SlideShare uma empresa Scribd logo
DIRCE BENITO BORBUREMA
RAFAELA GONÇALVES DE GRANDE
TIAGO TRINDADE RIBEIRO
“Fases 1 e 2”Fases 1 e 2”
DOCENTE: Dra. Eliane Regina Ferreira Sernache de Freitas
Estágio Santa Casa – 9º Semestre Fisioterapia UNOPAR
DEFINIÇÃO
De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS),
“reabilitação cardíaca é a soma de atividades necessárias para
influenciar, favoravelmente, tanto a causa subjacente da
doença, quanto as melhores condições físicas, mentais e
sociais, de maneira que os pacientes possam, através de seus
próprios esforços, preservar ou reassumir quando perdido, um
papel normal quanto possível dentro da comunidade”.
FATORES DE RISCO PARA DOENÇAS
CARDIOVASCULAR
 Existem diversos fatores de risco para doenças
cardiovasculares como:
 Tabagismo;
 Diabetes Mellitus;
 Colesterol elevado;
 Hipertensão arterial;
 Sedentarismo;
 Obesidade;
 Idade (geralmente acima dos 65 anos).
PACIENTES ELEGÍVEIS PARA
REABILITAÇÃO
 Infarto agudo do miocárdio (IAM) / Síndrome coronariana aguda (SCA)
 Cirurgia de revascularização miocárdica
 Angioplastia coronária
 Angina estável
 Reparação ou troca valvular
 Transplante cardíaco ou cardiopulmonar
 Insuficiência Cardíaca Crônica
 Doença vascular periférica
 Doença coronária assintomática
 Pacientes com alto risco de doença cardiovascular
ESTRATIFICAÇÃO DE RISCO EM PACIENTES
INDICADOS PARA REABILITAÇÃO
CARDIOVASCULAR
 Para conhecer o risco de possíveis complicações durante o exercício, os
pacientes devem ser estratificados mediante a classificação proposta
pela “Associação Americana de Reabilitação Cardiopulmonar”.
I. BAIXO RISCO: (IAM; cirurgia de revascularização miocárdica, angioplastia coronária
transluminal percutânea, não complicados)
 Os pacientes podem ser monitorados, durante as primeiras 6 a
18 sessões, através do uso do eletrocardiograma ou por
frequencímetros;
 Preferencialmente, com supervisão clínica.
ESTRATIFICAÇÃO DE RISCO EM PACIENTES
INDICADOS PARA REABILITAÇÃO
CARDIOVASCULAR
II. MÉDIO RISCO
 Monitorados durante as primeiras 12 a 24 sessões;
 Preferencialmente com monitoramento eletrocardiográfico
contínuo e supervisão clínica permanente.
III. ALTO RISCO (Sobreviventes de parada cardíaca ou Morte súbita, Cirurgia cardíaca complicada...).
 O monitoramento também pode ser uma ferramenta útil para
avaliar a resposta, especialmente quando se aumenta a
intensidade do exercício aeróbico.
TRATAMENTO MÉDICO
CIRURGIA CARDÍACA: É um tipo de tratamento que pode ser feito para reparar
danos no próprio coração, nas artérias ligadas à ele, ou para substituição
do órgão.
 CLASSIFICAÇÃO DA CIRURGIA CARDÍACA: Revascularização do Miocárdio
(Pontes de Safena e Mamária); Correção de Doenças Valvares ou troca de
válvulas; Correção de Doenças da Artéria Aorta; Correção de Cardiopatias
Congênitas; Transplante Cardíaco.
 TIPOS DE CIRURGIA CARDÍACA: Reconstrutoras (revascularização do
miocárdio, plastia de valva aórtica, mitral ou tricúspide); Corretiva
(fechamento de canal arterial, de defeito de septo atrial e ventricular);
Substitutivas (trocas valvares e transplantes).
FASES DE UM PROGRAMA DE
REABILITAÇÃO CARDÍACA
A reabilitação cardíaca é dividida em 4 fases:
FASE 1: pacientepaciente hospitalizadohospitalizado (UTI(UTI // quartos)quartos);;
FASE 2: reabilitaçãoreabilitação cardiovascularcardiovascular apósapós aa alta,alta, realizarealiza--sese emem
centrocentro dede reabilitaçãoreabilitação;;
FASE 3: supervisão selecionada a pacientes de moderado a
elevado risco;
FASE 4: não supervisionada.
FASES 1 e 2
AVALIAÇÃO INICIAL DO
PACIENTE
Anamnese
 AP: História clínica, cirurgias e
comorbidades, tais como: doenças
cardiovasculares, pulmonares e
outras;
 Identificação de fatores de risco
cardiovasculares: tabagismo,
hábitos alimentares, PA, DM,
obesidade, sedentarismo e
estresse;
 Uso de medicamentos.
Exame Físico
 Sinais Vitais: PA, FC, Spo₂;
 Ausculta cardíaca e pulmonar;
 Palpação de pulsos periféricos,
mudanças da coloração da pele;
 Alterações musculoesqueléticas
(restrições à execução de alguns
exercícios);
 FM, ADM.
FASE 1
 Pacientes hospitalizado após o evento cardiovascular como:
 Síndrome coronária aguda ou pós-intervenção;
 Cirurgia cardíaca de revascularização;
 Prótese valvular ou correção de cardiopatia congênita.
 Inicia desde as 48 horas posteriores ao evento agudo até a
alta hospitalar.
SINAIS E SINTOMAS
DURANTE O EXERCÍCIO NA FASE 1
Nessa fase a duração total dos exercícios devem ser em torno
de 20 minutos, duas vezes ao dia.
 Durante o exercício, pode aparecer alguns sinais e sintomas, tais como:
 Fadiga;
 Dispneia;
 Cianose;
 Palidez;
 Náuseas;
 ↑ 20 bpm acima da frequência cardíaca de repouso;
 Pressão sistólica 200 mmhg acima dos níveis de repouso.
OBJETIVOS DA RC
NA FASE 1
 Objetivos da reabilitação cardíaca na Fase 1:
 Prevenir perda de capacidade física;
 Promover o posicionamento adequado no leito;
 Evitar complicações respiratórias e tromboembólicas;
 Facilitar a alta precoce do paciente internado;
FASE 1
 Titoto et al (2005), relata que o
tratamento fisioterapêutico na fase
hospitalar baseia-se em procedimentos
simples, como exercícios metabólicos
de extremidades, exercícios
respiratórios, exercícios ativos, treino
de marcha em superfície plana e com
degraus, com isso aumenta a
autoconfiança do paciente e diminui o
custo e a permanência hospitalar.
CONDUTAS FISIOTERAPÊUTICAS
NA FASE 1
(1º DIA PÓS-OPERATÓRIO)
 Sentar no leito com cabeceira elevada;
 Padrões ventilatórios (exercícios respiratórios);
 Reeducação diafragmática;
 Higiene brônquica;
 Estímulo da tosse (ativa, ativa assistida ou
huffing);
 Exercícios ativo-assistidos ou ativo livres de MMII
(flexão-extensão de quadril e joelho); (2x15)
 Exercícios ativo assistidos MMSS;
 Exercícios metabólicos de MMSS e II (3 min);
CONDUTAS FISIOTERAPÊUTICAS
NA FASE 1
 Sentar fora do leito (cadeira); (2º DIA PO)
 Deambulação pelo quarto e/ou corredor (verificar os
SSVV e Borg); (3º DIA PO)
 Exercícios ativo resistidos manuais de MMII; (4º DIA PO)
 Mini-agachamento; (4º DIA PO)
 Descida de escadas (1 lance, aproximadamente 15
degraus); (5º DIA PO)
 Subida e descida de escadas (1 lance,
aproximadamente 15 degraus) . (6º DIA PO)
FASE 2
 A fase 2 representa um programa precoce de pós
hospitalização, supervisionada pelo fisioterapeuta;
 O período de exercícios pode ser iniciado 24h após a alta
hospitalar, sempre considerando o estado clínico do paciente;
 Tem duração prevista de 3 a 6 meses, podendo em algumas
situações se estender por mais tempo.
FASE 2
 Objetivos da reabilitação cardíaca na Fase 2:
 Melhorar a capacidade funcional do paciente;
 Melhorar a função cardiovascular;
 Conseguir modificações dos fatores de risco;
 Conseguir recuperar a autoconfiança do paciente depois do evento
cardíaco.
FASE 2
 Segundo Marques (2004), a fase 2
da reabilitação cardíaca é um
programa supervisionado para
pacientes que receberam alta
hospitalar, de exercícios prescritos
de forma individual e alternativa
de modificação do estilo de vida.
FASE 2
 FC: medida antes do aquecimento a cada 2 minutos, durante o
condicionamento com carga, ultimo minuto do relaxamento;
 PA: medida no repouso, final do condicionamento e ao final da
sessão;
 ESCALA DE BORG: medida na fase de condicionamento e final .
SINTOMATOLOGIA (PRECORDIALGIA, PALPITAÇÃO, DISPNEIA, TONTURA)
CONDUTAS FISIOTERAPÊUTICAS
NA FASE 2
AQUECIMENTO (5 A 15 MINUTOS)
 Alongamento estático: MMSS + MMII + coluna lombossacra;
 Exercícios aeróbicos de baixa intensidade;
 Caminhada de 3 a 5 minutos;
 Exercícios respiratórios.
CONDUTAS FISIOTERAPÊUTICAS
NA FASE 2
CONDICIONAMENTO (20 A 30 MINUTOS)
 Exercícios aeróbicos;
 Exercícios resistidos (iniciados gradativamente com cargas leves e ir
progredido ao longo das sessões).
CONDUTAS FISIOTERAPÊUTICAS
NA FASE 2
RELAXAMENTO (5 A 10 MINUTOS)
 Exercicios respiratórios;
 Alongamento estático;
 Exercicios leves.
CONTRA-INDICAÇÕES À
PRATICA DE EXERCÍCIO
REFERENCIAS
 Cruz, AVSL. A Atuação do Fisioterapeuta em Programas de Reabilitação Cardíaca,
2012.
 Herdy AH, López-Jiménez F, Terzic CP, Milani M, Stein R, Carvalho T, Serra S, Araujo
CG, Zeballos PC, Anchique CV, Burdiat G, González K, González G, Fernández R,
Santibáñez C, Rodríguez-Escudero JP, Ilarraza-Lomelí H. Diretriz Sul-Americana de
Prevenção e Reabilitação Cardiovascular, Vol. 103, Nº 2, Supl. 1, Agosto 2014.
 Mair V, Yoshimori DY. Perfil da fisioterapia na reabilitação cardiovascular no
Brasil. Fisioterapia e Pesquisa, São Paulo, v.15, n.4, p.333-8, out./dez. 2008.
 Mesquita A. Cirurgia Cardíaca, Setembro 2014.
 Gardenghi G, Dias FD. Reabilitação cardiovascular em pacientes cardiopatas.
Integração. 2007 out nov dez;51:387-92.
Dirce Benito Borburema
Rafaela Gonçalves de Grande
Tiago Trindade Ribeiro

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Síndrome do desconforto respiratório agudo (sdra)
Síndrome do desconforto respiratório agudo (sdra)Síndrome do desconforto respiratório agudo (sdra)
Síndrome do desconforto respiratório agudo (sdra)
Iapes Ensino
 
Atualização em Mobilização Precoce
Atualização em Mobilização PrecoceAtualização em Mobilização Precoce
Atualização em Mobilização Precoce
Mariana Biason
 
Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...
Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...
Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...
José Alexandre Pires de Almeida
 
Avaliacao sensorial, funcao motora, coordenacao e marcha
Avaliacao sensorial, funcao motora, coordenacao e marchaAvaliacao sensorial, funcao motora, coordenacao e marcha
Avaliacao sensorial, funcao motora, coordenacao e marcha
Natha Fisioterapia
 
AVALIAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA EM UTI
AVALIAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA EM UTIAVALIAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA EM UTI
Insuficiência Cardíaca Congestiva - ICC
Insuficiência Cardíaca Congestiva - ICCInsuficiência Cardíaca Congestiva - ICC
Insuficiência Cardíaca Congestiva - ICC
Cíntia Costa
 
Raio x pós graduação
Raio   x pós graduaçãoRaio   x pós graduação
Raio x pós graduação
Iapes Ensino
 
Fisioterapia no pré e pós operatório de cirurgias cardíacas
Fisioterapia no pré e pós operatório de cirurgias cardíacasFisioterapia no pré e pós operatório de cirurgias cardíacas
Fisioterapia no pré e pós operatório de cirurgias cardíacas
Mayara Rodrigues
 
Noçoes de ventilação mecânica
Noçoes de ventilação mecânicaNoçoes de ventilação mecânica
Noçoes de ventilação mecânica
helciofonteles
 
Infarto Agudo do Miocárdio e Fisioterapia
Infarto Agudo do Miocárdio e FisioterapiaInfarto Agudo do Miocárdio e Fisioterapia
Infarto Agudo do Miocárdio e Fisioterapia
Josi Amorim
 
Fisioterapia na Mobilização Precoce na UTI
Fisioterapia na Mobilização Precoce na UTI Fisioterapia na Mobilização Precoce na UTI
Fisioterapia na Mobilização Precoce na UTI
Fisioterapeuta
 
ABCDE da Fisioterapia em Terapia Intensiva
ABCDE da Fisioterapia em Terapia Intensiva ABCDE da Fisioterapia em Terapia Intensiva
ABCDE da Fisioterapia em Terapia Intensiva
Caio Veloso da Costa, ICU-PT
 
Ventilação Não Invasiva
Ventilação Não InvasivaVentilação Não Invasiva
Ventilação Não Invasiva
José Alexandre Pires de Almeida
 
Ventilação Mecânica Básica
Ventilação Mecânica Básica Ventilação Mecânica Básica
Ventilação Mecânica Básica
Mariana Artuni Rossi
 
Ventilação Não-invasiva
Ventilação Não-invasivaVentilação Não-invasiva
Ventilação Não-invasiva
resenfe2013
 
Aula de espirometria e revisão de fisiologia
Aula de espirometria e revisão de fisiologiaAula de espirometria e revisão de fisiologia
Aula de espirometria e revisão de fisiologia
Flávia Salame
 
Ventilação mecânica
Ventilação mecânicaVentilação mecânica
Ventilação mecânica
Fábio Falcão
 
Exames laboratoriais parar Fisioterapeutas
Exames laboratoriais parar FisioterapeutasExames laboratoriais parar Fisioterapeutas
Exames laboratoriais parar Fisioterapeutas
José Alexandre Pires de Almeida
 
Monitorização do paciente na UTI
Monitorização do paciente na UTIMonitorização do paciente na UTI
Monitorização do paciente na UTI
Fábio Falcão
 
Exame físico do tórax
Exame físico do tórax Exame físico do tórax
Exame físico do tórax
Paulo Alambert
 

Mais procurados (20)

Síndrome do desconforto respiratório agudo (sdra)
Síndrome do desconforto respiratório agudo (sdra)Síndrome do desconforto respiratório agudo (sdra)
Síndrome do desconforto respiratório agudo (sdra)
 
Atualização em Mobilização Precoce
Atualização em Mobilização PrecoceAtualização em Mobilização Precoce
Atualização em Mobilização Precoce
 
Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...
Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...
Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...
 
Avaliacao sensorial, funcao motora, coordenacao e marcha
Avaliacao sensorial, funcao motora, coordenacao e marchaAvaliacao sensorial, funcao motora, coordenacao e marcha
Avaliacao sensorial, funcao motora, coordenacao e marcha
 
AVALIAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA EM UTI
AVALIAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA EM UTIAVALIAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA EM UTI
AVALIAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA EM UTI
 
Insuficiência Cardíaca Congestiva - ICC
Insuficiência Cardíaca Congestiva - ICCInsuficiência Cardíaca Congestiva - ICC
Insuficiência Cardíaca Congestiva - ICC
 
Raio x pós graduação
Raio   x pós graduaçãoRaio   x pós graduação
Raio x pós graduação
 
Fisioterapia no pré e pós operatório de cirurgias cardíacas
Fisioterapia no pré e pós operatório de cirurgias cardíacasFisioterapia no pré e pós operatório de cirurgias cardíacas
Fisioterapia no pré e pós operatório de cirurgias cardíacas
 
Noçoes de ventilação mecânica
Noçoes de ventilação mecânicaNoçoes de ventilação mecânica
Noçoes de ventilação mecânica
 
Infarto Agudo do Miocárdio e Fisioterapia
Infarto Agudo do Miocárdio e FisioterapiaInfarto Agudo do Miocárdio e Fisioterapia
Infarto Agudo do Miocárdio e Fisioterapia
 
Fisioterapia na Mobilização Precoce na UTI
Fisioterapia na Mobilização Precoce na UTI Fisioterapia na Mobilização Precoce na UTI
Fisioterapia na Mobilização Precoce na UTI
 
ABCDE da Fisioterapia em Terapia Intensiva
ABCDE da Fisioterapia em Terapia Intensiva ABCDE da Fisioterapia em Terapia Intensiva
ABCDE da Fisioterapia em Terapia Intensiva
 
Ventilação Não Invasiva
Ventilação Não InvasivaVentilação Não Invasiva
Ventilação Não Invasiva
 
Ventilação Mecânica Básica
Ventilação Mecânica Básica Ventilação Mecânica Básica
Ventilação Mecânica Básica
 
Ventilação Não-invasiva
Ventilação Não-invasivaVentilação Não-invasiva
Ventilação Não-invasiva
 
Aula de espirometria e revisão de fisiologia
Aula de espirometria e revisão de fisiologiaAula de espirometria e revisão de fisiologia
Aula de espirometria e revisão de fisiologia
 
Ventilação mecânica
Ventilação mecânicaVentilação mecânica
Ventilação mecânica
 
Exames laboratoriais parar Fisioterapeutas
Exames laboratoriais parar FisioterapeutasExames laboratoriais parar Fisioterapeutas
Exames laboratoriais parar Fisioterapeutas
 
Monitorização do paciente na UTI
Monitorização do paciente na UTIMonitorização do paciente na UTI
Monitorização do paciente na UTI
 
Exame físico do tórax
Exame físico do tórax Exame físico do tórax
Exame físico do tórax
 

Destaque

Reabilitação
ReabilitaçãoReabilitação
Reabilitação
Alinebrauna Brauna
 
Fisioterapia cardiorrespiratória
Fisioterapia cardiorrespiratória   Fisioterapia cardiorrespiratória
Fisioterapia cardiorrespiratória
Luana Dias
 
Fisioterapia
FisioterapiaFisioterapia
Fisioterapia
clinicansl
 
Apresentação Prezi
Apresentação PreziApresentação Prezi
Apresentação Prezi
Anabela Protásio
 
Prezi
PreziPrezi
Aula 1 definiçoes e historia da fisioterapia
Aula 1 definiçoes e historia da fisioterapiaAula 1 definiçoes e historia da fisioterapia
Aula 1 definiçoes e historia da fisioterapia
Marcelo Jota
 
Prezi
PreziPrezi
Prezi
Israel
 
Fisioterapia respiratoria
Fisioterapia respiratoriaFisioterapia respiratoria
Fisioterapia respiratoria
Osvaldo Toscano ILTEC
 

Destaque (8)

Reabilitação
ReabilitaçãoReabilitação
Reabilitação
 
Fisioterapia cardiorrespiratória
Fisioterapia cardiorrespiratória   Fisioterapia cardiorrespiratória
Fisioterapia cardiorrespiratória
 
Fisioterapia
FisioterapiaFisioterapia
Fisioterapia
 
Apresentação Prezi
Apresentação PreziApresentação Prezi
Apresentação Prezi
 
Prezi
PreziPrezi
Prezi
 
Aula 1 definiçoes e historia da fisioterapia
Aula 1 definiçoes e historia da fisioterapiaAula 1 definiçoes e historia da fisioterapia
Aula 1 definiçoes e historia da fisioterapia
 
Prezi
PreziPrezi
Prezi
 
Fisioterapia respiratoria
Fisioterapia respiratoriaFisioterapia respiratoria
Fisioterapia respiratoria
 

Semelhante a Reabilitação cardíaca

Treinamento de força para populações especiais
Treinamento de força para populações especiaisTreinamento de força para populações especiais
Treinamento de força para populações especiais
felipethoaldo
 
Iam
IamIam
Enf Reab Cardiaca
Enf Reab CardiacaEnf Reab Cardiaca
Enf Reab Cardiaca
Belmiro Rocha
 
Clase de Estratificacion de Riesgo para hacer Ejercicio
Clase de Estratificacion de Riesgo para hacer EjercicioClase de Estratificacion de Riesgo para hacer Ejercicio
Clase de Estratificacion de Riesgo para hacer Ejercicio
Walter Sepúlveda Loyola
 
Palestra SVV Cref
Palestra SVV CrefPalestra SVV Cref
Palestra SVV Cref
Marcela Mihessen
 
Fisioterapia_nas_sequelas_de_Covid_19-1.pdf
Fisioterapia_nas_sequelas_de_Covid_19-1.pdfFisioterapia_nas_sequelas_de_Covid_19-1.pdf
Fisioterapia_nas_sequelas_de_Covid_19-1.pdf
AnnyN3
 
UTI coronariana - clinica
UTI coronariana - clinicaUTI coronariana - clinica
UTI coronariana - clinica
Marcela Mihessen
 
Hidroterapia reabilitacao
Hidroterapia reabilitacaoHidroterapia reabilitacao
Hidroterapia reabilitacao
ricardovianna81
 
O politraumatizado em UCI boas praticas
O politraumatizado em UCI   boas praticas O politraumatizado em UCI   boas praticas
O politraumatizado em UCI boas praticas
António José Lopes de Almeida
 
Exercicio Físico No Controle Do Diabetes Mellitus
Exercicio Físico No Controle Do Diabetes MellitusExercicio Físico No Controle Do Diabetes Mellitus
Exercicio Físico No Controle Do Diabetes Mellitus
Liga de Diabetes UFG
 
Benefícios do Exercício Físico e da Reabilitação Cardíaca em Indivíduos Idosos
Benefícios do Exercício Físico e da Reabilitação Cardíaca em Indivíduos IdososBenefícios do Exercício Físico e da Reabilitação Cardíaca em Indivíduos Idosos
Benefícios do Exercício Físico e da Reabilitação Cardíaca em Indivíduos Idosos
Márcio Borges
 
Cardiopatias
CardiopatiasCardiopatias
Cardiopatias
Semicardio
 
3ª Idade, Hipertensão Arterial, Moléstias Coronarianas e Atividades Físicas
3ª Idade, Hipertensão Arterial, Moléstias Coronarianas e Atividades Físicas3ª Idade, Hipertensão Arterial, Moléstias Coronarianas e Atividades Físicas
3ª Idade, Hipertensão Arterial, Moléstias Coronarianas e Atividades Físicas
Marcos Mendes Almeida
 
Hipertensão e o Exercicio Fisico
Hipertensão e o Exercicio FisicoHipertensão e o Exercicio Fisico
Hipertensão e o Exercicio Fisico
Melissa Possa
 
Workshop Ph Fisiotrainer
Workshop Ph FisiotrainerWorkshop Ph Fisiotrainer
Workshop Ph Fisiotrainer
simoneroselin
 
Parada Cardiorrespiratória
Parada CardiorrespiratóriaParada Cardiorrespiratória
Parada Cardiorrespiratória
Markus Fiuza
 
AULA DE SINAIS VITAIS.ppt
AULA DE SINAIS VITAIS.pptAULA DE SINAIS VITAIS.ppt
AULA DE SINAIS VITAIS.ppt
marilenerochaenferma
 
2ª aula slides sinais vitais
2ª aula slides   sinais vitais2ª aula slides   sinais vitais
2ª aula slides sinais vitais
Simone Alvarenga
 
Parada Cardiorrespiratória - Suporte Básico
Parada  Cardiorrespiratória - Suporte BásicoParada  Cardiorrespiratória - Suporte Básico
Parada Cardiorrespiratória - Suporte Básico
nuiashrl
 
Infarto agudo do miocárdio (IAM)
Infarto agudo do miocárdio (IAM)Infarto agudo do miocárdio (IAM)
Infarto agudo do miocárdio (IAM)
Renan Malaquias
 

Semelhante a Reabilitação cardíaca (20)

Treinamento de força para populações especiais
Treinamento de força para populações especiaisTreinamento de força para populações especiais
Treinamento de força para populações especiais
 
Iam
IamIam
Iam
 
Enf Reab Cardiaca
Enf Reab CardiacaEnf Reab Cardiaca
Enf Reab Cardiaca
 
Clase de Estratificacion de Riesgo para hacer Ejercicio
Clase de Estratificacion de Riesgo para hacer EjercicioClase de Estratificacion de Riesgo para hacer Ejercicio
Clase de Estratificacion de Riesgo para hacer Ejercicio
 
Palestra SVV Cref
Palestra SVV CrefPalestra SVV Cref
Palestra SVV Cref
 
Fisioterapia_nas_sequelas_de_Covid_19-1.pdf
Fisioterapia_nas_sequelas_de_Covid_19-1.pdfFisioterapia_nas_sequelas_de_Covid_19-1.pdf
Fisioterapia_nas_sequelas_de_Covid_19-1.pdf
 
UTI coronariana - clinica
UTI coronariana - clinicaUTI coronariana - clinica
UTI coronariana - clinica
 
Hidroterapia reabilitacao
Hidroterapia reabilitacaoHidroterapia reabilitacao
Hidroterapia reabilitacao
 
O politraumatizado em UCI boas praticas
O politraumatizado em UCI   boas praticas O politraumatizado em UCI   boas praticas
O politraumatizado em UCI boas praticas
 
Exercicio Físico No Controle Do Diabetes Mellitus
Exercicio Físico No Controle Do Diabetes MellitusExercicio Físico No Controle Do Diabetes Mellitus
Exercicio Físico No Controle Do Diabetes Mellitus
 
Benefícios do Exercício Físico e da Reabilitação Cardíaca em Indivíduos Idosos
Benefícios do Exercício Físico e da Reabilitação Cardíaca em Indivíduos IdososBenefícios do Exercício Físico e da Reabilitação Cardíaca em Indivíduos Idosos
Benefícios do Exercício Físico e da Reabilitação Cardíaca em Indivíduos Idosos
 
Cardiopatias
CardiopatiasCardiopatias
Cardiopatias
 
3ª Idade, Hipertensão Arterial, Moléstias Coronarianas e Atividades Físicas
3ª Idade, Hipertensão Arterial, Moléstias Coronarianas e Atividades Físicas3ª Idade, Hipertensão Arterial, Moléstias Coronarianas e Atividades Físicas
3ª Idade, Hipertensão Arterial, Moléstias Coronarianas e Atividades Físicas
 
Hipertensão e o Exercicio Fisico
Hipertensão e o Exercicio FisicoHipertensão e o Exercicio Fisico
Hipertensão e o Exercicio Fisico
 
Workshop Ph Fisiotrainer
Workshop Ph FisiotrainerWorkshop Ph Fisiotrainer
Workshop Ph Fisiotrainer
 
Parada Cardiorrespiratória
Parada CardiorrespiratóriaParada Cardiorrespiratória
Parada Cardiorrespiratória
 
AULA DE SINAIS VITAIS.ppt
AULA DE SINAIS VITAIS.pptAULA DE SINAIS VITAIS.ppt
AULA DE SINAIS VITAIS.ppt
 
2ª aula slides sinais vitais
2ª aula slides   sinais vitais2ª aula slides   sinais vitais
2ª aula slides sinais vitais
 
Parada Cardiorrespiratória - Suporte Básico
Parada  Cardiorrespiratória - Suporte BásicoParada  Cardiorrespiratória - Suporte Básico
Parada Cardiorrespiratória - Suporte Básico
 
Infarto agudo do miocárdio (IAM)
Infarto agudo do miocárdio (IAM)Infarto agudo do miocárdio (IAM)
Infarto agudo do miocárdio (IAM)
 

Mais de Universidade Norte do Paraná

Sd cópia pdf
Sd   cópia pdfSd   cópia pdf
História da saúde pública no brasill
História da saúde pública no brasillHistória da saúde pública no brasill
História da saúde pública no brasill
Universidade Norte do Paraná
 
Tumores em pediatria (ppt)
Tumores em pediatria (ppt)Tumores em pediatria (ppt)
Tumores em pediatria (ppt)
Universidade Norte do Paraná
 
Edema e fibrose pulmonar
Edema e fibrose pulmonarEdema e fibrose pulmonar
Edema e fibrose pulmonar
Universidade Norte do Paraná
 
Ginástica rítmica 2. parte
Ginástica rítmica 2. parteGinástica rítmica 2. parte
Ginástica rítmica 2. parte
Universidade Norte do Paraná
 
Ginástica rítmica 1. parte
Ginástica rítmica 1. parteGinástica rítmica 1. parte
Ginástica rítmica 1. parte
Universidade Norte do Paraná
 
Cinesioterapia MMII
Cinesioterapia MMIICinesioterapia MMII
Cinesioterapia MMII
Universidade Norte do Paraná
 
Análise Arquitetônicas da Piscina - Hidroterapia
Análise Arquitetônicas da Piscina - Hidroterapia Análise Arquitetônicas da Piscina - Hidroterapia
Análise Arquitetônicas da Piscina - Hidroterapia
Universidade Norte do Paraná
 
Trabalho de Biologia Geral Lisossomos e Endossomos
Trabalho de Biologia Geral Lisossomos e EndossomosTrabalho de Biologia Geral Lisossomos e Endossomos
Trabalho de Biologia Geral Lisossomos e Endossomos
Universidade Norte do Paraná
 
Cinesiologia - Coluna Toracolombar
Cinesiologia - Coluna Toracolombar Cinesiologia - Coluna Toracolombar
Cinesiologia - Coluna Toracolombar
Universidade Norte do Paraná
 
Síndrome de Cri Du Chat
Síndrome de Cri Du ChatSíndrome de Cri Du Chat
Síndrome de Cri Du Chat
Universidade Norte do Paraná
 
Fisioterapia na Saúde do Trabalhador - Síndrome do Túnel do Carpo - Ergonomia
Fisioterapia na Saúde do Trabalhador - Síndrome do Túnel do Carpo - ErgonomiaFisioterapia na Saúde do Trabalhador - Síndrome do Túnel do Carpo - Ergonomia
Fisioterapia na Saúde do Trabalhador - Síndrome do Túnel do Carpo - Ergonomia
Universidade Norte do Paraná
 
Mobilização Articular da Coluna Torácica - RTM
Mobilização Articular da Coluna Torácica - RTMMobilização Articular da Coluna Torácica - RTM
Mobilização Articular da Coluna Torácica - RTM
Universidade Norte do Paraná
 
Malformação Congênitas
Malformação CongênitasMalformação Congênitas
Malformação Congênitas
Universidade Norte do Paraná
 
Fundamentos de Fisioterapia Doença Mental
Fundamentos de Fisioterapia Doença MentalFundamentos de Fisioterapia Doença Mental
Fundamentos de Fisioterapia Doença Mental
Universidade Norte do Paraná
 
Fisioterapia na Saúde do Trabalhador - Ergonomia e Ginástica Laboral
Fisioterapia na Saúde do Trabalhador - Ergonomia e Ginástica LaboralFisioterapia na Saúde do Trabalhador - Ergonomia e Ginástica Laboral
Fisioterapia na Saúde do Trabalhador - Ergonomia e Ginástica Laboral
Universidade Norte do Paraná
 
Gestão e Marketing em Fisioterapia Hospitalar
Gestão e Marketing em Fisioterapia HospitalarGestão e Marketing em Fisioterapia Hospitalar
Gestão e Marketing em Fisioterapia Hospitalar
Universidade Norte do Paraná
 
Doação de Órgãos Fígado Ética e Deontologia para Fisioterapia
Doação de Órgãos Fígado   Ética e Deontologia para Fisioterapia Doação de Órgãos Fígado   Ética e Deontologia para Fisioterapia
Doação de Órgãos Fígado Ética e Deontologia para Fisioterapia
Universidade Norte do Paraná
 
Acne Fisioterapia Dermatofuncional
Acne Fisioterapia DermatofuncionalAcne Fisioterapia Dermatofuncional
Acne Fisioterapia Dermatofuncional
Universidade Norte do Paraná
 

Mais de Universidade Norte do Paraná (19)

Sd cópia pdf
Sd   cópia pdfSd   cópia pdf
Sd cópia pdf
 
História da saúde pública no brasill
História da saúde pública no brasillHistória da saúde pública no brasill
História da saúde pública no brasill
 
Tumores em pediatria (ppt)
Tumores em pediatria (ppt)Tumores em pediatria (ppt)
Tumores em pediatria (ppt)
 
Edema e fibrose pulmonar
Edema e fibrose pulmonarEdema e fibrose pulmonar
Edema e fibrose pulmonar
 
Ginástica rítmica 2. parte
Ginástica rítmica 2. parteGinástica rítmica 2. parte
Ginástica rítmica 2. parte
 
Ginástica rítmica 1. parte
Ginástica rítmica 1. parteGinástica rítmica 1. parte
Ginástica rítmica 1. parte
 
Cinesioterapia MMII
Cinesioterapia MMIICinesioterapia MMII
Cinesioterapia MMII
 
Análise Arquitetônicas da Piscina - Hidroterapia
Análise Arquitetônicas da Piscina - Hidroterapia Análise Arquitetônicas da Piscina - Hidroterapia
Análise Arquitetônicas da Piscina - Hidroterapia
 
Trabalho de Biologia Geral Lisossomos e Endossomos
Trabalho de Biologia Geral Lisossomos e EndossomosTrabalho de Biologia Geral Lisossomos e Endossomos
Trabalho de Biologia Geral Lisossomos e Endossomos
 
Cinesiologia - Coluna Toracolombar
Cinesiologia - Coluna Toracolombar Cinesiologia - Coluna Toracolombar
Cinesiologia - Coluna Toracolombar
 
Síndrome de Cri Du Chat
Síndrome de Cri Du ChatSíndrome de Cri Du Chat
Síndrome de Cri Du Chat
 
Fisioterapia na Saúde do Trabalhador - Síndrome do Túnel do Carpo - Ergonomia
Fisioterapia na Saúde do Trabalhador - Síndrome do Túnel do Carpo - ErgonomiaFisioterapia na Saúde do Trabalhador - Síndrome do Túnel do Carpo - Ergonomia
Fisioterapia na Saúde do Trabalhador - Síndrome do Túnel do Carpo - Ergonomia
 
Mobilização Articular da Coluna Torácica - RTM
Mobilização Articular da Coluna Torácica - RTMMobilização Articular da Coluna Torácica - RTM
Mobilização Articular da Coluna Torácica - RTM
 
Malformação Congênitas
Malformação CongênitasMalformação Congênitas
Malformação Congênitas
 
Fundamentos de Fisioterapia Doença Mental
Fundamentos de Fisioterapia Doença MentalFundamentos de Fisioterapia Doença Mental
Fundamentos de Fisioterapia Doença Mental
 
Fisioterapia na Saúde do Trabalhador - Ergonomia e Ginástica Laboral
Fisioterapia na Saúde do Trabalhador - Ergonomia e Ginástica LaboralFisioterapia na Saúde do Trabalhador - Ergonomia e Ginástica Laboral
Fisioterapia na Saúde do Trabalhador - Ergonomia e Ginástica Laboral
 
Gestão e Marketing em Fisioterapia Hospitalar
Gestão e Marketing em Fisioterapia HospitalarGestão e Marketing em Fisioterapia Hospitalar
Gestão e Marketing em Fisioterapia Hospitalar
 
Doação de Órgãos Fígado Ética e Deontologia para Fisioterapia
Doação de Órgãos Fígado   Ética e Deontologia para Fisioterapia Doação de Órgãos Fígado   Ética e Deontologia para Fisioterapia
Doação de Órgãos Fígado Ética e Deontologia para Fisioterapia
 
Acne Fisioterapia Dermatofuncional
Acne Fisioterapia DermatofuncionalAcne Fisioterapia Dermatofuncional
Acne Fisioterapia Dermatofuncional
 

Último

GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdfJOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
ClaudiaMainoth
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
vinibolado86
 

Último (20)

GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdfJOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
 

Reabilitação cardíaca

  • 1. DIRCE BENITO BORBUREMA RAFAELA GONÇALVES DE GRANDE TIAGO TRINDADE RIBEIRO “Fases 1 e 2”Fases 1 e 2” DOCENTE: Dra. Eliane Regina Ferreira Sernache de Freitas Estágio Santa Casa – 9º Semestre Fisioterapia UNOPAR
  • 2. DEFINIÇÃO De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), “reabilitação cardíaca é a soma de atividades necessárias para influenciar, favoravelmente, tanto a causa subjacente da doença, quanto as melhores condições físicas, mentais e sociais, de maneira que os pacientes possam, através de seus próprios esforços, preservar ou reassumir quando perdido, um papel normal quanto possível dentro da comunidade”.
  • 3. FATORES DE RISCO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULAR  Existem diversos fatores de risco para doenças cardiovasculares como:  Tabagismo;  Diabetes Mellitus;  Colesterol elevado;  Hipertensão arterial;  Sedentarismo;  Obesidade;  Idade (geralmente acima dos 65 anos).
  • 4. PACIENTES ELEGÍVEIS PARA REABILITAÇÃO  Infarto agudo do miocárdio (IAM) / Síndrome coronariana aguda (SCA)  Cirurgia de revascularização miocárdica  Angioplastia coronária  Angina estável  Reparação ou troca valvular  Transplante cardíaco ou cardiopulmonar  Insuficiência Cardíaca Crônica  Doença vascular periférica  Doença coronária assintomática  Pacientes com alto risco de doença cardiovascular
  • 5. ESTRATIFICAÇÃO DE RISCO EM PACIENTES INDICADOS PARA REABILITAÇÃO CARDIOVASCULAR  Para conhecer o risco de possíveis complicações durante o exercício, os pacientes devem ser estratificados mediante a classificação proposta pela “Associação Americana de Reabilitação Cardiopulmonar”. I. BAIXO RISCO: (IAM; cirurgia de revascularização miocárdica, angioplastia coronária transluminal percutânea, não complicados)  Os pacientes podem ser monitorados, durante as primeiras 6 a 18 sessões, através do uso do eletrocardiograma ou por frequencímetros;  Preferencialmente, com supervisão clínica.
  • 6. ESTRATIFICAÇÃO DE RISCO EM PACIENTES INDICADOS PARA REABILITAÇÃO CARDIOVASCULAR II. MÉDIO RISCO  Monitorados durante as primeiras 12 a 24 sessões;  Preferencialmente com monitoramento eletrocardiográfico contínuo e supervisão clínica permanente. III. ALTO RISCO (Sobreviventes de parada cardíaca ou Morte súbita, Cirurgia cardíaca complicada...).  O monitoramento também pode ser uma ferramenta útil para avaliar a resposta, especialmente quando se aumenta a intensidade do exercício aeróbico.
  • 7. TRATAMENTO MÉDICO CIRURGIA CARDÍACA: É um tipo de tratamento que pode ser feito para reparar danos no próprio coração, nas artérias ligadas à ele, ou para substituição do órgão.  CLASSIFICAÇÃO DA CIRURGIA CARDÍACA: Revascularização do Miocárdio (Pontes de Safena e Mamária); Correção de Doenças Valvares ou troca de válvulas; Correção de Doenças da Artéria Aorta; Correção de Cardiopatias Congênitas; Transplante Cardíaco.  TIPOS DE CIRURGIA CARDÍACA: Reconstrutoras (revascularização do miocárdio, plastia de valva aórtica, mitral ou tricúspide); Corretiva (fechamento de canal arterial, de defeito de septo atrial e ventricular); Substitutivas (trocas valvares e transplantes).
  • 8. FASES DE UM PROGRAMA DE REABILITAÇÃO CARDÍACA A reabilitação cardíaca é dividida em 4 fases: FASE 1: pacientepaciente hospitalizadohospitalizado (UTI(UTI // quartos)quartos);; FASE 2: reabilitaçãoreabilitação cardiovascularcardiovascular apósapós aa alta,alta, realizarealiza--sese emem centrocentro dede reabilitaçãoreabilitação;; FASE 3: supervisão selecionada a pacientes de moderado a elevado risco; FASE 4: não supervisionada. FASES 1 e 2
  • 9. AVALIAÇÃO INICIAL DO PACIENTE Anamnese  AP: História clínica, cirurgias e comorbidades, tais como: doenças cardiovasculares, pulmonares e outras;  Identificação de fatores de risco cardiovasculares: tabagismo, hábitos alimentares, PA, DM, obesidade, sedentarismo e estresse;  Uso de medicamentos. Exame Físico  Sinais Vitais: PA, FC, Spo₂;  Ausculta cardíaca e pulmonar;  Palpação de pulsos periféricos, mudanças da coloração da pele;  Alterações musculoesqueléticas (restrições à execução de alguns exercícios);  FM, ADM.
  • 10. FASE 1  Pacientes hospitalizado após o evento cardiovascular como:  Síndrome coronária aguda ou pós-intervenção;  Cirurgia cardíaca de revascularização;  Prótese valvular ou correção de cardiopatia congênita.  Inicia desde as 48 horas posteriores ao evento agudo até a alta hospitalar.
  • 11. SINAIS E SINTOMAS DURANTE O EXERCÍCIO NA FASE 1 Nessa fase a duração total dos exercícios devem ser em torno de 20 minutos, duas vezes ao dia.  Durante o exercício, pode aparecer alguns sinais e sintomas, tais como:  Fadiga;  Dispneia;  Cianose;  Palidez;  Náuseas;  ↑ 20 bpm acima da frequência cardíaca de repouso;  Pressão sistólica 200 mmhg acima dos níveis de repouso.
  • 12. OBJETIVOS DA RC NA FASE 1  Objetivos da reabilitação cardíaca na Fase 1:  Prevenir perda de capacidade física;  Promover o posicionamento adequado no leito;  Evitar complicações respiratórias e tromboembólicas;  Facilitar a alta precoce do paciente internado;
  • 13. FASE 1  Titoto et al (2005), relata que o tratamento fisioterapêutico na fase hospitalar baseia-se em procedimentos simples, como exercícios metabólicos de extremidades, exercícios respiratórios, exercícios ativos, treino de marcha em superfície plana e com degraus, com isso aumenta a autoconfiança do paciente e diminui o custo e a permanência hospitalar.
  • 14. CONDUTAS FISIOTERAPÊUTICAS NA FASE 1 (1º DIA PÓS-OPERATÓRIO)  Sentar no leito com cabeceira elevada;  Padrões ventilatórios (exercícios respiratórios);  Reeducação diafragmática;  Higiene brônquica;  Estímulo da tosse (ativa, ativa assistida ou huffing);  Exercícios ativo-assistidos ou ativo livres de MMII (flexão-extensão de quadril e joelho); (2x15)  Exercícios ativo assistidos MMSS;  Exercícios metabólicos de MMSS e II (3 min);
  • 15. CONDUTAS FISIOTERAPÊUTICAS NA FASE 1  Sentar fora do leito (cadeira); (2º DIA PO)  Deambulação pelo quarto e/ou corredor (verificar os SSVV e Borg); (3º DIA PO)  Exercícios ativo resistidos manuais de MMII; (4º DIA PO)  Mini-agachamento; (4º DIA PO)  Descida de escadas (1 lance, aproximadamente 15 degraus); (5º DIA PO)  Subida e descida de escadas (1 lance, aproximadamente 15 degraus) . (6º DIA PO)
  • 16. FASE 2  A fase 2 representa um programa precoce de pós hospitalização, supervisionada pelo fisioterapeuta;  O período de exercícios pode ser iniciado 24h após a alta hospitalar, sempre considerando o estado clínico do paciente;  Tem duração prevista de 3 a 6 meses, podendo em algumas situações se estender por mais tempo.
  • 17. FASE 2  Objetivos da reabilitação cardíaca na Fase 2:  Melhorar a capacidade funcional do paciente;  Melhorar a função cardiovascular;  Conseguir modificações dos fatores de risco;  Conseguir recuperar a autoconfiança do paciente depois do evento cardíaco.
  • 18. FASE 2  Segundo Marques (2004), a fase 2 da reabilitação cardíaca é um programa supervisionado para pacientes que receberam alta hospitalar, de exercícios prescritos de forma individual e alternativa de modificação do estilo de vida.
  • 19. FASE 2  FC: medida antes do aquecimento a cada 2 minutos, durante o condicionamento com carga, ultimo minuto do relaxamento;  PA: medida no repouso, final do condicionamento e ao final da sessão;  ESCALA DE BORG: medida na fase de condicionamento e final . SINTOMATOLOGIA (PRECORDIALGIA, PALPITAÇÃO, DISPNEIA, TONTURA)
  • 20. CONDUTAS FISIOTERAPÊUTICAS NA FASE 2 AQUECIMENTO (5 A 15 MINUTOS)  Alongamento estático: MMSS + MMII + coluna lombossacra;  Exercícios aeróbicos de baixa intensidade;  Caminhada de 3 a 5 minutos;  Exercícios respiratórios.
  • 21. CONDUTAS FISIOTERAPÊUTICAS NA FASE 2 CONDICIONAMENTO (20 A 30 MINUTOS)  Exercícios aeróbicos;  Exercícios resistidos (iniciados gradativamente com cargas leves e ir progredido ao longo das sessões).
  • 22. CONDUTAS FISIOTERAPÊUTICAS NA FASE 2 RELAXAMENTO (5 A 10 MINUTOS)  Exercicios respiratórios;  Alongamento estático;  Exercicios leves.
  • 24. REFERENCIAS  Cruz, AVSL. A Atuação do Fisioterapeuta em Programas de Reabilitação Cardíaca, 2012.  Herdy AH, López-Jiménez F, Terzic CP, Milani M, Stein R, Carvalho T, Serra S, Araujo CG, Zeballos PC, Anchique CV, Burdiat G, González K, González G, Fernández R, Santibáñez C, Rodríguez-Escudero JP, Ilarraza-Lomelí H. Diretriz Sul-Americana de Prevenção e Reabilitação Cardiovascular, Vol. 103, Nº 2, Supl. 1, Agosto 2014.  Mair V, Yoshimori DY. Perfil da fisioterapia na reabilitação cardiovascular no Brasil. Fisioterapia e Pesquisa, São Paulo, v.15, n.4, p.333-8, out./dez. 2008.  Mesquita A. Cirurgia Cardíaca, Setembro 2014.  Gardenghi G, Dias FD. Reabilitação cardiovascular em pacientes cardiopatas. Integração. 2007 out nov dez;51:387-92.
  • 25. Dirce Benito Borburema Rafaela Gonçalves de Grande Tiago Trindade Ribeiro