SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 29
Baixar para ler offline
A OFERTA DE SERVIÇOS E 
O COMPORTAMENTO DOS 
PRODUTORES 
SEMINÁRIO 02 - GESTÃO HOSPITALAR EM SAÚDE 
FACULDADE DE MEDICINA/UNIC 
TURMA XXIII
A OFERTA DE SERVIÇOS E O COMPORTAMENTO DOS 
PRODUTORES 
QUAL É O 
COMPORTAMENTO DE 
UM PRESTADOR DE 
SAÚDE?
A OFERTA DE SERVIÇOS E O COMPORTAMENTO DOS 
PRODUTORES 
1. QUAL É O COMPORTAMENTO DE UM PRESTADOR DE 
SAÚDE? 
A indústria de prestação de serviços de cuidados de saúde é 
trabalho intensivo. Os prestadores de serviços de saúde são a 
personificação dos valores centrais de um sistema – eles curam e cuidam 
de pessoas, aliviam dores e sofrimento, previnem doenças e mitigam 
riscos –, sendo a ligação humana que conecta o conhecimento à ação de 
saúde. Os prestadores de serviços de saúde constituem cerca de dois 
terços da força de trabalho global na área de saúde, enquanto o terço 
restante é composto por gestores em saúde e trabalhadores de apoio.
A OFERTA DE SERVIÇOS E O COMPORTAMENTO DOS 
PRODUTORES 
Regulamentação da Participação dos Prestadores de 
Serviço no Setor de Saúde Suplementar – ANS. 
Fundamental para o equilíbrio do sistema. 
Satisfação dos beneficiários.
A OFERTA DE SERVIÇOS E O COMPORTAMENTO DOS 
Lei Federal n. 9.656 
PRODUTORES 
 I - Plano Privado de Assistência à Saúde: prestação continuada de 
serviços ou cobertura de custos assistenciais com a finalidade de garantir 
a assistência à saúde, visando a assistência médica, hospitalar e 
odontológica, a ser paga integral ou parcialmente às expensas da 
operadora contratada. 
 A assistência compreende todas as ações necessárias à prevenção da 
doença e à recuperação, à manutenção e à reabilitação da saúde, 
observados os termos desta Lei e do contrato firmado entre as partes.
A OFERTA DE SERVIÇOS E O COMPORTAMENTO DOS 
Obrigações e direitos 
PRODUTORES 
 I - o consumidor de determinada operadora, em nenhuma hipótese e sob nenhum 
pretexto ou alegação, pode ser discriminado ou atendido de forma distinta daquela 
dispensada aos clientes vinculados a outra operadora ou plano. 
 II - a marcação de consultas, exames e quaisquer outros procedimentos deve ser feita de 
forma a atender às necessidades dos consumidores, privilegiando os casos de emergência 
ou urgência, assim como as pessoas com mais de sessenta e cinco anos de idade, as 
gestantes, lactantes, lactentes e crianças até cinco anos. 
 III - a manutenção de relacionamento de contratação ou credenciamento com quantas 
operadoras de planos ou seguros privados de assistência à saúde desejar, sendo 
expressamente vedado impor contratos de exclusividade ou de restrição à atividade 
profissional.
A OFERTA DE SERVIÇOS E O COMPORTAMENTO DOS 
PRODUTORES 
COMO ELE DECIDE 
QUAIS SERVIÇOS E 
QUAIS PRODUTOS 
OFERECER?
A OFERTA DE SERVIÇOS E O COMPORTAMENTO DOS 
2. COMO ELE DECIDE QUAIS SERVIÇOS E QUAIS PRODUTOS 
OFERECER? 
O que é serviço? 
 Segundo Gronroos (1993): 
 Serviço é uma atividade ou uma série de atividades de natureza. 
 Pode acontecer durante as interações entre clientes e empregados de 
serviço e/ou recursos físicos ou bens e/ou sistemas do fornecedor de 
serviços, que é fornecida como solução ao(s) problema(s) do(s) cliente(s). 
 Para Kloter: 
 Qualquer ato ou desempenho, essencialmente intangível, que uma parte 
pode oferecer à outra. 
 Não resulta na propriedade de nada. 
 A execução de um serviço pode estar ou não ligada a um produto 
concreto. 
PRODUTORES
A OFERTA DE SERVIÇOS E O COMPORTAMENTO DOS 
PRODUTORES 
Para McCarthy & Perreault (1997): 
 Ao oferecer um serviço ao cliente, não é possível 
conservá-lo, ele precisa ser experimentado, usado ou 
consumido. 
Segundo Dias: 
 é proporcionar um benefício ao cliente.
A OFERTA DE SERVIÇOS E O COMPORTAMENTO DOS 
PRODUTORES 
 As decisões sobre quais produtos e serviços oferecer ao usuário pelos produtores são 
complexas. 
 Os serviços são produzidos e consumidos ao mesmo tempo, fazendo com que, nos 
serviços em que o cliente esteja presente, haja uma interação entre cliente e prestador. 
 O cliente também passa a fazer parte do serviço e, consequentemente, a interferir em 
sua qualidade. 
 A decisão da conduta também depende daquele que procura o profissional de saúde. 
 A decisão sobre a melhor conduta cabe ao profissional que a produz. 
 A conduta não deve ser aleatória e sem embasamento, sob pena de sofrer as devidas 
sanções, tanto por parte de seus pares no respectivo Conselho de Classe, como 
judicialmente e civilmente sendo assim o caso. 
Para diminuir a variabilidade de condutas e equilibrar demanda junto com oferta, as empresas 
prestadores de serviços em saúde podem padronizam procedimentos operacionais, medicamentos que 
devem ser prescritos, insumos e ferramentas de trabalho, aparato tecnológico disponível e treinamento aos 
seus funcionários, de modo a incentivar que todos tenham procedimentos e condutas semelhantes.
A OFERTA DE SERVIÇOS E O COMPORTAMENTO DOS 
PRODUTORES 
Os serviços públicos e privados também dispõem de mecanismos 
gestores sobre as ações e serviços de alta complexidade que são requisitados 
pelos profissionais, de modo a evitar o uso indiscriminado e desnecessário de 
procedimentos para uma situação determinada. Assim sendo, um profissional 
prestador deve embasar suas decisões e condutas para que, deste modo, 
elas venham a ser ofertadas. Um exemplo disto, são os exames de imagem, 
como a Tomografia Computadorizada que, ao ser requisitada, exige do 
profissional que a prescreveu, um relatório do quadro clínico daquele que irá 
necessitar da mesma; sob pena de não ser realizada.
A OFERTA DE SERVIÇOS E O COMPORTAMENTO DOS 
PRODUTORES 
COMO O PRESTADOR 
DE SAÚDE DECIDE 
QUAL TECNOLOGIA 
UTILIZAR?
A OFERTA DE SERVIÇOS E O COMPORTAMENTO DOS 
PRODUTORES 
3. COMO ELE DECIDE QUALTECNOLOGIA UTILIZAR? 
CONCEITO DE TECNOLOGIA EM SAÚDE 
Procedimentos 
Fármacos 
Equipamentos 
Promoção em saúde
A OFERTA DE SERVIÇOS E O COMPORTAMENTO DOS 
PRODUTORES 
CONCEITO DE AVALIAÇÃO DE 
TECNOLOGIA EM SAÚDE 
Área do conhecimento inter-disciplinar 
que estuda as implicações 
médicas, econômicas, sociais e éticas para 
desenvolvimento, difusão e uso de 
tecnologia em saúde.
A OFERTA DE SERVIÇOS E O COMPORTAMENTO DOS 
QUESITOS À ESTUDAR 
 Análise do contexto. 
 Existe um “padrão ouro” para a tecnologia em 
questão? 
 Esta tecnologia pode ser substituída por outra? Em 
quanto tempo? 
 Ampla utilização. 
 Difusão inicial. 
PRODUTORES
A OFERTA DE SERVIÇOS E O COMPORTAMENTO DOS 
Qual a eficácia e qual a efetividade? 
É seguro? 
É necessário manutenção? Quando? Onde faz? 
Público alvo. 
 Custo da tecnologia. 
Restrição orçamentária. 
Lucros 
PRODUTORES
A OFERTA DE SERVIÇOS E O COMPORTAMENTO DOS 
PRODUTORES 
Após um estudo rigoroso do custo 
benefício de implantar certa tecnologia, o 
prestador de saúde esta apto a decidir se 
“sim” ou “não” utilizar certa inovação que 
deseje ter em sua clínica, hospital ou 
consultório.
A OFERTA DE SERVIÇOS E O COMPORTAMENTO DOS 
PRODUTORES 
COMO AS FORMAS DE 
REMUNERAÇÃO AFETAM 
O COMPORTAMENTO DO 
PRESTADOR?
A OFERTA DE SERVIÇOS E O COMPORTAMENTO DOS 
PRODUTORES 
4. COMO AS FORMAS DE REMUNERAÇÃO AFETAM O 
COMPORTAMENTO DO PRESTADOR? 
 No Brasil, o sistema de saúde passa por um período de transição em 
relação ao tradicional modelo de remuneração tipo Free-for-service para 
outros sistemas de reembolso. 
 Alguns modelos de remuneração se apresentam de forma teórica. 
 Outros surgem como alternativa viável na busca do equilíbrio econômico 
e de qualidade no mercado de saúde. 
 O agravamento da inflação médica, a partir dos anos 60 e notadamente, 
70 retoma esta questão que anteriormente era voltada mais o controle da 
qualidade.
A OFERTA DE SERVIÇOS E O COMPORTAMENTO DOS 
PRODUTORES 
FORMAS DE PAGAMENTO 
 Devem proporcionar o pagamento adequado para o tratamento, 
clínico ou cirúrgico, a ser instituído, em todos os grupos de 
pacientes atendidos. 
 Oferecer oportunidades para os fornecedores compartilhar os 
benefícios do aumento da qualidade. 
 Servir para os consumidores reconhecerem as diferenças nos 
cuidados de saúde que servirão de base para a decisão da conduta 
clínica. 
 Prever incentivos financeiros baseados em práticas consagradas 
pela literatura mundial, com isso permitindo que resultados 
eficazes sejam alcançados. 
(WRANIK; CURIER-COPP, 2009; CHAIX-COUTURIER et al, 2000; IOM, 2007).
“A qualidade tem maior probabilidade de 
melhorar quando os provedores de serviços 
estiverem motivados e forem recompensados pela 
elaboração de cuidados de saúde e processos com 
elevado nível de segurança, eficácia, pontualidade, 
eficiência e equidade, visando sempre à 
necessidade dos pacientes e à redução da 
fragmentação do cuidado.” 
(WRANIK; CURIER-COPP, 2009; CHAIX-COUTURIER et al, 2000; 
IOM, 2007). 
A OFERTA DE SERVIÇOS E O COMPORTAMENTO DOS 
PRODUTORES
A OFERTA DE SERVIÇOS E O COMPORTAMENTO DOS 
Os mecanismos de pagamento podem ser definidos, de acordo com: 
 1) a unidade de pagamento, como, por exemplo, reembolso por pessoa, caso, dia, 
serviço, visita etc.; 
 2) com base em um pressuposto global, como, por exemplo, o pagamento per 
capita, por unidade, por um procedimento; 
 3) ser pago prospectivamente, ou retrospectivamente, em função do momento da 
realização do procedimento, e do reembolso; 
 4) a distribuição do risco financeiro que assumem o prestador do serviço e o 
pagador. 
PRODUTORES 
Ao estabelecer o mecanismo de pagamento em um sistema de saúde, determina-se 
a distribuição do risco financeiro e depara-se se geram incentivos para a prestação dos 
serviços, geração de demanda ou para o controle dos custos incorridos no atendimento à 
saúde.
A OFERTA DE SERVIÇOS E O COMPORTAMENTO DOS 
Como formas de remuneração, atualmente existem: 
 a) pagamento por serviço (“fee-for-service” – FFS); 
 b) pagamento por meio de pacotes; 
 c) pagamento por capitação (“capitation”); 
 d) pagamento por desempenho (“pay-for-performance”); 
 e) assalariamento. 
PRODUTORES
A OFERTA DE SERVIÇOS E O COMPORTAMENTO DOS 
PRODUTORES 
A remuneração com valores apesar de importante não é o único 
mecanismo de conseguir uma atitude desejada. 
Existem outros mecanismos de pagamentos baseados e suportados 
por sistemas que não têm preço 
Métodos de monitoramento e de motivação de um comportamento 
adequado. 
Podem ter consequências financeiras, por exemplo: benefícios 
sociais e seguros, porém que estão ligados mais diretamente em 
blindagem, socialização, perfil, promoção e prática de propriedade. 
(SIMONET, D. Patient Satisfaction Under Managed Care. International 
Journal of Health Care Quality Assurance, Bradford, v. 18, n. 6/7, p. 424-441, 2005.)
A OFERTA DE SERVIÇOS E O COMPORTAMENTO DOS 
PRODUTORES
A OFERTA DE SERVIÇOS E O COMPORTAMENTO DOS 
PRODUTORES
A OFERTA DE SERVIÇOS E O COMPORTAMENTO DOS 
PRODUTORES
A OFERTA DE SERVIÇOS E O COMPORTAMENTO DOS 
PRODUTORES 
CRONOGRAMA 
15/05 – Sorteio de temas e definição das datas. 
17/05 – Divisão das funções dos integrantes do 
grupo. 
22/05 – Aula teórica com avaliação e debate dos 
conteúdos encontrados. 
25/05 – Reunião para a divisão de conteúdo e 
montagem do trabalho. 
29/05 – Apresentação do seminário.
A OFERTA DE SERVIÇOS E O COMPORTAMENTO DOS 
PRODUTORES 
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 
 ANDREAZZI, Maria de Fátima Siliansky. Formas de remuneração de serviços de saúde. Brasília: IPEA, 2003. 
TD 1006 
 SOARES, Adriano Leite. Pressupostos e proposta de modelo para a remuneração do trabalho do médico 
cirurgião nas operadoras de planos de saúde. São Paulo:, FGV-EAESP 2012. 197 f. CDU 614.257 
 VALVERDE, Luiz Carlos. Remuneração de Serviços de Saúde – Conceitos e Atualidades. São Paulo: 
Universidade Anhanguera-Uniderp.2010. Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) apresentado na Pós-Graduação 
(MBA) em Gestão de Planos de Saúde. 
 Tabelas: Andreazzi,M.F.S. (2000) Formas de Remuneração de Serviços de saúde. Textos Didáticos.NESC e Fac. 
Medicina/UFRJ. 
 http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9656.htm 
 http://www.fecap.br/adm_online/art24/silvia.htm 
 http://www.ans.gov.br/portal/upload/forum_saude/forum_bibliografias/documentostecnicos/EAabrangenciadaregu 
lacao/5_CLima_PrestadoresDeServicos.pdf 
 http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/trab_juntos_saude.pdf

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

FGV / IBRE – A Governança e Gestão do HRTN O Modelo de Linhas de Cuidado
FGV / IBRE – A Governança e Gestão do HRTN O Modelo de Linhas de CuidadoFGV / IBRE – A Governança e Gestão do HRTN O Modelo de Linhas de Cuidado
FGV / IBRE – A Governança e Gestão do HRTN O Modelo de Linhas de CuidadoFGV | Fundação Getulio Vargas
 
Qualidade na gestão local de serviços e ações de saude
Qualidade na gestão local de serviços e ações de saudeQualidade na gestão local de serviços e ações de saude
Qualidade na gestão local de serviços e ações de saudeJose Vilton
 
Atendimento humanizado 4
Atendimento humanizado 4Atendimento humanizado 4
Atendimento humanizado 4Artur Wagner
 
FGV / IBRE – Estratégias inovadoras de Gestão Hospitalar: A experiência do mu...
FGV / IBRE – Estratégias inovadoras de Gestão Hospitalar: A experiência do mu...FGV / IBRE – Estratégias inovadoras de Gestão Hospitalar: A experiência do mu...
FGV / IBRE – Estratégias inovadoras de Gestão Hospitalar: A experiência do mu...FGV | Fundação Getulio Vargas
 
Acolhimento classificaao risco_servico_urgencia(1)
Acolhimento classificaao risco_servico_urgencia(1)Acolhimento classificaao risco_servico_urgencia(1)
Acolhimento classificaao risco_servico_urgencia(1)Cassio Luiz Barbosa
 
Linha cuidado integral conceito como fazer
Linha cuidado integral   conceito como fazerLinha cuidado integral   conceito como fazer
Linha cuidado integral conceito como fazermulticentrica
 
Palestra a sustentabilidade no contexto hospitalar
Palestra a sustentabilidade no contexto hospitalarPalestra a sustentabilidade no contexto hospitalar
Palestra a sustentabilidade no contexto hospitalarPró-Saúde Araucária
 
Acolhimentoehumanizao 111011082936-phpapp01
Acolhimentoehumanizao 111011082936-phpapp01Acolhimentoehumanizao 111011082936-phpapp01
Acolhimentoehumanizao 111011082936-phpapp01rosiclermalta
 
Carta dos direitos dos usuarios da saude ministerio da saude - 2006-7
Carta dos direitos dos usuarios da saude   ministerio da saude - 2006-7Carta dos direitos dos usuarios da saude   ministerio da saude - 2006-7
Carta dos direitos dos usuarios da saude ministerio da saude - 2006-7Unidade Temática T3 - blog
 
Glossário rncci
Glossário rncciGlossário rncci
Glossário rncciInês Polme
 
Central MéDica I Care®
Central MéDica I Care®Central MéDica I Care®
Central MéDica I Care®guest8d08d6
 
Saúde suplementar - Martha Oliveira
Saúde suplementar - Martha OliveiraSaúde suplementar - Martha Oliveira
Saúde suplementar - Martha OliveiraOncoguia
 
Humanização da assistência em uma unidade de atenção básica à saúde de votupo...
Humanização da assistência em uma unidade de atenção básica à saúde de votupo...Humanização da assistência em uma unidade de atenção básica à saúde de votupo...
Humanização da assistência em uma unidade de atenção básica à saúde de votupo...Tais Queiroz
 

Mais procurados (16)

FGV / IBRE – A Governança e Gestão do HRTN O Modelo de Linhas de Cuidado
FGV / IBRE – A Governança e Gestão do HRTN O Modelo de Linhas de CuidadoFGV / IBRE – A Governança e Gestão do HRTN O Modelo de Linhas de Cuidado
FGV / IBRE – A Governança e Gestão do HRTN O Modelo de Linhas de Cuidado
 
Qualidade na gestão local de serviços e ações de saude
Qualidade na gestão local de serviços e ações de saudeQualidade na gestão local de serviços e ações de saude
Qualidade na gestão local de serviços e ações de saude
 
Atendimento humanizado 4
Atendimento humanizado 4Atendimento humanizado 4
Atendimento humanizado 4
 
FGV / IBRE – Estratégias inovadoras de Gestão Hospitalar: A experiência do mu...
FGV / IBRE – Estratégias inovadoras de Gestão Hospitalar: A experiência do mu...FGV / IBRE – Estratégias inovadoras de Gestão Hospitalar: A experiência do mu...
FGV / IBRE – Estratégias inovadoras de Gestão Hospitalar: A experiência do mu...
 
Acolhimento
AcolhimentoAcolhimento
Acolhimento
 
Acolhimento classificaao risco_servico_urgencia(1)
Acolhimento classificaao risco_servico_urgencia(1)Acolhimento classificaao risco_servico_urgencia(1)
Acolhimento classificaao risco_servico_urgencia(1)
 
Linha cuidado integral conceito como fazer
Linha cuidado integral   conceito como fazerLinha cuidado integral   conceito como fazer
Linha cuidado integral conceito como fazer
 
Palestra a sustentabilidade no contexto hospitalar
Palestra a sustentabilidade no contexto hospitalarPalestra a sustentabilidade no contexto hospitalar
Palestra a sustentabilidade no contexto hospitalar
 
Acolhimentoehumanizao 111011082936-phpapp01
Acolhimentoehumanizao 111011082936-phpapp01Acolhimentoehumanizao 111011082936-phpapp01
Acolhimentoehumanizao 111011082936-phpapp01
 
Carta dos direitos dos usuarios da saude ministerio da saude - 2006-7
Carta dos direitos dos usuarios da saude   ministerio da saude - 2006-7Carta dos direitos dos usuarios da saude   ministerio da saude - 2006-7
Carta dos direitos dos usuarios da saude ministerio da saude - 2006-7
 
Glossário rncci
Glossário rncciGlossário rncci
Glossário rncci
 
Central MéDica I Care®
Central MéDica I Care®Central MéDica I Care®
Central MéDica I Care®
 
Acolhimento IV CMMFC
Acolhimento IV CMMFCAcolhimento IV CMMFC
Acolhimento IV CMMFC
 
Apresentação natal 20_03_2014
Apresentação natal 20_03_2014Apresentação natal 20_03_2014
Apresentação natal 20_03_2014
 
Saúde suplementar - Martha Oliveira
Saúde suplementar - Martha OliveiraSaúde suplementar - Martha Oliveira
Saúde suplementar - Martha Oliveira
 
Humanização da assistência em uma unidade de atenção básica à saúde de votupo...
Humanização da assistência em uma unidade de atenção básica à saúde de votupo...Humanização da assistência em uma unidade de atenção básica à saúde de votupo...
Humanização da assistência em uma unidade de atenção básica à saúde de votupo...
 

Destaque

Resolução 03 2007 Conselho Federal de Psicologia
Resolução 03 2007 Conselho Federal de PsicologiaResolução 03 2007 Conselho Federal de Psicologia
Resolução 03 2007 Conselho Federal de PsicologiaJaqueline dos Santos
 
Aula 3 gestão de operações
Aula 3  gestão de operaçõesAula 3  gestão de operações
Aula 3 gestão de operaçõesdianafpc
 
Comportamento dos Prestadores de Serviços
Comportamento dos Prestadores de ServiçosComportamento dos Prestadores de Serviços
Comportamento dos Prestadores de Serviçoskarinajp
 
Mapeamento Do Ciclo De ServiçO Como Ponto De Partida Para O Marketing De Rela...
Mapeamento Do Ciclo De ServiçO Como Ponto De Partida Para O Marketing De Rela...Mapeamento Do Ciclo De ServiçO Como Ponto De Partida Para O Marketing De Rela...
Mapeamento Do Ciclo De ServiçO Como Ponto De Partida Para O Marketing De Rela...Vanessa de Oliveira
 
Excelência no atendimento ao Cliente
Excelência no atendimento ao ClienteExcelência no atendimento ao Cliente
Excelência no atendimento ao ClienteKely Rufino
 
A demanda e a oferta
A demanda e a ofertaA demanda e a oferta
A demanda e a ofertaFelipe Leo
 
A oferta e a procura
A oferta e a procuraA oferta e a procura
A oferta e a procuraturma10ig
 
Introdução à gestão de operações
Introdução à gestão de operaçõesIntrodução à gestão de operações
Introdução à gestão de operaçõescaesarcastro
 
Aula1 financiamento em saude
Aula1  financiamento em saudeAula1  financiamento em saude
Aula1 financiamento em saudeEduardo Kühr
 
Economia: Elementos Básicos, Oferta e Procura
Economia: Elementos Básicos, Oferta e ProcuraEconomia: Elementos Básicos, Oferta e Procura
Economia: Elementos Básicos, Oferta e ProcuraPedro De Almeida
 
Lei da oferta e da procura
Lei da oferta e da procuraLei da oferta e da procura
Lei da oferta e da procuraClyvannir
 
Excelência no atendimento ao cliente
Excelência no atendimento ao clienteExcelência no atendimento ao cliente
Excelência no atendimento ao clienteDaiane Costa
 
Informação exames provas 2017
Informação exames provas 2017Informação exames provas 2017
Informação exames provas 2017Pedro França
 
Regulamento dos exames_2017_desp normativo nº 1-a-2017
Regulamento dos exames_2017_desp normativo nº 1-a-2017Regulamento dos exames_2017_desp normativo nº 1-a-2017
Regulamento dos exames_2017_desp normativo nº 1-a-2017Pedro França
 
Guia Geral de Exames 2017
Guia Geral de Exames 2017Guia Geral de Exames 2017
Guia Geral de Exames 2017Pedro França
 

Destaque (20)

Resolução 03 2007 Conselho Federal de Psicologia
Resolução 03 2007 Conselho Federal de PsicologiaResolução 03 2007 Conselho Federal de Psicologia
Resolução 03 2007 Conselho Federal de Psicologia
 
Projeto dos Processos de Serviço
Projeto dos Processos de ServiçoProjeto dos Processos de Serviço
Projeto dos Processos de Serviço
 
Aula 3 gestão de operações
Aula 3  gestão de operaçõesAula 3  gestão de operações
Aula 3 gestão de operações
 
Comportamento dos Prestadores de Serviços
Comportamento dos Prestadores de ServiçosComportamento dos Prestadores de Serviços
Comportamento dos Prestadores de Serviços
 
Mapeamento Do Ciclo De ServiçO Como Ponto De Partida Para O Marketing De Rela...
Mapeamento Do Ciclo De ServiçO Como Ponto De Partida Para O Marketing De Rela...Mapeamento Do Ciclo De ServiçO Como Ponto De Partida Para O Marketing De Rela...
Mapeamento Do Ciclo De ServiçO Como Ponto De Partida Para O Marketing De Rela...
 
Excelência no atendimento ao Cliente
Excelência no atendimento ao ClienteExcelência no atendimento ao Cliente
Excelência no atendimento ao Cliente
 
A demanda e a oferta
A demanda e a ofertaA demanda e a oferta
A demanda e a oferta
 
A oferta e a procura
A oferta e a procuraA oferta e a procura
A oferta e a procura
 
Vendedor de Sucesso
Vendedor de SucessoVendedor de Sucesso
Vendedor de Sucesso
 
Introdução à gestão de operações
Introdução à gestão de operaçõesIntrodução à gestão de operações
Introdução à gestão de operações
 
Aula1 financiamento em saude
Aula1  financiamento em saudeAula1  financiamento em saude
Aula1 financiamento em saude
 
Economia: Elementos Básicos, Oferta e Procura
Economia: Elementos Básicos, Oferta e ProcuraEconomia: Elementos Básicos, Oferta e Procura
Economia: Elementos Básicos, Oferta e Procura
 
Lei da oferta e da procura
Lei da oferta e da procuraLei da oferta e da procura
Lei da oferta e da procura
 
A Demanda e a Oferta
A Demanda e a OfertaA Demanda e a Oferta
A Demanda e a Oferta
 
Demanda e oferta 2011_01
Demanda e oferta 2011_01Demanda e oferta 2011_01
Demanda e oferta 2011_01
 
Excelência no atendimento ao cliente
Excelência no atendimento ao clienteExcelência no atendimento ao cliente
Excelência no atendimento ao cliente
 
Informação exames provas 2017
Informação exames provas 2017Informação exames provas 2017
Informação exames provas 2017
 
Regulamento dos exames_2017_desp normativo nº 1-a-2017
Regulamento dos exames_2017_desp normativo nº 1-a-2017Regulamento dos exames_2017_desp normativo nº 1-a-2017
Regulamento dos exames_2017_desp normativo nº 1-a-2017
 
Guia Geral de Exames 2017
Guia Geral de Exames 2017Guia Geral de Exames 2017
Guia Geral de Exames 2017
 
Norma 1 jne-2017
Norma 1  jne-2017Norma 1  jne-2017
Norma 1 jne-2017
 

Semelhante a Comportamento dos prestadores de saúde e fatores que influenciam suas decisões

01 aula de-auditoria_2
01 aula de-auditoria_201 aula de-auditoria_2
01 aula de-auditoria_2andressa bonn
 
03 regulação auditoria
03 regulação auditoria03 regulação auditoria
03 regulação auditoriaandressa bonn
 
Aula Saúde Suplementar Pós-Graduação Auditoria INDEP
Aula Saúde Suplementar Pós-Graduação Auditoria INDEPAula Saúde Suplementar Pós-Graduação Auditoria INDEP
Aula Saúde Suplementar Pós-Graduação Auditoria INDEPAdriana Pirollo
 
Auditoria em saude
Auditoria em saudeAuditoria em saude
Auditoria em saudeInformaGroup
 
Auditoria em saude
Auditoria em saudeAuditoria em saude
Auditoria em saudeInformaGroup
 
Controle De Sinistralidade
Controle De SinistralidadeControle De Sinistralidade
Controle De SinistralidadeInformaGroup
 
Carta sogimig
Carta sogimigCarta sogimig
Carta sogimigfebrasgo
 
Defesa dos usuários e da qualidade dos planos de saúde
Defesa dos usuários e da qualidade dos planos de saúdeDefesa dos usuários e da qualidade dos planos de saúde
Defesa dos usuários e da qualidade dos planos de saúdeMinistério da Saúde
 
6º Resseguro - Solução para Transferência de Risco em Saúde - Leandro Fonseca
 6º Resseguro - Solução para Transferência de Risco em Saúde - Leandro Fonseca 6º Resseguro - Solução para Transferência de Risco em Saúde - Leandro Fonseca
6º Resseguro - Solução para Transferência de Risco em Saúde - Leandro FonsecaCNseg
 
Apresentação Linus P. Fascina - Gestão de Risco
Apresentação Linus P. Fascina  -  Gestão de RiscoApresentação Linus P. Fascina  -  Gestão de Risco
Apresentação Linus P. Fascina - Gestão de Riscopaulooficinadotexto
 
PHARMACEUTICAL BENEFIT MANAGEMENT – PBM
PHARMACEUTICAL BENEFIT MANAGEMENT – PBMPHARMACEUTICAL BENEFIT MANAGEMENT – PBM
PHARMACEUTICAL BENEFIT MANAGEMENT – PBMManassés Vicente
 

Semelhante a Comportamento dos prestadores de saúde e fatores que influenciam suas decisões (20)

01 aula de-auditoria_2
01 aula de-auditoria_201 aula de-auditoria_2
01 aula de-auditoria_2
 
03 regulação auditoria
03 regulação auditoria03 regulação auditoria
03 regulação auditoria
 
Aula Saúde Suplementar Pós-Graduação Auditoria INDEP
Aula Saúde Suplementar Pós-Graduação Auditoria INDEPAula Saúde Suplementar Pós-Graduação Auditoria INDEP
Aula Saúde Suplementar Pós-Graduação Auditoria INDEP
 
Ewaldo M. K. Russo
Ewaldo M. K. RussoEwaldo M. K. Russo
Ewaldo M. K. Russo
 
ANS - Aula 2
ANS - Aula 2ANS - Aula 2
ANS - Aula 2
 
Auditoria em saude
Auditoria em saudeAuditoria em saude
Auditoria em saude
 
Auditoria em saude
Auditoria em saudeAuditoria em saude
Auditoria em saude
 
Central MéDica I Care®
Central MéDica I Care®Central MéDica I Care®
Central MéDica I Care®
 
Humanização na saude
Humanização na saudeHumanização na saude
Humanização na saude
 
Controle De Sinistralidade
Controle De SinistralidadeControle De Sinistralidade
Controle De Sinistralidade
 
Carta sogimig
Carta sogimigCarta sogimig
Carta sogimig
 
Como atrair pacientes particulares
Como atrair pacientes particularesComo atrair pacientes particulares
Como atrair pacientes particulares
 
Idec Aberto - Planos de Saúde
Idec Aberto - Planos de SaúdeIdec Aberto - Planos de Saúde
Idec Aberto - Planos de Saúde
 
Defesa dos usuários e da qualidade dos planos de saúde
Defesa dos usuários e da qualidade dos planos de saúdeDefesa dos usuários e da qualidade dos planos de saúde
Defesa dos usuários e da qualidade dos planos de saúde
 
6º Resseguro - Solução para Transferência de Risco em Saúde - Leandro Fonseca
 6º Resseguro - Solução para Transferência de Risco em Saúde - Leandro Fonseca 6º Resseguro - Solução para Transferência de Risco em Saúde - Leandro Fonseca
6º Resseguro - Solução para Transferência de Risco em Saúde - Leandro Fonseca
 
Aula qualidade
Aula qualidadeAula qualidade
Aula qualidade
 
Apresentação Linus P. Fascina - Gestão de Risco
Apresentação Linus P. Fascina  -  Gestão de RiscoApresentação Linus P. Fascina  -  Gestão de Risco
Apresentação Linus P. Fascina - Gestão de Risco
 
Novas formas de remuneração na saúde: tendências e realidades
Novas formas de remuneração na saúde: tendências e realidadesNovas formas de remuneração na saúde: tendências e realidades
Novas formas de remuneração na saúde: tendências e realidades
 
Reaprendizagem: um desafio para a cadeia da Saúde
Reaprendizagem: um desafio para a cadeia da SaúdeReaprendizagem: um desafio para a cadeia da Saúde
Reaprendizagem: um desafio para a cadeia da Saúde
 
PHARMACEUTICAL BENEFIT MANAGEMENT – PBM
PHARMACEUTICAL BENEFIT MANAGEMENT – PBMPHARMACEUTICAL BENEFIT MANAGEMENT – PBM
PHARMACEUTICAL BENEFIT MANAGEMENT – PBM
 

Mais de Aillyn F. Bianchi, Faculdade de Medicina - UNIC

Mais de Aillyn F. Bianchi, Faculdade de Medicina - UNIC (19)

Aneurisma de Aorta
Aneurisma de AortaAneurisma de Aorta
Aneurisma de Aorta
 
Prevalência de pacientes tabagistas em uso de psicotrópicos
Prevalência de pacientes tabagistas em uso de psicotrópicosPrevalência de pacientes tabagistas em uso de psicotrópicos
Prevalência de pacientes tabagistas em uso de psicotrópicos
 
Cirurgia Neonatal - Onfalocele e Gastrosquise
Cirurgia Neonatal - Onfalocele e GastrosquiseCirurgia Neonatal - Onfalocele e Gastrosquise
Cirurgia Neonatal - Onfalocele e Gastrosquise
 
Pé Diabético
Pé DiabéticoPé Diabético
Pé Diabético
 
Pré e Pós Operatório em Cirurgia
Pré e Pós Operatório em CirurgiaPré e Pós Operatório em Cirurgia
Pré e Pós Operatório em Cirurgia
 
Resposta Orgânica ao Trauma
Resposta Orgânica ao TraumaResposta Orgânica ao Trauma
Resposta Orgânica ao Trauma
 
Nutrição em Cirurgia
Nutrição em CirurgiaNutrição em Cirurgia
Nutrição em Cirurgia
 
Meningite e Interpretação do LCR
Meningite e Interpretação do LCRMeningite e Interpretação do LCR
Meningite e Interpretação do LCR
 
Trauma Cranioencefálico - Urgência & Emergência
Trauma Cranioencefálico - Urgência & EmergênciaTrauma Cranioencefálico - Urgência & Emergência
Trauma Cranioencefálico - Urgência & Emergência
 
Hipertensão Portal
Hipertensão PortalHipertensão Portal
Hipertensão Portal
 
TOC - Transtorno Obsessivo Compulsivo
TOC - Transtorno Obsessivo CompulsivoTOC - Transtorno Obsessivo Compulsivo
TOC - Transtorno Obsessivo Compulsivo
 
Obstrução Arterial Aguda
Obstrução Arterial AgudaObstrução Arterial Aguda
Obstrução Arterial Aguda
 
Síndrome de Down
Síndrome de Down   Síndrome de Down
Síndrome de Down
 
Vigilância sanitária: Proteção e Defesa da Saúde
Vigilância sanitária: Proteção e Defesa da SaúdeVigilância sanitária: Proteção e Defesa da Saúde
Vigilância sanitária: Proteção e Defesa da Saúde
 
Osteoartrose Na Terceira Idade
Osteoartrose Na Terceira IdadeOsteoartrose Na Terceira Idade
Osteoartrose Na Terceira Idade
 
Antiparkinsonianos e Anestésicos Gerais
Antiparkinsonianos e Anestésicos GeraisAntiparkinsonianos e Anestésicos Gerais
Antiparkinsonianos e Anestésicos Gerais
 
Esclerodermia - Clínica Médica
Esclerodermia - Clínica MédicaEsclerodermia - Clínica Médica
Esclerodermia - Clínica Médica
 
Doença Ulcerosa Péptica
Doença Ulcerosa PépticaDoença Ulcerosa Péptica
Doença Ulcerosa Péptica
 
Pancreatite Aguda - Clínica Cirúrgica
Pancreatite Aguda - Clínica CirúrgicaPancreatite Aguda - Clínica Cirúrgica
Pancreatite Aguda - Clínica Cirúrgica
 

Comportamento dos prestadores de saúde e fatores que influenciam suas decisões

  • 1. A OFERTA DE SERVIÇOS E O COMPORTAMENTO DOS PRODUTORES SEMINÁRIO 02 - GESTÃO HOSPITALAR EM SAÚDE FACULDADE DE MEDICINA/UNIC TURMA XXIII
  • 2. A OFERTA DE SERVIÇOS E O COMPORTAMENTO DOS PRODUTORES QUAL É O COMPORTAMENTO DE UM PRESTADOR DE SAÚDE?
  • 3. A OFERTA DE SERVIÇOS E O COMPORTAMENTO DOS PRODUTORES 1. QUAL É O COMPORTAMENTO DE UM PRESTADOR DE SAÚDE? A indústria de prestação de serviços de cuidados de saúde é trabalho intensivo. Os prestadores de serviços de saúde são a personificação dos valores centrais de um sistema – eles curam e cuidam de pessoas, aliviam dores e sofrimento, previnem doenças e mitigam riscos –, sendo a ligação humana que conecta o conhecimento à ação de saúde. Os prestadores de serviços de saúde constituem cerca de dois terços da força de trabalho global na área de saúde, enquanto o terço restante é composto por gestores em saúde e trabalhadores de apoio.
  • 4. A OFERTA DE SERVIÇOS E O COMPORTAMENTO DOS PRODUTORES Regulamentação da Participação dos Prestadores de Serviço no Setor de Saúde Suplementar – ANS. Fundamental para o equilíbrio do sistema. Satisfação dos beneficiários.
  • 5. A OFERTA DE SERVIÇOS E O COMPORTAMENTO DOS Lei Federal n. 9.656 PRODUTORES  I - Plano Privado de Assistência à Saúde: prestação continuada de serviços ou cobertura de custos assistenciais com a finalidade de garantir a assistência à saúde, visando a assistência médica, hospitalar e odontológica, a ser paga integral ou parcialmente às expensas da operadora contratada.  A assistência compreende todas as ações necessárias à prevenção da doença e à recuperação, à manutenção e à reabilitação da saúde, observados os termos desta Lei e do contrato firmado entre as partes.
  • 6. A OFERTA DE SERVIÇOS E O COMPORTAMENTO DOS Obrigações e direitos PRODUTORES  I - o consumidor de determinada operadora, em nenhuma hipótese e sob nenhum pretexto ou alegação, pode ser discriminado ou atendido de forma distinta daquela dispensada aos clientes vinculados a outra operadora ou plano.  II - a marcação de consultas, exames e quaisquer outros procedimentos deve ser feita de forma a atender às necessidades dos consumidores, privilegiando os casos de emergência ou urgência, assim como as pessoas com mais de sessenta e cinco anos de idade, as gestantes, lactantes, lactentes e crianças até cinco anos.  III - a manutenção de relacionamento de contratação ou credenciamento com quantas operadoras de planos ou seguros privados de assistência à saúde desejar, sendo expressamente vedado impor contratos de exclusividade ou de restrição à atividade profissional.
  • 7. A OFERTA DE SERVIÇOS E O COMPORTAMENTO DOS PRODUTORES COMO ELE DECIDE QUAIS SERVIÇOS E QUAIS PRODUTOS OFERECER?
  • 8. A OFERTA DE SERVIÇOS E O COMPORTAMENTO DOS 2. COMO ELE DECIDE QUAIS SERVIÇOS E QUAIS PRODUTOS OFERECER? O que é serviço?  Segundo Gronroos (1993):  Serviço é uma atividade ou uma série de atividades de natureza.  Pode acontecer durante as interações entre clientes e empregados de serviço e/ou recursos físicos ou bens e/ou sistemas do fornecedor de serviços, que é fornecida como solução ao(s) problema(s) do(s) cliente(s).  Para Kloter:  Qualquer ato ou desempenho, essencialmente intangível, que uma parte pode oferecer à outra.  Não resulta na propriedade de nada.  A execução de um serviço pode estar ou não ligada a um produto concreto. PRODUTORES
  • 9. A OFERTA DE SERVIÇOS E O COMPORTAMENTO DOS PRODUTORES Para McCarthy & Perreault (1997):  Ao oferecer um serviço ao cliente, não é possível conservá-lo, ele precisa ser experimentado, usado ou consumido. Segundo Dias:  é proporcionar um benefício ao cliente.
  • 10. A OFERTA DE SERVIÇOS E O COMPORTAMENTO DOS PRODUTORES  As decisões sobre quais produtos e serviços oferecer ao usuário pelos produtores são complexas.  Os serviços são produzidos e consumidos ao mesmo tempo, fazendo com que, nos serviços em que o cliente esteja presente, haja uma interação entre cliente e prestador.  O cliente também passa a fazer parte do serviço e, consequentemente, a interferir em sua qualidade.  A decisão da conduta também depende daquele que procura o profissional de saúde.  A decisão sobre a melhor conduta cabe ao profissional que a produz.  A conduta não deve ser aleatória e sem embasamento, sob pena de sofrer as devidas sanções, tanto por parte de seus pares no respectivo Conselho de Classe, como judicialmente e civilmente sendo assim o caso. Para diminuir a variabilidade de condutas e equilibrar demanda junto com oferta, as empresas prestadores de serviços em saúde podem padronizam procedimentos operacionais, medicamentos que devem ser prescritos, insumos e ferramentas de trabalho, aparato tecnológico disponível e treinamento aos seus funcionários, de modo a incentivar que todos tenham procedimentos e condutas semelhantes.
  • 11. A OFERTA DE SERVIÇOS E O COMPORTAMENTO DOS PRODUTORES Os serviços públicos e privados também dispõem de mecanismos gestores sobre as ações e serviços de alta complexidade que são requisitados pelos profissionais, de modo a evitar o uso indiscriminado e desnecessário de procedimentos para uma situação determinada. Assim sendo, um profissional prestador deve embasar suas decisões e condutas para que, deste modo, elas venham a ser ofertadas. Um exemplo disto, são os exames de imagem, como a Tomografia Computadorizada que, ao ser requisitada, exige do profissional que a prescreveu, um relatório do quadro clínico daquele que irá necessitar da mesma; sob pena de não ser realizada.
  • 12. A OFERTA DE SERVIÇOS E O COMPORTAMENTO DOS PRODUTORES COMO O PRESTADOR DE SAÚDE DECIDE QUAL TECNOLOGIA UTILIZAR?
  • 13. A OFERTA DE SERVIÇOS E O COMPORTAMENTO DOS PRODUTORES 3. COMO ELE DECIDE QUALTECNOLOGIA UTILIZAR? CONCEITO DE TECNOLOGIA EM SAÚDE Procedimentos Fármacos Equipamentos Promoção em saúde
  • 14. A OFERTA DE SERVIÇOS E O COMPORTAMENTO DOS PRODUTORES CONCEITO DE AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIA EM SAÚDE Área do conhecimento inter-disciplinar que estuda as implicações médicas, econômicas, sociais e éticas para desenvolvimento, difusão e uso de tecnologia em saúde.
  • 15. A OFERTA DE SERVIÇOS E O COMPORTAMENTO DOS QUESITOS À ESTUDAR  Análise do contexto.  Existe um “padrão ouro” para a tecnologia em questão?  Esta tecnologia pode ser substituída por outra? Em quanto tempo?  Ampla utilização.  Difusão inicial. PRODUTORES
  • 16. A OFERTA DE SERVIÇOS E O COMPORTAMENTO DOS Qual a eficácia e qual a efetividade? É seguro? É necessário manutenção? Quando? Onde faz? Público alvo.  Custo da tecnologia. Restrição orçamentária. Lucros PRODUTORES
  • 17. A OFERTA DE SERVIÇOS E O COMPORTAMENTO DOS PRODUTORES Após um estudo rigoroso do custo benefício de implantar certa tecnologia, o prestador de saúde esta apto a decidir se “sim” ou “não” utilizar certa inovação que deseje ter em sua clínica, hospital ou consultório.
  • 18. A OFERTA DE SERVIÇOS E O COMPORTAMENTO DOS PRODUTORES COMO AS FORMAS DE REMUNERAÇÃO AFETAM O COMPORTAMENTO DO PRESTADOR?
  • 19. A OFERTA DE SERVIÇOS E O COMPORTAMENTO DOS PRODUTORES 4. COMO AS FORMAS DE REMUNERAÇÃO AFETAM O COMPORTAMENTO DO PRESTADOR?  No Brasil, o sistema de saúde passa por um período de transição em relação ao tradicional modelo de remuneração tipo Free-for-service para outros sistemas de reembolso.  Alguns modelos de remuneração se apresentam de forma teórica.  Outros surgem como alternativa viável na busca do equilíbrio econômico e de qualidade no mercado de saúde.  O agravamento da inflação médica, a partir dos anos 60 e notadamente, 70 retoma esta questão que anteriormente era voltada mais o controle da qualidade.
  • 20. A OFERTA DE SERVIÇOS E O COMPORTAMENTO DOS PRODUTORES FORMAS DE PAGAMENTO  Devem proporcionar o pagamento adequado para o tratamento, clínico ou cirúrgico, a ser instituído, em todos os grupos de pacientes atendidos.  Oferecer oportunidades para os fornecedores compartilhar os benefícios do aumento da qualidade.  Servir para os consumidores reconhecerem as diferenças nos cuidados de saúde que servirão de base para a decisão da conduta clínica.  Prever incentivos financeiros baseados em práticas consagradas pela literatura mundial, com isso permitindo que resultados eficazes sejam alcançados. (WRANIK; CURIER-COPP, 2009; CHAIX-COUTURIER et al, 2000; IOM, 2007).
  • 21. “A qualidade tem maior probabilidade de melhorar quando os provedores de serviços estiverem motivados e forem recompensados pela elaboração de cuidados de saúde e processos com elevado nível de segurança, eficácia, pontualidade, eficiência e equidade, visando sempre à necessidade dos pacientes e à redução da fragmentação do cuidado.” (WRANIK; CURIER-COPP, 2009; CHAIX-COUTURIER et al, 2000; IOM, 2007). A OFERTA DE SERVIÇOS E O COMPORTAMENTO DOS PRODUTORES
  • 22. A OFERTA DE SERVIÇOS E O COMPORTAMENTO DOS Os mecanismos de pagamento podem ser definidos, de acordo com:  1) a unidade de pagamento, como, por exemplo, reembolso por pessoa, caso, dia, serviço, visita etc.;  2) com base em um pressuposto global, como, por exemplo, o pagamento per capita, por unidade, por um procedimento;  3) ser pago prospectivamente, ou retrospectivamente, em função do momento da realização do procedimento, e do reembolso;  4) a distribuição do risco financeiro que assumem o prestador do serviço e o pagador. PRODUTORES Ao estabelecer o mecanismo de pagamento em um sistema de saúde, determina-se a distribuição do risco financeiro e depara-se se geram incentivos para a prestação dos serviços, geração de demanda ou para o controle dos custos incorridos no atendimento à saúde.
  • 23. A OFERTA DE SERVIÇOS E O COMPORTAMENTO DOS Como formas de remuneração, atualmente existem:  a) pagamento por serviço (“fee-for-service” – FFS);  b) pagamento por meio de pacotes;  c) pagamento por capitação (“capitation”);  d) pagamento por desempenho (“pay-for-performance”);  e) assalariamento. PRODUTORES
  • 24. A OFERTA DE SERVIÇOS E O COMPORTAMENTO DOS PRODUTORES A remuneração com valores apesar de importante não é o único mecanismo de conseguir uma atitude desejada. Existem outros mecanismos de pagamentos baseados e suportados por sistemas que não têm preço Métodos de monitoramento e de motivação de um comportamento adequado. Podem ter consequências financeiras, por exemplo: benefícios sociais e seguros, porém que estão ligados mais diretamente em blindagem, socialização, perfil, promoção e prática de propriedade. (SIMONET, D. Patient Satisfaction Under Managed Care. International Journal of Health Care Quality Assurance, Bradford, v. 18, n. 6/7, p. 424-441, 2005.)
  • 25. A OFERTA DE SERVIÇOS E O COMPORTAMENTO DOS PRODUTORES
  • 26. A OFERTA DE SERVIÇOS E O COMPORTAMENTO DOS PRODUTORES
  • 27. A OFERTA DE SERVIÇOS E O COMPORTAMENTO DOS PRODUTORES
  • 28. A OFERTA DE SERVIÇOS E O COMPORTAMENTO DOS PRODUTORES CRONOGRAMA 15/05 – Sorteio de temas e definição das datas. 17/05 – Divisão das funções dos integrantes do grupo. 22/05 – Aula teórica com avaliação e debate dos conteúdos encontrados. 25/05 – Reunião para a divisão de conteúdo e montagem do trabalho. 29/05 – Apresentação do seminário.
  • 29. A OFERTA DE SERVIÇOS E O COMPORTAMENTO DOS PRODUTORES REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS  ANDREAZZI, Maria de Fátima Siliansky. Formas de remuneração de serviços de saúde. Brasília: IPEA, 2003. TD 1006  SOARES, Adriano Leite. Pressupostos e proposta de modelo para a remuneração do trabalho do médico cirurgião nas operadoras de planos de saúde. São Paulo:, FGV-EAESP 2012. 197 f. CDU 614.257  VALVERDE, Luiz Carlos. Remuneração de Serviços de Saúde – Conceitos e Atualidades. São Paulo: Universidade Anhanguera-Uniderp.2010. Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) apresentado na Pós-Graduação (MBA) em Gestão de Planos de Saúde.  Tabelas: Andreazzi,M.F.S. (2000) Formas de Remuneração de Serviços de saúde. Textos Didáticos.NESC e Fac. Medicina/UFRJ.  http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9656.htm  http://www.fecap.br/adm_online/art24/silvia.htm  http://www.ans.gov.br/portal/upload/forum_saude/forum_bibliografias/documentostecnicos/EAabrangenciadaregu lacao/5_CLima_PrestadoresDeServicos.pdf  http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/trab_juntos_saude.pdf