SlideShare uma empresa Scribd logo
127	
  Horas	
  	
  
                                          	
  Ensaio	
  sobre	
  o	
  filme	
  
       	
  




       	
  
       	
  
                                            Francisco	
  Santarém	
  nº11	
  12ºB	
  	
  
                                                                 -­‐	
  	
  
                                                         Psicologia	
  B	
  
       	
  
       	
  


Ensaio	
  sobre	
  o	
  filme	
  “127	
  horas”	
                                           1	
  
Introdução	
  
       	
  
       	
  
       	
  
       Baseado	
   na	
   história	
   verídica	
   da	
   impressionante	
   proeza	
   do	
   montanhista	
   Aron	
  
Ralston	
   (protagonizado	
   por	
   James	
   Franco),	
   “127	
   horas”	
   relata	
   a	
   aventura	
   de	
   um	
  
homem	
   ousado	
   e	
   amante	
   de	
   adrenalina,	
   que,	
   numa	
   das	
   suas	
   saídas	
   de	
   campo	
   ao	
  
Blue	
   John	
   Canyon,	
   no	
   Parque	
   Nacional	
   de	
   Canyonlands	
   em	
   Utah,	
   cai	
   num	
  
desfiladeiro	
  ficando	
  com	
  o	
  antebraço	
  inteiramente	
  esmagado	
  por	
  uma	
  pesadíssima	
  
pedra;	
   a	
   partir	
   deste	
   momento,	
   numa	
   luta	
   contra	
   o	
   tempo	
   e	
   pela	
   sobrevivência,	
  
Ralston	
   atravessa	
   um	
   penoso	
   processo	
   de	
   introspecção,	
   onde	
   se	
   arrepende	
   do	
  
facto	
   de	
   viver	
   tão	
   isolado	
   dos	
   seus	
   amigos	
   e	
   familiares,	
   relembrando-­‐se	
   das	
   boas	
  
memórias	
  que	
  com	
  estes	
  passou,	
  como	
  forma,	
  também,	
  de	
  superar	
  a	
  solidão	
  e	
  de	
  
ultrapassar	
  a	
  situação	
  onde	
  se	
  encontrava,	
  revelando	
  uma	
  consciência	
  de	
  si	
  mesmo	
  
e	
  uma	
  inteligência	
  emocional	
  superiormente	
  desenvolvidas.	
  	
  
       No	
   final,	
   quando	
   finalmente	
   descobre	
   que	
   tem	
   a	
   coragem	
   e	
   os	
   recursos	
   para	
   se	
  
libertar	
   por	
   qualquer	
   meio	
   necessário,	
   escala,	
   já	
   sem	
   o	
   antebraço	
   direito,	
   uma	
  
parede	
  com	
  200	
  metros	
  e	
  caminha	
  mais	
  de	
  12	
  km	
  antes	
  de	
  ser	
  finalmente	
  salvo.	
  
       	
  




       	
  
                                                                        	
  


Ensaio	
  sobre	
  o	
  filme	
  “127	
  horas”	
                                                                                       2	
  
Crítica	
  
                                                                       	
  
       Posso	
  dizer	
  com	
  toda	
  a	
  tranquilidade	
  que	
  gostei	
  muito	
  do	
  filme.	
  
       Identifiquei-­‐me	
  plenamente	
  com	
  a	
  relação	
  de	
  Ralston	
  com	
  a	
  natureza	
  e	
  o	
  seu	
  
gosto	
   pela	
   aventura,	
   eu	
   próprio	
   (quando	
   posso)	
   desapareço	
   durante	
   um	
   dia	
   ou	
  
uma	
  tarde	
  pelas	
  montanhas	
  da	
  serra	
  da	
  Arga	
  em	
  Viana	
  de	
  Castelo.	
  
       A	
   realização	
   foi	
   espectacular,	
   Danny	
   Boyle	
   consegue	
   transformar	
   um	
  
argumento	
  aparentemente	
  simples	
  num	
  filme	
  muito	
  intenso;	
  toda	
  a	
  forma	
  como	
  o	
  
filme	
   é	
   filmado	
   é	
   fenomenal,	
   conseguimos	
   sentir	
   o	
   que	
   o	
   actor	
   sente	
   (por	
   exemplo,	
  
quando	
  Aron	
  passa	
  as	
  mãos	
  pelas	
  rochas	
  do	
  “Canyon”).	
  
       As	
   imagens	
   do	
   Blue	
   John	
   Canyon	
   são	
   incríveis,	
   a	
   banda	
   sonora	
   e	
   os	
   efeitos	
  
sonoros	
   foram	
   muito	
   bem	
   escolhidos	
   e,	
   ao	
   contrário	
   de	
   outros	
   filmes	
   mais	
  
comerciais,	
   este	
   consegue	
   ser	
   muito	
   gráfico	
   espoletando	
   no	
   espectador	
   imensas	
  
sensações	
  e	
  emoções.	
  




       	
  
                   “The deep strata of the human spirit”
                                                         Washington	
  post	
  
               “A struggle for survival and a profound

                                                existential crisis”
                                                      The	
  New	
  York	
  Times	
  
                                                                       	
  
                                                                       	
  
                                                                       	
  


Ensaio	
  sobre	
  o	
  filme	
  “127	
  horas”	
                                                                                     3	
  
O	
  filme	
  
	
  
       No	
  inicio	
  do	
  filme	
  é	
  nos	
  logo	
  dado	
  a	
  entender	
  que	
  Aron	
  Ralston	
  é	
  um	
  individuo	
  
perfeitamente	
   capaz,	
   quer	
   a	
   nível	
   físico	
   quer	
   a	
   nível	
   psicológico,	
   de	
   realizar	
   a	
  
travessia	
  pelo	
  Blue	
  John	
  Canyon;	
  ele	
  conhece	
  os	
  “caminhos”,	
  delineou	
  um	
  percurso,	
  
seleccionou	
   todas	
   as	
   ferramentas,	
   vestuário	
   e	
   alimento	
   que	
   necessita	
   e	
   parece	
  
estar	
  pronto	
  para	
  qualquer	
  situação	
  anormal,	
  o	
  que	
  nos	
  leva	
  a	
  entender	
  tratar-­‐se	
  
de	
  um	
  homem	
  organizado,	
  experiente	
  e	
  determinado.	
  
       Outra	
   característica	
   de	
   Aron	
   é	
   o	
   facto	
   de	
   este	
   ser	
   muito	
   solitário,	
   realizando	
  
todo	
  o	
  processo	
  de	
  preparação	
  e	
  execução	
  da	
  viagem	
  acompanhado	
  apenas	
  por	
  ele	
  
próprio,	
  pela	
  sua	
  câmara	
  e	
  pela	
  sua,	
  sempre	
  indispensável,	
  música.	
  
       Chegámos,	
   agora,	
   a	
   uma	
   etapa	
   do	
   filme	
   onde	
   somos	
   envolvidos	
   pela	
   enorme	
  
alegria,	
   transmitida	
   pelo	
   personagem	
   principal,	
   com	
   o	
   inicio	
   da	
   tão	
   desejada	
  
viagem.	
   Esta	
   etapa,	
   pelas	
   suas	
   características	
   visuais	
   e	
   sonoras,	
   provoca	
   no	
  
espectador	
   uma	
   sensação	
   de	
   grande	
   prazer	
   à	
   medida	
   que	
   este	
   é	
   envolvido	
   no	
  
decorrer	
  da	
  acção.	
  
       Passamos	
  a	
  seguir	
  a	
  uma	
  cena	
  de	
  elevado	
  interesse	
  de	
  teor	
  psicológico,	
  já	
  que,	
  
nos	
   revela	
   alguma	
   contradição	
   no	
   carácter	
   de	
   Ralston,	
   quando	
   este,	
   após	
   ter	
  
iniciado	
  o	
  seu	
  percurso,	
  encontra	
  duas	
  perdidas	
  e	
  inexperientes	
  montanhistas	
  num	
  
caminho	
   paralelo,	
   e,	
   podendo	
   continuar	
   o	
   seu	
   caminho	
   sozinho,	
   prefere	
   ajudar	
   e	
  
interagir	
   com	
   as	
   duas	
   raparigas,	
   acabando	
   por	
   se	
   afastar	
   do	
   seu	
   percurso	
  
previamente	
   delineado,	
   contrariando	
   o	
   seu	
   comportamento	
   solitário,	
   mas	
  
acabando	
   por	
   experienciar	
   estados	
   de	
   grande	
   prazer	
   e	
   estabelecer	
   uma	
   ligação	
  
com	
  as	
  raparigas.	
  
       Depois	
   desta	
   “interrupção”,	
   Aron	
   volta	
   ao	
   seu	
   trajecto	
   e,	
   quando	
   tentava	
  
atravessar	
   um	
   desfiladeiro,	
   uma	
   pedra	
   solta-­‐se	
   e	
   num	
   movimento	
   brusco	
   e	
  
violento,	
   cai	
   projectado	
   para	
   o	
   fundo	
   da	
   fenda,	
   ficando	
   com	
   o	
   antebraço	
   direito	
  
completamente	
  esmagada	
  pela	
  pedra;	
  	
  
       Fazendo	
   uma	
   pequena	
   introdução	
   ao	
   próximo	
   segmento	
   do	
   filme,	
   pode-­‐se	
  
dizer	
  que	
  este	
  é	
  de	
  grande	
  valor	
  para	
  o	
  estudo	
  do	
  interior	
  psicológico	
  do	
  Homem,	
  
pois	
   conseguimos	
   analisar	
   integralmente	
   todas	
   as	
   fases	
   (desde	
   a	
   lucidez	
   inicial	
   até	
  
à	
   quase	
   loucura)	
   do	
   desenvolvimento	
   mental,	
   de	
   um	
   indivíduo	
   que,	
   inicialmente,	
  
tenta	
  encontrar	
  uma	
  resposta	
  lógica	
  para	
  o	
  seu	
  problema	
  mas,	
  depois,	
  ao	
  longo	
  dos	
  


Ensaio	
  sobre	
  o	
  filme	
  “127	
  horas”	
                                                                                     4	
  
5	
   dias	
   e	
   com	
   a	
   escassez	
   de	
   comida	
   e	
   água,	
   considera	
   medidas	
   mais	
   drásticas	
   que	
  
originariamente	
  seriam	
  impensáveis,	
  como	
  cortar	
  o	
  próprio	
  braço	
  a	
  sangue	
  frio.	
  	
  
       Segundos	
  depois	
  e	
  ainda	
  em	
  estado	
  de	
  choque,	
  Aron	
  tenta	
  desesperadamente	
  
sair	
   da	
   situação	
   atroz	
   em	
   que	
   se	
   encontrava,	
   tentando	
   puxar	
   ou	
   empurrar	
   a	
   pedra;	
  
o	
  seu	
  cérebro	
  ainda	
  não	
  assimilou	
  a	
  informação	
  necessária	
  para	
  desenvolver	
  uma	
  
resposta	
  consciente	
  e	
  racional	
  e	
  como	
  tal	
  ainda	
  tenta	
  levantar	
  uma	
  pedra	
  com	
  mais	
  
do	
  dobro	
  do	
  seu	
  peso.	
  
       	
  Neste	
   momento,	
   e	
   depois	
   de	
   um	
   processo	
   de	
   racionalização,	
   Ralston	
   reúne	
  
(com	
  calma)	
  os	
  objectos	
  que	
  se	
  encontravam	
  na	
  sua	
  mochila	
  de	
  modo	
  a	
  construir	
  a	
  
sua	
  saída,	
  analisando	
  todas	
  as	
  circunstâncias	
  e	
  variantes.	
  Descobre	
  uma	
  potencial	
  
solução	
  através	
  de	
  uma	
  ferramenta	
  multiusos	
  com	
  uma	
  navalha	
  e	
  com	
  esta	
  tenta	
  
destruir	
   a	
   pedra	
   no	
   local	
   em	
   que	
   esta	
   se	
   encontra	
   com	
   a	
   sua	
   mão.	
   Esta	
   solução,	
  
embora	
  mais	
  razoável	
  do	
  que	
  a	
  primeira,	
  ainda	
  revela	
  um	
  estado	
  de	
  elevado	
  stress	
  
e	
   um	
   não	
   funcionamento	
   “normal”	
   do	
   cérebro.	
   Com	
   a	
   chegada	
   da	
   noite	
   e	
   num	
  
estado	
  mais	
  racional,	
  Aron	
  descobre	
  a	
  única	
  solução	
  que	
  poderá	
  resultar:	
  através	
  
de	
  um	
  sistema	
  de	
  alavanca,	
  amarrando	
  a	
  pedra,	
  passando	
  o	
  cabo	
  por	
  uma	
  saliência	
  
numa	
   rocha	
   um	
   pouco	
   acima	
   da	
   sua	
   cabeça	
   para	
   distribuir	
   o	
   peso	
   da	
   pedra	
   pela	
  
sua	
  força	
  e	
  pela	
  força	
  que	
  a	
  pedra	
  exerce	
  na	
  outra	
  rocha;	
  esta	
  estratégia	
  demonstra	
  
uma	
   racionalização	
   profunda	
   e	
   conseguimos	
   perceber	
   que	
   agora	
   ele	
   está	
  
inteiramente	
  consciente	
  da	
  situação	
  em	
  que	
  se	
  encontra.	
  
       A	
   noite	
   fria	
   complica	
   muito	
   a	
   sobrevivência	
   de	
   Ralston,	
   já	
   que	
   este	
   apenas	
   tem	
  
vestido	
  uma	
  t-­‐shirt	
  e	
  uns	
  calções,	
  enfraquecendo	
  o	
  seu	
  corpo	
  e	
  consequentemente	
  
a	
  sua	
  mente;	
  nota-­‐se,	
  agora,	
  uma	
  certa	
  indolência.	
  O	
  sol	
  nasce,	
  libertando	
  os	
  seus	
  
raios	
  quentes	
  pelos	
  desfiladeiros	
  do	
  Blue	
  John	
  Canyon,	
  Aron	
  tira	
  o	
  sapato	
  e	
  expõe	
  o	
  
seu	
   pé	
   aos	
   raios	
   do	
   sol	
   resultando	
   numa	
   sensação	
   de	
   prazer	
   imensa;	
   neste	
  
momento,	
  e	
  com	
  a	
  recordação	
  do	
  seu	
  pai	
  a	
  mostrar-­‐lhe	
  pela	
  primeira	
  vez	
  o	
  Canyon,	
  
inicia-­‐se	
   um	
   processo	
   crucial	
   para	
   a	
   sobrevivência	
   de	
   Ralston	
   -­‐	
   etiquetas	
  
memoriais.	
   É	
   devido	
   ao	
   convívio	
   com	
   os	
   que	
   lhe	
   são	
   mais	
   próximos	
   através	
   das	
  
ilusões	
  e	
  memórias,	
  que	
  Ralston	
  consegue	
  sobreviver.	
  
       É	
   agora	
   introduzido	
   um	
   outro	
   elemento	
   de	
   elevada	
   importância,	
   quer	
   para	
   a	
  
análise	
  psicológica	
  quer	
  para	
  a	
  qualidade	
  do	
  filme	
  -­‐	
  a	
  câmara	
  de	
  filmar;	
  é	
  através	
  
desta	
  que	
  nos	
  é	
  actualizado	
  o	
  estado	
  mental	
  do	
  personagem,	
  com	
  as	
  gravações	
  que	
  
este	
  faz	
  de	
  si	
  próprio	
  e	
  sobre	
  as	
  quais	
  irei	
  comentar.	
  


Ensaio	
  sobre	
  o	
  filme	
  “127	
  horas”	
                                                                                          5	
  
A	
   primeira	
   gravação	
   é	
   realizada	
   24	
   horas	
   depois	
   da	
   queda	
   e	
   é	
   marcada	
   pela	
  
angústia	
  provocada	
  pela	
  quase	
  desistência	
  de	
  Aron	
  perante	
  a	
  sua	
  vida.	
  	
  
       Esta	
   gravação	
   é	
   carregada	
   de	
   uma	
   grande	
   introspecção	
   pois	
   nota-­‐se,	
   já,	
   um	
  
grande	
   arrependimento	
   por	
   não	
   passar	
   mais	
   tempo	
   com	
   os	
   seus	
   pais	
   e	
   amigos;	
  
Aron	
   também	
   pede	
   a	
   quem	
   encontrar	
   aquela	
   câmara	
   que	
   entregue	
   aos	
   seus	
   pais,	
  
demonstrando	
  que	
  já	
  admitiu	
  a	
  derrota	
  e	
  que	
  irá	
  certamente	
  morrer.	
  
       Os	
  próximos	
  dias	
  revelam	
  a	
  degradação	
  do	
  estado	
  psicológico	
  do	
  personagem	
  
evidenciando	
  diversas	
  alucinações	
  e	
  lembranças	
  dos	
  vários	
  erros	
  que	
  ele	
  cometeu	
  
e	
  que	
  levaram	
  a	
  que	
  ficasse	
  preso	
  num	
  desfiladeiro	
  por	
  tempo	
  indeterminado:	
  
       -­‐	
   Não	
   atender	
   o	
   telefonema	
   da	
   sua	
   mãe,	
   não	
   continuar	
   com	
   as	
   duas	
  
montanhistas	
   e	
   não	
   ter	
   avisado	
   o	
   homem,	
   onde	
   foi	
   buscar	
   o	
   mapa	
   do	
   Blue	
   John,	
  
onde	
  ia.	
  
       (terceiro	
  dia)	
  	
  
       Aron	
   faz	
   agora	
   uma	
   segunda	
   gravação	
   evidenciando	
   a	
   monotonia	
   com	
   que	
   o	
  
dia	
   é	
   passado	
   sempre	
   na	
   esperança	
   que	
   apareça	
   alguém,	
   utilizando,	
  
inconscientemente,	
  a	
  câmara	
  como	
  meio	
  de	
  fuga	
  daquele	
  mundo	
  como	
  se	
  estivesse	
  
a	
  partilhar	
  aquela	
  experiência	
  com	
  alguém	
  tornando-­‐a	
  menos	
  dolorosa.	
  	
  
       Ralston,	
   através	
   do	
   vídeo,	
   também	
   nos	
   demonstra	
   o	
   estado	
   desesperado	
   em	
  
que	
  se	
  encontrava	
  urinando	
  para	
  o	
  depósito	
  onde	
  antes	
  havia	
  água,	
  para	
  depois	
  a	
  
consumir.	
  
       Com	
   o	
   desespero,	
   as	
   mais	
   absurdas	
   soluções	
   vão	
   se	
   tornando	
   apropriadas,	
   e	
  
como	
  tal,	
  Aron	
  tenta	
  cortar	
  o	
  braço,	
  atravessando	
  o	
  músculo,	
  mas	
  ao	
  encontrar	
  o	
  
osso	
   e	
   apercebendo-­‐se	
   de	
   que	
   a	
   sua	
   pequena	
   navalha	
   não	
   consegue	
   perfurar	
   o	
  
osso,	
  ele	
  elimina	
  essa	
  hipótese.	
  
       (quarto	
  dia)	
  
       Com	
   a	
   terceira	
   gravação	
   apercebemo-­‐nos	
   da	
   gravidade	
   do	
   estado	
   mental	
   do	
  
personagem,	
  que,	
  em	
  vez	
  de	
  fazer	
  uma	
  comunicação	
  séria,	
  reproduz	
  um	
  talkshow	
  
americano	
  em	
  que	
  ele	
  é	
  o	
  entrevistado,	
  numa	
  nova	
  tentativa	
  de	
  fuga	
  do	
  problema,	
  
ao	
  mesmo	
  tempo	
  que	
  utiliza	
  o	
  tom	
  alegre	
  para	
  gozar	
  com	
  ele	
  próprio	
  sobre	
  o	
  facto	
  
de	
   não	
   ter	
   avisado	
   ninguém	
   sobre	
   o	
   seu	
   paradeiro;	
   no	
   final	
   envia	
   uma	
   nova	
  
mensagem	
  para	
  os	
  seus	
  pais	
  dizendo	
  que	
  os	
  adora	
  e	
  de	
  certa	
  forma	
  despedindo-­‐se.	
  
       (quinto	
  dia)	
  	
  




Ensaio	
  sobre	
  o	
  filme	
  “127	
  horas”	
                                                                                    6	
  
Cinco	
  dias	
  de	
  frio,	
  sofrimento,	
  falta	
  de	
  água	
  e	
  comida,	
  o	
  desespero	
  aumenta	
  e	
  
leva	
  o	
  ser	
  humano	
  a	
  quase	
  transformar-­‐se	
  num	
  animal	
  para	
  sobreviver,	
  a	
  adoptar	
  
acções	
  normalmente	
  condenadas	
  pela	
  sociedade.	
  
       Aron	
   Ralston	
   encontra-­‐se	
   exactamente	
   nessa	
   situação,	
   desesperado	
   pela	
  
resolução	
  do	
  problema.	
  
       De	
   repente,	
   quando,	
   como	
   na	
   expressão	
   “vê	
   a	
   vida	
   a	
   passar	
   à	
   frente	
   dos	
   seus	
  
olhos”,	
   e	
   relembrando	
   tudo	
   e	
   todos	
   que	
   com	
   ele	
   se	
   relacionaram	
   e	
   interagiram,	
  
Ralston	
  ganha	
  forças	
  quase	
  sobrenaturais	
  e	
  num	
  esforço	
  bruto	
  e	
  contínuo	
  parte	
  o	
  
braço	
   e	
   usando	
   a	
   navalha	
   corta	
   o	
   músculo,	
   enquanto	
   estremece	
   das	
   dores	
  
horrendas	
   a	
   que	
   está	
   a	
   ser	
   submetido….	
   quando	
   finalmente	
   se	
   liberta	
   do	
   seu	
  
antebraço,	
  e	
  quase	
  a	
  perder	
  os	
  sentidos	
  corre	
  para	
  procurar	
  ajuda,	
  escalando	
  uma	
  
parede	
  do	
  Canyon	
  com	
  200	
  metros	
  e	
  caminhando	
  mais	
  de	
  12	
  km,	
  até	
  que	
  avista	
  ao	
  
longe	
   uma	
   família	
   de	
   montanhistas	
   e	
   com	
   todas	
   as	
   forças	
   que	
   ainda	
   lhe	
   restam	
  
grita	
  o	
  mais	
  alto	
  que	
  pode	
  por	
  ajuda	
  até	
  que	
  se	
  apercebe	
  que	
  foi	
  ouvido	
  caindo	
  de	
  
joelhos	
  tranquilo	
  e	
  vitorioso	
  depois	
  de	
  passar	
  tamanho	
  teste	
  à	
  sua	
  sobrevivência.	
  
       Este	
  intensíssimo	
  momento	
  revela-­‐nos	
  que	
  o	
  ser	
  humano	
  quando	
  submetido	
  a	
  
condições	
   muito	
   adversas	
   quase	
   que	
   deixa	
   de	
   responder	
   conscientemente	
   sendo	
  
inexplicável	
   como	
   é	
   possível	
   um	
   homem	
   ter	
   a	
   força	
   psicológica	
   para	
   contrariar	
   o	
  
seu	
  cérebro	
  e	
  automutilar-­‐se.	
  	
  
       O	
   ser	
   humano	
   ainda	
   hoje	
   em	
   dia	
   reproduz	
   várias	
   respostas	
   incompreendidas	
  
pelos	
  investigadores.	
  	
  
       	
  
       	
  
       	
  
       	
  
       	
  
       	
  
       	
  
       	
  
       	
  
       	
  
       	
  
       	
  


Ensaio	
  sobre	
  o	
  filme	
  “127	
  horas”	
                                                                                          7	
  
Conclusão	
  
       	
  
       	
  
       Este	
  filme	
  revelou	
  ser	
  um	
  filme	
  muito	
  intenso	
  a	
  nível	
  emocional	
  divulgando	
  um	
  
leque	
  de	
  sensações	
  e	
  emoções	
  muito	
  completo.	
  
       Conseguimos	
   criar	
   uma	
   ligação	
   com	
   o	
   actor	
   e	
   partilhar	
   todas	
   as	
   experiências	
  
que	
  este	
  vivenciou,	
  o	
  que	
  nos	
  prende	
  muito	
  ao	
  filme.	
  
       O	
  filme	
  tem	
  uma	
  moral,	
  também	
  ela	
  muito	
  forte	
  -­‐	
  Nunca	
  desistir!1	
  1)	
  	
  
       	
  
	
  
	
  
       	
  
                                                                       Bibliografia	
  
                                                                                     	
  
                                                                                     	
  
       à	
  http://www.washingtonpost.com/	
  
       à http://www.imdb.com/	
  
       à	
  http://www.nytimes.com/	
  




       1
              Tal	
  como	
  eu	
  nunca	
  vou	
  desistir	
  enquanto	
  não	
  tiver	
  no	
  mínimo	
  18	
  a	
  psicologia-­‐b	
  




Ensaio	
  sobre	
  o	
  filme	
  “127	
  horas”	
                                                                                          8	
  

Mais conteúdo relacionado

Mais de Universidade Católica Portuguesa

Utilitarismo - Stuart Mill (texto)
Utilitarismo - Stuart Mill (texto)Utilitarismo - Stuart Mill (texto)
Utilitarismo - Stuart Mill (texto)
Universidade Católica Portuguesa
 
Egoísmo Ético (texto)
Egoísmo Ético (texto)Egoísmo Ético (texto)
Egoísmo Ético (texto)
Universidade Católica Portuguesa
 
Guião de Visionamento Gran Torino
Guião de Visionamento Gran TorinoGuião de Visionamento Gran Torino
Guião de Visionamento Gran Torino
Universidade Católica Portuguesa
 
Argumento teleológico - William Paley
Argumento teleológico - William PaleyArgumento teleológico - William Paley
Argumento teleológico - William Paley
Universidade Católica Portuguesa
 
Argumento a favor da Existência de Deus
Argumento a favor da Existência de DeusArgumento a favor da Existência de Deus
Argumento a favor da Existência de Deus
Universidade Católica Portuguesa
 
O que é a religião?
O que é a religião?O que é a religião?
O que é a religião?
Universidade Católica Portuguesa
 
Tolstoi - Confissão
Tolstoi - Confissão Tolstoi - Confissão
Tolstoi - Confissão
Universidade Católica Portuguesa
 
Kurt Baier - Sentido da vida
Kurt Baier - Sentido da vidaKurt Baier - Sentido da vida
Kurt Baier - Sentido da vida
Universidade Católica Portuguesa
 
Ficha de Trabalho Psicologia B
Ficha de Trabalho Psicologia BFicha de Trabalho Psicologia B
Ficha de Trabalho Psicologia B
Universidade Católica Portuguesa
 
Ficha de trabalho
Ficha de trabalho Ficha de trabalho
Objectivos 10 C, H, E
Objectivos 10 C, H, E Objectivos 10 C, H, E
Objectivos 10 C, H, E
Universidade Católica Portuguesa
 
ensaio - sinestesia (Carlos)
ensaio - sinestesia (Carlos)ensaio - sinestesia (Carlos)
ensaio - sinestesia (Carlos)
Universidade Católica Portuguesa
 
Piaget Desenvolvimento
Piaget DesenvolvimentoPiaget Desenvolvimento
Piaget Desenvolvimento
Universidade Católica Portuguesa
 
Piaget - construtivismo
Piaget - construtivismoPiaget - construtivismo
Piaget - construtivismo
Universidade Católica Portuguesa
 
Problema.mal
Problema.malProblema.mal
Freud. psicanálise.parte.i ippt
Freud. psicanálise.parte.i ipptFreud. psicanálise.parte.i ippt
Freud. psicanálise.parte.i ippt
Universidade Católica Portuguesa
 
Freud.conceitos. doc
Freud.conceitos. docFreud.conceitos. doc
Freud.conceitos. doc
Universidade Católica Portuguesa
 
Problema do mal
Problema do malProblema do mal
Freud e a Psicanálise I
Freud e a Psicanálise IFreud e a Psicanálise I
Freud e a Psicanálise I
Universidade Católica Portuguesa
 
Ensaio "Inception"
Ensaio "Inception"Ensaio "Inception"

Mais de Universidade Católica Portuguesa (20)

Utilitarismo - Stuart Mill (texto)
Utilitarismo - Stuart Mill (texto)Utilitarismo - Stuart Mill (texto)
Utilitarismo - Stuart Mill (texto)
 
Egoísmo Ético (texto)
Egoísmo Ético (texto)Egoísmo Ético (texto)
Egoísmo Ético (texto)
 
Guião de Visionamento Gran Torino
Guião de Visionamento Gran TorinoGuião de Visionamento Gran Torino
Guião de Visionamento Gran Torino
 
Argumento teleológico - William Paley
Argumento teleológico - William PaleyArgumento teleológico - William Paley
Argumento teleológico - William Paley
 
Argumento a favor da Existência de Deus
Argumento a favor da Existência de DeusArgumento a favor da Existência de Deus
Argumento a favor da Existência de Deus
 
O que é a religião?
O que é a religião?O que é a religião?
O que é a religião?
 
Tolstoi - Confissão
Tolstoi - Confissão Tolstoi - Confissão
Tolstoi - Confissão
 
Kurt Baier - Sentido da vida
Kurt Baier - Sentido da vidaKurt Baier - Sentido da vida
Kurt Baier - Sentido da vida
 
Ficha de Trabalho Psicologia B
Ficha de Trabalho Psicologia BFicha de Trabalho Psicologia B
Ficha de Trabalho Psicologia B
 
Ficha de trabalho
Ficha de trabalho Ficha de trabalho
Ficha de trabalho
 
Objectivos 10 C, H, E
Objectivos 10 C, H, E Objectivos 10 C, H, E
Objectivos 10 C, H, E
 
ensaio - sinestesia (Carlos)
ensaio - sinestesia (Carlos)ensaio - sinestesia (Carlos)
ensaio - sinestesia (Carlos)
 
Piaget Desenvolvimento
Piaget DesenvolvimentoPiaget Desenvolvimento
Piaget Desenvolvimento
 
Piaget - construtivismo
Piaget - construtivismoPiaget - construtivismo
Piaget - construtivismo
 
Problema.mal
Problema.malProblema.mal
Problema.mal
 
Freud. psicanálise.parte.i ippt
Freud. psicanálise.parte.i ipptFreud. psicanálise.parte.i ippt
Freud. psicanálise.parte.i ippt
 
Freud.conceitos. doc
Freud.conceitos. docFreud.conceitos. doc
Freud.conceitos. doc
 
Problema do mal
Problema do malProblema do mal
Problema do mal
 
Freud e a Psicanálise I
Freud e a Psicanálise IFreud e a Psicanálise I
Freud e a Psicanálise I
 
Ensaio "Inception"
Ensaio "Inception"Ensaio "Inception"
Ensaio "Inception"
 

Psi b.ensaio.francisco

  • 1. 127  Horas      Ensaio  sobre  o  filme         Francisco  Santarém  nº11  12ºB     -­‐     Psicologia  B       Ensaio  sobre  o  filme  “127  horas”   1  
  • 2. Introdução         Baseado   na   história   verídica   da   impressionante   proeza   do   montanhista   Aron   Ralston   (protagonizado   por   James   Franco),   “127   horas”   relata   a   aventura   de   um   homem   ousado   e   amante   de   adrenalina,   que,   numa   das   suas   saídas   de   campo   ao   Blue   John   Canyon,   no   Parque   Nacional   de   Canyonlands   em   Utah,   cai   num   desfiladeiro  ficando  com  o  antebraço  inteiramente  esmagado  por  uma  pesadíssima   pedra;   a   partir   deste   momento,   numa   luta   contra   o   tempo   e   pela   sobrevivência,   Ralston   atravessa   um   penoso   processo   de   introspecção,   onde   se   arrepende   do   facto   de   viver   tão   isolado   dos   seus   amigos   e   familiares,   relembrando-­‐se   das   boas   memórias  que  com  estes  passou,  como  forma,  também,  de  superar  a  solidão  e  de   ultrapassar  a  situação  onde  se  encontrava,  revelando  uma  consciência  de  si  mesmo   e  uma  inteligência  emocional  superiormente  desenvolvidas.     No   final,   quando   finalmente   descobre   que   tem   a   coragem   e   os   recursos   para   se   libertar   por   qualquer   meio   necessário,   escala,   já   sem   o   antebraço   direito,   uma   parede  com  200  metros  e  caminha  mais  de  12  km  antes  de  ser  finalmente  salvo.         Ensaio  sobre  o  filme  “127  horas”   2  
  • 3. Crítica     Posso  dizer  com  toda  a  tranquilidade  que  gostei  muito  do  filme.   Identifiquei-­‐me  plenamente  com  a  relação  de  Ralston  com  a  natureza  e  o  seu   gosto   pela   aventura,   eu   próprio   (quando   posso)   desapareço   durante   um   dia   ou   uma  tarde  pelas  montanhas  da  serra  da  Arga  em  Viana  de  Castelo.   A   realização   foi   espectacular,   Danny   Boyle   consegue   transformar   um   argumento  aparentemente  simples  num  filme  muito  intenso;  toda  a  forma  como  o   filme   é   filmado   é   fenomenal,   conseguimos   sentir   o   que   o   actor   sente   (por   exemplo,   quando  Aron  passa  as  mãos  pelas  rochas  do  “Canyon”).   As   imagens   do   Blue   John   Canyon   são   incríveis,   a   banda   sonora   e   os   efeitos   sonoros   foram   muito   bem   escolhidos   e,   ao   contrário   de   outros   filmes   mais   comerciais,   este   consegue   ser   muito   gráfico   espoletando   no   espectador   imensas   sensações  e  emoções.     “The deep strata of the human spirit” Washington  post   “A struggle for survival and a profound existential crisis” The  New  York  Times         Ensaio  sobre  o  filme  “127  horas”   3  
  • 4. O  filme     No  inicio  do  filme  é  nos  logo  dado  a  entender  que  Aron  Ralston  é  um  individuo   perfeitamente   capaz,   quer   a   nível   físico   quer   a   nível   psicológico,   de   realizar   a   travessia  pelo  Blue  John  Canyon;  ele  conhece  os  “caminhos”,  delineou  um  percurso,   seleccionou   todas   as   ferramentas,   vestuário   e   alimento   que   necessita   e   parece   estar  pronto  para  qualquer  situação  anormal,  o  que  nos  leva  a  entender  tratar-­‐se   de  um  homem  organizado,  experiente  e  determinado.   Outra   característica   de   Aron   é   o   facto   de   este   ser   muito   solitário,   realizando   todo  o  processo  de  preparação  e  execução  da  viagem  acompanhado  apenas  por  ele   próprio,  pela  sua  câmara  e  pela  sua,  sempre  indispensável,  música.   Chegámos,   agora,   a   uma   etapa   do   filme   onde   somos   envolvidos   pela   enorme   alegria,   transmitida   pelo   personagem   principal,   com   o   inicio   da   tão   desejada   viagem.   Esta   etapa,   pelas   suas   características   visuais   e   sonoras,   provoca   no   espectador   uma   sensação   de   grande   prazer   à   medida   que   este   é   envolvido   no   decorrer  da  acção.   Passamos  a  seguir  a  uma  cena  de  elevado  interesse  de  teor  psicológico,  já  que,   nos   revela   alguma   contradição   no   carácter   de   Ralston,   quando   este,   após   ter   iniciado  o  seu  percurso,  encontra  duas  perdidas  e  inexperientes  montanhistas  num   caminho   paralelo,   e,   podendo   continuar   o   seu   caminho   sozinho,   prefere   ajudar   e   interagir   com   as   duas   raparigas,   acabando   por   se   afastar   do   seu   percurso   previamente   delineado,   contrariando   o   seu   comportamento   solitário,   mas   acabando   por   experienciar   estados   de   grande   prazer   e   estabelecer   uma   ligação   com  as  raparigas.   Depois   desta   “interrupção”,   Aron   volta   ao   seu   trajecto   e,   quando   tentava   atravessar   um   desfiladeiro,   uma   pedra   solta-­‐se   e   num   movimento   brusco   e   violento,   cai   projectado   para   o   fundo   da   fenda,   ficando   com   o   antebraço   direito   completamente  esmagada  pela  pedra;     Fazendo   uma   pequena   introdução   ao   próximo   segmento   do   filme,   pode-­‐se   dizer  que  este  é  de  grande  valor  para  o  estudo  do  interior  psicológico  do  Homem,   pois   conseguimos   analisar   integralmente   todas   as   fases   (desde   a   lucidez   inicial   até   à   quase   loucura)   do   desenvolvimento   mental,   de   um   indivíduo   que,   inicialmente,   tenta  encontrar  uma  resposta  lógica  para  o  seu  problema  mas,  depois,  ao  longo  dos   Ensaio  sobre  o  filme  “127  horas”   4  
  • 5. 5   dias   e   com   a   escassez   de   comida   e   água,   considera   medidas   mais   drásticas   que   originariamente  seriam  impensáveis,  como  cortar  o  próprio  braço  a  sangue  frio.     Segundos  depois  e  ainda  em  estado  de  choque,  Aron  tenta  desesperadamente   sair   da   situação   atroz   em   que   se   encontrava,   tentando   puxar   ou   empurrar   a   pedra;   o  seu  cérebro  ainda  não  assimilou  a  informação  necessária  para  desenvolver  uma   resposta  consciente  e  racional  e  como  tal  ainda  tenta  levantar  uma  pedra  com  mais   do  dobro  do  seu  peso.    Neste   momento,   e   depois   de   um   processo   de   racionalização,   Ralston   reúne   (com  calma)  os  objectos  que  se  encontravam  na  sua  mochila  de  modo  a  construir  a   sua  saída,  analisando  todas  as  circunstâncias  e  variantes.  Descobre  uma  potencial   solução  através  de  uma  ferramenta  multiusos  com  uma  navalha  e  com  esta  tenta   destruir   a   pedra   no   local   em   que   esta   se   encontra   com   a   sua   mão.   Esta   solução,   embora  mais  razoável  do  que  a  primeira,  ainda  revela  um  estado  de  elevado  stress   e   um   não   funcionamento   “normal”   do   cérebro.   Com   a   chegada   da   noite   e   num   estado  mais  racional,  Aron  descobre  a  única  solução  que  poderá  resultar:  através   de  um  sistema  de  alavanca,  amarrando  a  pedra,  passando  o  cabo  por  uma  saliência   numa   rocha   um   pouco   acima   da   sua   cabeça   para   distribuir   o   peso   da   pedra   pela   sua  força  e  pela  força  que  a  pedra  exerce  na  outra  rocha;  esta  estratégia  demonstra   uma   racionalização   profunda   e   conseguimos   perceber   que   agora   ele   está   inteiramente  consciente  da  situação  em  que  se  encontra.   A   noite   fria   complica   muito   a   sobrevivência   de   Ralston,   já   que   este   apenas   tem   vestido  uma  t-­‐shirt  e  uns  calções,  enfraquecendo  o  seu  corpo  e  consequentemente   a  sua  mente;  nota-­‐se,  agora,  uma  certa  indolência.  O  sol  nasce,  libertando  os  seus   raios  quentes  pelos  desfiladeiros  do  Blue  John  Canyon,  Aron  tira  o  sapato  e  expõe  o   seu   pé   aos   raios   do   sol   resultando   numa   sensação   de   prazer   imensa;   neste   momento,  e  com  a  recordação  do  seu  pai  a  mostrar-­‐lhe  pela  primeira  vez  o  Canyon,   inicia-­‐se   um   processo   crucial   para   a   sobrevivência   de   Ralston   -­‐   etiquetas   memoriais.   É   devido   ao   convívio   com   os   que   lhe   são   mais   próximos   através   das   ilusões  e  memórias,  que  Ralston  consegue  sobreviver.   É   agora   introduzido   um   outro   elemento   de   elevada   importância,   quer   para   a   análise  psicológica  quer  para  a  qualidade  do  filme  -­‐  a  câmara  de  filmar;  é  através   desta  que  nos  é  actualizado  o  estado  mental  do  personagem,  com  as  gravações  que   este  faz  de  si  próprio  e  sobre  as  quais  irei  comentar.   Ensaio  sobre  o  filme  “127  horas”   5  
  • 6. A   primeira   gravação   é   realizada   24   horas   depois   da   queda   e   é   marcada   pela   angústia  provocada  pela  quase  desistência  de  Aron  perante  a  sua  vida.     Esta   gravação   é   carregada   de   uma   grande   introspecção   pois   nota-­‐se,   já,   um   grande   arrependimento   por   não   passar   mais   tempo   com   os   seus   pais   e   amigos;   Aron   também   pede   a   quem   encontrar   aquela   câmara   que   entregue   aos   seus   pais,   demonstrando  que  já  admitiu  a  derrota  e  que  irá  certamente  morrer.   Os  próximos  dias  revelam  a  degradação  do  estado  psicológico  do  personagem   evidenciando  diversas  alucinações  e  lembranças  dos  vários  erros  que  ele  cometeu   e  que  levaram  a  que  ficasse  preso  num  desfiladeiro  por  tempo  indeterminado:   -­‐   Não   atender   o   telefonema   da   sua   mãe,   não   continuar   com   as   duas   montanhistas   e   não   ter   avisado   o   homem,   onde   foi   buscar   o   mapa   do   Blue   John,   onde  ia.   (terceiro  dia)     Aron   faz   agora   uma   segunda   gravação   evidenciando   a   monotonia   com   que   o   dia   é   passado   sempre   na   esperança   que   apareça   alguém,   utilizando,   inconscientemente,  a  câmara  como  meio  de  fuga  daquele  mundo  como  se  estivesse   a  partilhar  aquela  experiência  com  alguém  tornando-­‐a  menos  dolorosa.     Ralston,   através   do   vídeo,   também   nos   demonstra   o   estado   desesperado   em   que  se  encontrava  urinando  para  o  depósito  onde  antes  havia  água,  para  depois  a   consumir.   Com   o   desespero,   as   mais   absurdas   soluções   vão   se   tornando   apropriadas,   e   como  tal,  Aron  tenta  cortar  o  braço,  atravessando  o  músculo,  mas  ao  encontrar  o   osso   e   apercebendo-­‐se   de   que   a   sua   pequena   navalha   não   consegue   perfurar   o   osso,  ele  elimina  essa  hipótese.   (quarto  dia)   Com   a   terceira   gravação   apercebemo-­‐nos   da   gravidade   do   estado   mental   do   personagem,  que,  em  vez  de  fazer  uma  comunicação  séria,  reproduz  um  talkshow   americano  em  que  ele  é  o  entrevistado,  numa  nova  tentativa  de  fuga  do  problema,   ao  mesmo  tempo  que  utiliza  o  tom  alegre  para  gozar  com  ele  próprio  sobre  o  facto   de   não   ter   avisado   ninguém   sobre   o   seu   paradeiro;   no   final   envia   uma   nova   mensagem  para  os  seus  pais  dizendo  que  os  adora  e  de  certa  forma  despedindo-­‐se.   (quinto  dia)     Ensaio  sobre  o  filme  “127  horas”   6  
  • 7. Cinco  dias  de  frio,  sofrimento,  falta  de  água  e  comida,  o  desespero  aumenta  e   leva  o  ser  humano  a  quase  transformar-­‐se  num  animal  para  sobreviver,  a  adoptar   acções  normalmente  condenadas  pela  sociedade.   Aron   Ralston   encontra-­‐se   exactamente   nessa   situação,   desesperado   pela   resolução  do  problema.   De   repente,   quando,   como   na   expressão   “vê   a   vida   a   passar   à   frente   dos   seus   olhos”,   e   relembrando   tudo   e   todos   que   com   ele   se   relacionaram   e   interagiram,   Ralston  ganha  forças  quase  sobrenaturais  e  num  esforço  bruto  e  contínuo  parte  o   braço   e   usando   a   navalha   corta   o   músculo,   enquanto   estremece   das   dores   horrendas   a   que   está   a   ser   submetido….   quando   finalmente   se   liberta   do   seu   antebraço,  e  quase  a  perder  os  sentidos  corre  para  procurar  ajuda,  escalando  uma   parede  do  Canyon  com  200  metros  e  caminhando  mais  de  12  km,  até  que  avista  ao   longe   uma   família   de   montanhistas   e   com   todas   as   forças   que   ainda   lhe   restam   grita  o  mais  alto  que  pode  por  ajuda  até  que  se  apercebe  que  foi  ouvido  caindo  de   joelhos  tranquilo  e  vitorioso  depois  de  passar  tamanho  teste  à  sua  sobrevivência.   Este  intensíssimo  momento  revela-­‐nos  que  o  ser  humano  quando  submetido  a   condições   muito   adversas   quase   que   deixa   de   responder   conscientemente   sendo   inexplicável   como   é   possível   um   homem   ter   a   força   psicológica   para   contrariar   o   seu  cérebro  e  automutilar-­‐se.     O   ser   humano   ainda   hoje   em   dia   reproduz   várias   respostas   incompreendidas   pelos  investigadores.                             Ensaio  sobre  o  filme  “127  horas”   7  
  • 8. Conclusão       Este  filme  revelou  ser  um  filme  muito  intenso  a  nível  emocional  divulgando  um   leque  de  sensações  e  emoções  muito  completo.   Conseguimos   criar   uma   ligação   com   o   actor   e   partilhar   todas   as   experiências   que  este  vivenciou,  o  que  nos  prende  muito  ao  filme.   O  filme  tem  uma  moral,  também  ela  muito  forte  -­‐  Nunca  desistir!1  1)             Bibliografia       à  http://www.washingtonpost.com/   à http://www.imdb.com/   à  http://www.nytimes.com/   1 Tal  como  eu  nunca  vou  desistir  enquanto  não  tiver  no  mínimo  18  a  psicologia-­‐b   Ensaio  sobre  o  filme  “127  horas”   8