SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 27
O que torna uma
ação moralmente
correta ou incorreta?
O que torna uma ação moralmente
correta ou incorreta?
Problema
O que determina
a moralidade
de uma ação?
Teoria
deontológica/
intencionalista
Teoria
consequencialista
/ utilitarista
Uma teoria é considerada intencionalista
e deontológica (baseada na ideia de
dever) quando considera que o critério
central na determinação das ações
moralmente corretas depende da intenção
do agente, isto é, na análise
de se essa intenção é genuinamente
boa e se tem por base o cumprimento
do dever.
Immanuel Kant
Uma teoria é consequencialista e
utilitarista quando considera que o critério
da moralidade da ação depende única e
exclusivamente das consequências e da
utilidade dessas ações,
independentemente da intenção que
levou o agente a realizá-la.
Stuart Mill
Tese
O que determina a moralidade de uma ação
é a intenção do agente. A única intenção moralmente
boa é o cumprimento do dever.
A Ética Deontológica de Kant
O Princípio do Dever
«É exatamente aí que começa o valor do caráter, que é moralmente, sem
qualquer comparação, o mais alto, e que consiste em fazer o bem, não por
inclinação, mas por dever.»
Immanuel Kant, Fundamentação da Metafísica dos Costumes, Porto Editora, 1995, p. 36.
Só uma ação motivada pura e simplesmente
pelo princípio do querer – dever – é que pode
ter conteúdo moral.
A Ética Deontológica de Kant
A Ética Deontológica de Kant
Tipos de ações
Ações contrárias
ao dever
Ações conformes
ao dever
Ações por puro
respeito pelo dever
• Ações imorais
• Ações ilegais
Ações legais
(não são ações
morais)
Ações morais
(cumprimento do
dever pelo dever)
A boa vontade
A Ética Deontológica de Kant
O conceito de dever contém em si o de boa
vontade – vontade autónoma –, que
efetivamente quer aquilo que deve querer.
A boa vontade é a única coisa que tem valor
intrínseco e incondicional.
Os talentos do espírito, as qualidades do
temperamento e a felicidade e outros dons
da fortuna são coisas boas e desejáveis, no
entanto, também se podem tornar muito más e
prejudiciais sem os princípios de uma boa
vontade, que é boa sem limitações.
• O imperativo categórico é
uma ordem ou obrigação
absoluta e incondicional,
imposta pela razão e que
representa o nosso dever
(indica-nos qual é o nosso
dever).
Exemplo: estudo porque é o
meu dever enquanto estudante.
O imperativo hipotético é um
mandamento condicional do tipo
“se…então” e exprime a
necessidade de fazer algo como
condição para atingir um
determinado objetivo.
Exemplo: estudo para ter
sucesso.
A Ética Deontológica de Kant
Imperativo categórico Imperativo hipotético
≠
Fórmula da lei universal Fórmula da humanidade (fim em si)
Exemplo
• A máxima «quando me encontro em apuros, faço uma promessa sem intenção de a cumprir» não pode constituir uma lei
universal, pois tornaria impossível a própria promessa: todos deixariam de acreditar uns nos outros.
• Seguramente, também concluirias que, se alguém te prometesse algo sem intenção de cumprir, estaria a desrespeitar-te
enquanto ser autónomo e racional e estaria a utilizar-te como um meio para atingir o objetivo de conseguir dinheiro emprestado.
Neste sentido, esta máxima também não cumpre a fórmula da humanidade.
A Ética Deontológica de Kant
Imperativo categórico
«Age apenas segundo uma máxima tal
que possas ao mesmo tempo querer
que ela se torne lei universal.»
«Age de tal maneira que uses a humanidade,
tanto na tua pessoa como na pessoa de qualquer
outro, sempre e simultaneamente como um fim em
si e nunca simplesmente como um meio.»
A moralidade é a relação das ações com a
autonomia da vontade, isto é, com a
legislação universal possível por meio do
imperativo categórico e dos seus princípios
morais.
A vontade autónoma é uma vontade que se
autodetermina por princípios que
universalmente aceita e que não estão
relacionados com sentimentos, impulsos e
inclinações.
A Ética Deontológica de Kant
Autonomia da vontade
«Vontade livre e vontade submetida a leis morais são
uma e a mesma coisa. […] Ora, à ideia da liberdade está
inseparavelmente ligado o conceito de autonomia, e a
este, o princípio universal da moralidade, o qual está na
base de todas as ações de seres racionais, como a lei
natural está na base de todos os fenómenos.»
Immanuel Kant, Fundamentação da Metafísica dos Costumes,
Porto Editora, 1995, pp. 84-89.
A vontade é heterónoma quando não
se autodetermina e não controla os
seus desejos e sentimentos,
deixando-se conduzir por eles, ou
seja, quando se suporta em
imperativos hipotéticos, que nos
sugerem ações para atingir
determinados fins.
A Ética Deontológica de Kant
Heteronomia da vontade
«Não é a vontade que então se dá a lei a si mesma, mas
sim é o objeto que dá a lei à vontade pela sua relação
com ela. Esta relação, quer assente na inclinação, quer
em representantes da razão, só pode tornar possíveis
imperativos hipotéticos: devo fazer alguma coisa porque
quero qualquer outra coisa.»
Immanuel Kant, Fundamentação da Metafísica dos Costumes, Porto
Editora, 1995, p. 78.
Críticas à ética de Kant
1
A ética de Kant é acusada de ser demasiado
fria e racional ao ignorar os
sentimentos/emoções que, muitas vezes,
estão na base das nossas ações.
2
A ética de Kant desvaloriza
as consequências da ação.
Críticas à ética de Kant
3
A ética de Kant nem
sempre permite
resolver conflitos
entre deveres
morais, uma vez que
é uma ética
demasiado formal.
4
Problemas na fórmula da lei universal.
Aristides de Sousa
Mendes com o rabi
Kruger, em 1940
Tese
O que determina a moralidade de uma ação são as
consequências da ação. A ação correta é aquela que,
tendo em conta as alternativas, resulta numa maior
felicidade geral.
A Ética Utilitarista de Mill
A Ética Utilitarista de Mill
Utilitarismo Consequencialismo
Uma ação é moralmente
correta se as consequências
que dela decorrem
promoverem a felicidade geral.
Uma ação é correta ou incorreta
dependendo exclusivamente dos seus
resultados ou consequências.
Felicidade enquanto prazer
e ausência de dor.
A Ética Utilitarista de Mill
Hedonismo
A Ética Utilitarista de Mill
Princípio da maior felicidade
«O fim último, em relação ao qual e em função do qual
todas as outras coisas são desejáveis
(independentemente de estarmos a considerar o nosso
próprio bem ou o bem das outras pessoas), é uma
existência tanto quanto possível livre de dor e, também
na medida do possível, rica em deleites […].»
John Stuart Mill, Utilitarismo, Porto Editora, 2005, pp. 48-53.
A Ética Utilitarista de Mill
Princípio da maior felicidade
«Aquele que salva um semelhante de se afogar faz o que
está moralmente certo, seja o motivo o seu dever seja a
esperança de ser pago pelo incómodo.»
Não há ações boas ou más em si mesmas, só
as consequências as tornam boas ou más.
Prazeres: quantidade ou qualidade?
A Ética Utilitarista de Mill
Bentham Mill
Quantidade dos
prazeres
Qualidade dos
prazeres
≠
Duração Intensidade Superiores Inferiores
A Ética Utilitarista de Mill
Prazeres
Inferiores Superiores
• Corporais
• Físicos
• Sensoriais
• Espirituais
• Intelectuais
• Estéticos
• Morais
Qualidade dos prazeres
A Ética Utilitarista de Mill
Qualidade dos prazeres
«É melhor ser um ser humano insatisfeito do que um
porco satisfeito; é melhor ser Sócrates insatisfeito do que
um tolo satisfeito. E se o tolo ou o porco têm uma opinião
diferente é porque só conhecem o seu próprio lado da
questão. A outra parte da comparação conhece ambos os
lados.»
John Stuart Mill, Utilitarismo, Porto Editora, 2005, p. 78.
A Ética Utilitarista de Mill
Princípio da imparcialidade
Uma ação é boa se promover a
felicidade para o maior número
de pessoas.
Mill afirma que o que distingue uma ação
moralmente correta de uma ação moralmente
incorreta são as suas consequências, isto é, se
dela resulta, tendo em conta as alternativas,
uma maior felicidade. Mill não se está a referir à
felicidade individual exclusivamente, mas à
felicidade geral.
Críticas à ética de Mill
1
Argumento da máquina de
experiências (Robert Nozick)
2
Argumento do bode expiatório (o utilitarismo
pode conduzir a consequências moralmente
inaceitáveis.)
Críticas à ética de Mill
3
A ética utilitarista é demasiado exigente:
será que podemos ser felizes se estivermos
constantemente a sacrificar os nossos
projetos em prol da felicidade da maioria?
4
A impossibilidade de estarmos
constantemente a calcular as consequências
das nossas ações.
Kant Stuart Mill
QUE TIPO DE TEORIA ÉTICA É DEFENDIDA? Teoria deontológica e intencionalista. Teoria utilitarista e consequencialista.
DE QUE DEPENDE O VALOR MORAL DA AÇÃO? O valor moral das ações depende da intenção do
agente.
O valor moral das ações depende das consequências da
ação.
QUAL É O CRITÉRIO DA MORALIDADE? Cumprimento do dever – imperativo categórico. Princípio da maior felicidade.
COMO DEVEMOS AGIR? Devemos agir por dever, respeitando a lei moral, à qual
aderimos livre e racionalmente.
Devemos agir tendo como finalidade a máxima felicidade
para o maior número de pessoas.
EXISTEM DEVERES MORAIS ABSOLUTOS? Existem deveres morais absolutos incondicionais. Os
fins não justificam tratar os seres humanos como meros
meios.
Os deveres morais não são absolutos, devem maximizar a
felicidade geral. Alguns princípios morais poderão ser
violados em determinadas circunstâncias se estiver em
causa um bem maior.
QUAL A FINALIDADE ÚLTIMA DA AÇÃO? A finalidade última da ação é o cumprimento do dever. A finalidade última da ação é a promoção da felicidade
geral.
Análise comparativa

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Filosofia 10º Ano - Os Valores
Filosofia 10º Ano - Os ValoresFilosofia 10º Ano - Os Valores
Filosofia 10º Ano - Os ValoresInesTeixeiraDuarte
 
Sermão aos peixes cap. i
Sermão aos peixes   cap. iSermão aos peixes   cap. i
Sermão aos peixes cap. iameliapadrao
 
Determinismo e Liberdade na Ação Humana
Determinismo e Liberdade na Ação HumanaDeterminismo e Liberdade na Ação Humana
Determinismo e Liberdade na Ação HumanaLeonidia Afm
 
Hume_tipos_conhecimento
Hume_tipos_conhecimentoHume_tipos_conhecimento
Hume_tipos_conhecimentoIsabel Moura
 
A legitimidade da experimentação animal
A legitimidade da experimentação animalA legitimidade da experimentação animal
A legitimidade da experimentação animaltecnico default
 
Posições sobre o livre arbítrio
Posições sobre o livre arbítrioPosições sobre o livre arbítrio
Posições sobre o livre arbítrioFilazambuja
 
Relativismo e Subjetivismo Moral
Relativismo e Subjetivismo MoralRelativismo e Subjetivismo Moral
Relativismo e Subjetivismo MoralJorge Lopes
 
Dimensões da Ação Humana e dos Valores (Kant e Mill)
Dimensões da Ação Humana e dos Valores (Kant e Mill)Dimensões da Ação Humana e dos Valores (Kant e Mill)
Dimensões da Ação Humana e dos Valores (Kant e Mill)InesTeixeiraDuarte
 
3_contraexemplos_cvj
3_contraexemplos_cvj3_contraexemplos_cvj
3_contraexemplos_cvjIsabel Moura
 
Determinismo e Livre-arbítrio - Filosofia 10º Ano
Determinismo e Livre-arbítrio - Filosofia 10º AnoDeterminismo e Livre-arbítrio - Filosofia 10º Ano
Determinismo e Livre-arbítrio - Filosofia 10º AnoPedro Francisco
 
Determinismo, libertismo e determinismo moderado
Determinismo, libertismo e determinismo moderadoDeterminismo, libertismo e determinismo moderado
Determinismo, libertismo e determinismo moderadoAntónio Daniel
 
Diversas respostas ao problema da natureza dos juízos morais
Diversas respostas ao problema da natureza dos juízos moraisDiversas respostas ao problema da natureza dos juízos morais
Diversas respostas ao problema da natureza dos juízos moraisLuis De Sousa Rodrigues
 
Sermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos PeixesSermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos PeixesDaniel Sousa
 
Formas de inferência válidas
Formas de inferência válidasFormas de inferência válidas
Formas de inferência válidasHelena Serrão
 

Mais procurados (20)

Filosofia 10º Ano - Os Valores
Filosofia 10º Ano - Os ValoresFilosofia 10º Ano - Os Valores
Filosofia 10º Ano - Os Valores
 
David hume e o Empirismo
David hume e o EmpirismoDavid hume e o Empirismo
David hume e o Empirismo
 
Sermão aos peixes cap. i
Sermão aos peixes   cap. iSermão aos peixes   cap. i
Sermão aos peixes cap. i
 
Cepticismo
CepticismoCepticismo
Cepticismo
 
Determinismo e Liberdade na Ação Humana
Determinismo e Liberdade na Ação HumanaDeterminismo e Liberdade na Ação Humana
Determinismo e Liberdade na Ação Humana
 
Hume_tipos_conhecimento
Hume_tipos_conhecimentoHume_tipos_conhecimento
Hume_tipos_conhecimento
 
A legitimidade da experimentação animal
A legitimidade da experimentação animalA legitimidade da experimentação animal
A legitimidade da experimentação animal
 
Posições sobre o livre arbítrio
Posições sobre o livre arbítrioPosições sobre o livre arbítrio
Posições sobre o livre arbítrio
 
Relativismo e Subjetivismo Moral
Relativismo e Subjetivismo MoralRelativismo e Subjetivismo Moral
Relativismo e Subjetivismo Moral
 
Dimensões da Ação Humana e dos Valores (Kant e Mill)
Dimensões da Ação Humana e dos Valores (Kant e Mill)Dimensões da Ação Humana e dos Valores (Kant e Mill)
Dimensões da Ação Humana e dos Valores (Kant e Mill)
 
3_contraexemplos_cvj
3_contraexemplos_cvj3_contraexemplos_cvj
3_contraexemplos_cvj
 
DESCARTES 11ANO
DESCARTES 11ANODESCARTES 11ANO
DESCARTES 11ANO
 
Determinismo e Livre-arbítrio - Filosofia 10º Ano
Determinismo e Livre-arbítrio - Filosofia 10º AnoDeterminismo e Livre-arbítrio - Filosofia 10º Ano
Determinismo e Livre-arbítrio - Filosofia 10º Ano
 
Determinismo, libertismo e determinismo moderado
Determinismo, libertismo e determinismo moderadoDeterminismo, libertismo e determinismo moderado
Determinismo, libertismo e determinismo moderado
 
Hume causalidade
Hume causalidadeHume causalidade
Hume causalidade
 
Diversas respostas ao problema da natureza dos juízos morais
Diversas respostas ao problema da natureza dos juízos moraisDiversas respostas ao problema da natureza dos juízos morais
Diversas respostas ao problema da natureza dos juízos morais
 
Sermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos PeixesSermão de Santo António aos Peixes
Sermão de Santo António aos Peixes
 
Popper – o problema da demarcação
Popper – o problema da demarcaçãoPopper – o problema da demarcação
Popper – o problema da demarcação
 
Tipos de argumentos indutivos
Tipos de argumentos indutivosTipos de argumentos indutivos
Tipos de argumentos indutivos
 
Formas de inferência válidas
Formas de inferência válidasFormas de inferência válidas
Formas de inferência válidas
 

Semelhante a O que torna uma ação moralmente correta.pptx

6 as ã©ticas de kant e de s.mill
6  as ã©ticas de kant e de s.mill6  as ã©ticas de kant e de s.mill
6 as ã©ticas de kant e de s.millPatricia .
 
Filosofia Dimensões da ação humana e dos valores
Filosofia Dimensões da ação humana e dos valores Filosofia Dimensões da ação humana e dos valores
Filosofia Dimensões da ação humana e dos valores Sara Cacais
 
As éticas de stuart mill e de kant
As éticas de stuart mill e de kantAs éticas de stuart mill e de kant
As éticas de stuart mill e de kantFilipe Prado
 
ÉTica - fund. moral quando nos referimos à acção humana, aprendemos
ÉTica - fund. moral quando nos referimos à acção humana, aprendemosÉTica - fund. moral quando nos referimos à acção humana, aprendemos
ÉTica - fund. moral quando nos referimos à acção humana, aprendemosisacamel
 
Filosofia 10ºa
Filosofia 10ºaFilosofia 10ºa
Filosofia 10ºaRui Neto
 
Fundamentação da moral
Fundamentação da moral Fundamentação da moral
Fundamentação da moral Marco Casquinha
 
A lei moral segundo kant
A lei moral segundo kantA lei moral segundo kant
A lei moral segundo kantCelina Silva
 
Duas perspectivas éticas
Duas perspectivas éticasDuas perspectivas éticas
Duas perspectivas éticasJoão Simões
 
Ética deontológica e teleológica
Ética deontológica e teleológicaÉtica deontológica e teleológica
Ética deontológica e teleológicaHelena Serrão
 
A teoria ética utilitarista de Stuart Mill
A teoria ética utilitarista de Stuart MillA teoria ética utilitarista de Stuart Mill
A teoria ética utilitarista de Stuart MillOtávio Augusto Padilha
 
Filosofia 10 2015-16_-_a_dimensao_etico-politica_i_diapositivos_
Filosofia 10 2015-16_-_a_dimensao_etico-politica_i_diapositivos_Filosofia 10 2015-16_-_a_dimensao_etico-politica_i_diapositivos_
Filosofia 10 2015-16_-_a_dimensao_etico-politica_i_diapositivos_1245669
 
Moral Utilitarista VersãO Final
Moral Utilitarista VersãO FinalMoral Utilitarista VersãO Final
Moral Utilitarista VersãO FinalHelena Serrão
 
2e3anos_filosofia.pptx
2e3anos_filosofia.pptx2e3anos_filosofia.pptx
2e3anos_filosofia.pptxczarfilsofo
 

Semelhante a O que torna uma ação moralmente correta.pptx (20)

6 as ã©ticas de kant e de s.mill
6  as ã©ticas de kant e de s.mill6  as ã©ticas de kant e de s.mill
6 as ã©ticas de kant e de s.mill
 
Filosofia Dimensões da ação humana e dos valores
Filosofia Dimensões da ação humana e dos valores Filosofia Dimensões da ação humana e dos valores
Filosofia Dimensões da ação humana e dos valores
 
As éticas de stuart mill e de kant
As éticas de stuart mill e de kantAs éticas de stuart mill e de kant
As éticas de stuart mill e de kant
 
ÉTica - fund. moral quando nos referimos à acção humana, aprendemos
ÉTica - fund. moral quando nos referimos à acção humana, aprendemosÉTica - fund. moral quando nos referimos à acção humana, aprendemos
ÉTica - fund. moral quando nos referimos à acção humana, aprendemos
 
éTica de kant e de stuart mill
éTica de kant e de stuart milléTica de kant e de stuart mill
éTica de kant e de stuart mill
 
Objetivos Filosofia
Objetivos FilosofiaObjetivos Filosofia
Objetivos Filosofia
 
Filosofia 10ºa
Filosofia 10ºaFilosofia 10ºa
Filosofia 10ºa
 
Kant e Stuart Mill
Kant e Stuart MillKant e Stuart Mill
Kant e Stuart Mill
 
Fundamentação da moral
Fundamentação da moral Fundamentação da moral
Fundamentação da moral
 
Stuart mill
Stuart millStuart mill
Stuart mill
 
eticadekant.pdf
eticadekant.pdfeticadekant.pdf
eticadekant.pdf
 
A teoria ética utilitarista de mill
A teoria ética utilitarista de millA teoria ética utilitarista de mill
A teoria ética utilitarista de mill
 
A lei moral segundo kant
A lei moral segundo kantA lei moral segundo kant
A lei moral segundo kant
 
Deontologia pronto
Deontologia prontoDeontologia pronto
Deontologia pronto
 
Duas perspectivas éticas
Duas perspectivas éticasDuas perspectivas éticas
Duas perspectivas éticas
 
Ética deontológica e teleológica
Ética deontológica e teleológicaÉtica deontológica e teleológica
Ética deontológica e teleológica
 
A teoria ética utilitarista de Stuart Mill
A teoria ética utilitarista de Stuart MillA teoria ética utilitarista de Stuart Mill
A teoria ética utilitarista de Stuart Mill
 
Filosofia 10 2015-16_-_a_dimensao_etico-politica_i_diapositivos_
Filosofia 10 2015-16_-_a_dimensao_etico-politica_i_diapositivos_Filosofia 10 2015-16_-_a_dimensao_etico-politica_i_diapositivos_
Filosofia 10 2015-16_-_a_dimensao_etico-politica_i_diapositivos_
 
Moral Utilitarista VersãO Final
Moral Utilitarista VersãO FinalMoral Utilitarista VersãO Final
Moral Utilitarista VersãO Final
 
2e3anos_filosofia.pptx
2e3anos_filosofia.pptx2e3anos_filosofia.pptx
2e3anos_filosofia.pptx
 

Mais de Freiheit Ribeiro

cursos-reconhecidos-2022-02-03.pdf
cursos-reconhecidos-2022-02-03.pdfcursos-reconhecidos-2022-02-03.pdf
cursos-reconhecidos-2022-02-03.pdfFreiheit Ribeiro
 
37404565-Referencial-de-formacao-EFA-nivel-secundario.pdf
37404565-Referencial-de-formacao-EFA-nivel-secundario.pdf37404565-Referencial-de-formacao-EFA-nivel-secundario.pdf
37404565-Referencial-de-formacao-EFA-nivel-secundario.pdfFreiheit Ribeiro
 
Análise comparativa de duas teorias explicativas do conhecimento.docx
Análise comparativa de duas teorias explicativas do conhecimento.docxAnálise comparativa de duas teorias explicativas do conhecimento.docx
Análise comparativa de duas teorias explicativas do conhecimento.docxFreiheit Ribeiro
 
EXERCÍCIO DE AVALIAÇÃO SOBRE O DOCUMENTÁRIO DEUS CÉREBRO.docx
EXERCÍCIO DE AVALIAÇÃO SOBRE O DOCUMENTÁRIO DEUS CÉREBRO.docxEXERCÍCIO DE AVALIAÇÃO SOBRE O DOCUMENTÁRIO DEUS CÉREBRO.docx
EXERCÍCIO DE AVALIAÇÃO SOBRE O DOCUMENTÁRIO DEUS CÉREBRO.docxFreiheit Ribeiro
 
p211_senso_comum_ciencia.pptx
p211_senso_comum_ciencia.pptxp211_senso_comum_ciencia.pptx
p211_senso_comum_ciencia.pptxFreiheit Ribeiro
 
Lógia Powerpoint 10ºA ano.pptx
Lógia Powerpoint 10ºA ano.pptxLógia Powerpoint 10ºA ano.pptx
Lógia Powerpoint 10ºA ano.pptxFreiheit Ribeiro
 
1.6.1.-roteiro_apoio-tutorial-especifico.pdf
1.6.1.-roteiro_apoio-tutorial-especifico.pdf1.6.1.-roteiro_apoio-tutorial-especifico.pdf
1.6.1.-roteiro_apoio-tutorial-especifico.pdfFreiheit Ribeiro
 
Plano-de-Apoio-Tutorial-Específico-3.pdf
Plano-de-Apoio-Tutorial-Específico-3.pdfPlano-de-Apoio-Tutorial-Específico-3.pdf
Plano-de-Apoio-Tutorial-Específico-3.pdfFreiheit Ribeiro
 
Uma das frases que se tornou num verdadeiro manifesto económico é aquela que ...
Uma das frases que se tornou num verdadeiro manifesto económico é aquela que ...Uma das frases que se tornou num verdadeiro manifesto económico é aquela que ...
Uma das frases que se tornou num verdadeiro manifesto económico é aquela que ...Freiheit Ribeiro
 

Mais de Freiheit Ribeiro (11)

cursos-reconhecidos-2022-02-03.pdf
cursos-reconhecidos-2022-02-03.pdfcursos-reconhecidos-2022-02-03.pdf
cursos-reconhecidos-2022-02-03.pdf
 
Conhecer-__vora.pdf
Conhecer-__vora.pdfConhecer-__vora.pdf
Conhecer-__vora.pdf
 
37404565-Referencial-de-formacao-EFA-nivel-secundario.pdf
37404565-Referencial-de-formacao-EFA-nivel-secundario.pdf37404565-Referencial-de-formacao-EFA-nivel-secundario.pdf
37404565-Referencial-de-formacao-EFA-nivel-secundario.pdf
 
Análise comparativa de duas teorias explicativas do conhecimento.docx
Análise comparativa de duas teorias explicativas do conhecimento.docxAnálise comparativa de duas teorias explicativas do conhecimento.docx
Análise comparativa de duas teorias explicativas do conhecimento.docx
 
EXERCÍCIO DE AVALIAÇÃO SOBRE O DOCUMENTÁRIO DEUS CÉREBRO.docx
EXERCÍCIO DE AVALIAÇÃO SOBRE O DOCUMENTÁRIO DEUS CÉREBRO.docxEXERCÍCIO DE AVALIAÇÃO SOBRE O DOCUMENTÁRIO DEUS CÉREBRO.docx
EXERCÍCIO DE AVALIAÇÃO SOBRE O DOCUMENTÁRIO DEUS CÉREBRO.docx
 
p211_senso_comum_ciencia.pptx
p211_senso_comum_ciencia.pptxp211_senso_comum_ciencia.pptx
p211_senso_comum_ciencia.pptx
 
Lógia Powerpoint 10ºA ano.pptx
Lógia Powerpoint 10ºA ano.pptxLógia Powerpoint 10ºA ano.pptx
Lógia Powerpoint 10ºA ano.pptx
 
1.6.1.-roteiro_apoio-tutorial-especifico.pdf
1.6.1.-roteiro_apoio-tutorial-especifico.pdf1.6.1.-roteiro_apoio-tutorial-especifico.pdf
1.6.1.-roteiro_apoio-tutorial-especifico.pdf
 
Plano-de-Apoio-Tutorial-Específico-3.pdf
Plano-de-Apoio-Tutorial-Específico-3.pdfPlano-de-Apoio-Tutorial-Específico-3.pdf
Plano-de-Apoio-Tutorial-Específico-3.pdf
 
Uma das frases que se tornou num verdadeiro manifesto económico é aquela que ...
Uma das frases que se tornou num verdadeiro manifesto económico é aquela que ...Uma das frases que se tornou num verdadeiro manifesto económico é aquela que ...
Uma das frases que se tornou num verdadeiro manifesto económico é aquela que ...
 
PLAN_FIL_11.pdf
PLAN_FIL_11.pdfPLAN_FIL_11.pdf
PLAN_FIL_11.pdf
 

Último

Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...LuizHenriquedeAlmeid6
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"Ilda Bicacro
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Rosana Andrea Miranda
 
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaclubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaLuanaAlves940822
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfcarloseduardogonalve36
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalcarlaOliveira438
 
Slide - HIV (1) edit.pptx hiv em crianças
Slide - HIV (1) edit.pptx hiv em criançasSlide - HIV (1) edit.pptx hiv em crianças
Slide - HIV (1) edit.pptx hiv em criançasnarayaskara215
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxRaquelMartins389880
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteLeonel Morgado
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....LuizHenriquedeAlmeid6
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfmaria794949
 
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_AssisMemórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assisbrunocali007
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdfdanielagracia9
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorialNeuroppIsnayaLciaMar
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Mary Alvarenga
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalcarlamgalves5
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfssuserbb4ac2
 

Último (20)

Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaclubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 
Slide - HIV (1) edit.pptx hiv em crianças
Slide - HIV (1) edit.pptx hiv em criançasSlide - HIV (1) edit.pptx hiv em crianças
Slide - HIV (1) edit.pptx hiv em crianças
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_AssisMemórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
 

O que torna uma ação moralmente correta.pptx

  • 1. O que torna uma ação moralmente correta ou incorreta?
  • 2. O que torna uma ação moralmente correta ou incorreta?
  • 3. Problema O que determina a moralidade de uma ação? Teoria deontológica/ intencionalista Teoria consequencialista / utilitarista
  • 4. Uma teoria é considerada intencionalista e deontológica (baseada na ideia de dever) quando considera que o critério central na determinação das ações moralmente corretas depende da intenção do agente, isto é, na análise de se essa intenção é genuinamente boa e se tem por base o cumprimento do dever. Immanuel Kant
  • 5. Uma teoria é consequencialista e utilitarista quando considera que o critério da moralidade da ação depende única e exclusivamente das consequências e da utilidade dessas ações, independentemente da intenção que levou o agente a realizá-la. Stuart Mill
  • 6. Tese O que determina a moralidade de uma ação é a intenção do agente. A única intenção moralmente boa é o cumprimento do dever. A Ética Deontológica de Kant
  • 7. O Princípio do Dever «É exatamente aí que começa o valor do caráter, que é moralmente, sem qualquer comparação, o mais alto, e que consiste em fazer o bem, não por inclinação, mas por dever.» Immanuel Kant, Fundamentação da Metafísica dos Costumes, Porto Editora, 1995, p. 36. Só uma ação motivada pura e simplesmente pelo princípio do querer – dever – é que pode ter conteúdo moral. A Ética Deontológica de Kant
  • 8. A Ética Deontológica de Kant Tipos de ações Ações contrárias ao dever Ações conformes ao dever Ações por puro respeito pelo dever • Ações imorais • Ações ilegais Ações legais (não são ações morais) Ações morais (cumprimento do dever pelo dever)
  • 9. A boa vontade A Ética Deontológica de Kant O conceito de dever contém em si o de boa vontade – vontade autónoma –, que efetivamente quer aquilo que deve querer. A boa vontade é a única coisa que tem valor intrínseco e incondicional. Os talentos do espírito, as qualidades do temperamento e a felicidade e outros dons da fortuna são coisas boas e desejáveis, no entanto, também se podem tornar muito más e prejudiciais sem os princípios de uma boa vontade, que é boa sem limitações.
  • 10. • O imperativo categórico é uma ordem ou obrigação absoluta e incondicional, imposta pela razão e que representa o nosso dever (indica-nos qual é o nosso dever). Exemplo: estudo porque é o meu dever enquanto estudante. O imperativo hipotético é um mandamento condicional do tipo “se…então” e exprime a necessidade de fazer algo como condição para atingir um determinado objetivo. Exemplo: estudo para ter sucesso. A Ética Deontológica de Kant Imperativo categórico Imperativo hipotético ≠
  • 11. Fórmula da lei universal Fórmula da humanidade (fim em si) Exemplo • A máxima «quando me encontro em apuros, faço uma promessa sem intenção de a cumprir» não pode constituir uma lei universal, pois tornaria impossível a própria promessa: todos deixariam de acreditar uns nos outros. • Seguramente, também concluirias que, se alguém te prometesse algo sem intenção de cumprir, estaria a desrespeitar-te enquanto ser autónomo e racional e estaria a utilizar-te como um meio para atingir o objetivo de conseguir dinheiro emprestado. Neste sentido, esta máxima também não cumpre a fórmula da humanidade. A Ética Deontológica de Kant Imperativo categórico «Age apenas segundo uma máxima tal que possas ao mesmo tempo querer que ela se torne lei universal.» «Age de tal maneira que uses a humanidade, tanto na tua pessoa como na pessoa de qualquer outro, sempre e simultaneamente como um fim em si e nunca simplesmente como um meio.»
  • 12. A moralidade é a relação das ações com a autonomia da vontade, isto é, com a legislação universal possível por meio do imperativo categórico e dos seus princípios morais. A vontade autónoma é uma vontade que se autodetermina por princípios que universalmente aceita e que não estão relacionados com sentimentos, impulsos e inclinações. A Ética Deontológica de Kant Autonomia da vontade «Vontade livre e vontade submetida a leis morais são uma e a mesma coisa. […] Ora, à ideia da liberdade está inseparavelmente ligado o conceito de autonomia, e a este, o princípio universal da moralidade, o qual está na base de todas as ações de seres racionais, como a lei natural está na base de todos os fenómenos.» Immanuel Kant, Fundamentação da Metafísica dos Costumes, Porto Editora, 1995, pp. 84-89.
  • 13. A vontade é heterónoma quando não se autodetermina e não controla os seus desejos e sentimentos, deixando-se conduzir por eles, ou seja, quando se suporta em imperativos hipotéticos, que nos sugerem ações para atingir determinados fins. A Ética Deontológica de Kant Heteronomia da vontade «Não é a vontade que então se dá a lei a si mesma, mas sim é o objeto que dá a lei à vontade pela sua relação com ela. Esta relação, quer assente na inclinação, quer em representantes da razão, só pode tornar possíveis imperativos hipotéticos: devo fazer alguma coisa porque quero qualquer outra coisa.» Immanuel Kant, Fundamentação da Metafísica dos Costumes, Porto Editora, 1995, p. 78.
  • 14. Críticas à ética de Kant 1 A ética de Kant é acusada de ser demasiado fria e racional ao ignorar os sentimentos/emoções que, muitas vezes, estão na base das nossas ações. 2 A ética de Kant desvaloriza as consequências da ação.
  • 15. Críticas à ética de Kant 3 A ética de Kant nem sempre permite resolver conflitos entre deveres morais, uma vez que é uma ética demasiado formal. 4 Problemas na fórmula da lei universal. Aristides de Sousa Mendes com o rabi Kruger, em 1940
  • 16. Tese O que determina a moralidade de uma ação são as consequências da ação. A ação correta é aquela que, tendo em conta as alternativas, resulta numa maior felicidade geral. A Ética Utilitarista de Mill
  • 17. A Ética Utilitarista de Mill Utilitarismo Consequencialismo Uma ação é moralmente correta se as consequências que dela decorrem promoverem a felicidade geral. Uma ação é correta ou incorreta dependendo exclusivamente dos seus resultados ou consequências.
  • 18. Felicidade enquanto prazer e ausência de dor. A Ética Utilitarista de Mill Hedonismo
  • 19. A Ética Utilitarista de Mill Princípio da maior felicidade «O fim último, em relação ao qual e em função do qual todas as outras coisas são desejáveis (independentemente de estarmos a considerar o nosso próprio bem ou o bem das outras pessoas), é uma existência tanto quanto possível livre de dor e, também na medida do possível, rica em deleites […].» John Stuart Mill, Utilitarismo, Porto Editora, 2005, pp. 48-53.
  • 20. A Ética Utilitarista de Mill Princípio da maior felicidade «Aquele que salva um semelhante de se afogar faz o que está moralmente certo, seja o motivo o seu dever seja a esperança de ser pago pelo incómodo.» Não há ações boas ou más em si mesmas, só as consequências as tornam boas ou más.
  • 21. Prazeres: quantidade ou qualidade? A Ética Utilitarista de Mill Bentham Mill Quantidade dos prazeres Qualidade dos prazeres ≠ Duração Intensidade Superiores Inferiores
  • 22. A Ética Utilitarista de Mill Prazeres Inferiores Superiores • Corporais • Físicos • Sensoriais • Espirituais • Intelectuais • Estéticos • Morais Qualidade dos prazeres
  • 23. A Ética Utilitarista de Mill Qualidade dos prazeres «É melhor ser um ser humano insatisfeito do que um porco satisfeito; é melhor ser Sócrates insatisfeito do que um tolo satisfeito. E se o tolo ou o porco têm uma opinião diferente é porque só conhecem o seu próprio lado da questão. A outra parte da comparação conhece ambos os lados.» John Stuart Mill, Utilitarismo, Porto Editora, 2005, p. 78.
  • 24. A Ética Utilitarista de Mill Princípio da imparcialidade Uma ação é boa se promover a felicidade para o maior número de pessoas. Mill afirma que o que distingue uma ação moralmente correta de uma ação moralmente incorreta são as suas consequências, isto é, se dela resulta, tendo em conta as alternativas, uma maior felicidade. Mill não se está a referir à felicidade individual exclusivamente, mas à felicidade geral.
  • 25. Críticas à ética de Mill 1 Argumento da máquina de experiências (Robert Nozick) 2 Argumento do bode expiatório (o utilitarismo pode conduzir a consequências moralmente inaceitáveis.)
  • 26. Críticas à ética de Mill 3 A ética utilitarista é demasiado exigente: será que podemos ser felizes se estivermos constantemente a sacrificar os nossos projetos em prol da felicidade da maioria? 4 A impossibilidade de estarmos constantemente a calcular as consequências das nossas ações.
  • 27. Kant Stuart Mill QUE TIPO DE TEORIA ÉTICA É DEFENDIDA? Teoria deontológica e intencionalista. Teoria utilitarista e consequencialista. DE QUE DEPENDE O VALOR MORAL DA AÇÃO? O valor moral das ações depende da intenção do agente. O valor moral das ações depende das consequências da ação. QUAL É O CRITÉRIO DA MORALIDADE? Cumprimento do dever – imperativo categórico. Princípio da maior felicidade. COMO DEVEMOS AGIR? Devemos agir por dever, respeitando a lei moral, à qual aderimos livre e racionalmente. Devemos agir tendo como finalidade a máxima felicidade para o maior número de pessoas. EXISTEM DEVERES MORAIS ABSOLUTOS? Existem deveres morais absolutos incondicionais. Os fins não justificam tratar os seres humanos como meros meios. Os deveres morais não são absolutos, devem maximizar a felicidade geral. Alguns princípios morais poderão ser violados em determinadas circunstâncias se estiver em causa um bem maior. QUAL A FINALIDADE ÚLTIMA DA AÇÃO? A finalidade última da ação é o cumprimento do dever. A finalidade última da ação é a promoção da felicidade geral. Análise comparativa