SlideShare uma empresa Scribd logo
CENTRO DE TRABALHOS
ESPÍRITA ANA LUZ
A PRECE: Importância, eficácia e Ação
1804-1869
SubsídiosSubsídios
e
Prec
Magnetismo
O fato de valorizarmos muito pouco a prece
está na falta de conhecimento do seu mecanismo
de ação, o que nos leva por vezes a duvidar da
sua eficácia (ciência – magnetismo).
Costumamos Orar/Prece quando:
Iniciamos e terminamos trabalhos
doutrinários;
Iniciamos os trabalhos de passe ou cura;
Deitamos e, por vezes, quando levantamos;
Dos momentos tristes ou, em agradecimentos
nos momentos de alegria;
Porém, mais oramos quando, estamos em
profunda aflição.
Magnetismo Animal:
1 Segundo o médico alemão Franz
Anton Mesmer - 1734/1815, força vital
dos seres vivos, na forma de uma
espécie de fluido magnético,
transmissível (no caso dele, por
hipnotismo) e com propriedades
curativas.
Dicionário Aulete.
Prece
Oraçã
No sentido teológico significa:
Conjunto de palavras que expressam um
PENSAMENTO completo;
Elevação da alma a Deus;
Intercessão;
Suplica;
Convicção que o Pai celeste providencia
cuidado sobre nós.
Podemos dizer que a prece é uma
projeção do pensamento.
Por quê?
Porque é a partir do pensamento que irá
se estabelecer uma corrente fluídica cuja
intensidade dependerá do teor vibratório de
quem ora;
É aí que reside o seu poder e o seu
alcance, pois é nesta relação fluídica que o
homem atraí para si a ajuda dos Espíritos
Superiores a lhe inspirar bons pensamentos.
O
Poder
Do
Pensamen
Por que pensamentos?
Porque são a origem da quase totalidade
de nossas ações. (1º pensamos depois agimos).
Podemos dizer também que a prece é uma
invocação e que por meio dela pomos o
pensamento em contato com o ente a quem nos
dirigimos.
A prece é a expressão de um sentimento
que sempre alcança a Deus, quando ditada
conjuntamente com o coração de quem ora.
Qual o veículo de transmissão dessas
vibrações (pensamento)?
Na Terra podemos dizer que é através da
vibração do ar, que são circunscritas ao Planeta
Terra, ao passo que as do fluído universal se
estendem ao infinito.
Logo o pensamento dirigido é uma corrente
fluídica que se estabelece entre o ser
materializados e desmaterializados ou vice-
versa.
A qualidade da energia fluídica vai depender
da qualidade da energia do pensamento e da
vontade.
É, por esse meio que se estabelece as
relações a distância, etc.
Pensar bem consiste em
conhecer a verdade, ou em
dirigir a mente pelo caminho
que a ela conduz.
A verdade é a realidade
das coisas.
Jaime Luciano Antonio
Balmes – 1810/1848 -
Filosofo e Teólogo Espanhol
384/322 a.C.
Pensar é uma ação
divina.
Pensar é criar
condições atrativas de
pensamentos idênticos.
O que se faz mister é
saber pensar, dominar os
elementos, amoldá-los à
vontade, sujeitando todos os
elementos somáticos do
organismo ao domínio
superior do Eu.
O Nosso pensamento cria a
vida que procuramos, através
do reflexo de nós mesmos, até
que nos identifiquemos, um dia,
no curso dos milênios, com a
Sabedoria Infinita e com o Infinito
Amor, que constituem
o pensamento e a Vida de Nosso
Pai.
(livro “Pensamento e Vida”)
EMMANUEL
A residência da alma permanece situada
no manancial de seus próprios pensamentos.
(livro “A Residência”)
Nosso espírito residirá onde projetarmos
nossos pensamentos, alicerces vivos do bem e
do mal.
Por isto mesmo, dizia Paulo, sabiamente:
"Pensai nas coisas que são de cima."
Pensar é criar.
A realidade dessa criação pode não
exteriorizar-se, de súbito, no campo dos efeitos
transitórios, mas o objeto formado pelo poder
mental vive no mundo íntimo, exigindo cuidados
especiais para o esforço de continuidade ou
extinção.
(Livro: “Pão Nosso”).
O pensamento é, sem
dúvida, força criadora de nossa
própria alma e, por isto mesmo,
é a continuação de nós
mesmos.
Através dele, atuamos no
meio em que vivemos e agimos,
estabelecendo o padrão de
nossa influência, no bem ou no
mal.
(livro “Entre a Terra e o Céu).
Os maus pensamentos corrompem
os fluídos espirituais, como os miasmas
deletérios corrompem o ar respirável.
Os fluidos que envolvem os Espíritos maus,
ou que estes projetam são, portanto, viciados, ao
passo que os que recebem a influência dos bons
Espíritos são tão puros quanto o comporta o grau
da perfeição moral destes.
(Gên. Cap. 14 - Qst. 16).
“Quando o pensamento está em alguma
parte, a alma também aí está, pois que é a alma
quem pensa.
O pensamento é um atributo.
(L.E. Qst. 89-a)
de
Prec
1. Conceito
INSTRUÇÕES DOS ESPÍRITOS
MODO DE ORAR
Espírito V. Monod
Bordeaux, 1862
22 - O primeiro dever de toda criatura
humana, o primeiro ato que deve assinalar o seu
retorno à atividade diária, é a prece.
Vós orais, quase todos, mas quão poucos
sabem realmente orar!
Que importam ao Senhor as frases que ligais
maquinalmente uma às outras, porque já vos
habituastes a repeti-las, porque é um dever que
tendes de cumprir, e que vos pesa, como todo o
dever?
A prece do cristão, do Espírita, principalmente,
de qualquer culto que seja, deve ser feita no
momento em que o Espírito retoma o jugo (sujeição
– relação de obediência) da carne, e deve elevar-se
com humildade aos pés da Majestade Divina, mas
também com profundeza, num impulso de
reconhecimento por todos os benefícios recebidos
até esse dia.
E de agradecimento, ainda, pela noite
transcorrida, durante a qual lhe foi permitido,
embora não guarde a lembrança, retornar junto aos
amigos e aos guias, para nesse contato haurir
(colher, tirar de dentro de si) novas forças e mais
perseverança.
Deve elevar-se humilde aos pés do Senhor,
pedindo pela sua fraqueza, suplicando o seu
amparo, a sua indulgência, a sua misericórdia.
E deve ser profunda, porque é a vossa alma
que deve elevar-se ao Criador, que deve
transfigurar-se, como Jesus no Tabor¹, para
chegar até Ele, branca e radiante de esperança e
de amor (5).
¹TABOR: Colina da Galileia, Israel, conhecida
como Monte da Transfiguração [é um episódio do
Novo Testamento no qual Jesus é transfigurado
(alterado) e se torna "radiante" no alto de uma
montanha].
A prece é um ato de adoração (9).
É [...] uma invocação: por ela nos pomos em
relação mental com o ser a que nos dirigimos [...].
Podemos orar por nós mesmos ou pelos
outros, pelos vivos ou pelos mortos.
As preces dirigidas a Deus são ouvidas pelos
Espíritos encarregados da execução dos seus
desígnios;
As que são dirigidas aos Bons Espíritos vão
também para Deus.
Quando oramos para outros seres, e não
para Deus, recorremos aqueles nos servem
apenas de intermediários, de intercessores, porque
nada pode ser feito sem à vontade de Deus (2).
É ainda o Espírito Manod, que nos aconselha:
Deveis orar incessantemente, sem para isso
procurardes o vosso oratório ou cairdes de joelhos
nas praças públicas.
A prece diária é o próprio cumprimento dos
vossos deveres, mas dos vossos deveres sem
exceção, de qualquer natureza que sejam.
Não é um ato de amor para com o Senhor
assistirdes os vossos irmãos numa necessidade
qualquer, moral ou física?
Não é um ato de reconhecimento a elevação do
vosso pensamento a Ele, quando uma felicidade vos
chega, quando evitais um acidente, ou mesmo quando
uma simples contrariedade vos aflora à alma, e dizeis
mentalmente:
“Seja bendito, meu Pai!”?
Não é um ato de contrição (Sentimento de
culpa ou arrependimento), quando sentis que
falistes, dizerdes humilde para o Supremo Juiz,
mesmo que seja num rápido pensamento:
Perdoai-me, Deus meu, pois que pequei (por
orgulho, por egoísmo ou por falta de caridade);
Dai-me a força de não tornar a falir, e a
coragem de reparar a minha falta?!
Isso independe das preces regulares da
manhã e da noite, e dos dias consagrados, pois,
como vedes a prece pode ser de todos os
instantes, sem interromper os vossos afazeres,
vossos trabalhos [...]. (7).
Léon Denis analisa que a [...] A prece deve
ser uma expansão íntima da alma para com Deus,
um colóquio (conversa) solitário, uma meditação
sempre útil, muitas vezes fecunda.
É, por excelência, o refúgio dos aflitos, dos
corações magoados.
Nas horas de acabrunhamento (perda de
alegria de ânimo), de pesar íntimo e de
desespero, quem não achou na prece a calma, o
reconforto e o alivio a seus males?
Um diálogo misterioso se estabelece entre a
alma sofredora e a potência evocada.
A alma expõe suas angústias, seus
desânimos; implora socorro, apoio, Indulgência.
E, então, no santuário da consciência, uma
voz secreta responde:
É a voz d’Aquele donde dimana toda a força
para as lutas deste mundo, todo o bálsamo para as
nossas feridas, toda a luz para as nossas
incertezas.
E essa voz consola, reanima, persuade; traz-
nos a coragem, a submissão, a resignação estoicas
(que não se abala diante do infortúnio, que se
mostra firme).
E, então, erguemo-nos menos tristes, menos
atormentados;
Um raio de sol divino luziu (refletiu sua luz,
seu brilho, sua claridade) em nossa alma, fez
despontar nela a esperança (10).
É importante destacar que o Pai Nosso,
oração ensinada por Jesus (MT. 6: 9-13), contém
os três pontos considerados objeto da prece:
Um pedido; um agradecimento ou uma
glorificação (9).
O Pai nosso representa [...] o mais perfeito
modelo de concisão (expressado com brevidade e
clareza), verdadeira obra-prima de sublimidade,
na sua simplicidade.
Com efeito, sob a forma mais reduzida, ela
consegue resumir todos os deveres do homem
para com Deus, para consigo mesmo e para com
o próximo.
É importante destacar que o Pai Nosso,
oração ensinada por Jesus (MT. 6: 9-13), contém
os três pontos considerados objeto da prece:
Um pedido; um agradecimento ou uma
glorificação (9).
O Pai nosso é o mais perfeito modelo de
concisão (expressado com brevidade e clareza),
verdadeira obra-prima de sublimidade, na sua
simplicidade.
Com efeito, sob a forma mais reduzida, ela
consegue resumir todos os deveres do homem
para com Deus, para consigo mesmo e para com
o próximo.
Encerra ainda uma profissão de fé, um ato
de adoração e submissão, o pedido das coisas
necessárias à vida terrena e o princípio da
caridade.
Dizê-la em intenção de alguém, é pedir para
outro o que desejamos para nós mesmos.
Entretanto, em razão mesmo da sua brevidade,
o sentido profundo que algumas das suas
palavras encerram escapa à maioria.
Isso porque geralmente a proferem sem
pensar no sentido de cada uma de suas frases (8).
Os Espíritos Superiores nos esclarecem a
respeito da forma correta de agir quanto à petições
que fazemos durante as nossas preces:
Vossa prece deve encerrar (conter) o pedido
das graças de que necessitais, mas de que
necessitais realmente.
Inútil, portanto, pedir ao Senhor que abrevie a
vossa provas, ou que vos dê alegrias e riquezas.
Pedi-lhe antes os bens mais preciosos da
paciência, da resignação e da fé.
Evitai dizer, como o fazem muitos dentre vós:
“Não vale a pena orar, porque Deus não me
atende”.
O que pedis a Deus, na maioria das vezes?
Já vos lembrastes de pedir-lhe a vossa melhoria
moral?
Oh, não, tão poucas vezes!
O que mais vos lembrais de pedir é o sucesso
para os vossos empreendimentos terrenos, e depois
exclamais:
“Deus não se preocupa conosco; se o fizesse,
não haveria tantas injustiças!”
Insensatos, ingratos!
Se mergulhásseis no fundo da vossa
consciência, quase sempre ali encontraríeis o motivo
dos males de que vos queixais.
Pedi, pois, antes de tudo, para vos tornardes
melhores, e vereis que torrentes de graças e
consolações se derramarão sobre vós! (6).
da
Prec
2.
Importância
A prece se reveste de importância capital em
qualquer situação.
Pela prece, o homem atrai o concurso
(auxílio) dos Bons Espíritos, que o vêm sustentar
nas suas boas resoluções e inspirar-lhe bons
pensamentos.
Ele adquire assim a força moral necessária
para vencer as dificuldades e voltar ao caminho
reto, quando dele se afastou;
E assim também podem desviar de si os
males que atrairia pelas suas próprias faltas.
Um homem, por exemplo, sente a sua saúde
arruinada pelos excessos que cometeu, e arrasta,
até o fim dos seus dias, uma vida de sofrimento.
Tem o direito de queixar-se, se não
conseguir a cura?
Não, porque poderia encontrar na prece a
força para resistir às tentações (3).
Admitamos que o homem nada pudesse
fazer contra os outros males;
Que todas as preces fossem inúteis para
livrar-se deles;
Já não seria muito, poder afastar todos os
que decorrem da sua própria conduta (males
esses relacionados à imprevidência ou aos
excessos humanos)?
Pois bem: neste caso concebe-se facilmente
a ação da prece, que tem por fim atrair a inspiração
salutar dos Bons Espíritos, pedir-lhes a força
necessária para resistirmos aos maus
pensamentos, cuja execução pode nos ser funesta.
E, para nos atenderem nisto, não é o mal que
eles afastam de nós, mas é a nós que eles afastam
do pensamento que nos pode causar o mal;
Embaraçam em nada os desígnios de Deus,
nem suspendem o curso das leis naturais, mas é a
nós que impedem de infringirmos as leis, ao
orientarem o nosso livre arbítrio.
Mas o fazem sem percebemos, de maneira
oculta, para prejudicarem a nossa vontade.
O homem se encontra então em posição de
quem solicita bons conselhos e os segue, mas
conservando a liberdade de segui-los ou não.
Deus quer que assim seja, para que ele
tenha a responsabilidade dos seus atos e para lhe
deixar o mérito da escolha entre o bem e o mal.
É isso o que o homem sempre receberá, se
pedir com fervor, e ao que se podem sobretudo
aplicar estas palavras:
“Pedi e obtereis” (4).
A prece [...] é sempre um atestado de boa
vontade e compreensão, no testemunho da nossa
condição de Espíritos devedores.
Sem dúvida, não poderá modificar o curso
das leis, diante das quais nos fazemos réus
sujeitos a penas múltiplas, mas renova-nos o
modo de ser, valendo não só como abençoada
plantação de solidariedade em nosso benefício,
mas também como vacina contra reincidência no
mal.
Além disso, a prece faculta-nos a
aproximação com os grandes benfeitores que nos
presidem os passos, auxiliando-nos a organização
de novo roteiro para a caminhada segura (11).
Em qualquer situação, a prece não deve
traduzir-se como:
[...] movimento mecânico de lábios, nem
disco de fácil repetição no aparelho da mente.
É vibração, energia, poder.
A criatura que ora, mobilizando as próprias
forças, realiza trabalhos de inexprimível
significação.
Semelhante estado psíquico descortina
forças ignoradas, revela a nossa origem divina e
coloca-nos em contato com as fontes superiores.
Dentro dessa realização, o Espírito, em qual
quer forma, pode emitir raios de espantoso poder
(12).
A oração é divina voz do espírito no grande
silêncio.
Nem sempre se caracteriza por sons
articulados na condição verbal, mas,
invariavelmente, é prodigioso poder espiritual
comunicando emoções e pensamentos, imagens e
ideias, desfazendo empecilhos, limpando
estradas, reformando concepções e melhorando o
quadro mental em que nos cabe cumprir a tarefa a
que o Pai nos convoca (15).
A importância da prece é facilmente
evidenciada quando aprendemos a fazer
distinções entre rezar e orar.
"Rezar é repetir palavras segundo fórmulas
determinadas.
É produzir eco que a brisa dissipa, como
sucede à voz do sino que no espaço se espraia
(espalha) e morre.
Orar é sentir!
O sentimento é intraduzível.
Não há palavra que o defina com absoluta
precisão.
O mais rico vocabulário do mundo é pobre
para traduzir a grandeza de um sentimento.
Não há fórmula que o contenha, não há
molde que o guarde, não há modelo que o
plasme.
[...] Orar é irradiar para Deus, firmando desse
modo nossa comunhão com Ele.
A oração é o poder dos fiéis.
Os crentes oram.
Os impostores e os supersticiosos rezam.
Os crentes oram a Deus.
Os hipócritas, quando rezam, dirigem-se à
sociedade em cujo meio vivem.
Difícil é compreender-se o crente em seus
colóquios com a Divindade.
Os fariseus rezavam em público para serem
vistos, admirados, louvados (16).
3. Eficácia e
Ação
da
Prece
Há pessoas que contestam a eficácia da
prece, entendendo que, por conhecer Deus as
nossas necessidades, é desnecessário expô-las
a Ele.
Acrescentam ainda que, tudo se
encadeando no universo através de leis eternas,
nossos votos não podem modificar os desígnios
de Deus.
Há leis naturais e imutáveis, sem dúvida,
que Deus não pode anular segundo os caprichos
de cada um.
Mas daí a acreditar que todas as
circunstâncias da vida estejam submetidas à
fatalidade, a distância é grande.
Se assim fosse, o homem seria apenas um
instrumento passivo, sem livre arbítrio e sem
iniciativa.
Nessa hipótese, só lhe caberia curvar a
fronte ante os golpes do destino, sem procurar
evitá-los e não deveria esquivar-se dos perigos.
Deus não lhe deu o entendimento e a
inteligência para que não os utilizasse, a vontade
para não querer, a atividade para cair na inação
(falta de ação).
O homem sendo livre de agir, num ou
noutro sentido, seus atos têm, para ele mesmo e
para os outros, consequências subordinadas às
suas decisões.
Em virtude da sua iniciativa, há portanto
acontecimentos que escapam, forçosamente, à
fatalidade, e que nem por isso destroem a
harmonia das leis universais, da mesma maneira
que o avanço ou atraso dos ponteiros de um
relógio não destrói a lei do movimento, que regula
o mecanismo do aparelho.
Deus pode, pois, atender a certos pedidos
sem derrogar a imutabilidade das leis que regem o
conjunto, dependendo sempre o atendimento da
sua vontade (1).
Percebe-se a eficácia e a ação da prece ou
resultados obtidos.
Os [...] raios divinos, expedidos pela oração
santificadora, convertem-se em fatores
adiantados de cooperação eficiente e definitiva
na cura do corpo, na renovação da alma e
iluminação da consciência.
Toda prece elevada é manancial de
magnetismo criador e vivificante e toda criatura
que cultiva a oração, como devido equilíbrio do
sentimento, transforma-se, gradativamente, em
foco irradiante de energias da Divindade (13).
O [...] trabalho da prece é mais importante
do que se pode imaginar no círculo dos
materializados.
Não há prece sem resposta.
E a oração, filha do amor, não é apenas
súplica.
É comunhão entre o Criador e a criatura,
constituindo, assim, o mais poderoso influxo
magnético que conhecemos.
Acresce notar, porém, [...] que a rogativa
(súplica) maléfica conta, igualmente, com enorme
potencial de influenciação.
Toda vez que o Espírito se coloca nessa
atitude mental, estabelece um laço de
correspondência entre ele e o Além.
Se a oração traduz atividade no bem divino,
venha donde vier, encaminhar-se-á para o Além em
sentido vertical, buscando as bênçãos da vida
superior, cumprindo-nos advertir que os maus
respondem aos maus nos planos inferiores,
entrelaçando-se mentalmente uns com os outros.
É razoável, porém, destacar que toda prece
impessoal dirigida às Forças Supremas do Bem, delas
recebe resposta imediata, em nome de Deus.
Sobre os que oram nessas tarefas benditas,
fluem, das esferas mais altas, os elementos-força que
vitalizam nosso mundo interior, edificando-nos as
esperanças divinas, e se exteriorizam, em seguida,
contagiados de nosso magnetismo pessoal, no
intenso desejo de servir com o Senhor
Alta
concentração
Baixa
Concentração
Na prece, a concentração é essencial
para maximizar nossas potencialidades
energéticas de comunicação com o
plano espiritual.
Na
prece
é
Na
prece
é
OPensamentoOPensamento
PotencializadoPotencializado
Para a construção
de uma nova
realidade
ReferênciaReferência
BibliográficaBibliográfica
1. KARDEC, Allan. O Evangelho Segundo o
Espiritismo. Tradução de J. Herculano Pires. 70ª
ed. Brás - São Paulo: LAKE, Fevereiro de 2013 -
Cap. XXVII – PEDI E OBTEREIS – Item: Eficácia da
Prece - Questão 6 - Págs. 300-301
2.________,Item: Ação da Prece - Transmissão
do Pensamento – Questão 9 – Pág. 302.
3.________,Questão 11 – Pág. 303.
4.________,Questão 12 – Pág. 304.
5.________,Instrruções dos Espíritos - Item:
Modo de Orar – Questão 22 – Págs. 308-309.
6.________,Pág. 309.
7.________,Págs. 309-310.
8.________,Capítulo XXVIII – Coletâneas de
Preces Espíritas – Item I – Preces Gerais – Oração
Dominical - Questão 2 - Prefácio – Pág. 314.
9. ________, O livro dos Espíritos. Tradução
de J. Herculano Pires. 68ª ed. Brás - São Paulo:
LAKE, Janeiro 2009 - Livro Terceiro - AS LEIS
MORAIS – Cap. II – Lei de Adoração - Item III Vida
Contemplativa – Questão 659 - Pág. 233.
10. DENIS, Léon. Depois da Morte – Tradução
de João Lourenço de Souza – 25ª Ed. Rio de
Janeiro: FEB 2005 – Quinta Parte – Caminho Reto -
Capítulo 51 (A Prece) - Pág. 295.
11. Xavier, Francisco Cândido. Ação e Reação.
Pelo André Luiz - 27ª Ed. Rio de Janeiro: FEB 2006
– Ante o Centenário - Cap. 19 – Sanções e Auxílios
– Pág. 327.
12._________, Missionários da Luz. Pelo
André Luiz – 38ª Ed. Rio de Janeiro: FEB 2004 –-
Cap. 6 – A Oração – Pág. 83.
13._________,Pág. 84.
14._________,Os Mensageiros. Pelo André
Luiz – 40ª Ed. Rio de Janeiro: FEB 2004 –- Cap. 25
– Efeitos da Oração – Págs. 159-160.
15._________,Vinha de Luz. Pelo Espírito
Emmanuel – 24ª Ed. Rio de Janeiro: FEB 2006 –
Cap. 98 – A Prece Recompõe – Pág. 222.
16. VINÍCIUS. Nas Pegadas do Mestre. - 10ª
Ed. Rio de Janeiro: FEB 2005 – Rezar e Orar -
Pág. 135.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Simpatias e antipatias terrenas
Simpatias e antipatias terrenasSimpatias e antipatias terrenas
Simpatias e antipatias terrenas
Ana Cláudia Leal Felgueiras
 
Aula o perispirito
Aula o perispiritoAula o perispirito
Aula o perispirito
duadv
 
Laboratorio do mundo invisivel
Laboratorio do mundo invisivel Laboratorio do mundo invisivel
Laboratorio do mundo invisivel
Ceile Bernardo
 
ESQUECIMENTO DO PASSADO
ESQUECIMENTO DO PASSADOESQUECIMENTO DO PASSADO
ESQUECIMENTO DO PASSADO
Jorge Luiz dos Santos
 
Tomo complementar, Módulo 1, roteiro 4: os espíritos errantes
Tomo complementar, Módulo 1, roteiro 4: os espíritos errantesTomo complementar, Módulo 1, roteiro 4: os espíritos errantes
Tomo complementar, Módulo 1, roteiro 4: os espíritos errantes
Núcleo de Promoção Humana Vinha de Luz
 
Finalidades da reencarnação.pptx2
Finalidades da reencarnação.pptx2Finalidades da reencarnação.pptx2
Finalidades da reencarnação.pptx2
sndteixeira
 
INFLUENCIA DOS ESPIRITOS EM NOSSAS VIDAS
INFLUENCIA DOS ESPIRITOS EM NOSSAS VIDASINFLUENCIA DOS ESPIRITOS EM NOSSAS VIDAS
INFLUENCIA DOS ESPIRITOS EM NOSSAS VIDAS
Rodrigo Leite
 
Roteiro 1 perispírito - conceito
Roteiro  1   perispírito - conceitoRoteiro  1   perispírito - conceito
Roteiro 1 perispírito - conceito
Bruno Cechinel Filho
 
Palestra Espírita - Ação da prece (transmissão do pensamento)
Palestra Espírita - Ação da prece (transmissão do pensamento)Palestra Espírita - Ação da prece (transmissão do pensamento)
Palestra Espírita - Ação da prece (transmissão do pensamento)
Divulgador do Espiritismo
 
A reencarnação visão geral
A reencarnação visão geralA reencarnação visão geral
A reencarnação visão geral
Anderson Dias
 
2.8.3 Letargia, catalepsia e mortes aparentes
2.8.3   Letargia, catalepsia e mortes aparentes2.8.3   Letargia, catalepsia e mortes aparentes
2.8.3 Letargia, catalepsia e mortes aparentes
Marta Gomes
 
A vida no mundo espiritual
A vida no mundo espiritualA vida no mundo espiritual
A vida no mundo espiritual
Graça Maciel
 
Desencarnação
DesencarnaçãoDesencarnação
ESDE - Roteiro complementar. Módulo I, roteiro 5: sorte das crianças depois d...
ESDE - Roteiro complementar. Módulo I, roteiro 5: sorte das crianças depois d...ESDE - Roteiro complementar. Módulo I, roteiro 5: sorte das crianças depois d...
ESDE - Roteiro complementar. Módulo I, roteiro 5: sorte das crianças depois d...
Núcleo de Promoção Humana Vinha de Luz
 
A Prece
A PreceA Prece
MEDIUNIDADE E ESPIRITISMO
MEDIUNIDADE E ESPIRITISMOMEDIUNIDADE E ESPIRITISMO
MEDIUNIDADE E ESPIRITISMO
Jorge Luiz dos Santos
 
Vida no mundo espiritual - O fenômeno da morte
Vida no mundo espiritual   - O fenômeno da morteVida no mundo espiritual   - O fenômeno da morte
Vida no mundo espiritual - O fenômeno da morte
Denise Aguiar
 
Roteiro 1 o fluído cósmico universal
Roteiro 1   o fluído cósmico universalRoteiro 1   o fluído cósmico universal
Roteiro 1 o fluído cósmico universal
Bruno Cechinel Filho
 
providência divina
providência divinaprovidência divina
providência divina
Denise Aguiar
 
Ajuda te que o céu te ajudará
Ajuda te que o céu te ajudaráAjuda te que o céu te ajudará
Ajuda te que o céu te ajudará
Lisete B.
 

Mais procurados (20)

Simpatias e antipatias terrenas
Simpatias e antipatias terrenasSimpatias e antipatias terrenas
Simpatias e antipatias terrenas
 
Aula o perispirito
Aula o perispiritoAula o perispirito
Aula o perispirito
 
Laboratorio do mundo invisivel
Laboratorio do mundo invisivel Laboratorio do mundo invisivel
Laboratorio do mundo invisivel
 
ESQUECIMENTO DO PASSADO
ESQUECIMENTO DO PASSADOESQUECIMENTO DO PASSADO
ESQUECIMENTO DO PASSADO
 
Tomo complementar, Módulo 1, roteiro 4: os espíritos errantes
Tomo complementar, Módulo 1, roteiro 4: os espíritos errantesTomo complementar, Módulo 1, roteiro 4: os espíritos errantes
Tomo complementar, Módulo 1, roteiro 4: os espíritos errantes
 
Finalidades da reencarnação.pptx2
Finalidades da reencarnação.pptx2Finalidades da reencarnação.pptx2
Finalidades da reencarnação.pptx2
 
INFLUENCIA DOS ESPIRITOS EM NOSSAS VIDAS
INFLUENCIA DOS ESPIRITOS EM NOSSAS VIDASINFLUENCIA DOS ESPIRITOS EM NOSSAS VIDAS
INFLUENCIA DOS ESPIRITOS EM NOSSAS VIDAS
 
Roteiro 1 perispírito - conceito
Roteiro  1   perispírito - conceitoRoteiro  1   perispírito - conceito
Roteiro 1 perispírito - conceito
 
Palestra Espírita - Ação da prece (transmissão do pensamento)
Palestra Espírita - Ação da prece (transmissão do pensamento)Palestra Espírita - Ação da prece (transmissão do pensamento)
Palestra Espírita - Ação da prece (transmissão do pensamento)
 
A reencarnação visão geral
A reencarnação visão geralA reencarnação visão geral
A reencarnação visão geral
 
2.8.3 Letargia, catalepsia e mortes aparentes
2.8.3   Letargia, catalepsia e mortes aparentes2.8.3   Letargia, catalepsia e mortes aparentes
2.8.3 Letargia, catalepsia e mortes aparentes
 
A vida no mundo espiritual
A vida no mundo espiritualA vida no mundo espiritual
A vida no mundo espiritual
 
Desencarnação
DesencarnaçãoDesencarnação
Desencarnação
 
ESDE - Roteiro complementar. Módulo I, roteiro 5: sorte das crianças depois d...
ESDE - Roteiro complementar. Módulo I, roteiro 5: sorte das crianças depois d...ESDE - Roteiro complementar. Módulo I, roteiro 5: sorte das crianças depois d...
ESDE - Roteiro complementar. Módulo I, roteiro 5: sorte das crianças depois d...
 
A Prece
A PreceA Prece
A Prece
 
MEDIUNIDADE E ESPIRITISMO
MEDIUNIDADE E ESPIRITISMOMEDIUNIDADE E ESPIRITISMO
MEDIUNIDADE E ESPIRITISMO
 
Vida no mundo espiritual - O fenômeno da morte
Vida no mundo espiritual   - O fenômeno da morteVida no mundo espiritual   - O fenômeno da morte
Vida no mundo espiritual - O fenômeno da morte
 
Roteiro 1 o fluído cósmico universal
Roteiro 1   o fluído cósmico universalRoteiro 1   o fluído cósmico universal
Roteiro 1 o fluído cósmico universal
 
providência divina
providência divinaprovidência divina
providência divina
 
Ajuda te que o céu te ajudará
Ajuda te que o céu te ajudaráAjuda te que o céu te ajudará
Ajuda te que o céu te ajudará
 

Semelhante a Roteiro 2 a prece = importância, eficácia e ação

Pedi e obtereis-Marcelo do N. Rodrigues-CEM
Pedi e obtereis-Marcelo do N. Rodrigues-CEMPedi e obtereis-Marcelo do N. Rodrigues-CEM
Pedi e obtereis-Marcelo do N. Rodrigues-CEM
Marcelo do Nascimento Rodrigues
 
A Prece
A PreceA Prece
Palestra Espirita - Prece
Palestra Espirita - PrecePalestra Espirita - Prece
Palestra Espirita - Prece
manumino
 
Aula sobre prece- como Rezar
Aula sobre prece- como Rezar Aula sobre prece- como Rezar
Aula sobre prece- como Rezar
Rodrigo Martins Dos Santos
 
42 fluidoterapia-preces
42 fluidoterapia-preces42 fluidoterapia-preces
42 fluidoterapia-preces
Antonio SSantos
 
Aconselhamento
AconselhamentoAconselhamento
Aconselhamento
Rosangela Silva
 
Aconselhamento
AconselhamentoAconselhamento
Aconselhamento
Rosangela Silva
 
A oração, nossa força
A oração, nossa forçaA oração, nossa força
A oração, nossa força
CE BV
 
O Poder da Prece
O Poder da PreceO Poder da Prece
O Poder da Prece
Izabel Cristina Fonseca
 
Palestra modo de orar 2015 nosso lar
Palestra modo de orar 2015   nosso larPalestra modo de orar 2015   nosso lar
Palestra modo de orar 2015 nosso lar
Rodrigo Spinosa
 
Estudo sobre prece!
Estudo sobre prece!Estudo sobre prece!
Estudo sobre prece!
Leonardo Pereira
 
A prece
A preceA prece
A prece
Helio Cruz
 
Pedi obtereis
Pedi obtereis    Pedi obtereis
Pedi obtereis
Ponte de Luz ASEC
 
Eae 77 - AMOR COMO LEI SOBERANA E O VALOR CIENTIFICO DA PRECE, LEI DA SOLIDAR...
Eae 77 - AMOR COMO LEI SOBERANA E O VALOR CIENTIFICO DA PRECE, LEI DA SOLIDAR...Eae 77 - AMOR COMO LEI SOBERANA E O VALOR CIENTIFICO DA PRECE, LEI DA SOLIDAR...
Eae 77 - AMOR COMO LEI SOBERANA E O VALOR CIENTIFICO DA PRECE, LEI DA SOLIDAR...
PatiSousa1
 
Livro Preces E Orações
Livro Preces E OraçõesLivro Preces E Orações
Livro Preces E Orações
Nilson Almeida
 
A prece estudo mediunico
A prece  estudo mediunicoA prece  estudo mediunico
A prece estudo mediunico
Alice Lirio
 
Como orar de modo correto
Como orar de modo corretoComo orar de modo correto
Como orar de modo correto
Helio Cruz
 
Palestra ESE cap 10 Bem-aventurados os misericordiosos
Palestra ESE cap 10 Bem-aventurados os misericordiososPalestra ESE cap 10 Bem-aventurados os misericordiosos
Palestra ESE cap 10 Bem-aventurados os misericordiosos
Tiburcio Santos
 
Oração dominical
Oração dominicalOração dominical
Oração dominical
Henrique Vieira
 
Roteiro
RoteiroRoteiro

Semelhante a Roteiro 2 a prece = importância, eficácia e ação (20)

Pedi e obtereis-Marcelo do N. Rodrigues-CEM
Pedi e obtereis-Marcelo do N. Rodrigues-CEMPedi e obtereis-Marcelo do N. Rodrigues-CEM
Pedi e obtereis-Marcelo do N. Rodrigues-CEM
 
A Prece
A PreceA Prece
A Prece
 
Palestra Espirita - Prece
Palestra Espirita - PrecePalestra Espirita - Prece
Palestra Espirita - Prece
 
Aula sobre prece- como Rezar
Aula sobre prece- como Rezar Aula sobre prece- como Rezar
Aula sobre prece- como Rezar
 
42 fluidoterapia-preces
42 fluidoterapia-preces42 fluidoterapia-preces
42 fluidoterapia-preces
 
Aconselhamento
AconselhamentoAconselhamento
Aconselhamento
 
Aconselhamento
AconselhamentoAconselhamento
Aconselhamento
 
A oração, nossa força
A oração, nossa forçaA oração, nossa força
A oração, nossa força
 
O Poder da Prece
O Poder da PreceO Poder da Prece
O Poder da Prece
 
Palestra modo de orar 2015 nosso lar
Palestra modo de orar 2015   nosso larPalestra modo de orar 2015   nosso lar
Palestra modo de orar 2015 nosso lar
 
Estudo sobre prece!
Estudo sobre prece!Estudo sobre prece!
Estudo sobre prece!
 
A prece
A preceA prece
A prece
 
Pedi obtereis
Pedi obtereis    Pedi obtereis
Pedi obtereis
 
Eae 77 - AMOR COMO LEI SOBERANA E O VALOR CIENTIFICO DA PRECE, LEI DA SOLIDAR...
Eae 77 - AMOR COMO LEI SOBERANA E O VALOR CIENTIFICO DA PRECE, LEI DA SOLIDAR...Eae 77 - AMOR COMO LEI SOBERANA E O VALOR CIENTIFICO DA PRECE, LEI DA SOLIDAR...
Eae 77 - AMOR COMO LEI SOBERANA E O VALOR CIENTIFICO DA PRECE, LEI DA SOLIDAR...
 
Livro Preces E Orações
Livro Preces E OraçõesLivro Preces E Orações
Livro Preces E Orações
 
A prece estudo mediunico
A prece  estudo mediunicoA prece  estudo mediunico
A prece estudo mediunico
 
Como orar de modo correto
Como orar de modo corretoComo orar de modo correto
Como orar de modo correto
 
Palestra ESE cap 10 Bem-aventurados os misericordiosos
Palestra ESE cap 10 Bem-aventurados os misericordiososPalestra ESE cap 10 Bem-aventurados os misericordiosos
Palestra ESE cap 10 Bem-aventurados os misericordiosos
 
Oração dominical
Oração dominicalOração dominical
Oração dominical
 
Roteiro
RoteiroRoteiro
Roteiro
 

Mais de Bruno Cechinel Filho

Roteiro 3 evangelho no lar
Roteiro 3   evangelho no larRoteiro 3   evangelho no lar
Roteiro 3 evangelho no lar
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 1 adoração = significado e objetivo
Roteiro 1   adoração = significado e objetivoRoteiro 1   adoração = significado e objetivo
Roteiro 1 adoração = significado e objetivo
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 2 o bem e o mal
Roteiro 2   o bem e o malRoteiro 2   o bem e o mal
Roteiro 2 o bem e o mal
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 1.1 anexo - a luta contra o mal
Roteiro 1.1   anexo - a luta contra o malRoteiro 1.1   anexo - a luta contra o mal
Roteiro 1.1 anexo - a luta contra o mal
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 1 lei natural - definições e caracteres
Roteiro 1   lei natural - definições e caracteresRoteiro 1   lei natural - definições e caracteres
Roteiro 1 lei natural - definições e caracteres
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 7 a terra - mundo de expiação e provas
Roteiro 7   a terra - mundo de expiação e provasRoteiro 7   a terra - mundo de expiação e provas
Roteiro 7 a terra - mundo de expiação e provas
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 6 materialização nos diferentes mundos
Roteiro 6   materialização nos diferentes mundosRoteiro 6   materialização nos diferentes mundos
Roteiro 6 materialização nos diferentes mundos
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 5 diferentes categorias de mundos habitados
Roteiro 5   diferentes categorias de mundos habitadosRoteiro 5   diferentes categorias de mundos habitados
Roteiro 5 diferentes categorias de mundos habitados
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 4 os reinos da natureza
Roteiro 4   os reinos da naturezaRoteiro 4   os reinos da natureza
Roteiro 4 os reinos da natureza
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 3 formação dos mundos e dos seres vivos
Roteiro 3   formação dos mundos e dos seres vivosRoteiro 3   formação dos mundos e dos seres vivos
Roteiro 3 formação dos mundos e dos seres vivos
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 2 elementos gerais do universo - matéria e espírito
Roteiro 2   elementos gerais do universo - matéria e espíritoRoteiro 2   elementos gerais do universo - matéria e espírito
Roteiro 2 elementos gerais do universo - matéria e espírito
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 6 o esquecimento do passado - justificativa da sua necessidade
Roteiro 6    o esquecimento do passado - justificativa da sua necessidadeRoteiro 6    o esquecimento do passado - justificativa da sua necessidade
Roteiro 6 o esquecimento do passado - justificativa da sua necessidade
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 5 retorno à vida corporal - infância
Roteiro 5    retorno à vida corporal - infânciaRoteiro 5    retorno à vida corporal - infância
Roteiro 5 retorno à vida corporal - infância
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 4.1 segismundo - planejamento rematerializatório
Roteiro 4.1   segismundo - planejamento  rematerializatórioRoteiro 4.1   segismundo - planejamento  rematerializatório
Roteiro 4.1 segismundo - planejamento rematerializatório
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 3.1 estudo de caso simplificado - a história de stella
Roteiro 3.1   estudo de caso simplificado - a história de stellaRoteiro 3.1   estudo de caso simplificado - a história de stella
Roteiro 3.1 estudo de caso simplificado - a história de stella
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 3 retorno à vida corporal - planejamento rematerializatório
Roteiro 3   retorno à vida corporal - planejamento rematerializatórioRoteiro 3   retorno à vida corporal - planejamento rematerializatório
Roteiro 3 retorno à vida corporal - planejamento rematerializatório
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 2 provas da rematerialização
Roteiro 2   provas da rematerializaçãoRoteiro 2   provas da rematerialização
Roteiro 2 provas da rematerialização
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 1.1 lógica da rematerialização - anexo
Roteiro 1.1   lógica da rematerialização - anexoRoteiro 1.1   lógica da rematerialização - anexo
Roteiro 1.1 lógica da rematerialização - anexo
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 1 fundamento e finalidade da rematerialização
Roteiro 1   fundamento e finalidade da rematerializaçãoRoteiro 1   fundamento e finalidade da rematerialização
Roteiro 1 fundamento e finalidade da rematerialização
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 3 mediunidade com jesus
Roteiro 3   mediunidade com jesusRoteiro 3   mediunidade com jesus
Roteiro 3 mediunidade com jesus
Bruno Cechinel Filho
 

Mais de Bruno Cechinel Filho (20)

Roteiro 3 evangelho no lar
Roteiro 3   evangelho no larRoteiro 3   evangelho no lar
Roteiro 3 evangelho no lar
 
Roteiro 1 adoração = significado e objetivo
Roteiro 1   adoração = significado e objetivoRoteiro 1   adoração = significado e objetivo
Roteiro 1 adoração = significado e objetivo
 
Roteiro 2 o bem e o mal
Roteiro 2   o bem e o malRoteiro 2   o bem e o mal
Roteiro 2 o bem e o mal
 
Roteiro 1.1 anexo - a luta contra o mal
Roteiro 1.1   anexo - a luta contra o malRoteiro 1.1   anexo - a luta contra o mal
Roteiro 1.1 anexo - a luta contra o mal
 
Roteiro 1 lei natural - definições e caracteres
Roteiro 1   lei natural - definições e caracteresRoteiro 1   lei natural - definições e caracteres
Roteiro 1 lei natural - definições e caracteres
 
Roteiro 7 a terra - mundo de expiação e provas
Roteiro 7   a terra - mundo de expiação e provasRoteiro 7   a terra - mundo de expiação e provas
Roteiro 7 a terra - mundo de expiação e provas
 
Roteiro 6 materialização nos diferentes mundos
Roteiro 6   materialização nos diferentes mundosRoteiro 6   materialização nos diferentes mundos
Roteiro 6 materialização nos diferentes mundos
 
Roteiro 5 diferentes categorias de mundos habitados
Roteiro 5   diferentes categorias de mundos habitadosRoteiro 5   diferentes categorias de mundos habitados
Roteiro 5 diferentes categorias de mundos habitados
 
Roteiro 4 os reinos da natureza
Roteiro 4   os reinos da naturezaRoteiro 4   os reinos da natureza
Roteiro 4 os reinos da natureza
 
Roteiro 3 formação dos mundos e dos seres vivos
Roteiro 3   formação dos mundos e dos seres vivosRoteiro 3   formação dos mundos e dos seres vivos
Roteiro 3 formação dos mundos e dos seres vivos
 
Roteiro 2 elementos gerais do universo - matéria e espírito
Roteiro 2   elementos gerais do universo - matéria e espíritoRoteiro 2   elementos gerais do universo - matéria e espírito
Roteiro 2 elementos gerais do universo - matéria e espírito
 
Roteiro 6 o esquecimento do passado - justificativa da sua necessidade
Roteiro 6    o esquecimento do passado - justificativa da sua necessidadeRoteiro 6    o esquecimento do passado - justificativa da sua necessidade
Roteiro 6 o esquecimento do passado - justificativa da sua necessidade
 
Roteiro 5 retorno à vida corporal - infância
Roteiro 5    retorno à vida corporal - infânciaRoteiro 5    retorno à vida corporal - infância
Roteiro 5 retorno à vida corporal - infância
 
Roteiro 4.1 segismundo - planejamento rematerializatório
Roteiro 4.1   segismundo - planejamento  rematerializatórioRoteiro 4.1   segismundo - planejamento  rematerializatório
Roteiro 4.1 segismundo - planejamento rematerializatório
 
Roteiro 3.1 estudo de caso simplificado - a história de stella
Roteiro 3.1   estudo de caso simplificado - a história de stellaRoteiro 3.1   estudo de caso simplificado - a história de stella
Roteiro 3.1 estudo de caso simplificado - a história de stella
 
Roteiro 3 retorno à vida corporal - planejamento rematerializatório
Roteiro 3   retorno à vida corporal - planejamento rematerializatórioRoteiro 3   retorno à vida corporal - planejamento rematerializatório
Roteiro 3 retorno à vida corporal - planejamento rematerializatório
 
Roteiro 2 provas da rematerialização
Roteiro 2   provas da rematerializaçãoRoteiro 2   provas da rematerialização
Roteiro 2 provas da rematerialização
 
Roteiro 1.1 lógica da rematerialização - anexo
Roteiro 1.1   lógica da rematerialização - anexoRoteiro 1.1   lógica da rematerialização - anexo
Roteiro 1.1 lógica da rematerialização - anexo
 
Roteiro 1 fundamento e finalidade da rematerialização
Roteiro 1   fundamento e finalidade da rematerializaçãoRoteiro 1   fundamento e finalidade da rematerialização
Roteiro 1 fundamento e finalidade da rematerialização
 
Roteiro 3 mediunidade com jesus
Roteiro 3   mediunidade com jesusRoteiro 3   mediunidade com jesus
Roteiro 3 mediunidade com jesus
 

Último

O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdfO-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
WELITONNOGUEIRA3
 
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
ESCRIBA DE CRISTO
 
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
ESCRIBA DE CRISTO
 
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOSDIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
ESCRIBA DE CRISTO
 
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptxA CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
JonasRibeiro61
 
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptxLição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Celso Napoleon
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Lourhana
 
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Igreja Jesus é o Verbo
 
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimentoHabacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
ayronleonardo
 
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
ESCRIBA DE CRISTO
 
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos AgricultoresOração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Nilson Almeida
 
Escola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTAS
Escola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTASEscola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTAS
Escola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTAS
ceciliafonseca16
 
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
ESCRIBA DE CRISTO
 
Manual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docx
Manual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docx
Manual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docx
Janilson Noca
 
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptxLição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Celso Napoleon
 
CARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADAS
CARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADASCARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADAS
CARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADAS
ESCRIBA DE CRISTO
 

Último (16)

O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdfO-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
 
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
 
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
CRISTO E EU [MENSAGEM DE CHARLES SPURGEON]
 
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOSDIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
 
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptxA CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
 
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptxLição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
 
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Odabias - slides powerpoint.pptx
 
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimentoHabacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
 
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
DIDASCALIA APOSTOLORUM [ HISTÓRIA DO CRISTIANISMO]
 
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos AgricultoresOração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
 
Escola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTAS
Escola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTASEscola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTAS
Escola sabatina juvenis.pdf. Revista da escola sabatina - ADVENTISTAS
 
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
JERÔNIMO DE BELÉM DA JUDÉIA [TERRA SANTA]
 
Manual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docx
Manual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docx
Manual-do-PGM-Protótipo.docxManual-do-PGM-Protótipo.docx
 
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptxLição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
 
CARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADAS
CARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADASCARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADAS
CARTAS DE INÁCIO DE ANTIOQUIA ILUSTRADAS E COMENTADAS
 

Roteiro 2 a prece = importância, eficácia e ação

  • 1. CENTRO DE TRABALHOS ESPÍRITA ANA LUZ A PRECE: Importância, eficácia e Ação
  • 3.
  • 4.
  • 5.
  • 7.
  • 9. O fato de valorizarmos muito pouco a prece está na falta de conhecimento do seu mecanismo de ação, o que nos leva por vezes a duvidar da sua eficácia (ciência – magnetismo). Costumamos Orar/Prece quando: Iniciamos e terminamos trabalhos doutrinários; Iniciamos os trabalhos de passe ou cura; Deitamos e, por vezes, quando levantamos; Dos momentos tristes ou, em agradecimentos nos momentos de alegria; Porém, mais oramos quando, estamos em profunda aflição.
  • 10. Magnetismo Animal: 1 Segundo o médico alemão Franz Anton Mesmer - 1734/1815, força vital dos seres vivos, na forma de uma espécie de fluido magnético, transmissível (no caso dele, por hipnotismo) e com propriedades curativas. Dicionário Aulete.
  • 12. No sentido teológico significa: Conjunto de palavras que expressam um PENSAMENTO completo; Elevação da alma a Deus; Intercessão; Suplica; Convicção que o Pai celeste providencia cuidado sobre nós.
  • 13. Podemos dizer que a prece é uma projeção do pensamento. Por quê? Porque é a partir do pensamento que irá se estabelecer uma corrente fluídica cuja intensidade dependerá do teor vibratório de quem ora; É aí que reside o seu poder e o seu alcance, pois é nesta relação fluídica que o homem atraí para si a ajuda dos Espíritos Superiores a lhe inspirar bons pensamentos.
  • 15. Por que pensamentos? Porque são a origem da quase totalidade de nossas ações. (1º pensamos depois agimos). Podemos dizer também que a prece é uma invocação e que por meio dela pomos o pensamento em contato com o ente a quem nos dirigimos. A prece é a expressão de um sentimento que sempre alcança a Deus, quando ditada conjuntamente com o coração de quem ora. Qual o veículo de transmissão dessas vibrações (pensamento)?
  • 16. Na Terra podemos dizer que é através da vibração do ar, que são circunscritas ao Planeta Terra, ao passo que as do fluído universal se estendem ao infinito. Logo o pensamento dirigido é uma corrente fluídica que se estabelece entre o ser materializados e desmaterializados ou vice- versa. A qualidade da energia fluídica vai depender da qualidade da energia do pensamento e da vontade. É, por esse meio que se estabelece as relações a distância, etc.
  • 17. Pensar bem consiste em conhecer a verdade, ou em dirigir a mente pelo caminho que a ela conduz. A verdade é a realidade das coisas. Jaime Luciano Antonio Balmes – 1810/1848 - Filosofo e Teólogo Espanhol
  • 18. 384/322 a.C. Pensar é uma ação divina. Pensar é criar condições atrativas de pensamentos idênticos. O que se faz mister é saber pensar, dominar os elementos, amoldá-los à vontade, sujeitando todos os elementos somáticos do organismo ao domínio superior do Eu.
  • 19. O Nosso pensamento cria a vida que procuramos, através do reflexo de nós mesmos, até que nos identifiquemos, um dia, no curso dos milênios, com a Sabedoria Infinita e com o Infinito Amor, que constituem o pensamento e a Vida de Nosso Pai. (livro “Pensamento e Vida”) EMMANUEL A residência da alma permanece situada no manancial de seus próprios pensamentos. (livro “A Residência”)
  • 20. Nosso espírito residirá onde projetarmos nossos pensamentos, alicerces vivos do bem e do mal. Por isto mesmo, dizia Paulo, sabiamente: "Pensai nas coisas que são de cima." Pensar é criar. A realidade dessa criação pode não exteriorizar-se, de súbito, no campo dos efeitos transitórios, mas o objeto formado pelo poder mental vive no mundo íntimo, exigindo cuidados especiais para o esforço de continuidade ou extinção. (Livro: “Pão Nosso”).
  • 21. O pensamento é, sem dúvida, força criadora de nossa própria alma e, por isto mesmo, é a continuação de nós mesmos. Através dele, atuamos no meio em que vivemos e agimos, estabelecendo o padrão de nossa influência, no bem ou no mal. (livro “Entre a Terra e o Céu).
  • 22. Os maus pensamentos corrompem os fluídos espirituais, como os miasmas deletérios corrompem o ar respirável. Os fluidos que envolvem os Espíritos maus, ou que estes projetam são, portanto, viciados, ao passo que os que recebem a influência dos bons Espíritos são tão puros quanto o comporta o grau da perfeição moral destes. (Gên. Cap. 14 - Qst. 16). “Quando o pensamento está em alguma parte, a alma também aí está, pois que é a alma quem pensa. O pensamento é um atributo. (L.E. Qst. 89-a)
  • 24. INSTRUÇÕES DOS ESPÍRITOS MODO DE ORAR Espírito V. Monod Bordeaux, 1862 22 - O primeiro dever de toda criatura humana, o primeiro ato que deve assinalar o seu retorno à atividade diária, é a prece. Vós orais, quase todos, mas quão poucos sabem realmente orar! Que importam ao Senhor as frases que ligais maquinalmente uma às outras, porque já vos habituastes a repeti-las, porque é um dever que tendes de cumprir, e que vos pesa, como todo o dever?
  • 25. A prece do cristão, do Espírita, principalmente, de qualquer culto que seja, deve ser feita no momento em que o Espírito retoma o jugo (sujeição – relação de obediência) da carne, e deve elevar-se com humildade aos pés da Majestade Divina, mas também com profundeza, num impulso de reconhecimento por todos os benefícios recebidos até esse dia. E de agradecimento, ainda, pela noite transcorrida, durante a qual lhe foi permitido, embora não guarde a lembrança, retornar junto aos amigos e aos guias, para nesse contato haurir (colher, tirar de dentro de si) novas forças e mais perseverança.
  • 26. Deve elevar-se humilde aos pés do Senhor, pedindo pela sua fraqueza, suplicando o seu amparo, a sua indulgência, a sua misericórdia. E deve ser profunda, porque é a vossa alma que deve elevar-se ao Criador, que deve transfigurar-se, como Jesus no Tabor¹, para chegar até Ele, branca e radiante de esperança e de amor (5). ¹TABOR: Colina da Galileia, Israel, conhecida como Monte da Transfiguração [é um episódio do Novo Testamento no qual Jesus é transfigurado (alterado) e se torna "radiante" no alto de uma montanha].
  • 27. A prece é um ato de adoração (9). É [...] uma invocação: por ela nos pomos em relação mental com o ser a que nos dirigimos [...]. Podemos orar por nós mesmos ou pelos outros, pelos vivos ou pelos mortos. As preces dirigidas a Deus são ouvidas pelos Espíritos encarregados da execução dos seus desígnios; As que são dirigidas aos Bons Espíritos vão também para Deus. Quando oramos para outros seres, e não para Deus, recorremos aqueles nos servem apenas de intermediários, de intercessores, porque nada pode ser feito sem à vontade de Deus (2).
  • 28. É ainda o Espírito Manod, que nos aconselha: Deveis orar incessantemente, sem para isso procurardes o vosso oratório ou cairdes de joelhos nas praças públicas. A prece diária é o próprio cumprimento dos vossos deveres, mas dos vossos deveres sem exceção, de qualquer natureza que sejam. Não é um ato de amor para com o Senhor assistirdes os vossos irmãos numa necessidade qualquer, moral ou física? Não é um ato de reconhecimento a elevação do vosso pensamento a Ele, quando uma felicidade vos chega, quando evitais um acidente, ou mesmo quando uma simples contrariedade vos aflora à alma, e dizeis mentalmente:
  • 29. “Seja bendito, meu Pai!”? Não é um ato de contrição (Sentimento de culpa ou arrependimento), quando sentis que falistes, dizerdes humilde para o Supremo Juiz, mesmo que seja num rápido pensamento: Perdoai-me, Deus meu, pois que pequei (por orgulho, por egoísmo ou por falta de caridade); Dai-me a força de não tornar a falir, e a coragem de reparar a minha falta?! Isso independe das preces regulares da manhã e da noite, e dos dias consagrados, pois, como vedes a prece pode ser de todos os instantes, sem interromper os vossos afazeres, vossos trabalhos [...]. (7).
  • 30. Léon Denis analisa que a [...] A prece deve ser uma expansão íntima da alma para com Deus, um colóquio (conversa) solitário, uma meditação sempre útil, muitas vezes fecunda. É, por excelência, o refúgio dos aflitos, dos corações magoados. Nas horas de acabrunhamento (perda de alegria de ânimo), de pesar íntimo e de desespero, quem não achou na prece a calma, o reconforto e o alivio a seus males? Um diálogo misterioso se estabelece entre a alma sofredora e a potência evocada. A alma expõe suas angústias, seus desânimos; implora socorro, apoio, Indulgência.
  • 31. E, então, no santuário da consciência, uma voz secreta responde: É a voz d’Aquele donde dimana toda a força para as lutas deste mundo, todo o bálsamo para as nossas feridas, toda a luz para as nossas incertezas. E essa voz consola, reanima, persuade; traz- nos a coragem, a submissão, a resignação estoicas (que não se abala diante do infortúnio, que se mostra firme). E, então, erguemo-nos menos tristes, menos atormentados; Um raio de sol divino luziu (refletiu sua luz, seu brilho, sua claridade) em nossa alma, fez despontar nela a esperança (10).
  • 32. É importante destacar que o Pai Nosso, oração ensinada por Jesus (MT. 6: 9-13), contém os três pontos considerados objeto da prece: Um pedido; um agradecimento ou uma glorificação (9). O Pai nosso representa [...] o mais perfeito modelo de concisão (expressado com brevidade e clareza), verdadeira obra-prima de sublimidade, na sua simplicidade. Com efeito, sob a forma mais reduzida, ela consegue resumir todos os deveres do homem para com Deus, para consigo mesmo e para com o próximo.
  • 33. É importante destacar que o Pai Nosso, oração ensinada por Jesus (MT. 6: 9-13), contém os três pontos considerados objeto da prece: Um pedido; um agradecimento ou uma glorificação (9). O Pai nosso é o mais perfeito modelo de concisão (expressado com brevidade e clareza), verdadeira obra-prima de sublimidade, na sua simplicidade. Com efeito, sob a forma mais reduzida, ela consegue resumir todos os deveres do homem para com Deus, para consigo mesmo e para com o próximo.
  • 34. Encerra ainda uma profissão de fé, um ato de adoração e submissão, o pedido das coisas necessárias à vida terrena e o princípio da caridade. Dizê-la em intenção de alguém, é pedir para outro o que desejamos para nós mesmos. Entretanto, em razão mesmo da sua brevidade, o sentido profundo que algumas das suas palavras encerram escapa à maioria. Isso porque geralmente a proferem sem pensar no sentido de cada uma de suas frases (8).
  • 35. Os Espíritos Superiores nos esclarecem a respeito da forma correta de agir quanto à petições que fazemos durante as nossas preces: Vossa prece deve encerrar (conter) o pedido das graças de que necessitais, mas de que necessitais realmente. Inútil, portanto, pedir ao Senhor que abrevie a vossa provas, ou que vos dê alegrias e riquezas. Pedi-lhe antes os bens mais preciosos da paciência, da resignação e da fé. Evitai dizer, como o fazem muitos dentre vós: “Não vale a pena orar, porque Deus não me atende”. O que pedis a Deus, na maioria das vezes?
  • 36. Já vos lembrastes de pedir-lhe a vossa melhoria moral? Oh, não, tão poucas vezes! O que mais vos lembrais de pedir é o sucesso para os vossos empreendimentos terrenos, e depois exclamais: “Deus não se preocupa conosco; se o fizesse, não haveria tantas injustiças!” Insensatos, ingratos! Se mergulhásseis no fundo da vossa consciência, quase sempre ali encontraríeis o motivo dos males de que vos queixais. Pedi, pois, antes de tudo, para vos tornardes melhores, e vereis que torrentes de graças e consolações se derramarão sobre vós! (6).
  • 38. A prece se reveste de importância capital em qualquer situação. Pela prece, o homem atrai o concurso (auxílio) dos Bons Espíritos, que o vêm sustentar nas suas boas resoluções e inspirar-lhe bons pensamentos. Ele adquire assim a força moral necessária para vencer as dificuldades e voltar ao caminho reto, quando dele se afastou; E assim também podem desviar de si os males que atrairia pelas suas próprias faltas. Um homem, por exemplo, sente a sua saúde arruinada pelos excessos que cometeu, e arrasta, até o fim dos seus dias, uma vida de sofrimento.
  • 39. Tem o direito de queixar-se, se não conseguir a cura? Não, porque poderia encontrar na prece a força para resistir às tentações (3). Admitamos que o homem nada pudesse fazer contra os outros males; Que todas as preces fossem inúteis para livrar-se deles; Já não seria muito, poder afastar todos os que decorrem da sua própria conduta (males esses relacionados à imprevidência ou aos excessos humanos)?
  • 40. Pois bem: neste caso concebe-se facilmente a ação da prece, que tem por fim atrair a inspiração salutar dos Bons Espíritos, pedir-lhes a força necessária para resistirmos aos maus pensamentos, cuja execução pode nos ser funesta. E, para nos atenderem nisto, não é o mal que eles afastam de nós, mas é a nós que eles afastam do pensamento que nos pode causar o mal; Embaraçam em nada os desígnios de Deus, nem suspendem o curso das leis naturais, mas é a nós que impedem de infringirmos as leis, ao orientarem o nosso livre arbítrio. Mas o fazem sem percebemos, de maneira oculta, para prejudicarem a nossa vontade.
  • 41. O homem se encontra então em posição de quem solicita bons conselhos e os segue, mas conservando a liberdade de segui-los ou não. Deus quer que assim seja, para que ele tenha a responsabilidade dos seus atos e para lhe deixar o mérito da escolha entre o bem e o mal. É isso o que o homem sempre receberá, se pedir com fervor, e ao que se podem sobretudo aplicar estas palavras: “Pedi e obtereis” (4). A prece [...] é sempre um atestado de boa vontade e compreensão, no testemunho da nossa condição de Espíritos devedores.
  • 42. Sem dúvida, não poderá modificar o curso das leis, diante das quais nos fazemos réus sujeitos a penas múltiplas, mas renova-nos o modo de ser, valendo não só como abençoada plantação de solidariedade em nosso benefício, mas também como vacina contra reincidência no mal. Além disso, a prece faculta-nos a aproximação com os grandes benfeitores que nos presidem os passos, auxiliando-nos a organização de novo roteiro para a caminhada segura (11). Em qualquer situação, a prece não deve traduzir-se como:
  • 43. [...] movimento mecânico de lábios, nem disco de fácil repetição no aparelho da mente. É vibração, energia, poder. A criatura que ora, mobilizando as próprias forças, realiza trabalhos de inexprimível significação. Semelhante estado psíquico descortina forças ignoradas, revela a nossa origem divina e coloca-nos em contato com as fontes superiores. Dentro dessa realização, o Espírito, em qual quer forma, pode emitir raios de espantoso poder (12).
  • 44. A oração é divina voz do espírito no grande silêncio. Nem sempre se caracteriza por sons articulados na condição verbal, mas, invariavelmente, é prodigioso poder espiritual comunicando emoções e pensamentos, imagens e ideias, desfazendo empecilhos, limpando estradas, reformando concepções e melhorando o quadro mental em que nos cabe cumprir a tarefa a que o Pai nos convoca (15). A importância da prece é facilmente evidenciada quando aprendemos a fazer distinções entre rezar e orar.
  • 45. "Rezar é repetir palavras segundo fórmulas determinadas. É produzir eco que a brisa dissipa, como sucede à voz do sino que no espaço se espraia (espalha) e morre. Orar é sentir! O sentimento é intraduzível. Não há palavra que o defina com absoluta precisão. O mais rico vocabulário do mundo é pobre para traduzir a grandeza de um sentimento. Não há fórmula que o contenha, não há molde que o guarde, não há modelo que o plasme.
  • 46. [...] Orar é irradiar para Deus, firmando desse modo nossa comunhão com Ele. A oração é o poder dos fiéis. Os crentes oram. Os impostores e os supersticiosos rezam. Os crentes oram a Deus. Os hipócritas, quando rezam, dirigem-se à sociedade em cujo meio vivem. Difícil é compreender-se o crente em seus colóquios com a Divindade. Os fariseus rezavam em público para serem vistos, admirados, louvados (16).
  • 48. Há pessoas que contestam a eficácia da prece, entendendo que, por conhecer Deus as nossas necessidades, é desnecessário expô-las a Ele. Acrescentam ainda que, tudo se encadeando no universo através de leis eternas, nossos votos não podem modificar os desígnios de Deus. Há leis naturais e imutáveis, sem dúvida, que Deus não pode anular segundo os caprichos de cada um. Mas daí a acreditar que todas as circunstâncias da vida estejam submetidas à fatalidade, a distância é grande.
  • 49. Se assim fosse, o homem seria apenas um instrumento passivo, sem livre arbítrio e sem iniciativa. Nessa hipótese, só lhe caberia curvar a fronte ante os golpes do destino, sem procurar evitá-los e não deveria esquivar-se dos perigos. Deus não lhe deu o entendimento e a inteligência para que não os utilizasse, a vontade para não querer, a atividade para cair na inação (falta de ação). O homem sendo livre de agir, num ou noutro sentido, seus atos têm, para ele mesmo e para os outros, consequências subordinadas às suas decisões.
  • 50. Em virtude da sua iniciativa, há portanto acontecimentos que escapam, forçosamente, à fatalidade, e que nem por isso destroem a harmonia das leis universais, da mesma maneira que o avanço ou atraso dos ponteiros de um relógio não destrói a lei do movimento, que regula o mecanismo do aparelho. Deus pode, pois, atender a certos pedidos sem derrogar a imutabilidade das leis que regem o conjunto, dependendo sempre o atendimento da sua vontade (1). Percebe-se a eficácia e a ação da prece ou resultados obtidos.
  • 51. Os [...] raios divinos, expedidos pela oração santificadora, convertem-se em fatores adiantados de cooperação eficiente e definitiva na cura do corpo, na renovação da alma e iluminação da consciência. Toda prece elevada é manancial de magnetismo criador e vivificante e toda criatura que cultiva a oração, como devido equilíbrio do sentimento, transforma-se, gradativamente, em foco irradiante de energias da Divindade (13). O [...] trabalho da prece é mais importante do que se pode imaginar no círculo dos materializados.
  • 52. Não há prece sem resposta. E a oração, filha do amor, não é apenas súplica. É comunhão entre o Criador e a criatura, constituindo, assim, o mais poderoso influxo magnético que conhecemos. Acresce notar, porém, [...] que a rogativa (súplica) maléfica conta, igualmente, com enorme potencial de influenciação. Toda vez que o Espírito se coloca nessa atitude mental, estabelece um laço de correspondência entre ele e o Além.
  • 53. Se a oração traduz atividade no bem divino, venha donde vier, encaminhar-se-á para o Além em sentido vertical, buscando as bênçãos da vida superior, cumprindo-nos advertir que os maus respondem aos maus nos planos inferiores, entrelaçando-se mentalmente uns com os outros. É razoável, porém, destacar que toda prece impessoal dirigida às Forças Supremas do Bem, delas recebe resposta imediata, em nome de Deus. Sobre os que oram nessas tarefas benditas, fluem, das esferas mais altas, os elementos-força que vitalizam nosso mundo interior, edificando-nos as esperanças divinas, e se exteriorizam, em seguida, contagiados de nosso magnetismo pessoal, no intenso desejo de servir com o Senhor
  • 54. Alta concentração Baixa Concentração Na prece, a concentração é essencial para maximizar nossas potencialidades energéticas de comunicação com o plano espiritual.
  • 57. 1. KARDEC, Allan. O Evangelho Segundo o Espiritismo. Tradução de J. Herculano Pires. 70ª ed. Brás - São Paulo: LAKE, Fevereiro de 2013 - Cap. XXVII – PEDI E OBTEREIS – Item: Eficácia da Prece - Questão 6 - Págs. 300-301 2.________,Item: Ação da Prece - Transmissão do Pensamento – Questão 9 – Pág. 302. 3.________,Questão 11 – Pág. 303. 4.________,Questão 12 – Pág. 304. 5.________,Instrruções dos Espíritos - Item: Modo de Orar – Questão 22 – Págs. 308-309. 6.________,Pág. 309. 7.________,Págs. 309-310.
  • 58. 8.________,Capítulo XXVIII – Coletâneas de Preces Espíritas – Item I – Preces Gerais – Oração Dominical - Questão 2 - Prefácio – Pág. 314. 9. ________, O livro dos Espíritos. Tradução de J. Herculano Pires. 68ª ed. Brás - São Paulo: LAKE, Janeiro 2009 - Livro Terceiro - AS LEIS MORAIS – Cap. II – Lei de Adoração - Item III Vida Contemplativa – Questão 659 - Pág. 233. 10. DENIS, Léon. Depois da Morte – Tradução de João Lourenço de Souza – 25ª Ed. Rio de Janeiro: FEB 2005 – Quinta Parte – Caminho Reto - Capítulo 51 (A Prece) - Pág. 295.
  • 59. 11. Xavier, Francisco Cândido. Ação e Reação. Pelo André Luiz - 27ª Ed. Rio de Janeiro: FEB 2006 – Ante o Centenário - Cap. 19 – Sanções e Auxílios – Pág. 327. 12._________, Missionários da Luz. Pelo André Luiz – 38ª Ed. Rio de Janeiro: FEB 2004 –- Cap. 6 – A Oração – Pág. 83. 13._________,Pág. 84. 14._________,Os Mensageiros. Pelo André Luiz – 40ª Ed. Rio de Janeiro: FEB 2004 –- Cap. 25 – Efeitos da Oração – Págs. 159-160. 15._________,Vinha de Luz. Pelo Espírito Emmanuel – 24ª Ed. Rio de Janeiro: FEB 2006 – Cap. 98 – A Prece Recompõe – Pág. 222.
  • 60. 16. VINÍCIUS. Nas Pegadas do Mestre. - 10ª Ed. Rio de Janeiro: FEB 2005 – Rezar e Orar - Pág. 135.