SlideShare uma empresa Scribd logo
PancreatiteCentro Universitário Barão de MauáCirurgia GeralCamila Baltazar de MeloMarcella Reis Goulart
Questões2010 –UFPR   Qual das afirmativas citadas a seguir não é condição predisponente para pancreatite aguda?HipertrigliceridemiaHipercalcemiaVasculitesHipermagnesemiaAlcoolismo
       2010 SUS-SPUma paciente de 40 anos foi internada por apresentar dor aguda no epigástrio, associada a vômitos e icterícia. Negava febre. Tinha dor à palpação no epigástrio, com peristalse diminuída. T: 37,2 °C. Amilase sérica: 1.400 U/L; leucócitos = 12.000/mm; AST (TGO): 80 U/L; ALT (TGP): 95 U/L; bilirrubinas totais: 3,4 mg/dL, bilirrubina direta: 2,7 mg/dL. Ultrassom: colelitíase e pequena quantidade de líquido livre na cavidade peritoneal; vesícula biliar normodistendida, com paredes de 2 mm de espessura. Após 72 horas de jejum e hidratação, a paciente ficou praticamente assintomática. No sexto dia de internação, alimentava-se normalmente por via oral. Amilase e transaminases eram então normais.       Diagnóstico inicial:      (A) colecistite aguda.      (B) pileflebite.      (C) pancreatite aguda.      (D) colangite aguda.      (E) abscesso hepático.
      2010-UFRN      Uma paciente de 32 anos, assintomática,com quadro de internação por pancreatite aguda biliar há 12 semanas, realiza ultrassonografia de controle, a qual evidencia lesão cística unilocular de 5 cm de diâmetro em cauda pancreática.      Não foram evidenciados sinais de regressão do cisto quando comparado com outros exames ultrassonográficos realizados de 4 e 8 semana após o surto inicial de pancreatite.      A conduta mais adequada é :Drenagem endoscópica com próteseDrenagem percutâneaTratamento conservadorAcesso laparoscópico para drenagem interna
2009 CREMESP    Na vigência de uma pancreatite aguda os achados a seguir são indicativos de maior gravidade, exceto:HiperglicemiaPaO₂ menor que 60 mmHgHipocalcemiaAmilasemia acima de 1.000 U/L
2008 UFAM   Quais dentre os fatores de risco a seguir contribui acentuadamente para o pior prognóstico na evolução das pancreatites?Idade avançadaAmilase acima de 2.000UIHipoglicemiaInfecçãoAscite
2006-HSPE-SP     O principal objetivo do tratamento clínico,na 1ª semana do surto de pancreatite é:Tratar agressivamente a infecção pancreáticaInstituir antibióticos para prevenção e tratamento da sepse, independente da gravidadeRealizar remoção da vesícula biliarRealizar somente o tratamento da coledocolítiaseTratar clinicamente as manifestações sistêmicas da doença
Pâncreas - Embriologia
AnatomiaSituado posterior ao estômago e omento menor, no retroperitôneo do abdome superir.Anterior à veia cava inferior, artéria aorta, veia esplênica e glândula adrenal esquerda.
AnatomiaDivide-se em 4 regiões:
Cabeça/ Processo uncinado
Colo
Corpo
CaudaAnatomiaVascularização
Anatomia Inervação S. N. AutônomoSimpático e ParassimpáticoProveniente dos nervos vago e esplâncnicoAnatômiaDuctos
PâncreasEndócrino
Ilhotas de Langerhans
Regulador da energia corporal     Insulina x Glucagom  Exócrino
Células acinares e ductais      Suco Pancreático(bicarbonato+proteínas) Estimulo secretório: Acetilcolina, colecistoquinina, secretina e VIP
Pancreatite Aguda
Pancreatite AgudaEpisódio agudo súbito de inflamação do pâncreas de diferentes graus de gravidade.EtiologiaCálculo biliar (40%)
Alcoolismo (35%)
 Idiopática (15%)
Drogas(2%)
IatrogênicaEtiologiaHereditáriaHipercalcemia (0.5%)Hiperlipidemia (2%)InfecciosaPicadas de escorpiãoOutras ObstruçõesVacular (isquêmica)Traumatica (0.2 – 1%)Auto-imuneÚlcera duodenal posterior penetrante
Pancreatite
FisiopatologiaUniversidade Estadual de Alagoas – Residência de Gastro
Pancreatite AgudaAlta morbidade e mortalidade: Mais de 300.000 pacientes admitidos por ano. Cerca de 20.000 mortes por ano.Necessidade de atualização por parte dos médicos.Sub-diagnóstico: falta tratamento precoce!!!
SINTOMATOLOGIADor abdominal:Abdome superior: hipocôndrio D e epigástrio.
Aguda, evolutiva, duradoura e profunda
Irradiação
Exacerbação
PosiçãoNáuseasVômitosFebre
Exame FísicoInquietude
Respiratório
Hipertermia
Hipovolemia = Taquicardia, taquipnéia, hipotensão
Abdome distendido, timpânico,    RHA, defesa
Massa epigástrica
Sinal de Grey Turner
Sinal de Cullen
Sinal de FoxExames LaboratoriaisAmilaseLipase                  LeucócitosHemograma         HematócritoEnzimas hepáticas     DHLGlicemia                     TGOCálcio                 PO₂Gasometria         Défict de bases Função renalMarcadores inflamatórios e de necrose
AMILASEEnzima secretada pelas células acinares do pâncreas Aumento anormal dentro de 12 a 24 horas após o início da doençaConsiderada alterada quando está 3 X acima do valor de referência ( Soro: 60 a 160 U/dl  Urina: 50 a 140 U/h)Atinge níveis normais em 48 a 72 horasTeste  pouco específico
LIPASETeste  mais específico que amilaseAtinge o pico um pouco mais tarde que a amilase  24 a 48 horasRetornam para a faixa de referência em 7-10 diasA lipase é o melhor indicador de pancreatite em pacientes  que são vistos vários dias após o início da crise pancreática.
AMILASE NÃO TEM VALOR PROGNÓSTICO
Exames de imagemRX SIMPLESTCUSGCPRERM
RAIO XAlça sentinelaDerrame pleural à esquerdaAumento do arco duodenalSEM INDICAÇÃO NA ESTRATIFICAÇÃO DA GRAVIDADE
Pancreatite
Pancreatite
RAIO X
ULTRA SOMPesquisa de colelitíaseAvaliação de coleções
Pancreatite
USG
TOMOGRAFIAMelhor exame de imagem para diagnosticar as lesões pancreáticasEstratificar a doençaDiagnosticar complicaçõesOrientar punções aspirações , intervenção cirúrgicaIndicada após 48H sem melhoraContraste EVEdema ,necrose,abscesso , complicações
TOMOGRAFIAQuando indicar TC com contraste iodado:Casos com diagnóstico clínico duvidosoPacientes com hiperamilasemia , e PA grave, distensão abdominal,febre alta leucocitoseÍndice de Rason maior que 3 ou APACHE II maior ou igual a 8Casos que não apresentam melhora rápida nas primeiras 72 horas com tratamento conservadorPacientes que apresentam uma melhora inicial e posteriormente tem mudança abrupta do quadro com piora clínica
Fig 1 : Necrose pancreáticaFig 2: Pseudocisto pancreáticoFig 3: Abscessos pancreáticos
RM E TC
CPRECPRE (Colangiopancreatografia endoscópica retrógrada)Não está indicada na pancreatite biliar leve e na pancreatite aguda não biliarO benefício da CPRE na pancreatite biliar com colestase e colangite está bem definida enquanto o papel na pancreatite biliar grave sem obstrução biliar é motivo de controversaSemanas após a resolução do surto agudoPesquisa de alterações nos ductos
Diagnóstico DiferencialProcessos que causam dor abdominal superior, hipersensibilidade, náuseas e vômitos.Obstrução IntestinalColecistite/ ColangiteIsquemia mesentérica/ InfartoVíscera oca perfurada
Preditores clínicos de Doença SeveraPancreatite grave = Complicações, Cuidados intensivos, Decisão terapêutica e Prognóstico!Lipase e AmilaseExperiência médica, sinais de falência orgânica e testes laboratoriais ( leucograma e PCR)Escore
Obesidade (IMC>30): aumenta o PCR e HLA Estudo Finlandês e Mexicano contradizem esta relação. Alcoolismo : promove resposta inflamatória e hiper-responsividade dos monócitos e assim aumentando a chance de necrose pancreática.Procalcitonina e IL-6 Tripsinogênio sérico ou urinário: 100% de sensibilidade da 1ª à 4ª hora do inicio da dor. 91% de especificidade.Hematócrito<44, IMC>30 e Derrame Pleural (RX): “panc 3 score”.
Indicadores PrognósticoCritérios de Ranson (80% de acurácia)
PrognósticoCritérios de RansonPontuação< = 23 – 45 – 6 > = 7Mortalidade             1 %   	15 %	        40  %         100  %
Indicadores PrognósticosApache II: realizada na admissão e durante a hospitalização; aplicada em qualquer doença médica.
Indicadores PrognósticosClassificação tomografica de Balthazar
Indicadores PrognósticosCritérios de BalthazarPontuação     0  _  1    2  –   3    4   –  6     7  –  10         Mortalidade         0    %        8    %	     35  %        92 %
Pancreatite AgudaLeve (80-90%)Intersticial: Disfunção mínima podendo apresentar alterações tomográficas e enzimáticas.Mortalidade 1%Grave (10-20%)Doença sistêmica com falência de múltiplos órgãos.Evolui com frequência para necrose, pseudocisto e abscesso.Mortalidade 30-60%Ranson	  APACHE II                 Balthazar			Pancreatite aguda leve             ≤ 3                        ≤ 8	                       ≤ 7Pancreatite aguda grave           ≥3                         ≥ 8                              ≥ 7
Falência Orgânica:ChoqueInsuficiência RespiratóriaInsuficiência RenalSangramento Gastrointestinal >500 ml/diaIndicadores de Necessidade de cuidados semi ou intensivos:Idade > 55 anosIMC> 30Falência orgânicaDerrame pleuralPancreatite Aguda
TRATAMENTO   Pancreatite Leve ou EdematosaObjetivos do tratamentoReversão do quadro
Controle da insuficiência orgânica e resposta inflamatória sistêmica
Tratamento da causa após resolução do quadroTRATAMENTOJejum
Hidratação parenteral
Analgesia
Suporte nutricional
Bloqueadores bomba de H⁺TRATAMENTO    Pancreatite necrotizanteObjetivos do tratamentoRedução da área de necrose
Prevenção e tratamento da infecção
Controle da insuficiência orgânica e resposta inflamatória sistêmicaTRATAMENTOUTI
Jejum –SNG
Reposição volêmica
Controle eletrolítico
Antibióticos? (Imipenem)
Analgesia
Suporte nutricional

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Monitoria Radiografia de Tórax - Manifestações Patológicas Pulmonares
Monitoria Radiografia de Tórax - Manifestações Patológicas PulmonaresMonitoria Radiografia de Tórax - Manifestações Patológicas Pulmonares
Monitoria Radiografia de Tórax - Manifestações Patológicas Pulmonares
Hercules Antonio Kozorosky Junior
 
Raio x de tórax
Raio x de tóraxRaio x de tórax
Raio x de tórax
resenfe2013
 
Ascite
AsciteAscite
Fígado margarida
Fígado margaridaFígado margarida
Fígado margarida
Margarida Fernandes
 
Câncer gástrico
Câncer gástrico Câncer gástrico
Câncer gástrico
gabrielrb87
 
SINAIS EM RADIOLOGIA TORÁCICA 2.0
SINAIS EM RADIOLOGIA TORÁCICA 2.0SINAIS EM RADIOLOGIA TORÁCICA 2.0
SINAIS EM RADIOLOGIA TORÁCICA 2.0
Brenda Lahlou
 
Gasometria Arterial- Distúrbios do Equilíbrio Ácido-base
Gasometria Arterial- Distúrbios do Equilíbrio Ácido-baseGasometria Arterial- Distúrbios do Equilíbrio Ácido-base
Gasometria Arterial- Distúrbios do Equilíbrio Ácido-base
Flávia Salame
 
Abdome agudo
Abdome agudoAbdome agudo
Abdome agudo
Danilo Modesto
 
Ultrassonografia no Abdome agudo
Ultrassonografia no Abdome agudoUltrassonografia no Abdome agudo
Ultrassonografia no Abdome agudo
Iared
 
Coarctação de Aorta
Coarctação de AortaCoarctação de Aorta
Coarctação de Aorta
Brenda Lahlou
 
Pancreatite Crônica
Pancreatite CrônicaPancreatite Crônica
Pancreatite Crônica
Danilo Cardinelli
 
Apresentação caso clínico
Apresentação caso clínicoApresentação caso clínico
Apresentação caso clínico
janinemagalhaes
 
Radiografia de tórax aula2-padrãoacinar-intersticial
Radiografia de tórax   aula2-padrãoacinar-intersticialRadiografia de tórax   aula2-padrãoacinar-intersticial
Radiografia de tórax aula2-padrãoacinar-intersticial
Flávia Salame
 
Conduta no carcinoma microinvasivo do colo uterino lpjn
Conduta no carcinoma microinvasivo do colo uterino   lpjnConduta no carcinoma microinvasivo do colo uterino   lpjn
Conduta no carcinoma microinvasivo do colo uterino lpjn
Hospital Universitário - Universidade Federal do Rio de Janeiro
 
Figado
FigadoFigado
Fundamentos Técnicos da Cirurgia Pancreática
Fundamentos Técnicos da Cirurgia PancreáticaFundamentos Técnicos da Cirurgia Pancreática
Fundamentos Técnicos da Cirurgia Pancreática
Ozimo Gama
 
Fraturas em Idade Pediatrica
Fraturas em Idade PediatricaFraturas em Idade Pediatrica
Fraturas em Idade Pediatrica
Thassiany Sarmento
 
Laparotomia e fechamento
Laparotomia e fechamentoLaparotomia e fechamento
Laparotomia e fechamento
Fernando de Oliveira Dutra
 
Ultrassom na cirrose, hepatite crônica e nas anormalidades vasculares hepáticas
Ultrassom na cirrose, hepatite crônica e nas anormalidades vasculares hepáticasUltrassom na cirrose, hepatite crônica e nas anormalidades vasculares hepáticas
Ultrassom na cirrose, hepatite crônica e nas anormalidades vasculares hepáticas
Fernanda Hiebra Gonçalves
 
Raio x pós graduação
Raio   x pós graduaçãoRaio   x pós graduação
Raio x pós graduação
Iapes Ensino
 

Mais procurados (20)

Monitoria Radiografia de Tórax - Manifestações Patológicas Pulmonares
Monitoria Radiografia de Tórax - Manifestações Patológicas PulmonaresMonitoria Radiografia de Tórax - Manifestações Patológicas Pulmonares
Monitoria Radiografia de Tórax - Manifestações Patológicas Pulmonares
 
Raio x de tórax
Raio x de tóraxRaio x de tórax
Raio x de tórax
 
Ascite
AsciteAscite
Ascite
 
Fígado margarida
Fígado margaridaFígado margarida
Fígado margarida
 
Câncer gástrico
Câncer gástrico Câncer gástrico
Câncer gástrico
 
SINAIS EM RADIOLOGIA TORÁCICA 2.0
SINAIS EM RADIOLOGIA TORÁCICA 2.0SINAIS EM RADIOLOGIA TORÁCICA 2.0
SINAIS EM RADIOLOGIA TORÁCICA 2.0
 
Gasometria Arterial- Distúrbios do Equilíbrio Ácido-base
Gasometria Arterial- Distúrbios do Equilíbrio Ácido-baseGasometria Arterial- Distúrbios do Equilíbrio Ácido-base
Gasometria Arterial- Distúrbios do Equilíbrio Ácido-base
 
Abdome agudo
Abdome agudoAbdome agudo
Abdome agudo
 
Ultrassonografia no Abdome agudo
Ultrassonografia no Abdome agudoUltrassonografia no Abdome agudo
Ultrassonografia no Abdome agudo
 
Coarctação de Aorta
Coarctação de AortaCoarctação de Aorta
Coarctação de Aorta
 
Pancreatite Crônica
Pancreatite CrônicaPancreatite Crônica
Pancreatite Crônica
 
Apresentação caso clínico
Apresentação caso clínicoApresentação caso clínico
Apresentação caso clínico
 
Radiografia de tórax aula2-padrãoacinar-intersticial
Radiografia de tórax   aula2-padrãoacinar-intersticialRadiografia de tórax   aula2-padrãoacinar-intersticial
Radiografia de tórax aula2-padrãoacinar-intersticial
 
Conduta no carcinoma microinvasivo do colo uterino lpjn
Conduta no carcinoma microinvasivo do colo uterino   lpjnConduta no carcinoma microinvasivo do colo uterino   lpjn
Conduta no carcinoma microinvasivo do colo uterino lpjn
 
Figado
FigadoFigado
Figado
 
Fundamentos Técnicos da Cirurgia Pancreática
Fundamentos Técnicos da Cirurgia PancreáticaFundamentos Técnicos da Cirurgia Pancreática
Fundamentos Técnicos da Cirurgia Pancreática
 
Fraturas em Idade Pediatrica
Fraturas em Idade PediatricaFraturas em Idade Pediatrica
Fraturas em Idade Pediatrica
 
Laparotomia e fechamento
Laparotomia e fechamentoLaparotomia e fechamento
Laparotomia e fechamento
 
Ultrassom na cirrose, hepatite crônica e nas anormalidades vasculares hepáticas
Ultrassom na cirrose, hepatite crônica e nas anormalidades vasculares hepáticasUltrassom na cirrose, hepatite crônica e nas anormalidades vasculares hepáticas
Ultrassom na cirrose, hepatite crônica e nas anormalidades vasculares hepáticas
 
Raio x pós graduação
Raio   x pós graduaçãoRaio   x pós graduação
Raio x pós graduação
 

Destaque

Doença de legg calvé -perthers
Doença de legg calvé -perthersDoença de legg calvé -perthers
Doença de legg calvé -perthers
Marcella Reis Goulart
 
Síndrome do compartimento3
Síndrome  do compartimento3Síndrome  do compartimento3
Síndrome do compartimento3
Marcella Reis Goulart
 
Baço e pancreas do jesus
Baço e pancreas do jesusBaço e pancreas do jesus
Baço e pancreas do jesus
Norberto Werle
 
Câncer de próstata final
Câncer de próstata finalCâncer de próstata final
Câncer de próstata final
Marcella Reis Goulart
 
Pâncreas 2011
Pâncreas 2011Pâncreas 2011
Pâncreas 2011
Norberto Werle
 
Aula de digestivo parte 3
Aula de digestivo parte 3Aula de digestivo parte 3
Aula de digestivo parte 3
Raimundo Tostes
 
Aneurisma de Aorta
Aneurisma de AortaAneurisma de Aorta
Palestra sobre diabetes mellitus
Palestra sobre diabetes mellitusPalestra sobre diabetes mellitus
Palestra sobre diabetes mellitus
adrianomedico
 
Doença arterial obstrutiva periférica (DAOP)
Doença arterial obstrutiva periférica (DAOP)Doença arterial obstrutiva periférica (DAOP)
Doença arterial obstrutiva periférica (DAOP)
Marcella Reis Goulart
 
Pancreatites .
Pancreatites .Pancreatites .
Pancreatites .
Marcelo Falcao
 
Diabetes powerpoint
Diabetes powerpointDiabetes powerpoint
Diabetes powerpoint
mldanforth
 

Destaque (11)

Doença de legg calvé -perthers
Doença de legg calvé -perthersDoença de legg calvé -perthers
Doença de legg calvé -perthers
 
Síndrome do compartimento3
Síndrome  do compartimento3Síndrome  do compartimento3
Síndrome do compartimento3
 
Baço e pancreas do jesus
Baço e pancreas do jesusBaço e pancreas do jesus
Baço e pancreas do jesus
 
Câncer de próstata final
Câncer de próstata finalCâncer de próstata final
Câncer de próstata final
 
Pâncreas 2011
Pâncreas 2011Pâncreas 2011
Pâncreas 2011
 
Aula de digestivo parte 3
Aula de digestivo parte 3Aula de digestivo parte 3
Aula de digestivo parte 3
 
Aneurisma de Aorta
Aneurisma de AortaAneurisma de Aorta
Aneurisma de Aorta
 
Palestra sobre diabetes mellitus
Palestra sobre diabetes mellitusPalestra sobre diabetes mellitus
Palestra sobre diabetes mellitus
 
Doença arterial obstrutiva periférica (DAOP)
Doença arterial obstrutiva periférica (DAOP)Doença arterial obstrutiva periférica (DAOP)
Doença arterial obstrutiva periférica (DAOP)
 
Pancreatites .
Pancreatites .Pancreatites .
Pancreatites .
 
Diabetes powerpoint
Diabetes powerpointDiabetes powerpoint
Diabetes powerpoint
 

Semelhante a Pancreatite

Pancreatite aguda
Pancreatite agudaPancreatite aguda
Pancreatite aguda
cuidadoaoadulto
 
Pancreatite Aguda Set 2008
Pancreatite Aguda Set 2008Pancreatite Aguda Set 2008
Pancreatite Aguda Set 2008
galegoo
 
Tumores do pâncreas atualizado
Tumores do pâncreas atualizadoTumores do pâncreas atualizado
Tumores do pâncreas atualizado
kalinine
 
Tumores do pâncreas atualizado
Tumores do pâncreas atualizadoTumores do pâncreas atualizado
Tumores do pâncreas atualizado
pedroh.braga
 
Aula pancreatite aguda_final
Aula pancreatite aguda_finalAula pancreatite aguda_final
Aula pancreatite aguda_final
Evandro Heston
 
Colecistite aguda_complicaoes.pdf
Colecistite aguda_complicaoes.pdfColecistite aguda_complicaoes.pdf
Colecistite aguda_complicaoes.pdf
InternosFaial
 
Cirrosis
CirrosisCirrosis
Cirrosis
janinemagalhaes
 
Emergências oncologias
Emergências oncologiasEmergências oncologias
Emergências oncologias
ctisaolucascopacabana
 
Hepatite alcoolica
Hepatite alcoolicaHepatite alcoolica
Hepatite alcoolica
janinemagalhaes
 
Sepse, sepse grave, choque séptico
Sepse, sepse grave, choque sépticoSepse, sepse grave, choque séptico
Sepse, sepse grave, choque séptico
guest169f8ea
 
1 exames complementares em gastroenterologia
1   exames complementares em gastroenterologia1   exames complementares em gastroenterologia
1 exames complementares em gastroenterologia
Rejane Gil Gil
 
Emergências oncologias
Emergências oncologiasEmergências oncologias
Emergências oncologias
ctisaolucascopacabana
 
Pancreatite
PancreatitePancreatite
Pancreatite
Patrícia Prates
 
IRenal Aguda e Métodos Dialíticos
IRenal Aguda e Métodos DialíticosIRenal Aguda e Métodos Dialíticos
IRenal Aguda e Métodos Dialíticos
Rodrigo Biondi
 
Ppt0000037
Ppt0000037Ppt0000037
Ppt0000037
Jefferson Oliveira
 
Hiperplasia Prostática Benigna
Hiperplasia Prostática BenignaHiperplasia Prostática Benigna
Hiperplasia Prostática Benigna
Urovideo.org
 
Dengue gravidez
Dengue   gravidezDengue   gravidez
Dengue gravidez
adrianomedico
 
Cirrose E Suas ComplicaçõEs Aula Curso De Uti 2008
Cirrose E Suas ComplicaçõEs   Aula   Curso De Uti 2008Cirrose E Suas ComplicaçõEs   Aula   Curso De Uti 2008
Cirrose E Suas ComplicaçõEs Aula Curso De Uti 2008
galegoo
 
999735354-arboviroses com enfase em dengue dez 2023 2024 19-12.pdf
999735354-arboviroses com enfase em dengue dez 2023 2024 19-12.pdf999735354-arboviroses com enfase em dengue dez 2023 2024 19-12.pdf
999735354-arboviroses com enfase em dengue dez 2023 2024 19-12.pdf
hospitalaresarquivos
 
Cirurgia do câncer pancreático
Cirurgia do câncer pancreáticoCirurgia do câncer pancreático
Cirurgia do câncer pancreático
federicoestudio
 

Semelhante a Pancreatite (20)

Pancreatite aguda
Pancreatite agudaPancreatite aguda
Pancreatite aguda
 
Pancreatite Aguda Set 2008
Pancreatite Aguda Set 2008Pancreatite Aguda Set 2008
Pancreatite Aguda Set 2008
 
Tumores do pâncreas atualizado
Tumores do pâncreas atualizadoTumores do pâncreas atualizado
Tumores do pâncreas atualizado
 
Tumores do pâncreas atualizado
Tumores do pâncreas atualizadoTumores do pâncreas atualizado
Tumores do pâncreas atualizado
 
Aula pancreatite aguda_final
Aula pancreatite aguda_finalAula pancreatite aguda_final
Aula pancreatite aguda_final
 
Colecistite aguda_complicaoes.pdf
Colecistite aguda_complicaoes.pdfColecistite aguda_complicaoes.pdf
Colecistite aguda_complicaoes.pdf
 
Cirrosis
CirrosisCirrosis
Cirrosis
 
Emergências oncologias
Emergências oncologiasEmergências oncologias
Emergências oncologias
 
Hepatite alcoolica
Hepatite alcoolicaHepatite alcoolica
Hepatite alcoolica
 
Sepse, sepse grave, choque séptico
Sepse, sepse grave, choque sépticoSepse, sepse grave, choque séptico
Sepse, sepse grave, choque séptico
 
1 exames complementares em gastroenterologia
1   exames complementares em gastroenterologia1   exames complementares em gastroenterologia
1 exames complementares em gastroenterologia
 
Emergências oncologias
Emergências oncologiasEmergências oncologias
Emergências oncologias
 
Pancreatite
PancreatitePancreatite
Pancreatite
 
IRenal Aguda e Métodos Dialíticos
IRenal Aguda e Métodos DialíticosIRenal Aguda e Métodos Dialíticos
IRenal Aguda e Métodos Dialíticos
 
Ppt0000037
Ppt0000037Ppt0000037
Ppt0000037
 
Hiperplasia Prostática Benigna
Hiperplasia Prostática BenignaHiperplasia Prostática Benigna
Hiperplasia Prostática Benigna
 
Dengue gravidez
Dengue   gravidezDengue   gravidez
Dengue gravidez
 
Cirrose E Suas ComplicaçõEs Aula Curso De Uti 2008
Cirrose E Suas ComplicaçõEs   Aula   Curso De Uti 2008Cirrose E Suas ComplicaçõEs   Aula   Curso De Uti 2008
Cirrose E Suas ComplicaçõEs Aula Curso De Uti 2008
 
999735354-arboviroses com enfase em dengue dez 2023 2024 19-12.pdf
999735354-arboviroses com enfase em dengue dez 2023 2024 19-12.pdf999735354-arboviroses com enfase em dengue dez 2023 2024 19-12.pdf
999735354-arboviroses com enfase em dengue dez 2023 2024 19-12.pdf
 
Cirurgia do câncer pancreático
Cirurgia do câncer pancreáticoCirurgia do câncer pancreático
Cirurgia do câncer pancreático
 

Pancreatite

  • 1. PancreatiteCentro Universitário Barão de MauáCirurgia GeralCamila Baltazar de MeloMarcella Reis Goulart
  • 2. Questões2010 –UFPR Qual das afirmativas citadas a seguir não é condição predisponente para pancreatite aguda?HipertrigliceridemiaHipercalcemiaVasculitesHipermagnesemiaAlcoolismo
  • 3. 2010 SUS-SPUma paciente de 40 anos foi internada por apresentar dor aguda no epigástrio, associada a vômitos e icterícia. Negava febre. Tinha dor à palpação no epigástrio, com peristalse diminuída. T: 37,2 °C. Amilase sérica: 1.400 U/L; leucócitos = 12.000/mm; AST (TGO): 80 U/L; ALT (TGP): 95 U/L; bilirrubinas totais: 3,4 mg/dL, bilirrubina direta: 2,7 mg/dL. Ultrassom: colelitíase e pequena quantidade de líquido livre na cavidade peritoneal; vesícula biliar normodistendida, com paredes de 2 mm de espessura. Após 72 horas de jejum e hidratação, a paciente ficou praticamente assintomática. No sexto dia de internação, alimentava-se normalmente por via oral. Amilase e transaminases eram então normais. Diagnóstico inicial: (A) colecistite aguda. (B) pileflebite. (C) pancreatite aguda. (D) colangite aguda. (E) abscesso hepático.
  • 4. 2010-UFRN Uma paciente de 32 anos, assintomática,com quadro de internação por pancreatite aguda biliar há 12 semanas, realiza ultrassonografia de controle, a qual evidencia lesão cística unilocular de 5 cm de diâmetro em cauda pancreática. Não foram evidenciados sinais de regressão do cisto quando comparado com outros exames ultrassonográficos realizados de 4 e 8 semana após o surto inicial de pancreatite. A conduta mais adequada é :Drenagem endoscópica com próteseDrenagem percutâneaTratamento conservadorAcesso laparoscópico para drenagem interna
  • 5. 2009 CREMESP Na vigência de uma pancreatite aguda os achados a seguir são indicativos de maior gravidade, exceto:HiperglicemiaPaO₂ menor que 60 mmHgHipocalcemiaAmilasemia acima de 1.000 U/L
  • 6. 2008 UFAM Quais dentre os fatores de risco a seguir contribui acentuadamente para o pior prognóstico na evolução das pancreatites?Idade avançadaAmilase acima de 2.000UIHipoglicemiaInfecçãoAscite
  • 7. 2006-HSPE-SP O principal objetivo do tratamento clínico,na 1ª semana do surto de pancreatite é:Tratar agressivamente a infecção pancreáticaInstituir antibióticos para prevenção e tratamento da sepse, independente da gravidadeRealizar remoção da vesícula biliarRealizar somente o tratamento da coledocolítiaseTratar clinicamente as manifestações sistêmicas da doença
  • 9. AnatomiaSituado posterior ao estômago e omento menor, no retroperitôneo do abdome superir.Anterior à veia cava inferior, artéria aorta, veia esplênica e glândula adrenal esquerda.
  • 12. Colo
  • 13. Corpo
  • 15. Anatomia Inervação S. N. AutônomoSimpático e ParassimpáticoProveniente dos nervos vago e esplâncnicoAnatômiaDuctos
  • 18. Regulador da energia corporal Insulina x Glucagom Exócrino
  • 19. Células acinares e ductais Suco Pancreático(bicarbonato+proteínas) Estimulo secretório: Acetilcolina, colecistoquinina, secretina e VIP
  • 21. Pancreatite AgudaEpisódio agudo súbito de inflamação do pâncreas de diferentes graus de gravidade.EtiologiaCálculo biliar (40%)
  • 25. IatrogênicaEtiologiaHereditáriaHipercalcemia (0.5%)Hiperlipidemia (2%)InfecciosaPicadas de escorpiãoOutras ObstruçõesVacular (isquêmica)Traumatica (0.2 – 1%)Auto-imuneÚlcera duodenal posterior penetrante
  • 27. FisiopatologiaUniversidade Estadual de Alagoas – Residência de Gastro
  • 28. Pancreatite AgudaAlta morbidade e mortalidade: Mais de 300.000 pacientes admitidos por ano. Cerca de 20.000 mortes por ano.Necessidade de atualização por parte dos médicos.Sub-diagnóstico: falta tratamento precoce!!!
  • 29. SINTOMATOLOGIADor abdominal:Abdome superior: hipocôndrio D e epigástrio.
  • 37. Hipovolemia = Taquicardia, taquipnéia, hipotensão
  • 40. Sinal de Grey Turner
  • 42. Sinal de FoxExames LaboratoriaisAmilaseLipase LeucócitosHemograma HematócritoEnzimas hepáticas DHLGlicemia TGOCálcio PO₂Gasometria Défict de bases Função renalMarcadores inflamatórios e de necrose
  • 43. AMILASEEnzima secretada pelas células acinares do pâncreas Aumento anormal dentro de 12 a 24 horas após o início da doençaConsiderada alterada quando está 3 X acima do valor de referência ( Soro: 60 a 160 U/dl Urina: 50 a 140 U/h)Atinge níveis normais em 48 a 72 horasTeste pouco específico
  • 44. LIPASETeste mais específico que amilaseAtinge o pico um pouco mais tarde que a amilase 24 a 48 horasRetornam para a faixa de referência em 7-10 diasA lipase é o melhor indicador de pancreatite em pacientes que são vistos vários dias após o início da crise pancreática.
  • 45. AMILASE NÃO TEM VALOR PROGNÓSTICO
  • 46. Exames de imagemRX SIMPLESTCUSGCPRERM
  • 47. RAIO XAlça sentinelaDerrame pleural à esquerdaAumento do arco duodenalSEM INDICAÇÃO NA ESTRATIFICAÇÃO DA GRAVIDADE
  • 51. ULTRA SOMPesquisa de colelitíaseAvaliação de coleções
  • 53. USG
  • 54. TOMOGRAFIAMelhor exame de imagem para diagnosticar as lesões pancreáticasEstratificar a doençaDiagnosticar complicaçõesOrientar punções aspirações , intervenção cirúrgicaIndicada após 48H sem melhoraContraste EVEdema ,necrose,abscesso , complicações
  • 55. TOMOGRAFIAQuando indicar TC com contraste iodado:Casos com diagnóstico clínico duvidosoPacientes com hiperamilasemia , e PA grave, distensão abdominal,febre alta leucocitoseÍndice de Rason maior que 3 ou APACHE II maior ou igual a 8Casos que não apresentam melhora rápida nas primeiras 72 horas com tratamento conservadorPacientes que apresentam uma melhora inicial e posteriormente tem mudança abrupta do quadro com piora clínica
  • 56. Fig 1 : Necrose pancreáticaFig 2: Pseudocisto pancreáticoFig 3: Abscessos pancreáticos
  • 58. CPRECPRE (Colangiopancreatografia endoscópica retrógrada)Não está indicada na pancreatite biliar leve e na pancreatite aguda não biliarO benefício da CPRE na pancreatite biliar com colestase e colangite está bem definida enquanto o papel na pancreatite biliar grave sem obstrução biliar é motivo de controversaSemanas após a resolução do surto agudoPesquisa de alterações nos ductos
  • 59. Diagnóstico DiferencialProcessos que causam dor abdominal superior, hipersensibilidade, náuseas e vômitos.Obstrução IntestinalColecistite/ ColangiteIsquemia mesentérica/ InfartoVíscera oca perfurada
  • 60. Preditores clínicos de Doença SeveraPancreatite grave = Complicações, Cuidados intensivos, Decisão terapêutica e Prognóstico!Lipase e AmilaseExperiência médica, sinais de falência orgânica e testes laboratoriais ( leucograma e PCR)Escore
  • 61. Obesidade (IMC>30): aumenta o PCR e HLA Estudo Finlandês e Mexicano contradizem esta relação. Alcoolismo : promove resposta inflamatória e hiper-responsividade dos monócitos e assim aumentando a chance de necrose pancreática.Procalcitonina e IL-6 Tripsinogênio sérico ou urinário: 100% de sensibilidade da 1ª à 4ª hora do inicio da dor. 91% de especificidade.Hematócrito<44, IMC>30 e Derrame Pleural (RX): “panc 3 score”.
  • 62. Indicadores PrognósticoCritérios de Ranson (80% de acurácia)
  • 63. PrognósticoCritérios de RansonPontuação< = 23 – 45 – 6 > = 7Mortalidade 1 % 15 % 40 % 100 %
  • 64. Indicadores PrognósticosApache II: realizada na admissão e durante a hospitalização; aplicada em qualquer doença médica.
  • 66. Indicadores PrognósticosCritérios de BalthazarPontuação 0 _ 1 2 – 3 4 – 6 7 – 10 Mortalidade 0 % 8 % 35 % 92 %
  • 67. Pancreatite AgudaLeve (80-90%)Intersticial: Disfunção mínima podendo apresentar alterações tomográficas e enzimáticas.Mortalidade 1%Grave (10-20%)Doença sistêmica com falência de múltiplos órgãos.Evolui com frequência para necrose, pseudocisto e abscesso.Mortalidade 30-60%Ranson APACHE II Balthazar Pancreatite aguda leve ≤ 3 ≤ 8 ≤ 7Pancreatite aguda grave ≥3 ≥ 8 ≥ 7
  • 68. Falência Orgânica:ChoqueInsuficiência RespiratóriaInsuficiência RenalSangramento Gastrointestinal >500 ml/diaIndicadores de Necessidade de cuidados semi ou intensivos:Idade > 55 anosIMC> 30Falência orgânicaDerrame pleuralPancreatite Aguda
  • 69. TRATAMENTO Pancreatite Leve ou EdematosaObjetivos do tratamentoReversão do quadro
  • 70. Controle da insuficiência orgânica e resposta inflamatória sistêmica
  • 71. Tratamento da causa após resolução do quadroTRATAMENTOJejum
  • 75. Bloqueadores bomba de H⁺TRATAMENTO Pancreatite necrotizanteObjetivos do tratamentoRedução da área de necrose
  • 76. Prevenção e tratamento da infecção
  • 77. Controle da insuficiência orgânica e resposta inflamatória sistêmicaTRATAMENTOUTI
  • 85. Profilaxia TVP –desnecessária (complicações hemorrágicas são mais comuns que as complicações trombóticas)TRATAMENTOAntibióticos?RecomendaçãoContra a profilaxia antibacteriana ou antifúngica sistema de rotina em pacientes com necrose pancreática infectada
  • 86. Divisão na opinião de especialista
  • 87. Necessária identificação de subgrupo de pacientes que poderão ser beneficiadosPROPOSTAS CIRÚRGICASTratamento de fatores etiológicosControle da doençaTratamento de complicações específicas (abscessos peripancreáticos, hemorragias, etc..)
  • 88. CIRURGIATratamento dos fatores etiológicosCálculos biliares:Colecistectomia após resolução do quadro agudo, na mesma internação.Descompressão biliar, apenas nos casos com coledocolitíase em pancreatites sem resposta ao tratamento clínico, preferencialmente por CPER.
  • 89. CIRURGIAControle da doençaPancreatite Aguda grave (com complicação)
  • 90. Necrose PancreáticaCIRURGIAPANCREATITE AGUDA NECROTIZANTEIndicações consensuaisInfecção da necrose pancreática(PAF, Bolhas à TC)Catástrofes abdominais (ex hemorragia maciça)Complicações como hemorragia digestiva sem causa aparente.
  • 93. Necrose pancreática estéril com ou sem insuficiência orgânica
  • 94. Controvérsia quanto ao momento de intervenção
  • 95. Precoce ou tardio (mais de 14 dias)
  • 101. Tratamento conservador ou drenagemPSEUDOCISTOSIndicação de tratamento cirúrgicoSintomas
  • 103. Tamanho maior que 5 a 6 cmPSEUDOCISTOSDrenagem e ressecçõesDrenagens internas:Ausência de complicações
  • 105. Estômago, duodeno ou alça jejunal PSEUDOCISTOSInfecçãoFebre e outras manifestações sistêmicas de sepse
  • 106. Drenagem externaPSEUDOCISTOSRessecção:InfrequentePorções distais do pâncreasPorção cefálica –dificuldade cirúrgica
  • 110. Antibioticoterapia de largo espectroBibliografiaTownsend, Courtney. Sabiston Tratado de CirurgiaCappell, M.S. Acute Pancreatitis: Etiology, Clinical Presentation, Diagnoses, and Therapy, 2008.Skioworth, J.R.A, Pereira, S.P. Acute Pancreatitis, 2008
  • 111. Questões2010 –UFPR Qual das afirmativas citadas a seguir não é condição predisponente para pancreatite aguda?HipertrigliceridemiaHipercalcemiaVasculitesHipermagnesemiaAlcoolismo
  • 112. Questões2010 –UFPR Qual das afirmativas citadas a seguir não é condição predisponente para pancreatite aguda?HipertrigliceridemiaHipercalcemiaVasculitesHipermagnesemiaAlcoolismo
  • 113. 2010-UFRN Uma paciente de 32 anos, assintomática,com quadro de internação por pancreatite aguda biliar há 12 semanas, realiza ultrassonografia de controle, a qual evidencia lesão cística unilocular de 5 cm de diâmetro em cauda pancreática. Não foram evidenciados sinais de regressão do cisto quando comparado com outros exames ultrassonográficos realizados de 4 e 8 semana após o surto inicial de pancreatite. A conduta mais adequada é :Drenagem endoscópica com próteseDrenagem percutâneaTratamento conservadorAcesso laparoscópico para drenagem interna
  • 114. 2010-UFRN Uma paciente de 32 anos, assintomática,com quadro de internação por pancreatite aguda biliar há 12 semanas, realiza ultrassonografia de controle, a qual evidencia lesão cística unilocular de 5 cm de diâmetro em cauda pancreática. Não foram evidenciados sinais de regressão do cisto quando comparado com outros exames ultrassonográficos realizados de 4 e 8 semana após o surto inicial de pancreatite. A conduta mais adequada é :Drenagem endoscópica com próteseDrenagem percutâneaTratamento conservadorAcesso laparoscópico para drenagem interna
  • 115. 2010 SUS-SPUma paciente de 40 anos foi internada por apresentar dor aguda no epigástrio, associada a vômitos e icterícia. Negava febre. Tinha dor à palpação no epigástrio, com peristalse diminuída. T: 37,2 °C. Amilase sérica: 1.400 U/L; leucócitos = 12.000/mm; AST (TGO): 80 U/L; ALT (TGP): 95 U/L; bilirrubinas totais: 3,4 mg/dL, bilirrubina direta: 2,7 mg/dL. Ultrassom: colelitíase e pequena quantidade de líquido livre na cavidade peritoneal; vesícula biliar normodistendida, com paredes de 2 mm de espessura. Após 72 horas de jejum e hidratação, a paciente ficou praticamente assintomática. No sexto dia de internação, alimentava-se normalmente por via oral. Amilase e transaminases eram então normais. Diagnóstico inicial: (A) colecistite aguda. (B) pileflebite. (C) pancreatite aguda. (D) colangite aguda. (E) abscesso hepático.
  • 116. 2010 SUS-SPUma paciente de 40 anos foi internada por apresentar dor aguda no epigástrio, associada a vômitos e icterícia. Negava febre. Tinha dor à palpação no epigástrio, com peristalse diminuída. T: 37,2 °C. Amilase sérica: 1.400 U/L; leucócitos = 12.000/mm; AST (TGO): 80 U/L; ALT (TGP): 95 U/L; bilirrubinas totais: 3,4 mg/dL, bilirrubina direta: 2,7 mg/dL. Ultrassom: colelitíase e pequena quantidade de líquido livre na cavidade peritoneal; vesícula biliar normodistendida, com paredes de 2 mm de espessura. Após 72 horas de jejum e hidratação, a paciente ficou praticamente assintomática. No sexto dia de internação, alimentava-se normalmente por via oral. Amilase e transaminases eram então normais. Diagnóstico inicial: (A) colecistite aguda. (B) pileflebite. (C) pancreatite aguda. (D) colangite aguda. (E) abscesso hepático.
  • 117. 2009 CREMESP Na vigência de uma pancreatite aguda os achados a seguir são indicativos de maior gravidade, exceto:HiperglicemiaPaO₂ menor que 60 mmHgHipocalcemiaAmilasemia acima de 1.000 U/L
  • 118. 2009 CREMESP Na vigência de uma pancreatite aguda os achados a seguir são indicativos de maior gravidade, exceto:HiperglicemiaPaO₂ menor que 60 mmHgHipocalcemiaAmilasemia acima de 1.000 U/L
  • 119. 2008 UFAM Quais dentre os fatores de risco a seguir contribui acentuadamente para o pior prognóstico na evolução das pancreatites?Idade avançadaAmilase acima de 2.000UIHipoglicemiaInfecçãoAscite
  • 120. 2008 UFAM Quais dentre os fatores de risco a seguir contribui acentuadamente para o pior prognóstico na evolução das pancreatites?Idade avançadaAmilase acima de 2.000UIHipoglicemiaInfecçãoAscite
  • 121. 2006-HSPE-SP O principal objetivo do tratamento clínico,na 1ª semana do surto de pancreatite é:Tratar agressivamente a infecção pancreáticaInstituir antibióticos para prevenção e tratamento da sepse, independente da gravidadeRealizar remoção da vesícula biliarRealizar somente o tratamento da coledocolítiaseTratar clinicamente as manifestações sistêmicas da doença
  • 122. 2006-HSPE-SP O principal objetivo do tratamento clínico,na 1ª semana do surto de pancreatite é:Tratar agressivamente a infecção pancreáticaInstituir antibióticos para prevenção e tratamento da sepse, independente da gravidadeRealizar remoção da vesícula biliarRealizar somente o tratamento da coledocolítiaseTratar clinicamente as manifestações sistêmicas da doença