SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 60
Baixar para ler offline
FISIOTERAPIA EM GERONTOLOGIA E GERIATRIA
A SAÚDE DO IDOSOA SAÚDE DO IDOSO
Profa. Fabiana A. Silva da Cruz
Fisioterapeuta
Mestre em Gerontologia
2009
INTRODUÇÃOINTRODUÇÃO
O envelhecimento populacional
é hoje, um proeminente
fenômeno mundial.
(CAMARANO, 1999)
O envelhecimento populacional
é hoje, um proeminente
fenômeno mundial.
(CAMARANO, 1999)
Ano % No
1940 2,4 % 980.000
2020 7,7 % 16.000.000
( Dados do IBGE )
1 a cada 13 brasileiros será idoso,
1.950 2.025
PAÍSES CLASSIFICAÇÃO MILHÕES CLASSIFICAÇÃO MILHÕES
CHINA 1o 42 1o 284
ÍNDIA 2o 32 2o 146
BRASIL 2 32
Crescimento de 760% de idosos, e 166% de jovens
Pulo da 16a para 6a posição mundial.
16º 6º
(GARRIDO E MENEZES, 2002)
CURSO DE FISIOTERAPIACURSO DE FISIOTERAPIA
Morbidade
CURVA DE CRESCIMENTO POPULACIONAL NO BRASIL
CONFORME A FAIXA ETÁRIA (1990-2002)
0
10
20
30
40
50
60
70
80
<4 5-9 10-14 15-19 20-29 30-39 40-49 50-59 60-69 70-79 >80
%
Faixa etária
IBGE – Censos Demográficos e Contagem
Populacionaal e MS/SE/DATASUS
Crescimento em valores absolutos (>60a):
4.502.545
Morbidade
França - 115 anos para duplicar a proporção de idosos
Suécia - 85 anos
EUA - 66 anos
Brasil - 30 anos - de 7,7% em 2020 para 14,2% em 2050
- Impacto social
1 a cada 13 brasileiros
será idoso.
1 a cada 13 brasileiros
será idoso.
CURSO DE FISIOTERAPIACURSO DE FISIOTERAPIA
BRASIL, UM PAÍS
JOVEM?
BRASIL, UM PAÍS
JOVEM?
VELHOS:
” O futuro de ontem,
a realidade de
hoje”…
VELHOS:
” O futuro de ontem,
a realidade de
hoje”…
O crescimento da população idosa afeta diretamente o
perfil da saúde pública, gerando impacto econômico e
social.
(ELZA BERQUÓ, comissão nacional de população
e desenvolvimento,1996 )
1.950 - Doenças infecto - contagiosas 40% dos óbitos
Doenças Cárdio - vasculares 12% dos óbitos
1.950 - Doenças infecto - contagiosas 40% dos óbitos
Doenças Cárdio - vasculares 12% dos óbitos
2.000 - Doenças infecto - contagiosas menos de 10%
Doenças Cárdio - vasculares 40%
2.000 - Doenças infecto - contagiosas menos de 10%
Doenças Cárdio - vasculares 40%
CURSO DE FISIOTERAPIACURSO DE FISIOTERAPIA
Morbidade
Inquérito domiciliar, São Paulo, em 1989, com 1.600 idosos,
revelou que apenas 14% dos entrevistados consideravam
livres de doenças crônicas.
Mudança no conceito de Saúde: autonomia e não
ausência de doenças.
( RAMOS, 2003 )
CURSO DE FISIOTERAPIACURSO DE FISIOTERAPIA
O QUE É SAÚDE ?
““SaSaúúdede éé o estado de pleno bemo estado de pleno bem
estar festar fíísico, pssico, psííquico e socialquico e social e nãoe não
a ausência de doena ausência de doenççaa””
CONCEITOSCONCEITOS
SENESCÊNCIASENESCÊNCIA
envelhecimento
normal
envelhecimento
normal
SENILIDADESENILIDADE
envelhecimento
patológico
envelhecimento
patológico
GERONTOLOGIA GERIATRIA
Morbidade
Gerontologia é uma disciplina científica multi-
interdisciplinar e, transdisciplinar, tendo como
finalidade o estudo dos idosos, as características
da velhice como fase final do ciclo de vida, o
processo de envelhecimento e seus
determinantes biopsicossociais.
Papalléo Netto, 2007
CURSO DE FISIOTERAPIACURSO DE FISIOTERAPIA
Morbidade
GERONTOLOGIA:GERONTOLOGIA:
A justificativa de existência da Gerontologia está
relacionada a questões sociais expressivas, tais como:
o aumento da expectativa de vida,
a crescente demanda dos serviços de saúde para idosos e
problemas epidemiológicos;
a alta incidência e gastos elevados das Doenças Crônicas;
a questão das desigualdades sociais,originárias do modelo
econômico e das relações sociais entre os seres humanos e
entre as classes sociais;
o exercício pleno da cidadania e outras questões de largo
alcance, não deixando dúvidas sobre o caráter interventivo da
Gerontologia.
CURSO DE FISIOTERAPIACURSO DE FISIOTERAPIA
Morbidade
No entanto, cabe à Gerontologia não
apontar a velhice como um problema social,
mas conceber essa fase de vida e suas
possibilidades como resultantes de ações
multidimensionais.
Papalléo Netto, 2007
CURSO DE FISIOTERAPIACURSO DE FISIOTERAPIA
Morbidade
“Envelhecimento - fenômeno do processo de vida que,
assim como a infância, a adolescência e a maturidade é
marcado por mudanças bio-psico-socias específicas
associadas a passagem do tempo”.
(Viena, 1959)
“Envelhecimento - fenômeno do processo de vida que,
assim como a infância, a adolescência e a maturidade é
marcado por mudanças bio-psico-socias específicas
associadas a passagem do tempo”.
(Viena, 1959)
O que é envelhecimento?
CURSO DE FISIOTERAPIACURSO DE FISIOTERAPIA
Morbidade
O processo de envelhecimento provoca no
organismo modificações biológicas, psicológicas e
sociais; porém é na velhice que esse processo aparece
de forma mais evidente.
As modificações biológicas são as morfológicas,
reveladas por aparecimento de rugas, cabelos brancos e
outras; as fisiológicas, relacionadas às alterações das
funções orgânicas; as bioquímicas estão diretamente
ligadas às transformações das reações químicas que se
processam no organismo.
CURSO DE FISIOTERAPIACURSO DE FISIOTERAPIA
Morbidade
As modificações psicológicas ocorrem
quando, ao envelhecer, o ser humano precisa
adaptar-se a cada situação nova do seu
cotidiano.
Já as modificações sociais são verificadas
quando as relações sociais tornam-se alteradas
em função da diminuição da produtividade e,
principalmente, do poder físico e econômico,
sendo a alteração social mais evidente em países
de economia capitalista.
CURSO DE FISIOTERAPIACURSO DE FISIOTERAPIA
Morbidade
“...Nós vivemos da morte de nossas
células, sendo a vida o que resiste à
morte. Para resistir, porém, ela utiliza
justamente a morte e, sendo assim, esse
antagonismo fundamental comporta uma
certa colaboração por parte da vida.”
Fórmula de Heráclito viver da morte, morrer de vida.
CURSO DE FISIOTERAPIACURSO DE FISIOTERAPIA
Envelhecemos todos iguais ?Envelhecemos todos iguais ?
62 anos62 anos 91 anos91 anos
O TEMPOO TEMPO
Cronológico: mensurável pelo ponteiro do
relógio.
Biológico : parâmetros de ordem morfológica,
funcional e psicológica.
AlteraAlteraçções devidasões devidas àà idadeidade
MORBIDADES E
MORTALIDADE
MORBIDADES EMORBIDADES E
MORTALIDADEMORTALIDADE
DegeneraDegeneraççãoão
osteoarticularosteoarticular
FraquezaFraqueza
muscularmuscular
DisfunDisfunçção doão do
Sistema nervosoSistema nervoso
InsuficiênciaInsuficiência
circulatcirculatóóriaria
DiminuiDiminuiçção da mobilidadeão da mobilidade
Perda de seguranPerda de seguranççaa -- receio de cairreceio de cair --
Aumento da suscetibilidadeAumento da suscetibilidade ààs quedass quedas
Fraturas e imobilidade ainda maiorFraturas e imobilidade ainda maior
PRINCIPAIS ALTERAÇÕES ANATÔMICAS
“PROCESSO DE ENVELHECER”““PROCESSO DE ENVELHECERPROCESSO DE ENVELHECER””
Nível Antropométrico:Nível Antropométrico:
A estatura começa a diminuir a partir dos 40 anos cerca de 1cm
por década;
A estatura começa a diminuir a partir dos 40 anos cerca de 1cm
por década;
Aumento das curvaturas da coluna;Aumento das curvaturas da coluna;
Os diâmetros da caixa torácica e do crânio tendem a aumentar;Os diâmetros da caixa torácica e do crânio tendem a aumentar;
O teor total de água do corpo diminuir por perda de água intracelular.O teor total de água do corpo diminuir por perda de água intracelular.
Ocorre uma diminuição da elasticidade –
origem das rugas;
Ocorre uma diminuição da elasticidade –
origem das rugas;
As glândulas sudoríparas e sebáceas diminuem - pele seca
e áspera;
As glândulas sudoríparas e sebáceas diminuem - pele seca
e áspera;
No idoso diminui o número de melanócitos e de alças
capilares - aspecto mais pálido a pele.
No idoso diminui o número de melanócitos e de alças
capilares - aspecto mais pálido a pele.
“PROCESSO DE ENVELHECER”““PROCESSO DE ENVELHECERPROCESSO DE ENVELHECER””
SISTEMA NERVOSO CENTRALSISTEMA NERVOSO CENTRAL
- redução de 5 à 10% do peso do encéfalo;
- aumento dos sulcos;
- aumento do tamanho dos ventrículos;
- perda de 50.000 à 100.000 neurônios por dia, a partir dos 50 anos
- presença de placas senis
*neocórtex temporal e frontal,
* hipocampo e área hipocampal.
- redução de 5 à 10% do peso do encéfalo;
- aumento dos sulcos;
- aumento do tamanho dos ventrículos;
- perda de 50.000 à 100.000 neurônios por dia, a partir dos 50 anos
- presença de placas senis
*neocórtex temporal e frontal,
* hipocampo e área hipocampal.
““PROCESSO DE ENVELHECERPROCESSO DE ENVELHECER””
↓ da agilidade, da coordenação, do equilíbrio,
da flexibilidade e mobilidade articular
marcha alterada - propensão a quedas.
↓ da agilidade, da coordenação, do equilíbrio,
da flexibilidade e mobilidade articular
marcha alterada - propensão a quedas.
Alterações da sensibilidadeAlterações da sensibilidade
- O limiar para a dor aumenta
- A sensibilidade dolorosa cutânea e visceral diminui.
- Diminuição da densidade dos receptores periféricos, ou,
deficiência no sistema de transmissão das sinapses centrais.
- O limiar para a dor aumenta
- A sensibilidade dolorosa cutânea e visceral diminui.
- Diminuição da densidade dos receptores periféricos, ou,
deficiência no sistema de transmissão das sinapses centrais.
* SENSIBILIDADE AUDITIVA -
- hipoacusia;
- tolerância a grandes ruídos.
* SENSIBILIDADE AUDITIVA -
- hipoacusia;
- tolerância a grandes ruídos.
* SENSIBILIDADE VISUAL -
- presbiopia : desnaturação de proteínas;
- degeneração da retina
- acuidade visual.
* SENSIBILIDADE VISUAL -
- presbiopia : desnaturação de proteínas;
- degeneração da retina
- acuidade visual.
Sistema ósteo-muscular:Sistema ósteo-muscular:
- Diminuição do sistema colinérgico da excitabilidade do músculo
- Perda de cálcio na matriz óssea;
- Diminuição da espessura do osso compacto - reabsorção óssea
interna; (osteoporose)
- Perda de 10% a 20% da força muscular;
- Maior índice de fadiga muscular;
- Diminuição do tamanho e número das fibras musculares;
- Diminuição da capacidade de regeneração;
- Aumento da rigidez da cartilagem, dos ligamentos e dos tendões.
ALTERAÇÕES DO SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMOALTERAÇÕES DO SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO
- retenção ou incontinência urinária;
( tônus muscular ou alt. em nível medular )
- constipação ou diarréia;
( alt. do controle parassimpático )
- hipotermia;
( do metabolismo e alt. dos reflexos termorreguladores e
da densidade dos receptores periféricos e hipotalâmicos )
- alterações do sono e do sistema límbico.
( catabolismo da serotonina ) .
- retenção ou incontinência urinária;
( tônus muscular ou alt. em nível medular )
- constipação ou diarréia;
( alt. do controle parassimpático )
- hipotermia;
( do metabolismo e alt. dos reflexos termorreguladores e
da densidade dos receptores periféricos e hipotalâmicos )
- alterações do sono e do sistema límbico.
( catabolismo da serotonina ) .
Estatísticas
• Segundo a OMS, após os 70 anos,
30% dos idosos são portadores de
alguma patologia crônica.
• Desses, cerca de 50% têm algum tipo
de limitação ou incapacidade física.
Os 5 “Is”
ImobilidadeImobilidade
InsuficiênciaInsuficiência
cognitivacognitiva
InstabilidadeInstabilidade
ee quedasquedas
IncontinênciaIncontinência
IatrogeniaIatrogenia
PÓS-GRADUAÇÃOPÓS-GRADUAÇÃO
Morbidade
IINCONTINÊNCIANCONTINÊNCIA
Perda de urina e fezes
involuntariamente.
Ameaça à dignidade das
pessoas.
A incontinência não
costuma motivar a
curiosidade médica.
Perda de urina e fezes
involuntariamente.
Ameaça à dignidade das
pessoas.
A incontinência não
costuma motivar a
curiosidade médica.
Morbidade
Incontinência Urinária:
Repercussão na vida social e no psicológico
do idoso
Afeta 30% de indivíduos idosos
da comunidade.
50% de institucionalizados
Alto custo
Pode ser tratada desde que a
causa seja pesquisada.
Incontinência Urinária:
Repercussão na vida social e no psicológico
do idoso
Afeta 30% de indivíduos idosos
da comunidade.
50% de institucionalizados
Alto custo
Pode ser tratada desde que a
causa seja pesquisada.
CURSO DE FISIOTERAPIACURSO DE FISIOTERAPIA
Morbidade
“AINDA QUE O SUCESSO
TERAPÊUTICO SEJA LIMITADO, É
MELHOR DO QUE A ALTERNATIVA
RESULTANTE DA IGNORÂNCIA
DIAGNÓSTICA E TERAPÊUTICA.”
Renato Maia Guimarães
Sinais e Sintomas em Geriatria
“AINDA QUE O SUCESSO
TERAPÊUTICO SEJA LIMITADO, É
MELHOR DO QUE A ALTERNATIVA
RESULTANTE DA IGNORÂNCIA
DIAGNÓSTICA E TERAPÊUTICA.”
Renato Maia Guimarães
Sinais e Sintomas em Geriatria
CURSO DE FISIOTERAPIACURSO DE FISIOTERAPIA
Morbidade
IIMOBILIDADEMOBILIDADE
Incapacidade de se deslocar sem o auxílio de outra
pessoa, com a finalidade de atender às necessidades da
vida diária.
A imobilização é caracterizada por sinais e sintomas
que terminam por perpetuar a dependência e favorecer
complicações.
Efeito dominó das complicações.
O tratamento isolado se torna um equívoco.
Incapacidade de se deslocar sem o auxílio de outra
pessoa, com a finalidade de atender às necessidades da
vida diária.
A imobilização é caracterizada por sinais e sintomas
que terminam por perpetuar a dependência e favorecer
complicações.
Efeito dominó das complicações.
O tratamento isolado se torna um equívoco.
CURSO DE FISIOTERAPIACURSO DE FISIOTERAPIA
Morbidade
IINSUFICIÊNCIA COGNITIVANSUFICIÊNCIA COGNITIVA
OS 3 “D”OS 3 “D”
DELIRIUM
DEMÊNCIA
DEPRESSÃO
CURSO DE FISIOTERAPIACURSO DE FISIOTERAPIA
• “... após os 60 anos há um declínio
perceptível na capacidade cognitiva
(memorização e concentração) porque a
velocidade do sistema nervoso começa a
decrescer. Verifica-se que a capacidade
intelectual do idoso sofre influência da falta
de motivação e dos bloqueios psíquicos. É
necessário que as pessoas idosas sejam
estimuladas para adquirirem novos
conhecimentos e colocá-los em prática...”
LIMA (2000, p.39)
MEMÓRIA
• “... é possível pelo menos em parte, que a
falta de prática das habilidades mentais
provoque um declínio nos sistemas
neuronais pelo desuso. Os idosos ante uma
atividade intelectual intensa têm melhor
memória do que aqueles que se encontram
inativos. Instiga-se que a melhor estratégia
para manter ou recuperar a memória seja
usá-la e treiná-la, tanto através de
atividades culturais quanto de jogos que
facilitam o desenvolvimento da memória.”
STUART-HAMILTON (2002, p. 102 e 104)
* Estudo Longitudinal - Freiras
Morbidade
IINSTABILIDADE POSTURALNSTABILIDADE POSTURAL
E QUEDASE QUEDAS
Falta de equilíbrio – medo de cair.
A queda deve ser considerada como um “sintoma” em
Geriatria .
Aumento expressivo da mortalidade em idosos que caem.
A Fisioterapia apresenta uma proposta de intervenção
bastante eficaz na prevenção de quedas –
melhora da postura, da marcha, massa muscular e
flexibilidade.
Falta de equilíbrio – medo de cair.
A queda deve ser considerada como um “sintoma” em
Geriatria .
Aumento expressivo da mortalidade em idosos que caem.
A Fisioterapia apresenta uma proposta de intervenção
bastante eficaz na prevenção de quedas –
melhora da postura, da marcha, massa muscular e
flexibilidade.
CURSO DE FISIOTERAPIACURSO DE FISIOTERAPIA
Morbidade
IIATROGENIAATROGENIA
O conceito de iatrogenia não deve ser restrito apenas à
prescrição de medicamentos ou à realização de
procedimentos. Também por omissão em propor medidas
ou a não intervenção em problemas que possam ser
suprimidos o atenuados.
Privação da reabilitação física.
IATROGENIA DA PALAVRA.
O conceito de iatrogenia não deve ser restrito apenas à
prescrição de medicamentos ou à realização de
procedimentos. Também por omissão em propor medidas
ou a não intervenção em problemas que possam ser
suprimidos o atenuados.
Privação da reabilitação física.
IATROGENIA DA PALAVRA.
CURSO DE FISIOTERAPIACURSO DE FISIOTERAPIA
Morbidade
“Os erros costumam ser cometidos justamente
por aqueles que não hesitam em caracterizar
como senilidade toda e qualquer condição ou
manifestação clínica que não lhes seja
familiar.”
“Os erros costumam ser cometidos justamente
por aqueles que não hesitam em caracterizar
como senilidade toda e qualquer condição ou
manifestação clínica que não lhes seja
familiar.”
CURSO DE FISIOTERAPIACURSO DE FISIOTERAPIA
QUAL É O MAIOR MEDO DOS IDOSOS?QUAL É O MAIOR MEDO DOS IDOSOS?
Doença ?
Dor ?
Morte ?
Perda da Independência
Tornar-se um peso para outros
Perda da Independência
Tornar-se um peso para outros
FISIOTERAPIAFISIOTERAPIAFISIOTERAPIA
A promoção e a atenção à saúde do
idoso englobam medidas:
-PREVENTIVAS
-RESTAURADORAS
-REABILITADORAS
A promoção e a atenção à saúde do
idoso englobam medidas:
-PREVENTIVAS
-RESTAURADORAS
-REABILITADORAS
MOVIMENTO HUMANO
FUNCIONALIDADE
MOVIMENTO HUMANO
FUNCIONALIDADE
“...a Promoção da Saúde do Idoso
deve estar a cargo de uma equipe
interdisciplinar”.
(OPAS)
... Adicionar qualidade de vida
aos anos que já foram
adicionados!!!
(Nações Unidas)
O OBJETIVO FINAL DE TODAS AS INTERVENÇÕES
FISIOTERAPÊUTICAS NO IDOSO E O DE
RESTAURAR OU MANTER O MAIS
ALTO NIVEL FUNCIONAL.
Atuação do Fisioterapeuta dentro da
equipe multiprofissional
Atuação do Fisioterapeuta dentro da
equipe multiprofissional
Prescrever e supervisionar a pratica de exercícios físicos –
amplitude articular, força muscular, coordenação e relaxamento
Enfocar a melhora da capacidade funcional –
equilíbrio, translados e marcha
Prescrever o uso de dispositivos auxiliares e de proteção –
bengalas, andadores, órteses, palmilhas
Tratamento da dor aguda ou crônica
Uso das modalidades terapêuticas –
estimulação elétrica, ultra-som, laser, diatermia
Instrução aos cuidadores –
posicionamento, medidas preventivas, transferências
* Prática de exercícios Físicos* Prática de exercícios Físicos
- retardam as atrofias e degenerações,
- metabolismo celular,
- previne complicações secundárias à imobilização,
- melhora a flexibilidade equilíbrio reduz quedas,
- manutenção e preservação da capacidade para as AVDs.
- aumenta a auto - estima ,
- diminui a depressão
- retardam as atrofias e degenerações,
- metabolismo celular,
- previne complicações secundárias à imobilização,
- melhora a flexibilidade equilíbrio reduz quedas,
- manutenção e preservação da capacidade para as AVDs.
- aumenta a auto - estima ,
- diminui a depressão
CONDIÇÕES FISICASCONDIÇÕES FISICAS
1- Audição
2- Visão
3- Comunicação / Fala
4- Dentes
5- Alimentação
/ Deglutição
6- Peso
7- Cuidados com os pés
8- Cuidados com a pele
9- Função Urinária
12- Funções intestinais
13- Dor / desconforto
14- Problemas articulares
15- Distúrbios motores
16- Aparelho circulatório
17- Aparelho respiratório
18- Outros
11- Paralisias
/ sensibilidade
10- Amplitude dos
movimentos
EXAME FÍSICOEXAME FÍSICO
Aspecto Geral
Postura
Motricidade
Força Muscular
Sinais neurológicos
Relação da dor com os dermátomos
Sistema sômato-sensorial
Reflexos
Equilíbrio
Marcha
Cognitivo
Papel da dor nas AVDs e AIVDs
História de câncer
UM GRANDE DESAFIO DA EQUIPE
INTERDISCIPLINAR…
VISÃO HOLÍSTICA DO IDOSO
PROMOÇÃO À SAÚDE
Formas de promoção da
saúde do idoso
Aumentar a reserva funcional
Orientações específicas para o
idoso.
Prevenir traumas e acidentes.
Mudança de hábitos.
Evitar ou postergar a manifestação
clínica das doenças.
Controlar as doenças existentes.
Atitudes em prol da cidadania e da
inserção social.
Resumindo…
O Processo de envelhecimento é um
fenômeno mundial.
Isto implica para nós, uma mudança no
perfil da saúde do brasileiro.
O envelhecimento não é uma doença!!
E mesmo na presença de doenças crônicas,
não quer dizer que o idoso não tenha saúde.
O que importa é a funcionalidade e a
independência do idoso para uma melhor
qualidade de vida.
O maior medo não é morrer, mas perder
independência e virar um peso.
A perda da função implica em mortalidade
hospitalar, asilamento, interferência na
qualidade de vida e custo de saúde.
““ O Processo do envelhecimento assim como a morteO Processo do envelhecimento assim como a morte
são etapas inevitsão etapas inevitááveis da cronologia da Vida. A situaveis da cronologia da Vida. A situaççãoão
que cada sujeito chegarque cada sujeito chegaráá atatéé elaela éé queque éé varivariáável evel e
passpassíível de interferência.vel de interferência. ““
De bem comigo!
De bem com os outros!
De bem com a vida!
De bem comigo!
De bem com os outros!
De bem com a vida!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula saúde do idoso - turma regular
Aula saúde do idoso - turma regularAula saúde do idoso - turma regular
Aula saúde do idoso - turma regularIsmael Costa
 
Conceitos Básicos
Conceitos BásicosConceitos Básicos
Conceitos Básicosagemais
 
Causas e consequências de quedas de idosos
Causas e consequências de  quedas de idososCausas e consequências de  quedas de idosos
Causas e consequências de quedas de idososNome Sobrenome
 
Velhice e Envelhecimento - Profa. Rilva Muñoz / GESME
Velhice e Envelhecimento - Profa. Rilva Muñoz / GESMEVelhice e Envelhecimento - Profa. Rilva Muñoz / GESME
Velhice e Envelhecimento - Profa. Rilva Muñoz / GESMERilva Lopes de Sousa Muñoz
 
Saúde do Idoso - Disciplina Processo Saúde Doença e Educação em Saúde.
Saúde do Idoso - Disciplina Processo Saúde Doença e Educação em Saúde.Saúde do Idoso - Disciplina Processo Saúde Doença e Educação em Saúde.
Saúde do Idoso - Disciplina Processo Saúde Doença e Educação em Saúde.luzienne moraes
 
Apresentação saude do idoso coletiva
Apresentação saude do idoso coletivaApresentação saude do idoso coletiva
Apresentação saude do idoso coletivaCarla Couto
 
Fisiologia do envelhecimento
Fisiologia do envelhecimentoFisiologia do envelhecimento
Fisiologia do envelhecimentoAndré Fidelis
 
Enfermagem atencao saude idoso
Enfermagem atencao saude idosoEnfermagem atencao saude idoso
Enfermagem atencao saude idosoCíntia Monique
 
Saúde do Idoso - A Queda
Saúde do Idoso - A QuedaSaúde do Idoso - A Queda
Saúde do Idoso - A QuedaMarina Sousa
 
Fases do desenvolvimento humano - Velhice
Fases do desenvolvimento humano - VelhiceFases do desenvolvimento humano - Velhice
Fases do desenvolvimento humano - VelhiceLigia Coppetti
 
Principais Sindromes Geriatricas
Principais Sindromes GeriatricasPrincipais Sindromes Geriatricas
Principais Sindromes GeriatricasJoão Paulo França
 
Gigantes da Geriatria
Gigantes da GeriatriaGigantes da Geriatria
Gigantes da GeriatriaDany Romeira
 
Introdução à gerontologia.pptx
Introdução à gerontologia.pptxIntrodução à gerontologia.pptx
Introdução à gerontologia.pptxLarissaCampos96
 

Mais procurados (20)

Saúde do Idoso
Saúde do IdosoSaúde do Idoso
Saúde do Idoso
 
Aula saúde do idoso - turma regular
Aula saúde do idoso - turma regularAula saúde do idoso - turma regular
Aula saúde do idoso - turma regular
 
Conceitos Básicos
Conceitos BásicosConceitos Básicos
Conceitos Básicos
 
Causas e consequências de quedas de idosos
Causas e consequências de  quedas de idososCausas e consequências de  quedas de idosos
Causas e consequências de quedas de idosos
 
Velhice e Envelhecimento - Profa. Rilva Muñoz / GESME
Velhice e Envelhecimento - Profa. Rilva Muñoz / GESMEVelhice e Envelhecimento - Profa. Rilva Muñoz / GESME
Velhice e Envelhecimento - Profa. Rilva Muñoz / GESME
 
Saúde do Idoso - Disciplina Processo Saúde Doença e Educação em Saúde.
Saúde do Idoso - Disciplina Processo Saúde Doença e Educação em Saúde.Saúde do Idoso - Disciplina Processo Saúde Doença e Educação em Saúde.
Saúde do Idoso - Disciplina Processo Saúde Doença e Educação em Saúde.
 
Queda do idoso
Queda do idosoQueda do idoso
Queda do idoso
 
Alterações fisiológicas do envelhecimento
Alterações fisiológicas do envelhecimentoAlterações fisiológicas do envelhecimento
Alterações fisiológicas do envelhecimento
 
Apresentação saude do idoso coletiva
Apresentação saude do idoso coletivaApresentação saude do idoso coletiva
Apresentação saude do idoso coletiva
 
Saúde do idoso
 Saúde do idoso Saúde do idoso
Saúde do idoso
 
BIOLOGIA DO ENVELHECIMENTO
BIOLOGIA DO ENVELHECIMENTOBIOLOGIA DO ENVELHECIMENTO
BIOLOGIA DO ENVELHECIMENTO
 
Fisiologia do envelhecimento
Fisiologia do envelhecimentoFisiologia do envelhecimento
Fisiologia do envelhecimento
 
Enfermagem atencao saude idoso
Enfermagem atencao saude idosoEnfermagem atencao saude idoso
Enfermagem atencao saude idoso
 
Saúde do Idoso - A Queda
Saúde do Idoso - A QuedaSaúde do Idoso - A Queda
Saúde do Idoso - A Queda
 
Fases do desenvolvimento humano - Velhice
Fases do desenvolvimento humano - VelhiceFases do desenvolvimento humano - Velhice
Fases do desenvolvimento humano - Velhice
 
Fundamentos De Gerontologia Parte 1
Fundamentos De Gerontologia Parte 1Fundamentos De Gerontologia Parte 1
Fundamentos De Gerontologia Parte 1
 
Principais Sindromes Geriatricas
Principais Sindromes GeriatricasPrincipais Sindromes Geriatricas
Principais Sindromes Geriatricas
 
Gigantes da Geriatria
Gigantes da GeriatriaGigantes da Geriatria
Gigantes da Geriatria
 
Saude+do+idoso
Saude+do+idosoSaude+do+idoso
Saude+do+idoso
 
Introdução à gerontologia.pptx
Introdução à gerontologia.pptxIntrodução à gerontologia.pptx
Introdução à gerontologia.pptx
 

Destaque (20)

A familia e seu ciclo vital
A familia e seu ciclo vitalA familia e seu ciclo vital
A familia e seu ciclo vital
 
7. CaracteríSticas Dos Idosos
7. CaracteríSticas Dos Idosos7. CaracteríSticas Dos Idosos
7. CaracteríSticas Dos Idosos
 
Semiologia ortopedica exame
Semiologia ortopedica   exameSemiologia ortopedica   exame
Semiologia ortopedica exame
 
Ausculta cardiaca
Ausculta cardiacaAusculta cardiaca
Ausculta cardiaca
 
Kabat aula pratica
Kabat   aula praticaKabat   aula pratica
Kabat aula pratica
 
Kabat aula pratica cintura pelvica
Kabat   aula pratica cintura pelvicaKabat   aula pratica cintura pelvica
Kabat aula pratica cintura pelvica
 
Kabat introdução e conceito
Kabat   introdução e conceitoKabat   introdução e conceito
Kabat introdução e conceito
 
Atendimento domiciliar do idoso
Atendimento domiciliar do idosoAtendimento domiciliar do idoso
Atendimento domiciliar do idoso
 
Postura
PosturaPostura
Postura
 
Coluna cervical
Coluna cervicalColuna cervical
Coluna cervical
 
Quebra de padroes
Quebra de padroesQuebra de padroes
Quebra de padroes
 
Shantala
ShantalaShantala
Shantala
 
Cotovelo
CotoveloCotovelo
Cotovelo
 
Aprendizado motor
Aprendizado motorAprendizado motor
Aprendizado motor
 
Padroes respiratorios
Padroes respiratoriosPadroes respiratorios
Padroes respiratorios
 
Coluna lombar
Coluna lombarColuna lombar
Coluna lombar
 
Joelho
JoelhoJoelho
Joelho
 
Tornozelo e pe
Tornozelo e peTornozelo e pe
Tornozelo e pe
 
Quadril
QuadrilQuadril
Quadril
 
Dor no idoso
Dor no idosoDor no idoso
Dor no idoso
 

Semelhante a Saude do idoso

saudedoidoso-130910103001-phpapp02.pdf
saudedoidoso-130910103001-phpapp02.pdfsaudedoidoso-130910103001-phpapp02.pdf
saudedoidoso-130910103001-phpapp02.pdfssuserfc3408
 
1a aula envelhecimento pptx
1a aula envelhecimento pptx1a aula envelhecimento pptx
1a aula envelhecimento pptxMônica Barroso
 
a saude do idoso e o processo de envelhecimento.ppt
a saude do idoso e o processo de envelhecimento.ppta saude do idoso e o processo de envelhecimento.ppt
a saude do idoso e o processo de envelhecimento.pptjudsonzaidan
 
a saude do idoso e o processo de envelhecimento.ppt
a saude do idoso e o processo de envelhecimento.ppta saude do idoso e o processo de envelhecimento.ppt
a saude do idoso e o processo de envelhecimento.pptmarciaenfermagem27
 
a saude do idoso e o processo de envelhecimento.ppt
a saude do idoso e o processo de envelhecimento.ppta saude do idoso e o processo de envelhecimento.ppt
a saude do idoso e o processo de envelhecimento.pptValdimiro Cardoso
 
a saude do idoso e o processo de envelhecimento.ppt
a saude do idoso e o processo de envelhecimento.ppta saude do idoso e o processo de envelhecimento.ppt
a saude do idoso e o processo de envelhecimento.pptprofigorcursos
 
AULA 01 - ASPECTOS FISIOLÓGICOS DO ENVELHECIMENTO.pptx
AULA 01 - ASPECTOS FISIOLÓGICOS DO ENVELHECIMENTO.pptxAULA 01 - ASPECTOS FISIOLÓGICOS DO ENVELHECIMENTO.pptx
AULA 01 - ASPECTOS FISIOLÓGICOS DO ENVELHECIMENTO.pptxVanessaAlvesDeSouza4
 
FISIOLOGIA DO ENVELHECIMENTO.pptx
FISIOLOGIA DO ENVELHECIMENTO.pptxFISIOLOGIA DO ENVELHECIMENTO.pptx
FISIOLOGIA DO ENVELHECIMENTO.pptxNgelaNascimento11
 
FISIOLOGIA DO ENVELHECIMENTO.pptx
FISIOLOGIA DO ENVELHECIMENTO.pptxFISIOLOGIA DO ENVELHECIMENTO.pptx
FISIOLOGIA DO ENVELHECIMENTO.pptxNgelaNascimento11
 
SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 4
SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 4SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 4
SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 4Gustavo Henrique
 
FISIOLOGIA DO ENVELHECIMENTO (1).pdf
FISIOLOGIA DO ENVELHECIMENTO (1).pdfFISIOLOGIA DO ENVELHECIMENTO (1).pdf
FISIOLOGIA DO ENVELHECIMENTO (1).pdfCludiaSofiaCarvalho1
 
Biologia Do Envelhecimento
Biologia Do EnvelhecimentoBiologia Do Envelhecimento
Biologia Do EnvelhecimentoMárcio Borges
 
Patologias abdominais
Patologias abdominaisPatologias abdominais
Patologias abdominaisDébora Souto
 
Envelhecimento saudável
Envelhecimento saudávelEnvelhecimento saudável
Envelhecimento saudávelRubens Junior
 
Envelhecer com qualidade de vida
Envelhecer com qualidade de vidaEnvelhecer com qualidade de vida
Envelhecer com qualidade de vidaRubens Junior
 
As doenças reumáticas e seu impacto na saúde
As doenças reumáticas e seu impacto na saúdeAs doenças reumáticas e seu impacto na saúde
As doenças reumáticas e seu impacto na saúdepauloalambert
 

Semelhante a Saude do idoso (20)

saudedoidoso-130910103001-phpapp02.pdf
saudedoidoso-130910103001-phpapp02.pdfsaudedoidoso-130910103001-phpapp02.pdf
saudedoidoso-130910103001-phpapp02.pdf
 
1a aula envelhecimento pptx
1a aula envelhecimento pptx1a aula envelhecimento pptx
1a aula envelhecimento pptx
 
ENVELHECIMENTO SAUDAVEL
ENVELHECIMENTO SAUDAVELENVELHECIMENTO SAUDAVEL
ENVELHECIMENTO SAUDAVEL
 
a saude do idoso e o processo de envelhecimento.ppt
a saude do idoso e o processo de envelhecimento.ppta saude do idoso e o processo de envelhecimento.ppt
a saude do idoso e o processo de envelhecimento.ppt
 
a saude do idoso e o processo de envelhecimento.ppt
a saude do idoso e o processo de envelhecimento.ppta saude do idoso e o processo de envelhecimento.ppt
a saude do idoso e o processo de envelhecimento.ppt
 
a saude do idoso e o processo de envelhecimento.ppt
a saude do idoso e o processo de envelhecimento.ppta saude do idoso e o processo de envelhecimento.ppt
a saude do idoso e o processo de envelhecimento.ppt
 
a saude do idoso e o processo de envelhecimento.ppt
a saude do idoso e o processo de envelhecimento.ppta saude do idoso e o processo de envelhecimento.ppt
a saude do idoso e o processo de envelhecimento.ppt
 
AULA 01 - ASPECTOS FISIOLÓGICOS DO ENVELHECIMENTO.pptx
AULA 01 - ASPECTOS FISIOLÓGICOS DO ENVELHECIMENTO.pptxAULA 01 - ASPECTOS FISIOLÓGICOS DO ENVELHECIMENTO.pptx
AULA 01 - ASPECTOS FISIOLÓGICOS DO ENVELHECIMENTO.pptx
 
FISIOLOGIA DO ENVELHECIMENTO.pptx
FISIOLOGIA DO ENVELHECIMENTO.pptxFISIOLOGIA DO ENVELHECIMENTO.pptx
FISIOLOGIA DO ENVELHECIMENTO.pptx
 
FISIOLOGIA DO ENVELHECIMENTO.pptx
FISIOLOGIA DO ENVELHECIMENTO.pptxFISIOLOGIA DO ENVELHECIMENTO.pptx
FISIOLOGIA DO ENVELHECIMENTO.pptx
 
SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 4
SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 4SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 4
SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 4
 
Velhice
VelhiceVelhice
Velhice
 
FISIOLOGIA DO ENVELHECIMENTO (1).pdf
FISIOLOGIA DO ENVELHECIMENTO (1).pdfFISIOLOGIA DO ENVELHECIMENTO (1).pdf
FISIOLOGIA DO ENVELHECIMENTO (1).pdf
 
Biologia Do Envelhecimento
Biologia Do EnvelhecimentoBiologia Do Envelhecimento
Biologia Do Envelhecimento
 
Patologias abdominais
Patologias abdominaisPatologias abdominais
Patologias abdominais
 
Envelhecimento populacional
Envelhecimento populacionalEnvelhecimento populacional
Envelhecimento populacional
 
Envelhecimento saudável
Envelhecimento saudávelEnvelhecimento saudável
Envelhecimento saudável
 
Climatério e PF 2017
Climatério e PF 2017Climatério e PF 2017
Climatério e PF 2017
 
Envelhecer com qualidade de vida
Envelhecer com qualidade de vidaEnvelhecer com qualidade de vida
Envelhecer com qualidade de vida
 
As doenças reumáticas e seu impacto na saúde
As doenças reumáticas e seu impacto na saúdeAs doenças reumáticas e seu impacto na saúde
As doenças reumáticas e seu impacto na saúde
 

Mais de Natha Fisioterapia (20)

Semiologia ortopedica 0
Semiologia ortopedica 0Semiologia ortopedica 0
Semiologia ortopedica 0
 
Paralisia cerebral
Paralisia cerebralParalisia cerebral
Paralisia cerebral
 
Manuseios
ManuseiosManuseios
Manuseios
 
Fisio pediatria enfermidades-infano_juvenis
Fisio pediatria   enfermidades-infano_juvenisFisio pediatria   enfermidades-infano_juvenis
Fisio pediatria enfermidades-infano_juvenis
 
Dnpm
DnpmDnpm
Dnpm
 
Avaliaçao neo
Avaliaçao neoAvaliaçao neo
Avaliaçao neo
 
Avaliacao fisica completa do neonato
Avaliacao fisica completa do neonatoAvaliacao fisica completa do neonato
Avaliacao fisica completa do neonato
 
Internação
InternaçãoInternação
Internação
 
Exercicios de fortalecimento em idosos
Exercicios de fortalecimento em idososExercicios de fortalecimento em idosos
Exercicios de fortalecimento em idosos
 
Estatudo do idoso
Estatudo do idosoEstatudo do idoso
Estatudo do idoso
 
Atendimento domiciliar ao idoso problema ou solucao
Atendimento domiciliar ao idoso  problema ou solucaoAtendimento domiciliar ao idoso  problema ou solucao
Atendimento domiciliar ao idoso problema ou solucao
 
Sarcopenia
SarcopeniaSarcopenia
Sarcopenia
 
Escoliose
EscolioseEscoliose
Escoliose
 
Complexo articular do ombro
Complexo articular do ombroComplexo articular do ombro
Complexo articular do ombro
 
Articulação têmporomandibular
Articulação têmporomandibularArticulação têmporomandibular
Articulação têmporomandibular
 
Ventiladores pulmonares
Ventiladores pulmonaresVentiladores pulmonares
Ventiladores pulmonares
 
Tep
TepTep
Tep
 
Regulacao.fisiol.respiracao
Regulacao.fisiol.respiracaoRegulacao.fisiol.respiracao
Regulacao.fisiol.respiracao
 
Postura de drenagem
Postura de drenagemPostura de drenagem
Postura de drenagem
 
Pneumotorax tbc
Pneumotorax   tbcPneumotorax   tbc
Pneumotorax tbc
 

Saude do idoso

  • 1. FISIOTERAPIA EM GERONTOLOGIA E GERIATRIA A SAÚDE DO IDOSOA SAÚDE DO IDOSO Profa. Fabiana A. Silva da Cruz Fisioterapeuta Mestre em Gerontologia 2009
  • 2. INTRODUÇÃOINTRODUÇÃO O envelhecimento populacional é hoje, um proeminente fenômeno mundial. (CAMARANO, 1999) O envelhecimento populacional é hoje, um proeminente fenômeno mundial. (CAMARANO, 1999)
  • 3. Ano % No 1940 2,4 % 980.000 2020 7,7 % 16.000.000 ( Dados do IBGE ) 1 a cada 13 brasileiros será idoso, 1.950 2.025 PAÍSES CLASSIFICAÇÃO MILHÕES CLASSIFICAÇÃO MILHÕES CHINA 1o 42 1o 284 ÍNDIA 2o 32 2o 146 BRASIL 2 32 Crescimento de 760% de idosos, e 166% de jovens Pulo da 16a para 6a posição mundial. 16º 6º (GARRIDO E MENEZES, 2002)
  • 4. CURSO DE FISIOTERAPIACURSO DE FISIOTERAPIA Morbidade CURVA DE CRESCIMENTO POPULACIONAL NO BRASIL CONFORME A FAIXA ETÁRIA (1990-2002) 0 10 20 30 40 50 60 70 80 <4 5-9 10-14 15-19 20-29 30-39 40-49 50-59 60-69 70-79 >80 % Faixa etária IBGE – Censos Demográficos e Contagem Populacionaal e MS/SE/DATASUS Crescimento em valores absolutos (>60a): 4.502.545
  • 5. Morbidade França - 115 anos para duplicar a proporção de idosos Suécia - 85 anos EUA - 66 anos Brasil - 30 anos - de 7,7% em 2020 para 14,2% em 2050 - Impacto social 1 a cada 13 brasileiros será idoso. 1 a cada 13 brasileiros será idoso. CURSO DE FISIOTERAPIACURSO DE FISIOTERAPIA
  • 6. BRASIL, UM PAÍS JOVEM? BRASIL, UM PAÍS JOVEM? VELHOS: ” O futuro de ontem, a realidade de hoje”… VELHOS: ” O futuro de ontem, a realidade de hoje”…
  • 7. O crescimento da população idosa afeta diretamente o perfil da saúde pública, gerando impacto econômico e social. (ELZA BERQUÓ, comissão nacional de população e desenvolvimento,1996 ) 1.950 - Doenças infecto - contagiosas 40% dos óbitos Doenças Cárdio - vasculares 12% dos óbitos 1.950 - Doenças infecto - contagiosas 40% dos óbitos Doenças Cárdio - vasculares 12% dos óbitos 2.000 - Doenças infecto - contagiosas menos de 10% Doenças Cárdio - vasculares 40% 2.000 - Doenças infecto - contagiosas menos de 10% Doenças Cárdio - vasculares 40% CURSO DE FISIOTERAPIACURSO DE FISIOTERAPIA
  • 8. Morbidade Inquérito domiciliar, São Paulo, em 1989, com 1.600 idosos, revelou que apenas 14% dos entrevistados consideravam livres de doenças crônicas. Mudança no conceito de Saúde: autonomia e não ausência de doenças. ( RAMOS, 2003 ) CURSO DE FISIOTERAPIACURSO DE FISIOTERAPIA
  • 9. O QUE É SAÚDE ? ““SaSaúúdede éé o estado de pleno bemo estado de pleno bem estar festar fíísico, pssico, psííquico e socialquico e social e nãoe não a ausência de doena ausência de doenççaa””
  • 11. Morbidade Gerontologia é uma disciplina científica multi- interdisciplinar e, transdisciplinar, tendo como finalidade o estudo dos idosos, as características da velhice como fase final do ciclo de vida, o processo de envelhecimento e seus determinantes biopsicossociais. Papalléo Netto, 2007 CURSO DE FISIOTERAPIACURSO DE FISIOTERAPIA
  • 12. Morbidade GERONTOLOGIA:GERONTOLOGIA: A justificativa de existência da Gerontologia está relacionada a questões sociais expressivas, tais como: o aumento da expectativa de vida, a crescente demanda dos serviços de saúde para idosos e problemas epidemiológicos; a alta incidência e gastos elevados das Doenças Crônicas; a questão das desigualdades sociais,originárias do modelo econômico e das relações sociais entre os seres humanos e entre as classes sociais; o exercício pleno da cidadania e outras questões de largo alcance, não deixando dúvidas sobre o caráter interventivo da Gerontologia. CURSO DE FISIOTERAPIACURSO DE FISIOTERAPIA
  • 13. Morbidade No entanto, cabe à Gerontologia não apontar a velhice como um problema social, mas conceber essa fase de vida e suas possibilidades como resultantes de ações multidimensionais. Papalléo Netto, 2007 CURSO DE FISIOTERAPIACURSO DE FISIOTERAPIA
  • 14. Morbidade “Envelhecimento - fenômeno do processo de vida que, assim como a infância, a adolescência e a maturidade é marcado por mudanças bio-psico-socias específicas associadas a passagem do tempo”. (Viena, 1959) “Envelhecimento - fenômeno do processo de vida que, assim como a infância, a adolescência e a maturidade é marcado por mudanças bio-psico-socias específicas associadas a passagem do tempo”. (Viena, 1959) O que é envelhecimento? CURSO DE FISIOTERAPIACURSO DE FISIOTERAPIA
  • 15. Morbidade O processo de envelhecimento provoca no organismo modificações biológicas, psicológicas e sociais; porém é na velhice que esse processo aparece de forma mais evidente. As modificações biológicas são as morfológicas, reveladas por aparecimento de rugas, cabelos brancos e outras; as fisiológicas, relacionadas às alterações das funções orgânicas; as bioquímicas estão diretamente ligadas às transformações das reações químicas que se processam no organismo. CURSO DE FISIOTERAPIACURSO DE FISIOTERAPIA
  • 16. Morbidade As modificações psicológicas ocorrem quando, ao envelhecer, o ser humano precisa adaptar-se a cada situação nova do seu cotidiano. Já as modificações sociais são verificadas quando as relações sociais tornam-se alteradas em função da diminuição da produtividade e, principalmente, do poder físico e econômico, sendo a alteração social mais evidente em países de economia capitalista. CURSO DE FISIOTERAPIACURSO DE FISIOTERAPIA
  • 17. Morbidade “...Nós vivemos da morte de nossas células, sendo a vida o que resiste à morte. Para resistir, porém, ela utiliza justamente a morte e, sendo assim, esse antagonismo fundamental comporta uma certa colaboração por parte da vida.” Fórmula de Heráclito viver da morte, morrer de vida. CURSO DE FISIOTERAPIACURSO DE FISIOTERAPIA
  • 18. Envelhecemos todos iguais ?Envelhecemos todos iguais ? 62 anos62 anos 91 anos91 anos
  • 19. O TEMPOO TEMPO Cronológico: mensurável pelo ponteiro do relógio. Biológico : parâmetros de ordem morfológica, funcional e psicológica.
  • 20. AlteraAlteraçções devidasões devidas àà idadeidade MORBIDADES E MORTALIDADE MORBIDADES EMORBIDADES E MORTALIDADEMORTALIDADE DegeneraDegeneraççãoão osteoarticularosteoarticular FraquezaFraqueza muscularmuscular DisfunDisfunçção doão do Sistema nervosoSistema nervoso InsuficiênciaInsuficiência circulatcirculatóóriaria DiminuiDiminuiçção da mobilidadeão da mobilidade Perda de seguranPerda de seguranççaa -- receio de cairreceio de cair -- Aumento da suscetibilidadeAumento da suscetibilidade ààs quedass quedas Fraturas e imobilidade ainda maiorFraturas e imobilidade ainda maior
  • 21. PRINCIPAIS ALTERAÇÕES ANATÔMICAS “PROCESSO DE ENVELHECER”““PROCESSO DE ENVELHECERPROCESSO DE ENVELHECER”” Nível Antropométrico:Nível Antropométrico: A estatura começa a diminuir a partir dos 40 anos cerca de 1cm por década; A estatura começa a diminuir a partir dos 40 anos cerca de 1cm por década; Aumento das curvaturas da coluna;Aumento das curvaturas da coluna; Os diâmetros da caixa torácica e do crânio tendem a aumentar;Os diâmetros da caixa torácica e do crânio tendem a aumentar; O teor total de água do corpo diminuir por perda de água intracelular.O teor total de água do corpo diminuir por perda de água intracelular.
  • 22.
  • 23. Ocorre uma diminuição da elasticidade – origem das rugas; Ocorre uma diminuição da elasticidade – origem das rugas; As glândulas sudoríparas e sebáceas diminuem - pele seca e áspera; As glândulas sudoríparas e sebáceas diminuem - pele seca e áspera; No idoso diminui o número de melanócitos e de alças capilares - aspecto mais pálido a pele. No idoso diminui o número de melanócitos e de alças capilares - aspecto mais pálido a pele. “PROCESSO DE ENVELHECER”““PROCESSO DE ENVELHECERPROCESSO DE ENVELHECER””
  • 24. SISTEMA NERVOSO CENTRALSISTEMA NERVOSO CENTRAL - redução de 5 à 10% do peso do encéfalo; - aumento dos sulcos; - aumento do tamanho dos ventrículos; - perda de 50.000 à 100.000 neurônios por dia, a partir dos 50 anos - presença de placas senis *neocórtex temporal e frontal, * hipocampo e área hipocampal. - redução de 5 à 10% do peso do encéfalo; - aumento dos sulcos; - aumento do tamanho dos ventrículos; - perda de 50.000 à 100.000 neurônios por dia, a partir dos 50 anos - presença de placas senis *neocórtex temporal e frontal, * hipocampo e área hipocampal. ““PROCESSO DE ENVELHECERPROCESSO DE ENVELHECER”” ↓ da agilidade, da coordenação, do equilíbrio, da flexibilidade e mobilidade articular marcha alterada - propensão a quedas. ↓ da agilidade, da coordenação, do equilíbrio, da flexibilidade e mobilidade articular marcha alterada - propensão a quedas.
  • 25. Alterações da sensibilidadeAlterações da sensibilidade - O limiar para a dor aumenta - A sensibilidade dolorosa cutânea e visceral diminui. - Diminuição da densidade dos receptores periféricos, ou, deficiência no sistema de transmissão das sinapses centrais. - O limiar para a dor aumenta - A sensibilidade dolorosa cutânea e visceral diminui. - Diminuição da densidade dos receptores periféricos, ou, deficiência no sistema de transmissão das sinapses centrais. * SENSIBILIDADE AUDITIVA - - hipoacusia; - tolerância a grandes ruídos. * SENSIBILIDADE AUDITIVA - - hipoacusia; - tolerância a grandes ruídos. * SENSIBILIDADE VISUAL - - presbiopia : desnaturação de proteínas; - degeneração da retina - acuidade visual. * SENSIBILIDADE VISUAL - - presbiopia : desnaturação de proteínas; - degeneração da retina - acuidade visual.
  • 26. Sistema ósteo-muscular:Sistema ósteo-muscular: - Diminuição do sistema colinérgico da excitabilidade do músculo - Perda de cálcio na matriz óssea; - Diminuição da espessura do osso compacto - reabsorção óssea interna; (osteoporose) - Perda de 10% a 20% da força muscular; - Maior índice de fadiga muscular; - Diminuição do tamanho e número das fibras musculares; - Diminuição da capacidade de regeneração; - Aumento da rigidez da cartilagem, dos ligamentos e dos tendões.
  • 27. ALTERAÇÕES DO SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMOALTERAÇÕES DO SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO - retenção ou incontinência urinária; ( tônus muscular ou alt. em nível medular ) - constipação ou diarréia; ( alt. do controle parassimpático ) - hipotermia; ( do metabolismo e alt. dos reflexos termorreguladores e da densidade dos receptores periféricos e hipotalâmicos ) - alterações do sono e do sistema límbico. ( catabolismo da serotonina ) . - retenção ou incontinência urinária; ( tônus muscular ou alt. em nível medular ) - constipação ou diarréia; ( alt. do controle parassimpático ) - hipotermia; ( do metabolismo e alt. dos reflexos termorreguladores e da densidade dos receptores periféricos e hipotalâmicos ) - alterações do sono e do sistema límbico. ( catabolismo da serotonina ) .
  • 28. Estatísticas • Segundo a OMS, após os 70 anos, 30% dos idosos são portadores de alguma patologia crônica. • Desses, cerca de 50% têm algum tipo de limitação ou incapacidade física.
  • 30. PÓS-GRADUAÇÃOPÓS-GRADUAÇÃO Morbidade IINCONTINÊNCIANCONTINÊNCIA Perda de urina e fezes involuntariamente. Ameaça à dignidade das pessoas. A incontinência não costuma motivar a curiosidade médica. Perda de urina e fezes involuntariamente. Ameaça à dignidade das pessoas. A incontinência não costuma motivar a curiosidade médica.
  • 31. Morbidade Incontinência Urinária: Repercussão na vida social e no psicológico do idoso Afeta 30% de indivíduos idosos da comunidade. 50% de institucionalizados Alto custo Pode ser tratada desde que a causa seja pesquisada. Incontinência Urinária: Repercussão na vida social e no psicológico do idoso Afeta 30% de indivíduos idosos da comunidade. 50% de institucionalizados Alto custo Pode ser tratada desde que a causa seja pesquisada. CURSO DE FISIOTERAPIACURSO DE FISIOTERAPIA
  • 32. Morbidade “AINDA QUE O SUCESSO TERAPÊUTICO SEJA LIMITADO, É MELHOR DO QUE A ALTERNATIVA RESULTANTE DA IGNORÂNCIA DIAGNÓSTICA E TERAPÊUTICA.” Renato Maia Guimarães Sinais e Sintomas em Geriatria “AINDA QUE O SUCESSO TERAPÊUTICO SEJA LIMITADO, É MELHOR DO QUE A ALTERNATIVA RESULTANTE DA IGNORÂNCIA DIAGNÓSTICA E TERAPÊUTICA.” Renato Maia Guimarães Sinais e Sintomas em Geriatria CURSO DE FISIOTERAPIACURSO DE FISIOTERAPIA
  • 33. Morbidade IIMOBILIDADEMOBILIDADE Incapacidade de se deslocar sem o auxílio de outra pessoa, com a finalidade de atender às necessidades da vida diária. A imobilização é caracterizada por sinais e sintomas que terminam por perpetuar a dependência e favorecer complicações. Efeito dominó das complicações. O tratamento isolado se torna um equívoco. Incapacidade de se deslocar sem o auxílio de outra pessoa, com a finalidade de atender às necessidades da vida diária. A imobilização é caracterizada por sinais e sintomas que terminam por perpetuar a dependência e favorecer complicações. Efeito dominó das complicações. O tratamento isolado se torna um equívoco. CURSO DE FISIOTERAPIACURSO DE FISIOTERAPIA
  • 34.
  • 35.
  • 36.
  • 37. Morbidade IINSUFICIÊNCIA COGNITIVANSUFICIÊNCIA COGNITIVA OS 3 “D”OS 3 “D” DELIRIUM DEMÊNCIA DEPRESSÃO CURSO DE FISIOTERAPIACURSO DE FISIOTERAPIA
  • 38. • “... após os 60 anos há um declínio perceptível na capacidade cognitiva (memorização e concentração) porque a velocidade do sistema nervoso começa a decrescer. Verifica-se que a capacidade intelectual do idoso sofre influência da falta de motivação e dos bloqueios psíquicos. É necessário que as pessoas idosas sejam estimuladas para adquirirem novos conhecimentos e colocá-los em prática...” LIMA (2000, p.39) MEMÓRIA
  • 39. • “... é possível pelo menos em parte, que a falta de prática das habilidades mentais provoque um declínio nos sistemas neuronais pelo desuso. Os idosos ante uma atividade intelectual intensa têm melhor memória do que aqueles que se encontram inativos. Instiga-se que a melhor estratégia para manter ou recuperar a memória seja usá-la e treiná-la, tanto através de atividades culturais quanto de jogos que facilitam o desenvolvimento da memória.” STUART-HAMILTON (2002, p. 102 e 104) * Estudo Longitudinal - Freiras
  • 40. Morbidade IINSTABILIDADE POSTURALNSTABILIDADE POSTURAL E QUEDASE QUEDAS Falta de equilíbrio – medo de cair. A queda deve ser considerada como um “sintoma” em Geriatria . Aumento expressivo da mortalidade em idosos que caem. A Fisioterapia apresenta uma proposta de intervenção bastante eficaz na prevenção de quedas – melhora da postura, da marcha, massa muscular e flexibilidade. Falta de equilíbrio – medo de cair. A queda deve ser considerada como um “sintoma” em Geriatria . Aumento expressivo da mortalidade em idosos que caem. A Fisioterapia apresenta uma proposta de intervenção bastante eficaz na prevenção de quedas – melhora da postura, da marcha, massa muscular e flexibilidade. CURSO DE FISIOTERAPIACURSO DE FISIOTERAPIA
  • 41.
  • 42.
  • 43. Morbidade IIATROGENIAATROGENIA O conceito de iatrogenia não deve ser restrito apenas à prescrição de medicamentos ou à realização de procedimentos. Também por omissão em propor medidas ou a não intervenção em problemas que possam ser suprimidos o atenuados. Privação da reabilitação física. IATROGENIA DA PALAVRA. O conceito de iatrogenia não deve ser restrito apenas à prescrição de medicamentos ou à realização de procedimentos. Também por omissão em propor medidas ou a não intervenção em problemas que possam ser suprimidos o atenuados. Privação da reabilitação física. IATROGENIA DA PALAVRA. CURSO DE FISIOTERAPIACURSO DE FISIOTERAPIA
  • 44. Morbidade “Os erros costumam ser cometidos justamente por aqueles que não hesitam em caracterizar como senilidade toda e qualquer condição ou manifestação clínica que não lhes seja familiar.” “Os erros costumam ser cometidos justamente por aqueles que não hesitam em caracterizar como senilidade toda e qualquer condição ou manifestação clínica que não lhes seja familiar.” CURSO DE FISIOTERAPIACURSO DE FISIOTERAPIA
  • 45. QUAL É O MAIOR MEDO DOS IDOSOS?QUAL É O MAIOR MEDO DOS IDOSOS? Doença ? Dor ? Morte ?
  • 46. Perda da Independência Tornar-se um peso para outros Perda da Independência Tornar-se um peso para outros
  • 47. FISIOTERAPIAFISIOTERAPIAFISIOTERAPIA A promoção e a atenção à saúde do idoso englobam medidas: -PREVENTIVAS -RESTAURADORAS -REABILITADORAS A promoção e a atenção à saúde do idoso englobam medidas: -PREVENTIVAS -RESTAURADORAS -REABILITADORAS MOVIMENTO HUMANO FUNCIONALIDADE MOVIMENTO HUMANO FUNCIONALIDADE
  • 48. “...a Promoção da Saúde do Idoso deve estar a cargo de uma equipe interdisciplinar”. (OPAS)
  • 49. ... Adicionar qualidade de vida aos anos que já foram adicionados!!! (Nações Unidas)
  • 50. O OBJETIVO FINAL DE TODAS AS INTERVENÇÕES FISIOTERAPÊUTICAS NO IDOSO E O DE RESTAURAR OU MANTER O MAIS ALTO NIVEL FUNCIONAL.
  • 51. Atuação do Fisioterapeuta dentro da equipe multiprofissional Atuação do Fisioterapeuta dentro da equipe multiprofissional Prescrever e supervisionar a pratica de exercícios físicos – amplitude articular, força muscular, coordenação e relaxamento Enfocar a melhora da capacidade funcional – equilíbrio, translados e marcha Prescrever o uso de dispositivos auxiliares e de proteção – bengalas, andadores, órteses, palmilhas Tratamento da dor aguda ou crônica Uso das modalidades terapêuticas – estimulação elétrica, ultra-som, laser, diatermia Instrução aos cuidadores – posicionamento, medidas preventivas, transferências
  • 52. * Prática de exercícios Físicos* Prática de exercícios Físicos - retardam as atrofias e degenerações, - metabolismo celular, - previne complicações secundárias à imobilização, - melhora a flexibilidade equilíbrio reduz quedas, - manutenção e preservação da capacidade para as AVDs. - aumenta a auto - estima , - diminui a depressão - retardam as atrofias e degenerações, - metabolismo celular, - previne complicações secundárias à imobilização, - melhora a flexibilidade equilíbrio reduz quedas, - manutenção e preservação da capacidade para as AVDs. - aumenta a auto - estima , - diminui a depressão
  • 53. CONDIÇÕES FISICASCONDIÇÕES FISICAS 1- Audição 2- Visão 3- Comunicação / Fala 4- Dentes 5- Alimentação / Deglutição 6- Peso 7- Cuidados com os pés 8- Cuidados com a pele 9- Função Urinária 12- Funções intestinais 13- Dor / desconforto 14- Problemas articulares 15- Distúrbios motores 16- Aparelho circulatório 17- Aparelho respiratório 18- Outros 11- Paralisias / sensibilidade 10- Amplitude dos movimentos
  • 54. EXAME FÍSICOEXAME FÍSICO Aspecto Geral Postura Motricidade Força Muscular Sinais neurológicos Relação da dor com os dermátomos Sistema sômato-sensorial Reflexos Equilíbrio Marcha Cognitivo Papel da dor nas AVDs e AIVDs História de câncer
  • 55. UM GRANDE DESAFIO DA EQUIPE INTERDISCIPLINAR… VISÃO HOLÍSTICA DO IDOSO PROMOÇÃO À SAÚDE
  • 56. Formas de promoção da saúde do idoso Aumentar a reserva funcional Orientações específicas para o idoso. Prevenir traumas e acidentes. Mudança de hábitos. Evitar ou postergar a manifestação clínica das doenças. Controlar as doenças existentes. Atitudes em prol da cidadania e da inserção social.
  • 57. Resumindo… O Processo de envelhecimento é um fenômeno mundial. Isto implica para nós, uma mudança no perfil da saúde do brasileiro. O envelhecimento não é uma doença!! E mesmo na presença de doenças crônicas, não quer dizer que o idoso não tenha saúde.
  • 58. O que importa é a funcionalidade e a independência do idoso para uma melhor qualidade de vida. O maior medo não é morrer, mas perder independência e virar um peso. A perda da função implica em mortalidade hospitalar, asilamento, interferência na qualidade de vida e custo de saúde.
  • 59. ““ O Processo do envelhecimento assim como a morteO Processo do envelhecimento assim como a morte são etapas inevitsão etapas inevitááveis da cronologia da Vida. A situaveis da cronologia da Vida. A situaççãoão que cada sujeito chegarque cada sujeito chegaráá atatéé elaela éé queque éé varivariáável evel e passpassíível de interferência.vel de interferência. ““
  • 60. De bem comigo! De bem com os outros! De bem com a vida! De bem comigo! De bem com os outros! De bem com a vida!