Gonartrose - revisão bibliográfica

8.876 visualizações

Publicada em

um artigo de revisão bibliográfica
*Estágio 1 - fisioterapia - UNIVERSO/CAMPOS

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
7 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
8.876
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
147
Comentários
0
Gostaram
7
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Gonartrose - revisão bibliográfica

  1. 1. Universidade Salgado de Oliveira Curso: Fisioterapia Estágio Supervisionado Gonartrose: uma revisão bibliográfica
  2. 2. Introdução O joelho é considerado uma articulação sinovial podendo ser acometido por várias doenças, entre elas a osteoartrite, também denominada osteoartrose, artrite hipertrófica, artrite degenerativa ou gonartrose. A gonartrose é uma doença degenerativa que afeta as articulações sinoviais, podendo ocorrer microfraturas, cistos e esclerose no osso subcondral e presença de osteófitos nas bordas articulares. Pode causar incapacidade funcional devido à presença da dor, da diminuição no espaço articular, redução de amplitude de movimento, e também demonstra uma diminuição da força muscular, interferindo nas atividades da vida diária.
  3. 3. Etiologia – Desconhecida. Porém, podem estar associados com alguns fatores como: Sobrecarga, sobrepeso, fatores hormonais, nutricionais, metabólicos, biomecânicos. Grupo mais acometido: Idosos e mulheres. *No Brasil, ocupa o terceiro lugar na lista dos segurados da Previdência Social. Com demanda de 65% das causas de incapacidade.
  4. 4. Classificação • Primária ou idiopática: Quando não é possível determinar sua causa. • • • • Secundária por : trauma após lesão grave, Pode resultar em fratura das superfícies articulares; microtrauma de repetição; sobrecarga; luxação; Obesidade, entre outros. *Ocorre principalmente no sexo feminino, durante a idade adulta: entre a quarta e quinta décadas, no período da menopausa.
  5. 5. Fatores Sistêmicos • Idade: após os 40 anos de idade nas mulheres e 50 anos nos homens. E após 85 anos, praticamente todos (85 a 100%) têm sinais da doença. • Fatores Hormonais: Uma densidade mineral óssea elevada estaria associada ao aumento da prevalência da gonartrose. • Postulando-se que a osteoporose teria um efeito protetor contra o início da osteoartrose. • Fatores Nutricionais: Estar relacionado à baixa ingestão de vitaminas C e D.
  6. 6. Fatores Metabólicos: Distúrbios endócrinos e metabólicos estão associados à ocorrência da doença, como: Hiperglicemia e hipercolesterolemia. *Parecem estar associadas ao aumento da frequência e gravidade da manifestação da gonartrose. Fatores Biomecânicos Locais: O sobrepeso e obesidade, estão associados à maior prevalência de osteoartrose de joelhos. De 4 a 5 vezes em relação a indivíduos com peso normal.
  7. 7. • Lesões e Deformidades Adquiridas : Lesões de meniscos e ligamentos, particularmente do ligamento cruzado anterior. Podem ser fatores agravantes para o desenvolvimento da gonartrose. • Força Muscular : A força do quadríceps, ajustada para o peso corpóreo sexo e idade, é um fator do desenvolvimento da doença. • A atrofia do quadríceps observada nesses pacientes tanto pode ser fator de risco. Mas também como consequência do dano estrutural articular.
  8. 8. Sinais e sintomas A dor é o principal sintoma. • Piora com o movimento e ao final do dia; No estágio mais avançado da doença, pode desenvolver-se dor ao repouso e durante a noite. • Crepitação; • Marcha antálgica ou dolorosa. • Edema pela sinovite (é a inflamação da membrana sinovial) • Também pode ocorrer o travamento do joelho. Onde as superfícies ósseas atritam uma contra a outra, causando dor intensa, podendo ser palpados os
  9. 9. • Deformidades, com marcha modificada. • Apresentando geno varo ou geno valgo. Alguns fatores predisponentes para o geno valgo são: a pronação excessiva da articulação subtalar. Com alteração biomecânica, responsável por 77% das lesões no joelho. • Já a minha paciente de 67 anos, apresenta geno valgo, crepitação, e dor durante o repouso, e ela relatou que sua dor melhora quando ela se movimenta.
  10. 10. Deformidades O alargamento da pelve, com ângulo de anteversão femoral acima de 15 . Provoca a rotação interna do fêmur. Uma frouxidão dos ligamentos colaterais mediais do joelho e a torção tibial externa. • Esses fatores aumentam a compressão lateral da articulação tibiofemural. Levando a compensações biomecânicas e sobrecarga da articulação patelofemural. Dor intensa, localizada na face anterior do joelho.
  11. 11. *A carga compressiva anormal ocasiona aumento do estresse de contato no platô tibial lateral. O desequilíbrio de forças acarreta sobrecarga nos ligamentos. Alongamento da cápsula, do ligamento colateral lateral e da banda iliotibial
  12. 12. “ Kapandji afirma que “os desvios laterais do joelho não são insignificantes. Com o tempo, são causadores de artrose”. Ocorre então desgaste prematuro do compartimento interno (artrose fêmurotibial interna). No geno varo ou artrose fêmurotibial externa no geno valgo.’’
  13. 13. No valgismo exagerado acarreta encurtamento das estruturas musculoligamentares. A banda iliotibial e o retinaculo lateral, assim como alongamento e fraqueza dos musculo vasto medial.
  14. 14. Intervenção fisioterapêutica A evolução da gonartrose pode levar a substituição total da articulação. O tratamento conservador é a alternativa inicial. A fisioterapia tem um papel importante, na melhora dos sintomas e na restauração da função. Primeiramente é necessário que seja feito uma anamnese completa. • Goniometria, que irá verificar o grau de amplitude de movimento. • Avaliar força muscular; Com o intuito de verificar o impacto na realização das AVD’s.
  15. 15. objetivos: • Melhorar os sinais e sintomas dolorosos. • Prevenir atrofias; • Prevenir perdas de ADM. • Informar ao paciente sobre posturas nas AVD’S. • Inclusão de atividade física específica.
  16. 16. *A maior parte das limitações nos idosos está relacionada ao sedentarismo. • Fatore este que pode ser tratado com estratégias. Envolvendo atividade física em diferentes modalidades. • A atividade funcional da articulação é essencial. Mantendo-se saudável e nutrida,dentro dos limites fisiológicos. • A reabilitação : Deve incluir exercícios adequados. Com e sem uso de carga.
  17. 17. • Com pouca carga e muita repetição. Para diminuir a tensão nas articulações. • Exercícios realizados em casa: Deve ser planejados e monitorados. Diagnostico Baseado na história do paciente . Exames complementares. • A história está associada a dados clínicos. O paciente está na quinta ou sexta década. Apresenta uma queixa mono ou oligoarticular.
  18. 18. • Sua dor articular se inicia após um esforço físico, sendo no início de leve intensidade e responde bem a AINE e analgésicos comuns. • Já em fases avançadas a dor permanece por praticamente todo o tempo, dessa forma reduzindo o nível de qualidade de vida. • Portanto, a própria história natural da doença nos possibilita graduar a osteoartrose em leve, moderada e severa, de acordo com critérios clínicos.
  19. 19. Raio X : utilizado para classificar a doença. Graduar a severidade do dano estrutural. Lesões vão desde: ausência de alterações, visíveis à radiografia e até estágios avançados como: • A presença de cistos ósseos. • Osteófitos exuberantes. • Redução do espaço articular. • Esclerose do osso subcondral.
  20. 20. Métodos A indicação das artroplastias totais do joelho baseia-se nos desvios de eixo. Comprometimento dos compartimentos articulares e na idade dos pacientes. Deformidades determinantes : 1) Desvio em varo acima de15º; 2) Desvio em valgo acima 10º; 3) Subluxação femorotibial no plano frontal 4) Anteriorização da tíbia em relação ao fêmur, na radiografia de perfil;
  21. 21. • Com a evolução ocorre uma degeneração articular. • Leva à desestruturação de todo o aparelho osteoligamentar. • Agravamento da deformidade. *Situações como essas, artroplastia total têm sido de muito auxílio na melhoria da qualidade de vida dos pacientes.
  22. 22. Outro método seriam : • As atividades hídricas otimizando o funcionamento articular, diminuindo a necessidade do uso de medicamentos. *Com o calor da água durante toda a terapia diminui a sensibilidade das fibras nervosas rápidas (tato) e lenta (dor). 1. 2. 3. 4. Promovem diminuição da dor; O relaxamento muscular; Melhorando a circulação sanguínea; Aumentando ADM durante o tratamento.
  23. 23. Termoterapia profunda O ultrassom - contínuo Um Recurso com vibrações mecânicas por meio de ondas sonoras de alta frequência. Gera calor dentro dos tecidos . Esse processo tem alguns efeitos fisiológicos (como por exemplo, o reparo de lesões). • • • • Diminui processos inflamatórios Auxiliando na formação de tecido de granulação Agindo no reparo do tecido ósseo Promover alívio de dor crônica.
  24. 24. Já a utilização da diatermia por ondas curtas Ele é capaz de promover melhora do quadro álgico. Porém ele apresenta um resultado semelhante ao Ultrassom. Cinesioterapia Cada tipos de exercícios : Favorecer o fortalecimento; Aceleram os benefícios que proporciona frente à gonartrose. Exercícios isométricos: Trabalham de forma eficiente. Os músculos através de contração gera tensão sem provocar a alteração do comprimento do músculo. Não provoca hipertrofia, mas desenvolve força em uma escala moderada.
  25. 25. Método Kabat: É o uso de padrões funcionais de movimento para aceleração das respostas neuromusculares. • A (FNP) de fortalecimentos, são os que destacam a rotação tibial manualmente resistido. Essencial para o treino da função normal. Movimentos são em cadeia cinética aberta. Incluindo apenas contração ativa, utilizando o padrão de movimento funcional. • Padrões resistidos: Realizado em períodos que músculo já está mais fortalecido. Realizados diagonais, seguindo os movimentos funcionais. Em todos os ângulos que a articulação permite.
  26. 26. Vantagem do FNP: 1. A parte mais forte da musculatura 2. fortalece as debilitadas. 3. Fadiga, demora para ocorrer 4. A contração gera o movimento 5. Trabalha função, gerando atividade. Criocinética Frio + movimento = Recuperação rápida no processo da doença degenerativa. Ajuda alcançar movimento ativo iniciais. Embora seja usado mais para Fisioterapia Esportiva.
  27. 27. Essa aplicação proporcionará maior Funcionalidade dependendo do grau de evolução da lesão e da presença de crises dolorosas O procedimento consiste em: Uma dormência fria na cápsula articular e poplítea acima. Massagem com gelo : Conseguindo um efeito de analgesia local. Produzindo efeito vasodilatador maior do que a própria termoterapia Exercício: Deve ser progressivo e globalmente. No caso de flexão do joelho e extensão devem estar dentro dos limites da dor.
  28. 28. Sempre evoluindo para se tornar ativo e integrar as AVD’s : caminhar, sentar, etc... Deve ser feito um intervalo para o alongamento passivo melhorando o encurtamento dos músculos Como grupo isquiotibiais, e em seguida, ele continua com uma contração isotônica. Terapia manual Envolve muitas técnicas das quais a mais comum é a mobilização articular e manipulação. Sua eficácia e dos exercícios É para aliviar a dor e reduzir a incapacidade física.
  29. 29. Conclusão A gonartrose é uma patologia evolutiva e deve ser tratado o mais precocemente possível não só com a fisioterapia, mas com uma equipe multidisciplinar. A fisioterapia apresenta vários métodos que podem ajudar a aliviar os sintomas, principalmente as atividades aquáticas são benéficas ao tratamento de doenças reumáticas, com objetivo de aliviar a dor, que é a principal sintomatologia da doença. Uma boa qualidade óssea + boa postura + atividade física= são fatores importantes para prevenção da gonartrose.
  30. 30. Referência bibliográfica ARTIGOS: 1 - Cinesioterapia como tratamento para osteoartrite no joelho [11/09/13 Revista online http://www.fai.com.br/portal/] 2 - A fisioterapia na funcionalidade do idoso com osteartrose: um estudo retrospectivo em uma instituição de longa permanência – [14/09/13 Revista online Unipê] 3 - Osteoartrose: uma revisão de literatura. [17/09/13 http://www.efdeportes.com] 4 ATUAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA NA OSTEOARTROSE DE JOELHO: UMA REVISÃO LITERÁRIA [ 17/09/13 http://www.fm.usp.br/] 5 – BENEFÍCIOS DOS EXERCÍCIOS CONTRA-RESISTIDOS PARA IDOSOS OSTEOARTROSE DE JOELHO [20/09/13 http://www.portalsaudebrasil.com] 6 – Tratamento fisioterápico na osteoartrose : uma http://www.inicepg.univap.br] COM revisão bibliográfica [26/09/13 7 – A fisioterapia na osteoartrose : uma revisão literária [28/09/13http://bases.bireme.br ] 8 – Abordagem fisioterapêutica em pacientes com osteoporose e osteoartrose associadas: uma revisão literária. [ 28/09/13 http://seer.uscs.edu.br ]
  31. 31. 9 – Osteoartrose de joelho : uma revisao bibliografica sobre conceito e tratamento [05/10/13 revista fisioBrasil- biblioteca-UNIVERSO] 10 – AVALIAÇÃO FUNCIONAL DE IDOSAS COM OSTEOARTROSE DE JOELHO SUBMETIDAS A TRATAMENTO FISIOTERAPÊUTICO [05/10/13 http://inseer.ibict.br] 11 – Osteoartrose : Uma revisão literária [05/10/13 http://www.medicinanet.com.br] 12 – Tratamento da osteoartrose do joelho [08/10/13 http://www.sncsalvador.com.br/] 13 – Exercicios físicos e osteoartrose : uma revisão sistemática – [08/10/13 www.scielo.br] 14 – UTILIZAÇÃO DA CINESIOTERAPIA GONARTROSE [08/10/13 Revista www.faculdadesaomiguel.com.br/presciencia3.pdf] NO TRATAMENTO Presciência nº DA 03 15 – Cartilagem Articular e Osteoartrose [12/10/13 http://www.scielo.br] 16 – Considerações sobre sistema articular, artrose estudo de revisão. [15/10/13 http://www.efdeportes.com/ ] e exercício físico: um
  32. 32. 17 – deformidades em valgo e varo de joelho alteram a cinesiologia de membros inferiores. [15/10/13 www.prac.ufpb.br] 18 – Efeitos da utilização do videogame Nintendo Wii como instrumento terapêutico. [15/10/13 www.efdeportes.com] 19 – Terrmoterapia profunda como tratamento fisioterapêutico na osteartrose [18/10/13 http://periodicos.puc-campinas.edu.br/] 20 – Physiotherapy management http://onlinelibrary.wiley.com/] of knee osteoarthritis. [20/10/13 21 - Gonartrose Criocinética na incipiente [25/10/13 www.elsevier.es/ ] 22 – Benefícios da pratica de atividades aquáticas na melhoria da qualidade de vida em idosos portadores da osteoartrose [ 28/10/13 http://www.inicepg.univap.br] 23 – OS BENEFICIOS DO REFORÇO MUSCULAR NO PORTADOR DE GONARTROSE. [10/11/13 REVISTA ONLINE http://www.iesanet.com.br/biblioteca-virtual/revistaSaude3-4.pdf ]

×