SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 69
Alambert, PA
DISCIPLINA DE REUMATOLOGIA
2016
ARTROSE
SINONÍMIASINONÍMIA
 Os termos osteoartrose ouOs termos osteoartrose ou
osteoartrite (OA) são empregadososteoartrite (OA) são empregados
como sinônimos de artrose.como sinônimos de artrose.
DEFINIDEFINIÇÇÃOÃO
DEFINIÇÃODEFINIÇÃO
 “Um grupo heterogêneo de condições que
determinam sintomas e sinais articulares que
se associam a defeitos da integridade da
cartilagem articular, além de modificações
no osso subjacente e nas margens
articulares”.
(ACR)
Colégio Americano de Reumatologia
DEFINIÇÃO
A descrição da OA como doença articular
exclusivamente degenerativa constitui um equívoco,
pois OA não é simplesmente um processo de
desgaste, mas sim de remodelação anormal dos
tecidos articulares impulsionada por uma série de
mediadores inflamatórios na articulação afetada.
06/03/16
DEFINIÇÃO
 Quadro reumático mais comum,
caracterizado pela perda quantitativa e
qualitativa da cartilagem articular com
conseqüente remodelação óssea
hipertrófica local e uma inflamação
secundária.
“O processo de doença não afeta apenas a cartilagem
articular, mas envolve toda a articulação incluindo
osso subcondral, ligamentos,cápsula, membrana
sinovial e músculos periarticulares. Finalmente, a
cartilagem articular se degenera com fibrilação,
fissuras, ulcerações e afinamento total da superfície
articular”
CONCEITO ATUALCONCEITO ATUAL
De modo mais simples:De modo mais simples:
“ A osteoartrose é uma insuficiência qualitativa e
quantitativa da cartilagem articular associada a
alterações típicas do osso subcondral “
EPIDEMIOLOGIA
A osteoartrite (OA) é a principal causa de dor e
incapacidade em adultos mais velhos e a
segunda causa de consulta médica dentre as
doenças crônicas em nosso meio.
EPIDEMIOLOGIA
Portanto, OA constitui um grave problema
de saúde pública. Sua prevalência está
crescendo nos países desenvolvidos, devido
ao envelhecimento da população e a outros
fatores tais como lesões adquiridas
biomecânicas e
obesidade.
EPIDEMIOLOGIA
Estima-se que no Brasil 4% da
população apresente OA sendo a
articulação do joelho acometida em
37% dos casos.
Etiologia
 Na etiologia da OA, a resposta da cartilagem
articular à injúria ou degeneração artrósica é de
reparação ineficiente.
 As propriedades bioquímicas e mecânicas do
novo tecido diferem da cartilagem original e
resultam numa função articular inadequada ou
alterada.
06/03/16
FISIOPATOLOGIA
OSTEOARTRITE
Fisiopatologia
 O melhor conhecimento da fisiopatologia
inflamatória da OA provavelmente
determinará novas abordagens para retardar
alterações destrutivas na articulação e evitar
o comprometimento funcional permanente.
06/03/16
Fisiopatologia
 Recentemente identificou-se um papel central
para o sistema do complemento inflamatório na
patogênese da osteoartrite ; descobriu-se que a
expressão e ativação do complemento é
anormalmente elevada nas articulações de
humanos com osteoartrite.
06/03/16
Cartilagem normal
 A composição e a complexa organização
estrutural entre o colágeno e os proteoglicanos
garantem as propriedades inerentes à cartilagem
articular, como resistência, elasticidade e
compressibilidade, necessárias para dissipar e
amortecer as forças, além de reduzir a fricção,
sem muito gasto de energia, a qual as
articulações diartrodiais estão sujeitas
06/03/16
Cartilagem normal
Matriz extra-celular:95%
Células:5%
Colágeno ll- 90%
FIBRAS COLÁGENAS
PROTEOGLICANO:
Proteína globular
glucosaminoglicanos
PATOGENIA
Estímulos precipitantesEstímulos precipitantes
CONDRÓCITOSCONDRÓCITOS
Fissuras e depressões na cartilagem
Alterações na posição e
tamanho das fibras de
colágeno
LIBERAÇÃO DE ENZIMAS
ALTERAÇÃO DA MATRIZ EXTRACELULAR
ALTERAÇÕES ESTRUTURAIS
Formação de osteófitos
OSTEOARTRITEOSTEOARTRITE
Inflamação
Resposta imunológica
Proliferação celular
Matriz celular
aumentada
06/03/16
CONDRÓCITOS
Condrócitos
 Na OA, os condrócitos tornam-se “ativados” e
caracterizam-se pela proliferação celular,
formação de aglomerados e aumento da
produção das proteínas e enzimas que
degradam a matriz.
06/03/16
Condrócitos produzem
 Mediadores pró-catabólicos (citocinas)IL-1 eTNF
alfaativam enzimas proteolíticas(metaloproteases)
 Mediadores pró-anabólicos (fatores de
crescimento)
Osteoartrite inicial
Osteoartrite terminal
Caracterização clínica
 Dor, deformidade.limitação dos movimentos
e progressão lenta para a perda de função
articular
06/03/16
06/03/16
PRIMÁRIA (idiopática): Ocorre na ausência de qualquer
fator predisponente conhecido e se subdivide em duas categorias,
localizada e generalizada (inclui 3 ou mais áreas).
SECUNDÁRIA: É aquela em que se reconhece uma causa
ou um fator preexistente.
EROSIVA:Também conhecida como osteoartrose inflamatória.
Acomete as articulações IFD e IFP nas mãos, com FR (fator
reumatóide negativo)
ClassificaçãoClassificação
Fatores de Risco
 Os fatores de risco mais comuns para OA incluem
idade, sexo, lesão articular prévia, obesidade,
predisposição genética e fatores mecânicos, incluindo
desalinhamento, amplitude de movimento e
anormalidade da estrutura articular.
06/03/16
PATOLOGIA
As alterações patológicas presentes nas
articulações com osteoartrite incluem a
degradação da cartilagem articular, o
espessamento do osso subcondral, a formação
de osteófitos, graus variáveis de inflamação
sinovial, degeneração de ligamentos no joelho,
meniscos e hipertrofia da cápsula articular.
06/03/16
CARTILAGEM FISSURADA
CARTILAGEM FISSURADA
sulcos
v o l t a r a v a n ç a ri n í c i o
13/9/2005
Menisco medial
Superfície articular com sulcos
HISTOLOGIA NORMAL DA CARTILAGEM
O vermelho indica
síntese de proteoglicanos
Patologia
 Os achados de alterações patológicas nos
tecidos articulares são a base para considerar a
OA como uma doença “orgânica” que resulta em
“falha articular”. Ou seja, a OA tem etiologia
multifatorial e bases inflamatórias que levam
progressivamente ao desgaste das estruturas,
comprometendo a funcionalidade articular.
06/03/16
DIAGNÓSTICO
 Histórico clínico (anamnese)
 Exame Físico
 Exames de laboratório
 Estudos radiográficos
ANAMNESE
 Dor em uma ou poucas articulações
 Rigidez matinal com menos de 30 minutos de
duração
 Crepitação por perda da cartilagem ou
irregularidades nas superfícies articulares
 Limitação do movimento
EXAME FÍSICO
osteoartrose
LABORATÓRIO
NormalExame geral de urina
NegativoFator reumatóide
Cor palha e viscosidade
adequada, o número de
leucócitos < 2.000
Líquido sinovial
Normal
Velocidade de
hemossedimentação
RADIOLOGIA
No início da doença não se observam anormalidades. Com seu
desenvolvimento, observam-se:
 Diminuição do espaço intra-articular
 Esclerose subcondral (eburnação)
 Osteófitos;
 Erosão e anquilose óssea (pseudocistos ósseos).
06/03/16
TRATAMENTO
 Os objetivos a atingir com o tratamento são:
 1.Aliviar a dor
 2.Manter a funcionalidade articular
 3.Educar o paciente e sua família
TRATAMENTO
 Tratamento Físico
 Tratamento Farmacológico
 Tratamento Cirúrgico
TRATAMENTO FÍSICO
 Diminuição de peso
 Realizar programas de exercícios
para manter a força muscular, a
flexibilidade das articulações e
evitar deformidades
 Terapia ocupacional
Tratamento farmacológicoTratamento farmacológico
Ação lenta
AGENTES
Ação rápida
Ação rápida
 Analgésicos
 AINHs
 Miorrelaxantes
 Corticosteróide intra-articular
 Colchicina
Ação lenta
 Glicosamina
 Condroitina
 Diacereína
 Extratos
insaponificados de soja
e abacate
 Ácido hialurõnico
 Cloroquina
 Necessitam mais
estudos
Sintomáticos Modificadores de doença
Tratamento cirúrgicoTratamento cirúrgico
 As técnicas cirúrgicas empregadas na
osteoartrite são artrodese, artroplastias,
osteotomias, desbridamento articular,
liberação de nervos periféricos, etc.
Conclusão
 Osteoartrite NÃO é sinônimo de
“envelhecimento”.
 Freqüentemente, o paciente com osteoartrite
procura primeiro o clínico geral. Por isso, é
importante conhecê-la.
 Se houver dúvidas ou complicações, deve-se
consultar o reumatologista.
06/03/16

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

PARALISIA FACIAL PERIFÉRICA
PARALISIA FACIAL PERIFÉRICAPARALISIA FACIAL PERIFÉRICA
PARALISIA FACIAL PERIFÉRICA
Camilla Bringel
 
Slides de fraturas de colo do femur
Slides de fraturas de colo do femurSlides de fraturas de colo do femur
Slides de fraturas de colo do femur
Luana Morais
 
Semiologia 07 reumatologia - semiologia reumatológica pdf
Semiologia 07   reumatologia - semiologia reumatológica pdfSemiologia 07   reumatologia - semiologia reumatológica pdf
Semiologia 07 reumatologia - semiologia reumatológica pdf
Jucie Vasconcelos
 

Mais procurados (20)

Coluna Vertebral
Coluna VertebralColuna Vertebral
Coluna Vertebral
 
Espondiloartrite
Espondiloartrite Espondiloartrite
Espondiloartrite
 
PARALISIA FACIAL PERIFÉRICA
PARALISIA FACIAL PERIFÉRICAPARALISIA FACIAL PERIFÉRICA
PARALISIA FACIAL PERIFÉRICA
 
Lesões do Plexo Braquial
Lesões do Plexo BraquialLesões do Plexo Braquial
Lesões do Plexo Braquial
 
Osteoartrite 2014
Osteoartrite 2014Osteoartrite 2014
Osteoartrite 2014
 
Aula Coxartrose e Artroplastia total do quadril
Aula  Coxartrose e Artroplastia total do quadril Aula  Coxartrose e Artroplastia total do quadril
Aula Coxartrose e Artroplastia total do quadril
 
Fisioterapia Osteopatia
Fisioterapia OsteopatiaFisioterapia Osteopatia
Fisioterapia Osteopatia
 
ESCALA DE EQUILÍBRIO DE BERG e ESCALA DE MOBILIDADE E EQUILÍBRIO DE TINETTI
ESCALA DE EQUILÍBRIO DE BERG e ESCALA DE MOBILIDADE E EQUILÍBRIO DE TINETTIESCALA DE EQUILÍBRIO DE BERG e ESCALA DE MOBILIDADE E EQUILÍBRIO DE TINETTI
ESCALA DE EQUILÍBRIO DE BERG e ESCALA DE MOBILIDADE E EQUILÍBRIO DE TINETTI
 
Slides de fraturas de colo do femur
Slides de fraturas de colo do femurSlides de fraturas de colo do femur
Slides de fraturas de colo do femur
 
Modulo 14
Modulo 14Modulo 14
Modulo 14
 
Osteoartrite
OsteoartriteOsteoartrite
Osteoartrite
 
Osteoporose
OsteoporoseOsteoporose
Osteoporose
 
Semiologia 07 reumatologia - semiologia reumatológica pdf
Semiologia 07   reumatologia - semiologia reumatológica pdfSemiologia 07   reumatologia - semiologia reumatológica pdf
Semiologia 07 reumatologia - semiologia reumatológica pdf
 
Lesão de plexo braquial
Lesão de plexo braquialLesão de plexo braquial
Lesão de plexo braquial
 
Capsulite adesiva Dr Omar Mohamad M. Abdallah
Capsulite adesiva  Dr Omar Mohamad M. Abdallah Capsulite adesiva  Dr Omar Mohamad M. Abdallah
Capsulite adesiva Dr Omar Mohamad M. Abdallah
 
Esclerodermia fry
Esclerodermia fryEsclerodermia fry
Esclerodermia fry
 
Osteoartrite 20
Osteoartrite 20Osteoartrite 20
Osteoartrite 20
 
Fraturas do punho
Fraturas do punhoFraturas do punho
Fraturas do punho
 
Trauma dos Membros Superiores
Trauma dos Membros SuperioresTrauma dos Membros Superiores
Trauma dos Membros Superiores
 
Aula Tratamento da Osteoartrose do Joelho - Dr David Sadigursky
Aula Tratamento da Osteoartrose do Joelho - Dr David SadigurskyAula Tratamento da Osteoartrose do Joelho - Dr David Sadigursky
Aula Tratamento da Osteoartrose do Joelho - Dr David Sadigursky
 

Destaque

Artrose max
Artrose maxArtrose max
Artrose max
lcinfo
 
Curso Historia Oral - Lectura #2: La entrevista de historia oral, ¿monologo o...
Curso Historia Oral - Lectura #2: La entrevista de historia oral, ¿monologo o...Curso Historia Oral - Lectura #2: La entrevista de historia oral, ¿monologo o...
Curso Historia Oral - Lectura #2: La entrevista de historia oral, ¿monologo o...
Archivo del Agua [DIIS]
 

Destaque (20)

Osteoartrose
Osteoartrose Osteoartrose
Osteoartrose
 
Artrose max
Artrose maxArtrose max
Artrose max
 
Artose
ArtoseArtose
Artose
 
Curso Historia Oral - Lectura #2: La entrevista de historia oral, ¿monologo o...
Curso Historia Oral - Lectura #2: La entrevista de historia oral, ¿monologo o...Curso Historia Oral - Lectura #2: La entrevista de historia oral, ¿monologo o...
Curso Historia Oral - Lectura #2: La entrevista de historia oral, ¿monologo o...
 
Dor em membros inferiores
Dor em membros inferioresDor em membros inferiores
Dor em membros inferiores
 
Fisioterapia na Gonartrose
Fisioterapia na GonartroseFisioterapia na Gonartrose
Fisioterapia na Gonartrose
 
Prog reuma 2015 1º sem
Prog reuma 2015 1º semProg reuma 2015 1º sem
Prog reuma 2015 1º sem
 
Doenças reumáticas e seu impacto na saúde
Doenças reumáticas e seu impacto na saúdeDoenças reumáticas e seu impacto na saúde
Doenças reumáticas e seu impacto na saúde
 
Prog reuma 2016 1º sem
Prog reuma 2016 1º semProg reuma 2016 1º sem
Prog reuma 2016 1º sem
 
Calendário
CalendárioCalendário
Calendário
 
Monoartrite à esclarecer rc
Monoartrite à esclarecer rcMonoartrite à esclarecer rc
Monoartrite à esclarecer rc
 
PROGRAMA DE REUMATOLOGIA 2015 TURMA B
PROGRAMA DE REUMATOLOGIA 2015 TURMA BPROGRAMA DE REUMATOLOGIA 2015 TURMA B
PROGRAMA DE REUMATOLOGIA 2015 TURMA B
 
Prog reuma 2015 2º sem
Prog reuma 2015 2º semProg reuma 2015 2º sem
Prog reuma 2015 2º sem
 
Apresentação 2º sem 2015 (5) (1)
Apresentação 2º sem 2015 (5) (1)Apresentação 2º sem 2015 (5) (1)
Apresentação 2º sem 2015 (5) (1)
 
Doença reumatóide 1
Doença reumatóide 1Doença reumatóide 1
Doença reumatóide 1
 
Apresentação 1º sem 2015
Apresentação 1º sem 2015Apresentação 1º sem 2015
Apresentação 1º sem 2015
 
Luiza reumato (1)
Luiza reumato (1)Luiza reumato (1)
Luiza reumato (1)
 
Dmtc
DmtcDmtc
Dmtc
 
Laboratório em Reumatologia
Laboratório em ReumatologiaLaboratório em Reumatologia
Laboratório em Reumatologia
 
Monoartrites diag diferenciais
Monoartrites diag diferenciaisMonoartrites diag diferenciais
Monoartrites diag diferenciais
 

Semelhante a Osteoartrite 2016

Disfunção sacroiliaca
Disfunção sacroiliacaDisfunção sacroiliaca
Disfunção sacroiliaca
adrianomedico
 
Saude homem ortopedicos_ago2010
Saude homem ortopedicos_ago2010Saude homem ortopedicos_ago2010
Saude homem ortopedicos_ago2010
Bruno Franco
 
Café científico 2011 - 03.07.11
Café científico   2011 - 03.07.11Café científico   2011 - 03.07.11
Café científico 2011 - 03.07.11
itgfiles
 
Blog tecido osseo histologia pronto
Blog tecido osseo histologia prontoBlog tecido osseo histologia pronto
Blog tecido osseo histologia pronto
samuelalves
 

Semelhante a Osteoartrite 2016 (20)

Osteoartrite 2017
Osteoartrite 2017Osteoartrite 2017
Osteoartrite 2017
 
Osteoartrose Na Terceira Idade
Osteoartrose Na Terceira IdadeOsteoartrose Na Terceira Idade
Osteoartrose Na Terceira Idade
 
Liquido Sinovial
Liquido Sinovial Liquido Sinovial
Liquido Sinovial
 
Osteporose revisão
Osteporose revisãoOsteporose revisão
Osteporose revisão
 
Disfunção sacroiliaca
Disfunção sacroiliacaDisfunção sacroiliaca
Disfunção sacroiliaca
 
trabalho de Reumato.pptx
trabalho de Reumato.pptxtrabalho de Reumato.pptx
trabalho de Reumato.pptx
 
Osteoporose 2013
Osteoporose 2013Osteoporose 2013
Osteoporose 2013
 
Osteoporose tudo o que precisa de saber sobre esta doença óssea silenciosa.pdf
Osteoporose tudo o que precisa de saber sobre esta doença óssea silenciosa.pdfOsteoporose tudo o que precisa de saber sobre esta doença óssea silenciosa.pdf
Osteoporose tudo o que precisa de saber sobre esta doença óssea silenciosa.pdf
 
Artrose na medicina tradicional chinesa e terapias complementares
Artrose na medicina tradicional chinesa e terapias complementaresArtrose na medicina tradicional chinesa e terapias complementares
Artrose na medicina tradicional chinesa e terapias complementares
 
Osteopenia
OsteopeniaOsteopenia
Osteopenia
 
Saude homem ortopedicos_ago2010
Saude homem ortopedicos_ago2010Saude homem ortopedicos_ago2010
Saude homem ortopedicos_ago2010
 
Osteoartrite 2020
Osteoartrite 2020Osteoartrite 2020
Osteoartrite 2020
 
Oa 2013
Oa 2013Oa 2013
Oa 2013
 
Café científico 2011 - 03.07.11
Café científico   2011 - 03.07.11Café científico   2011 - 03.07.11
Café científico 2011 - 03.07.11
 
Artrite gotosa
Artrite gotosaArtrite gotosa
Artrite gotosa
 
Osteoporose
Osteoporose Osteoporose
Osteoporose
 
Blog tecido osseo histologia pronto
Blog tecido osseo histologia prontoBlog tecido osseo histologia pronto
Blog tecido osseo histologia pronto
 
Gonartrose - revisão bibliográfica
Gonartrose - revisão bibliográficaGonartrose - revisão bibliográfica
Gonartrose - revisão bibliográfica
 
SLIDE APRESENTAÇAO IMUNOLOGIA (1).pptx
SLIDE APRESENTAÇAO IMUNOLOGIA (1).pptxSLIDE APRESENTAÇAO IMUNOLOGIA (1).pptx
SLIDE APRESENTAÇAO IMUNOLOGIA (1).pptx
 
Fracturas - Generalidades.pptx
Fracturas - Generalidades.pptxFracturas - Generalidades.pptx
Fracturas - Generalidades.pptx
 

Mais de pauloalambert

Mais de pauloalambert (20)

Dtp 16 21 sp
Dtp 16 21 spDtp 16 21 sp
Dtp 16 21 sp
 
Dtp 15 21 sp
Dtp 15 21 spDtp 15 21 sp
Dtp 15 21 sp
 
Dtp 14 21 sp
Dtp 14 21 spDtp 14 21 sp
Dtp 14 21 sp
 
Dtp 13 21 sp
Dtp 13 21 spDtp 13 21 sp
Dtp 13 21 sp
 
Dtp 12 21 sp
Dtp 12 21 spDtp 12 21 sp
Dtp 12 21 sp
 
Dtp 11 21 sp
Dtp 11 21 spDtp 11 21 sp
Dtp 11 21 sp
 
Dtp 10 21 sp
Dtp 10 21 spDtp 10 21 sp
Dtp 10 21 sp
 
Dtp 09 21 sp
Dtp 09 21 spDtp 09 21 sp
Dtp 09 21 sp
 
DTP 08 21 SP
DTP 08 21 SPDTP 08 21 SP
DTP 08 21 SP
 
DTP 07 21
DTP 07 21DTP 07 21
DTP 07 21
 
DTP 06 21 SP
DTP 06 21 SPDTP 06 21 SP
DTP 06 21 SP
 
DTP 05 21 sp
DTP 05 21 spDTP 05 21 sp
DTP 05 21 sp
 
DTP 0421
DTP 0421DTP 0421
DTP 0421
 
DTP0321 SP
DTP0321 SPDTP0321 SP
DTP0321 SP
 
DTP 0221
DTP 0221DTP 0221
DTP 0221
 
DTP 0221
DTP 0221DTP 0221
DTP 0221
 
DTP 0121 SP
DTP 0121 SPDTP 0121 SP
DTP 0121 SP
 
Folha Cornell
Folha CornellFolha Cornell
Folha Cornell
 
Sinais meningeos 20
Sinais meningeos 20Sinais meningeos 20
Sinais meningeos 20
 
ANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAIS
ANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAISANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAIS
ANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAIS
 

Último

Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
DanieldaSade
 
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades PúblicasAlimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
HELLEN CRISTINA
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
HELLEN CRISTINA
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
HELLEN CRISTINA
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
DanieldaSade
 

Último (10)

Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
 
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades PúblicasAlimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
 
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclosCaracterísticas gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
 
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
 
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
 
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino FelisbertoAltas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
 

Osteoartrite 2016

  • 1. Alambert, PA DISCIPLINA DE REUMATOLOGIA 2016 ARTROSE
  • 2. SINONÍMIASINONÍMIA  Os termos osteoartrose ouOs termos osteoartrose ou osteoartrite (OA) são empregadososteoartrite (OA) são empregados como sinônimos de artrose.como sinônimos de artrose.
  • 4. DEFINIÇÃODEFINIÇÃO  “Um grupo heterogêneo de condições que determinam sintomas e sinais articulares que se associam a defeitos da integridade da cartilagem articular, além de modificações no osso subjacente e nas margens articulares”. (ACR) Colégio Americano de Reumatologia
  • 5. DEFINIÇÃO A descrição da OA como doença articular exclusivamente degenerativa constitui um equívoco, pois OA não é simplesmente um processo de desgaste, mas sim de remodelação anormal dos tecidos articulares impulsionada por uma série de mediadores inflamatórios na articulação afetada. 06/03/16
  • 6. DEFINIÇÃO  Quadro reumático mais comum, caracterizado pela perda quantitativa e qualitativa da cartilagem articular com conseqüente remodelação óssea hipertrófica local e uma inflamação secundária.
  • 7. “O processo de doença não afeta apenas a cartilagem articular, mas envolve toda a articulação incluindo osso subcondral, ligamentos,cápsula, membrana sinovial e músculos periarticulares. Finalmente, a cartilagem articular se degenera com fibrilação, fissuras, ulcerações e afinamento total da superfície articular” CONCEITO ATUALCONCEITO ATUAL
  • 8. De modo mais simples:De modo mais simples: “ A osteoartrose é uma insuficiência qualitativa e quantitativa da cartilagem articular associada a alterações típicas do osso subcondral “
  • 9. EPIDEMIOLOGIA A osteoartrite (OA) é a principal causa de dor e incapacidade em adultos mais velhos e a segunda causa de consulta médica dentre as doenças crônicas em nosso meio.
  • 10. EPIDEMIOLOGIA Portanto, OA constitui um grave problema de saúde pública. Sua prevalência está crescendo nos países desenvolvidos, devido ao envelhecimento da população e a outros fatores tais como lesões adquiridas biomecânicas e obesidade.
  • 11. EPIDEMIOLOGIA Estima-se que no Brasil 4% da população apresente OA sendo a articulação do joelho acometida em 37% dos casos.
  • 12. Etiologia  Na etiologia da OA, a resposta da cartilagem articular à injúria ou degeneração artrósica é de reparação ineficiente.  As propriedades bioquímicas e mecânicas do novo tecido diferem da cartilagem original e resultam numa função articular inadequada ou alterada. 06/03/16
  • 14. Fisiopatologia  O melhor conhecimento da fisiopatologia inflamatória da OA provavelmente determinará novas abordagens para retardar alterações destrutivas na articulação e evitar o comprometimento funcional permanente. 06/03/16
  • 15. Fisiopatologia  Recentemente identificou-se um papel central para o sistema do complemento inflamatório na patogênese da osteoartrite ; descobriu-se que a expressão e ativação do complemento é anormalmente elevada nas articulações de humanos com osteoartrite. 06/03/16
  • 16. Cartilagem normal  A composição e a complexa organização estrutural entre o colágeno e os proteoglicanos garantem as propriedades inerentes à cartilagem articular, como resistência, elasticidade e compressibilidade, necessárias para dissipar e amortecer as forças, além de reduzir a fricção, sem muito gasto de energia, a qual as articulações diartrodiais estão sujeitas 06/03/16
  • 20. PATOGENIA Estímulos precipitantesEstímulos precipitantes CONDRÓCITOSCONDRÓCITOS Fissuras e depressões na cartilagem Alterações na posição e tamanho das fibras de colágeno LIBERAÇÃO DE ENZIMAS ALTERAÇÃO DA MATRIZ EXTRACELULAR ALTERAÇÕES ESTRUTURAIS Formação de osteófitos OSTEOARTRITEOSTEOARTRITE Inflamação Resposta imunológica Proliferação celular Matriz celular aumentada
  • 22. Condrócitos  Na OA, os condrócitos tornam-se “ativados” e caracterizam-se pela proliferação celular, formação de aglomerados e aumento da produção das proteínas e enzimas que degradam a matriz. 06/03/16
  • 23. Condrócitos produzem  Mediadores pró-catabólicos (citocinas)IL-1 eTNF alfaativam enzimas proteolíticas(metaloproteases)  Mediadores pró-anabólicos (fatores de crescimento)
  • 26. Caracterização clínica  Dor, deformidade.limitação dos movimentos e progressão lenta para a perda de função articular 06/03/16
  • 28.
  • 29. PRIMÁRIA (idiopática): Ocorre na ausência de qualquer fator predisponente conhecido e se subdivide em duas categorias, localizada e generalizada (inclui 3 ou mais áreas). SECUNDÁRIA: É aquela em que se reconhece uma causa ou um fator preexistente. EROSIVA:Também conhecida como osteoartrose inflamatória. Acomete as articulações IFD e IFP nas mãos, com FR (fator reumatóide negativo) ClassificaçãoClassificação
  • 30. Fatores de Risco  Os fatores de risco mais comuns para OA incluem idade, sexo, lesão articular prévia, obesidade, predisposição genética e fatores mecânicos, incluindo desalinhamento, amplitude de movimento e anormalidade da estrutura articular. 06/03/16
  • 31. PATOLOGIA As alterações patológicas presentes nas articulações com osteoartrite incluem a degradação da cartilagem articular, o espessamento do osso subcondral, a formação de osteófitos, graus variáveis de inflamação sinovial, degeneração de ligamentos no joelho, meniscos e hipertrofia da cápsula articular.
  • 35.
  • 36.
  • 37.
  • 38. sulcos v o l t a r a v a n ç a ri n í c i o 13/9/2005 Menisco medial Superfície articular com sulcos
  • 39. HISTOLOGIA NORMAL DA CARTILAGEM
  • 40.
  • 41. O vermelho indica síntese de proteoglicanos
  • 42. Patologia  Os achados de alterações patológicas nos tecidos articulares são a base para considerar a OA como uma doença “orgânica” que resulta em “falha articular”. Ou seja, a OA tem etiologia multifatorial e bases inflamatórias que levam progressivamente ao desgaste das estruturas, comprometendo a funcionalidade articular. 06/03/16
  • 43. DIAGNÓSTICO  Histórico clínico (anamnese)  Exame Físico  Exames de laboratório  Estudos radiográficos
  • 44. ANAMNESE  Dor em uma ou poucas articulações  Rigidez matinal com menos de 30 minutos de duração  Crepitação por perda da cartilagem ou irregularidades nas superfícies articulares  Limitação do movimento
  • 46.
  • 47.
  • 49.
  • 50.
  • 51.
  • 52. LABORATÓRIO NormalExame geral de urina NegativoFator reumatóide Cor palha e viscosidade adequada, o número de leucócitos < 2.000 Líquido sinovial Normal Velocidade de hemossedimentação
  • 53. RADIOLOGIA No início da doença não se observam anormalidades. Com seu desenvolvimento, observam-se:  Diminuição do espaço intra-articular  Esclerose subcondral (eburnação)  Osteófitos;  Erosão e anquilose óssea (pseudocistos ósseos).
  • 54.
  • 55.
  • 56.
  • 57.
  • 58.
  • 59.
  • 61. TRATAMENTO  Os objetivos a atingir com o tratamento são:  1.Aliviar a dor  2.Manter a funcionalidade articular  3.Educar o paciente e sua família
  • 62. TRATAMENTO  Tratamento Físico  Tratamento Farmacológico  Tratamento Cirúrgico
  • 63. TRATAMENTO FÍSICO  Diminuição de peso  Realizar programas de exercícios para manter a força muscular, a flexibilidade das articulações e evitar deformidades  Terapia ocupacional
  • 65. Ação rápida  Analgésicos  AINHs  Miorrelaxantes  Corticosteróide intra-articular  Colchicina
  • 66. Ação lenta  Glicosamina  Condroitina  Diacereína  Extratos insaponificados de soja e abacate  Ácido hialurõnico  Cloroquina  Necessitam mais estudos Sintomáticos Modificadores de doença
  • 67. Tratamento cirúrgicoTratamento cirúrgico  As técnicas cirúrgicas empregadas na osteoartrite são artrodese, artroplastias, osteotomias, desbridamento articular, liberação de nervos periféricos, etc.
  • 68. Conclusão  Osteoartrite NÃO é sinônimo de “envelhecimento”.  Freqüentemente, o paciente com osteoartrite procura primeiro o clínico geral. Por isso, é importante conhecê-la.  Se houver dúvidas ou complicações, deve-se consultar o reumatologista.