SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 34
REABILITAÇÃO 
CARDÍACA 
FASES I E II 
Discentes: Monique Migliorini e Rafael Pasqualinotti 
Docentes: Eliane Sernache de Freitas e Fernando Guedes 
Estágio ISCAL – 9º Semestre Fisioterapia UNOPAR
Definição 
 Segundo a OMS, reabilitação cardíaca é a soma de atividades 
necessárias para influenciar, favoravelmente, tanto a causa 
subjacente da doença, quanto as melhores condições físicas, 
mentais e sociais, de maneira que os pacientes possam, através 
de seus próprios esforços, preservar ou reassumir quando perdido, 
um papel normal quanto possível dentro da comunidade.
Introdução 
 A reabilitação cardiovascular (RCV) pode ser conceituada como 
um ramo de atuação da cardiologia que, implementada por 
equipe de trabalho multiprofissional, permite a restituição, ao 
indivíduo, de uma satisfatória condição clínica, física, psicológica e 
laborativa
Introdução 
 A reabilitação cardíaca, incluindo a prevenção secundária tornou-se 
uma parte importante do tratamento de pacientes tanto no 
pós-IAM quanto no PO de revascularização do miocárdio (RM).
Exercício Físico 
 Movimento corporal planejado, estruturado e repetitivo 
 Melhorar ou manter aptidão física 
 Aptidão física 
 Capacidade de realizar atividades diárias com vigor
Treinamento Físico 
 Promove adaptações morfológicas e funcionais 
 Maior capacidade do organismo ao responder o estresse do exercício 
 Frequência Cardíaca 
 Pressão Arterial 
 Consumo de O2 
 Função Ventricular 
 Metabolismo
Efeitos fisiológicos 
 Agudos imediatos (respostas) 
 Associação direta com a sessão de exercício 
 Elevação da FC, elevação da ventilação pulmonar e sudorese 
 Agudos tardios 
 Primeiras 24 ou 48 horas que se seguem 
 Crônicos 
 Exposição frequente à exercício 
 Bradicardia de repouso, hipertrofia muscular, hipertrofia ventricular 
fisiológica, aumento do VO2
Frequência Cardíaca 
 da FC repouso e durante exercício submáximo 
 Não altera a FCmáxima
Pressão Arterial 
 PA repouso e durante exercício submáximo 
 Depende da diminuição do DC e do volume sistólico
Consumo de O2 
 VO2 máx capacidade aeróbica 
 Determinado pelo débito cardíaco 
 Aumento da diferença arteriovenosa de Oxigênio 
 Volemia 
 Densidade capilar 
 Débito Cardíaco
Função Ventricular 
 Durante exercício submáximo, indivíduo treinado apresenta o 
mesmo débito cardíaco FC mais baixa e volume sistólico 
maior 
 Maior extração periférica mesma intensidade com menor DC
Metabolismo 
Musculatura esquelética melhora densidade capilar, estrutura 
protéica miofibrilar e composição enzimática 
Utilização de lipídeos como energia 
Retardo na utilização de glicogênio muscular 
Tempo, intensidade de esforço e sustentação
Reabilitação Cardíaca
 Processo de desenvolvimento e manutenção de nível desejável de 
atividade física, social e psicológica após o início da Doença 
Arterial Coronariana (DAC).
Grupo Alvo 
 Angina de Peito 
 Isquemia ventricular 
 Infarto Agudo do Miocárdio 
 Lesão cardíaca / função ventricular 
 Cirurgia de Revascularização Cardíaca Coronariana 
 Desvio de circulação de coronárias bloqueadas 
 Angioplastia Coronariana Transluminal Percutânea 
 Desobstrução de artérias ocluídas
Benefícios da RC 
 Redução FC, PA sistólica e concentração de Catecolaminas em 
intensidades submáximas 
 Redução da demanda de oxigênio pelo miocárdio 
 Melhora do limiar de angina por aumento do fluxo coronariano 
 Melhora da capacidade funcional
Contraindicações
Objetivos da RC 
 Limitar os efeitos adversos da doença e da internação 
 Avaliar as respostas clínicas ao aumento progressivo do esforço 
 Manter o controle emocional 
 Estabelecer a intensidade de esforço a ser executada 
 Diminuir o tempo de internação hospitalar
Prescrição de Exercícios 
 Avaliação Física 
 Estado geral e funcional 
 História pregressa 
 Fatores de risco 
 Intervenções prévias
Prescrição de exercícios 
 Avaliação Física 
 Musculo-esquelética 
 Deformidades 
 Limitações articulares 
 Força muscular
Prescrição de Exercícios 
 Dados quanto à 
 Peso 
 Altura 
 IMC 
 PA 
Verificação diária! 
 FC
Prescrição de Exercícios 
 Testes para MMSS 
 Capacidade de exercício 
 Maior carga movido por uma ADM específica 
 Ombro à 90º de flexão 
 Carga inicial de 0,5 kg 
 Limite: incapacidade do paciente em realizar o movimento 
coordenadamente
Prescrição de Exercícios 
 Eletrocardiograma 
 Onda P despolarização atrial 
 Complexo QRS despolarização ventricular 
 Onda T repolarização ventricular
Prescrição de Exercícios 
 Teste de Esforço 
 Ergometria e Espirometria 
 Exercício na avaliação cardiovascular 
 Estresse físico programado 
 Estado hemodinâmico 
 Eletrocardiográfico 
 Metabólico 
 Quando associado à Ergoespirometria 
 Análise dos gases expirados
Prescrição de Exercícios 
 Ergômetro 
 Esteira 
 Bicicleta ergométrica 
 Exaustão mais rápida
Prescrição de Exercícios 
 Teste de Esforço 
 Protocolo de Bruce 
Estágio Velocidade (km/h) Inclinação (%) Tempo (minuto) 
1 1 10 3 
2 1,5 12 3 
3 2 14 3 
4 2,6 16 3 
5 3 18 3 
6 3,4 20 3
pre
Prescrição de Exercícios 
 Monitorização 
 ECG 
 FC 
 PA 
 Escala de Esforço Percebido 
 Aspecto 
Categoria Categoria-índice 
6 0 Nenhum 
7 Muito, muito leve 0,5 Muito, muito fraco (observável) 
8 1 Muito fraco 
9 Muito leve 2 Fraco (leve) 
10 3 Moderado 
11 Completamente leve 4 Qualquer coisa forte 
12 5 Forte (pesado) 
13 Qualquer coisa difícil 6 
14 7 Muito forte 
15 Difícil 8 
16 9 
17 Muito difícil 10 Muito, muito forte (quase máximo) 
18 ● Máximo 
19 Muito, muito difícil 
A interrupção pode ser predeterminada ou selecionada 
arbritráriamente: 
• FC: 130 bpm 
• Angina 
• Dispneia 
• FCmax esperada 
• Anormalidades no ECG
Prescrição de Exercícios 
 Espirometria 
 Casos especiais 
 Angina instável 
 IAM não complicado Alto Risco! 
 Contraindicações absolutas 
 Angina Instável 
 Arritmias não controladas
Prescrição de Exercícios 
 Teste de Caminhada de 6 minutos (TC6) 
 Avaliação do quadro do paciente 
 Evitar riscos na realização do teste 
 Corredor entre 20 e 30 metros 
 Fatores como idade, comprimento das pernas e peso 
podem levar a uma menor distância percorrida 
 Distância prevista da caminhada com o valor obtido
Referências Bibliográficas 
 Sociedade Brasileira de Cardiologia. 
Diretriz de Reabilitação Cardíaca. Arq 
Bras Cardiol. 2005 maio;84(5):431-40. 
 Mair V, Yoshimori DY. Perfil da 
fisioterapia na reabilitação 
cardiovascular no Brasil. Fisioterapia e 
Pesquisa, São Paulo, v.15, n.4, p.333-8, 
out./dez. 2008. 
 American College of Sports Medicine. 
Diretrizes do ACSM para os Testes de 
Esforço e sua Prescrição. 8ª ed. Rio de 
Janeiro: Guanabara Koogan; 2010. 
 Umeda IIK. Manual de fisioterapia na 
reabilitação cardiovascular. 1ª ed. 
Barueri: Manole; 2005. 
 Regenga MM. Fisioterapia em 
cardiologia: da U.T.I. à reabilitação. 1ª 
ed. São Paulo: Roca; 2000. 
 Powers SK, Howley ET. Fisiologia do 
Exercício: teoria e aplicação ao 
condicionamento e ao desempenho. 6ª 
ed. Barueri: Manole; 2009. 
 Gardenghi G, Dias FD. Reabilitação 
cardiovascular em pacientes 
cardiopatas. Integração. 2007 out nov 
dez;51:387-92. 
 Pryor JÁ, Webber BA. Fisioterapia para 
Problemas Respiratórios e Cardíacos. 2ª 
ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 
2002.
OBRIGADO!!! 
Monique Migliorini 
Rafael Pasqualinotti

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Avaliacao sensorial, funcao motora, coordenacao e marcha
Avaliacao sensorial, funcao motora, coordenacao e marchaAvaliacao sensorial, funcao motora, coordenacao e marcha
Avaliacao sensorial, funcao motora, coordenacao e marcha
Natha Fisioterapia
 
Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...
Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...
Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...
José Alexandre Pires de Almeida
 

Mais procurados (20)

AVALIAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA EM UTI
AVALIAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA EM UTIAVALIAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA EM UTI
AVALIAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA EM UTI
 
Protocolos avaliacao-postural
Protocolos avaliacao-posturalProtocolos avaliacao-postural
Protocolos avaliacao-postural
 
Hidroterapia introdução - aula 1
Hidroterapia   introdução - aula 1Hidroterapia   introdução - aula 1
Hidroterapia introdução - aula 1
 
Fisiologia do exercício 03
Fisiologia do exercício 03Fisiologia do exercício 03
Fisiologia do exercício 03
 
Fisioterapia no pré e pós operatório de cirurgias cardíacas
Fisioterapia no pré e pós operatório de cirurgias cardíacasFisioterapia no pré e pós operatório de cirurgias cardíacas
Fisioterapia no pré e pós operatório de cirurgias cardíacas
 
Fundamentos de fisioterapia - recursos terapeuticos da fisioterapia - capitulo 4
Fundamentos de fisioterapia - recursos terapeuticos da fisioterapia - capitulo 4Fundamentos de fisioterapia - recursos terapeuticos da fisioterapia - capitulo 4
Fundamentos de fisioterapia - recursos terapeuticos da fisioterapia - capitulo 4
 
Aula 6 Prescricao De Exercicio E Treinamento Fisico
Aula 6   Prescricao De Exercicio E Treinamento FisicoAula 6   Prescricao De Exercicio E Treinamento Fisico
Aula 6 Prescricao De Exercicio E Treinamento Fisico
 
Modulo 10
Modulo 10Modulo 10
Modulo 10
 
Avaliação respiratória
Avaliação respiratóriaAvaliação respiratória
Avaliação respiratória
 
Marcadores e ferramentas para avaliar a funcionalidade no Paciente Crítico
Marcadores e ferramentas para avaliar a funcionalidade no Paciente CríticoMarcadores e ferramentas para avaliar a funcionalidade no Paciente Crítico
Marcadores e ferramentas para avaliar a funcionalidade no Paciente Crítico
 
Benefícios do Exercício Físico e da Reabilitação Cardíaca em Indivíduos Idosos
Benefícios do Exercício Físico e da Reabilitação Cardíaca em Indivíduos IdososBenefícios do Exercício Físico e da Reabilitação Cardíaca em Indivíduos Idosos
Benefícios do Exercício Físico e da Reabilitação Cardíaca em Indivíduos Idosos
 
Aula 7 Testes De Esforco
Aula 7   Testes De EsforcoAula 7   Testes De Esforco
Aula 7 Testes De Esforco
 
Williams, mackenzie, klapp e feldenkrais
Williams, mackenzie, klapp e feldenkraisWilliams, mackenzie, klapp e feldenkrais
Williams, mackenzie, klapp e feldenkrais
 
Tornozelo e pe
Tornozelo e peTornozelo e pe
Tornozelo e pe
 
Fisioterapia aquática traumatologia
Fisioterapia aquática   traumatologiaFisioterapia aquática   traumatologia
Fisioterapia aquática traumatologia
 
Fisioterapia hospitalar icc
Fisioterapia hospitalar   iccFisioterapia hospitalar   icc
Fisioterapia hospitalar icc
 
Aula 1 - Introdução a fisiologia do exercício e controle interno
Aula 1 - Introdução a fisiologia do exercício e controle internoAula 1 - Introdução a fisiologia do exercício e controle interno
Aula 1 - Introdução a fisiologia do exercício e controle interno
 
Avaliação e Abordagens em Fisioterapia Cardiorrespiratória no Adulto
Avaliação e Abordagens em Fisioterapia Cardiorrespiratória no AdultoAvaliação e Abordagens em Fisioterapia Cardiorrespiratória no Adulto
Avaliação e Abordagens em Fisioterapia Cardiorrespiratória no Adulto
 
Avaliacao sensorial, funcao motora, coordenacao e marcha
Avaliacao sensorial, funcao motora, coordenacao e marchaAvaliacao sensorial, funcao motora, coordenacao e marcha
Avaliacao sensorial, funcao motora, coordenacao e marcha
 
Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...
Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...
Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...
 

Destaque (7)

Fisioterapia cardiorrespiratória
Fisioterapia cardiorrespiratória   Fisioterapia cardiorrespiratória
Fisioterapia cardiorrespiratória
 
Prezi
PreziPrezi
Prezi
 
Apresentação Prezi
Apresentação PreziApresentação Prezi
Apresentação Prezi
 
Fisioterapia
FisioterapiaFisioterapia
Fisioterapia
 
Aula 1 definiçoes e historia da fisioterapia
Aula 1 definiçoes e historia da fisioterapiaAula 1 definiçoes e historia da fisioterapia
Aula 1 definiçoes e historia da fisioterapia
 
Prezi
PreziPrezi
Prezi
 
Fisioterapia respiratoria
Fisioterapia respiratoriaFisioterapia respiratoria
Fisioterapia respiratoria
 

Semelhante a Reabilitação cardíaca fases II e III

Prescrição de atividade_fisica
Prescrição de atividade_fisicaPrescrição de atividade_fisica
Prescrição de atividade_fisica
Isabel Teixeira
 
Trabalho 4 eugenio_apresenta_o_do_dia_27
Trabalho 4 eugenio_apresenta_o_do_dia_27Trabalho 4 eugenio_apresenta_o_do_dia_27
Trabalho 4 eugenio_apresenta_o_do_dia_27
Bruno Balvedi
 
Prescriodeatividadefsica 100605151024-phpapp02
Prescriodeatividadefsica 100605151024-phpapp02Prescriodeatividadefsica 100605151024-phpapp02
Prescriodeatividadefsica 100605151024-phpapp02
Eric Belchote
 
Workshop phfisiotrainer
Workshop phfisiotrainerWorkshop phfisiotrainer
Workshop phfisiotrainer
simoneroselin
 
Workshop Ph Fisiotrainer
Workshop Ph FisiotrainerWorkshop Ph Fisiotrainer
Workshop Ph Fisiotrainer
simoneroselin
 
Cinesioterapia 9ª aula- Princípios do Exercício Aeróbico.pptx
Cinesioterapia 9ª aula- Princípios do Exercício Aeróbico.pptxCinesioterapia 9ª aula- Princípios do Exercício Aeróbico.pptx
Cinesioterapia 9ª aula- Princípios do Exercício Aeróbico.pptx
RcledfConejero
 
Adaptações agudas e crônicas do exercício físico no sistema cardiovascular
Adaptações agudas e crônicas do exercício físico no sistema cardiovascularAdaptações agudas e crônicas do exercício físico no sistema cardiovascular
Adaptações agudas e crônicas do exercício físico no sistema cardiovascular
Rafael Pereira
 
Resposta da Variabilidade da Frequência cardíaca no Exercício Físico
Resposta da Variabilidade da Frequência cardíaca no Exercício FísicoResposta da Variabilidade da Frequência cardíaca no Exercício Físico
Resposta da Variabilidade da Frequência cardíaca no Exercício Físico
Abinef
 

Semelhante a Reabilitação cardíaca fases II e III (20)

Diretriz de r cv
Diretriz de r cvDiretriz de r cv
Diretriz de r cv
 
Prescrição de atividade_fisica
Prescrição de atividade_fisicaPrescrição de atividade_fisica
Prescrição de atividade_fisica
 
Prescrição de atividade física
Prescrição de atividade físicaPrescrição de atividade física
Prescrição de atividade física
 
Clase de Estratificacion de Riesgo para hacer Ejercicio
Clase de Estratificacion de Riesgo para hacer EjercicioClase de Estratificacion de Riesgo para hacer Ejercicio
Clase de Estratificacion de Riesgo para hacer Ejercicio
 
Trabalho 4 eugenio_apresenta_o_do_dia_27
Trabalho 4 eugenio_apresenta_o_do_dia_27Trabalho 4 eugenio_apresenta_o_do_dia_27
Trabalho 4 eugenio_apresenta_o_do_dia_27
 
Benefícios da atividade física
Benefícios da atividade físicaBenefícios da atividade física
Benefícios da atividade física
 
Exercício e cardiopatias
Exercício e cardiopatiasExercício e cardiopatias
Exercício e cardiopatias
 
Cardiopatias
CardiopatiasCardiopatias
Cardiopatias
 
Prescriodeatividadefsica 100605151024-phpapp02
Prescriodeatividadefsica 100605151024-phpapp02Prescriodeatividadefsica 100605151024-phpapp02
Prescriodeatividadefsica 100605151024-phpapp02
 
Cardioexercicio
CardioexercicioCardioexercicio
Cardioexercicio
 
Workshop phfisiotrainer
Workshop phfisiotrainerWorkshop phfisiotrainer
Workshop phfisiotrainer
 
Trabalho interdisciplinar grupo
Trabalho interdisciplinar grupoTrabalho interdisciplinar grupo
Trabalho interdisciplinar grupo
 
Workshop Ph Fisiotrainer
Workshop Ph FisiotrainerWorkshop Ph Fisiotrainer
Workshop Ph Fisiotrainer
 
Cinesioterapia 9ª aula- Princípios do Exercício Aeróbico.pptx
Cinesioterapia 9ª aula- Princípios do Exercício Aeróbico.pptxCinesioterapia 9ª aula- Princípios do Exercício Aeróbico.pptx
Cinesioterapia 9ª aula- Princípios do Exercício Aeróbico.pptx
 
Curso Hidroginástica Para 3ª idade
Curso Hidroginástica Para 3ª idadeCurso Hidroginástica Para 3ª idade
Curso Hidroginástica Para 3ª idade
 
Adaptações agudas e crônicas do exercício físico no sistema cardiovascular
Adaptações agudas e crônicas do exercício físico no sistema cardiovascularAdaptações agudas e crônicas do exercício físico no sistema cardiovascular
Adaptações agudas e crônicas do exercício físico no sistema cardiovascular
 
Adaptacoes agudas e cronicas
Adaptacoes agudas e cronicas Adaptacoes agudas e cronicas
Adaptacoes agudas e cronicas
 
Ativcardiaca
AtivcardiacaAtivcardiaca
Ativcardiaca
 
3ª Idade, Hipertensão Arterial, Moléstias Coronarianas e Atividades Físicas
3ª Idade, Hipertensão Arterial, Moléstias Coronarianas e Atividades Físicas3ª Idade, Hipertensão Arterial, Moléstias Coronarianas e Atividades Físicas
3ª Idade, Hipertensão Arterial, Moléstias Coronarianas e Atividades Físicas
 
Resposta da Variabilidade da Frequência cardíaca no Exercício Físico
Resposta da Variabilidade da Frequência cardíaca no Exercício FísicoResposta da Variabilidade da Frequência cardíaca no Exercício Físico
Resposta da Variabilidade da Frequência cardíaca no Exercício Físico
 

Último

Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Metabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdf
Metabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdfMetabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdf
Metabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdf
MayaraStefanydaSilva1
 

Último (8)

Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
 
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSÓRIAS - slide.pptx
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSÓRIAS - slide.pptxDOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSÓRIAS - slide.pptx
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSÓRIAS - slide.pptx
 
Tabela-pontos-de-corte-clinicos-BrCAST-12-abr-22.pdf
Tabela-pontos-de-corte-clinicos-BrCAST-12-abr-22.pdfTabela-pontos-de-corte-clinicos-BrCAST-12-abr-22.pdf
Tabela-pontos-de-corte-clinicos-BrCAST-12-abr-22.pdf
 
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdfATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
 
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptxAULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
 
Metabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdf
Metabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdfMetabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdf
Metabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdf
 
AULA - Fígado, vias biliares e pâncreas exócrino.pdf
AULA - Fígado, vias biliares e pâncreas exócrino.pdfAULA - Fígado, vias biliares e pâncreas exócrino.pdf
AULA - Fígado, vias biliares e pâncreas exócrino.pdf
 
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdfCrianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
 

Reabilitação cardíaca fases II e III

  • 1. REABILITAÇÃO CARDÍACA FASES I E II Discentes: Monique Migliorini e Rafael Pasqualinotti Docentes: Eliane Sernache de Freitas e Fernando Guedes Estágio ISCAL – 9º Semestre Fisioterapia UNOPAR
  • 2. Definição  Segundo a OMS, reabilitação cardíaca é a soma de atividades necessárias para influenciar, favoravelmente, tanto a causa subjacente da doença, quanto as melhores condições físicas, mentais e sociais, de maneira que os pacientes possam, através de seus próprios esforços, preservar ou reassumir quando perdido, um papel normal quanto possível dentro da comunidade.
  • 3. Introdução  A reabilitação cardiovascular (RCV) pode ser conceituada como um ramo de atuação da cardiologia que, implementada por equipe de trabalho multiprofissional, permite a restituição, ao indivíduo, de uma satisfatória condição clínica, física, psicológica e laborativa
  • 4. Introdução  A reabilitação cardíaca, incluindo a prevenção secundária tornou-se uma parte importante do tratamento de pacientes tanto no pós-IAM quanto no PO de revascularização do miocárdio (RM).
  • 5. Exercício Físico  Movimento corporal planejado, estruturado e repetitivo  Melhorar ou manter aptidão física  Aptidão física  Capacidade de realizar atividades diárias com vigor
  • 6. Treinamento Físico  Promove adaptações morfológicas e funcionais  Maior capacidade do organismo ao responder o estresse do exercício  Frequência Cardíaca  Pressão Arterial  Consumo de O2  Função Ventricular  Metabolismo
  • 7. Efeitos fisiológicos  Agudos imediatos (respostas)  Associação direta com a sessão de exercício  Elevação da FC, elevação da ventilação pulmonar e sudorese  Agudos tardios  Primeiras 24 ou 48 horas que se seguem  Crônicos  Exposição frequente à exercício  Bradicardia de repouso, hipertrofia muscular, hipertrofia ventricular fisiológica, aumento do VO2
  • 8. Frequência Cardíaca  da FC repouso e durante exercício submáximo  Não altera a FCmáxima
  • 9. Pressão Arterial  PA repouso e durante exercício submáximo  Depende da diminuição do DC e do volume sistólico
  • 10. Consumo de O2  VO2 máx capacidade aeróbica  Determinado pelo débito cardíaco  Aumento da diferença arteriovenosa de Oxigênio  Volemia  Densidade capilar  Débito Cardíaco
  • 11. Função Ventricular  Durante exercício submáximo, indivíduo treinado apresenta o mesmo débito cardíaco FC mais baixa e volume sistólico maior  Maior extração periférica mesma intensidade com menor DC
  • 12. Metabolismo Musculatura esquelética melhora densidade capilar, estrutura protéica miofibrilar e composição enzimática Utilização de lipídeos como energia Retardo na utilização de glicogênio muscular Tempo, intensidade de esforço e sustentação
  • 14.  Processo de desenvolvimento e manutenção de nível desejável de atividade física, social e psicológica após o início da Doença Arterial Coronariana (DAC).
  • 15. Grupo Alvo  Angina de Peito  Isquemia ventricular  Infarto Agudo do Miocárdio  Lesão cardíaca / função ventricular  Cirurgia de Revascularização Cardíaca Coronariana  Desvio de circulação de coronárias bloqueadas  Angioplastia Coronariana Transluminal Percutânea  Desobstrução de artérias ocluídas
  • 16. Benefícios da RC  Redução FC, PA sistólica e concentração de Catecolaminas em intensidades submáximas  Redução da demanda de oxigênio pelo miocárdio  Melhora do limiar de angina por aumento do fluxo coronariano  Melhora da capacidade funcional
  • 18. Objetivos da RC  Limitar os efeitos adversos da doença e da internação  Avaliar as respostas clínicas ao aumento progressivo do esforço  Manter o controle emocional  Estabelecer a intensidade de esforço a ser executada  Diminuir o tempo de internação hospitalar
  • 19. Prescrição de Exercícios  Avaliação Física  Estado geral e funcional  História pregressa  Fatores de risco  Intervenções prévias
  • 20. Prescrição de exercícios  Avaliação Física  Musculo-esquelética  Deformidades  Limitações articulares  Força muscular
  • 21. Prescrição de Exercícios  Dados quanto à  Peso  Altura  IMC  PA Verificação diária!  FC
  • 22. Prescrição de Exercícios  Testes para MMSS  Capacidade de exercício  Maior carga movido por uma ADM específica  Ombro à 90º de flexão  Carga inicial de 0,5 kg  Limite: incapacidade do paciente em realizar o movimento coordenadamente
  • 23. Prescrição de Exercícios  Eletrocardiograma  Onda P despolarização atrial  Complexo QRS despolarização ventricular  Onda T repolarização ventricular
  • 24. Prescrição de Exercícios  Teste de Esforço  Ergometria e Espirometria  Exercício na avaliação cardiovascular  Estresse físico programado  Estado hemodinâmico  Eletrocardiográfico  Metabólico  Quando associado à Ergoespirometria  Análise dos gases expirados
  • 25. Prescrição de Exercícios  Ergômetro  Esteira  Bicicleta ergométrica  Exaustão mais rápida
  • 26. Prescrição de Exercícios  Teste de Esforço  Protocolo de Bruce Estágio Velocidade (km/h) Inclinação (%) Tempo (minuto) 1 1 10 3 2 1,5 12 3 3 2 14 3 4 2,6 16 3 5 3 18 3 6 3,4 20 3
  • 27. pre
  • 28. Prescrição de Exercícios  Monitorização  ECG  FC  PA  Escala de Esforço Percebido  Aspecto Categoria Categoria-índice 6 0 Nenhum 7 Muito, muito leve 0,5 Muito, muito fraco (observável) 8 1 Muito fraco 9 Muito leve 2 Fraco (leve) 10 3 Moderado 11 Completamente leve 4 Qualquer coisa forte 12 5 Forte (pesado) 13 Qualquer coisa difícil 6 14 7 Muito forte 15 Difícil 8 16 9 17 Muito difícil 10 Muito, muito forte (quase máximo) 18 ● Máximo 19 Muito, muito difícil A interrupção pode ser predeterminada ou selecionada arbritráriamente: • FC: 130 bpm • Angina • Dispneia • FCmax esperada • Anormalidades no ECG
  • 29. Prescrição de Exercícios  Espirometria  Casos especiais  Angina instável  IAM não complicado Alto Risco!  Contraindicações absolutas  Angina Instável  Arritmias não controladas
  • 30. Prescrição de Exercícios  Teste de Caminhada de 6 minutos (TC6)  Avaliação do quadro do paciente  Evitar riscos na realização do teste  Corredor entre 20 e 30 metros  Fatores como idade, comprimento das pernas e peso podem levar a uma menor distância percorrida  Distância prevista da caminhada com o valor obtido
  • 31.
  • 32.
  • 33. Referências Bibliográficas  Sociedade Brasileira de Cardiologia. Diretriz de Reabilitação Cardíaca. Arq Bras Cardiol. 2005 maio;84(5):431-40.  Mair V, Yoshimori DY. Perfil da fisioterapia na reabilitação cardiovascular no Brasil. Fisioterapia e Pesquisa, São Paulo, v.15, n.4, p.333-8, out./dez. 2008.  American College of Sports Medicine. Diretrizes do ACSM para os Testes de Esforço e sua Prescrição. 8ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2010.  Umeda IIK. Manual de fisioterapia na reabilitação cardiovascular. 1ª ed. Barueri: Manole; 2005.  Regenga MM. Fisioterapia em cardiologia: da U.T.I. à reabilitação. 1ª ed. São Paulo: Roca; 2000.  Powers SK, Howley ET. Fisiologia do Exercício: teoria e aplicação ao condicionamento e ao desempenho. 6ª ed. Barueri: Manole; 2009.  Gardenghi G, Dias FD. Reabilitação cardiovascular em pacientes cardiopatas. Integração. 2007 out nov dez;51:387-92.  Pryor JÁ, Webber BA. Fisioterapia para Problemas Respiratórios e Cardíacos. 2ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2002.
  • 34. OBRIGADO!!! Monique Migliorini Rafael Pasqualinotti