SlideShare uma empresa Scribd logo
VII Fórum da Câmara Técnica de Medicina Desportiva - CREMERJ
Exercício na
Sarcopenia
Alfredo Villardi
Sarcopenia
Redução da massa
muscular e da força,
imposta pela idade
Causa potencial, importante e reversível de
morbidade e mortalidade de pacientes
idosos
Janssen et al: J Am Geriatr Soc. 2002 May;50(5):889-96
Sarcopenia
Sarcopenia
Condição multifatorial que
determina mudanças nos
músculos com a idade,
levando a perda involuntária
de massa muscular, força e
função
Etiologia multifatorial
• Imobilidade
• Alterações no metabolismo muscular
• Alterações endócrinas
• Alterações mitocondriais
• Alterações da junção neuromuscular
• Fatores nutricionais
• Fatores genéticos
• Citocinas pró-inflamatórias
• Aumento de produção de radicais livres
Etiologia
Embora existam muitos potenciais
mecanismos para explicar a sarcopenia, a
contribuição específica de cada um continua
desconhecida
Roth et al:J Nutr Health Aging. 2000;4(3):143-55
Teorias
• Processo inflamatório de baixo grau
• Alterações de IL-6 e TNF-α (fator de necrose tumoral)
• Hsp (heat-shock protein) - Proteção celular
• Exercício: Restabelece a Hsp e citocinas circulantes
Bautmans et al: Gerontology. 2005 Jul-Aug;51(4):253-65
Teorias
• Redução da ação do IGF-1 no músculo (Insulin-like growth factor)
• IGF-1 promove proliferação mioblástica
• Diferenciação celular
• Através de múltiplos mecanismos sinalizadores
• Exercícios e lesões produzem:
Aumento da IGF-1
Aumento dos receptores de IGF-1
Aumento IGF-1-ativada- função sinalizadora
Adamo&Farrar: Ageing Res Rev. 2006 Aug;5(3):310-31
• Diretos e indiretos
• U$18.5 bilhões - ano de 2000
Janssen et al : J Am Geriatr Soc. 2004 Jan;52(1):80-5
Custos
Perda muscular
• A perda de massa muscular é comum com a idade
• Perda do tamanho e número de fibras musculares
• A partir dos 50 anos: aceleração significativa
• 30 - 80 anos: Perda de 50% da força muscular
• O declínio é mais pronunciado nas fibras do tipo II
• Diretamente relacionado ao decréscimo da força
Sarcopenia
Efeitos do envelhecimento muscular :
• Mudanças nas unidades motoras
• Denervação das fibras
• Redução dos fatores de crescimento
• Alterações proteicas do músculo
Modificações morfológicas
• Tomografia computadorizada
• Após os 30 anos de idade
• Redução na área de secção transversa
• Diminuição da densidade muscular
• Aumento na gordura intramuscular
Envelhecimento
Perda da independência
Inatividade física Inatividade física
DescondicionamentoAnsiedade e depressão
Fragilidade músculo-esqueléticaQueda da motivação e auto-estima
Riscos associados
• Estado de fragilidade
• Estágio anterior a incapacidade
• Papel predominante na etiologia da fragilidade
• Alto valor preditivo de eventos adversos
• Incapacidade, hospitalização e mortalidade
Riscos associados
Risco duas vezes maior de contrair infecção
durante internação hospitalar.
Cosqueric et al:Br J Nutr. 2006 Nov;96(5):895-901
Interações
• Sarcopenia
• Alterações de marcha
• Desequilíbrio
• Perda da propriocepção
• Tendência cifosante
• Alterações cognitivas
• Queda
• Osso osteoporótico
• Fraturas
Reversão dos efeitos
Exercício
Assegurar a melhor relação risco-benefício
• Planejamento individualizado
• Considerar as comorbidades
• Regular
• Modalidade
• Duração
• Freqüência
• Modo de progressão
Prescrição de exercícios
Diversos componentes da aptidão física
• Força muscular
• Condicionamento cardiorrespiratório
• Endurance
• Flexibilidade
• Composição corporal
• Socialização
Efeitos do treinamento de força
• O condicionamento de força resulta em um incremento
no tamanho muscular, que reflete o aumento do
conteúdo de proteína contrátil
• Estímulo adequado de treinamento proporciona nas
pessoas idosas ganhos reais de força
• A força pode aumentar de duas a três vezes em um
período de tempo relativamente curto (3 a 4 meses)
Efeitos do treinamento de força
• Intenso efeito anabólico nos idosos
• Melhora a retenção de nitrogênio - retenção dos
estoques de proteína corporal
• Aumenta a massa e a força muscular, o equilíbrio
dinâmico e o estoque ósseo
• As terapias tradicionais para osteoporose têm a
capacidade de manter ou reduzir a perda óssea, mas
não melhoram o equilíbrio, força e massa muscular
Duração das atividades
• Média: 30 a 90 minutos
• Inversamente proporcional a intensidade
• Idosos frágeis
• Sessões de curta duração – 5 a 10 minutos
• Forma fracionada – 2 períodos
A musculatura dos idosos preserva a capacidade
plástica em resposta ao aumento de carga,já que
hipertrofia e reversão das alterações da arquitetura
muscular são observadas com treinamento de força
Narici et al: J Musculoskelet Neuronal Interact. 2004 Jun
Literatura
Fortalecimento dos músculos da extremidade
inferior reduz o índice de quedas no idoso
Sinaki M: Curr Osteoporos Rep. 2004 Dec
Literatura
Treinamento de força melhora a função muscular e
pode minimizar ou até mesmo reverter a sarcopenia
em muito idosos ou frágeis
A principal diferença na prescrição dos exercícios é a
intensidade
Avila-Funes et al: Gac Med Mex. 2004 Jul-Aug;140(4):431-6.
Literatura
• Treinamento de força continua a ser a mais efetiva
intervenção para o aumento de massa e força
muscular na população de idosos
• Baixa ingesta pode interferir nos resultados
Borst: Age Ageing. 2004 Nov;33(6):548-55.
Literatura
Programas específicos de treinamento podem
aumentar dramaticamente a força e habilidades
funcionais dos idosos
Macaluso & De Vito : Eur J Appl Physiol. 2004 Apr
Literatura
Várias modalidades de tratamento para sarcopenia já
foram propostas mas, apenas os treinamentos de
força demonstraram ser sigificativamente benéficos
Mishra: Acta Myol. 2003 Sep;22(2):43-7.
Literatura
O treinamento com exercícios progressivos de força é
uma terapia efetiva, não farmacológica, que se
opõe ao enfraquecimento muscular tanto em
indivíduos de meia idade quanto nos mais
fragilizados.
Yarasheski : J Nutr Health Aging. 2002;6(5):349-56
Literatura
O treinamento de força promove aumento da
síntese proteica, determinando hipertrofia
muscular em pacientes idosos
Porter: Can J Appl Physiol. 2001
Literatura
Devido ao baixo status funcional e a alta incidência de
doenças crônicas, nenhum segmento da população
pode se beneficiar tanto com o treinamento
do que os idosos.
Evans:J Nutr. 1997 May;127(5 Suppl):998S-1003S
Literatura
Treinamento de força progressiva é capaz de produzir
aumento substancial na força e no volume muscular
dos mais idosos.
Para a maioria destes,os exercícios representam as
mais seguras e menos dispendiosas medidas para
manter a independência
Evans: Geriatrics. 1996 May;51(5):46-7, 51-3
Literatura
Maiores Benefícios
• Melhora da capacidade funcional
• Recuperação da autonomia
• Redução do risco de quedas
• Redução do risco de fraturas
• Re-integração ao meio
• Melhor qualidade de vida
• Maior longevidade
Cuidados – Treinamento de força
• Avaliação pré-participação
• Avaliação de comorbidades
• Osteoporose – Avulsões
• Problemas da coluna vertebral – Colapso
• Hipertensão : Valsalva e Isometria
Atuação estratégica
• AF é fundamental para promoção de saúde no idoso
• AF regular melhora a qualidade e expectativa de vida
• Preservar ou aumentar a massa muscular
• Aumento da força muscular
• Alta prevalência na população idosa
Obrigado
Sarcopenia
• Perda das fibras tipo I e II
• Redução da secção transversa das fibras tipo II
• Efeitos atenuados por carga mecânica no músculo
• Aumento da área transversa das remanescentes
• Não restitui o número de fibras
Perda da força muscular
• Diminuição da massa muscular é responsável por
quase toda a perda da força nos idosos.
• O número das unidades funcionais motoras também
declinam com o avançar da idade.
• Necessárias para inervar as fibras musculares.
Modificações morfológicas
• Massa Magra – principalmente das Fibras do Tipo
II;
• Necrose miofibrilar – ­ Tecido adiposo e conectivo;
• Agrupamento do Tipos de Fibras.
Consequências da sarcopenia
• Quedas e fraturas
• Desequilíbrio da temperatura corporal
• Lentificação do metabolismo
• Interferência nos índices normais de glicose
• Limitações das AVD
• Perda da independência
Sarcopenia
Sarcopenia é um termo genérico utilizado para
toda a perda de massa muscular
com conseqüente diminuição da força e
qualidade muscular
Altos índices de IL-6 e PCR :
Risco aumentado de perda da força
Efeitos do treinamento de força
• Melhora da capacidade funcional
• Ganho significativo de força
• Período de três a quatro meses
• Aumento da força no treinamento
• Aumento no tamanho do músculo
O treinamento de força é uma intervenção efetiva para
aumentar a força, a massa e a qualidade muscular,
além de retardar os efeitos da incapacidade nos
idosos.
Literatura

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

FISIOTERAPIA NAS DISFUNÇÕES DO TORNOZELO E PÉ_FINAL2020.pdf
FISIOTERAPIA NAS DISFUNÇÕES DO TORNOZELO E PÉ_FINAL2020.pdfFISIOTERAPIA NAS DISFUNÇÕES DO TORNOZELO E PÉ_FINAL2020.pdf
FISIOTERAPIA NAS DISFUNÇÕES DO TORNOZELO E PÉ_FINAL2020.pdf
MisslenyHaruna
 
Reabilitação cardíaca
Reabilitação cardíacaReabilitação cardíaca
Reabilitação cardíaca
Universidade Norte do Paraná
 
Marcha
MarchaMarcha
Marcha
Diana Soares
 
Sarcopenia e-exercicio
Sarcopenia e-exercicioSarcopenia e-exercicio
Sarcopenia e-exercicio
Danilo Joenck
 
Aula 4 Adaptacoes Cardiovasculares Ao Exercicio
Aula 4   Adaptacoes Cardiovasculares Ao ExercicioAula 4   Adaptacoes Cardiovasculares Ao Exercicio
Aula 4 Adaptacoes Cardiovasculares Ao Exercicio
Felipe P Carpes - Universidade Federal do Pampa
 
Exercícios para idosos
Exercícios para idososExercícios para idosos
Exercícios para idosos
Victor Dantas
 
A importância das práticas corporais para a saúde mental
A importância das práticas corporais para a saúde mentalA importância das práticas corporais para a saúde mental
A importância das práticas corporais para a saúde mental
Caio Maximino
 
Parkinson
ParkinsonParkinson
Parkinson
Nilce Nascimento
 
Teorias Biologicas Do Envelhecimento
Teorias Biologicas Do EnvelhecimentoTeorias Biologicas Do Envelhecimento
Teorias Biologicas Do Envelhecimento
agemais
 
Fisioterapia no paciente crítico
Fisioterapia no paciente críticoFisioterapia no paciente crítico
Fisioterapia no paciente crítico
Fábio Falcão
 
Manual de goniometria
Manual de goniometriaManual de goniometria
Manual de goniometria
Raíssa Moraes
 
Aula 3 Metabolismo E Exercicio
Aula 3   Metabolismo E ExercicioAula 3   Metabolismo E Exercicio
Aula 3 Metabolismo E Exercicio
Felipe P Carpes - Universidade Federal do Pampa
 
Atividade física idosos
Atividade física   idososAtividade física   idosos
Atividade física idosos
Rosimeire Santos
 
Sedentarismo
SedentarismoSedentarismo
Sedentarismo
Karina Lima
 
ATIVIDADE FÍSICA E ENVELHECIMENTO
ATIVIDADE FÍSICA E ENVELHECIMENTOATIVIDADE FÍSICA E ENVELHECIMENTO
ATIVIDADE FÍSICA E ENVELHECIMENTO
Centro Universitário Ages
 
Aula 1 - Introdução a fisiologia do exercício e controle interno
Aula 1 - Introdução a fisiologia do exercício e controle internoAula 1 - Introdução a fisiologia do exercício e controle interno
Aula 1 - Introdução a fisiologia do exercício e controle interno
Felipe P Carpes - Universidade Federal do Pampa
 
Osteoartrose
Osteoartrose Osteoartrose
Alteracoes fisiologicas e anatomicas do idoso
 Alteracoes fisiologicas e anatomicas do idoso Alteracoes fisiologicas e anatomicas do idoso
Alteracoes fisiologicas e anatomicas do idoso
Keylla Tayne
 
Osteoartrite
OsteoartriteOsteoartrite
Osteoartrite
Junio Alves
 
Aula Eletroterapia
Aula EletroterapiaAula Eletroterapia
Aula Eletroterapia
Jacqueline Bexiga
 

Mais procurados (20)

FISIOTERAPIA NAS DISFUNÇÕES DO TORNOZELO E PÉ_FINAL2020.pdf
FISIOTERAPIA NAS DISFUNÇÕES DO TORNOZELO E PÉ_FINAL2020.pdfFISIOTERAPIA NAS DISFUNÇÕES DO TORNOZELO E PÉ_FINAL2020.pdf
FISIOTERAPIA NAS DISFUNÇÕES DO TORNOZELO E PÉ_FINAL2020.pdf
 
Reabilitação cardíaca
Reabilitação cardíacaReabilitação cardíaca
Reabilitação cardíaca
 
Marcha
MarchaMarcha
Marcha
 
Sarcopenia e-exercicio
Sarcopenia e-exercicioSarcopenia e-exercicio
Sarcopenia e-exercicio
 
Aula 4 Adaptacoes Cardiovasculares Ao Exercicio
Aula 4   Adaptacoes Cardiovasculares Ao ExercicioAula 4   Adaptacoes Cardiovasculares Ao Exercicio
Aula 4 Adaptacoes Cardiovasculares Ao Exercicio
 
Exercícios para idosos
Exercícios para idososExercícios para idosos
Exercícios para idosos
 
A importância das práticas corporais para a saúde mental
A importância das práticas corporais para a saúde mentalA importância das práticas corporais para a saúde mental
A importância das práticas corporais para a saúde mental
 
Parkinson
ParkinsonParkinson
Parkinson
 
Teorias Biologicas Do Envelhecimento
Teorias Biologicas Do EnvelhecimentoTeorias Biologicas Do Envelhecimento
Teorias Biologicas Do Envelhecimento
 
Fisioterapia no paciente crítico
Fisioterapia no paciente críticoFisioterapia no paciente crítico
Fisioterapia no paciente crítico
 
Manual de goniometria
Manual de goniometriaManual de goniometria
Manual de goniometria
 
Aula 3 Metabolismo E Exercicio
Aula 3   Metabolismo E ExercicioAula 3   Metabolismo E Exercicio
Aula 3 Metabolismo E Exercicio
 
Atividade física idosos
Atividade física   idososAtividade física   idosos
Atividade física idosos
 
Sedentarismo
SedentarismoSedentarismo
Sedentarismo
 
ATIVIDADE FÍSICA E ENVELHECIMENTO
ATIVIDADE FÍSICA E ENVELHECIMENTOATIVIDADE FÍSICA E ENVELHECIMENTO
ATIVIDADE FÍSICA E ENVELHECIMENTO
 
Aula 1 - Introdução a fisiologia do exercício e controle interno
Aula 1 - Introdução a fisiologia do exercício e controle internoAula 1 - Introdução a fisiologia do exercício e controle interno
Aula 1 - Introdução a fisiologia do exercício e controle interno
 
Osteoartrose
Osteoartrose Osteoartrose
Osteoartrose
 
Alteracoes fisiologicas e anatomicas do idoso
 Alteracoes fisiologicas e anatomicas do idoso Alteracoes fisiologicas e anatomicas do idoso
Alteracoes fisiologicas e anatomicas do idoso
 
Osteoartrite
OsteoartriteOsteoartrite
Osteoartrite
 
Aula Eletroterapia
Aula EletroterapiaAula Eletroterapia
Aula Eletroterapia
 

Destaque

Enfermería - Nutricion paciente quirúrgico (Post operatorio)
Enfermería - Nutricion paciente quirúrgico (Post operatorio)Enfermería - Nutricion paciente quirúrgico (Post operatorio)
Enfermería - Nutricion paciente quirúrgico (Post operatorio)
Docente en Tecnicatura Superior en Enfermería Henderson - Daireaux
 
NutricióN En El Adulto Mayor
NutricióN En El Adulto MayorNutricióN En El Adulto Mayor
NutricióN En El Adulto Mayor
nutry
 
Sarcopenia,obesidad y aterosclerosis
Sarcopenia,obesidad y aterosclerosisSarcopenia,obesidad y aterosclerosis
Sarcopenia,obesidad y aterosclerosis
angel antonio pineda madrid
 
Enfoque clinico de los transtornos del sueño
Enfoque clinico de los transtornos del sueñoEnfoque clinico de los transtornos del sueño
Enfoque clinico de los transtornos del sueño
Fjtamayog
 
Sarcopenia
SarcopeniaSarcopenia
Sarcopenia
MarceloMuller2015
 
Obesidad sarcopénica en el adulto mayor
Obesidad sarcopénica en el adulto mayorObesidad sarcopénica en el adulto mayor
Obesidad sarcopénica en el adulto mayor
Juan Rodrigo Tuesta-Nole
 
Sarcopenia
SarcopeniaSarcopenia
Sarcopenia
Yocelyn Guerrero
 
Sarcopenia
SarcopeniaSarcopenia
Obesidad adulto
Obesidad adultoObesidad adulto
Obesidad adulto
hideprada
 
Enfoque nutricional del anciano obeso sarcopénico leo
Enfoque nutricional del anciano obeso sarcopénico leoEnfoque nutricional del anciano obeso sarcopénico leo
Enfoque nutricional del anciano obeso sarcopénico leo
Fjtamayog
 
Beneficios adulto mayor ihss
Beneficios adulto mayor ihssBeneficios adulto mayor ihss
Beneficios adulto mayor ihss
angel antonio pineda madrid
 
Obesidad Sarcopénica en el Adulto Mayor OFICIAL
Obesidad Sarcopénica en el Adulto Mayor OFICIALObesidad Sarcopénica en el Adulto Mayor OFICIAL
Obesidad Sarcopénica en el Adulto Mayor OFICIAL
Juan Rodrigo Tuesta-Nole
 
Sarcopenia
SarcopeniaSarcopenia
Sarcopenia
Shrikant Sant
 
Sarcopenia
SarcopeniaSarcopenia
DIETA PRE Y POST QUIRÚRGICO
DIETA PRE Y  POST QUIRÚRGICODIETA PRE Y  POST QUIRÚRGICO
DIETA PRE Y POST QUIRÚRGICO
natorabet
 
Obesidad
ObesidadObesidad
Obesidad
Any Hdez Peredo
 
Obesidad
ObesidadObesidad
Obesidad presentacion en power point
Obesidad presentacion en power pointObesidad presentacion en power point
Obesidad presentacion en power point
Daniel Sanchez
 
Obesidad
ObesidadObesidad

Destaque (19)

Enfermería - Nutricion paciente quirúrgico (Post operatorio)
Enfermería - Nutricion paciente quirúrgico (Post operatorio)Enfermería - Nutricion paciente quirúrgico (Post operatorio)
Enfermería - Nutricion paciente quirúrgico (Post operatorio)
 
NutricióN En El Adulto Mayor
NutricióN En El Adulto MayorNutricióN En El Adulto Mayor
NutricióN En El Adulto Mayor
 
Sarcopenia,obesidad y aterosclerosis
Sarcopenia,obesidad y aterosclerosisSarcopenia,obesidad y aterosclerosis
Sarcopenia,obesidad y aterosclerosis
 
Enfoque clinico de los transtornos del sueño
Enfoque clinico de los transtornos del sueñoEnfoque clinico de los transtornos del sueño
Enfoque clinico de los transtornos del sueño
 
Sarcopenia
SarcopeniaSarcopenia
Sarcopenia
 
Obesidad sarcopénica en el adulto mayor
Obesidad sarcopénica en el adulto mayorObesidad sarcopénica en el adulto mayor
Obesidad sarcopénica en el adulto mayor
 
Sarcopenia
SarcopeniaSarcopenia
Sarcopenia
 
Sarcopenia
SarcopeniaSarcopenia
Sarcopenia
 
Obesidad adulto
Obesidad adultoObesidad adulto
Obesidad adulto
 
Enfoque nutricional del anciano obeso sarcopénico leo
Enfoque nutricional del anciano obeso sarcopénico leoEnfoque nutricional del anciano obeso sarcopénico leo
Enfoque nutricional del anciano obeso sarcopénico leo
 
Beneficios adulto mayor ihss
Beneficios adulto mayor ihssBeneficios adulto mayor ihss
Beneficios adulto mayor ihss
 
Obesidad Sarcopénica en el Adulto Mayor OFICIAL
Obesidad Sarcopénica en el Adulto Mayor OFICIALObesidad Sarcopénica en el Adulto Mayor OFICIAL
Obesidad Sarcopénica en el Adulto Mayor OFICIAL
 
Sarcopenia
SarcopeniaSarcopenia
Sarcopenia
 
Sarcopenia
SarcopeniaSarcopenia
Sarcopenia
 
DIETA PRE Y POST QUIRÚRGICO
DIETA PRE Y  POST QUIRÚRGICODIETA PRE Y  POST QUIRÚRGICO
DIETA PRE Y POST QUIRÚRGICO
 
Obesidad
ObesidadObesidad
Obesidad
 
Obesidad
ObesidadObesidad
Obesidad
 
Obesidad presentacion en power point
Obesidad presentacion en power pointObesidad presentacion en power point
Obesidad presentacion en power point
 
Obesidad
ObesidadObesidad
Obesidad
 

Semelhante a Sarcopenia

Respostas fisiológicas ao exercício agudo no idoso
Respostas fisiológicas ao exercício agudo no idosoRespostas fisiológicas ao exercício agudo no idoso
Respostas fisiológicas ao exercício agudo no idoso
Douglas Camargo
 
Adaptações musculares esqueléticas ao treinamento de força
Adaptações musculares esqueléticas ao treinamento de forçaAdaptações musculares esqueléticas ao treinamento de força
Adaptações musculares esqueléticas ao treinamento de força
Aline Villa Nova Bacurau
 
Força
ForçaForça
Força
rodrigo_aqua
 
actividade fisica
actividade fisicaactividade fisica
actividade fisica
actualgest
 
Aula_Declínio Funcional Envelhecimento_Glauce.pdf
Aula_Declínio Funcional Envelhecimento_Glauce.pdfAula_Declínio Funcional Envelhecimento_Glauce.pdf
Aula_Declínio Funcional Envelhecimento_Glauce.pdf
PaulaMelo127834
 
Hipertrofia muscular - Uma abordagem didática
Hipertrofia muscular - Uma abordagem didáticaHipertrofia muscular - Uma abordagem didática
Hipertrofia muscular - Uma abordagem didática
marcelosilveirazero1
 
Palestra idoso mitos e verdades alunos
Palestra idoso mitos e verdades alunosPalestra idoso mitos e verdades alunos
Palestra idoso mitos e verdades alunos
Augusto Nne
 
Personal Trainer para grupos especiais
Personal Trainer para grupos especiaisPersonal Trainer para grupos especiais
Personal Trainer para grupos especiais
Rodrigo Ansaloni de Oliveira
 
Envelhecimento
EnvelhecimentoEnvelhecimento
Envelhecimento
Martina Podolan
 
Força e hipertensão
Força e hipertensãoForça e hipertensão
Força e hipertensão
Francisco de Sousa
 
75795616 treinamento-de-forca-para-idosos-uma-perspectiva-de-trabalho-multidi...
75795616 treinamento-de-forca-para-idosos-uma-perspectiva-de-trabalho-multidi...75795616 treinamento-de-forca-para-idosos-uma-perspectiva-de-trabalho-multidi...
75795616 treinamento-de-forca-para-idosos-uma-perspectiva-de-trabalho-multidi...
Instituto de Psicobiofísica Rama Schain
 
Ginastica e Sedentarismo
Ginastica e SedentarismoGinastica e Sedentarismo
Ginastica e Sedentarismo
guestf6ff872
 
A Saúde Física no Envelhecimento (1).pptx
A Saúde Física no Envelhecimento (1).pptxA Saúde Física no Envelhecimento (1).pptx
A Saúde Física no Envelhecimento (1).pptx
JorgeAlves684351
 
Sindrome da fragilidade uerj - 2013
Sindrome da fragilidade   uerj - 2013Sindrome da fragilidade   uerj - 2013
Sindrome da fragilidade uerj - 2013
Virgilio Garcia Moreira
 
Sindrome da fragilidade UERJ - 2013
Sindrome da fragilidade   UERJ - 2013Sindrome da fragilidade   UERJ - 2013
Sindrome da fragilidade UERJ - 2013
Virgilio Garcia Moreira
 
Benefícios do treinamento com pesos para aptidão física de idosos
Benefícios do treinamento com pesos para aptidão física de idososBenefícios do treinamento com pesos para aptidão física de idosos
Benefícios do treinamento com pesos para aptidão física de idosos
EducadorFisicoKassio
 
Síndrome Pós-Terapia Intensiva
Síndrome Pós-Terapia IntensivaSíndrome Pós-Terapia Intensiva
Síndrome Pós-Terapia Intensiva
Caio Veloso da Costa, ICU-PT
 
Fragilidade
FragilidadeFragilidade
Fragilidade
uhgeri
 
Osteoartrite 2020
Osteoartrite 2020Osteoartrite 2020
Osteoartrite 2020
pauloalambert
 
Hormônio de crescimento (GH) na prevenção e tratamento da Osteoporose
Hormônio de crescimento (GH) na prevenção e tratamento da OsteoporoseHormônio de crescimento (GH) na prevenção e tratamento da Osteoporose
Hormônio de crescimento (GH) na prevenção e tratamento da Osteoporose
Clínica Higashi
 

Semelhante a Sarcopenia (20)

Respostas fisiológicas ao exercício agudo no idoso
Respostas fisiológicas ao exercício agudo no idosoRespostas fisiológicas ao exercício agudo no idoso
Respostas fisiológicas ao exercício agudo no idoso
 
Adaptações musculares esqueléticas ao treinamento de força
Adaptações musculares esqueléticas ao treinamento de forçaAdaptações musculares esqueléticas ao treinamento de força
Adaptações musculares esqueléticas ao treinamento de força
 
Força
ForçaForça
Força
 
actividade fisica
actividade fisicaactividade fisica
actividade fisica
 
Aula_Declínio Funcional Envelhecimento_Glauce.pdf
Aula_Declínio Funcional Envelhecimento_Glauce.pdfAula_Declínio Funcional Envelhecimento_Glauce.pdf
Aula_Declínio Funcional Envelhecimento_Glauce.pdf
 
Hipertrofia muscular - Uma abordagem didática
Hipertrofia muscular - Uma abordagem didáticaHipertrofia muscular - Uma abordagem didática
Hipertrofia muscular - Uma abordagem didática
 
Palestra idoso mitos e verdades alunos
Palestra idoso mitos e verdades alunosPalestra idoso mitos e verdades alunos
Palestra idoso mitos e verdades alunos
 
Personal Trainer para grupos especiais
Personal Trainer para grupos especiaisPersonal Trainer para grupos especiais
Personal Trainer para grupos especiais
 
Envelhecimento
EnvelhecimentoEnvelhecimento
Envelhecimento
 
Força e hipertensão
Força e hipertensãoForça e hipertensão
Força e hipertensão
 
75795616 treinamento-de-forca-para-idosos-uma-perspectiva-de-trabalho-multidi...
75795616 treinamento-de-forca-para-idosos-uma-perspectiva-de-trabalho-multidi...75795616 treinamento-de-forca-para-idosos-uma-perspectiva-de-trabalho-multidi...
75795616 treinamento-de-forca-para-idosos-uma-perspectiva-de-trabalho-multidi...
 
Ginastica e Sedentarismo
Ginastica e SedentarismoGinastica e Sedentarismo
Ginastica e Sedentarismo
 
A Saúde Física no Envelhecimento (1).pptx
A Saúde Física no Envelhecimento (1).pptxA Saúde Física no Envelhecimento (1).pptx
A Saúde Física no Envelhecimento (1).pptx
 
Sindrome da fragilidade uerj - 2013
Sindrome da fragilidade   uerj - 2013Sindrome da fragilidade   uerj - 2013
Sindrome da fragilidade uerj - 2013
 
Sindrome da fragilidade UERJ - 2013
Sindrome da fragilidade   UERJ - 2013Sindrome da fragilidade   UERJ - 2013
Sindrome da fragilidade UERJ - 2013
 
Benefícios do treinamento com pesos para aptidão física de idosos
Benefícios do treinamento com pesos para aptidão física de idososBenefícios do treinamento com pesos para aptidão física de idosos
Benefícios do treinamento com pesos para aptidão física de idosos
 
Síndrome Pós-Terapia Intensiva
Síndrome Pós-Terapia IntensivaSíndrome Pós-Terapia Intensiva
Síndrome Pós-Terapia Intensiva
 
Fragilidade
FragilidadeFragilidade
Fragilidade
 
Osteoartrite 2020
Osteoartrite 2020Osteoartrite 2020
Osteoartrite 2020
 
Hormônio de crescimento (GH) na prevenção e tratamento da Osteoporose
Hormônio de crescimento (GH) na prevenção e tratamento da OsteoporoseHormônio de crescimento (GH) na prevenção e tratamento da Osteoporose
Hormônio de crescimento (GH) na prevenção e tratamento da Osteoporose
 

Mais de Natha Fisioterapia

Semiologia ortopedica 0
Semiologia ortopedica 0Semiologia ortopedica 0
Semiologia ortopedica 0
Natha Fisioterapia
 
Semiologia ortopedica exame
Semiologia ortopedica   exameSemiologia ortopedica   exame
Semiologia ortopedica exame
Natha Fisioterapia
 
Paralisia cerebral
Paralisia cerebralParalisia cerebral
Paralisia cerebral
Natha Fisioterapia
 
Manuseios
ManuseiosManuseios
Fisio pediatria enfermidades-infano_juvenis
Fisio pediatria   enfermidades-infano_juvenisFisio pediatria   enfermidades-infano_juvenis
Fisio pediatria enfermidades-infano_juvenis
Natha Fisioterapia
 
Dnpm
DnpmDnpm
Avaliaçao neo
Avaliaçao neoAvaliaçao neo
Avaliaçao neo
Natha Fisioterapia
 
Avaliacao fisica completa do neonato
Avaliacao fisica completa do neonatoAvaliacao fisica completa do neonato
Avaliacao fisica completa do neonatoNatha Fisioterapia
 
Aprendizado motor
Aprendizado motorAprendizado motor
Aprendizado motor
Natha Fisioterapia
 
Shantala
ShantalaShantala
Quebra de padroes
Quebra de padroesQuebra de padroes
Quebra de padroes
Natha Fisioterapia
 
Internação
InternaçãoInternação
Internação
Natha Fisioterapia
 
Exercicios de fortalecimento em idosos
Exercicios de fortalecimento em idososExercicios de fortalecimento em idosos
Exercicios de fortalecimento em idosos
Natha Fisioterapia
 
Estatudo do idoso
Estatudo do idosoEstatudo do idoso
Estatudo do idoso
Natha Fisioterapia
 
Dor no idoso
Dor no idosoDor no idoso
Dor no idoso
Natha Fisioterapia
 
Atendimento domiciliar do idoso
Atendimento domiciliar do idosoAtendimento domiciliar do idoso
Atendimento domiciliar do idoso
Natha Fisioterapia
 
Atendimento domiciliar ao idoso problema ou solucao
Atendimento domiciliar ao idoso  problema ou solucaoAtendimento domiciliar ao idoso  problema ou solucao
Atendimento domiciliar ao idoso problema ou solucao
Natha Fisioterapia
 
A familia e seu ciclo vital
A familia e seu ciclo vitalA familia e seu ciclo vital
A familia e seu ciclo vital
Natha Fisioterapia
 
Saude do idoso
Saude do idosoSaude do idoso
Saude do idoso
Natha Fisioterapia
 
Escoliose
EscolioseEscoliose

Mais de Natha Fisioterapia (20)

Semiologia ortopedica 0
Semiologia ortopedica 0Semiologia ortopedica 0
Semiologia ortopedica 0
 
Semiologia ortopedica exame
Semiologia ortopedica   exameSemiologia ortopedica   exame
Semiologia ortopedica exame
 
Paralisia cerebral
Paralisia cerebralParalisia cerebral
Paralisia cerebral
 
Manuseios
ManuseiosManuseios
Manuseios
 
Fisio pediatria enfermidades-infano_juvenis
Fisio pediatria   enfermidades-infano_juvenisFisio pediatria   enfermidades-infano_juvenis
Fisio pediatria enfermidades-infano_juvenis
 
Dnpm
DnpmDnpm
Dnpm
 
Avaliaçao neo
Avaliaçao neoAvaliaçao neo
Avaliaçao neo
 
Avaliacao fisica completa do neonato
Avaliacao fisica completa do neonatoAvaliacao fisica completa do neonato
Avaliacao fisica completa do neonato
 
Aprendizado motor
Aprendizado motorAprendizado motor
Aprendizado motor
 
Shantala
ShantalaShantala
Shantala
 
Quebra de padroes
Quebra de padroesQuebra de padroes
Quebra de padroes
 
Internação
InternaçãoInternação
Internação
 
Exercicios de fortalecimento em idosos
Exercicios de fortalecimento em idososExercicios de fortalecimento em idosos
Exercicios de fortalecimento em idosos
 
Estatudo do idoso
Estatudo do idosoEstatudo do idoso
Estatudo do idoso
 
Dor no idoso
Dor no idosoDor no idoso
Dor no idoso
 
Atendimento domiciliar do idoso
Atendimento domiciliar do idosoAtendimento domiciliar do idoso
Atendimento domiciliar do idoso
 
Atendimento domiciliar ao idoso problema ou solucao
Atendimento domiciliar ao idoso  problema ou solucaoAtendimento domiciliar ao idoso  problema ou solucao
Atendimento domiciliar ao idoso problema ou solucao
 
A familia e seu ciclo vital
A familia e seu ciclo vitalA familia e seu ciclo vital
A familia e seu ciclo vital
 
Saude do idoso
Saude do idosoSaude do idoso
Saude do idoso
 
Escoliose
EscolioseEscoliose
Escoliose
 

Sarcopenia

  • 1. VII Fórum da Câmara Técnica de Medicina Desportiva - CREMERJ Exercício na Sarcopenia Alfredo Villardi
  • 2. Sarcopenia Redução da massa muscular e da força, imposta pela idade
  • 3. Causa potencial, importante e reversível de morbidade e mortalidade de pacientes idosos Janssen et al: J Am Geriatr Soc. 2002 May;50(5):889-96 Sarcopenia
  • 4. Sarcopenia Condição multifatorial que determina mudanças nos músculos com a idade, levando a perda involuntária de massa muscular, força e função
  • 5. Etiologia multifatorial • Imobilidade • Alterações no metabolismo muscular • Alterações endócrinas • Alterações mitocondriais • Alterações da junção neuromuscular • Fatores nutricionais • Fatores genéticos • Citocinas pró-inflamatórias • Aumento de produção de radicais livres
  • 6. Etiologia Embora existam muitos potenciais mecanismos para explicar a sarcopenia, a contribuição específica de cada um continua desconhecida Roth et al:J Nutr Health Aging. 2000;4(3):143-55
  • 7. Teorias • Processo inflamatório de baixo grau • Alterações de IL-6 e TNF-α (fator de necrose tumoral) • Hsp (heat-shock protein) - Proteção celular • Exercício: Restabelece a Hsp e citocinas circulantes Bautmans et al: Gerontology. 2005 Jul-Aug;51(4):253-65
  • 8. Teorias • Redução da ação do IGF-1 no músculo (Insulin-like growth factor) • IGF-1 promove proliferação mioblástica • Diferenciação celular • Através de múltiplos mecanismos sinalizadores • Exercícios e lesões produzem: Aumento da IGF-1 Aumento dos receptores de IGF-1 Aumento IGF-1-ativada- função sinalizadora Adamo&Farrar: Ageing Res Rev. 2006 Aug;5(3):310-31
  • 9. • Diretos e indiretos • U$18.5 bilhões - ano de 2000 Janssen et al : J Am Geriatr Soc. 2004 Jan;52(1):80-5 Custos
  • 10. Perda muscular • A perda de massa muscular é comum com a idade • Perda do tamanho e número de fibras musculares • A partir dos 50 anos: aceleração significativa • 30 - 80 anos: Perda de 50% da força muscular • O declínio é mais pronunciado nas fibras do tipo II • Diretamente relacionado ao decréscimo da força
  • 11. Sarcopenia Efeitos do envelhecimento muscular : • Mudanças nas unidades motoras • Denervação das fibras • Redução dos fatores de crescimento • Alterações proteicas do músculo
  • 12. Modificações morfológicas • Tomografia computadorizada • Após os 30 anos de idade • Redução na área de secção transversa • Diminuição da densidade muscular • Aumento na gordura intramuscular
  • 13. Envelhecimento Perda da independência Inatividade física Inatividade física DescondicionamentoAnsiedade e depressão Fragilidade músculo-esqueléticaQueda da motivação e auto-estima
  • 14. Riscos associados • Estado de fragilidade • Estágio anterior a incapacidade • Papel predominante na etiologia da fragilidade • Alto valor preditivo de eventos adversos • Incapacidade, hospitalização e mortalidade
  • 15. Riscos associados Risco duas vezes maior de contrair infecção durante internação hospitalar. Cosqueric et al:Br J Nutr. 2006 Nov;96(5):895-901
  • 16. Interações • Sarcopenia • Alterações de marcha • Desequilíbrio • Perda da propriocepção • Tendência cifosante • Alterações cognitivas • Queda • Osso osteoporótico • Fraturas
  • 19. Assegurar a melhor relação risco-benefício • Planejamento individualizado • Considerar as comorbidades • Regular • Modalidade • Duração • Freqüência • Modo de progressão
  • 20. Prescrição de exercícios Diversos componentes da aptidão física • Força muscular • Condicionamento cardiorrespiratório • Endurance • Flexibilidade • Composição corporal • Socialização
  • 21. Efeitos do treinamento de força • O condicionamento de força resulta em um incremento no tamanho muscular, que reflete o aumento do conteúdo de proteína contrátil • Estímulo adequado de treinamento proporciona nas pessoas idosas ganhos reais de força • A força pode aumentar de duas a três vezes em um período de tempo relativamente curto (3 a 4 meses)
  • 22. Efeitos do treinamento de força • Intenso efeito anabólico nos idosos • Melhora a retenção de nitrogênio - retenção dos estoques de proteína corporal • Aumenta a massa e a força muscular, o equilíbrio dinâmico e o estoque ósseo • As terapias tradicionais para osteoporose têm a capacidade de manter ou reduzir a perda óssea, mas não melhoram o equilíbrio, força e massa muscular
  • 23. Duração das atividades • Média: 30 a 90 minutos • Inversamente proporcional a intensidade • Idosos frágeis • Sessões de curta duração – 5 a 10 minutos • Forma fracionada – 2 períodos
  • 24. A musculatura dos idosos preserva a capacidade plástica em resposta ao aumento de carga,já que hipertrofia e reversão das alterações da arquitetura muscular são observadas com treinamento de força Narici et al: J Musculoskelet Neuronal Interact. 2004 Jun Literatura
  • 25. Fortalecimento dos músculos da extremidade inferior reduz o índice de quedas no idoso Sinaki M: Curr Osteoporos Rep. 2004 Dec Literatura
  • 26. Treinamento de força melhora a função muscular e pode minimizar ou até mesmo reverter a sarcopenia em muito idosos ou frágeis A principal diferença na prescrição dos exercícios é a intensidade Avila-Funes et al: Gac Med Mex. 2004 Jul-Aug;140(4):431-6. Literatura
  • 27. • Treinamento de força continua a ser a mais efetiva intervenção para o aumento de massa e força muscular na população de idosos • Baixa ingesta pode interferir nos resultados Borst: Age Ageing. 2004 Nov;33(6):548-55. Literatura
  • 28. Programas específicos de treinamento podem aumentar dramaticamente a força e habilidades funcionais dos idosos Macaluso & De Vito : Eur J Appl Physiol. 2004 Apr Literatura
  • 29. Várias modalidades de tratamento para sarcopenia já foram propostas mas, apenas os treinamentos de força demonstraram ser sigificativamente benéficos Mishra: Acta Myol. 2003 Sep;22(2):43-7. Literatura
  • 30. O treinamento com exercícios progressivos de força é uma terapia efetiva, não farmacológica, que se opõe ao enfraquecimento muscular tanto em indivíduos de meia idade quanto nos mais fragilizados. Yarasheski : J Nutr Health Aging. 2002;6(5):349-56 Literatura
  • 31. O treinamento de força promove aumento da síntese proteica, determinando hipertrofia muscular em pacientes idosos Porter: Can J Appl Physiol. 2001 Literatura
  • 32. Devido ao baixo status funcional e a alta incidência de doenças crônicas, nenhum segmento da população pode se beneficiar tanto com o treinamento do que os idosos. Evans:J Nutr. 1997 May;127(5 Suppl):998S-1003S Literatura
  • 33. Treinamento de força progressiva é capaz de produzir aumento substancial na força e no volume muscular dos mais idosos. Para a maioria destes,os exercícios representam as mais seguras e menos dispendiosas medidas para manter a independência Evans: Geriatrics. 1996 May;51(5):46-7, 51-3 Literatura
  • 34. Maiores Benefícios • Melhora da capacidade funcional • Recuperação da autonomia • Redução do risco de quedas • Redução do risco de fraturas • Re-integração ao meio • Melhor qualidade de vida • Maior longevidade
  • 35. Cuidados – Treinamento de força • Avaliação pré-participação • Avaliação de comorbidades • Osteoporose – Avulsões • Problemas da coluna vertebral – Colapso • Hipertensão : Valsalva e Isometria
  • 36. Atuação estratégica • AF é fundamental para promoção de saúde no idoso • AF regular melhora a qualidade e expectativa de vida • Preservar ou aumentar a massa muscular • Aumento da força muscular • Alta prevalência na população idosa
  • 38.
  • 39. Sarcopenia • Perda das fibras tipo I e II • Redução da secção transversa das fibras tipo II • Efeitos atenuados por carga mecânica no músculo • Aumento da área transversa das remanescentes • Não restitui o número de fibras
  • 40.
  • 41. Perda da força muscular • Diminuição da massa muscular é responsável por quase toda a perda da força nos idosos. • O número das unidades funcionais motoras também declinam com o avançar da idade. • Necessárias para inervar as fibras musculares.
  • 42. Modificações morfológicas • Massa Magra – principalmente das Fibras do Tipo II; • Necrose miofibrilar – ­ Tecido adiposo e conectivo; • Agrupamento do Tipos de Fibras.
  • 43. Consequências da sarcopenia • Quedas e fraturas • Desequilíbrio da temperatura corporal • Lentificação do metabolismo • Interferência nos índices normais de glicose • Limitações das AVD • Perda da independência
  • 44. Sarcopenia Sarcopenia é um termo genérico utilizado para toda a perda de massa muscular com conseqüente diminuição da força e qualidade muscular
  • 45. Altos índices de IL-6 e PCR : Risco aumentado de perda da força
  • 46. Efeitos do treinamento de força • Melhora da capacidade funcional • Ganho significativo de força • Período de três a quatro meses • Aumento da força no treinamento • Aumento no tamanho do músculo
  • 47. O treinamento de força é uma intervenção efetiva para aumentar a força, a massa e a qualidade muscular, além de retardar os efeitos da incapacidade nos idosos. Literatura