamental (TCC) pode trazer para a s...
 
As principais influências orientais utilizadas nas abordagens da terapia cogn...
As principais influências orientais utilizadas nas abordagens da terapia cogn...As principais influências orientais utilizadas nas abordagens da terapia cogn...
As principais influências orientais utilizadas nas abordagens da terapia cogn...
 
Tcc módulo 1
 Tcc   módulo 1 Tcc   módulo 1
Tcc módulo 1
 
Terapiacognitiva mod 01 ao 08
Terapiacognitiva mod 01 ao 08Terapiacognitiva mod 01 ao 08
Terapiacognitiva mod 01 ao 08
 
Terapia cognitiva completo
Terapia cognitiva completoTerapia cognitiva completo
Terapia cognitiva completo
 
Terapia cognitiva completo desconhecido
Terapia cognitiva completo   desconhecidoTerapia cognitiva completo   desconhecido
Terapia cognitiva completo desconhecido
 
Apresentação-capitulo 1.pptx
Apresentação-capitulo 1.pptxApresentação-capitulo 1.pptx
Apresentação-capitulo 1.pptx
 
Palestra na Residência em Psicologia UNIFESP 2016
Palestra na Residência em Psicologia UNIFESP 2016Palestra na Residência em Psicologia UNIFESP 2016
Palestra na Residência em Psicologia UNIFESP 2016
 
psicologia clínica07 psicologia clínica trabalho
psicologia clínica07 psicologia clínica trabalhopsicologia clínica07 psicologia clínica trabalho
psicologia clínica07 psicologia clínica trabalho
 
07 psicologia clínica trabalho
07 psicologia clínica trabalho07 psicologia clínica trabalho
07 psicologia clínica trabalho
 
07psicologiaclnica trabalho-150102210503-conversion-gate02
07psicologiaclnica trabalho-150102210503-conversion-gate0207psicologiaclnica trabalho-150102210503-conversion-gate02
07psicologiaclnica trabalho-150102210503-conversion-gate02
 
Psicologia Aplicada
Psicologia AplicadaPsicologia Aplicada
Psicologia Aplicada
 
Psicologia contemporanea-articulacoes-teoricopraticas-psicanalise-psicoterapi...
Psicologia contemporanea-articulacoes-teoricopraticas-psicanalise-psicoterapi...Psicologia contemporanea-articulacoes-teoricopraticas-psicanalise-psicoterapi...
Psicologia contemporanea-articulacoes-teoricopraticas-psicanalise-psicoterapi...
 
O Potencial Terapêutico da Regressão e Vivências passadas
O Potencial Terapêutico da Regressão e Vivências passadasO Potencial Terapêutico da Regressão e Vivências passadas
O Potencial Terapêutico da Regressão e Vivências passadas
 
MINDFULNESS.pptx
MINDFULNESS.pptxMINDFULNESS.pptx
MINDFULNESS.pptx
 

Mais de Ana Larissa Perissini

Disfunções sexuais
Disfunções sexuaisDisfunções sexuais
Disfunções sexuais
Ana Larissa Perissini
 
Psicologia do desenolvimento
Psicologia do desenolvimentoPsicologia do desenolvimento
Psicologia do desenolvimento
Ana Larissa Perissini
 
Vaginismo
VaginismoVaginismo
COMO CALCULAR O VALOR DA SESSÃO DE PSICOTERAPIA E DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA?
COMO CALCULAR O VALOR DA SESSÃO DE PSICOTERAPIA E DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA?COMO CALCULAR O VALOR DA SESSÃO DE PSICOTERAPIA E DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA?
COMO CALCULAR O VALOR DA SESSÃO DE PSICOTERAPIA E DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA?
Ana Larissa Perissini
 
ORIENTAÇÃO PSICOEDUCACIONAL DO TRANSTORNO DE PÂNICO
ORIENTAÇÃO PSICOEDUCACIONAL DO TRANSTORNO DE PÂNICOORIENTAÇÃO PSICOEDUCACIONAL DO TRANSTORNO DE PÂNICO
ORIENTAÇÃO PSICOEDUCACIONAL DO TRANSTORNO DE PÂNICO
Ana Larissa Perissini
 
Aprendendo a calcular o valor da sessão de psicoterapia e de avaliação psicol...
Aprendendo a calcular o valor da sessão de psicoterapia e de avaliação psicol...Aprendendo a calcular o valor da sessão de psicoterapia e de avaliação psicol...
Aprendendo a calcular o valor da sessão de psicoterapia e de avaliação psicol...
Ana Larissa Perissini
 
Prejuízos típicos do adolescente e do adulto portador
Prejuízos típicos do adolescente e do adulto portadorPrejuízos típicos do adolescente e do adulto portador
Prejuízos típicos do adolescente e do adulto portador
Ana Larissa Perissini
 
Transtorno de déficit de atenção e hiperatividade
Transtorno de déficit de atenção e hiperatividadeTranstorno de déficit de atenção e hiperatividade
Transtorno de déficit de atenção e hiperatividade
Ana Larissa Perissini
 
Atuação do Psicólogo da Saúde em Reprodução Humana Assistida
Atuação do Psicólogo da Saúde em Reprodução Humana AssistidaAtuação do Psicólogo da Saúde em Reprodução Humana Assistida
Atuação do Psicólogo da Saúde em Reprodução Humana Assistida
Ana Larissa Perissini
 
Tdah adul..[1]
Tdah adul..[1]Tdah adul..[1]
Tdah adul..[1]
Ana Larissa Perissini
 
A Vivência Afetivo-Sexual de Casais Inférteis
A Vivência Afetivo-Sexual de Casais InférteisA Vivência Afetivo-Sexual de Casais Inférteis
A Vivência Afetivo-Sexual de Casais Inférteis
Ana Larissa Perissini
 

Mais de Ana Larissa Perissini (11)

Disfunções sexuais
Disfunções sexuaisDisfunções sexuais
Disfunções sexuais
 
Psicologia do desenolvimento
Psicologia do desenolvimentoPsicologia do desenolvimento
Psicologia do desenolvimento
 
Vaginismo
VaginismoVaginismo
Vaginismo
 
COMO CALCULAR O VALOR DA SESSÃO DE PSICOTERAPIA E DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA?
COMO CALCULAR O VALOR DA SESSÃO DE PSICOTERAPIA E DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA?COMO CALCULAR O VALOR DA SESSÃO DE PSICOTERAPIA E DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA?
COMO CALCULAR O VALOR DA SESSÃO DE PSICOTERAPIA E DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA?
 
ORIENTAÇÃO PSICOEDUCACIONAL DO TRANSTORNO DE PÂNICO
ORIENTAÇÃO PSICOEDUCACIONAL DO TRANSTORNO DE PÂNICOORIENTAÇÃO PSICOEDUCACIONAL DO TRANSTORNO DE PÂNICO
ORIENTAÇÃO PSICOEDUCACIONAL DO TRANSTORNO DE PÂNICO
 
Aprendendo a calcular o valor da sessão de psicoterapia e de avaliação psicol...
Aprendendo a calcular o valor da sessão de psicoterapia e de avaliação psicol...Aprendendo a calcular o valor da sessão de psicoterapia e de avaliação psicol...
Aprendendo a calcular o valor da sessão de psicoterapia e de avaliação psicol...
 
Prejuízos típicos do adolescente e do adulto portador
Prejuízos típicos do adolescente e do adulto portadorPrejuízos típicos do adolescente e do adulto portador
Prejuízos típicos do adolescente e do adulto portador
 
Transtorno de déficit de atenção e hiperatividade
Transtorno de déficit de atenção e hiperatividadeTranstorno de déficit de atenção e hiperatividade
Transtorno de déficit de atenção e hiperatividade
 
Atuação do Psicólogo da Saúde em Reprodução Humana Assistida
Atuação do Psicólogo da Saúde em Reprodução Humana AssistidaAtuação do Psicólogo da Saúde em Reprodução Humana Assistida
Atuação do Psicólogo da Saúde em Reprodução Humana Assistida
 
Tdah adul..[1]
Tdah adul..[1]Tdah adul..[1]
Tdah adul..[1]
 
A Vivência Afetivo-Sexual de Casais Inférteis
A Vivência Afetivo-Sexual de Casais InférteisA Vivência Afetivo-Sexual de Casais Inférteis
A Vivência Afetivo-Sexual de Casais Inférteis
 

Último

Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do TrabalhoApostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
CatieleAlmeida1
 
Tipos de pontos e suturas técnicas de sutura
Tipos de pontos e suturas técnicas de suturaTipos de pontos e suturas técnicas de sutura
Tipos de pontos e suturas técnicas de sutura
DelcioVumbuca
 
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
sula31
 
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptxSíndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
marjoguedes1
 
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
AmaroAlmeidaChimbala
 
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdfVacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
rickriordan
 

Último (7)

Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do TrabalhoApostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
 
Tipos de pontos e suturas técnicas de sutura
Tipos de pontos e suturas técnicas de suturaTipos de pontos e suturas técnicas de sutura
Tipos de pontos e suturas técnicas de sutura
 
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
 
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptxSíndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
 
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
 
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
 
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdfVacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
 

A terapia cognitivo comportamental

  • 1. A TERAPIA COGNITIVO- COMPORTAMENTAL Prof.ª Ana Larissa Marques Perissini. Psicóloga – Especialista em Terapia Cognitivo-Comportamental, Psicologia da Saúde e Sexualidade. Mestre Pela USP.
  • 2. As bases teóricas da terapia cognitiva têm sido desenvolvidas e moldadas por várias abordagens:  Abordagem fenomenológica: afirma que as visões do indivíduo a respeito do self e do mundo pessoal são fundamentais para a determinação do comportamento. (DATTILIO; FREEMAN, 1998) Séculos XIX e XX filósofos europeus Incluindo Kant, Heidegger, Jaspers e Frankl. Continuaram a desenvolver a ideia de que os processos cognitivos conscientes têm um papel fundamental na existência humana. (WRIGHT; BASCO; THASE, 2008)
  • 3. Teoria estrutural: promove o conceito da estruturação hierárquica dos processos cognitivos, com uma ênfase na divisão em processo de pensamento primário e secundário.  Psicologia Cognitiva: integra características de ambas as teorias. Enfatiza a importância da cognição no processamento das informações e na mudança comportamental. (DATTILIO; FREEMAN, 1998)
  • 4. A terapia cognitiva combina aspectos dos sistemas mais tradicionais de terapia dentro de sua própria estrutura conceitual. (DATTILIO; FREEMAN, 1998)
  • 6. MODELO COGNITIVO COMPORTAMENTAL  Surgiu no final dos anos 50.  Trabalhos de Albert Ellis. • Terapia Cognitiva. • Início dos anos 60. • Aaron T. Beck. (KNAPP, 2008)
  • 7. Aaron T. Beck  Psiquiatra.  Formação Psicanalítica.  Pesquisa com pacientes deprimidos modelo psicanalítico da depressão.  Depressão visão distorcida e negativa de: Si mesmo Do mundo ao seu redor Tríade cognitiva De seu futuro negativa (KNAPP, 2008)
  • 8. Tríade negativa Decorrente de esquemas cognitivos:  Disfuncionais negativos.  Rígidos.  Não realísticos. Formados durante a infância. Interações com o ambiente, que seriam os elementos críticos para o surgimento, a manutenção e a recorrência da depressão. (KNAPP, 2008)
  • 9. Conjunto de técnicas:  Corrigir crenças distorcidas.  Aliviar os sintomas depressivos. Terapia Cognitiva: Novo modelo explicativo para o desencadeamento e a manutenção dos sintomas depressivos e seu tratamento. • TC apresentava uma eficácia semelhante à observada com o uso de antidepressivos no tratamento da depressão. (KNAPP, 2008)
  • 11. Terapia Cognitiva:  Psicoterapia Breve.  Estruturada.  Orientada ao presente.  Direcionada a resolver problemas atuais.  Modificar pensamentos e os comportamentos disfuncionais. (BECK, J, 1997)
  • 12. A Terapia Cognitiva difere dos modos tradicionais da psicoterapia: “É um processo cooperativo de investigação empírica, testagem da realidade e resolução de problemas entre o terapeuta e o paciente”. (BECK; WEISHAAR, 1986, apud DATTILIO E FREEMAN, 1998) Pode ser claramente diferenciado como um sistema de psicoterapia, em oposição a um mero aglomerado de técnicas. (DATTILIO; FREEMAN, 1998)
  • 13. MODELO COGNITIVO: Pensamento Distorcido ou disfuncional Humor Comportamento Pensamento Distorcido comum a todos os distúrbios psicológicos. (BECK, J, 1997)
  • 14. A TCC é uma abordagem de senso comum que se baseia em dois princípios centrais:  Nossas cognições têm uma influência controladora sobre nossas emoções e comportamento;  O modo como agimos ou nos comportamos pode afetar profundamente nossos padrões de pensamento e nossas emoções. (WRIGHT; BASCO; THASE, 2008)
  • 16. Os elementos cognitivos dessa perspectiva foram reconhecidos pelos filósofos estóicos Epíteto, Cícero, Sêneca, entre outros, 2 mil anos antes da introdução da TCC. (BECK et al., 1979, apud WRIGHT; BASCO; THASE , 2008)
  • 17. Segundo Epíteto: “os homens não se perturbam pelas coisas que acontecem, mas sim pelas opiniões sobre as coisas” (WRIGHT; BASCO; THASE, 2008)
  • 18. Tradições filosóficas orientais taoísmo e o budismo Cognição é considerada como uma força primária na determinação do comportamento humano. (BECK et al., 1979; CAMPOS, 2002, apud WRIGHT, BASCO, THASE, 2008)
  • 19. Segundo Dalai Lama (1999): “se pudermos reorientar nossos pensamentos e emoções e reorganizar nosso comportamento, então poderemos não só aprender a lidar com o sofrimento mais facilmente, mas, sobretudo e em primeiro lugar, evitar que muito dele surja”
  • 20. A avaliação realista e a modificação no pensamento produzem uma melhora no humor e no comportamento. A melhora duradoura resulta da modificação das crenças disfuncionais básicas do paciente. (BECK, J, 1997)
  • 21. Nas últimas décadas, a terapia cognitiva teve um enorme impacto sobre o campo da saúde mental, como resultado de sua demonstrada eficácia na compreensão e no tratamento de uma ampla extensão de distúrbios emocionais e comportamentais. (DATTILIO; FREEMAN, 1998)
  • 22. HIPÓTESES EXPLICATIVAS BASEADAS NO MODELO COGNITIVO MAIS GERAL FORAM SUGERIDAS:  Transtorno Obsessivo-compulsivo.  Ansiedade generalizada.  Transtorno de Pânico.  Ansiedade Social.  Dependência Química.  Transtornos Alimentares.  Transtornos de Personalidade.  Transtorno Bipolar.  Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade. (KNAPP, 2008)
  • 23. Componentes comportamentais do modelo de terapia cognitivo-comportamental:  Início nos anos de 1950 e 1960.  Pesquisadores clínicos começaram a aplicar as ideias de Pavlov, Skinner e outros behavioristas experimentais. Ivan Pavlov (WRIGHT, BASCO, THASE, 2008)
  • 24. Skinner Joseph Wolpe (1958) e Hans Eysenck (1966) Pioneiros na exploração do potencial das intervenções comportamentais. • Dessensibilização contato gradual com objetos ou situações temidos. (WRIGHT, BASCO, THASE, 2008)
  • 26. Treinamento de relaxamento: relaxamento muscular progressivo – Biofeedback.
  • 27. À medida que a terapia comportamental se expandia, vários investigadores proeminentes – como Meichenbaum (1977) e Lewinsohn e colaboradores (1985) – começaram a incorporar as teorias e estratégias cognitivas a seus tratamentos. Observaram que a perspectiva cognitiva acrescentava contexto, profundidade e entendimento às intervenções comportamentais.
  • 28. A designação mais abrangente de terapia cognitivo-comportamental (TCC) é a mais usual na atualidade, pois utiliza ao mesmo tempo intervenções típicas do modelo cognitivo, como as técnicas destinadas à correção de crenças e pensamentos disfuncionais e incorpora técnicas comportamentais da terapia comportamental, como a exposição e o uso de reforçadores, entre outras. (KNAPP, 2008)
  • 29. A prática clínica da terapia cognitivo-comportamental (TCC) baseia-se em um conjunto de teorias bem-desenvolvidas que são usadas para formular planos de tratamento e orientar as ações do terapeuta. (WRIGHT; BASCO; THASE, 2008).
  • 31. Processamento cognitivo Recebe um papel central nesse modelo Paciente: • Avalia a relevância dos acontecimentos internamente e no ambiente que o circunda (p. ex., eventos estressantes, comentários ou ausência de comentários dos outros, memórias de eventos do passado, tarefas a serem feitas, sensações corporais). •Cognições estão frequentemente associadas às reações emocionais. (WRIGHT; BASCO; THASE, 2008).
  • 32. Evento = preparando-se para ir a uma festa.  Avaliação Cognitiva = “Não vou saber o que dizer....” “Vou parecer um desajustado...” “Vou travar e querer ir embora imediatamente”.  Emoção = ansiedade, tensão.  Comportamento = deu uma desculpa e evitou a festa. (WRIGHT; BASCO; THASE, 2008).
  • 34. NÍVEIS DE PROCESSAMENTO COGNITIVO Beck identificou 03 níveis básicos de processamento cognitivo:  Nível mais alto da cognição consciência. Estado de atenção no qual decisões podem ser tomadas racionalmente. Atenção Consciente nos permite:  Monitorar e avaliar as interações com o meio ambiente.  Ligar memória passadas às experiências presentes.  Controlar e planejar ações futuras. (WRIGHT; BASCO; THASE, 2008).
  • 35. Na TCC os terapeutas incentivam:  O desenvolvimento de pensamento racional e a soluções de problemas.  Reconhecer e mudar pensamento patológico em dois níveis de processamento de informações relativamente autônomo (pensamentos automáticos e esquemas). A TCC:  Enfatiza técnicas destinadas a ajudar os pacientes a detectar e modificar seus pensamentos profundos.  Ensina os pacientes a “pensar sobre o pensamento” para atingir a meta de trazer as cognições autônomas à atenção e ao controle consciente”.
  • 36. PENSAMENTOS AUTOMÁTICOS: São cognições que passam rapidamente por nossas mentes quando estamos em meio a situações (ou relembrando acontecimentos).  P.A. Normalmente são privativos ou não-declarados, e ocorrem de forma rápida à medida que avaliamos o significado de acontecimentos em nossas vidas.  Transtorno Psiquiátricos vivenciam inundações de pensamentos automáticos que são desadaptativos ou distorcidos. Podem gerar reações emocionais dolorosas e comportamento disfuncional. (WRIGHT; BASCO; THASE, 2008).
  • 37. Um dos indícios mais importantes de que os pensamentos automáticos podem estar ocorrendo é a presença de emoções fortes. Situação Pensamento Emoções Automático Minha mãe telefona “Fiz besteira de Tristeza, raiva. e pergunta por que novo. Não tem jeito, eu esqueci o nunca vou conseguir aniversário de minha agradá-la. Não irmã. consigo fazer nada direito. O que adianta?” Todas as pessoas têm pensamentos automáticos. (WRIGHT; BASCO; THASE, 2008).
  • 38. Pensamentos Automáticos podem ser:  Logicamente verdadeiros.  Uma percepção adequada da realidade da situação. ESQUEMAS  São matrizes ou regras fundamentais para o processamento de informações que estão abaixo da cada mais superficial dos pensamentos automáticos.  São princípios duradouros de pensamento.  Começam a tomar forma no início da infância.
  • 39. São influenciados por uma infinidade de experiências de vida, incluindo:  Os ensinamentos e os modelos dos pais.  As atividades educativas formais e informais.  As experiências de seus pares.  Os traumas.  Os sucessos. Todas as pessoas têm uma mistura de esquemas adaptativos (saudáveis) e crenças nucleares desadaptativas.
  • 40. Pensamentos Automáticos Crenças Intermediárias Crenças centrais
  • 41. FLUXOGRAMA DE CONCEITUALIZAÇÃO DE CASO Diagnóstico/sintomas Influência do desenvolvimento Questões situacionais/interpessoais Fatores biológicos, genéticos e Hipótese de Plano de médicos trabalho tratamento Pontos fortes/ recursos Pensamentos automáticos, emoções e comportamentos típicos Esquemas subjacentes (WRIGHT; BASCO; TASE, 2008, p. 49).
  • 42. REFERÊNCIA: BECK, J. S. Terapia Cognitiva: teoria e prática. Tradução Sandra Costa. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997. Blog Quarteto Inseparável: Disponível em: http://o-quarteto- inseparavel.blogspot.com.br/2008/04/terapia-cognitivo-comportamental_02.html. Acesso em: 21 abr. 2012. FREEMAN, A; DATILIO, F. Compreendendo a terapia cognitiva. Campinas: Editorial Psy, 1998. KNAPP, P. A terapia cognitivo-comportamental no tratamento dos transtornos mentais. Rev. Bras. Psiquiatr. v. 30. (Supl II). p. 51-53. 2008. WRIGHT, J. H.; BASCO, M. R.; THASE, M. E. Aprendendo a terapia cognitivo- comportamental: um guia ilustrado. Tradução Mônica Giglio Armando. Porto Alegre: Artmed, 2008.
  • 43. Contato: Prof.ª Ana Larissa M. Perissini. Telefone: (17) 3305-4778 E-mail: psiperissini@yahoo.com.br ou cognitivatdah@terra.com.br Página: http://www.facebook.com/#!/pages/COGNTIVA-TDAH Face Book: Cognitivatdah Ciências comportamentais.