SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 39
Baixar para ler offline
Fisioterapia na Saúde do Atleta
Prof. Dr. Rubens Alexandre da Silva Jr
7º Semestre – Fisioterapia – Noturno
Discentes
 Alessandra Frassato
 Bárbara Beatriz de Moraes
 Dirce Benito Borburema
 Edlaine Estela Rodrigues
 Jéssica Leonardi
 Mayara Rodrigues Monteiro
 Mônica Santos de Oliveira
 Tiago Trindade Ribeiro
Londrina
2015
• A ginástica rítmica é uma modalidade especificamente feminina,
encanta pelo fato de alinhar a arte potencial do movimento
expressivo do corpo, com a técnica da utilização ou não de
aparelhos ou objetos.
• Ela é caracterizada pela interpretação de uma música e é
considerado um esporte/arte que empolga e que é motivado
pela competição e o desejo de se chegar à perfeição.
• O método de execução da
ginástica é fundamentado na
anatomia e fisiologia do corpo
humano, através de
movimentos mecânicos,
construídos e combinados, com
o objetivo de desenvolver todas
as funções vitais do indivíduo,
melhorando assim a sua saúde.
• A GR surgiu em meados do século
XVIII, sendo fruto de vários estudos
de diferentes pesquisadores, dos
quais um era militar e os outros
exerciam profissões como pedagogia,
medicina e música;
• Apareceu pela primeira vez nos Jogos
Olímpicos de Estocolmo, em 1912;
• A partir dos Jogos Olímpicos de Los
Angeles, em 1984, foi integrada no
calendário olímpico.
Essa modalidade recebeu várias denominações diferentes
durante toda a sua história, sendo elas:
 Ginástica Moderna;
 Ginástica Rítmica Moderna;
 Ginástica Feminina Moderna;
 Ginástica Rítmica Desportiva ( *Segundo a Federação Internacional de Ginástica );
 Ginástica Rítmica ( *Atualmente ).
• Em 1999 a GR conquistou a
medalha de ouro nos jogos Pan-
americanos de Winnipeg no
Canadá, e a seleção Brasileira
responsável pelo título treinava
na Unopar (Universidade Norte
do Paraná) na cidade de
Londrina, um dos maiores centro
de treinamento de Ginástica
Rítmica do país.
• A Ginástica Rítmica é uma modalidade que utiliza vários
gestos e movimentos, exigindo do atleta uma ótima
coordenação motora, habilidade, boa flexibilidade, muito
equilíbrio e força muscular.
• PRANCHA LATERAL
Aspectos Técnicos Fundamentais:
 Atleta realiza uma inclinação de tronco até a horizontal formando um ângulo de
180º;
 Eleva-se o membro inferior livre em extensão até a vertical;
 Os membros superiores devem acompanhar o movimento da perna, de tal forma
que eles realizem uma elevação lateral (abdução);
 Ao final do exercício os membros inferiores devem estar unidos e apoiados ao
solo.
• ERROS DURANTE A EXECUÇÃO:
Alguns erros podem acontecer durante a execução de tal movimento como,
por exemplo:
 Realizar flexão de tronco ao invés de inclinação lateral e não mantê-la na
horizontal;
 Não manter o membro inferior livre em extensão e na vertical;
 Não juntar os membros inferiores ao final do movimento.
• PRANCHA LATERAL
Para manter-se nessa postura no plano transverso a quase 180º, a atleta precisa de
um treino de fortalecimento do músculo agonista associado ao alongamento do
grupo muscular antagonista, exemplo:
I. Movimentos dos MMII
*Plantiflexão:
Fortalecimento de Tríceps Sural
( Gastrocnêmio e sóleo)
Alongamento de Dorsiflexores
(Tibial anterior, extensor longo do
hálux e dedos e fibular 3º)
*Extensão de Joelho:
Fortalecimento de Quadríceps
(Vasto lateral, medial, intermédio e reto femoral)
Alongamento de Ísquiostibiais
(Semitendíneo, semimembranáceo e bíceps femoral)
*Abdução de Quadril:
Fortalecimento de Abdutores de quadril
( Glúteo médio e mínimo)
Alongamento de adutores de quadril
( Adutor longo, curto e magno, grácil e
pectíneo)
• II. Movimentos do Tronco:
No caso do tronco deve-se fazer um trabalho de alongamento e
fortalecimento das estruturas anteriores e posteriores da coluna, a
fim de manter o equilíbrio entre as estruturas, aumentar a
mobilidade torácica e lombar e a flexibilidade dessa região.
Durante o exercício: “Prancha Lateral”, são exigidos movimentos que se
utilizam dos seguintes grupos musculares:
*Rotadores de tronco
( Oblíquos interno e externo, Íleo-psoas e reto femoral)
*Inclinadores Laterais
(Oblíquos interno e externo, Íleo-psoas, quadrado lombar e músculos espinhais)
*Extensores de tronco
( Íleocostal, grande dorsal, multífidos, rotadores, espinhais, interespinhais,
intertransversários, semi-espinhal)
III. Movimentos dos MMSS:
*Abdução dos braços:
Fortalecimento dos abdutores do ombro
(Deltoide porção medial e supra-espinhal)
Alongamento dos adutores do ombro
( Peitoral maior, grande dorsal, redondo menor,
infra-espinhal e subescapular)
• Os músculos que compõem o grupo: “Manguito Rotador” tem
grande importância na estabilização, força e mobilidade do ombro.
 OBS: ↓ 30º de ABD os músculos que agem sobre a glenoumeral são:
*deltoide (médio) e supra-espinhal.
 OBS: ↑30º de ABD a escápula entra em ação utilizando-se de outros
músculos, tais como: *trapézio, serrátil anterior, elevador da
escápula.
• IV. Movimentos da Cervical: Assim como no tronco, a cervical deve ser
trabalhada com alongamento e fortalecimento de todas as suas estruturas,
porém nesse exercício da “Prancha Lateral” os movimentos mais utilizados e
seus respectivos músculos são:
* Rotadores de Cervical:
( ECOM, músculos posteriores da
cervical)
*Flexores laterais da Cervical:
( ECOM, escalenos)
*Extensores da Cervical:
(Trapézio, músculos
posteriores da cervical)
• O treinamento das ginastas é repleto de exercícios físicos de alta
intensidade que exigem uma boa preparação física de quem o pratica.
• A atividade muscular e a intensidade desses exercícios estão
diretamente ligados ao gasto de energia (ATP), que é adquirida por
meio de uma alimentação saudável.
Os tipos de reposição de ATP podem
ser feitos por meio de três sistemas:
 Anaeróbico alático;
 Anaeróbico lático;
 Sistema aeróbico.
*No caso do movimento “Prancha Lateral” é
utilizado o SISTEMA ANAERÓBICO LÁTICO, onde
a principal característica é a falta de
oxigênio.
• Os exercícios de intensidade submáxima tem duração de 1
minuto até 2 minutos e 30 segundos, sendo que neste
exercício utilizam-se inicialmente as fibras fásicas (brancas),
e é mantido pelas fibras tônicas (vermelhas).
• A série de exercícios escolhidos nos dias de treino visa proporcionar a
melhoria do sistema cardiovascular, bem como o fortalecimento,
resistência muscular e também capacidades físicas como força,
velocidade, postura e flexibilidade.
• Para melhorar o sistema cardiovascular utilizou-se de recursos como a
ginástica aeróbica, a caminhada e o step.
• Com os exercícios localizados buscou-se o fortalecimento e a
resistência muscular. Nestas atividades podem ser utilizados
os seguintes materiais:
 Bastões;
 Pesos;
 Caneleiras;
 Faixas elásticas;
 Bolas;
 entre outros.
• Esses exercícios podem ser
realizados individualmente, em
duplas e na forma de circuito.
• Todas as aulas são ministradas com
ritmo e música, que demandam do
aluno uma movimentação contínua.
• Esta característica proporciona uma
maior eficiência na obtenção das
melhorias fisiológicas, tanto na
parte cardiovascular, quanto na
parte muscular localizada.
*INICIAÇÃO*
• Para selecionar as meninas a
iniciarem os treinos são feitos
testes pela treinadora para
avaliar a flexibilidade e a postura;
• Geralmente essas meninas
iniciam com a idade entre 4 e 8
anos; e encerram
aproximadamente aos 20 anos,
dependendo da vontade e do
preparo físico de cada atleta,
atendendo também a parte
psicológica.
*TREINOS GRUPO INFANTIL*
• É realizado treinos básicos, para que cada atleta conheça o
seu corpo e entenda como que os músculos devem funcionar
e quando devem contrair em determinado exercício.
Grupo Infantil Grupo Infantil
*TREINOS GRUPO PRÉ-INFANTIL E JUVENIL*
• É realizado um preparatório para as competições, onde os
treinos são mais intensos trabalhando todos os grupos
musculares, sempre colocando carga máxima nos exercícios
propostos.
Grupo Pré-Infantil Grupo Juvenil
I. Grupo GR Infantil II. Grupo GR Pré-Infantil
III. Grupo GR Juvenil
• As ginastas fazem balé no mínimo
2 vezes por semana, sendo
importante pois trabalha com a
flexibilidade e a postura;
• A seleção treina 8 horas por dias
de segunda à sábado, sendo um
treino mais específico para as
competições.
ORGANIZAÇÃO COMPETIÇÕES 2015 - UNOPAR
CATEGORIA CAMPEONATOS DATA LOCAL INSCRIÇÃO
Pré-Infantil Paranaense (Individual) 05 a 07/06 Cascavel
Infantil Paranaense (Individual) 05 a 07/06 Cascavel
Mirim Tornei Elizabeth 27/06 Londrina
Pré-Equipe Tornei Elizabeth 27/06 Londrina
Pré-Infantil Brasileiro (individual) 01 a 05/07 22/05
Pré-Infantil Copa Brasil de Conjuntos 01 a 05/07 22/05
Infantil Brasileiro (Individual) 01 a 05/07 22/05
Infantil Copa Brasil de Conjuntos 01 a 05/07 22/05
Juvenil 12 a 14 Jogos Escolares do Paraná 09 a 11/07
Juvenil Paranaense Individual 17 a 19 /07 Cascavel
Juvenil Brasileiro (Individual) 05-09/08 26/06
Juvenil Copa Brasil de Conjuntos 05-09/08 26/06
Juvenil 15 a 17 Adulto Jogos Escolares do Paraná 13 a 15/08 Guarapuava
Juvenil 12 a 14 Jogos Escolares da Juventude 02 a 07/09
Juvenil Jogos da Juventude 23/10
Juvenil 15 a 17 Adulto Jogos Escolares da Juventude 11 a 16/11 Londrina
Pré-Infantil Paranaense de Conjuntos 29/10 a 01/11 Londrina
Infantil Paranaense de Conjuntos 29/10 a 01/11 Londrina
Juvenil Paranaense de Conjuntos 29/10 a 01/11 Londrina
Pré-Infantil Brasileiro de Conjuntos 13 a 14/11 16/10
Infantil Brasileiro de Conjuntos 25 a 28/11 16/10
Juvenil Brasileiro de Conjuntos 25 a 28/11 16/10
Pré-Infantil Estreantes 04 a 05/12 Campo Mourão
*LOCAL DO TREINO*
Quadra
Tablado
*LOCAL DO TREINO*
• Fisioterapia e odontologia: é realizado pela clínica da Unopar, e
outros procedimentos que não são oferecidos pela instituição
elas fazem fora e algumas vezes são pagos pelas mesmas.
• OBS: umas das principais lesões que acometem as ginastas é a
lesão de tornozelo.
**Não possui Psicólogos e Nutricionista que é de suma importância
para as ginastas.
**Universidade Norte do Paraná
**As ginastas que são campeãs possui
uma bolsa atleta cedido pelo
Ministério do Esporte.
• LAFFRANCHI, Bárbara. Treinamento Desportivo Aplicado à
Ginástica Rítmica. Londrina, Unopar, 2001.
• MOLINARI, A. M. da P. Ginástica Rítmica: Esporte, História e
Desenvolvimento. Cooperativa do Fitness. 2004. Disponível em
site: www.cdof.com.br/esportes4.htm. Acesso em 14 abr
2015.
• http://www.infoescola.com/educacao-fisica/exercicios-
anaerobicos/
• Professoras. Dayane Camillo da Silva, Eliana Virginia Nobre dos
Santos, Márcia Aversani Lourenço.
Ginástica rítmica 1. parte

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (20)

Ginástica rítmica na escola
Ginástica rítmica na escolaGinástica rítmica na escola
Ginástica rítmica na escola
 
Jogos e brincadeiras
Jogos e brincadeirasJogos e brincadeiras
Jogos e brincadeiras
 
Condicionamento físico
Condicionamento físicoCondicionamento físico
Condicionamento físico
 
Ginástica - Educação Física
Ginástica - Educação FísicaGinástica - Educação Física
Ginástica - Educação Física
 
Jogos cooperativos na escola
Jogos cooperativos na escolaJogos cooperativos na escola
Jogos cooperativos na escola
 
Alongamento
AlongamentoAlongamento
Alongamento
 
Fundamentos metodológicos da ginastica
Fundamentos metodológicos da ginastica Fundamentos metodológicos da ginastica
Fundamentos metodológicos da ginastica
 
Jogos pre desportivos na escola
Jogos pre desportivos na escolaJogos pre desportivos na escola
Jogos pre desportivos na escola
 
Beneficios atvfisica
Beneficios atvfisicaBeneficios atvfisica
Beneficios atvfisica
 
Histórico da ginástica
Histórico da ginásticaHistórico da ginástica
Histórico da ginástica
 
Ginastica calistenica.
Ginastica calistenica.Ginastica calistenica.
Ginastica calistenica.
 
Modalidades-esportes
Modalidades-esportesModalidades-esportes
Modalidades-esportes
 
Aula introdução ed. fisica
Aula introdução ed. fisicaAula introdução ed. fisica
Aula introdução ed. fisica
 
Atividade física-e-saúde-slides-3
Atividade física-e-saúde-slides-3Atividade física-e-saúde-slides-3
Atividade física-e-saúde-slides-3
 
Aula ginásticas de academia
Aula ginásticas de academiaAula ginásticas de academia
Aula ginásticas de academia
 
Exercício Físico
Exercício  FísicoExercício  Físico
Exercício Físico
 
Hidroginástica com saúde e alegria
Hidroginástica com saúde e alegriaHidroginástica com saúde e alegria
Hidroginástica com saúde e alegria
 
Curso Profissional de Técnico de Desporto
Curso Profissional de Técnico de DesportoCurso Profissional de Técnico de Desporto
Curso Profissional de Técnico de Desporto
 
Exercício Aeróbico x Exercício Anaeróbico
Exercício Aeróbico x Exercício AnaeróbicoExercício Aeróbico x Exercício Anaeróbico
Exercício Aeróbico x Exercício Anaeróbico
 
Aula01:
Aula01:Aula01:
Aula01:
 

Semelhante a Ginástica rítmica 1. parte

Revista Pilates - Clínica Creftae - Especial Aluno
Revista Pilates - Clínica Creftae - Especial AlunoRevista Pilates - Clínica Creftae - Especial Aluno
Revista Pilates - Clínica Creftae - Especial AlunoClínica Crefte
 
guia de recomendações para desporto senior
guia de recomendações para desporto seniorguia de recomendações para desporto senior
guia de recomendações para desporto seniorAna Santos
 
ASPECTOS NEUROMECÂNICOS DO EXERCÍCIO AGACHAMENTO
ASPECTOS NEUROMECÂNICOS DO EXERCÍCIO AGACHAMENTOASPECTOS NEUROMECÂNICOS DO EXERCÍCIO AGACHAMENTO
ASPECTOS NEUROMECÂNICOS DO EXERCÍCIO AGACHAMENTOmarcelosilveirazero1
 
treinofuncional_bncc.pdf
treinofuncional_bncc.pdftreinofuncional_bncc.pdf
treinofuncional_bncc.pdfAlan Moraes
 
Curso de mobilidade articular para atletas de futsal
Curso de  mobilidade articular para atletas de futsalCurso de  mobilidade articular para atletas de futsal
Curso de mobilidade articular para atletas de futsalFernando Richard
 
Entendendo o Core. Grazzi Favarato
 Entendendo o Core. Grazzi Favarato Entendendo o Core. Grazzi Favarato
Entendendo o Core. Grazzi FavaratoGrazzi Favarato
 
Treinamento funcional fiep cg
Treinamento funcional fiep cgTreinamento funcional fiep cg
Treinamento funcional fiep cgBrunno Elias
 
Balbino lizardo, 2008
Balbino lizardo, 2008Balbino lizardo, 2008
Balbino lizardo, 2008Florr Verasay
 
Cartilha curso - orientacao postural - posicao sentada - modulo ii - word
Cartilha   curso - orientacao postural - posicao sentada - modulo ii - wordCartilha   curso - orientacao postural - posicao sentada - modulo ii - word
Cartilha curso - orientacao postural - posicao sentada - modulo ii - wordFernanda Anderle
 
Fisioterapia em grupos especiais
Fisioterapia em grupos especiaisFisioterapia em grupos especiais
Fisioterapia em grupos especiaissaulo vinicius
 
SLIDES DO LIVRO.pptx
SLIDES DO LIVRO.pptxSLIDES DO LIVRO.pptx
SLIDES DO LIVRO.pptxLeilaLima41
 
Postura corporal
Postura corporal Postura corporal
Postura corporal Aon Brasil
 
Power Funcional - um sistema racional de treinamento funcional
Power Funcional - um sistema racional de treinamento funcionalPower Funcional - um sistema racional de treinamento funcional
Power Funcional - um sistema racional de treinamento funcionalMarilia Coutinho
 

Semelhante a Ginástica rítmica 1. parte (20)

Revista Pilates - Clínica Creftae - Especial Aluno
Revista Pilates - Clínica Creftae - Especial AlunoRevista Pilates - Clínica Creftae - Especial Aluno
Revista Pilates - Clínica Creftae - Especial Aluno
 
Aula 3
Aula 3Aula 3
Aula 3
 
Aula 3
Aula 3Aula 3
Aula 3
 
guia de recomendações para desporto senior
guia de recomendações para desporto seniorguia de recomendações para desporto senior
guia de recomendações para desporto senior
 
ASPECTOS NEUROMECÂNICOS DO EXERCÍCIO AGACHAMENTO
ASPECTOS NEUROMECÂNICOS DO EXERCÍCIO AGACHAMENTOASPECTOS NEUROMECÂNICOS DO EXERCÍCIO AGACHAMENTO
ASPECTOS NEUROMECÂNICOS DO EXERCÍCIO AGACHAMENTO
 
11 mecanica corporal
11 mecanica corporal11 mecanica corporal
11 mecanica corporal
 
treinofuncional_bncc.pdf
treinofuncional_bncc.pdftreinofuncional_bncc.pdf
treinofuncional_bncc.pdf
 
SLF-Tabloide_Fila5
SLF-Tabloide_Fila5SLF-Tabloide_Fila5
SLF-Tabloide_Fila5
 
Curso de mobilidade articular para atletas de futsal
Curso de  mobilidade articular para atletas de futsalCurso de  mobilidade articular para atletas de futsal
Curso de mobilidade articular para atletas de futsal
 
Entendendo o Core. Grazzi Favarato
 Entendendo o Core. Grazzi Favarato Entendendo o Core. Grazzi Favarato
Entendendo o Core. Grazzi Favarato
 
Treinamento funcional fiep cg
Treinamento funcional fiep cgTreinamento funcional fiep cg
Treinamento funcional fiep cg
 
Balbino lizardo, 2008
Balbino lizardo, 2008Balbino lizardo, 2008
Balbino lizardo, 2008
 
Cartilha curso - orientacao postural - posicao sentada - modulo ii - word
Cartilha   curso - orientacao postural - posicao sentada - modulo ii - wordCartilha   curso - orientacao postural - posicao sentada - modulo ii - word
Cartilha curso - orientacao postural - posicao sentada - modulo ii - word
 
Fisioterapia em grupos especiais
Fisioterapia em grupos especiaisFisioterapia em grupos especiais
Fisioterapia em grupos especiais
 
SLIDES DO LIVRO.pptx
SLIDES DO LIVRO.pptxSLIDES DO LIVRO.pptx
SLIDES DO LIVRO.pptx
 
Cuidador de idoso_17
Cuidador de idoso_17Cuidador de idoso_17
Cuidador de idoso_17
 
Histórico e evolução do voleibol
Histórico e evolução do voleibolHistórico e evolução do voleibol
Histórico e evolução do voleibol
 
Postura corporal
Postura corporal Postura corporal
Postura corporal
 
Ginastica de Solo - UFAC
Ginastica de Solo - UFACGinastica de Solo - UFAC
Ginastica de Solo - UFAC
 
Power Funcional - um sistema racional de treinamento funcional
Power Funcional - um sistema racional de treinamento funcionalPower Funcional - um sistema racional de treinamento funcional
Power Funcional - um sistema racional de treinamento funcional
 

Mais de Universidade Norte do Paraná

Fisioterapia na Saúde do Trabalhador - Síndrome do Túnel do Carpo - Ergonomia
Fisioterapia na Saúde do Trabalhador - Síndrome do Túnel do Carpo - ErgonomiaFisioterapia na Saúde do Trabalhador - Síndrome do Túnel do Carpo - Ergonomia
Fisioterapia na Saúde do Trabalhador - Síndrome do Túnel do Carpo - ErgonomiaUniversidade Norte do Paraná
 
Fisioterapia na Saúde do Trabalhador - Ergonomia e Ginástica Laboral
Fisioterapia na Saúde do Trabalhador - Ergonomia e Ginástica LaboralFisioterapia na Saúde do Trabalhador - Ergonomia e Ginástica Laboral
Fisioterapia na Saúde do Trabalhador - Ergonomia e Ginástica LaboralUniversidade Norte do Paraná
 
Doação de Órgãos Fígado Ética e Deontologia para Fisioterapia
Doação de Órgãos Fígado   Ética e Deontologia para Fisioterapia Doação de Órgãos Fígado   Ética e Deontologia para Fisioterapia
Doação de Órgãos Fígado Ética e Deontologia para Fisioterapia Universidade Norte do Paraná
 

Mais de Universidade Norte do Paraná (19)

Sd cópia pdf
Sd   cópia pdfSd   cópia pdf
Sd cópia pdf
 
História da saúde pública no brasill
História da saúde pública no brasillHistória da saúde pública no brasill
História da saúde pública no brasill
 
Reabilitação cardíaca
Reabilitação cardíacaReabilitação cardíaca
Reabilitação cardíaca
 
Tumores em pediatria (ppt)
Tumores em pediatria (ppt)Tumores em pediatria (ppt)
Tumores em pediatria (ppt)
 
Edema e fibrose pulmonar
Edema e fibrose pulmonarEdema e fibrose pulmonar
Edema e fibrose pulmonar
 
Icc Fisioterapia Hospitalar
Icc Fisioterapia HospitalarIcc Fisioterapia Hospitalar
Icc Fisioterapia Hospitalar
 
Cinesioterapia MMII
Cinesioterapia MMIICinesioterapia MMII
Cinesioterapia MMII
 
Análise Arquitetônicas da Piscina - Hidroterapia
Análise Arquitetônicas da Piscina - Hidroterapia Análise Arquitetônicas da Piscina - Hidroterapia
Análise Arquitetônicas da Piscina - Hidroterapia
 
Trabalho de Biologia Geral Lisossomos e Endossomos
Trabalho de Biologia Geral Lisossomos e EndossomosTrabalho de Biologia Geral Lisossomos e Endossomos
Trabalho de Biologia Geral Lisossomos e Endossomos
 
Cinesiologia - Coluna Toracolombar
Cinesiologia - Coluna Toracolombar Cinesiologia - Coluna Toracolombar
Cinesiologia - Coluna Toracolombar
 
Síndrome de Cri Du Chat
Síndrome de Cri Du ChatSíndrome de Cri Du Chat
Síndrome de Cri Du Chat
 
Fisioterapia na Saúde do Trabalhador - Síndrome do Túnel do Carpo - Ergonomia
Fisioterapia na Saúde do Trabalhador - Síndrome do Túnel do Carpo - ErgonomiaFisioterapia na Saúde do Trabalhador - Síndrome do Túnel do Carpo - Ergonomia
Fisioterapia na Saúde do Trabalhador - Síndrome do Túnel do Carpo - Ergonomia
 
Mobilização Articular da Coluna Torácica - RTM
Mobilização Articular da Coluna Torácica - RTMMobilização Articular da Coluna Torácica - RTM
Mobilização Articular da Coluna Torácica - RTM
 
Malformação Congênitas
Malformação CongênitasMalformação Congênitas
Malformação Congênitas
 
Fundamentos de Fisioterapia Doença Mental
Fundamentos de Fisioterapia Doença MentalFundamentos de Fisioterapia Doença Mental
Fundamentos de Fisioterapia Doença Mental
 
Fisioterapia na Saúde do Trabalhador - Ergonomia e Ginástica Laboral
Fisioterapia na Saúde do Trabalhador - Ergonomia e Ginástica LaboralFisioterapia na Saúde do Trabalhador - Ergonomia e Ginástica Laboral
Fisioterapia na Saúde do Trabalhador - Ergonomia e Ginástica Laboral
 
Gestão e Marketing em Fisioterapia Hospitalar
Gestão e Marketing em Fisioterapia HospitalarGestão e Marketing em Fisioterapia Hospitalar
Gestão e Marketing em Fisioterapia Hospitalar
 
Doação de Órgãos Fígado Ética e Deontologia para Fisioterapia
Doação de Órgãos Fígado   Ética e Deontologia para Fisioterapia Doação de Órgãos Fígado   Ética e Deontologia para Fisioterapia
Doação de Órgãos Fígado Ética e Deontologia para Fisioterapia
 
Acne Fisioterapia Dermatofuncional
Acne Fisioterapia DermatofuncionalAcne Fisioterapia Dermatofuncional
Acne Fisioterapia Dermatofuncional
 

Ginástica rítmica 1. parte

  • 1. Fisioterapia na Saúde do Atleta Prof. Dr. Rubens Alexandre da Silva Jr 7º Semestre – Fisioterapia – Noturno
  • 2. Discentes  Alessandra Frassato  Bárbara Beatriz de Moraes  Dirce Benito Borburema  Edlaine Estela Rodrigues  Jéssica Leonardi  Mayara Rodrigues Monteiro  Mônica Santos de Oliveira  Tiago Trindade Ribeiro Londrina 2015
  • 3. • A ginástica rítmica é uma modalidade especificamente feminina, encanta pelo fato de alinhar a arte potencial do movimento expressivo do corpo, com a técnica da utilização ou não de aparelhos ou objetos. • Ela é caracterizada pela interpretação de uma música e é considerado um esporte/arte que empolga e que é motivado pela competição e o desejo de se chegar à perfeição.
  • 4. • O método de execução da ginástica é fundamentado na anatomia e fisiologia do corpo humano, através de movimentos mecânicos, construídos e combinados, com o objetivo de desenvolver todas as funções vitais do indivíduo, melhorando assim a sua saúde.
  • 5. • A GR surgiu em meados do século XVIII, sendo fruto de vários estudos de diferentes pesquisadores, dos quais um era militar e os outros exerciam profissões como pedagogia, medicina e música; • Apareceu pela primeira vez nos Jogos Olímpicos de Estocolmo, em 1912; • A partir dos Jogos Olímpicos de Los Angeles, em 1984, foi integrada no calendário olímpico.
  • 6. Essa modalidade recebeu várias denominações diferentes durante toda a sua história, sendo elas:  Ginástica Moderna;  Ginástica Rítmica Moderna;  Ginástica Feminina Moderna;  Ginástica Rítmica Desportiva ( *Segundo a Federação Internacional de Ginástica );  Ginástica Rítmica ( *Atualmente ).
  • 7. • Em 1999 a GR conquistou a medalha de ouro nos jogos Pan- americanos de Winnipeg no Canadá, e a seleção Brasileira responsável pelo título treinava na Unopar (Universidade Norte do Paraná) na cidade de Londrina, um dos maiores centro de treinamento de Ginástica Rítmica do país.
  • 8. • A Ginástica Rítmica é uma modalidade que utiliza vários gestos e movimentos, exigindo do atleta uma ótima coordenação motora, habilidade, boa flexibilidade, muito equilíbrio e força muscular.
  • 9. • PRANCHA LATERAL Aspectos Técnicos Fundamentais:  Atleta realiza uma inclinação de tronco até a horizontal formando um ângulo de 180º;  Eleva-se o membro inferior livre em extensão até a vertical;  Os membros superiores devem acompanhar o movimento da perna, de tal forma que eles realizem uma elevação lateral (abdução);  Ao final do exercício os membros inferiores devem estar unidos e apoiados ao solo.
  • 10. • ERROS DURANTE A EXECUÇÃO: Alguns erros podem acontecer durante a execução de tal movimento como, por exemplo:  Realizar flexão de tronco ao invés de inclinação lateral e não mantê-la na horizontal;  Não manter o membro inferior livre em extensão e na vertical;  Não juntar os membros inferiores ao final do movimento.
  • 11. • PRANCHA LATERAL Para manter-se nessa postura no plano transverso a quase 180º, a atleta precisa de um treino de fortalecimento do músculo agonista associado ao alongamento do grupo muscular antagonista, exemplo: I. Movimentos dos MMII *Plantiflexão: Fortalecimento de Tríceps Sural ( Gastrocnêmio e sóleo) Alongamento de Dorsiflexores (Tibial anterior, extensor longo do hálux e dedos e fibular 3º)
  • 12. *Extensão de Joelho: Fortalecimento de Quadríceps (Vasto lateral, medial, intermédio e reto femoral) Alongamento de Ísquiostibiais (Semitendíneo, semimembranáceo e bíceps femoral)
  • 13. *Abdução de Quadril: Fortalecimento de Abdutores de quadril ( Glúteo médio e mínimo) Alongamento de adutores de quadril ( Adutor longo, curto e magno, grácil e pectíneo)
  • 14. • II. Movimentos do Tronco: No caso do tronco deve-se fazer um trabalho de alongamento e fortalecimento das estruturas anteriores e posteriores da coluna, a fim de manter o equilíbrio entre as estruturas, aumentar a mobilidade torácica e lombar e a flexibilidade dessa região.
  • 15. Durante o exercício: “Prancha Lateral”, são exigidos movimentos que se utilizam dos seguintes grupos musculares: *Rotadores de tronco ( Oblíquos interno e externo, Íleo-psoas e reto femoral)
  • 16. *Inclinadores Laterais (Oblíquos interno e externo, Íleo-psoas, quadrado lombar e músculos espinhais)
  • 17. *Extensores de tronco ( Íleocostal, grande dorsal, multífidos, rotadores, espinhais, interespinhais, intertransversários, semi-espinhal)
  • 18. III. Movimentos dos MMSS: *Abdução dos braços: Fortalecimento dos abdutores do ombro (Deltoide porção medial e supra-espinhal) Alongamento dos adutores do ombro ( Peitoral maior, grande dorsal, redondo menor, infra-espinhal e subescapular)
  • 19. • Os músculos que compõem o grupo: “Manguito Rotador” tem grande importância na estabilização, força e mobilidade do ombro.  OBS: ↓ 30º de ABD os músculos que agem sobre a glenoumeral são: *deltoide (médio) e supra-espinhal.  OBS: ↑30º de ABD a escápula entra em ação utilizando-se de outros músculos, tais como: *trapézio, serrátil anterior, elevador da escápula.
  • 20. • IV. Movimentos da Cervical: Assim como no tronco, a cervical deve ser trabalhada com alongamento e fortalecimento de todas as suas estruturas, porém nesse exercício da “Prancha Lateral” os movimentos mais utilizados e seus respectivos músculos são: * Rotadores de Cervical: ( ECOM, músculos posteriores da cervical) *Flexores laterais da Cervical: ( ECOM, escalenos) *Extensores da Cervical: (Trapézio, músculos posteriores da cervical)
  • 21. • O treinamento das ginastas é repleto de exercícios físicos de alta intensidade que exigem uma boa preparação física de quem o pratica. • A atividade muscular e a intensidade desses exercícios estão diretamente ligados ao gasto de energia (ATP), que é adquirida por meio de uma alimentação saudável.
  • 22. Os tipos de reposição de ATP podem ser feitos por meio de três sistemas:  Anaeróbico alático;  Anaeróbico lático;  Sistema aeróbico. *No caso do movimento “Prancha Lateral” é utilizado o SISTEMA ANAERÓBICO LÁTICO, onde a principal característica é a falta de oxigênio.
  • 23. • Os exercícios de intensidade submáxima tem duração de 1 minuto até 2 minutos e 30 segundos, sendo que neste exercício utilizam-se inicialmente as fibras fásicas (brancas), e é mantido pelas fibras tônicas (vermelhas).
  • 24. • A série de exercícios escolhidos nos dias de treino visa proporcionar a melhoria do sistema cardiovascular, bem como o fortalecimento, resistência muscular e também capacidades físicas como força, velocidade, postura e flexibilidade. • Para melhorar o sistema cardiovascular utilizou-se de recursos como a ginástica aeróbica, a caminhada e o step.
  • 25. • Com os exercícios localizados buscou-se o fortalecimento e a resistência muscular. Nestas atividades podem ser utilizados os seguintes materiais:  Bastões;  Pesos;  Caneleiras;  Faixas elásticas;  Bolas;  entre outros.
  • 26. • Esses exercícios podem ser realizados individualmente, em duplas e na forma de circuito. • Todas as aulas são ministradas com ritmo e música, que demandam do aluno uma movimentação contínua. • Esta característica proporciona uma maior eficiência na obtenção das melhorias fisiológicas, tanto na parte cardiovascular, quanto na parte muscular localizada.
  • 27. *INICIAÇÃO* • Para selecionar as meninas a iniciarem os treinos são feitos testes pela treinadora para avaliar a flexibilidade e a postura; • Geralmente essas meninas iniciam com a idade entre 4 e 8 anos; e encerram aproximadamente aos 20 anos, dependendo da vontade e do preparo físico de cada atleta, atendendo também a parte psicológica.
  • 28. *TREINOS GRUPO INFANTIL* • É realizado treinos básicos, para que cada atleta conheça o seu corpo e entenda como que os músculos devem funcionar e quando devem contrair em determinado exercício. Grupo Infantil Grupo Infantil
  • 29. *TREINOS GRUPO PRÉ-INFANTIL E JUVENIL* • É realizado um preparatório para as competições, onde os treinos são mais intensos trabalhando todos os grupos musculares, sempre colocando carga máxima nos exercícios propostos. Grupo Pré-Infantil Grupo Juvenil
  • 30. I. Grupo GR Infantil II. Grupo GR Pré-Infantil III. Grupo GR Juvenil
  • 31. • As ginastas fazem balé no mínimo 2 vezes por semana, sendo importante pois trabalha com a flexibilidade e a postura; • A seleção treina 8 horas por dias de segunda à sábado, sendo um treino mais específico para as competições.
  • 32. ORGANIZAÇÃO COMPETIÇÕES 2015 - UNOPAR CATEGORIA CAMPEONATOS DATA LOCAL INSCRIÇÃO Pré-Infantil Paranaense (Individual) 05 a 07/06 Cascavel Infantil Paranaense (Individual) 05 a 07/06 Cascavel Mirim Tornei Elizabeth 27/06 Londrina Pré-Equipe Tornei Elizabeth 27/06 Londrina Pré-Infantil Brasileiro (individual) 01 a 05/07 22/05 Pré-Infantil Copa Brasil de Conjuntos 01 a 05/07 22/05 Infantil Brasileiro (Individual) 01 a 05/07 22/05 Infantil Copa Brasil de Conjuntos 01 a 05/07 22/05 Juvenil 12 a 14 Jogos Escolares do Paraná 09 a 11/07
  • 33. Juvenil Paranaense Individual 17 a 19 /07 Cascavel Juvenil Brasileiro (Individual) 05-09/08 26/06 Juvenil Copa Brasil de Conjuntos 05-09/08 26/06 Juvenil 15 a 17 Adulto Jogos Escolares do Paraná 13 a 15/08 Guarapuava Juvenil 12 a 14 Jogos Escolares da Juventude 02 a 07/09 Juvenil Jogos da Juventude 23/10 Juvenil 15 a 17 Adulto Jogos Escolares da Juventude 11 a 16/11 Londrina Pré-Infantil Paranaense de Conjuntos 29/10 a 01/11 Londrina Infantil Paranaense de Conjuntos 29/10 a 01/11 Londrina Juvenil Paranaense de Conjuntos 29/10 a 01/11 Londrina Pré-Infantil Brasileiro de Conjuntos 13 a 14/11 16/10 Infantil Brasileiro de Conjuntos 25 a 28/11 16/10 Juvenil Brasileiro de Conjuntos 25 a 28/11 16/10 Pré-Infantil Estreantes 04 a 05/12 Campo Mourão
  • 36. • Fisioterapia e odontologia: é realizado pela clínica da Unopar, e outros procedimentos que não são oferecidos pela instituição elas fazem fora e algumas vezes são pagos pelas mesmas. • OBS: umas das principais lesões que acometem as ginastas é a lesão de tornozelo. **Não possui Psicólogos e Nutricionista que é de suma importância para as ginastas.
  • 37. **Universidade Norte do Paraná **As ginastas que são campeãs possui uma bolsa atleta cedido pelo Ministério do Esporte.
  • 38. • LAFFRANCHI, Bárbara. Treinamento Desportivo Aplicado à Ginástica Rítmica. Londrina, Unopar, 2001. • MOLINARI, A. M. da P. Ginástica Rítmica: Esporte, História e Desenvolvimento. Cooperativa do Fitness. 2004. Disponível em site: www.cdof.com.br/esportes4.htm. Acesso em 14 abr 2015. • http://www.infoescola.com/educacao-fisica/exercicios- anaerobicos/ • Professoras. Dayane Camillo da Silva, Eliana Virginia Nobre dos Santos, Márcia Aversani Lourenço.