SlideShare uma empresa Scribd logo
CENTRO DE
TRABALHOS ESPÍRITA
ANA LUZ
A N E X O
ROTEIRO 1
Lógica da Rematerialização.
1804-1869
SubsídiosSubsídios
ARISTÓTELES,ARISTÓTELES, FILÓSOFO GREGOFILÓSOFO GREGO
(384-322 a.C.), FOI O FUNDADOR DA(384-322 a.C.), FOI O FUNDADOR DA
LÓGICA.LÓGICA.
É muito comum todos os dias ouvirmos
alguém falar que alguma coisa é
“Lógica” ou “Ilógica”.
A lógica é a única ferramenta que podeA lógica é a única ferramenta que pode
nos orientar em direção à Verdade, ou onos orientar em direção à Verdade, ou o
mais próximo possível dela.mais próximo possível dela.
Sem a lógica, ficamos Reféns dos “donos
da verdade”, dos dogmas absolutos que
não podem jamais ser questionados
Sim, todos aqueles que acreditam na
existência de um ser Criador de todas as coisas,
admitem que Ele é perfeito e possui todas as
virtudes.
Seria ilógico imaginar Deus sujeito às
nossas imperfeições.
Portanto, se Deus é perfeito, é, acima de
tudo, justo.
Obs.: Justiça é: “A virtude de dar a
cada um aquilo que é seu”.
Seria justo impor um sofrimento a
alguém sem que este tenha merecido tal
sofrimento?
Não! – Tal ação vai de encontro ao
próprio conceito de justiça.
Não é justo impor um sofrimento a
um inocente.
Se existisse apenas uma vida, então Deus
estaria impondo a alguns, desde o nascimento,
sofrimentos terríveis, sem que os mesmos tenham
merecido.
Deus estaria, assim, sendo injusto.
Porquanto... Deus, deixaria de ser:
Onipotente: (que tem poder absoluto);
Onisciente: (que tudo sabe, tudo conhece);
Onipresente: (que está em toda parte);
Imaterial: (que não se pode tocar);
Imutável... (que não sofre mudança).
Deus não pode ser justo e cometer
injustiças ao mesmo tempo!
Por que algumas
pessoas já nascem
defeituosas ou doentes
e outras não?
Seria justo que Deus
fizesse pessoas
sofrerem, desde o
nascimento, por algo
que elas não fizeram, ou
pelo que outras pessoas
fizeram?
VEJAMOS...
Na foto ao lado, vemos
duas crianças.
Por que uma delas é
perfeita e a outra, paralítica
de nascença?
Por que já nasce com
esse sofrimento e a outra
não?
Qual a explicação para as pessoas
que nascem defeituosas, paralíticas,
doentes, ou cegas, enquanto outras
nascem perfeitas e saudáveis?
Se houvesse apenas uma vida, e tivéssemos
como objetivo atingir a chamada “salvação”.
Por que então alguns
nascem com mais condição
para atingir esse objetivo do
que outros?
Uns nascem em
famílias estruturadas, que
lhes dá educação e bons
exemplos de moral e os
encaminham para o bem.
Outros nascem em famílias desestruturadas,
no meio à extrema miséria, sem nenhum tipo de
referencial moral, às vezes vítimas já cedo de
violência e de todos os tipos de mazelas.
E, além disso, mesmo enfrentando todas
essas adversidades, tais pessoas ainda teriam
que ser julgadas, após a morte, e poderiam até
mesmo ser condenados à “pena eterna” pelos
erros que cometeram em apenas uma vida?
Quanta desventura, e quanta injustiça!
Além de serem injustiçados pela sociedade,
seriam injustiçados pelo próprio Deus!
Como explicar o caso de pessoas que,
mesmo tendo sido boas durante a vida, são
surpreendidas com doenças terríveis, ou ainda
vítimas de terríveis acidentes.
Enquanto outras passam por toda a vida sem
conhecer tal infortúnio?
Poderíamos alegar azar de uns e sorte de
outros?
Se nós fossemosSe nós fossemos
criados por Deus nocriados por Deus no
momento do nascimento, emomento do nascimento, e
não existissem vidasnão existissem vidas
anteriores, qual seria oanteriores, qual seria o
critério que o Criador usariacritério que o Criador usaria
para escolher quem seriapara escolher quem seria
saudável, perfeito e quemsaudável, perfeito e quem
seria deficiente, cego, etc.?seria deficiente, cego, etc.?
A única explicaçãoA única explicação
então seria sorte ou azar?então seria sorte ou azar?
Não haveria
uma
explicação
mais
coerente?
Imaginemos um pai que tenha dois filhos.Imaginemos um pai que tenha dois filhos.
A um deles dá carinho, roupas, educação,A um deles dá carinho, roupas, educação,
alimentação, etc.alimentação, etc.
Ao outro não dá carinho, educação.Ao outro não dá carinho, educação.
Ao contrário, o trata de forma agressiva,Ao contrário, o trata de forma agressiva,
importando-lhe todo tipo de sofrimento, desde aimportando-lhe todo tipo de sofrimento, desde a
infância.infância.
Tudo isso sem nenhum motivo queTudo isso sem nenhum motivo que
justificasse tal tratamento.justificasse tal tratamento.
Seria justo?Seria justo? É claro que não!É claro que não!
Ora, se não é justo que um pai procedaOra, se não é justo que um pai proceda
desta maneira, será que Deus, sendo justo edesta maneira, será que Deus, sendo justo e
sábio, poderia agir assim?sábio, poderia agir assim?
Evidentemente que NÃO!Evidentemente que NÃO!
Outros dizem que
sofremos devido ao que
nosso pais ou
antepassados fizeram, ou
até mesmo pelo “pecado
original” cometido por
Adão!!!
Novamente
pergunto:
Teria sentido alguém
pagar pelo que outra
pessoa fez?
Imagine uma pessoa
sendo presa porque seu
pai cometeu um crime e a
polícia não conseguiu
prendê-lo.
Então o filho, que
seria inocente, teria que
pagar pelo crime do pai.
Seria Deus assim tão
injusto.
Mais uma vez a
resposta é: Não!
A Doutrina da Rematerialização é a única
que oferece uma explicação LÓGICA e um
CONCEITO mais JUSTO
Deus jamais impõem sofrimentos a quem
quer que seja, e ninguém sofre sem merecer.
Deus retribuirá a cada um
segundo suas obras - (Rom. 2:6)
Deus determinouDeus determinou
aos Espíritos aaos Espíritos a
necessidade danecessidade da
materialização paramaterialização para
alcançar a perfeiçãoalcançar a perfeição
e de colaborarem nae de colaborarem na
criação.criação.
(LE. Questão: 132)(LE. Questão: 132)
Deus CRIOUDeus CRIOU LEIS SÁBIASLEIS SÁBIAS ee JUSTASJUSTAS
que regem a harmonia de todo o Universo.que regem a harmonia de todo o Universo.
Jamais criaria almas desiguais.Jamais criaria almas desiguais.
A desigualdade que notamos é parte daA desigualdade que notamos é parte da
nossa visão virada somente para o aqui enossa visão virada somente para o aqui e
agora.agora.
Dentre tais leis, podemos destacar trêsDentre tais leis, podemos destacar três
delas.delas.
LEI DA EVOLUÇÃOLEI DA EVOLUÇÃO
LEI DO LIVRE-ARBÍTRIOLEI DO LIVRE-ARBÍTRIO
LEI DE CAUSA E EFEITOLEI DE CAUSA E EFEITO
1. LEI DA EVOLUÇÃO
Tudo no Universo caminha para a evolução.
Seja no Mundo MINERAL, VEGETAL, ANIMAL
ou ESPIRITUAL.
“As rematerializações, são os degraus pelos quais o ser se
eleva e progride (Léon Denis).
A razão maior de estarmos aqui nesteA razão maior de estarmos aqui neste
Planeta éPlaneta é Trabalharmos em prol da evolução deTrabalharmos em prol da evolução de
nosso espírito.nosso espírito.
Assim, se explica as diferenças que existeAssim, se explica as diferenças que existe
entre o presente estado social e o dos tempos deentre o presente estado social e o dos tempos de
barbárie.barbárie.
As desigualdades dasAs desigualdades das
aptidões e do desenvolvimentoaptidões e do desenvolvimento
intelectual e moral queintelectual e moral que
verificamos em certos Espíritos,verificamos em certos Espíritos,
só podem ser entendidas nasó podem ser entendidas na
medida que aceitarmos amedida que aceitarmos a
“Pluralidade das Existências”“Pluralidade das Existências” ouou
“Vidas Sucessivas”.“Vidas Sucessivas”.
Se as almas
fossem criadas ao
mesmo tempo que os
corpos, as que
nascem hoje seriam
tão novas, tão
primitivas, quanto as
que viviam há
milênios.
“Não haveria
conexão entre elas”.
Admitir que Deus qualifique ou
desqualifique determinadas “almas” seria
admitir a sua falta de justiça, seria
desacreditar na:
“Lei do Progresso/Evolução”.
Teríamos que admitir
que as “Almas” de hoje
são melhor dotadas por
Deus, do que as que
precederam.
Cadê o Aprendizado?
2. LEI DO LIVRE-ARBÍTRIO
Só tem validade se admitirmos “A Pluralidade das
Existências”.
Não haveria evolução – seríamos simples joguetes
à mercê da sorte.
ESCOLHA DO CAMINHOESCOLHA DO CAMINHO
Porém, cada qual tem o direito de fazer suas
escolhas. Nem Deus interfere neste direito.
LEI DE CAUSA E EFEITO
Afirma Jesus: “Quem semeia ventos,
colhe tempestades”. Na ação de retorno, o mal
ou o bem voltam sempre, muitas vezes, com
cargas revigoradas.
LEI DE CAUSA E EFEITO
Tenha cuidado com
seus pensamentos.
Eles podem explodir
em palavras a qualquer
momento.
Ao fazermos
nossas escolhas,
recebemos os
resultados, positivos ou
negativos, das mesmas.
Deus não precisa
ficar, a cada erro nosso,
nos punindo, ou a cada
acerto, nos premiando.
Aliás, Deus nunca
pune ninguém.
Nos mesmos nos
punimos, através de
ações erradas.
A Terra é como
uma Grande Escola, na
qual os alunos podem
escolher .
Estudar e passar
de ano, ou então Não
estudar e repetir de ano.
Cada vida nossa é como um ano letivo
Até que um dia O ALUNO atinja um tal
nível evolutivo em que poderá deixar a
escola, indo para escolas mais evoluídas.
Então assim se explica, de forma
bastante coerente, a situação de pessoas
que já iniciam a vida sob condições difíceis
Na verdade, elas estão colhendo
os frutos de ações erradas cometidas
em outras vidas.
Porém, DEUS, em sua infinita
misericórdia, ao invés de condená-los ao
fogo eterno do inferno, lhes dá sempre uma
nova chance.
Vivenciamos
agora o
resultado de
tudo aquilo que
fomos em vidas
passadas.
Aliás, nossa vida atual é a chance
que temos para pagarmos qualquer mal
que tenhamos feito e reparar os mesmos.
Somente Espíritos muito
evoluídos, mergulham na
carne em missão.
Utilizando o seu livre-
arbítrio, vêm até este
plano, e, aqui podem vir
a sofrer, porém por sua
própria escolha.
Para que através de seus
exemplos, possam trazer
luz a humanidade, a que
tanto amam.
Nós, ainda imperfeitos estamos sujeitos
à expiação: colhemos hoje o que plantamos
ontem ou, em outras vidas.
E colheremos amanhã o que estivermos
plantando hoje.
Até queAté que venhamos a atingir um grau devenhamos a atingir um grau de
perfeição e pureza espiritualperfeição e pureza espiritual em que nãoem que não
precisaremos mais mergulhar na carne.precisaremos mais mergulhar na carne.
E CONTINUAREMOS NOSSA EVOLUÇÃO EM
PLANOS ESPIRITUAIS MAIS ELEVADOS
Primeira Parte
Capítulo III
O CÉU
Item: 7-10
Item 8 - A materialização é necessária ao
duplo progresso “moral” e “intelectual” do
Espírito:
Intelectual: pela atividade obrigatória do
trabalho;
Moral: pela necessidade recíproca dos
homens entre si.
A vida social é a pedra de toque das boas
e das más qualidades.
A guerra dos opostos é necessária para a
constituição do homem de bem.
“O bem e o mal”; “a saúde e doenças” “a
relação com os seus semelhantes”.
Para o insulado (isolado, solitário) não
haveria nem vícios nem virtudes.
Item 7 - O progresso dos Espíritos está
ligado ao livre-arbítrio.
Acelerar ou retardar o seu
progresso/evolução vai depender unicamente
da sua vontade.
Por conseguinte, a sua própria felicidade.
O progresso intelectual e o moral
raramente mancham juntos;
Porém, o que não consegue em dado
tempo, alcança em outro;
Daí, muitas vezes se veem homens
inteligentes e instruídos pouco adiantados
moralmente, e vice-versa.
“A obrigação que tem o Espírito encarnado
de prover o alimento do corpo, à sua segurança,
ao seu bem-estar, força-o naturalmente a
empregar suas faculdades (capacidade, aptidão)
em investigações, a exercitá-las e desenvolvê-
las”.
“Desse modo, sua união com a matéria é
útil ao seu adiantamento”.
Pelo “[...] trabalho inteligente que ele [o
Espírito] executa em seu proveito, sobre a
matéria do globo que lhe serve de habitação.
É assim que, progredindo, colabora na obra
do Criador, da qual se torna fator inconsciente.”
A rematerialização é um dos princípios
filosóficos e básicos da Doutrina Espírita:
Esclarece os porquês da existência humana;
Revela a natureza do destino humano;
Explica a razão das desigualdades sociais;
Demonstra como a justiça divina atua;
PluralidadePluralidade das Existências/Vidasdas Existências/Vidas
SucessivasSucessivas““(...) aquele que não nascer de novo(...) aquele que não nascer de novo
não pode ver o Reino de Deus.” (João,não pode ver o Reino de Deus.” (João,
3:3.)3:3.)
Nasceu com a rara
síndrome Tetra-amelia.
Viveu uma vida de
dificuldades e provações ao
longo de sua infância.
No entanto, ele conseguiu
superar essas dificuldades e
aos 17 anos fundou sua própria
ONG, cuja missão é:
“Atravessar fronteiras
e quebrar barreiras, construir
pontes que trazem as
pessoas para o amor e a
esperança em Jesus Cristo”.
Nick Vujicic
Australiano
“Life Without Limbs”
(Vida sem Membros)
Por que uns nascem na
indigência* e outros na
opulência?
Por que há pessoas que
nascem cegas, surdas, mudas
ou atacadas de enfermidades
incuráveis, enquanto que
outras têm todas as vantagens
físicas?
É isso efeito do acaso ou
da Providência?
Solução de Alguns Problemas pela Doutrina
Espírita - O Homem Durante a Vida Terrestre
Capítulo: 3
Item: 134
*Situação de pobreza
extrema; Penúria.
Se é efeito do acaso, não o é da
Providência;
Se é efeito da Providência, pergunta-se
onde está sua bondade e sua justiça?
Ora, é por não compreenderem a causa
desses males, que muitas pessoas são levadas
a acusá-la.
Compreende-se que aquele que se torna
miserável ou enfermo por suas imprudências ou
seus excessos, seja punido pelo que pecou;
Mas se a alma é criada ao mesmo tempo
que o corpo, que fez ela para merecer
semelhantes aflições, desde o seu nascimento,
ou para delas estar isenta?
Se admitimos a justiça de Deus, não
podemos deixar de admitir que esse efeito tem
uma causa;
E se esta causa não se encontra na vida
presente, deve achar-se antes desta, porque em
todas as coisas a causa deve preceder ao efeito;
Há, pois, necessidade de a alma já ter
vivido, para que possa merecer uma expiação.
Uma vida penosa não é sempre uma
expiação;
Frequentemente, é uma prova escolhida
pelo Espírito, que vê um meio de se adiantar
mais rapidamente, se a suporta com coragem.
Consequências da
RematerializaçãoNo campo individual:
Aperfeiçoamento moral;Aperfeiçoamento moral;
Progressividade do
Espírito;
Compreensão daCompreensão da
justiça divino, segundo a leijustiça divino, segundo a lei
de causa e efeito.de causa e efeito.
Fortalecimento da
crença em Deus.
Consequências da
RematerializaçãoNo campo Social:
Explicação das desigualdadesExplicação das desigualdades
sociais;sociais;
Destruição dos preconceitos
de cor ou de raça;
Desenvolvimento do espíritoDesenvolvimento do espírito
de fraternidade humana.de fraternidade humana.
(Amai-vos uns aos outros)
Roteiro 1.1   lógica da rematerialização - anexo

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Segunda parte i vida - experiência
Segunda parte   i vida - experiênciaSegunda parte   i vida - experiência
Segunda parte i vida - experiência
Fatoze
 
Lei de Reprodução
Lei de ReproduçãoLei de Reprodução
Lei de Reprodução
Angelo Baptista
 
Segundo Módulo - Aula 07 - Lei de sociedade
Segundo Módulo - Aula 07 - Lei de sociedadeSegundo Módulo - Aula 07 - Lei de sociedade
Segundo Módulo - Aula 07 - Lei de sociedade
CeiClarencio
 
Nossos filhos são espíritos maio 2013
Nossos filhos são espíritos maio 2013Nossos filhos são espíritos maio 2013
Nossos filhos são espíritos maio 2013
grupodepaisceb
 
Contra o aborto - Em Favor da Vida
Contra o aborto - Em Favor da VidaContra o aborto - Em Favor da Vida
Contra o aborto - Em Favor da Vida
Carlos Silva
 
Lei de Reprodução
Lei de ReproduçãoLei de Reprodução
Lei de Reprodução
Ceile Bernardo
 
Lei de Reprodução
Lei de ReproduçãoLei de Reprodução
Lei de Reprodução
AlvoradaDaPaz
 
Necessidade da vida social
Necessidade da vida socialNecessidade da vida social
Necessidade da vida social
Izabel Cristina Fonseca
 
Modulo xv rot. 1
Modulo xv rot. 1Modulo xv rot. 1
Modulo xv rot. 1
Sophia Alves de Souza
 
Dinâmica Aula M1 Aborto
Dinâmica Aula M1 Aborto Dinâmica Aula M1 Aborto
Dinâmica Aula M1 Aborto
Mocidade Espírita União Fraternal
 
Livre-arbítrio e Determinismo
Livre-arbítrio e DeterminismoLivre-arbítrio e Determinismo
Livre-arbítrio e Determinismo
Associação Espirita Lagos
 
A Logica Da Reencarnacao Sel Dez09
A Logica Da Reencarnacao Sel Dez09A Logica Da Reencarnacao Sel Dez09
A Logica Da Reencarnacao Sel Dez09
guesta0815a
 
A lógica da reencarnação
A lógica da reencarnaçãoA lógica da reencarnação
A lógica da reencarnação
Marcos Arouca
 
Lógica da reencarnação
Lógica da reencarnaçãoLógica da reencarnação
Lógica da reencarnação
Bruno Dinardi
 
Logica da reencarnacao
Logica da reencarnacaoLogica da reencarnacao
Logica da reencarnacao
Orlei Almeida
 
A LÓGICA DA REENCARNAÇÃO
A LÓGICA DA REENCARNAÇÃOA LÓGICA DA REENCARNAÇÃO
A LÓGICA DA REENCARNAÇÃO
paulasa pin
 
Logica da reencarnacao (1)
Logica da reencarnacao (1)Logica da reencarnacao (1)
Logica da reencarnacao (1)
Ana Cláudia Prado Silva
 
Sexualidade e adolescência
Sexualidade e adolescênciaSexualidade e adolescência
Sexualidade e adolescência
Dalila Melo
 
EQUILÍBRIO SEXUAL
EQUILÍBRIO SEXUALEQUILÍBRIO SEXUAL
EQUILÍBRIO SEXUAL
Tharas On Line
 

Mais procurados (19)

Segunda parte i vida - experiência
Segunda parte   i vida - experiênciaSegunda parte   i vida - experiência
Segunda parte i vida - experiência
 
Lei de Reprodução
Lei de ReproduçãoLei de Reprodução
Lei de Reprodução
 
Segundo Módulo - Aula 07 - Lei de sociedade
Segundo Módulo - Aula 07 - Lei de sociedadeSegundo Módulo - Aula 07 - Lei de sociedade
Segundo Módulo - Aula 07 - Lei de sociedade
 
Nossos filhos são espíritos maio 2013
Nossos filhos são espíritos maio 2013Nossos filhos são espíritos maio 2013
Nossos filhos são espíritos maio 2013
 
Contra o aborto - Em Favor da Vida
Contra o aborto - Em Favor da VidaContra o aborto - Em Favor da Vida
Contra o aborto - Em Favor da Vida
 
Lei de Reprodução
Lei de ReproduçãoLei de Reprodução
Lei de Reprodução
 
Lei de Reprodução
Lei de ReproduçãoLei de Reprodução
Lei de Reprodução
 
Necessidade da vida social
Necessidade da vida socialNecessidade da vida social
Necessidade da vida social
 
Modulo xv rot. 1
Modulo xv rot. 1Modulo xv rot. 1
Modulo xv rot. 1
 
Dinâmica Aula M1 Aborto
Dinâmica Aula M1 Aborto Dinâmica Aula M1 Aborto
Dinâmica Aula M1 Aborto
 
Livre-arbítrio e Determinismo
Livre-arbítrio e DeterminismoLivre-arbítrio e Determinismo
Livre-arbítrio e Determinismo
 
A Logica Da Reencarnacao Sel Dez09
A Logica Da Reencarnacao Sel Dez09A Logica Da Reencarnacao Sel Dez09
A Logica Da Reencarnacao Sel Dez09
 
A lógica da reencarnação
A lógica da reencarnaçãoA lógica da reencarnação
A lógica da reencarnação
 
Lógica da reencarnação
Lógica da reencarnaçãoLógica da reencarnação
Lógica da reencarnação
 
Logica da reencarnacao
Logica da reencarnacaoLogica da reencarnacao
Logica da reencarnacao
 
A LÓGICA DA REENCARNAÇÃO
A LÓGICA DA REENCARNAÇÃOA LÓGICA DA REENCARNAÇÃO
A LÓGICA DA REENCARNAÇÃO
 
Logica da reencarnacao (1)
Logica da reencarnacao (1)Logica da reencarnacao (1)
Logica da reencarnacao (1)
 
Sexualidade e adolescência
Sexualidade e adolescênciaSexualidade e adolescência
Sexualidade e adolescência
 
EQUILÍBRIO SEXUAL
EQUILÍBRIO SEXUALEQUILÍBRIO SEXUAL
EQUILÍBRIO SEXUAL
 

Semelhante a Roteiro 1.1 lógica da rematerialização - anexo

Por que se vive
Por que se vivePor que se vive
Por que se vive
jmeirelles
 
Logica da reencarnacao (1)
Logica da reencarnacao (1)Logica da reencarnacao (1)
Logica da reencarnacao (1)
Ana Cláudia Prado Silva
 
A Lógica da Reencarnação
A Lógica da ReencarnaçãoA Lógica da Reencarnação
A Lógica da Reencarnação
hamletcrs
 
0 alogicadareencarnacao fj
0  alogicadareencarnacao fj0  alogicadareencarnacao fj
0 alogicadareencarnacao fj
luzberto
 
28388004-“a-Maior-de-Todas-as-IgnorAncias-E.ppt
28388004-“a-Maior-de-Todas-as-IgnorAncias-E.ppt28388004-“a-Maior-de-Todas-as-IgnorAncias-E.ppt
28388004-“a-Maior-de-Todas-as-IgnorAncias-E.ppt
Mecha Vega
 
Por que se vive3
Por que se vive3Por que se vive3
Por que se vive3
jmeirelles
 
Por Que Se Vive3
Por Que Se Vive3Por Que Se Vive3
Por Que Se Vive3
jmeirelles
 
Por Que Se Vive
Por Que Se VivePor Que Se Vive
Por Que Se Vive
jmeirelles
 
Por Que Se Vive
Por Que Se VivePor Que Se Vive
Por Que Se Vive
jmeirelles
 
Por Que Se Vive
Por Que Se VivePor Que Se Vive
Por Que Se Vive
jmeirelles
 
Por Que Se Vive
Por Que Se VivePor Que Se Vive
Por Que Se Vive
jmeirelles
 
Manual de-bioetica-para-jovens-jmj-2013
Manual de-bioetica-para-jovens-jmj-2013Manual de-bioetica-para-jovens-jmj-2013
Manual de-bioetica-para-jovens-jmj-2013
Robertha Furlan
 
A volta do espírito à vida corporal
A volta do espírito à vida corporalA volta do espírito à vida corporal
A volta do espírito à vida corporal
Helio Cruz
 
Verdade Sobre Hermafroditismo.pdf
Verdade Sobre  Hermafroditismo.pdfVerdade Sobre  Hermafroditismo.pdf
Verdade Sobre Hermafroditismo.pdf
Pastor Robson Colaço
 
Cartilha Sexo, sexualidade e gênero: conhecer para respeitar
Cartilha Sexo, sexualidade e gênero: conhecer para respeitarCartilha Sexo, sexualidade e gênero: conhecer para respeitar
Cartilha Sexo, sexualidade e gênero: conhecer para respeitar
Ana Filadelfi
 
Altruismo Ferramenta de Progresso do Ser
Altruismo Ferramenta de Progresso do SerAltruismo Ferramenta de Progresso do Ser
Altruismo Ferramenta de Progresso do Ser
Alexandre Rudalov
 
A Felicidade, As Leis Divinas e A Reforma Íntima.ppt
A Felicidade, As Leis Divinas e A Reforma Íntima.pptA Felicidade, As Leis Divinas e A Reforma Íntima.ppt
A Felicidade, As Leis Divinas e A Reforma Íntima.ppt
EdsonAguiar30
 
Aula planejamento Reencarnatório
Aula planejamento ReencarnatórioAula planejamento Reencarnatório
Aula planejamento Reencarnatório
Mocidade Bezzerra de Menezes
 
o-livro-dos-espc3adritos-para-infc3a2ncia-e-juventude-vol-ii-allan-kardec.pdf
o-livro-dos-espc3adritos-para-infc3a2ncia-e-juventude-vol-ii-allan-kardec.pdfo-livro-dos-espc3adritos-para-infc3a2ncia-e-juventude-vol-ii-allan-kardec.pdf
o-livro-dos-espc3adritos-para-infc3a2ncia-e-juventude-vol-ii-allan-kardec.pdf
RodrigoSouza872829
 
Keys-to-Bioethics-PT-1.10_SITOWEB.pdf
Keys-to-Bioethics-PT-1.10_SITOWEB.pdfKeys-to-Bioethics-PT-1.10_SITOWEB.pdf
Keys-to-Bioethics-PT-1.10_SITOWEB.pdf
Roger621106
 

Semelhante a Roteiro 1.1 lógica da rematerialização - anexo (20)

Por que se vive
Por que se vivePor que se vive
Por que se vive
 
Logica da reencarnacao (1)
Logica da reencarnacao (1)Logica da reencarnacao (1)
Logica da reencarnacao (1)
 
A Lógica da Reencarnação
A Lógica da ReencarnaçãoA Lógica da Reencarnação
A Lógica da Reencarnação
 
0 alogicadareencarnacao fj
0  alogicadareencarnacao fj0  alogicadareencarnacao fj
0 alogicadareencarnacao fj
 
28388004-“a-Maior-de-Todas-as-IgnorAncias-E.ppt
28388004-“a-Maior-de-Todas-as-IgnorAncias-E.ppt28388004-“a-Maior-de-Todas-as-IgnorAncias-E.ppt
28388004-“a-Maior-de-Todas-as-IgnorAncias-E.ppt
 
Por que se vive3
Por que se vive3Por que se vive3
Por que se vive3
 
Por Que Se Vive3
Por Que Se Vive3Por Que Se Vive3
Por Que Se Vive3
 
Por Que Se Vive
Por Que Se VivePor Que Se Vive
Por Que Se Vive
 
Por Que Se Vive
Por Que Se VivePor Que Se Vive
Por Que Se Vive
 
Por Que Se Vive
Por Que Se VivePor Que Se Vive
Por Que Se Vive
 
Por Que Se Vive
Por Que Se VivePor Que Se Vive
Por Que Se Vive
 
Manual de-bioetica-para-jovens-jmj-2013
Manual de-bioetica-para-jovens-jmj-2013Manual de-bioetica-para-jovens-jmj-2013
Manual de-bioetica-para-jovens-jmj-2013
 
A volta do espírito à vida corporal
A volta do espírito à vida corporalA volta do espírito à vida corporal
A volta do espírito à vida corporal
 
Verdade Sobre Hermafroditismo.pdf
Verdade Sobre  Hermafroditismo.pdfVerdade Sobre  Hermafroditismo.pdf
Verdade Sobre Hermafroditismo.pdf
 
Cartilha Sexo, sexualidade e gênero: conhecer para respeitar
Cartilha Sexo, sexualidade e gênero: conhecer para respeitarCartilha Sexo, sexualidade e gênero: conhecer para respeitar
Cartilha Sexo, sexualidade e gênero: conhecer para respeitar
 
Altruismo Ferramenta de Progresso do Ser
Altruismo Ferramenta de Progresso do SerAltruismo Ferramenta de Progresso do Ser
Altruismo Ferramenta de Progresso do Ser
 
A Felicidade, As Leis Divinas e A Reforma Íntima.ppt
A Felicidade, As Leis Divinas e A Reforma Íntima.pptA Felicidade, As Leis Divinas e A Reforma Íntima.ppt
A Felicidade, As Leis Divinas e A Reforma Íntima.ppt
 
Aula planejamento Reencarnatório
Aula planejamento ReencarnatórioAula planejamento Reencarnatório
Aula planejamento Reencarnatório
 
o-livro-dos-espc3adritos-para-infc3a2ncia-e-juventude-vol-ii-allan-kardec.pdf
o-livro-dos-espc3adritos-para-infc3a2ncia-e-juventude-vol-ii-allan-kardec.pdfo-livro-dos-espc3adritos-para-infc3a2ncia-e-juventude-vol-ii-allan-kardec.pdf
o-livro-dos-espc3adritos-para-infc3a2ncia-e-juventude-vol-ii-allan-kardec.pdf
 
Keys-to-Bioethics-PT-1.10_SITOWEB.pdf
Keys-to-Bioethics-PT-1.10_SITOWEB.pdfKeys-to-Bioethics-PT-1.10_SITOWEB.pdf
Keys-to-Bioethics-PT-1.10_SITOWEB.pdf
 

Mais de Bruno Cechinel Filho

Roteiro 3 evangelho no lar
Roteiro 3   evangelho no larRoteiro 3   evangelho no lar
Roteiro 3 evangelho no lar
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 2 a prece = importância, eficácia e ação
Roteiro 2   a prece = importância, eficácia e açãoRoteiro 2   a prece = importância, eficácia e ação
Roteiro 2 a prece = importância, eficácia e ação
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 1 adoração = significado e objetivo
Roteiro 1   adoração = significado e objetivoRoteiro 1   adoração = significado e objetivo
Roteiro 1 adoração = significado e objetivo
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 2 o bem e o mal
Roteiro 2   o bem e o malRoteiro 2   o bem e o mal
Roteiro 2 o bem e o mal
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 1.1 anexo - a luta contra o mal
Roteiro 1.1   anexo - a luta contra o malRoteiro 1.1   anexo - a luta contra o mal
Roteiro 1.1 anexo - a luta contra o mal
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 1 lei natural - definições e caracteres
Roteiro 1   lei natural - definições e caracteresRoteiro 1   lei natural - definições e caracteres
Roteiro 1 lei natural - definições e caracteres
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 7 a terra - mundo de expiação e provas
Roteiro 7   a terra - mundo de expiação e provasRoteiro 7   a terra - mundo de expiação e provas
Roteiro 7 a terra - mundo de expiação e provas
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 6 materialização nos diferentes mundos
Roteiro 6   materialização nos diferentes mundosRoteiro 6   materialização nos diferentes mundos
Roteiro 6 materialização nos diferentes mundos
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 5 diferentes categorias de mundos habitados
Roteiro 5   diferentes categorias de mundos habitadosRoteiro 5   diferentes categorias de mundos habitados
Roteiro 5 diferentes categorias de mundos habitados
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 4 os reinos da natureza
Roteiro 4   os reinos da naturezaRoteiro 4   os reinos da natureza
Roteiro 4 os reinos da natureza
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 3 formação dos mundos e dos seres vivos
Roteiro 3   formação dos mundos e dos seres vivosRoteiro 3   formação dos mundos e dos seres vivos
Roteiro 3 formação dos mundos e dos seres vivos
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 2 elementos gerais do universo - matéria e espírito
Roteiro 2   elementos gerais do universo - matéria e espíritoRoteiro 2   elementos gerais do universo - matéria e espírito
Roteiro 2 elementos gerais do universo - matéria e espírito
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 1 o fluído cósmico universal
Roteiro 1   o fluído cósmico universalRoteiro 1   o fluído cósmico universal
Roteiro 1 o fluído cósmico universal
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 6 o esquecimento do passado - justificativa da sua necessidade
Roteiro 6    o esquecimento do passado - justificativa da sua necessidadeRoteiro 6    o esquecimento do passado - justificativa da sua necessidade
Roteiro 6 o esquecimento do passado - justificativa da sua necessidade
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 5 retorno à vida corporal - infância
Roteiro 5    retorno à vida corporal - infânciaRoteiro 5    retorno à vida corporal - infância
Roteiro 5 retorno à vida corporal - infância
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 4.1 segismundo - planejamento rematerializatório
Roteiro 4.1   segismundo - planejamento  rematerializatórioRoteiro 4.1   segismundo - planejamento  rematerializatório
Roteiro 4.1 segismundo - planejamento rematerializatório
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 4 retorno à vida corporal - união da alama ao corpo
Roteiro 4    retorno à vida corporal - união da alama ao corpoRoteiro 4    retorno à vida corporal - união da alama ao corpo
Roteiro 4 retorno à vida corporal - união da alama ao corpo
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 3.1 estudo de caso simplificado - a história de stella
Roteiro 3.1   estudo de caso simplificado - a história de stellaRoteiro 3.1   estudo de caso simplificado - a história de stella
Roteiro 3.1 estudo de caso simplificado - a história de stella
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 3 retorno à vida corporal - planejamento rematerializatório
Roteiro 3   retorno à vida corporal - planejamento rematerializatórioRoteiro 3   retorno à vida corporal - planejamento rematerializatório
Roteiro 3 retorno à vida corporal - planejamento rematerializatório
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 2 provas da rematerialização
Roteiro 2   provas da rematerializaçãoRoteiro 2   provas da rematerialização
Roteiro 2 provas da rematerialização
Bruno Cechinel Filho
 

Mais de Bruno Cechinel Filho (20)

Roteiro 3 evangelho no lar
Roteiro 3   evangelho no larRoteiro 3   evangelho no lar
Roteiro 3 evangelho no lar
 
Roteiro 2 a prece = importância, eficácia e ação
Roteiro 2   a prece = importância, eficácia e açãoRoteiro 2   a prece = importância, eficácia e ação
Roteiro 2 a prece = importância, eficácia e ação
 
Roteiro 1 adoração = significado e objetivo
Roteiro 1   adoração = significado e objetivoRoteiro 1   adoração = significado e objetivo
Roteiro 1 adoração = significado e objetivo
 
Roteiro 2 o bem e o mal
Roteiro 2   o bem e o malRoteiro 2   o bem e o mal
Roteiro 2 o bem e o mal
 
Roteiro 1.1 anexo - a luta contra o mal
Roteiro 1.1   anexo - a luta contra o malRoteiro 1.1   anexo - a luta contra o mal
Roteiro 1.1 anexo - a luta contra o mal
 
Roteiro 1 lei natural - definições e caracteres
Roteiro 1   lei natural - definições e caracteresRoteiro 1   lei natural - definições e caracteres
Roteiro 1 lei natural - definições e caracteres
 
Roteiro 7 a terra - mundo de expiação e provas
Roteiro 7   a terra - mundo de expiação e provasRoteiro 7   a terra - mundo de expiação e provas
Roteiro 7 a terra - mundo de expiação e provas
 
Roteiro 6 materialização nos diferentes mundos
Roteiro 6   materialização nos diferentes mundosRoteiro 6   materialização nos diferentes mundos
Roteiro 6 materialização nos diferentes mundos
 
Roteiro 5 diferentes categorias de mundos habitados
Roteiro 5   diferentes categorias de mundos habitadosRoteiro 5   diferentes categorias de mundos habitados
Roteiro 5 diferentes categorias de mundos habitados
 
Roteiro 4 os reinos da natureza
Roteiro 4   os reinos da naturezaRoteiro 4   os reinos da natureza
Roteiro 4 os reinos da natureza
 
Roteiro 3 formação dos mundos e dos seres vivos
Roteiro 3   formação dos mundos e dos seres vivosRoteiro 3   formação dos mundos e dos seres vivos
Roteiro 3 formação dos mundos e dos seres vivos
 
Roteiro 2 elementos gerais do universo - matéria e espírito
Roteiro 2   elementos gerais do universo - matéria e espíritoRoteiro 2   elementos gerais do universo - matéria e espírito
Roteiro 2 elementos gerais do universo - matéria e espírito
 
Roteiro 1 o fluído cósmico universal
Roteiro 1   o fluído cósmico universalRoteiro 1   o fluído cósmico universal
Roteiro 1 o fluído cósmico universal
 
Roteiro 6 o esquecimento do passado - justificativa da sua necessidade
Roteiro 6    o esquecimento do passado - justificativa da sua necessidadeRoteiro 6    o esquecimento do passado - justificativa da sua necessidade
Roteiro 6 o esquecimento do passado - justificativa da sua necessidade
 
Roteiro 5 retorno à vida corporal - infância
Roteiro 5    retorno à vida corporal - infânciaRoteiro 5    retorno à vida corporal - infância
Roteiro 5 retorno à vida corporal - infância
 
Roteiro 4.1 segismundo - planejamento rematerializatório
Roteiro 4.1   segismundo - planejamento  rematerializatórioRoteiro 4.1   segismundo - planejamento  rematerializatório
Roteiro 4.1 segismundo - planejamento rematerializatório
 
Roteiro 4 retorno à vida corporal - união da alama ao corpo
Roteiro 4    retorno à vida corporal - união da alama ao corpoRoteiro 4    retorno à vida corporal - união da alama ao corpo
Roteiro 4 retorno à vida corporal - união da alama ao corpo
 
Roteiro 3.1 estudo de caso simplificado - a história de stella
Roteiro 3.1   estudo de caso simplificado - a história de stellaRoteiro 3.1   estudo de caso simplificado - a história de stella
Roteiro 3.1 estudo de caso simplificado - a história de stella
 
Roteiro 3 retorno à vida corporal - planejamento rematerializatório
Roteiro 3   retorno à vida corporal - planejamento rematerializatórioRoteiro 3   retorno à vida corporal - planejamento rematerializatório
Roteiro 3 retorno à vida corporal - planejamento rematerializatório
 
Roteiro 2 provas da rematerialização
Roteiro 2   provas da rematerializaçãoRoteiro 2   provas da rematerialização
Roteiro 2 provas da rematerialização
 

Último

A VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livro
A VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livroA VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livro
A VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livro
GABRIELADIASDUTRA1
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Nilson Almeida
 
ORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.doc
ORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.docORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.doc
ORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.doc
Oziete SS
 
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptxLição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
JaquelineSantosBasto
 
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptxLição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Celso Napoleon
 
Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
Elton Zanoni
 
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdfde volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
marcobueno2024
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Nilson Almeida
 
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
REFORMADOR PROTESTANTE
 
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptxLição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Celso Napoleon
 

Último (10)

A VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livro
A VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livroA VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livro
A VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livro
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
 
ORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.doc
ORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.docORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.doc
ORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.doc
 
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptxLição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
 
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptxLição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
 
Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
 
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdfde volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
 
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
 
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptxLição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
 

Roteiro 1.1 lógica da rematerialização - anexo

  • 1. CENTRO DE TRABALHOS ESPÍRITA ANA LUZ A N E X O ROTEIRO 1 Lógica da Rematerialização.
  • 3.
  • 5.
  • 6.
  • 7. ARISTÓTELES,ARISTÓTELES, FILÓSOFO GREGOFILÓSOFO GREGO (384-322 a.C.), FOI O FUNDADOR DA(384-322 a.C.), FOI O FUNDADOR DA LÓGICA.LÓGICA.
  • 8. É muito comum todos os dias ouvirmos alguém falar que alguma coisa é “Lógica” ou “Ilógica”. A lógica é a única ferramenta que podeA lógica é a única ferramenta que pode nos orientar em direção à Verdade, ou onos orientar em direção à Verdade, ou o mais próximo possível dela.mais próximo possível dela. Sem a lógica, ficamos Reféns dos “donos da verdade”, dos dogmas absolutos que não podem jamais ser questionados
  • 9. Sim, todos aqueles que acreditam na existência de um ser Criador de todas as coisas, admitem que Ele é perfeito e possui todas as virtudes. Seria ilógico imaginar Deus sujeito às nossas imperfeições. Portanto, se Deus é perfeito, é, acima de tudo, justo.
  • 10. Obs.: Justiça é: “A virtude de dar a cada um aquilo que é seu”. Seria justo impor um sofrimento a alguém sem que este tenha merecido tal sofrimento? Não! – Tal ação vai de encontro ao próprio conceito de justiça. Não é justo impor um sofrimento a um inocente.
  • 11. Se existisse apenas uma vida, então Deus estaria impondo a alguns, desde o nascimento, sofrimentos terríveis, sem que os mesmos tenham merecido. Deus estaria, assim, sendo injusto. Porquanto... Deus, deixaria de ser: Onipotente: (que tem poder absoluto); Onisciente: (que tudo sabe, tudo conhece); Onipresente: (que está em toda parte); Imaterial: (que não se pode tocar); Imutável... (que não sofre mudança). Deus não pode ser justo e cometer injustiças ao mesmo tempo!
  • 12. Por que algumas pessoas já nascem defeituosas ou doentes e outras não? Seria justo que Deus fizesse pessoas sofrerem, desde o nascimento, por algo que elas não fizeram, ou pelo que outras pessoas fizeram? VEJAMOS...
  • 13. Na foto ao lado, vemos duas crianças. Por que uma delas é perfeita e a outra, paralítica de nascença? Por que já nasce com esse sofrimento e a outra não? Qual a explicação para as pessoas que nascem defeituosas, paralíticas, doentes, ou cegas, enquanto outras nascem perfeitas e saudáveis?
  • 14. Se houvesse apenas uma vida, e tivéssemos como objetivo atingir a chamada “salvação”. Por que então alguns nascem com mais condição para atingir esse objetivo do que outros? Uns nascem em famílias estruturadas, que lhes dá educação e bons exemplos de moral e os encaminham para o bem.
  • 15. Outros nascem em famílias desestruturadas, no meio à extrema miséria, sem nenhum tipo de referencial moral, às vezes vítimas já cedo de violência e de todos os tipos de mazelas.
  • 16. E, além disso, mesmo enfrentando todas essas adversidades, tais pessoas ainda teriam que ser julgadas, após a morte, e poderiam até mesmo ser condenados à “pena eterna” pelos erros que cometeram em apenas uma vida?
  • 17. Quanta desventura, e quanta injustiça! Além de serem injustiçados pela sociedade, seriam injustiçados pelo próprio Deus!
  • 18. Como explicar o caso de pessoas que, mesmo tendo sido boas durante a vida, são surpreendidas com doenças terríveis, ou ainda vítimas de terríveis acidentes.
  • 19. Enquanto outras passam por toda a vida sem conhecer tal infortúnio? Poderíamos alegar azar de uns e sorte de outros?
  • 20. Se nós fossemosSe nós fossemos criados por Deus nocriados por Deus no momento do nascimento, emomento do nascimento, e não existissem vidasnão existissem vidas anteriores, qual seria oanteriores, qual seria o critério que o Criador usariacritério que o Criador usaria para escolher quem seriapara escolher quem seria saudável, perfeito e quemsaudável, perfeito e quem seria deficiente, cego, etc.?seria deficiente, cego, etc.? A única explicaçãoA única explicação então seria sorte ou azar?então seria sorte ou azar? Não haveria uma explicação mais coerente?
  • 21. Imaginemos um pai que tenha dois filhos.Imaginemos um pai que tenha dois filhos. A um deles dá carinho, roupas, educação,A um deles dá carinho, roupas, educação, alimentação, etc.alimentação, etc. Ao outro não dá carinho, educação.Ao outro não dá carinho, educação. Ao contrário, o trata de forma agressiva,Ao contrário, o trata de forma agressiva, importando-lhe todo tipo de sofrimento, desde aimportando-lhe todo tipo de sofrimento, desde a infância.infância.
  • 22. Tudo isso sem nenhum motivo queTudo isso sem nenhum motivo que justificasse tal tratamento.justificasse tal tratamento. Seria justo?Seria justo? É claro que não!É claro que não! Ora, se não é justo que um pai procedaOra, se não é justo que um pai proceda desta maneira, será que Deus, sendo justo edesta maneira, será que Deus, sendo justo e sábio, poderia agir assim?sábio, poderia agir assim? Evidentemente que NÃO!Evidentemente que NÃO!
  • 23. Outros dizem que sofremos devido ao que nosso pais ou antepassados fizeram, ou até mesmo pelo “pecado original” cometido por Adão!!! Novamente pergunto: Teria sentido alguém pagar pelo que outra pessoa fez?
  • 24. Imagine uma pessoa sendo presa porque seu pai cometeu um crime e a polícia não conseguiu prendê-lo. Então o filho, que seria inocente, teria que pagar pelo crime do pai. Seria Deus assim tão injusto. Mais uma vez a resposta é: Não!
  • 25. A Doutrina da Rematerialização é a única que oferece uma explicação LÓGICA e um CONCEITO mais JUSTO
  • 26. Deus jamais impõem sofrimentos a quem quer que seja, e ninguém sofre sem merecer. Deus retribuirá a cada um segundo suas obras - (Rom. 2:6)
  • 27. Deus determinouDeus determinou aos Espíritos aaos Espíritos a necessidade danecessidade da materialização paramaterialização para alcançar a perfeiçãoalcançar a perfeição e de colaborarem nae de colaborarem na criação.criação. (LE. Questão: 132)(LE. Questão: 132)
  • 28. Deus CRIOUDeus CRIOU LEIS SÁBIASLEIS SÁBIAS ee JUSTASJUSTAS que regem a harmonia de todo o Universo.que regem a harmonia de todo o Universo. Jamais criaria almas desiguais.Jamais criaria almas desiguais. A desigualdade que notamos é parte daA desigualdade que notamos é parte da nossa visão virada somente para o aqui enossa visão virada somente para o aqui e agora.agora. Dentre tais leis, podemos destacar trêsDentre tais leis, podemos destacar três delas.delas. LEI DA EVOLUÇÃOLEI DA EVOLUÇÃO LEI DO LIVRE-ARBÍTRIOLEI DO LIVRE-ARBÍTRIO LEI DE CAUSA E EFEITOLEI DE CAUSA E EFEITO
  • 29. 1. LEI DA EVOLUÇÃO Tudo no Universo caminha para a evolução. Seja no Mundo MINERAL, VEGETAL, ANIMAL ou ESPIRITUAL. “As rematerializações, são os degraus pelos quais o ser se eleva e progride (Léon Denis).
  • 30. A razão maior de estarmos aqui nesteA razão maior de estarmos aqui neste Planeta éPlaneta é Trabalharmos em prol da evolução deTrabalharmos em prol da evolução de nosso espírito.nosso espírito. Assim, se explica as diferenças que existeAssim, se explica as diferenças que existe entre o presente estado social e o dos tempos deentre o presente estado social e o dos tempos de barbárie.barbárie. As desigualdades dasAs desigualdades das aptidões e do desenvolvimentoaptidões e do desenvolvimento intelectual e moral queintelectual e moral que verificamos em certos Espíritos,verificamos em certos Espíritos, só podem ser entendidas nasó podem ser entendidas na medida que aceitarmos amedida que aceitarmos a “Pluralidade das Existências”“Pluralidade das Existências” ouou “Vidas Sucessivas”.“Vidas Sucessivas”.
  • 31. Se as almas fossem criadas ao mesmo tempo que os corpos, as que nascem hoje seriam tão novas, tão primitivas, quanto as que viviam há milênios. “Não haveria conexão entre elas”.
  • 32. Admitir que Deus qualifique ou desqualifique determinadas “almas” seria admitir a sua falta de justiça, seria desacreditar na: “Lei do Progresso/Evolução”. Teríamos que admitir que as “Almas” de hoje são melhor dotadas por Deus, do que as que precederam. Cadê o Aprendizado?
  • 33. 2. LEI DO LIVRE-ARBÍTRIO Só tem validade se admitirmos “A Pluralidade das Existências”. Não haveria evolução – seríamos simples joguetes à mercê da sorte. ESCOLHA DO CAMINHOESCOLHA DO CAMINHO Porém, cada qual tem o direito de fazer suas escolhas. Nem Deus interfere neste direito.
  • 34. LEI DE CAUSA E EFEITO Afirma Jesus: “Quem semeia ventos, colhe tempestades”. Na ação de retorno, o mal ou o bem voltam sempre, muitas vezes, com cargas revigoradas.
  • 35. LEI DE CAUSA E EFEITO Tenha cuidado com seus pensamentos. Eles podem explodir em palavras a qualquer momento. Ao fazermos nossas escolhas, recebemos os resultados, positivos ou negativos, das mesmas.
  • 36. Deus não precisa ficar, a cada erro nosso, nos punindo, ou a cada acerto, nos premiando. Aliás, Deus nunca pune ninguém. Nos mesmos nos punimos, através de ações erradas.
  • 37. A Terra é como uma Grande Escola, na qual os alunos podem escolher . Estudar e passar de ano, ou então Não estudar e repetir de ano. Cada vida nossa é como um ano letivo Até que um dia O ALUNO atinja um tal nível evolutivo em que poderá deixar a escola, indo para escolas mais evoluídas.
  • 38. Então assim se explica, de forma bastante coerente, a situação de pessoas que já iniciam a vida sob condições difíceis
  • 39. Na verdade, elas estão colhendo os frutos de ações erradas cometidas em outras vidas.
  • 40. Porém, DEUS, em sua infinita misericórdia, ao invés de condená-los ao fogo eterno do inferno, lhes dá sempre uma nova chance.
  • 41. Vivenciamos agora o resultado de tudo aquilo que fomos em vidas passadas. Aliás, nossa vida atual é a chance que temos para pagarmos qualquer mal que tenhamos feito e reparar os mesmos.
  • 42. Somente Espíritos muito evoluídos, mergulham na carne em missão. Utilizando o seu livre- arbítrio, vêm até este plano, e, aqui podem vir a sofrer, porém por sua própria escolha. Para que através de seus exemplos, possam trazer luz a humanidade, a que tanto amam.
  • 43. Nós, ainda imperfeitos estamos sujeitos à expiação: colhemos hoje o que plantamos ontem ou, em outras vidas. E colheremos amanhã o que estivermos plantando hoje.
  • 44. Até queAté que venhamos a atingir um grau devenhamos a atingir um grau de perfeição e pureza espiritualperfeição e pureza espiritual em que nãoem que não precisaremos mais mergulhar na carne.precisaremos mais mergulhar na carne.
  • 45. E CONTINUAREMOS NOSSA EVOLUÇÃO EM PLANOS ESPIRITUAIS MAIS ELEVADOS
  • 47. Item 8 - A materialização é necessária ao duplo progresso “moral” e “intelectual” do Espírito: Intelectual: pela atividade obrigatória do trabalho; Moral: pela necessidade recíproca dos homens entre si. A vida social é a pedra de toque das boas e das más qualidades. A guerra dos opostos é necessária para a constituição do homem de bem. “O bem e o mal”; “a saúde e doenças” “a relação com os seus semelhantes”. Para o insulado (isolado, solitário) não haveria nem vícios nem virtudes.
  • 48. Item 7 - O progresso dos Espíritos está ligado ao livre-arbítrio. Acelerar ou retardar o seu progresso/evolução vai depender unicamente da sua vontade. Por conseguinte, a sua própria felicidade. O progresso intelectual e o moral raramente mancham juntos; Porém, o que não consegue em dado tempo, alcança em outro; Daí, muitas vezes se veem homens inteligentes e instruídos pouco adiantados moralmente, e vice-versa.
  • 49. “A obrigação que tem o Espírito encarnado de prover o alimento do corpo, à sua segurança, ao seu bem-estar, força-o naturalmente a empregar suas faculdades (capacidade, aptidão) em investigações, a exercitá-las e desenvolvê- las”. “Desse modo, sua união com a matéria é útil ao seu adiantamento”. Pelo “[...] trabalho inteligente que ele [o Espírito] executa em seu proveito, sobre a matéria do globo que lhe serve de habitação. É assim que, progredindo, colabora na obra do Criador, da qual se torna fator inconsciente.”
  • 50.
  • 51. A rematerialização é um dos princípios filosóficos e básicos da Doutrina Espírita: Esclarece os porquês da existência humana; Revela a natureza do destino humano; Explica a razão das desigualdades sociais; Demonstra como a justiça divina atua; PluralidadePluralidade das Existências/Vidasdas Existências/Vidas SucessivasSucessivas““(...) aquele que não nascer de novo(...) aquele que não nascer de novo não pode ver o Reino de Deus.” (João,não pode ver o Reino de Deus.” (João, 3:3.)3:3.)
  • 52. Nasceu com a rara síndrome Tetra-amelia. Viveu uma vida de dificuldades e provações ao longo de sua infância. No entanto, ele conseguiu superar essas dificuldades e aos 17 anos fundou sua própria ONG, cuja missão é: “Atravessar fronteiras e quebrar barreiras, construir pontes que trazem as pessoas para o amor e a esperança em Jesus Cristo”. Nick Vujicic Australiano “Life Without Limbs” (Vida sem Membros)
  • 53. Por que uns nascem na indigência* e outros na opulência? Por que há pessoas que nascem cegas, surdas, mudas ou atacadas de enfermidades incuráveis, enquanto que outras têm todas as vantagens físicas? É isso efeito do acaso ou da Providência? Solução de Alguns Problemas pela Doutrina Espírita - O Homem Durante a Vida Terrestre Capítulo: 3 Item: 134 *Situação de pobreza extrema; Penúria.
  • 54. Se é efeito do acaso, não o é da Providência; Se é efeito da Providência, pergunta-se onde está sua bondade e sua justiça? Ora, é por não compreenderem a causa desses males, que muitas pessoas são levadas a acusá-la. Compreende-se que aquele que se torna miserável ou enfermo por suas imprudências ou seus excessos, seja punido pelo que pecou; Mas se a alma é criada ao mesmo tempo que o corpo, que fez ela para merecer semelhantes aflições, desde o seu nascimento, ou para delas estar isenta?
  • 55. Se admitimos a justiça de Deus, não podemos deixar de admitir que esse efeito tem uma causa; E se esta causa não se encontra na vida presente, deve achar-se antes desta, porque em todas as coisas a causa deve preceder ao efeito; Há, pois, necessidade de a alma já ter vivido, para que possa merecer uma expiação. Uma vida penosa não é sempre uma expiação; Frequentemente, é uma prova escolhida pelo Espírito, que vê um meio de se adiantar mais rapidamente, se a suporta com coragem.
  • 56. Consequências da RematerializaçãoNo campo individual: Aperfeiçoamento moral;Aperfeiçoamento moral; Progressividade do Espírito; Compreensão daCompreensão da justiça divino, segundo a leijustiça divino, segundo a lei de causa e efeito.de causa e efeito. Fortalecimento da crença em Deus.
  • 57. Consequências da RematerializaçãoNo campo Social: Explicação das desigualdadesExplicação das desigualdades sociais;sociais; Destruição dos preconceitos de cor ou de raça; Desenvolvimento do espíritoDesenvolvimento do espírito de fraternidade humana.de fraternidade humana. (Amai-vos uns aos outros)

Notas do Editor

  1. Palingênese -do gr. Palin - nova + gênesis - geração. Doutrina grega correspondente à reencarnação, ou seja, o retorno à vida. Respondendo a Nicodemos, disse Jesus: Em verdade, em verdade, te digo que, se um homem não nascer de novo, não poderá ver o reino de Deus. 4. Disse-lhe Nicodemos: Como pode um homem nascer já estando velho? Pode tornar ao ventrede sua mãe para nascer segunda vez? 5. Respondeu Jesus: Em verdade, em verdade te digo que, se um  homem não renascer da água e do Espírito, não poderá entrar no reino de Deus. O que é nascido da   carne é carne e o que é nascido do Espírito é Espírito. Não te admires de que eu te tenha dito: é    necessário que torneis a nascer. (Ver o parágrafo "Ressurreição da carne", questão n° 1010 de O Livro dos Espíritos.)