SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 24
GOTA 
E 
ARTROSE
GOTA
CONCEITO 
 A artrite gotosa ou simplesmente gota é uma doença 
inflamatória que é causada pelo excesso de ácido 
úrico no sangue ocasionando muita dor nas 
articulações. 
 O primeiro sintoma da gota é o inchaço e a dor na 
articulação quando movimentada, geralmente a mais 
afetada é a do dedão do pé, que fica dolorido 
principalmente ao caminhar. Ela é ocasionada por 
uma dieta irregular. 
 Popularmente é chamada de reumatismo dos pés. 
85% dos casos ocorre em homens
ESTÁGIOS DA GOTA 
 A Gota é responsável por aproximadamente 5% de todos os 
casos de artrite e pode progredir em quatro estágios: 
1-Hiperuricemia Assintomática: Nesse estágio a pessoa tem 
níveis elevados de ácido úrico no sangue (hiperuricemia), mas 
nenhum outro sintoma. Geralmente não é preciso tratamento. 
2- Gota aguda: Nesse estágio a hiperuricemia causou o depósito 
de cristais de ácido úrico nos espaços das articulações. Isso 
ocasiona súbito ataque de dor intensa e inchaço nas articulações, as 
quais podem ficar quentes e bem sensíveis. Um ataque agudo 
geralmente ocorre de noite e pode ser engatilhado por eventos 
estressantes, álcool, drogas ou presença de outra doença. Os 
ataques de gota aguda geralmente somem depois de 3 a 10 dias, 
mesmo sem tratamento, e o próximo ataque pode não acontecer por 
meses ou até anos. Porém, como o tempo, os ataques de gota aguda 
podem durar mais e ocorrer mais frequentemente.
3- Gota intercrítica: Esse é o período entre os 
ataques agudos. Nesse estágio a pessoa não 
apresenta sintomas. 
4- Gota tofácea crônica: Esse é o estágio mais 
incapacitante da gota. Ele geralmente se 
desenvolve durante um longo período, como 10 
anos. Nesse estágio, a doença pode causar dano 
permanente às articulações afetadas e algumas 
vezes aos rins. Como tratamento apropriado, a 
maioria das pessoas com gota não progride até esse 
estágio.
SINTOMAS 
 Dor intensa na articulação (em geral, no pé) que 
dura alguns dias e piora quando a pessoa se 
movimenta. 
 Sinais de inflamação na articulação como 
aumento da temperatura e vermelhidão. 
 Depois de algum tempo esta dor pode ocorrer 
em outras articulações do corpo, e se não houver 
tratamento, o indivíduo pode ter o 
comprometimento de todas as articulações.
CAUSAS 
 Excesso de ácido úrico no sangue, que se deposita nas 
articulações e tendões provocando inflamações 
 Uso inadequado de medicamentos 
 Uso exagerado de diuréticos 
 Abuso do álcool 
 Consumo exagerado de alimentos ricos em proteínas 
como as carnes vermelhas, miúdos, frutos do mar e 
leguminosas (ervilhas, feijão, lentilha ...) 
 Infecção 
 Genética. Em torno de 20% das pessoas com gota 
tem histórico familiar da doença
Exposição ao chumbo. Em alguns casos, 
exposição ao chumbo no ambiente pode 
causar gota 
Insuficiência renal 
Pressão alta 
 Hipotireoidismo 
Psoríase 
 Anemia hemolítica 
Alguns tipos de câncer
TRATAMENTO 
 O tratamento é feito com medicamentos que 
tenham o objetivo de baixar a concentração de 
ácido úrico no sangue, fisioterapia para tratar as 
articulações afetadas e uma dieta especial onde 
exclui-se as carnes vermelhas e outras fontes de 
proteína e a cerveja. 
 O tratamento mais comum para ataques agudos de 
gota são antiinflamatórios não-esteroides tomados 
oralmente, ou corticosteroides orais ou injetados na 
articulação afetada.
OBJETIVO DO TRATAMENTO 
O objetivo do tratamento é aliviar a dor 
associada a ataques agudos, prevenir futuros ataques, e 
prevenir a formação de gota tofácea e de pedras nos 
rins. O tratamento bem sucedido pode reduzir o 
desconforto causado pelos sintomas da gota, assim 
como diminuir os danos a longo prazo das articulações 
afetadas.
CONSEQUÊNCIAS DA GOTA 
 Se a gota não for devidamente tratada pode 
haver consequências como deformações nas 
articulações dos cotovelos, dedos, dorso das 
mãos, pés ou em qualquer outra articulação, 
como também em tendões, Bursa ou cartilagem. 
 Pode haver ainda um grave comprometimento 
do sistema renal havendo acumulo de cristais de 
cálcio e consequente pedra nos rins.
INTERVENÇÃO DA TERAPIA OCUPACIONAL 
O terapeuta ocupacional tem como função avaliar, 
tratar e habilitar os indivíduos com disfunção física 
condicionada pela patologia reumatológica. Atua na 
prevenção das incapacidades permitindo o máximo de 
independência nas suas ocupações do dia a dia. Para tal 
recorre ao uso de técnicas terapêuticas especificas para 
mão, execução de órteses, treino de atividades diárias, 
tratamento para melhora dos sintomas e diminuir as 
dores, atividades físicas, uso de calçados adaptados 
evitando dor ou inchaço, orientação na alimentação, uso 
de bengalas para proteger as articulações contribuindo 
para a segurança e estabilidade do sujeito.
ARTROSE
CONCEITO 
 A artrose também chamada de osteoartrite, 
osteoartrose ou artrite degenerativa. 
 É um processo onde há degeneração da cartilagem. 
 Nas fases inicias da artrose a cartilagem torna-se 
mais áspera, aumentando o atrito durante a 
movimentação da articulação. 
 A artrose grave surge quando a cartilagem é 
completamente destruída, fazendo com que o atrito 
entre os dois ossos cause desgaste dos mesmos.
OS PRINCIPAIS FATORES DE RISCO PARA ARTROSE SÃO: 
- Idade 
- Sexo feminino 
- Obesidade 
- Não ter osteoporose (ossos fortes na velhice aumentam o risco de artrose) 
- Ocupação (trabalhos que forcem as articulações cronicamente) 
- Atividades desportivas de alto impacto 
- Traumas nas articulações 
- Doenças musculares 
- Predisposição genética 
- Deformidades ósseas 
- Diabetes Mellitus
MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS 
 A principal manifestação clínica é a dor articular. 
 Os sintomas iniciais desenvolvem-se de forma 
discreta e mal definida, passando despercebidos 
na maioria da vezes. 
 Neste início, a dor pode se manifestar como um 
"dolorimento" articular de curta duração, ou 
como a sensação de juntas "pesadas" ou ainda 
como uma "agulhada" ou "ferroada" passageira. 
 A dor inicialmente piora com o início dos 
movimentos e aos esforços, e com a evolução 
pode ocorrer até em repouso.
Quando acomete as mãos, os pacientes relatam 
perda da habilidade manual e da força de 
preensão. 
Ao exame físico são encontrados alargamento 
articular com dor à palpação, aumento da 
temperatura articular, limitação do movimento 
articular, instabilidade ligamentar e bloqueio da 
articulação.
TRATAMENTO 
 Tem como objetivo o alívio da dor e a manutenção da 
função articular. 
 As medidas não-farmacológicas: fisioterapia, a 
prescrição de exercícios terapêuticos e o treinamento 
de cuidadores. 
 A fisioterapia tem como objetivo melhorar a força 
muscular, manter ou melhorar a amplitude de 
movimento, melhorando a função. 
 O uso de joelheiras é recomendado quando há queixa 
de insegurança, para melhorar o padrão da marcha e 
aumentar a atividade física dos pacientes.
Tratamento farmacológico: os analgésicos são a 
primeira escolha, usando o Acetaminofeno, 4g ao 
dia. O tratamento local é feito com medicamento 
analgésico ou antiinflamatório tópico, 
principalmente na osteoartrose das mãos.
INTERVENÇÃO DA TERAPIA OCUPACIONAL 
 Devido à dor e perda de mobilidade, tem um grande 
impacto na qualidade de vida e participação 
ocupacional do sujeito, afetado tanto, aspectos físicos, 
como psicossociais. 
 Ao terapeuta ocupacional compete a tarefa de análise 
das atividades de vida diária, instrumentais, educação, 
lazer e participação social, apropriando ou adequando 
a execução de tarefas da melhor forma possível, 
respeitando seus valores e limitações e proporcionando 
sua independência e qualidade de vida.
EXEMPLOS 
 Ao segurar ou levantar um prato ou bandeja, coloque as palmas 
das mãos por baixo; 
 Ao ler livros e jornais, não os segure nem aperte com os 
polegares; 
 Use talheres com cabos mais grossos ou amplie as alças de facas e 
outros utensílios com tubos de espuma. Cabos maiores são mais 
fáceis de segurar; 
 Ao cortar algo com faca, pegue-a com as duas mãos para ter mais 
força e segurança. Ou tente usar um cortador; 
 Ao manipular ingredientes no preparo de alimentos, não prenda a 
colher com o polegar. Em vez disso, segure-a na palma da mão 
com os dedos enrolados em torno do punho; 
 Ao escovar os dentes e pentear-se, segure a escova com todos os 
dedos; 
 Lubrifique as fechaduras mais difíceis ou peça a um chaveiro para 
trocá-las;
Ao escrever, use uma caneta mais grossa ou emborrachada; 
Sempre que possível, utilize aparelhos elétricos, como abridor de 
latas, escova de dentes e chave de fenda; 
As órteses são instrumentos que auxiliam em alguns afazeres 
diários como digitar, pegar escovas de dente, ferro de passar 
roupa, etc. Além de proporcionar um conforto, também é 
considerada uma moderna forma de tratamento, já que aumenta 
a mobilidade adequando os desvios e contraturas articulares.
REFERÊNCIAS 
 http://reumatorj.com.br/doencas/artrose.htm 
 http://www.medfoco.com.br/artrose-osteoartrose-osteoartrite 
 http://www.osteoartrose.com.br/op_caracteristicas.php 
 http://odenvelhecimento.blogspot.com.br/2009/01/inte 
rveno-da-terapia-ocupacional-na.html 
 http://g1.globo.com/bemestar/noticia/2012/04/artrite-e-artrose- 
atingem-articulacoes-do-corpo-e-podem-ser-geneticas. 
html 
 http://www.reumatoguia.com.br/interna.php?cat=108& 
id=886&menu=108
 http://www.reumatoguia.com.br/interna.php?cat=26&i 
d=122&menu=26 
 https://www.facebook.com/permalink.php?id=1355806 
86592900&story_fbid=436197429769076 
 http://www.clinicagoldenberg.com.br/ 
 https://www.youtube.com/watch?v=-89WwiX148c

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Exame neurológico coluna lombar
Exame neurológico coluna lombarExame neurológico coluna lombar
Exame neurológico coluna lombarGiancarlo Ciongoli
 
Aula de exame fisico do cotovelo e epicondilite
Aula de exame fisico do cotovelo e epicondiliteAula de exame fisico do cotovelo e epicondilite
Aula de exame fisico do cotovelo e epicondiliteMauricio Fabiani
 
Lombociatalgia e cervicobraquialgia
Lombociatalgia e cervicobraquialgiaLombociatalgia e cervicobraquialgia
Lombociatalgia e cervicobraquialgiapauloalambert
 
Sinais meningorradiculares 18
Sinais meningorradiculares 18Sinais meningorradiculares 18
Sinais meningorradiculares 18pauloalambert
 
Exame físico membros inferiores
Exame físico membros inferiores Exame físico membros inferiores
Exame físico membros inferiores Paulo Alambert
 
Semiologia 07 reumatologia - semiologia reumatológica pdf
Semiologia 07   reumatologia - semiologia reumatológica pdfSemiologia 07   reumatologia - semiologia reumatológica pdf
Semiologia 07 reumatologia - semiologia reumatológica pdfJucie Vasconcelos
 
Assistência de enfermagem ao paciente com IAM com SST: estudo de caso
Assistência de enfermagem ao paciente com IAM com SST: estudo de casoAssistência de enfermagem ao paciente com IAM com SST: estudo de caso
Assistência de enfermagem ao paciente com IAM com SST: estudo de casoresenfe2013
 
Síndrome do Desfiladeiro Torácico
Síndrome do Desfiladeiro TorácicoSíndrome do Desfiladeiro Torácico
Síndrome do Desfiladeiro TorácicoMel Medina
 
Anamnese e-exame-fisico
Anamnese e-exame-fisicoAnamnese e-exame-fisico
Anamnese e-exame-fisicoGermano Silva
 
Sintomas e exame físico do aparelho urinário
Sintomas e exame físico do aparelho urinário Sintomas e exame físico do aparelho urinário
Sintomas e exame físico do aparelho urinário Paulo Alambert
 
A insuficência renal e assistência de enfermagem
A insuficência renal e assistência de enfermagem A insuficência renal e assistência de enfermagem
A insuficência renal e assistência de enfermagem Cleiton Ribeiro Alves
 

Mais procurados (20)

Exame neurológico coluna lombar
Exame neurológico coluna lombarExame neurológico coluna lombar
Exame neurológico coluna lombar
 
Aula de exame fisico do cotovelo e epicondilite
Aula de exame fisico do cotovelo e epicondiliteAula de exame fisico do cotovelo e epicondilite
Aula de exame fisico do cotovelo e epicondilite
 
Lombociatalgia e cervicobraquialgia
Lombociatalgia e cervicobraquialgiaLombociatalgia e cervicobraquialgia
Lombociatalgia e cervicobraquialgia
 
Artrite reumatóide
Artrite reumatóideArtrite reumatóide
Artrite reumatóide
 
Nós Cirúrgicos
Nós CirúrgicosNós Cirúrgicos
Nós Cirúrgicos
 
Sinais meningorradiculares 18
Sinais meningorradiculares 18Sinais meningorradiculares 18
Sinais meningorradiculares 18
 
Modulo 10
Modulo 10Modulo 10
Modulo 10
 
Exame neurológico
Exame neurológicoExame neurológico
Exame neurológico
 
Exame físico membros inferiores
Exame físico membros inferiores Exame físico membros inferiores
Exame físico membros inferiores
 
Joelho
JoelhoJoelho
Joelho
 
Semiologia 07 reumatologia - semiologia reumatológica pdf
Semiologia 07   reumatologia - semiologia reumatológica pdfSemiologia 07   reumatologia - semiologia reumatológica pdf
Semiologia 07 reumatologia - semiologia reumatológica pdf
 
Assistência de enfermagem ao paciente com IAM com SST: estudo de caso
Assistência de enfermagem ao paciente com IAM com SST: estudo de casoAssistência de enfermagem ao paciente com IAM com SST: estudo de caso
Assistência de enfermagem ao paciente com IAM com SST: estudo de caso
 
Doença Degenerativa Articular
Doença Degenerativa ArticularDoença Degenerativa Articular
Doença Degenerativa Articular
 
Síndrome do Desfiladeiro Torácico
Síndrome do Desfiladeiro TorácicoSíndrome do Desfiladeiro Torácico
Síndrome do Desfiladeiro Torácico
 
Traumatologia Ortopédica
Traumatologia OrtopédicaTraumatologia Ortopédica
Traumatologia Ortopédica
 
Anamnese e-exame-fisico
Anamnese e-exame-fisicoAnamnese e-exame-fisico
Anamnese e-exame-fisico
 
Traumas dos Membros Inferiores
Traumas dos Membros InferioresTraumas dos Membros Inferiores
Traumas dos Membros Inferiores
 
Sintomas e exame físico do aparelho urinário
Sintomas e exame físico do aparelho urinário Sintomas e exame físico do aparelho urinário
Sintomas e exame físico do aparelho urinário
 
Artrite reumatoide (ar)
Artrite reumatoide (ar)Artrite reumatoide (ar)
Artrite reumatoide (ar)
 
A insuficência renal e assistência de enfermagem
A insuficência renal e assistência de enfermagem A insuficência renal e assistência de enfermagem
A insuficência renal e assistência de enfermagem
 

Destaque (20)

Gota, tratamento, sinais e sintomas, prevenção
Gota, tratamento, sinais e sintomas, prevençãoGota, tratamento, sinais e sintomas, prevenção
Gota, tratamento, sinais e sintomas, prevenção
 
Gota Úrica
Gota ÚricaGota Úrica
Gota Úrica
 
Patologia estudada artrite e artrose
Patologia estudada artrite e artrosePatologia estudada artrite e artrose
Patologia estudada artrite e artrose
 
Gota
GotaGota
Gota
 
GOTA
GOTAGOTA
GOTA
 
Gota
GotaGota
Gota
 
Artose
ArtoseArtose
Artose
 
Artrose
ArtroseArtrose
Artrose
 
2012 gota e pseudogota
2012 gota e pseudogota2012 gota e pseudogota
2012 gota e pseudogota
 
Osteoartrose
Osteoartrose Osteoartrose
Osteoartrose
 
Infecções não odontogênicas_e_associadas_a o_hiv
Infecções não odontogênicas_e_associadas_a o_hivInfecções não odontogênicas_e_associadas_a o_hiv
Infecções não odontogênicas_e_associadas_a o_hiv
 
Esclerose sistêmica
Esclerose sistêmica Esclerose sistêmica
Esclerose sistêmica
 
Esclerodermia f ry
Esclerodermia f ryEsclerodermia f ry
Esclerodermia f ry
 
Aula aids 2005 ok
Aula   aids 2005 okAula   aids 2005 ok
Aula aids 2005 ok
 
Osteoartrose Na Terceira Idade
Osteoartrose Na Terceira IdadeOsteoartrose Na Terceira Idade
Osteoartrose Na Terceira Idade
 
infravermelho
infravermelhoinfravermelho
infravermelho
 
forno de bier
forno de bierforno de bier
forno de bier
 
Aula 15 Fibromialgia
Aula 15   FibromialgiaAula 15   Fibromialgia
Aula 15 Fibromialgia
 
Apresentação fibromialgia
Apresentação fibromialgiaApresentação fibromialgia
Apresentação fibromialgia
 
Radiacao ultravioleta
Radiacao ultravioletaRadiacao ultravioleta
Radiacao ultravioleta
 

Semelhante a Gota e artrose: sintomas, causas e tratamentos

Obesidade Criança e Adolescente
Obesidade Criança e AdolescenteObesidade Criança e Adolescente
Obesidade Criança e Adolescentehudsonjunior
 
Artrite 7 maneiras de reduzir a dor
Artrite 7 maneiras de reduzir a dorArtrite 7 maneiras de reduzir a dor
Artrite 7 maneiras de reduzir a dorEmpresas Com Sucesso
 
Osteoporose e Tratamento Terapêutico Ocupacional
Osteoporose e  Tratamento Terapêutico OcupacionalOsteoporose e  Tratamento Terapêutico Ocupacional
Osteoporose e Tratamento Terapêutico OcupacionalMarciane Missio
 
Artrite reumatoide - slide pronto.pptx
Artrite reumatoide - slide pronto.pptxArtrite reumatoide - slide pronto.pptx
Artrite reumatoide - slide pronto.pptxRosileneSilvaNutrici
 
câes e a Artrose, como tratar em cães
câes e a Artrose, como tratar em cãescâes e a Artrose, como tratar em cães
câes e a Artrose, como tratar em cãesPetescadas Petrampa
 
Saude homem ortopedicos_ago2010
Saude homem ortopedicos_ago2010Saude homem ortopedicos_ago2010
Saude homem ortopedicos_ago2010Bruno Franco
 
Artrite: causas, sintomas e tratamentos
Artrite: causas, sintomas e tratamentosArtrite: causas, sintomas e tratamentos
Artrite: causas, sintomas e tratamentosdarksidejean
 
Artrose na medicina tradicional chinesa e terapias complementares
Artrose na medicina tradicional chinesa e terapias complementaresArtrose na medicina tradicional chinesa e terapias complementares
Artrose na medicina tradicional chinesa e terapias complementaresSandra Casella Della Via
 
Cartilha Artrite Reumatoide
Cartilha Artrite Reumatoide Cartilha Artrite Reumatoide
Cartilha Artrite Reumatoide Priscila Torres
 
alterações do sistema esquelético OSTEOARTROSE.pptx
alterações do sistema esquelético OSTEOARTROSE.pptxalterações do sistema esquelético OSTEOARTROSE.pptx
alterações do sistema esquelético OSTEOARTROSE.pptxVictorSouza352520
 
6_-_Doencas_osteomusculares_e_quedas.pptx
6_-_Doencas_osteomusculares_e_quedas.pptx6_-_Doencas_osteomusculares_e_quedas.pptx
6_-_Doencas_osteomusculares_e_quedas.pptxGeniViana
 
Diagnóstico Diferencial das Poliartrites
Diagnóstico Diferencial das PoliartritesDiagnóstico Diferencial das Poliartrites
Diagnóstico Diferencial das Poliartritespauloalambert
 
Gonartrose - revisão bibliográfica
Gonartrose - revisão bibliográficaGonartrose - revisão bibliográfica
Gonartrose - revisão bibliográficaNay Ribeiro
 
Osgood – schlatter e condromalácia patelar
Osgood – schlatter e condromalácia patelarOsgood – schlatter e condromalácia patelar
Osgood – schlatter e condromalácia patelarnikkisilva
 

Semelhante a Gota e artrose: sintomas, causas e tratamentos (20)

Obesidade Criança e Adolescente
Obesidade Criança e AdolescenteObesidade Criança e Adolescente
Obesidade Criança e Adolescente
 
Artrite 7 maneiras de reduzir a dor
Artrite 7 maneiras de reduzir a dorArtrite 7 maneiras de reduzir a dor
Artrite 7 maneiras de reduzir a dor
 
Osteoporose e Tratamento Terapêutico Ocupacional
Osteoporose e  Tratamento Terapêutico OcupacionalOsteoporose e  Tratamento Terapêutico Ocupacional
Osteoporose e Tratamento Terapêutico Ocupacional
 
Artrite reumatoide - slide pronto.pptx
Artrite reumatoide - slide pronto.pptxArtrite reumatoide - slide pronto.pptx
Artrite reumatoide - slide pronto.pptx
 
câes e a Artrose, como tratar em cães
câes e a Artrose, como tratar em cãescâes e a Artrose, como tratar em cães
câes e a Artrose, como tratar em cães
 
Saude homem ortopedicos_ago2010
Saude homem ortopedicos_ago2010Saude homem ortopedicos_ago2010
Saude homem ortopedicos_ago2010
 
Artrite
ArtriteArtrite
Artrite
 
Artrite: causas, sintomas e tratamentos
Artrite: causas, sintomas e tratamentosArtrite: causas, sintomas e tratamentos
Artrite: causas, sintomas e tratamentos
 
Artrite reumatoide - Estudo.pptx
Artrite reumatoide - Estudo.pptxArtrite reumatoide - Estudo.pptx
Artrite reumatoide - Estudo.pptx
 
Reumatismo
ReumatismoReumatismo
Reumatismo
 
Artrose na medicina tradicional chinesa e terapias complementares
Artrose na medicina tradicional chinesa e terapias complementaresArtrose na medicina tradicional chinesa e terapias complementares
Artrose na medicina tradicional chinesa e terapias complementares
 
Cartilha Artrite Reumatoide
Cartilha Artrite Reumatoide Cartilha Artrite Reumatoide
Cartilha Artrite Reumatoide
 
alterações do sistema esquelético OSTEOARTROSE.pptx
alterações do sistema esquelético OSTEOARTROSE.pptxalterações do sistema esquelético OSTEOARTROSE.pptx
alterações do sistema esquelético OSTEOARTROSE.pptx
 
6_-_Doencas_osteomusculares_e_quedas.pptx
6_-_Doencas_osteomusculares_e_quedas.pptx6_-_Doencas_osteomusculares_e_quedas.pptx
6_-_Doencas_osteomusculares_e_quedas.pptx
 
Diagnóstico Diferencial das Poliartrites
Diagnóstico Diferencial das PoliartritesDiagnóstico Diferencial das Poliartrites
Diagnóstico Diferencial das Poliartrites
 
Gonartrose - revisão bibliográfica
Gonartrose - revisão bibliográficaGonartrose - revisão bibliográfica
Gonartrose - revisão bibliográfica
 
Tratamento artrose
Tratamento artroseTratamento artrose
Tratamento artrose
 
Osgood – schlatter e condromalácia patelar
Osgood – schlatter e condromalácia patelarOsgood – schlatter e condromalácia patelar
Osgood – schlatter e condromalácia patelar
 
Liquido Sinovial
Liquido Sinovial Liquido Sinovial
Liquido Sinovial
 
Artrite reumatoide
Artrite reumatoideArtrite reumatoide
Artrite reumatoide
 

Último

VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOBiatrizGomes1
 
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxDoutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxThye Oliver
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 anoAdelmaTorres2
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxIsabellaGomes58
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfHenrique Pontes
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfPastor Robson Colaço
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024Jeanoliveira597523
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfEditoraEnovus
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosAntnyoAllysson
 
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfangelicass1
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasCassio Meira Jr.
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAlexandreFrana33
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxBiancaNogueira42
 

Último (20)

treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppttreinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
 
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
 
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxDoutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
 
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
 

Gota e artrose: sintomas, causas e tratamentos

  • 3. CONCEITO  A artrite gotosa ou simplesmente gota é uma doença inflamatória que é causada pelo excesso de ácido úrico no sangue ocasionando muita dor nas articulações.  O primeiro sintoma da gota é o inchaço e a dor na articulação quando movimentada, geralmente a mais afetada é a do dedão do pé, que fica dolorido principalmente ao caminhar. Ela é ocasionada por uma dieta irregular.  Popularmente é chamada de reumatismo dos pés. 85% dos casos ocorre em homens
  • 4. ESTÁGIOS DA GOTA  A Gota é responsável por aproximadamente 5% de todos os casos de artrite e pode progredir em quatro estágios: 1-Hiperuricemia Assintomática: Nesse estágio a pessoa tem níveis elevados de ácido úrico no sangue (hiperuricemia), mas nenhum outro sintoma. Geralmente não é preciso tratamento. 2- Gota aguda: Nesse estágio a hiperuricemia causou o depósito de cristais de ácido úrico nos espaços das articulações. Isso ocasiona súbito ataque de dor intensa e inchaço nas articulações, as quais podem ficar quentes e bem sensíveis. Um ataque agudo geralmente ocorre de noite e pode ser engatilhado por eventos estressantes, álcool, drogas ou presença de outra doença. Os ataques de gota aguda geralmente somem depois de 3 a 10 dias, mesmo sem tratamento, e o próximo ataque pode não acontecer por meses ou até anos. Porém, como o tempo, os ataques de gota aguda podem durar mais e ocorrer mais frequentemente.
  • 5. 3- Gota intercrítica: Esse é o período entre os ataques agudos. Nesse estágio a pessoa não apresenta sintomas. 4- Gota tofácea crônica: Esse é o estágio mais incapacitante da gota. Ele geralmente se desenvolve durante um longo período, como 10 anos. Nesse estágio, a doença pode causar dano permanente às articulações afetadas e algumas vezes aos rins. Como tratamento apropriado, a maioria das pessoas com gota não progride até esse estágio.
  • 6. SINTOMAS  Dor intensa na articulação (em geral, no pé) que dura alguns dias e piora quando a pessoa se movimenta.  Sinais de inflamação na articulação como aumento da temperatura e vermelhidão.  Depois de algum tempo esta dor pode ocorrer em outras articulações do corpo, e se não houver tratamento, o indivíduo pode ter o comprometimento de todas as articulações.
  • 7. CAUSAS  Excesso de ácido úrico no sangue, que se deposita nas articulações e tendões provocando inflamações  Uso inadequado de medicamentos  Uso exagerado de diuréticos  Abuso do álcool  Consumo exagerado de alimentos ricos em proteínas como as carnes vermelhas, miúdos, frutos do mar e leguminosas (ervilhas, feijão, lentilha ...)  Infecção  Genética. Em torno de 20% das pessoas com gota tem histórico familiar da doença
  • 8. Exposição ao chumbo. Em alguns casos, exposição ao chumbo no ambiente pode causar gota Insuficiência renal Pressão alta  Hipotireoidismo Psoríase  Anemia hemolítica Alguns tipos de câncer
  • 9. TRATAMENTO  O tratamento é feito com medicamentos que tenham o objetivo de baixar a concentração de ácido úrico no sangue, fisioterapia para tratar as articulações afetadas e uma dieta especial onde exclui-se as carnes vermelhas e outras fontes de proteína e a cerveja.  O tratamento mais comum para ataques agudos de gota são antiinflamatórios não-esteroides tomados oralmente, ou corticosteroides orais ou injetados na articulação afetada.
  • 10. OBJETIVO DO TRATAMENTO O objetivo do tratamento é aliviar a dor associada a ataques agudos, prevenir futuros ataques, e prevenir a formação de gota tofácea e de pedras nos rins. O tratamento bem sucedido pode reduzir o desconforto causado pelos sintomas da gota, assim como diminuir os danos a longo prazo das articulações afetadas.
  • 11. CONSEQUÊNCIAS DA GOTA  Se a gota não for devidamente tratada pode haver consequências como deformações nas articulações dos cotovelos, dedos, dorso das mãos, pés ou em qualquer outra articulação, como também em tendões, Bursa ou cartilagem.  Pode haver ainda um grave comprometimento do sistema renal havendo acumulo de cristais de cálcio e consequente pedra nos rins.
  • 12. INTERVENÇÃO DA TERAPIA OCUPACIONAL O terapeuta ocupacional tem como função avaliar, tratar e habilitar os indivíduos com disfunção física condicionada pela patologia reumatológica. Atua na prevenção das incapacidades permitindo o máximo de independência nas suas ocupações do dia a dia. Para tal recorre ao uso de técnicas terapêuticas especificas para mão, execução de órteses, treino de atividades diárias, tratamento para melhora dos sintomas e diminuir as dores, atividades físicas, uso de calçados adaptados evitando dor ou inchaço, orientação na alimentação, uso de bengalas para proteger as articulações contribuindo para a segurança e estabilidade do sujeito.
  • 14. CONCEITO  A artrose também chamada de osteoartrite, osteoartrose ou artrite degenerativa.  É um processo onde há degeneração da cartilagem.  Nas fases inicias da artrose a cartilagem torna-se mais áspera, aumentando o atrito durante a movimentação da articulação.  A artrose grave surge quando a cartilagem é completamente destruída, fazendo com que o atrito entre os dois ossos cause desgaste dos mesmos.
  • 15. OS PRINCIPAIS FATORES DE RISCO PARA ARTROSE SÃO: - Idade - Sexo feminino - Obesidade - Não ter osteoporose (ossos fortes na velhice aumentam o risco de artrose) - Ocupação (trabalhos que forcem as articulações cronicamente) - Atividades desportivas de alto impacto - Traumas nas articulações - Doenças musculares - Predisposição genética - Deformidades ósseas - Diabetes Mellitus
  • 16. MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS  A principal manifestação clínica é a dor articular.  Os sintomas iniciais desenvolvem-se de forma discreta e mal definida, passando despercebidos na maioria da vezes.  Neste início, a dor pode se manifestar como um "dolorimento" articular de curta duração, ou como a sensação de juntas "pesadas" ou ainda como uma "agulhada" ou "ferroada" passageira.  A dor inicialmente piora com o início dos movimentos e aos esforços, e com a evolução pode ocorrer até em repouso.
  • 17. Quando acomete as mãos, os pacientes relatam perda da habilidade manual e da força de preensão. Ao exame físico são encontrados alargamento articular com dor à palpação, aumento da temperatura articular, limitação do movimento articular, instabilidade ligamentar e bloqueio da articulação.
  • 18. TRATAMENTO  Tem como objetivo o alívio da dor e a manutenção da função articular.  As medidas não-farmacológicas: fisioterapia, a prescrição de exercícios terapêuticos e o treinamento de cuidadores.  A fisioterapia tem como objetivo melhorar a força muscular, manter ou melhorar a amplitude de movimento, melhorando a função.  O uso de joelheiras é recomendado quando há queixa de insegurança, para melhorar o padrão da marcha e aumentar a atividade física dos pacientes.
  • 19. Tratamento farmacológico: os analgésicos são a primeira escolha, usando o Acetaminofeno, 4g ao dia. O tratamento local é feito com medicamento analgésico ou antiinflamatório tópico, principalmente na osteoartrose das mãos.
  • 20. INTERVENÇÃO DA TERAPIA OCUPACIONAL  Devido à dor e perda de mobilidade, tem um grande impacto na qualidade de vida e participação ocupacional do sujeito, afetado tanto, aspectos físicos, como psicossociais.  Ao terapeuta ocupacional compete a tarefa de análise das atividades de vida diária, instrumentais, educação, lazer e participação social, apropriando ou adequando a execução de tarefas da melhor forma possível, respeitando seus valores e limitações e proporcionando sua independência e qualidade de vida.
  • 21. EXEMPLOS  Ao segurar ou levantar um prato ou bandeja, coloque as palmas das mãos por baixo;  Ao ler livros e jornais, não os segure nem aperte com os polegares;  Use talheres com cabos mais grossos ou amplie as alças de facas e outros utensílios com tubos de espuma. Cabos maiores são mais fáceis de segurar;  Ao cortar algo com faca, pegue-a com as duas mãos para ter mais força e segurança. Ou tente usar um cortador;  Ao manipular ingredientes no preparo de alimentos, não prenda a colher com o polegar. Em vez disso, segure-a na palma da mão com os dedos enrolados em torno do punho;  Ao escovar os dentes e pentear-se, segure a escova com todos os dedos;  Lubrifique as fechaduras mais difíceis ou peça a um chaveiro para trocá-las;
  • 22. Ao escrever, use uma caneta mais grossa ou emborrachada; Sempre que possível, utilize aparelhos elétricos, como abridor de latas, escova de dentes e chave de fenda; As órteses são instrumentos que auxiliam em alguns afazeres diários como digitar, pegar escovas de dente, ferro de passar roupa, etc. Além de proporcionar um conforto, também é considerada uma moderna forma de tratamento, já que aumenta a mobilidade adequando os desvios e contraturas articulares.
  • 23. REFERÊNCIAS  http://reumatorj.com.br/doencas/artrose.htm  http://www.medfoco.com.br/artrose-osteoartrose-osteoartrite  http://www.osteoartrose.com.br/op_caracteristicas.php  http://odenvelhecimento.blogspot.com.br/2009/01/inte rveno-da-terapia-ocupacional-na.html  http://g1.globo.com/bemestar/noticia/2012/04/artrite-e-artrose- atingem-articulacoes-do-corpo-e-podem-ser-geneticas. html  http://www.reumatoguia.com.br/interna.php?cat=108& id=886&menu=108
  • 24.  http://www.reumatoguia.com.br/interna.php?cat=26&i d=122&menu=26  https://www.facebook.com/permalink.php?id=1355806 86592900&story_fbid=436197429769076  http://www.clinicagoldenberg.com.br/  https://www.youtube.com/watch?v=-89WwiX148c