» Tecido Ósseo
» O tecido ósseo é altamente rígido e resistente e suas
funções estão relacionadas à sustentação e proteção...
» OSTEÓCITO – são os Osteócitos as células mais abundantes do
tecido ósseo, sendo células quiescentes derivadas do osteobl...
» OSTEOBLASTO – são os osteoblastos células típicas do tecido
conjuntivo, oriundos de uma célula primitiva (célula mesenqu...
» OSTEOCLASTO – são os Osteoclastos células originárias do tecido
hematopoiético, sendo derivadas de colônias de células
f...
» Osteogênese imperfeita ( oi), osteogenesis
imperfecta, doença de lobstein ou doença de
Ekman- Lobstein é uma patologia d...
» Tipo I: pacientes com formas leves, estatura
normal, poucas fraturas, sem grandes deformações
dos ossos longos e nem den...
» Fratura múltipla
» Extremidades deformadas
» Surdez progressiva
» Esclerótica azulada
» Cifose
» Escoliose
» Baixa estat...
» Pode ser feito através de ecografia,
densiometria óssea e analise de DNA.
Benigna latente ou ativa lesão do tecido ósseo dependendo
da idade deste tumor, e preenchida por um liquido
amarelado e ev...
» Eventualmente dor em cisto ativo, mas a fratura
patológica predomina como apresentação e as
fraturas são estáveis no mem...
» O raio-x faz o diagnóstico, se tiver duvida a aspiração do
liquido amarelado tendendo para o verde também ajudara
no dia...
» Osteoporose é uma doença metabólica, sistêmica, que
acomete todos os ossos. A prevalência da osteoporose,
acompanhada da...
» Tipo I : de alta reabsorção óssea, decorrente de
uma atividade osteoclástica acelerada - a
osteoporose pós menopausa, ge...
» Genéticos
» Raça branca ou asiática
» História familiar
» Baixa estatura
» Massa muscular pouco desenvolvida
» Estilo de...
» Desiometria óssea e radiografia
» Dosagem de creatina, testosterona e estrógeno.
» Dor ou sensibilidade óssea
» Diminuição da estatura com o passar do tempo
» Dor na região lombar devido a fratura de oss...
» Raloxifeno: Conhecidos internacionalmente pela sigla SERM (selective estrogen receptor
modulator), os moduladores seleti...
» Teriparatida: A teriparatida é uma substância que se liga ao receptor do hormônio PTH
da paratireoide. Ela atua estimula...
» Reposição de estrogênio: Enquanto a mulher está em período fértil (menstruando)
existe a produção acentuada do hormônio ...
» Suplementação de cálcio e vitamina D O cálcio e o fósforo são os
principais nutrientes para constituição do osso. Para s...
» Atividade física
» Boa alimentação, rica em cálcio
» Exposição ao sol
Blog tecido osseo histologia pronto
Blog tecido osseo histologia pronto
Blog tecido osseo histologia pronto
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Blog tecido osseo histologia pronto

1.389 visualizações

Publicada em

0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.389
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
262
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
20
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Blog tecido osseo histologia pronto

  1. 1. » Tecido Ósseo » O tecido ósseo é altamente rígido e resistente e suas funções estão relacionadas à sustentação e proteção de órgãos vitais do organismo. Proporciona apoio aos músculos esqueléticos, traduzindo suas contrações em movimentos, além de ser um depósito de cálcio, fosfato e mais alguns íons, liberando-os no organismo de forma controlada.
  2. 2. » OSTEÓCITO – são os Osteócitos as células mais abundantes do tecido ósseo, sendo células quiescentes derivadas do osteoblasto que, uma vez terminado o seu trabalho de síntese, se recobrem de um conteúdo mineral e se situam em cavidades (lacunas). Possuem eles prolongamentos citoplasmáticos, fazendo uma verdadeira rede de comunicação com outros osteócitos através de canalículos, que se anastomosam com os canalículos das lacunas vizinhas. São estas células as responsáveis pela manutenção do tecido ósseo vivo, uma vez que detectam as alterações físicas químicas deste tecido recrutando, a seguir, osteoclastos e osteoblastos para as funções de síntese e reabsorção.
  3. 3. » OSTEOBLASTO – são os osteoblastos células típicas do tecido conjuntivo, oriundos de uma célula primitiva (célula mesenquimal indiferenciada). Sua função básica é a de síntese (formação) do tecido ósseo. Sintetizam elas o pró-colageno tipo I, as proteínas da matrix extracelular, a fosfatase alcalina e a osteocalcina, sendo que já foram identificados nestas células, receptores para estrógeno, progesterona, glicocorticóides, testosterona, estradiol e a Vitamina D3 explicando, com isso, as influências das concentrações destes elementos na formação óssea.
  4. 4. » OSTEOCLASTO – são os Osteoclastos células originárias do tecido hematopoiético, sendo derivadas de colônias de células formadoras de macrófagos. Sua função básica é a de reabsorção óssea. É o Osteoclasto uma célula que apresenta uma borda irregular que aumenta a sua superfície de contato, aderindo-se assim à área em que será realizada a reabsorção óssea.
  5. 5. » Osteogênese imperfeita ( oi), osteogenesis imperfecta, doença de lobstein ou doença de Ekman- Lobstein é uma patologia do Sistema esquelética de origem genética, transmitida por gene autossômico dominante ou recessivo. Esta patologia deve-se a uma deficiência de colágeno ( proteína mais importante na estrutura dos ossos) que torna o osso extremamente frágil e quebradiço. A principal falha encontra-se na ossificação intramembranosa de endósteo e periósteo que provoca disfunção no equilíbrio entre a reposição óssea e a deposição.
  6. 6. » Tipo I: pacientes com formas leves, estatura normal, poucas fraturas, sem grandes deformações dos ossos longos e nem dentinogenesis imperfeita. Tipo II: é o tipo mais grave e, na sua grande maioria, os pacientes chegam a óbito no período Peri natal. Tipo III: típico caso descrito nos livros, de pacientes afetados em grau moderado a grave, fácies triangular, baixa estatura, deformidade dos ossos longos e dentinogenesis imperfeita. Tipo IV: este grupo é muito heterogêneo, compreendendo o restante dos pacientes, variando não apenas na gravidade, mas também nas características clínicas
  7. 7. » Fratura múltipla » Extremidades deformadas » Surdez progressiva » Esclerótica azulada » Cifose » Escoliose » Baixa estatura » Peito escavado
  8. 8. » Pode ser feito através de ecografia, densiometria óssea e analise de DNA.
  9. 9. Benigna latente ou ativa lesão do tecido ósseo dependendo da idade deste tumor, e preenchida por um liquido amarelado e eventualmente avermelhado quando ocorre fratura patológica deste. Em torno de 90% estão abaixo dos 20 anos de idade. E pacientes mais jovens tem lesão mais ativa que os mais idosos. Predominantemente no sexo masculino. Podem ser assintomáticas e podem ser encontradas incidentalmente, e muitas vezes a fratura patológica e o primeiro sintoma por um trauma de pequena intensidade, isto ocorre em 50 % dos casos.
  10. 10. » Eventualmente dor em cisto ativo, mas a fratura patológica predomina como apresentação e as fraturas são estáveis no membro superior, exceto em membros inferiores. » A aspiração da lesão apresenta liquido claro e com alta taxa de fosfatase alcalina e prostaglandinas.
  11. 11. » O raio-x faz o diagnóstico, se tiver duvida a aspiração do liquido amarelado tendendo para o verde também ajudara no diagnóstico, se vier hemorrágico pode ser por acidente de punção ou por uma fratura neste local. » Tratamento depende da localização do tumor, a simples observação seriada e um tratamento ótimo, pois estes cistos tem a ter cura espontânea, se fratura patológica tratar de maneira conservadora, pois esta fratura também pode ser a cura deste tumor, se na evolução o cisto esta aumentando com risco de fratura, a punção evacuadora seguido a infiltração de esteróides na cavidade também é ótimo tratamento, a cirurgia com curetagem e enxertia com cimento ósseo ou outro enxerto desta lesão fica para os casos que não responderem a este tratamento.
  12. 12. » Osteoporose é uma doença metabólica, sistêmica, que acomete todos os ossos. A prevalência da osteoporose, acompanhada da morbidade e mortalidade de suas fraturas, aumenta a cada ano. Estima-se que com o envelhecimento populacional na América Latina, o ano de 2050, quando comparado a 1950, terá um crescimento de 400% no número de fraturas de quadril para homens e mulheres entre 50 e 60 anos, e próximo de 700% nas idades superiores a 65 anos. Estima-se que a proporção da osteoporose para homens e mulheres seja de seis mulheres para um homem a partir dos 50 anos e duas para um acima de 60 anos. Aproximadamente uma em cada três mulheres vai apresentar uma fratura óssea durante a vida.
  13. 13. » Tipo I : de alta reabsorção óssea, decorrente de uma atividade osteoclástica acelerada - a osteoporose pós menopausa, geralmente apresentada por mulheres mais jovens, a partir dos 50 anos. Tipo II : de reabsorção óssea normal ou ligeiramente aumentada, associada a uma atividade osteoblástica diminuída, com formação óssea diminuída - a osteoporose senil ou de involução, mais freqüente nas mulheres mais idosas, a partir dos 70 anos, e também no homem
  14. 14. » Genéticos » Raça branca ou asiática » História familiar » Baixa estatura » Massa muscular pouco desenvolvida » Estilo de vida » Baixa ingesta de cálcio » Sedentarismo » Pouca exposição solar » Tabagismo » Alcoolismo » Alta ingesta de proteína » Alta ingesta de cafeína
  15. 15. » Desiometria óssea e radiografia » Dosagem de creatina, testosterona e estrógeno.
  16. 16. » Dor ou sensibilidade óssea » Diminuição da estatura com o passar do tempo » Dor na região lombar devido a fratura de ossos da coluna vertebral » Dor no pescoço devido a fratura nós ossos da coluna vertebral » Postura encurvada ou cifótico
  17. 17. » Raloxifeno: Conhecidos internacionalmente pela sigla SERM (selective estrogen receptor modulator), os moduladores seletivos de receptores estrogênios atuam estimulando ou inibindo a ação desses receptores. O raloxifeno é o SERM que possui efeito antirreabsortivoósseo, ou seja, ele inibe a reabsorção óssea. Ele promove o ganho de massa óssea na coluna lombar e colo do fêmur, bem como redução de fraturas vertebrais. O raloxifeno é recomendado para a prevenção e o tratamento da osteoporose da coluna vertebral. Não está recomendado para a redução de fraturas nãovertebrais e deve ser empregado somente em pessoas sem sintomas vasomotores. » Bisfosfonatos: Os bisfosfonatos são compostos com ação antirreabsortiva dos ossos. Existem vários tipos de biofosfonatos com características específicas para o tratamento de diferentes aspectos da osteoporose. O alendronato, o risedronato e o ibandronato são alguns tipos que podem ser administrados por via oral. Há também o zoledronato, que é administrado por infusão endovenosa. Em estudo clínicos, o ibandronato se mostrou eficaz na redução de fraturas vertebrais, já o risedronato, o alendronato e zoledronato são efeitos na redução de fraturas vertebrais e não-vertebrais, incluindo as de quadril. Todos os biofosfonatos citados são recomendados tanto para prevenção quanto para o tratamento da osteoporose. » Ranelato de estrôncio: O ranelato de estrôncio apresenta efeitos sobre a formação e a reabsorção óssea. Ele estimula os osteoblastos e reduz a função osteoclástica, ou seja, aumenta a formação de massa óssea e reduz a reabsorção, principalmente na coluna lombar e no colo do fêmur. O ranelato de estrôncio é recomendado para prevenção e tratamento da osteoporose na pós-menopausa.
  18. 18. » Teriparatida: A teriparatida é uma substância que se liga ao receptor do hormônio PTH da paratireoide. Ela atua estimulando a formação dos osteoblastos, que são células responsáveis pela formação dos ossos. O maior diferencial do tratamento com teriparatida é que ela promove o crescimento do osso em vez de inibir a reabsorção óssea, como as outras classes de medicamentos. Sua administração resulta em ganho de massa óssea na coluna lombar e no colo do fêmur, além de redução do risco de fraturas vertebrais e não-vertebrais. A teriparatida tem indicação para o tratamento da osteoporose em pacientes de alto risco para fraturas, sendo administrado por via subcutânea. É usado principalmente para pacientes que usam medicamentos a base de corticoides. Desonumab: O desonumab é um mecanismo de ação diferente, chamado de anticorpo monoclonal. Para entender a ação desse medicamento, vamos pensar nos osteoclastos e osteoblastos, que são as células destruidoras e formadoras dos ossos. Essas células se comunicam entre si para saber quando é preciso fazer uma reabsorção ou uma formação. Quando a mulher entra na menopausa, essa comunicação pode ficar alterada, levando a uma maior destruição do que criação óssea. A medicação atua nesse mecanismo específico de comunicação entre as células, retornando o equilíbrio. O desonumab é ministrado por via oral e faz parte de uma nova classe de medicamentos, os biológicos. Calcitonina: A calcitonina é um hormônio constituído de 32 aminoácidos produzidos por um grupo de células da tireoide. Ela atua inibindo a ação do paratormônio (PTH), um hormônio. A calcitonina e o paratormônio, quando estão em quantidades adequadas, equilibram a concentração de cálcio no sangue – o primeiro diminui o cálcio no sangue e o segundo, aumenta. Como consequência, o paratormônio estimula a reabsorção de cálcio e fosfato dos ossos e a absorção de cálcio pelos rins e intestino, ao passo que a calcitonina inibe a reabsorção óssea e diminui a reabsorção de cálcio no rim. Quando esses hormônios não estão equilibrados e o paratormônio está em maior quantidade, a reabsorção óssea aumenta, podendo levar à osteoporose. A calcitonina para o tratamento da osteoporose é obtida do salmão por síntese laboratorial, sendo cerca de 20 a 40 vezes mais potente que a humana. Seu principal efeito é inibindo a absorção de cálcio nos rins. Pode ser administrada tanto por injeção intramuscular ou subcutânea quanto por aplicação nasal. A calcitonina de salmão é considerada uma medicação de segunda linha para osteoporose, podendo ser recomendada no tratamento da osteoporose pós- menopáusica e para a redução de fraturas
  19. 19. » Reposição de estrogênio: Enquanto a mulher está em período fértil (menstruando) existe a produção acentuada do hormônio estrogênio. Quando abundante no corpo da mulher, o estrogênio retarda a reabsorção do osso, reduzindo a perda, além de ser responsável pela fixação do cálcio nos ossos, contribuindo para o fortalecimento do esqueleto. Em contrapartida, a mulher durante e após a menopausa tem uma produção muito reduzida de estrogênio, uma vez que ele não é mais necessário para o ciclo menstrual. O hipoestrogenismo irá contribuir para a perda de massa óssea mais acelerada, principalmente nos primeiros anos da pósmenopausa. Dessa forma, a menopausa pode ser um gatilho para a osteoporose. A terapia de reposição hormonal é eficaz na prevenção da osteoporose e de fraturas vertebrais e nãovertebrais. No entanto, ainda não há evidência suficiente para recomendar o tratamento na redução do risco de fraturas no tratamento da osteoporose estabelecida. A tibolona, composto sintético derivado da testosterona e usado na reposição hormonal, atua sobre a remodelação do osso, promovendo ganho de densidade óssea. É administrada por via oral. O uso prolongado da terapia de reposição hormonal, por mais de cinco anos, com associação de estrogênios e progestagênios, produz um pequeno aumento do risco de câncer de mama de aproximadamente oito casos em cada 10.000 mulheres/ano. A terapia de reposição hormonal tem indicação no início do climatério para prevenção da perda de massa óssea em mulheres com fatores de risco associados, não estando indicada para o tratamento da doença estabelecida.
  20. 20. » Suplementação de cálcio e vitamina D O cálcio e o fósforo são os principais nutrientes para constituição do osso. Para ser fixado aos ossos, o cálcio necessita da ação do hormônio estrogênio, que tem sua produção diminuída durante e após a menopausa, fator que leva à progressiva perda de massa óssea nessa etapa da vida. Por isso, a ingestão adequada de cálcio e sua suplementação são indicados para o tratamento e prevenção da osteoporose. Já a vitamina D é um nutriente importante na manutenção da saúde óssea, uma vez que suas principais funções são a regulação da absorção intestinal de cálcio e a estimulação da reabsorção óssea. As fontes de vitamina D incluem luz solar, dieta e os suplementos. Estima-se que 90% dos adultos entre 51 e 70 anos de idade não recebem o suficiente vitamina D de forma natural, sendo recomendada a suplementação. Recomenda-se que a suplementação de cálcio seja feita em associação com 800-1000UI de vitamina D ao dia. Não se recomenda o tratamento exclusivo da osteoporose com vitamina D isolada ou em conjunto com cálcio, porém o uso complementar desses nutrientes é fundamental para uma formação óssea adequada.
  21. 21. » Atividade física » Boa alimentação, rica em cálcio » Exposição ao sol

×