Parkinson

20.903 visualizações

Publicada em

2 comentários
32 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
20.903
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
210
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1.450
Comentários
2
Gostaram
32
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Parkinson

  1. 1. Parkinson<br />
  2. 2. O que é? <br />Doença neurodegenerativa de progressão lenta que afecta principalmente a motricidade. <br /> Esta doença foi primeiramente descrita pelo médico James Parkinson em 1817.<br />
  3. 3. Epidemiologia<br />A incidência média desta doença é entre 85 a 187 casos em 100.000 habitantes. Pensa-se que em Portugal existam 12.000 pessoas afectadas.<br /> O pico da doença é por volta dos 60 anos e a incidência aumenta com a idade, sendo esta considerada um factor de risco.<br />
  4. 4. Principais sintomas<br />Tremor (o mais característico)<br />Tremor Clássico Parkinsoniano<br />Aumenta quando o paciente se encontra em repouso ou situações de stress/cansaço<br />Movimento voluntário atenua o tremor e este desaparece completamente durante o sono.<br />
  5. 5. Rigidez muscular<br /><ul><li>Todo o corpo
  6. 6. Inexpressividade facial
  7. 7. Diminuição do pestanejar
  8. 8. Boca aberta
  9. 9. Deglutição difícil</li></li></ul><li>Bradicinesia : Lentidão dos movimentos causada pelo atrasado na transmissão de instruções do cérebro para o resto do corpo.<br /><ul><li>Hipomimia
  10. 10. Fala monocórdica
  11. 11. Palilalia
  12. 12. Micrografia
  13. 13. Dissinergiaoculocefálica</li></li></ul><li>Outros sintomas<br />Depressão<br />Ansiedade<br />Instabilidade postural<br />Bradifrenia (pensamento lento)<br />Nem todos os pacientes com Parkinson sofrem perda cognitiva apesar do pensamento lento ser um dos sintomas comuns.<br />
  14. 14. Progressão<br />
  15. 15. Não é fatal, mas torna o paciente mais susceptível e fraco<br />Aumenta o risco de infecções e outros episódios com potencial mortal ( ex: pneumonia de aspiração)<br />
  16. 16. Complicações Secundárias<br />Alterações nutricionais<br />Alterações respiratórias<br />Alterações circulatórias<br />Osteoporose<br />Úlceras por pressão<br />
  17. 17. Patologias<br />Morte exagerada de neurónios dopaminérgicos num dos gânglios de base despigmentação<br />
  18. 18. Esta DEGENERAÇÃO diminui os níveis de dopamina na substância negra<br />diminuir a projecção/acção desta no corpo estriado<br />Explica a depressão, psicose e perda cognitiva<br />
  19. 19. Em doentes de Parkinson<br />
  20. 20. Importância da dopamina<br />
  21. 21. Etiologia<br />Parkinson é uma doença idiopática.<br /><ul><li>Genética - a mais importante nos casos de Parkinson juvenil (antes dos 21 anos).
  22. 22. Ambiental - certos produtos tóxicos utilizados na indústria e agricultura podem estar relacionados com o aparecimento da doença.</li></li></ul><li>Diagnóstico<br />Clínico <br />Análise dos sintomas<br />A assimetria dos sintomas, a presença do tremor de repouso e a boa resposta à terapia dopaminérgica são indicadores objectivos.<br />Pode-se também recorrer a PET scans e SPECTs.<br />
  23. 23. Parkinsonismo Doença de Parkinson <br />Parkinsonismo é um termo genérico que designa uma série de doenças com causas diferentes e que têm em comum a presença de sintomas encontrados na doença de Parkinson.<br />A doença de Parkinson é uma das muitas formas de Parkinsonismo e também a mais frequente.<br />
  24. 24. Tratamento<br />Terapia sintomática<br />Terapia neuroprotectora<br />Terapia restauradora<br />Neuroestimulação<br />Palidotomia<br />Talomotomia<br />Fisioterapia<br />
  25. 25. Terapia sintomática<br />Administração de remédios inibidores de MAO <br /> Aumento dos níveis de dopamina <br />Levodopa - eficaz na diminuição da rigidez muscular e da bradicinesia<br /> - pode acelerar a degeneração <br /> - pode causar discinesia<br />
  26. 26. Agonistas de dopamina – estimulam os receptores dopaminérgicos do corpo estriado <br />Anticolinérgicos– inibem a produção de acetilcolina e diminuem os tremores<br />
  27. 27. Terapia neuroprotectora<br />Selegilina – inibe o metabolismo oxidativo da Levodopa<br /> Reduzindo a produção de radicais livres e fomentar a neuroprotecção<br />alfa nucleína<br />
  28. 28. Terapia restauradora<br />Transplante de células produtoras de dopamina<br />Procedimento abandonado<br />Neuroestimulação<br /><ul><li>Atenua a bradicinesia e a discinesia.</li></li></ul><li>Palidotomia<br />Restaura o equilíbrio e melhora o desempenho motor.<br />Talomotomia<br /><ul><li>Atenua a discinesia.</li></li></ul><li>Fisioterapia<br />Prevenção do aparecimento de complicações secundárias.<br />Máxima manutenção das capacidades cognitivas.<br />
  29. 29. Considerações finais<br />A grande “arma” da medicina hoje para combater o Parkinson consiste nos remédios e cirurgias, além da fisioterapia, a terapia ocupacional e a terapia da fala, entre outros profissionais, pois através da actuação de uma equipa multidisciplinar é possível proporcionar ao paciente uma boa qualidade de vida, funcionalidade e auto-estima.<br />

×