SlideShare uma empresa Scribd logo
VENTILAÇÃO NÃO
INVASIVA
Dr. José Alexandre Pires de Almeida
PEEP Fisiológica



“Durante a expiração a glote reduz sua abertura
criando, uma resistência a saída de ar dos pulmões,
ou seja, retardando o fluxo expiratório”. (Presto)



- O volume contido nos pulmões, corresponde CRF,
equivale a uma pressão chamada de Peep
fisiológica;



- Peep fisiológica = 3-5 cmH2O


Efeitos Fisiológicos da PEEP



Efeitos Pulmonares



- ↑ CRF;



- ↑ Área de contato Alvéolo- Capilar;



- ↑Complacência Pulmonar;



- Promove Recrutamento Alveolar (quando usado
Peep maiores que 10cmH2O)
VNI


O uso da ventilação mecânica não-invasiva tem
como objetivo: o alívio dos sintomas; reverter a
hipoxemia; diminuição do trabalho respiratório; evitar
o TOT; oferecer conforto; maximixar a qualidade de
vida, entre outros.



Atualmente os aparelhos mais utilizados são os
ventilados a pressão positiva, são eles: CPAP, EPAP,
BIPAP e RPPI
EPAP



O EPAP trata-se de um sistema de demanda , no qual
a fase inspiratória é realizada sem nenhuma ajuda
externa ou fluxo adicional.



A respiração é gerada por uma pressão negativa
subatmosférica e a expiração realizada contra uma
resistência , tornando-a positiva ao seu final
EPAP


O EPAP possui os mesmos efeitos no sistema
respiratório que a peep,o tempo expiratório é
modificado, fazendo com que no final da expiração
o volume de gás alveolar esteja aumentado
dificultando sua total eliminação, aumentando assim
a CRF.
Mascara de EPAP
BIPAP


O BIPAP ou Bilevel é um aparelho com dois níveis pressóricos
diferentes, o IPAP, pressão na inspiração e o EPAP, pressão na
expiração muito utilizado na hipoventilação da obesidade.
RPPI


O RPPI corresponde a respiração por pressão positiva
intermitente, como exemplo o reanimador de Muller,
este manda um fluxo na fase inspiratória que é
controlado pelo fisioterapeuta sendo capaz de
comandar e coordenar a freqüência respiratória do
paciente e a fase expiratória é realizada
passivamente sem fluxo adicional o que difere do
CPAP.
RPPI
CPAP


O CPAP é composto por uma máscara: facial, nasal
ou oronasal, um fixador e uma demanda de fluxo
contínuo adicional na fase inspiratória e na fase
expiratória, o paciente deve possuir drive respiratório
para iniciar a respiração, esta facilitada pelo fluxo
adicional.
CPAP
Conceito


Aplicação de pressão positiva via trato respiratório superior



Com o intuito de aumentar a ventilação alveolar



Conexão entre paciente e ventilador (através de mascaras)
CPAP
 Modo de ventilação mecânica no qual o
pct respira espontaneamente através do
circuito pressurizado do aparelho
 Pressão positiva é mantida constante
 Fluxo pode ser ofertado contínuo ou por
válvula de demanda
 Aparelho capaz de geral alto fluxo,
mecanismo de funcionamento simples, fluxo
contínuo é conduzido ao pct por um circuito
conectado à interface a qual possui uma
saída de ar onde acoplamos uma válvula de
resistência graduada em cmH2O
Efeitos Fisiológicos da VMNI
 A pressão positiva oferece uma ajuda
parcial ou quase total aos músculos
respiratórios para gerar a pressão total
suficiente para vencer os componentes
resistivos
elásticos
do
sistema
respiratório.
 Na insuficiência respiratória hipoxêmica,
a pressão positiva atua de forma a
reduzir ou reverter a causa que levou
ao desequilíbrio das trocas gasosas.
Efeitos Fisiológicos da VMNI
 A hipoventilação pode ser revertida, pois o
suporte pressório adicional aos músculos
respiratórios garante um aumento do VC e
melhora a ventilação alveolar, suplementando
mais oxigênio.
 A reabertura de unidades colapsadas através
da pressão positiva no final da expiração
permitem a reversão do quadro de shunt
provocado por atelectasias e das áreas de
baixa V/Q provocadas pelas unidades
instáveis.
 A reabertura das vias colapsadas promovem
redistribuição do fluxo sanguíneo pulmonar.
Indicada para pct que apresentar:
-

Desconforto respiratório acompanhado de dispnéia (fazendo o uso
de musculatura acessória)

-

Acidose hipercápnica com PaCO2 > 45mmHg com pH entre 7,10 7,35

-

FR acima de 25rpm

Os critérios de exclusão estão relacionados com a estabilidade clínica
do pct.
Critérios absolutos de exclusão
- Evidencias de isquemia ou arritmias
ventriculares
- Encefalopatia grave
- Pct não cooperativo
- HDA (Hemorragia digestiva alta)
- Cirurgia facial recente
- Trauma craniofacial
- Risco de broncoaspiração
- Tosse ineficaz
- Anomalias anatômicas nasofaríngeas
Cuidados
- Preparo psicológico prévio (sempre que possível)
(conversar c/paciente preparar p/tto que vai ser
feito)
- As máscaras devem ser de uso individual
(quando possível)
- Utilizar máscaras que adaptem melhor ao seu
pct
- Estar sempre atento ao peso do circuito do
ventilador para não forçar a interface.
- Ao acoplar a máscara manter a mesma pressão
do cadarço bilateralmente (para ‘não vasar)
- Se possível realizar intermitência de 15’ a cada
2hs com respiração espontânea no intuito de
melhorar trocas gasosas
Aplicação

 Quando o pct inspira, o fluxo
de ar se desloca para dentro
das vias aéreas, a pressão
dentro das
vias aumentam gradativamente até
superar a resistência da válvula de peep, assim o
fluxo se desloca para a válvula mantendo nas vias
aéreas uma linha de pressão constante. ( pressão
ajuda a abrir os alvéolos)
 Os benefícios do CPAP estão relacionados ao
aumento da pressão intratrorácica, promovendo
estabilização das vias aéreas e das unidades
alveolares, possibilitando trocas gasosas mais
efetivas.
Indicações
Objetivos


Manutenção das trocas gasosas (hipoxemia e hipercapnia);



Facilitar a ventilação alveolar;



Diminuir o trabalho respiratório;



Diminuir a dispnéia (conforto).


As máscaras são a interface paciente/ ventilador.



As máscaras faciais

permitem correção
eficiente nas trocas
gasosas e em pacientes
mais dispneicos respiram
de boca aberta.
Tem a desvantagem do
espaço morto no interior.
Máscaras
 As máscaras nasais são mais bem
toleradas, e tem a
desvantagem de permitir
vazamento pela boca e
o aumento da resistência
das narinas.
 Também podem ser
utilizados bocais.
 Defini-se que o CPAP melhora a oxigenação
e diminui o trabalho respiratório e o esforço
ventilatório, reduzindo a necessidade de
entubação e de ventilação mecânica.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Fisiologia pulmonar
Fisiologia pulmonarFisiologia pulmonar
Avaliação respiratória
Avaliação respiratóriaAvaliação respiratória
Avaliação respiratória
resenfe2013
 
Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...
Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...
Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...
José Alexandre Pires de Almeida
 
Ventilação Mecânica Não Invasiva
Ventilação Mecânica Não InvasivaVentilação Mecânica Não Invasiva
Ventilação Mecânica Não Invasiva
Fábio Falcão
 
Modos Ventilatórios Avançados
Modos Ventilatórios AvançadosModos Ventilatórios Avançados
Modos Ventilatórios Avançados
José Alexandre Pires de Almeida
 
Ventilação mecânica
Ventilação mecânicaVentilação mecânica
Ventilação mecânica
Fábio Falcão
 
Ventilação mecânica em neonatologia e pediatria
Ventilação mecânica em neonatologia e pediatriaVentilação mecânica em neonatologia e pediatria
Ventilação mecânica em neonatologia e pediatria
Fábio Falcão
 
Modos ventilatórios
 Modos ventilatórios  Modos ventilatórios
Gasometria Arterial
Gasometria ArterialGasometria Arterial
Gasometria Arterial
resenfe2013
 
Reabilitação cardíaca
Reabilitação cardíacaReabilitação cardíaca
Reabilitação cardíaca
Universidade Norte do Paraná
 
Fisioterapia no paciente crítico
Fisioterapia no paciente críticoFisioterapia no paciente crítico
Fisioterapia no paciente crítico
Fábio Falcão
 
Sara
SaraSara
Aula Bases da Fisiologia Pulmonar
Aula Bases da Fisiologia PulmonarAula Bases da Fisiologia Pulmonar
Aula Bases da Fisiologia Pulmonar
José Alexandre Pires de Almeida
 
Síndrome do Desconforto Respiratório Agudo
Síndrome do Desconforto Respiratório AgudoSíndrome do Desconforto Respiratório Agudo
Síndrome do Desconforto Respiratório Agudo
IAPES - Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde
 
Síndrome do desconforto respiratório agudo (sdra)
Síndrome do desconforto respiratório agudo (sdra)Síndrome do desconforto respiratório agudo (sdra)
Síndrome do desconforto respiratório agudo (sdra)
Iapes Ensino
 
Aula 04 de fisiologia ventilação-perfusão
Aula 04 de fisiologia   ventilação-perfusãoAula 04 de fisiologia   ventilação-perfusão
Aula 04 de fisiologia ventilação-perfusão
Flávia Salame
 
Gasometria Arterial
Gasometria ArterialGasometria Arterial
ventilação mecanica fácil
ventilação mecanica fácilventilação mecanica fácil
ventilação mecanica fácil
Sandra Regina
 
Ventilação Mecânica 2013: Princípios Básicos
Ventilação Mecânica 2013: Princípios BásicosVentilação Mecânica 2013: Princípios Básicos
Ventilação Mecânica 2013: Princípios Básicos
Yuri Assis
 
Fisioterapia no pré e pós operatório de cirurgias cardíacas
Fisioterapia no pré e pós operatório de cirurgias cardíacasFisioterapia no pré e pós operatório de cirurgias cardíacas
Fisioterapia no pré e pós operatório de cirurgias cardíacas
Mayara Rodrigues
 

Mais procurados (20)

Fisiologia pulmonar
Fisiologia pulmonarFisiologia pulmonar
Fisiologia pulmonar
 
Avaliação respiratória
Avaliação respiratóriaAvaliação respiratória
Avaliação respiratória
 
Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...
Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...
Insuficiência Respiratória Aguda (IRpA) e Síndrome do Desconforto Respiratóri...
 
Ventilação Mecânica Não Invasiva
Ventilação Mecânica Não InvasivaVentilação Mecânica Não Invasiva
Ventilação Mecânica Não Invasiva
 
Modos Ventilatórios Avançados
Modos Ventilatórios AvançadosModos Ventilatórios Avançados
Modos Ventilatórios Avançados
 
Ventilação mecânica
Ventilação mecânicaVentilação mecânica
Ventilação mecânica
 
Ventilação mecânica em neonatologia e pediatria
Ventilação mecânica em neonatologia e pediatriaVentilação mecânica em neonatologia e pediatria
Ventilação mecânica em neonatologia e pediatria
 
Modos ventilatórios
 Modos ventilatórios  Modos ventilatórios
Modos ventilatórios
 
Gasometria Arterial
Gasometria ArterialGasometria Arterial
Gasometria Arterial
 
Reabilitação cardíaca
Reabilitação cardíacaReabilitação cardíaca
Reabilitação cardíaca
 
Fisioterapia no paciente crítico
Fisioterapia no paciente críticoFisioterapia no paciente crítico
Fisioterapia no paciente crítico
 
Sara
SaraSara
Sara
 
Aula Bases da Fisiologia Pulmonar
Aula Bases da Fisiologia PulmonarAula Bases da Fisiologia Pulmonar
Aula Bases da Fisiologia Pulmonar
 
Síndrome do Desconforto Respiratório Agudo
Síndrome do Desconforto Respiratório AgudoSíndrome do Desconforto Respiratório Agudo
Síndrome do Desconforto Respiratório Agudo
 
Síndrome do desconforto respiratório agudo (sdra)
Síndrome do desconforto respiratório agudo (sdra)Síndrome do desconforto respiratório agudo (sdra)
Síndrome do desconforto respiratório agudo (sdra)
 
Aula 04 de fisiologia ventilação-perfusão
Aula 04 de fisiologia   ventilação-perfusãoAula 04 de fisiologia   ventilação-perfusão
Aula 04 de fisiologia ventilação-perfusão
 
Gasometria Arterial
Gasometria ArterialGasometria Arterial
Gasometria Arterial
 
ventilação mecanica fácil
ventilação mecanica fácilventilação mecanica fácil
ventilação mecanica fácil
 
Ventilação Mecânica 2013: Princípios Básicos
Ventilação Mecânica 2013: Princípios BásicosVentilação Mecânica 2013: Princípios Básicos
Ventilação Mecânica 2013: Princípios Básicos
 
Fisioterapia no pré e pós operatório de cirurgias cardíacas
Fisioterapia no pré e pós operatório de cirurgias cardíacasFisioterapia no pré e pós operatório de cirurgias cardíacas
Fisioterapia no pré e pós operatório de cirurgias cardíacas
 

Semelhante a Ventilação Não Invasiva

Ventilação Mecânica: Princípios Básicos e Intervenções de Enfermagem
Ventilação Mecânica:  Princípios Básicos e  Intervenções de EnfermagemVentilação Mecânica:  Princípios Básicos e  Intervenções de Enfermagem
Ventilação Mecânica: Princípios Básicos e Intervenções de Enfermagem
pryloock
 
Ventilação Mecânica - PC.pptxinvasivaenaoinvasiva.
Ventilação Mecânica - PC.pptxinvasivaenaoinvasiva.Ventilação Mecânica - PC.pptxinvasivaenaoinvasiva.
Ventilação Mecânica - PC.pptxinvasivaenaoinvasiva.
THIALYMARIASILVADACU
 
05 NOÇOES BASICAS VM.pptx
05 NOÇOES BASICAS VM.pptx05 NOÇOES BASICAS VM.pptx
05 NOÇOES BASICAS VM.pptx
ThyagoSouza17
 
42ª Sessão Cientifica - VNI-Ventilação não invasiva.pdf
42ª Sessão Cientifica - VNI-Ventilação não invasiva.pdf42ª Sessão Cientifica - VNI-Ventilação não invasiva.pdf
42ª Sessão Cientifica - VNI-Ventilação não invasiva.pdf
LuizPiedade1
 
1 VM AULA.pdf
1 VM AULA.pdf1 VM AULA.pdf
1 VM AULA.pdf
GlriaBorges3
 
Jr vni
Jr vniJr vni
Iv curso teórico prático vm i
Iv curso teórico prático vm iIv curso teórico prático vm i
Iv curso teórico prático vm i
ctisaolucascopacabana
 
Aula de ventilação mecânica
Aula de ventilação mecânicaAula de ventilação mecânica
Aula de ventilação mecânica
Jaime Fernandes
 
Oxigenoterapia, Ventilação Mecânica, UPP
Oxigenoterapia, Ventilação Mecânica, UPPOxigenoterapia, Ventilação Mecânica, UPP
Oxigenoterapia, Ventilação Mecânica, UPP
Ivanilson Gomes
 
Aspiração endotraqueal em pacientes sob Ventilação Mecânica Invasiva
Aspiração endotraqueal em pacientes sob Ventilação Mecânica InvasivaAspiração endotraqueal em pacientes sob Ventilação Mecânica Invasiva
Aspiração endotraqueal em pacientes sob Ventilação Mecânica Invasiva
Mariana Artuni Rossi
 
AULA AVM - ENFERMAGEM.ppt
AULA AVM - ENFERMAGEM.pptAULA AVM - ENFERMAGEM.ppt
AULA AVM - ENFERMAGEM.ppt
VILMARZAHN
 
Ponto%2052.Ventilac%CC%A7a%CC%83o%20meca%CC%82nica.pdf.pdf
Ponto%2052.Ventilac%CC%A7a%CC%83o%20meca%CC%82nica.pdf.pdfPonto%2052.Ventilac%CC%A7a%CC%83o%20meca%CC%82nica.pdf.pdf
Ponto%2052.Ventilac%CC%A7a%CC%83o%20meca%CC%82nica.pdf.pdf
Maycon Duarte
 
Vm em pediatria
Vm em pediatriaVm em pediatria
Vm em pediatria
Carlos Lima
 
ventilaomecnica-140314115227-phpapp02.pdf
ventilaomecnica-140314115227-phpapp02.pdfventilaomecnica-140314115227-phpapp02.pdf
ventilaomecnica-140314115227-phpapp02.pdf
Maycon Duarte
 
Aula ventilação mecânica
Aula   ventilação mecânicaAula   ventilação mecânica
Aula ventilação mecânica
Delciane Ferreira
 
Ezpap® sistema de pressão positiva nas vias
Ezpap® sistema de pressão positiva nas viasEzpap® sistema de pressão positiva nas vias
Ezpap® sistema de pressão positiva nas vias
José Alexandre Pires de Almeida
 
Ezpap® sistema de pressão positiva nas vias
Ezpap® sistema de pressão positiva nas viasEzpap® sistema de pressão positiva nas vias
Ezpap® sistema de pressão positiva nas vias
IAPES - Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde
 
Iv curso teórico prático vm ii situações especiais
Iv curso teórico prático vm ii   situações especiaisIv curso teórico prático vm ii   situações especiais
Iv curso teórico prático vm ii situações especiais
ctisaolucascopacabana
 
VMI. (Charles).pptx
VMI. (Charles).pptxVMI. (Charles).pptx
VMI. (Charles).pptx
RenataFernandez12
 
ventilacao-mecanica-como-iniciar (2).pdf
ventilacao-mecanica-como-iniciar (2).pdfventilacao-mecanica-como-iniciar (2).pdf
ventilacao-mecanica-como-iniciar (2).pdf
NaldoCastro7
 

Semelhante a Ventilação Não Invasiva (20)

Ventilação Mecânica: Princípios Básicos e Intervenções de Enfermagem
Ventilação Mecânica:  Princípios Básicos e  Intervenções de EnfermagemVentilação Mecânica:  Princípios Básicos e  Intervenções de Enfermagem
Ventilação Mecânica: Princípios Básicos e Intervenções de Enfermagem
 
Ventilação Mecânica - PC.pptxinvasivaenaoinvasiva.
Ventilação Mecânica - PC.pptxinvasivaenaoinvasiva.Ventilação Mecânica - PC.pptxinvasivaenaoinvasiva.
Ventilação Mecânica - PC.pptxinvasivaenaoinvasiva.
 
05 NOÇOES BASICAS VM.pptx
05 NOÇOES BASICAS VM.pptx05 NOÇOES BASICAS VM.pptx
05 NOÇOES BASICAS VM.pptx
 
42ª Sessão Cientifica - VNI-Ventilação não invasiva.pdf
42ª Sessão Cientifica - VNI-Ventilação não invasiva.pdf42ª Sessão Cientifica - VNI-Ventilação não invasiva.pdf
42ª Sessão Cientifica - VNI-Ventilação não invasiva.pdf
 
1 VM AULA.pdf
1 VM AULA.pdf1 VM AULA.pdf
1 VM AULA.pdf
 
Jr vni
Jr vniJr vni
Jr vni
 
Iv curso teórico prático vm i
Iv curso teórico prático vm iIv curso teórico prático vm i
Iv curso teórico prático vm i
 
Aula de ventilação mecânica
Aula de ventilação mecânicaAula de ventilação mecânica
Aula de ventilação mecânica
 
Oxigenoterapia, Ventilação Mecânica, UPP
Oxigenoterapia, Ventilação Mecânica, UPPOxigenoterapia, Ventilação Mecânica, UPP
Oxigenoterapia, Ventilação Mecânica, UPP
 
Aspiração endotraqueal em pacientes sob Ventilação Mecânica Invasiva
Aspiração endotraqueal em pacientes sob Ventilação Mecânica InvasivaAspiração endotraqueal em pacientes sob Ventilação Mecânica Invasiva
Aspiração endotraqueal em pacientes sob Ventilação Mecânica Invasiva
 
AULA AVM - ENFERMAGEM.ppt
AULA AVM - ENFERMAGEM.pptAULA AVM - ENFERMAGEM.ppt
AULA AVM - ENFERMAGEM.ppt
 
Ponto%2052.Ventilac%CC%A7a%CC%83o%20meca%CC%82nica.pdf.pdf
Ponto%2052.Ventilac%CC%A7a%CC%83o%20meca%CC%82nica.pdf.pdfPonto%2052.Ventilac%CC%A7a%CC%83o%20meca%CC%82nica.pdf.pdf
Ponto%2052.Ventilac%CC%A7a%CC%83o%20meca%CC%82nica.pdf.pdf
 
Vm em pediatria
Vm em pediatriaVm em pediatria
Vm em pediatria
 
ventilaomecnica-140314115227-phpapp02.pdf
ventilaomecnica-140314115227-phpapp02.pdfventilaomecnica-140314115227-phpapp02.pdf
ventilaomecnica-140314115227-phpapp02.pdf
 
Aula ventilação mecânica
Aula   ventilação mecânicaAula   ventilação mecânica
Aula ventilação mecânica
 
Ezpap® sistema de pressão positiva nas vias
Ezpap® sistema de pressão positiva nas viasEzpap® sistema de pressão positiva nas vias
Ezpap® sistema de pressão positiva nas vias
 
Ezpap® sistema de pressão positiva nas vias
Ezpap® sistema de pressão positiva nas viasEzpap® sistema de pressão positiva nas vias
Ezpap® sistema de pressão positiva nas vias
 
Iv curso teórico prático vm ii situações especiais
Iv curso teórico prático vm ii   situações especiaisIv curso teórico prático vm ii   situações especiais
Iv curso teórico prático vm ii situações especiais
 
VMI. (Charles).pptx
VMI. (Charles).pptxVMI. (Charles).pptx
VMI. (Charles).pptx
 
ventilacao-mecanica-como-iniciar (2).pdf
ventilacao-mecanica-como-iniciar (2).pdfventilacao-mecanica-como-iniciar (2).pdf
ventilacao-mecanica-como-iniciar (2).pdf
 

Mais de José Alexandre Pires de Almeida

Exames laboratoriais parar Fisioterapeutas
Exames laboratoriais parar FisioterapeutasExames laboratoriais parar Fisioterapeutas
Exames laboratoriais parar Fisioterapeutas
José Alexandre Pires de Almeida
 
Pneumonia Associada à Ventilação Mecânica (PAVM)
Pneumonia Associada à Ventilação Mecânica (PAVM)Pneumonia Associada à Ventilação Mecânica (PAVM)
Pneumonia Associada à Ventilação Mecânica (PAVM)
José Alexandre Pires de Almeida
 
Assincronias Ventilatórias
Assincronias VentilatóriasAssincronias Ventilatórias
Assincronias Ventilatórias
José Alexandre Pires de Almeida
 
Desmame da Ventilação Mecânica
Desmame da Ventilação MecânicaDesmame da Ventilação Mecânica
Desmame da Ventilação Mecânica
José Alexandre Pires de Almeida
 
Palestra Novembro Azul - Câncer de Próstata
Palestra Novembro Azul - Câncer de PróstataPalestra Novembro Azul - Câncer de Próstata
Palestra Novembro Azul - Câncer de Próstata
José Alexandre Pires de Almeida
 
Radiologia do tórax
Radiologia do tóraxRadiologia do tórax
Radiologia do tórax
José Alexandre Pires de Almeida
 
Bases do Suporte Ventilatório Artificial nas Unidades de Tratamento Intensivo
Bases do Suporte Ventilatório Artificial nas Unidades de Tratamento IntensivoBases do Suporte Ventilatório Artificial nas Unidades de Tratamento Intensivo
Bases do Suporte Ventilatório Artificial nas Unidades de Tratamento Intensivo
José Alexandre Pires de Almeida
 
Lesão Celular - Dr. José Alexandre P. de Almeida
Lesão Celular - Dr. José Alexandre P. de AlmeidaLesão Celular - Dr. José Alexandre P. de Almeida
Lesão Celular - Dr. José Alexandre P. de Almeida
José Alexandre Pires de Almeida
 
Distúrbios circulatórios - Dr. José Alexandre Pires de Almeida
Distúrbios circulatórios - Dr. José Alexandre Pires de AlmeidaDistúrbios circulatórios - Dr. José Alexandre Pires de Almeida
Distúrbios circulatórios - Dr. José Alexandre Pires de Almeida
José Alexandre Pires de Almeida
 
Oxigenoterapia - Dr. José Alexandre Pires de Almeida
Oxigenoterapia - Dr. José Alexandre Pires de AlmeidaOxigenoterapia - Dr. José Alexandre Pires de Almeida
Oxigenoterapia - Dr. José Alexandre Pires de Almeida
José Alexandre Pires de Almeida
 
Desempenho de Dois Modelos de Predição Prognóstica em Pacientes Críticos na U...
Desempenho de Dois Modelos de Predição Prognóstica em Pacientes Críticos na U...Desempenho de Dois Modelos de Predição Prognóstica em Pacientes Críticos na U...
Desempenho de Dois Modelos de Predição Prognóstica em Pacientes Críticos na U...
José Alexandre Pires de Almeida
 
Síndrome do Desconforto Respiratório Agudo (SDRA) e a Fisioterapia (josé alex...
Síndrome do Desconforto Respiratório Agudo (SDRA) e a Fisioterapia (josé alex...Síndrome do Desconforto Respiratório Agudo (SDRA) e a Fisioterapia (josé alex...
Síndrome do Desconforto Respiratório Agudo (SDRA) e a Fisioterapia (josé alex...
José Alexandre Pires de Almeida
 
Neurotoxoplasmose
NeurotoxoplasmoseNeurotoxoplasmose
EzPap - Sistema de Pressão Positiva nas Vias Aéreas
EzPap - Sistema de Pressão Positiva nas Vias AéreasEzPap - Sistema de Pressão Positiva nas Vias Aéreas
EzPap - Sistema de Pressão Positiva nas Vias Aéreas
José Alexandre Pires de Almeida
 
Controle neural da ventilação (josé alexandre pires de almeida)
Controle neural da ventilação (josé alexandre pires de almeida)Controle neural da ventilação (josé alexandre pires de almeida)
Controle neural da ventilação (josé alexandre pires de almeida)
José Alexandre Pires de Almeida
 

Mais de José Alexandre Pires de Almeida (15)

Exames laboratoriais parar Fisioterapeutas
Exames laboratoriais parar FisioterapeutasExames laboratoriais parar Fisioterapeutas
Exames laboratoriais parar Fisioterapeutas
 
Pneumonia Associada à Ventilação Mecânica (PAVM)
Pneumonia Associada à Ventilação Mecânica (PAVM)Pneumonia Associada à Ventilação Mecânica (PAVM)
Pneumonia Associada à Ventilação Mecânica (PAVM)
 
Assincronias Ventilatórias
Assincronias VentilatóriasAssincronias Ventilatórias
Assincronias Ventilatórias
 
Desmame da Ventilação Mecânica
Desmame da Ventilação MecânicaDesmame da Ventilação Mecânica
Desmame da Ventilação Mecânica
 
Palestra Novembro Azul - Câncer de Próstata
Palestra Novembro Azul - Câncer de PróstataPalestra Novembro Azul - Câncer de Próstata
Palestra Novembro Azul - Câncer de Próstata
 
Radiologia do tórax
Radiologia do tóraxRadiologia do tórax
Radiologia do tórax
 
Bases do Suporte Ventilatório Artificial nas Unidades de Tratamento Intensivo
Bases do Suporte Ventilatório Artificial nas Unidades de Tratamento IntensivoBases do Suporte Ventilatório Artificial nas Unidades de Tratamento Intensivo
Bases do Suporte Ventilatório Artificial nas Unidades de Tratamento Intensivo
 
Lesão Celular - Dr. José Alexandre P. de Almeida
Lesão Celular - Dr. José Alexandre P. de AlmeidaLesão Celular - Dr. José Alexandre P. de Almeida
Lesão Celular - Dr. José Alexandre P. de Almeida
 
Distúrbios circulatórios - Dr. José Alexandre Pires de Almeida
Distúrbios circulatórios - Dr. José Alexandre Pires de AlmeidaDistúrbios circulatórios - Dr. José Alexandre Pires de Almeida
Distúrbios circulatórios - Dr. José Alexandre Pires de Almeida
 
Oxigenoterapia - Dr. José Alexandre Pires de Almeida
Oxigenoterapia - Dr. José Alexandre Pires de AlmeidaOxigenoterapia - Dr. José Alexandre Pires de Almeida
Oxigenoterapia - Dr. José Alexandre Pires de Almeida
 
Desempenho de Dois Modelos de Predição Prognóstica em Pacientes Críticos na U...
Desempenho de Dois Modelos de Predição Prognóstica em Pacientes Críticos na U...Desempenho de Dois Modelos de Predição Prognóstica em Pacientes Críticos na U...
Desempenho de Dois Modelos de Predição Prognóstica em Pacientes Críticos na U...
 
Síndrome do Desconforto Respiratório Agudo (SDRA) e a Fisioterapia (josé alex...
Síndrome do Desconforto Respiratório Agudo (SDRA) e a Fisioterapia (josé alex...Síndrome do Desconforto Respiratório Agudo (SDRA) e a Fisioterapia (josé alex...
Síndrome do Desconforto Respiratório Agudo (SDRA) e a Fisioterapia (josé alex...
 
Neurotoxoplasmose
NeurotoxoplasmoseNeurotoxoplasmose
Neurotoxoplasmose
 
EzPap - Sistema de Pressão Positiva nas Vias Aéreas
EzPap - Sistema de Pressão Positiva nas Vias AéreasEzPap - Sistema de Pressão Positiva nas Vias Aéreas
EzPap - Sistema de Pressão Positiva nas Vias Aéreas
 
Controle neural da ventilação (josé alexandre pires de almeida)
Controle neural da ventilação (josé alexandre pires de almeida)Controle neural da ventilação (josé alexandre pires de almeida)
Controle neural da ventilação (josé alexandre pires de almeida)
 

Ventilação Não Invasiva

  • 1. VENTILAÇÃO NÃO INVASIVA Dr. José Alexandre Pires de Almeida
  • 2. PEEP Fisiológica  “Durante a expiração a glote reduz sua abertura criando, uma resistência a saída de ar dos pulmões, ou seja, retardando o fluxo expiratório”. (Presto)  - O volume contido nos pulmões, corresponde CRF, equivale a uma pressão chamada de Peep fisiológica;  - Peep fisiológica = 3-5 cmH2O
  • 3.  Efeitos Fisiológicos da PEEP  Efeitos Pulmonares  - ↑ CRF;  - ↑ Área de contato Alvéolo- Capilar;  - ↑Complacência Pulmonar;  - Promove Recrutamento Alveolar (quando usado Peep maiores que 10cmH2O)
  • 4. VNI  O uso da ventilação mecânica não-invasiva tem como objetivo: o alívio dos sintomas; reverter a hipoxemia; diminuição do trabalho respiratório; evitar o TOT; oferecer conforto; maximixar a qualidade de vida, entre outros.  Atualmente os aparelhos mais utilizados são os ventilados a pressão positiva, são eles: CPAP, EPAP, BIPAP e RPPI
  • 5. EPAP  O EPAP trata-se de um sistema de demanda , no qual a fase inspiratória é realizada sem nenhuma ajuda externa ou fluxo adicional.  A respiração é gerada por uma pressão negativa subatmosférica e a expiração realizada contra uma resistência , tornando-a positiva ao seu final
  • 6. EPAP  O EPAP possui os mesmos efeitos no sistema respiratório que a peep,o tempo expiratório é modificado, fazendo com que no final da expiração o volume de gás alveolar esteja aumentado dificultando sua total eliminação, aumentando assim a CRF.
  • 8. BIPAP  O BIPAP ou Bilevel é um aparelho com dois níveis pressóricos diferentes, o IPAP, pressão na inspiração e o EPAP, pressão na expiração muito utilizado na hipoventilação da obesidade.
  • 9. RPPI  O RPPI corresponde a respiração por pressão positiva intermitente, como exemplo o reanimador de Muller, este manda um fluxo na fase inspiratória que é controlado pelo fisioterapeuta sendo capaz de comandar e coordenar a freqüência respiratória do paciente e a fase expiratória é realizada passivamente sem fluxo adicional o que difere do CPAP.
  • 10. RPPI
  • 11. CPAP  O CPAP é composto por uma máscara: facial, nasal ou oronasal, um fixador e uma demanda de fluxo contínuo adicional na fase inspiratória e na fase expiratória, o paciente deve possuir drive respiratório para iniciar a respiração, esta facilitada pelo fluxo adicional.
  • 12. CPAP
  • 13. Conceito  Aplicação de pressão positiva via trato respiratório superior  Com o intuito de aumentar a ventilação alveolar  Conexão entre paciente e ventilador (através de mascaras)
  • 14. CPAP  Modo de ventilação mecânica no qual o pct respira espontaneamente através do circuito pressurizado do aparelho  Pressão positiva é mantida constante  Fluxo pode ser ofertado contínuo ou por válvula de demanda  Aparelho capaz de geral alto fluxo, mecanismo de funcionamento simples, fluxo contínuo é conduzido ao pct por um circuito conectado à interface a qual possui uma saída de ar onde acoplamos uma válvula de resistência graduada em cmH2O
  • 15. Efeitos Fisiológicos da VMNI  A pressão positiva oferece uma ajuda parcial ou quase total aos músculos respiratórios para gerar a pressão total suficiente para vencer os componentes resistivos elásticos do sistema respiratório.  Na insuficiência respiratória hipoxêmica, a pressão positiva atua de forma a reduzir ou reverter a causa que levou ao desequilíbrio das trocas gasosas.
  • 16. Efeitos Fisiológicos da VMNI  A hipoventilação pode ser revertida, pois o suporte pressório adicional aos músculos respiratórios garante um aumento do VC e melhora a ventilação alveolar, suplementando mais oxigênio.  A reabertura de unidades colapsadas através da pressão positiva no final da expiração permitem a reversão do quadro de shunt provocado por atelectasias e das áreas de baixa V/Q provocadas pelas unidades instáveis.  A reabertura das vias colapsadas promovem redistribuição do fluxo sanguíneo pulmonar.
  • 17. Indicada para pct que apresentar: - Desconforto respiratório acompanhado de dispnéia (fazendo o uso de musculatura acessória) - Acidose hipercápnica com PaCO2 > 45mmHg com pH entre 7,10 7,35 - FR acima de 25rpm Os critérios de exclusão estão relacionados com a estabilidade clínica do pct.
  • 18. Critérios absolutos de exclusão - Evidencias de isquemia ou arritmias ventriculares - Encefalopatia grave - Pct não cooperativo - HDA (Hemorragia digestiva alta) - Cirurgia facial recente - Trauma craniofacial - Risco de broncoaspiração - Tosse ineficaz - Anomalias anatômicas nasofaríngeas
  • 19. Cuidados - Preparo psicológico prévio (sempre que possível) (conversar c/paciente preparar p/tto que vai ser feito) - As máscaras devem ser de uso individual (quando possível) - Utilizar máscaras que adaptem melhor ao seu pct - Estar sempre atento ao peso do circuito do ventilador para não forçar a interface. - Ao acoplar a máscara manter a mesma pressão do cadarço bilateralmente (para ‘não vasar) - Se possível realizar intermitência de 15’ a cada 2hs com respiração espontânea no intuito de melhorar trocas gasosas
  • 20. Aplicação  Quando o pct inspira, o fluxo de ar se desloca para dentro das vias aéreas, a pressão dentro das vias aumentam gradativamente até superar a resistência da válvula de peep, assim o fluxo se desloca para a válvula mantendo nas vias aéreas uma linha de pressão constante. ( pressão ajuda a abrir os alvéolos)  Os benefícios do CPAP estão relacionados ao aumento da pressão intratrorácica, promovendo estabilização das vias aéreas e das unidades alveolares, possibilitando trocas gasosas mais efetivas.
  • 22. Objetivos  Manutenção das trocas gasosas (hipoxemia e hipercapnia);  Facilitar a ventilação alveolar;  Diminuir o trabalho respiratório;  Diminuir a dispnéia (conforto).
  • 23.  As máscaras são a interface paciente/ ventilador.  As máscaras faciais permitem correção eficiente nas trocas gasosas e em pacientes mais dispneicos respiram de boca aberta. Tem a desvantagem do espaço morto no interior.
  • 24. Máscaras  As máscaras nasais são mais bem toleradas, e tem a desvantagem de permitir vazamento pela boca e o aumento da resistência das narinas.  Também podem ser utilizados bocais.
  • 25.  Defini-se que o CPAP melhora a oxigenação e diminui o trabalho respiratório e o esforço ventilatório, reduzindo a necessidade de entubação e de ventilação mecânica.