Le crianças - perg. 199 e 379 a 385

997 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
997
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
144
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
29
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Le crianças - perg. 199 e 379 a 385

  1. 1. CRIANÇASLE – PERGS. 199 E 379 A 385 PESQUISA CASA ESPIRITA CHICO XAVIER Rua Porto Alegre, 127 – Catanduva - SP
  2. 2. Algumas pessoas trouxeram criancinhas para que Jesus astocasse. Vendo isso, os discípulos começaram a repreendê-las. Jesus, no entanto, as chamou para perto de si, dizendo:”Deixai as crianças virem a mim e não as impeçais, pois apessoas assim é que pertence o Reino de Deus. Eu vos digo:quem não receber o Reino de Deus como uma criança nãoentrará nele”. – Lc 18:15 / 18:17<> Mc. 10:13 / 10:16 <> Mt. 19:13 / 19:15.
  3. 3. 199. Por que tão freqüentemente a vida se interrompe na infância?“A curta duração da vida da criança pode representar, para oEspírito que a animava, o complemento de existênciaprecedentemente interrompida antes do momento em quedevera terminar, e sua morte, também não raro, constituiprovação ou expiação para os pais.” 379. É tão desenvolvido, quanto o de um adulto, o Espírito que anima o corpo de uma criança?“Pode mesmo ser mais, se ele mais progrediu, pois sãoapenas os órgãos imperfeitos que o impedem de semanifestar. Age de acordo com o instrumento de que seserve.”
  4. 4. 380. Abstraindo do obstáculo que a imperfeição dos órgãosopõe à sua livre manifestação, o Espírito, numa criancinha,pensa como criança ou como adulto?“Enquanto criança, é natural que os órgãos de inteligência,não estando desenvolvidos, não possam dar-lhe toda aintuição de um adulto; sua inteligência, com efeito, ébastante limitada, até que a idade lhe amadureça a razão. Aperturbação que acompanha a encarnação não cessasubitamente, com o nascimento, e não se dissipa senãogradualmente, com o desenvolvimento dos órgãos.”
  5. 5. 381. Por morte da criança, readquire o Espírito, imediatamente, o seu precedente vigor? “Assim tem que ser, pois que se vê desembaraçado de seuinvólucro corporal. Entretanto, não readquire a anteriorlucidez, senão quando se tenha completamente separadodaquele envoltório, isto é, quando mais nenhum laço existaentre ele e o corpo.” 382. Durante a infância sofre o Espírito encarnado, em conseqüência do constrangimento que a imperfeição dos órgãos lhe impõe?“Não. Esse estado corresponde a uma necessidade, está naordem da Natureza e de acordo com as vistas da Providência.É um período de repouso do Espírito.”
  6. 6. 383. Qual, para este, a utilidade de passar pelo estado de infância? “Encarnado, com o objetivo de se aperfeiçoar, o Espírito,durante esse período, é mais acessível às impressões querecebe capazes de lhe auxiliarem o adiantamento, para o quedevem contribuir os incumbidos de educá-lo.”384. Por que é o choro a primeira manifestação da criança ao nascer? “Para estimular o interesse da genitora e provocar oscuidados de que há mister. Não é evidente que se suasmanifestações fossem todas de alegria, quando ainda nãosabe falar, pouco se inquietariam os que o cercam com oscuidados que lhe são indispensáveis? Admirai, pois, em tudoa sabedoria da Providência.”
  7. 7. 385. Que é o que motiva a mudança que se opera no caráter do indivíduo em certa idade, especialmente ao sair da adolescência? É que o Espírito se modifica?É o Espírito que retoma a sua natureza e se mostra qual era.
  8. 8. Perturbações: Influência dos Pais - ... do mesmo modo que acriança, durante a fase embrionária, quase não passa de umaparte do corpo materno, no qual depende completamente,assim também de modo semelhante a psique da primeirainfância, até certo ponto, é apenas parte da psique materna,logo depois, também da psique paterna, em conseqüência daatuação comum dos pais. - XTE 70/70Utilidade do estado infantil: A reencarnação nos é dada como sentido de aperfeiçoar a alma, sendo um método que nosserve de instrumento benfeitor. O senhor não nos pede paracriar leis, nem nos implora para que as respeitemos; nós éque temos que descobrir sua utilidade e segui-las com amorno coração.
  9. 9. A primeira manifestação da criança no mundo, ao nascer érealmente o choro, para dizer aos pais que está junto deles.Os pais, principalmente a mãe, ao ouvirem o primeiro chorodo filho, sentem a alegria assomar em seus corações, quenesta hora se encontram em estado de alta sensibilidade. Osdesencarnados que ali se encontram batem palmasenergéticas de alegria, igualmente, e a criança renova suasforças com as lágrimas em profusão. Até aqueles queassistem a mãe sentem um estado de bem-estar ao ouvir amúsica do Espírito que vem à luz da vida
  10. 10. Na utilidade que impõe o corpo, quando a criança chora pelaprimeira vez, os órgãos que está recebendo são tambémtestados, como o faz quem no mundo instala uma rede demicrofones para uma festa. Tudo tem o teste em primeiramão.A criança quando chora, chama imediatamente a atenção damãe ou dos que a cercam, e eles logo avaliam se é fome oudor, e cuidam dela. Como a sabedoria de Deus é grandiosa! Ochoro do bebê é o recurso de linguagem da criancinha, e amãe é hábil na interpretação do que ela deseja.
  11. 11. A perturbação que acompanha a encarnação não cessasubitamente, com o nascimento, e não se dissipa senãogradualmente, com o desenvolvimento dos órgãos.Durante a infância, o espírito encarnado não sofre com oconstrangimento que lhe impõe a imperfeição dos seusórgão; esse estado é uma necessidade; é natural ecorresponde aos desígnios da Providencia. E um tempo derepouso para o Espírito.Mediunidade: – A infância é uma fase que favorece amanifestação de fenômenos mediúnicos. É que a ação doEspírito recém-reencarnado sobre sua indumentária físicanão é completa: o acoplamento celular do perispírito com ocorpo somente vai e concluir por volta dos sete anos deidade. - XTE 65 / 70
  12. 12. Uma criança, em tenra idade, não pensa como um adulto, istoé natural conquanto os órgãos da inteligência, não estandodesenvolvidos, não possam dar-lhe toda a intuição de umadulto, sua inteligência, com efeito, é bastante limitada, atéque a idade lhe amadureça a razão.O Espírito que anima o corpo de uma criança pode ser maisdesenvolvido quanto a um adulto, se ele mais progrediu, poissão apenas os órgãos imperfeitos que o impedem de semanifestar.Pensamento: O cérebro da criança não oferece mais do queas próprias criancinhas, no entanto, como em todos oscasos, existe exceção, e de vez em quando aparecemcrianças-prodígios que, com pouca idade, já operam comoadultos e até como sábios. Existem crianças médiuns, quetransmitem para os homens as idéias dos benfeitores quecontrolam suas faculdades em serviço do fenômeno, demodo que a ciência possa estudar os fatos
  13. 13. Precoce: É aquela que apresenta habilidades e/ou quocienteintelectual não compatíveis com a sua idade cronológica.Precoce é toda criança que amadurece moral ouintelectualmente antes do tempo normal, que muito cedodemonstra capacidade de realizar coisas que seriam própriasde crianças mais velhas ou mesmo de adultos. - XTE 60 /64 Suas principais características principais são:• Linguagem precoce, com vocabulário avançado para sua idade;• Habilidade de leitura e escrita em tenra idade;• Ritmo de aprendizagem rápido;• Curiosidade e interesses diversos;• Capacidade de concentração e boa memória;• Habilidade de gerar idéias originais;• Grande bagagem de informações sobre temas de interesse;• Perfeccionismo na realização de tarefas, por isso prefere fazer trabalho independente;• Sendo de justiça exacerbada, questionando regras e autoridade;• Paixão por aprender, demonstrando persistência em tudo o que faz;• Lembranças de fatos que não se deram na vida atual;• Sonhos bastante lógicos e incomuns para sua idade.
  14. 14. A morte de uma criança deve parecer sempre desnecessáriapara os que não entenderam pelo menos a teoria elementarda evolução, porque é muito natural que se pergunte por queos pais têm de sofrer dessa maneira, e que adianta uma vidaque termina quando mal havia começado. XIH 44 / 49:FCom a morte da criança, o Espírito deveria retornarimediatamente o seu vigor primitivo, pois que estádesembaraçado do seu corpo; entretanto, ele não retoma asua lucidez primitiva enquanto a separação não estivercompleta, ou seja, enquanto não deixar de existir qualquerliame entre o Espírito e o corpo.
  15. 15. A criança depois da morte: A criança depois da morte, em sedesligando do corpo físico, readquire o vigor que antes tinha,notadamente quando é o Espírito mais ou menos evoluído;no entanto, a alma em estado de atraso espiritual, onde aspaixões inferiores invadem por completo seus sentimentos,tolhendo suas faculdades espirituais, essa, depois dodesenlace, volta ao seu estado primitivo que, por vezes, erade inconsciência.A sorte das crianças mortas em tenra idade, na vida futura,será a que mereceu em sua precedente existência, assimcomo a futura será a que merecer por suas ulterioresexistências. – XXC 158
  16. 16. A morte prematura é uma prova que também é dirigida aospais, que muito sofrem com a partida do filho em tenra idade.Quando as crianças alcançam o mundo astral, têm uma vidamaravilhosamente feliz, em virtude da ausência de restrições.Jamais deixam de ser atendidas, pois há inúmeras mães quemorreram, e desejam, com grande empenho, tomar conta dacriança que morre quando ainda bebê. No plano astral, essasmães conservam o mesmo sentimento materno que tiveramquando viviam no plano físico. XIH 44 / 49: F
  17. 17. Os Espíritos dos que morrem quando crianças são acolhidoscarinhosamente por missionários, que se dedicam a essatarefa, e são igualmente instruídos até que se lhes despontea consciência integral e desapareça deles o traço infantilgravado na “consciência pessoal”. – XRR 56:13 / 57:2As crianças sentem falta dos pais e das mães, dos amigos ecompanheiros de brinquedos? Não, não sentem, e pelaseguinte razão: todas as pessoas, quando dormem, passamhoras no mesmo muno em que está a criança que morreu.Podem falar com a criança, brincar com ela, continuar suaeducação, etc. - XIH 44 / 49:F
  18. 18. Educação: – O Espírito, no processo de sua reeducação, nacondição de criança, absorve, principalmente, os exemplos dospais. Esses se incrustam na mente infantil de modo contundente,refletindo-se na sua saúde psíquica da criança. O bom exemplodos genitores, ajustado e harmônico, ainda é a viga mestra naformação do seu superego, que podemos traduzir comoconsciência. - XTE 57 / 57
  19. 19. Mediunidade nas crianças: – O Senhor veio, pôs-se juntodele e chamou-o como das outras vezes: ”Samuel! Samuel!” E ele respondeu: ”Fala que teu servo escuta.” - XXR>1Sm.3:1 / 3:21Nas comunicações espíritas, o Espírito de uma criança podefalar, como um adulto e pode mesmo ter um grandeadiantamento. Usa-se, algumas vezes, a linguagem infantil, épara não privar a mãe do encanto decorrente do afeto queinspira um ser frágil e delicado, dotado de todas as graças dainocência. A mesma pergunta poderia ser feita quanto aoestado dos cretinos, idiotas e loucos, depois da morte. Aresposta está na linhas acima. – XXC 151 it 154
  20. 20. Resumimos algumas condições, entre muitas, em que ficaráo Espírito de uma criança após a sua desencarnação. - XTE 1401) Será, de um modo geral, acolhido em determinada colônia espiritual, segundo seu estágio evolutivo, por aqueles que o tutelaram na vida corpórea;2)Poderá permanecer no mundo espiritual o tempo que for necessário para o seu desenvolvimento e então passar da infância para a adolescência, e consequentemente, atingir a maturidade ainda desencarnado, se antes não tomar consciência de sua condição de Espírito imortal;
  21. 21. 3)Poderá chegar ao mundo espiritual com seu “aspecto” ainda infantil e dentro e algum tempo, de conformidade com a conscientização que venha ter do seu novo estado, apressar seu desenvolvimento, adotando o “aspecto” que desejar;4)Sendo suficientemente evoluído, retoma a sua individualidade integral após a desencarnação, mas, para ser reconhecido pela sua mãezinha, quando aparece para ela em sonho, toma a forma com a qual desencarnou.

×