SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 24
A ABORDAGEM MULTIDISCIPLINAR
ATUAL NO TRATAMENTO DE PACIENTES
NA TERCEIRA IDADE PORTADORES DE
OSTEOARTROSE
MEDICINA - UNIC
Aillyn Fernanda Bianchi
INTRODUÇÃO
DEFINIÇÃO
 É um grupo heterogêneo.
 Com sintomas e sinais articulares associados a
defeitos da integridade da cartilagem articular.
 Causam modificações no osso subjacente e nas
margens articulares.
ASPECTOS CONCEITUAIS
 Patologia com padrão degradativo da cartilagem
articular hialina.
 Dúvidas se é uma doença propriamente dita ou
consequência do envelhecimento.
 Ocorre um desequilíbrio entre a formação e
degradação da matriz articular.
INTRODUÇÃO
ALTERAÇÕES MORFOLÓGICAS:
 Esclerose no osso subcondral.
 Osteófitos.
 Diminuição do espaço articular.
 Microfraturas e cistos.
INTRODUÇÃO
Geralmente em consequência da perda
cartilaginosa na área de maior suporte de
carga.
CARACTERÍSTICAS EPIDEMIOLÓGICAS
 Mais importante patologia reumática
 Forte impacto socioeconômico
 Doença de distribuição universal.
 Atinge mais mulheres – 40 – 50 anos.
INTRODUÇÃO
 85% dos indivíduos acima de 75 anos tem
evidência radiológica e/ou clínica.
 No Brasil - 3ºlugar na lista dos segurados da
Previdência Social que recebem auxílio-doença.
 65% das causas de incapacidade funcional.
INTRODUÇÃO
FATORES DE RISCO
 Múltiplos fatores:
1. Fatores sistêmicos: idade avançada, sexo feminino,
etnia branca, hormônios sexuais, nutrição e
metabolismo.
2. Fatores Locais: peso corporal, lesões/deformidades
adquiridas, ocupação e esportes.
INTRODUÇÃO
ACHADOS CLÍNICOS
 A maioria dos pacientes com sinais radiológicos de AO não
apresenta sintomas ( não possui relação direta).
 Articulações mais acometidas: metatarsofalangeana (halux
valgo), as interapofisárias (coluna vertebral),
interfalangeanas distais e proximais, os joelhos e o quadril.
INTRODUÇÃO
EXAMES COMPLEMENTARES
 Raio X: osteófitos, redução do espaço articular, esclerose
subcondral, cistos subcondrais e colapso do osso
subcondral.
 Exame do líquido sinovial.
 provas de atividade inflamatória (hemograma, VHS, PCR)
estão normais na OA, bem como o FAN e o fator
reumatoide.
INTRODUÇÃO
DIAGNÓSTICO
 Quadro clínico + exames de imagem.
 Critérios de classificação:
- Dor.
- Crepitação.
- Limitação de movimento.
- Achados radiológicos.
- Número de articulações acometidas no indivíduo.
INTRODUÇÃO
A OSTEOARTROSE NA TERCEIRA IDADE
 Resposta complexa dos tecidos articulares à idade,
fatores genéticos e ambientais.
 A prevalência aumenta com a idade (frequente após
os 60 anos).
 A idade é o fator de risco mais consistente da
osteoartrose.
 Degeneração óssea e cartilaginosa presente no
envelhecimento.
INTRODUÇÃO
TRATAMENTOS GERAIS COM ABORDAGENS
MULTIDISCIPLINARES
 Etiologia ainda não totalmente esclarecida: suscetibilidade
genética VS disfunção mecânica. Medidas terapêuticas
individualizadas.
 Objetivos:
- Controle da dor.
- Melhora da função e prevenção de incapacidade.
INTRODUÇÃO
Medidas gerais:
- Educação do paciente.
- Orientação para perda ponderal.
- Terapia medicamentosa.
- Terapia física e reabilitação.
- Terapia ocupacional e cirurgias, quando indicadas.
INTRODUÇÃO
Terapia física e reabilitação - fisioterapia:
 Meios físicos (calor, frio, ultrassom).
 Estimulação elétrica transcutânea (TENS).
 Terapia com campo eletromagnético pulsado.
 Terapia com laser e estimulação elétrica (corrente
galvânica).
INTRODUÇÃO
 Mobilização passiva e ativa.
 Alongamentos exercícios isométricos.
 Eletroestimulação pulsada de baixa frequência.
 Exercícios físicos (aeróbicos) + fortalecimento
da musculatura.
INTRODUÇÃO
Terapia ocupacional:
 Auxiliar os pacientes com limitações físicas.
 São ensinadas técnicas de proteção articular e
conservação de energia.
 Uso órteses e dispositivos como palmilhas, talas,
bengalas e andadores (estabilização, redução da dor e
inflamação, auxiliar na execução de atividades).
INTRODUÇÃO
Terapias alternativas:
- A acupuntura é considerada efetiva no
controle da dor e da incapacidade funcional
da AO.
INTRODUÇÃO
Medidas medicamentosas:
 Analgésicos e opióides
 Aantiinflamatórios (AINES)
 Medicamentos moduladores da dor
 AINES tópicos (auxiliar terapia oral)
INTRODUÇÃO
Alívio sintomático da dor e inflamação de forma rápida, além
de melhorar a função articular.
Medidas cirúrgicas:
 Deve ser considerado após falha dos tratamento
clínicos.
 Procedimentos mais utilizados:
1. Artroscopia com debridamento e retirada de
corpos livres.
2. Osteotomias corretivas têm caráter preventivo para
a evolução de um quadro grave.
3. Artroplastia.
INTRODUÇÃO
Eficácia do exercício em grupo em pacientes com
osteoartrose:
Pacientes com dor crônica (mínimo três meses).
Submetidos à avaliação fisioterapeuta em grupo.
INTRODUÇÃO
Promoveu melhora na qualidade de vida e reduziu o
índice da intensidade da dor.
PROGNÓSTICO
 A progressão da doença é bastante variável.
 Podem evoluir de forma assintomática apenas com
manifestações radiológicas.
 Dor e incapacidade funcional.
 Fatores psicossociais.
 Fraqueza muscular.
INTRODUÇÃO
JUSTIFICATIVA
Representa cerca de 30% a 40% das consultas em
ambulatórios especializados e é responsável por 7,5%
dos afastamentos ao trabalho, sendo a quarta doença a
determinar aposentadoria (6,2% dos casos) no Brasil.
AABORDAGEM MULTIDISCIPLINAR ATUAL NO TRATAMENTO
DE PACIENTES NA TERCEIRA IDADE PORTADORES DE OSTEOARTROSE
• Forma mais comum de doença articular.
• O paciente sofre com a limitação de seus movimentos.
• Imprescindível a busca e o incentivo à novas formas
multidisciplinares de abordagem da doença.
• Diagnósticos e terapêuticas efetivas priorizadas para
amenizar os sintomas dessa patologia que não tem cura.
OBJETIVO
 Revisão da literatura.
 Identificar a principal abordagem multidisciplinar
na terapêutica dos pacientes idosos portadores da
osteoartrose.
 Apontar os tratamentos existentes nas diversas
áreas da saúde.
 Exemplificar quais as medidas terapêuticas mais
atualizadas e eficazes.
AABORDAGEM MULTIDISCIPLINAR ATUAL NO TRATAMENTO
DE PACIENTES NA TERCEIRA IDADE PORTADORES DE OSTEOARTROSE
METODOLOGIA
 Revisão da literatura, referente ao tema osteoartrose e
evolução dos métodos terapêuticos.
 Bases de dados LILACS e SCIELO.
 Palavras-chaves: “tratamento da osteoartrose”,
“osteoartrose na terceira idade”.
 Priorizados trabalhos com um sólido e fidedigno
embasamento bibliográfico na sua construção.
 Período de busca limitado aos estudos publicados a partir
de 2008 até março de 2014.
 Proporcionar uma visão sobre os possíveis avanços no
tratamento da osteoartrose (OA).
AABORDAGEM MULTIDISCIPLINAR ATUAL NO TRATAMENTO
DE PACIENTES NA TERCEIRA IDADE PORTADORES DE OSTEOARTROSE

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Avaliação da coluna lombar
Avaliação da coluna lombarAvaliação da coluna lombar
Avaliação da coluna lombar
Junio Alves
 
Anamnese
AnamneseAnamnese
Anamnese
lacmuam
 

Mais procurados (20)

Gota
GotaGota
Gota
 
Exame fisico do quadril ac
Exame fisico do quadril   acExame fisico do quadril   ac
Exame fisico do quadril ac
 
Investigação diagnóstica das neuropatias periféricas
Investigação diagnóstica das neuropatias periféricasInvestigação diagnóstica das neuropatias periféricas
Investigação diagnóstica das neuropatias periféricas
 
Tornozelo e pe
Tornozelo e peTornozelo e pe
Tornozelo e pe
 
Op aula 01 - introdução ortese prótese
Op   aula 01 - introdução ortese próteseOp   aula 01 - introdução ortese prótese
Op aula 01 - introdução ortese prótese
 
Artrite reumatoide (ar)
Artrite reumatoide (ar)Artrite reumatoide (ar)
Artrite reumatoide (ar)
 
Hidroterapia exercícios de aquecimento para parte superior do corpo - Aula 3
Hidroterapia exercícios de aquecimento para parte superior do corpo - Aula 3Hidroterapia exercícios de aquecimento para parte superior do corpo - Aula 3
Hidroterapia exercícios de aquecimento para parte superior do corpo - Aula 3
 
Exame Neurológico: Síndrome Extrapiramidal
Exame Neurológico: Síndrome ExtrapiramidalExame Neurológico: Síndrome Extrapiramidal
Exame Neurológico: Síndrome Extrapiramidal
 
Dor ombro, cotovelo, punho e mã£o
Dor ombro, cotovelo, punho e mã£oDor ombro, cotovelo, punho e mã£o
Dor ombro, cotovelo, punho e mã£o
 
Aula de exame fisico do cotovelo e epicondilite
Aula de exame fisico do cotovelo e epicondiliteAula de exame fisico do cotovelo e epicondilite
Aula de exame fisico do cotovelo e epicondilite
 
Avaliação da coluna lombar
Avaliação da coluna lombarAvaliação da coluna lombar
Avaliação da coluna lombar
 
Osteoartrite
OsteoartriteOsteoartrite
Osteoartrite
 
Williams, mackenzie, klapp e feldenkrais
Williams, mackenzie, klapp e feldenkraisWilliams, mackenzie, klapp e feldenkrais
Williams, mackenzie, klapp e feldenkrais
 
Lombalgia - Lombociatalgia
Lombalgia - Lombociatalgia Lombalgia - Lombociatalgia
Lombalgia - Lombociatalgia
 
Modulo 10
Modulo 10Modulo 10
Modulo 10
 
Anamnese
AnamneseAnamnese
Anamnese
 
Exame Físico de Ombro
Exame Físico de Ombro Exame Físico de Ombro
Exame Físico de Ombro
 
Insuficiência Venosa Crônica
Insuficiência Venosa CrônicaInsuficiência Venosa Crônica
Insuficiência Venosa Crônica
 
Osteoporose e Osteoartrite
Osteoporose e OsteoartriteOsteoporose e Osteoartrite
Osteoporose e Osteoartrite
 
Capsulite adesiva
Capsulite adesivaCapsulite adesiva
Capsulite adesiva
 

Destaque

Patologia estudada artrite e artrose
Patologia estudada artrite e artrosePatologia estudada artrite e artrose
Patologia estudada artrite e artrose
Thamires Marinho
 
Curso Historia Oral - Lectura #2: La entrevista de historia oral, ¿monologo o...
Curso Historia Oral - Lectura #2: La entrevista de historia oral, ¿monologo o...Curso Historia Oral - Lectura #2: La entrevista de historia oral, ¿monologo o...
Curso Historia Oral - Lectura #2: La entrevista de historia oral, ¿monologo o...
Archivo del Agua [DIIS]
 
Caso clinico
Caso clinicoCaso clinico
Caso clinico
mairaaas
 
Artrose max
Artrose maxArtrose max
Artrose max
lcinfo
 

Destaque (20)

Osteoartrite 2014
Osteoartrite 2014Osteoartrite 2014
Osteoartrite 2014
 
Fisioterapia na Gonartrose
Fisioterapia na GonartroseFisioterapia na Gonartrose
Fisioterapia na Gonartrose
 
Gonartrose - revisão bibliográfica
Gonartrose - revisão bibliográficaGonartrose - revisão bibliográfica
Gonartrose - revisão bibliográfica
 
Saúde do Idoso - Osteoporose
Saúde do Idoso - OsteoporoseSaúde do Idoso - Osteoporose
Saúde do Idoso - Osteoporose
 
Artose
ArtoseArtose
Artose
 
Osteoporose
OsteoporoseOsteoporose
Osteoporose
 
Patologia estudada artrite e artrose
Patologia estudada artrite e artrosePatologia estudada artrite e artrose
Patologia estudada artrite e artrose
 
Osteoporose 2015
Osteoporose 2015Osteoporose 2015
Osteoporose 2015
 
Reabilitação domiciliar de Joelho
Reabilitação domiciliar de JoelhoReabilitação domiciliar de Joelho
Reabilitação domiciliar de Joelho
 
Oa 2013
Oa 2013Oa 2013
Oa 2013
 
Curso Historia Oral - Lectura #2: La entrevista de historia oral, ¿monologo o...
Curso Historia Oral - Lectura #2: La entrevista de historia oral, ¿monologo o...Curso Historia Oral - Lectura #2: La entrevista de historia oral, ¿monologo o...
Curso Historia Oral - Lectura #2: La entrevista de historia oral, ¿monologo o...
 
Dor em membros inferiores
Dor em membros inferioresDor em membros inferiores
Dor em membros inferiores
 
Caso clinico
Caso clinicoCaso clinico
Caso clinico
 
Aula Tratamento da Osteoartrose do Joelho - Dr David Sadigursky
Aula Tratamento da Osteoartrose do Joelho - Dr David SadigurskyAula Tratamento da Osteoartrose do Joelho - Dr David Sadigursky
Aula Tratamento da Osteoartrose do Joelho - Dr David Sadigursky
 
Acidentes de trânsito são responsáveis pela maior parte dos atendimentos em O...
Acidentes de trânsito são responsáveis pela maior parte dos atendimentos em O...Acidentes de trânsito são responsáveis pela maior parte dos atendimentos em O...
Acidentes de trânsito são responsáveis pela maior parte dos atendimentos em O...
 
Gota artrose slide pronto copia
Gota artrose slide pronto   copiaGota artrose slide pronto   copia
Gota artrose slide pronto copia
 
Artrose max
Artrose maxArtrose max
Artrose max
 
Dor lombar
Dor lombarDor lombar
Dor lombar
 
Relato de caso oa
Relato de caso oaRelato de caso oa
Relato de caso oa
 
Osteoartrite 2016
Osteoartrite 2016Osteoartrite 2016
Osteoartrite 2016
 

Semelhante a Osteoartrose Na Terceira Idade

Saude homem ortopedicos_ago2010
Saude homem ortopedicos_ago2010Saude homem ortopedicos_ago2010
Saude homem ortopedicos_ago2010
Bruno Franco
 
TENDINOPATIAS: UMA REVISÃO DE TRATAMENTO NA LITERATURA ATUAL EM ATLETAS JOVE...
TENDINOPATIAS:  UMA REVISÃO DE TRATAMENTO NA LITERATURA ATUAL EM ATLETAS JOVE...TENDINOPATIAS:  UMA REVISÃO DE TRATAMENTO NA LITERATURA ATUAL EM ATLETAS JOVE...
TENDINOPATIAS: UMA REVISÃO DE TRATAMENTO NA LITERATURA ATUAL EM ATLETAS JOVE...
Deivison Aquino
 
Tecido cartilaginoso
Tecido cartilaginosoTecido cartilaginoso
Tecido cartilaginoso
samuelalves
 
Semiologia 07 reumatologia - semiologia reumatológica pdf
Semiologia 07   reumatologia - semiologia reumatológica pdfSemiologia 07   reumatologia - semiologia reumatológica pdf
Semiologia 07 reumatologia - semiologia reumatológica pdf
Jucie Vasconcelos
 
Disfunção sacroiliaca
Disfunção sacroiliacaDisfunção sacroiliaca
Disfunção sacroiliaca
adrianomedico
 
Blog tecido osseo histologia pronto
Blog tecido osseo histologia prontoBlog tecido osseo histologia pronto
Blog tecido osseo histologia pronto
samuelalves
 
Síndrome do túnel do carpo aspectos do tratamento fisioterapêutico
Síndrome do túnel do carpo aspectos do tratamento fisioterapêuticoSíndrome do túnel do carpo aspectos do tratamento fisioterapêutico
Síndrome do túnel do carpo aspectos do tratamento fisioterapêutico
adrianomedico
 
Obesidade Criança e Adolescente
Obesidade Criança e AdolescenteObesidade Criança e Adolescente
Obesidade Criança e Adolescente
hudsonjunior
 

Semelhante a Osteoartrose Na Terceira Idade (20)

Osteporose revisão
Osteporose revisãoOsteporose revisão
Osteporose revisão
 
Saude homem ortopedicos_ago2010
Saude homem ortopedicos_ago2010Saude homem ortopedicos_ago2010
Saude homem ortopedicos_ago2010
 
trabalho de Reumato.pptx
trabalho de Reumato.pptxtrabalho de Reumato.pptx
trabalho de Reumato.pptx
 
TENDINOPATIAS: UMA REVISÃO DE TRATAMENTO NA LITERATURA ATUAL EM ATLETAS JOVE...
TENDINOPATIAS:  UMA REVISÃO DE TRATAMENTO NA LITERATURA ATUAL EM ATLETAS JOVE...TENDINOPATIAS:  UMA REVISÃO DE TRATAMENTO NA LITERATURA ATUAL EM ATLETAS JOVE...
TENDINOPATIAS: UMA REVISÃO DE TRATAMENTO NA LITERATURA ATUAL EM ATLETAS JOVE...
 
Osteoartrite 2017
Osteoartrite 2017Osteoartrite 2017
Osteoartrite 2017
 
Osteoartrite 2020
Osteoartrite 2020Osteoartrite 2020
Osteoartrite 2020
 
Ponto de vista cirurgião dentista e a quiropraxia
Ponto de vista   cirurgião dentista e a quiropraxiaPonto de vista   cirurgião dentista e a quiropraxia
Ponto de vista cirurgião dentista e a quiropraxia
 
1122
11221122
1122
 
Enfermagem do idoso
Enfermagem do idosoEnfermagem do idoso
Enfermagem do idoso
 
Tecido cartilaginoso
Tecido cartilaginosoTecido cartilaginoso
Tecido cartilaginoso
 
Semiologia 07 reumatologia - semiologia reumatológica pdf
Semiologia 07   reumatologia - semiologia reumatológica pdfSemiologia 07   reumatologia - semiologia reumatológica pdf
Semiologia 07 reumatologia - semiologia reumatológica pdf
 
Osteoporose 2013
Osteoporose 2013Osteoporose 2013
Osteoporose 2013
 
Disfunção sacroiliaca
Disfunção sacroiliacaDisfunção sacroiliaca
Disfunção sacroiliaca
 
Osteoporose tudo o que precisa de saber sobre esta doença óssea silenciosa.pdf
Osteoporose tudo o que precisa de saber sobre esta doença óssea silenciosa.pdfOsteoporose tudo o que precisa de saber sobre esta doença óssea silenciosa.pdf
Osteoporose tudo o que precisa de saber sobre esta doença óssea silenciosa.pdf
 
Blog tecido osseo histologia pronto
Blog tecido osseo histologia prontoBlog tecido osseo histologia pronto
Blog tecido osseo histologia pronto
 
Aula interação estrutural 2013
Aula interação estrutural 2013Aula interação estrutural 2013
Aula interação estrutural 2013
 
Modulo 03
Modulo 03Modulo 03
Modulo 03
 
Fisioterapia intervencao fisioterapeutica[1]
Fisioterapia intervencao fisioterapeutica[1]Fisioterapia intervencao fisioterapeutica[1]
Fisioterapia intervencao fisioterapeutica[1]
 
Síndrome do túnel do carpo aspectos do tratamento fisioterapêutico
Síndrome do túnel do carpo aspectos do tratamento fisioterapêuticoSíndrome do túnel do carpo aspectos do tratamento fisioterapêutico
Síndrome do túnel do carpo aspectos do tratamento fisioterapêutico
 
Obesidade Criança e Adolescente
Obesidade Criança e AdolescenteObesidade Criança e Adolescente
Obesidade Criança e Adolescente
 

Mais de Aillyn F. Bianchi, Faculdade de Medicina - UNIC

Mais de Aillyn F. Bianchi, Faculdade de Medicina - UNIC (19)

Aneurisma de Aorta
Aneurisma de AortaAneurisma de Aorta
Aneurisma de Aorta
 
Prevalência de pacientes tabagistas em uso de psicotrópicos
Prevalência de pacientes tabagistas em uso de psicotrópicosPrevalência de pacientes tabagistas em uso de psicotrópicos
Prevalência de pacientes tabagistas em uso de psicotrópicos
 
Cirurgia Neonatal - Onfalocele e Gastrosquise
Cirurgia Neonatal - Onfalocele e GastrosquiseCirurgia Neonatal - Onfalocele e Gastrosquise
Cirurgia Neonatal - Onfalocele e Gastrosquise
 
Pé Diabético
Pé DiabéticoPé Diabético
Pé Diabético
 
Pré e Pós Operatório em Cirurgia
Pré e Pós Operatório em CirurgiaPré e Pós Operatório em Cirurgia
Pré e Pós Operatório em Cirurgia
 
Resposta Orgânica ao Trauma
Resposta Orgânica ao TraumaResposta Orgânica ao Trauma
Resposta Orgânica ao Trauma
 
Nutrição em Cirurgia
Nutrição em CirurgiaNutrição em Cirurgia
Nutrição em Cirurgia
 
Meningite e Interpretação do LCR
Meningite e Interpretação do LCRMeningite e Interpretação do LCR
Meningite e Interpretação do LCR
 
Trauma Cranioencefálico - Urgência & Emergência
Trauma Cranioencefálico - Urgência & EmergênciaTrauma Cranioencefálico - Urgência & Emergência
Trauma Cranioencefálico - Urgência & Emergência
 
Hipertensão Portal
Hipertensão PortalHipertensão Portal
Hipertensão Portal
 
TOC - Transtorno Obsessivo Compulsivo
TOC - Transtorno Obsessivo CompulsivoTOC - Transtorno Obsessivo Compulsivo
TOC - Transtorno Obsessivo Compulsivo
 
Obstrução Arterial Aguda
Obstrução Arterial AgudaObstrução Arterial Aguda
Obstrução Arterial Aguda
 
Síndrome de Down
Síndrome de Down   Síndrome de Down
Síndrome de Down
 
Vigilância sanitária: Proteção e Defesa da Saúde
Vigilância sanitária: Proteção e Defesa da SaúdeVigilância sanitária: Proteção e Defesa da Saúde
Vigilância sanitária: Proteção e Defesa da Saúde
 
Antiparkinsonianos e Anestésicos Gerais
Antiparkinsonianos e Anestésicos GeraisAntiparkinsonianos e Anestésicos Gerais
Antiparkinsonianos e Anestésicos Gerais
 
Esclerodermia - Clínica Médica
Esclerodermia - Clínica MédicaEsclerodermia - Clínica Médica
Esclerodermia - Clínica Médica
 
A oferta de serviços
A oferta de serviços    A oferta de serviços
A oferta de serviços
 
Doença Ulcerosa Péptica
Doença Ulcerosa PépticaDoença Ulcerosa Péptica
Doença Ulcerosa Péptica
 
Pancreatite Aguda - Clínica Cirúrgica
Pancreatite Aguda - Clínica CirúrgicaPancreatite Aguda - Clínica Cirúrgica
Pancreatite Aguda - Clínica Cirúrgica
 

Último

Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Metabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdf
Metabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdfMetabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdf
Metabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdf
MayaraStefanydaSilva1
 

Último (8)

AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptxAULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
 
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdfCrianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
 
AULA - Fígado, vias biliares e pâncreas exócrino.pdf
AULA - Fígado, vias biliares e pâncreas exócrino.pdfAULA - Fígado, vias biliares e pâncreas exócrino.pdf
AULA - Fígado, vias biliares e pâncreas exócrino.pdf
 
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSÓRIAS - slide.pptx
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSÓRIAS - slide.pptxDOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSÓRIAS - slide.pptx
DOENÇAS DE NOTIFICAÇÕES COMPULSÓRIAS - slide.pptx
 
Tabela-pontos-de-corte-clinicos-BrCAST-12-abr-22.pdf
Tabela-pontos-de-corte-clinicos-BrCAST-12-abr-22.pdfTabela-pontos-de-corte-clinicos-BrCAST-12-abr-22.pdf
Tabela-pontos-de-corte-clinicos-BrCAST-12-abr-22.pdf
 
Metabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdf
Metabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdfMetabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdf
Metabolismo Celular, Respiração Celular aeróbia e anaeróbia.pdf
 
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdfATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
 

Osteoartrose Na Terceira Idade

  • 1. A ABORDAGEM MULTIDISCIPLINAR ATUAL NO TRATAMENTO DE PACIENTES NA TERCEIRA IDADE PORTADORES DE OSTEOARTROSE MEDICINA - UNIC Aillyn Fernanda Bianchi
  • 2. INTRODUÇÃO DEFINIÇÃO  É um grupo heterogêneo.  Com sintomas e sinais articulares associados a defeitos da integridade da cartilagem articular.  Causam modificações no osso subjacente e nas margens articulares.
  • 3. ASPECTOS CONCEITUAIS  Patologia com padrão degradativo da cartilagem articular hialina.  Dúvidas se é uma doença propriamente dita ou consequência do envelhecimento.  Ocorre um desequilíbrio entre a formação e degradação da matriz articular. INTRODUÇÃO
  • 4. ALTERAÇÕES MORFOLÓGICAS:  Esclerose no osso subcondral.  Osteófitos.  Diminuição do espaço articular.  Microfraturas e cistos. INTRODUÇÃO Geralmente em consequência da perda cartilaginosa na área de maior suporte de carga.
  • 5. CARACTERÍSTICAS EPIDEMIOLÓGICAS  Mais importante patologia reumática  Forte impacto socioeconômico  Doença de distribuição universal.  Atinge mais mulheres – 40 – 50 anos. INTRODUÇÃO
  • 6.  85% dos indivíduos acima de 75 anos tem evidência radiológica e/ou clínica.  No Brasil - 3ºlugar na lista dos segurados da Previdência Social que recebem auxílio-doença.  65% das causas de incapacidade funcional. INTRODUÇÃO
  • 7. FATORES DE RISCO  Múltiplos fatores: 1. Fatores sistêmicos: idade avançada, sexo feminino, etnia branca, hormônios sexuais, nutrição e metabolismo. 2. Fatores Locais: peso corporal, lesões/deformidades adquiridas, ocupação e esportes. INTRODUÇÃO
  • 8. ACHADOS CLÍNICOS  A maioria dos pacientes com sinais radiológicos de AO não apresenta sintomas ( não possui relação direta).  Articulações mais acometidas: metatarsofalangeana (halux valgo), as interapofisárias (coluna vertebral), interfalangeanas distais e proximais, os joelhos e o quadril. INTRODUÇÃO
  • 9. EXAMES COMPLEMENTARES  Raio X: osteófitos, redução do espaço articular, esclerose subcondral, cistos subcondrais e colapso do osso subcondral.  Exame do líquido sinovial.  provas de atividade inflamatória (hemograma, VHS, PCR) estão normais na OA, bem como o FAN e o fator reumatoide. INTRODUÇÃO
  • 10. DIAGNÓSTICO  Quadro clínico + exames de imagem.  Critérios de classificação: - Dor. - Crepitação. - Limitação de movimento. - Achados radiológicos. - Número de articulações acometidas no indivíduo. INTRODUÇÃO
  • 11. A OSTEOARTROSE NA TERCEIRA IDADE  Resposta complexa dos tecidos articulares à idade, fatores genéticos e ambientais.  A prevalência aumenta com a idade (frequente após os 60 anos).  A idade é o fator de risco mais consistente da osteoartrose.  Degeneração óssea e cartilaginosa presente no envelhecimento. INTRODUÇÃO
  • 12. TRATAMENTOS GERAIS COM ABORDAGENS MULTIDISCIPLINARES  Etiologia ainda não totalmente esclarecida: suscetibilidade genética VS disfunção mecânica. Medidas terapêuticas individualizadas.  Objetivos: - Controle da dor. - Melhora da função e prevenção de incapacidade. INTRODUÇÃO
  • 13. Medidas gerais: - Educação do paciente. - Orientação para perda ponderal. - Terapia medicamentosa. - Terapia física e reabilitação. - Terapia ocupacional e cirurgias, quando indicadas. INTRODUÇÃO
  • 14. Terapia física e reabilitação - fisioterapia:  Meios físicos (calor, frio, ultrassom).  Estimulação elétrica transcutânea (TENS).  Terapia com campo eletromagnético pulsado.  Terapia com laser e estimulação elétrica (corrente galvânica). INTRODUÇÃO
  • 15.  Mobilização passiva e ativa.  Alongamentos exercícios isométricos.  Eletroestimulação pulsada de baixa frequência.  Exercícios físicos (aeróbicos) + fortalecimento da musculatura. INTRODUÇÃO
  • 16. Terapia ocupacional:  Auxiliar os pacientes com limitações físicas.  São ensinadas técnicas de proteção articular e conservação de energia.  Uso órteses e dispositivos como palmilhas, talas, bengalas e andadores (estabilização, redução da dor e inflamação, auxiliar na execução de atividades). INTRODUÇÃO
  • 17. Terapias alternativas: - A acupuntura é considerada efetiva no controle da dor e da incapacidade funcional da AO. INTRODUÇÃO
  • 18. Medidas medicamentosas:  Analgésicos e opióides  Aantiinflamatórios (AINES)  Medicamentos moduladores da dor  AINES tópicos (auxiliar terapia oral) INTRODUÇÃO Alívio sintomático da dor e inflamação de forma rápida, além de melhorar a função articular.
  • 19. Medidas cirúrgicas:  Deve ser considerado após falha dos tratamento clínicos.  Procedimentos mais utilizados: 1. Artroscopia com debridamento e retirada de corpos livres. 2. Osteotomias corretivas têm caráter preventivo para a evolução de um quadro grave. 3. Artroplastia. INTRODUÇÃO
  • 20. Eficácia do exercício em grupo em pacientes com osteoartrose: Pacientes com dor crônica (mínimo três meses). Submetidos à avaliação fisioterapeuta em grupo. INTRODUÇÃO Promoveu melhora na qualidade de vida e reduziu o índice da intensidade da dor.
  • 21. PROGNÓSTICO  A progressão da doença é bastante variável.  Podem evoluir de forma assintomática apenas com manifestações radiológicas.  Dor e incapacidade funcional.  Fatores psicossociais.  Fraqueza muscular. INTRODUÇÃO
  • 22. JUSTIFICATIVA Representa cerca de 30% a 40% das consultas em ambulatórios especializados e é responsável por 7,5% dos afastamentos ao trabalho, sendo a quarta doença a determinar aposentadoria (6,2% dos casos) no Brasil. AABORDAGEM MULTIDISCIPLINAR ATUAL NO TRATAMENTO DE PACIENTES NA TERCEIRA IDADE PORTADORES DE OSTEOARTROSE • Forma mais comum de doença articular. • O paciente sofre com a limitação de seus movimentos. • Imprescindível a busca e o incentivo à novas formas multidisciplinares de abordagem da doença. • Diagnósticos e terapêuticas efetivas priorizadas para amenizar os sintomas dessa patologia que não tem cura.
  • 23. OBJETIVO  Revisão da literatura.  Identificar a principal abordagem multidisciplinar na terapêutica dos pacientes idosos portadores da osteoartrose.  Apontar os tratamentos existentes nas diversas áreas da saúde.  Exemplificar quais as medidas terapêuticas mais atualizadas e eficazes. AABORDAGEM MULTIDISCIPLINAR ATUAL NO TRATAMENTO DE PACIENTES NA TERCEIRA IDADE PORTADORES DE OSTEOARTROSE
  • 24. METODOLOGIA  Revisão da literatura, referente ao tema osteoartrose e evolução dos métodos terapêuticos.  Bases de dados LILACS e SCIELO.  Palavras-chaves: “tratamento da osteoartrose”, “osteoartrose na terceira idade”.  Priorizados trabalhos com um sólido e fidedigno embasamento bibliográfico na sua construção.  Período de busca limitado aos estudos publicados a partir de 2008 até março de 2014.  Proporcionar uma visão sobre os possíveis avanços no tratamento da osteoartrose (OA). AABORDAGEM MULTIDISCIPLINAR ATUAL NO TRATAMENTO DE PACIENTES NA TERCEIRA IDADE PORTADORES DE OSTEOARTROSE