SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 43
159. Toda pessoa que sente a influência dos Espíritos, em
qualquer grau de intensidade, é médium. Essa faculdade é
inerente ao homem. Por isso mesmo não constitui privilégio e são
raras as pessoas que não a possuem pelo menos em estado
rudimentar. Pode-se dizer, pois, que todos são mais ou menos
médiuns. Usualmente, porém, essa qualificação se aplica somente
aos que possuem uma faculdade mediúnica bem caracterizada,que
se traduz por efeitos patentes de certa intensidade, o que
depende de uma organização mais ou menos sensitiva.
Deve-se notar, ainda, que essa faculdade não se revela em todos
da mesma maneira. Os médiuns têm, geralmente, aptidão especial
para esta ou aquela ordem de fenômenos, o que os divide em
tantas variedades quantas são as espécies de manifestações. As
principais são: médiuns de efeitos físicos, médiuns sensitivos ou
impressionáveis, auditivos, falantes, videntes, sonâmbulos,
curadores,
pneumatógrafos, escreventes ou psicógrafos.(1)
QUEM SÃO OS MÉDIUNS NA SUA GENERALIDADE
• “Os médiuns, em sua generalidade, não são missionários na acepção
comum do termo; são almas que fracassaram desastradamente, que
contrariaram, sobremaneira, o curso das leis divinas, e que resgatam,
sob o peso de severos compromissos e ilimitadas responsabilidades, o
passado obscuro e delituoso. O seu pretérito, muitas vezes, se
encontra enodoado de graves deslizes e de erros clamorosos. Quase
sempre, são Espíritos que tombaram dos cumes sociais, pelos abusos
do poder, da autoridade, da fortuna e da inteligência, e que regressam
ao orbe terráqueo para se sacrificarem em favor do grande número de
almas que desviaram das sendas luminosas da fé, da caridade e da
virtude. São almas arrependidas que procuram arrebanhar todas as
felicidades que perderam, reorganizando, com sacrifícios, tudo quanto
esfacelaram nos seus instantes de criminosas arbitrariedades e de
condenável insânia.”
“...Centro de Mensageiros da colônia, um lugar
dedicado a instrução e preparação de espíritos que
reencarnarão com a tarefa da mediunidade...”
Essas pessoas que André encontra são, muitas vezes,
médiuns que faliram na última existência e que
novamente se preparam para a tarefa em mais uma
oportunidade. São espíritos que haviam saído da colônia
Nosso Lar com a responsabilidade da mediunidade e
rodeados por recursos para cumpri-la, mas que, por
diversas razões, tomaram outros caminhos.
“Durante uma semana,”
• O MÉDIUM E O DIRIGENTE
• Que os médiuns são pessoas de sensibilidade mais
aguçada , sabemos todos. Ou não seriam médiuns. E,
por isso mesmo, mais sensíveis também à crítica,
especialmente quando injusta, grosseira ou mal
formulada. É imperioso, contudo, distinguir entre
sensibilidade e melindre. O médium responsável e
interessado em dar o melhor de si mesmo à tarefa
que abraçou não apenas aceita a crítica construtiva e
leal, como a procura, desejoso de aperfeiçoar seu
desempenho mediúnico. Melindres ficam com os que
não admitem a menor observação, a não ser o elogio,
o endeusamento,
como se fossem infalíveis instrumentos dos mais elevados manifestantes.
Vai uma diferença muito grande entre a análise crítica construtiva do
trabalho realizado e a implicância, a intolerância, a estreiteza de vistas e até
o ciúme.
.................................................
Seja como for, os primeiros contatos de um médium iniciante, ou no qual a
mediunidade acaba de ser 'diagnosticada', são altamente críticos, É nessa
hora que muito se define do futuro. Se for acolhido com a necessária
compreensão e adequadamente orientado e instruído, poderá chegar a ser
excelente colaborador na tarefa para a qual, evidentemente, veio
preparado. Se mal recebido, tratado com condescendente superioridade,
aspereza, incompreensão e intolerância, ante as peculiaridades de suas
faculdades, é grande a responsabilidade daqueles que não souberam ou
não quiseram estender a mão, no momento oportuno, ao que vem
precisamente para ser ajudado a servir
Afloramento da Mediunidade
Qual a procedência, a origem da Mediunidade?
No complexo mecanismo da consciência humana, a
paranormalidade desabrocha, alargando horizontes da percepção
em torno das realidade profundas do ser e da vida.
A mediunidade, que vige latente no organismo humano, aprimora-
se com o contributo da consciência de responsabilidade e mediante
a atenção que o exercício da sua função bem direcionada lhe
conceda.
Faculdade da consciência superior ou Espírito imortal, reveste-se
dos órgãos físicos que lhe exteriorizam os fenômenos no mundo das
manifestações concretas
(Momentos de Consciência, Cap. 19, Joanna de Ângelis/Divaldo P.
Franco – LEAL)
De que modo a faculdade se manifesta?
Explodindo com relativa violência em determinados
indivíduos, graças a cuja manifestação surgem perturbações
de vária ordem, noutros aparece sutilmente, favorecendo a
penetração em mais amplas faixas vibratórias, aquelas de
onde se procede antes do corpo e para cujo círculo se retorna
depois do desgaste carnal.
(Momentos de Consciência, Cap. 19, Joanna de
Ângelis/Divaldo P. Franco – LEAL)
Por que motivos o afloramento da mediunidade surge, em grande número
dos casos, sob ações obsessivas?
Como se pode avaliar, o período inicial de educação mediúnica sempre se dá
sob ações tormentosas. O médium é Espírito endividado, em si mesmo, com
vasta cópia de compromissos a resgatar, quanto a desdobrar, trazendo
matrizes que facultam o acoplamento de mentes perniciosas do Além-
Túmulo, que o impelem ao trabalho de auto burilamento, quanto ao exercício
da caridade, da paciência e do amor para com os mesmos. Além disso, em
considerando os seus débitos, vincula-se aos cobradores que o não querem
perder de vista, sitiando-lhe a casa mental, afligindo-o com o recurso de um
campo precioso e vasto, qual é a percepção mediúnica, tentando impedir-lhe
o crescimento espiritual, mediante o qual lograria libertar-se do jugo infeliz.
Criam armadilhas, situações difíceis, predispõem mal aquele que vivem em
diferente faixa vibratória, peculiar, diversa aos que não possuem disposição
medianímicas.
É um calvário abençoado, a fase inicial do exercício e
desdobramento da mediunidade. Outrossim, este é o meio de
ampliar, desenvolver o treinamento do sensitivo, que aprende
a discernir o tom psíquico dos que o acompanham, em
espírito, tomando conhecimento das “leis dos fluídos” e
armando-se de resistência para combater as “más
inclinações” que são os ímãs a atrair os que se encontram em
estado de Erraticidade inferior.
A reunião mediúnica é um encontro de trabalhadores
espíritas com a finalidade de exercitar a mediunidade de
forma segura, acolhendo os espíritos desencarnados nas
suas dores e aflições. É um momento de muito
aprendizado, no qual o médium desenvolve a capacidade
de sentir a dor do outro, se colocar no lugar do seu
semelhante, aprendendo a amar e a auxiliar quem
verdadeiramente necessita.
No livro Orientação ao centro espírita, a Federação
Espírita Brasileira apresenta duas reuniões:
Estudo e prática da mediunidade
É uma reunião teórico-prática de estudo da mediunidade, privativa,
constituída de pessoas que possuem conhecimentos básicos do
Espiritismo.
Essa reunião tem por objetivo:
estudar a mediunidade com base nos ensinamentos constantes em O livro
dos médiuns e demais obras da codificação da Doutrina Espírita, além de
outras obras que guardam concordância com o Espiritismo;
desenvolver a mediunidade e contribuir para a educação intelecto-moral
dos participantes;
preparar trabalhadores de forma continuada para atuarem nas reuniões
mediúnicas;
formar adeptos esclarecidos, capazes de compreenderem a mediunidade e
a ação dos espíritos nas diversas circunstâncias da vida. ¹
Reunião mediúnica
É uma atividade privativa, séria, instrutiva, de intercâmbio espiritual
integrada por trabalhadores que possuam conhecimento e formação
espírita do Espiritismo compatível com o objetivo da tarefa. Segundo
Allan Kardec, uma reunião só é verdadeiramente séria quando se
ocupa de coisas úteis, com exclusão de todas as demais. ²
Ainda segundo Kardec: uma reunião é um ser coletivo, cujas
qualidades e propriedades são a resultante das de seus membros e
formam como que um feixe. Ora, este feixe tanto mais força terá
quanto mais homogêneo for. ³
É importante observar que a reunião mediúnica apresenta a interação de
duas equipes, uma encarnada e uma desencarnada. Ademais, de acordo com
o codificador da Doutrina Espírita, a homogeneidade do grupo vai depender
do conhecimento e da afinidade dos participantes dessa reunião.
Ainda de acordo com o livro Orientação ao centro espírita, no mesmo
capítulo, são apresentados os objetivos principais de uma reunião
mediúnica, quais sejam:
• Prestar auxílio moral e doutrinário aos espíritos que sofrem ou que
fazem sofrer, concorrendo para o seu equilíbrio e a sua melhoria;
• Amparar espíritos em processo de reencarnação;
• Contribuir para o reajuste espiritual de espíritos portadores de várias
desarmonias;
• Colaborar com processos de desobsessão planejados e desenvolvidos
pelos obreiros do plano extrafísico;
• Favorecer o desenvolvimento da ciência espírita por meio de estudos
edificantes relacionados à mediunidade e ao processo de intercâmbio
mediúnico;
• Exercitar o desenvolvimento de virtudes, esforçando-se para fornecer
exemplos de transformação moral e ação no bem;
• Cooperar com os benfeitores espirituais no trabalho de defesa do
centro espírita, ante as investidas de espíritos descompromissados
com o bem;
• Auxiliar na construção da paz mundial entre os povos.
Allan Kardec enfatiza que: o objetivo de uma reunião séria deve
consistir em afastar os espíritos mentirosos. Incorreria em erro se
ela se julgasse imune à ação deles, fiando-se tão só nos seus
objetivos e na qualidade de seus médiuns. Tal meta não será
alcançada enquanto a reunião não se achar em condições
favoráveis4.
9ª Qual o médium que se poderia qualificar de perfeito?
"Perfeito, ah! bem sabes que a perfeição não existe na
Terra, sem o que não estaríeis nela. Dize, portanto, bom
médium e já é muito, pois eles são raros. Médium perfeito
seria aquele contra o qual os maus Espíritos
jamais ousassem uma tentativa de enganá-lo. O melhor é
aquele que, simpatizando somente com os bons Espíritos,
tem sido o menos enganado.“ O Livro dos Médiuns, questão
226 /Da influência Moral do Médium
AS DIMENSÕES DA VIDA
QUE SUCEDE À ALMA NO
INSTANTE DA MORTE ?
ALM
A
VOLTA A SER ESPÍRITO, ISTO É, VOLVE AO
MUNDO DOS ESPÍRITOS, DONDE SE APARTARA
MOMENTANEAMENTE
ESPÍRITO
CORPO
FÍSICO
(O LIVRO DOS ESPÍRITOS - ALLAN KARDEC, CAP. III)
QUE DEFINIÇÃO SE PODE DAR DE ESPÍRITOS ?
 SÃO OS SERES INTELIGENTES DA CRIAÇÃO
 SÃO AS ALMAS DOS HOMENS DESPOJADAS DO
CORPO FÍSICO
(O LIVRO DOS ESPÍRITOS - CAP I - ALLAN KARDEC
DEPOIS DA MORTE – LÉON DENIS)
INFLUEM OS
ESPÍRITOS EM
NOSSOS
PENSAMENTOS E
EM NOSSOS ATOS ?
 MUITO MAIS DO
QUE
IMAGINAIS
$
ESPÍRITO
S
VÊEM OS ESPÍRITOS TUDO O QUE
FAZEMOS ?
 PODEM VER, POIS QUE CONSTANTEMENTE
VOS RODEIAM
(O LIVRO DOS ESPÍRITOS – ALLAN KARDEC)
 NA MAIORIA DAS VEZES, AGIMOS SOB A
INFLUÊNCIA
DE ENTIDADES ESPIRITUAIS
 OS ESPÍRITOS SE AFINAM COM O NOSSO MODO DE
PENSAR E DE SER
(OBSESSÃO/DESOBSESSÃO – SUELY C. SHUBERT)
 É A AÇÃO PERSISTENTE DE UM MAU
ESPÍRITO SOBRE UMA PESSOA
 É INFLUENCIAÇÃO NOCIVA
 É PRATICADA SOMENTE POR
ESPÍRITOS
INFERIORES
 DECORRE SEMPRE DE UMA
IMPERFEIÇÃO MORAL
(O LIVRO DOS ESPÍRITOS – ALLAN KARDEC)
(O LIVRO DOS MÉDIUNS – ALLAN KARDEC – CAP. XXIII)
COMO
SE
PROCESS
A
HIPNOSE
(OBSESSÃO /DESOBSESSÃO, SUELY C. SCHUBERT, CAP. 9)
FALTA DO
BEM
MORAL
CÁRMICA
SINTONIA
MENTAL
ENVOLVI-
MENTO
FLUÍDICO
INCURSIONAM NA MENTE DA
VÍTIMA,
SUGERINDO PENSAMENTOS QUE
VISAM ACENTUAR SUAS
PREOCUPAÇÕES, FOBIAS E
TENDÊNCIAS, NUMA
REPETIÇÃO CONSTANTE
$
ESPÍRITO
S
(DRAMAS DA OBSESSÃO – BEZERRA DE
MENEZES)
(O LIVRO DOS MÉDIUNS - ALLAN KARDEC - CAP XXIII)
ENCARNADO
ENCARNADO
DESENCARNADO
DESENCARNADO
ENCARNADO
DESENCARNADO
DESENCARNADO
ENCARNADO
OBSESSÃO
RECÍPROCA
AUTO-
OBSESSÃO
(OBSESSÃO/DESOBSESSÃO - SUELY C.
SCHUBERT)
O HOMEM NÃO
RARAMENTE É
O
OBSESSOR DE
SI MESMO
CONSEQÜÊNCIAS
DA
OBSESSÃO
( OBSESSÃO/DESOBSESSÃO - SUELY C. SCHUBERT)
SUICÍDIO
DOENÇAS
VÍCIOS
BREVE
PERIÓDICA
PERMANENTE
CABE À NOSSA
CONSCIÊNCIA A ESCOLHA E A
LIBERDADE DE CEDER OU
NÃO ÀS INFLUÊNCIAS
ESPIRITUAIS
QUE SE EXERCEM
SOBRE NÓS.
(O LIVRO DOS ESPÍRITOS – 2ª PARTE – CAP. IX)
NÃO HÁ HOMEM SOBRE QUEM DEIXE DE
ATUAR
A INFLUÊNCIA BOA OU MÁ DOS ESPÍRITOS.
VIVEMOS NO MEIO DE UMA MULTIDÃO
INVISÍVEL, QUE ASSISTE, ATENTA,
A NOSSA EXISTÊNCIA.
(LÉON DENIS – DEPOIS DA MORTE – CAP.
XXII)
ORIENTA O
TRATAMENTO
DAS
OBSESSÕES
ESCLARECE
SOBRE O
OBSESSOR E O
OBSIDIADO
DEMONSTRA A
IMPORTÂNCIA
DA PARTICIPAÇÃO
DO ENFERMO
UTILIZA A
TERAPÊUTICA
ESPIRITUAL PARA
A CURA DA
OBSESSÃO
(OBSESSÃO/DESOBSESSÃO – SUELY C.
SCHUBERT)
( OBSESSÃO/DESOBSESSÃO - SUELY C. SCHUBERT
)
DESOBSESSÃO
PRECE
ÁGUA
FLUIDIFICADA
PASSES
EVANGELIZAÇÃO
TRABALHO DOUTRINÁRIO E
MEDIÚNICO QUE SE FAZ
PROCURANDO
LIBERTAR ALGUÉM DA AÇÃO
ESPIRITUAL PREJUDICIAL E
INSISTENTE QUE ESTEJA SOFRENDO
(O LIVRO DOS MÉDIUNS – ALLAN KARDEC – CAP.
XXIII)
+ +
( OBSESSÃO/DESOBSESSÃO - SUELY C. SCHUBERT
)
VONTADE
MUDANÇA
DOS
PENSAMENTOS
REFORMA
ÍNTIMA
“Daí a necessidade de se fortificar a
alma
e de o obsidiado trabalhar no seu próprio
melhoramento.”
(A Gênese - Allan Kardec, item 46)
“Pode, visto que
tais Espíritos só se
apegam aos que, pelos seus
desejos, os chamam, ou aos
que, pelos seus pensamentos,
os atraem.”
Pode o homem
eximir-se da influência
dos Espíritos que
procuram arrastá-lo
ao mal?
PERGUNTA 467 - OLE
RESPOSTA
ESTUDAR A DOUTRINA ESPÍRITA
8
LER E MEDITAR SOBRE O EVANGELHO DE JESUS
7
( OBSESSÃO/O PASSE/A DOUTRINAÇÃO - J. HERCULANO PIRES
)
NÃO CULTIVAR A DEPRESSÃO
6
NÃO SE CONSIDERAR VÍTIMA
5
VIGIAR PENSAMENTOS, SENTIMENTOS E PALAVRAS
4
ACEITAR OS SEMELHANTES
3
COMPREENDER O QUE É OBSESSÃO
2
FAZER PRECE
1
IMEDIATISMO E FALTA DE CONTINUIDADE
INDIFERENÇA AO ESFORÇO PRÓPRIO
NECESSIDADE DE MUDANÇA INTERIOR
(PAINÉIS DA OBSESSÃO – MANOEL P. DE
MIRANDA)
NÃO SÃO POUCOS AQUELES QUE,
LOGO QUE MELHORAM, ABANDONAM
AS DISPOSIÇÕES DE TRABALHO
E PROGRESSO
O SENTIDO DA VIDA
CRESCIMENTO ELEVAÇÃO
DESENVOL-
VIMENTO
AS VÁRIAS EXISTÊNCIAS TERRENAS
TEM POR FIM A SUPERAÇÃO DAS
NOSSAS IMPERFEIÇÕES
(OBSESSÃO/O PASSE/A DOUTRINAÇÃO - J. HERCULANO
PIRES)
 É A AÇÃO PERSISTENTE DE UM MAU ESPÍRITO
SOBRE UMA PESSOA
 É SEMPRE O RESULTADO DE UMA
IMPERFEIÇÃO MORAL DANDO ACESSO A UM
ESPÍRITO MAU
SOBRE O ENCARNADO
DÉBITOS
DE VIDAS
PASSADAS
+IMPERFEIÇÕES
MORAIS
BRECHAS PARA
A OBSESSÃO
(OBSESSÃO/DESOBSESSÃO - SUELY C.
SCHUBERT)
(O LIVRO DOS ESPÍRITOS – ALLAN
KARDEC)
DISCIPLINA DAS
EMOÇÕES E
PENSAMENTOS
REFORMA
INTERIOR
PRÁTICA DO
BEM
PRECE E FÉ
EM DEUS
TORNA-SE NECESSÁRIO DESTRUIR EM SI
MESMO A CAUSA DA ATRAÇÃO
DOS MAUS ESPÍRITOS
(ALLAN KARDEC)
1
PRECE FERVOROSA E ESFORÇOS PARA
MELHORAR-SE CONSTITUEM MEIOS DE
AFASTAR OS MAUS ESPÍRITOS
(ALLAN KARDEC)
2
PRÁTICA DO BEM E FÉ EM DEUS REPELEM
A INFLUÊNCIA DOS ESPÍRITOS INFERIORES
(EMMANUEL)
3
É O PENSAMENTO A TRANSITAR
E A SINTONIZAR NAS FAIXAS
INFERIORES
(OBSESSÃO/DESOBSESSÃO - SUELY C. SCHUBERT)
É A MUDANÇA DE DIREÇÃO DO
PENSAMENTO PARA RUMOS
NOBRES E CONSTRUTIVOS
  


DE ACORDO COM O QUE PENSAMOS SERÃO AS
NOSSAS COMPANHIAS ESPIRITUAIS.
“DIZE-ME O QUE PENSAS E TE DIREI COM
QUEM
ANDAS”.
TIRA TODO
PRETEXTO
ÀS
REPRESÁLIAS
SENSIBILIZA
O CORAÇÃO
PERVERSO
FAZ DO
INIMIGO
UM AMIGO
IRRITA O INIMIGO,
QUE SE CONSTITUI INSTRUMENTO
DE QUE A JUSTIÇA DE DEUS SE
SERVE PARA PUNIR AQUELE
QUE NÃO PERDOOU
(O EVANGELHO SEGUNDO O ESPIRITISMO - CAP. XII)
Bibliografia
1 – Livro Orientação ao centro espírita, capítulo 9, 1ª edição revista e atualizada em
2/2021
2 – Kardec, Allan, O Livro dos Médiuns, 2ª parte, capítulo 29, item 327, FEB, 81ª edição
3 – Kardec, Allan, O Livro dos Médiuns, 2ª parte, capítulo 29, item 331, FEB, 81ª edição
4 – Kardec, Allan, O Livro dos Médiuns, 2ª parte, capítulo 29, item 330, FEB, 81ª edição
5 – Denis, Léon, No invisível, 1ª parte, capítulo X
6 – Miranda, Hermínio C. de, Diálogo com as sombras, 1ª parte, capítulo 1
7 – Schubert, Suely Caldas, Obsessão desobsessão, 3ª parte, capítulo 5, 10ª edição, FEB
8 – Xavier, F. C e Vieira, Waldo, Desobsessão, capítulo 24, pelo Espírito André Luiz
9 – Orientação para a prática mediúnica no centro espírita, capítulo 8 – Orientações
específicas, FEB, 1ª edição 2016
10 – Orientação para a prática mediúnica no centro espírita, capítulo 9 – Orientações
específicas, FEB, 1ª edição 2016
https://palestrasdiversas.com.br/espiritismo
_PPT.htm

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Mediunidade e Obsessão - Doutrina Espírita

Projeto manoel philomeno de miranda vivência mediúnica
Projeto manoel philomeno de miranda   vivência mediúnicaProjeto manoel philomeno de miranda   vivência mediúnica
Projeto manoel philomeno de miranda vivência mediúnica
Helio Cruz
 
Curso para doutrinadores
Curso para doutrinadoresCurso para doutrinadores
Curso para doutrinadores
Alencar Santana
 
Uem apostila curso_basicomediunidade
Uem apostila curso_basicomediunidadeUem apostila curso_basicomediunidade
Uem apostila curso_basicomediunidade
rosane melo
 

Semelhante a Mediunidade e Obsessão - Doutrina Espírita (20)

Dialogando com Espíritos.pptx
Dialogando com Espíritos.pptxDialogando com Espíritos.pptx
Dialogando com Espíritos.pptx
 
Dialogando com Espíritos.pdf
Dialogando com Espíritos.pdfDialogando com Espíritos.pdf
Dialogando com Espíritos.pdf
 
O doutrinador Dialogo com as Sombras
O doutrinador   Dialogo com as SombrasO doutrinador   Dialogo com as Sombras
O doutrinador Dialogo com as Sombras
 
Eclosão da Mediunidade; por: Josiete andrade.pptx
Eclosão da Mediunidade; por: Josiete andrade.pptxEclosão da Mediunidade; por: Josiete andrade.pptx
Eclosão da Mediunidade; por: Josiete andrade.pptx
 
Desobsessao
DesobsessaoDesobsessao
Desobsessao
 
Projeto manoel philomeno de miranda vivência mediúnica
Projeto manoel philomeno de miranda   vivência mediúnicaProjeto manoel philomeno de miranda   vivência mediúnica
Projeto manoel philomeno de miranda vivência mediúnica
 
( Espiritismo) # - astolfo o o filho - a doutrinacao e seus metodos
( Espiritismo)   # - astolfo o o filho - a doutrinacao e seus metodos( Espiritismo)   # - astolfo o o filho - a doutrinacao e seus metodos
( Espiritismo) # - astolfo o o filho - a doutrinacao e seus metodos
 
Evangeliza - Diálogo com os Espíritos - Médiuns Esclarecedores
Evangeliza - Diálogo com os Espíritos - Médiuns EsclarecedoresEvangeliza - Diálogo com os Espíritos - Médiuns Esclarecedores
Evangeliza - Diálogo com os Espíritos - Médiuns Esclarecedores
 
Curso para doutrinadores
Curso para doutrinadoresCurso para doutrinadores
Curso para doutrinadores
 
Curso para doutrinadores
Curso para doutrinadoresCurso para doutrinadores
Curso para doutrinadores
 
Aula 8 - Médium/Mediunidade
Aula 8 - Médium/MediunidadeAula 8 - Médium/Mediunidade
Aula 8 - Médium/Mediunidade
 
Eclosão da mediunidade.pptx
Eclosão da mediunidade.pptxEclosão da mediunidade.pptx
Eclosão da mediunidade.pptx
 
Da pratíca da mediunidade
Da pratíca da mediunidadeDa pratíca da mediunidade
Da pratíca da mediunidade
 
Doutrinação
DoutrinaçãoDoutrinação
Doutrinação
 
Uem apostila curso_basicomediunidade
Uem apostila curso_basicomediunidadeUem apostila curso_basicomediunidade
Uem apostila curso_basicomediunidade
 
( Espiritismo) # - astolfo o o filho - doutrinacao de espiritos
( Espiritismo)   # - astolfo o o filho - doutrinacao de espiritos( Espiritismo)   # - astolfo o o filho - doutrinacao de espiritos
( Espiritismo) # - astolfo o o filho - doutrinacao de espiritos
 
Mediunidade e parceria-marisa_l (1)
Mediunidade e parceria-marisa_l (1)Mediunidade e parceria-marisa_l (1)
Mediunidade e parceria-marisa_l (1)
 
Seminário sobre Mediunidade
Seminário sobre MediunidadeSeminário sobre Mediunidade
Seminário sobre Mediunidade
 
OrganizacaoFuncionamentoReuniaoMediunicao.ppt
OrganizacaoFuncionamentoReuniaoMediunicao.pptOrganizacaoFuncionamentoReuniaoMediunicao.ppt
OrganizacaoFuncionamentoReuniaoMediunicao.ppt
 
Curso básico de mediunidade
Curso básico de mediunidadeCurso básico de mediunidade
Curso básico de mediunidade
 

Mais de Sergio Luiz , Palestrante Espírita - Professor, Cientista Social e Jornalista

Mais de Sergio Luiz , Palestrante Espírita - Professor, Cientista Social e Jornalista (20)

Centros de Força do Perispírito (plexos, chacras)
Centros de Força do Perispírito (plexos, chacras)Centros de Força do Perispírito (plexos, chacras)
Centros de Força do Perispírito (plexos, chacras)
 
Fluido Cósmico Universal e Perispírito.ppt
Fluido Cósmico Universal e Perispírito.pptFluido Cósmico Universal e Perispírito.ppt
Fluido Cósmico Universal e Perispírito.ppt
 
O Livro dos Espiritos - Allan Kardec.pdf
O Livro dos Espiritos - Allan Kardec.pdfO Livro dos Espiritos - Allan Kardec.pdf
O Livro dos Espiritos - Allan Kardec.pdf
 
Livro Aconteceu na Casa Espirita / Autores Espírito Nora e Médium Emanuel Cri...
Livro Aconteceu na Casa Espirita / Autores Espírito Nora e Médium Emanuel Cri...Livro Aconteceu na Casa Espirita / Autores Espírito Nora e Médium Emanuel Cri...
Livro Aconteceu na Casa Espirita / Autores Espírito Nora e Médium Emanuel Cri...
 
As mesas girantes e o espiritismo
As mesas girantes e o espiritismoAs mesas girantes e o espiritismo
As mesas girantes e o espiritismo
 
História do espiritismo.
História do espiritismo. História do espiritismo.
História do espiritismo.
 
O fenômeno espírita.
O fenômeno espírita.O fenômeno espírita.
O fenômeno espírita.
 
Espiritismo básico
Espiritismo básicoEspiritismo básico
Espiritismo básico
 
ESDE - Café Entre Amigos (Livre e Opcional)
ESDE - Café Entre Amigos (Livre e Opcional)ESDE - Café Entre Amigos (Livre e Opcional)
ESDE - Café Entre Amigos (Livre e Opcional)
 
ESDE - Fundamental l – módulo l – roteiro 3 – Sergio Luiz Ribeiro
ESDE - Fundamental l – módulo l – roteiro 3 – Sergio Luiz RibeiroESDE - Fundamental l – módulo l – roteiro 3 – Sergio Luiz Ribeiro
ESDE - Fundamental l – módulo l – roteiro 3 – Sergio Luiz Ribeiro
 
ESDE - Fundamental 1 - modulo 1 - roteiro 2 -
ESDE - Fundamental 1 - modulo 1 - roteiro 2 -ESDE - Fundamental 1 - modulo 1 - roteiro 2 -
ESDE - Fundamental 1 - modulo 1 - roteiro 2 -
 
Fundamental i modulo i - roteiro 1 - [2015] sergio luiz ribero
Fundamental i   modulo i - roteiro 1 - [2015] sergio luiz riberoFundamental i   modulo i - roteiro 1 - [2015] sergio luiz ribero
Fundamental i modulo i - roteiro 1 - [2015] sergio luiz ribero
 
Esde breve apresentação - 2º encontro
Esde   breve apresentação - 2º encontroEsde   breve apresentação - 2º encontro
Esde breve apresentação - 2º encontro
 
Esde recomendado pela mais alta espiritualidade
Esde   recomendado pela mais alta espiritualidadeEsde   recomendado pela mais alta espiritualidade
Esde recomendado pela mais alta espiritualidade
 
90 Anos da nossa casa, o Centro Espírita Discípulos de Jesus - Eis a nossa hi...
90 Anos da nossa casa, o Centro Espírita Discípulos de Jesus - Eis a nossa hi...90 Anos da nossa casa, o Centro Espírita Discípulos de Jesus - Eis a nossa hi...
90 Anos da nossa casa, o Centro Espírita Discípulos de Jesus - Eis a nossa hi...
 
Somos Mutantes (como nossos pensamentos e sentimentos influenciam nosso corpo...
Somos Mutantes (como nossos pensamentos e sentimentos influenciam nosso corpo...Somos Mutantes (como nossos pensamentos e sentimentos influenciam nosso corpo...
Somos Mutantes (como nossos pensamentos e sentimentos influenciam nosso corpo...
 
O amor
O amorO amor
O amor
 
Cremação - Opinião Espírita
Cremação - Opinião EspíritaCremação - Opinião Espírita
Cremação - Opinião Espírita
 
Colônias espirituais
Colônias espirituaisColônias espirituais
Colônias espirituais
 
O retorno de Chico Xavier à Espiritualidade
O retorno de Chico Xavier à EspiritualidadeO retorno de Chico Xavier à Espiritualidade
O retorno de Chico Xavier à Espiritualidade
 

Último (7)

Coletânea De Orações Cristãs Parte 2
Coletânea De Orações Cristãs Parte 2Coletânea De Orações Cristãs Parte 2
Coletânea De Orações Cristãs Parte 2
 
Boletim Espiral número 74, de abril de 2024
Boletim Espiral número 74, de abril de 2024Boletim Espiral número 74, de abril de 2024
Boletim Espiral número 74, de abril de 2024
 
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptx
 
ESPECIALIDADES ARQUEOLOGIA BIBLICA DBV.pdf
ESPECIALIDADES ARQUEOLOGIA BIBLICA DBV.pdfESPECIALIDADES ARQUEOLOGIA BIBLICA DBV.pdf
ESPECIALIDADES ARQUEOLOGIA BIBLICA DBV.pdf
 
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptx
 
Leandro Pires - O Eu Superior Nosso Verdadeiro Mestre.pdf
Leandro Pires - O Eu Superior Nosso Verdadeiro Mestre.pdfLeandro Pires - O Eu Superior Nosso Verdadeiro Mestre.pdf
Leandro Pires - O Eu Superior Nosso Verdadeiro Mestre.pdf
 
Culto esboço de Pregação expositiva sermão em João.docx
Culto esboço de Pregação expositiva sermão em João.docxCulto esboço de Pregação expositiva sermão em João.docx
Culto esboço de Pregação expositiva sermão em João.docx
 

Mediunidade e Obsessão - Doutrina Espírita

  • 1.
  • 2. 159. Toda pessoa que sente a influência dos Espíritos, em qualquer grau de intensidade, é médium. Essa faculdade é inerente ao homem. Por isso mesmo não constitui privilégio e são raras as pessoas que não a possuem pelo menos em estado rudimentar. Pode-se dizer, pois, que todos são mais ou menos médiuns. Usualmente, porém, essa qualificação se aplica somente aos que possuem uma faculdade mediúnica bem caracterizada,que se traduz por efeitos patentes de certa intensidade, o que depende de uma organização mais ou menos sensitiva. Deve-se notar, ainda, que essa faculdade não se revela em todos da mesma maneira. Os médiuns têm, geralmente, aptidão especial para esta ou aquela ordem de fenômenos, o que os divide em tantas variedades quantas são as espécies de manifestações. As principais são: médiuns de efeitos físicos, médiuns sensitivos ou impressionáveis, auditivos, falantes, videntes, sonâmbulos, curadores, pneumatógrafos, escreventes ou psicógrafos.(1)
  • 3. QUEM SÃO OS MÉDIUNS NA SUA GENERALIDADE • “Os médiuns, em sua generalidade, não são missionários na acepção comum do termo; são almas que fracassaram desastradamente, que contrariaram, sobremaneira, o curso das leis divinas, e que resgatam, sob o peso de severos compromissos e ilimitadas responsabilidades, o passado obscuro e delituoso. O seu pretérito, muitas vezes, se encontra enodoado de graves deslizes e de erros clamorosos. Quase sempre, são Espíritos que tombaram dos cumes sociais, pelos abusos do poder, da autoridade, da fortuna e da inteligência, e que regressam ao orbe terráqueo para se sacrificarem em favor do grande número de almas que desviaram das sendas luminosas da fé, da caridade e da virtude. São almas arrependidas que procuram arrebanhar todas as felicidades que perderam, reorganizando, com sacrifícios, tudo quanto esfacelaram nos seus instantes de criminosas arbitrariedades e de condenável insânia.”
  • 4. “...Centro de Mensageiros da colônia, um lugar dedicado a instrução e preparação de espíritos que reencarnarão com a tarefa da mediunidade...” Essas pessoas que André encontra são, muitas vezes, médiuns que faliram na última existência e que novamente se preparam para a tarefa em mais uma oportunidade. São espíritos que haviam saído da colônia Nosso Lar com a responsabilidade da mediunidade e rodeados por recursos para cumpri-la, mas que, por diversas razões, tomaram outros caminhos. “Durante uma semana,”
  • 5. • O MÉDIUM E O DIRIGENTE • Que os médiuns são pessoas de sensibilidade mais aguçada , sabemos todos. Ou não seriam médiuns. E, por isso mesmo, mais sensíveis também à crítica, especialmente quando injusta, grosseira ou mal formulada. É imperioso, contudo, distinguir entre sensibilidade e melindre. O médium responsável e interessado em dar o melhor de si mesmo à tarefa que abraçou não apenas aceita a crítica construtiva e leal, como a procura, desejoso de aperfeiçoar seu desempenho mediúnico. Melindres ficam com os que não admitem a menor observação, a não ser o elogio, o endeusamento,
  • 6. como se fossem infalíveis instrumentos dos mais elevados manifestantes. Vai uma diferença muito grande entre a análise crítica construtiva do trabalho realizado e a implicância, a intolerância, a estreiteza de vistas e até o ciúme. .................................................
  • 7. Seja como for, os primeiros contatos de um médium iniciante, ou no qual a mediunidade acaba de ser 'diagnosticada', são altamente críticos, É nessa hora que muito se define do futuro. Se for acolhido com a necessária compreensão e adequadamente orientado e instruído, poderá chegar a ser excelente colaborador na tarefa para a qual, evidentemente, veio preparado. Se mal recebido, tratado com condescendente superioridade, aspereza, incompreensão e intolerância, ante as peculiaridades de suas faculdades, é grande a responsabilidade daqueles que não souberam ou não quiseram estender a mão, no momento oportuno, ao que vem precisamente para ser ajudado a servir
  • 8.
  • 9.
  • 10. Afloramento da Mediunidade Qual a procedência, a origem da Mediunidade? No complexo mecanismo da consciência humana, a paranormalidade desabrocha, alargando horizontes da percepção em torno das realidade profundas do ser e da vida. A mediunidade, que vige latente no organismo humano, aprimora- se com o contributo da consciência de responsabilidade e mediante a atenção que o exercício da sua função bem direcionada lhe conceda. Faculdade da consciência superior ou Espírito imortal, reveste-se dos órgãos físicos que lhe exteriorizam os fenômenos no mundo das manifestações concretas (Momentos de Consciência, Cap. 19, Joanna de Ângelis/Divaldo P. Franco – LEAL)
  • 11. De que modo a faculdade se manifesta? Explodindo com relativa violência em determinados indivíduos, graças a cuja manifestação surgem perturbações de vária ordem, noutros aparece sutilmente, favorecendo a penetração em mais amplas faixas vibratórias, aquelas de onde se procede antes do corpo e para cujo círculo se retorna depois do desgaste carnal. (Momentos de Consciência, Cap. 19, Joanna de Ângelis/Divaldo P. Franco – LEAL)
  • 12. Por que motivos o afloramento da mediunidade surge, em grande número dos casos, sob ações obsessivas? Como se pode avaliar, o período inicial de educação mediúnica sempre se dá sob ações tormentosas. O médium é Espírito endividado, em si mesmo, com vasta cópia de compromissos a resgatar, quanto a desdobrar, trazendo matrizes que facultam o acoplamento de mentes perniciosas do Além- Túmulo, que o impelem ao trabalho de auto burilamento, quanto ao exercício da caridade, da paciência e do amor para com os mesmos. Além disso, em considerando os seus débitos, vincula-se aos cobradores que o não querem perder de vista, sitiando-lhe a casa mental, afligindo-o com o recurso de um campo precioso e vasto, qual é a percepção mediúnica, tentando impedir-lhe o crescimento espiritual, mediante o qual lograria libertar-se do jugo infeliz. Criam armadilhas, situações difíceis, predispõem mal aquele que vivem em diferente faixa vibratória, peculiar, diversa aos que não possuem disposição medianímicas.
  • 13. É um calvário abençoado, a fase inicial do exercício e desdobramento da mediunidade. Outrossim, este é o meio de ampliar, desenvolver o treinamento do sensitivo, que aprende a discernir o tom psíquico dos que o acompanham, em espírito, tomando conhecimento das “leis dos fluídos” e armando-se de resistência para combater as “más inclinações” que são os ímãs a atrair os que se encontram em estado de Erraticidade inferior.
  • 14. A reunião mediúnica é um encontro de trabalhadores espíritas com a finalidade de exercitar a mediunidade de forma segura, acolhendo os espíritos desencarnados nas suas dores e aflições. É um momento de muito aprendizado, no qual o médium desenvolve a capacidade de sentir a dor do outro, se colocar no lugar do seu semelhante, aprendendo a amar e a auxiliar quem verdadeiramente necessita. No livro Orientação ao centro espírita, a Federação Espírita Brasileira apresenta duas reuniões:
  • 15. Estudo e prática da mediunidade É uma reunião teórico-prática de estudo da mediunidade, privativa, constituída de pessoas que possuem conhecimentos básicos do Espiritismo. Essa reunião tem por objetivo: estudar a mediunidade com base nos ensinamentos constantes em O livro dos médiuns e demais obras da codificação da Doutrina Espírita, além de outras obras que guardam concordância com o Espiritismo; desenvolver a mediunidade e contribuir para a educação intelecto-moral dos participantes; preparar trabalhadores de forma continuada para atuarem nas reuniões mediúnicas; formar adeptos esclarecidos, capazes de compreenderem a mediunidade e a ação dos espíritos nas diversas circunstâncias da vida. ¹
  • 16. Reunião mediúnica É uma atividade privativa, séria, instrutiva, de intercâmbio espiritual integrada por trabalhadores que possuam conhecimento e formação espírita do Espiritismo compatível com o objetivo da tarefa. Segundo Allan Kardec, uma reunião só é verdadeiramente séria quando se ocupa de coisas úteis, com exclusão de todas as demais. ² Ainda segundo Kardec: uma reunião é um ser coletivo, cujas qualidades e propriedades são a resultante das de seus membros e formam como que um feixe. Ora, este feixe tanto mais força terá quanto mais homogêneo for. ³
  • 17. É importante observar que a reunião mediúnica apresenta a interação de duas equipes, uma encarnada e uma desencarnada. Ademais, de acordo com o codificador da Doutrina Espírita, a homogeneidade do grupo vai depender do conhecimento e da afinidade dos participantes dessa reunião. Ainda de acordo com o livro Orientação ao centro espírita, no mesmo capítulo, são apresentados os objetivos principais de uma reunião mediúnica, quais sejam:
  • 18. • Prestar auxílio moral e doutrinário aos espíritos que sofrem ou que fazem sofrer, concorrendo para o seu equilíbrio e a sua melhoria; • Amparar espíritos em processo de reencarnação; • Contribuir para o reajuste espiritual de espíritos portadores de várias desarmonias; • Colaborar com processos de desobsessão planejados e desenvolvidos pelos obreiros do plano extrafísico; • Favorecer o desenvolvimento da ciência espírita por meio de estudos edificantes relacionados à mediunidade e ao processo de intercâmbio mediúnico; • Exercitar o desenvolvimento de virtudes, esforçando-se para fornecer exemplos de transformação moral e ação no bem; • Cooperar com os benfeitores espirituais no trabalho de defesa do centro espírita, ante as investidas de espíritos descompromissados com o bem; • Auxiliar na construção da paz mundial entre os povos.
  • 19. Allan Kardec enfatiza que: o objetivo de uma reunião séria deve consistir em afastar os espíritos mentirosos. Incorreria em erro se ela se julgasse imune à ação deles, fiando-se tão só nos seus objetivos e na qualidade de seus médiuns. Tal meta não será alcançada enquanto a reunião não se achar em condições favoráveis4.
  • 20. 9ª Qual o médium que se poderia qualificar de perfeito? "Perfeito, ah! bem sabes que a perfeição não existe na Terra, sem o que não estaríeis nela. Dize, portanto, bom médium e já é muito, pois eles são raros. Médium perfeito seria aquele contra o qual os maus Espíritos jamais ousassem uma tentativa de enganá-lo. O melhor é aquele que, simpatizando somente com os bons Espíritos, tem sido o menos enganado.“ O Livro dos Médiuns, questão 226 /Da influência Moral do Médium
  • 21. AS DIMENSÕES DA VIDA QUE SUCEDE À ALMA NO INSTANTE DA MORTE ? ALM A VOLTA A SER ESPÍRITO, ISTO É, VOLVE AO MUNDO DOS ESPÍRITOS, DONDE SE APARTARA MOMENTANEAMENTE ESPÍRITO CORPO FÍSICO (O LIVRO DOS ESPÍRITOS - ALLAN KARDEC, CAP. III)
  • 22. QUE DEFINIÇÃO SE PODE DAR DE ESPÍRITOS ?  SÃO OS SERES INTELIGENTES DA CRIAÇÃO  SÃO AS ALMAS DOS HOMENS DESPOJADAS DO CORPO FÍSICO (O LIVRO DOS ESPÍRITOS - CAP I - ALLAN KARDEC DEPOIS DA MORTE – LÉON DENIS)
  • 23. INFLUEM OS ESPÍRITOS EM NOSSOS PENSAMENTOS E EM NOSSOS ATOS ?  MUITO MAIS DO QUE IMAGINAIS $ ESPÍRITO S VÊEM OS ESPÍRITOS TUDO O QUE FAZEMOS ?  PODEM VER, POIS QUE CONSTANTEMENTE VOS RODEIAM (O LIVRO DOS ESPÍRITOS – ALLAN KARDEC)  NA MAIORIA DAS VEZES, AGIMOS SOB A INFLUÊNCIA DE ENTIDADES ESPIRITUAIS  OS ESPÍRITOS SE AFINAM COM O NOSSO MODO DE PENSAR E DE SER (OBSESSÃO/DESOBSESSÃO – SUELY C. SHUBERT)
  • 24.  É A AÇÃO PERSISTENTE DE UM MAU ESPÍRITO SOBRE UMA PESSOA  É INFLUENCIAÇÃO NOCIVA  É PRATICADA SOMENTE POR ESPÍRITOS INFERIORES  DECORRE SEMPRE DE UMA IMPERFEIÇÃO MORAL (O LIVRO DOS ESPÍRITOS – ALLAN KARDEC)
  • 25. (O LIVRO DOS MÉDIUNS – ALLAN KARDEC – CAP. XXIII) COMO SE PROCESS A HIPNOSE (OBSESSÃO /DESOBSESSÃO, SUELY C. SCHUBERT, CAP. 9) FALTA DO BEM MORAL CÁRMICA SINTONIA MENTAL ENVOLVI- MENTO FLUÍDICO
  • 26. INCURSIONAM NA MENTE DA VÍTIMA, SUGERINDO PENSAMENTOS QUE VISAM ACENTUAR SUAS PREOCUPAÇÕES, FOBIAS E TENDÊNCIAS, NUMA REPETIÇÃO CONSTANTE $ ESPÍRITO S (DRAMAS DA OBSESSÃO – BEZERRA DE MENEZES)
  • 27. (O LIVRO DOS MÉDIUNS - ALLAN KARDEC - CAP XXIII)
  • 29. CONSEQÜÊNCIAS DA OBSESSÃO ( OBSESSÃO/DESOBSESSÃO - SUELY C. SCHUBERT) SUICÍDIO DOENÇAS VÍCIOS BREVE PERIÓDICA PERMANENTE
  • 30. CABE À NOSSA CONSCIÊNCIA A ESCOLHA E A LIBERDADE DE CEDER OU NÃO ÀS INFLUÊNCIAS ESPIRITUAIS QUE SE EXERCEM SOBRE NÓS. (O LIVRO DOS ESPÍRITOS – 2ª PARTE – CAP. IX) NÃO HÁ HOMEM SOBRE QUEM DEIXE DE ATUAR A INFLUÊNCIA BOA OU MÁ DOS ESPÍRITOS. VIVEMOS NO MEIO DE UMA MULTIDÃO INVISÍVEL, QUE ASSISTE, ATENTA, A NOSSA EXISTÊNCIA. (LÉON DENIS – DEPOIS DA MORTE – CAP. XXII)
  • 31. ORIENTA O TRATAMENTO DAS OBSESSÕES ESCLARECE SOBRE O OBSESSOR E O OBSIDIADO DEMONSTRA A IMPORTÂNCIA DA PARTICIPAÇÃO DO ENFERMO UTILIZA A TERAPÊUTICA ESPIRITUAL PARA A CURA DA OBSESSÃO (OBSESSÃO/DESOBSESSÃO – SUELY C. SCHUBERT)
  • 32. ( OBSESSÃO/DESOBSESSÃO - SUELY C. SCHUBERT ) DESOBSESSÃO PRECE ÁGUA FLUIDIFICADA PASSES EVANGELIZAÇÃO
  • 33. TRABALHO DOUTRINÁRIO E MEDIÚNICO QUE SE FAZ PROCURANDO LIBERTAR ALGUÉM DA AÇÃO ESPIRITUAL PREJUDICIAL E INSISTENTE QUE ESTEJA SOFRENDO (O LIVRO DOS MÉDIUNS – ALLAN KARDEC – CAP. XXIII)
  • 34. + + ( OBSESSÃO/DESOBSESSÃO - SUELY C. SCHUBERT ) VONTADE MUDANÇA DOS PENSAMENTOS REFORMA ÍNTIMA
  • 35. “Daí a necessidade de se fortificar a alma e de o obsidiado trabalhar no seu próprio melhoramento.” (A Gênese - Allan Kardec, item 46) “Pode, visto que tais Espíritos só se apegam aos que, pelos seus desejos, os chamam, ou aos que, pelos seus pensamentos, os atraem.” Pode o homem eximir-se da influência dos Espíritos que procuram arrastá-lo ao mal? PERGUNTA 467 - OLE RESPOSTA
  • 36. ESTUDAR A DOUTRINA ESPÍRITA 8 LER E MEDITAR SOBRE O EVANGELHO DE JESUS 7 ( OBSESSÃO/O PASSE/A DOUTRINAÇÃO - J. HERCULANO PIRES ) NÃO CULTIVAR A DEPRESSÃO 6 NÃO SE CONSIDERAR VÍTIMA 5 VIGIAR PENSAMENTOS, SENTIMENTOS E PALAVRAS 4 ACEITAR OS SEMELHANTES 3 COMPREENDER O QUE É OBSESSÃO 2 FAZER PRECE 1
  • 37. IMEDIATISMO E FALTA DE CONTINUIDADE INDIFERENÇA AO ESFORÇO PRÓPRIO NECESSIDADE DE MUDANÇA INTERIOR (PAINÉIS DA OBSESSÃO – MANOEL P. DE MIRANDA) NÃO SÃO POUCOS AQUELES QUE, LOGO QUE MELHORAM, ABANDONAM AS DISPOSIÇÕES DE TRABALHO E PROGRESSO
  • 38. O SENTIDO DA VIDA CRESCIMENTO ELEVAÇÃO DESENVOL- VIMENTO AS VÁRIAS EXISTÊNCIAS TERRENAS TEM POR FIM A SUPERAÇÃO DAS NOSSAS IMPERFEIÇÕES (OBSESSÃO/O PASSE/A DOUTRINAÇÃO - J. HERCULANO PIRES)
  • 39.  É A AÇÃO PERSISTENTE DE UM MAU ESPÍRITO SOBRE UMA PESSOA  É SEMPRE O RESULTADO DE UMA IMPERFEIÇÃO MORAL DANDO ACESSO A UM ESPÍRITO MAU SOBRE O ENCARNADO DÉBITOS DE VIDAS PASSADAS +IMPERFEIÇÕES MORAIS BRECHAS PARA A OBSESSÃO (OBSESSÃO/DESOBSESSÃO - SUELY C. SCHUBERT) (O LIVRO DOS ESPÍRITOS – ALLAN KARDEC)
  • 40. DISCIPLINA DAS EMOÇÕES E PENSAMENTOS REFORMA INTERIOR PRÁTICA DO BEM PRECE E FÉ EM DEUS TORNA-SE NECESSÁRIO DESTRUIR EM SI MESMO A CAUSA DA ATRAÇÃO DOS MAUS ESPÍRITOS (ALLAN KARDEC) 1 PRECE FERVOROSA E ESFORÇOS PARA MELHORAR-SE CONSTITUEM MEIOS DE AFASTAR OS MAUS ESPÍRITOS (ALLAN KARDEC) 2 PRÁTICA DO BEM E FÉ EM DEUS REPELEM A INFLUÊNCIA DOS ESPÍRITOS INFERIORES (EMMANUEL) 3
  • 41. É O PENSAMENTO A TRANSITAR E A SINTONIZAR NAS FAIXAS INFERIORES (OBSESSÃO/DESOBSESSÃO - SUELY C. SCHUBERT) É A MUDANÇA DE DIREÇÃO DO PENSAMENTO PARA RUMOS NOBRES E CONSTRUTIVOS      DE ACORDO COM O QUE PENSAMOS SERÃO AS NOSSAS COMPANHIAS ESPIRITUAIS. “DIZE-ME O QUE PENSAS E TE DIREI COM QUEM ANDAS”.
  • 42. TIRA TODO PRETEXTO ÀS REPRESÁLIAS SENSIBILIZA O CORAÇÃO PERVERSO FAZ DO INIMIGO UM AMIGO IRRITA O INIMIGO, QUE SE CONSTITUI INSTRUMENTO DE QUE A JUSTIÇA DE DEUS SE SERVE PARA PUNIR AQUELE QUE NÃO PERDOOU (O EVANGELHO SEGUNDO O ESPIRITISMO - CAP. XII)
  • 43. Bibliografia 1 – Livro Orientação ao centro espírita, capítulo 9, 1ª edição revista e atualizada em 2/2021 2 – Kardec, Allan, O Livro dos Médiuns, 2ª parte, capítulo 29, item 327, FEB, 81ª edição 3 – Kardec, Allan, O Livro dos Médiuns, 2ª parte, capítulo 29, item 331, FEB, 81ª edição 4 – Kardec, Allan, O Livro dos Médiuns, 2ª parte, capítulo 29, item 330, FEB, 81ª edição 5 – Denis, Léon, No invisível, 1ª parte, capítulo X 6 – Miranda, Hermínio C. de, Diálogo com as sombras, 1ª parte, capítulo 1 7 – Schubert, Suely Caldas, Obsessão desobsessão, 3ª parte, capítulo 5, 10ª edição, FEB 8 – Xavier, F. C e Vieira, Waldo, Desobsessão, capítulo 24, pelo Espírito André Luiz 9 – Orientação para a prática mediúnica no centro espírita, capítulo 8 – Orientações específicas, FEB, 1ª edição 2016 10 – Orientação para a prática mediúnica no centro espírita, capítulo 9 – Orientações específicas, FEB, 1ª edição 2016 https://palestrasdiversas.com.br/espiritismo _PPT.htm