SlideShare uma empresa Scribd logo
O LIVRO DOS
ESPÍRITOS
PARTE SEGUNDA: Do Mundo Espírita ou
Mundo dos Espíritos
CAPÍTULO IV: Pluralidade das Existências
Questões: 172 à 188
ENCARNAÇÃO NOS DIFERENTES MUNDOS
172 – Nossas diferentes existências
corporais se passam todas sobre a Terra?
Não, não todas, mas nos diferentes mundos; a que
passamos neste globo não é a primeira, nem a
última e é uma das mais materiais e das mais
distanciadas da perfeição.
Não se turbe o vosso coração; credes em Deus, crede
também em mim.
Na casa de meu Pai há muitas moradas; se não fosse
assim, eu vo-lo teria dito. Vou preparar-vos lugar.
E quando eu for, e vos preparar lugar, virei outra vez, e
vos levarei para mim mesmo, para que onde eu estiver
estejais vós também. João 14:1-3
Na casa de meu Pai há muitas moradas
CLASSIFICAÇÃO DOS MUNDOS
Primitivos destinados às primeiras encarnações
humanas, vida totalmente material. Prevalece
o instinto e a lei do mais forte.
Provas e
Expiações
O mal predomina sobre o bem.
O mal está sempre presente na vida dos seres
humanos.
Regeneradores O Bem já prevalece sobre o mal. Reduz os
índices de maldade na convivência social.
Momento de transição da Terra.
Ditosos ou
Felizes
O bem sobrepuja o mal. O bem está sempre
presente na vida das pessoas, em todas as
situações.
Celestes ou
Divinos
moradas dos Espíritos puros. O bem reina
soberano. Somente o amor.
Evangelho Segundo o Espiritismo - Capítulo III
173 – A alma, a cada nova existência
corporal, passa de um mundo a outro ou
pode viver várias vezes sobre o mesmo
globo?
Pode reviver muitas vezes sobre o mesmo globo
se não é bastante avançada para passar para
um mundo superior.
a) Assim, podemos reaparecer várias vezes
sobre a Terra?
Certamente.
b) Podemos voltar a ela depois de termos
vivido em outros mundos?
Seguramente; já vivestes em outros mundos e
sobre a Terra.
“Quando, num planeta, cessa a
possibilidade da aquisição de
experiências fundamentais para
a percepção das leis de Deus, o
Espírito passa a reencarnar em
mundos mais adiantados”
Adenáuer
174 – Voltar a habitar a Terra é uma
necessidade?
Não, mas se não progredistes, podereis ir
para outro mundo que não seja melhor, e que
pode ser pior.
175 – Existe alguma vantagem em voltar a
habitar sobre a Terra?
Nenhuma vantagem particular, a menos que seja
em missão; nesse caso, se progride aí como em
outro mundo.
a) Não seria melhor permanecer como
Espírito?
Não, não; estacionar-se-ia e o que se quer é
avançar para Deus.
176 – Os Espíritos depois de terem encarnado em
outros mundos, podem encarnar neste sem jamais
terem passado por aqui?
Sim, como vós em outros mundos. Todos os mundos
são solidários; o que não se faz num, pode-se fazer
noutro.
a) Há homens que estão sobre a Terra pela primeira
vez?
Há muitos e em diversos graus.
b) Pode-se reconhecer, por um sinal qualquer,
quando um Espírito está pela primeira vez na Terra?
Nenhuma utilidade teria isso.
2.4.2   encarnacao nos diferentes mundos
2.4.2   encarnacao nos diferentes mundos
2.4.2   encarnacao nos diferentes mundos
177 – Para alcançar a perfeição e o bem supremo,
objetivo final de todos os homens, o Espírito deve
passar por todos os mundos que existem no
Universo?
Não, pois há muitos mundos que estão no mesmo
nível e onde o Espírito não aprenderia nada de novo.
a) Como se explica, nesse caso, a pluralidade de
suas existências sobre um mesmo globo?
Ele pode se encontrar aí cada vez em posições bem
diferentes, que são outras tantas ocasiões de
adquirir experiência.
178 – Os Espíritos podem reviver corporalmente num mundo
relativamente inferior àquele em que já viveram?
Sim, quando devem cumprir uma missão para ajudar o
progresso, e, nesse caso, aceitam com alegria as tribulações
dessa existência, visto que lhes fornecem um meio de progredir.
a) Isso não pode ocorrer por expiação e Deus não pode enviar
os Espíritos rebeldes para mundos inferiores?
Os Espíritos podem permanecer estacionários, mas não
retrogradam; a sua punição, pois, é a de não avançar e de
recomeçar as existências mal-empregadas num meio
conveniente à sua natureza.
b) Quais são aqueles que devem recomeçar a mesma
existência?
Os que faliram em suas missões ou em suas provas.
179 – Os seres que habitam cada
mundo alcançaram um mesmo grau de
perfeição?
Não, é como ocorre sobre a Terra: existem os
mais e os menos avançados.
180 – Passando deste mundo para outro,
o Espírito conserva a inteligência que
tinha aqui?
Sem dúvida, a inteligência não se perde, mas ele
pode não dispor dos mesmos meios para
manifestá-la, dependendo isso da sua
superioridade e das condições do corpo que
tomar. (Ver Influência do organismo).
181 – Os seres que habitam os diferentes
mundos têm corpos semelhantes ao nosso?
Sem dúvida, eles têm corpos porque é preciso que o
Espírito esteja revestido de matéria para poder agir
sobre a matéria; mas esse envoltório é mais ou
menos material de acordo com o grau de pureza a
que chegaram os Espíritos, e é isso que diferencia os
mundos que devemos percorrer. Há várias moradas
na casa de nosso Pai e muitos graus, portanto.
Alguns sabem disso e estão conscientes aqui na
Terra; outros nada sabem.
182 – Podemos conhecer com exatidão o
estado físico e moral dos diferentes
mundos?
Nós, os Espíritos, só podemos responder de
acordo com o grau de adiantamento em que vos
achais; quer dizer que não devemos revelar
estas coisas a todos, porque nem todos estão
em condições de compreendê-las, e isso os
perturbaria.
Allan Kardec:
À medida que o Espírito se purifica, o corpo que ele
reveste se aproxima igualmente da natureza
espírita. A matéria é menos densa, não rastejam
mais penosamente na superfície do solo, as
necessidades físicas são menos grosseiras e os seres
vivos não têm mais necessidade de se
entredevorarem para se nutrir. O Espírito é mais
livre e tem, para as coisas distantes, percepções que
nos são desconhecidas; vê pelos olhos do corpo o
que vemos apenas pelo pensamento.
A purificação dos Espíritos reflete-se na perfeição
moral dos seres em que estão encarnados. As
paixões animais enfraquecem e o egoísmo cede
lugar ao sentimento de fraternidade.
É assim que, nos mundos superiores à Terra, as guerras
são desconhecidas, os ódios e as discórdias não têm
motivo, visto que ninguém se preocupa em causar
dano ao seu semelhante. A intuição que seus
habitantes têm do futuro, a segurança que lhes dá uma
consciência isenta de remorsos, fazem com que a
morte não lhes cause nenhuma apreensão; recebem-
na sem medo como uma simples transformação.
A duração da vida nos diferentes mundos parece ser
proporcional ao grau de superioridade física e moral
desses mundos; e isto é perfeitamente racional.
Quanto menos o corpo é material, menos está sujeito
às vicissitudes que o desorganizam; quanto mais puro
o Espírito, menos paixões para destruí-lo. É esse um
auxílio da Providência, que deseja abreviar os
sofrimentos.
183 – Passando de um mundo a outro,
o Espírito passa por uma nova
infância?
A infância é, em toda parte, uma transição
necessária, porém, não é em toda parte
assim precária como entre vós.
184 – O Espírito pode escolher o novo
mundo que vai habitar?
Nem sempre, mas pode pedir e, se tiver méritos,
pode ser atendido; pois os mundos são acessíveis
aos Espíritos de acordo com o seu grau de elevação.
a) Se o Espírito nada pede, o que determina
o mundo em que deve se reencarnar?
O grau de sua elevação.
185 – As condições físicas e morais dos seres vivos, em
cada globo, são sempre as mesmas, perpetuamente?
Não; os mundos também são submetidos à lei do
progresso. Todos começaram como o vosso, por um
estado inferior, e a própria Terra suportará uma
transformação semelhante. Tornar-se-á um paraíso
terrestre, quando os homens se tornarem bons.
Allan Kardec: É assim que as raças que povoam hoje a
Terra desaparecerão um dia e serão substituídas por
seres cada vez mais perfeitos; essas raças
transformadas sucederão às atuais, como estas
sucederam a outras mais atrasadas.
2.4.2   encarnacao nos diferentes mundos
2.4.2   encarnacao nos diferentes mundos
Seres de Outros Planetas Estão Encarnando na Terra
Divaldo Franco
186 – Há mundos onde o Espírito, cessando de habitar
corpos materiais, só tenha por envoltório o
perispírito?
Sim, e esse próprio envoltório torna-se tão etéreo que,
para vós, como se não existisse; é o estado dos Espíritos
puros.
a) Resulta daí, ao que parece, que não há uma
demarcação definida entre o estado das últimas
encarnações e aquele dos Espíritos puros?
Essa demarcação não existe; a diferença, que se desfaz
pouco a pouco, torna-se imperceptível, como a noite
que se desfaz aos primeiros clarões do dia
187 – A substância do perispírito é a
mesma em todos os mundos?
Não; ela é mais ou menos etérea. Passando
de um mundo para outro o Espírito se
reveste da matéria própria de cada um, com
mais rapidez que um relâmpago.
188 – Os Espíritos puros habitam
mundos especiais ou estão no espaço
universal sem estarem mais ligados a
um mundo que a outro?
Os Espíritos puros habitam certos mundos,
mas não estão confinados neles como os
homens sobre a Terra; eles podem, melhor
que os outros, estar por toda a parte. (1)
(1) - Segundo os Espíritos, de todos os globos que
compõem o nosso sistema planetário, a Terra é um
daqueles onde os Espíritos são os menos avançados,
física e moralmente. Marte seria ainda inferior e Júpiter,
o mais superior em relação a todos. O Sol não seria um
mundo habitado por seres corporais, mas um local de
reunião dos Espíritos superiores que, de lá, irradiam
seus pensamentos para outros mundos, que dirigem
por intermédio dos Espíritos menos elevados,
transmitindo-os a estes, por intermédio do fluido
universal. Como constituição física, o Sol seria um foco
de eletricidade. Todos os sóis parecem estar numa
posição idêntica.
O volume e a distância que estão
do Sol não têm nenhuma relação
necessária com o grau de
adiantamento dos mundos, pois
parece que Vênus é mais
adiantado que a Terra, e Saturno
menos adiantado que Júpiter.
Vários Espíritos que animaram pessoas conhecidas sobre a
Terra, disseram estar encarnados em Júpiter, um dos
mundos mais próximos da perfeição, e ficaram admirados
de ver, nesse globo tão adiantado, homens que, na opinião
do nosso mundo, não eram tão elevados. Isso não deve
causar admiração, se considerarmos que certos Espíritos
que habitam aquele planeta podiam ter sido enviados à
Terra para cumprir uma missão, que, aos nossos olhos, não
os colocava em primeiro plano; em segundo lugar que,
entre a existência que viveram na Terra e a que vivem em
Júpiter, devem ter tido outras intermediárias, nas quais se
melhoraram; em terceiro lugar, que nesse mundo, como no
nosso, existem diferentes graus de adiantamento e que,
entre esses graus, pode haver a mesma distância que
separa, entre nós, o selvagem do homem civilizado.
Assim, do fato de habitarem Júpiter não se segue que
estão ao nível dos seres mais avançados, da mesma
forma que não se está ao mesmo nível de um sábio do
Instituto, só porque se habita em Paris.
As condições de longevidade não são, também, em
toda parte as mesmas de sobre a Terra e a idade não se
pode comparar. Uma pessoa desencarnada havia alguns
anos, sendo evocada, disse estar encarnada há seis
meses num mundo cujo nome nos é desconhecido.
Interrogada sobre a idade que tinha esse mundo,
respondeu: “Não posso avaliá-la porque não contamos
o tempo como vós; depois, o nosso modo de vida não é
o mesmo, desenvolvemo-nos com muito maior rapidez;
embora não faça mais que seis dos vossos meses que lá
estou, quanto à inteligência, posso dizer que tenho
trinta anos da idade que tive sobre a Terra.”
Muitas respostas análogas nos foram dadas por outros
Espíritos e isso nada tem de inacreditável. Não vemos
sobre a Terra um grande número de animais adquirir,
em poucos meses, o seu desenvolvimento normal? Por
que não poderia ocorrer a mesma coisa com o homem
de outras esferas? Notemos, por outro lado, que o
desenvolvimento alcançado pelo homem na Terra, na
idade de trinta anos, pode ser uma espécie de infância
comparado àquele que deve alcançar. Bem curto de
vista se revela quem nos toma em tudo por protótipos
da Criação, e é rebaixar a Divindade acreditar-se que,
fora o homem, nada mais seja possível a Deus.
2.4.2   encarnacao nos diferentes mundos
CRÉDITOS
Formatação: Marta Gomes P. Miranda
Referências:
KARDEC, Allan. O Livro dos Espíritos. Tradução de
Salvador Gentile. 182ª Ed. Araras – SP: IDE, 2009.
Pág. 84 à 87.
CENTRO ESPÍRITA “JOANA D’ARC”
Rua Ormindo Pires Amorim, nº 1.516
Bairro: Jardim Marajó
Rondonópolis - MT
38

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mundos Transitórios
Mundos TransitóriosMundos Transitórios
Mundos Transitórios
igmateus
 
A terra planeta de provas e expiações
A terra planeta de provas e expiaçõesA terra planeta de provas e expiações
A terra planeta de provas e expiações
Graça Maciel
 
Espírito E Matéria
Espírito E MatériaEspírito E Matéria
Espírito E Matéria
Grupo Espírita Cristão
 
Fundamentos e Finalidade da Reencarnação.pdf
Fundamentos e Finalidade da Reencarnação.pdfFundamentos e Finalidade da Reencarnação.pdf
Fundamentos e Finalidade da Reencarnação.pdf
Rosimeire Alves
 
Progressão dos Espíritos 2ª Parte
Progressão dos Espíritos 2ª ParteProgressão dos Espíritos 2ª Parte
Progressão dos Espíritos 2ª Parte
Denise Aguiar
 
Elementos gerais do universo
Elementos gerais do universoElementos gerais do universo
Elementos gerais do universo
KATIA MARIA FARAH V DA SILVA
 
Obsessão e influenciação espiritual
Obsessão e influenciação espiritualObsessão e influenciação espiritual
Obsessão e influenciação espiritual
grupodepaisceb
 
Transição planetária
Transição planetáriaTransição planetária
Transição planetária
Levi Antonio Amancio
 
Origem e natureza do Espirito parte 1
Origem e natureza do Espirito parte 1Origem e natureza do Espirito parte 1
Origem e natureza do Espirito parte 1
Denise Aguiar
 
Finalidades da reencarnação.pptx2
Finalidades da reencarnação.pptx2Finalidades da reencarnação.pptx2
Finalidades da reencarnação.pptx2
sndteixeira
 
ESQUECIMENTO DO PASSADO
ESQUECIMENTO DO PASSADOESQUECIMENTO DO PASSADO
ESQUECIMENTO DO PASSADO
Jorge Luiz dos Santos
 
Retorno à vida corporal 1,5h
Retorno à vida corporal 1,5hRetorno à vida corporal 1,5h
Retorno à vida corporal 1,5h
home
 
Sobrevivência do Espírito
Sobrevivência do EspíritoSobrevivência do Espírito
Sobrevivência do Espírito
Denise Aguiar
 
NECESSIDADE DA ENCARNAÇÃO.pptx
NECESSIDADE DA ENCARNAÇÃO.pptxNECESSIDADE DA ENCARNAÇÃO.pptx
NECESSIDADE DA ENCARNAÇÃO.pptx
francisco celio
 
Fluidos e perispirito-rosana_c
Fluidos e perispirito-rosana_cFluidos e perispirito-rosana_c
Fluidos e perispirito-rosana_c
carlos freire
 
Progressão dos Mundos e dos Espíritos: Há muitas moradas na casa de meu
Progressão dos Mundos e dos Espíritos: Há muitas moradas na casa de meuProgressão dos Mundos e dos Espíritos: Há muitas moradas na casa de meu
Progressão dos Mundos e dos Espíritos: Há muitas moradas na casa de meu
Eduardo Ottonelli Pithan
 
MEDIUNIDADE E ESPIRITISMO
MEDIUNIDADE E ESPIRITISMOMEDIUNIDADE E ESPIRITISMO
MEDIUNIDADE E ESPIRITISMO
Jorge Luiz dos Santos
 
Roteiro 2 elementos gerais do universo - matéria e espírito
Roteiro 2   elementos gerais do universo - matéria e espíritoRoteiro 2   elementos gerais do universo - matéria e espírito
Roteiro 2 elementos gerais do universo - matéria e espírito
Bruno Cechinel Filho
 
Reencarnação
Reencarnação Reencarnação
Reencarnação
Alfredo Lopes
 
Pluralidade Dos Mundos Habitados
Pluralidade Dos Mundos HabitadosPluralidade Dos Mundos Habitados
Pluralidade Dos Mundos Habitados
Fórum Espírita
 

Mais procurados (20)

Mundos Transitórios
Mundos TransitóriosMundos Transitórios
Mundos Transitórios
 
A terra planeta de provas e expiações
A terra planeta de provas e expiaçõesA terra planeta de provas e expiações
A terra planeta de provas e expiações
 
Espírito E Matéria
Espírito E MatériaEspírito E Matéria
Espírito E Matéria
 
Fundamentos e Finalidade da Reencarnação.pdf
Fundamentos e Finalidade da Reencarnação.pdfFundamentos e Finalidade da Reencarnação.pdf
Fundamentos e Finalidade da Reencarnação.pdf
 
Progressão dos Espíritos 2ª Parte
Progressão dos Espíritos 2ª ParteProgressão dos Espíritos 2ª Parte
Progressão dos Espíritos 2ª Parte
 
Elementos gerais do universo
Elementos gerais do universoElementos gerais do universo
Elementos gerais do universo
 
Obsessão e influenciação espiritual
Obsessão e influenciação espiritualObsessão e influenciação espiritual
Obsessão e influenciação espiritual
 
Transição planetária
Transição planetáriaTransição planetária
Transição planetária
 
Origem e natureza do Espirito parte 1
Origem e natureza do Espirito parte 1Origem e natureza do Espirito parte 1
Origem e natureza do Espirito parte 1
 
Finalidades da reencarnação.pptx2
Finalidades da reencarnação.pptx2Finalidades da reencarnação.pptx2
Finalidades da reencarnação.pptx2
 
ESQUECIMENTO DO PASSADO
ESQUECIMENTO DO PASSADOESQUECIMENTO DO PASSADO
ESQUECIMENTO DO PASSADO
 
Retorno à vida corporal 1,5h
Retorno à vida corporal 1,5hRetorno à vida corporal 1,5h
Retorno à vida corporal 1,5h
 
Sobrevivência do Espírito
Sobrevivência do EspíritoSobrevivência do Espírito
Sobrevivência do Espírito
 
NECESSIDADE DA ENCARNAÇÃO.pptx
NECESSIDADE DA ENCARNAÇÃO.pptxNECESSIDADE DA ENCARNAÇÃO.pptx
NECESSIDADE DA ENCARNAÇÃO.pptx
 
Fluidos e perispirito-rosana_c
Fluidos e perispirito-rosana_cFluidos e perispirito-rosana_c
Fluidos e perispirito-rosana_c
 
Progressão dos Mundos e dos Espíritos: Há muitas moradas na casa de meu
Progressão dos Mundos e dos Espíritos: Há muitas moradas na casa de meuProgressão dos Mundos e dos Espíritos: Há muitas moradas na casa de meu
Progressão dos Mundos e dos Espíritos: Há muitas moradas na casa de meu
 
MEDIUNIDADE E ESPIRITISMO
MEDIUNIDADE E ESPIRITISMOMEDIUNIDADE E ESPIRITISMO
MEDIUNIDADE E ESPIRITISMO
 
Roteiro 2 elementos gerais do universo - matéria e espírito
Roteiro 2   elementos gerais do universo - matéria e espíritoRoteiro 2   elementos gerais do universo - matéria e espírito
Roteiro 2 elementos gerais do universo - matéria e espírito
 
Reencarnação
Reencarnação Reencarnação
Reencarnação
 
Pluralidade Dos Mundos Habitados
Pluralidade Dos Mundos HabitadosPluralidade Dos Mundos Habitados
Pluralidade Dos Mundos Habitados
 

Semelhante a 2.4.2 encarnacao nos diferentes mundos

458595 634164453974405000
458595 634164453974405000458595 634164453974405000
458595 634164453974405000
KEURE SANTOS SILVA
 
D 7 Pluralidade dos Mundos Habitados
D 7 Pluralidade dos Mundos HabitadosD 7 Pluralidade dos Mundos Habitados
D 7 Pluralidade dos Mundos Habitados
JPS Junior
 
D 07 Pluralidade dos Mundos Habitados
D 07  Pluralidade dos Mundos HabitadosD 07  Pluralidade dos Mundos Habitados
D 07 Pluralidade dos Mundos Habitados
JPS Junior
 
Roteiro 6 materialização nos diferentes mundos
Roteiro 6   materialização nos diferentes mundosRoteiro 6   materialização nos diferentes mundos
Roteiro 6 materialização nos diferentes mundos
Bruno Cechinel Filho
 
A pluralidade das existencias.
A pluralidade das existencias.A pluralidade das existencias.
A pluralidade das existencias.
MARILENEAPARECIDABEN
 
090401 justiça da reencarnação–livro ii, cap. 4
090401 justiça da reencarnação–livro ii, cap. 4090401 justiça da reencarnação–livro ii, cap. 4
090401 justiça da reencarnação–livro ii, cap. 4
Carlos Alberto Freire De Souza
 
090401 justiça da reencarnação–livro ii, cap. 4
090401 justiça da reencarnação–livro ii, cap. 4090401 justiça da reencarnação–livro ii, cap. 4
090401 justiça da reencarnação–livro ii, cap. 4
Carlos Alberto Freire De Souza
 
Há muitas moradas na casa de meu pai
Há muitas moradas na casa de meu paiHá muitas moradas na casa de meu pai
Há muitas moradas na casa de meu pai
Ana Karina Andrade
 
Tomo complementar, Módulo 1, roteiro 4: os espíritos errantes
Tomo complementar, Módulo 1, roteiro 4: os espíritos errantesTomo complementar, Módulo 1, roteiro 4: os espíritos errantes
Tomo complementar, Módulo 1, roteiro 4: os espíritos errantes
Núcleo de Promoção Humana Vinha de Luz
 
ENCARNAÇÃO NOS DIFERENTES MUNDOS (1).ppt
ENCARNAÇÃO NOS DIFERENTES MUNDOS (1).pptENCARNAÇÃO NOS DIFERENTES MUNDOS (1).ppt
ENCARNAÇÃO NOS DIFERENTES MUNDOS (1).ppt
RobsonTeles6
 
Capítulo 3 ESE - Há muitas moradas na casa de meu
Capítulo 3 ESE - Há muitas moradas na casa de meuCapítulo 3 ESE - Há muitas moradas na casa de meu
Capítulo 3 ESE - Há muitas moradas na casa de meu
Eduardo Ottonelli Pithan
 
A pluralidade dos mundos habitados e a transição planetária.pptx
A pluralidade dos mundos habitados e a transição planetária.pptxA pluralidade dos mundos habitados e a transição planetária.pptx
A pluralidade dos mundos habitados e a transição planetária.pptx
Simone Coelho
 
Transição planetária exilados de capela
Transição planetária exilados de capelaTransição planetária exilados de capela
Transição planetária exilados de capela
fmc83
 
Primeiro Módulo - Aula 14 - Vida espiritual
Primeiro Módulo - Aula 14 - Vida espiritualPrimeiro Módulo - Aula 14 - Vida espiritual
Primeiro Módulo - Aula 14 - Vida espiritual
CeiClarencio
 
Segundo Módulo - Aula 14 - Vida espiritual
Segundo Módulo - Aula 14 - Vida espiritualSegundo Módulo - Aula 14 - Vida espiritual
Segundo Módulo - Aula 14 - Vida espiritual
CeiClarencio
 
# Iole de freitas - encarnação nos diferentes mundos - [ espiritismo]
#   Iole de freitas - encarnação nos diferentes mundos - [ espiritismo]#   Iole de freitas - encarnação nos diferentes mundos - [ espiritismo]
# Iole de freitas - encarnação nos diferentes mundos - [ espiritismo]
Instituto de Psicobiofísica Rama Schain
 
Avida no plano espiritual
Avida no plano espiritual Avida no plano espiritual
Avida no plano espiritual
Levi Antonio Amancio
 
Fund1Mod07Rot3e5-[2012]guto
Fund1Mod07Rot3e5-[2012]gutoFund1Mod07Rot3e5-[2012]guto
Fund1Mod07Rot3e5-[2012]guto
Guto Ovsky
 
A vida no mundo espiritual-1,5h
A vida no mundo espiritual-1,5hA vida no mundo espiritual-1,5h
A vida no mundo espiritual-1,5h
home
 
Livro dos Espiritos 184 Evangelho13 10
Livro dos Espiritos 184 Evangelho13 10Livro dos Espiritos 184 Evangelho13 10
Livro dos Espiritos 184 Evangelho13 10
Patricia Farias
 

Semelhante a 2.4.2 encarnacao nos diferentes mundos (20)

458595 634164453974405000
458595 634164453974405000458595 634164453974405000
458595 634164453974405000
 
D 7 Pluralidade dos Mundos Habitados
D 7 Pluralidade dos Mundos HabitadosD 7 Pluralidade dos Mundos Habitados
D 7 Pluralidade dos Mundos Habitados
 
D 07 Pluralidade dos Mundos Habitados
D 07  Pluralidade dos Mundos HabitadosD 07  Pluralidade dos Mundos Habitados
D 07 Pluralidade dos Mundos Habitados
 
Roteiro 6 materialização nos diferentes mundos
Roteiro 6   materialização nos diferentes mundosRoteiro 6   materialização nos diferentes mundos
Roteiro 6 materialização nos diferentes mundos
 
A pluralidade das existencias.
A pluralidade das existencias.A pluralidade das existencias.
A pluralidade das existencias.
 
090401 justiça da reencarnação–livro ii, cap. 4
090401 justiça da reencarnação–livro ii, cap. 4090401 justiça da reencarnação–livro ii, cap. 4
090401 justiça da reencarnação–livro ii, cap. 4
 
090401 justiça da reencarnação–livro ii, cap. 4
090401 justiça da reencarnação–livro ii, cap. 4090401 justiça da reencarnação–livro ii, cap. 4
090401 justiça da reencarnação–livro ii, cap. 4
 
Há muitas moradas na casa de meu pai
Há muitas moradas na casa de meu paiHá muitas moradas na casa de meu pai
Há muitas moradas na casa de meu pai
 
Tomo complementar, Módulo 1, roteiro 4: os espíritos errantes
Tomo complementar, Módulo 1, roteiro 4: os espíritos errantesTomo complementar, Módulo 1, roteiro 4: os espíritos errantes
Tomo complementar, Módulo 1, roteiro 4: os espíritos errantes
 
ENCARNAÇÃO NOS DIFERENTES MUNDOS (1).ppt
ENCARNAÇÃO NOS DIFERENTES MUNDOS (1).pptENCARNAÇÃO NOS DIFERENTES MUNDOS (1).ppt
ENCARNAÇÃO NOS DIFERENTES MUNDOS (1).ppt
 
Capítulo 3 ESE - Há muitas moradas na casa de meu
Capítulo 3 ESE - Há muitas moradas na casa de meuCapítulo 3 ESE - Há muitas moradas na casa de meu
Capítulo 3 ESE - Há muitas moradas na casa de meu
 
A pluralidade dos mundos habitados e a transição planetária.pptx
A pluralidade dos mundos habitados e a transição planetária.pptxA pluralidade dos mundos habitados e a transição planetária.pptx
A pluralidade dos mundos habitados e a transição planetária.pptx
 
Transição planetária exilados de capela
Transição planetária exilados de capelaTransição planetária exilados de capela
Transição planetária exilados de capela
 
Primeiro Módulo - Aula 14 - Vida espiritual
Primeiro Módulo - Aula 14 - Vida espiritualPrimeiro Módulo - Aula 14 - Vida espiritual
Primeiro Módulo - Aula 14 - Vida espiritual
 
Segundo Módulo - Aula 14 - Vida espiritual
Segundo Módulo - Aula 14 - Vida espiritualSegundo Módulo - Aula 14 - Vida espiritual
Segundo Módulo - Aula 14 - Vida espiritual
 
# Iole de freitas - encarnação nos diferentes mundos - [ espiritismo]
#   Iole de freitas - encarnação nos diferentes mundos - [ espiritismo]#   Iole de freitas - encarnação nos diferentes mundos - [ espiritismo]
# Iole de freitas - encarnação nos diferentes mundos - [ espiritismo]
 
Avida no plano espiritual
Avida no plano espiritual Avida no plano espiritual
Avida no plano espiritual
 
Fund1Mod07Rot3e5-[2012]guto
Fund1Mod07Rot3e5-[2012]gutoFund1Mod07Rot3e5-[2012]guto
Fund1Mod07Rot3e5-[2012]guto
 
A vida no mundo espiritual-1,5h
A vida no mundo espiritual-1,5hA vida no mundo espiritual-1,5h
A vida no mundo espiritual-1,5h
 
Livro dos Espiritos 184 Evangelho13 10
Livro dos Espiritos 184 Evangelho13 10Livro dos Espiritos 184 Evangelho13 10
Livro dos Espiritos 184 Evangelho13 10
 

Mais de Marta Gomes

Capitulo III - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à c...
Capitulo III - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à c...Capitulo III - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à c...
Capitulo III - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à c...
Marta Gomes
 
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
Marta Gomes
 
Capitulo II - Elementos Gerais do Universo.docx
Capitulo II - Elementos Gerais do Universo.docxCapitulo II - Elementos Gerais do Universo.docx
Capitulo II - Elementos Gerais do Universo.docx
Marta Gomes
 
1.2 - Elementos Gerais do Universo.pptx
1.2 - Elementos Gerais do  Universo.pptx1.2 - Elementos Gerais do  Universo.pptx
1.2 - Elementos Gerais do Universo.pptx
Marta Gomes
 
Capitulo I - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
Capitulo I - Deus. Deus e o infinito. PanteísmoCapitulo I - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
Capitulo I - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
Marta Gomes
 
1.1 - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
1.1 - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo1.1 - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
1.1 - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
Marta Gomes
 
Apresentação da doutrina espírita e do Livro dos Espíritos.docx
Apresentação da doutrina espírita e do Livro dos Espíritos.docxApresentação da doutrina espírita e do Livro dos Espíritos.docx
Apresentação da doutrina espírita e do Livro dos Espíritos.docx
Marta Gomes
 
Apresentação da Doutrina Espírita e do Livro dos Espíritos.pptx
Apresentação da Doutrina Espírita e do Livro dos Espíritos.pptxApresentação da Doutrina Espírita e do Livro dos Espíritos.pptx
Apresentação da Doutrina Espírita e do Livro dos Espíritos.pptx
Marta Gomes
 
Capítulo II - Penas e Gozos Futuros.docx
Capítulo II - Penas e Gozos Futuros.docxCapítulo II - Penas e Gozos Futuros.docx
Capítulo II - Penas e Gozos Futuros.docx
Marta Gomes
 
4.2.3 - Ressurreição da carne - Paraíso - Inferno - Pugatório.pptx
4.2.3 - Ressurreição da carne - Paraíso - Inferno - Pugatório.pptx4.2.3 - Ressurreição da carne - Paraíso - Inferno - Pugatório.pptx
4.2.3 - Ressurreição da carne - Paraíso - Inferno - Pugatório.pptx
Marta Gomes
 
4.2.2 - Penas e gozos futuros.pptx
4.2.2 - Penas e gozos futuros.pptx4.2.2 - Penas e gozos futuros.pptx
4.2.2 - Penas e gozos futuros.pptx
Marta Gomes
 
4.2.1 - Vida futura.pptx
4.2.1 - Vida futura.pptx4.2.1 - Vida futura.pptx
4.2.1 - Vida futura.pptx
Marta Gomes
 
Capítulo I - Penas e Gozos Terrestres.docx
Capítulo I - Penas e Gozos Terrestres.docxCapítulo I - Penas e Gozos Terrestres.docx
Capítulo I - Penas e Gozos Terrestres.docx
Marta Gomes
 
4.1.3 - Suicídio.pptx
4.1.3 - Suicídio.pptx4.1.3 - Suicídio.pptx
4.1.3 - Suicídio.pptx
Marta Gomes
 
4.1.2 - Perda de pessoas amadas.pptx
4.1.2 - Perda de pessoas amadas.pptx4.1.2 - Perda de pessoas amadas.pptx
4.1.2 - Perda de pessoas amadas.pptx
Marta Gomes
 
4.1.1 - Felicidade e infelicidade relativas.pptx
4.1.1 - Felicidade e infelicidade relativas.pptx4.1.1 - Felicidade e infelicidade relativas.pptx
4.1.1 - Felicidade e infelicidade relativas.pptx
Marta Gomes
 
Inveja e Ciúme.docx
Inveja e Ciúme.docxInveja e Ciúme.docx
Inveja e Ciúme.docx
Marta Gomes
 
0.5 - Inveja e ciúme.pptx
0.5 - Inveja e ciúme.pptx0.5 - Inveja e ciúme.pptx
0.5 - Inveja e ciúme.pptx
Marta Gomes
 
O Homem de bem.docx
O Homem de bem.docxO Homem de bem.docx
O Homem de bem.docx
Marta Gomes
 
3.12.1 - O Homem de bem.pptx
3.12.1 - O Homem de bem.pptx3.12.1 - O Homem de bem.pptx
3.12.1 - O Homem de bem.pptx
Marta Gomes
 

Mais de Marta Gomes (20)

Capitulo III - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à c...
Capitulo III - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à c...Capitulo III - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à c...
Capitulo III - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à c...
 
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
 
Capitulo II - Elementos Gerais do Universo.docx
Capitulo II - Elementos Gerais do Universo.docxCapitulo II - Elementos Gerais do Universo.docx
Capitulo II - Elementos Gerais do Universo.docx
 
1.2 - Elementos Gerais do Universo.pptx
1.2 - Elementos Gerais do  Universo.pptx1.2 - Elementos Gerais do  Universo.pptx
1.2 - Elementos Gerais do Universo.pptx
 
Capitulo I - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
Capitulo I - Deus. Deus e o infinito. PanteísmoCapitulo I - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
Capitulo I - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
 
1.1 - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
1.1 - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo1.1 - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
1.1 - Deus. Deus e o infinito. Panteísmo
 
Apresentação da doutrina espírita e do Livro dos Espíritos.docx
Apresentação da doutrina espírita e do Livro dos Espíritos.docxApresentação da doutrina espírita e do Livro dos Espíritos.docx
Apresentação da doutrina espírita e do Livro dos Espíritos.docx
 
Apresentação da Doutrina Espírita e do Livro dos Espíritos.pptx
Apresentação da Doutrina Espírita e do Livro dos Espíritos.pptxApresentação da Doutrina Espírita e do Livro dos Espíritos.pptx
Apresentação da Doutrina Espírita e do Livro dos Espíritos.pptx
 
Capítulo II - Penas e Gozos Futuros.docx
Capítulo II - Penas e Gozos Futuros.docxCapítulo II - Penas e Gozos Futuros.docx
Capítulo II - Penas e Gozos Futuros.docx
 
4.2.3 - Ressurreição da carne - Paraíso - Inferno - Pugatório.pptx
4.2.3 - Ressurreição da carne - Paraíso - Inferno - Pugatório.pptx4.2.3 - Ressurreição da carne - Paraíso - Inferno - Pugatório.pptx
4.2.3 - Ressurreição da carne - Paraíso - Inferno - Pugatório.pptx
 
4.2.2 - Penas e gozos futuros.pptx
4.2.2 - Penas e gozos futuros.pptx4.2.2 - Penas e gozos futuros.pptx
4.2.2 - Penas e gozos futuros.pptx
 
4.2.1 - Vida futura.pptx
4.2.1 - Vida futura.pptx4.2.1 - Vida futura.pptx
4.2.1 - Vida futura.pptx
 
Capítulo I - Penas e Gozos Terrestres.docx
Capítulo I - Penas e Gozos Terrestres.docxCapítulo I - Penas e Gozos Terrestres.docx
Capítulo I - Penas e Gozos Terrestres.docx
 
4.1.3 - Suicídio.pptx
4.1.3 - Suicídio.pptx4.1.3 - Suicídio.pptx
4.1.3 - Suicídio.pptx
 
4.1.2 - Perda de pessoas amadas.pptx
4.1.2 - Perda de pessoas amadas.pptx4.1.2 - Perda de pessoas amadas.pptx
4.1.2 - Perda de pessoas amadas.pptx
 
4.1.1 - Felicidade e infelicidade relativas.pptx
4.1.1 - Felicidade e infelicidade relativas.pptx4.1.1 - Felicidade e infelicidade relativas.pptx
4.1.1 - Felicidade e infelicidade relativas.pptx
 
Inveja e Ciúme.docx
Inveja e Ciúme.docxInveja e Ciúme.docx
Inveja e Ciúme.docx
 
0.5 - Inveja e ciúme.pptx
0.5 - Inveja e ciúme.pptx0.5 - Inveja e ciúme.pptx
0.5 - Inveja e ciúme.pptx
 
O Homem de bem.docx
O Homem de bem.docxO Homem de bem.docx
O Homem de bem.docx
 
3.12.1 - O Homem de bem.pptx
3.12.1 - O Homem de bem.pptx3.12.1 - O Homem de bem.pptx
3.12.1 - O Homem de bem.pptx
 

Último

Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Celso Napoleon
 
A VIVÊNCIA DO SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO slides.ppt
A VIVÊNCIA DO SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO slides.pptA VIVÊNCIA DO SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO slides.ppt
A VIVÊNCIA DO SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO slides.ppt
FranciscoAudisio2
 
PALESTRA SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO 09-09-2017 slides.ppt
PALESTRA SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO 09-09-2017 slides.pptPALESTRA SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO 09-09-2017 slides.ppt
PALESTRA SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO 09-09-2017 slides.ppt
FranciscoAudisio2
 
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita RafaelA Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
DavidBertelli3
 
7 - Cristo Cura, Sim!.ppt HINO DDA HARPA
7 - Cristo Cura, Sim!.ppt HINO DDA HARPA7 - Cristo Cura, Sim!.ppt HINO DDA HARPA
7 - Cristo Cura, Sim!.ppt HINO DDA HARPA
OBrasilParaCristoRad
 
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
PIB Penha
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Celso Napoleon
 
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
Nilson Almeida
 
1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...
1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...
1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...
PIB Penha
 
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
AlailzaSoares1
 
Lição 11 - Avivamento e a Missão da Igreja.pptx
Lição 11 -  Avivamento e a Missão da Igreja.pptxLição 11 -  Avivamento e a Missão da Igreja.pptx
Lição 11 - Avivamento e a Missão da Igreja.pptx
LaerciodeSouzaSilva1
 
auxiliar- juvenis-1trimestre de 2024.pdf
auxiliar- juvenis-1trimestre de 2024.pdfauxiliar- juvenis-1trimestre de 2024.pdf
auxiliar- juvenis-1trimestre de 2024.pdf
EzeirAlvesdaSilva
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
AndreyCamarini
 
3 - Plena Paz.ppt Harpa cristã assembleia
3 - Plena Paz.ppt Harpa cristã assembleia3 - Plena Paz.ppt Harpa cristã assembleia
3 - Plena Paz.ppt Harpa cristã assembleia
OBrasilParaCristoRad
 
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
PIB Penha
 
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
PIB Penha
 
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são pe...
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são  pe...2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são  pe...
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são pe...
PIB Penha
 
Especialidade Arqueologia Bíblica.pptx
Especialidade  Arqueologia  Bíblica.pptxEspecialidade  Arqueologia  Bíblica.pptx
Especialidade Arqueologia Bíblica.pptx
AlexandreJr7
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - RevidesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Ricardo Azevedo
 
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptxBatismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
nadeclarice
 

Último (20)

Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
 
A VIVÊNCIA DO SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO slides.ppt
A VIVÊNCIA DO SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO slides.pptA VIVÊNCIA DO SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO slides.ppt
A VIVÊNCIA DO SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO slides.ppt
 
PALESTRA SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO 09-09-2017 slides.ppt
PALESTRA SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO 09-09-2017 slides.pptPALESTRA SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO 09-09-2017 slides.ppt
PALESTRA SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO 09-09-2017 slides.ppt
 
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita RafaelA Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
 
7 - Cristo Cura, Sim!.ppt HINO DDA HARPA
7 - Cristo Cura, Sim!.ppt HINO DDA HARPA7 - Cristo Cura, Sim!.ppt HINO DDA HARPA
7 - Cristo Cura, Sim!.ppt HINO DDA HARPA
 
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
 
1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...
1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...
1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...
 
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
 
Lição 11 - Avivamento e a Missão da Igreja.pptx
Lição 11 -  Avivamento e a Missão da Igreja.pptxLição 11 -  Avivamento e a Missão da Igreja.pptx
Lição 11 - Avivamento e a Missão da Igreja.pptx
 
auxiliar- juvenis-1trimestre de 2024.pdf
auxiliar- juvenis-1trimestre de 2024.pdfauxiliar- juvenis-1trimestre de 2024.pdf
auxiliar- juvenis-1trimestre de 2024.pdf
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
 
3 - Plena Paz.ppt Harpa cristã assembleia
3 - Plena Paz.ppt Harpa cristã assembleia3 - Plena Paz.ppt Harpa cristã assembleia
3 - Plena Paz.ppt Harpa cristã assembleia
 
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
 
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
 
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são pe...
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são  pe...2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são  pe...
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são pe...
 
Especialidade Arqueologia Bíblica.pptx
Especialidade  Arqueologia  Bíblica.pptxEspecialidade  Arqueologia  Bíblica.pptx
Especialidade Arqueologia Bíblica.pptx
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - RevidesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
 
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptxBatismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
 

2.4.2 encarnacao nos diferentes mundos

  • 1. O LIVRO DOS ESPÍRITOS PARTE SEGUNDA: Do Mundo Espírita ou Mundo dos Espíritos CAPÍTULO IV: Pluralidade das Existências Questões: 172 à 188
  • 3. 172 – Nossas diferentes existências corporais se passam todas sobre a Terra? Não, não todas, mas nos diferentes mundos; a que passamos neste globo não é a primeira, nem a última e é uma das mais materiais e das mais distanciadas da perfeição.
  • 4. Não se turbe o vosso coração; credes em Deus, crede também em mim. Na casa de meu Pai há muitas moradas; se não fosse assim, eu vo-lo teria dito. Vou preparar-vos lugar. E quando eu for, e vos preparar lugar, virei outra vez, e vos levarei para mim mesmo, para que onde eu estiver estejais vós também. João 14:1-3 Na casa de meu Pai há muitas moradas
  • 5. CLASSIFICAÇÃO DOS MUNDOS Primitivos destinados às primeiras encarnações humanas, vida totalmente material. Prevalece o instinto e a lei do mais forte. Provas e Expiações O mal predomina sobre o bem. O mal está sempre presente na vida dos seres humanos. Regeneradores O Bem já prevalece sobre o mal. Reduz os índices de maldade na convivência social. Momento de transição da Terra. Ditosos ou Felizes O bem sobrepuja o mal. O bem está sempre presente na vida das pessoas, em todas as situações. Celestes ou Divinos moradas dos Espíritos puros. O bem reina soberano. Somente o amor. Evangelho Segundo o Espiritismo - Capítulo III
  • 6. 173 – A alma, a cada nova existência corporal, passa de um mundo a outro ou pode viver várias vezes sobre o mesmo globo? Pode reviver muitas vezes sobre o mesmo globo se não é bastante avançada para passar para um mundo superior. a) Assim, podemos reaparecer várias vezes sobre a Terra? Certamente. b) Podemos voltar a ela depois de termos vivido em outros mundos? Seguramente; já vivestes em outros mundos e sobre a Terra.
  • 7. “Quando, num planeta, cessa a possibilidade da aquisição de experiências fundamentais para a percepção das leis de Deus, o Espírito passa a reencarnar em mundos mais adiantados” Adenáuer
  • 8. 174 – Voltar a habitar a Terra é uma necessidade? Não, mas se não progredistes, podereis ir para outro mundo que não seja melhor, e que pode ser pior.
  • 9. 175 – Existe alguma vantagem em voltar a habitar sobre a Terra? Nenhuma vantagem particular, a menos que seja em missão; nesse caso, se progride aí como em outro mundo. a) Não seria melhor permanecer como Espírito? Não, não; estacionar-se-ia e o que se quer é avançar para Deus.
  • 10. 176 – Os Espíritos depois de terem encarnado em outros mundos, podem encarnar neste sem jamais terem passado por aqui? Sim, como vós em outros mundos. Todos os mundos são solidários; o que não se faz num, pode-se fazer noutro. a) Há homens que estão sobre a Terra pela primeira vez? Há muitos e em diversos graus. b) Pode-se reconhecer, por um sinal qualquer, quando um Espírito está pela primeira vez na Terra? Nenhuma utilidade teria isso.
  • 14. 177 – Para alcançar a perfeição e o bem supremo, objetivo final de todos os homens, o Espírito deve passar por todos os mundos que existem no Universo? Não, pois há muitos mundos que estão no mesmo nível e onde o Espírito não aprenderia nada de novo. a) Como se explica, nesse caso, a pluralidade de suas existências sobre um mesmo globo? Ele pode se encontrar aí cada vez em posições bem diferentes, que são outras tantas ocasiões de adquirir experiência.
  • 15. 178 – Os Espíritos podem reviver corporalmente num mundo relativamente inferior àquele em que já viveram? Sim, quando devem cumprir uma missão para ajudar o progresso, e, nesse caso, aceitam com alegria as tribulações dessa existência, visto que lhes fornecem um meio de progredir. a) Isso não pode ocorrer por expiação e Deus não pode enviar os Espíritos rebeldes para mundos inferiores? Os Espíritos podem permanecer estacionários, mas não retrogradam; a sua punição, pois, é a de não avançar e de recomeçar as existências mal-empregadas num meio conveniente à sua natureza. b) Quais são aqueles que devem recomeçar a mesma existência? Os que faliram em suas missões ou em suas provas.
  • 16. 179 – Os seres que habitam cada mundo alcançaram um mesmo grau de perfeição? Não, é como ocorre sobre a Terra: existem os mais e os menos avançados.
  • 17. 180 – Passando deste mundo para outro, o Espírito conserva a inteligência que tinha aqui? Sem dúvida, a inteligência não se perde, mas ele pode não dispor dos mesmos meios para manifestá-la, dependendo isso da sua superioridade e das condições do corpo que tomar. (Ver Influência do organismo).
  • 18. 181 – Os seres que habitam os diferentes mundos têm corpos semelhantes ao nosso? Sem dúvida, eles têm corpos porque é preciso que o Espírito esteja revestido de matéria para poder agir sobre a matéria; mas esse envoltório é mais ou menos material de acordo com o grau de pureza a que chegaram os Espíritos, e é isso que diferencia os mundos que devemos percorrer. Há várias moradas na casa de nosso Pai e muitos graus, portanto. Alguns sabem disso e estão conscientes aqui na Terra; outros nada sabem.
  • 19. 182 – Podemos conhecer com exatidão o estado físico e moral dos diferentes mundos? Nós, os Espíritos, só podemos responder de acordo com o grau de adiantamento em que vos achais; quer dizer que não devemos revelar estas coisas a todos, porque nem todos estão em condições de compreendê-las, e isso os perturbaria.
  • 20. Allan Kardec: À medida que o Espírito se purifica, o corpo que ele reveste se aproxima igualmente da natureza espírita. A matéria é menos densa, não rastejam mais penosamente na superfície do solo, as necessidades físicas são menos grosseiras e os seres vivos não têm mais necessidade de se entredevorarem para se nutrir. O Espírito é mais livre e tem, para as coisas distantes, percepções que nos são desconhecidas; vê pelos olhos do corpo o que vemos apenas pelo pensamento. A purificação dos Espíritos reflete-se na perfeição moral dos seres em que estão encarnados. As paixões animais enfraquecem e o egoísmo cede lugar ao sentimento de fraternidade.
  • 21. É assim que, nos mundos superiores à Terra, as guerras são desconhecidas, os ódios e as discórdias não têm motivo, visto que ninguém se preocupa em causar dano ao seu semelhante. A intuição que seus habitantes têm do futuro, a segurança que lhes dá uma consciência isenta de remorsos, fazem com que a morte não lhes cause nenhuma apreensão; recebem- na sem medo como uma simples transformação. A duração da vida nos diferentes mundos parece ser proporcional ao grau de superioridade física e moral desses mundos; e isto é perfeitamente racional. Quanto menos o corpo é material, menos está sujeito às vicissitudes que o desorganizam; quanto mais puro o Espírito, menos paixões para destruí-lo. É esse um auxílio da Providência, que deseja abreviar os sofrimentos.
  • 22. 183 – Passando de um mundo a outro, o Espírito passa por uma nova infância? A infância é, em toda parte, uma transição necessária, porém, não é em toda parte assim precária como entre vós.
  • 23. 184 – O Espírito pode escolher o novo mundo que vai habitar? Nem sempre, mas pode pedir e, se tiver méritos, pode ser atendido; pois os mundos são acessíveis aos Espíritos de acordo com o seu grau de elevação. a) Se o Espírito nada pede, o que determina o mundo em que deve se reencarnar? O grau de sua elevação.
  • 24. 185 – As condições físicas e morais dos seres vivos, em cada globo, são sempre as mesmas, perpetuamente? Não; os mundos também são submetidos à lei do progresso. Todos começaram como o vosso, por um estado inferior, e a própria Terra suportará uma transformação semelhante. Tornar-se-á um paraíso terrestre, quando os homens se tornarem bons. Allan Kardec: É assim que as raças que povoam hoje a Terra desaparecerão um dia e serão substituídas por seres cada vez mais perfeitos; essas raças transformadas sucederão às atuais, como estas sucederam a outras mais atrasadas.
  • 27. Seres de Outros Planetas Estão Encarnando na Terra Divaldo Franco
  • 28. 186 – Há mundos onde o Espírito, cessando de habitar corpos materiais, só tenha por envoltório o perispírito? Sim, e esse próprio envoltório torna-se tão etéreo que, para vós, como se não existisse; é o estado dos Espíritos puros. a) Resulta daí, ao que parece, que não há uma demarcação definida entre o estado das últimas encarnações e aquele dos Espíritos puros? Essa demarcação não existe; a diferença, que se desfaz pouco a pouco, torna-se imperceptível, como a noite que se desfaz aos primeiros clarões do dia
  • 29. 187 – A substância do perispírito é a mesma em todos os mundos? Não; ela é mais ou menos etérea. Passando de um mundo para outro o Espírito se reveste da matéria própria de cada um, com mais rapidez que um relâmpago.
  • 30. 188 – Os Espíritos puros habitam mundos especiais ou estão no espaço universal sem estarem mais ligados a um mundo que a outro? Os Espíritos puros habitam certos mundos, mas não estão confinados neles como os homens sobre a Terra; eles podem, melhor que os outros, estar por toda a parte. (1)
  • 31. (1) - Segundo os Espíritos, de todos os globos que compõem o nosso sistema planetário, a Terra é um daqueles onde os Espíritos são os menos avançados, física e moralmente. Marte seria ainda inferior e Júpiter, o mais superior em relação a todos. O Sol não seria um mundo habitado por seres corporais, mas um local de reunião dos Espíritos superiores que, de lá, irradiam seus pensamentos para outros mundos, que dirigem por intermédio dos Espíritos menos elevados, transmitindo-os a estes, por intermédio do fluido universal. Como constituição física, o Sol seria um foco de eletricidade. Todos os sóis parecem estar numa posição idêntica.
  • 32. O volume e a distância que estão do Sol não têm nenhuma relação necessária com o grau de adiantamento dos mundos, pois parece que Vênus é mais adiantado que a Terra, e Saturno menos adiantado que Júpiter.
  • 33. Vários Espíritos que animaram pessoas conhecidas sobre a Terra, disseram estar encarnados em Júpiter, um dos mundos mais próximos da perfeição, e ficaram admirados de ver, nesse globo tão adiantado, homens que, na opinião do nosso mundo, não eram tão elevados. Isso não deve causar admiração, se considerarmos que certos Espíritos que habitam aquele planeta podiam ter sido enviados à Terra para cumprir uma missão, que, aos nossos olhos, não os colocava em primeiro plano; em segundo lugar que, entre a existência que viveram na Terra e a que vivem em Júpiter, devem ter tido outras intermediárias, nas quais se melhoraram; em terceiro lugar, que nesse mundo, como no nosso, existem diferentes graus de adiantamento e que, entre esses graus, pode haver a mesma distância que separa, entre nós, o selvagem do homem civilizado.
  • 34. Assim, do fato de habitarem Júpiter não se segue que estão ao nível dos seres mais avançados, da mesma forma que não se está ao mesmo nível de um sábio do Instituto, só porque se habita em Paris. As condições de longevidade não são, também, em toda parte as mesmas de sobre a Terra e a idade não se pode comparar. Uma pessoa desencarnada havia alguns anos, sendo evocada, disse estar encarnada há seis meses num mundo cujo nome nos é desconhecido. Interrogada sobre a idade que tinha esse mundo, respondeu: “Não posso avaliá-la porque não contamos o tempo como vós; depois, o nosso modo de vida não é o mesmo, desenvolvemo-nos com muito maior rapidez; embora não faça mais que seis dos vossos meses que lá estou, quanto à inteligência, posso dizer que tenho trinta anos da idade que tive sobre a Terra.”
  • 35. Muitas respostas análogas nos foram dadas por outros Espíritos e isso nada tem de inacreditável. Não vemos sobre a Terra um grande número de animais adquirir, em poucos meses, o seu desenvolvimento normal? Por que não poderia ocorrer a mesma coisa com o homem de outras esferas? Notemos, por outro lado, que o desenvolvimento alcançado pelo homem na Terra, na idade de trinta anos, pode ser uma espécie de infância comparado àquele que deve alcançar. Bem curto de vista se revela quem nos toma em tudo por protótipos da Criação, e é rebaixar a Divindade acreditar-se que, fora o homem, nada mais seja possível a Deus.
  • 37. CRÉDITOS Formatação: Marta Gomes P. Miranda Referências: KARDEC, Allan. O Livro dos Espíritos. Tradução de Salvador Gentile. 182ª Ed. Araras – SP: IDE, 2009. Pág. 84 à 87.
  • 38. CENTRO ESPÍRITA “JOANA D’ARC” Rua Ormindo Pires Amorim, nº 1.516 Bairro: Jardim Marajó Rondonópolis - MT 38