SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 42
CENTRO DE TRABALHOS
ESPÍRITA ANA LUZ
RETORNO À VIDA CORPORAL:
Infância
1804-1869
1. Fundamentos e Finalidade da
Rematerialização
2. Provas da Rematerialização2. Provas da Rematerialização
3. Retorno à Vida Corporal: Planejamento da
Rematerialização
4. Retorno à Vida Corporal: União da Alma4. Retorno à Vida Corporal: União da Alma
ao Corpoao Corpo
5. Retorno à Vida Corporal: A Infância
6. Esquecimento do Passado: Justificativas6. Esquecimento do Passado: Justificativas
da Sua Necessidadeda Sua Necessidade
““Outro forte indícioOutro forte indício
de que os homens sabemde que os homens sabem
a maioria das coisasa maioria das coisas
antes do nascimento éantes do nascimento é
que, quando criançasque, quando crianças
aprendem fatos comaprendem fatos com
enorme rapidez, o queenorme rapidez, o que
demonstra que não osdemonstra que não os
estão aprendendo pelaestão aprendendo pela
primeira vez, e sim osprimeira vez, e sim os
relembrando.”relembrando.”
CíceroCícero
(106-43 a.C.)(106-43 a.C.)
Na verdade, naNa verdade, na
verdade te digoverdade te digo
que aquele queque aquele que
não nascer denão nascer de
novo, não podenovo, não pode
ver o reino dever o reino de
Deus.”Deus.”
Jesus (João 3:3)Jesus (João 3:3)
(1883-1931)
Vossos filhos não são vossos filhos.
São os filhos e as filhas da ânsia da vida por si
mesma.
Vêm através de vós, mas não de vós.
E embora vivam convosco, não vos
pertencem.
Podeis outorgar-lhes vosso amor, mas não
vossos pensamentos, porque eles têm seus
próprios pensamentos.
Podeis abrigar seus corpos, mas não suas
almas; pois suas almas moram na mansão do
amanhã, que vós não podeis visitar nem mesmo
em sonho.
Podeis esforçar-vos por ser como eles, mas
não procureis fazê-los como vós, porque a vida não
anda para trás e não se demora com os dias
passados.
Vós sois os arcos dos quais vossos filhos são
arremessados como flechas vivas.
O arqueiro mira o alvo na senda do infinito e
vos estica com toda a sua força para que suas
flechas se projetem, rápidas e para longe.
Que vosso encurvamento na mão do arqueiro
seja vossa alegria:
Pois assim como ele ama a flecha que voa,
ama também o arco que permanece estável.
As más inclinações são cobertas com o
esquecimento do passado.
O amor dos pais se enfraqueceria diante
do caráter áspero e intratável do Espírito.
Pois “não sabemos” se o Espírito que
recebemos com todo amor, possa ter sido um
assassino, um amigo, um inimigo, um viciado,
etc.
SubsídiosSubsídios
RETORNO À VIDA CORPORAL:
Infância.
Ao [...] aproximar-se o momento da
materialização, o Espírito começa a perturbar-se e
perde pouco a pouco a consciência de si mesmo.
Durante certo período, ele permanece numa
espécie de sono, em que todas as suas
faculdades (aptidões) se conservam em estado
latente.
Esse estado transitório é necessário, para
que o Espírito tenha um novo ponto de partida, e
por isso o faz esquecer, na sua nova existência
terrena, tudo o que lhe pudesse servir de estorvo.
Seu passado, entretanto, reage sobre ele,
que renasce par uma vida maior, moral e
intelectualmente mais forte, sustentado e
secundado (envolto) pela intuição que conserva
da experiência adquirida.
A partir do nascimento, suas ideias retomam
gradualmente o seu desenvolvimento,
acompanhando o crescimento do corpo.
Pode-se dizer que, nos primeiros anos, o
Espírito é realmente criança, pois as ideias que
formam o fundo do seu caráter estão ainda
adormecidas.
Durante o tempo em que os seus instintos
permanecem latentes, ela é mais dócil, e por isso
mesmo mais acessível às impressões que podem
modificar a sua natureza e fazê-la progredir, o
que facilita a tarefa dos pais (2).
MÓDULO VI - ROTEIRO 5 - PÁGINA
223
A infância começa com o nascimento.
Compreende o período de
desenvolvimento da personalidade, iniciado no
parto e completado com a chegada das
primeiras manifestações da puberdade, marco
inicial da adolescência.Durante o período de
infância a criança não só
muda com a idade, como
revela características
individuais, cujo ritmo varia
de indivíduo para indivíduo.
382 – O Espírito materializado sofre, durante a
infância, com o constrangimento imposto pela
imperfeição dos seus órgãos?
- Não; esse estado é uma necessidade; é
natural e corresponde aos desígnios da
Providência.
É um tempo de repouso para o Espírito (7).
383 – Qual é, para o Espírito, a utilidade de
passar pela infância?
- Materializado com o fim de se aperfeiçoar, o
Espírito é mais acessível durante esse tempo às
impressões que recebe e que podem ajudar o seu
adiantamento, para o qual devem contribuir os que
MÓDULO VI - ROTEIRO 5 - PÁGINA
223As diferenças individuais observadas nasAs diferenças individuais observadas nas
crianças resulta da carga genética herdada doscrianças resulta da carga genética herdada dos
pais, da educação recebida, das tendênciaspais, da educação recebida, das tendências
instintivas e das ideias inatas que o Espírito trazinstintivas e das ideias inatas que o Espírito traz
ao renascer.ao renascer.
As transformaçõesAs transformações
neurofisiológicas e bioquímicasneurofisiológicas e bioquímicas
do corpo físico seguem as leisdo corpo físico seguem as leis
da genética, tendo em vista ada genética, tendo em vista a
moldagem da personalidademoldagem da personalidade
infantil prevista no planejamentoinfantil prevista no planejamento
de rematerialização.de rematerialização.
A educação, ou fator cultural, propicia
condições ao desenvolvimento intelecto-moral e à
explicitação de conquistas evolutivas
anteriormente adquiridas pelo Espírito.
As tendências instintivas e as ideias inatasAs tendências instintivas e as ideias inatas
surgem sob a forma de lembranças fragmentáriassurgem sob a forma de lembranças fragmentárias
(dividida - aos poucos – por etapa ) das conquistas(dividida - aos poucos – por etapa ) das conquistas
e dos fracassos que o Espírito traz consigo.e dos fracassos que o Espírito traz consigo.
11 - É em vão que se aponta o esquecimento
como um obstáculo ao aproveitamento da
experiência das existências anteriores
Se Deus considerou conveniente lanças um
véu sobre o passado, é que isso deve ser útil.
Com efeito, a lembrança do passado traria
inconvenientes muito graves.
Em certos casos, poderia humilhar-nos
estranhamente, ou então exaltar o nosso orgulho,
e por isso mesmo dificultar o exercício do nosso
livre-arbítrio.
De qualquer maneira, traria perturbações
inevitáveis às relações sociais.
O Espírito renasce frequentemente no mesmo
meio em que viveu, e se encontra em relação com
as mesmas pessoas, a fim de reparar o mal que
lhes tenha feito.
Se nelas reconhecesse as mesmas que havia
odiado, talvez o ódio reaparecesse.
De qualquer modo, ficaria humilhado perante
aquelas pessoas que tivesse ofendido.
Deus nos deu, para nos melhorarmos,
justamente o que necessitamos e nos é suficiente:
a voz da consciência e as tendências instintivas; e
nos tira o que poderia prejudicar-nos.
O homem traz, ao nascer, aquilo que adquiriu.
Ele nasce exatamente como se fez.
Cada existência é para ele um novo ponto de
partida.
Pouco lhe importa saber o que foi:
Se está sendo punido, é porque fez o mal, e
suas más tendências atuais indicam o que lhe
resta corrigir em si.
É sobre isso que ele deve concentrar toda a
sua atenção, pois daquilo que foi completamente
corrigido já não restam sinais.
As boas resoluções que tomou são a voz da
consciência, que o adverte do bem e do mal e lhe
dá a força de resistir às más tentações (1).
385 – As crianças são os seres que Deus
envia a novas existências, e para que não possam
acusá-lo de demasiada severidade, dá-lhes todas
as aparências de inocência.
Mesmo numa criança de natureza má, suas
faltas são cobertas pela não-consciência dos atos.
Esta inocência não é uma superioridade real,
em relação ao que elas eram antes, não, é apenas
a imagem do que elas deveriam ser, e se não o
são, é sobre elas somente que recai a culpa.
Mas não é somente por elas que Deus lhes
dá esse aspecto, é também e sobretudo por seus
pais, cujo amor é necessário à fragilidade infantil.
E esse amor seria extraordinariamente
enfraquecido pela presença de um caráter
impertinente e acerbo (que causa sofrimento –
difícil de suportar), enquanto que, supondo os
filhos bons e ternos, dão-lhes toda a afeição e os
envolvem nos mais delicados cuidados.
Mas, quando as crianças não mais necessitam
dessa proteção, dessa assistência que lhes foi
dispensada durante quinze a vinte anos, seu
caráter real e individual reaparece em toda a sua
nudez.
Permanecem boas, se eram fundamentalmente
boas; mas, sempre irisados de matizes que
estavam ocultos na primeira infância (9).
 NOTA:NOTA: O caráter real surge na adolescência, porO caráter real surge na adolescência, por
isso mudam tanto de comportamento.isso mudam tanto de comportamento.
Devemos educa-los desde o berço, conversar comDevemos educa-los desde o berço, conversar com
eles desde os 4 anos, sem esperar pelos 12, 13 ou 14 anos.eles desde os 4 anos, sem esperar pelos 12, 13 ou 14 anos.
Os frutos plantados na infância serão colhidos naOs frutos plantados na infância serão colhidos na
adolescênciaadolescência..
199-a – Não é, aliás, razoável (sensato)
considerar-se a infância como um estado de
inocência.
Não se veem crianças
dotadas dos piores instintos,
numa idade em que a educação
ainda não pode exercer a sua
influência?
Não se veem algumas que parecem trazer
inatos a astúcia, a falsidade, a perfídia, o instinto
mesmo do roubo e do assassínio, e isso não
obstante os bons exemplos do meio?
- A lei civil absolve os seus erros, por
considerar que elas agem mais instintivamente
do que por deliberado propósito.
Mas de onde podem provir esses instintos,
tão diferentes entre as crianças da mesma
idade, educadas nas mesmas condições e
submetidas as mesmas influências?
De onde vem essa perversidade precoce,
a não ser da inferioridade do Espírito, pois que
a educação nada tem com ela?
-- Aqueles que são viciosos, é que
progrediram menos e têm então de sofrer as
consequências, não dos seus atos da infância,
mas das suas existências anteriores.
É assim que a lei se mostra a mesma para
todos, e a justiça de Deus a todos abrange (5).
385 - A infância tem outra utilidade:
Os Espíritos não ingressam na vida corpórea
senão para se aperfeiçoarem, para se melhorarem;
A debilidade (qualidade daquilo que é pouco
intenso) dos primeiros anos os torna flexíveis,
acessíveis aos conselhos da experiência e daqueles
que devem fazê-los progredir.
É então que se pode reformar o seu caráter e
reprimir as suas más tendências.
Esse é o dever que Deus confiou aos pais,
missão sagrada pela qual terão de responder.
É assim que a infância não é somente útil,
necessária, indispensável, mas ainda a consequência
natural das leis que Deus estabeleceu e que regem o
Universo (10).
582 – Pode-se considerar a paternidade
(relação jurídica entre pais e filhos. Amor entre pai
e mãe ou amor de pais e filhos) como uma
missão?
- É, sem contradita, uma missão, e ao
mesmo tempo um dever muito grande, que
implica, mais do que o homem pensa, sua
responsabilidade para ao futuro.
Deus põe a criança sob a tutela dos pais
para que estes a dirijam na senda (no caminho) do
bem, e lhes facilitou a tarefa dando à criança uma
organização débil (pouco intenso) e delicada, que
a torna acessível a todas as impressões.
Mas, há os que os que se ocupam de endireitar
as árvores do pomar e de fazê-la carregar de bons
frutos do que formar o caráter de seu filho.
Se este sucumbir por sua culpa (dos pais) terão
de sofrer a pena, e os sofrimentos da criança na
vida futura recairão sobre eles (os pais), porque não
fizeram o que lhes competia para o seu (do filho)
adiantamento nas vias (nos caminhos) do bem (11).
583 – Se uma criança se transviar, apesar dos
cuidados dos pais, estes são responsáveis?
- Não; mas quanto mais as disposições da
criança são más, mais a tarefa é pesada e maior
será o mérito se conseguirem desviá-la do mau
caminho (12).
580 – Numa criança de tenra idade, o
Espírito, fora do obstáculo que a imperfeição dos
órgãos opõe à sua livre manifestação, pensa
como uma criança ou como um adulto?
- Enquanto criança é natural que os órgãos
da inteligência, não estando desenvolvidos, não
possam dar-lhe toda a intuição de um adulto;
Sua inteligência, com efeito, é bastante
limitada, até que lhe amadureça a razão.
A perturbação que acompanha a
materialização (o mergulho na carne) não cessa
de súbito com a nascimento.
Só se dissipa gradualmente, com o
desenvolvimento dos órgãos (6).
183 – Passando de um mundo para outro, o
Espírito passa por nova infância?
- A infância é por toda parte uma transição
necessária, mas não é sempre tão ingênua como
entre vós (no vosso mundo) (3).
199 – Por que a vida se interrompe com
frequência na infância?
- A duração da vida da criança pode ser,
para o Espírito, o complemento de uma vida
interrompida antes do termo devido, e sua morte é
frequentemente uma provação ou uma expiação
para os pais” (4).
199-a – Em que se transforma o Espírito de
uma criança morta em tenra idade?
- Recomeça uma nova existência.
Se o homem só tivesse uma existência, e
se após essa, a sua sorte fosse fixada para a
eternidade, qual seria o merecimento da
metade da espécie humana, que morre em
tenra idade, para gozar sem esforços da
felicidade eterna?
E com que direito seria ela libertada das
condições, quase sempre duras, impostas à
outra metade?
Uma tal ordem de coisas não poderia estar
de acordo com à justiça de Deus.
Pela rematerialização, faz-se a igualdade
para todos:
O futuro pertence a todos sem exceção e
sem favoritismo, e os que chegarem por último só
poderão queixar-se de si mesmos.
O homem deve ter o mérito das suas ações,
como tem a sua responsabilidade (5).
Com relação à posição espiritual dos Espíritos que
desmaterializam na infância, André Luiz informa-nos que
todos eles são recolhidos em Instituições apropriadas,
não se encontrando Espíritos de crianças nas regiões
umbralinas.
Há inúmeras descrições espirituais de Escolas,
parques, colônias e instituições diversas consagradas ao
acolhimento e amparo às crianças que retornam do
Planeta através da desencarnação.
ReferênciaReferência
BibliográficaBibliográfica
1. KARDEC, Allan. O Evangelho Segundo o
Espiritismo. Tradução de J. Herculano Pires. 70ª
ed. Brás - São Paulo: LAKE, Fevereiro de 2013 -
Cap. V – Bem-Aventuras dos Aflitos – Item:
Esquecimento do Passado - Qst. 11 - Págs. 80-81.
2. _______.Cap. VIII – Bem-Aventurados os
Puros de Coração – Item: Deixai Vir a Mim os
Pequeninos - Questão 4 - Pág. 117.
3. KARDEC, Allan. O livro dos Espíritos.
Tradução de J. Herculano Pires. 68ª ed. Brás - São
Paulo: LAKE, 2009. Livro Segundo - Cap. IV –
Pluralidade das Existências - Item II –
Rematerialização nos Diferentes Mundos - Questão
183 - Pág. 109.
4.______. Questão 199 - Pág. 113.
5.______. Questão 199-a e Comentário -
Pág. 113.
6.______. Cap. VII – Retorno à Vida Corporal
– Item VI – Da Infância - Questão 380 - Pág. 161.
7. ______. Questão 382 - Pág. 161.
8. ______. Questão 383 - Pág. 161.
9. ______. Questão 385 - Pág. 162.
10.______. Questão 385 - Pág. 163.
11.______. Cap. X – Ocupação e Missões
dos Espíritos – Questão 582 - Pág. 211.
12.______. Questão 583 - Pág. 211.
Roteiro 5    retorno à vida corporal - infância

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula o perispirito
Aula o perispiritoAula o perispirito
Aula o perispiritoduadv
 
Provas da existência deus
Provas da existência deusProvas da existência deus
Provas da existência deusDenise Aguiar
 
Capítulo IV - Evangelho Segundo Espiritismo
Capítulo IV - Evangelho Segundo EspiritismoCapítulo IV - Evangelho Segundo Espiritismo
Capítulo IV - Evangelho Segundo EspiritismoJean Dias
 
Roteiro 2 espiritismo ou doutrina espírito - conceito e objeto
Roteiro 2   espiritismo ou doutrina espírito - conceito e objetoRoteiro 2   espiritismo ou doutrina espírito - conceito e objeto
Roteiro 2 espiritismo ou doutrina espírito - conceito e objetoBruno Cechinel Filho
 
Esde módulo 04 - roteiro 02 - origem e natureza do espírito
Esde    módulo 04 - roteiro 02 - origem e natureza do espíritoEsde    módulo 04 - roteiro 02 - origem e natureza do espírito
Esde módulo 04 - roteiro 02 - origem e natureza do espíritoElysio Laroide Lugarinho
 
2.9.3 Afeição dos Espíritos por certas pessoas
2.9.3   Afeição dos Espíritos por certas pessoas2.9.3   Afeição dos Espíritos por certas pessoas
2.9.3 Afeição dos Espíritos por certas pessoasMarta Gomes
 
Os espíritas diante da morte
Os espíritas diante da morteOs espíritas diante da morte
Os espíritas diante da mortehome
 
Progressão dos Espíritos - 1ª Parte
Progressão dos Espíritos - 1ª ParteProgressão dos Espíritos - 1ª Parte
Progressão dos Espíritos - 1ª ParteDenise Aguiar
 
2.4.2 encarnacao nos diferentes mundos
2.4.2   encarnacao nos diferentes mundos2.4.2   encarnacao nos diferentes mundos
2.4.2 encarnacao nos diferentes mundosMarta Gomes
 
Escala espírita - Livro dos Espíritos - Allan Kardec
Escala espírita - Livro dos Espíritos - Allan KardecEscala espírita - Livro dos Espíritos - Allan Kardec
Escala espírita - Livro dos Espíritos - Allan Kardecmarjoriestavismeyer
 
Esde módulo 03 - roteiro 01 - existência de deus
Esde    módulo 03 - roteiro 01 - existência de deusEsde    módulo 03 - roteiro 01 - existência de deus
Esde módulo 03 - roteiro 01 - existência de deusElysio Laroide Lugarinho
 
Progressão dos Espíritos 2ª Parte
Progressão dos Espíritos 2ª ParteProgressão dos Espíritos 2ª Parte
Progressão dos Espíritos 2ª ParteDenise Aguiar
 
Roteiro 6 o esquecimento do passado - justificativa da sua necessidade
Roteiro 6    o esquecimento do passado - justificativa da sua necessidadeRoteiro 6    o esquecimento do passado - justificativa da sua necessidade
Roteiro 6 o esquecimento do passado - justificativa da sua necessidadeBruno Cechinel Filho
 
O homem de bem, grande desafio
O homem de bem, grande desafioO homem de bem, grande desafio
O homem de bem, grande desafioGraça Maciel
 
Evangeliza - Diferentes categorias de mundos habitados
Evangeliza - Diferentes categorias de mundos habitadosEvangeliza - Diferentes categorias de mundos habitados
Evangeliza - Diferentes categorias de mundos habitadosAntonino Silva
 
04 A categoria de médiuns de efeitos físicos
04   A categoria de médiuns de efeitos físicos04   A categoria de médiuns de efeitos físicos
04 A categoria de médiuns de efeitos físicosjcevadro
 
Tríplice Aspecto da Doutrina Espírita
Tríplice Aspecto da Doutrina EspíritaTríplice Aspecto da Doutrina Espírita
Tríplice Aspecto da Doutrina EspíritaAntonino Silva
 

Mais procurados (20)

Aula o perispirito
Aula o perispiritoAula o perispirito
Aula o perispirito
 
Provas da existência deus
Provas da existência deusProvas da existência deus
Provas da existência deus
 
Capítulo IV - Evangelho Segundo Espiritismo
Capítulo IV - Evangelho Segundo EspiritismoCapítulo IV - Evangelho Segundo Espiritismo
Capítulo IV - Evangelho Segundo Espiritismo
 
Roteiro 2 espiritismo ou doutrina espírito - conceito e objeto
Roteiro 2   espiritismo ou doutrina espírito - conceito e objetoRoteiro 2   espiritismo ou doutrina espírito - conceito e objeto
Roteiro 2 espiritismo ou doutrina espírito - conceito e objeto
 
Esde módulo 04 - roteiro 02 - origem e natureza do espírito
Esde    módulo 04 - roteiro 02 - origem e natureza do espíritoEsde    módulo 04 - roteiro 02 - origem e natureza do espírito
Esde módulo 04 - roteiro 02 - origem e natureza do espírito
 
2.9.3 Afeição dos Espíritos por certas pessoas
2.9.3   Afeição dos Espíritos por certas pessoas2.9.3   Afeição dos Espíritos por certas pessoas
2.9.3 Afeição dos Espíritos por certas pessoas
 
Os espíritas diante da morte
Os espíritas diante da morteOs espíritas diante da morte
Os espíritas diante da morte
 
Progressão dos Espíritos - 1ª Parte
Progressão dos Espíritos - 1ª ParteProgressão dos Espíritos - 1ª Parte
Progressão dos Espíritos - 1ª Parte
 
2.4.2 encarnacao nos diferentes mundos
2.4.2   encarnacao nos diferentes mundos2.4.2   encarnacao nos diferentes mundos
2.4.2 encarnacao nos diferentes mundos
 
1.3 da criacao
1.3   da criacao1.3   da criacao
1.3 da criacao
 
Escala espírita - Livro dos Espíritos - Allan Kardec
Escala espírita - Livro dos Espíritos - Allan KardecEscala espírita - Livro dos Espíritos - Allan Kardec
Escala espírita - Livro dos Espíritos - Allan Kardec
 
Esde módulo 03 - roteiro 01 - existência de deus
Esde    módulo 03 - roteiro 01 - existência de deusEsde    módulo 03 - roteiro 01 - existência de deus
Esde módulo 03 - roteiro 01 - existência de deus
 
Perispirito: formação, propriedades e funções.
Perispirito: formação, propriedades e funções.Perispirito: formação, propriedades e funções.
Perispirito: formação, propriedades e funções.
 
Progressão dos Espíritos 2ª Parte
Progressão dos Espíritos 2ª ParteProgressão dos Espíritos 2ª Parte
Progressão dos Espíritos 2ª Parte
 
Roteiro 6 o esquecimento do passado - justificativa da sua necessidade
Roteiro 6    o esquecimento do passado - justificativa da sua necessidadeRoteiro 6    o esquecimento do passado - justificativa da sua necessidade
Roteiro 6 o esquecimento do passado - justificativa da sua necessidade
 
Causas das aflições
Causas das afliçõesCausas das aflições
Causas das aflições
 
O homem de bem, grande desafio
O homem de bem, grande desafioO homem de bem, grande desafio
O homem de bem, grande desafio
 
Evangeliza - Diferentes categorias de mundos habitados
Evangeliza - Diferentes categorias de mundos habitadosEvangeliza - Diferentes categorias de mundos habitados
Evangeliza - Diferentes categorias de mundos habitados
 
04 A categoria de médiuns de efeitos físicos
04   A categoria de médiuns de efeitos físicos04   A categoria de médiuns de efeitos físicos
04 A categoria de médiuns de efeitos físicos
 
Tríplice Aspecto da Doutrina Espírita
Tríplice Aspecto da Doutrina EspíritaTríplice Aspecto da Doutrina Espírita
Tríplice Aspecto da Doutrina Espírita
 

Destaque

GEEAD_2011_12_07: A etapa da infancia no processo reencarnatorio
GEEAD_2011_12_07: A etapa da infancia no processo reencarnatorioGEEAD_2011_12_07: A etapa da infancia no processo reencarnatorio
GEEAD_2011_12_07: A etapa da infancia no processo reencarnatorioGeead Abu Dhabi
 
Porque não lembramos de nossa vida passada
Porque não lembramos de nossa vida passadaPorque não lembramos de nossa vida passada
Porque não lembramos de nossa vida passadaMaquinista
 
Esquecimento do Passado
Esquecimento do Passado Esquecimento do Passado
Esquecimento do Passado meebpeixotinho
 
Origem e natureza dos espíritos - n. 12
Origem e natureza dos espíritos - n. 12Origem e natureza dos espíritos - n. 12
Origem e natureza dos espíritos - n. 12Graça Maciel
 
Sentimento
SentimentoSentimento
Sentimentojoja2001
 
7ª Oficina dos sentimentos
7ª Oficina dos sentimentos 7ª Oficina dos sentimentos
7ª Oficina dos sentimentos Leonardo Pereira
 
Fund1Mod06Rot2
Fund1Mod06Rot2Fund1Mod06Rot2
Fund1Mod06Rot2Guto Ovsky
 
Roteiro 2 provas da rematerialização
Roteiro 2   provas da rematerializaçãoRoteiro 2   provas da rematerialização
Roteiro 2 provas da rematerializaçãoBruno Cechinel Filho
 
Curso básico de espiritismo (ide jf e feb)
Curso básico de espiritismo (ide jf e feb)Curso básico de espiritismo (ide jf e feb)
Curso básico de espiritismo (ide jf e feb)Anne Clea Lima
 
A escolha das provas
A escolha das provasA escolha das provas
A escolha das provasHelio Cruz
 
Roteiro 2 origem e natureza do espírito
Roteiro  2   origem e natureza do espíritoRoteiro  2   origem e natureza do espírito
Roteiro 2 origem e natureza do espíritoBruno Cechinel Filho
 
090805 origem e natureza dos espíritos-progressão-anjos e demônios–livro ii, ...
090805 origem e natureza dos espíritos-progressão-anjos e demônios–livro ii, ...090805 origem e natureza dos espíritos-progressão-anjos e demônios–livro ii, ...
090805 origem e natureza dos espíritos-progressão-anjos e demônios–livro ii, ...Carlos Alberto Freire De Souza
 
Reencarnação, objetivo, justiça e escolha das provas
Reencarnação, objetivo, justiça e escolha das provasReencarnação, objetivo, justiça e escolha das provas
Reencarnação, objetivo, justiça e escolha das provasEduardo Ottonelli Pithan
 

Destaque (20)

Retorno à Vida Corporal
Retorno à Vida CorporalRetorno à Vida Corporal
Retorno à Vida Corporal
 
GEEAD_2011_12_07: A etapa da infancia no processo reencarnatorio
GEEAD_2011_12_07: A etapa da infancia no processo reencarnatorioGEEAD_2011_12_07: A etapa da infancia no processo reencarnatorio
GEEAD_2011_12_07: A etapa da infancia no processo reencarnatorio
 
Porque não lembramos de nossa vida passada
Porque não lembramos de nossa vida passadaPorque não lembramos de nossa vida passada
Porque não lembramos de nossa vida passada
 
Esquecimento do passado
Esquecimento do passadoEsquecimento do passado
Esquecimento do passado
 
ESQUECIMENTO DO PASSADO
ESQUECIMENTO DO PASSADOESQUECIMENTO DO PASSADO
ESQUECIMENTO DO PASSADO
 
Esquecimento do Passado
Esquecimento do Passado Esquecimento do Passado
Esquecimento do Passado
 
Origem e natureza dos espíritos - n. 12
Origem e natureza dos espíritos - n. 12Origem e natureza dos espíritos - n. 12
Origem e natureza dos espíritos - n. 12
 
Sentimento
SentimentoSentimento
Sentimento
 
7ª Oficina dos sentimentos
7ª Oficina dos sentimentos 7ª Oficina dos sentimentos
7ª Oficina dos sentimentos
 
Fund1Mod06Rot2
Fund1Mod06Rot2Fund1Mod06Rot2
Fund1Mod06Rot2
 
Roteiro 2 provas da rematerialização
Roteiro 2   provas da rematerializaçãoRoteiro 2   provas da rematerialização
Roteiro 2 provas da rematerialização
 
Curso básico de espiritismo (ide jf e feb)
Curso básico de espiritismo (ide jf e feb)Curso básico de espiritismo (ide jf e feb)
Curso básico de espiritismo (ide jf e feb)
 
Escolha das provas
Escolha das provasEscolha das provas
Escolha das provas
 
A escolha das provas
A escolha das provasA escolha das provas
A escolha das provas
 
Roteiro 2 origem e natureza do espírito
Roteiro  2   origem e natureza do espíritoRoteiro  2   origem e natureza do espírito
Roteiro 2 origem e natureza do espírito
 
Reencarnação Oportunidade Divina
Reencarnação Oportunidade DivinaReencarnação Oportunidade Divina
Reencarnação Oportunidade Divina
 
A natureza dos Espiritos
A natureza dos EspiritosA natureza dos Espiritos
A natureza dos Espiritos
 
090513 escolha das provas – livro ii, cap-6
090513 escolha das provas – livro ii, cap-6090513 escolha das provas – livro ii, cap-6
090513 escolha das provas – livro ii, cap-6
 
090805 origem e natureza dos espíritos-progressão-anjos e demônios–livro ii, ...
090805 origem e natureza dos espíritos-progressão-anjos e demônios–livro ii, ...090805 origem e natureza dos espíritos-progressão-anjos e demônios–livro ii, ...
090805 origem e natureza dos espíritos-progressão-anjos e demônios–livro ii, ...
 
Reencarnação, objetivo, justiça e escolha das provas
Reencarnação, objetivo, justiça e escolha das provasReencarnação, objetivo, justiça e escolha das provas
Reencarnação, objetivo, justiça e escolha das provas
 

Semelhante a Roteiro 5 retorno à vida corporal - infância

Educação espírita para a infância
Educação espírita para a infânciaEducação espírita para a infância
Educação espírita para a infânciaDalila Melo
 
Retorno à Vida Corporal - a infância.pptx
Retorno à Vida Corporal - a infância.pptxRetorno à Vida Corporal - a infância.pptx
Retorno à Vida Corporal - a infância.pptxRosimeire Alves
 
A importância da infância
A importância da infânciaA importância da infância
A importância da infânciaHelio Cruz
 
2.7.6 Da Infancia
2.7.6 Da Infancia2.7.6 Da Infancia
2.7.6 Da InfanciaMarta Gomes
 
ESDE - TOMO I - Módulo VI - Roteiro 5
ESDE - TOMO I - Módulo VI - Roteiro 5ESDE - TOMO I - Módulo VI - Roteiro 5
ESDE - TOMO I - Módulo VI - Roteiro 5Deborah Oliver
 
Modulo 1 quem é o educando (evangelizando) (1)
Modulo 1 quem é o educando (evangelizando) (1)Modulo 1 quem é o educando (evangelizando) (1)
Modulo 1 quem é o educando (evangelizando) (1)Arlete Laenzlinger
 
Livro dos Espiritos Q. 379 ESE cap. 28 item 53
Livro dos Espiritos Q. 379 ESE cap. 28 item 53Livro dos Espiritos Q. 379 ESE cap. 28 item 53
Livro dos Espiritos Q. 379 ESE cap. 28 item 53Patricia Farias
 
E D U C AÇÃ O E S PÍ R I T A
E D U C AÇÃ O  E S PÍ R I T AE D U C AÇÃ O  E S PÍ R I T A
E D U C AÇÃ O E S PÍ R I T ASergio Menezes
 
Educação e Evangelização
Educação e Evangelização Educação e Evangelização
Educação e Evangelização Ponte de Luz ASEC
 
Evangelizacao espirita infantil (fatima)
Evangelizacao espirita infantil (fatima)Evangelizacao espirita infantil (fatima)
Evangelizacao espirita infantil (fatima)Fatima Carvalho
 
Deixai vir a mim os pequeninos
Deixai vir a mim os pequeninosDeixai vir a mim os pequeninos
Deixai vir a mim os pequeninosHenrique Vieira
 
A criança na casa espírita
A criança na casa espíritaA criança na casa espírita
A criança na casa espíritaBernadete Costa
 
Nossos filhos são espíritos maio 2013
Nossos filhos são espíritos maio 2013Nossos filhos são espíritos maio 2013
Nossos filhos são espíritos maio 2013grupodepaisceb
 
Adolescenciaevida joana de angelis
Adolescenciaevida joana de angelisAdolescenciaevida joana de angelis
Adolescenciaevida joana de angelisWladimir Mustafa
 
27 de fevereiro 2015 nossos filhos são espíritos
27 de fevereiro 2015   nossos filhos são espíritos27 de fevereiro 2015   nossos filhos são espíritos
27 de fevereiro 2015 nossos filhos são espíritosLar Irmã Zarabatana
 
O homem durante vida terrena
O homem durante vida terrenaO homem durante vida terrena
O homem durante vida terrenaAilton Guimaraes
 

Semelhante a Roteiro 5 retorno à vida corporal - infância (20)

Educação espírita para a infância
Educação espírita para a infânciaEducação espírita para a infância
Educação espírita para a infância
 
Retorno à Vida Corporal - a infância.pptx
Retorno à Vida Corporal - a infância.pptxRetorno à Vida Corporal - a infância.pptx
Retorno à Vida Corporal - a infância.pptx
 
A importância da infância
A importância da infânciaA importância da infância
A importância da infância
 
2.7.6 Da Infancia
2.7.6 Da Infancia2.7.6 Da Infancia
2.7.6 Da Infancia
 
ESDE - TOMO I - Módulo VI - Roteiro 5
ESDE - TOMO I - Módulo VI - Roteiro 5ESDE - TOMO I - Módulo VI - Roteiro 5
ESDE - TOMO I - Módulo VI - Roteiro 5
 
Le crianças - perg. 199 e 379 a 385
Le   crianças - perg. 199 e 379 a 385Le   crianças - perg. 199 e 379 a 385
Le crianças - perg. 199 e 379 a 385
 
Modulo 1 quem é o educando (evangelizando) (1)
Modulo 1 quem é o educando (evangelizando) (1)Modulo 1 quem é o educando (evangelizando) (1)
Modulo 1 quem é o educando (evangelizando) (1)
 
Livro dos Espiritos Q. 379 ESE cap. 28 item 53
Livro dos Espiritos Q. 379 ESE cap. 28 item 53Livro dos Espiritos Q. 379 ESE cap. 28 item 53
Livro dos Espiritos Q. 379 ESE cap. 28 item 53
 
E D U C AÇÃ O E S PÍ R I T A
E D U C AÇÃ O  E S PÍ R I T AE D U C AÇÃ O  E S PÍ R I T A
E D U C AÇÃ O E S PÍ R I T A
 
Educação e Evangelização
Educação e Evangelização Educação e Evangelização
Educação e Evangelização
 
Evangelizacao espirita infantil (fatima)
Evangelizacao espirita infantil (fatima)Evangelizacao espirita infantil (fatima)
Evangelizacao espirita infantil (fatima)
 
Deixai vir a mim os pequeninos
Deixai vir a mim os pequeninosDeixai vir a mim os pequeninos
Deixai vir a mim os pequeninos
 
Idiotismo, Loucura
Idiotismo, LoucuraIdiotismo, Loucura
Idiotismo, Loucura
 
A criança na casa espírita
A criança na casa espíritaA criança na casa espírita
A criança na casa espírita
 
Ante Os Pequeninos
Ante Os PequeninosAnte Os Pequeninos
Ante Os Pequeninos
 
Nossos filhos são espíritos maio 2013
Nossos filhos são espíritos maio 2013Nossos filhos são espíritos maio 2013
Nossos filhos são espíritos maio 2013
 
Adolescenciaevida joana de angelis
Adolescenciaevida joana de angelisAdolescenciaevida joana de angelis
Adolescenciaevida joana de angelis
 
27 de fevereiro 2015 nossos filhos são espíritos
27 de fevereiro 2015   nossos filhos são espíritos27 de fevereiro 2015   nossos filhos são espíritos
27 de fevereiro 2015 nossos filhos são espíritos
 
O homem durante vida terrena
O homem durante vida terrenaO homem durante vida terrena
O homem durante vida terrena
 
Adolecencia
AdolecenciaAdolecencia
Adolecencia
 

Mais de Bruno Cechinel Filho

Roteiro 2 a prece = importância, eficácia e ação
Roteiro 2   a prece = importância, eficácia e açãoRoteiro 2   a prece = importância, eficácia e ação
Roteiro 2 a prece = importância, eficácia e açãoBruno Cechinel Filho
 
Roteiro 1 adoração = significado e objetivo
Roteiro 1   adoração = significado e objetivoRoteiro 1   adoração = significado e objetivo
Roteiro 1 adoração = significado e objetivoBruno Cechinel Filho
 
Roteiro 1.1 anexo - a luta contra o mal
Roteiro 1.1   anexo - a luta contra o malRoteiro 1.1   anexo - a luta contra o mal
Roteiro 1.1 anexo - a luta contra o malBruno Cechinel Filho
 
Roteiro 1 lei natural - definições e caracteres
Roteiro 1   lei natural - definições e caracteresRoteiro 1   lei natural - definições e caracteres
Roteiro 1 lei natural - definições e caracteresBruno Cechinel Filho
 
Roteiro 7 a terra - mundo de expiação e provas
Roteiro 7   a terra - mundo de expiação e provasRoteiro 7   a terra - mundo de expiação e provas
Roteiro 7 a terra - mundo de expiação e provasBruno Cechinel Filho
 
Roteiro 6 materialização nos diferentes mundos
Roteiro 6   materialização nos diferentes mundosRoteiro 6   materialização nos diferentes mundos
Roteiro 6 materialização nos diferentes mundosBruno Cechinel Filho
 
Roteiro 5 diferentes categorias de mundos habitados
Roteiro 5   diferentes categorias de mundos habitadosRoteiro 5   diferentes categorias de mundos habitados
Roteiro 5 diferentes categorias de mundos habitadosBruno Cechinel Filho
 
Roteiro 3 formação dos mundos e dos seres vivos
Roteiro 3   formação dos mundos e dos seres vivosRoteiro 3   formação dos mundos e dos seres vivos
Roteiro 3 formação dos mundos e dos seres vivosBruno Cechinel Filho
 
Roteiro 2 elementos gerais do universo - matéria e espírito
Roteiro 2   elementos gerais do universo - matéria e espíritoRoteiro 2   elementos gerais do universo - matéria e espírito
Roteiro 2 elementos gerais do universo - matéria e espíritoBruno Cechinel Filho
 
Roteiro 1 o fluído cósmico universal
Roteiro 1   o fluído cósmico universalRoteiro 1   o fluído cósmico universal
Roteiro 1 o fluído cósmico universalBruno Cechinel Filho
 
Roteiro 4.1 segismundo - planejamento rematerializatório
Roteiro 4.1   segismundo - planejamento  rematerializatórioRoteiro 4.1   segismundo - planejamento  rematerializatório
Roteiro 4.1 segismundo - planejamento rematerializatórioBruno Cechinel Filho
 
Roteiro 3.1 estudo de caso simplificado - a história de stella
Roteiro 3.1   estudo de caso simplificado - a história de stellaRoteiro 3.1   estudo de caso simplificado - a história de stella
Roteiro 3.1 estudo de caso simplificado - a história de stellaBruno Cechinel Filho
 
Roteiro 3 retorno à vida corporal - planejamento rematerializatório
Roteiro 3   retorno à vida corporal - planejamento rematerializatórioRoteiro 3   retorno à vida corporal - planejamento rematerializatório
Roteiro 3 retorno à vida corporal - planejamento rematerializatórioBruno Cechinel Filho
 
Roteiro 1.1 lógica da rematerialização - anexo
Roteiro 1.1   lógica da rematerialização - anexoRoteiro 1.1   lógica da rematerialização - anexo
Roteiro 1.1 lógica da rematerialização - anexoBruno Cechinel Filho
 
Roteiro 1 fundamento e finalidade da rematerialização
Roteiro 1   fundamento e finalidade da rematerializaçãoRoteiro 1   fundamento e finalidade da rematerialização
Roteiro 1 fundamento e finalidade da rematerializaçãoBruno Cechinel Filho
 

Mais de Bruno Cechinel Filho (20)

Roteiro 3 evangelho no lar
Roteiro 3   evangelho no larRoteiro 3   evangelho no lar
Roteiro 3 evangelho no lar
 
Roteiro 2 a prece = importância, eficácia e ação
Roteiro 2   a prece = importância, eficácia e açãoRoteiro 2   a prece = importância, eficácia e ação
Roteiro 2 a prece = importância, eficácia e ação
 
Roteiro 1 adoração = significado e objetivo
Roteiro 1   adoração = significado e objetivoRoteiro 1   adoração = significado e objetivo
Roteiro 1 adoração = significado e objetivo
 
Roteiro 2 o bem e o mal
Roteiro 2   o bem e o malRoteiro 2   o bem e o mal
Roteiro 2 o bem e o mal
 
Roteiro 1.1 anexo - a luta contra o mal
Roteiro 1.1   anexo - a luta contra o malRoteiro 1.1   anexo - a luta contra o mal
Roteiro 1.1 anexo - a luta contra o mal
 
Roteiro 1 lei natural - definições e caracteres
Roteiro 1   lei natural - definições e caracteresRoteiro 1   lei natural - definições e caracteres
Roteiro 1 lei natural - definições e caracteres
 
Roteiro 7 a terra - mundo de expiação e provas
Roteiro 7   a terra - mundo de expiação e provasRoteiro 7   a terra - mundo de expiação e provas
Roteiro 7 a terra - mundo de expiação e provas
 
Roteiro 6 materialização nos diferentes mundos
Roteiro 6   materialização nos diferentes mundosRoteiro 6   materialização nos diferentes mundos
Roteiro 6 materialização nos diferentes mundos
 
Roteiro 5 diferentes categorias de mundos habitados
Roteiro 5   diferentes categorias de mundos habitadosRoteiro 5   diferentes categorias de mundos habitados
Roteiro 5 diferentes categorias de mundos habitados
 
Roteiro 4 os reinos da natureza
Roteiro 4   os reinos da naturezaRoteiro 4   os reinos da natureza
Roteiro 4 os reinos da natureza
 
Roteiro 3 formação dos mundos e dos seres vivos
Roteiro 3   formação dos mundos e dos seres vivosRoteiro 3   formação dos mundos e dos seres vivos
Roteiro 3 formação dos mundos e dos seres vivos
 
Roteiro 2 elementos gerais do universo - matéria e espírito
Roteiro 2   elementos gerais do universo - matéria e espíritoRoteiro 2   elementos gerais do universo - matéria e espírito
Roteiro 2 elementos gerais do universo - matéria e espírito
 
Roteiro 1 o fluído cósmico universal
Roteiro 1   o fluído cósmico universalRoteiro 1   o fluído cósmico universal
Roteiro 1 o fluído cósmico universal
 
Roteiro 4.1 segismundo - planejamento rematerializatório
Roteiro 4.1   segismundo - planejamento  rematerializatórioRoteiro 4.1   segismundo - planejamento  rematerializatório
Roteiro 4.1 segismundo - planejamento rematerializatório
 
Roteiro 3.1 estudo de caso simplificado - a história de stella
Roteiro 3.1   estudo de caso simplificado - a história de stellaRoteiro 3.1   estudo de caso simplificado - a história de stella
Roteiro 3.1 estudo de caso simplificado - a história de stella
 
Roteiro 3 retorno à vida corporal - planejamento rematerializatório
Roteiro 3   retorno à vida corporal - planejamento rematerializatórioRoteiro 3   retorno à vida corporal - planejamento rematerializatório
Roteiro 3 retorno à vida corporal - planejamento rematerializatório
 
Roteiro 1.1 lógica da rematerialização - anexo
Roteiro 1.1   lógica da rematerialização - anexoRoteiro 1.1   lógica da rematerialização - anexo
Roteiro 1.1 lógica da rematerialização - anexo
 
Roteiro 1 fundamento e finalidade da rematerialização
Roteiro 1   fundamento e finalidade da rematerializaçãoRoteiro 1   fundamento e finalidade da rematerialização
Roteiro 1 fundamento e finalidade da rematerialização
 
Roteiro 3 mediunidade com jesus
Roteiro 3   mediunidade com jesusRoteiro 3   mediunidade com jesus
Roteiro 3 mediunidade com jesus
 
Roteiro 2 mediunidade e médium
Roteiro 2   mediunidade e médiumRoteiro 2   mediunidade e médium
Roteiro 2 mediunidade e médium
 

Último

Auxiliar adolescentes 2° trimestre de 2024.
Auxiliar adolescentes 2° trimestre de 2024.Auxiliar adolescentes 2° trimestre de 2024.
Auxiliar adolescentes 2° trimestre de 2024.Priscilatrigodecamar
 
Orações que abrem as comportas do Céu - Jhon Eckhardt.pdf
Orações que abrem as comportas do Céu - Jhon Eckhardt.pdfOrações que abrem as comportas do Céu - Jhon Eckhardt.pdf
Orações que abrem as comportas do Céu - Jhon Eckhardt.pdfStelaWilbert
 
ESQUEMA PARA LECTIO DIVINA PARA LEIGOS 2024
ESQUEMA PARA LECTIO DIVINA PARA LEIGOS 2024ESQUEMA PARA LECTIO DIVINA PARA LEIGOS 2024
ESQUEMA PARA LECTIO DIVINA PARA LEIGOS 2024LeonardoQuintanilha4
 
Livro Atos dos apóstolos estudo 12- Cap 25 e 26.pptx
Livro Atos dos apóstolos  estudo 12- Cap 25 e 26.pptxLivro Atos dos apóstolos  estudo 12- Cap 25 e 26.pptx
Livro Atos dos apóstolos estudo 12- Cap 25 e 26.pptxPIB Penha
 
Especialidade Pioneiros Adventistas (Desbravadores).pptx
Especialidade Pioneiros Adventistas (Desbravadores).pptxEspecialidade Pioneiros Adventistas (Desbravadores).pptx
Especialidade Pioneiros Adventistas (Desbravadores).pptxViniciusPetersen1
 
Folder clube de Desbravadores.............
Folder clube de Desbravadores.............Folder clube de Desbravadores.............
Folder clube de Desbravadores.............MilyFonceca
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação Necessária
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação NecessáriaSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação Necessária
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação NecessáriaRicardo Azevedo
 
Bíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptxIgreja Jesus é o Verbo
 
Hermann Hesse - Sidarta - Livro para Autoconhecimento
Hermann Hesse - Sidarta - Livro para AutoconhecimentoHermann Hesse - Sidarta - Livro para Autoconhecimento
Hermann Hesse - Sidarta - Livro para AutoconhecimentoFabioLofrano
 
Bíblia sagrada - JOel - slides powerpoint.pptx
Bíblia sagrada - JOel - slides powerpoint.pptxBíblia sagrada - JOel - slides powerpoint.pptx
Bíblia sagrada - JOel - slides powerpoint.pptxIgreja Jesus é o Verbo
 
Ciclos de Aprendizados: “Uma Análise da Evolução Espiritual Através das Exis...
Ciclos de Aprendizados:  “Uma Análise da Evolução Espiritual Através das Exis...Ciclos de Aprendizados:  “Uma Análise da Evolução Espiritual Através das Exis...
Ciclos de Aprendizados: “Uma Análise da Evolução Espiritual Através das Exis...M.R.L
 
Curso Básico de Teologia - Bibliologia - Apresentação
Curso Básico de Teologia - Bibliologia - ApresentaçãoCurso Básico de Teologia - Bibliologia - Apresentação
Curso Básico de Teologia - Bibliologia - Apresentaçãoantonio211075
 
Oração Para Os Estudos São Tomás De Aquino
Oração Para Os Estudos São Tomás De AquinoOração Para Os Estudos São Tomás De Aquino
Oração Para Os Estudos São Tomás De AquinoNilson Almeida
 
Oração De Santa Rita De Cássia
Oração De Santa Rita De CássiaOração De Santa Rita De Cássia
Oração De Santa Rita De CássiaNilson Almeida
 

Último (14)

Auxiliar adolescentes 2° trimestre de 2024.
Auxiliar adolescentes 2° trimestre de 2024.Auxiliar adolescentes 2° trimestre de 2024.
Auxiliar adolescentes 2° trimestre de 2024.
 
Orações que abrem as comportas do Céu - Jhon Eckhardt.pdf
Orações que abrem as comportas do Céu - Jhon Eckhardt.pdfOrações que abrem as comportas do Céu - Jhon Eckhardt.pdf
Orações que abrem as comportas do Céu - Jhon Eckhardt.pdf
 
ESQUEMA PARA LECTIO DIVINA PARA LEIGOS 2024
ESQUEMA PARA LECTIO DIVINA PARA LEIGOS 2024ESQUEMA PARA LECTIO DIVINA PARA LEIGOS 2024
ESQUEMA PARA LECTIO DIVINA PARA LEIGOS 2024
 
Livro Atos dos apóstolos estudo 12- Cap 25 e 26.pptx
Livro Atos dos apóstolos  estudo 12- Cap 25 e 26.pptxLivro Atos dos apóstolos  estudo 12- Cap 25 e 26.pptx
Livro Atos dos apóstolos estudo 12- Cap 25 e 26.pptx
 
Especialidade Pioneiros Adventistas (Desbravadores).pptx
Especialidade Pioneiros Adventistas (Desbravadores).pptxEspecialidade Pioneiros Adventistas (Desbravadores).pptx
Especialidade Pioneiros Adventistas (Desbravadores).pptx
 
Folder clube de Desbravadores.............
Folder clube de Desbravadores.............Folder clube de Desbravadores.............
Folder clube de Desbravadores.............
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação Necessária
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação NecessáriaSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação Necessária
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação Necessária
 
Bíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptx
 
Hermann Hesse - Sidarta - Livro para Autoconhecimento
Hermann Hesse - Sidarta - Livro para AutoconhecimentoHermann Hesse - Sidarta - Livro para Autoconhecimento
Hermann Hesse - Sidarta - Livro para Autoconhecimento
 
Bíblia sagrada - JOel - slides powerpoint.pptx
Bíblia sagrada - JOel - slides powerpoint.pptxBíblia sagrada - JOel - slides powerpoint.pptx
Bíblia sagrada - JOel - slides powerpoint.pptx
 
Ciclos de Aprendizados: “Uma Análise da Evolução Espiritual Através das Exis...
Ciclos de Aprendizados:  “Uma Análise da Evolução Espiritual Através das Exis...Ciclos de Aprendizados:  “Uma Análise da Evolução Espiritual Através das Exis...
Ciclos de Aprendizados: “Uma Análise da Evolução Espiritual Através das Exis...
 
Curso Básico de Teologia - Bibliologia - Apresentação
Curso Básico de Teologia - Bibliologia - ApresentaçãoCurso Básico de Teologia - Bibliologia - Apresentação
Curso Básico de Teologia - Bibliologia - Apresentação
 
Oração Para Os Estudos São Tomás De Aquino
Oração Para Os Estudos São Tomás De AquinoOração Para Os Estudos São Tomás De Aquino
Oração Para Os Estudos São Tomás De Aquino
 
Oração De Santa Rita De Cássia
Oração De Santa Rita De CássiaOração De Santa Rita De Cássia
Oração De Santa Rita De Cássia
 

Roteiro 5 retorno à vida corporal - infância

  • 1. CENTRO DE TRABALHOS ESPÍRITA ANA LUZ RETORNO À VIDA CORPORAL: Infância
  • 3.
  • 4. 1. Fundamentos e Finalidade da Rematerialização 2. Provas da Rematerialização2. Provas da Rematerialização 3. Retorno à Vida Corporal: Planejamento da Rematerialização 4. Retorno à Vida Corporal: União da Alma4. Retorno à Vida Corporal: União da Alma ao Corpoao Corpo 5. Retorno à Vida Corporal: A Infância 6. Esquecimento do Passado: Justificativas6. Esquecimento do Passado: Justificativas da Sua Necessidadeda Sua Necessidade
  • 5.
  • 6. ““Outro forte indícioOutro forte indício de que os homens sabemde que os homens sabem a maioria das coisasa maioria das coisas antes do nascimento éantes do nascimento é que, quando criançasque, quando crianças aprendem fatos comaprendem fatos com enorme rapidez, o queenorme rapidez, o que demonstra que não osdemonstra que não os estão aprendendo pelaestão aprendendo pela primeira vez, e sim osprimeira vez, e sim os relembrando.”relembrando.” CíceroCícero (106-43 a.C.)(106-43 a.C.)
  • 7. Na verdade, naNa verdade, na verdade te digoverdade te digo que aquele queque aquele que não nascer denão nascer de novo, não podenovo, não pode ver o reino dever o reino de Deus.”Deus.” Jesus (João 3:3)Jesus (João 3:3)
  • 9. Vossos filhos não são vossos filhos. São os filhos e as filhas da ânsia da vida por si mesma. Vêm através de vós, mas não de vós. E embora vivam convosco, não vos pertencem. Podeis outorgar-lhes vosso amor, mas não vossos pensamentos, porque eles têm seus próprios pensamentos. Podeis abrigar seus corpos, mas não suas almas; pois suas almas moram na mansão do amanhã, que vós não podeis visitar nem mesmo em sonho.
  • 10. Podeis esforçar-vos por ser como eles, mas não procureis fazê-los como vós, porque a vida não anda para trás e não se demora com os dias passados. Vós sois os arcos dos quais vossos filhos são arremessados como flechas vivas. O arqueiro mira o alvo na senda do infinito e vos estica com toda a sua força para que suas flechas se projetem, rápidas e para longe. Que vosso encurvamento na mão do arqueiro seja vossa alegria: Pois assim como ele ama a flecha que voa, ama também o arco que permanece estável.
  • 11.
  • 12. As más inclinações são cobertas com o esquecimento do passado. O amor dos pais se enfraqueceria diante do caráter áspero e intratável do Espírito. Pois “não sabemos” se o Espírito que recebemos com todo amor, possa ter sido um assassino, um amigo, um inimigo, um viciado, etc.
  • 14. RETORNO À VIDA CORPORAL: Infância. Ao [...] aproximar-se o momento da materialização, o Espírito começa a perturbar-se e perde pouco a pouco a consciência de si mesmo.
  • 15. Durante certo período, ele permanece numa espécie de sono, em que todas as suas faculdades (aptidões) se conservam em estado latente. Esse estado transitório é necessário, para que o Espírito tenha um novo ponto de partida, e por isso o faz esquecer, na sua nova existência terrena, tudo o que lhe pudesse servir de estorvo. Seu passado, entretanto, reage sobre ele, que renasce par uma vida maior, moral e intelectualmente mais forte, sustentado e secundado (envolto) pela intuição que conserva da experiência adquirida.
  • 16. A partir do nascimento, suas ideias retomam gradualmente o seu desenvolvimento, acompanhando o crescimento do corpo. Pode-se dizer que, nos primeiros anos, o Espírito é realmente criança, pois as ideias que formam o fundo do seu caráter estão ainda adormecidas. Durante o tempo em que os seus instintos permanecem latentes, ela é mais dócil, e por isso mesmo mais acessível às impressões que podem modificar a sua natureza e fazê-la progredir, o que facilita a tarefa dos pais (2).
  • 17. MÓDULO VI - ROTEIRO 5 - PÁGINA 223 A infância começa com o nascimento. Compreende o período de desenvolvimento da personalidade, iniciado no parto e completado com a chegada das primeiras manifestações da puberdade, marco inicial da adolescência.Durante o período de infância a criança não só muda com a idade, como revela características individuais, cujo ritmo varia de indivíduo para indivíduo.
  • 18. 382 – O Espírito materializado sofre, durante a infância, com o constrangimento imposto pela imperfeição dos seus órgãos? - Não; esse estado é uma necessidade; é natural e corresponde aos desígnios da Providência. É um tempo de repouso para o Espírito (7). 383 – Qual é, para o Espírito, a utilidade de passar pela infância? - Materializado com o fim de se aperfeiçoar, o Espírito é mais acessível durante esse tempo às impressões que recebe e que podem ajudar o seu adiantamento, para o qual devem contribuir os que
  • 19. MÓDULO VI - ROTEIRO 5 - PÁGINA 223As diferenças individuais observadas nasAs diferenças individuais observadas nas crianças resulta da carga genética herdada doscrianças resulta da carga genética herdada dos pais, da educação recebida, das tendênciaspais, da educação recebida, das tendências instintivas e das ideias inatas que o Espírito trazinstintivas e das ideias inatas que o Espírito traz ao renascer.ao renascer. As transformaçõesAs transformações neurofisiológicas e bioquímicasneurofisiológicas e bioquímicas do corpo físico seguem as leisdo corpo físico seguem as leis da genética, tendo em vista ada genética, tendo em vista a moldagem da personalidademoldagem da personalidade infantil prevista no planejamentoinfantil prevista no planejamento de rematerialização.de rematerialização.
  • 20. A educação, ou fator cultural, propicia condições ao desenvolvimento intelecto-moral e à explicitação de conquistas evolutivas anteriormente adquiridas pelo Espírito. As tendências instintivas e as ideias inatasAs tendências instintivas e as ideias inatas surgem sob a forma de lembranças fragmentáriassurgem sob a forma de lembranças fragmentárias (dividida - aos poucos – por etapa ) das conquistas(dividida - aos poucos – por etapa ) das conquistas e dos fracassos que o Espírito traz consigo.e dos fracassos que o Espírito traz consigo.
  • 21. 11 - É em vão que se aponta o esquecimento como um obstáculo ao aproveitamento da experiência das existências anteriores Se Deus considerou conveniente lanças um véu sobre o passado, é que isso deve ser útil. Com efeito, a lembrança do passado traria inconvenientes muito graves. Em certos casos, poderia humilhar-nos estranhamente, ou então exaltar o nosso orgulho, e por isso mesmo dificultar o exercício do nosso livre-arbítrio. De qualquer maneira, traria perturbações inevitáveis às relações sociais.
  • 22. O Espírito renasce frequentemente no mesmo meio em que viveu, e se encontra em relação com as mesmas pessoas, a fim de reparar o mal que lhes tenha feito. Se nelas reconhecesse as mesmas que havia odiado, talvez o ódio reaparecesse. De qualquer modo, ficaria humilhado perante aquelas pessoas que tivesse ofendido. Deus nos deu, para nos melhorarmos, justamente o que necessitamos e nos é suficiente: a voz da consciência e as tendências instintivas; e nos tira o que poderia prejudicar-nos. O homem traz, ao nascer, aquilo que adquiriu.
  • 23. Ele nasce exatamente como se fez. Cada existência é para ele um novo ponto de partida. Pouco lhe importa saber o que foi: Se está sendo punido, é porque fez o mal, e suas más tendências atuais indicam o que lhe resta corrigir em si. É sobre isso que ele deve concentrar toda a sua atenção, pois daquilo que foi completamente corrigido já não restam sinais. As boas resoluções que tomou são a voz da consciência, que o adverte do bem e do mal e lhe dá a força de resistir às más tentações (1).
  • 24. 385 – As crianças são os seres que Deus envia a novas existências, e para que não possam acusá-lo de demasiada severidade, dá-lhes todas as aparências de inocência. Mesmo numa criança de natureza má, suas faltas são cobertas pela não-consciência dos atos. Esta inocência não é uma superioridade real, em relação ao que elas eram antes, não, é apenas a imagem do que elas deveriam ser, e se não o são, é sobre elas somente que recai a culpa. Mas não é somente por elas que Deus lhes dá esse aspecto, é também e sobretudo por seus pais, cujo amor é necessário à fragilidade infantil.
  • 25. E esse amor seria extraordinariamente enfraquecido pela presença de um caráter impertinente e acerbo (que causa sofrimento – difícil de suportar), enquanto que, supondo os filhos bons e ternos, dão-lhes toda a afeição e os envolvem nos mais delicados cuidados. Mas, quando as crianças não mais necessitam dessa proteção, dessa assistência que lhes foi dispensada durante quinze a vinte anos, seu caráter real e individual reaparece em toda a sua nudez. Permanecem boas, se eram fundamentalmente boas; mas, sempre irisados de matizes que estavam ocultos na primeira infância (9).
  • 26.  NOTA:NOTA: O caráter real surge na adolescência, porO caráter real surge na adolescência, por isso mudam tanto de comportamento.isso mudam tanto de comportamento. Devemos educa-los desde o berço, conversar comDevemos educa-los desde o berço, conversar com eles desde os 4 anos, sem esperar pelos 12, 13 ou 14 anos.eles desde os 4 anos, sem esperar pelos 12, 13 ou 14 anos. Os frutos plantados na infância serão colhidos naOs frutos plantados na infância serão colhidos na adolescênciaadolescência.. 199-a – Não é, aliás, razoável (sensato) considerar-se a infância como um estado de inocência. Não se veem crianças dotadas dos piores instintos, numa idade em que a educação ainda não pode exercer a sua influência?
  • 27. Não se veem algumas que parecem trazer inatos a astúcia, a falsidade, a perfídia, o instinto mesmo do roubo e do assassínio, e isso não obstante os bons exemplos do meio? - A lei civil absolve os seus erros, por considerar que elas agem mais instintivamente do que por deliberado propósito.
  • 28. Mas de onde podem provir esses instintos, tão diferentes entre as crianças da mesma idade, educadas nas mesmas condições e submetidas as mesmas influências? De onde vem essa perversidade precoce, a não ser da inferioridade do Espírito, pois que a educação nada tem com ela? -- Aqueles que são viciosos, é que progrediram menos e têm então de sofrer as consequências, não dos seus atos da infância, mas das suas existências anteriores. É assim que a lei se mostra a mesma para todos, e a justiça de Deus a todos abrange (5).
  • 29. 385 - A infância tem outra utilidade: Os Espíritos não ingressam na vida corpórea senão para se aperfeiçoarem, para se melhorarem; A debilidade (qualidade daquilo que é pouco intenso) dos primeiros anos os torna flexíveis, acessíveis aos conselhos da experiência e daqueles que devem fazê-los progredir. É então que se pode reformar o seu caráter e reprimir as suas más tendências. Esse é o dever que Deus confiou aos pais, missão sagrada pela qual terão de responder. É assim que a infância não é somente útil, necessária, indispensável, mas ainda a consequência natural das leis que Deus estabeleceu e que regem o Universo (10).
  • 30. 582 – Pode-se considerar a paternidade (relação jurídica entre pais e filhos. Amor entre pai e mãe ou amor de pais e filhos) como uma missão? - É, sem contradita, uma missão, e ao mesmo tempo um dever muito grande, que implica, mais do que o homem pensa, sua responsabilidade para ao futuro. Deus põe a criança sob a tutela dos pais para que estes a dirijam na senda (no caminho) do bem, e lhes facilitou a tarefa dando à criança uma organização débil (pouco intenso) e delicada, que a torna acessível a todas as impressões.
  • 31. Mas, há os que os que se ocupam de endireitar as árvores do pomar e de fazê-la carregar de bons frutos do que formar o caráter de seu filho. Se este sucumbir por sua culpa (dos pais) terão de sofrer a pena, e os sofrimentos da criança na vida futura recairão sobre eles (os pais), porque não fizeram o que lhes competia para o seu (do filho) adiantamento nas vias (nos caminhos) do bem (11). 583 – Se uma criança se transviar, apesar dos cuidados dos pais, estes são responsáveis? - Não; mas quanto mais as disposições da criança são más, mais a tarefa é pesada e maior será o mérito se conseguirem desviá-la do mau caminho (12).
  • 32. 580 – Numa criança de tenra idade, o Espírito, fora do obstáculo que a imperfeição dos órgãos opõe à sua livre manifestação, pensa como uma criança ou como um adulto? - Enquanto criança é natural que os órgãos da inteligência, não estando desenvolvidos, não possam dar-lhe toda a intuição de um adulto; Sua inteligência, com efeito, é bastante limitada, até que lhe amadureça a razão. A perturbação que acompanha a materialização (o mergulho na carne) não cessa de súbito com a nascimento. Só se dissipa gradualmente, com o desenvolvimento dos órgãos (6).
  • 33. 183 – Passando de um mundo para outro, o Espírito passa por nova infância? - A infância é por toda parte uma transição necessária, mas não é sempre tão ingênua como entre vós (no vosso mundo) (3). 199 – Por que a vida se interrompe com frequência na infância? - A duração da vida da criança pode ser, para o Espírito, o complemento de uma vida interrompida antes do termo devido, e sua morte é frequentemente uma provação ou uma expiação para os pais” (4). 199-a – Em que se transforma o Espírito de uma criança morta em tenra idade?
  • 34. - Recomeça uma nova existência. Se o homem só tivesse uma existência, e se após essa, a sua sorte fosse fixada para a eternidade, qual seria o merecimento da metade da espécie humana, que morre em tenra idade, para gozar sem esforços da felicidade eterna? E com que direito seria ela libertada das condições, quase sempre duras, impostas à outra metade? Uma tal ordem de coisas não poderia estar de acordo com à justiça de Deus. Pela rematerialização, faz-se a igualdade para todos:
  • 35. O futuro pertence a todos sem exceção e sem favoritismo, e os que chegarem por último só poderão queixar-se de si mesmos. O homem deve ter o mérito das suas ações, como tem a sua responsabilidade (5). Com relação à posição espiritual dos Espíritos que desmaterializam na infância, André Luiz informa-nos que todos eles são recolhidos em Instituições apropriadas, não se encontrando Espíritos de crianças nas regiões umbralinas. Há inúmeras descrições espirituais de Escolas, parques, colônias e instituições diversas consagradas ao acolhimento e amparo às crianças que retornam do Planeta através da desencarnação.
  • 36.
  • 37.
  • 38.
  • 40. 1. KARDEC, Allan. O Evangelho Segundo o Espiritismo. Tradução de J. Herculano Pires. 70ª ed. Brás - São Paulo: LAKE, Fevereiro de 2013 - Cap. V – Bem-Aventuras dos Aflitos – Item: Esquecimento do Passado - Qst. 11 - Págs. 80-81. 2. _______.Cap. VIII – Bem-Aventurados os Puros de Coração – Item: Deixai Vir a Mim os Pequeninos - Questão 4 - Pág. 117. 3. KARDEC, Allan. O livro dos Espíritos. Tradução de J. Herculano Pires. 68ª ed. Brás - São Paulo: LAKE, 2009. Livro Segundo - Cap. IV – Pluralidade das Existências - Item II – Rematerialização nos Diferentes Mundos - Questão 183 - Pág. 109.
  • 41. 4.______. Questão 199 - Pág. 113. 5.______. Questão 199-a e Comentário - Pág. 113. 6.______. Cap. VII – Retorno à Vida Corporal – Item VI – Da Infância - Questão 380 - Pág. 161. 7. ______. Questão 382 - Pág. 161. 8. ______. Questão 383 - Pág. 161. 9. ______. Questão 385 - Pág. 162. 10.______. Questão 385 - Pág. 163. 11.______. Cap. X – Ocupação e Missões dos Espíritos – Questão 582 - Pág. 211. 12.______. Questão 583 - Pág. 211.